Casos de Mediunidade

Página 1 de 16 1, 2, 3 ... 8 ... 16  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2012 10:00 am

Mediunidade

Esta página se destina a mostrar as evidências mais fortes já registadas sobre a fenomenologia mediúnica.

Os casos mais fortes são os de Leonora Piper e o da Sra. Gladys Osborne Leonard.

O caso de Piper é tão forte que a médium foi citada pelo maior psicólogo de todos os tempos, William James, em seu discurso na famosíssima revista Science (em inglês), como sendo uma médium autêntica.

Tanto Piper quanto Osborne tiveram altíssima replicação independente, por cientistas e mágicos, o que é essencial para algo ser aceito cientificamente como provado, e jamais, em mais de 40 anos de pesquisa, foram acusadas de fraude.

Assim, é perfeitamente possível para uma pessoa hoje dizer, baseada nestes casos, e em pesquisas recentes com médiuns que obtiveram resultados positivos, inclusive elogiadas por cépticos, que o espírito – ou no mínimo, que o paranormal – está cientificamente provado.

Há mesmo pesquisas que seguiram as recomendações metodológicas do Dicionário Céptico, e obtiveram resultados positivos.

A título de curiosidade, mesmo ganhadores do Prémio Nobel autenticaram os fenómenos mediúnicos, valendo-se para isso de seus próprios experimentos, como Charles Richet, John Strutt e o casal Pierre e Marie Curie.

Actualmente, o Nobel Brian Josephson também considera que o paranormal está cientificamente provado, e o neurocientista Nobel John Carew Eccles (falecido em 1997) concluiu que a mente é uma entidade separada do cérebro, podendo existir independente dele.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2012 10:00 am

A Médium do Sr. Barkas

Para o Editor do JOURNAL OF THE SOCIETY FOR PSYCHICAL RESEARCH

SENHOR,
— em seu jornal de agosto, 1885, observo duas comunicações, uma do Sr. G. D. Haughton, para a qual há uma resposta pelo Sr. Myers;
a primeira é um parágrafo referindo a experimentos conduzidos por mim mesmo, e a última são observações às sugestões do Sr. Haughton.

Como as observações em cada caso são breves, cito-as, e peço sua permissão para responder às observações do Sr. Myers.

O Sr. G. D. Haughton diz (p. 28):
“Há, no entanto, mais do que o suficiente para interessá-los e empenhá-los à vontade, se os seus corações estiverem na causa.

Por que eles não investigam o caso de Sr. Barkas, de Newcastle?
É uma testemunha crível — as pessoas de Newcastle sabem-no bem, seus antecedentes satisfariam mesmo o Sr. Davies.

Agora quero saber por que o caso de Barkas, e a fonte das respostas feitas por uma pessoa de pouca educação às confusas perguntas propostas, como registado nas colunas de Light [Luz], não é completa e exaustivamente examinado?

Suspeito que um motivo similar manda aqui como no caso de Eglinton.
Não é por todos os meios aparentes que a Sociedade está fugindo de suas obrigações, não os contactando?

Ao que Sr. Myers respondeu (p. 31) :—
“A escrita automática de uma pessoa de pouca educação (por outro lado conhecida como Sra. Esperance), dita ser inspirada por Humnur Stafford, e registada pelo Sr. Barkas.

Tenho sabido do Sr. Barkas desde janeiro de 1875, e, pela sua apresentação, fez sessões com esta médium em 16, 17, e 18 de outubro de 1875.
Eu também estudei todas suas respostas impressas.

Considero o caso curioso e interessante, e eu não estou surpreso pela visão do Sr. Barkas, mas infelizmente o volume de compreensão requerido dos assuntos indagados, e os disparate palpáveis que as respostas contêm, parecem a mim impedir-nos de olhá-las como tendo recursos para a evidência na direcção de um espírito científico.

“O facto, além do mais, que a mesma médium, sob o nome de Sra. Esperance, depois foi detectada em personificar um espírito materializado, tendeu a dissuadir-me de procurar mais evidência por esse canal”.

Desejo muito em resumo responder às involuntariamente injustas e ilógicas críticas do Sr. Myers.

A primeira tem referência aos supostos “disparates palpáveis” nas comunicações escritas, e a segunda à suposta descoberta do médium “em personificar um espírito materializado”.

Eu simplesmente desejo dizer relativamente à última acusação que inteligentes investigadores experientes, que estavam na sessão quando a suposta detecção aconteceu, negam a afirmação totalmente, e eu pessoalmente afirmo que se a suposta personificação realmente ocorreu não é além da experiência que aconteceu automática e inconscientemente até agora no tocante à médium.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2012 10:00 am

Continua...

Eu não estava presente na sessão, e não posso falar de observação pessoal, mas se forasteiros forem colocar a pior construção sobre todas as ocorrências informadas neste mundo, poucas passarão incólume.

Passando desta suposta exposição muito duvidosa, eu agora prossigo a considerar as críticas do Sr. Myers das sessões em que eu estava presente, e registos textuais de que eu conservei.

Sr. Myers diz:
“Infelizmente o volume de compreensão requerido dos assuntos indagados, e os disparate palpáveis que as respostas contêm, parecem a mim impedir-nos de olhá-las como tendo recursos para a evidência na direção de um espírito científico”.

Há dois métodos de testar a exactidão das inferências deduzidas pelo Sr. Myers do seu conhecimento até agora, limitado dos factos.

Afirma que as respostas indicam uma necessidade de compreensão dos assuntos, e que o erro de algumas respostas impede-nos de referirmo-nos a elas como sendo ditas por um espírito científico.

Toda compreensão é relativa.
Nenhum ser humano encarnado ou desencarnado, compreende plenamente qualquer assunto, e a imperfeição portanto pode ser procurada nas opiniões de tudo.

O Sr. Myers descobrirá, consultando ao Light de 21 de fevereiro de 1885, que seu reconhecimento de respostas erróneas não é original;
eu aí saliento o facto da ocorrência de erros, e tivesse o Sr. Myers estado mais familiar com a investigação, ele poderia ter sabido que dediquei uma noite à correção dos supostos erros, com e pelo próprio Humnur Stafford.

Eu lembraria o Sr. Myers que livros cuidadosamente escritos, revisados e impressos por eminentes homens científicos, nas próprias especialidades, não são livres de erros.

Se duvida terei este prazer, quando logo visitar Newcastle, em mostrar um livro escrito por um dos homens científicos mais eminentes agora no mundo, em que há registos de muitas supostas descobertas originais, e muitos supostos novo gêneros nomeou e figurou, nenhum deles sendo novo, e nenhum deles é correcto.

Este cientista experiente não escreveu o livro?
Sr. Myers, para aplicar sua teoria como aplicada às respostas não premeditadas de Humnur Stafford, deve responder, “Não,” e ela teria que estar correcta tanto em um caso quanto no outro.

Ficarei alegre em submeter as perguntas que eu fiz à médium inculta a qualquer membro experiente da Sociedade para Pesquisa Psíquica, ou a qualquer homem ou mulher que eles possam chamar, e arrisco afirmar que ele ou ela não será capaz de respondê-las tão rápida e correctamente como foram respondidas pela mão de uma mulher muito parcialmente educada.

Naturalmente espero o respondente cobrir o campo inteiro, e não confinar-se a uma porção das perguntas apenas.

Sinceramente,
T. P. BARKAS.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 17, 2012 10:00 am

Continua...

Newcastle-on-Tyne, 3 de Outubro, 1885.

SENHOR, — como o relatório que segue esta carta pode parecer liquidar a “pouco educada” senhora e o Sr. “Humnur Stafford“ de forma um tanto mordaz, eu gostaria apenas de dizer que eu não penso que haja qualquer razão para se espantar no facto que algumas pessoas inteligentes foram dispostas a unir valor a estas respostas tristemente errôneas.

Os fenómenos de escrita automática são tão multiformes e perplexantes que dificilmente precisamos chamar a visão do Sr. Barkas de totalmente injustificável.

É, naturalmente, possível que um Humnur Stafford verdadeiro possa ter até agora abusado da educação imperfeita da médium quanto a aspirá-la com respostas apoiando esta perigosa semelhança a erros de um livro-texto.

E é possível, também, que quando a mesma médium foi pega (como ao menos alguns dos Espiritualistas presentes admitiram) no acto de personificar um espírito materializado, ainda pode ter sido Humnur Stafford, ou algum semelhantemente imprudente “controle,” que colocou-a, sem seu conhecimento, nesta equívoca posição.

Mas temo que nenhum destas hipóteses seja suficientemente forte por si para ser usada para apoiar a outra.

Seria difícil de descobrir (como o Sr. Barkas sugere) até que ponto uma costumeira pessoa bem-educada pode responder as perguntas aqui propostas.

Uma característica de uma pessoa educada é declinar a conversar sobre o que ela não entende, e tenho medo que onde “Humnur” se apressou a maioria de meus conhecimentos não científicos temeria pisar.

Quanto a mim, eu não reivindico ser um “oráculo musical”; mas meu amigo Sr. Mathews, um Veterano Argumentador e Professor de Matemática, bondosamente forneceu algumas críticas a “Humnur”, que podem, penso, formar uma conclusão apropriada à controvérsia. —

Sinceramente,
FREDERIC W. H. MYERS.

RELATÓRIO SOBRE “RESPOSTAS IMPROVISADAS POR UMA SENHORA PSÍQUICA DE EDUCAÇÃO MUITO LIMITADA”.


Fui pedido a expressar minha opinião das respostas dadas pela médium do Sr. Barkas a uma série de perguntas sobre assuntos científicos, principalmente acústica e a teoria de música.

Minha opinião é que elas exibem apenas aquela quantia de conhecimento, ou antes de complicada ignorância, que provavelmente seria adquirida por uma pessoa de educação limitada, mas memória verbal claramente boa, depois de ler um tratado fora de moda sobre acústica, e que suplementa a leitura por uma ou duas olhadas apressadas em alguns textos populares mais modernos.

Umas muitas sentenças boas nas respostas parecem ser mais ou menos tentativas mal sucedidas para reproduzir as passagens dos livros textos lidos, a citação, em cada caso, é geralmente irrelevante à pergunta, e provavelmente sugerida por alguma deixa ocorrida na última.

Possuindo a não ser poucos livros na teoria de som, e esses não são de uma espécie popular, eu não fui capaz de referir estas passagens a qualquer um em particular;
mas a evidência interna é bastante convincente, como penso que os seguintes exemplos mostrarão:

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 18, 2012 10:02 am

Continua...

Na sessão Nº 5 (Light, 14 de março de 1885), um pergunta foi feita sobre o pequeno buraco feito na “bota” de certa palheta do órgão tocado para trazê-las em tom.

A explicação é:
“Porque ao tocar o órgão é feito o som, quero dizer o ar é feito vibrar por sair de um fenda pequena e bater numa borda de corte afiado”.

O “buraco pequeno” referido na pergunta é confundido com a abertura pela qual o ar é forçado na tubulação pelo fole, e temos uma citação, quase um equívoco ridículo, de uma descrição da ação do bocal de um tubo de órgão.

Isto é bastante irrelevante à pergunta, e é seguido pelo comentário imbecil da própria inteligência científica:
“Isto deveria ser feito todas as vezes:
eu não sei por que apenas em palhetas de órgãos, já que seria uma vantagem todas as vezes”.

Outra vez, na mesma sessão, a pergunta, “o que, em sua opinião, é a origem de harmonia?” é declarada ser vaga, e “revertida” em “Qual é a diferença entre harmonia e barulho?”

O termo “harmonia” então é tomado como equivalente a “música” ou “som musical,” e somos tratados a uma explicação desta pergunta inteiramente diferente, a passagem que segue é, a meu ver, uma citação óbvia, que é mais exata que o normal.

Seria tedioso, assim como supérfluo, examinar todas as respostas em detalhe;
abundam em ideias erradas, declarações erróneas, e o bruto emprego errado de termos científicos;
algum deles são, a mim, de jargão absolutamente ininteligível.

Qualquer um familiarizado com os assuntos discutidos só tem que ler as respostas para si para ser convencido da verdade da afirmação;
mas para leitores não familiarizados com acústica, eu examinarei alguns destas comunicações, e pontuando, tão simplesmente quanto eu posso, algumas de suas inexactidões.

1. Pergunta. O que são harmónicos?
(4ª sessão 4: Light, 21 de fevereiro de 1885.)

Resposta.
Por harmónicos quer-se dizer aqueles sons causados pelos segmentos de nós ou ventres de instrumentos de corda que ocorrem em sucessão.

Comentário.
O termo “harmónicos” não é compreendido, e a resposta é absolutamente imprestável;
mais ainda, desde que um nó de uma corda para qualquer forma de vibração é um ponto da corda que não compartilha daquela vibração, somos em efeito ditos que sons são causados por partes de instrumentos de corda que estão vibrando, ou por aqueles que não estão vibrando.

Finalmente, harmónicos não são confinados a instrumentos de corda.

O que se quer dizer pela relative frase finalizante, e a qual dos substantives precedents se refere, eu sou incapaz de dizer.

Se num tubo parado um furo fosse feito na metade do comprimento, isso iria afectar o [pico, cume, passo] [pitch], e a que extensão?
(Sessão 5).

Resposta.
O [pico, cume, passo] não seria afectado, mas o comprimento de onda seria encurtado pela metade.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 18, 2012 10:03 am

Continua...

Comentário. Isso significa dizer que o [pico, cume, passo] [pitch]não seria alterado, mas a nota soada seria um oitavo mais alta que antes.

Os exemplos restantes serão tomados da sessão de 30 de agosto.
(Light, 18 de abril, 1885.)

3. A primeira questão registrada pede um cálculo do método pelo qual a relação dos calores específicos do ar para volume constante e pressão constante respectivamente possa ser achada da velocidade observada do som, e a velocidade calculada pela fórmula do Newton.

Ambos o Sr. Barkas e o espírito guia confundiram “heats” [calores] por “beats” [batimentos], apesar do contexto, que deveria tê-los colocado na direção certa.

O resultado é a seguinte resposta:
— “Isso só poderá ser calculado da maneira seguinte:
suponhamos que se percutam simultaneamente dois acordes ou dois diapasões;
se a intensidade do som é a mesma, ou quase a mesma, para os dois, os batimentos produzir-se-ão da seguinte maneira:
admitindo-se que o número de vibrações seja de uma parte 228, e de outra 220 por segundo, o número de movimentos que impressionarem o ouvido será de 228-220=8s, isto é, oito movimentos por segundo;
é o número máximo de movimentos que podem impressionar os ouvidos”.

Evidentemente a palavra “batimento,” suposta pertencer à pergunta, foi a única a sugerir qualquer passagem familiar do livro-texto;
então temos uma tentativa de reproduzir uma explicação do batimento de acordes de dissonância, isso é, os intervalos de silêncio comparativo produzidos pela interferência das vibrações de dois corpos quase em uníssono.

Isto, naturalmente, não tem nada a ver com a pergunta; e, tomando a resposta nos próprios méritos, há um disparate em cada sentença.

Por “acordes”, eu suponho que devamos ler “cordas” ou “notas”, e para “percurtir” substituir por “posto em vibração”;
dizer que “uma pulsação bate” em tal e tal índice é mera bobagem;
e o absurdo culminante é alcançado na última sentença, onde “batimentos” foi confundido com “vibrações”, e os oito batimentos por segundo imperfeitamente lembraram o índice mais baixo de vibração necessário para produzir a impressão de um som musical.

4. Pergunta.
Quando uma nota musical vibra em 300 por segundo, e outra em 200 por segundo, elas produzem um quinto.
Se a nota que foi soada em 200 for levantada a 201, em qual número vai o batimento ocorrer pela primeira vez?

Resposta.
Exactamente o mesmo número como no primeiro caso, mas um batimento sobre o número original será soado, mas esse batimento seria um oitavo mais baixo que o primeiro.

Comentário.
Bobagem proferida do começo ao fim.

Na última frase, o [pico, cume, passo][pitch], que depende do tempo ocupado por cada uma das séries de vibrações sincrónicas, é aqui de facto atribuído a um intervalo de silêncio, ou se por “batimento” queira-se dizer “vibração,” a uma única vibração.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 18, 2012 10:03 am

Continua...

Então vem algumas perguntas sobre intervalos musicais, e aqui, como poderia ser esperado, o Sr. Humnur Stafford completamente desaba.
Os únicos fragmentos de informação correcta que eu fui capaz de descobrir são “de C a D é um tom maior,” e “eu não entendo os termos que você usa.”

Para ilustrar a verdade da última declaração, tome a explicação de uma vírgula (a diferença entre um tom maior e um menor):
“Aquela cessação de todo o som causada pela coincidência e interferência de ondas de som.”

O que sugeriu esta resposta extraordinária eu não posso dizer, a menos que o significado costumeiro da palavra, como uma marca de pontuação, sugerido que isso deveria, em música, denotar uma pausa de alguma espécie.

Demais para a quantia de conhecimento de som e música possuída por esta inteligência desencarnada.
É somente justo adicionar que ele está ciente de sua imperfeição, e desejoso de melhorá-la.

Assim lemos:
“Eu não sou tão bem familiarizado com ótica como imagina, e terei que estudar um pouco mais, ou antes procurar cuidadosamente por minha memória, para ser capaz de responder sua pergunta,” e outra vez:

“Eu entendo melhor o órgão, o piano, e o harmónio;
a conversa pode ser sobre estes ou óptica.

Tendo eu alertado sobre isso[I have been getting up that], então se tem quaisquer perguntas, eu serei alegre em respondê-las.”

Sr. Barkas parece ter medo que incrédulos espertos, tais como Srs. Proctor e Lankester, tentarão se sair com “que o médium é esperto, e bem familiarizado com os temas introduzidos.”

Eu não penso que ele precise ter qualquer temor sobre este ponto.
Ele também afirma que pessoas bem educadas miseravelmente fracassariam, em comparação com a mão controlada do médium, em responder estas perguntas improvisadas.

Eles talvez façam então, concedo, em caráter pitoresco e temperado, raramente em exatidão, especialmente se eles gozaram o privilégio, concedido ao Sr. -Humnur Stafford, de receber os devidos avisos de antemão, a fim de serem capazes de levantarem o assunto [so as to be able to get up the subject].

Finalmente, eu não posso abster-me de perguntar por que a opinião do professor eminente de música, que propôs as perguntas, não foi registada.

G. B. MATHEWS.

University College, Bangor. 20 de Outubro, 1885.

Publicado no JSPR 02, 1885-1886, página 116-120.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 19, 2012 9:13 am

CARTA ABERTA A STANLEY HALL
ANDREW LANG

Alleyne House, St.
Andrews, December 1st, 1910.

CARO SENHOR,

Desculpe a liberdade com a qual eu suponho jogo minhas reflexões em algum trabalho recente seu na forma fora de moda de uma “Epistola Familiar a um Autor.”

Li com interesse o Estudos em Espiritismo da Dr. Tanner, com uma Apresentação por G. Stanley Hall, Ph.D., LL.D.[1]
Suas próprias contribuições ao que você denomina como uma “crítica penetrante, imparcial, valorosa” do trabalho da English Society for Psychical Research como essa Sociedade nunca gozou antes,[2] atraiu particularmente minha atenção.

Eu não menosprezo os desempenhos de Senhorita Tanner,Ph.D, quando digo que o trabalho do Mestre interessou-me mesmo mais do que o do Discípulo imparcial.

Em todos estudos e em todas as conversas todo homem ou mulher que toma uma parte tem um preconceito natural ou artificial, — ou abundância de ambos.

Meus preconceitos na questão da Sra. Piper e suas atuações são idênticos com seus próprios.
Assim você diz, “todos temos pais, mas de qualquer maneira pareceu a mim vulgar manter as relações” (manter?) “com o espírito do meu pai o qual amava por tal médium como este,” a saber, pela Sra. Piper[3].

Eu em outra parte expressei precisamente os mesmos sentimentos, ao qual eu concordo.[4]

Você escreve, “desonramos nossas partes imortais (ou antes, talvez, as partes imortais de nossos amigos mortos?)“ por pensar que nós as encontramos aqui”[5] – no locutório da Sra. Piper!

Seus sentimentos são meus:
nada pode induzir me a me apresentar aos habitantes do próximo mundo pela agência da Sra. Piper, (a quem eu nunca encontrei!,) nem de qualquer outros médiuns “em transe”, selvagem nem civilizado.

Mas a Ciência deve “fazer diversas coisas repugnantes na procura pela Verdade, e você fez diversas coisas repugnantes a Sra. Piper;
espetou-a com um estesiómetro, encheu suas narinas com a cânfora e o éter;
sua boca com açúcar e sal, que ela “ aceitou muito despreocupadamente,” para citar Claverhouse (pp. 236-239).

Volenti non Jit injuria, você podem também exibiram rapé, para saber se isso fazia o “Hodgson de controle” espirrar ou não.
Um estudo científico de Sra. Piper é uma coisa;
consulta séria do morto por Sra. Piper é outra, e, concordo com você, é uma coisa vulgar.

Até aqui estamos em acordo;
ainda, outra vez, eu estou num estado de agnosticismo absoluto sobre o caso da Sra. Piper:
posso ir mais além, eu nunca vi nos relatórios publicados qualquer prova, para mim, que ela está mesmo em contacto com algo fora do normal, por assim dizer, da consciência de quaisquer pessoas desencarnadas.

Algum de seus desempenhos confundem-me, por exemplo as respostas do “ Hodgson” dela ao Professor William James, as respostas do “ Sr. Myers” dela às perguntas de mitologia de Eoman;

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 19, 2012 9:13 am

Continua...

etc.[6]Eu estou perplexo;
e, (aqui aproximamo-nos o ponto principal de minha dificuldade,) estou inclinado a supor que a Sra. Piper, em sua condição normal, não podia ter dado as respostas que, como “ Hodgson” e como “ Myers,” deu às perguntas do Sr. James e do Sr. Dorr.

A anormalidade de sua condição parece, de alguma forma, ajudá-la, mas sua condição é, aliás, anormal quando dá sessões?

Nós agora chegamos à questão em que suas respostas, no livro da Dra. Tanner, parecem para mim, (desculpe minha franqueza numa questão de Ciência,) estar faltando em coerência ao falar de “ personalidades fragmentadas.”

Está a Sra. Piper, em seu pensamento, quando dá uma “sessão, '*— quando ela está em “transe” “— realmente dans son assiette, realmente em posse de sua inteligência normal, de seus cinco sentidos?

Se for assim, ela deve ser uma impostora comum (ou estranhamente auto-iludida pela auto-sugestão);
para ela dizer que ela está “em transe”;
que sua consciência normal está em falta;
que, quando ela volta à sua consciência normal ela não se lembra de nada do que disse, fez e do que sofreu enquanto em transe.

Essas são suas alegações, e se, enquanto ela está em transe, ela está na verdade em posse de todas as suas faculdades mentais, ela diz o que ela sabe ser – erróneo.

É uma hipótese concebível que em seu suposto “transe“ ela esteja ciente normalmente, mas que ela sugeriu a si própria uma firme crença na própria inconsciência, depois do transe, da qual realmente não retém nenhuma memória de estar ciente?

Ela com êxito administrou a si uma “sugestão pós-hipnótica” para não lembrar-se das coisas de que estava tão ciente, em “transe,” como um paciente hipnotizado que está ciente de si e do que lhe foi dito para fazer e de abster-se de fazer?

Se assim ela é “tão falsa que ela toma-se totalmente como verdadeira.”

Se tivesse que apostar, e se a aposta pudesse ser decidida, colocaria cinco a um que depois de seu transe ela realmente não retém nenhuma memória do que ocorreu durante este.

Isso é apenas uma impressão que precisa ser considerada.
Nem é a analogia de um paciente hipnotizado por outra pessoa, fechada e exacta;

para ele, parece, pode estar alucinada pela sugestão externa, ao passo que, na hipótese que eu indico, Sra. Piper está largamente acordada ao mundo externo, mas é hipnotizada, sozinha, ao não lembrar de nada sobre ele.

Talvez você tenha alguma solução equivalente do problema em sua mente quando você duvida a respeito de se método da Sra. Piper é “uma invenção consciente de sua parte ou “um método inconscientemente motivado” (p. xx).

Se aderisse firmemente a esta linha de conjectura, e se significasse que Sra. Piper hipnotiza-se por auto-sugestão, e se dá uma “sugestão pós-hipnótica” para esquecer-se, minha única dificuldade seria que eu não sei se, numa condição hipnótica, um paciente pode estar entusiasticamente ciente de cada acontecimento minúsculo.

Sua explicação, se eu o entendo, de alguns efeitos de Sra. Piper que espantou observadores, e que foi atribuído a influências “supernormais”, telepáticas ou espirituais, se em transe seu senso de audição é acurado e vigilante;
seus poderes de inferência e observação e de memória normal excedidamente afiados, e assim então ela poder surpreender o espectador por suas declarações.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 19, 2012 9:13 am

Continua...

Tudo isto eu não estou questionando, mas você constantemente mantém que seus sentidos, e memória, e poderes de dedução, em "transe,” são normais, nem mesmo talvez um pouco acima dos poderes de sua inteligência quotidiana?

Nesta pergunta muito interessante e importantíssima, você parece, se posso usar uma frase Shakespeariana, “falar com duas vozes,” e manter opiniões irreconciliáveis.

Eu muito provavelmente posso estar equivocado:
é tão fácil e tão natural entender mal um argumento.

Eu só posso citar várias declarações suas que, neste momento, eu não posso reconciliar.

Suas contribuições ao livro da Dra. Tanner, tomadas na ordem em que elas obviamente foram escritas, são “Notas Actuais por Dr. Hall” (pp. 259-273), a matéria nas páginas 177-185, e a “Apresentação” (pp. xv-xxxiii).

Com relação a suas “ Notas Actuais” que você diz que elas “foram anotadas com nenhum pensamento sobre sua publicação, menos ainda em sua forma presente” (Apresentação, p. xxxiii).

“Sua forma presente,” presumo, é a forma em que eles originalmente foram escritos por você, enquanto as impressões recebidas por você das “sessões” estavam frescas em sua memória?

Mas eu não estou certo neste ponto; as “notas escritas às pressas” são sarcásticas e eloquentes.

“São sirenes que nos avisam de nossa destruição, ou são ecos angélicos de um mundo mais elevado?”
Isto é literatura, não é?

Como uma passagem de retórica ponderada, não como um nota feita às pressas.
De facto o capítulo inteiro tem o ar de ser uma composição estudada.

Como evidência, teriam muito mais valor, (de acordo com as ideias da Sociedade para Pesquisa Psíquica,) se realmente eram contemporâneas com as sessões;
se eram realmente “algumas notas nas sessões de Piper anotadas sem pensar em sua publicação, menos ainda em sua forma presente” (p. xxxiii).

É a “ forma presente” é ou não é, a forma original das notas escritas às pressas?
Se não, as notas originais são muito mais desejadas.

Deixando as notas e a Apresentação durante um momento, nós observamos (p. 190) que “antes de Sra. Piper entrar o transe. . . O Dr. Hall explicou a ela que nós não tínhamos nenhum dúvida absolutamente sobre a genuinidade de seu transe ou sua própria honestidade.”

Agora você confessadamente pensou de bonne guerre, (e aqui concordo com você,) enganar a Sra. Piper em estado de transe, — quer dizer, o assim chamado “Hodgson”, — dizendo coisas que não eram verdadeiras;
por “minha intricada mentira” (p. 179).

Eu não considero esta uma lorota moral, mas científica e um estratagema experimental.
Mas supus que, quando garantiu a Sra. Piper, em seu estado costumeiro, sobre sua crença na “honestidade” dela e na “genuinidade de seu transe” você não contava uma “intricada mentira.”

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Out 20, 2012 9:50 am

Continua...

Tomo isto como ponto pacífico.

O ponto que me confunde é, você ainda retém sua crença na “genuinidade do transe” de Sra. Piper?

Suas observações nesta questão, em sua “Apresentação” e “Notas Actuais” deixam-me perplexo;
parcialmente por causa da terminologia que você emprega:
a este ponto eu retornarei.

Quanto ao transe, transe genuíno, está claro tomá-lo no sentido da definição da Dr. Tanner.

“Estados de Transe são de modo algum de posse exclusiva de médiuns.
São comuns em pessoas histéricas, e em casos de personalidade secundária, e pode ser produzido por hipnose ou sugestão com pessoas apropriadas.

Enquanto no transe a vítima está mais ou menos inconsciente do que está ocorrendo com ela, recupera a lembrança de seus sentimentos mais ou menos indistintamente.

O estado tem muitas semelhanças a sonambulismo.
Nem as causas nem a cura são até agora bem entendidas “ (p. xxxvi).
Isto aceito a título de exemplo.

Se a Sra. Piper é “honesta” — como você contou a ela acreditar que ela era, — em transe que ela é “mais ou menos inconsciente do que está ocorrendo com ela.”

Ela não retém, diz, nenhuma memória do que ocorreu, depois que ela acorda.
Mas, se honesta, ela não pode contar, quando ela acorda, se, quando em transe, estava ciente do que ocorria ao seu redor ou não.

Quando dizemos que tivemos um sono sem sonhos, nós só queremos dizer que nós não retemos nenhum memória de sonhar.
Em alguns casos pode ser provado, por um companheiro que ouviu-nos conversando em nosso sono, que nós realmente sonhamos.

Se a Sra. Piper é desonesta, nós não podemos confiar em seu relatório;
se é honesta, seu relatório é sem valor, pois ela meramente não se lembra de estar ciente de seu ambiente:
se por auto-sugestão ou não.

Somos assim dependentes de sua opinião quanto à extensão de sua consciência normal de tudo, ou de muito, do que ocorre em sua sala quando está em transe.

Agora eu não posso descobrir o que, nesta questão, sua opinião realmente é.
(Pela minha parte, eu não tenho nenhuma opinião quanto ao “transe “ ser “genuíno.”)

Diz (p. xix) que o acompanhante tem a impressão que Sra. Piper “está neste estado tão fora de si como se estivesse morta.”

Os acompanhantes, portanto, por fim vêm conversar bem livremente, e sua teoria é que Sra. Piper escuta mesmo os sons mais leves, e tenta tirar seu proveito do que ela ouve;
você diz, de facto, “a sua orelha está acordada e atenta” (p. xix).

Se assim, então o transe da Sra. Piper, (até onde posso entender,) não é genuíno;
pois, seguindo a definição da Dra. Tanner, “em transe a vítima está mais ou menos inconsciente do que ocorre ao seu redor “;

ao passo que você diz, ao menos frequentemente, que ela está agudamente ciente mesmo de coisas secretas como quando Sr. Dorr finge sair, abrindo e fechando a porta, mas deslizando para trás outra vez (pp. 214-215).

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Out 20, 2012 9:50 am

Continua...

Sendo assim, como pode contar à Sra. Piper que você acreditou na “genuinidade de seu transe”?
Você não acredita neste ponto, se aceita a definição muito moderada da Dra. Tanner da quantidade de consciência costumeira em transe.

Escreve “frequentemente pareceu-me que só os seus olhos (escondidos numa almofada) “não estavam despertos, e todos” (meus itálicos) “seus poderes mentais e emotivos estavam bastante acordados” (p. xx).

Mas não só “os seus olhos não estavam despertos,” mas a “sensibilidade geral [está também] desligada...
E certamente suas funções respiratórias, gosto, aroma, sensibilidade táctil geral e a atividade nervosa motora estão adormecidos” (p. 268).

Nesta amostra uma grande quantidade de Sra. Piper está certamente adormecida;
então uma grande quantidade de seu transe é certamente genuíno.

Entretanto as suas orelhas, ou uma delas, e todos seus poderes mentais e emotivos estavam, em sua exibição, bastante acordados.
Por isso seu transe não é genuíno, nem é ela honesta.

Você adiciona, “entretanto eu estou de modo algum convencido que ela representou seu sono-sonho. ...” (P. xx).

Você sabe, assim como eu, que nos sonhos de dormir o dormente é, na maioria as vezes, fraco e erroneamente ciente dos sons do seu ambiente, e quando tais sons dão ocasião a um sonho, o sonho dramatiza e tira conclusões erróneas jogando fora qualquer semelhança sobre a causa objectiva da alucinação.

Sra. Piper, por outro lado, você diz, está, no que concerne a seus poderes mentais, “frequentemente bastante desperta,”num “sono-sonho” que, não obstante, você não esteja “convencido” que ela finge.

Mas está (aparentemente) convencido que ela “interpreta “ o “sono-sonho,” pois você está convencido que, “frequentemente ao menos seus poderes mentais estão bem acordados.”

Agora, em sono-sonhos, quase como numa quase regra universal, nossos “poderes mentais“ são muito remotos para estarem “bem despertos“— nós não podemos fraudar, num “sono-sonho,” nem tentar fraudar, observando quem nos observa.
Mas Sra. Piper aparentemente não tenta de fazer nada além disso.

Você continua com uma “evidência abundante,”— na mesma página, —“ que a alma de Sra. Piper-Hodgson está acordada e normal.”

Se por “alma” quer dizer a inteligência costumeira da Sra. Piper, e se esta está acordada e normal, quando age a parte de Hodgson, então ela não está num transe, como a Dra. Tanner define transe, e é uma impostora;
como Sr. Pickwick eu serei mais explícito e direi “um embuste.”

Mas então, já que ela está “actuando em seu sono-sonho,” um de seus eus fendidos é “de modo algum convincente.”
Como Malvolio, você “pensa nobremente na alma,” como nossa parte imortal.

Se, quando fala de Sra. Piper “alma” como “acordado e normal” em seu transe suposto, você quer, não dizer sua inteligência normal, mas a “alma” no sentido Platónico, então você concorda com Senhor Thomas Browne.

“Há algo em nós que não está na jurisdição de Morfeu...
Somos algo mais que nós em nosso sono;
e o dormitório do corpo parece ser o despertamento da alma.”

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Out 20, 2012 9:50 am

Continua...

Talvez seja isso que você queira dizer?
Talvez queira dizer que, em transe, a “alma” da Sra. Piper ou sua parte imortal, na verdade é incondicionada ao ser?

Mas se quer dizer que, em transe, a inteligência comum da Sra. Piper “está acordada e normal,” então, mais uma vez, você está bem convencido que, — frequentemente ao menos, - ela “finge seu sono-sonho“;
pois em “sono-sonhos“ ninguém tem sua inteligência quotidiana “acordada e normal.”

Sem brincadeira, eu fiquei tão perplexo por essas suas declarações de sua opinião que uma explicação será bem-vinda a um inquiridor sincero.

Se sua posição é isso (p. xix) que a orelha normal da Sra. Piper “está acordada e atenta,” perfeitamente ciente de tudo audível, se a sua orelha ouve qualquer cochicho de sugestão externa, se sua agudeza normal observa cada oportunidade para fraudar, — se isto é sua opinião, — por que fá-lo expressar uma teoria muito diferente em suas “Notas Actuais” em suas seis sessões com isto “Filha do Debate, Essa discórdia feita ainda é semeada ?”

Nestas notas (p. 265) escreve:
“Assim, os centros auditivos não estavam adormecidos, mas pareciam em plena função, e a princípio nós pensamos que nisso há alguma hiper-acuidade, embora não raramente nos fosse pedido para repetir como para se manter a ilusão que a mão era meio surda.

Contudo aqui, ademais, subsequente observação sugere obtusão e subnormalidade que, quando a orelha ouvia, o fazia tão obscura e sonolentamente, ou tendia mais a sair do sono mais que o olho e os demais sentidos que estivessem envolvidos.

No total nós nos inclinamos à ideia que, apesar de termos aqui “(no muito agudo e normal sentido de audição da Sra. Piper)“ a fonte da maioria das informações que o controle parecia possuir que pareciam ser supernormais, que a orelha na verdade não é muito boa acordada, e a maior parte do tempo está apenas um pouco acima do estado médio entre dormir e despertar.”

Aqui, senhor, em aparente contradicção do que você disse (p. xix) — “a sua orelha está acordada e atenta,“ — você escreve que, primeiramente, esta orelha “parecia estar em plena função,” apesar de que, de facto, não estava em plena função, nem “alerta,” mas “tendia a sair do sono,“ — ouvia “obscura e sonolentamente,” etc, e a maior parte do tempo está apenas um pouco acima do estado intermediário entre dormir e despertar,” em que declara que nós ouvimos na maioria de modo vago e deslocado.

Por seu registo “a maior parte do tempo” a orelha da Sra. Piper não está “acordada e atenta,” e não se prende a sugestões mesmo sussurradas.

Temos aqui claramente uma diferença bem importante entre as impressões feitas por você anteriormente e seus estudos posteriores sobre o sentido de alerta da orelha Sra. Piper, ou seu sentido de ouvir.

Suas “ Notas Actuais,” em que a orelha da Sra. Piper ouve “indistinta e sonolentamente, ou tendeu a sair do sono,” foram, ou deviam ter sido, escritas sob a impressão recente nítida de suas entrevistas com essa senhora.

Você “escreveu-as de imediato em suas notas?
Sua Apresentação, eu presumo, foi escrita mais tarde, depois que o livro de Senhorita Tanner, Ph.D, estivesse acabado.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Out 21, 2012 9:31 am

Continua...

Em sua Apresentação, tudo está mudado, a orelha agora tornou-se “entusiástica e atenta.”
Eu não sei como pode escrever esta declaração, se lembrou-se do que você tinha escrito em suas “Notas Actuais.”

Sua ”severa, imparcial, crítica” opinião da Sra. Piper agora foi tratada sob um exame que eu honestamente posso chamar de “imparcial.”

Eu não desejo ser capcioso;
sou sinceramente incapaz de entender por que, nas conclusões de sua Apresentação você aparece esquecer-se o que a ”observação posterior” ensinou você.

Sua teoria de ele que alguns dos sucessos da Sra. Piper parecem repousar na descoberta de que, quando ela “está extasiada,” sua inteligência normal e seu sentido de ouvir ficam extremamente alertas “ frequentemente”;
e ainda, normalmente, ou a maior parte do tempo” são sonolentos e obscurecidos, “adormecidos” e “ofuscados.”

Algo pode ter passado despercebido, mas eu certamente não consegui descobrir, qualquer modo de reconciliar tantas conclusões que a mim parecem-se contradições em termos.

Mas as conclusões da Dr. Tanner “estão em substancial acordo” com as suas, e vocês estão “satisfeitos e provavelmente nunca quererão mais sessões.”

Se eu fosse você, eu pediria mais sessões na esperança de descobrir se eu realmente pensei que a orelha da Sra. Piper é “entusiástica e atenta”;
ou, por outro lado, como a “observação subsequente sugere,” “ouviu indistinta e sonolentamente, e tendeu a sair do sono em que o olho e outros sentidos de orientação estiveram obscurecidos” (p. 265).

Como podem ambos destas conclusões ser corretas?
Por que o faz expressar (pp. xix-xx) em sua Apresentação as conclusões que, como informado em suas “Notas Actuais,” a observação subsequente provou ser equivocada?

As conclusões que são aparentemente irreconciliavelmente contraditórias não podem ser a base de uma discussão.

O problema de determinar a presença ou ausência de uma muito bem desperta inteligência normal e sensibilidade entusiástica em impressões numa pessoa cuja “sensibilidade geral está desligada,” e cujas “funções respiratórias, gosto, aroma, sensibilidade táctil geral e nervos motores estão certamente adormecidos,” (P. 268) é, naturalmente, muito difícil!

Se eu entendi você, a Sra. Piper de alguma forma pode “desligar todas as faculdades as quais ela de facto o faz, e ainda “ frequentemente “ retém sua inteligência normal, seus poderes de ouvir, comparar, e inferir, enquanto também “ a maior parte do tempo” seu ouvir é muito sonolento e portanto suas inferências que ela indistintamente ouve deve ser a lembrança de sonhos.

Confuso como cada leitor consciencioso deve ter ficado, volta-se às “Notas das Sessões,” pp. 166-258.

Aqui, alguém espera, serão achados registos contemporâneos da precaução entusiástica geral, e da inaptidão sonolenta normal, do sentido normal da Sra. Piper de ouvir.

A teoria e método das sessões é que Sra. Piper, ou seu controle espiritual só pode ouvir o que é falado alto à sua mão direita, que o controle domina.

Sua teoria é que (a) a orelha da Sra. Piper tem seus poderes normais de ouvir;
e, outra vez, (b) que não tem.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Out 21, 2012 9:31 am

Continua...

Nos registos tomados durante as sessões eu encontro somente as seguintes notas que afirmam a reação da Sra. Piper, ou de Hodgson, aos gritos dos observadores em sua mão da escrita.

(1) p. 195. “Hodgson parece dispersar, em resposta a alguma observação não anotada do Sr. Dorr.”
A observação do Sr. Dorr não foi anotada, não podemos dizer mais.

(2) p. 229. A Dr. Tanner tinha dito ao Dr. Hall “com um risada” que algum escrito indecifrável da Sra.. Piper“ parecia como se fosse o começo de Inferno e danação.“

A mão escrevente da Sra. Piper revoltou-se contra o que a Dra. Tanner havia dito.
Neste exemplo Sra. Piper, ou “Hodgson” certamente ouviu o que a Dra. Tanner havia dito, com um risada, sobre Inferno e danação.
Isto é, penso, o único exemplo de que tal ouvir que não é questão de presunção e conjectura.

(3) p. 229. Uma referência ao retorno do Sr. Dorr ao quarto quando ele tinha feito uma pretensão de partir.
É pensou-se que Sra. Piper ouviu algum som quando ela inferiu que uma fraude estava sendo executada.

(4) “ Nós conversamos um com o outro um minuto ou por volta disso.
Presumivelmente o controle ouviu, e se intrometeu” (p. 241).
Mas nada no contexto sugere que “o controle ouviu” sua conversa.

(5) Então se seguiram (Quinta sessão) algumas tentativas de experiências fúcteis de detectar os poderes da Sra. Piper de ouvir, e a Dra. Tanner diz “ eu cochichei ao Dr. Hall para tentar enganar o controle... mas eu acho que ele ouviu-me “ (p. 243).

Isto é apenas uma conjetura que a Dra. Tanner tem:
o “controle,” nestes experiências, nem sempre facilmente “foi enganado.”

(6) Na p. 251 (Sexta sessão) várias experiências sobre audição são tentadas, e “indubitável o controle ouviu, na primeira vez em que a pergunta foi feita,” mas este é o “indubitável” da ciência e não significa mais que preferir supor que o “controle” ouviu a pergunta.

(7) p. 256. Um caso de audição sobre o que você e a Dra. Tanner tinham dito um ao outro.
O que você disse um ao envolveu uma interpretação errônea óbvia do que a Sra. Piper (ou “ o controle”) tinha dito a você, e “ o controle” insistiu na própria opinião.

Eu só posso achar, como registos contemporâneos do ouvir agudo da Sra. Piper em transe, estes poucos casos, conjeturas, e presunções.
Da sonolência da orelha, “a maior parte do tempo,” não acho nenhum registo contemporâneo.

Retornar ao contraste entre suas notas contemporâneas escassas de suas suposições que Sra Piper ouve agudamente em “transe,” em um lado, e sua afirmação geral grande, no outro, que seu ouvir é agudo, diz (p. 264), “A orelha esquerda está certamente acordada, porque, palavras repetidamente, murmuradas entre esses presentes, passos, sussurros, risadas, e muitos outros barulhos são ouvidos e são reagidos, às vezes inesperadamente, pelo escritor.”

Onde estão seus registos contemporâneos destas muitas “reacções?
Dá ao leitor geral sua grande afirmação na p. 264, linhas 1-5.
Você se contradiz (até onde eu o posso entender) na página 265, e toda a evidência exata que você oferece para a afirmação em página 264 é seus “indubitável,” seu “ penso,” seu “ presumivelmente,” com uma ou duas certezas.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Out 21, 2012 9:31 am

Continua...

Ainda em sua teoria do ouvir agudo da Sra. Piper, você baseia sua teoria de seus supostos êxitos:
seguramente há mais provas tanto da vigilância quanto da sonolência de seu sentido de ouvir.

Mais uma vez, você são singularmente desatentos ao próprios relatórios contemporâneos de suas seis sessões.
Na Quarta, depois que tinha contado sua “intrincada mentira” a “Hodgson,” Hodgson disse “sou interessado em ver quantas histórias que você pode contar num minuto.

Elas (sic) horrorosamente más.
São lorotas horrorosas (p. 228). No Sexto capítulo (p. 255), Hodgson diz “senti-me tão entusiasmado com suas várias lorotas todo o tempo.
...Penso que eu lhe disse isso antes.”
(As datas das sessões não são dadas.)

Seu relatório, incrível como parece de facto continua em:
“no qual ele certamente não foi, tendo sido confiante ao ponto da credulidade.”

Assim, quando alcança a página 255, têm esquecido, além de recordação mesmo através de suas folhas de prova, o que você tinha narrado na página 228, — respectivamente, a descoberta de “Hodgson” e a denúncia de suas “lorotas horrorosas.”

Você não lembra-se de tudo isto mesmo quando “Hodgson” (p. 255) diz, “penso que eu lhe disse isto antes.”
Responde “que ele certamente não disse.”

Mas disse! O pobre “ Hodgson” de memória é muito melhor que você e a Sra. Tanner combinados.
É você quem aqui “exibe a incapacidade que nós devemos esperar de uma personalidade secundária. ..”

Estas notas tratam apenas do método e da lógica de suas contribuições ao livro da Dra. Tanner.

Concernente a Sra. Piper, é minha opinião que se fosse possível pôr suas orelhas carnudas fora do jogo, por nenhum meio ferindo-se estes órgãos, “Hodgson,” Eector e Co. seriam surdas, e, naturalmente, não poderiam responder perguntas que não pudessem ouvi-las, a menos que à força de telepatia entre o vivo e o morto.

Se estes espíritos respondessem, e respondessem corretamente, perguntas feitas mentalmente pelos acompanhantes, seu caso seria muito mais forte, embora, naturalmente, não uma prova crucial.

“Não obstante a experiência devia ser feita por alguma pessoa competente,” escreve Oliver Lodge.
Quando a audição for posta fora de jogo, então não há necessidade dos acompanhantes gritarem, eles podem pôr suas perguntas mentalmente.

Mas até estas condições serem asseguradas, arrisco pensar que os experimentos com a Sra. Piper são nulos.

Fico por aqui,
Seu servente obediente,


A. LANG.

[1] D. Appleton and Co., London and New York, 1910.
[2] Op. cit. p. xxxiii.
[3] Op. cit. p. xxviii.

[4] In The Making of Religion, chapter vii.
[5] Studies in Spiritism, p. 267.
[6] Para estes veja Proceedings S.P.R., Parts LVIII. and LX.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 22, 2012 9:38 am

Srta. Henry Sidgwick.
REVISÃO.

Estudos em Espiritismo.
AMY E. TANNER, Ph.D.
(D. Appleton & Co., New York and London, 1910, pp. 408.)

SR. LANG trata acima sobre a participação do Professor Stanley Hall no livro da Dra. Tanner Estudos em Espiritismo.

Um breve comentário do livro como um todo talvez devesse ser adiccionado.

Mas primeiro deixem-me dizer algumas palavras sobre o parágrafo final do Sr. Lang, que parece para mim depreciar impropriamente o fenómeno da Sra. Piper.

Eu concordo com ele, como penso que todos que sentaram-se com ela na Inglaterra fizeram, ao acreditar que a personalidade do transe ouve de uma maneira normal pelas orelhas da Sra. Piper, e que sua impressão de ouvir com a mão é uma questão de auto-ilusão.[1]
(é uma pena que Sr. Hall e Sra. Tanner não prosperaram em tapar as orelhas a fim de pôr isto além da possibilidade).

Eu também concordo com Sr. Lang que respostas a perguntas mentais adicionariam grande evidência para a transferência de pensamento do assistente, embora dificilmente, posso observar, à transferência de pensamento entre Sra. Piper e os outros automatistas, para o que a evidência é a meu ver forte.

Mas eu não posso concordar com sua visão que sem respostas a perguntas mentais as experiências dos assistentes com Sra. Piper são nulas;
e nisto penso que a maioria desses que estudaram plenamente os relatórios publicados de suas sessões concordariam comigo.

Talvez ele, como o Professor Hall e a Dra. Tanner, acredite que os registos são tão incompletos que regularmente importantes observações pelos assistentes são omitidas?

Certamente às sessões em que eu estive presente tanto como organizadora ou como assistente este não foi o caso.

Nunca foi suposto por mim, nem penso por outros assistentes ingleses, que qualquer observação nem som feito no lugar era inaudível à personalidade em transe, e me surpreende que o Sr. Hall e a Dra. Tanner jamais tenham agido de acordo se assim o fosse – por exemplo, no caso referido pelo Sr. Lang acima, Nº 5, p. 99.

Eu não conheço o ponto de vista do Sr. Dorr, mas parece-me improvável na narração deles – se ele assim o fez - que podiam falar um com o outro livremente. Ele quis dizer com isso que eles não seriam ouvidos pela personalidade do transe.

Não parece que o relatório do Professor Hall e da Dra. Tanner dá conta de tudo o que aconteceu nestas seis sessões, mas provavelmente o que é informado é suficiente para nos capacitar a formar um claro juízo do todo.

Nem faz parecer possível que a omissão de anotar todas as próprias observações (uma omissão que eles queixam-se de—ou talvez demais prontamente supõem tenha ocorrido—no caso dos outros assistentes) tenha seriedade, se absolutamente, diminuiu o valor de suas sessões, que em outros respeitos dá a impressão de serem cuidadosamente registados, e que forma uma adição útil ao material para estudar o estado de transe da Sra. Piper.

Não tendo nenhum interesse em continuar usando de termos amigáveis com a personalidade do transe, eles eram capazes de usar mal os métodos abertos àqueles que desejam continuar os experimentos — aliás, na linguagem do controle de Hodgson, eles contaram-no “lorotas horrorosas.”

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 22, 2012 9:38 am

Continua...

Eles assim induziram Hodgson,a admitir camaradagem e reminiscencias comuns com o Professor Hall, que diz que ele nunca encontrou com Hodgson em carne;
e prosperaram em obter mensagens de amigos e de relacionamentos totalmente fictícios.

Semelhantemente, por substituir, desconhecido à personalidade do transe, ou ao menos sem seu trair que ele detectou a impostura, outros objectos para “influências,”[2] do Hodgson que eles mostraram que o efeito destes é provavelmente devido a sugestão, como no caso das pílulas de pão.

Estes resultados não vão, penso, surpreender qualquer dos investigadores ingleses, mas é útil ter demonstração experimental deles.

As tentativas de convencer HodgsonP a negar sua própria identidade foram completamente fracassadas, embora noto que o Professor Hall está convencido que podia conseguido seu intento se tivesse sido mais persistente (p. xxiii.)

Pessoalmente, duvido se a manipulação bem prudente iria, no caso da Sra. Piper, induzir um suposto comunicador a negar a identidade que ele reivindicou;
mas é indubitável que tais comunicadores podem ser desestimulados ou podem ser encorajados pelos acompanhantes.

Sr. Hall e Tanner também confirmaram e estenderam algumas experiências do Dr. Hodgson[3] mostrando insensibilidade de várias espécies durante transe.
Suas tentativas em psicanálise Freudiana eram incompletas e de interesse pequeno.

O registo das seis sessões com Sra. Piper conduzidas pelo Sr. Hall e por Tanner ocupa aproximadamente um quarto do livro.
Há também um capítulo pequeno, interessante de um ponto de vista psicológico, chamado “O médium no início,” sobre dois casos de mediunidade incipiente que vieram à tona sob a observação da Srta. Tanner.

O restante do livro consiste geralmente em conversas sobre os fenômenos da Sra. Piper, de correspondências cruzadas, da evidência para a telepatia fornecida pelos Proceedings da Sociedade para Pesquisa Psíquica e Fantasmas dos Vivos, de um capítulo sobre a Sra. Verrall, e uma discussão do Censo de Alucinações.

Infelizmente resumos, leitura apressada, e esquecimento da “tremenda influência de uma teoria preconcebida em uma interpretação de factos (ver p. 105) muito diminuem o valor da descrição do Professor Hall sobre a Srta Tanner como “crítica penetrante, imparcial, valorosa” (p. xxxiii).

Aliás sua apresentação de factos e argumentos não podem ser assumidos justos sem referência aos originais.

Para pessoas com os registos originais antes deles suas observações podem às vezes ser úteis, mas minha impressão é que eles raramente necessitariam adicionar algo de valor a o que é posto perante o leitor em o caso como originalmente descrito, e eles constantemente apresentam erroneamente o caso e essencialmente o corrompem.

Eu certamente, não comparei o criticismo com a matéria criticada em todos casos eu mesma, e se eu o tivesse feito obviamente seria impossível seguir a Senhorita Tanner dentro dos limites desta observação.

Eu portanto fico contente em dar alguns dos exemplos de inexatidão, interpretação errónea ou raciocínio curioso que me saltaram à vista na leitura de seu livro.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 22, 2012 9:38 am

Continua...

(a) Na p. 296, ao discutir “O Caso de Sra. Verrall”, Tanner diz:
“por diversas vezes o manuscrito tentou enviar uma palavra como um teste para o Dr. Hodgson, finalmente dando as palavras Ariadnes stella coronaria, e fazendo uma alusão a outro constelação, a Cabeleira de Berenice.

O Dr. Hodgson em resposta disse que tinha pensado sobre syringas em conexão ao manuscrito dela, e essas syringas tinham uma especial importância para ele.

Agora o nome latino para syringa é Philadelphus Coronarius, e a referência combinando a coroa de Ariadne e a cabeleira de Berenice tem suposta intenção pela Sra. Verrall de lembrar Philadelphus ou amor fraternal.

Isto é bastante inverossímil, contudo.”
Eu não levanto nenhuma objecção ao resumo até nós chegarmos à parte que eu pus em itálicos.
Sra. Verrall não diz nada sobre amor fraternal.

O que ela diz é “que a apresentação de Berenice foi explicada, se o que se queria não era únicamente coronarius mas Philadelphus” *;
e se por acaso alguém não conseguir lembrar-se da associação íntima, na história, dos nomes de Berenice e Ptolomeu Philadelphus, ela refere-se a ele numa nota ao pé da página.

Isto não é inverossímil absolutamente.

(b) Aqui (pp. 136, 137) é uma tentativa para fornecer um trilho comum de pensamento dos três automatistas para explicar as correspondências cruzadas das palavras ‘xícara’ e ‘Diana’, e (em dois deles) referências a Macbeth.

Tanner diz:
“Nós recebemos uma pista aqui do facto de que Henry Irving executou ‘Macbeth’ e ‘A Xícara’ em Londres esse inverno, embora nós não saibamos exactamente quando.”

Ela indubitavelmente se refere a uma conjectura do Sr. Piddington como à associação de ideias em um dos manuscritos.

Diz (Proc, Vol. XXII, p. 206):
“A conjunção de alusões a Macbeth, A Xícara, e um ‘Henry’ [em um manuscrito da Sra. Holland] era, talvez, devido a uma associação de ideias com Henry Irving, que produziu, e actuou, nessas duas peças.”

“Esse inverno” é um interpolação de Tanner e, como esse inverno era o de 1906-7, e Henry Irving morreu em 1905, e, posso adicionar, nunca actuou em Macbeth e em A Xícara no mesmo ano[4], isto é obviamente um erro.

De modo que o indício fracassa.

(c)O que se segue é um espécime dos argumentos de Tanner.

Na p. 344 refere-se ao caso da Senhorita R. vendo o rosto da Sra. J. W. em dois lugares quase ou bem imediatamente na noite em que Sr. J. W. morte
(S de Diário. P. E., Vol. XII, p. 317).

Srta E. infelizmente não conseguiu anotar a experiência em escrito, embora ela tenha observado bem a hora, até dois dias mais tarde quando ela soube da morte.

"Isto," diz Senhorita Tanner, "é uma ilustração excelente dos defeitos em todo testemunho em que a visão não é escrita antes do conhecimento da morte.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 23, 2012 11:29 am

Continua...

Que prova existe que isto não é uma memória ilusória, especialmente se, como parece ser o caso, Srta R. é dada a imagens nítidas e sentimentos premonitórios?"

(Quando ela teve esta impressão sobre a Srta. R. ter tendências a imagens nítidas, etc., eu não sei.
A própria declaração da Srta R. é:
“No melhor de minha crença eu nunca vi uma aparência de qualquer tipo semelhante antes.”)

O caso iria, naturalmente, ser mais convincente se uma anotação tivesse sido feita, mas mesmo tomando as breves notas da Srta. Tanner, e ainda mais com os detalhes fornecidos no original, parece para mim ser um caso onde ilusão de memória é improvável.

No entanto, Tanner pensa de forma diferente, e tendo-se convencido que provavelmente era ilusão de memória, ela vai mais longe e realmente considera o caso como evidência de que tais ilusões são comuns.

Diz: “tal caso. . . convence-nos que ilusões de memória mesmo dentro de alguns dias do acontecimento podem ser tão comuns que invalidamos qualquer caso exceto esses em que a alucinação está escrita em detalhe na época e antes do acontecimento correspondente ser conhecido.”

(d) Aqui está outro espécime de argumentos da Srta. Tanner.

Refere com admiração bem-merecida às experiências do Sr.Davey (Proc, Vol. IV.), mostrando como a má observação e as falsas memórias são.

Então, criticando a evidência para assombrações no tempo de morte, e referindo à penúria de documentos contemporâneos, ela diz (p. 352):

“Não parece curioso que um comité [o Comité de Censo] tendo conhecimento da brilhante demonstração do Sr. Davey das transposições e lapsos de memória dentro de mesmo uma hora depois do acontecimento deveria basear um argumento supostamente científico para telepatia na evidência deste tipo”

O valor da evidência é naturalmente grandemente diminuído por ausência de notas contemporâneas.

Ao mesmo tempo, o tipo de lapso de observação e memória envolveram afirmações errôneas no caso dos registos do Sr. Davey que faz truques e fraudes é muito diferente de que os registos de assombrações no tempo de morte.

Por exemplo, eu devia sem hesitar supor que os registos da Senhorita Tanner de uma fraude testemunhada mas não compreendida por ela serem incorrectos, embora dados imediatamente depois de seu testemunho, porque devo saber que o ilusionista tinha tentado dar suas impressões falsas na hora, e porque devo sentir-me segura que os numerosos incidentes pequenos que foram compor a ocorrência inteira, e a que ela teve não indício, tenderia a ficar extraviado ou esquecido mesmo quando observado.

Mas se Srta. Tanner contou-me que Srta. Smith a chamou às três horas da tarde no sábado eu não devo ter nenhum razão para duvidar de sua palavra;
embora, naturalmente, se algo de importância ocorresse exactamente no mesmo dia e hora do chamado seria desejável inquirir se ela ou outros poderiam apresentar circunstâncias corroborativas adiante que confirmassem suas lembranças.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 23, 2012 11:29 am

Continua...

(e) Aqui está um exemplo das explicações de base especulativa da Srta. Tanner (p. 58).

Numa sessão com Sra. Piper que o Sr. Oliver Lodge administrava, e em que ele era quem tomaava notas, um “Sr. Wilson,” morto, querendo através do controle de Phinuit enviar mensagens a seu filho, que não estava presente. O que se segue é um extrato do relatório:
“... Ele vive em algum lugar da sua vizinhança 0. J. L. Sim ele vive.

E recebeu um amigo chamado Bradley—um amigo muito grande seu.
Pensou primeiro em ser médico. ...”

O filho nunca tinha pensado em ser médico, mas quando a observação foi feita na sessão Sir Oliver pensou corretamente que isto representou algo que ele tivesse dito para o filho.

Sua inferência disto, e do facto que de outras declarações feitas por ‘Sr. Wilson’ esses só referindo a matérias sabidas por Oliver Lodge serem correctas, é que “uma grande quantidade disto parece obviamente como transferência de pensamento.”

Sobre isto Senhorita Tanner comenta, “Indubitavelmente há transferência de pensamento, mas foi feita por Oliver Lodge involuntariamente confessando sua opinião a Phinuit, eu arriscaria dizer.”
Agora como faz alguém, quando não há forma indirecta, de involuntariamente trair uma impressão do tipo em questão?

Acaso Dra. Tanner pensa que Sir Oliver inconscientemente cochichou “ele pensou primeiro que seria médico” e que Phinuit repetiu isso depois dele?

Ou acredita que essas notas contemporâneas do Sr. Oliver Lodge são tão abreviadas, ou enviesadas, como os registos dos casos em seu livro?

Seguramente neste caso uma hipótese alternativa mais plausível à telepatia seria que Phinuit fez uma suposição que acidentalmente coincidiu com a ideia de Oliver Lodge.

A Srta. Tanner dá dois capítulos a “Telepatia e outros Fenômenos Aliados,” e antes estranhamente diz (p. 321) que nisso sob o nome de telepatia “são agrupados todas tais coisas como adivinhação pela bola de cristal, sonhos verídicos, avisos de morte, advertências que realizam-se, escrita automática, e comunicação regular de espíritos por algum médium.”

No primeiro dos dois capítulos ela discute transferência de pensamento experimental espontânea.
(Estou impressionada, a propósito, ao saber que as experiências em Brighton entre 1889-90, em que eu tomei uma grande parte , ‘estão agora desacreditadas,’ p. 326. Isto é novidade para mim.)

No segundo dos dois capítulos Tanner discute o " Censo de Alucinações."

É curioso achar ela dizendo depois disto (p. 365):
“O grande problema com os casos para todos tipos de telepatia é que eles quase, se não completamente, são impossíveis de coleccionar todos os exemplos negativos, para o que necessitaria dedicar um tempo para anotar os pensamentos que trazem à tona as pessoas.

Nós nem sequer podemos começar a calcular as probabilidades no caso até que nós saibamos algo mais do números de casos negativos.”

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 23, 2012 11:29 am

Continua...

Era um objecto principal do " Censo de Alucinações," comparar o número de alucinações coincidentes com não-coincidentes—positiva com negativa—e Srta. Tanner realmente discute o capítulo sobre assombrações reconhecidas onde a proporção destas ocorrem dentro de doze horas da visão da morte da pessoa é comparada com a proporção de tais coincidências serem devidas ao acaso (e mostrando, naturalmente, enormemente excedê-lo).

Parece possível, no entanto, que ela não tenha entendido o objectivo de um cálculo que ela certamente falhou em utilizar, e de que ela dá uma conta na p. 350, que nem é correta nem inteligível.

Eu posso multiplicar exemplos de inexactidão e distorção, também do uso de frases enganadoras, tal como esses por que Srta. Tanner parece sugerir que “os Pesquisadores Psíquicos” são colectivamente responsáveis pelas opiniões de qualquer um interessado em Pesquisa Psíquica.

Mas tenho, penso, suficientemente dito.

É suficientemente possível que o livro impressionará aqueles que derivarem seu conhecimento da evidência discutida apenas através dele;
mas uma visão muito diferente será formada por aqueles que se mostrarem capazes de verificar a versão da evidência da Dra. Tanner se referindo às fontes originais.

Como a Dra. Tanner é uma psicóloga profissional, e presumivelmente, portanto, objectiva aprender e a expor a verdade, o livro deve ser considerado como tendo fracassado em seu objectivo.

ELEANOR MILDRED SIDGWICK.

[1] Compare Mr. Myers' Human Personality, Vol. I., p. 192.

[2] “Influências”, isto são os objectos que tiveram contacto físico com o suposto comunicador quando em vida, embora não sejam uma necessidade, supostamente ajudam a uma comunicação.
Podem servir para concentrar a atenção da personalidade do transe, ou seu uso pode ser puramente sugestivo.

[3] Proceedings, Vol. VIII., p. 4.

[4] A Xícara foi produzida por Irving no Lyceum em 1881, e não foi executada em Londres desde então.
Macbeth foi executada por ele em 1875 e outra vez em 1888.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 24, 2012 10:33 am

Quando a Mediunidade pode ser pública

O bom exercício da mediunidade precisa ser demonstrado, como forma de exemplificação e coerência com os preceitos espíritas

Muitas casas espíritas experimentam dúvidas quanto a conveniência da adopção do exercício da mediunidade em reuniões públicas.

Há aquelas que preferem não expor quase nenhum tipo de mediunidade.
Outras, colocam em público quase todos os tipos, através de médiuns em diferentes estágios de desenvolvimento e aprendizado.

Para analisar esta questão, necessário se faz definir algumas premissas que nos ajudarão a entender o contexto onde a mediunidade se insere.

A literatura espírita desaconselha qualquer tentativa de tornar público os trabalhos de desenvolvimento mediúnico e desobsessão, muitas vezes indevidamente incluídos nas reuniões públicas

Sendo o Centro Espírita o lugar apropriado para o exercício da mediunidade, é preciso estar atento quanto ao objectivo principal do Centro e da própria doutrina espírita.

Embora todas as actividades desenvolvidas sejam meritórias, a educação do homem nos postulados espiritistas é a finalidade maior do Centro Espírita, visando a transformação interior das pessoas como o melhor caminho para viver a vida com êxito, sendo útil à sociedade, preparando-se para a vida na pátria espiritual, entendendo e sabendo se conduzir segundo as leis naturais, compreendendo e sabendo utilizar suas faculdades em benefício próprio e do próximo.

Atrelado nesta meta, fazendo parte do seu conjunto, podemos identificar também a divulgação da doutrina e a prática de outras formas de caridade.

A mediunidade é o meio para se atingir o objectivo principal da casa espírita.
Ela possui um papel importante no espiritismo, uma vez que só a doutrina espírita veio esclarecer sua origem, seus mecanismos e sua finalidade, retirando-a do religiosismo e do materialismo exacerbado.

Considerando esses aspectos, seria conveniente que o público interessado tivesse acesso a pratica correta da mediunidade e as mensagens equilibradas de consolo e edificação, provenientes do plano espiritual.

Mesmo por que, muito sensacionalismo se faz nas ocorrências mediúnicas distanciadas das directrizes espíritas.
O povo acaba conhecendo o mediunismo vulgar e não a mediunidade educada que procura viver os ensinamentos de Jesus.

Acontecendo um deslize em público, médium e dirigentes são responsáveis pela imagem deturpada que o Espiritismo possa sofrer

Estamos nos referindo as tradicionais reuniões públicas, em geral assim organizadas:
prece inicial, leitura e comentário de um trecho de um dos livros da codificação, abertura e avisos, palestra evangélica, comunicação mediúnica opcional, passes, vibração, prece final e encerramento.

A literatura espírita desaconselha qualquer tentativa de tornar público os trabalhos de desenvolvimento mediúnico e desobsessão, muitas vezes indevidamente incluídos nas reuniões públicas.

Por outro lado, existe a preocupação salutar de evitar a evidência pessoal do médium, a vulgarização do fenómeno e a atenção voltada à curiosidade.

Sabemos também que nenhum médium pode se considerar imune às influências momentâneas de espíritos ignorantes ou sofredores.
Acontecendo um deslize em público, médium e dirigentes são responsáveis pela imagem deturpada que o Espiritismo possa sofrer.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 24, 2012 10:34 am

Continua...

Temos constatado em diversas Sociedades Espíritas que embora executem trabalhos dignos de menção, paradoxalmente ainda insistem na comunicação de mensagens mediúnicas em linguagem piegas, de admoestação, esotérica, exaltando os extraterrestres e seus discos voadores ou profetizando o final dos tempos, em vez da mensagem de esperança, erguimento e consolo que caracteriza a doutrina espírita.

Não deve haver nenhum direcionamento para salientar o fenómeno mediúnico em si mesmo, pois sabemos se tratar de uma faculdade natural do espírito a ser aprimorada.

As pessoas que se defrontam com a evidência de um fenômeno indiscutível, acabam sendo forçadas a admitir um corpo de doutrina para o qual ainda não se acham preparadas.

O objectivo da doutrina é a educação do espírito para evitar as enfermidades decorrentes

A comunicação mediúnica em público deve se restringir a cinco ou dez minutos, abordando temas que favoreçam o esclarecimento das questões em estudo à luz do evangelho, fugindo de colocações polêmicas, consultas dos presentes e referências pessoais a membros da instituição.

Deve-se evitar dar o nome de entidades afamadas, preferindo o anonimato ou um nome genérico.
A psicografia parece ser a mediunidade ideal para ocorrer numa reunião pública, pela possibilidade de conhecimento prévio da mensagem antes da sua divulgação.

Todavia, a psicofonia também pode ser adotada, desde que o médium seja bem seleccionado e o objectivo da comunicação esteja muito claro para o médium e os dirigentes.

Maior cuidado ainda deve-se ter nas manifestações mediúnicas voltadas às artes.
Na dúvida é melhor não expor ao público e muito menos anunciar os nomes de artistas famosos desencarnados.

O espiritismo precisa mais de critério e ponderação, do que alarde e uma postura próxima à presunção.

O espiritismo não tem nada a esconder.
Ficou no passado a época das sociedades secretas.

Cuidado igual nas actividades de tratamento do corpo físico, uma vez que o objectivo da doutrina é a educação do espírito para evitar as enfermidades decorrentes.

A aplicação de passes deve ser realizada em sala específica.

A mediunidade de efeitos físicos (levitação, transporte, materialização), deve ser mantida em reuniões fechadas ao público, pela exaltação do fenómeno e pelo perigo que proporciona aos médiuns e assistentes.

As diversas modalidades de vidência também devem ser evitadas, incluindo a psicometria, em razão da desconfiança natural do ser humano e do consequente destaque do médium.

A importância dessa mediunidade parece ser de apoio a outras mediunidades e às actividades de assistência.

O espiritismo não tem nada a esconder.
Ficou no passado a época das sociedades secretas.

Contudo, é preciso ter discernimento e bom senso para apresentar o conhecimento espírita com método e tempo adequado, prevenindo qualquer transtorno que possa produzir algum impacto na sua projecção.

Estamos todos compromissados e seremos todos responsáveis.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 24, 2012 10:34 am

Como a Mediunidade está sendo tratada nos Centros Espíritas?

O Espiritismo é a única doutrina que define, estuda e pratica a mediunidade.
Por isso, será sempre importante reflectir sobre o assunto procurando otimizar sua aplicação e desmistificar sua imagem.

O único lugar seguro para a prática mediúnica é o Centro Espírita, mas será que ele está preparado ou se preparando para identificar, educar e facilitar o exercício das faculdades mediúnicas de seus trabalhadores e frequentadores?

Embora seja grande a diversidade de Centros, pode-se notar uma certa tendência de afastamento da prática mediúnica.
O público já não tem onde ir para ver o correto emprego da mediunidade.

Infelizmente sobram lugares onde se expõe a mediunidade não educada e utilizada de forma equivocada, particularmente nos cultos afro-brasileiros e nas instituições onde se pratica o Espiritismo "a moda da casa", isto é, repleto de sincretismos que confundem o entendimento dos frequentadores fazendo-os perderem o sentido de direcção

Médium e mediunidade são características fundamentais do Espiritismo.
Doutrina Espírita sem mediunidade não existe, seria preciso criar uma nova doutrina que nasceria aleijada.

Atrás da mediunidade está o princípio inalterável da vida após a morte, da comunicabilidade entre encarnados e desencarnados, da lei do trabalho, da lei de cooperação e tantos outros fundamentos do Espiritismo — todos interligados e interdependentes.

Mexer em um é retirar uma coluna de sustentação do edifício: mais cedo ou mais tarde o prédio cai.

A grande mídia prefere mostrar este tipo de médium pela proximidade com o folclore de algumas regiões do país e pela curiosidade que desperta, particularmente nos turistas.

Os médiuns espíritas só são apresentados ao público quando curam ou produzem algum fenómeno.

A maioria dos Centros se limita a aplicar a mediunidade apenas nas reuniões de desobsessão.
Muitos são os casos situados nos extremos.

Casas que não criam nenhum trabalho voltado ao emprego útil e doutrinariamente correcto de outros tipos de mediunidade que não a psicofonia e, casas que se lançam precipitadamente a trabalhos públicos sem as condições mínimas necessárias.

É o caso da pintura mediúnica embaraçosa e da psicografia inconsistente de cartas de familiares desencarnados, contribuindo para a desinformação e o descrédito do povo.

Está faltando bom-senso e responsabilidade e sobrando negligência e vaidade.

Quando alguém aparece mostrando mediunidade ostensiva, o Centro deveria encaminhar a pessoa (quando for o caso), para um tratamento visando seu pleno equilíbrio;
proporcionar um curso que concorra para um amplo entendimento do Espiritismo e dos processos mediúnicos, não esquecendo do último e importante passo que é criar oportunidades para o desenvolvimento e aplicação da mediunidade revelada.

Quase nada adianta instituir cursos se os médiuns não encontrarem lugar para exercerem bem suas mediunidades.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Mediunidade

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 16 1, 2, 3 ... 8 ... 16  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum