Experiências de Quase Morte

Página 4 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Experiências de Quase Morte

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 05, 2012 9:41 pm

Continua...

Entre estes estavam estudos de alucinações verídicas (Sidgwick, Johnson, Myers, Podmore, e Sidgwick, 1894; Rhine, 1957), efeitos físicos (Rhine, 1963), e o ouvir de música
(Bozzano, 1943/1982; Rogo, 1970.1972).

Em todos estes estudos, casos que ocorreram em circunstâncias próximas da morte foram comparados com aqueles que ocorreram em relação a pessoas vivas que não estavam perto da morte, assim como a aqueles que ocorreram depois da morte do indivíduo representado pela manifestação.

Tão valiosa quanto as observações prévias tem sido, seu apoio para a ideia de continuidade de características é algo confuso e não específico, sendo baseada em descrições gerais de caso.

Necessitamos estudar estas questões empiricamente em meios mais sistemáticos e com números grandes de casos, quantificando as comparações a fim de se ter indicações precisas quanto às semelhanças específicas das diferenças nas características de caso.

O trabalho de Hornell Hart (Hart e Colaboradores, 1956) foi uma importante e geralmente esquecida tentativa de se fazer isso.
Ele Informou que havia poucas diferenças entre as características de aparições de vivos e do mortos.

Hart analisou casos publicados e os codificou para características específicas tais como percipiência colectiva, e se a aparição foi vista como uma figura completa, se realizou movimentos normais, se falou, se era luminosa, se desapareceu repentinamente, se moveu objectos, ou se foi vista repetidamente, entre muitas outras características.

Em algumas análises, Hart achou diferenças entre as características específicas ou aspectos de um tipo de aparição e as de uma combinação de outros tipos.

Por exemplo, aparições dos mortos percebidas mais de 12 horas depois da morte mostrou frequências significativamente mais altas de casos de ser vista repetidamente, e de ter um bónus emotivo ao local onde elas foram vistas, que os casos combinados de aparições de pessoas mortas vistos depois da morte em menos de 12 horas, pessoas próximas da morte, pessoas vivas sem consciência de serem vistas como aparições, e pessoas vivas com consciência de terem sido vistas como aparições num local distante.

Embora eu acredite que essas combinações de Hart de diversos tipos de assombrações complicaram a interpretação dos resultados, seu trabalho fornece um exemplo do que pode ser feito em pesquisa futura.

Na Tabela 2, eu examino os dados de Rhine (1957) para mostrar a possível relevância ao modelo de continuidade.

Achei uma diferença significativa no número de casos de impressões visuais e auditivas relacionadas a indivíduos vivos, moribundos e mortos.
Análises adicionais mostraram que a importância focalizou no contraste entre os casos dos vivos e cada um dos outros dois grupos.

Com os vivos, casos visuais eram menos frequentes e experiências auditivas eram mais frequentes que cada um dos outros grupos.
O significado desta tendência não está claro, e certamente necessita ser duplicado com outras amostras antes de pode ser tomado demais seriamente.

O tema necessita ser explorado de modos diferentes que talvez testem suposições além da ideia de sobrevivência à morte do corpo.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74001
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Experiências de Quase Morte

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 06, 2012 10:10 pm

Continua...

Por exemplo, abordagens nas literaturas psiquiátricas e psicológicas sugerem estudos mais estatisticamente sofisticados dos aspectos dimensionais ou categóricos das características de fenómenos próximos da morte
(Serper, Dill, Chang, Kot, e Elliot, 2005; Waller, Putnam e Carlson, 1996).

Em um estudo recente, os pesquisadores informaram que a estrutura factorial de uma escala de alucinação baseada em características específicas da experiência era semelhante entre três amostras consistindo em estudantes universitários, esquizofrénicos com alucinações actuais, e esquizofrénicos sem alucinações actuais
(Serper, Dill, Chang, Kot, e Elliot, 2005).

Estes pesquisadores concluíram que seus resultados apoiaram a “noção da continuidade da expressão alucinatória através de amostras psiquiátricas não clínicas”
(Serper, Dill, Chang, Kot, e Elliot, 2005, p. 271).

Os pesquisadores podem seguir uma estratégia semelhante ao explorar as características de fenómenos próximos da morte:
depois de codificar casos para muitas características, tais como aquelas tabuladas por Hart e seus colaboradores (1956) entre outros, eles podem comparar a estrutura fenomenológica de experiências específicas referentes ao vivo, ao moribundo, e ao morto.

Uma possível análise seguindo a abordagem citada acima podia ser feita seguindo as observações de Myers (1890), que sugeriu que há uma continuidade nas formas de fenômenos próximos da morte.

Myers observou que experiências ocorrendo próximas da morte, casos de postmortem, e fenómenos não-relacionados à morte tais como telepatia espontânea todos pareceram compartilhar:
(1) alucinações dos sentidos; (2) impulsos emotivos e motor; [e] (3) mensagens intelectuais definidas
(1890, p. 334).

A última consistia em palavras e imagens.
Tais fenómenos, que Myers pensou serem o meio pelo qual a mente subconsciente se comunicava com a ciente, podiam ser explorados usando a mesma abordagem do estudo de alucinação citado acima
(Serper, Dill, Chang, Kot, e Elliot, 2005).

Nós necessitamos também considerar a possibilidade de um modelo de categorias em que possa haver algumas diferenças nas características ao ponto de sugerir tipos diferentes de experiências.

Talvez nós possamos encontrar que há alguma continuidade (ou similaridade de características), mas que esta continuidade se interrompe em algum ponto.

De facto, isto foi relatado no estudo de alucinação mencionado acima, do qual os autores indicaram que havia uma evidência em seu estudo para suportar a ideia que “o comportamento alucinatório se torna descontínuo depois que um determinado ponto inicial crítico preciso é ultrapassado”
(Serper, Dill, Chang, Kot, e Elliot, 2005, p. 271).

Com fenómenos próximos da morte, nós não estamos tratando da gravidade da patologia, mas pode ser possível que a continuidade fenomenológica seja limitada, ou que existam excepções com determinadas características.

Minha análise na tabela 2 pode ser sugestiva de testes padrões de categorias fenomenológicas.
Mas, naturalmente, isto necessita ser investigado mais sistematicamente.
As abordagens qualitativa e quantitativa idealmente devem complementar-se no estudo desta questão.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74001
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Experiências de Quase Morte

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 06, 2012 10:11 pm

Continua...

Características dos que Passam pela Experiência

As pessoas que experimentam estes fenómenos próximos à morte têm alguma propensão a experimentar outros fenómenos?

O trabalho de pesquisa numa variedade de experiências parapsicológicas tais como PES em estado de vigília e em sonhos, EFCs, auras, e psicocinese mostraram inter-relações estatisticamente significativas entre as experiências
(Kohr, 1980; Palmer, 1979).

Achei em mais de um estudo que aqueles que tendo EFCs relatam mais alegações de PES e outros fenómenos que um grupo que não tenha experimentado EFC
(Alvarado e Zingrone, 1999; Alvarado, Zingrone e Dalton, 1998-99).

O trabalho com EQMs mostrou que alguns daqueles que passaram pela experiência informam uma variedade de aparentes experiências parapsicológicas (Sutherland, 1989) e alucinações auditivas (Greyson e Liester, 2004) depois da EQM.

Há indicações que outros fenómenos próximos da morte também são relacionados a uma variedade de experiências.

Por exemplo, a enfermeira Joy Snell (1918/1959) informou suas muitas visões de espíritos deixando o corpo no momento da morte e aparições ao redor de pessoas moribundas.

Ela também experimentou aparições do morto em outras circunstâncias, música, aromas, luzes, e viagens a outras dimensões.
Ela representa esse tipo de pessoa que está particularmente aberta a experiências repetidas e a quem nós necessitamos estudar mais sistematicamente.

Durante o século 19 foi especulado que havia uma “susceptibilidade especial da parte do percipiente” atrás da percepção de alucinações telepáticas, incluindo as que acontecem no ou ao redor do momento de uma morte distante
(Gurney, Myers, e Podmore, 1886, Vol. 2, p. 171).

Mais recentemente, relações significativas positivas foram achadas entre experiências psíquicas diferentes e construtos psicológicos, tais como a abertura à experiência (Alvarado, Zingrone e Dalton, 1998-1999), absorção (Irwin, 1985), dissociação (Richardes, 1991), e tendência à fantasia (Wilson e Barber, 1983).

Alguma pesquisa também sugere inter-relacionamentos positivos significativos entre as experiências psíquicas e a lembrança de sonhos e sonhos lúcidos (Kohr, 1980; Palmer, 1979).

Seriam os fenómenos próximos da morte discutidos neste artigo relacionados a estas variáveis?

Talvez esta pesquisa possa ser usada para explicar alguns destes fenómenos em termos de construções puramente imaginativas da mente.

Isto pode se aplicar, por exemplo, a alguns casos de apenas um percipiente, tais como a experiência do Coronel Cosgrave no leito de morte de Traubel apresentado acima.

Nestes casos, uma alta capacidade para alucinação, talvez relacionada a alta absorção, susceptibilidade hipnótica, ou tendência à fantasia, possa reagir com crenças (tal como a acção do espírito sem o corpo ou a comunicação com o morto) ou com o contexto (tal como mágoa ou uma cena emotiva de morte) para produzir algumas experiências (ver também Houran e Lange, 1997).

Seguinte Podmore (1890), experiências verídicas tais como a de Cosgrave seriam explicadas por telepatia dos vivos.
Em sua visão, a pessoa moribunda pode ser a agente telepática para as alucinações dos espectadores.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74001
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Experiências de Quase Morte

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 06, 2012 10:12 pm

Continua...

Os casos em que a pessoa teve uma experiência verídica sem conhecimento prévio ou expectativa da morte, assim como em casos colectivos de percipiência, tais como os sons musicais ouvidos pela família da menina moribunda Lilly mencionada acima.

Embora percipiência selectiva possa ser coerente com variáveis capacidades para experimentar alucinações, também pode ser uma manifestação de uma variável capacidade para perceber acontecimentos psíquicos.

Nesta visão, experiências de aparição devem tomar “várias formas de acordo com as características individuais do projector
(Gurney, Myers, e Podmore, 1886, Vol. 2, p. 171).

Isso é, devemos esperar percepções diferentes ou modalidades sensoriais nesses que tendo experiências verídicas, “uma delas se expressando em som, e outra... em forma visível;
ou um delas se expressando em som ou forma, e a outra ciente disto como uma ideia interna;
e assim por diante”
(Gurney, Myers, e Podmore, 1886, Vol. 2, p. 172).

Infelizmente, estas ideias não foram continuadas empiricamente.
Um meio de fazer isso é conduzir novos estudos tais como o informado por Harvey Irwin (1979).

Ele estudou o relacionamento entre preferências cognitivas de codificação (estilos verbais e visuais) e a modalidade de experiências espontâneas de PES (experiências intuitivas e visuais).

Em adição a variáveis de personalidade e cognitivas, nós podemos focalizar em outros aspectos relacionados àqueles que passam pela experiência, como suas primeiras histórias relativas ao seu crescimento.

Experiências precoces tais como trauma foram sugeridas como factores de risco para EQMs (Ring, 1992) e outras experiências relacionadas à morte (Wright, 2002).

É possível que possamos descobrir que muitas variáveis interagem para criar uma susceptibilidade, tendência, ou abertura a fenómenos de próximos da morte.

Observações finais

Como argumentei, há muito a explorar concernente aos fenómenos próximos da morte, incluindo tanto as características da experiência quanto as características dos que passam por ela.

Além do mais, necessitamos estudar outros fenómenos próximos da morte não mencionado neste artigo, tais como assombrações de pessoas que morreram horas ou dias depois que suas assombrações foram vistas, experiências precognitivas relacionadas à morte, e as experiências de PES de pessoas moribundas.

Além do mais, vários conceitos explanatórios podem ser testados, se permanecermos aberto a diferentes suposições, algo que só pode aumentar nosso conhecimento destes fenómenos.

Entre estas possíveis hipóteses podem ser aquelas guiadas por explicações convencionais, tais como as ideias de James Houran e Rense Lange sobre visões de leito de morte (Houran e Lange, 1997) e a abordagem de Schouten (1979, 1981, 1982) de experiências de PES.

Mas é também importante considerar ideias que exijam uma extensão de tais conceitos como coincidência, alucinações, e afins.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74001
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Experiências de Quase Morte

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 07, 2012 9:09 pm

Continua...

Enquanto alguns casos possam ser explicados desta maneira, outros parecem indicar que a informação é adquirida de alguma fonte exteriorda mente do indivíduo.

A pesquisa baseada no conceito de PES e projectada a testar a ideia de sobrevivência à morte merecer exploração mais sistemática.

O desafio pode ser particularmente difícil devido à raridade de alguns destes casos e a raridade de pesquisadores interessados nestes temas.

Em termos do último, é infeliz que alguns parapsicólogos evitem fenómenos espontâneos e a questão da sobrevivência, porque sintam que tais temas sujem a natureza científica da pesquisa das experiências parapsicológicas.

Estes argumentos por alguns parapsicólogos se espelham nos de seus críticos (Alvarado, 2003).

Assim como alguns críticos acham a ideia de fenômenos psíquicos absurda e prejudicial à ciência e à educação do público geral, alguns parapsicólogos gostariam de separar seus esforços do estudo de fenómenos próximos à morte e de quaisquer ideias que impliquem em sobrevivência à morte ou envolva espiritualidade.

Tendo sido atacados por aqueles fora do campo, alguns parapsicólogos expõem atitudes semelhantes dentro do campo, e assim impedem os esforços do muito poucos colegas que fazem este trabalho.

O número daqueles que investigam fenómenos psíquicos é suficientemente pequeno, sem a intolerância dentro do campo que torna a tarefa à mão ainda mais difícil.

Não obstante, é minha esperança que estas considerações não impedirão aqueles numa posição de conduzir estudos empíricos, de modo que estas manifestações serão mais largamente e mais cientificamente estudadas no futuro.

Agradecimentos

Carlos S. Alvarado, Ph.D., é Professor Assistente de Pesquisa no Departamento de Medicina Psiquiátrica na Universidade de Virginia.
O autor deseja agradecer Nancy L. Zingrone por sugestões editoriais úteis para a melhora deste artigo.

As petições de reimpressão devem ser endereçadas ao Dr. Alvarado na Divisão de Estudos Perceptivos, Departamento de Medicina Psiquiátrica, Caixa 800152, Universidade do Sistema de Saúde de Virginia, Charlottesville, VA 22908-0152; e-mail: csa3m@virginia.edu


Referências

Alvarado, C. S. (2001). Features of out-of-body experiences in relation to perceived closeness to death. Journal of Nervous and Mental Disease, 189, 331-332.
Alvarado, C. S. (2003). Reflections on being a parapsychologist. Journal of Parapsychology, 67, 211-248.

Alvarado, C. S., and Zingrone, N. L. (1997). Out-of-body experiences and sensations of “shocks” to the body. Journal of the Society for Psychical Research, 61, 304—313.
Alvarado, C. S., and Zingrone, N. L. (1999). Out-of-body experiences among readers of a Spanish New Age magazine. Journal of the Society for Psychical Research, 63, 65-85.

Alvarado, C. S., Zingrone, N. L., and Dalton, K. (1998-99). Out-of-body experiences: Alterations of consciousness and the five-factor model of personality. Imagination, Cognition and Personality, 18, 297-317.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74001
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Experiências de Quase Morte

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 07, 2012 9:10 pm

Continua...

Barrett, W. F. (1926). Death-bed visions. London, England: Methuen.
Bozzano, E. (1923). Phenomenes psychiques au moment de la mort [Psychic phenomena at the moment of death]. Paris, France: Editions de la B.P.S.
Bozzano, E. (1982). Musica transcendentale [Transcendental music]. Rome, Italy: Mediterranee. (Original work published 1943)

Caltagirone, V. (1911). Manifestations “post mortem” repetees [Repeated “post mortem” manifestations]. Annales des sciences psychiques, 21, 187-189.
Crookall, R. (1967). Events on the threshold of the after life:”Clues” as to “the greatest of all enigmas”. Moradabad, India: Darshana International.

Delanne, G. (1909). Les apparitions mate'rialise'es des vivants et des morts: Tome 1. Les fantomes des vivants [Materialized apparitions of the living and the dead: Vol. 1.Phantasms of the living], Paris, France: Librairie Spirite.

Fenwick, P., and Fenwick, E. (1997). The truth in the light: An investigation of over 300 near-death experiences. New York, NY: Berkeley. (Original work published 1995)
Flammarion, C. (1900). L'inconnu: The unknown. New York, NY: Harper and Brothers. Flammarion, C. (1922). Death and its mystery: Before death (L. Carroll, trans.). New York, NY: Century. (Original work published 1920)

Flammarion, C. (1922). Death and its mystery: At the moment of death (L. Carroll, trans.). New York, NY: Century. (Original work published 1921)
Flammarion, C. (1923). Death and its mystery: After death (L. Carroll, trans.) New York, NY: Century. (Original work published 1922)

Garrett, E. J. (1943). Awareness. New York, NY: Creative Age Press. Greyson, B. (1985). A typology of near-death experiences. American Journal of Psychiatry, 142, 967-969.

Greyson, B., and Liester, M. B. (2004). Auditory hallucinations following near-death experiences. Journal of Humanistic Psychology, 44, 320-336.
Guggenheim, B., and Guggenheim, J. (1997). Hello from heaven. New York, NY: Bantam Books. (Original work published 1995)

Gurney, E., Myers, F. W. H., and Podmore, F. (1886). Phantasms of the living (2 vols.). London, England: Triibner.
Haraldsson, E. (1988-89). Survey of claimed encounters with the dead. Omega, 19,103-113.

Harrison, W. H. (1879). Spirits before our eyes. London, England: W. H. Harrison. Hart, H., and Collaborators. (1956). Six theories about apparitions. Proceedings of the Society for Psychical Research, 50, 153-239.

Houran, J., and Lange, R. (1997). Hallucinations that comfort: Contextual mediation of deathbed visions. Perceptual and Motor Skills, 84, 1491-1504.
Howarth, G., and Kellehear, A. (2001). Shared near-death and related illness experi­ences: Steps on an unscheduled journey. Journal of Near-Death Studies, 20, 71-85.

[Hyslop, J. H.]. (1915). Incidents. Journal of the American Society for Psychical Research, 9, 392-393. Irwin, H. J. (1979). Coding preferences and the form of spontaneous extrasensory experiences. Journal of Parapsychology, 43, 205-220.

Irwin, H. J. (1985). Parapsychological phenomena and the absorption domain. Journal of the American Society for Psychical Research, 79, 1-11.
Kohr, R. L. (1980). A survey of psi experiences among members of a special population. Journal of the American Society for Psychical Research, 74, 395—411.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74001
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Experiências de Quase Morte

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 07, 2012 9:10 pm

Continua...

Laurent, E. (1907). Remarks on certain common telepathic manifestations. Annals of Psychical Science, 5, 79-96.
Lindal, E., Stefansson, J. G., and Stefansson, S. B. (1994). The qualitative difference of visions and visual hallucinations: A comparison of a general-population and clinical sample. Comprehensive Psychiatry, 35, 405—408.

Monk, D. (1922). The process of dying witnessed by eight persons: Visible evidences of the spirit body. Light, 42, 182.

Myers, F. W. H. (1890). A defence of phantasms of the dead. Proceedings of the Society for Psychical Research, 6, 314-357.
Myers, F. H. W. (1903). Human personality and its survival of bodily death (2 vols.). London, England: Longmans, Green. Ohayon, M. M. (2000). Prevalence of hallucinations and their pathological associations in the general population. Psychiatry Research, 97, 153-164.

Osis, K. (1961). Deathbed observations by physicians and nurses. New York, NY: Parapsychology Foundation.
Osis, K., and Haraldsson, E. (1977). At the hour of death. New York, NY: Avon. Palmer, J. (1979). A community mail survey of psychic experiences. Journal of the American Society for Psychical Research, 73, 221-252.

Piccinini, G., and Rinaldi, G. M. (1990). / fantasmi dei morenti: Inchiesta su una credenza [Phantasms of the dying: Survey of a belief]. Viareggio, Italy: II Cardo.

Podmore, F. (1890). Phantasms of the dead from another point of view. Proceedings of the Society for Psychical Research, 6, 229-313.

Prince, W. F. (ed.). (1921). Peculiar experiences connected with noted persons. Journal of the American Society for Psychical Research, 15, 109-131.
Rhine, L. E. (1957). Hallucinatory psi experiences: II. The initiative of the percipient in hallucinations of the living, the dying, and the dead. Journal of Parapsychology, 21, 13-46.

Rhine, L. E. (1963). Spontaneous physical effects and the psi process. Journal of Parapsychology, 27, 84-122.
Rhine, L. E. (1968). Hidden channels of the mind. New York, NY: William Sloane. (Original work published 1961)
Rhine, L. E. (1981). The invisible picture: A study of psychic experiences. Jefferson, NC: McFarland. Richards, D. G. (1991). A study of the correlation between subjective psychic experiences and dissociative experiences. Dissociation, 4, 83—91.

Ring, K. (1980). Life at death: A scientific investigation of the near-death experience. New York: Coward, McCann and Geoghegan.
Ring, K. (1992). The Omega Project: Near-death experiences, UFO encounters, and mind at large. New York, NY: Morrow.

Rogo, D. S. (1970). WAD: A study of some unusual”other world” experiences. New York, NY: University Books. Rogo, D. S. (1972). A psychic study of”the music of the spheres” (NAD, Volume II).

Secaucus, NJ: University Books. Schouten, S. A. (1979). Analysis of spontaneous cases as reported in Phantasms of the living. European Journal of Parapsychology, 2, 408-455.

Schouten, S. A. (1981). Analysing spontaneous cases: A replication based on the Sannwald collection. European Journal of Parapsychology, 4, 9—48.
Schouten, S. A. (1982). Analysing spontaneous cases: A replication based on the Rhine collection. European Journal of Parapsychology, 4, 113-158.

Serper, M., Dill, C. A., Chang, N. Kot, T., and Elliot, J. (2005). Factorial structure of the hallucinatory experience: Continuity of experience in psychotic and normal individ­uals. Journal of Nervous and Mental Disease, 193, 265-272.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74001
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Experiências de Quase Morte

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 07, 2012 9:10 pm

Continua...

Sidgwick, H., Johnson, A., Myers, F. W. H., Podmore, F., and Sidgwick, E. M. (1894). Report on the Census of Hallucinations. Proceedings of the Society for Psychical Research, 10, 25-422.

Snell, J. (1959). The ministry of angels: Here and beyond. New York, NY: Citadel Press. (Original work published 1918)
Sutherland, C. (1989). Psychic phenomena following near-death experiences: An Australian study. Journal of Near-Death Studies, 8, 93-102. Tweedale, C. L. (1921). The passing of Mary Burnett: Wonderful purple light precedes transition. Light, 41, 551.

van Lommel, P., van Wees, R., Meyers, V., and Elfferich, I. (2001). Near-death experience in survivors of cardiac arrest: A prospective study in the Netherlands. Lancet, 358, 2039-2045.

Waller, N., Putnam, F. W., and Carlson, E. B. (1996). Types of dissociation and dissociative types: A taxometric analysis of dissociative experiences. Psychological Methods, 1, 300-321.

West, D. J. (1960). Visionary and hallucinatory experiences: A comparative appraisal. International Journal of Parapsychology, 2, 89-100.
Whitmer, O. J. (1924). Mediumistic communications and physical phenomena (W. F.Prince, ed.). Journal of the American Society for Psychical Research, 18, 568—581.

Wilson, S. C, and Barber, T. X. (1983). The fantasy-prone personality. Implications for understanding imagery, hypnosis, and parapsychological phenomena. In Sheikh, A. A. (ed.), Imagery: Current theory, research, and application (pp. 340—387). New York, NY: John Wiley.

Wright, S. H. (2002). When spirits come calling: The open-minded skeptic's guide to after-death contacts. Nevada City, CA: Blue Dolphin.

Artigo publicado no Journal of Near-Death Studies: Vol. 24, No. 3, pp. 131–151, em Março de 2005.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74001
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Experiências de Quase Morte

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 4 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum