Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 28, 2013 9:40 am

Journal of the Society for Psychical Research

OS TESTES ELÉCTRICOS DE CRONWELL VARLEY
COLIN BROOKES-SMITH
ASPECTOS de fenómeno físico reportados por Sir William Crookes durante os últimos anos do século passado serão sem dúvida debatidos por um longo tempo.

Parece útil, no entanto, tentar descobrir pela repetição das condições essenciais, se os testes de condutividade eléctrica tramados por Varley podiam ser defraudados.

A intenção era assegurar que durante a produção de supostos fenómenos de materialização no escuro nunca qualquer médium pudesse ter suas mãos livres ou movimentá-las para fora do gabinete cortinado sem alterar uma pequena corrente eléctrica que passava através de suas mãos e corpo e então advertindo os investigadores que observavam as indicações de um galvanómetro num lugar adjacente.

Este artifício, que parecia infalível, foi concebido por Varley e usado por ele e Crookes em 1874 quando Florence Cook era o médium, e só por Crookes em 1875 quando Sra. Fay era o médium.

Aparentemente foi usado em outras ocasiões com outros médiuns mas nenhum detalhe está disponível.
As duas série principais de testes são descritas em dois papeis em Proceedings Vol. 54 Parte 195, nas páginas 95-104 e 158-172 respectivamente, cada referência deve ser consultada para detalhes.

A página e referências a Plate seguintes se aplicam a esses papeis.

O galvanómetro em questão pareceu ser um factor importante porque seria desejável saber que confiança agora deve ser colocada nas leituras de escala registada nos testes.

As pesquisas foram feitas no Museu de Ciência onde vários galvanómetros de Varley datados de 1858 podem ser visto entre instrumentos mais recentes de telégrafo.

O Departamento de Física subsequentemente informou que um que galvanómetro reflector feito por Elliotts e usado por Crookes esteve em seu armazém de Sydenham.
Foi oferecido ao Museu por testamenteiros de Crookes em 1919 e tinha estado aí desde então.

O Departamento de Física muito bondosamente reenfiou a suspensão sedosa, que foi quebrada, e com uma lâmpada e escala fê-lo disponível a mim em seu laboratório em 10 de dezembro de 1964.

Era um tipo de ímã móvel de duas bobinas Kelvin astático com um ímã horizontal plano de controle montado no tubo de suspensão por um colar deslizante a fim de variar a sensibilidade e período de tempo, e um rodamoinho-correntel humedecedor foi fornecido por um bloco fixo de cobre atrás da série activa de ímãs no topo do sistema móvel.

A resistência com bobinas em série era 2700 ohms;
a sensibilidade em uma distância de escala metrada era 25 cms por micro-ampere;
o período de tempo de 4 segundos e o humedecedor foram tais que de uma deflexão inicial de 19 cms, tudo parou depois de seis oscilações completas.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75725
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 28, 2013 9:41 am

Continua...

Uma ilustração deste tipo de galvanómetro é mostrada num catálogo de Elliott de 1893 mas não havia nenhuma indicação nos arquivos de Museu para mostrar quando este instrumento particular foi adquirido por Crookes.

Quase certamente, não é o verdadeiro usado nas provas de Varley mas deve ter características muito semelhantes e portanto não é injusto supor que qualquer repetição dos testes realizados repetirão as condições originais muito proximamente.[1]

UM circuito foi organizado abrangendo o galvanómetro com um desvio ajustável para controlar a deflexão inicial;
uma resistência de 100.000 ohm variável na escala;
uma célula seca e um par de manivelas de metal danificadas com compressas encharcadas de sal.

Na primeira experiência, as manivelas foram parafusadas para baixo inicialmente sobre um pé à parte projectado horizontalmente do topo do banco de laboratório a fim de simular as condições das experiências de 1875 com a Sra Fay.

O desvio do galvanómetro foi primeiro ajustado aproximadamente até a marca de 40 cms de deflexão e foi obtido na escala quando as manivelas foram firmemente agarradas.

Não há então nenhuma dificuldade em absoluto em deslizar um pulso e antebraço ao longo de uma manivela e agarrar a outra manivela, assim mantendo o circuito fechado pelo antebraço, e então liberando a outra mão sem produzir qualquer movimento grande na escala do galvanómetro.

No entanto, era essencial manter uma pressão boa pelo antebraço na manivela e agarrar a outra manivela firmemente.
A escala então se moveu não mais do que 1 cm.

Tanto a mão direita quanto a esquerda podiam ser libertadas em pouco mais de um segundo por este estratagema que subsequentemente foi repetido com os punhos separados dois pés.

Uma segunda experiência então foi executada para repetir as condições dos testes de 1874 com Florence Cook.

As manivelas foram desparafusadas do banco e foram usadas como eléctrodos libertos em fios flexíveis.
Em vista disto, será conveniente referir a eles como eléctrodos quando se discutir os testes com Florence.

Não tendo nenhum elástico para segurá-los aos meus pulsos, eu simplesmente segurei um eléctrodo em cada mão e ajustei a deflexão de galvanómetro a aproximadamente 40 cms como antes.

Eu então enfiei ambos eléctrodos sucessivamente correctos para dentro de minhas meias e soltei de modo que as minhas mãos estavam livres sem produzir qualquer excursões grandes na marca do galvanómetro.

As mesmas precauções tiveram, no entanto, que ser tomadas mantendo um aperto firme até eu ter calçado os eléctrodos apertadamente entre minhas meias e tornozelos.

Os fios não eram suficientemente longos para permitir andar mas eu movimentei os meus pés para cima e para baixo sem produzir muito movimento na escala do galvanómetro.

Há pouca dúvida, portanto, sobre a explicação de nota ao pé da página de Houdini de 1924(p. 102) ser substancialmente correcta, de que em 1874 Florence podia ter desprendido um dos eléctrodos consistindo num soberano de ouro e em papel mata-borrão encharcado de sal de um pulso e segurado sob o seu joelho.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75725
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 29, 2013 9:26 am

Continua...

Há várias possibilidades.
Podia tê-lo segurado sob o seu joelho enquanto sentada ou podia ter retido em algum lugar sob sua meia pela liga elástica normalmente usada nesses dias.

Aliás, podia ter liquidado ambos eléctrodos nas meias de ambas as pernas deixando suas mãos completamente livres e ela então podia ter saído dando alguns passos além do gabinete abrindo à extensão máxima a conexão dos fios que então teriam estado no chão para fora de visão dos acompanhantes.

Nas ocasiões quando teve ambos eléctrodos seguros aos seus pulsos por elásticos e quando ela repentinamente quis libertar uma mão, tudo que ela tinha que fazer era retirar o eléctrodo desse pulso com sua outra mão e segurá-lo nos seus dedos ou segurá-lo no gancho do seu braço.

O vestido curto de mangas que ela usa é mostrado na fotografia, Plate3, teriam facilitado isto.

Ao repetir esta fraude de substituição, espanta como rapidamente pode ser executado sem produzir muito deflexão do galvanómetro mas a superfície da pele tem que estar bem molhada com solução salgada forte.

Semelhantemente, quando em 1875 Sra Fay achou que as manivelas de metal foram ‘pregadas agora mais separadamente’, ela podia ter empregado qualquer um de vários truques para conseguir libertar uma ou ambas as mãos e acenar ou apoiar-se no gabinete ou agarrar e então distribuir objectos aos acompanhantes (p. 98).

Podia ter empregado a manobra do braço-deslizante descrito acima ou não teria sido nenhuma impossibilidade ginástica ela despir uma meia-calça e com a perna nua fechar o circuito em ambas as manivelas enquanto se apoiava na outra perna, para obter alcance adicional.

Eu tive sucesso em fazer isso mas não é fácil.

Alternativamente, podia ter escondido uma fita comprida em seu vestido, encharcado-o na solução salgada ao mesmo tempo em que ela molhava suas mãos (p. 97) e quando ficou sozinha na escuridão, ela podia ter amarrado a fita numa manivela até a outra sem quebrar a continuidade do circuito, e então livrar ambas as mãos.

Este truque pode ser fácil e convincentemente repetido, mas a fita deve ou ser larga ou dobrada e as solução salina forte.

Mesmo com as alavancas separadas pela distância de dois pés, não há grande dificuldade em fazer esta fraude sem grandes oscilações na escala do galvanômetro.

A Florence Cook e evidentemente à Sra Fay não faltavam coragem nem iniciativa de empregarem alguma manobra visando derrotar os testes do Varley e conseguiu libertar suas mãos.

É uma pergunta em aberto se cada uma delas inventou seus próprios meios ou se receberam alguma instrução de como podia ser feito.

É significativo que nos testes de 1875 com a Sra Fay, só pequenos movimentos na escala do galvanómetro foram registados e é bastante difícil de evitar a conclusão disto como resultado das experiências de Florence em 1874, alguém, talvez o 'namorado' hipotético (p. 172), tentou descobrir o melhor jeito para derrotar a prova de continuidade e conseguiu ou directamente ou por meio de Florence, e contou à Sra Fay como fazê-lo.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75725
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 29, 2013 9:27 am

Continua...

Não seria bem correto dizer que se o médium soltasse as manivelas durante um instante, a marca de galvanómetro imediatamente retornaria a zero.

A suspensão do sistema por um período de tempo comparativamente longo atrasaria o retorno por uma apreciável fracção de segundo.

Quando eu tentei a experiência no Museu, onde o período do galvanómetro era de quatro segundos, uma abertura momentânea no circuito só produziu um movimento pequeno na escala.

Se as leituras registadas de escala forem ser consideradas como figuras médias calculadas de um ponto continuamente oscilante, e é que muitas delas sugere, é mais que possível que essa corrente momentânea mude devido a movimentos rápidos das mãos do médium que teria sido completamente mascarado.

Eu também descobri tanto no Museu quanto em experiências subsequentes, que quando o circuito foi completado pelo meu antebraço e mão que estendiam ambos os pulsos, o acto de segurar a segunda manivela com minha mão livre não produziu uma deflexão correspondente grande da escala no ponto devido ao caminho paralelo através de meu corpo como alguém poderia esperar.

A resistência ôhmica entre qualquer dois pontos no corpo parece ser a mesma e grande, comparada à mão à resistência do punho se a solução salina for forte, de modo que os truques de substituição da mão não necessitem destreza particular.

Qualquer um que repita as provas de Varley para si mesmo descobrirá que quase qualquer metal serve para as alavancas desde que sejam os mesmos — mesmo um par de colheres serve.

Um galvanómetro de imã deslizante não é essencial como qualquer tipo de bobina deslizante de baixa-resistência de mesmo período de tempo e ajustada sobre o mesmo humedecedor funcionará bem assim.

Mais convenientemente, qualquer tipo moderno de micro-amperímetro de ponteiro pode ser usado ou mesmo um Avometro em sua escala actual mais sensível, embora o experimentador deva compreender que sua acção rápida não é verdadeiramente representante de um tipo suspendido de galvanómetro reflector.

O Avometro também tem a vantagem que a resistência ôhmica do corpo e os punhos podem ser medidas numa escala de leitura directa.

É instrutivo demais, ver como a sensibilidade do circuito do teste como meios de detectar todo o movimento da mão, pode ser variada sobre limites largos.

Menos sensibilidade, que é a circunstância favorável a todo o truque da substituição da mão, é obtida fazendo a resistência do resistor elevada, digamos 50.000 ohms ou mais, e fazer a mão manipular a resistência para baixo tanto quanto possível pelo uso da solução salina forte, bem como umedecendo as compressas e encharcar as mãos como a Sra Fay evidentemente foi instruída para fazer (p. 97).

Carregado ao extremo, a utilidade do circuito de teste quase inteiramente pode ser anulado de modo que os eléctrodos primeiro podem ser prendidos pela mão, então colocado em contacto um com o outro sem produzir grande deflexões na escala.

Florence, com os eléctrodos em sua meia-calça, podia ter executado os movimentos do dedo e do pulso pedidos por Varley (p. 170) e para o teste de Crookes mergulhar as mãos na solução de iodeto de potássio (p. 171) sem qualquer mudança de deflexão como Varley e Crookes aliás registaram.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75725
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 29, 2013 9:28 am

Continua...

Além disso, a observação de Varley que a mão de Katie estava ‘muito fria e úmida’ (p. 164) e o comentário de Crookes que sua mão estava fria em sua cabeça (p. 167) fortemente sugere que tinha manipulado os eléctrodos encharcados na solução salina que estavam notoriamente frios húmidos como qualquer um que trabalhou com tais coisas sabe demais bem.

Se como Katie, ela tinham usado um manto de musselina, sua remoção no gabinete teria dado uma possibilidade de limpá-lo de modo que, como Varley informou (p. 164) a sua mão direita teria sentido-se seca quando entrou de novo o gabinete no fim da sessão.

Isto, no entanto, não explica por que ele pensou que mão do Katie era grande enquanto a de Florença era ‘pequena’.

A sugestão que uma bobina de resistência podia ter sido substituída pelo médium não é impossível embora seria esperado que as leituras da escala teriam que ser absolutamente constantes.

A pesquisa extraiu respostas de fabricantes de fios eléctricos sobre essa liga de cobre-níquel para fio de alta-resistência que não estava geralmente disponível na Inglaterra tão cedo quando em 1874 mas podia ser foi obtida de fontes continentais.

Uma bobina de aproximadamente 6.600 ohm (B.UM. unidades) equivalente ao corpo somada a resistência da manivela como medido por Crookes (p. 98), facilmente podia ter sido danificada no fio de cobre de calibre fino necessitado para as bobinas do galvanómetro.

Este teria seria relativamente grande e pesado, embora nada que não pudesse ser encoberto pelo vestido da médium. Dado o tempo e o conhecimento técnico necessário para o aparelho, alguém podia ter feito um resistor menor por uma trilha do lápis de ligação em uma parte de ebonite fornecida com as ligações de cobre.

Das várias resistências alternativas que a Sra. Fay poderia ter substituído, a mais simples de longe seria a fita adesiva embebida na solução salina já descrita.

Espera-se que outros membros executem experiências semelhantes e repitam ambas séries de provas para ver se podem conseguir libertar suas mãos sem produzir grandes deflexões no galvanómetro.

Se há acordo geral que tanto Florence Cook quanto a Sra Fay podiam ter conseguido, então isto inevitavelmente deve lançar mais dúvida não só nos casos particulares onde as precauções eléctricas de continuidade de Varley foram tomadas mas também em todos os outros casos durante a última parte do último século quando espíritos materializados semelhantes foram ditos ter sido vistos durante sessões mediúnicas espíritas.

Queria agradecer a ajuda fornecida pela Companhia de Instrumento de Cambridge, Srs Ltda de Sullivans, a Londres Companhia Eléctrica de Fio e a Smiths Ltda, a Companhia Britânica Harris do Motorista, e o Redactor de ‘A Indústria de Fio’.

Agradecimentos são também devidos ao Departamento de Física do Museu de Ciência não só por reencapar o galvanómetro e tornando-o disponível, mas também por obter os dados em seu desempenho e por fornecer as instalações em seu laboratório para as experiências descritas.

[1] Desde que foi escrito este papel, Sr Stephenson de Christopher contou-me que achou e usou um galvanómetro mais antigo e menos sensível que o instrumento de Kelvin do Museu e que é muito mais representativo de que aquele que Varley deve ter usado.
Entendi que um registo de suas experiências talvez seja publicado mais tarde.


§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75725
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 30, 2013 9:43 am

Chico Xavier: O Homem Futuro III
J. Herculano Pires

(Publicado na Revista  Planeta, Numero 10, de Junho de 1973)
Fenómenos objectivos e subjectivos

Mas Chico Xavier não é somente um sensitivo-psigama, restrito a fenómenos subjectivos de percepção extra-sensorial.
Os fenómenos, psicapa, de efeitos físicos, também se realizam com ele de maneira espontânea, até mesmo no meio da multidão.

Emmanuel, seu guia espiritual - seu eu controlador, segundo a expressão de Gus­tave Geley é quem limita essas ocorrências em favor da maior actividade psicográfica do médium.

Fenómenos de materialização, de transporte de objectos, de transubstanciação, de efeitos luminosos inteligentes, de impregnação fluida perceptível, de ideoplastia e , de voz-directa a escrita-directa também ocorrem com ele.

O próprio Emmanuel já se materializou, dando prova palpável da sua existência.
Nosso companheiro de PLANETA, conversava com Chico Xavier.

Ao nosso lado, em Uberaba, pela primeira vez.
Subitamente foi impregnado de perfume de rosas nas mãos e nos braços.

Ninguém mais sentia o perfume, a não ser que ele aproximasse a mão, como fez connosco.
O próprio Chico nada percebia.
Um fenómeno físico, objectivo.

Nas sessões da Comunhão Espírita Crista de Uberaba é comum a manifestação de ondas de perfumes característicos da presença de certas entidades.
A impregnação de líquidos, principalmente água em recipientes fechados, que os frequentadores levam para fluidificação é, também frequente.

Nessas ocasiões, objectos tocados pelo médium, como uma caneta que lhe emprestam, ficam perfumados por vários dias.
Esse fenómeno é bastante conhecido nos meios espíritas.
Verifica-se com vários médiuns em todo o mundo.

A transubstanciação é a modificação de um liquido, alterando-lhe as qualidades ou modificando-as por completo.
Tem ocorrido espontaneamente com Chico Xavier.
Nos casos de materialização Chico cai em transe inconsciente.

A projecção do eu, também chamada bilocação ou desdobramento, ocorre com ele.
A bilocação pode ser subjectiva ou objectiva.

Nos casos de objectivação o eu projectado se torna visível e até mesmo palpável.
Esse fenómeno corresponde a um verdadeiro desdobramento da personalidade.

O eu se desliga do soma (do corpo) e se projecta a distância, levado por um chamado da pessoa querida ou por uma preocupação do próprio médium com alguém.

O desprendimento se dá de uma maneira instantânea.
O corpo fica em estado letárgico.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75725
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 30, 2013 9:44 am

Continua...

O eu (ou espírito) revestido do corpo espiritual a que se referia o apostolo Paulo, consegue adensar esse corpo por um esforço da vontade e se mostra como a pessoa integral, podendo falar e tocar as demais pessoas.

Nos casos subjectivos ninguém o vê, mas o eu desprendido pode fazer observações a distância a provar posteriormente que lá esteve de alguma maneira.

Tudo isso parecerá demasiado fantástico e até mesmo improvável para as pessoas estranhas aos problemas do paranormal não obstante, trata-se de um fenómeno acessível a pesquisa cientifica.

Chico Xavier e a epilepsia

A reportagem de uma revista nacional conseguiu fotocópia de um electroencefalograma de Chico Xavier e submeteu-o ao exame de psiquiatras paulistanos.

Estes chegaram a conclusão de que o médium é epiléptico.
A revista anunciou que o cérebro de Chico era anormal.

Mas acontece que o electro não fora provocado por nenhuma consulta de Chico e sim pelo seu próprio medico, dr. Elias Barbosa, professor da Faculdade de Medicina de Uberaba, interessado em pesquisas sobre o transe mediúnico.

Por outro lado, o gráfico examinado e publicado referia-se apenas a um momento de pesquisas, que exigira vários registos.
Os gráficos feitos com Chico em estado normal não acusavam alterações significativas das ondas cerebrais.

Somente o gráfico correspondente ao estado de transe;
quando Chico recebia uma mensagem, acusou alterações que os psiquiatras consideraram graves.

Evans e Osborn apresentaram no Colóquio Parapsicológico de Utrech, em 1953, uma comunicação sobre experiências de electroencefalografia com sujeito hipnotizado, sem resultados apreciáveis.

Wallwork aplicou o electro em experiências com cartas especiais para testes parapsicológicos mas o sujeito saia de transe a cada aplicarão.

O transe mediúnico - como no caso de Chico Xavier - por sua maior profundidade e também pela aquiescência de entidade comunicante, é o que mais se presta a essas pesquisas.

O objectivo das experiências do dr. Elias Barbosa foi plenamente atingido, como se vê pelos gráficos que publicamos.
No caso de Chico Xavier verificou-se a interferência, no cérebro, de influências estranhas ao seu estado normal.

Longe, pois, de tratar-­se de alteração patológica.
O que ali se verificava era um indicio positivo daquilo que o professor Ernesto Bozzano considerava “a acção de uma mente não-encarnada sobre a mente encarnada do médium.”

Rhine esclarece bem esse problema em O Novo Mundo da Mente e Pratto apoia em Parapsychology - Frontier Science of lhe Mind, lembrando ambos que psi reclama uma nova concepção da personalidade humana, encarada essencialmente psíquica e não somática.

Estas palavras de Rhine definem claramente a questão:
“A prova experimental que hoje possuímos, de que a personalidade humana possui princípios não-físicos, permitirá aos psiquiatras armarem-se melhor para se dirigirem a uma filosofia menos materialista no tocante à interpretação dos seus pacientes a da sua pratica.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75725
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 30, 2013 9:45 am

Continua...

O resultado seria uma resistência mais firme ante o conceito totalmente materialista da terapia.

Essa reorientação do pensamento abriria caminho para a consideração de novas hipóteses, bem como para novas explorações das zonas fronteiriças, que actualmente permanecem relativamente fechadas”.

A concepção materialista-mecanicista dominante em nossa cultura, particularmente no campo da medicina a da terapia em geral, como acentuou Rhine, está agora sob o impacto das novas descobertas da parapsicologia e da física. Estamos naquilo que Kilpatrick chamou “uma civilização em mudança”. Não podemos encarar um sujei­to paranormal como anormal ou patológico, nem também como um ser sobrenatural. Os extremos se encontram no erro. Chico Xavier é apenas um exemplar do homem-psi da era cósmica, que já se desenvolve aceleradamente na Terra.
O mecanismo do paranormal

O electroencefalograma de Chico Xavier, mesmo no campo da psiquiatria, pode e deve ser interpretado com maior largueza de vista.

Ao invés de acusar um estado patológico que não se confirma por sintomatologia típica nem pelo comportamento mental e psicológico do sujeito, nem ainda por suas reacções fisiológicas fora do transe, confirma em termos de pesquisa a sua paranormalidade espontânea e exaustivamente comprovada.

Essa a tese do dr. Elias Barbosa, que dirigiu a pesquisa e se considera muito satisfeito tom os resultados iniciais.
Ten
taremos resumir o que nos disse a respeito o ilustre medico e professor de medicina.

Ainda não há - disse-nos ele - explicação definitiva para a causa das descargas de alta frequência nos focos críticos de um paciente epiléptico típico.

Alterações bioquímicas locais, isquemia e perda dos sistemas inibitórios vulneráveis de pequenas células estão entre os mecanismos possíveis que contribuem para a hiperexcitabilidade e/ou respostas hipersincronizadas e excessivas.

Essa a opinião de James Toman, apoiada pelo professor De Robertis, para quem as lesões focais podem simular certas formas de epilepsia, mas parece que as crises podem ocorrer sem lesões aparentes, e que o mecanismo fundamental estará portanto em nível macrocelular a bioquímico.

Sabemos que um electroencefalograma normal não é garantia absoluta da normalidade e que, segundo Grossmann, 20 por cento dos pacientes nesse caso continuam apresentando fenómenos psico-sensoriais como o do já visto ou o do nunca visto;
perturbações auditivas, autemismos ou crises psicomateriais.

No estudo da mediunidade psicográfica e dos fenómenos mediúnicos em geral, é bom lembrar a advertência de Donald Klass de que o registo e a interpretação adequados do electro requerem treinamento especial e extrema experiência, em virtude das muitas armadilhas técnicas existentes.

Uma interpretação errónea pode acarretar consequências mais graves que a falta de informação.
É que também refere Garchedi Luccas ao tratar do trabalho de Falconer que contraria o conceito de Penfield..

Luccas conclui sua análise afirmando que ficam muitas questões em aberto a relacionando varias delas.

Continua...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75725
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 30, 2013 9:45 am

Continua...

Só pelo registo de ondas pontiagudas tipo Sharp nas regiões temporais a esquerda - após a hiperpneia - inicialmente tom predomínio nas anteromediais e depois com o aparecimento de raros surtos de ondas Sharp nas regiões temporais a direita, sem predomínio nítido (como se vê do relatório do dr. Borges) poderíamos concluir que o cérebro de Francisco Candido Xavier seja enfermo? Absolutamente não!

Ao que tudo indica, o foco critico nada mais seria do que o ponto de ligação entre as forças da entidade comunicante e as forças do aparelho receptor.

Estudos posteriores em outros médiuns em actividade poderão confirmar essa hipótese.
Esse foco compromete o grande sistema límbico, responsável pelo comportamento do individuo, pela sue homeostase afectivo-emocional.

Epi­lepsy is not a disease but a symptom, escreveu Neville Seuthwell.

Diga-se o mesmo da mediunidade, que no caso de Chico Xavier é uma síndrome de faculdades superiores que desabrocham no homem actual em benefício de toda a humanidade.

Em acréscimo a esses esclarecimentos do dr. Elias Barbosa lembraremos que parapsicologicamente o cérebro de Chico Xavier não é anormal nem patológico, mas simplesmente paranormal.

A palavra paranormal foi cunhada especialmente para distinguir as funções a os fenómenos inabituais, dos habituais que caracterizam a nossa vida rotineira a das suas alterações mórbidas estudadas pela patologia.

Já é tempo de aprendermos a fazer essa distinção na terapia e na imprensa.

§.§.§- O-canto-da-ave
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75725
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Sobre Dinossauros e Fantasmas: Alguns Fenómenos Dúbios

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 2 Anterior  1, 2

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum