Casos de Reencarnação

Página 2 de 35 Anterior  1, 2, 3 ... 18 ... 35  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 26, 2012 9:22 pm

Continua...

O intervalo mediano para os casos de I.S. foi de dezoito meses, ao passo que para os casos de S.P. foi de oitenta e três meses e meio;
a diferença era significativa (p<0.05).

Não houve diferença significativa nas idades dos sujeitos dos dois grupos na época em que os casos foram investigados primeiro;
esta idade mediana tinha 9,3 anos para os sujeitos dos casos de I.S. e 12,5 anos para esses dos casos de S.P.

Os sujeitos de I.S. casos eram, no entanto, significativamente mais velhos que os sujeitos dos casos de S.P. no tempo das últimas entrevistas, normalmente para continuação dos estudos;
a idade mediana de sujeitos dos casos de I.S. desta vez tinha 15,5 anos e o correspondente de idade mediano para os sujeitos dos casos de S.P. tinha 12,9 anos (p<0.05).

Os casos do grupo de I.S. foram mais completamente investigados [5] que esses do grupo de S.P. (p<0.05).

DISCUSSÃO

As Interpretações das Diferenças entre as Duas Série de Casos

Embora a maioria das comparações entre as duas séries não tenham dado em nenhuma diferença significativa, algumas (doze de cinquenta e seis) deram.

Ao considerar as várias razões para estas diferenças entre os dois grupos de casos, nós estávamos cientes que algumas delas poderiam resultar de diferenças nas amostras.

É também possível que os informantes para os casos observaram e relataram algumas características de forma diferente.

Além do mais, outras diferenças podem ser atribuídas a inconsistências entre os investigadores em colecionar os dados;
isto indicaria a necessidade para maior melhoria e padronização dos métodos.

I.S. obteve as primeiras informações sobre muitos de seus casos de relatórios de jornal;
S.P. obteve suas primeiras informações mais de seus informantes para outros casos.

Os casos em povoados e cidades chamam mais a atenção de jornalistas e são divulgados em jornais que circulam nas aldeias.

Os residentes de povoados e cidades normalmente são melhor educados que aldeãos e portanto talvez mais sensíveis a modos de comportamento raros tais como a atitude adulta e indicações de possível percepção extra-sensorial da parte de suas crianças.

As diferenças entre as duas séries nestas duas variáveis também podem ter derivado de técnicas diferentes de entrevistas de nossa parte. I.S. pode ter dado mais atenção a estas questões que S.P. e portanto extraído mais informação sobre elas;
alternativamente, ele inconscientemente pode ter “forçado” respostas afirmativas mais freqüentemente que S.P.

Há várias possíveis razões para a diferença de tempo necessária para o investigador chegar aos casos.
Os casos informados em jornais são normalmente mais recentes (quando publicados) que aqueles informados por informantes privados.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 26, 2012 9:22 pm

Continua...

As circunstâncias do trabalho anterior de I. S. no norte da Índia, onde tinha uma equipe de sócios e intérpretes prontos para ajudá-lo, permitiu-o ou a seus sócios alcançarem a cena de um caso claramente logo depois que foram notificados sobre ele.

Em contraste, S.P., que se situou em Bangalore (Índia do sul), não teve o mesmo acesso fácil aos casos na Índia do norte.

Também, S.P. soube do local de muitos de seus casos através de I.S.
(Que tem sido informado sobre sua existência pelos seus sócios ou outros correspondentes na Índia), e o tempo necessário na passagem da informação sobre novos casos a S.P. por vezes causou outra demora.

Pensamos que três das diferenças nas duas série derivam dos períodos diferentes durante os quais os casos se desenvolveram e foram investigados.

Estas são:
a minuciosidade das investigações, a idade dos sujeitos na última entrevista, e a persistência de comportamento raro da parte dos sujeitos.

I.S. fez pesquisas de campo na Índia desde 1961;
S.P. investigou casos só a partir de 1974.

Porque I.S. frequentemente retornou a casos velhos para verificar mais detalhes e para continuar as entrevistas, seus casos eram, no total, mais completamente investigados que aqueles estudados por S.P.

Similarmente, porque I.S. era capaz de acompanhar seus casos por um período mais longo de tempo do que S.P. foi capaz de acompanhar os seus (até agora), teve mais oportunidade de observar a persistência ou cessação de comportamento raro da parte dos sujeitos de seus casos do que fez S.P.

O grupo de I.S. contem um número maior de casos de “longa distância” que o grupo de S.P.;
isso é, há uma tendência para os sujeitos deste grupo estarem numa distância maior da residência e lugar de morte de suas personalidades prévias relacionadas.

Desde que, no entanto, nós consideramos a distância geográfica como uma das variáveis objectivamente verificáveis [6], nós acreditamos que a diferença entre as séries nesta variável representa uma diferença real nas amostras estudadas antes que um possível preconceito no registo de dados na parte de um ou de outro investigador.

Nós não temos nenhuma explicação de por que os sujeitos dos casos de I. S. se lembraram de vidas passadas em circunstâncias económicas superiores mais frequentemente que os sujeitos dos casos de S.P.

As Interpretações das Semelhanças Entre as Duas Séries de Casos

Desde que as semelhanças nos dois grupos de casos são muito mais numerosas do que as diferenças e desde que, em nossa opinião, elas ocorrem nas características comparadas mais importantes, nós devemos considerar possíveis interpretações para o relatório de S.P. de um grupo de casos que se assemelha bastante em suas características principais desses investigados por I.S.

S.P era uma mera recruta e assistente de I.S. que não ousou obter resultados que diferissem dos dele?

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 26, 2012 9:23 pm

Continua...

Nós não acreditamos que ela fosse isso.
S.P. tinha mais de cinco anos de experiência de pesquisa antes dela unir-se a I.S. como uma intérprete e assistente.

Negamos que ela fosse um instrumento complacente que se esforçou para produzir dados semelhantes aos que I.S. tinha obtido.
O que é mais importante, muitos dos dados eram de uma espécie que nós chamamos de “objectivamente verificáveis” (ver nota 6).

Tais dados incluem datas, nomes de lugares e pessoas, e outras informações sobre as quais registos diferentes não discordariam.
Seria praticamente impossível para preconceitos inconscientes infuenciarem a gravação de dados destas espécies.

E finalmente, ainda que S.P. tivesse desejado (inconscientemente) fazer com que seus dados batessem com os de I.S., não podia ter obtido quase nenhuma orientação de seus relatórios publicados dos casos e outros escritos (Stevenson, 1975, Stevenson et al., 1974), que continham somente breves alusões a algumas recorrentes características de grande números de casos.

Assim S.P. não podia ter sabido conscientemente sobre todas as características de um caso indiano típico sugestivo de reencarnação antes que a análise do relatório presente fosse feita.

Nós não podemos, no entanto, excluirmos a importância de alguma influência sutil em S.P. por I.S., especialmente na colecção de dados menos objectivos.

Durante o período de treinamento de S. P. por I.S , que coincidiu com o período de quando coleccionava dados para este projecto, eles frequentemente discutiram casos que eles investigavam juntos.
(Estes casos “em conjunto” não estão informados aqui.).

Em tais vezes, I.S. pode ter comunicado a S.P. mais do que pensou sobre as próprias ideias emergentes concernentes às características encontradas num caso típico deste tipo na Índia.

Ainda assim nós consideramos ser improvável que tais comunicações de impressões pouco desenvolvidas sobre os casos podem explicar todas as correspondências que nós achamos nas duas séries de casos resumidos neste artigo.

Além do mais, I.S. não tinha executado uma análise sistemática dos casos que ele tinha investigado na Índia.

Para a maioria dos dados comparados nas duas séries, portanto, os resultados da análise presente forneceram a primeira informação compreensiva que qualquer um de nós teve sobre as características recorrentes numa série grande de casos indianos.

Consideramos também a possibilidade que os dados fornecidos por informantes tanto a I.S. quanto a S.P. sejam todos derivados de alguma tradição oral sobre as características de um caso típico do tipo reencarnação na Índia.

Os informantes de um caso, no entanto, raramente sabem qualquer detalhe sobre outro.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Out 27, 2012 9:16 pm

Continua...

Também, embora alguns informantes tenham ideias básicas sobre algumas características do que nós chamaríamos de casos típicos, tal como a incidência alta de mortes prematuras, a maioria deles não tinha um conceito claro das características que emergiram destas investigações.

Agora pela primeira vez, com os relatórios destes casos sendo publicados, algumas pessoas tornam-se mais sabidas e aprendem sobre as características recorrentes nos casos.

Mas pouca informação sobre tais características recorrentes alcançou os informantes na Índia.

Observações Finais

Se nós estivermos correctos nos argumentos precedentes, então é possível que a uniformidade que nós encontramos nos dois grupos de casos ocorreram, primeiro, porque os relatórios dos informantes eram exactos - em geral, se não em todos detalhes - e segundo, porque descreviam acontecimentos relacionado a algo genuíno, isso é, fenómeno natural.

Consideramos a reencarnação só um de várias possíveis interpretações para os casos que nós chamamos “casos do tipo reencarnação” ou “casos sugestivos de reencarnação”.

Nós aqui não estamos directamente preocupados com as várias interpretações paranormais dos casos, para os quais nós indicamos os leitores a nossas revisões anteriores destes
(Pasricha e Stevenson, 1977, Stevenson, 1966/1974, 1977b).

Tais interpretações só tornam-se relevante quando nós consideramos que os relatórios de ao menos alguns casos são autênticos.

Acreditamos que os dados deste artigo fornecem outras evidências (publicadas em relatórios de caso) indicando que os relatórios de alguns casos são autênticos.

Por causa das limitações que nós reconhecemos na comparação relatada aqui, nós consideramos seus resultados apenas como um primeiro, mas não obstante importante, passo em direcção à replicação das investigações destes casos que I.S. informou anteriormente.

RESUMO

Os resultados dos autores comparados obtidos nas duas séries de “casos sugestivos de reencarnação” na Índia que investigaram independentemente.
As frases “casos sugestivos de reencarnação” e “casos do tipo reencarnação” referem a pessoas (normalmente crianças) que reivindicam ter vivido antes e lembrar-se de detalhes da vida prévia reivindicada.

Há cinquenta casos na primeira série e quarenta e cinco casos na segunda, série investigada mais tarde.

Cinquenta e seis itens convenientes para análise foram divididos em três grupos.

O primeiro grupo continha dezasseis itens de características demográficas das pessoas relacionadas nos casos;
o segundo continha trinta e seis itens das características principais dos casos;
e quatro eram diferentes aspectos variáveis concernentes à investigação dos casos.

Para quarenta e quatro variáveis, nenhuma diferença significativa entre os dados dos dois grupos ocorreu.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Out 27, 2012 9:16 pm

Continua...

Diferenças significativas entre as séries ocorreram para três itens das variáveis demográficas, seis itens das características principais dos casos, e três itens concernente as investigações dos casos das duas séries.

Os autores acreditam que a segunda investigação constitui uma replicação, embora não inteiramente independente, da investigação anterior.

As semelhanças nos dois grupos de casos não parecem derivar da conformidade da parte do segundo investigador nem da parte dos informantes para as duas séries.

Os autores pensam que as semelhanças fornecem evidência adiccional para a autenticidade dos casos que foram incluídas nestas duas séries.

NOTAS

1 Esta declaração se refere principalmente a casos na Índia e no Sri Lanka.

Nos casos de alguns outros países, tal como Burma e Turquia, as duas famílias relacionadas frequentemente conheceram-se antes do desenvolvimento do caso, embora frequentemente só levemente.

Em alguns casos (mesmo na Índia) ambos pessoas referidas - o sujeito e a pessoa cuja vida ele lembra-se de pertencer à mesma família.

2 Em três dos casos de S.P., I.S. participou na colecção de dados em uma extensão pequena;
mas nós não achamos que sua actividade nestes casos afetou a essencial independência da investigação de e S. P deles.

3 Um cuidadoso inquérito dos sujeitos e dos pais relacionados nestes casos frequentemente mostra que os sujeitos param de falar espontaneamente sobre a vida prévia antes que eles tenham realmente esquecido todos os detalhes aparentemente lembrados.

Para propósitos práticos, a idade com que uma criança não mais fala espontaneamente sobre a vida prévia que ela reivindica lembrar-se pode ser tomada como a idade de desaparecimento de suas memórias;
mas em casos individuais excepções fantásticas desta regra geral podem ocorrer.

Um de nós (I.S.) discutiu em outra parte (Stevenson, 1966/1974) as dificuldades em se avaliar os relatórios com o desaparecimento real das memórias ou as reivindicações de conservá-las.

4 O termo “atitude adulta” é usada para designar um grupo de comportamentos em que a criança supõe atitudes (e frequentemente responsabilidades) notadamente além de outras crianças de sua idade.

Por exemplo, numa família uma filha mais jovem que lembra a vida prévia de uma mulher que ainda estava criando crianças jovens quando morreu pode supor papéis de maternidade com outras crianças, incluindo os próprios irmãos mais velhos.

Preocupam-se com eles por vários meios inesperados e lhes observa da mesma forma com que uma mãe toma conta de suas crianças.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Out 27, 2012 9:17 pm

Continua...

5 Nós avaliamos a “minuciosidade da investigação” numa escala que registou o número de informantes entrevistados para um caso e o número de entrevistas que nós tivemos com eles.

Também incluiu uma avaliação (necessariamente algo subjetivo) da quantidade de informação obtida para o caso em relação à informação total teoricamente conseguível para ele.

6 Por “objectivamente verificável”, nós não queremos dizer exacto.

A questão de exactidão, especialmente nas datas, é algo separado;
e estamos longe de estarmos satisfeitos com a exactidão de todas as datas por nós registadas.

Por “objectivamente verificável”, queremos dizer que registos diferentes da mesma informação poderiam ser esperados, por exemplo, a mesma data, a menos que um ou o outro deles fossem registos propositalmente falsificados, o que não está aqui em questão.

Outros dados, tais como os julgamentos sobre a situação econômica social dos informantes, não são objectivamente verificáveis.
(Pelo menos eles não são até que instrumentos especiais sejam usados para registar os dados em que uma classe para os estados social e económico seja decorrente;
S.P. fez, na maioria das ocasiões, uso de tais instrumentos, mas I.S. não).

Dois investigadores que observam a mesma casa em seu conteúdo podem registar julgamentos bastante divergentes sobre o estado económico social do proprietário.

Declarações regulares por pais sobre a idade com que a criança começou a falar coerentemente, ou começou a falar sobre uma vida prévia, pode variar entre os pais.

E cada pai pode dar declarações diferentes sobre estas idades em ocasiões diferentes das entrevistas.
Nós não consideraríamos a gravação deste tipo de informação objetivamente verificável.

AGRADECIMENTOS

Este artigo é baseado num papel apresentado na 22nd annual convention of the Parapsychological Association, held at St. Mary's College, Moraga, California, August 15-18, 1979.

Muitos dos dados deste papel decorrem de um trabalho de investigação para uma tese submetida por um de nós (S.P.) no preenchimento do requisito para uma dissertação doutoral no National Institute of Mental Health and Neuro-Sciences, Bangalore University, Bangalore, India.

Agradecimentos são devidos à James S. McDonnell Foundation, à Bernstein Brothers Foundation, e a John E. Fetzer Foundation pelo apoio a esta investigação.

Emily F. Williams contribuiu com sugestões úteis para a melhora deste artigo.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Out 27, 2012 9:17 pm

Continua...

REFERÊNCIAS

Pasricha, S., and Stevenson, I. Three cases of the reincarnation type in India. Indian Journal of Psychiatry, 1977, 19, 36-42.

Stevenson, I. The evidence for survival from claimed memories of former incarnations. Journal of the American Society for Psychical Research, 1960, 54, 51-71, 95-117.

Stevenson, I. Twenty Cases Suggestive of Reincarnation (2nd Ed.) Charlottesville: University Press of Virginia, 1974. (First published in 1966.)

Stevenson, I. Cases of the Reincarnation Type. Vol. 1. Ten Cases in India. Charlottesville: University Press of Virginia, 1975.

Stevenson, I. Cases of the Reincarnation Type. Vol. 2. Ten Cases in Sri Lanka. Charlottesville: University Press of Virginia, 1977 (a).

Stevenson, I. Reincarnation: field studies and theoretical issues. In B. Wolman (Ed.). Handbook of Parapsychology. New York: Van Nostrand Reinhold, 1977 (b), pp. 631-663.

Stevenson, I., Prasad, J., Mehrotra, L.P., Rawat, K.S., The investigation of cases of the reincarnation type in India. Contributions to Asian Studies, 1974, 5, 36-49.

Satwant Pasricha
Ian Stevenson
Division of Parapsychology, Box 152

Department of Behavioral Medicine and Psychiatry
University of Virginia School of Medicine
Charlottesville, Virginia 22908
U.S.A.


§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Out 28, 2012 10:20 pm

Research in Parapsychology 1980

O Problema de Casos do Tipo Reencarnação “Não Resolvidos”
Ian Stevenson, Emily F. Williams, Satwant Pasricha, Godwin Samararatne, and U Win Maung (University of Virginia)

Em muitos casos do tipo de reencarnação que nós estudamos, uma pessoa correspondendo às declarações do indivíduo foi identificada.

Embora os observadores possam diferir no grau em que eles estejam satisfeitos em que a personalidade prévia tenha sido correctamente identificada, vamos nos referir a tais casos como “resolvidos”, e a aqueles em que nenhuma pessoa morta adequadamente correspondente foi achada como “não resolvidos”.

A designação de um caso como “resolvido” não implica que o caso tenha características paranormais.

Casos não resolvidos são de interesse particular a investigadores, por duas razões.

Primeiro, podemos ser capazes de resolver alguns casos, e desde que tenhamos feito um registo escrito de tudo a criança disse antes da identidade da pessoa corresponder a suas declarações ser conhecida, seremos melhor capazes de julgar a paranormalidade do conhecimento da criança do que podemos em muitos casos resolvidos, em que conhecimento paranormal normal inextricavelmente pode ser misturado pela época em que chegamos ao caso.

Segundo, uma comparação de casos resolvidos com não resolvidos pode revelar semelhanças e diferenças importantes, e portanto melhora nosso entendimento dos casos e as várias interpretações deles.

Nossos estudos de casos não resolvidos nos fez cientes de vários factores que podem contribuir ao fracasso para resolver um caso.

A razão mais óbvia para fracasso é que o indivíduo não deu informação suficiente, nem informação suficientemente específica, para permitir a identificação positiva de uma correspondente pessoa morta.

Shahida Ansari da Índia deu vinte detalhes separados sobre uma vida que ela alegou lembrar-se, mas o único nome que ela tinha era “Patan”, onde ela disse ter vivido.

Numerosas aldeias e povoados na Índia, no entanto, tem nomes acabando em “Patan”.

Uma segunda razão para fracasso é que o indivíduo pode ter pronunciado mal ou se equivocado sobre um nome importante.
Husam Halibi do Líbano disse que tinha vivido em Mazraat el Chouf e foi morto em Mghaitheh.

Há, no entanto, um Maasser el Chouf, não longe de Mazraat el Chouf, e há várias aldeias no Líbano com nomes semelhantes a Mghaitheh, tais como Mghairiye e Mghaira.

Este caso pode permanecer não resolvido, portanto, porque um leve equívoco ou confusão na memória levou-nos a procurar nas aldeias erradas.

O indivíduo ou seus pais também podem fazer inferências defeituosas que nos enganem.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Out 28, 2012 10:20 pm

Continua...

Anusha Senewardena do Sri Lanka nunca realmente nomeou sua residência prévia, mas ela frequentemente apontou a Horaduwa, uma aldeia próxima, e disse que tinha vivido aí.

Nossa pesquisa aí não revelou uma pessoa correspondendo às numerosas outras declarações que ela fez.
Pequenas aldeias no Sri Lanka são freqüentemente semelhantes na aparência.

Se Anusha estivesse se lembrando de uma vida prévia numa aldeia em Horaduwa, seus pais ou a própria Anusha podem ter feito a inferência defeituosa que ela tinha vivido em Horaduwa.

Outro factor que contribui ao fracasso de se resolver um caso que pode ser de renascimento, resolvido ou não resolvido, pode consistir em proporções variáveis de memórias reais de vidas prévias misturadas com memórias (normais) desta vida e fantasias.

Maung Soe Ya, um indivíduo de Burma, deu numerosos detalhes sobre uma vida prévia, incluindo um nome prévio, Dr. Soe Paing, e um endereço exacto em Mandalay onde ele disse ter vivido.

Ele também mencionou que tinha possuído um Jipe, e em Burma este detalhe significa que a pessoa em questão deve ter morrido depois de 1946.

Embora duas pessoas idosas na região da residência da presumida personalidade prévia vagamente tenham se lembrado de um Dr.Soe Paing, nós fomos incapazes de positivamente verificar sua existência de outros informantes que deviam ter conhecido ou ouvido sobre o Dr.Soe Paing, se ele tivesse vivido em Mandalay em por esse período.

Se, no entanto, às memórias reais de uma vida prévia, Maung Soe Ya tivesse adicionado a fantasia de possuir um Jipe, nossa suposição sobre o período provável de tempo para a vida para o Dr. Soe Paing seria errônea.

O caso de Maung Soe Ya pode exemplificar outra possível razão para nosso fracasso em identificar personalidades prévias em alguns casos não resolvidos.

O Dr. Soe Paing pode ter vivido há tanto tempo que as pessoas que lembrariam-se-iam dele não estão mais vivas ou documentos relevantes não estão mais disponíveis.

Semelhantemente, desde que alguns casos são resolvidos quando o indivíduo ou seus pais inesperadamente encontram alguém ou vêem um lugar ligado com a vida prévia, uma vida prévia geograficamente remota pode ser mesmo difícil de traçar.

A falta de interesse em resolver um caso na parte dos pais do indivíduo também pode contribuir ao fracasso de resolvê-lo.

Os pais de Maung Soe Ya não fizeram nenhuma tentativa de identificar a pessoa sobre quem seu filho falava, e sua falta aparente de interesse no caso também é indicada por sua incapacidade de lembrar vários nomes que ele tinha mencionado quando estava jovem.

A perda agora irrevogável destes pode ter diminuído nossas possibilidades de localizar o Dr.Soe Paing, se existiu.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Out 28, 2012 10:21 pm

Continua...

A supressão de informação verificável por pessoas com conhecimento da correcta personalidade prévia também pode estar impedindo nossa investigação de alguns casos.

Algumas pessoas, tais como as que não acreditam em reencarnação ou aquelas que acreditam que a família prévia ficaria chateada pelas alegações do indivíduo, pode não responder nossas perguntas com completa honestidade.

Por exemplo, nós temos evidência de supressão em alguns casos relacionados com cristãos na Ásia, e embora os cristãos tenham em muitas ocasiões fornecido informação útil, a possibilidade de ocultação em certas situações não pode ser subestimada.

Um factor final é simplesmente que podemos ter abandonado a procura demais cedo para um caso tal como o de Husam Halibi, em que um leve equívoco pode ter-nos levado à aldeia errada, um de nós deve retornar ao Líbano e tentar localizar a família da pessoa morta nas aldeias com nomes proximamente semelhantes.

A explicação mais óbvia para casos não resolvidos é que derivam de fantasias, e não é nossa intenção aqui insistir que não o sejam.

Entretanto, o estudo de casos resolvidos mostrou que eles, como a maioria de outras manifestações de fenómenos paranormais, varia largamente na quantidade, especificidade, e força de detalhes incluídos nas declarações do indivíduo;
e nosso estudo de casos não resolvidos sugeriu que fatores além da fantasia da parte do indivíduo podem estar evitando sua solução.

Sentimo-nos justificados, portanto, em supor que casos não resolvidos podem consistir parcialmente de fantasia, parcialmente de erros na parte do indivíduo e seus pais, e parcialmente de memórias reais de uma vida prévia.

Esperamos que nossos estudos de casos não resolvidos melhorará nossa capacidade de discriminar entre estes elementos, resolver alguns casos actualmente não resolvidos, e avaliar as possíveis explicações para os casos.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 29, 2012 9:50 pm

Um caso do tipo reencarnação na India: O caso de Rakesh Gaur
E.J.P., 1981, 381-408.

Investigamos este caso juntos por um total de sete dias entre novembro de 1976 e novembro de 1978.
S. K. P. investigou-o mais por fazer outra visita a Tonk por mais dois dias em março de 1979.

Sumário do Caso e Sua Investigação

Rakesh Gaur nasceu em 15 de março de 1969 no povoado de Fateh Nagar em Rajasthan (40 quilómetros a sudeste de Kankroli).
É a quinta criança, e terceiro filho, de seis crianças de S.N. Gaur e sua esposa, Shanta Devi.

S.N. Gaur, da casta brâmane, é um ascendentemente móvel, empregado por meio período do Correio Indiano
[S.N. Gaur, a Brahmin by caste, is an upwardly mobile, middle level employee of the Indian Post Office].

Foi transferido várias vezes a postos diferentes no sul de Rajasthan durante o final da década de 1960 e início da de 1970.

Antes de se mudar a Kankroli (Distrito de Udaipur, Rajasthan) em 1975-76, a família Gaur viveu em Fateh Nagar e Bhinder (70-80 quilómetros a sudeste de Kankroli).
S.N. Gaur era o Sub-Agente Postal de Kankroli e residia aí com a sua família durante nossa investigação do caso em 1976 e 1978.

Em maio de 1974, quando Rakesh tinha pouco mais de cinco anos, começou a contar a seus pais que na sua vida prévia tinha sido membro da casta de carpinteiro que tinha vivido na vizinhança de Chhippa de Tonk (também em Rajasthan, aproximadamente a 225 quilómetros a noroeste de Kankroli), que foi casado com uma mulher chamada Keshar, e que foi electrocutado.

Três informantes disseram que Rakesh mencionou o nome de Bithal Das antes das duas famílias se encontrarem, embora três outros informantes dissessem que ele não o tinha feito então na presença deles.

Rakesh mostrou um interesse em carpintaria e repetidamente pediu para ser levado a Tonk.
Os amigos da família aconselharam S.N. Gaur a levar seu filho a essa cidade, a um dia de viagem, mas ele não o fez.

Em junho ou julho de 1976, um motorista de ónibus de Tonk chamado Chhittar Mai (cognome Chhittarji) parou em Kankroli.

Chhittarji disse que Rakesh reconheceu-o espontaneamente e narrou suas memórias da vida prévias com especificidade suficiente de modo que Chhittarji retornou a Tonk e contou à família de Bithal Das que ele tinha sido renascido em Kankroli.

Em conseqüência deste encontro fortuito, S.N. Gaur escreveu à Tonk Electricity Board para inquirir se qualquer empregado pertencendo à casta de carpinteiro foi electrocutado.

Ele também escreveu a Chhittarji, mas não recebeu nenhuma resposta a qualquer uma das suas cartas.

Sob as repetidas petições Rakesh e o aconselhamento de vários amigos, S.N. Gaur finalmente decidiu ir a Tonk.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 29, 2012 9:50 pm

Continua...

En outubro de 1976, quando teve licença do seu trabalho, S. N. Gaur levou Rakesh aí para confirmar a afirmação do seu filho de que ele tinha vivido uma vida prévia em Tonk.

Enquanto o ónibus deles entrava em Tonk no final da tarde, Rakesh apontou a um poste eléctrico e disse que tinha morrido enquanto o reparava.

Já que S.N. Gaur era funcionário do correio e não conhecia ninguém em Tonk, ele foi ao correio pedir a ajuda do pessoal do correio local para localizar a família da pessoa sobre quem Rakesh tinha falado.

Vários empregados do correio saíram a pé com Rakesh e seu pai para tentar localizar a casa da pessoa em questão.

Uma grande multidão gradualmente se formou, e uma pessoa idosa na multidão lembrou que um carpinteiro chamado Bithal Das tinha sido electrocutado em 1955.

Rakesh e a multidão que tinha se reunido ao redor dele retornaram ao correio.
Estavam a menos de 200 metros da casa de Bithal Dasmas não a visitaram.

A viúva de Bithal Das, Radha, foi enviada.

No seu caminho de volta ao correio, Rakesh viu e reconheceu (mas não encontrou) o filho de Bithal Das, Bhanwar Lai, que estava a alguma distância e partindo para Jaipur;
no correio Rakesh encontrou Radha, que chorou a maior parte do tempo em que eles ficaram juntos.

Embora sendo quase meia-noite, a multidão continuava a crescer e Rakesh ficou nervoso.

Acreditando que tinha confirmado as declarações do seu filho, S.N. Gaur retornou com Rakesh a Kankroli num ónibus tarde da noite.
Tinham ficado em Tonk mais ou menos seis horas.

Dois dias depois Bhanwar Lai visitou Rakesh na sua casa em Kankroli para estudar o caso por si.
Mais tarde naquele mês Rakesh também foi visitado pelo irmão mais velho de Bithal Das, filha, e genro.

Soubemos deste caso no dia 12 de novembro de 1976 durante nossa investigação de outros casos do tipo de reencarnação.

Um sócio em Jhalawar (Rajasthan oriental) deu-nos um artigo, do jornal de língua Hindi ‘Dainik Navjyoti’, de 17 de outubro de 1976, que descreveu em aproximadamente 400 palavras a visita de Rakesh a Tonk.

Porque este acontecimento tinha ocorrido há menos de um mês, começamos nossa investigação do caso tão rapidamente quanto podíamos.

No dia 15 de novembro de 1976, visitamos Tonk (já que apareceu primeiramente em nosso caminho de Jhalawar a Jaipur, onde previamente tínhamos planeado investigar outros casos).

Em Tonk entrevistamos três pessoas da família de Bithal Das, a saber seu filho Bhanwar Lai, sua viúva, Radha, e a irmã mais jovem de Radha, Ladha.

No dia 18 de novembro de 1976, chegamos em Kankroli e entrevistamos Rakesh e seus pais (nota 1).

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Out 29, 2012 9:50 pm

Continua...

Subsequentemente, em fevereiro de 1978, retornamos a ambos estes lugares e entrevistamos todos os informantes prévios (excepto Ladha) assim como alguns novos que conheciam o caso.

Em novembro de 1978, retornamos a Tonk, principalmente para entrevistar Chhittarji, que era uma testemunha chave no caso (não o tínhamos encontrado anteriormente);
mas também para encontrar empregados do correio e da Electricity Board que tinham estado presentes durante a primeira visita de Rakesh a Tonk ou quem teve conhecimento do cartão postal que S.N. Gaur tinha escrito à Electricity Board.

Além do mais, fomos a Bundi (a 110 quilómetros a leste de Tonk) para encontrar com o irmão mais velho de Bithal Das, Ram Bilas.

Em março de 1979, um de nós (S.K.P.) retornou a Tonk mais uma vez para verificar alguns dos itens que tínhamos listado previamente e entrevistar alguns novos informantes.

Ao todo, conduzimos 36 entrevistas com 24 informantes.
Duas pessoas foram entrevistadas quatro vezes, seis foram entrevistadas duas vezes, e 16 foram entrevistadas uma vez.

Além de onze membros e cinco amigos das duas famílias em questão, entrevistamos oito informantes que não eram directamente relacionados à família de Rakesh ou à de do Bithal Das mas que testemunharam às declarações e reconhecimentos que Rakesh fez durante sua primeira visita a Tonk.

Vida e Morte de Bithal Das

Bithal Das nasceu em Tonk em aproximadamente 1922, uma das cinco crianças na sua família.
De 1937 a 1942, quando estava entre as idades de 15 e 20 anos, residiu em Bombay com Ram Bilas e trabalhou como um carpinteiro e chofer.

Em 1942 retornou a Tonk, onde abriu uma oficina pequena de carpintaria com Ram Bilas na divisão de Kali Paltan.

Este empreendimento durou cinco anos, até 1947, quando Bithal Das se mudou à pequena cidade de Bundi e abriu outra oficina de carpintaria aí.

Em 1950 Bithal Das retornou a Tonk se queixando de ‘fraqueza’, dizendo que seu médico tinha aconselhado-o descansar.

Bithal Das casou ainda um jovem a Radha, uma menina local que também tinha crescido numa família de ‘sutar’ (carpinteiro).
Tiveram cinco crianças, das quais dois filhos e duas filhas viveram além da infância.

Todas as crianças nasceram em Tonk, a mais velha, Bhanwar Lai, tendo nascida em 1942, pouco depois Bithal Das retornou a Tonk de Bombay.

Nunca houve muitos carpinteiros em Tonk em anos recentes.

Na época do nascimento de Bithal Das, em aproximadamente 1922, havia aproximadamente de 40 a 50 famílias de carpinteiros, mas seu número caiu levemente, e havia só de 30 a 35 famílias de ‘sutar’ em 1978.

Bithal Das era a única família de ‘sutar’ residindo na divisão de Kali Paltan durante a década de 1970.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 30, 2012 10:30 pm

Continua...

Bithal Das foi descrito por um amigo como, “muito tranquilo, muito religioso, e um forte defensor do Partido do Congresso.
Era um mecânico bom mas uma pessoa pobre”.

De acordo com um parente de Bithal Das, “como um carpinteiro, suas habilidades eram boas entre as pessoas de Tonk mas economicamente ele não estava tão bem”.

Ficou interessado em trabalho elétrico (seu irmão mais velho chamava isto de ‘seu passatempo’) e fazia isto em particular.

Tinha feito algumas instalações eléctricas na casa da sua irmã ao redor da época do casamento dela.
(A família tinha ido assistir seu casamento no tempo da morte de Bithal Das).

Ele nunca foi empregado como um electricista, no entanto, e nunca trabalhou para o Departamento de Eletricidade.

Durante a estação chuvosa, no dia 15 de agosto de 1955, Bithal Das estava sozinho em casa.
Alguma água tinha se reunido no dreno e no pátio da casa.

Limpava o bloqueio com uma barra de ferro, que acidente tocou um fio eléctrico carregado com electricidade.
Bithal Das recebeu um choque e morreu instantaneamente.

O sacerdote brâmane da família foi chamado para oficiar na sua cremação, que foi assistida pelos membros masculinos da sua comunidade.
Tinha aproximadamente 34 anos quando morreu.

Factores Geográficos e Possíveis Ligações Entre as Duas Famílias Concernidas

Kankroli é um povoado grande no estado indiano norte de Rajasthan, localizado na Rodovia Nacional 1, a 60 quilómetros ao norte da cidade de Udaipur e 300 quilómetros a sudoeste de Jaipur, a capital do estado.

Tonk é uma pequena cidade com uma população de 70.000 localizada 80 quilómetros ao sul de Jaipur.
A distância em linha reta entre Kankroli e Tonk é de 225 quilômetros.

Não há nenhum câmbio regular de mercadoria nem de pessoas entre Kankroli e Tonk.

Nenhum informante indicou que houvesse qualquer tipo de contacto entre a família de Bithal Das e a família de Rakesh Gaur antes de Rakesh ter começado a falar sobre uma vida prévia.

S.N. Gaur, pai Rakesh, tinham ouvido de Tonk antes do seu filho ter falado de uma vida prévia, mas ele nunca tinha estado lá, não tinha quaisquer parentes aí, e nem sequer sabia exactamente onde ficava localizada.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 30, 2012 10:30 pm

Continua...

EXTRACTO DE TESTEMUNHO

Para apresentar este caso o mais autenticamente possível, logo daremos alguns extratos dos testemunhos que obtivemos.

Quase todo o extrato incluído nesta secção está exactamente como foi registado em nossas notas.

Nalguns exemplos, mudanças editoriais menores foram feitas para expressar as declarações em inglês mais idiomático sem mudar o significado de qualquer declaração.

Apresentamos o testemunho em ordem cronológica do desenvolvimento do caso, que não é necessariamente a ordem em que registramos as diferentes declarações.

As primeiras declarações de Rakesh

Em novembro de 1976, S.N. Gaur descreveu as primeiras declarações feitas por Rakesh que mais tarde foram entendidas se relacionarem a uma vida prévia:

Aproximadamente há cerca de dois ou um ano e meio, quando vivemos em Bhinder, Rakesh às vezes dizia, “pertenço a Tonk.
Sou um “sutar” (carpinteiro)”. Não prestamos qualquer atenção.

Durante a estação chuvosa, Rakesh costumava acordar à noite às vezes à 1 ou 2 da manhã.
Costumávamos perguntar-lhe o que era.
Ele não nos contou no começo.

Um dia insistimos, e ele disse, “chove tão forte aqui, e causa tanto estrago, tantas casas caem.
O que se fará de minhas crianças e minha esposa?
Minha casa foi feita de tijolo não queimado.”

Então começou a dar outros detalhes, incluindo o nome da sua vizinhança, Chhippa, e o próprio nome, Bithal Das.
Disse, “fui electrocutado.
Tive dois filhos. Tive uma esposa. Seu nome era Keshar.

Há um poço perto de minha casa chamado ‘bara kunwa’ (querendo dizer ‘poço grande’).
Costumávamos pegar água daí”.

Então contei-o que todos iríamos visitá-los.
Disse, “Não todos nós.

Éramos muito pobres e comíamos somente grãos de leguminosas.
Nunca comemos quaisquer verduras.

Se todos nós fôssemos, o que eles nos dariam comer?
Permaneceremos lá só por uma noite.
O papai, só dois de nós, você e eu, é que devemos ir.”

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 30, 2012 10:31 pm

Continua...

O reconhecimento de Chhittarji

Apesar da insistência do seu filho e o conselho de vários amigos para levar Rakesh a Tonk, S.N. Gaur não poderia ter tomado qualquer acção se não tivesse sido por uma reunião fortuita entre Rakesh e um motorista de ónibus de Tonk chamado Chhittarji.

Em novembro de 1978, Chhittarji descreveu esta reunião, que provavelmente ocorreu em junho ou julho de 1976:
Meu ónibus e três ou quatro outros foram a Ram Deora.

No caminho a Nath Dwara, com peregrinos de Tonk, parei em Kankroli e fiquei em uma loja quando esse rapaz reconheceu-me.

Todos os ónibus tinham ‘Tonk’ escrito neles, mas o rapaz não viu os ónibus.
Disse a seu pai, “Este é Chhittar”.

Eu não prestei qualquer atenção.
Então essa criança chamou-me e disse, “tenho duas crianças lá (em Tonk).

Uma é Bhanwar e a outra é Babu”.
Então essa criança pediu-me que fosse a sua casa com ele e disse, “vá e conte a minhas crianças.
Você não me reconheceu? Sou Bithal Das”.

Não prestei qualquer atenção.
Pensei que ele era uma criança e apenas falava como uma.

Então voltei a Tonk e dei a mensagem a seus filhos (Bithal Das) que há uma criança em Kankroli que diz, “sou Bithal Da”.

Não prestaram qualquer atenção nisso.
Então recebi uma carta (de facto um cartão postal que S.N.Gaur tinha escrito mais tarde; vide abaixo) e deu a carta aos filhos de Bithal Das.

A esposa e filho mais velho de Bithal Das narraram para nós uma versão diferente deste reconhecimento.
Mas o relato deles é de segunda mão e deve ser visto nessa perspectiva.

De acordo com eles, Chhittarji contou-lhes que alguns lojistas em Kankroli, vendo que seu ónibus era de Tonk, perguntaram, “Há uma criança aqui que diz, “sou de Tonk e fui electrocutado.

Tive duas crianças”.
Há qualquer pessoa assim em Tonk?”

O pai de Rakesh então chamou Chhittarji ao correio e perguntou a Rakesh, “Você o reconhece”? Rakesh respondeu, “Sim, ensinei-o a dirigir”.

Embora estas registos do encontro de Rakesh com Chhittarji sejam diferentes, eles não são necessariamente incompatíveis.
O pai do Rakesh também poderia ter chamado Chhittarji para encontrar Rakesh no correio.

Seja como for, o facto permanece que Bithal Das tinha, de acordo com Chhittarji, ensinado-o tanto carpintaria quanto direcção.

Chhittarji, que era aproximadamente seis anos mais jovem que Bithal Das, tinha vivido com ele e estava presente na vizinhança no tempo da sua morte.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 31, 2012 10:41 pm

Continua...

S.N. Gaur escreveu a Chhittarji solicitando-o que verificasse o que o seu filho tinha dito.
Não contente com isto, fez um segundo esforço confirmar as declarações do seu filho por correspondência.

Porque Rakesh tinha conversado sobre ser electrocutado enquanto instalava um poste, S.N. Gaur escreveu um cartão postal à Rajasthan State Electricity Board em Tonk perguntando se um carpinteiro tinha sido electrocutado.

O cartão postal foi mostrado a dois balconistas chamados Phool Chand e Bhol Chand que procuraram os registos mas não acharam nenhum empregado da Board que foi electrocutado.

Infelizmente, o cartão postal foi jogado fora.

Phool Chand insistiu, quando o entrevistamos em novembro de 1978, que o nome de Bithal Das havia sido dado no cartão postal e que empregados da Electricity Board souberam da sua morte mas que já que ele não tinha sido empregado da Board, não havia nenhum registo oficial de sua electrocutação nos arquivos departamentais.

Bhol Chand lembrou o cartão postal e disse que incluía o nome da pessoa inquirida mas que ele não podia lembrar-se do nome.

Primeira visita de Rakesh a Tonk

Desde que S.N. Gaur não recebeu nenhuma resposta a qualquer uma das suas comunicações, ele decidiu levar Rakesh a Tonk para confirmar sua afirmação do filho que numa vida prévia que ele tinha vivido lá.

Esta visita, que aconteceu no dia 16-17 de outubro de 1976, durou só mais ou menos seis horas, de 7:30 da tarde a 1:30 da manhã.

Num esforço para reconstruir o curso preciso de acontecimentos durante esta breve visita, entrevistamos seis informantes demoradamente:
O pai de Rakesh, a viúva e filho de Bithal Das, dois empregados postais seniores (B.K. Bhatnagar e H.P. Sharma) que estavam em Tonk no tempo da visita, e um contador (Mahi Lai) no correio.

Estes três empregados postais acompanharam Rakesh durante um passeio pela cidade.
Todos os informantes, com a excepção de Mahi Lai, substancialmente concordam em seu relato da visita.

Portanto, damos o testemunho de S.N. Gaur, que estava com Rakesh por toda a visita, e de Mahi Lai, que deu uma descrição diferente dos acontecimentos.

Também incluímos um curto extracto do testemunho de H.P. Sharma, agente postal assistente, que disse que tinha testemunhado os acontecimentos durante esta visita que levaram à identificação de Das Bithal.

Em novembro de 1976, um mês depois da visita, S.N. Gaur descreveu-o como segue:
Quando o ónibus entrou em Tonk, havia um poste eléctrico pela estrada.
Rakesh imediatamente disse, “Papai, este foi o poste onde ocorreu-me um acidente”.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 31, 2012 10:41 pm

Continua...

Então recebi alguma confirmação que eu seguramente saberia a verdade aqui.
Pensei, vamos ao correio.
Chegamos lá aproximadamente às 7:30 da tarde e dissemos aos funcionários que Rakesh se diz fulano.

Levamos um carteiro connosco a quem pensamos que nos ajudaria em localizar a casa.
Bem, Rakesh dizia que estava com 35 anos quando morreu.

Perguntei-o, “há quanto tempo”?
Respondeu, “eu não sei, mas tinha 35 anos quando morri”.

Não pudemos localizar a casa.
Rakesh disse, “posso chegar à minha casa”, e começou a andar à nossa frente.

Depois de um momento algo foi mal com as luzes.
Então pensei que já que não estávamos com pressa, tentaríamos de manhã.

Uma grande multidão tinha se reunido por então.
Alguém na multidão disse, “sei de uma família de ‘sutars’ (carpinteiros) onde um homem morreu aos 35 anos de idade.

Se deseja posso chamar a família”.
Nesse meio tempo alguém da multidão informou a esposa de Bithal Das.

Duas senhoras vinham juntas, e Rakesh imediatamente apontou à sua esposa entre as outras senhoras, dizendo, “é a minha esposa”.

A multidão tinha tornado-se tão grossa que estava impossível conversar aí.
Então dissemos às senhoras para virem ao correio.

Mas quando alcançamos o correio, este estava ainda mais lotado.
Rakesh tornou-se nervoso e fiquei preocupado que caísse doente.

Então dispersamos a multidão, falando-lhes que conversaríamos de manhã.
O que o pessoal de correio quis saber de Rakesh, eles perguntaram.

Eu não podia deixá-lo sozinho.
Então fomos jantar no lar do Inspector.
Quando retornamos ao correio, era 11:30 da tarde.

A multidão ainda estava se reunindo e tornou-se uma situação difícil.
Todos nós no correio concordamos que tínhamos achado (verificado) tudo o que Rakesh tinha dito.

O que mais queríamos saber?
Eu quis só confirmar esse tanto.
Então voltamos (a Kankroli).

Mahi Lai, um contador no correio, deu, em fevereiro de 1978, o seguinte relato dos acontecimentos da visita:

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 31, 2012 10:41 pm

Continua...

No correio aqui, alguém perguntou, “Você seria capaz de reconhecer a casa”?
O rapaz disse, “Eu era guarda-fios na casa de força eléctrica.
Morri em consequência de choque eléctrico”.


A casta do guarda-fios era ‘khati’ (equivalente a ‘sutar’).
O pessoal do correio foi perguntado se houve tal morte nessa área.

Um dos carteiros disse, “Sim, houve tal morte de 20 a 25 anos atrás.

Ao redor de 6:30 da tarde, alguns membros da equipe e o menino partiram em direcção à casa.
Primeiro ele levou-nos numa alameda errada.

Quando alcançamos a casa correcta, foi-nos dito que tinham mudado-se.
Continuamos perguntando ao longo do caminho.

Quando ele foi levado ao local onde esse homem (Bithal Das) tinha morrido, mesmo então ele não pôde reconhecer o lugar.

Alguém nos disse que na vizinhança de Kafala havia um “khati” que morreu como aquele.
Quando se vem de Old Tonk na Estrada de Jaipur, há um poste eléctrico.

Vendo este poste, ele disse, “morri quando reparava esse poste.”
Seu pai disse que em casa o menino fala que ele morreu electrocutado.

Depois disso, ele foi levado à vizinhança de Kafala.
Não alcançamos a casa, e trouxemos a criança de volta (ao correio).

Enviamos palavra que a esposa de Bithal Das devia vir ao correio [We sent word that the wife of Bithal Das should come to the post office].
O rapaz foi perguntado, “Você a reconhece?.”
Ele não disse nada.

Apenas virou seu rosto para longe dela. H.P. Bhatnagar perguntou, “é ela sua esposa?”
Então o rapaz disse, “Sim.” Depois disso ela partiu.

A criança tornou-se nervosa.
O agente postal aconselhou que eles não permanecessem em Tonk porque a multidão estava crescendo muito.

Eles partiram à noite no ónibus por volta das 2 da manhã.
O rapaz nunca disse qual era o seu nome, só que era carpinteiro com dois filhos e tinha morrido num poste eléctrico.

A contradicção era que o rapaz disse que tinha morrido num poste, mas a morte tinha ocorrido em casa.
Reconheceu o poste assim como a casa - essa é a contradicção.

Disse que ele teve duas crianças, e isso era correcto (nota 2).

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Nov 01, 2012 10:31 pm

Continua...

Em fevereiro de 1978, H.P. Sharma, agente postal assistente, deu seu relato como se segue:
Oito ou nove do pessoal do correio e vários outros transeuntes acompanharam o rapaz.
Ele guiava-nos, e nós o seguimos.

Estava escuro por então, mas o rapaz continuou a entrar nas ruas de Old Tonk.
Repentinamente o rapaz parou e nos contou que vivia na proximidade dessa rua, mas não era possível para ele localizar exactamente a casa.

Os vizinhos foram contactados, mas nenhum podia recordar uma pessoa que correspondesse com as declarações do rapaz.
Então um carpinteiro idoso disse, “Certamente, houve uma pessoa desse nome que trabalhava na Electricity Board que morreu de choque elétrico.”

A família do carpinteiro morto tinha se mudado para New Tonk, e prosseguimos, seguindo o rapaz, a New Tonk e chegamos à casa do carpinteiro e encontramos a sua esposa, chamada Keshar (nota 3), e seus dois filhos.

A primeira visita pela família de Bithal Das

Bhanwar Lai, filho mais velho de Bithal Das, foi o primeiro na sua família tanto a ouvir quanto a ver Rakesh, e ele foi o primeiro a visitar Kankroli, dois dias depois de Rakesh retornar de Tonk.

Um mês mais tarde, em novembro de 1976, descreveu sua visita:
Quando eu primeiramente cheguei a Kankroli, a criança (Rakesh) forneceu o passado inteiramente errado (anota 4).

Disse que seu nome era Arun, que tinha vivido em Tonk, havia sido electrocutado, e teve dois filhos.
Ele não mencionou filhas.

Fiz-lhe duas perguntas.

Perguntei, “Como você morreu”?
Ele disse, “Quando morri não havia ninguém em casa. Tinha 1500 rúpias em casa”.
Isso era correcto.

Minha segunda pergunta era sobre a casa.
Perguntei, “Como era a sua casa”?

Tinha em mente que ele diria ‘kachcha’ (feito de tijolo não queimado) ou ‘pukka’ (construído de tijolo assado), mas deu a situação inteira.
(Isso é, Rakesh descreveu detalhes da casa espontaneamente).

Disse, “Fora de minha casa há um poste eléctrico.
Depois disso há um poço, então um portão, e então um mercado”.

Agora o poço estava cheio [Now the well has been filled].
Disse, “há quatro quartos na casa”.
Isto é correcto.

Disse, “tive um quarto para mim que estava sendo pintado de verde.
O quarto tinha duas portas.
Havia duas janelas com quatro vidraças oscilantes.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Nov 01, 2012 10:31 pm

Continua...

Na mesa central haviam 1500 rúpias”.
Todo isto era correcto.

A terceira coisa que ele disse espontaneamente.
Disse, “Quando vivi em Bombay eu costumava pagar ‘sarees’ (vestidos) verdes para sua mãe.

Você deve confirmar isto com sua mãe.
Costumava comer ‘urad’ (um tipo de grão).

Esta visita, embora tenha durado só mais ou menos quatro horas, foi suficiente para convencer Bhanwar Lai que Rakesh era a reencarnação do seu pai, e ele retornou a Tonk para contar a sua família sobre isto.

Comportamento e desenvolvimento posterior de Rakesh

Nos dois anos seguintes à sua primeira visita a Tonk, as famílias de Rakesh e de Bithal Das estabeleceram estreitos laços cerimoniais por uma troca de visitas.

O relacionamento entre as famílias cresceu em três etapas.

Durante o mês seguinte à viagem Rakesh a Tonk, ele foi visitado em Kankroli por Bhanwar Lai, o filho mais velho de Bithal Das, pelo irmão mais velho de Bhital Das, e por uma filha e genro de Bithal Das.

Estas visitas eram principalmente feitas fora da curiosidade para saber os factos [These visits were mainly made out of curiosity to know the facts], todas duraram menos que um dia, e nenhuma destas pessoas permaneceu com a família de Gaur durante a noite.

Cinco meses mais tarde, durante abril-maio de 1977, Bhanwar Lai escoltou Rakesh e seu pai ao casamento em Bundi da neta de Bhital Das.

Todas estas reuniões foram caracterizadas por crescente convicção da parte dos participantes que Bhital Das tinha renascido como Rakesh.

O caso rapidamente tornou-se uma sensação menor na imprensa indiana.

Poderes extraordinários de clarividência e precognição começaram a ser descritos a Rakesh, e ele foi tratado como uma criança especial, um desenvolvimento que ocasionalmente ocorre em casos deste tipo (nota 5).

DISCUSSÃO

Como revisamos os dados deste caso e discutimo-o entre nós e com outras pessoas, sentimos que embora concordemos quanto aos itens principais de testemunho a serem avaliados, discordamos concernente ao peso a ser dado a alguns destes itens.

Isto levou-nos a preferir interpretações diferentes do caso, e diferimos nestes tanto que pensamos ser melhor escrever partes desta discussão separadamente.

Antes de vir a nossas interpretações diferentes do caso resumiremos certas características do caso sobre as quais estamos de acordo.

Ambos acreditamos que os informantes são todas pessoas fundamentalmente honestas que não tentaram nos enganar;
quaisquer erros que fizeram atribuímos a memórias defeituosas e a vieses inconscientes em observar e informar os acontecimentos que eles testemunharam.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Nov 01, 2012 10:31 pm

Continua...

Mais ainda, também acreditamos que as famílias de Rakesh e Bithal Das não tinham tido nenhum contato, directo ou indirecto, antes de Rakesh ter encontrado Chhittarji.
Rakesh nunca tinha estado em Tonk antes de encontrar Chhittarji.

Interpretação por D.R.B.

A maior restrição na interpretação deste caso é que não foram feitos registos escritos foi das declarações de Rakesh sobre uma vida prévia;
o único documento escrito antes da sua primeira visita a Tonk, os cartões postais do seu pai, foram perdidos.

Uma reconstrução autêntica do caso portanto depende inteiramente da capacidade de nossos informantes de observar, lembrar, e informar os acontecimentos como eles realmente ocorreram e em nossa capacidade de extrair e exatamente registrar suas memórias.

Os informantes variaram largamente em educação, inteligência, capacidade para expressão verbal, e envolvimento emotivo no caso.

Sem excepção, os onze membros das famílias de Rakesh e de Bithal Das que entrevistamos tiveram um investimento emotivo profundo em seu entendimento de Rakesh como a reencarnação de Bithal Das.

Dos informantes restantes, todos com excepção de um pareceram acreditar fortemente que este era um caso de recordação de uma vida prévia.
Os membros da família de Bithal Das veneram Rakesh.

O pai de Rakesh, o informante mais importante, pareceu ter uma atitude instável em direção a seu filho que inclui admiração, indiferença, aborrecimento no custo e inconveniência dos numerosos inquéritos que o caso gerou, e orgulho.

Observamos que pareceu ter uma tendência a exagerar levemente.

A característica mais chamativa do testemunho neste caso é que há um grande número de discrepâncias e contradições em descrições dos informantes de acontecimentos levando até a identificação de Bithal Das como a pessoa cuja vida Rakesh descrevia, mas não há quase nenhuma discrepância no testemunho concernente aos acontecimentos seguintes à primeira visita de Rakesh a Tonk.

O acordo entre informantes é relativamente baixo concernente aos factos das etapas anteriores do caso, mas quase unânime concernente aos acontecimentos posteriores.

Esta característica do testemunho não pode ser atribuída ao intervalo entre o tempo dos acontecimentos e o seu relatório.

É em vez disso uma reflexão, a meu ver, das incertezas, equívocos, e confusão que cercaram as declarações iniciais de Rakesh e a visita a Tonk.

A transição rápida de altamente discrepante a testemunho quase unânime iguala o grau de exatidão das declarações sobre sua vida prévia e os factos de vida de Bithal Das.

Durante e depois do câmbio de visitas seguintes à primeira visita a Tonk, no entanto, ninguém relatou que Rakesh tinha feito declarações incorrectas;
cada declaração e reconhecimento, sem excepção, foi dito terem sido correctos.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Nov 02, 2012 10:48 pm

Continua...

Com estas observações gerais nas características do testemunho como um retrospecto, primeiramente revisarei essas declarações que unanimemente são atribuídas a Rakesh e que correspondem aos factos da vida de Bithal Das.

Então resumirei-me-ei àquelas características do caso que são disputadas por um ou mais informantes e/ou não correspondem a Bithal Das. Finalmente, tocarei nas declarações e reconhecimentos feitos por Rakesh depois que conseguiu acesso a conhecimento normal da vida de Bithal Das.

Todos os informantes concordaram que Rakesh disse que três coisas que correspondiam à vida de Bithal Das:
(a) Ele tinha pertencido à casta de carpinteiro,

(b) tinha vivido em Tonk, e

(c) foi electrocutado. Mais ainda, está claro que Rakesh, durante sua primeira reunião com Chhittarji, disse suficientemente sobre suas memórias da vida prévia para Chhittarji contar à família de Bithal Das que Bithal Das tinha renascido em Krankoli.[i]

Chhittarji disse que Rakesh reconheceu-o espontaneamente, dizendo, [i]“Conheço este homem, ensinei-o a dirigir.”


O ponto mais sério de discórdia entre os informantes é se Rakesh realmente disse que ele se chamava Bithal Das.

Três informantes importantes, incluindo o pai de Rakesh, insistiram que tinha.
Três outros informantes importantes, incluindo o filho de Bithal Das, disse que não.

Os acontecimentos da primeira visita a Tonk sugerem a mim que Rakesh não tinha dado o nome de Bithal Das antes de ir a Tonk.
Ele e seu pai gastaram mais ou menos seis horas vasculhando Tonk por sua casa na vida prévia.

Parece a mim extremamente improvável que o rapaz teria sido pedido a fazer isto se o nome de Bithal Das estivesse unido a suas outras declarações do momento de sua chegada;
o agente postal simplesmente teria enviado alguém pelos 500 metros até a casa de Bithal Das para dizer a um membro da sua família para vir imediatamente.

Isto é o que eventualmente aconteceu, mas somente horas mais tarde, depois que uma pessoa idosa na grande multidão pensou em Bithal Das, foi que a esposa então foi trazida ao correio.

O testemunho neste caso indica claramente que Rakesh fez algumas declarações e ‘reconhecimentos’ que não corresponderam à vida de Bithal Das.

Rakesh disse que sua esposa na sua vida prévia se chamava Keshar; a esposa de Bithal Das se chamava Radha, cognome Mallo.

Rakesh disse que ele tinha vivido na vizinhança de Chhippa de Old Tonk; Bithal Das viveu na vizinhança de Kali Paltan de New Tonk.

Rakesh disse que sua casa foi construída de tijolo não queimado e que não era eletrificada;
Bithal Das viveu numa casa de tijolo assado que era servida por electricidade.

Foi na sua própria casa, aliás, que ele foi electrocutado.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Nov 02, 2012 10:49 pm

Continua...

Rakesh ‘reconheceu’ como o local da sua morte um poste eléctrico que está localizado aproximadamente a 2 quilómetros do lar de Bithal Das, e ele ‘reconheceu’ o próprio lar numa vizinhança inteiramente diferente da de Bithal Das.

Na luz destas discrepâncias, o testemunho de Bhanwar Lai, filho de Bithal Das, é particularmente importante.

De acordo com ele, Rakesh descreveu sua casa na vida prévia exactamente e em grande detalhe quando Bhanwar Lai visitou-o em Kankroli dois dias depois da primeira visita de Rakesh a Tonk.

As disparidades entre a vida prévia lembrada por Rakesh e a vida de Bithal Das vão além das diferenças específicas notadas aqui.

Rakesh parece ter falado sobre um indivíduo extremamente pobre antes da sua visita a Tonk.

Foi até pedir a sua mãe e irmãos não acompanhá-lo e a seu pai a Tonk porque, “éramos muito pobres e comíamos somente grãos.
Nunca comemos quaisquer verduras. Se todos nós fôssemos, o que eles nos dariam para comer”?


Esta expressão de pobreza era coerente com seus temores anteriores que sua casa de tijolo não queimado cairia nas chuvas de monção. Bithal Das, no entanto, tinha conseguido sair deste nível de pobreza, e nos últimos anos da sua vida ele era um chefe de família urbano de classe média baixa com uma casa de tijolo e um acúmulo significativo de metal precioso.

Interpreto o caso de Rakesh Gaur em grande parte como um produto da psicologia social indiana e a crença comum na possibilidade de lembrar de uma vida prévia.

Como reconstruo este caso, Rakesh quando uma criança jovem repetidamente fez algumas declarações gerais sobre uma ‘vida prévia’.

Foi levado a Tonk para ‘confirmar’ estas declarações guiando seu pai à família da sua vida prévia.

Ele não pode fazer isto porque muitas das suas declarações e reconhecimentos não corresponderam a ninguém que se saiba ter existido.

Depois de duas ou três horas de procura, uma grande multidão se reuniu.

Uma pessoa na multidão pensou em Bithal Das, um homem que se encaixava o suficiente nas declarações de Rakesh para satisfazer quase todo o mundo que Rakesh tinha falado sobre este homem bem desde o início.

Desde esse momento Rakesh foi fornecido com dicas abundantes quanto ao comportamento apropriado, e Rakesh, uma criança observadora incomumente inteligente, rapidamente aprendeu a tornar-se Bithal Das.

Igualmente importante, todo o mundo que pessoalmente foi envolvido no caso ficou convencido que Rakesh realmente era Bithal Das, e eles o trataram assim.

Por consequência, todas as pessoas directamente envolvidas com Bithal Das e Rakesh rapidamente criaram uma realidade que está profundamente enraizada na psicologia indiana.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Nov 02, 2012 10:49 pm

Continua...

Rakesh tornou-se a reencarnação de Bithal Das porque ele se identificou plenamente com a vida de Bithal Das e porque outras pessoas apoiaram-no e o recompensaram nesta identificação.

Embora a psicologia social ‘ortodoxa’ forneça, a meu ver, uma estrutura adequada para entender as características do testemunho notado acima e o processo pelo qual Rakesh veio a ser identificado como a reencarnação de Bithal Das, resta ao menos uma declaração atribuída a Rakesh que não parece ter uma explicação normal.

Esta é o seu reconhecimento do motorista de ónibus Chhittarji.

Embora não possamos reconstruir seu encontro com certeza, está claro que Rakesh disse o suficiente a Chhittarji sobre sua vida anterior para Chhittarji ter contado à família de Bithal Das que Bithal Das tinha renascido em Kankroli.

Três membros da família de Bithal Das confirmaram isto.

Além do mais, o comportamento de Chhittarji resultou de apenas um curto encontro (talvez dez minutos) com Rakesh, período durante o qual Rakesh de algum modo contou-lhe o bastante para identificar Bithal Das especificamente.

A garantia de Stevenson da existência de casos do tipo de reencarnação em certas partes da Índia é parcialmente correta.

As características de caso de Rakesh Gaur são muito semelhantes àqueles casos em que ele informa como exemplos prováveis de memórias de vidas prévias.

Esses leitores familiares com os detalhados relatórios de caso de Stevenson quase certamente sentirão que Rakesh Gaur é outro indivíduo de um ‘caso do tipo reencarnação’, ao menos do ponto de vista da antropologia social.

Embora eu não interprete este caso particular como evidência que uma vida prévia pode ser lembrada, há no caso ao menos um exemplo do que talvez seja conhecimento paranormal da parte de Rakesh.

Reconstruções retrospectivas de acontecimentos complexos, exemplificadas neste relatório de caso, serão transformadas e fortalecidas imensamente por métodos potenciais.

Espero que enquanto a importância destes casos é percebida por cientistas, investigações qualificadas podem começar antes das duas famílias se encontrarem.

Tivéssemos sido capazes de acompanhar Rakesh durante sua primeira visita a Tonk, poderíamos ter adquirido evidência mais forte que a reencarnação realmente ocorre.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Casos de Reencarnação

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 35 Anterior  1, 2, 3 ... 18 ... 35  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum