Críticas aos “Cépticos”

Página 1 de 11 1, 2, 3 ... 9, 10, 11  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 07, 2013 9:26 pm

Dean Radin

O director do Laboratório de Pesquisa de Consciência na Universidade de Nevada, Las Vegas, Dean Radin, Ph.D., realizou as mais recentes pesquisas parapsicológicas para EM&T, Contel, o departamento de Princeton da psicologia, a Universidade de Edimburgo, SRI Internacional, e o governo dos EUA.

Um Guia de Campo para o Cepticismo
- Dean Radin Ph.D –

Sou atacado por duas seitas muito opostas – pelos cientistas e por aqueles que não sabem de nada.
Ambos riem em mim – chamando-me “o mestre de dança das rãs.”
Mas sei que descobri uma das maiores forças da natureza.

Luigi Galvani, médico italiano (1737-1798)

ESTE CAPÍTULO não argumenta contra o cepticismo.

Pelo contrário, demonstra que pensamento crítico é uma espada de dois gumes:
deve ser aplicado a qualquer alegação, incluindo as alegações de cépticos.

Veremos que muitos dos argumentos cépticos comummente atribuídos às experiências de psi foram motivados por factores não científicos, tais como arrogância, advocacia e ideologia.

O facto é que muito do que os cientistas sabem – ou pensam que sabem – sobre psi foi misturado com argumentos promovidos por entusiastas pouco críticos de um lado, e cépticos pouco críticos do outro.

A história mostra que extremistas, apesar da força de suas condenações, estão raramente certos.

Então, todos os cientistas que informam evidências positivas para psi são ingénuos ou picaretas? Não.

São todos cépticos que negam intolerantes? Não.

A crença em psi justifica que anjos da galáxia de Andrómeda estão entre nós? Não.

Dúvida

Há dois meios de ser enganado.
Um é acreditar no que não é verdadeiro;
o outro é recusar a acreditar no que é verdadeiro.

Søren Kierkegaard (1813-1855)

A Necessidade da Dúvida

O cepticismo, querendo dizer dúvida, é uma das marcas da abordagem científica.

O cepticismo afia o pensamento crítico exigido para separar o joio do trigo, e obriga que qualquer ideia passe por métodos experimentais e medições, enfim, crivos extremamente bons antes de serem aceitas na “visão científica do mundo”.

Um pensamento crítico pequeno aplicado a muitas das alegações dos devotos da New Age revela por que muitos cientistas são duvidosos de fenómenos psi.

A ciência exige quantidades substanciais de repetições, evidência fidedigna antes de considerar seriamente alegações de efeitos inesperados.

Dependendo da alegação, fornecer evidência suficiente pode levar anos, décadas, ou meio século de esmerado, detalhado trabalho.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 07, 2013 9:27 pm

Continua...

Saber como criar esta evidência exige muito tempo de treino e experiência em disciplinas convencionais como projecto experimental, análise e estatística.

Conduzir uma pesquisa em temas controversos como psi exige tudo isto mais uma apreciação para dinâmicas interpessoais, política, estética, filosofia, e física, combinadas com clareza intelectual e um veio criativo forte para ajudar a romper os limite do pensamento convencional.

Colocada em perspectiva, a ciência aparece como um processo analítico, imparcial, lógico.

Isto é verdadeiro às vezes, mas é também um campo de batalha emotivo, asperamente hostil, na hora de avaliar alegações incomuns.

O processo de ganhar aceitação para efeitos que facilmente não são acomodadas por teorias dominantes toma uma quantidade enorme de energia e persistência.

Isto é por que a maioria dos cientistas e pesquisadores de psi fazem caretas semelhantes quando lêem em anúncios, “O incrivelmente milagroso cristal azul, achado em baixo de uma antiga pirâmide Maia, foi provado por pesquisadores de linha aliviar dores de cabeça e aumentar os poderes psíquicos, e está agora disponível por um tempo limitado por somente $129.95!”

A alegação sobre um cristal azul não é o problema.

Afinal de contas, se alguém fosse reivindicar que um pedaço bolorento de pão pode curar todos tipos de doenças horríveis, ele seria chamado de charlatão, a menos que o bolor se chamasse penicilina.

O problema com muitas das alegações populares relacionadas a psi, especialmente alegações para produtos relacionados à saúde e inventos, é que não toma muito cavando para descobrir que a evidência científica para a alegação ou é inteiramente ausente, fabricada ou baseada unicamente sobre anedotas e testemunhos.

O Perigo da Dúvida Pouco Crítica

Uma coisa é não ver a floresta para só ver as árvores, mas então prosseguir em negar a realidade da floresta é uma questão mais séria.
Paul Weiss

No entanto, a mesma mentalidade científica que prospera em alta precisão e pensamento crítico é também extremamente competente na formação de racionalizações espertas que entram no caminho do progresso.

Em casos extremos, estas racionalizações impedem a ocorrência da pesquisa de psi totalmente.

Ironicamente, os mesmíssimos cépticos que tentaram impedir a pesquisa de psi pelo uso da retórica e zombaria também foram os responsáveis em perpetuar os muitos mitos populares associados com fenómenos mediúnicos.

Se os cientistas sérios são prevenidos de investigar as alegações de psi com medo que isso abale suas reputações, então quem é que vai conduzir estas investigações?

Os cépticos extremos?

Não, porque o facto é que a maioria dos extremistas não conduz a pesquisa, eles especializam-se em criticismos.

Crentes extremos?
Não, porque eles normalmente não estão interessados em conduzir estudos científicos rigorosos.

É importante manter em mente a palavra “extremo”.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 07, 2013 9:27 pm

Continua...

A maioria dos cientistas seriamente interessados em psi é muito mais céptica sobre as alegações de fenómenos psíquicos do que a maioria de pessoas compreendem.

Os cientistas que estudam fenómenos psi rangem os seus dentes de noite porque a televisão retrata previsivelmente os pesquisadores de psi como estranhos “investigadores paranormais” com credenciais duvidosas.

Os pesquisadores de psi se encolhem ao ver a palavra “parapsicólogo” usada no telefone das páginas amarelas para listar leitores psíquicos.

E infelizmente, porque a única coisa que a maioria de pessoas sabem sobre parapsicologia é sua associação popular com “investigadores” crédulos e psíquicos super-entusiastas, é compreensível por que alguns cépticos tomaram posições combativas para lutar contra o que eles vêem como marés ascendentes de bobagem.

Este livro pretende ajudar a ilustrar que os estereótipos comuns sobre pesquisa de psi são super simplistas no melhor dos casos, e em muitos casos, eles estão apenas claramente errados.

Como um exemplo de “apenas claramente errado,” aqui está um estereótipo que tantos cientistas da corrente principal simplesmente aceitaram como sabedoria convencional.

Como o filósofo Paul Churchland coloca,

“Apesar dos pronunciamentos intermináveis e anedotas na imprensa popular, e apesar de um fio constante de pesquisa séria em tais coisas, não há evidência significativa ou fidedigna que tais fenómenos sequer existam.

A larga lacuna entre a crença popular nesta questão, e a evidência real, é algo que por si mesmo pede uma pesquisa.

Porque não há um único efeito parapsicológico que pode ser repetida ou confiantemente produzido em qualquer laboratório convenientemente equipado para executar e controlar a experiência.

Nem ao menos um.”

Errado. Como vimos, existem uma meia-dúzia de efeitos de psi que foram duplicado centenas de vezes em laboratórios ao redor do mundo.

Como outro exemplo, a sabedoria convencional frequentemente supõe que mágicos e prestidigitadores profissionais “sabem mais” do que aceitar que alguns fenómenos psíquicos são reais.

Aliás, como o parapsicólogo George Hansen escreveu,

“Embora o público tenda a ver mágicos como desmistificadores, o contrário é mais o caso.

Birdsell (1989) sondou um grupo de mágicos e descobriu que 82% deu uma resposta positiva à questão da crença em ESP.

Truzzi (1983) anotou uma votação de mágicos alemães que descobriu que 72,3% pensavam que psi era provavelmente real.

Muitos mágicos proeminentes expressaram uma crença em fenómenos psíquicos...
É simplesmente um mito que mágicos sejam predominantemente cépticos sobre a existência de psi.”

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 08, 2013 10:01 pm

Continua...

O Cepticismo sobre o Cepticismo

Porque é necessário gastar qualquer tempo em absoluto nas críticas da pesquisa de psi quando simplesmente podemos nos referir aos capítulos anteriores para demonstrar que há efeitos experimentais válidos à procura de respostas?

Uma resposta é que muito poucos estão cientes que os argumentos cépticos padrões foram esmiuçados nos mínimos detalhes, e que eles não mais se sustentam.

Outra é que as tácticas dos cépticos extremos foram mais que meramente irritantes.

Os cépticos profissionais agrediam ao público rotulando a parapsicologia como uma “pseudo-ciência”, implicando em fraude ou incompetência da parte dos pesquisadores, foi instrumental em impedir que a pesquisa acontecesse absolutamente.

Num comentário no proeminente jornal “Nature”, o psicólogo céptico britânico de David Mark escreveu,

“A para-ciência tem todas as qualidades de um sistema mágico enquanto usar o manto de ciência.

Até que quaisquer descobertas significativas sejam feitas, a ciência justificadamente pode ignorá-la, mas é importante dizer por que:
a para-ciência é um sistema pseudo-científico de crenças não verificadas mergulhadas em ilusão, erro e fraude.”

Tais declarações são perniciosas porque descobertas significativas não ocorrem por si.

Tais declarações publicadas em jornais influentes tiveram fortes efeitos na capacidade dos cientistas de conduzir a pesquisa de psi.

Muitas agências de financiamento, tanto públicas quanto privadas, estiveram pouco dispostas a financiar estudos parapsicológicos porque temem que terão que associar-se com o que a sabedoria convencional declarou ser uma “pseudo-ciência.”

Felizmente, há excepções notáveis entre agências de financiamento que sabem que há uma diferença entre estereótipos populares e pesquisadores sérios.

O Cepticismo Hoje

A descoberta da verdade é impedida mais eficientemente, não pela aparência falsa das coisas presentes e que corrompem em erro, nem directamente pela fraqueza dos poderes de raciocínio, mas pela opinião preconcebida, por preconceito.
Arthur Schopenhauer, filósofo alemão (1788-1860)

Em 1993, o falecido parapsicólogo Charles Honorton da Universidade de Edimburgo considerou o que cépticos de experiências de psi costumavam alegar, e o que eles não mais alegavam.

Demonstrou que praticamente todos os argumentos cépticos que explicavam psi ao longo dos anos têm sido resolvidos pelos projectos das novas experiências.

Isto não quer dizer que as experiências conduzidas hoje são “perfeitas”, porque não há nada perfeito nas ciências empíricas.

Mas quer dizer que os métodos disponíveis hoje satisfazem os requisitos cépticos mais rigorosos para fornecer uma “evidência excepcional.”

Como vimos, tais experiências foram conduzidas, com resultados bem sucedidos.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 08, 2013 10:01 pm

Continua...

O Que os Cépticos Costumavam Alegar

Honorton assinalou que durante décadas muitas das afirmações céptica costumeiras eram que psi era impossível porque transgredia algumas leis físicas bem estabelecidas, ou porque os efeitos não eram repetíveis.

Era também fácil de alegar que quaisquer experiências bem sucedidas eram realmente devidas ao acaso ou à fraude.

Hoje, nenhum céptico informado alega mais que os resultados das experiências de psi são devidos ao mero acaso porque sabemos que alguns efeitos parapsicológicos são, para usar as palavras do psicólogo céptico Ray Hyman, “astronomicamente significativos.”

Esta concessão é importante porque muda o foco do debate da existência dos efeitos para a sua adequada interpretação.

A concessão também derruba as perguntas cépticas de longas décadas sobre a legitimidade da parapsicologia como uma ciência.

Declara, bem claramente, que os cépticos que continuam a repetir as mesmas afirmações velhas de que parapsicologia é uma pseudo-ciência, ou que não há nenhuma experiência repetível, não só está mal informado sobre o estado da parapsicologia mas também está mal informado sobre o estado actual de cepticismo!

Honorton então assinalou que nenhum céptico alega mais que haja quaisquer relacionamentos significativos entre os defeitos de projecto e os resultados experimentais.

Esta crítica outra vez foi baseada na premissa que psi não existia, assim quaisquer efeitos de psi observados em experiências devem ter sido devidos a experimentadores sujos, técnicas defeituosas ou medidas pobres.

A afirmação implicava que se um cientista executasse o adequado, o “perfeito” experimento de psi, todas as alegações para os efeitos de psi desapareceriam.
O argumento básico é defeituoso, naturalmente, porque todas medidas contêm algum erro.

Não obstante, a afirmação é testável por comparar resultados experimentais com avaliações de qualidade experimental.

Como vimos, as meta-análises descritas anteriormente mostraram que defeitos de projecto não podem explicar os índices cumulativos de sucessos em experiências de psi.

Os cépticos não estão ávidos para noticiar suas concessões recentes.
Com o passar de poucas décadas Ray Hyman e outros cépticos “profissionais” tentaram com grande criatividade e diligência explicar psi.

Tentaram demonstrar que as experiências não eram de todo realmente interessantes, e que todos os estudos aparentemente bem sucedidos eram devido a um ou outro defeito de projecto.

Tendo fracassado em ambas as contagens, os cépticos informados foram forçados a admitir que eles simplesmente ficaram sem explicações plausíveis.

Não é fácil mudar crenças fortemente arraigadas para sempre, mesmo quando há forte evidência que a crença está errada, então os cépticos publicamente proclamados não podem jamais admitir que psi em si é genuíno.

Não obstante, é importante realçar que o foco de hoje da controvérsia significativamente saiu das simples desqualificações do passado.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 08, 2013 10:02 pm

Continua...

O Que os Cépticos Agora Alegam

Porque não restou nenhuma explicação plausível para os resultados experimentais, hoje os poucos remanescentes cépticos ferrenhos refazem os mesmos velhos argumentos polémicos usados em décadas passadas.

A afirmação principal é a cansativa alegação que depois de 100 anos de pesquisa, a parapsicologia não conseguiu fornecer evidência convincente para os fenómenos de psi.

Este argumento segue uma certa lógica.

Os cépticos recusam a acreditar que as experiências de psi, as quais eles admitem com êxito demonstrarem algo, estejam de facto demonstrando psi por si.

Por teimosamente insistir que os resultados são reais e inexplicáveis por um lado, mas que esses resultados podem talvez não ser devidos a psi por outro, então naturalmente podem alegar que a parapsicologia é um fracasso.

Isto é como céptico que recusa a chamar um grupo de nove jogadores que ganha a Série Mundial de “uma equipe de beisebol.”

esse caso, o céptico simplesmente pode sorrir, dar de encolher e alegar obstinadamente que sim, as pessoas aparentemente correm depois de bolas que outras pessoas ocasionalmente batem com um bastão.

Mas ainda, que depois de 100 anos não há evidência sólida que algo chamado uma equipe de beisebol realmente exista.

Lembre-se que a maioria dos parapsicólogos não alega entender o que “psi” é.

Em vez disso, eles projectam experiências designadas a testar experiências que as pessoas informaram por toda a história.

Se provas rigorosas para o que nós chamamos “telepatia” resulta em efeitos que parecem-se, soam, e sente-se como as experiências informadas na realidade, então chame do que quiser, mas as experiências confirmam que esta experiência comum não é uma ilusão.

Outro meio de demonstrar a natureza puramente retórica do argumento do “século de fracasso” é ver se o mesmo argumento também se aplica à psicologia académica convencional.

Depois que uns cem anos e milhares de experiências, há ainda controvérsias vigorosas sobre tais fenómenos elementares como a consciência ciente, a memória, aprendizagem, e percepção.

Depois de uns cem anos, a psicologia nem mesmo produziu um modelo bruto de como os processos no cérebro são transformados em experiências cientes.

Se adoptarmos a argumentação dos cépticos, muitos dos quais são psicólogos, então a psicologia convencional é também um fracasso sombrio.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 09, 2013 10:25 pm

Continua...

Uma Controvérsia Incomum

Depois de ter exposto directamente e dissolver a posição céptica, Honorton então assinalou uma diferença importante entre a controvérsia sobre psi e os debates em disciplinas mais convencionais.

Debates bem científicos ocorrem dentro de grupos de pesquisadores que testam hipóteses, desenvolvem e criticam os métodos de outros pesquisadores, e juntam dados para testar suas hipóteses.

Isto é o procedimento normal de operação, como testemunhado por debates persistentes sobre dúzias de temas quentes em todas as disciplinas científicas.

O mesmo tipo de debate vigoroso é evidente nos jornais e nas reuniões anuais da Associação Parapsicológica, a sociedade profissional de cientistas e académicos interessados nos fenómenos psi.

No entanto, a controvérsia de psi é diferente em um aspecto importante.

A vasta maioria de cépticos frequentemente escreve sobre a plausibilidade de várias hipóteses alternativas, mas eles quase nunca testam suas ideias.

Este “comodismo” é especialmente verdade da geração actual de cépticos de psi, a vasta maioria dos quais não fez contribuições originais de pesquisa a este tema.

Seu raciocínio é simples:
Começa-se da posição que um efeito não pode existir, então por que desperdiçar tempo e dinheiro para realmente estudá-lo?

Faz mais sentido usar cada truque retórico no livro para convencer os outros que sua opinião é correcta, e que toda a evidência ao contrário é de algum modo defeituosa.

Isto pode parecer como uma estratégia perfeitamente razoável, mas não é ciência.
É muito mais próximo a um argumento baseado em fé, como uma posição religiosa.

O facto que a maioria dos cépticos não conduzem estudos contrários para provar suas alegações bem não é sabido.

Por exemplo, em 1983 o céptico bem conhecido Martin Gardner escreveu o seguinte:

“Como pode o público saber que por 50 anos os psicólogos cépticos têm se esforçado para replicar os fenómenos clássicos da psi, sem nenhum sucesso observado [sic]?

É este facto mais que qualquer outra coisa que tem ocasionado a estagnação perpétua da parapsicologia.

A evidência positiva continua vindo de um pequeno grupo de entusiastas, visto que a evidência negativa tem vindo de um grupo muito maior de cépticos “

Como Honorton coloca, “Gardner não tenta documentar esta afirmação, nem pode fazê-lo, é pura ficção.

Procure isto nas experiências dos cépticos e veja o que pode encontrar.”
Além do mais, não há um “grupo maior de cépticos.”


Há talvez de 10 a 15 cépticos que explicaram o vasto volume das críticas publicadas.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 09, 2013 10:25 pm

Continua...

Além do argumento do “século de fracasso”, alguns cépticos ainda teimosamente insistem que a parapsicologia não é um “ciência real.”

Como Ray Hyman escreveu,

“Toda a ciência excito a parapsicologia constrói sobre seus dados precedentes.
A base de dados se expande outra vez com cada geração e as investigações originais são ainda incluídas.

Na parapsicologia, a base de dados expande muito pouco porque as experiências antigas são rejeitadas continuamente e as novas tomam seu lugar”.

Isto não é verdadeiro, porque desse modo as meta-análises descritas neste livro não existiriam.

Como vimos, os primeiros testes de transferência de pensamento levaram aos testes de telepatia picture-drawing [figura-desenho].

Abundaram experiências de telepatia no estado de sonho, que mais tarde levaram às experiências ganzfeld.

Os testes com dados iniciaram os experimentos com RNG.

Todas estas variações experimentais os pesquisadores desenvolveram para avaliarem as críticas e os resultados experimentais prévios e para refinarem seus projectos de testes e teorias.

Naturalmente, alguns cépticos fizeram contribuições importantes ao desenvolvimento de evidência progressivamente mais forte por sistematicamente estarem esmiuçando as falhas de projecto, e por insistir sobre evidência empírica, mais e mais forte.

Mas porque os cépticos de hoje não podem mais demonstrar explicações alternativas plausíveis, tudo o que resta é retórica e defesa das crenças anteriores.

Persistir nesta posição perante a evidência esmagadora produziu alguns exemplos excelentes de mentes lutando contra contradições lógicas.

Honorton resumiu-se sua visão do estado de cepticismo como se segue:

“Há um perigo para a ciência em apoiar os auto-proclamados protectores que se preocupam em fazer campanhas polémicas que distorcem e mal representam esforços sérios de investigação.

Tais campanhas não são somente não-produtivas, elas tratam de corromper o espírito e a função da ciência e para levantar dúvidas sobre sua credibilidade.

A história distorcida, as contradições lógicas, as omissões dos fatos exibidos nos argumentos dos... críticos não representa um criticismo académico ou cepticismo, mas em seu lugar anti-crenças disfarçadas de cepticismo.”

Tácticas Cépticas

Cépticos extremos que acreditam que todas experiências de psi são defeituosas usaram uma sacola eficiente de tácticas retóricas para tentar convencer os outros a descartar a evidência.

Estas incluem acusações que ainda que os efeitos de psi sejam reais, são tão fracos que são triviais ou desinteressantes, declarações franco preconceito, listas longas de criticismos comuns mas cientificamente inválidos, e descrições severamente deturpadas de experiências de psi que fazem os pesquisadores de psi parecerem incompetentes.

Deixe-nos examinar como algumas destas tácticas foram usadas.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 09, 2013 10:26 pm

Continua...

As acusações de Trivialidade

Alguns cépticos têm relutantemente aceito que os efeitos de psi podem ser genuínos.
Mas então tentam reduzir seu desconforto alegando que psi é simplesmente fraco demais para ser interessante.

Por exemplo, o psicólogo E. G. Boring escreveu que os dados de ESP eram meramente “uma correlação vazia”, e o psicólogo S. S. Stevens afirmou que “o sinal de barulho relacionado a ESP é simplesmente baixo demais para ser interessante.”

Mais recentemente, a psicóloga céptica britânica Susan Blackmore escreveu “E se minhas dúvidas fossem desfeitas e realmente houvesse percepção extra-sensorial afinal de contas?

O que isto nos diria sobre a consciência?”


Para responder a esta pergunta, Blackmore deu um passo gigante para trás até os anos da década de 1950 na moda psicológica do behaviorismo, e concluiu que a consciência não tem qualquer significado absolutamente, que é meramente uma ilusão.

Não é surpreendente então, ela também concluir que psi, ainda que genuíno, não nos dissesse absolutamente nada sobre a natureza da consciência.

Isto é uma posição desconcertante que dificilmente alguém aceita mais, nem mesmo outros cépticos de difícil faro apurado.

Em outro exemplo para banalizar psi, o matemático A. J. Ayer escreveu na “ Scientific American”,

“A única coisa que é notável sobre o sujeito que se crê possuidor de percepção extra-sensorial é que ele é consistentemente bastante melhor em adivinhar cartões que a série costumeira das pessoas tem mostrado elas próprias serem.

O facto que ele também obtém resultados “acima do acaso” não prova nada em si.”

Tal afirmação é confusa, porque qualquer forma de psi genuíno, fraco ou forte, carrega potencial revolucionário para nosso entendimento do mundo natural.

Além do mais, efeitos que originalmente são observados como fracos transformaram-se em efeitos extremamente fortes depois que eles são melhor entendidos.

Considere, por exemplo, o que se conhecia sobre o aproveitamento dos fracos, irregulares pingos de electricidade há 150 anos, e compare ao que as redes de triliões de watts que correm o mundo hoje alimentam.

Preconceito

A ignorância mais frequentemente gera confiança do que o conhecimento;
são esses que pouco sabem, e aqueles que sabem muito, que tão positivamente afirmam que este ou aquele problema nunca será resolvido pela ciência.
Charles Darwin, “ The Descent of Man “ (1871).

Preconceito – a sustentação de uma opinião sem conhecimento ou exame dos factos – está profundamente enterrado dentro da natureza humana.

É muito mais fácil seguir o impulso natural de formar um julgamento rápido e apegar-se a ele, que usar o tempo para examinar o problema e estudar a evidência de facto.

O preconceito continua a assombrar os pesquisadores de psi.
Às vezes é reconhecido como tal, e às vezes não é.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Ago 10, 2013 10:10 pm

Continua...

Philip Anderson, um físico teórico proeminente da Universidade de Princeton, supôs que psi era incompatível com física, e então num editorial de 1990 da “Physics Today”, escreveu,

“Se tais resultados são correctos, nós bem podemos transformar o National Institute of Standards and Technology [Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia] num casino e nossas classes de física em sessões espíritas, e devolver todos aqueles Prémios Nobel... é por esta razão que físicos, bem adequadamente, não tomam tais experiências seriamente até que elas podem ser (1) reproduzidas (2) por pesquisadores cépticos independentes (3) sob condições máximas de segurança e (4) com totalmente indisputável Estatística.

Estranhamente, os parapsicólogos que alegam resultados positivos invariavelmente rejeitam estas condições.”

Está claro que Anderson era simplesmente ignorante da evidência, e ainda assim sentiu-se bastante confiante sobre sua opinião.

Nós só podemos imaginar o que Anderson pensa a respeito dos físicos bem respeitados que tomam tais experiências seriamente.

Alguns críticos reconheceram que eles simplesmente não desejam acreditar na evidência.

Por exemplo, em 1951, o psicólogo Donaldo Hebb escreveu:

“Por que nós não aceitamos ESP como um facto psicológico?

Rhine ofereceu-nos bastante evidencia para ter-nos convencido em quase qualquer outra questão... eu não posso ver que outra base meus colegas têm para rejeitar isto... a minha própria rejeição dos pareceres [de Rhine] reside num sentido literal de preconceito.”

Em 1955, o psicólogo G. R. Price sugeriu que porque psi era claramente impossível, a fraude era a melhor, e realmente a única explicação restante para efeitos de psi.

Num artigo de capa da “Science”, Price começou sensatamente:

“Crentes em fenómenos psíquicos... parecem ter ganho uma vitória decisiva e praticamente silenciado a oposição....

Esta vitória é o resultado de uma quantidade impressionante de experimentação cuidadosa e argumentação inteligente....

Contra toda esta evidência, quase a única defesa que permanece ao cientista céptico é a ignorância, ignorância concernente ao trabalho em si e concernente a suas implicações.

O típico cientista se contenta em reter... alguma crítica que na maior parte dos casos se aplica a uma fracção pequena dos estudos publicados.

Mas estes resultados
(que desafiam nosso muitos conceitos de espaço e tempo) são – se válidos – de importância enorme... então eles não deviam ser ignorados.”

Price então plenamente [flatly] afirmou que ESP era “incompatível com o conhecimento científico actual”, e que era mais razoável acreditar que os parapsicólogos fraudaram do que ESP pudesse ser real.

Price baseou seu argumento num ensaio famoso na natureza de milagres pelo filósofo David Hume.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Ago 10, 2013 10:11 pm

Continua...

Hume argumentou que já que sabemos que as pessoas às vezes mentem, mas que não temos nenhuma evidência independente de milagres, então é mais razoável acreditar que as alegações de milagres são baseadas em mentiras do que acreditar que os milagres tenham realmente ocorrido.

Baseado neste raciocínio, Price concluiu,

“Minha opinião concernente os resultados dos parapsicólogos é que muitos deles são dependentes de erros estatísticos e de registo e o uso involuntário de pistas sensoriais, e que todos resultados significativos que não são explicáveis são dependentes de fraude premeditada ou de condições mentais levemente anormais.”

Outro crítico do mesmo foi o psicólogo céptico britânico Mark Hansel, da Universidade de Gales.

Como Price, Hansel escreveu,

“Se o resultado pudesse ter sido por uma fraude, a experiência deve ser considerada uma prova não satisfatória de ESP, não importando se for decidido ou não que tal fraude foi, de facto, usada (p. 21).

[Portanto,] é sábio adoptar inicialmente a suposição de que ESP é impossível, desde que há um grande peso de conhecimento apoiando este ponto de vista.”

Tais opiniões – que o conhecimento científico existente está completo e que psi necessariamente conflitua com ele – motivou os cépticos a imaginar todos tipos de boas razões para fazer psi “ir embora.”

Um exemplo superior do poder desta motivação está ilustrado por um relatório de 1987 sobre parapsicologia emitido pelo Conselho Nacional de Pesquisa.

Relatório do Conselho Nacional de Pesquisa

No meio dos 1980s, o lema de recrutamento da U. S. Army era “Seja tudo que você possa ser.”

O lema reflectia o desejo do Exército de treinar os soldados para alcançar o máximo de desempenho.

Estes guerreiros altamente qualificados seriam destemidos e astutos, lutariam sem se cansar, e empregariam uma variedade de habilidades acrescidas, exóticas, ou talvez mesmo psíquicas.

Em 1984, o U. S. Army Research Institute pediu ao primeiro corpo científico nos Estados Unidos, a National Academy of Sciences [Academia Nacional de Ciências], para avaliar uma variedade de técnicas de treinamento e alegações sobre desempenho humano aumentado.

Estas técnicas incluíram aprender dormindo, aprendizagem acelerada, bio-avaliação, programação neurolinguística, e parapsicologia.

A Academia Nacional de Ciências respondeu à petição do Exército endereçando-o a sua principal agência operadora, o Conselho Nacional de Pesquisa (NRC), para formar um comité para examinar a evidência científica nestas áreas.

Porque o NRC frequentemente é pedido para investigar temas fronteiriços e controversos, mantém uma apólice explícita de montar comités científicos equilibrados.

De facto, a apólice exige que membros de seus comités afirmem que eles não têm nenhum conflito de interesse tanto a favor quanto contra os objectos de estudo.

Isto ajuda a assegurar que as revisões científicas sejam transparentes.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Ago 10, 2013 10:11 pm

Continua...

No dia 3 de dezembro de 1987, o NRC convocou uma conferência de imprensa bem assistida em Washington, DC, para anunciar suas conclusões.

John A. Swets, Presidente do Comité de NRC, disse, “Talvez nossas mais fortes conclusões estejam na área de parapsicologia.”

O balanço final:
“O Comité não encontrou nenhuma justificativa científica da pesquisa conduzida por um período de 130 anos para a existência de fenómenos parapsicológicos.”

Opa. Donde isto veio?
Para ajudar a entender a disparidade entre os dados reais e a conclusão do NRC, o Conselho de Directores da Associação Parapsicológica (PA) seleccionou três membros seniores da PA para estudar o relatório em detalhe e responder a ele.

Os três membros eram de John Palmer, psicólogo nos Centros de Pesquisas de Rhine, Durham, Carolina do Norte, Charles Honorton, que no tempo era Director dos Laboratórios de Pesquisa Psicofísica em Princeton, Nova Jersey, e Jessica Utts, professora de estatística na Universidade de Califórnia, Davis.

Depois de algum estudo, o comité da PA emitiu seu relatório, com três resultados principais.

Primeiro, o dois principais avaliadores da pesquisa de psi para o Comité do NRC, os psicólogos Ray Hyman e James Alcock, ambos tiveram longas histórias de publicações cépticas acusando a parapsicologia de sequer ser uma ciência legítima.

Em contraste, não havia pesquisadores activos de psi no Comité.
Isto transgrediu a apólice do NRC de designar membros a comités “com referência ao equilíbrio apropriado.”

Segundo, o relatório do NRC evitou mencionar estudos favoráveis à pesquisa de psi mas citou liberalmente os resultados de dois artigos que apoiavam a posição do comité.

Como se isto não fosse suficiente, o Presidente do Comité do NRC telefonou a um dos autores encarregado de um terceiro artigo, Robert Rosenthal da Universidade de Harvard, e pediu que retirasse suas conclusões porque eram favoráveis à parapsicologia.

E terceiro, o relatório do NRC era contraditório.

O Comité noticiou largamente sua conclusão que não havia nenhuma evidência para os fenómenos psi, mas o próprio relatório admite que os membros do Comité não podem oferecer nenhuma alternativa plausível à pesquisa que examinou.

O Comité não conseguiu mencionar na conferência da imprensa que eles recomendaram que o Exército continuasse a controlar a pesquisa de psi nos Estados Unidos e na antiga União Soviética.

Eles mesmos recomendaram que o Exército propusesse experiências específicas para serem conduzidas.

O contraste entre a posição noticiada do NRC noticiou e a sua posição real sugere que houve conflitos entre informar uma avaliação clara dos dados e o que seria politicamente expediente informar.

Isto foi revelado claramente mais tarde quando um repórter de jornal para “The Chronicle of Higher Education” [“A Crónica de Ensino Superior”] perguntou ao Presidente do Comité do NRC, John Swets, por que ele pediu que Rosenthal retirasse suas conclusões favoráveis.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 11, 2013 9:19 pm

Continua...

Swets respondeu:
“Pensamos que a qualidade de nossa análise era melhor, e nós não vimos muita razão em apresentar conclusões contraditórias.

Swets explicou, “eu não senti que éramos obrigados a representar cada ponto de vista.”


Isto queria dizer que o Comité de NRC em efeito tinha criado uma “gaveta” de estudos positivos ignorados que eles não desejavam discutir.

Aparentemente, os únicos pareceres aceitáveis sobre psi para este comité eram negativos.
Dada a verdadeira natureza da evidência, isto estava no limite de levar a algumas grandes contradições.

E levou. O Comité do NRC encarregou os resultados de dez artigos a peritos de uma variedade de campos.

Um destes artigos, por Dale Griffin da Universidade de Stanford, explicava quão difícil é objectivamente avaliar a evidência quando alguém já está publicamente cometido por uma crença particular.

De acordo com Griffin,

“Provavelmente a força mais poderosa motivando nosso desejo de proteger nossas crenças – de outros ataques, de nossas próprias dúvidas, e do desafio da nova evidência – é a confiança...

Isto leva a evitar dissonância sendo especialmente forte quando a crença levou ao compromisso público.”

O Committee for the Scientific Investigation of Claims of the Paranormal [Comité para a Investigação Científica de Alegações do Paranormal] (CSICOP) é uma organização mais conhecida pelo seu apaixonado compromisso contra parapsicologia.

Ray Hyman era um dos “Membros” originais do CSICOP, e ele era um membro activo de seu Conselho Executivo ao mesmo tempo em que avaliava a pesquisa de psi para o NRC.

Então a fonte de muitas contradições no relatório do NRC está clara:
Hyman publicamente tomou posição como um desmistificador psíquico.

Por exemplo, na conferência da imprensa do NRC, Hyman confirmou sua posição pública anunciando que a “qualidade pobre de pesquisa de psi era 'uma surpresa a nós todos – acreditamos que o trabalho seria de qualidade muito mais alta do que revelou ser. ‘“

Ainda, em contraste com esta declaração pública, o próprio relatório de fato diz, “...a melhor pesquisa [em parapsicologia] é de qualidade mais alta que muitos críticos supõem “...

Além do mais, em contraste com as afirmações públicas do NRC sobre “ qualidade pobre de pesquisa,” e “nenhuma justificativa científica,” foi o artigo de facto encarregado pelo NRC para revisar experiências de psi e outros estudos de técnicas para melhorar o desempenho.

Escrito pelos psicólogos Mónica Harris e Robert Rosenthal da Universidade de Harvard, o relatório concluiu que,

“A situação para o território de ganzfeld parece razoavelmente clara.
Sentimos que seria improvável manter a [hipótese] nula dada a [probabilidade] combinada destes 28 estudos....

Quando o índice de exactidão esperado pela [hipótese] nula é de 1/4, calculamos o índice obtido de exactidão sendo de aproximadamente 1/3.”

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 11, 2013 9:20 pm

Continua...

Numa linguagem não técnica, Harris e Rosenthal concluíram que há evidência persuasiva para algo ir muito interessante nas experiências ganzfeld porque acharam um índice médio de acerto de aproximadamente 33% ao invés dos 25% esperados pelo acaso (como discutimos no Capítulo 6).

Eles também compararam a qualidade das experiências ganzfeld com os experimentos quatro outras áreas de pesquisa não parapsicológica e concluíram que “só os estudos de ESP de ganzfeld regularmente encontram os requisitos básicos de projecto experimental seguro.”

Não há nenhuma necessidade de ficar batendo na mesma tecla;
está claro que o preconceito abjecto existe em ciência como em todos os esforços humanos.

Foi detectado clara e facilmente no caso do Relatório do NRC comparando os pronunciamentos públicos com o que o relatório realmente diz.

Às vezes não é tão fácil de detectar, porque nós normalmente não paramos para pensar que algumas críticas cépticas são simplesmente inválidas.

Críticas Válidas e Inválidas

Comumente é pensado que todas críticas em ciência são iguais.
Isto não é verdadeiro.
Aliás, críticas devem ter duas propriedades para serem válidas.

Primeiro, devem ser controladas, querendo dizer que a crítica também não pode se aplicar a disciplinas científicas bem reconhecidas.

Em outras palavras, nós não podemos usar duas medidas e aplicar uma série de críticas a temas novatos e uma série inteiramente diferente para disciplinas estabelecidas.

Se o fizermos, nada de novo jamais poderia ser aceito como legítimo.

Segundo, uma crítica deve ser testável, querendo dizer que um crítico tem que especificar as condições sob que a pesquisa pode evitar a crítica, contrariamente a objecção é somente um argumento filosófico que cai fora do reino da ciência.

Um exame completo das alegações cépticas normais sobre a pesquisa de psi de laboratório revela que apenas uma é tanto testável quanto controlada:
Conseguiu-se replicações bem sucedidas, independentes?

Nós agora sabemos que a resposta é sim, então as críticas devem parar aqui.
No entanto, o cepticismo morre dificilmente, e surpreendentemente poucos cientistas compreendem que nem todas as críticas são iguais.

Então vamos revisar brevemente por que algumas outras críticas comuns são inválidas.

Uma afirmação popular é que “muitos fenómenos que uma vez imaginou-se serem paranormais revelaram-se ter explicações normais.”

Isto é inválido porque é incontrolável – a mesma crítica pode ser aplicada a muitas descobertas em outras disciplinas científicas bem estabelecidas.

Se formos forçados a rejeitar psi justo porque nós originalmente pensamos que era uma coisa mas mais tarde nós descobrimos que era algo mais, isto não invalida a existência do efeito, meramente redefine como pensamos sobre ele.

Outra crítica é que “alguns efeitos paranormais foram mostrados ser o resultado de fraude ou erro,” então nós com segurança podemos ignorar quaisquer resultados bem sucedido.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 11, 2013 9:20 pm

Continua...

Isto é inválido porque se formos forçados a descartar alegações científicas porque há alguns casos de fraude do experimentador, então nós teríamos que descartar praticamente todos os outros campos da ciência também porque fraude existe em todos esforços humanos.

Outra queixa favorita é, “não há nenhuma teoria de psi.”

Isto é inválido porque pelo termo “psi” nós podemos substituir as palavras “consciência,” “gravidade,” “anestesia,” ou dúzias de outros conceitos ou fenómenos bem estabelecidos.

O facto que cientistas não entendem alguns fenómenos muito bem não reduziu interesse científico neles.
Outra variação é que “psi não pode ser ligado e desligado, e as variáveis do efeito não podem ser controladas.”

Isto é inválido porque há todos os tipos de efeitos que nós não temos nenhum controle directo sobre eles, mas isto não desqualifica-os como objectos legítimos de estudo, incluindo a maioria dos aspectos realmente interessantes do comportamento humano.

Em todo o caso, psi é algo controlável no sentido que nós podemos causar o aparecimento de efeitos previsíveis pedindo às pessoas para fazer algo em sua mente.

Se elas não prestam atenção à tarefa, que é como os períodos de controlo são conduzidos em algumas experiências de psi, então nenhum efeito incomum aparece.

Alguns cépticos protestaram que “é impossível distinguir entre psi e efeitos de possibilidade mesmo numa experiência bem sucedido sem o uso de estatística.”

Esta crítica é inválida porque o mesmo pode ser dito para quase todas as experiências em biologia, psicologia, sociologia e biomedicina.

Obviamente, se houvesse alguma maneira limpa de separar um sinal de um ruído casual antes da experiência ser conduzida, então a estatística não teria sido usada em primeiro lugar.

Esta ladainha de críticas comuns pode continuar por muitas páginas, mas o ponto está claro.

A vasta maioria das queixas sobre a pesquisa de psi é inválida porque pertencem igualmente a disciplinas bem estabelecidas, convencionais, ou então as queixas não são testáveis.

Outra razão que psi foi ignorado pela corrente principal da ciência, e por que décadas de experiências cientificamente seguras foram consideradas discutíveis, é porque a descrição destes estudos nos meios de comunicação e em textos de faculdade foi pesadamente deturpada.

Distorções

Meios de comunicação populares


Na edição de 8 de julho de 1996 da “Newsweek”, um artigo apareceu intitulado, “Ciência marginal.
Há algo nisto? Evidencias, por favor.”

Escrito pela repórter Sharon Begley, este artigo é um bom exemplo de como uma informação largamente disseminada sobre experiências de psi é às vezes seriamente enganadora.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 12, 2013 10:28 pm

Continua...

A história de Begley começou com o seguinte,

“Diz-se sobre afirmações que os aliens aterrissaram, aterrissam ou logo aterrissarão na terra:
ao menos um cenário como [o filme] “Dia de Independência” não transgrediria qualquer lei de natureza.

Por outro lado, alegações de outros mundos paralelos, telepatia e psicocinésia, são críveis apenas caso se ignore dois ou três séculos de ciência estabelecida.”


Isto é uma afirmação corriqueira, mas vale notar que críticos nunca especificam que “leis de natureza” seriam transgredidas por psi, porque a afirmação é infundada – as leis de natureza não estão fixadas em absoluto.

São ideias basicamente claramente estáveis que estão sempre sujeitas a expansão e refinamento baseadas em evidências de novas observações.

Por exemplo, depois do advento da relatividade e da mecânica quântica, algumas de nossas novas “leis” físicas forçaram os conceitos clássicos desenvolvidos no século 17 radicalmente a se expandirem.

Nós magicamente alcançamos o fim da trilha na virada do século 21, e as “leis” presentes da ciência actual permanentemente podem ser esculpidas em pedra?
Eu não penso assim.

Begley aparentemente acredita que aliens aterrissando na terra é mais crível que psi.

Isto faz sentido?
No caso de aliens, a evidência é baseada exclusivamente em histórias de testemunha oculares e fotografias ambíguas.

Algumas histórias e fotos chamam a atenção, mas dar um pulo de fé deste tipo de evidência à presença real de aliens extraterrestres é injustificado.

Há dúzias de possibilidades alternativas, nenhuma que envolva qualquer extraterrestre ou aliens com destino à Terra.

Por comparação, a evidência para psi é baseada em um século de repetidas evidências científicas.

No entanto, a sedução do status quo é tão forte, que um jornalista céptico antes acreditaria em histórias sobre pequenos homens verdes do que em observações controladas no laboratório.

Mais tarde no artigo da “Newsweek”, as experiências de telepatia de ganzfeld foram descritas.

Depois que uma explicação boa do procedimento básico, e mencionando que o índice observado de acerto para estudos de autoganzfeld de Honorton era de aproximadamente 35% em vez da possibilidade esperada 25%, Begley perguntou,

“Seria isto telepatia?

Algumas experiências falharam em levar em conta que pessoas ouvindo um barulho branco pensariam em água mais frequentemente que sexo (ou assim dizem);
se praias aparecessem mais frequentemente como alvo do que um casal na cama, um índice alto de acerto reflectiria esta tendência, não telepatia.

Também, receptores tendem a escolher a primeira ou a última imagem mostrada a eles;
a menos que o experimentador assegura-se de que o alvo não aparece no primeiro ou no último lugar mais frequentemente como isca, o índice de acerto seria enganadoramente alto.”

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 12, 2013 10:29 pm

Continua...

Embora estas críticas sejam válidas porque são testáveis, um leitor céptico pode legitimamente se perguntar, alvos com teor de água realmente apareceram mais frequentemente do que alvos com conteúdo sexual? (Não.)

Os alvos de fato apareceram mais frequentemente no primeiro ou no último lugar? (Não.)
Seriam os pesquisadores tão ingénuos que não pensaram nestas possibilidades? (Não.)

A implicação era que as críticas tinham sido ignoradas, mas elas não foram.

Begley continuou,

“O céptico Ray Hyman da Universidade de Oregan descobriu que, nas séries de Edimburgo, alvos gravados em vídeo que foram usados somente uma ou duas vezes coincidiam com o esperado pelo acaso, enquanto os que apareciam três ou mais vezes cediam aos “telepáticos” 36 por cento.
Porquê isso?

Um vídeo clipe passando por um player várias vezes pode parecer diferente de um que nunca passou para o emissor;
um receptor sagaz escolheria uma fita que pareceria “usada” sobre uma que não pareceria.”

De facto, como vimos no Capítulo 6, o sistema de ganzfeld na Universidade de Edimburgo usava dois players de vídeo separados para responder a esta crítica, e efeitos bem sucedidos praticamente idênticos aos que Honorton tinha informado anteriormente ainda foram observados.

Outra vez, a crítica implica que os resultados de ganzfeld são explicáveis por este potencial defeito, o que não é verdadeiro.

A seguir, Begley repetiu outra crítica comum:

“Do 28 estudos que Honorton analisou em 1985, nove vieram de um laboratório onde uma vez a crente Susan Blackmore da Universidade do Oeste da Inglaterra tinha supervisionado as experiências.

Os resultados “claramente estão estragados,” diz, por “erros acidentais em que o experimentador poderia ter tido conhecimento do alvo e incitado o receptor escolhê-lo.”

O que Begley falhou em informar é que depois da alegação de Blackmore os estudos “estragados” foram eliminados da meta-análise, e o índice total de acertos nos estudos restantes permaneceu exactamente o mesmo de antes.

Em outras palavras, a crítica de Blackmore foi testada e não explicou os resultados ganzfeld.

É também importante anotar que Blackmore nunca realmente demonstrou que o defeito existiu.

Begley continuou descrevendo as experiências de interacção de mente-matéria usando geradores de números aleatórios.

Conduzidos por Robert Jahn no PEAR Lab.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 12, 2013 10:30 pm

Continua...

Então ela adicionou,

“Quanto aos resultados de Jahn, há um par de quebra-cabeças.

Primeiro, um dos sujeitos, informados estar no pessoal do Jahn, é responsável por metade dos êxitos mesmo estando em somente 15 por cento das tentativas.
Segundo, algumas peculiaridades em como a máquina operou sugerem que os experimentadores podem ter ignorado dados negativos.

Jahn diz que isto é praticamente impossível.
Mas outros laboratórios, usando a máquina de Jahn, não obtiveram seus resultados.”

Como discutido no Capítulo 9, a análise dos dados do PEAR Lab mostrou claramente que os resultados de ninguém eram extremamente diferentes de qualquer um mais.

Nem que qualquer pessoa era responsável pelos resultados totais da experiência.
Outra vez, a crítica foi testada e descobriu-se ser infundada.

O comentário sobre “peculiaridades” é pura retórica, porque sem mencionar a natureza dos supostos problemas, é uma crítica não testável.

As afirmações que outros laboratórios não obtiveram os resultados de Jahn é um mantra céptico comummente repetido, mas é também falso, como vimos.

Os resultados de Jahn são inteiramente coerentes com um corpo maior de mais de 70 outros investigadores, e portanto não há nenhuma dúvida que conseguiu-se replicação.

Se há algo, é que os resultados de Jahn são um tanto menores em magnitude do que os informado por outros.

É bastante fácil de seleccionar o artigo de Begley em separado, porque é claramente difícil retratar temas controversos nos poucos parágrafos disponíveis revistas de notícia semanais.

Algumas distorções são esperadas.
Mas se esperaria que as discussões de compridos livros escritos por psicólogos académicos seriam mais completas e neutras.

Infelizmente, este não é sempre o caso.

Livros por Psicólogos Académicos

Em 1985, o psicólogo Irvin Child, Presidente do Departamento de Psicologia na Universidade de Yale, revisou as experiências de Maimonides de sonhos telepáticos para o “ American Psychologist“, um proeminente jornal publicado pela American Psychological Association (Associação Psicológica Americana).

Child ficou especialmente interessado em comparar o que realmente aconteceu nesses experimenta com o que mais tarde foi descrito pelos psicólogos cépticos.

O primeiro livro que ele considerou foi uma edição de 1980 do livro crítico sobre a pesquisa de psi do psicólogo britânico Mark Hansel.

Uma página do livro do Hansel foi dedicada à descrição do método e dos resultados das experiências de sonhos telepáticos.

A estratégia de Hansel era sugerir possíveis defeitos que poderiam explicar os resultados experimentais, sem demonstrar que os defeitos realmente existiram, e então supor que tais defeitos devem ter ocorrido porque eram mais críveis do que psi genuíno.

Child descobriu que as descrições dos métodos de Hansel usadas nos estudos de Maimonides foram manipulados de tal modo a levar os leitores involuntariamente a assumir que fraude era uma explicação possível, ao passo que em realidade era extremamente improvável dado o controles empregados pelos pesquisadores.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 13, 2013 9:06 pm

Continua...

Mesmo outros cépticos, tais como Ray Hyman, concordaram com Child.

Numa transmissão do programa popular de ciência “Nova” em 1984 Hyman disse,

“Hansel tem uma tendência a acreditar que se qualquer experiência pode ser mostrada estar susceptível à fraude, então isso imediatamente significa não pode ser mais usada como evidência para psi.

Simpatizo com os parapsicólogos que refutam isto por dizer, bem, isso pode ser verdade em qualquer experiência no mundo, porque há sempre algum meio que você pode pensar em como a fraude poderia ter acontecido no experimento.

Você não pode fazer um experimento perfeitamente à prova de fraude 100 por cento.
Isto se aplicaria a toda ciência.”

A seguir Child revisou um livro de 1981 pelo psicólogo da Universidade de York James Alcock.

O tema básico de Alcock neste e em publicações posteriores é sua crença que os parapsicólogos são guiados por desejos religiosos, uma secular “procura pela alma.”

Com este tema guiando muito dos seus escritos, Alcock considerou que quaisquer experiências de psi com resultados positivos eram defeituosas devido a motivações religiosas.

Uma das críticas principais de Alcock das experiências de Maimonides era a afirmação que elas não incluíram um grupo de controlo.

Por exemplo, Alcock escreveu que “um grupo de controlo, para o qual nenhum emissor ou alvo fosse usado, pareceria essencial.”

Child respondeu,

“Alcock… não pareceu reconhecer que o projecto das experiências de Maimonides foi baseado em controlos exactamente iguais aos usados por inumeráveis psicólogos em outras pesquisas com estrutura lógica semelhante.”

O próximo livro era dos psicólogos Leonard Zusne e Warren H. Jones.

Zusne e Jones escreveram que os pesquisadores de Maimonides descobriram que os sonhadores não eram influenciados telepaticamente a menos que soubessem de antemão que uma tentativa seria feita para influenciá-los.

Isto levava, escreveram, ao receptor “ser instruído antes de ir dormir” pelos experimentadores “… preparando o receptor para as experiências que eram relacionadas ao conteúdo do quadro a ser transmitido telepaticamente durante a noite.”

Child assinalou que seria imediatamente óbvio a ele que tais experiências, se realmente foram executadas, seriam catastroficamente defeituosas.

Obviamente, caso se instrua alguém com informações relevantes sobre o alvo antes do sonho, a experiência inteira não vale nada.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 13, 2013 9:06 pm

Continua...

Mas dado que a descrição é assim descrita, os leitores do livro de Zusne e Jones pouco familiarizados com as descrições reais das experiências de sonhos telepáticos não podem chegar a nenhuma outra conclusão além de que os pesquisadores eram completamente incompetentes.

Child respondeu,

“O simples facto, que qualquer um facilmente pode verificar, é que o registo que Zusne e Jones deram da experiência é brutalmente incorrecto.

O que Zusne e Jones fizeram foi descrever … alguns estímulos fornecidos ao sonhador na manhã seguinte, depois que seus sonhos tinham sido registados e sua noite de sono tinha acabado.”

Como descobriu uma descrição defeituosa depois da outro, Child finalmente concluiu que os livros que ele revisou continham “uma falsificação quase inacreditável dos fatos sobre as experiências.”

Mas isto era somente a ponta de um iceberg.
Revelou-se que muitos textos introdutórios de psicologia apresentavam descrições semelhantemente defeituosas das experiências de psi.

Estes livros são usados em cursos de faculdade, e para a maioria dos estudantes nenhum deles jamais saberá sobre qualquer tema em detalhe que esteja contido nestes textos.

Se textos básicos declaram ou implicam que os pesquisadores de psi são estúpidos ou ingénuos, não é de se imaginar que os cientistas e professores futuros erroneamente assumam que a evidência para psi não vale nada?

Textos introdutórios de Psicologia

Não há melhor sedativo soporífico que o cepticismo.
Friedrich Nietzsche

Em 1991, o psicólogo Miguel Roig e seus colegas publicaram uma detalhada análise do tratamento da parapsicologia em textos introdutórios de psicologia.

Pesquisaram 64 textos publicados entre 1980 e 1989, então procuraram palavras como ESP e psíquico no índice e vasculharam pelos capítulos sobre métodos de pesquisa, sensação e percepção, e estados de consciência.

Dos 64 textos pesquisados, 43 incluíram alguma menção de parapsicologia.

Isto é interessante por si mesmo, porque significa que plenamente um terço dos textos introdutórios de psicologia sequer mencionaram um tema que todos estudantes de faculdade acham fascinante.

Uns meros 8 dos 43 textos mencionaram que desde 1970 os parapsicólogos usavam o termo psi como uma etiqueta neutra para fenómenos psíquicos.

Vinte e um livros mencionaram as provas de cartas de ESP conduzido por J. B. Rhine e seus colegas nos 1930 a 1960.

Alguns livros incorrectamente alegaram que provas de cartas de ESP são ainda representantes da pesquisa contemporânea, ao passo que qualquer um mesmo casualmente familiar com os artigos recentes de jornais e livros sabe que tais provas apenas foram usadas durante décadas.

Os temas restantes cobertos incluíram discussões de experiências psíquicas espontâneas, que foram uniformemente explicadas em termos de processos sensórios mal entendidos, coincidência, e ilusão.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 13, 2013 9:07 pm

Continua...

Outros temas incluíram revisões breves de algumas experiências seleccionadas e supostos problemas de metodologia.

A maioria dos textos acabaram com uma posição esperar-para-ver em relação aos fenómenos psíquicos, com 35 dos 43 livros mencionando falta de replicação como o problema mais sério.

O segundo e terceiros problemas mais sérios foram descritos como projectos experimentais pobres e fraude.
Surpreendentemente, somente alguns textos mencionaram o desenvolvimento de experiências desde 1970.

Nove livros mencionaram experiências de RNG, três mencionaram os estudos de telepatia de sonho de Maimonides, e só um mencionou os estudos de telepatia de ganzfeld.

Roig e seus colegas concluíram sua pesquisa como se segue:

“Muito da cobertura reflecte uma falta de familiaridade com o campo da parapsicologia, … há uma confiança inaceitável em fontes secundárias, a maioria dos quais foram escritos por não-parapsicólogos que são crítico do campo e que, ao menos em alguns casos, foram descobertos deturpar e às vezes falhar em apresentar linhas promissoras de pesquisa.

Concluímos que a maioria dos textos que cobrem o tema apresentam uma antiga e frequentemente grosseira visão corrompida da parapsicologia.”

Isto é infeliz mas não surpreendente.
Os textos de faculdade reflectem o estado actual, e o estado actual ainda não alcançou os últimos desenvolvimentos em pesquisa de psi.

Mas o que apoia o estado actual?
O que levou alguns psicólogos académicos a ver pesquisa de psi dessa forma deturpada?


Motivações

Os cépticos gostam de alegar que crentes em psi são afligidos com algum tipo de condição mental anormal que os impede de ver a verdade.

O psicólogo céptico James Alcock sugeriu que a motivação para esta “aflição” é que os pesquisadores de psi realmente são motivados por desejos escondidos para justificar alguma forma de crença espiritual.

Esta crença, de acordo com Alcock, induziu a pesquisa de psi a tal extensão que ele acredita que deve haver algo errado com ela.

Mas a crença do Alcock sobre motivações espirituais escondidas produziu um viés contrário igualmente forte.

Isto está claro num longo relatório que Alcock preparou para o Comité NRC mencionado anteriormente.

Por 40 páginas, o relatório de Alcock descarta os estudos de interacção mente-matéria informados pelo físico Helmut Schmidt e pelo engenheiro Robert Jahn da Universidade de Princeton, então conclui que,

“Há certamente um mistério aqui, mas baseado nas fraquezas de procedimento mencionadas acima, parece não haver nenhuma boa razão actualmente para concluir que o mistério seja de natureza paranormal.”


Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 14, 2013 8:20 pm

Continua...

Ao descartar o mistério, Alcock perdeu de vista a floresta e focalizou nas árvores.

É verdade que uma ou duas experiências podem ser explicadas como sendo devido ao acaso ou a um projecto pobre, mas o corpo inteiro de evidência, como discutido no Capítulo 9, não pode ser descartado tão facilmente.

E em contraste com crença do Alcock sobre ele que motiva pesquisadores de psi, parapsicologia formalmente foi reconhecida pela corrente principal como uma disciplina científica legítima em 1969 quando a Parapsychological Association, uma sociedade científica internacional, foi eleita um afiliada da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS).

Seitas religiosas, sociedades da Nova Era, e grupos de advocacia cépticos não são afiliados da AAAS.

Nós agora podemos virar a mesa em Alcock e perguntar o que motiva os cépticos a gastarem tanto tempo em tentar desqualificar os resultados de outra disciplina científica.

Para Alcock, parece que seus sentimentos em direcção de organizaram uma religião e seus temores sobre psi genuíno são motivações.

Por exemplo, Alcock escreveu,

“Em nome da religião os seres humanos cometeram genocídio, reinos tombaram, construíram-se santuários gigantescos, praticou-se assassinato em rituais, forçaram outros a se adaptarem a seu meio de vida, evitaram os prazeres da carne, flagelaram-se, ou distribuíram todas as suas posses e tornaram-se mártires.”

E,

“Não haveria, naturalmente, nenhuma privacidade, já que por percepção extra-sensorial alguém poderia ver mesmo as mentes das pessoas.

Os ditadores não teriam mais que confiar nas palavras de seus seguidores;
poderiam “saber” seus sentimentos….

O que aconteceria quando dois adversários tentaram prejudicar o outro via PK?”


Dados os sentimentos de Alcock sobre religião e psi, ele deve ser desconfiado sobre as motivações do proeminente físico, Stephen Hawking.

No livro imensamente aclamado de Hawking “Uma Breve História do Tempo”, no parágrafo final se lê,

“…se nós descobrirmos uma teoria completa, esta seria com tempo compreensível em princípio por todo o mundo... então teremos todos, cientistas, filósofos e pessoas comuns, serem capazes de fazer parte na discussão da questão de porque nós e o universo existimos, se nós encontrarmos a resposta a isto, isto será o grande triunfo da razão humana – porque então nós conheceremos a mente de Deus.”

Em outros escritos, Hawkings declarou seu cepticismo sobre psi, então aparentemente seus sentimentos religiosos não interferiram em seu cepticismo.

Na outra extremidade do espectro, o que diria Alcock sobre as motivações do seu companheiro super-céptico, Martin Gardner, que escreveu:

“Quanto a provas empíricas do poder de Deus em responder a orações, eu estou entre aqueles teístas que, no espírito do que foi dito por Jesus que somente os que não tem fé buscam sinais, considero que tais provas são inúteis e blasfemas. ….
Não vamos desafiar Deus.”

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 14, 2013 8:20 pm

Continua...

Em outras palavras, a fé religiosa pode motivar cientistas tanto em direcção como contra a pesquisa de psi.
Finalmente, há tantas razões pelas quais as pessoas podem ser a favor ou contra algo quanto há pessoas.

Então, da perspectiva céptica, o que mais pode explica a crença comum em psi?
A sociedade está ficando maluca?

A Sociedade é Louca?


Se não há evidência científica de que psi existe, então a forte crença pública em tais temas deve ser um sinal de engano em massa.

Isto é uma posição céptica comum mas bastante peculiar, como se pudéssemos traçar um paralelo com, digamos, a crença em Deus.

Não há evidência científica que Deus existe, mas há uma crença pública forte em Deus.
Por alguma razão, os cépticos abertamente não apontam um engano mental como uma razão para a comum crença “não científica” em Deus.

Mas há qualquer evidência que sociedade está enganada?
Podem as experiências paranormais serem atribuídas somente a processos psicológicos conhecidos?


Esta pergunta foi examinada pelo sacerdote católico Andrew Greeley, um sociólogo na Universidade de Arizona.

Greeley ficou interessado nos resultados de pesquisas coerentemente indicando que a maioria da população acreditava em ESP.

Numa pesquisa de 1978 perguntando a adultos Americanos se eles alguma vez tinham experimentado fenómenos psíquicos tais como ESP, 58% disseram sim;
em 1979 uma pesquisa de professores universitários e de faculdade mostrou que aproximadamente dois terceiros aceitavam ESP;
em 1982 uma pesquisa de cientistas de elite mostrou que mais de 25% acreditavam em ESP;
e em 1987 uma pesquisa mostrou que 67% de adultos Americanos reportaram experiências psíquicas.


As mesmas pesquisas mostraram, de acordo com Greeley, que

“As pessoas que experimentaram o paranormal, se elas o aceitam intelectualmente ou não, são qualquer coisa menos loucos religiosos ou casos psiquiátricos.

São, na maioria, americanos comuns, algo acima do padrão em educação e inteligência e algo menos que a média em envolvimento religioso.”

Porque Greeley ficou surpreendido com este resultado, ele explorou-o mais de perto testando pessoas que tinham informado experiências místicas profundas tais como “banhado em luz.”

Usou a “ Affect Balance Scale “ de bem estar psicológico, uma prova psicológica padrão usada para medir a personalidade saudável.
As pessoas que informavam as experiências místicas alcançavam o topo da contagem.

Greeley informou que “O psicólogo da Universidade de Chicago que desenvolveu a escala disse que nenhum outro factor jamais se descobriu se correlacionar tão altamente” como os relatórios de experiência mística.

Greeley então investigou se crenças prévias no paranormal ou no místico causaram as experiências, ou se as experiências que causaram a crença.

Descobriu que muitas viúvas que informaram contacto com seus maridos mortos não acreditavam antes em vida após a morte.
Isto sugere que elas não estavam criando alucinações inconscientemente para confirmar suas crenças prévias.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 14, 2013 8:21 pm

Continua...

Ele também estudou se as pessoas que tinham perdido uma criança ou pai informaram contacto com o morto mais frequentemente que as pessoas cujos irmãos tinham morrido.

A suposição era que as pessoas que tinham perdido membros de família mais próximos a elas poderiam ter uma necessidade mais forte de se comunicar, e doravante uma frequência maior de contactos reportados.

De acordo com Greeley, “ficamos surpresos:
As pessoas que tinham perdido uma criança ou pai eram menos prováveis de informar contacto com o morto que aquelas que tinham perdido irmãos.”


Tais resultados são incompatíveis com a hipótese dos cépticos que relatórios de experiências paranormais estão devidos unicamente a alucinação, auto-engano, desejo, ou outras formas de aberrações mentais.

Resumo

A maioria das comummente repetidas reacções cépticas a pesquisa de psi são pareceres extremos, guiados pela crença que psi é impossível.

O efeito de repetidamente ver desqualificações cépticas da pesquisa, em textos de faculdade e em proeminentes jornais científicos, diminuiu o interesse académico da corrente principal neste tema.

Opiniões no entanto, informadas, mesmo entre cépticos, revelam que praticamente todos os argumentos cépticos passados contra psi se dissolveram perante a evidência positiva esmagadora, ou são baseados em versões incrivelmente deturpadas da pesquisa real.

Artigo disponível em http://www.survivalafterdeath.org/articles/other/skepticism.htm

Artigo extraído do livro The Conscious Universe: The scientific Truth of Psychic Phenomena, publicado em 27 de Agosto de 1997 e disponível para compra aqui.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 15, 2013 9:35 pm

Journal of Scientific Exploration, Vol. 14, No. 2, pp. 275-279, 2000 0892-3310/00
© 2000 Society for Scientific Exploration


Física Moderna e Mundos Subtis: Não Mutuamente Exclusivos
Robert D. Klauber

1100 University Manor Drive, 38B, Fairfield, IA 52556 e-mail: rMauber@netscape.net

Resumo
- uma faceta da mudança de visão de mundo introduzida pela revolução da mecânica quântica foi a descoberta de DeBroglie de que todas partículas são de facto como ondas e que por causa disto uma pluralidade de partículas pode ocupar a mesma região do espaço, ao mesmo tempo.

Este princípio bem aceito e empiricamente validado é explorado no contexto da teoria quântica de campo da força da união do campo/partícula [This well accepted and empirically validated principle is explored in the context of the quantum field theory of force field/particle coupling].

Então é mostrado que mundos subtis (não físicos) prontamente podem existir sem estarem de qualquer forma contraditórios, ou inconsistentes, com a física moderna.

Palavras-chave: interacções—união—mundos subtis—quatro forças— outros universos

Há um falso juízo comum, mantido por muitos cientistas e não cientistas semelhantemente, de que as leis da física impedem a existência de entidades não físicas e quaisquer mundos metafísicos concomitantes.

Este ponto de vista, como aparece, é um vestígio do pensamento científico pré mecânica quântica e de modo algum representa uma pretensa imposição da realidade pela física pós-clássica de nossa idade moderna.

Um ditado científico geral pré-vigésimo século (mesmo um axioma) afirmava que nunca dois objectos poderiam ocupar o mesmo lugar, ao mesmo tempo.

Era portanto implícito que aparições e entidades semelhantes tendo a propriedade de coexistir com o tempo e espaço com estruturas físicas tais como portas e paredes talvez não pudessem existir.

A descoberta de DeBroglie da natureza do tipo onda da matéria mudou essa perspectiva dramaticamente.

Hoje, físicos regularmente lidam com funções de onda de leptons, quarks, fótons, e do tipo, que se sobrepõem e compartilham regiões idênticas de espaço e tempo.

Assim, como viam-se duas ondas na superfície do oceano em direcções opostas atravessarem-se incólumes, embora ocupando por um tempo a mesma área da superfície de água, assim também poderiam duas onda/partículas sub-atómicas se atravessarem inalteradas, coexistindo por um tempo no mesmo espaço.

Partículas presas poderiam, aliás, compartilhar uma "prisão" em comum indefinidamente.

Se duas de tais onda/partículas ocupam em conjunto uma região particular de espaço-tempo e não reagem uma com a outra, então nada mudou.

Frequentemente, no entanto, elas reagem, e tal interacção pode mudar suas energias, momento, cargas, e outras propriedades.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Críticas aos “Cépticos”

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 11 1, 2, 3 ... 9, 10, 11  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum