Psi x Sobrevivência

Página 3 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 07, 2012 9:08 pm

Continua...

Texto originalmente publicado em MONTEIRO, Eduardo C, (org.) Anuário Histórico Espírita. São Paulo: MADRAS - USE-SP, 2003. p. 125-149.

[1] KARDEC, 1995. p. 21.
[2] O leitor pode encontrar um trabalho com mais fôlego sobre as relações entre o mesmerismo e o Espiritismo em “Doutrina Espírita, Cristianismo e História”.(Associação Espírita Célia Xavier, 1996).

[3] Em 1853 ele publicou em Nova York um livro intitulado “Spiritualism” em co-autoria com George Dexter.
[4] Em 1855 ele publicou em Nova York o livro “Experimental Investigation of the Spirit Manifestations”.
[5] Segundo Wallace (1975, p. 155)

[6] Henry Sigdwick, Edmund Gurney e Frederic Myers, que atraíram a seguir Sir William Crookes, Sir John Joseph Thomson, Sir Oliver Lodge, Sir William Barrett e os dois Lords Rayleigh, Henri Bergson, Ferdinand Schiller, Hans Driesch, William James, William McDougall, Sigmund Freud, Carl G. Jung e Gardner Murphy, entre muitos outros. (GAULD, 1995. p. 10).

[7] Para uma leitura introdutória deste assunto verificar GAULD, 1995. p. 84-95.
[8] Mediunidade e sobrevivência, do Dr. Alan Gauld; Fantasmas e Aparições de Andrew Mackenzie e Experiências Fora do Corpo de Susan Blackmore.

[9] Ainda não publicado em língua portuguesa.
[10] Idem
[11] Se entendermos ciência como o faziam os empiristas inducionistas.

[12] RICHET, 1940. p. 22.
[13] O Prof. Richet usa o termo metagnomia para o conhecimento adquirido sem o concurso dos cinco sentidos.
[14] Refirimo-nos à Ciência ou Pesquisa Psíquica e à Metapsíquica.

[15] Um dos autores que parece ter percebido isto foi Karl Popper. Em seu livro “A Lógica da Pesquisa Científica” ele reformula o critério da verificabilidade pelo critério da falsificabilidade, ou seja, cabe ao pesquisador enunciar em que termos ele estaria disposto a abandonar as suas hipóteses, sem o que não se estaria fazendo ciência.

[16] Capacidade de percepção consciente ou inconsciente de pequenos sinais geralmente não observados pela maioria das pessoas presentes e de recordações quase subliminares.

[17] Uma obra que aponta isto de forma muito clara, embora extremamente sarcástica, é o livro “Hipóteses em Parapsicologia” do conhecido Carlos Imbassahy.

[18] Do inglês: Extra Sensorial Perception.
[19] Do inglês: General Extra Sensorial Perception.
[20] O já citado livro de GAULD (1995) é um dos exemplos.

[21] Se algum destes conceitos lhe for estranho, consulte o vocabulário no anexo 1.

[22] American Society for Psychical Research
[23] Institut Metapsychique International
[24] Koestler Parapsychology Unit

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Interpretações de vidas passadas: necessitamos de todas elas

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 07, 2012 9:09 pm

Conferência para o Dia de Estudo da SPR, Londres, 6 de novembro de 2004

Interpretações de vidas passadas: necessitamos de todas elas
Titus Rivas

Damas e cavalheiros,

Como um membro holandês da SPR sinto-me muito honrado por ter sido convidado como um orador neste Dia de Estudo, porque considero seu assunto de grande importância.

A este respeito eu particularmente gostaria de agradecer a Mary Rose Barrington e a nosso presidente Donald West.

Para mim, a pesquisa de reencarnação tornou-se um conceito académico realista pelos trabalhos do Dr. Ian Stevenson.
Penso que seu trabalho corajoso em crianças jovens que alegam lembrar-se de uma vida prévia eternamente permanecerá uma das fontes básicas para o campo.

Como meus companheiros conferencistas deste Dia de Estudo - Roy Stemman, Guy Lyon Playfair, Archie Roy - já explicaram, num típico caso Stevensoniano, a criança começa a conversar sobre memórias de uma vida prévia entre as idades de dois e quatro anos.

Suas memórias frequentemente começam a desaparecer na idade de 6 ou 7.

As declarações da criança frequentemente são acompanhadas por emoções e padrões de comportamento que correspondem à personalidade que a criança alega ter sido.
Em muitos casos há marcas ou defeitos de nascimento no corpo da criança que parecem estar localizados próximos do ponto de onde o corpo prévio alegado foi ferido de forma fatal.

Também, estes casos frequentemente envolvem declarações correctas sobre uma vida passada fora do ambiente da criança e desconhecidas a sua família presente.

Em vários casos, investigadores alcançaram a família da criança antes de qualquer tentativa de verificar a história tivesse sido feita, e fizeram notas escritas das declarações do indivíduo.

Os casos de crianças jovens que alegam lembrar uma existência prévia, ou Casos do Tipo Reencarnação como eles comumente são conhecidos na literatura académica, não só ocorrem entre culturas que endossam uma crença em renascimento.

Eles também são achados em países Ocidentais, incluindo Grã-Bretanha, e eu pessoalmente achei tais casos na Holanda por 'minha' Athanasia Foundation.

É por estas razões que Casos do Tipo Reencarnação normalmente são vistos como um dos tipos de evidências promissores mais notáveis para a sobrevivência depois da morte.

Interpretações normais e anormais de Casos de Vidas Passadas

Eu compartilho desta visão, mas penso que permanece importante excluir hipóteses alternativas para casos individuais.

Nisto, eu não estou sozinho.

Embora o Dr. Stevenson às vezes seja descrito como sendo demais ingénuo sobre a correcta interpretação de seus resultados, nada pode estar mais distante da verdade.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 09, 2012 9:45 am

Continua...

Em todos os seus livros, Stevenson realça que casos individuais diferem consideravelmente na força da evidência e que vários tipos de processos diferentes podem ser responsáveis por eles.

Aliás, foi a meticulosa discussão de Stevenson de possíveis hipóteses para estes casos que me convenceu da realidade da reencarnação.
O mesmo pode ser dito sobre outros pesquisadores, tais como Erlendur Haraldsson, Jamuna Prasad, Satwant Pasricha ou Kirti Swaroop Rawat.

Nenhum deles quereria alegar que todos os casos sugestivos de reencarnação são igualmente fortes ou que interpretações alternativas devem ser descartadas.

Em outras palavras, o debate sério não consiste sobre se a diferenciação dentro da evidência para reencarnação é necessária, mas se tal diferenciação é executada de uma maneira adequada.

Por exemplo, Stephen Braude assegura que Stevenson é ingénuo sobre a extensão na qual habilidades inatas poderiam ser baseadas em disposições genéticas da criança.

Em outras palavras, Braude não acusa Stevenson de totalmente ignorar tais possibilidades e ele mesmo assegura que a hipótese de reencarnação é de facto bem plausível para alguns dos casos de Stevenson.

Cépticos mal informados ou enganadores tão somente continuarão a espalhar o mito que o Dr. Stevenson não deu qualquer atenção séria a interpretações alternativas.

O debate sobre a interpretação correcta de casos individuais é demais complexa para ser adequadamente resumido aqui, porque várias centenas de casos já foram publicadas até hoje.

Também não faria qualquer justiça aos registos detalhados destes casos e eu gostaria de aconselhar a qualquer um interessado no campo a estudar os relatórios originais para avaliar os méritos de cada caso publicado.

Em vez disso, eu tentarei mostrar que nem todas as memórias alegadas de vidas prévias podem ser explicadas por uma única hipótese olhando em resumo alguns casos representativos.

Não há nenhuma hipótese que cubra todos os fenómenos descritos na literatura de investigações de reencarnação.

Como disse antes, este ponto de vista é inteiramente tradicional, porque nenhum pesquisador sério de reencarnação jamais defendeu a visão de que uma hipótese possa explicar tudo.

Fraude

Entre as várias hipóteses formuladas para explicar casos de crianças jovens que alegam lembrar uma vida passada, nós amplamente podemos distinguir entre interpretações baseadas em mecanismos psicológicos normais e especificamente interpretações parapsicológicas que introduzem elementos ausentes na psicologia tradicional.

Obviamente, para a maioria dos caçadores de fraude esta distinção é puramente ridícula, porque para eles qualquer teoria séria parapsicológica é por definição uma teoria em termos de psicologia normal.

É notável que pesquisadores psíquicos e caçadores de fraudes pareçam concordar em uma coisa, a saber que dificilmente existem quaisquer Casos do Tipo Reencarnação que deveriam ser explicados por fraude.

Há muito poucos casos em que os pais conscientemente poderiam ser motivados a forçar sua criança a fazer declarações sobre uma vida prévia e os poucos casos que foram descobertos têm características incomuns.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 09, 2012 9:45 am

Continua...

Por exemplo, a criança não fala sobre a vida anterior até depois da idade de cinco.

A criança alega que ele ou ela teria sido famosa ou poderosa em sua vida anterior e este estado é explorado para ganho egoísta pelos seus parentes presentes.

Também, não há nenhuma menção da criança tendo emoções fortes sobre sua vida prévia.
Então, como Archie Roy apontou, fraude não é uma candidata séria para a maioria dos casos estudados na pesquisa de reencarnação.

Gerações invertidas e outras fantasias infantis

No entanto, há outras hipóteses derivadas da psicologia normal que parecem mais importantes.

Foi o psicólogo Ernest Jones que na década de 1920 apontou a existência de um tipo de fantasia infantil especial, que ele denominou “inversão das gerações”.

De acordo com esta fantasia, as pessoas mais velhas tornam-se menores e menores até que elas tornaram-se bebés outra vez.

Ernest Jones escreve:
"por exemplo, um menininho que eu conheço, quando tinha três anos e meio de idade, frequentemente dizia a sua mãe com perfeita seriedade de modos:

'Quando estou grande, então você será pequeno;
então eu o carregarei, o vestirei e o colocarei para dormir."


Eu pessoalmente achei um caso de uma menina holandesa de 5 anos de idade que espontaneamente observou:
"Quando eu morrer, quero nascer outra vez como seu bebé.
Mas talvez você própria seja um bebé por então."


Quando uma vizinha tinha morrido, esta mesma menina quis saber tudo sobre isto.
Depois que contaram-na sobre o caixão, em que o corpo da vizinha seria enterrado, observou:
"Como ela pode tornar-se um bebé outra vez vestida assim?"

A fantasia de gerações invertidas descrita por Ernest Jones pode ser relacionada ao desenvolvimento de um conceito de morte em crianças jovens.

As crianças da faixa etária típica para Casos do Tipo Reencarnação normalmente não compreendem o significado de uma pessoa morrer.

A ideia de que a velhice seria seguida pelo encolhimento poderia ser uma das fases em direcção de um conceito de morte como um estado físico irrevogável.

No entanto, se a reencarnação é real e se crianças podem ter memórias reais de sua vida anterior, a ideia de gerações invertidas também podem ser relacionadas a uma memória deturpada do que significa morrer e reencarnar.

É às vezes muito difícil distinguir a linha entre possíveis memórias reais de vidas prévias e possíveis memórias falsas.

Estranho como isto possa parecer, este facto realmente adiciona força à hipótese que em alguns casos nós lidamos com memórias reais.

Isto é porque a memória normal de acontecimentos que ocorrem dentro de tempos idênticos de vida também pode ser deturpada.

As lacunas na memória de alguém são muito comuns e elas subconscientemente são preenchidas com processos próximos à fantasia.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 09, 2012 9:46 am

Continua...

Nós não devemos esperar que isto seria de alguma forma diferente com pessoas que são às vezes realmente capazes de lembrar-se de seu vidas prévias.

Uma coisa já está clara: nós não devemos procurar por evidência convincente para a reencarnação em casos que também podem ser explicados por um processo de fantasia.

Há poucos anos, Richard Wiseman desenvolveu ainda mais esta ideia numa experiência conduzida para um documentário televisivo sobre as pesquisas de reencarnação.

Wiseman afirma que se você pedir para as crianças que componham uma história sobre uma vida prévia, elas às vezes construirão uma fantasia que lembram as memórias das crianças que alegam vidas passadas.

No entanto, suas experiências inéditas só superficialmente são relacionadas a do Casos Tipo Reencarnação espontâneos.
Em casos reais, as crianças normalmente não são encorajadas a fantasiar sobre uma vida prévia.

Também, elas tipicamente mostram emoções fortes e uma identificação em relação a suas memórias, assim como para características comportamentais e em alguns casos marcas ou defeitos de nascimento.

Além do mais, os casos estudados por Wiseman incluíram muito menos informações específicas sobre nomes e situações que os casos mais fortes Stevensonianos fazem.

Em outras palavras, os resultados inéditos de Wiseman não conseguem oferecer uma explicação satisfatória para Casos do Tipo de Reencarnação típicos.

Por outro lado, nós não devemos ser ingênuos sobre as incidências de casos reais de fantasias. Eu pessoalmente achei vários casos de fantasia na Holanda.

Fantasia e compensação

O caso mais interessante se refere a um engenheiro técnico holandês aposentado, que me contactou pelo Instituto de Parapsicologia em Utrecht.

Quando adulto, ele começou a ter uma série de visões em que ele se via como uma criança jovem envolvida numa tragédia num transatlântico.

Juntando todos os detalhes de suas visões, ele concluiu que tinha estado a bordo do Titanic com a sua família e tinha morrido quando ele afundou.

Na época de sua morte, ele tinha dois anos de idade.
Lembrou-se de seu segundo aniversário, que foi celebrado no lar de sua tia bem sucedida em Hampstead.
Na festa de aniversário há uma menina adolescente, sua prima.

Depois da festa, sua tia guiou-o e a sua mãe a uma estação subterrânea, onde tomaram uma conexão.
No dia seguinte eles abordaram um navio e foram apresentados a sua cabine de terceira-classe.

Foi a única criança que passou os dias com sua mãe;
as outras crianças passaram seus dias numa escola infantil.
Durante a viagem, todo o mundo deu uma excursão no navio inteiro.

Houve um acidente, e o navio afundou. Afogou-se junto com sua mãe.
Os seus corpos foram recuperados e foram enterrados nos Estados Unidos.
Seu pai tinha ido ao Canadá ou para os Estados Unidos num navio anterior e escapou da morte.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Set 10, 2012 9:19 am

Continua...

Ele nunca via o nome do navio em qualquer de suas memórias, mas baseado em certos detalhes tais como a aparência do navio, ele decidiu que certamente deve ter sido o Titanic.

Ele veementemente opôs-se à possibilidade de que suas recordações dissessem respeito a outro desastre marítimo.

Lembrou que em sua festa de aniversário, sua prima tinha perguntado seu nome.
Embora ele não pudesse ver o nome claramente, ele lembrou que soou como "A-ed."
Interpretou que isto queria dizer "Alfred."

Por olhar a lista de passageiro do Titanic incluída num livro famoso sobre o desastre, ele topou com o nome de Alfred Peacock, um rapaz jovem viajando com sua mãe e irmã numa cabine de terceira-classe.

Também, alegou que ele pessoalmente tinha verificado o dia de nascimento de Alfred Peacock nos arquivos na St. Catherine's House.

F.H. estava bastante determinado a mostrar que suas memórias eram a melhor evidência para a reencarnação e ele tentou conduzir minhas investigações.

Contactei o Dr. Alan Gauld e vários historiadores especializados no Titanic e suas conclusões foram decepcionantes.

O Alfred Peacock registado tinha somente sete meses de idade na época da viagem, de acordo com a St. Catherine's House.

Ele nasceu em setembro de 1911, não em abril de 1910.
Viajou com sua mãe e com sua irmã de quatro anos;
tinham gastado seus últimos poucos dias em Southampton, não em Londres.

Embora seu pai tivesse ido aos Estados Unidos um ano antes, Alfred não tinha uma tia vivendo em Londres, nem qualquer uma de suas duas tias tinham uma filha adolescente.

Os historiadores contaram-me que nenhuma escola infantil existiu no navio e que os passageiros não deram uma excursão pelo navio durante a viagem.

Apesar destes resultados negativos, o respondente insistiu que ele não mentia e que sabia com certeza que ele foi Alfred Peacock em sua vida passada.

Ele mesmo chegou ao ponto de acreditar que o livro, que incluía o dia de nascimento do Alfred Peacock do Titanic, foi falsificado ao invés de aceitar o resultado decepcionante.

Ele seriamente entreteve a ideia de uma conspiração relacionada à prevenção de possíveis reivindicações de seguro e chegou mesmo a alegar que eu próprio estivesse envolvido nesta suposta conspiração.

Se tomamos sua afirmação seriamente que à parte do Titanic não há outro candidato histórico para suas imagens detalhadas, suas memórias assim chamadas realmente devem ser baseadas em fantasia.

Parece haver um elo entre os enganos neste caso e a situação médica social do indivíduo, que eu achei serem horríveis.

Tinha perdido uma posição importante em uma companhia industrial devido a conflitos pessoais.
E desde então, ele também pareceu ter perdido o controle de sua vida pessoal, seus arredores físicos e seu ambiente social.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Set 10, 2012 9:19 am

Continua...

Ele ficou muito isolado e sentiu-se frustrado de várias maneiras.

Suas fantasias podem ter servido como um tipo de fuga. O que lhe faltou em sucesso real, ele pode ter tentado compensar por enganos de grandiosidade de ser a mesma pessoa com fortes memórias de uma vida passada na história.

Também, sobrevivendo espiritualmente a uma catástrofe como o desastre do Titanic, isso pode ter servido como um símbolo do desejo de salvar a si próprio dos azares de sua vida profissional e pessoal.

Penso que a conclusão de que ele sofreu de fantasias sérias de ilusão é inevitável.

Em outras palavras, nós temos todas as razões para supor que parte do que ele apresentou como memórias de vidas passadas realmente é baseado em fantasia.

Aliás, achei outros casos semelhantes na Holanda de indivíduos que alegaram ter memórias verificáveis de uma vida passada e cujas alegações foram mostradas serem falsas pelos factos documentados.

Tipicamente, envolve uma personalidade romanticamente inclinada com pequeno êxito na sociedade ou êxito menor do que ele ou ela deseja.

O indivíduo alega que ele ou ela pode escrever um livro inteiro sobre as memórias e está absolutamente convencido de que são reais.

Depois que as memórias assim chamadas são mostradas falsas, há duas possíveis respostas.

Ou o indivíduo fica muito decepcionado e tenta desacreditar minha pesquisa ou mesmo os registos históricos, ou o indivíduo simplesmente ajusta suas crenças de forma que as memórias podem se tornar mais deturpadas do que ele esperava.

Em nenhum caso achado até então ocorreu do respondente aceitar a conclusão bastante inevitável que suas memórias eram a maioria provavelmente baseadas num processo subconsciente de fantasia.

Embora distorções certamente exerçam um papel importante em processos normais de memória e possa-se esperar exercerem um papel em memórias reais de vida passadas também, não devem ser invocadas como uma hipótese se o indivíduo seguramente alega que suas memórias consistem em imagens episódicas de confiança.

Algum de vocês pode lembrar o caso de Helene Smith estudado por Theodore Flournoy que claramente sofreu de enganos dissociativos enquanto supostamente revivia memórias de uma vida a Índia ou no planeta Marte.

A diferença entre seus enganos e os do indivíduo que eu estudei é que no caso último não é imediatamente óbvio que suas memórias consistiam em fantasias.

CORTs típicos

Não obstante, eu devo realçar que o tipo de casos de fantasia que nós achamos não possui a mesma estrutura básica dos Casos Stevensonianos típicos do Tipo Reencarnação.

Eles não relacionam-se com crianças jovens mas adultos ou jovens e naturalmente eles não envolvem declarações exactas notáveis nem comportamentos nem correspondências físicas com uma personalidade morta específica.

Portanto não temos nenhuma boa razão para extrapolar estes casos de fantasia para casos típicos de crianças que alegam lembrar uma vida passada.

Deixe-nos olhar a seguir alguns Casos do Tipo Reencarnação para os quais as hipóteses normais claramente não parecem ser convenientes.

Estes são casos com informação paranormal, comportamento ou características físicas.
Por favor notem que minha escolha é bastante arbitrária, já que há muitos outros casos semelhantes na literatura.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Set 10, 2012 9:19 am

Continua...

Yusuf Köse

O primeiro caso eu gostaria de mencionar em resumo aqui é o de Yusuf Köse, um rapaz turco que nasceu em cerca de 1897 em Odabashi a aproximadamente 5 km de Antakya na província turca de Hatay.

Descobriu-se ter uma marca de nascimento ao redor das costas do seu pescoço e defeitos raros de nascimento de dois dos dedos da sua mão direita.

Quando Yusuf tinha aproximadamente 3 anos de idade, ele começou a narrar acontecimentos de uma vida prévia.
Alegou ter sido uma pessoa chamada Hallil Ridvan da aldeia de Deruziye aproximadamente a 15 quilómetros de Odabashi.

Ele descreveu sua casa nessa aldeia, e mencionou sua esposa e uma proeminente nogueira perto da casa.

Numa discussão com outros homens, que eram inimigos da sua família, um deles tirou uma faca grande e começou a cortar o seu pescoço.

Hallil levantou a sua mão direita para empurrar para longe a lâmina da faca e a faca então cortou os dedos da sua mão direita.

Por causa da dor, ele abandonou toda a resistência, depois sua cabeça foi cortada.

Quando Yusuf tinha aproximadamente 6 anos de idade, seus irmãos mais velhos levaram-no a Deruziye onde reconheceu a casa e a esposa de Hallil Ridvan.

Alguns anos mais tarde, quando tinha aproximadamente 8, Yusuf também reconheceu o assassino e ele mesmo tentou matá-lo.

Este caso não foi investigado até 1966.
Desse ano até 1976 o Dr. Stevenson e seu colega turco Reshat Bayer tentaram reconstruí-lo.
Entrevistaram Yusuf Köse que estava agora com quase setenta e seu irmão mais velho.

Eles também conversaram com um sobrinho do assassinado Hallil Ridvan.

Estabeleceram que Hallil Ridvan foi morto em Bakras, um lugar aproximadamente a 22 km ao norte de Odabashi, lugar de nascimento de Yusuf.

Depois do seu assassinato, o corpo de Hallil Ridvan foi trazido a Odabashi onde foi observado pelo pai de Yusuf e outros parentes.

Eles não sabiam quem era e ninguém na aldeia pôde identificar o corpo.
Semelhantemente, a família de Hallil Ridvan não soube sobre seu assassinato na época.

Eles simplesmente supuseram que ele tinha desaparecido sem vestígio até que Yusuf alegou ser Hallil renascido.

Os investigadores também estabeleceram que o irmão do Yusuf chamado Yusuf teve uma fobia por facas e espadas até a idade de 16.

De um ponto de vista evidencial, este caso pode ser considerado como fraco em um respeito, a saber que não foi investigado até mais de 60 anos depois que ocorreu.

Ainda assim, se tomarmos a reconstrução de Stevenson e de Bayer seriamente, dificilmente pode se negar que o caso precisa ser explicado por uma hipótese parapsicológica específica.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Set 11, 2012 10:02 am

Continua...

Indika Ishwara

O próximo caso que eu gostaria de mencionar é que de Indika Ishwara.
Indika e seu irmão Kakshappa Ishwara são gêmeos monozigóticos e eles nasceram em Weligama, Sri Lanka em 1972.

Ambos começaram a falar sobre uma vida prévia quando tinham aproximadamente 3 anos de idade.

Kakshappa alegou ter sido um rebelde morto pela polícia.

Mencionou um ou mais lugares relacionados a suas memórias, mas seus pais riram de sua história e isso foi provavelmente o motivo de porquê parou de falar sobre elas.

Seu irmão Indika Ishwara também falou sobre uma vida prévia e ele deu detalhes de nomes e lugares.

Alegou que tinha vivido em Balapitiya e que seu apelido tinha sido Baby Mahattaya.
Ele disse que tinha ido a uma escola em Ambalangoda, a aproximadamente 60 quilómetros por estrada ou trilho de Weligama.

Balapitiya está localizada a aproximadamente 6 km ao norte de Ambalangoda.
Pareceu que descrevia uma vida como um aluno jovem.

Ocorreu do pai de Indika ter um amigo que trabalhava em Ambalangoda e com a informação fornecida pelo rapaz, este amigo facilmente achou uma família em Balapitiya cujo filho mais velho Dharshana morreu de uma doença aos 11 anos de idade em 1968.

Sua vida correspondia à história de Indika na maioria dos aspectos.

O caso foi investigado por Godwin Samararatne e mais tarde também pelo Dr. Stevenson.

Stevenson registou 41 declarações e reconhecimentos feito por Indika cuja maioria era correcta quando comparada com a vida de Dharshana.

Destas declarações, Stevenson concluiu que 28 foram feitas antes de qualquer tentativa de verificação.
Ian Stevenson não pôde descobrir quaisquer conexões normais entre as duas famílias.

Além do mais, há diferenças marcantes entre os gémeos monozigóticos, tais como que Indika era religioso e Kakshappa era indiferente frente à religião, ou que Indika gostava que lhe falassem respeitosamente, ao passo que Kakshappa era indiferente ao modo que lhe dirigiam.

Jagdish Chandra

Mas outro caso notável diz respeito ao rapaz indiano Jagdish Chandra, nascido na década de 1920 em Bareilly.

Jagdish era filho de um advogado, K. K. N. Sahay e graças a ele que suas memórias foram registadas antes de qualquer tipo de verificação tivesse sido empreendida.

Em 1926 enquanto sua mãe estava muito doente, Jagdish Chandra pediu a seu pai que pegasse seu carro.
K. K. N. Sahay perguntou a seu filho onde seu carro estava.

Respondeu que estava na casa de Babuaji em Benares e deu mais detalhes sobre uma vida prévia como o filho de um assim chamado Panda, i.e. uma pessoa responsabilizada a dar auxílio a peregrinos que vêm se lavar na água sagrada do Ganges.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Set 11, 2012 10:03 am

Continua...

Sahay tentou determinar se as declarações de seu filho podiam ser verificadas e com este propósito ele escreveu cartas a um jornal regional em inglês chamado Leader.

Sahay realça que ele não tem nenhum amigo ou parente em Benares e adiciona que várias personalidades locais importantes perguntaram a Jagdish Chandra sobre sua vida prévia.

K. K. N. Sahay recebeu vários inquéritos concernentes a história de Jagdish Chandra que confirmaram a maioria de suas declarações como aplicáveis a uma pessoa conhecida como Babu Pandey vivendo em Benares (Varanasi).

Seu filho Jai Gopal tinha morrido vários anos antes.

Depois que o Leader tinha publicado as cartas de Sahay, ele recebeu muitos visitantes interessados no caso que quiseram ouvir a conversa de Jagdish sobre sua vida prévia.

Depois que um tempo, Sahay decidiu levar seu filho a Benares. Quando chegou aí, o rapaz apontou o caminho pelo labirinto de alamedas até a casa de Babua.

Reconheceu pessoas e lugares.

K. K. N. Sahay registou as declarações feitas por Jagdish Chandra antes deles irem para Benares.

No total, Jagdish Chandra fez 51 declarações concernentes a sua vida prévia.
Destas, 12 foram registradas antes que qualquer verificação tivesse ocorrido.
Ainda, 24 foram registradas e verificadas antes das duas famílias terem se encontrado.

Ian Stevenson também fez uma lista de 14 características comportamentais de Jagdish Chandra relacionadas à vida prévia, tais como uma insistência em comer antes dos outros membros da família ou uma recusa a comer com não-hindus.

Sobre estas características, Stevenson comenta que ainda que possamos explicar os aspectos das informações do caso por meios normais, nós ainda necessitaríamos outra hipótese para explicar suas características comportamentais.

Hipóteses Parapsicológicas

Penso que casos como esses de Yusuf Köse, Indika Ishwara e Jagdish Chandra claramente mostram que hipóteses psicológicas normais são insuficientes para explicar todas as variedades de casos de crianças que lembram-se de vidas passadas.

Parece inegável que algum tipo de processo paranormal deve estar envolvido.

Alguns podem requerer dados estatísticos exactos sobre a probabilidade que estes resultados não estejam baseados apenas em acaso, mas se na prática for impossível obter tais dados, a maioria dos académicos concordariam provavelmente que parece muito irreal simplesmente assumir que são.

Deixe-nos ver que hipótese específica do tipo parapsicológica pode contar como a interpretação mais parcimoniosa para tais casos paranormais.

Deve ser uma hipótese que cobre todos os aspectos paranormais, incluindo informação, comportamento e características físicas.

A primeira hipótese parapsicológica que nós devemos considerar é que a criança usa sentidos paranormais para obter informação sobre uma personalidade morta desconhecida e subsequentemente se identifica com esta informação paranormal.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Set 11, 2012 10:03 am

Continua...

Esta hipótese freqüentemente é chamada Super-ESP ou hipótese Super-PSI, porque a quantidade de Percepção Extra-Sensorial supera a telepatia normalmente encontrada em casos espontâneos.

A hipótese de Super-ESP frequentemente é considerada mais parcimoniosa que a da sobrevivência ou reencarnação porque usa um conceito geral já conhecido de outros campos parapsicológicos de pesquisa.

Se aplicarmos a teoria de Super-ESP a Casos do Tipo de Reencarnação, nós temos que supor que as assim chamadas memórias mostradas pelos indivíduos realmente não são reais.

Em vez disso, elas seriam baseadas em percepção paranormal de informações concernentes a uma personalidade morta.

Alguns dados parecem sugerir que a cognição paranormal do passado ou retrocognição sintoniza uma fonte geral de informação não física.

Se desejarmos não considerar a teoria de Super-ESP para Casos paranormais do Tipo Reencarnação nós temos que nos concentrar na versão forte desta teoria.

Agora, às vezes é alegado por partidários da sobrevivência que uma hipótese forte de Super-ESP baseada em princípios sem limites e não conhecidos de informação retrocognitiva é uma hipótese inaceitável porque nunca pode ser falsificada.

Qualquer tipo de informação poderia ser explicada por retrocognição e nenhum caso jamais poderia mostrar que a teoria de Super-ESP está errada.

No entanto, em minha visão isto está errado.

A teoria de Super-ESP pode ser não falsificável se alguém olhar exclusivamente as informações paranormais sem levar em conta o contexto em que as informações aparecem.

A falsificação de Super-ESP principalmente não é ligada a seu poder explanatório de aspectos informacionais dos casos, mas à sua capacidade de explicar os casos como um todo.

Como eu já realcei nesta conferência, Casos paranormais do Tipo de Reencarnação não apenas contém informação paranormal, mas comportamento também paranormal e aspectos físicos.

Mais do que qualquer coisa, uma boa teoria para casos paranormais deve ser capaz de explicar por que as crianças se identificam com uma informação em particular.

O mero facto de que elas teriam colecionado esta informação por ESP simplesmente não é suficiente.
Então, receio que eu não concorde com o Professor Roy neste ponto particular.

Isto é reconhecido pelo filósofo Stephen Braude que aceita que a Super-ESP só pode explicar um caso se for acompanhada por um registo da motivação que leva ao uso da informação paranormal para um processo de identificação intensa.

Ele também reconhece que tais motivos são extremamente improváveis para crianças jovens, i.e. para o indivíduo normal de Casos do Tipo Reencarnação.

Deixe-nos supor que a ESP é usada pela criança subconscientemente para ser capaz de escolher um morto estranho como um objecto de identificação.

Isto deve querer dizer que há algum tipo de processo pelo qual a criança tenta achar uma pessoa morta que corresponderia tanto quanto possível a seu ideal de auto-conceito.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Set 12, 2012 8:38 am

Continua...

Nós só devemos esperar casos com objectos de identificação mortos que seriam atraentes a crianças jovens, principalmente por causa de suas características externas.

A personalidade falecida não deve sofrer tampouco dos conflitos internos desagradáveis que sejam ligados à vida dele ou dela, porque isso não seria nada simpático a qualquer criança jovem.

Agora, nenhuma destas duas propriedades preditas são típicas para casos paranormais do tipo de reencarnação.

Portanto, a hipótese ESP claramente parece insuficiente para a maioria de tais casos de uma perspectiva motivacional.

Em outras palavras, a Super-ESP de qualquer tipo de facto pode ser falsificada a saber por casos em que uma identificação motivada via ESP não pode ser tomada seriamente.

Nesse sentido, a Super-ESP é uma teoria científica aceitável e é de fato falsificada pelos factos empíricos.

Em Casos paranormais do Tipo de Reencarnação que envolve identificação com um completo estranho, é razoável supor que a informação sobre a vida prévia não é reunida por ESP mas é realmente parte da memória da criança e assim também da personalidade da criança em si.

Em minha visão, isto somente é possível se as memórias em questão sobreviveram à morte como parte de uma mente ou personalidade não física.

Eles não podem ser externas já que isso não explicaria a motivação da criança para se identificar com elas, mas têm que ser internas à mente da criança.

Em geral, isto significa que casos paranormais do tipo reencarnação devem ser explicados por uma hipótese de sobrevivência.

Possessão contra reencarnação

Agora, alguns casos podem ser melhor explicados por possessão ou obscurecimento, como discutido hoje por Guy Lyon Playfair e Archie Roy, ao invés de reencarnação, a saber casos em que há duas personalidades distintas envolvidas e nenhuma delas alega ser tanto a criança quanto a personalidade prévia.

No entanto, a maioria dos casos não são assim, de modo que a reencarnação realmente parece ser uma explicação melhor para eles.

Os casos apresentados por Guy Lyon Playfair e Archie Roy são relevantes, mas não representativos.
A possessão é uma interpretação para alguns casos, mas não para a maioria deles.

Achei um caso de possessão na Holanda de uma jovem menina Hindustani - Maya P. - que alegou que ela foi possuída pelo fantasma de uma menina jovem ela pode conheceu de uma vida prévia.

O fantasma alegou que ela poderia fornecer informação sobre sua vida prévia, mas descobriu-se que a própria Maya provavelmente tinha conseguido esta informação.

Concluí que o caso provavelmente estava baseado em múltipla personalidade.
Algo bem interessante de se dizer, ela foi libertada do espírito por uma pândita (sacerdote Hindu), que agiu como um exorcista.

Concernente a alguns casos mencionados por Roy Stemman em que a criança aparentemente nasceu antes de sua vida prévia ter acabado, gostaria de comentar antes de tudo que necessitamos ser muito cautelosos sobre a exactidão das datas.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Set 12, 2012 8:39 am

Continua...

Nós também temos que determinar se estes casos são de confiança ou não.

Agora, se eles realmente são de confiança, estes casos podem encerram algum tipo de possessão (comparável ao fenómeno visto no caso de Jasbir/Sobha Ram), mas de um tipo que dificilmente pode-se distinguir da reencarnação normal.

A hipótese de reencarnação parece ser ainda corroborada por casos Ocidentais colecionados por pesquisadores independentes tais como eu.
Em um de meus casos, de uma menina chamada Cerunne, o indivíduo lembrou a vida de um marinheiro e embora o caso permaneça não resolvido, forneceu alguns dados que sugerem conhecimento paranormal de um período específico na história migratória da Espanha e de suas colónias.

Identidade pessoal

Outra pergunta é se nossa hipótese de reencarnação deve ser pessoal ou impessoal.
Em minha visão esta pergunta não é empírica mas ontológica.
Depende de suas ideias de identidade pessoal, se adopta hipótese de reencarnação pessoal ou impessoal.

De minha parte, acredito que seja óbvio que a mente é sempre pessoal já que não pode haver nenhuma consciência sem indivíduo consciente.

Em outras palavras, dentro de minha perspectiva pessoal é simplesmente inconcebível que haja uma mente ciente, que não seria uma mente ciente do indivíduo.

Isto implica que em minha estrutura filosófica o impersonalismo não faz sentido e portanto não existe nenhuma hipótese de reencarnação ou de sobrevivência impessoal.

Então em meu caso eu endosso uma hipótese de reencarnação personalista porque a alternativa realmente parece incoerente para mim.

Ainda, há alguns críticos que alegam que os dados neurológicos indicariam que a sobrevivência pessoal é inconcebível.

No entanto, todos os dados que eu conheço só sugerem que a mente pode em grande parte ser influenciado por processos neurológicos.

Agora, o cérebro necessariamente também deve ser influenciado pela consciência e se ser influenciado realmente significasse ser dependente, o cérebro teria que ser igualmente dependente da mente como vice versa.

Portanto, eu não vejo nenhum razão para acreditar que a mente tem uma dependência final suposta no cérebro.

Nem mesmo dados concernentes a experiências de cérebro partido ameaçam o personalismo substancialista, porque esta posição é compatível com uma dissociação funcional enquanto for assumido que o processamento ligado para um hemisfério permanece temporariamente inacessível à consciência.

Devido a seu carácter privado inerente, uma co-consciência real é impossível de provar conclusivamente, e um eu com somente uma dissociação funcional temporária é mesmo a melhor explicação quanto a pacientes de cérebro partidos que normalmente mostram uma unidade psicológica notável motora que apenas pode ser reconciliada com a criação somatogênica de um novo indivíduo não físico por sutura.

Teoria Neocartesiana

Eu geralmente sustento que o dualismo Neocartesiano substantialista é superior ao fisicalismo por razões analíticas, filosóficas, sendo bem compatível com os dados neurológicos e oferecendo uma explicação racional para fenómenos paranormais que o fisicalismo só pode ignorar ou negar.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Set 12, 2012 8:39 am

Continua...

À parte da evidência forte para a reencarnação, resultados notáveis recentemente foram alcançados por Pim van Lommel, Michael B. Sabom e outros, concernente às relações mente-cérebro durante as Experiências de Quase-Morte em pacientes com parada cardíaca e um EEG horizontal, e estes resultados são igualmente incompatíveis com uma doutrina fisicalista.

Então torna-se crescentemente claro qual o lado teórico que ganhará o debate.

Nós devemos fazer com confiança com que nossas teorias dualistas ou espiritualistas sobre sobrevivência, reencarnação ou PSI fiquem mais sofisticadas ao invés de serem oprimidas por alegações infundadas de fisicalistas.

Espero que esta curta discussão tenha-lhes dado uma impressão geral de meus pensamentos nestes assuntos importantes.

Obrigado por sua atenção!
Titus Rivas

titusrivas@hotmail.com

Agradecimentos

Gostaria de agradecer meu irmão o Dr. Esteban Rivas por ler e melhorar o primeiro esboço desta leitura.

Alguns outros artigos por Titus Rivas

- Three Cases of the Reincarnation Type in the Netherlands
- Tre case di reincarnazione EU, tradução italiana
- Três Casos do Tipo Reencarnação na Holanda, tradução portuguesa

- Six Cases of the Reincarnation Type in the Netherlands
- The Survivalist Interpretation of Recent Studies into the Near-Death Experience
- Consciousness during Clinical Death and after Brain Death

- Exit Epiphenomenalism (with Hein van Dongen)
- Neuropsychology and personalist dualismo
- Reincarnation Research

- A Hipótese Mais Parcimoniosa, tradução portuguesa de Reincarnation Research, por Vitor Moura
- Reincarnation fantasies about the Titanic

- The Life Beyond: Through the eyes of Children who Claim to Remember Previous Lives, com Dr. Kirti Swaroop Rawat

Outros links importantes

- Athanasia Foundation
- The Society for Psychical Research
- The International Survivalist Society
- The Society for Scientific Exploration

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Set 13, 2012 9:07 am

Continua...

- Children's Past Lives
- Division of Personality Studies, University of Virginia
- Shanti Devi's Past by Dr. Kirti Swaroop Rawat
- The Case of Swarnlata Mishra

- Dulce Swarnlata(tradução espanhola de artigo sobre Swarnlata Mishra)
- Ian Stevenson's Scientific Search for Reincarnation
- The Indian Case of Titu
- Cases studied by Dr. Kirti Swaroop Rawat

- Lecture by Ian Stevenson
- Birthmarks and Birth Defects Corresponding to Wounds on Deceased Persons
- The Similarity of Reincarnation Type Cases over many years
- The Case of Nazih Al-Danaf

- Near-Death Experiences and the Afterlife
- International Association for Near-Death Studies
- Visions and memories occur while brain death
- NDE evidence for survival

- Pim van Lommel in The Lancet
- Do Any NDEs Provide Evidence for the Survival of Human Personality after Death?
- New Dualismo Archive
- Victor Zammit
- Spiritual Pre-existence

Artigo original disponível em http://members.lycos.nl/Kritisch/SPRtalk.htm

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

A “Navalha de Occam” e a Simplicidade da Teoria da Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Set 13, 2012 9:07 am

André Luís N. Soares

Actualizado em 08 de dezembro de 2006

RESUMO

Este artigo visa corrigir o equívoco interpretativo que se espalhou em dizer que as teorias parapsicológicas atendem mais ao Princípio da Parcimonia de William de Ockham do que a teoria sobrevivencialista.

O Espiritualismo moderno ou Espiritismo ao alegar a sobrevivência da consciência passa a ser teoria mais simples comparativamente a alternativa parapsicológica chamada Super-PSI, quando esta evoca a conjugação de mais de um fenómeno PSI;
ou no máximo, de mesma complexidade, quando apenas um fenómeno Super-PSI for apresentado (ex: telepatia ou retrocognição em potências avultosas), pois, neste caso, a flexibilidade de Super-PSI é ainda mais um argumento para o encaixe teórico.

Não obstante, em qualquer hipótese parapsicológica não compreendida no dualismo-sobrevivencialista, é premente demonstrar que PSI é mero epifenómeno do cérebro, como pretende parte de pesquisadores a exemplo da proposta relação entre uma interpretação fisicalista de PSI com princípios da física quântica.

1. INTRODUÇÃO

a) Conceito


É atribuída ao filósofo e teólogo britânico William of Ockham (1285-1349) a elaboração do "princípio da parcimónia" [Lo Re 3rd e Bellini, 2002], o qual encontra-se firmemente incorporado a todas as áreas do conhecimento científico actual, sendo especialmente empregado na investigação das causas de fenómenos naturais [Novak, 2004].

O princípio da parcimônia traz agregada a visão de que a natureza é por si só económica e que, portanto, a explicação mais simples, capaz de abranger o maior número de observações relacionadas a um fenómeno, deve ser assumida como a prevalente, acautelando-se frente ao acréscimo probabilístico de erros associado às explicações mais complexas [Fastovsky e Weishampel, 1996].

Trata-se deste modo de um roteiro lógico que prima pela simplificação dos elementos causais para a producção de um efeito.

O hábito de exclusão ou eliminação das explicações mais complexas em favor das mais simples durante a investigação científica levou à frequente utilização do termo "navalha de Occam" ("Occam's razor" - contendo a simplificação do nome "Ockham" de forma a contemplar a sua pronúncia medieval) em referência ao princípio da parcimónia.

De acordo com Grünwald [2000], a navalha de Occam é utilizada para remover tudo o que é largamente improvável, e por isso mesmo desnecessário [COIMBRA e JUNQUEIRA, 2005].

b) Limites

Entretanto, é de se inferir que não basta que no conflito de teorias a justificar um fenómeno seja eleita aquela que o explica com um menor número de suposições.

Imprescindível que a teoria tida como paradigma dê conta de todos os resultados obtidos.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Set 13, 2012 9:08 am

Continua...

É neste momento que a filosofia Kuhniana, de certa forma, se aproxima de Ockham. As teorias mais simples que não elucidam toda a conjectura, deixando brechas, ou melhor, anomalias no dizer de Kuhn, devem dar espaço a hipótese que melhor clareia as ocorrências sem deixar lacunas, mesmo que esta carreie um maior número de suposições.

A navalha de Occam é, pois, tentar cortar os excessos de premissas sem prejudicar a consistência teórica em explicar mais eficientemente todos os dados coletados.

WALTER CHATTON, contemporâneo de Ockham, afirmava que "se três entes não forem suficientes para verificar uma afirmação acerca de algo, então uma quarta deve ser acrescentada, e assim por diante".

LEIBNIZ (1646-1716), KANT (1724-1804), KARL MENGER (século XX) também discordaram da navalha de Occam.
LEIBNIZ afirmou que "a variedade de seres não pode ser diminuída".

MENGER formulou a lei contra a avareza, segundo a qual "as entidades não podem ser reduzidas até o ponto da inadequação", e "é inútil fazer com pouco o que requer mais" [WIKIPEDIA].

2. NAVALHA DE OCCAM E O PARANORMAL

Muitos parapsicólogos ao analisarem a fenomenologia paranormal valem-se do “princípio da parcimónia”, de maneira absoluta, para julgar a explicação PSI [*] como mais razoável em relação às justificativas espiritualistas.

Generalizam suas conclusões imprudentemente a toda sorte de ocorrências, quando não argumentam sob camuflagens de uma visão científica a esconder, em verdade, um dogmatismo científico tão pernicioso quanto a prevenção emocional do fideísmo religioso no passado.

[*] Os fenómenos Psi podem ser classificados, quanto à forma de apresentação, em extra-sensoriais e psicocinéticos.

Os extra-sensoriais, identificados pela sigla PES (extrasensory perception) são os fenómenos que envolvem conhecimento.

Podem ser ainda classificados quanto ao tipo, em telepatia, quando fonte e receptor forem seres humanos e em clarividência, quando a fonte é o meio ambiente.

Quanto ao tempo, esses fenómenos podem ser classificados em retrocognição, simulcognição e precognição, quando estiverem relacionados, respectivamente, ao passado, ao presente e ao futuro. Os fenômenos psicocinéticos, identificados por PK (psychokinesis) são caracterizados pela ação sobre o meio ambiente.

Quando esta ação for diretamente observável será dita macro-PK, e quando microscópica, micro-PK.
Actualmente, Pesquisa Psi é o termo que designa a Parapsicologia, todavia, ambas se ocupam da mesma área de estudos.

Apreciando o princípio em epígrafe verifica-se que a explicação mais simples é aquela que possui o menor número de proposições para elucidar um fenómeno.

Vejamos um exemplo em fisiologia [Bradley et al, 2000]:
“o princípio da parcimónia deve ser aplicado ao construir-se a lista de diagnóstico diferencial.
Considere um paciente com uma história de lesão progressiva da medula espinhal que subitamente se torna afásico.

Talvez ele tivesse um tumor comprimindo a medula espinhal (1ª proposição) e tenha incidentalmente apresentado um AVC (2ª proposição), mas a parcimónia sugere uma doença única, provavelmente câncer com múltiplas metástases (uma única proposição)”
[COIMBRA e JUNQUEIRA, 2005].

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 14, 2012 9:18 am

Continua...

A navalha de occam é, pois, justamente conferir a preferência exegética à suposição que carreia um menor número de explanações e que seja coerente em abranger todos os dados observados.

No que tange a observação dos supostos acontecimentos paranormais, alegam alguns parapsicólogos que o elemento espiritual é uma proposição a mais a fim de justificar a causa das ocorrências do género e que, portanto, a hipótese PSI deve prevalecer uma vez que prescinde de um "agente externo" como concausa dos fenómenos.

Desta maneira, sustentam que as alegações dos sobrevivencialistas sobre mediunidade ou casos sugestivos de reencarnação necessitam de uma consciência desencarnada agindo no médium ou, no último caso, de uma consciência que sobrevive ao corpo para explicar retrocognição, telepatia, clarividência, memória extra-cerebral e outros fenómenos atípicos.

Por outro lado, sustentam os adeptos da PES (percepção extra-sensorial) que PSI como epifenómeno do cérebro resolveria melhor os episódios comentados, vez que não necessita de mais uma proposição e que por isso é uma explicação mais simples.

3. FISICALISMO E DUALISMO RADICAL

A rigor, em neurociência, o fisicalismo epifenomenalista é mais simples que o dualismo mente-cérebro, pois despreza a existência da mente, não obstante o materialismo-emergentista já aceitar a consciência, como conjunto de experiência subjectivas, apesar de reduzi-la a um efeito cerebral.

Tudo estaria perfeito ao raciocínio materialista se não fossem os achados em pesquisas psíquicas, a partir do século XIX, onde diversos casos passaram a sugerir que consciências de pessoas falecidas estavam, de alguma forma, comunicando-se com os vivos.

Daí em diante, os dualistas radicais ganharam um reforço aos seus argumentos, tendo os materialista que desenvolver teorias que pudessem explicar o paranormal ou quando não tomar a atitude temerária de negar a sugestão destes novos fatos.

Passado o período metapsiquista e iniciada a era parapsicológica com J. B. RHINE e L. RHINE, a postura preventiva da ciência resistiu fortemente aos dados, agora analisados quantitativamente, que sugeriam paranormalidade e, embora o reconhecimento pela American Association for the Advancement of Science em 1969, a parapsicologia ainda sofre críticas que alegam tanto a inexistência de sugestões de anomalias nos experimentos quanto a falta de um teste eficiente, que exclua outras variáveis [ex: a postura do pesquisador], para correlacionar PSI - se ela existir - com a consciência [BLACKMORE, 1996].

Todavia, se admitida a existência de PSI, não se terá como outra solução viável para o problema da consciência, salvo o dualismo radical, pensamento que sustenta a mente como algo independente do cérebro.

A razão é que todas as tentativas para explicar os fenómenos parapsicológicos como efeitos cerebrais têm sido fadadas ao fracasso.

Não existe, até o presente, nenhuma comprovação ou teste que indique a existência de alguma forma de comunicação proveniente do cérebro capaz de transmitir/captar informações.

Não conhecemos qualquer forma de radiação que poderia agir como portador da informação, e não há modo ainda concebível que demonstre como a mensagem poderia ser codificada na fonte e decodificada no receptor.

A tentativa para superar essa objecção recorrendo-se a ressonância mórfica que une cérebros é inútil ao menos que haja algum princípio que responderia pela selectividade da informações envolvidas.

Recorrer a física quântica [ver: PENROSE-HAMEROFF, 1998] e a teoria observacional também não nos aproximou a uma explicação física [não há um método testável para constatação].

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 14, 2012 9:18 am

Continua...

Christof Koch e Kalus Hepp, em artigo publicado na Nature, defendem que explicar a consciência a partir de processos de computação quântica é desnecessário, pois devido aos processos bioquímicos e neurológicos seria absolutamente impossível manter-se estável um estado de coerência quântica [KOCH e HEPP, 2006].

Deste modo, restou-nos ou invocar a consciência, que de qualquer jeito não é uma variável física, ou atribuirmos capacidade PSI ao cérebro sem qualquer justificativa, simplesmente porque a actividade cerebral deveria ter este efeito [BELOFF, 1990], o que seria um tanto dogmático.

Acrescentando agora mais um argumento e sem perder muito nosso precioso tempo, mas apenas para pinçar um pensamento filosófico, nenhum efeito tem natureza tão distinta da de sua causalidade.

Mesmo se raciocinarmos dentro de uma visão neo-darwinista, parece a Natureza lançar o subsequente com uma composição - não estou dizendo características - não tão diferenciada da do seu antecedente.

PSI como um produto do cérebro não responderia a esse paralelo.

A fenomenologia parapsicológica tem inegavelmente uma sugestão muito mais forte de ser estruturada por uma natureza ainda desconhecida pelo homem do que ser mais um epifenômeno do cérebro.

Como já dito, não há nada em termos científicos que diga que o cérebro tenha essa incrível capacidade.

Posto assim, é mais coerente aos teóricos materialistas alegarem a inexistência de PSI para sustentar o reducionismo ou, quando não tão afoitos, resta a eles articular que os dados são ainda inconclusivos.

A parapsicologia, ao se preocupar exclusivamente em uma análise quantitativa, assume o risco de diluir a constactação de PSI, bem como torna-se vulnerável a críticas, que desconfiam desde a credibilidade do pesquisador e erros estatísticos até questionamentos frente a validez dos procedimentos, presença de pistas fornecidas inconscientemente pelos experimentadores e relatórios mal elaborados que resgistam apenas os pontos positivos.

Por outro lado, apesar da abordagem qualitativa - tida pelos sobrevivencialistas como principal método para separar eventos mediúnicos de PSI - também ter seus problemas, como a repetibilidade, o facto é que quanto maior a potência de um evento paranormal, mais difícil fica de associá-lo a PSI como um produto do cérebro.

Situações como as 17 sessões celebradas em Milão, em 1892, por Cesare Lombroso, Aksakof, Richet, Giorgio Finzi, Ermacora, Brofferio, Gerosa, Schiaparelli e Du Prel com a médium PALADINO, produzindo 44 espécies de fenómenos inexplicados por qualquer teoria física até o presente, abre uma brecha enorme para a existência de alguma faculdade consciencial que parece não depender direta ou indirectamente do cérebro para se expressar [LOMBROSO, 1892].

Tudo fica ainda mais sugestivo à sobrevivência da consciência quando uma pessoa adquire informações de um morto não conhecidas por ninguém e as exteoriza linguística e corporalmente com os mesmo jeitos da pessoa falecida, bem como a descrição dos sentimentos desta experimentados quando em vida e com toda a carga de dramatização sentida, tudo confirmado, durante a sessão, por parentes ou pessoas próximas.

Em 1918, uma das maiores sensitivas na história do espiritualismo, Gladys OSBORNE Leonard foi exclusivamente submetida a 73 Sessões pela Society Psychical Research, num período de três meses, produzindo os mais prodigiosos fenómenos de PES com a entidade controle chamada Feda.

O relatório de W. H. Salter [SMITH, 1964] confirmou como sendo uma notável evidência de sobrevivência da personalidade.

Osborne foi testada por muitos outros pesquisadores, que compartilharam a mesma opinião, como Hewat Mckenzie, Oliver Lodge, Drayton Thomas, Whately Carington, William Brown, são apenas alguns [ver também: GAULD, ALAN. Mediunidade e Sobrevivência, um século de investigações].

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Set 14, 2012 9:19 am

Continua...

Tais grandiosos fenómenos paranormais altamente sugestivos da comunicabilidade de consciências de pessoas já falecidas foram, em potência, igualmente observados nos testes aplicados por Oliver Lodge, Richard Hodgson, James Hyslop, Edmund Gurney, Verral, Holland, e tantos outros intelectuais, à Sra. Leonora PIPER, uma médium analisada por décadas.

Para se ter uma ideia, só em 1906, quando ela visitou pela segunda vez Londres, foi submetida a 74 sessões.

Mr. Piddington declarou em suas conclusões que as coincidências de pensamento e expressões em várias mensagens supostamente transmitidas por personalidades falecidas são tão numerosas e detalhadas que o acaso é incapaz de explicar [ver: CARVALHO, 1986].

Invocar Super-PES para casos desta categoria é, no máximo, disfarçar ou adiar o esforço que se terá de realizar para explicá-los.

Para fenómenos desta monta bastaria aos dualistas radicais, que sustentam que a mente independe do cérebro, alegar unicamente a manifestação da consciência de pessoa falecida, enquanto para o monismo-fisicalista - que admite a existência de PSI - premente seria a evocação do que chamam Super-PSI, com sua potência retrocognitiva, telepática, clarividência e agora com transmissão de experiência subjectiva e, por último, ainda demonstrar que essa alegada "grande capacidade mental" é mero epifenómeno do cérebro, com todas as assunções de um inconsciente maravilha.

Se OCKHAM estivesse vivo, convenhamos logo que dificilmente ele acharia isso parcimonioso.

4. A CLÁUSULA GERAL DE JUSTIFICAÇÃO NA PARAPSICOLOGIA

É conveniente ressaltar que da forma como a telepatia e demais espécies de PES são conceituadas pela parapsicologia elas possuem tantas proposições quanto à hipótese espíritos, ocorre que até o presente não houve correlação entre este fato e o pensamento académico.

Senão vejamos.

Os partidários PSI usam de uma “cláusula geral de justificação” para fazer o vínculo de determinadas ocorrências com a PES.

Esta cláusula reside na questão de dizer que os limites da PSI são desconhecidos e que, portanto, ela poderia muito bem abarcar todos os acontecimentos supranormais.

É certo que admitem que a ignorância das fronteiras não se confunde com ilimitação do alcance fenomenológico, no entanto, absurdo é articular este desconhecimento a fim de explicar fenômenos que pela lógica e dados coletados podem se relacionar eficazmente com outras teorias.

A ausência de conhecimento do alcance da percepção extra-sensorial mais se parece uma carta na manga para determinados parapsicólogos, dotada de eficácia suspensiva que lhe concedem tempo para que suas teorias continuem - pelo menos para eles - a explicar toda espécie de eventos paranormais.

Em poucas palavras:
toda vez que se alegar à insipiência dos limites da PES para clarear uma situação deve-se, na realidade, considerar então o fenómeno como uma anomalia, tal como sintetizada por Thomas Kuhn, dentro do corpo teórico da parapsicologia.

Ou sob o prisma da parcimônia de Ockham, deve-se fazer a predilecção por outra teoria, ainda que seja mais complexa.

Posto assim, aí reside todo o perigo para os sectários reducionistas em PSI, eis que, por razão desta insistência em querer ser a causa geral de todos os prodígios, dificultam sobremaneira o reconhecimento científico de seus estudos justamente por não conseguirem concatenar a lógica de suas teorias aos diversos factos e que, por assim, dão ensejo à emersão de inúmeras anomalias e divergências internas.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 15, 2012 8:43 am

Continua...

Mas então qual deveria ser o limite da PSI?

OCKHAM ao sintetizar o princípio da parcimónia almejou a estabelecer um juízo objectivo para a prevalência de uma teoria sobre outra, então, estampou seu raciocínio num critério mais ou menos quantitativo.

Se uma teoria é suficiente a explicar determinado facto com certo número de premissas, seria supérfluo e incoerente dar azo a uma nova que traga um maior número delas e que seja, portanto, mais complexa.

Se o simples é bastante, porque complicar?

Era do seu conhecimento que os homens não estão inclinados a mecanismos de avaliação subjectivos, uma vez que necessitam de uma certa base segura para começarem a desenvolver suas ideias.

Deste modo, o pesquisador precisa de uma estrutura razoavelmente sólida de raciocínios e que estes estejam consideravelmente estáveis através de critérios objectivos aceitos por seus Pares.

A fim de ser mais enfático:
foi preciso normatizar, criar regras que irão compor um verdadeiro “Código Científico” onde a Navalha de Occam é apenas mais uma delas.

A discricionariedade é vista como um real incómodo na comunidade científica que tenta, ao menos em tese, extirpar todo o subjectivismo e conveniência dos meios de validação de pesquisas.

É, pois, no âmago do princípio da parcimônia que provavelmente a PSI encontrará seus limites.

Toda vez que se deparar o indivíduo invocando aquela “cláusula geral de justificativa” em cima de determinado episódio, argumentando sobre uma possível chance de PSI ser causa, todavia, sem articular qualquer testabilidade, mas tão somente a alegação de que “por serem ignorados os limites PSI, ela poderia explicar o facto”, neste momento ter-se-iam ultrapassadas as barreiras de sua aplicação.

É de conhecimento que diversos casos podem ser clareados apenas por PSI, notadamente os concernentes à telepatia, uma vez que pelo conjunto de evidências, como as informações prestadas pelos sensitivos, não exigir à elucidação o concurso de uma concausa: a consciência de um falecido.

Para todas estas situações a PSI é satisfatória.
Aí está a sua divisa.

Para além dela, ao sabor do chamam Super-PSI, ela é mais que imponderável, tendenciosa, ou quase dogmática, características que se acentuam ainda mais quando existe outra teoria capaz de explicar os fenómenos com o mesmo número de suposições ou menos, se considerarmos cada fenômeno PSI conjugado para explicar o fenómeno de maneira isolada
(ex: a. retrocognição; b. telepatia, c. clarividência, direccionadas a um alvo e como efeitos de uma acção cerebral Vs. a. consciência do médium e b. consciência desencarnada).

5. A RELAÇÃO PSÍQUICA

No embrião da parapsicologia que foi a metapsíquica pesquisadores articulavam, por exemplo, a premência de liame psíquico na telepatia, ou seja, acreditavam que para aceitar a potência telepática como razoável elucidação deveria haver, ao menos, alguma identidade entre sensitivo e paciente, como se conhecerem directa ou indirectamente ou proximidade física ou ainda auxílio dos sentidos normais e mesmo assim através de uma interpretação integral com todas as informações obtidas.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 15, 2012 8:44 am

Continua...

Observem ainda que a metapsíquica fazia análise qualitativa, pois pesquisava em cima de sensitivos possantes enquanto agora a parapsicologia se debruça mais em exames quantitativos independente de existência visível de PSI em seus pacientes.

Ora, se a razão já orientava que em estudos sobre sensitivos ostensivos fosse plausível exigir nexo psíquico, quanto mais será então a cobrança quando a investigação recaia em cima de indivíduos que não tenham potências PSI em alto grau?

Assim dizer, argumentar a ignorância de limites para sustentar a aplicabilidade da teoria PSI, mesmo que não haja conjugação de fenómenos PSI, em determinados casos é ainda acrescentar mais uma proposição, além da PES específica do caso concreto sub examem, pois, exemplificando, em determinadas situações argumentariam alguns parapsicólogos duas assertivas:

a) telepatia e;
b) desconhecimento do alcance telepático, enquanto a hipótese espíritos também duas:
a) psiquismo do médium e;
b) uma consciência desencarnada.

Afirmar que não se sabe o limite da percepção extra-sensorial é mais uma proposição, pois a tirando do contexto, a explicação unicamente parapsicológica não se subsiste.

Ela decai.
Em resumo, embora para a hipótese PSI possa haver um único fenómeno, sua aplicabilidade para todos os casos é carente de mais uma proposição, só que intrínseca a ela mesma, ou seja, necessita daquela “cláusula geral de justificação” que diga que os limites da telepatia do exemplo são ainda ignorados, sob pena de sucumbir frente ao paranormal que está além das fronteiras.

De outro prisma, observe que, em termos argumentativos, que a dita ignorância dos alcances de PSI veio substituir a proposição fixa da necessidade de conexão psíquica entre sensitivo e paciente, só que de uma forma tão geral que não se tem como refutá-la.

Este “desconhecimento” poderia ser invocado em tese para tudo, pois, se não se sabem os seus perímetros, nada impede que eles não existam.

É um verdadeiro cheque em branco a ser preenchido como argumento na ocasião de cada manifestação paranormal.

Isto é parcimonioso?

Todavia, para todos os casos em que não haja necessidade de invocar Super-PES e nem haja a concorrência de mais de um fenómeno PSI, as teorias parapsicológicas devem prevalecer por, justamente, usar uma proposição a menos, enquadrando-se melhor no princípio da parcimónia de OCKHAM, mas sempre com a ressalvar de que a causa de PSI pode ser uma mente independente do cérebro e não mero epifenómeno.

Não é porque no evento observado, mesmo PES ou micro-PK, não se constata mediunidade que ele exclui a teoria sobrevivencialista.

6. A NECESSIDADE DE CONJUGAR FENÓMENOS PSI AUMENTA A COMPLEXIDADE DA TEORIA PARAPSICOLÓGICA

A necessidade da interpretação sistemática dos factos, autolimitadora do próprio princípio da parcimónia, eis que, qualitativamente, exige que para uma solução seja concludente mister que suas premissas sejam razoavelmente satisfatórias.

Premissas científicas são satisfatórias, no mínimo, quando depois de observadas em confrontação a todos os dados colectados permanecem coerentes.

As que não forem devem ser excluídas, sob pena de retirar a consistência da teoria como causa do facto em análise o que dará ensejo a uma anomalia caso o teórico não faça concessão frente a fenómenos daquela natureza.

Continua...


Última edição por O_Canto_da_Ave em Sab Set 15, 2012 8:45 am, editado 1 vez(es)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 15, 2012 8:44 am

Continua...

Vejamos o caso relatado pelo prof. Oliver LODGE no Journal of the S.P.R concernente a correspondências cruzadas:
Como explicar tais formas de transmissão mental de uma pessoa a outra?

Tomemos o episódio da palavra “Honululu” por mim citado no livro “Raymound”.

O grupo familiar de experimentadores de Birmingham pediu à personalidade mediúnica “Raymound” para transmitir a palavra “Honululu” a outro grupo de experimentadores em Londres, e a palavra foi transmitida.

Ora, o caso pode explicar-se considerando-o uma experiência telepática, mas a [sic] circunstância que não se deve esquecer, pois que constitui o lado dramático da interpretação é esta:
o encargo de transmitir a mensagem foi dado a “Raymound”, que se achava em relações com os dois grupos de experimentadores.

E, assim sendo, não se pode deixar de reconhecer que se o episódio se pode explicar telepaticamente, pode-se interpretar ainda melhor, pressupondo que o espírito “Raymound” tenha efectivamente transmitido como intermediário a mensagem que lhe foi confiada.

Ernesto BOZZANO corrobora o entendimento em sua obra “Comunicações mediúnicas entre vivos”, p. 118:

A última interpretação dos factos parece mais legítima do que a outra porque nesta se leva em devida conta a circunstância fundamental que confere valor ciclo inteiro das experiências em apreço, isto é, que as manifestações da entidade espiritual “Raymound”, constituem o fim e a razão de ser das próprias experiências e, como a mesma entidade já havia fornecido provas bem notáveis em favor da sua identificação pessoal, segue-se que, querer separar o episódio exposto do complexo orgânico dos outros episódios, explicando-o de forma diversa, seria um procedimento arbitrário e anti-científico.

Como se pode depreender pelas transcrições acima, o princípio da parcimónia também não deve ser apreciado como absoluto em virtude da importância em se analisar um fenómeno em correlação com todos os outros produzidos.

A interpretação cingida dos factos, como bem lembrado por Bozzano, é anticientífica.

Mister, por conseguinte, que a análise acurada leve em conta todas as ocorrências sob os auspícios de uma exegese integrativa e que evite assim a divisão de pontos tão perniciosa ao desenvolvimento do conhecimento, pois que, por vezes, maliciosamente articulada para agradar as mentes de raciocínios sectaristas do pseudo-cientificismo.

Posto assim, premente é a glosa sistemática, de carácter principiológico, eis que se estende a qualquer ramo das pesquisas científicas.

7. CONCLUSÃO

Enfim, diante de todo o exposto, é de se concluir que o Espiritualismo moderno ou Espiritismo ao alegar a sobrevivência da consciência passa a ser teoria mais simples comparativamente a alternativa parapsicológica chamada Super-PSI, quando esta evoca a conjugação de mais de um fenómeno PSI;
ou no máximo, de mesma complexidade, quando apenas um fenómeno Super-PSI for apresentado (ex: telepatia ou retrocognição em potências avultosas), pois, neste caso, a flexibilidade de Super-PSI é ainda mais um argumento para o encaixe teórico.

Não obstante, em qualquer hipótese parapsicológica não compreendida no dualismo-sobrevivencialista, é premente demonstrar que PSI é mero epifenómeno do cérebro, como pretende parte de pesquisadores a exemplo da proposta relação entre uma interpretação fisicalista de PSI com princípios da física quântica.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Entrevista Exclusiva com o Dr. Carlos S. Alvarado

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 16, 2012 9:59 am

Entrevista Exclusiva com o Dr. Carlos S. Alvarado

O Dr. Carlos S. Alvarado é uma das mais importantes personalidades da Pesquisa Psi actual.

Foi Presidente (1995) e Presidente Eleito (2002-2003) da Associação Parapsicológica (Parapsychological Association).

Trabalha como Director de Programas Internacionais e Locais da Fundação Parapsicológica (Parapsychology Foundation), de Nova Iorque, onde ainda ocupa as funções de Editor da série de Monografias Parapsicológicas (Parapsychological Monographs) e de Editor-Associado da Revista Internacional de Parapsicologia (International Journal of Parapsychology).

Sua formação inclui a graduação em Psicologia, um Mestrado em História (Duke University) e um Doutorado em Psicologia (Universidade de Edimburgo).

Juntamente com a pesquisadora e esposa Nancy L. Zingrone, Alvarado tem lutado para o progresso da Pesquisa Psi na América Latina, tendo participado de eventos psi no Brasil em mais de uma ocasião.

O trabalho de ambos tem inspirado dezenas de novos pesquisadores no Brasil e em vários países latino-americanos.

BVPP: Como se deu seu interesse por Pesquisa Psi?

Começou por volta de 1972 com uma inquietação geral que me levou a explorar o ocultismo, o espiritismo e outros temas relacionados.

Acabei por encontrar a tradição parapsicológica em minhas leituras.
De imediato senti grande atracção pela abordagem crítica, sistemática e científica.

Daí em diante decidi conhecer mais desta literatura e, posteriormente, decidi me dedicar a este campo de maneira profissional.

BVPP: Quais são seus temas de interessa actualmente que estudos tem realizado?

Meus interesses principais são o estudo da história da Parapsicologia e das experiências fora-do-corpo.

Publiquei artigos históricos em revistas especializadas.

Alguns temas tratados foram a terminologia parapsicológica, o papel da médium Eusápia Pallladino no desenvolvimento de aspectos da Pesquisa Psíquica, a importância e o papel do conceito da sobrevivência após a morte em Parapsicologia e os estudos de dissociação da Sociedade de Pesquisas Psíquicas no século XIX.

Em relação à experiência fora-do-corpo, realizei vários estudos com questionários sobre o fenómeno quando este acontece de maneira espontânea.

Estes incluem estudos descritivos da fenomenologia da experiência fora-do-corpo e de factores relacionados a esta e à relação da experiência fora-do-corpo com experiências parapsicológicas, o sonho lúcido, as variáveis de personalidade, as variáveis demográficas, a dissociação e a absorção.

Além desses temas, também me interessa muito o estudo de casos espontâneos em geral, a educação em Parapsicologia e a relação entre a Psicologia e a Parapsicologia.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 16, 2012 9:59 am

Continua...

BVPP: Como vê a Pesquisa Psi no mundo actualmente?
É verdade que houve uma alteração do centro de interesse dos Estados Unidos para a Europa?


Actualmente a Parapsicologia não está bem como disciplina científica nos Estados Unidos.
Há muito pouca pesquisa sendo realizada full time, algo que não era assim há uns 10 anos.

Várias organizações fecharam ou estão em um período de pouca actividade.
Na Europa, especialmente no Reino Unido, há mais pessoas e pesquisas.

Mas essas são tendências que mudam com o tempo e de acordo com a disponibilidade de fundos e outros factores sociais.

BVPP: De que forma a existência ou não de recursos tem afectado a Parapsicologia durante sua história?

A falta de recursos em Parapsicologia tem sido um dos problemas principais ao longo da história.

Poucos recursos produzem poucos pesquisadores e, por extensão, poucas pesquisas, poucas publicações, poucos empregos profissionais e, o que é pior, pouco progresso na área.

Se não há recursos económicos ou de outra natureza, aprendemos muito pouco sobre os fenómenos que estamos estudando.

BVPP: Como vê a Pesquisa Psi na América Latina?

Como escrevi anteriormente, considero que a Parapsicologia na América Latina não se desenvolveu muito como uma disciplina profissional e científica.

Muitas pessoas não têm o treinamento nem o conhecimento da literatura contemporânea necessários para fazer Parapsicologia no mundo moderno.

Há demasiada teoria sem base empírica em alguns sectores.

Mas é importante notar que em tempos recentes tem havido progresso.

Refiro-me às pesquisas experimentais de Fábio Eduardo da Silva, Sibele Pilato e Reginaldo Hiraoka (Brasil) e de Alejandro Parra (Argentina) e seus associados.

No Brasil, os doutorados obtidos por Fátima Regina Machado e Wellington Zangari com teses com relação com a Parapsicologia som importantes.

Machado e Zangari têm feito conquistas importantes no sentido de colocar a Parapsicologia no âmbito universitário.

BVPP: Quais são os mais importantes desafios da Pesquisa Psi actualmente?

O principal é poder continuar com as pesquisas entre tanta resistência da ciência oficial.

Também me parece importante continuar as tentativas de correlacionar os fenómenos com variáveis psicológicas, médicas, físicas, antropológicas, etc.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70079
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Psi x Sobrevivência

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 3 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum