Paz e Perdão

Página 2 de 3 Anterior  1, 2, 3  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jun 05, 2011 9:57 am

Um Grande Sonho

Pudera eu ter a capacidade de levar aos que sofrem uma palavra certa que atinja sempre o ponto exacto de cada problemática.

Tantas dores, tantas dúvidas, tantas incompreensões...
Pudera eu ter a luz para todos os problemas.

Tantas tristezas, tantas angústias.
Oh, meu Deus! As dificuldades e os sofrimentos são tantos.

Pudera eu visualizar um mundo sem guerras, sem ódios, um mundo em que todos se amassem, se respeitassem e dignificassem o Criador com ações enquadradas no mais puro sentimento de alegria, felicidade e amor.

Já que eu não tenho a capacidade, acho que só existe um caminho:
Amem-se sem distinção de raças, crenças e sem tudo aquilo que o homem inventou para viver em conflitos e desunião.

Façam sempre o bem sem olhar a quem.

Já imaginaram se todos procurassem ser bons?

Tenho certeza que seria maravilhoso e não teríamos tanta tristeza que assola este mundo.

Acho que vale a pena sonhar pelo lado positivo dos factos, vocês não acham?.

Jorge Marques

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jun 06, 2011 11:05 am

Dez Apontamentos para a Paz
Livro: Mentores e Seareiros
André Luiz & Francisco Cândido Xavier

1º. Aprenda a desculpar infinitamente para que os seus erros, à frente dos outros, sejam esquecidos e perdoados.

2º. Cale-se, diante do escárnio e da ofensa, sustentando o silêncio edificante, capaz de ambientar-lhe a palavra fraterna em momento oportuno.

3º. Não cultive desafectos, recordando que a aversão por determinada criatura é, quase sempre, o resultado da aversão que lhe impuseste.

4º. Não permita que o egoísmo e a vaidade, o orgulho e a discórdia se enraízem no seu coração, lembrando que toda a ideia de super estimação dos próprios valores é adubo nos espinheiros da irritação e do ódio.

5º. Perante o companheiro que se rendeu às tentações de natureza inferior, deixe que a compaixão lhe ilumine os pontos de vista, pensando que, em outras circunstâncias, poderia você ocupar-lhe a indesejável situação e o lugar triste.

6º. Não erga a sua voz demasiado e nem tempere a sua frase com fel para que a sua palavra não envenene as chagas do próximo.

7º. Levante-se, cada dia, com a disposição de ser sem a preocupação de ser servido, de auxiliar sem retribuição e cooperar sem recompensa, para que a solidariedade espontânea te favoreça com os créditos e recursos da simpatia.

8º. Esqueça a calúnia e a maledicência, a perversidade e as aflições que lhe dilaceram a alma, entendendo nas dores e obstáculos do mundo as suas melhores oportunidades de redenção.

9º. Lembre-se de que os seus credores estão registando a linguagem de seus exemplos e perdoar-lhe-ão as faltas e os débitos, à medida que você se fizer o benfeitor desinteressado de muitos.

10º. Não julgue que o serviço da paz seja mero problema de boca mas, sim, testemunho de amor e renúncia, regeneração e humildade da própria vida, porque, somente ao preço de nosso próprio suor, na obra do bem, é que conseguiremos reconciliar-nos, mais depressa, com os nossos adversários, segundo a lição do Senhor.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jun 06, 2011 11:07 am

Viver em Paz
Livro: Fonte Viva
Emmanuel & Francisco Cândido Xavier

"... Vivei em paz..."
Paulo. (II Coríntios, 13:11)

Mantém-te em paz.

É provável que os outros te guerreiem gratuitamente, hostilizando-te a maneira de viver; entretanto, podes avançar em teu roteiro, sem guerrear a ninguém.

Para isso, contudo - para que a tranquilidade te banhe o pensamento -, é necessário que a compaixão e a bondade te sigam todos os passos.

Assume contigo mesmo o compromisso de evitar a exasperação.

Junto da serenidade, poderás analisar cada acontecimento e cada pessoa no lugar e na posição que lhes dizem respeito.

Repara, carinhosamente, os que te procuram no caminho...

Todos os que surgem aflitos ou desesperados, coléricos ou desabridos, trazem chagas ou ilusões.

Prisioneiros da vaidade ou da ignorância, não souberam tolerar a luz da verdade e clamam irritadiços...

Unge-te de piedade e penetra-lhes os recessos do ser, e identificarás em todos eles crianças espirituais que se sentem ultrajadas ou contundidas.

Uns acusam, outros choram.
Ajuda-os, enquanto podes.
Pacificando-lhes a alma, harmonizarás, ainda mais, a tua vida.

Aprendamos a compreender cada mente em seu problema.

Recorda-te de que a natureza, sempre divina em seus fundamentos, respeita a lei do equilíbrio e conserva-a sem cessar.

Ainda mesmo quando os homens se mostram desvairados, nos conflitos abertos, a Terra é sempre firme e o Sol fulgura sempre.

Viver de qualquer modo é de todos, mais viver em paz consigo mesmo é serviço de poucos.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jun 06, 2011 11:08 am

Dinamismo para a Paz
Livro: Espírito e Vida
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

Dificuldades, todos enfrentamos pela rota evolutiva.
Aflições, todos experimentamos no exercício da sublimação.
Ansiedades, todos agasalhamos na execução do programa de libertação íntima.

No entanto, porque acidentes da estrada ocultem a meta de destino não significa isto o desaparecimento do objetivo a alcançar.
Nem porque a noite em se assenhoreando da abóbada celeste espalhe sombras, deixa de recamar-se o firmamento com astros que fulguram, confirmando o sol presente...

Faz-se necessário que a luta árdua seja contínua para que se comprove a excelência do lidador.
E nesse particular o estudante do Evangelho não tem motivos para estranheza.

Renascido sob o sinete de débitos passados, é constrangido à recuperação na senda da ação enobrecedora, não conseguindo evadir-se da cela com compromisso sem os danos da fuga pela porta da irresponsabilidade.

Estigmatizado interiormente pela aflição punitiva a que faz jus como corretivo adequado, não encontra lugar de repousa nem sítio de paz, senão entre as urzes da tarefa renovadora e os calhaus dos deveres.

Afervorado, porém, ao ideal e vitalizado pelo Evangelho, alimenta-se de esperança para, apaziguado, prosseguir sem deserção.
Convidado a doar, todos esperam que te does integralmente.

Instado a amar, todos aguardam que teu amor se individualize em relação a cada um sem que te esqueças de ninguém, esquecido, no entanto, de ti mesmo.
Levado a ajudar, todos esperam que teus braços sejam sempre como conchas de socorro sem tempo de ajudar-te, consoante os padrões da vida que todos pedem viver.
Sucede, desse modo, que o cristão verdadeiro carrega o Cristo para todos e, ao conduzi-lo, renova-se e vive naturalmente.

Mas não se pertence.
Não se permite prémios.

Doando-se, não se pode prender;
amando, não aguarda amor e, ajudando, não lhe é lícito predileção no tipo de auxílio a distender.

Torna-se o irmão de todos, faz-se compreensão para todos.
É uma gota de paz no oceano dos conflitos.
Não esmorece, pois que, possuindo a paz de espírito, é mordomo de tesouros que o capacitam ao sacrifício e à redenção.

A fim de que a paz do Cristo te afaste os obstáculos, as aflições e os anseios, faz um programa de manutenção e assistência, facilitando-lhe a continuidade nos recônditos do ser.

Disciplina o tempo e estuda a Doutrina dos Espíritos na qual haures equilíbrio;
selecciona pensamentos, vitalizando apenas os que edificam, para os amadureceres pela meditação, a fim de que se corporifiquem como benfeitores;

visita dores maiores do que as tuas com alguma frequência;
acompanha um féretro, ao lado dos que experimentam a ausência do ser querido, para te lembrares da própria desencarnação, que logo mais advirá;

descarrega a tensão nervosa num trabalho físico com regularidade;
distribui algo pessoal para treinares o desapego às coisas que ficam na retaguarda, e ora, com assiduidade, a fim de que as ondas da inspiração superior visitem tua casa mental e lubrifiquem peças e implementos do aparelho elétrico dos sistema nervoso que te serve de sustentáculo.

Liberta-te do ciúme - chaga atroz.
Aniquila a dúvida - sombra perturbadora.

Expulsa a suspeita - adversária cruel.
Dissolve a preguiça - entorpecente maldito.
Anula a cólera - fâmulo criminoso.

Combate a malícia - tóxico aniquilante.
Dá o teu esforço para que recebas o reforço necessário.
Não há oferendas sem base de mérito relativo nos arraiais da evolução.

A corrente elétrica se produz se o dínamo gera energia, e a aparelhagem funciona se ajustada à ciclagem por onde corre a potencialidade energética.

Tendo no Cristo o dínamo potente a gerar corrente incessantemente, ajusta-te ao Seu diagrama de serviço para que brilhem e se movimentem em ti a paz e a felicidade de que careces, e vencerás dificuldades, aflições, ansiedades, vivendo uma vida harmoniosa numa ascensão perfeita e libertadora.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jun 06, 2011 11:09 am

Assunto de Paz
Livro: Amigo
Emmanuel & Francisco Cândido Xavier

De certo modo, ser-nos-á lícito considerar na Terra de hoje a era da velocidade.

Viagens de um continente a outro, que reclamavam diversos dias de trajeto são levados a efeito em algumas horas.

Notícias que se transmitiam em grandes quotas de tempo avançam agora com a rapidez da luz.

Altos montes que exigiam semanas, a fim de serem removidos, pedem apenas alguns dias para cederem lugar á planície.

Isso induz o homem a estabelecer determinado critério de pressa na execução de quase todas as tarefas que lhe dizem respeito.
Entretanto, nem todas as criaturas conseguem responder ao que se lhes peça em semelhante ritmo.

Milhões de companheiros reencarnados se habilitaram para viver na atualidade do Plano Físico, adaptando-se facilmente às contingências da chamada evolução tecnológica, no entanto, milhões de outros, ainda não criaram em si mesmos a estrutura psicológica necessária de maneira a se ajustarem aos imperativos dos novos tempos.

Por isso mesmo, se consegues acompanhar as exigências da hora que passa, estende compreensão e tolerância aos irmãos ainda inadaptados aos actuais processos de vivência humana.

Não exijas dos outros um tipo de resistência espiritual, análogo aquele em que já te caracterizas.

Desculpa incondicionalmente as explosões emocionais das pessoas de temperamento difícil.

Não censures aqueles que ainda não dispõem dos teus recursos de entendimento.

Não lance sarcasmos, ainda mesmo a título de brincadeira afetiva sobre os amigos em prova, suja situação íntima desconheces.

Não solicites a quem ignora, a solução de problemas que já sabes resolver.
Asserena-te e espera.
Ama e ensina com paciência.

Realmente, a loucura e o suicídio continuam flagelando as comunidades terrestres;
e não podemos esquecer que a precipitação, em muitos casos, é uma das forças negativas responsáveis por isso.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jun 06, 2011 11:09 am

Vencer a Violência
Livro: Vida Feliz
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

Os violentos terminam por exterminarem-se uns contra os outros ou cada qual por si mesmo.

A atitude de paz resolve qualquer situação beligerante, se o amor comandar os contendores.

Toda reacção, para cessar, deve ter sustada a causa que a desencadeia.

Se esta é a violência, somente o seu antídoto, a prudência, conseguirá fazê-la passar.

Uma pessoa pacífica acalma outra, as duas alteram o comportamento de um grupo, este pode modificar a comunidade, e, assim, por diante.

Faz a tua parte, vencendo a violência.

§.§.§

Pacificar
Livro: Vida Feliz
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

Torna-te pacificador.

Onde te encontres, estimula a paz e vive em paz.

Os tumultos que aturdem os homens e as lutas que se travam em toda parte poderiam ser evitados, ou pelo menos contornados, se os homens mantivessem o espírito de boa vontade, uns para com os outros.

Uma ofensa silenciada, uma agressão desculpada, um golpe desviado, evitam conflitos que ardem em chamas de ódio.

Confia na força da não-violência e a paz enflorescerá o teu e o coração de quantos se acerquem de ti.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jun 07, 2011 9:38 am

Diante da Paz
Livro: Rumo Certo
Emmanuel & Francisco Cândido Xavier

Entendendo-se a paciência, à maneira de ciência da paz, não procures a paz, a distância, de vez que ela reside em ti mesmo.

A paz, no entanto, baseia-se na lei da troca que mantém o equilíbrio do Universo, através do binômio "dar e receber".

Semeia a paz, a fim de que a recolhas.

Quando te não seja possível providenciar a segurança do ambiente fustigado de inquietação, mentaliza a paz por intermédio da palavra e do pensamento.

Ante os enfermos, cala os assuntos suscetíveis de criar agitação e oferece-lhes a tranquilidade, relacionando temas capazes de garanti- la;
entretanto, se o verbo não te for facultado, envia idéias de reconforto e encorajamento aos doentes, diligenciando proteger-lhes as forças mentais, ameaçadas de desgoverno.

Surpreendendo a discórdia, permanece com a verdade e aclara o caminho, mas emite pensamentos de paz, no rumo dos irmãos em contenda; e, se podes falar, pronuncia a frase edificante que consiga ajudar a extinguir os focos de perturbação ou desequilíbrio.

Renteando com alguma criatura menos feliz, por maiores sejam os motivos que a tornem pouco simpática, rememora os vínculos de fraternidade que nos unem fundamentalmente uns aos outros e procura ampara-la mentalmente, abençoando-lhe a presença com silenciosas mensagens de amor e renovação.

Se recebes notícias acerca das aflições e provas de alguém, endereça a esse alguém pensamentos de compreensão e consolo que lhe favoreçam o reajuste.

Conversando, acalma os que te ouvem.

Escrevendo, articula imagens de otimismo e confiança, serenidade e alegria.

Lembrando amigos ou inimigos, envia-lhes votos de êxito nas tarefas e compromissos que abracem.

Seja a quem seja, auxilia como e quanto puderes, a fim de que todos os que se comunicam contigo permaneçam em paz e alegria.

Cada consciência, na Excelsa Criação de Deus, é núcleo de vida independente na Vida Imperecível.

Reflecte na importância de tua própria imortalidade e recorda, onde estejas, que a paz de teu ambiente começa invariavelmente de ti.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jun 07, 2011 9:39 am

Ser Cordato
Livro: Vida Feliz
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

Sê cordato sempre.

É melhor perderes algo numa disputa, do que te engalfinhares numa luta mais prejudicial, que te trará danos maiores.

Não se trata de ter medo, porém de possuir sabedoria.

O homem pacífico é feliz, e as quinquilharias não o podem perturbar.

O problema é de eleição.
Que será melhor: ganhar uma altercação, para não ser ignorante ou bobo, ou perdê-la, sendo prudente e sábio?

A cordura sempre vence.
O que não logra exteriormente, consegue em paz interna.

§.§.§

Vencer a Violência
Livro: Vida Feliz
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

Os violentos terminam por exterminarem-se uns contra os outros ou cada qual por si mesmo.

A atitude de paz resolve qualquer situação beligerante, se o amor comandar os contendores.

Toda reacção, para cessar, deve ter sustada a causa que a desencadeia.

Se esta é a violência, somente o seu antídoto, a prudência, conseguirá fazê-la passar.

Uma pessoa pacífica acalma outra, as duas alteram o comportamento de um grupo, este pode modificar a comunidade, e, assim, por diante.

Faz a tua parte, vencendo a violência.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jun 07, 2011 9:39 am

O Perdão das Ofensas
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

O teu agressor, talvez, noutra circunstância, levantará a voz em tua defesa.

O teu adversário, possivelmente, em situação diferente, será o amigo que te distenderá a mão em socorro.

O teu caluniador, quiçá, em posição diversa, virá em teu auxílio.

O teu inimigo, certamente, passada a injunção de agora, ser-te-á devotado benfeitor.

O teu acusador, superado o transe que o amargura, far-se-á o companheiro gentil da tua jornada.

Perdoa-os, portanto, hoje que se voltaram contra tua pessoa, levantando dificuldades no caminho pelo qual avanças.

Perdoa as suas ofensas sem impores quaisquer condições, sequer aclarando incompreensões e dirimindo equívocos.

O perdão deve assentar-se no esquecimento da ofensa, no repúdio total ao mal, sem exigências.

Não sabes como se encontra aquele que se ergue para ferir-te, acusar-te.

Ignoras como vive intimamente quem se fez inimigo revel.

Desconheces a trama em que tombou o companheiro, a ponto de voltar-se contra ti.

Ainda não experimentaste a dolorosa aflição que padece o outro - o que está contrário a ti e te flecha com petardos venenosos, amargurando-te as horas...

É certo que nada justifica a atitude inimiga, a posição agressiva, a situação adversária.

No entanto, se fosses ele, talvez agisses da mesma forma ou pior.

Para evitar que isso te aconteça, exercita o perdão, preparando-te para não tombares na rampa por onde outros escorregaram...

Quem perdoa ofensas adquire paz e propicia paz.

Quem esquece o mal de que foi vítima, vitaliza o bem de que necessita.

Nunca te faças inimigo de ninguém, nem aceites o desafio dos que se te fazem inimigos, sintonizando na faixa deles.

Se não conseguires superar a injunção penosa, que os teus inimigos criam, ora por eles e pensa neles com paz no coração.

O inimigo é alguém que enfermou...

Recorda de Jesus que, mesmo vítima indébita, perdoando, rogou ao Pai que a todos perdoasse, porque "eles não sabiam o que estavam a fazer".

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jun 07, 2011 9:39 am

Perdoa e Serve
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

Tiveste hoje motivo de reclamar. No entanto, perdoa e serve sempre.

Medita e perceberás o problema dos outros.

Alguém levantou a voz, procurando ferir-te...
Mas não lhe viste as marcas da enfermidade com que talvez amanhã se recolha à sombra do hospício.

Esse passou renteando contigo, fingindo não te ver...
Pensa, contudo, que, dentro de breves dias, possivelmente buscará, em vão, esconder os sulcos das próprias chagas.

Aquele te furtou, roubando a si mesmo.

Aquele outro julga enganar-te, quando ilude a si próprio.

E há quem se suponha colocado tão alto que não teme oprimir-te, para cair, em breve tempo, sob o golpe da morte.

Perdoa a tudo e a todos, infatigavelmente, porque os ofensores de qualquer condição carregam consigo o remorso, com espinho de fogo encravado no próprio ser.

Toda criatura necessita de perdão, como precisa de ar, porquanto o amor é o sustento da vida.

Não permitas, porém, que o perdão seja apenas um som musical nos movimentos da língua.

Reflecte quantas vezes tens errado também, reclamando entendimento e tolerância, e esquece toda ofensa, recomeçando a servir ao lado de teus irmãos.

Lembra-te, acima de tudo, de que, perdoando, a bênção de Deus consegue descer até às lutas da alma e que somente perdoando é que a alma consegue elevar-se para a bênção de Deus.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jun 07, 2011 9:40 am

Desculpar
Livro: Respostas da Vida - 19
André Luiz & Francisco Cândido Xavier

Desculpe e você compeenderá.

Onde existe amor não há lugar para ressentimento.

Ao colocar-se na condição de quem erra, seja qual seja o problema, de imediato, você notará que a compaixão nos dissolve qualquer sombra de crítica.

A existência humana é uma coleção de testes em que a Divina Sabedoria nos observa, com vistas à nossa habilitação para a Vida Superior;
quem hoje condena o próximo não sabe que talvez amanhã esteja enfrentando os mesmos problemas daqueles companheiros presentemente em dificuldade.

Nos esquemas da Eterna Justiça, o perdão é a luz que extingue as trevas.

Às vezes, aquilo que parece ofensa é o socorro oculto do Mundo Espiritual em seu benefício.

A misericórdia vai além do perdão, criando o esquecimento do mal.

Em muitas ocasiões a Divina Providência nos permite erro para que aprendamos a perdoar.

A indulgência é a fonte que lava os venenos da culpa.

Perdão é a fórmula da paz.

Aprendamos a tolerar, para que sejamos tolerados.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jun 08, 2011 9:25 am

Desculpar sinceramente
Livro: Vida Feliz - 183
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

Desculpa sinceramente, a ignorância dominante.

Não esperes justificação do outro, o teu ofensor.

Supera os ingredientes indigestos da agressão dele e mantém-te bem, buscando esquecer de fato a ocorrência má.

Quem guarda mágoas do-se com os miasmas que elas exalam.

O agressor está muito desequilibrado e necessita da medicação da bondade para recuperar-se.

Perdeu a lucidez, e por isto agride.

Concede-lhe a oportunidade que ele não te dá.

É sempre mais confortável a posição de quem é generoso.

Melhor que sejas tu o doador, significando que já conseguiste o que ao teu próximo falta.


O Verdadeiro Perdão

O perdão real é sempre acompanhado pelo esquecimento do mal recebido.

Se perdoas, porém te referes ao acontecimento, estás vitalizando o erro.

Trabalha a inferioridade pessoal que se fixa na lembrança do sofrimento experimentado e agradece a oportunidade de perdoar.

Como evoluir sem os testes de aprimoramento moral?
O perdão, que agora concedes, será o teu padrinho amanhã quando necessites da benevolência e da desculpa de outra pessoa.

Perdoar é sempre melhor para quem o faz. Age sempre assim e viverás.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jun 08, 2011 9:25 am

Lágrimas de Decepção
Livro: Conviver e Melhorar - 22
Lourdes Catherine & Francisco do Espírito Santo Neto

Factores limitantes:
- Meu marido é incapaz de assumir responsabilidades para com a família e vivemos num ambiente de muita hostilidade.
Constantemente somos ameaçados e agredidos sem nenhuma razão.

Durante anos faço de tudo para ajudá-lo;
como pode ele tratar-nos dessa maneira?
Ele é intolerante e rigoroso, nunca respeita a opinião alheia.

Estou mergulhada em sentimentos de auto-piedade, decepção, ressentimento, vergonha e, ao mesmo tempo, impotência.
Sei que diante de insultos e ofensas é preciso perdoar, porém não mais consigo.

Expandindo nossos horizontes:
- Sei que seu coração pede, entre lágrimas de decepção, um alívio para seu conflito.
A solução é - invariavelmente - perdoar.
Mas desculpar as ofensas não pressupõe passividade, fuga ou viver em eterna auto-piedade.

Perdoar é a compreensão de que, para enfrentar atitudes perturbadas ou estruturas desajustadas, não precisa a criatura estar cheia de ódio, mas comprometida com a paz.

É, essencial­mente, uma maneira de mostrar o outro lado, quer dizer, não revidar o mal com o mal.
O rancor abrigado no coração causa estados destruidores no ser humano;
portanto, recuse aceitá-lo como solução do problema.

O acto de perdoar não exige que você ignore ou negue sua mágoa ou qualquer outro sentimento, nem implica que o agressor não deva ser responsabilizado por suas acções.

Se você se mantiver inflexível na sustentação da raiva, se ligará ainda mais a essa situação infeliz.
Se não aprender a perdoar, estimulará as circunstâncias de opressão em que vive, agravando-as.
Trata-se da lei de acção e reacção.

Jesus, Mestre da Vida Superior, que supostamente foi ultrajado, não teve que perdoar.
Quem ama verdadeiramente jamais se sente ofendido.

Não lhe peço que se compare com o Cristo ou se com­porte como Ele, porque todos sabemos da distância evolutiva que existe entre nós e o Mestre. Convido-a apenas para que compreenda o ensinamento cristão, a fim de que possa superar as ofensas sem se maltratar.

Os ensinos do Senhor dizem que é indispensável espalhar a fragrância do perdão, mesmo quando derramada sobre os ingratos, pois ela sempre volta, em forma de ondas reconfortantes, à mente de quem a emitiu.

Não se esqueça, entretanto, de que suportar de forma submissa constantes abusos, decepções e humilhações pode abrir brechas para que a violência ocorra com mais facilidade.

Mesmo curada a ferida, ainda permanece a fragilidade da cicatriz.

Em “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, capítulo 12º, item 8, afirma Kardec:
“O próprio instinto de conservação, que é uma lei natural, diz que não é preciso estender benevolamente o pescoço ao assassino.
Por essas palavras, portanto, Jesus não interditou a defesa, mas condenou a vingança.”

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jun 08, 2011 9:26 am

Continua...

Dê alforria à sua sensibilidade, que se encontra em regime de escravatura, e não finja mais que tudo está bem.
Na verdade, você está vivendo há anos uma relação turbulenta.

Faça um auto-questionamento para ampliar sua consciência.
Se você vive nesse drama, é porque você mesma contribui para permanecer nele.

A vergonha está ligada à falta de limites.
Se você está envergonhada é porque permite que pessoas invadam ou transgridam seus sentimentos.

Talvez você precise compreender seus direitos e cuidar mais de si mesma.
Não adianta banhar de prantos a face;
desenvolva a auto-estima e terá uma nova visão de seu problema familiar.

Dizer sim quando se quer dizer não é desvalorizar seus sentimentos.
Se seus limites forem ignorados pelos outros, provavelmente eles não irão respeitá-la.
Quando expressamos com sinceridade o que sentimos e desejamos fazer, não precisamos ficar eternamente acomodando as situações.

Você pode querer esconder tudo aquilo que lhe está acontecendo;
isso é uma característica comportamental que se desenvolve quando se convive com criaturas problemáticas.

Portanto, você pode estar:
Disfarçando o medo em que vive, por estar sendo ameaçada constantemente;
Não demonstrando a vergonha que sente, por não querer ser maltratada diante dos outros;

Encobrindo os factos grosseiros com o manto de desculpas amenizadoras, para não ter consciência da extensão das agressões vivenciadas;
Renunciando a seus direitos legítimos, porque vê os direitos dos outros como superiores aos seus;
Defendendo os actos hostis de parentes, para não ser interpretada como insensível ou desalmada.

Perdoar é diferente de mascarar a realidade.
Em qualquer relacionamento familiar, a confiança é essencial, assim como a capacidade de ser honesto consigo mesmo e com os outros.
Onde não se compartilha os sentimentos e as emoções não pode existir confiança.

É preciso entender que perdoar não significa aceitar a brutalidade de alguém.
Perdoar, em muitas ocasiões, quer dizer: tomar uma atitude.

Liberte-se do ressentimento ou do ódio, para que eles não se materializem em seu interior, trazendo-lhe dores e desequilíbrios, tanto externos como - e sobretudo - internos.

Os primeiros cristãos designaram as rosas vermelhas como símbolo da dor dos mártires, ao passo que as rosas brancas sempre estiveram associadas à pureza e à brandura.

As roseiras vermelhas representam sentimentos ultrajados e as brancas, moderação, auto-estima e dignidade.
Mescle as rosas e as presenteie a você mesma em um belo buquê.
A reunião dessas duas tonalidades lhe dará as medidas essenciais que vão assegurar seu crescimento no amor e, também, sua sobrevivência, honradez e respeitabilidade.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jun 08, 2011 9:27 am

Necessário Perdoar
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

Sim, deves perdoar!
Perdoar e esquecer a ofensa que te colheu de surpresa, quase dilacerando a tua paz.
Afinal, o teu opositor não desejou ferir-te realmente, e, se o fez com essa intenção, perdoa inda, perdoa-o com maior dose de compaixão e amor.

Ele deve estar enfermo, credor, portanto, da misericórdia do perdão.
Ante a tua aflição, talvez ele sorria.
A insanidade se apresenta em face múltipla e uma delas é a impiedade, outra o sarcasmo, podendo revestir-se de aspectos muito diversos.

Se ele agiu, cruciado pela ira, assacando as armas da calúnia e da agressão, foi vitimado por cilada infeliz da qual poderá sair desequilibrado ou comprometido organicamente.
Possivelmente, não irá perceber esse problema, senão mais tarde.

Quando te ofendeu deliberadamente, conduzindo o teu nome e o teu carácter ao descrédito, em verdade se desacreditou ele mesmo.
Continuas o que és e não o que ele disse a teu respeito.

Conquanto justifique manter a animosidade contra tua pessoa, evitando a reaproximação, alimenta miasmas que lhe fazem mal e se abebera da alienação com indisfarçável presunção.
Perdoa, portanto, seja o que for e a quem for.

O perdão beneficia aquele que perdoa, por propiciar-lhe paz espiritual, equilíbrio emocional e lucidez mental.
Felizes são os que possuem a fortuna do perdão para a distender largamente, sem parcimônia.
O perdoado é alguém em débito;
o que perdoou é espirito em lucro.

Se revidas o mal és igual ao ofensor;
se perdoas, estás em melhor condição;
mas se perdoas e amas aquele que te maltratou, avanças em marcha invejável pela rota do bem.

Todo agressor sofre em si mesmo.
E um espírito envenenado, espargindo o tóxico que o vitima.
Não desças a ele senão para o ajudar.

Há tanto tempo não experimentavas aflição ou problema - graças à fé clara e nobre que esflora em tua alma - que te desacostumaste ao convívio do sofrimento.
Por isso, estás considerando em demasia o petardo com que te atingiram, valorizando a ferida que podes de imediato cicatrizar.
Pelo que se passa contigo, medita e compreenderás o que ocorre com ele, o teu ofensor.

O que te é Inusitado, nele é habitual.
Se não te permitires a ira ou a rebeldia - perdoarás!
A mão que, em afagando a tua, crava nela espinhos e urze que carrega, está ferida ou se fere simultaneamente.

Não lhe retribuas a atitude, enviando estiletes de violência para não aprofundares as lacerações.
O regato singelo, que tem o curso impedido por calhaus e os não pode afastar, contorna-os ou para, a fim de ultrapassá-los e seguir adiante.
A natureza violentada pela tormenta responde ao ultraje reverdescendo tudo e logo multiplicando flores e grãos.

E o pântano infeliz, na sua desolação, quando se adorna de luar, parece receber o perdão da paisagem e a benéfica esperança da oportunidade de ser drenado brevemente, transformando-se em jardim.

Que é o "Consolador", que hoje nos conforta e esclarece, conduzindo uma plêiade de Embaixadores dos Céus para a Terra, em missão de misericórdia e amor, senão o perdão de Deus aos nossos erros, por intercessão de Jesus?.

Perdoa, sim, e intercede ao Senhor por aquele que te ofende, olvidando todo o mal que ele supõe ter-te feito ou que supões que ele te fez, e, se o conseguires, ama-o, assim mesmo como ele é.

"Não vos digo que perdoeis até sete vezes, mas até setenta vezes sete vezes".
Mateus: 18-22.

"A misericórdia é o complemento da brandura, porquanto aquele que não for misericordioso não poderá ser brando e pacifico.
Ela consiste no esquecimento e no perdão das ofensas".
Evangelho Segundo o Espiritismo - Cap. X - Item 4.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jun 08, 2011 9:27 am

Perdão e Higiene
Livro: Luz e Vida
Emmanuel & Francisco Cândido Xavier

A higiene alinha vários preceitos de proteção à vida, como sejam:
o asseio do corpo;
o uso da água potável não contaminada;

a renovação do ar no recinto doméstico;
a faxina habitual;
a limpeza da moradia;

o banho diário sempre que possível;
a roupa lavada;

a refeição natural;
e o saneamento do solo em que se vive.

Entretanto, em auxílio à paz de que necessitamos para sermos tranquilos, somos de parecer que o perdão das ofensas, sejam elas quais forem, é um dos ingredientes fundamentais na segurança da própria alma, porquanto, acalentar ressentimentos é o mesmo que reter substâncias tóxicas, desequilibrando o pensamento e envenenando o coração.


Perdoar
Livro: Minutos de Sabedoria
Carlos Torres Pastorino

Se alguém não o compreende, perdoe, e siga em frente!

Não guarde em seu coração mágoas e ressentimentos, medo e tristeza.

Caminhe para a frente!

Quanta gente espera de você apoio, compreensão e carinho!

Se não o compreendem, não se importe.

Perdoe e siga em frente, porque em todos os caminhos encontraremos sempre lições preciosas, que nos farão progredir.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 09, 2011 9:26 am

Como Respondeu?
Livro: Glossário Espírita-Cristão
Marco Prisco & Divaldo P. Franco

"Perdoar aos inimigos é pedir perdão para si próprio;
perdoar aos amigos é dar-lhes uma prova de amizade;
perdoar as ofensas é mostrar-se melhor do que era."
(Alan Kardec, E.S.E. Cap.X, Item 15.)

À hora de cólera, você exclamou:
"Vingar-me-ei!"
E perdeu uma feliz oportunidade de exercitar o perdão.

Escarnecido pela ignorância, você retrucou:
"Infeliz perseguidor!"
E malbaratou o ensejo de iluminar em silêncio.

Esbofeteado pela agressividade da intolerância, você reagiu:
"Nunca mais terás outra ocasião de ferir-me!"
E desperdiçou a lição do sofrimento.

Dominado pela preguiça, você justificou:
"Amanhã farei a assistência programada."
E esqueceu que agora é a hora da acção edificante.

Acuado pela perseguição geral, você indagou:
"Por que Deus me abandonou?"
E não enxergou a Divina Presença na linguagem do testemunho que lhe era solicitado.

Aturdido pela maledicência, você desabafou:
"Ninguém presta!".
E feriu, sem motivo, muitas almas boas, generalizando a invigilância e a crueldade.

Esmagado pela pobreza, você inquiriu:
"Onde o socorro celeste?"
E atestou o apego às coisas terrenas.

Ante a felicidade aparente dos levianos, você disse:
"Só os maus vencem!"
E desrespeitou a fé cristã que você vive, inspirada na cruz de ignomínia onde Ele pereceu.

Ao impacto de acusações injustas, você baqueou:
"Estou perdido!"
E não se recordou d'Aquele que é o nosso Caminho.

Entretanto, poderia dizer sempre:
"Em ti confio, Senhor, e a Ti me entrego."
E Ele, que nunca abandona os que n'Ele confiam, saberia ajudá-lo incessantemente.

Muita Paz
Gilberto Adamatti

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 09, 2011 9:27 am

Desculpas
Livro: Respostas da Vida
André Luiz & Francisco Cândido Xavier

Desculpe e você compreenderá.
Onde existe amor não há lugar para ressentimento.

Ao colocar-se na condição de quem erra, seja qual seja o problema, você notará que a compaixão nos dissolve qualquer sombra de crítica.

A existência humana é uma colecção de testes em que a Divina Sabedoria nos observa, com vistas à nossa habilitação para a Vida Superior;
quem hoje condena o próximo não sabe que talvez amanhã esteja enfrentando os mesmos problemas daqueles companheiros presentemente em dificuldade.

Nos esquemas da Eterna Justiça, o perdão é a luz que extingue as trevas.
Às vezes, aquilo que parece ofensa é o socorro oculto do Mundo Espiritual em seu benefício.

A misericórdia vai além do perdão, criando o esquecimento do mal.
Em muitas ocasiões, a Divina Providência nos permite o erro para que aprendamos a perdoar.

A indulgência é a fonte que lava os venenos da culpa.

Perdão é a fórmula da paz.

Aprendamos a tolerar, para que sejamos tolerados.


Abençoar e Compreender
Livro: Mãos Unidas
Emmanuel & Francisco Cândido Xavier

Ressentimento não se constitui tão só do azedume que se nos introduz no espírito, quando a incompreensão nos torna intolerantes, à frente das grandes dificuldades de alguém.

Existem igualmente os pequeninos contratenpos do quotidiano que, sem a precisa defesa da vigilância, acabam por transformar-nos o coração em vaso de fel, a expelir germes de obsessão e desequilíbrio, ambientando a enfermidade ou favorecendo a morte.

Muita Paz
Gilberto Adamatti

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 09, 2011 9:27 am

Um episódio de reconciliação
Livro: O Evangelho de Chico Xavier
Carlos A. Baccelli

"Certa vez, alguém me contou que havia sido perseguido e injuriado, por muitos anos, por um ferrenho adversário de suas idéias.

Ele vivia sonhando com o dia em que o seu opositor, reconhecendo os equívocos cometidos, o procurasse para pedir perdão...
Imaginava finalmente, ter o referido adversário aos seus pés, dando a mão à palmatória.
Acalentara essa idéia de triunfo em que justiça lhe seria feita.

Pois bem.
Quando já estava com os cabelos quase todos brancos, o adversário de muito tempo, também de cabelos brancos, inesperadamente o procura para o tão aguardado entendimento.

Confessou-lhe os seus excessos, pediu a ele que o desculpasse na inveja e no ciúme que sempre o havia motivado no combate acirrado, falou de suas lutas pessoais e conflitos de ordem íntima semelhantes aos que exactamente criticara no companheiro...
Conversara longamente, sem ninguém por perto para testemunhar o diálogo.

O amigo injuriado, que tinha tantas respostas na ponta da língua, que havia decorado o que dizer justamente para quando chegasse a hora inevitável daquele confronto, percebeu, segundo ele próprio me confidenciou, que ele também inutilmente perdera tempo...
De repente, sentiu que não havia qualquer razão para o revide...
Ambos haviam envelhecido naquela disputa que ninguém saberia identificar como teria começado.”

– “Chico -
disse-me ele -, eu não tive vontade nenhuma de reagir;
é verdade que ele se prevalecera de todas as artimanhas para me prejudicar, mas eu também mentalizara aquele momento, o dia em que, face a face comigo, ele se sentisse humilhado...

Ele estava tendo a grandeza de me pedir perdão;
se eu não o perdoasse ele estaria triunfando sobre mim...

Eu nunca tinha ido a ele;
ele é que estava tomando a iniciativa de vir a mim...

Eu, que anelava fazer uma publicação no jornal, tornando publica aquela hora de retratação, não tive ânimo de contar isso a quem quer que fosse;
você é a primeira pessoa que está sabendo - ele desencarnou há mais de um mês!...
Hoje, sinto por ele uma afeição que não sei explicar.
Reconheci que em muita coisa ele tinha razão a meu respeito...”

"Feliz daquele que, na hora de dar o troco, perde a vontade!
Esses encontros com os nossos desafectos mais cedo ou mais tarde acontecerão, se não for nesta vida, será na Vida Espiritual.
Os que nos perseguem, com razão ou sem razão, nos auxiliam a identificar o nosso próprio lugar...
Às vezes, nos é muito mais útil um adversário sincero que um amigo bajulador."

Muita Paz
Gilberto Adamatti

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 09, 2011 9:27 am

Com Efeito
Livro: Glossário Espírita-Cristão
Marco Prisco & Divaldo P. Franco

"Todos vós, que dos homens sofreis injustiças, sede indulgentes para as faltas dos vossos irmãos, ponderando que também vós não vos achais isentos de culpas;
é isso caridade, mas é igualmente humildade."
(Alan Kardec. E.S.E. Cap.VII. Item 11.)

Exercite a humildade ao lado dos modestos servidores do lar doméstico.
Ser humilde com os superiores, de quem se depende, é muito fácil.

Suporte com resignação as dificuldades da tarefa nova.
Quem muda de clima sofre a modificação da temperatura.

Retorne ao trabalho com ânimo redobrado, no lugar em que o insucesso o magoou.
Nem sempre o triunfo pode ser sentido nas moedas de lucro fácil.

Submeta-se às vicissitudes naturais da luta, mas prossiga na direção do serviço honrado.
Não há repouso justo sem o cansaço haurido nas tarefas da aprendizagem.

Cultive o verbo "cooperar".
O progresso nasce quando todos se ajudam.

Levante-se do erro e siga renovando-se.
Muita correnteza cristalina nasce em lodo.

Seja indulgente com aqueles que ainda se demoram sob as fortes luzes da ilusão.
O perdão que você oferece aos outros funciona como lubrificante nas engrenagens de sua alma.

Desperte na criança o ardor evangélico, atestando sempre junto a ela a excelência da Mensagem Cristã.
As atitudes hostis que você mantém, supondo que "a criança não entende", anulam quaisquer palavras da pregação apaixonada.

Combata a onda materialista que domina o mundo, deixando de apoiar as indústrias de perversão dos valores morais.
O prazer do cinema, teatro e televisão, muitas vezes se transforma em "labaredas para o coração".

Empenhe-se na implantação do Evangelho na Terra.
Faça-se, entretanto, uma "carta-viva do Cristo".

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 09, 2011 9:28 am

Efeito do Perdão
Livro: Alma e Coração
Emmanuel & Francisco Cândido Xavier

Dentre os ângulos do perdão, um existe dos mais importantes, que nos cabe salientar:
os resultados dele sobre nós mesmos, quando temos a felicidade de desculpar.

Muito frequentemente interpretamos o perdão como sendo simples ato de virtude e generosidade, em auxílio do ofensor, que passaria a contar com a absoluta magnanimidade da vítima;
acontece, porém, que a vítima nem sempre conhece até que ponto se beneficiará o agressor da liberalidade que lhe flui do comportamento, porquanto não nos é dado penetrar no íntimo mais profundo uns dos outros e, por outro lado, determina a bondade se relegue ao esquecimento os detritos de todo mal.

Urge perceber, no entanto, que, quando conseguimos desculpar o erro ou a provocação de alguém contra nós, exoneramos o mal de qualquer compromisso para connosco, ao mesmo tempo que nos desvencilhamos de todos os laços suscetíveis de apresar-nos a ele.

Pondera semelhante realidade e não te admitas carregando os explosivos do ódio ou os venenos da mágoa que destroem a existência ou corroem as forças orgânicas, arremessando a criatura para a vala da enfermidade ou da morte sem razão de ser.

Efectivamente, conhecerás muitas vezes a intromissão do mal em teu caminho, mormente se te consagras com diligência e decisão à seara do bem, mas não te permitas a leviandade de acolhê-lo e transportá-lo contigo, à maneira de lâmina enterrada por ti mesmo no próprio coração.

Ante ofensas quaisquer, defende-te, pacifica-te e restaura-te perdoando sempre.
Nas trilhas da vida, somos nós próprios quem acolhe em primeiro lugar e mais intensivamente os resultados da intolerância, quando nos entrincheiramos na dureza da alma.

Sem dúvida, é impossível saber, quando venhamos a articular o perdão em favor dos outros, se ele foi correctamente aceito ou se produziu as vantagens que desejávamos;
entretanto, sempre que olvidemos o mal que se nos faça, podemos reconhecer, de pronto, os benéficos efeitos do perdão connosco, em forma de equilíbrio e de paz agindo em nós.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jun 10, 2011 11:10 am

Para Viver Melhor
Livro: Amigo
Emmanuel & Francisco Cândido Xavier

A importância do perdão, de modo geral, ainda não foi claramente compreendida pelos companheiros domiciliados no Plano Físico.

O espírito, em estágio na Terra, é um inquilino do corpo em que reside transitoriamente.

Imaginemos o usufrutuário da moradia a martelar estruturas da sua própria casa, em momentos de revolta e azedume.

Quanto mais repetidos os acessos de amargura e ressentimento, mais ampla a depredação em prejuízo próprio.

Esse é o quadro exacto da criatura, habituada às reações negativas, nos instantes de prova ou desagrado.

Daí nascem muitas das moléstias obscuras, diagnosticáveis ou não, agravando as condições do veículo físico, já de si mesmo frágil e vulnerável, embora maravilhosamente constituído.

Se tens mágoa contra alguém, observa que esse alguém não terá agido com os teus conceitos e pensamentos.

O amor nos vinculará sempre a determinado grupo de pessoas, entretanto, em nosso próprio benefício, amemo-las, tais quais são, sem exigir que nos amem, sob pena de cairmos frequentemente em desequilíbrio e abatimento.

Doemos alma e coração aos seres queridos, sem escraviza-los a nós e sem nos escravizarmos a eles.

Por muito se nos enlacem no mundo físico, sob as teias da consanguinidade, saibamos deixa-los libertos de nós, a fim de serem o que desejam, na certeza de que a escola da experiência não funciona inútilmente.

A criança é responsabilidade nossa e responderemos, ante as leis da vida, pela protecção ou pelo abandono que estejamos devotando aos pequeninos confiados à nossa tutela temporária.

Os adultos, porém, são donos dos próprios actos e, não será justo chamar a nós, as consequências das empresas a que se adaptem ou dos caminhos que escolham, tanto quanto não seria razoável, atribuir a eles os resultados de nossas próprias acções.

Perdão e tolerância são alavancas de sustentação da nossa paz íntima.

Desculpar faltas e agravos será libertar-nos de choques e golpes que vibraríamos sobre nós mesmos, criando em nós e para nós, dilapidações e doenças de resultados imprevisíveis.

Ensinou-nos o Cristo:
- "Perdoa não sete vezes mas setenta vezes sete vezes."

Isso na essência, quer dizer que não somente nos cabe esquecer as ofensas recebidas em proveito próprio, mas também significa que seria ilógico disputar atenção e carinho daqueles que porventura nos agridam, já compromissados, por eles mesmos, nas equações infelizes das atitudes a que se afeiçoem.

Em suma, para quem quiser na Terra trabalhar e progredir com mais saúde e paz, alegria e segurança, vale a pena perdoar constantemente para viver sempre melhor.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jun 10, 2011 11:10 am

A Desforra é Perdoar
Livro: Astronautas do Além
Irmão Saulo & Francisco do Espírito Santo Neto

Psicólogos modernos sustentam que o ódio é uma necessidade, que tanto devemos amar como odiar.
Em alguns, mais ferozes na sua concepção da vida, chegam mesmo a afirmar que devemos odiar com o máximo de intensidade e externar o ódio para que ele não nos envenene.

O conceito do homem que essa psicologia nos apresenta é em si mesmo um grave sintoma de enfermidade mental.
A imagem desse homem animalesco decorre de uma visão mórbida da criatura humana esmagada pelos instintos animais.
Não obstante, a própria Psicanálise, imantada inicialmente ao conceito da libido, já desde Freud encontrou a válvula da sublimação.

É que avanços posteriores, ao lado de progressos notáveis da Psiquiatria e das pesquisas psicológicas em vários campos, confirmaram a teoria espírita dos instintos espirituais que orientam a nossa formação humana.

Querer extinguir o ódio com a prática da odiosidade é o mesmo que pretender apagar o fogo com gasolina.

O ódio gera o ódio. Por isso, como Cornélio Pires ilustra nas suas quadras, o incêndio do ódio, que alimentarmos em nós e nos outros, terá de ser apagado pelos princípios da vida através da reencarnação.

O Evangelho do Cristo substitui a lei bíblica do olho por olho e dente por dente pela lei do amor ao próximo, incluindo no próximo os próprios inimigos.

Onde não existir a luz do perdão as reencarnações dolorosas se processarão em círculo vicioso.
Ficaremos presos à roda viva dos resgates penosos, por séculos e milênios, até aprendermos a mar os inimigos.

O ódio é destruidor, é o ácido corrosivo da inferioridade espiritual.
O homem que odeia se animaliza, rebaixa-se ao nível das feras.
O amor é a força criadora que distingue o homem do bicho.

A desforra do homem inferior é a injúria, a agressão, a vingança, o assassinato.
A desforra do homem superior é o perdão.
Quando perdoamos, desarmamos o adversário, ajudamo-lo a fazer-se criatura humana, a ser gente.

Toda cultura humana se assenta no amor.

O ódio é a negação da cultura, o domínio da barbárie, como vemos diariamente no mundo do crime.

Só os loucos defendem e pregam o ódio, porque a mente desequilibrada semeia o desequilíbrio.

Muita Paz
Gilberto Adamatti

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jun 10, 2011 11:10 am

Se perdoares
Livro: Celeiro de Bênçãos
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

Violentado pela desfaçatez do caluniador que levanta acusações infelizes contra o teu esforço de enobrecimento, pensas:
Deus me vingará!"

Aturdido em face da injustiça dos julgamentos apressados que ralam os teus mais elevados sentimentos, murmuras:
Terei minha vez oportunamente, e saberei desforçar-me."

Apontado pelo sarcasmo de adversários gratuitos, não obstante a cordialidade que esparzes pelo caminho, reages:
"Ver-lhes-ei o fim.
Saberei esperar."

Traído nos mais sublimes propósitos de fidelidade e amor, não suportas, e exclamas:
"Alguém cobrará por mim!"

Ignorado propositadamente pela pessoa a quem te dedicas e que te retribui a afeição com o desprezo, exclamas:
"Confio no amanhã, que me fará justiça!"

Acoimado pela suspeita da impiedade, azorragado pela maledicência e pelo remoque, proferes:
"São uns miseráveis! Só a morte para tais."

Em muitas situações, embora os conceitos de amor que lucilam no teu coração, não suportas as constrições e derrapas nas margens lodosas da vingança, que assoma em carácter de falso conforto.

Tisna-se, então, a lucidez, perturba-se a esperança e adentra-se no domicílio da tua mente o tóxico letal do ódio.

Violentamente, às vezes, apossa-se da tua paisagem psíquica;
sorrateiramente, outras, imiscui-se e insufla revolta, terminando por desarranjar a máquina harmoniosa do teu corpo e o programa da tua vida, infelicitando-te, posteriormente.

Não se turbe, todavia, a tua mente, nem se perturbem os teus sentimentos, ante as agressões dos frívolos, dos perversos e dos desalmados.
Não sabem o que fazem.
São doentes em estágio de avançada enfermidade, estertorando lamentavelmente.

Não te contagies com eles.
Mantém-te em paz contigo mesmo e não te detenhas.

Guardando as mágoas - e na Terra são muitas as dificuldades que surgem produzindo mal-estares - padecerás sob imundícies e conduzirás fluidos deletérios.
Se perdoares, porém, prosseguirás em clima de renovação superior e em labor optimista.

O perdão é sempre mais útil a quem o concede.
Se perdoares o vizinho invigilante, ele se sentirá estimulado a não repetir a experiência perniciosa:
poderá ajudar alguém;
concederá ensejo de desculpa a outrem que o haja ofendido;
sentir-se-á confiante para recomeçar tudo e volver atrás, anulando o erro cometido...

Se perdoares, auxiliarás a comunidade, medicando com amor o indivíduo que está enfermo a pesar na economia social.

Se perdoares, olvidando a ofensa e ajudando o malfeitor, terás logrado a comunhão com o Mestre Inexcedível que, embora incompreendido, traído, abandonado, martirizado e pregado a duas traves, que eram símbolos de infâmia justiçada, perdoou os que O esqueceram e prossegue até hoje amando-os, qual faz connosco próprios, que a cada instante estamos de mil formas, vigorosas ou subtis, traindo, deturpando, menosprezando, usando indevidamente as sublimes concessões que fruímos para a redenção espiritual, ainda sem o sucesso que já deveríamos ter alcançado.

Perdoa, portanto, a fim de seres perdoado.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jun 10, 2011 11:12 am

Motivos para Desculpar
Livro: Mais Perto
Emmanuel & Francisco Cândido Xavier

"Eu vos digo, porém, amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem".
Jesus. (Mateus, 5:44).

Em muitas ocasiões, quem imaginas te haja ferido, não tem disso a mínima ideia, de vez que terá agido sob a acção compulsiva de obsessão ou enfermidade.

Se recebeste comprovadamente uma ofensa de alguém, esse alguém terá dilapidado a tranquilidade própria, passando a carregar arrependimento e remorso, em posição de sofrimento que desconheces.

Perante os ofensores, dispões da oportunidade revelar compreensão e proveito, em matéria de aperfeiçoamento espiritual.

Aquele, a quem desculpas hoje uma falta cometida contra ti, será talvez, amanhã, o teu melhor defensor, se caíres em falta contra os outros.

Diante da desilusão recolhida do comportamento de alguém, coloca-te no lugar desse alguém, observando se conseguirias agir de outra forma, nas mesmas circunstâncias.

Capacitemo-nos de que condenar o companheiro que erra é agravar a infelicidade de quem já se vê suficientemente infeliz.

Revide de qualquer procedência, mesmo quando se enquiste unicamente na mágoa individual imanifesta, não resolve problema algum.

Quem fere o próximo efectivamente não sabe o que faz, porquanto ignora as responsabilidades que assume na lei de causa e efeito.

Ressentimento não adianta, de vez que todos somos espíritos eternos destinados a confraternizar-nos todos, algum dia, à frente da Bondade de Deus.

Desculpar ofensas e esquecê-las é livrar-se de perturbação e doença, permanecendo acima de qualquer sombra que se nos enderece na vida, razão por que, em nosso próprio benefício, advertiu-nos Jesus de que se deve perdoar qualquer falta, não apenas sete vezes, mas setenta vezes sete vezes.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Paz e Perdão

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 3 Anterior  1, 2, 3  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum