Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 20, 2013 10:02 pm

Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios
Michael Prescott

Traduzido por: Marcos Arduin e Vitor Moura Visoni

Os leitores de meus artigos sabem que penso que o caso dos céticos contra o paranormal é frequentemente mal direccionado e que a evidência para os poderes psíquicos é muito maior que a maioria das pessoas supõem.

Todavia, nem toda a evidência é igualmente forte.
Algumas investigações - algumas que até foram notáveis em seus dias e continuam a atrair respeitosa atenção - são menos impressionantes quando vistas com um olho crítico.

O que se segue é um caso destes.
Mas primeiro, um breve desvio do mundo de espíritos para o reino dos dinossauros.

Em 1922 Sir Arthur Conan Doyle fez um truque em uma audiência de mágicos.
Como dito por Orville Goldner e George E. Turner, "Um projector de filme foi trazido para a sala, uma tela foi erguida e as luzes foram apagadas.

Em um breve discurso, Doyle disse que ele não responderia a nenhuma pergunta sobre o filme que ele estava a apresentar... [que] foi então passado sem títulos ou comentários.

O público ficou surpreso. O [New York] 'Times' ' reportou que 'uma família de dinossauros apareceu na tela e esfregaram os rostos de uma maneira afectuosa.

Então entrou o tiranossauro, o dinossauro do tipo mais mortal que viveu, atacando os membros de sua família.
Os tiranossauros lutavam entre eles mesmos, servindo-se de suas grandes mandíbulas e garras...”

Depois de descrições mais efusivas, o jornal terminou seu relatório, declarando que os monstros na tela "eram extraordinariamente naturais. Se eram fraudes, eram obras-primas."
(The Making of King Kong, 1975; pp. 46-47).

O filme, obviamente, era uma fraude.
Era uma bobina de animação de stop-motion, criada pelo pioneiro de efeitos especiais Willis O 'Brien para a versão cinematográfica do romance de aventura de Doyle O Mundo Perdido.

O que é notável sobre esta história é que alguém que hoje assistisse ao O Mundo Perdido provavelmente nunca poderia ser enganado por suas ilusões.

Os dinossauros eram realmente "obras-primas" em seu tempo, mas para os padrões modernos, eles são miniaturas óbvias, ocupando obviamente cenários em miniatura, e seus movimentos são aos arrancos e nada convincentes.

Na era de Jurassic Park, eu duvido que até uma criança pequena fosse enganada pelas criações de borracha de látex animadas de Brien.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 20, 2013 10:03 pm

Continua...

Em 1922 um filme podia enganar uma audiência de mágicos, que se orgulhavam em sua habilidade de descobrir fraudes.


Fotografia: Uma família de triceratops, abaixo, observada por exploradores humanos é, do Mundo Perdido (1925).

O que esta velha anedota bolorenta nos diz?

Só que pessoas vivendo no início dos anos do século passado ainda não tinham desenvolvido uma sofisticação visual que nós possuímos hoje.
A arte de fotografia de truque e de ilusões visuais relacionadas era nova e pouco conhecida.

Para eles, ver era acreditar.
Enquanto eles não eram menos inteligentes ou bem educados que nós somos, eles estavam em algum grau propensos a se deixar enganar mais facilmente.

Este facto tem implicações importantes quando nós olharmos para primeiras investigações sobre mediunidade, especialmente a denominada "mediunidade física," que envolveu a manifestação de entidades físicas, normalmente fantasmas, na escuridão do aposento da sessão.

Um dos investigadores mais notáveis nesta área foi o francês Charles Richet.
Sem dúvida, Richet foi um fisiólogo famoso, honrado com um Prémio de Nobel.

Suas investigações em parapsicologia eram uma luz lateral ao seu trabalho principal, mas foi o que ele tomou mais seriamente.
Ele não era cegamente crédulo.

Ele fez distinções precisas entre os "artistas psíquicos de seu dia, como os irmãos Davemport (que produziram espetaculares efeitos no palco) e médiuns legítimos, que podiam ser testados sob condições controladas.

Ele concedeu que quase todos os fenómenos de mediunidade física - batidas espirituais, mesa balançando e levitação, e a materialização de fantasmas - podiam ser simulados através de artifícios, mas sentiu que precauções adequadas eliminariam a possibilidade de fraude.

Ele certamente acreditou que suas próprias precauções eram adequadas.

Realmente, Richet disse que o receio de ser enganado era "meu chefe, e até mesmo a maior preocupação ao longo de minhas experiências," e ele expôs uma médium fraudulenta, Anna Roth, que dizia poder materializar flores através do ar.

Richet descobriu que ela as escondia em seu corpo.

Apesar de seu cepticismo inicial, Richet passou a acreditar na maioria das formas de fenómenos físicos.

Ele sentiu que um fio bem fino, "sensível" podia emanar uma substância enigmática, a qual chamou ectoplasma - Richet, de facto, cunhou este termo - e que o ectoplasma podia formar propriamente uma variedade de formas físicas, inclusive mãos, faces, e figuras até inteiras que caminharam e falaram.

Continua...


Última edição por O_Canto_da_Ave em Ter Ago 20, 2013 10:04 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 20, 2013 10:03 pm

Continua...

Suas experiências mais memoráveis neste campo foram com Marthe Beraud, que em anos anteriores eram conhecida pelo pseudónimo "Eva C."

Marthe esteve comprometida com o filho do General e Madame Noel, e embora o jovem morrera no campo de batalha antes do casamento, Marthe foi viver com os Noels de qualquer maneira.

Foi na casa dos Noels em Algiers que Richet realizou uma série de experiências com Marthe, produtora do que ele considerou serem resultados espectaculares e irrefutáveis.

Estas sessões, embora sejam consideradas de pouco peso pela maioria de parapsicólogos actualmente, ainda são citadas como evidência sólida por alguns proponentes do paranormal.

Não obstante, existem razões para suspeitar que as condições experimentais de Richet não eram tão seguras quanto deviam ter sido.

Considere sua própria descrição dos procedimentos, como apresentada em suas memórias em 1923, Trinta Anos de Pesquisa Psíquica.

As sessões, ele escreve, "eram efetuadas em um edifício pequeno, isolado acima de um estábulo.

A janela era tapada e permanecia fechada todo o tempo.
A única porta era trancada no início de toda sessão.

É o único quarto no edifício, e antes de toda sessão tudo era minuciosamente inspecionado pelo [associado de Richet] Delanne e eu mesmo.
Duas cortinas foram estendidas através de um canto do quarto... para servir de um tipo de gabinete escuro ..."

Como era invariavelmente em quase todos os casos em mediunidade física, o espaço anexo, ou gabinete, parecia ser necessário de forma que o médium pudesse concentrar seus poderes psíquicos.

Richet, Delanne, General e Madame Noel, e uma mulher conhecida nos relatórios como "Mademoiselle X" estavam todos presente às sessões.

Ainda, duas irmãs mais jovens de Marthe, Marie e Paule, actuavam como assistentes.
Às vezes, havia outra participante, uma mulher africana chamada Aischa, aparentemente um membro do pessoal doméstico.

Quando Aischa estava lá, ela se sentava dentro do gabinete cortinado de Marthe.
A qual propósito ela servia, e por que lhe foi permitida a entrada no gabinete, são perguntas que Richet não levanta nem responde.

Ele ressalta, "A participação de Aischa parece absolutamente nula.
Mme. Noel fez alguma questão da presença dela, mas nossos melhores resultados aconteceram na ausência da Aischa."

Ele diz também, reflectindo o racismo casual de sua época, "É inútil incriminar Aischa, uma criatura ininteligente sentada passivamente ao lado de Marthe..."

Duas questões poderiam ser levantadas por nós neste momento.
Primeiro, por que Madame Noel quis que Aischa assistisse às sessões?

Possivelmente ela estava preocupada que Marthe pudesse sofrer dano enquanto estava em transe, e pediu à empregada para ficar perto dela e oferecer-lhe protecção ou dar algum aviso.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 21, 2013 11:25 am

Continua...

Mas existe uma explicação menos caridosa - que Aischa agiu como cúmplice de Marthe.

Segundo, quão perto de Marthe estavam suas irmãs mais jovens durante as sessões?
Richet declara que elas "se sentaram longe da cortina," i.e., do gabinete.

Ainda que elas estivessem sentadas inicialmente longe, elas não podiam ter vindo mais para perto uma vez as luzes se apagaram?
Como se certificar de que uma ou ambas as irmãs não contrabandearam artifícios para o quarto?
Elas eram examinadas? Aischa era examinada?

A resposta para cada das duas últimas perguntas parece ser não.
De facto, incrivelmente pior: até a própria Marthe não era revistada.

Comentários de Richet, "Marthe não foi despida, mas naquele clima muito quente ela vestiu apenas um vestido fino, e como eu a magnetizei, isso a fez ignorar a situação até o despertar do transe, eu pude me certificar, passando minha mão por todo o seu corpo, de que ela não tinha nada demais dentro de seu vestuário fino."

Seguramente isto é inadequado.
Por " passe magnético," Richet quer dizer gestos hipnóticos (hipnotismo estando originalmente associado com "magnetismo animal").

Estes passes não teriam tocado o corpo, e claro que nenhum imã real foi usado.
Além disso, Richet executou este procedimento só quando despertando Marthe de seu transe - depois dos fenómenos terem sido observados.

Não existia nada para prevenir a existência de objectos em seu vestido, levando-os ao gabinete, desdobrando-os na sessão e então livrando-se deles em outro lugar ou dando-os a Aischa antes de ser "acordada."

Richet declara que o quarto era iluminado por luminária vermelha de um fotógrafo.
"Tudo que aconteceu no quarto podia ser perfeitamente bem visto, e eu estou absolutamente certo que nenhum estranho podia entrar durante as sessões.

Como Marthe não era amarrada, nem suas mãos seguras, as condições de controle eram menos severas que em [um prévio] caso;
elas eram, porém, rígidas o bastante para permitir uma opinião definida."

Novamente, isto dificilmente soa adequado.
Não existia nenhuma restrição à médium.
Ela estava livre para executar qualquer tipo de artifício.

Enquanto a luz avermelhada era preferível à escuridão total que prevaleceu frequentemente nas sessões, isto provavelmente ainda não permitia visão clara.

Mesmo assim, Richet se mostra bastante confiante para declarar, "Está então estabelecido que não existia nenhuma instrumentação e nenhum acessório teatral que a médium pudesse usar, e que nenhum estranho podia entrar o quarto."

A julgar por sua própria descrição, sua confiança é mal afiançada.
Instrumentação ou acessórios teatrais podiam ter sido contrabandeados por Marthe debaixo de seu vestido, ou por ou de suas irmãs, ou por Aischa.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 21, 2013 11:26 am

Continua...

No que diz respeito a esse assunto, desde que o estábulo estava na propriedade onde o Marthe viveu, provavelmente nada impediria de um cúmplice entrar antes da sessão e esconder objectos em um local secreto - debaixo de um taco solto, por exemplo.

Não há também modo de se averiguar se um cúmplice poderia ter se escondido no aposento antes da procura ser efectuada.
Alguém debaixo do chão ou atrás de um painel corrediço na parede ou tecto não seriam achados.

Richet então descreve uma das aparências mais notáveis do fantasma habitualmente chamado por Marthe - o espírito, diziam, de um príncipe hindu chamado Bien Boa.

Embora o cientista fosse céptico quanto à afirmação que Bien Boa era quem realmente dizia ser – desmentindo-o e supondo que a aparição fosse uma produção ectoplásmica de mente subconsciente de Marthe - ele não obstante não teve nenhuma dúvida sobre a realidade corpórea do fantasma.

Como ele podia, quando Bien Boa tomou forma bem diante de seus olhos?

"....depois de uma longa espera," Richet escreve, "eu vi perto de mim, na frente da cortina que não tinha sido movida, um vapor branco, distante aproximadamente dezesseis polegadas.

Era como um véu ou lenço brancos no chão; distendendo-se ainda mais, aumentou, e cresceu em uma forma humana, um homem barbudo pequeno vestido em um turbante e manto branco, que moveu, mancando ligeiramente, da direita para a esquerda da cortina.

Chegou perto do General Noel, e afundou abruptamente no chão com barulho de um clicar semelhante a queda de um esqueleto, aplainando fora e à frente da cortina.

Três ou quatro minutos mais tarde ... ele reapareceu subindo do chão em linha recta, como se nascesse do chão, então repetindo, ele caiu de novo com o mesmo barulho.

"A única explicação não-metapsíquica possível ["metapsíquica" era termo de Richet para "paranormal"] pareceu ser a abertura e fechamento de alçapão:
mas não existia nenhum alçapão, como eu verifiquei a próxima manhã e como atestado pelo arquitecto."

Quando eu leio isto, meu primeiro pensamento foi de que Richet olhou na direcção errada.
Em lugar de inspeccionar o chão em busca de um alçapão, ele devia ter inspeccionado o tecto.

Eu pensaria que o fantasma barbudo pudesse ter sido uma marionete de tamanho natural, operada por cordas.
Neste contexto, um cúmplice da médium teria abaixado a figura do tecto.

Esta hipótese, porém, está provavelmente errada.

Uma explicação mais plausível é sugerida pela descrição de Richet de uma fotografia tirada de Bien Boa:
"Um negro robusto, com uma barba de aparência postiça cobrindo a boca e queixo... Bien Boa pareceria ser um busto flutuante apenas no espaço na frente de Marthe, cujo sutiã podia ser visto.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 21, 2013 11:27 am

Continua...

Mais abaixo, entre a barra preta da cortina e Marthe, parecem ser dois apoios como barras brancas pequenas para dar forma ao fantasma."

Presumivelmente a barba tinha "aparência postiça" porque era, de facto, postiça, e Bien Boa "parece[eu] ser um busto" porque ele era um busto.

Mas o que é realmente interessante são os "dois apoios como barras brancas pequenas para a forma de fantasma" - o tipo de apoio que são ainda usados em fantoches hoje, para manipular "bonecos de corda (?)" para cima ou para baixo.


Fotografia: Bien Boa pairando na frente da cortina, com sua " barba artificial " e corpo sem pernas..
Notem que a cortina está em parte aberta, permitindo manipulação da figura por detrás


Um boneco de corda (?) faria um fantasma bem mais satisfatório que uma marionete.
Dispensando suporte de arames em cima ou cúmplices escondidos.

Marthe, atuando atrás da cortina, manipulou a figura ela própria.
O boneco, deitado ao chão, foi empurrado para fora por debaixo da cortina, seu aparecimento foi oculto por efeitos de fumaça ("um vapor branco").

Marthe então colocou a figura na vertical ("rebelar-se ainda mais, aumentou, e cresceu em um humano forma"), e fez caminhar ("mancando ligeiramente" - exemplo, mudança espasmódica).

Atrás de alguns passos (que Richet descreve em outro lugar como "de parada"), o boneco era simplesmente programado para cair ao chão, "com barulho de estalo, semelhante a queda de um esqueleto" - o " barulho estalante" de seus componentes ocos ou de pouco peso.

O acto foi então repetido ("ele reapareceu subindo em linha directa do chão ... e recorrendo a isto com o mesmo barulho tipo estalo").

"O fantasma de Bien Boa," Richet escreve, "apareceu cinco ou seis vezes debaixo de condições satisfatórias, no sentido que ele não podia ser Marthe usando um capacete e lençol.

Marthe não apenas teria tido de trazê-los, mas também esconder no aposento, o capacete, o lençol e o burnous [em ortografia moderna, "burnoose" - um manto com capuz, comum entre árabes].

Também Marthe e o fantasma foram vistos ao mesmo tempo.
Supor que Bien Boa fosse uma boneco é coisa bem mais absurda;
ele caminhou e se moveu, seus olhos podiam ser vistos observando ao redor, e quando ele tentou falar seus lábios moveram-se."

Mas bonecos de corda podem mover e caminhar ao redor, e as impressões de movimento dos olhos e seguindo o espectador podem ser criadas até numa pintura.

É interessante que Bien Boa somente "tentou falar" - aparentemente ele podia falar realmente só através de Marthe, cuja voz nestas ocasiões, era por ela mesma descrita como "pausada, canhestra e gutural."

O próprio Richet assinala, entretanto sem dar muita importância ao facto, aquela fotografia de Marthe e Bien Boa juntos, onde a manga esquerda de Marthe "parece vazia, entretanto a vacuidade não é completa."

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 22, 2013 10:57 am

Continua...

A manga podia ter estado vazia porque braço do Marthe estaria levantando realmente a figura de boneco ao seu lado?

Pode se questionar que só uma criança poderia ser enganada por um boneco, uma coisa mecanismo de corda coberto um lençol e uma máscara.
Nenhum adulto, e certamente não um cientista sofisticado, alerta para assinar qualquer chicana, podia ser enganado por tal dispositivo.

Mas lembrem Os 'dinossauros’ do Brien, e os mágicos que apaixonaram-se por eles.

Embora um boneco de corda pudesse explicar algumas das aparições de Bien Boa, havia situações onde uma pessoa viva pode ter se disfarçado como o fantasma.

Em uma tal ocasião, Richet pediu ao fantasma para soprar em um frasco da água, o que Bien Boa fez, produzindo bolhas visíveis.

Uma possível explicação foi fornecida pelo empregado, um cocheiro do general Noel, um homem chamado Areski, que afirmou que ele teve de "bancar o fantasma."

Esta afirmação só foi feita depois de Areski ter sido despedido por roubo, e aí pode ser que ele estava simplesmente buscando vingar-se de seu antigo chefe.
A reivindicação feita por Aleski ainda é menos provável pelo fato que ele disse que ele desapareceu através de um alçapão, mas como já vimos, nenhum alçapão foi descoberto.

Em todo caso, não era necessário o cocheiro actuar como um cúmplice. Haviam outros que poderiam ter estado em uma posição para personificar o fantasma - Aischa por exemplo, ou uma das duas irmãs mais jovens, ou a própria Marthe.

Alguns dias depois de Marthe completar suas experiências com Richet, circulou a história de que ela confessou ter produzido seus feitos por fraude.

Se ela confessou ou não, efectivamente não há registos.
A história foi atribuída a uma fonte anónima e nunca pôde ser verificada, e evidentemente Marthe não a endossou.

Realmente, ela continuou a trabalhar com outros investigadores.
Nestas sessões mais antigas, precauções muito mais extensas contra fraude pareciam ter sido tomadas.

Marthe era despida e antes de cada sessão, fez-se uma busca que incluía o exame de seu cabelo, nariz, boca, axilas, joelhos, e até de seu recto e vagina.

Em algumas ocasiões ela parecia ter recebido um vomitivo, forçando-a a esvaziar seu estômago e esófago, assim removendo qualquer suspeita que ela engolira alguma musselina para ser depois regurgitada como ectoplasma.

Além disso, detectives eram empregados para seguir Marthe e investigar seu passado e pessoas ligadas a ela;
eles não acharam evidência alguma de fraude.

Tudo isso soa bem convincente, a não ser que Marthe tenha contrabandeado seus materiais no quarto de sessão antes desta acontecer, e aí então nenhuma busca corporal ajudaria os investigadores, e se ela estivesse agindo sozinha, então inevitavelmente as pistas dos detectives estariam frias.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 22, 2013 10:57 am

Continua...

Em todo caso, fotografias produzidas nestas investigações mais antigas não são mais acreditáveis do que aquelas tomadas de  Bien Boa.

O próprio Richet pareceu reconhecer isto.
Quando escrevendo sobre alguns "rostos" que pareceram brotar do corpo do Marthe, ele admitiu, "... estas faces (e muitos outras) não estão em relevo.

Elas são como desenhos;
e, mais estranho ainda, algo como dobras no papel desenhado são visíveis;
como dobrasse um desenho tivesse sido dobrados três ou quatro vezes e desdobrado para ser fotografado, de forma que as materializações nestes casos são planas ou desenhos materializados.

Essas dobras nas imagens planas deram suspeita imensa de fraude.
Mas que presume estupidez [de Marthe] ao extremo, desde que ela sabia que fotografias seriam tomadas."

Talvez ele presumira apenas uma coragem extrema de Marthe de que, por aquele processo, achou que ela podia se sair bem com quase qualquer coisa.


Fotografia: Face Ectoplásmica" produzida por "Eva C." (Marthe Beraud)

A médium recebia muita liberdade de acção quando fotografias eram tomadas.

Richet salienta que a fotografia interrompia uma sessão, necessitando "intermissões de observação enquanto a cortina é aberta" porque "observação contínua não é permitida pela médium quando se aguarda pela fotografia."

A própria Marthe sinalizaria ao fotógrafo quando era a hora de tomar a foto.
Obviamente esta instalação deu a ela tanto o tempo quanto o isolamento necessário para organizar seus truques para a máquina fotográfica.

Durante estas pesquisas mais antigas, os processos de suas manifestações tornaram-se cada vez mais elaborados.
Marthe parecia emitir ectoplasma de sua boca, umbigo, peito, e axilas.

A humidade, material enigmático, que "se assemelha a musselina húmida e pegajosa," provou-se enganosa.
Richet diz que quando um investigador tentava prender um pedaço de ectoplasma, ele "podia não segurar nada, pois ele desaparecia de uma vez."

Em outras instâncias, algum ectoplasma foi recuperado e submetido a exame microscópico, revelando "vestígios de epitélio, formas bacterianas e uma quantia notável de gordura.

Em certos casos ele parecia-se com tecido vegetal;
em outros como um filamento de algodão cercado por uma substância granulosa cuja natureza não pôde ser determinada."

Um fenómeno aparentemente paranormal avidamente catalogado por investigadores mais antigos de Marthe foi a produção de luvas de parafina - moldes de mãos humanas produzidas em cera de parafina, ostensivamente durante a sessão.

Afirmou-se que estes moldes, que se preservaram muito depois da sessão estar terminada, eram produzidos por uma mão que se materializou na cera líquida e então se desmaterializou depois da cera aderir-se a ela.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 22, 2013 10:58 am

Continua...

Pergunta como tais moldes podiam ter sido feitos?
Se uma mão viva fosse colocada na cera, teria quebrado o molde quando fosse removida.

De facto, quando artesãos fizeram tais moldes de mãos vivas, eles tiveram que separar o molde em dois pedaços para livrar a mão e depois juntar as metades.

Richet escreveu, "Nós desafiamos os hábeis modeladores a obter tais moldes sem usar o recurso de unir os dois segmentos separados."

Por muitos anos ficou este desafio aos "hábeis modeladores" de estudarem o caso - mas em 1997 dois de investigadores italianos, Massimo Polidoro e Luigi Garlaschelli, decidiram tentar.

Eles acharam que era possível fazer uma excelente luva de parafina de uma mão viva e retirar a mão, lenta e cuidadosamente, sem rachar o molde.

A extrema mobilidade da mão o permite livrar a seu modo do molde da mesma forma que se poderia livrar a mão de uma luva muito apertada.

Até quando o molde em questão era extremamente frágil, feita com só uma concha fina de cera, ainda era possível desembaraçar a mão e deixar o molde intacto.

Se esta técnica foi realmente usada durante a sessão, ou foi empregada com antecedência, com os moldes inteiros escondidos no quarto e produziram quando necessário, nunca poderá ser esclarecido.

Vale a pena assinalar que o relatório sobre produtores de luvas de parafina foi publicado no Journal of the Society for Psychical Researchl, apenas como uma de muitas avaliações cépticas de fenómenos paranormais para figurar naquela publicação.
("Spirit Moulds: A Practical Experiment"; Vol. 62, No. 848; July 1997 p. 58-62).

Alguns argumentam que Marthe não teria se submetido durante anos a provas tediosas apenas para se divertir.

Brian Ingliss escreve, "Não havia dinheiro nisso para os investigadores e menos ainda para a médium;
ainda mais quando certamente ela podia ter ganho mais exibindo seus poderes nos teatros.

E não existia nenhum glória;
tal pesquisa atraiu só escárnio, quando se falava alguma coisa a respeito."
(Natural e Sobrenatural, 1992; pág. 435).

Mas motivação humana é uma coisa enganadora.
Existem outras recompensas além de dinheiro e fama.

Os médicos estão familiarizados com a condição conhecida como síndrome de Munchausen, em que um paciente faz ele mesmo de doente - às vezes tão seriamente - a fim de chamar a atenção do pessoal médico.

Os membros de cultos religiosos podem doar todos seus bens mundanos e a liberdade pessoal, abandonando até suas famílias, sem nenhum lucro óbvio.

Recentemente viu-se relatos de pessoas que optam de ter membros saudáveis amputados por causa de uma aversão irracional para seus próprios corpos.

Óbvio que isto não é o bastante para dizer que Marthe e seus investigadores não tiveram razão alguma para se enganarem ou para iludir eles próprios.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 23, 2013 9:10 am

Continua...

As razões das pessoas não são sempre razoáveis.
Ao levantar esses pontos, não quero dizer que toda a evidência de mediunidade física é igualmente suspeita.

A mesa balançando e a levitação de mesas, outros objectos, e até pessoas são fenómenos que foram extensamente relatados e reproduzidos.

As denominadas "batidas dos espíritos," um termo grotesco para uma variedade de sons e vibrações, eram conhecidas desde antiguidade.

Existem até casos de manifestações de espírito que podem ser suficientes para se ter em conta forte evidência – como em algumas sessões do afamado médium do século XIX D. D. Home.
De modo algum desfaço a grande massa de evidência para os vários fenómenos, muitos dos quais eu creio serem genuínos.

Mas para Marthe Beraud, que evidência existe?

No fim, tudo que nós temos são luvas de parafina que podiam ter sido falsificadas, fotografias de aparições e extrusões ectoplásmicas que são menos convincentes, um registo de precauções inadequadas do Richet contra enganos e os relatórios de testemunhas que podem ou não terem sido confiáveis.

Por outro lado, em favor de Marthe temos a insistência por parte de investigadores mais antigos que precauções completas foram tomadas e que os fenómenos continuaram e tornaram-se até mais impressionantes.

Certamente se tomarmos os investigadores em sua palavra, então nenhuma quantidade de fraude poderia explicar o que eles viram.

Aqui, por exemplo, são notas contemporâneas de Richet em uma sessão com Marthe:
"No quarto bastante pequeno que eu vasculho completamente...

Mme. de S., quem eu chamarei A., está sozinha com Marthe e comigo.
Nós dois nos sentamos perto de Marthe, tão perto que eu posso tocar suas mãos sem me levantar.

A luz é uma luminária eléctrica coberta com material vermelho, e fornece luz suficiente para mostrar todo o branco nos artigos de vestuário de Marthe e as tiras brancas em seu cabelo.

Após cerca de meia hora, eu abro as cortinas e vejo uma fraca luminosidade no chão, tão fraca que eu duvido sua realidade.

Pouco a pouco esta aumenta;
é como um lenço pequeno, luminoso estendido no chão.
O corpo inteiro do Marthe está imóvel.

A mancha luminosa cresce;
seus esboços são leitosos, indefinidos e nublados, menos definidos e mais suaves do que seria se fosse de material têxtil.

Aproxima-se da cadeira, aumenta em tamanho e toma a forma de uma serpentina, que tende a subir para o braço esquerdo de cadeira de Mme A.

Seus esboços se tornam mais definidos;
é como uma massa de tecido meio vazia.

Então segue uma visão extraordinária:
uma parte separa-se da massa propriamente dita, monta para cima, curva-se e dirige propriamente para peito de Marthe, suas mãos estando presas o tempo todo.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 23, 2013 9:10 am

Continua...

A outra parte continua a avançar em de um modo assustador tal como um animal apontando seu bico;
e assim ele avança, no talo rígido lá aparece uma estrutura de gaze fina, semelhante a uma asa de morcego, tão fina e transparente que as peças do vestuário de Marthe podem ser vistas através disto.

O talo é facilmente distinguível da membrana que o circunda.
Marthe permanece imóvel e fala em intervalos.

"Eu posso aproximar e olhar bem de perto, a uma polegada de distância.
Eu vejo o que se parece com uma substância inchada, movendo-se como se estivesse viva, e mudando sua forma.

Por cinco ou seis minutos, eu a examino atentamente. Vejo extensões semelhantes a chifres de um caracol, que se projectam para cima, para a direita e esquerda;
estes chifres são como gelatina transparente, eles se projectam e afundam de volta na massa central mais definida."

E em uma sessão anterior:
"Luz suficientemente boa.

A cortina permaneceu fechada para mais ou menos uma hora.
Eu abro-a;
uma mancha branca no chão cresce rapidamente, e dois chifres protraem da massa X, da qual outros chifres aparecem, muito móveis, apontando em toda direcção.

A massa, então muito maior, desagrega-se em partículas, tomando a semelhança de uma mão... uma mão cinzenta com esboços mal-definidos.

"Esta mão se move, parecendo-se com a mão de uma múmia que emerge de algum material;
levanta-se e se abaixa tal como uma mão propriamente faria.

As mãos de Marthe estão firmemente seguras por mim e permanecemos ambos imóveis.
Os dedos do ectoplasma, fino e delgado, pareçam terminar em massas nubladas.
Eu posso examiná-los bem de perto.

Toco um destes dedos e sinto-os como um líquido frio.
Aperto-o e o sinto como o osso de um dedo coberto com pele.
A mão repousa em meu joelho e eu sinto a fricção leve de um corpo de pouca resistência.

A mão estende-se, balançando em um longo talo que se conecta com o chão;
cai então ao chão com um barulho leve;
permanece lá e penso ver os dois ossos do antebraço como se embrulhados em um nuvem de musselina.

"A mão então sobe, curva-se e movimenta-se em minha direcção.

O pulso é abaixado e os dedos pendem;
eles se movem com a aparência de um movimento de torção do braço.
Ainda penso que ver os ossos do carpo na nuvem de musselina.

"A mão repousou em meu joelho novamente.
Eu sinto seu peso (muito leve), faz poucos movimentos a meu pedido os quais posso senti-los bastante bem.

Então Marthe me diz, `Que é o início de músculos a se formar,' e eu vejo, ou eu penso que eu vejo, algo escuro no espaço entre os dois ossos.
A mão sobe e se move muito perto de mim, não tem nenhuma conexão com o chão mas um rastro branco fino.
Ela então cai por terra com um barulho leve, vindo dele e de repente desaparece no momento que Marthe se levanta."

A chave para toda essa questão está em algumas palavras do início parágrafo: "Eu vejo, ou eu penso que eu vejo."

Se Richet realmente viu estas coisas, então sua confiança na autenticidade de Marthe deve ter sido justificada.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 23, 2013 9:13 am

Continua...

Mas e se ele só pensa que as viu?
Na luz escura (descrita só como "suficientemente boa"), na excitação do momento, talvez apressado pelas próprias sugestões de Marthe ("Isto é o início de músculos a se formar"), fez que ele veja o que estava realmente lá ou o que ele quis ver?

Pode ser que nunca venhamos a saber.
Mas sabemos que quando uma audiência de mágicos assistiu 'dinossauros animados de Willis O’ Brien, eles viram algo que nenhum espectador moderno acreditaria.

Se existem menos materializaões de espíritos no mundo moderno, talvez seja porque nós agora vemos com olhos melhores habituados.

Pós-escrito: Depois de postar esta composição, tomei ciência de alguns comentários do investigador psíquico Montague Keen que se encaixa directamente no tópico.

Estes comentários encontram-se na composição de Keen "The Scole Investigation: A Study in Critical Analysis of Paranormal Physical Phenomena,"
www.survivalafterdeath.org/articles/keen/scole.htm.
(Incidentemente, eu a recomendo fortemente como uma fonte de artigos e trechos de livros no assunto da vida depois de morte.)

Keen critica "aquela suposição, porque o suposto comunicador [espírito] não se comporta como esperaríamos, não nos dá o número de lotaria premiada, a resolução do último teorema de Fermat ou a data em que a próximo abalo sísmico atingiria a falha de San Andreas, eles devem ser invenções do cérebro do médium...

"A suposição subjacente a esta crítica tem implicações muito difundidas.
No meio das fotografias mais frequentemente reproduzidas de forma a ilustrar a natureza obviamente fraudulenta das denominadas imagens ectoplásmicas do passado, estão aquelas de máscaras de papel grotescas e mal feitas.

Elas apresentaram ao Barão von Schrenck Notzing numa série de testes realizados em uma médium registada na história como Eva C. [Marthe Beraud].

Mas um elaborado estudo das precauções tomadas pelo investigador médico e seus dois colegas qualificados mostra que, se Eva conseguiu contrabandear a máscara durante a sessão de 7 de agosto 1912 (a título de exemplo), ela teria de ter empacotado e a escondido sobre seu corpo uma máscara de plástico em tamanho natural, uma forma de cabeça de papel ou tecido e uma quantidade de uma substância, do tamanho de uma mão, que deixaria evidências em seu vestido.

Apesar de todas as precauções, inclusive exame anterior de seu corpo nu, cabelo, boca e orelhas, e tendo de vestir um corpete o qual foi costurado antes da sessão e que depois de ela se sentar, permaneceu sem abrir, o médium teria de ter embalado este equipamento dentro ou sobre seu corpo, abrir o traje antes das máquinas fotográficas funcionarem, desdobrar a máscara e colocar sobre ela e novamente escondê-la sobre seu corpo nu, de forma que permanecesse imperceptível, apesar de uma busca corporal subsequente.

Tais precauções, que foram efectivadas de forma a tirar dúvidas, e o inesperado brilho dos flashes na tomada das fotos, não tiveram o mais leve efeito naqueles que consideram óbvio que nenhum espírito genuíno quereria, ainda que fosse capaz, de se projectar como uma imagem com evidentes sinais de serem objectos de tosca fabricação humana."

Isto é um ponto em questão, bem a ser considerado.

Quase um século depois das investigações de Beraud, o debate ainda continua.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Ago 24, 2013 9:52 am

Sobre Dinossauros e Fantasmas: A Continuação
Michael Prescott
Traduzido por: Marcos Arduin e Vitor Moura Visoni

Há pouco tempo atrás, com um certo humor céptico pouco característico de minha mente, postei um artigo, especulando que alguns fenómenos paranormais famosos - as materializações ectoplásmicas no início de século 20, creditadas à médium Marthe Beraud, também conhecida como "Eva C." - tinham sido produzidas por artifícios.

Depois de postar aquele ensaio, li mais sobre as fases anteriores da carreira da Marthe e comecei a ter outros pensamentos.

Eu era refractário, particularmente, a uma série de experiências feitas em Munique pelo médico e psiquiatra Dr Albert von Schrenck-Notzing sob o patrocínio de uma viúva rica, Juliette Bisson.

Estas experiências são descritas com algum detalhe em Natural and Supernatural, de Brian Inglis e sua sequência, Science and Parascience.

Embora eu estivesse ciente destes testes e de até os ter mencionado no primeiro ensaio, dei-lhes pouca consideração, preferindo enfocar em Marthe o trabalho anterior, com o fisiólogo e investigador psíquico Charles Richet.

Em seus dois volumes maciçamente documentados, Inglis esmera-se em estabelecer suas credenciais como um historiador objectivo do paranormal, mas é claro que ele é simpatizante das reivindicações de médiuns e psiquistas, e impaciente com as objecções levantadas por cépticos.

Ele coloca sob a melhor face possível as investigações de Schrenck-Notzing sobre Marthe Beraud e, no processo, faz aqueles que as criticaram parecerem insignificantes e tacanhos.

Tendo me colocado ao lado dos críticos, senti-me atingido por essa repreensão.
Podia ser que difamei Marthe sem causa?
Ela podia ter sido genuína afinal?

Para responder a esta pergunta, é necessário dar uma olhada em alguns dos fenómenos fotografados por Schrenck-Notzing primeiro.

Aqui são duas reproduções de fotografias de faces ectoplásmicas supostamente sendo emitidas da cabeça de Marthe:
 
Como é imediatamente óbvio, estas faces de fantasma não são muito realistas.

De facto, elas se assemelham a esboços crus.
Na segunda fotografia, o material - talvez tecido de algodão ou musselina - em que o retrato é exibido tem pregas visíveis, como se ele tivesse sido dobrado para ser ocultado antes da sessão.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Ago 24, 2013 9:53 am

Continua...

Por isso, um comentário de Susan Blackmore, uma céptica britânica, pode ser relevante:
"Nos arquivos da Sociedade de Pesquisas Psíquicas em Londres, ainda existe um pedaço de ectoplasma de Helen Duncan.
(médium de meados século 20).
Ele parece muito mais um grande pedaço de musselina fina e até tem costuras em torno das extremidades."

Mesmo nos dias de Marthe, investigadores e mágicos cépticos discutiram que o ectoplasma era realmente papel ou tecido regurgitado pela médium ou expelido, via contracções abdominais, de sua vagina.

As sessões eram quase sempre executadas no escuro ou com luz muito fraca, e as de Marthe não foram nenhuma excepção.
Naquelas condições, retratos ruins de musselina podiam até parecer genuínos.
Mas quando fotografada sob a luz de flash, os fenómenos passam a ser notadamente menos persuasivos.

As faces pouco convincentes das fotografias do Schrenck-Notzing são ruins o bastante.
Pior, em outra fotografia do mesmo período, as letras MIRO pode ser vistas atrás de uma forma ectoplásmica emitida da cabeça de Marthe.
MIRO era parte do cabeçalho do jornal Le Miroir, de que muitas das faces parecem ter sido retiradas.

A implicação óbvia é que Marthe simplesmente corta um pedaço de Le Miroir e "manifesta" isto durante a sessão.
(Esta fotografia é incluída em Science and Parascience; Eu não achei reproduzida na Web.)

Em outros casos a face parece ser um desenho feito à mão, cópia de um esboço ou fotografia publicada - talvez uma cópia desenhada por Marthe em tecido, que era enrolado e escondido em (ou do lado de dentro) de sua pessoa.

Podemos estar seguros de que Schrenck-Notzing se preveniu contra tal fraude?
Sim, ele o fez.
Marthe foi despida e submeteu-se a uma busca antes se sentar, uma busca que incluía até um exame gino-rectal.

Às vezes ela tinha até de tomar um vomitivo para eliminar a possibilidade de estar regurgitando artigos previamente engolidos.
Dados estes esforços em prevenir fraude, é difícil de ver como Marthe, sem ajuda, pudesse ter contrabandeado qualquer coisa na sala de sessão.

Mas quem diz que ela não tinha ajuda?
Não é impossível que ela tivesse uma cúmplice - isto é, a patrocinadora das experiências, Madame Bisson.

Era Juliette Bisson quem despia Marthe e executava o exame ginecológico.
E era Juliette quem hipnotizava Marthe para colocá-la em um transe mediúnico.
Ao menos, Juliette parece ter dado apoio psicológico a Marthe.

Um autor se refere a Bisson como "a Svengali de Eva (?)," considerando ainda que, "Schrenck-Notzing estava chocado pela passividade da médium, a evidência mais memorável da qual eram os exames físicos do recto e vagina para... verificar se escondeu materiais.
Schrenck-Notzing viu como Bisson sondou a vagina da Eva;
mas ele próprio consentiu de sentir seu corpo só através de seu traje em peça única..."
(Malcolm Gaskill, Hellish Nell: Last of Britain's Witches, pp.91-92; o trecho citado é on-line .)

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Ago 24, 2013 9:54 am

Continua...

Juliette Bisson era uma viúva e Marthe Beraud uma mulher solteira em meia idade.

Qual era a natureza de sua relação?
Eu especularia que ela pode ter sido de intimidade.

Eu acrescento imediatamente que não tenho nenhuma evidência para sustentar esta especulação.
Realmente, é difícil imaginar o que comprovaria ou contrariaria para lançar alguma luz ao fenómeno depois de noventa anos.
Ainda assim, deixe-nos aceitarmos esta hipótese, para efeito de discussão.

Naqueles dias uma relação romântica entre duas mulheres não podia ser trazida a público sem sérias repercussões.
Algum pretexto teria que ser achado se Marthe fosse em pessoa à casa de Juliette e passasse muito tempo com ela.

Que tal uma série das investigações científicas sóbrias?
Tais testes, especialmente se presididos por um doutor médico respeitado do calibre de Schrenck-Notzing, seria suficiente para evitar quaisquer perguntas.

Desde que era Juliette quem despia Marthe e sondava suas cavidades do corpo, Schrenck-Notzing tinha de aceitar a palavra de Juliette que ela não achou nada. Se Juliette fosse indigna de confiança, Schrenck-Notzing nunca entraria nessa.

Como eu disse, a natureza real de relação de Marthe com Juliette nunca poderá ser conhecida.
Nós podemos, porém, lançar um olhar para algumas das outras precauções que Schrenck-Notzing relatou.

É frequentemente declarado que Marthe vestia "uma peça de vestuário colante"
(Science and Parascience).

Ela realmente estava vestida assim?

Olhe para estas fotografias das experiências de Munique:

-

Os trajes vestidos por Marthe nestas fotos não parecem especialmente "um colante," muito menos "colado no corpo," como alguns os descreveram.

Nem qualquer um qualifica como um "traje em peça única," o termo usado em algum artigo citado anteriormente.
Realmente, os trajes, especialmente o à direita, pareceriam ter amplas possibilidades para encobrimento.

Talvez o "traje justo" fosse colocado primeiro, e depois o vestido pesado, trajado sobre dele por motivo de modéstia.
Isto seria ainda um arranjo insatisfatório.

O vestido propriamente podia ter tido musselina "ectoplásmica" frouxamente costurada em suas grandes dobras e podiam ter coberto quaisquer movimentos amplos.

Outro argumento feito por partidários de Marthe é que ela produziu ectoplasma mesmo com um véu cobrindo sua cabeça.

Obviamente, porém, ela não vestia sempre um véu.
Nenhum véu é aparente nas fotografias, por exemplo, ou nas fotos de suas manifestações ectoplásmicas que circularam amplamente.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 25, 2013 9:42 am

Continua...

Até quando estava coberta com um véu, ela expulsou realmente qualquer coisa através disto?
Harry Houdini, que testemunhou uma sessão de Marthe, disse que ela não o fez.

Porém, deve-se admitir que Houdini não foi sempre uma testemunha confiável.
Sua famosa hostilidade para com a mediunidade quase certamente tornava parciais suas observações em algumas ocasiões, e em um caso ele pode ter enquadrado uma médium (Mina Crandon, a.k.a. "Margery") quando ele estava incapaz de desacreditá-la apropriadamente.

Bem, para o que vale a pena aqui, é o relatório de Houdini de uma sessão com Marthe, na qual ele registou em uma carta a Arthur Conan Doyle:
- Bem, nós tivemos sucesso na sessão ontem à noite, pois algo se produziu, mas eu não sou preparado para dizer que se elas eram supernormais.

Eu lhe asseguro que não controlei a médium, então as precauções não eram minhas.
Eles fizeram Mlle. Eva beber uma xícara de café e comer algum bolo (eu presumo que para enchê-la com algum material ingerível), e depois de ela ter sido vestida no colante, e com uma rede sobre sua face, ela "manifestou,"


1°. Alguma substância como espuma, dentro da rede.
Era mais ou menos 5 polegadas de comprimento;
ela disse que era "elevando," mas nenhum de nós quatro vigias viram isto "elevar." ...


2°. Algo parecido com gesso branco formando-se acima de seu olho direito.

3°. Algo que pareceu com um rosto pequeno, com 4 polegadas em circunferência...

4°. Alguma substância, como espuma, "aparecendo de seu nariz." Baggally e Feilding dizem que protraiu de seu nariz, mas Dingwall e eu estamos certos de que era de dentro da rede e não estava estendendo de seu nariz;
Eu tive a melhor visão de dois lugares diferentes.
Tomei deliberadamente vantagem apenas para ver o que era...


5°. A médium pediu permissão para remover algo de sua boca;
mostrou a suas mãos vazias e elas tiraram o que parecia ser uma substância borrachenta, que ela abriu em sua mão e nos mostrou claramente;
nós seguramos a lâmpada eléctrica;
todos viram claramente, quando presto! Desapareceu.


Mais tarde, na carta, Houdini atribuiu o desaparecimento da "substância borrachenta" como passe de mágica e concluiu, "eu não vacilo em dizer que acredito que as duas [i.e., Marthe e Juliette] simplesmente aproveitaram-se da credulidade e boa-fé dos vários homens com quem elas tiveram que negociar."
Talvez seja significativo que Houdini implicou ambas Marthe e Juliette no esquema.

Bem, nós podemos pensar se as duas mulheres teriam persistido em tal brincadeira complexa por anos, quando outros modos de esconder uma relação romântica podia ter sido encontrada.

Afinal, elas não fizeram nenhum dinheiro fora do trabalho - entretanto, Madame Bisson não precisavva de dinheiro.
Ela já era rica. O que ela e Marthe conseguiram, talvez, foi o prazer de enganar uma sucessão de eminentes homens do mundo que assistiram às suas sessões e foram embora enganados.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 25, 2013 9:43 am

Continua...

As pessoas são conhecidas por administrar elaboradas brincadeiras pelas razões mais fúteis.

Quaisquer que fossem os pontos fortes e fracos, as experiências de Schrenck-Notzing não foram o fim da história.

Testes adicionais eram executados por outros investigadores - mas embora Schrenck-Notzing não estivesse sempre envolvido, Madame Bisson continuou a tocar o papel de hipnotizadora de Marthe e, frequentemente, era a pessoa que a desnudava e a revistava antes de ela se sentar.

Um dos mais fortes relatórios a favor de Marthe foram emitidos por Gustave Geley, um investigador que reivindicou ter visto "uma substância a princípio amorfa ou polimorfa [aparecendo de] seus orifícios naturais [com] movimento de um réptil rastejante "e projecções de dedos, mãos, e "uma cabeça viva, cujos ossos eu podia sentir debaixo de uma massa espessa de cabelo...

Aqui e lá da massa parecem protrusões temporárias, e estas por alguns segundos assumem a forma de dedos, o esboço de mãos, e então reentravam na massa... que eu posso ver então a extremidade espessa semelhante a uma inchação, e esta inchação terminal expande em uma perfeitamente mão modelada.

Eu toco isto; dá uma sensação normal.
Eu sinto os ossos, e os dedos com suas unhas.

Então as contrações de mãos, diminui e desaparece no fim da corda.
A corda faz alguns movimentos, retrai-se, e retorna à boca da médium."

Em resumo, Geley anunciou, "eu não digo que 'Não existia artifício.' Eu digo que 'Não existia nenhuma possibilidade de artifício.'"
(Citou em Ciência e Parascience).

Isto certamente soa definitivo. Depois de morte de Geley, porém, sua investigação foi posta em dúvida quando, como Inglis recorda, um investigador chamado Osty "achou algumas fotografias que pareceram mostrar que algumas das materializações eram falsas - presas a elas por linhas ou arames.

Ele as mostrou a alguns investigadores psíquicos, no caso, Schrenck[-Notzing] e [Charles] Richet, mas não as publicaram.
Trinta anos depois, Rudolf Lambert, um alemão que foi um investigador psíquico nos anos 1920, explicou o que aconteceu...

De acordo com Lambert, Osty mostrou-lhe as fotografias mas exigiu segredo sobre elas pois seria desastroso se a história [viesse a público.

O consenso que se formou sobre as] fotografias Osty acreditava que deveriam mostrar seguramente que os fenômenos eram falsificados.
Toda a pesquisa executada com Marthe Beraud em seu papel como 'Eva C.,' deveria ser completamente desacreditada."

Inglis é cuidadoso ao apontar outras fotografias de manifestações ectoplásmicas de Marthe com traços suspeitos de terem sido publicadas por Bisson, Schrenck-Notzing, e Geley (inclusive o retrato de Miro), então não existia nada incriminando necessariamente sobre a decisão de Geley para reter estas fotografias particulares.

Não obstante, como Inglis reconhece, "o resultado... era que 'Eva C.' seria completamente desacreditada nos círculos de pesquisas psíquicas e entre seus investigadores."
(Ciência e Parascience).

O parapsicólogo George Hansen faz referência a este desenvolvimento em seu artigo "Previamente," ele escreve, "tem sido prática comum não reportar a habilidade conhecida do indivíduo e o exercício de fraude”.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 25, 2013 9:43 am

Continua...

No caso de Eva C., vários investigadores proeminentes protestaram descobertas de publicação de fraude (por exemplo, ver Lambert, 1954)."

Hansen dá exemplos adicionais:
"No primeiro assunto do Journal of Parapsychology, Pratt (1937) não reportou que ele pegou a Sra. M. fraudando em uma de suas sessões...
Práticas similares continuam até os dias actuais.

Por exemplo, o Indivíduo #4 no artigo de Baumann, Stewart e Roll (1986 era Tina Resch, que recebeu ampla cobertura da imprensa e admitiu fraudes anteriormente... ainda que nada disto fosse mencionado no relatório.

Nos documentos da convenção da PA de 1986, envolvendo assuntos relatados como fraudulentos, nenhum dos autores reconheceram o facto em seus relatórios... eu estou pessoalmente familiarizado com os autores destes documentos recentes e estou certos que eles tiveram só as melhores intenções (desmentindo seus controles tidos como adequados).

Porém, para os que não estão familiarizados com os investigadores, tais práticas podem parecer tentativas deliberadas para enganar o leitor.

Assim tem sido geralmente entendido. Por exemplo, Verrall (1914), falando de relatórios de Eva C. escreveu:
'A omissão de qualquer declaração [relativo a fraudes alegadas] seria naturalmente interpretada como implicando que ela teve [um registo absolutamente limpo]'."

Tal criticismo, porém, ficam para o futuro. No momento em que Geley publicou seu relatório, ele causou muita agitação.
Numa tentativa de por panos quentes na controvérsia, a Sociedade de Pesquisas Psíquicas investigou Marthe.

Desta vez, entretanto, houve uma mudança significativa no procedimento.
O envolvimento de Madame Bisson parece ter sido reduzido.

"Na chegada para uma sessão," Inglis escreve, "Marthe foi despida e examinada para a busca de possíveis objectos escondidos por um médico [notem bem: um médico, não Juliette Bisson], que 'examinou a cavidade oral, orelhas, e cabelos '
(um exame ginecológico foi cogitado, mas considerado desnecessário ...)

Durante as sessões, investigadores sentados em um ou noutro lado dela, cada um segurando um pulso...
As sessões foram iluminadas com uma luz eléctrica fraca, mas com duas máquinas fotográficas de luz de flash preparadas para ação em qualquer momento, e uma tocha [i.e., lanterna] que podia ser usada sempre que houvesse sinais de uma materialização."

Tais precauções, especialmente o exame por um médico, eram completamente sensatas.
E no fim, debaixo de todo este protocolo, Marthe não produziu qualquer coisa que se aproximasse do seu alcance habitual de fenómenos.

"Em várias ocasiões," Inglis continua, "o que pareceu ser saliva escoada de sua boca, solidificando em ectoplasma e tomando formas curiosas.

Uma fotografia mostrou o que se parecia com uma mão óssea colocada em seu ombro;
outra revelou o que se parecia com um medalhão debaixo de seu queixo, no qual havia um retrato."

Estes efeitos estava muito distantes daqueles fenómenos mais dramáticos e em escala muito maior relatados em sessões anteriores, entretanto eles foram ainda suficientes para convencer alguns dos investigadores.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 26, 2013 9:31 am

Continua...

Para mim, o que é notável é que quando o papel de Juliette Bisson era minimizado, as materializações também eram minimizadas.

Claramente, a controvérsia sobre Marthe Beraud continuará.
Várias opiniões são possíveis, e qualquer argumento pode encontrar um contra-argumento.

Como é verdade em muitos assuntos em parapsicologia, o tópico não se presta propriamente para estudo casual ou superficial.

Levaria anos para se buscar através de toda a literatura pertinente as várias investigações de Marthe Beraud.

Eu não reivindico ter o tempo, paciência ou lazer necessário para empreender tal esforço, e então o que posso é só reportar uma opinião pessoal.

Pondo tudo na balança, dada a natureza pouco convincente das fotografias, o facto que as sessões eram feitas na escuridão ou quase no escuro, o aparentemente vestuário colado ao corpo, a relação ambígua entre Marthe e Juliette, o enfraquecimento dos fenómenos quando Juliette Bisson não estava envolvida e as fotografias de Geley colocam dúvidas adicionais nas materializações, eu me reservo no direito de manter minha conclusão original.

Marthe Beraud, a.k.a. "Eva C.," era uma fraude, entretanto uma raramente boa.

Eu também me reservo, inclusive o direito de mudar de ideia.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 26, 2013 9:31 am

A mentalista que enganou William Crookes
Tradução: Marcos Arduin
Revisão: Vitor Moura Visoni e Jáder dos Reis Sampaio

Entre 1870 e 1874 o eminente cientista William Crookes administrou uma série de experiências controversas com alguns dos médiuns mais notáveis da época.

Um episódio mostra sem dúvidas o fracasso de Crookes em descobrir um truque evidente.
Isto aconteceu quando Crookes lidou com Annie Eva Fay, uma personalidade interessante, agora completamente esquecida, que merece ser relembrada.

Entre 1870 e 1874, William Crookes o descobridor do tálio, inventor do radiómetro, desenvolvedor do tubo de Crookes, investigador pioneiro de efeitos de radiação, Membro da Sociedade Real, e mais tarde nomeado Cavaleiro, administrou uma série de experiências com alguns dos médiuns mais notáveis da época.

D. D. Home, possivelmente o maior de todos médiuns, foi estudado por Crookes e declarado genuíno, como foi Florence Cook, uma mulher jovem especializada em materialização de um fantasma denominado "Katie King";
Kate Fox, uma das fundadoras do espiritualismo, que mais tarde confessou fraude;
Mary Rosina Showers, outra jovem médium de materialização;
e Annie Eva Fay, uma artista de teatro de vaudeville

(Brandon 1984; Polidoro 1995).

Existem algumas dúvidas muito fortes sobre a validade destas investigações;
por exemplo, tem-se dito que o casado Crookes tinha um caso amoroso com Florence, e que as experiências eram só um ardil para seus encontros (Hall 1984).

Supõe-se cumplicidade de Crookes com a médium, ou sua incapacidade para efetivar testes científicos confiáveis no espiritualismo, coisas que estão em debate até hoje.

Existe, porém, pelo menos um episódio que demonstra sem dúvida o fracasso de Crookes em descobrir um truque evidente quando confrontado com ele.

Isto aconteceu quando Crookes lidou com Annie Eva Fay, uma personalidade interessante, agora completamente esquecida, que merece ser relembrada.

O "Fenómeno Indescritível"

Annie Eva Heathman nasceu em Southington, Ohio, em 1850 (ela não dá a data).

Saiu de casa bem jovem e se tornou interessada em teosofia e misticismo.
Uma vez ela disse que se tornou aluna de Mme. Blavatsky, morando com ela e ajudando-a em seus trabalhos.

Quando ela partiu, junto com uma bela manta da a ela por Mme. Blavatsky, Annie teve que ganhar sua própria vida e decidiu ir ao palco como uma leitora de mentes, uma especialidade que ela apresentou até sua última apresentação em Milwaukee em 1924.

Sua primeira apresentação pública como uma artista psíquica aconteceu num prédio escolar em New Portage, Ohio.

Quando ela se casou com seu primeiro marido, Henry Cummings Melville Fay, que se dizia médium, ambos decidiram trabalhar juntos no palco e apresentaram um desempenho intrigante.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 26, 2013 9:32 am

Continua...

Annie ficava em um tamborete colocado em um gabinete com abertura frontal.
Alguns voluntários, supervisionados por Melville Fay, a amarravam ao tamborete.

Um amarrava seu pulso esquerdo, no meio de uma longa tira de pano, com um nó composto de muitos laços sobrepostos;
um segundo voluntário fazia o mesmo com seu pulso direito.

Suas mãos eram postas atrás de suas costas e eles uniam as duas tiras e amarravam o pano em um anel de arreio que estava firmemente embutido num poste vertical atrás do gabinete.

Outro pedaço de fita era amarrada atrás do pescoço da médium, e as pontas eram presas num grampo mais alto no mesmo poste.

Uma ponta de uma longa corda era enrolada ao redor seus tornozelos;
a outra era segura por um espectador ao longo da apresentação que se seguiu.

Depois que Annie pareceu entrar em transe, Melville Fay colocou um aro em seu colo e fechou a cortina que ficava na frente do gabinete.

Um segundo depois ele abriu a cortina:
o aro agora estava no pescoço de Annie.

Removendo o aro, ele colocou um violão no colo da sua esposa, fechou a cortina e sons eram ouvidos pelo arranhar das cordas.
Assim que ele abria a cortina, a música parava e o violão caía ao chão.
A mesma coisa aconteceu com outros instrumentos musicais.

Outros fenómenos se seguiram:
pregos eram martelados em um bloco de madeira e bonecas de papel eram recortadas de um pedaço de papel.

Finalmente, uma faca foi colocada no colo de Annie.
Embora a cortina fosse fechada por apenas alguns segundos, os espíritos aparentemente tiveram tempo para desatá-la das cordas.

Ela levantou-se e avançou para pegar numerosos laços de corda[1]
(Christopher 1975).

Os Fays ganharam fama em sua demonstração como "O Fenómeno Indescritível," nunca reivindicaram abertamente ser intervenção de espíritos.

Realmente, era uma apresentação mágica típica, introduzida inicialmente por Laura Ellis, seguindo os passos de outras apresentações semelhantes, como o "Gabinete do Espírito" dos Davenport (Polidoro 1998), que combinou escapismo e temas espiritualistas.

Uma capitulação perfeita do "Fenómeno Indescritível" ainda está sendo executada hoje em dia pelos mentalistas Glenn Falkenstein e Frances Willard.

Annie era ousada o bastante para apresentar truques e ilusões junto seu acto principal:
um "Lenço Espiritual Dançante," uma "Mão batedora," e uma "Levitação" foram incluídos por anos em seu programa.

Por algum tempo, na América, considerou-se suas apresentações um exemplo real de espiritualismo.

Emma Hardinge, uma médium e historiadora de espiritualismo, em seu livro Modern American Spiritualism (1870), declarou que as fraudes de Melville Fay foram "abertamente expostas pelos próprios Espiritualistas";
John W Truesdell, um céptico da época, concordou que Fay era uma velhaca.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 27, 2013 9:19 am

Continua...

Parece claro que reivindicações de Annie eram de acordo com seu público:
quando lidava com espiritualistas, ela reivindicava poderes mediúnicos, e quando atuava num salão de música ela deixava que o público a julgasse, uma atitude adoptada por outros mentalistas da época, os Piddingtons.

Cientistas e Mágicos

Quando os Fays chegaram a Londres em junho de 1874, os anúncios para suas apresentações no Queen's Concert Rooms, Hanover Square, mencionaram "entretenimentos incluindo sessões espíritas na luz e às escuras todos os dias", " manifestações misteriosas," e "uma série de efeitos estonteantes";
porém, não havia sugestão alguma de que eles tivessem qualquer relação com o espiritualismo. Todavia, Annie achou que ela mesma seria uma médium de efeitos físicos.

Imediatamente, ela começou a receber a atenção de vários investigadores psíquicos;
F. W. H. Myers, por exemplo, que mais tarde seria um dos fundadores principais da Sociedade de Pesquisas Psíquicas, expressou seu interesse numa "investigação extensa da mediunidade da Sra. Fay" William Crookes, entretanto declarou claramente que ele queria ser o primeiro a examiná-la.

Em um comentário interessante feito em carta por Myers a seu colega Sidgwick, o primeiro diz, depois de mencionar Crookes, como "o leão não permitirá ser ele mesmo privado de seu filhote - nem o filhote de seu leão," sugerindo que Crookes estava tentando fazer de Eva a sua protegida pessoal e que Eva não se opunha em assumir tal papel (Dingwall 1966).

Foi por essa época que John Nevil Maskelyne e George Alfred Cooke, dois mágicos britânicos famosos que tinham seu próprio teatro em Egyptian Hall e já haviam expostos os truques usados pelos irmãos Davenport, incluíram em seu espectáculo "Uma sessão indescritível," com Cooke, amarrado da mesma maneira dos americanos, duplicando seus feitos.

Era possível neutralizar esta exposição que Annie Eva Fay, uma artista de teatro que se achava ela mesma o centro de atenção de um corpo de homens de eminente saber literário e científico, sendo tratada como uma "médium" a quem era necessário "investigar," sucumbisse à tentação e aceitou seu novo papel.

Se os investigadores psíquicos estavam determinados em ver se era uma médium, então ela concordaria e tiraria bom proveito disto enquanto pudesse, deste modo, restabeleceria sua reputação e promoveria mais interesse público em seus espectáculos.

As experiências mais importantes de todas feitas sobre a “mediunidade” de Annie foram, sem dúvida, os "testes eléctricos de Crookes," feitos em sua própria casa em fevereiro de 1875 (Crookes 1875).

Para estas sessões, Cromwell F. Varley, outro membro da Royal Society, forneceu um circuito de controle eléctrico, uma versão ligeiramente modificada do que foi usado por Crookes com a médium Florence Cook.

Para ter certeza que a médium, sentada em um gabinete cortinado, não podia livrar-se das cordas, Crookes pediu-lhe que apertasse ambas as manivelas de uma bateria, construída para interromper a corrente se ela soltasse qualquer uma das manivelas, e nesse caso o marcador cairia a 0. Fay conseguiu, de alguma maneira, apresentar suas manifestações apesar do contacto ter permanecido constante.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 27, 2013 9:19 am

Continua...

Para uma sessão adicional, dois dos convidados eram mais céticos que seu anfitrião.
Quando eles inspecionaram o controle eléctrico do sistema, antes da sessão começar, eles descobriram que um lenço húmido estirado entre as manivelas manteria o circuito aberto.

Por sugestão de um destes homens, Crookes afastou as manivelas até a distância na qual um lenço não podia ser colocado entre elas.
Aparentemente ninguém considerou a possibilidade de que poderiam ser usados uma tira de pano maior ou algum outro tipo de resistor.

O sucesso nestas experiências deu alento à excursão de Annie das províncias inglesas;
porém, quando ela deu abertura em Birmingham, em maio, era novamente descrita como o "Fenómeno Indescritível" e seu espectáculo era visto como um entretenimento (Dingwall 1966).

Aparentemente, no fim de sua excursão, seu gerente, insatisfeito com o facto que as investigações dos cientistas não terem produzido qualquer ganho adicional em seus bolsos, escreveu para J. N. Maskelyne sugerindo organizar uma exposição pública da sua ex-cliente.

Ele ofereceu poder revelar como as experiências de Crookes tinham sido falsificadas por uma soma significativa de dinheiro.

Maskelyne recusou a oferta, então o empresário escreveu a ele novamente, apresentando-lhe Srta Lottie Fowler, outro excelente mística, que podia fazer os truques de Fay e foi em excursão seguindo a mesma rotina de Annie quando esta deixou a Inglaterra.

Exposições e Confissão

A exposição das apresentações de Annie apareceram ocasionalmente na imprensa.

Em 12 de abril de 1876, Washington Irving Bishop, um antigo membro da companhia americana de artistas de Fay, mais tarde para se tornar ele mesmo um dos maiores mentalistas de toda região, revelando ao New York Daily Graphic como seus truques eram realizados.

A despeito da exposição, ela continuou trabalhando com sucesso habitual e reintroduziu o acto da leitura de mentes em seu programa.

Blocos eram distribuídos e membros do público eram convidados por seu marido a escrever perguntas, assinar seus nomes, destacar e dobrar as folhas e segurar os pedaços de papel dobrados em suas mãos.

Depois, Annie, vendada, predizia correctamente o conteúdo das folhas de papel e respondia às perguntas escritas neles.

Ela chamou esta parte do espectáculo de "Somnolency," adaptado de "Somnomancy," o nome Samri S. Baldwin, "The White Mahatma," foi dado ao acto que ele inventou.

Em 1906 H.A. Parkyn, editor da revista Suggestion, contribuiu com um longo artigo sobre os métodos de truque usados pela Srta Fay em seus testes de leitura de boletos, descrevendo a preparação dos blocos e o uso de cúmplices no meio do público.

Esta "exposição" era desnecessária, desde que naquele momento ela estava declarando em seu programa que pessoas crédulas e tolas não deviam ser influenciadas pela sua apresentação, uma vez que ela "não era uma médium espiritualista " e não existia nada "de sobrenatural ou milagroso" em sua apresentação.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 27, 2013 9:20 am

Continua...

Era o máximo das negativas de qualquer poder sobrenatural, exposições adicionais ocorreram em fevereiro de 1907, quando o Professor W. S. Barnickel descreveu alguns de seus métodos e em janeiro de 1911, quando Albini, o mágico, expôs seu acto “Somnolency”;
ainda assim, os teatros públicos lotavam aonde ela se apresentava.

Seu filho, John T. Fay, casado com Anna Norman, uma das assistentes do espectáculo da Eva, saíram de casa, e ele e a esposa fizeram seu próprio negócio chamado "Os Fays."

Quando John morreu em 1908, sua viúva fez seu próprio espectáculo e chamou a si mesma de "Sra. Eva Fay, A Alta Sacerdotisa de Misticismo."

Obviamente, Annie se ressentiu dela usando uma nomenclatura tão semelhante à sua própria, mas nunca tomou acção legal para fazê-la parar.

Em 1912 Annie visitou a Europa novamente e quando ela chegou a Londres, onde ela se apresentou no Coliseum, os espiritualistas ainda estavam prontos para se maravilharem de seus poderes sobrenaturais.

Um deles, J. Hewat McKenzie, anunciou que ele podia descobrir o segredo da Eva:
ele disse que suas manifestações eram feitas por um par pequeno de mãos e braços materializados, um pouco como aqueles de um macaco, e estes saíam de seu tórax.

Ele soube porque ele pôde sentir "o cheiro de odor da emanação do matéria psico-plástica" durante uma apresentação.

Este mesmo homem reivindicara anteriormente que ele soube como que Houdini executava suas fugas: “desmaterializando seu corpo," naturalmente (Doyle 1930).

Durante sua visita, o investigador e mágico psíquico Eric J. Dingwall, quem a descreveu como "extremamente cativante com uma aparência perfeita e olhos azuis cintilantes," foi bem sucedido na recepção de sua proposta e elegeram como a primeira Dama Hnorável Associada ao Circulo de Mágicos(Dingwall 1966).

Nos onze anos seguintes ela continuou a atrair multidões onde quer que ela actuasse.
Devido a um acidente, ela fez sua apresentação final em Milwaukee em 1924.
Em julho do mesmo ano ela recebeu uma visita de Harry Houdini.

Houdini a considerou "uma das mais inteligentes médiuns da história" e a apresentou como "um diamante branco de palha" cabelo e olhos penetrantes, dos quais "grandes raias de inteligência relampejariam dentro e fora."

"É uma pequena maravilha," ele observou, "que com sua personalidade ela podia enganar os gigantes mentais de eras—tanto da nossa época, como das épocas passadas" (Silverman 1996).

Eles falaram por horas e ela revelou-lhe todos os seus segredos.
"Ela falou livremente de seus métodos," registou Houdini.
"Nunca em qualquer momento ela deu a entender que acreditava em espiritualismo."

Ela lhe disse como enganou Crookes no teste de eléctrico:
simplesmente envolveu uma manivela da bateria em baixo de sua junta do joelho, mantendo o circuito fechado, mas deixando uma mão livre para fazer como ele pediu.

Um ano mais tarde ela anunciou seu plano para deixar as dez casas de sua propriedade em Melrose Heights para actores e actrizes pobres, mas ela morreu em 20 de maio de 1927, antes de efectivar os detalhes finais de seu projecto.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 28, 2013 9:38 am

Continua...

A revelação do Annie Eva Fay para Houdini do modo de como ela enganou Crookes foi confirmado anos mais tarde quando o investigador psíquico Colin Brooks-Smith encontrou um dos galvanômetros usados por Crookes no Museu de Ciência em Londres.

A máquina foi consertada e posta a trabalhar.

Brooks-Smith relata o seguinte "não há nenhuma dificuldade em deslizar um pulso e antebraço juntos através de uma manivela e segurar a outra manivela, mantendo assim o circuito fechado através do antebraço, e então liberando a outra mão sem produzir qualquer movimento grande no indicador do galvanómetro."

Num segundo teste, ele "virou ambos os eléctrodos para baixo sucessivamente introduzindo-os em minhas meias, de forma que minhas mãos estavam livres sem produzir quaisquer grandes oscilações no indicador do galvanómetro."

Deste modo, não só se confirmou a revelação de Eva mas também a nota de rodapé explicativa de Houdini de 1924 (pág. 102) que em 1874 Florence Cook podia ter destacado um dos eléctrodos que consistituíam-se num soberano de ouro e papel salino em um pulso e o segurado na dobra de seu joelho" (Brooks-Smith 1965).

Não existe mais dúvida, agora, que aquele truque aconteceu realmente durante os testes de Crookes, exatamente como descrito por Annie Eva Fay;
o que ainda é obscuro é se ele era um imbecil total (improvável) ou um cúmplice voluntário.

Em todo caso, uma coisa não pode ser negada:
o grande William Crookes teve um interesse especial em médiuns jovens, atraentes, pretextando um interesse científico e estava dispostos a testar todos eles, ainda que fossem fraudes sinceras como Eva Fay, em sua própria casa, bem debaixo de nariz da sua esposa.

Massimo Polidoro é Diretor de Executivo de CICAP (o Comité italiano para a Investigação de Reivindicações do Paranormal), representante europeu para a Fundação de James Randi Educacional, autor de vários livros que lida com exame crítico de reivindicações paranormais e um estudante diplomado em psicologia na Universidade de Pádua.

Ele está trabalhando atualmente em um projecto para Prometheus Books sobre a estranha amizade entre Harry Houdini e Senhor Arthur Conan Doyle.

Referências

Brandon, R. 1984. The Spiritualists. Reprint. Buffalo, N.Y.: Prometheus Books.
Brookes-Smith, C. 1965. Cromwell Varley's Electrical Tests. Journal of the Society for Psychical Research 723 (43), March.

Christopher, M. 1975. Mediums Mystics & The Occult. New York: Thomas Y Crowell Co.
Christopher, M. [1973] 1996. The Illustrated History of Magic. Reprint, Porthsmouth, N.H.: Heinemann.

Crookes, W. 1875. A Scientific Examination of Mrs. Fay Mediumship. The Spiritualist, 12 March.
Dingwall, E. J. 1966. The Critics' Dilemma. Crowhurst, Sussex: Privately printed.

Doyle, A. C. [1930] 1992. The Edge of the Unknown. Reprint, New York: Barnes & Noble, Inc.
Hall, T. [1962] 1984. The Medium and the Scientist. Reprint, Buffalo N.Y.: Prometheus Books.

Houdini, H. [1924] 1972. A Magician Among the Spirits. Reprint, New York: Arno Press.

Polidoro, M. 1995. Viaggio tra gli spiriti. Varese: Sugarco.
Polidoro, M. 1998. Houdini and Conan Doyle: The Story of a Strange Friendship. SKEPTICAL INQUIRER 2(22), March/April.

Thompson, G. T. 1964. Mrs Fay's Mediumship. Journal of the Society for Psychical Research 721 (42), September.
Silverman, K. 1996. Houdini!!! The Career of Ehrich Weiss. New York: Harper Collins.

COPYRIGHT 2000 Committee for the Scientific Investigation of Claims of the Paranormal
COPYRIGHT 2003 Gale Group

[1] É difícil saber de que tipo de objecto se está falando, podem ser cordas de instrumentos musicais, utilizados no fenómeno (Nota de Jader dos Reis Sampaio)

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70314
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum