ARTIGOS DIVERSOS

Página 2 de 40 Anterior  1, 2, 3 ... 21 ... 40  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

PARA REALIZAR NOSSOS DESEJOS PRECISAMOS RECONHECER NOSSAS NECESSIDADES

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jul 05, 2014 11:13 am

:: Bel César ::

Por que nossos desejos nos parecem tão inalcançáveis?
Porque não soubemos atender às nossas necessidades...
Quando não reconhecemos nossas necessidades, corremos o risco de não estabelecer os limites reais entre o que podemos e queremos oferecer.

Em geral, temos dificuldade para discernir a diferença entre necessidades e desejo.

Desejo é a motivação de manifestar algo, seja interno ou externo a nós, que nos proporciona prazer e satisfação.
Já as necessidades são todas as condições que precisamos adquirir e amadurecer para que nossa motivação possa se manifestar de modo estruturado.
Neste sentido, para conquistarmos o que quer que seja, interior ou exteriormente, temos antes que primeiro adquirir uma base sólida.

No entanto, na maioria das vezes, passamos por cima de nossas necessidades pois cremos que basta seguir nossos desejos para encontrar a felicidade.

O problema é que sem atender nossas necessidades não teremos condições reais para sustentar a manifestação de nossos desejos!

É como a construção de uma casa: primeiro, temos que analisar as condições do terreno, construir uma boa fundação, para depois ver a casa de nossos sonhos sendo construída...
Caso contrário, estaremos construindo um castelo de areia.

Muitas vezes, associamos o facto de reconhecermos aquilo que nos falta como um sinal de carência, fraqueza e vulnerabilidade.
Se tivermos uma auto-imagem baseada no condicionamento de que somos insuficientes para enfrentar as adversidades, iremos naturalmente evitar olhar de frente o que nos falta.
No entanto, isso é um erro de interpretação.
Perceber nossas necessidades é apenas o primeiro passo do processo de auto-realização.

O perigo de nos sentirmos envergonhados de nossas necessidades é que acostumamos a escondê-las de nós próprios e dos outros.
Desta forma, com frequência dizemos:
"Não se preocupe comigo" (o famoso "tudo bem").
Associamos à ideia de que nossas necessidades podem incomodar os outros.
Declaramos de que "não precisamos de nada" devido ao medo de nos tornamos um peso extra e sermos rejeitados.
Afinal, quem nunca "dá trabalho" não corre o risco de ser excluído...

No entanto, desta forma, o feitiço se volta contra o feiticeiro.
Poderemos não ser excluídos, mas seremos facilmente vítimas de abusados, pois nossas necessidades não serão reconhecidas e muito menos atendidas!

Nós mulheres, porque escutamos várias vezes o conto da Cinderela, aprendemos desde pequenas a associar a ideia de que precisamos primeiro sofrer para depois termos momentos de prazer.
Afinal, Cinderela só poderia ir ao baile depois que tivesse cumprido todas as ordens de suas irmãs.

Mas, se reconhecermos essas irmãs como um símbolo de nossas necessidades internas, a coisa muda de figura.
Atender às nossas necessidades é um dever que temos para connosco.
Ou seja, ao "escutar as ordens de nossas irmãs", estaremos simplesmente atendendo às exigências que surgem diante de um processo de realização.

Neste sentindo, cumprir nossas obrigações deixa de ser um fardo para se tornar parte do processo de amadurecimento das condições necessárias para manifestar nossos desejos.

Seguir nossos desejos sem ter revisto nossas necessidades é uma forma de autodestruição.
Pois, sem atender nossas necessidades, não somos capazes de sustentar nossos desejos.
Por exemplo, podemos ter o desejo de subir o Everest (substitua-o mesmo por algo que você queira muito), mas se ao começarmos a subir a montanha não nos dermos conta de que não temos os sapatos adequados, estaremos fadados ao fracasso.

Voltar para trás em busca de melhores condições não quer dizer desistir do desejo de subir a montanha, mas, simplesmente, compreender que nossas necessidades vêm em primeiro lugar!

Fazer esforço com perseverança faz parte de nossas conquistas, mas se passarmos por cima de nossas necessidades esse sofrimento se tornará inútil.
Precisamos aprender a considerar nossas necessidades como algo precioso e de grande valor ao invés de associá-las a uma condição de fraqueza ou insuficiência.

Nossas necessidades possuem um valor de moeda de troca importante em nossos relacionamentos. Afinal, para atender as necessidades alheias precisamos incluir também as nossas necessidades para ajudá-los!

Imagine a seguinte situação:
você está apaixonada e seu amor pede que o leve ao aeroporto às 5:30h da manhã, pois passará seis meses fora do país.
Sem hesitar, você diz que sim.
Em seguida, ele a convida para jantar fora no restaurante de que você mais gosta.
Imediatamente, você aceita.
Vocês voltam para casa tarde, depois de alguns copos de vinho e acordam cedo para ir ao aeroporto.
Depois, no caminho para o trabalho, você começa a sentir o cansaço tomando conta de seu corpo e sua mente.
Triste com a despedida e irritada com a falta de sono, passa o dia distorcendo a realidade devido ao seu mau humor.
As consequências desta empreitada mal elaborada virão à tona uma hora ou outra...

O facto é que desta forma você foi ao baile sem ter arrumado sua cozinha...
Ao seguir impulsivamente o desejo de agradar seu namorado, deixou de se auto-preservar.
O hábito de agradar ao outro a qualquer custo faz com que as suas necessidades não sejam vistas.

À medida que aprendemos a atender às nossas necessidades diante das necessidades alheias, passamos a ter relacionamentos mais saudáveis.
Pois, livres do fardo de corresponder às expectativas alheias como ordens inquestionáveis, passamos a nos sentir recompensados pelos benefícios de cuidarmos de nós mesmos.

* Bel César é psicóloga, pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano desde 1990.
Dedica-se ao tratamento do stress traumático com os métodos de S.E.® - Somatic Experiencing (Experiência Somática) e de EMDR (Dessensibilização e Reprocessamento através de Movimentos Oculares).
Desde 1991, dedica-se ao acompanhamento daqueles que enfrentam a morte.
Autora dos livros Viagem Interior ao Tibete, Morrer não se improvisa, O livro das Emoções, Mania de sofrer e recentemente O subtil desequilíbrio do stress, todos pela editora Gaia. *

Leia mais: http://www.cacef.info/news/para-realizar-nossos-desejos-precisamos-reconhecer-nossas-necessidades/

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

A IMPORTÂNCIA DE FAZER BOM USO DA INTELIGÊNCIA

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jul 05, 2014 9:35 pm

QUAL A MISSÃO DO HOMEM INTELIGENTE NA TERRA?

Não se envaideça do que você sabe, porque esse saber tem limites muito estreitos no mundo em que você habita.
Suponhamos que você seja uma sumidade em inteligência neste planeta: nenhum direito você tem de se envaidecer.
Se Deus, em seus desígnios (planos), lhe fez nascer num meio onde pudesse desenvolver a sua inteligência, é que quer que a utilize para o bem de todos; é uma missão que vos dá, lhe colocando nas mãos o instrumento com que poderá desenvolver, por sua vez, as inteligências retardatárias e conduzi-las a Ele.
(...) A inteligência é rica de méritos para o futuro, mas, sob a condição de ser bem empregada.
Se todos os homens que a possuem dela se servissem de conformidade com a vontade de Deus, fácil seria, para os Espíritos, a tarefa de fazer que a Humanidade avance.
Infelizmente, muitos a tornam instrumento de orgulho e de perdição contra si mesmos.
O homem abusa da inteligência como de todas as suas outras faculdades e, no entanto, não lhe faltam ensinamentos que o advirtam de que uma poderosa mão pode retirar o que lhe concedeu.

Ferdinando, Espírito protector, O Evangelho segundo o Espiritismo

COMO REENCARNA QUEM ABUSA DA INTELIGÊNCIA?

Um dos motivos do Espírito encarnar com Síndrome de Down é que em encarnação passada abusou da inteligência, de seu saber, para o mal, para enganar os outros, explorando-lhes a ignorância ou a boa-fé, inventores de engenhos de morte, escritores que motivam pessoas a cometerem crimes, abusos, transgressões, desvios sexuais, etc.

Rudymara

Grupo de Estudos Allan Kardec

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

CONSTRUINDO AFEIÇÕES

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 06, 2014 8:39 am

Comum algumas pessoas ao conhecerem alguém que instantaneamente surge afinidade imaginar que esta ligação é antiga remontando a outras existências.

Já vi várias vezes isso acontecer.
Há uma espécie de entusiasmo, uma ligação que se faz com o seguinte cálculo:
Conversa agradável + Ideias semelhantes = Amigo de existência pretérita.

Parece que isso de certa forma as deixa mais próximas.
É um amigo de outras épocas, dizem empolgadas com a semelhança das ideias.
E colocam-se a imaginar quais as situações que já vivenciaram junto àquela alma recém apresentada pela vida.

Quando o assunto vai para o lado do relacionamento romântico as coisas tendem a tomar uma proporção ainda maior:
Encontrei minha alma gémea, ou, a “tampa da panela”, exclamam os mais entusiasmados.

Porém, vamos verificar se isso é uma regra, ou seja, se toda afinidade provém de ligação anterior, em fonte segura: a Doutrina Espírita.

O que diz o Espiritismo?
É possível reencontrar almas que já conhecemos de outras existências?
Obviamente que sim.
Podemos, claro, reencontrar espíritos que já estiveram junto a nós.
Todavia, tanto podem ser almas simpáticas como almas antipáticas.
No entanto, vale considerar ponto importante:
não é porque surgiu a afinidade automática e as ideias se encontraram que, necessariamente, já conhecemos de outras existências determinadas pessoas.

Não é bem assim que funciona e os Espíritos, quando indagados por Kardec na questão 387 de O livro dos Espíritos sobre se a simpatia vem sempre de uma existência anterior, responderam:
“Não. Dois Espíritos que se compreendem procuram-se naturalmente, sem que necessariamente se tenham conhecido em encarnações passadas”.

Pois bem.
A resposta é bem clara e auxilia-nos a desmistificar essa questão de que se há afinidade é porque havia o conhecimento de outra existência.
Nada disso. As almas afins, que vibram em sintonia semelhante procuram-se e encontram-se sem necessitarem terem se conhecido antes.

Não há passaporte para a construção de novas amizades!

O mais interessante disso tudo é a possibilidade de estarmos ampliando nossa família espiritual ao estabelecermos contactos com os mais diversos Espíritos que habitam o universo.

Novas amizades, pessoas diferentes a nos estimular o desenvolvimento e o progresso...

Prova da bondade de Deus que não nos deixa presos a determinado círculo de “conhecimento anterior”.
Há sempre a oportunidade de, a partir de um momento de nossa existência construirmos novas afeições, o que, diga-se de passagem, é enriquecedor.

Compreendemos, então, que a nossa família é a universal.
A partir do momento em que formos evoluindo iremos gradativamente construindo amizade com todas as criaturas que a vida nos apresentar, sem, claro, a preocupação demasiada de ser ou não nosso amigo de existência anterior.

Quanto maior nossa família espiritual mais a vontade nos sentiremos em nosso lar: O universo!

Wellington Balbo
Artigo originalmente publicado em Jornal Momento Espírita, do CEAC Bauru –www.ceac.org.br

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

O OUTRO LADO DA VIDA

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 06, 2014 9:06 pm

Um discípulo procurou seu mestre e perguntou:
- Mestre, como posso saber se existe mesmo vida após a morte?

O Mestre olhou para ele e respondeu:
- Encontre-me novamente após o sol se pôr.

O discípulo, meio contrariado, esperou algumas horas, ansioso pela resposta.
Logo que o sol se pôs, o discípulo voltou à presença do mestre.

Assim que o discípulo apareceu, o mestre afirmou:
- Você percebeu o que houve? O sol morreu…

O discípulo ficou sem entender nada.
Julgou que se tratava de uma brincadeira do mestre.

- Como assim mestre? Perguntou o discípulo.
O sol não morreu, ele apenas se pôs no horizonte.

O mestre disse:
- Exactamente.
O mesmo ocorre com todos nós após a morte.

Se confiássemos apenas em nossa visão física, nos pareceria que o sol deixou de existir atrás da montanha.

Mas no instante em que ele “morreu” no horizonte para nós, ele nasceu do outro lado do mundo, e se tornou visível para outras pessoas.

O mesmo princípio rege a nossa alma.
Após a morte do corpo, ela parece desaparecer aos nossos olhos, mas nasce no plano espiritual.

A chama do espírito não se apaga, ela apenas passa a brilhar no outro lado da vida.

(Hugo Lapa)

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

REFLEXÕES SOBRE A INGRATIDÃO

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 07, 2014 9:03 am

A ingratidão, que é desapreço, apresenta-se como grave imperfeição da alma,que deve ser corrigida
Joanna de Ângelis (“Jesus e actualidade” – capítulo19).

Em “O Evangelho segundo o Espiritismo”,capítulo 13, item 19, o Guia Protector observa que Deus permite que, muitas vezes,sejamos pagos com a ingratidão, não necessariamente porque seja nosso merecimento,mas sim para que seja testada a nossa capacidade de perseverar no bem.

Mas tal perseverança é fruto de um prolongado processo de entendimento.
É preciso que saibamos abstrair a imperfeição da alma do nosso semelhante e admitir que um benefício jamais se perde, mesmo que tenha sido pago com a ingratidão.

Certa vez, ao comentar com meu pai um fato ocorrido com ele, no qual foi alvo de dolorosa ingratidão, recebi um profundo ensinamento que sempre norteou as minhas acções:
na linha de que um benefício jamais se perde, respondeu-me que se a pessoa beneficiada não havia entendido o que recebera, ele não deixava de considerar o bem proporcionado como única coisa que poderia ter feito.

Havia cumprido as ordenanças de sua consciência.
Quanto ao beneficiado, um dia haveria de cumprir as ordenanças de sua responsabilidade...

Jamais a ingratidão o faria refrear o bem.
Sem dúvida, muito maior que a ingratidão, é a semente do bem que fica plantada na aridez da alma do ingrato.

Mais tarde, quando essa alma se fertilizar pelo suor do aprendizado e se fortalecer pela força da razão, vai recordar-se de tudo o que recebeu um dia e não retribuiu.

Nesse momento, o bem recebido terá continuidade e se estenderá pela eternidade, só que agora potencializado pelas lágrimas de agradecimento do ex ingrato.

Agostinho nos ensina que de todas as provas as mais duras são as do coração... sendo a ingratidão um dos frutos directos do egoísmo.
É realmente no coração onde ela mais se manifesta, e deve ser também ali, sede abstracta do amor, que o homem deve encontrar forças para superar os impactos que sofre, evitando a amargura, a mágoa e o ressentimento, poderosos venenos da alma e, na maioria das vezes, origem de tantas perseguições e ódios centenários, que as Casas Espíritas conhecem em suas reuniões de assistência espiritual.

O Espírito Albino Teixeira, em mensagem psicografada por Chico Xavier, em março de 1964, na Comunhão Espírita Cristã, de Uberaba (MG), disse:
Quando o fracasso nos desafia de perto, quando a tentação e a enfermidade nos visitam, quando a nossa esperança se dissolve no sofrimento, quando a provação se nos afigura invencível, quando somos apontados pelo dedo da injúria, quando os próprios amigos nos abandonam, quando todas as circunstâncias nos contrariam, quando a mágoa aparece, quando a incompreensão nos procura, ameaçadora, quando somos intimados a esquecer-nos, em benefício dos outros...

Então é chegado para nós o teste do aproveitamento espiritual, na Escola da Vida, para efeito de promoção.”


O remédio para a ingratidão é o esquecimento, assim como a prevenção da mágoa é não acolhê-la, e nisso temos o exemplo do Mestre dos Mestres que, no meio da enorme turbulência do seu martírio, não acolheu a mágoa pela ingratidão sofrida, e sim ocupou seu coração em pedir ao Pai que perdoasse seus algozes, simplesmente porque eles não sabiam o que estavam fazendo...
E será que os ingratos de todos os tempos, sabem?

Assaruhy Franco de Moraes - retirado do boletim SEI nº1910

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

PROTECÇÃO ESPIRITUAL

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 07, 2014 9:25 pm

A RECEITA INFALÍVEL
Sempre que o assunto é protecção espiritual normalmente costumamos abordá-lo sob uma visão muito estreita, mas também temos o hábito de considerar que a tão almejada protecção espiritual é conquistada em algum lugar externo, com a ajuda de uma solução mágica ou com uma receita infalível.
Realmente existe uma receita para a conquista da verdadeira protecção espiritual, que não é um amuleto, tampouco um patuá ou um ritual específico.
Não estou dizendo que alguns elementos externos não sejam acessórios importantes na busca de um estado seguro de equilíbrio espiritual, entretanto o principal elemento que determina a genuína protecção espiritual é viver a verdade a cada acto.
Só consegue atingir um estado de protecção espiritual aquele que vive a verdade da sua alma, em cada atitude e situação da vida.

A AURA HUMANA
O ser humano é composto por diversos corpos, em diversas faixas de frequência, para facilitar vamos resumir em dois tipos: o corpo físico e o energético.
Tudo o que acontece no corpo físico reflecte-se na estrutura do corpo energético, bem como tudo o que ocorre no corpo energético, reflecte-se no corpo físico.
A aura humana é exactamente o nosso corpo energético.
Assim como o planeta mantém um campo de energia que bloqueia a passagem de asteróides e cometas na atmosfera terrestre, a aura humana serve como um escudo protector que bloqueia o acesso de forças negativas externas.
A aura, psicossoma, perianto, corpo de luz, são nomes variados para representar o nosso sistema energético ou corpo subtil.
Mas o que alimenta e constitui esse campo energético?
Qual energia é responsável por mantê-lo abastecido?
A força da vida.
Energia vital, prana, espírito santo, chi, ki ou manas, todos estes nomes referem-se à mesma energia.
É a energia vital universal que abastece nosso campo energético.

A INFLUÊNCIA DOS PENSAMENTOS E SENTIMENTOS
Genericamente, recebemos a todo instante um fluxo contínuo de energia vital, o qual abastece os nossos corpos energéticos e consequentemente vitaliza as funções do corpo físico.
O corpo físico não é alimentado apenas pela energia vital, pois também depende do repouso (sono), da alimentação e da respiração.
Mas o corpo energético é alimentado pela energia vital que nos abastece diariamente.
Ocorre que os nossos pensamentos e emoções têm a capacidade de influenciar a qualidade da energia vital a qual recebemos diariamente, logo, têm o poder de manter ou piorar o padrão da energia recebida.
Pensamentos e emoções negativas frequentes desarmonizam o fluxo energético que constitui o campo de força que protege o espírito humano de invasões subtis de diversos aspectos.

A PROTECÇÃO COMEÇA NA CONSCIÊNCIA
“Orai e Vigiai” a qualidade das emoções e dos pensamentos é o melhor caminho.
Você pode utilizar salmos, orações específicas, simpatias e rituais de protecção, entretanto, a força que alimenta a sua protecção espiritual é basicamente consciencial.
Ninguém que esteja com um vazio consciencial enorme dentro do peito conseguirá uma protecção espiritual real e duradoura utilizando-se apenas de elementos externos.

OS DIFERENTES ATAQUES
Podemos sofrer invasões energéticas nocivas de diversos aspectos, mas para facilitar o entendimento, vamos resumir em apenas dois tipos:
- Espiritual: entidades espirituais desencarnadas agem interferindo na harmonia energética de uma ou mais pessoas.
- Mental/Emocional: a energia de pensamentos e emoções negativas age de forma nociva na aura de uma ou mais pessoas.

SEMPRE HÁ TROCAS
Quando dois corpos se unem, depois deste encontro, jamais serão os mesmos, energeticamente falando.
O tempo todo trocamos energias subtis com os ambientes e pessoas as quais temos contacto, e nem sempre doamos fluidos de boa qualidade, bem como podemos receber fluídos nocivos.
O segredo não é apenas saber bloquear a captação de energias subtis, mas saber transmutá-las quando absorvidas.
E como limpar-se de energias nocivas?
Como proteger-se?
A humanidade no século XXI está sendo banhada por uma chuva de informações a cerca da evolução da alma, das curas naturais e da espiritualidade, jamais antes imaginada.
Aproveitando este momento primoroso, devemos incorporar em nossos hábitos diários atitudes voltadas não somente para o bem-estar do corpo físico, mas para o corpo energético.
E o que pode ser feito para purificar e alimentar o corpo energético?

Oração: Ore todos os dias!
Chame esta prática de prece, oração ou meditação, o nome não importa.
O que realmente interessa é que você reserve dez minutos, três vezes ao dia, para se sintonizar com a Força Maior ou Deus.
Mas é bom que você saiba que a prece mecânica, a qual não é feita com a força da gratidão, não funciona.

AMAR, PERDOAR E ACEITAR:
Colocar amor em todos os actos conscientemente desenvolve a aceitação e o perdão nas situações conflituantes da vida.
Esses momentos, quando não contornados com a força do amor, podem produzir grandes perdas de força no campo de energia humano, e assim facilitar os ataques.

ESTUDAR SEMPRE, SEMPRE MESMO:

Jamais deixar de aprender sobre o grande mistério da vida, sobre a relação entre Deus e o homem, sobre a cura da alma e a elevação da consciência como um todo.

BUSCAR A SUA VERDADE:
Focar na sua missão espiritual desta existência física.
Viva a sua vida física como achar que deve viver, todavia, jamais se distraia do facto de que toda alma encarnada neste mundo tem um propósito e que a forma mais plena de existir é encontrar e realizar este propósito.

PRÁTICAS SAUDÁVEIS:
Receber passes nos centros espíritas, fazer yoga, reiki, exercícios físicos, práticas bioenergéticas, meditações e rir bastante, sempre contribui muito na conquista da protecção espiritual.

DESMISTIFIQUE:
-AMULETOS:
São artefactos, normalmente produzidos pela combinação de elementos naturais (cristais, ervas, metais, etc.) carregados com a força de uma intenção maior, que os torna capazes de fortalecer a aura de quem os utiliza.

-CORPO FECHADO:
É apenas um termo utilizado de forma coloquial para remeter a um indivíduo que tem um campo energético mais forte.
Tecnicamente falando, “fechar o corpo” seria muito nocivo porque implicaria em bloquear a passagem de qualquer tipo de energia, inclusive a força vital universal que nos abastece continuamente.
Neste conceito técnico, ter o “corpo fechado” seria uma condição muito precária de viver.

-RESSONÂNCIA OU SINTONIA ESPIRITUAL:
O que você pensa, sente e acredita está sempre ligado ao que você manifesta em sua constituição áurica, e, por conseguinte, determina a sua sintonia espiritual.
Em se tratando de invasões espirituais, cada pessoa se sintoniza com os espíritos semelhantes em condições mentais, emocionais e morais.
Mudando esses aspectos no indivíduo, a sua ressonância ou sintonia mudará na mesma proporção.
Portanto é a reforma íntima a porta de entrada para uma condição de protecção espiritual.

http://www.luzdaserra.com.br/protecao-espiritual

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

REFLEXÃO SOBRE O LIVRE ARBÍTRIO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 08, 2014 8:53 am

A questão do livre-arbítrio pode resumir-se assim: o homem não é fatalmente conduzido ao mal; os actos que pratica não “estavam escritos”; os crimes que comete não são o resultado de um decreto do destino.

Ele pode, como prova e expiação, escolher uma existência em que se sentirá arrastado para o crime, seja pelo meio em que estiver situado, seja pelas circunstâncias supervenientes.

Mas será sempre livre de agir como quiser.
Sem o livre-arbítrio, o homem não tem culpa do mal, nem mérito no bem; e isso é de tal modo reconhecido que no mundo se proporciona sempre a censura ou o elogio à intenção, o que quer dizer à vontade; ora, quem diz vontade diz liberdade.

Assim, o livre-arbítrio existe, no estado de Espírito, com a escolha da existência e das provas; e, no estado corpóreo, com a faculdade de ceder ou resistir aos arrastamentos a que voluntariamente estamos submetidos.

Cabe à educação combater as más tendências, e ela o fará de maneira eficiente quando se basear no estudo aprofundado da natureza moral do homem.
Pelo conhecimento das leis que regem essa natureza moral, chegar-se-á a modificá-la, como se modificam a inteligência pela instrução e as condições físicas pela higiene.

O Espírito desligado da matéria, no estado errante, faz a escolha de suas futuras existências corpóreas segundo o grau de perfeição que tenha atingido.

É nisso, como já dissemos, que consiste sobretudo o seu livre-arbítrio.
Essa liberdade não é anulada pela encarnação. Se ele cede à influência da matéria, é então que sucumbe nas provas por ele mesmo escolhidas.

E é para o ajudar a superá-las que pode invocar a assistência de Deus e dos bons Espíritos.
As faltas que cometemos têm, portanto, sua origem primeira nas imperfeições do nosso próprio Espírito, que ainda não atingiu a superioridade moral a que se destina, mas nem por isso tem menos livre-arbítrio.

A doutrina espírita é evidentemente mais moral: ela admite para o homem o livre-arbítrio em toda a sua plenitude; e, ao lhe dizer que, se pratica o mal, cede a uma sugestão má que lhe vem de fora, deixa-lhe toda a responsabilidade, pois lhe reconhece o poder de resistir, coisa evidentemente mais fácil do que se tivesse de lutar contra a sua própria natureza.

Assim, segundo a doutrina espírita, não existem arrastamentos irresistíveis: o homem pode sempre fechar os ouvidos à voz oculta que o solicita para o mal no seu foro íntimo, como os pode fechar à voz material de alguém que lhe fale; ele o pode pela sua vontade, pedindo a Deus a força necessária e reclamando para esse fim a assistência dos bons Espíritos.

É isso que Jesus ensina na sublime fórmula da Oração dominical, quando nos manda dizer:
Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”.

Todos os Espíritos mais ou menos bons, quando encarnados, constituem a espécie humana.
E como a Terra é um dos mundos menos adiantados, nela se encontram mais Espíritos maus do que bons; eis porque nela vemos tanta perversidade.

Façamos, pois, todos os esforços para não regressar a este mundo após esta passagem e para merecermos repousar num mundo melhor, num desses mundos privilegiados onde o bem reina inteiramente e onde nos lembraremos de nossa permanência neste planeta como de um tempo de exílio.

Fonte: O Livro dos Espíritos – Allan Kardec

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

ESTRANHA CRISE

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 08, 2014 8:49 pm

O mundo vem criando soluções adequadas para a generalidade das crises que o atormentam.
A carência do pão, em determinados distritos, é suprida, de imediato, pela superprodução de outras faixas de terra.

Corrige-se a inflação, podando a despesa.
O desemprego desaparece pela improvisação de trabalho.
A epidemia é sustada pela vacina.

Existe, porém, uma crise estranha - e das que mais afligem os povos - francamente inacessível à intervenção dos poderes públicos, tanto quanto aos recursos da ciência nas conquistas modernas.

Referimo-nos à crise da intolerância que, desde o travo de amargura, que sugere o desânimo, à violência do ódio, que impele ao crime, vai minando as melhores reservas morais do Planeta, com a destruição consequente de muitos dos mais belos empreendimentos humanos.

Para a liquidação do problema, que assume tremendo vulto em todas as colectividades terrestres, o remédio não se forma de quaisquer ingredientes políticos e financeiros, por ser encontrado tão-somente na farmácia da alma, a exprimir-se no perdão puro e simples.

O perdão é o único antibiótico mental susceptível de extinguir as infecções do ressentimento no organismo do mundo.
Perdão entre dirigentes e dirigidos, sábios e ignorantes, instrutores e aprendizes, benevolência entre o pensamento que governa e o braço que trabalha, entre a chefia e a sub-alternidade.

Consultem-se nos foros - autênticos hospitais de relações humanas - os processos por demandas, questões salariais, divórcios e desquites baseados na intransigência doméstica ou na incompatibilidade de sentimentos, reclamações, indemnizações e reivindicações de toda ordem, e observe-se, para além dos tribunais de justiça, a animosidade entre pais e filhos, a luta de classes, as greves de múltiplas procedências, as queixas de parentela, os duelos de opinião entre a juventude e a madureza, as divergências raciais e os conflitos de guerra, e verificaremos que, ou nos desculpamos uns aos outros, na condição de espíritos frágeis e endividados que ainda somos quase todos, ou a nossa agressividade acabará expulsando a civilização dos cenários terrestres.

Eis por que Jesus, há quase vinte séculos, nos exortou perdoarmos aos que nos ofendam setenta vezes sete, ou melhor, quatrocentos e noventa vezes.

Tão-só nessa operação aritmética do Senhor, resolveremos a crise da intolerância, sempre grave em todos os tempos.
Repitamos, no entanto, que a preciosidade do perdão não se adquire nos armazéns, por que, na essência, o perdão é uma luz que irradia, começando de nós.

Por: Emmanuel
(Do livro 'Mãos Unidas' - Chico Xavier)

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

CÂNCER SEGUNDO O ESPIRITISMO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 09, 2014 12:03 pm

No espiritismo, doença grave pode ser oportunidade de reavaliação de atitudes

Pelo menos para o espiritismo, o câncer é como uma tentativa de reequilíbrio, como se fosse um aviso e um pedido de tempo a quem não soube elaborar as emoções da vida e, em muitos casos, achou que daria conta de tudo.

Aquilo que parece injustiça é, na realidade, uma oportunidade de fortalecimento para que as dores e os sofrimentos sejam suportados com maior grandeza do espírito.

Algumas doenças, como o câncer e os males da infância, que muitas vezes nos fazem duvidar da fé e perguntar o ‘porquê’ de tanto sofrimento para tal paciente, tem também suas explicações.

Pelo menos para o espiritismo, o câncer é como uma tentativa de reequilíbrio, como se fosse um aviso e um pedido de tempo a quem não soube elaborar as emoções da vida e, em muitos casos, achou que daria conta de tudo.

Uma doença pode ter um significado muito maior do que se imagina.
É assim, visto como uma oportunidade de rever e avaliar a vida, que muitos males são interpretados à luz do espiritismo.(...)

TENSÕES

Muitas vezes na vida, segundo a psicóloga clínica e espírita Letícia, vamos vivendo as emoções fortes sem dar nome a elas.

Em vez de colocá-las para fora, vamos guardando-as e deixando-as passar”, diz, lembrando que isso ocorre muito com os homens, que guardaram muita tensão ao longo da vida e não a colocaram para fora, até o câncer lhe chamar a atenção para a vida.

“O câncer é um alarme e um convite para rever a vida.
E é uma doença que une as famílias.
É um retorno à casa do Pai”, define a psicóloga.

Fonte:Site do Jornal do Estado de Minas uai.com.br

Disse padre Léo ao padre Fábio de Melo:
"Meu filho, eu nunca pedi a Deus que me curasse do meu câncer, porque seria muito injusto eu plantar limão e querer colher outra coisa.
Eu fumei a vida inteira.
Então, eu peço a Ele que me ensine a morrer do jeito certo.

Se eu não faço minha parte, eu me pergunto:
será que é honesto eu pedir que Deus faça a parte Dele?
Ele já fez a parte Dele nos dando a vida, precisamos fazer a nossa parte cuidando dela!"

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

ESPÍRITOS PRESOS A TERRA

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 09, 2014 9:10 pm

- Pode uma alma, após a morte, permanecer presa à Terra?
Sim, pode. Isso acontece muitas vezes.
As almas presas à Terra são pessoas que, após a morte, não conseguiram desligar-se dos seus corpos físicos e da vida que levavam.
Eles permanecem envolvidos pelo magnetismo terrestre, presos ao nível da crosta planetária, e não conseguem se desprender do apego à existência que já se encerrou.

Geralmente eles acreditam ainda estar vivos, e não entendem por que as pessoas não falam mais com eles.
Essas almas possuem um acesso bem fácil aos encarnados, e podem mesmo se ligar psiquicamente a eles.
Com isso, eles atrasam sua entrada nos planos mais subtis e permanecem em estado de perturbação e sofrimento.

O médium mineiro Francisco Cândido Xavier diz o seguinte:
Quando o corpo é reclamado pelo sepulcro, o espírito volta à pátria de origem, e, como a natureza não dá saltos, as almas que alimentam aspirações puramente terrestres continuam no ambiente do mundo, embora sem o revestimento do corpo carnal.(...)

- O que uma alma faz quando fica presa à Terra?
Algumas vezes ela tenta realizar as mesmas actividades de quando estava encarnada; outras vezes fica próxima de parentes e amigos, tentando um contacto.
Em outras situações, como já dissemos, ela fica repetindo os mesmos padrões de acção e comportamento de sua última existência.
Em casos não tão raros, ela fica perambulando por locais que lhe foram familiares em vida ou peregrina por locais desconhecidos.
Quando isso ocorre, na maioria das vezes ela acaba se conectando com um encarnado, e participa de seus prazeres e de sua vida.
Sem que o encarnado se dê conta, ela pode guiar seus pensamentos, desejos e até as principais escolhas de sua vida.

Porém, o mais grave é a vampirização de energias vitais que se processa nessa conexão psíquica entre ambos.
A alma presa à Terra necessita da vitalidade de pessoas para se manter no nível da crosta terrestre.
Na maioria das vezes, suga as energias sem perceber o prejuízo que lhes causa.(...)

Há outros motivos para a fixação no nível da crosta terrestre?

Sim, esses motivos variam conforme a individualidade de cada alma. Mas existem motivos gerais a se considerar:
-Não cumpriram seu roteiro kármico (proposta encarnatória).
-Suicidaram-se e deixaram assuntos inacabados.
-Possuíam extremo apego a Terra e aos desejos materiais.
-Viciaram-se em álcool, fumo, comida, sexo, lazer, prazeres diversos.
-Tinham medo de morrer e após o desencarne continuaram negando a morte.
-Dificuldade de aceitarem que passaram pela transição e não têm mais corpo físico.
-Morte súbita (os espíritos não tiveram tempo de perceber que morreram).
-Ódio e vingança a algum desafecto.
-Apego a entes queridos ou a pessoas próximas.
-Cepticismo fortemente arraigado.
-Morte após deficiências mentais ou transtornos psíquicos graves.

Autor: Hugo Lapa

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

DEPRESSÃO - TRATAMENTO NA VISÃO ESPÍRITA

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 10, 2014 9:17 am

A depressão é um sintoma que nos diz que não estamos nos amando como deveríamos.
O caminho para sairmos dela é preencher este vazio com a recuperação da auto-estima e do amor em todos os sentidos.
Primeiro, procurando nos conhecer e nos analisar, com o intuito de nos descobrirmos, sem nos julgarmos, sem nos punirmos ou nos culparmos.
E depois, nos aceitarmos como somos, com todas as nossas limitações, mas sabendo que temos toda potencialidade divina dentro de nós, esperando para desabrochar como sementes de luz.
Isto nada mais é do que desenvolver a fé em si e no criador, sentimento este que transforma e que nos liga directamente a Deus.
Uma pessoa consciente de sua riqueza interior passa a ter segurança e fé nas suas potencialidades infinitas, começando a gostar e acreditar em si, amando-se e a partir de então, sentindo necessidade de expandir este sentimento a tudo e todos.

Começa assim a se despertar para os verdadeiros valores da vida espiritual, se transformando numa pessoa feliz e sorridente, pois onde existe seriedade, há algo de errado; a seriedade está ligada ao ser doente.
Sorria e seja feliz amando e servindo sempre.
A terapia contra a depressão se baseia no amar e no servir, se envolvendo em trabalhos úteis e no serviço do bem.
Seja no trabalho profissional, no trabalho do lazer, ou no trabalho de servir ao próximo, o indivíduo se ocupa, exercita o amor, e deixa de se envolver com as lamentações, pois a infelicidade faz seu ninho no escuro dos sentimentos de cada um.
Dificilmente conheceremos um deprimido, entre aqueles que trabalham a serviço do bem.
Para doarmos este amor, não basta somente fazermos obras de caridade, temos que nos tornarmos caridosos; antes de fazermos o bem temos que ser bons.

Darmos um pão, um agasalho, mais junto colocarmos uma boa dose de afecto e carinho.
Ser acima de tudo generosos, que é a caridade com afecto.
As pessoas estão com fome de amor, de calor humano, um ombro amigo, um abraço, um aconchego e uma palavra de carinho.
Às vezes, com um simples sorriso, um bom dia, um olhar afectuoso, nós estamos doando energia e transmitindo vida.
O homem alcançou um enorme progresso intelectual, satisfazendo suas necessidades materiais com os avanços tecnológicos.

Porém, ainda se depara com enormes dificuldades na convivência fraterna com o seu semelhante.
Estamos cada vez mais próximos um dos outros através dos meios de comunicação e, no entanto, mais afastados emocionalmente.
Agora, o homem está sentindo a necessidade premente de desenvolver a afectividade, de se envolver, amar e sentir o seu semelhante.
Temos que ressuscitar e liberar a criança que está esquecida dentro de nós.
Para resgatarmos esta criança que adormece em nós, é necessário que vejamos o mundo de forma positiva e optimista.
A nossa criança interior, geralmente se encontra retraída e oprimida, porque a vida nos apresenta de forma desagradável; ainda não vivemos de forma natural, espontânea e isto gera ansiedade e sofrimento.
Como a criança é movida pelo prazer, ela se recolhe e não se manifesta.
A criança não se julga, não se pune.
Ela apenas vive o hoje, o agora, integrada perfeitamente a Deus e à natureza.

“Deixai vir a mim as criancinhas porque o reino dos céus é de quem vos assemelham” – com estas palavras quis Jesus dizer que teremos que ser puros, autênticos, integrados com a nossa natureza divina, sem fugas ou máscaras, para alcançarmos a nossa evolução espiritual.

Ter atitudes simples, como lidar com animais, brincar com crianças, actividades criativas como a pintura, tocar um instrumento, fazer pequenas tarefas domésticas, cozinhar, manter uma conversa amena, contar um caso, ver um bom filme, escutar uma música, cantar, sorrir, ouvir com atenção, olhar com ternura, tocar as pessoas, abraçar, fazer um elogio sincero, curtir a natureza, admirar o por do sol, etc.

Estas são tarefas que muito lhe ajudará a reencontrar o equilíbrio e a harmonia interior.
Manter sempre o bom humor.
Aquele que tem no ideal de servir uma meta de vida, será sempre uma pessoa feliz.
Na vida o que mais importa é o amor e o bem querer das pessoas, viver suas emoções; não se deixar afectar por coisas pequenas.
Muitas vezes nos deixamos abater por problemas, que se olharmos com olhos de Espíritos Eternos em passagem pela Terra, não valorizaríamos.

Substituir sentimentos de auto-piedade por vibrações em favor dos que sofrem.
Se olharmos com atenção e interesse ao nosso redor, veremos que existem pessoas com problemas muito piores, que o nosso a pedir socorro.
Procurar praticar actividades físicas regulares, como a caminhada, um desporto, um lazer.

A mente parada começa a criar pensamentos negativos, que se assemelham a lixos amontoados dentro de casa.
Com estas actividades, você estará desviando sua mente destes pensamentos deletérios.
Tornar-se empreendedor, dinâmico, criando ideias novas e construtivas em benefício do semelhante, com motivação para implementá-las, junto ao grupo ou a comunidade que pertence.

Não fique estagnado esperando que a coisas aconteçam em seu favor.
Aja em favor do próximo e não se surpreenda se você for o mais beneficiado.
Leituras edificantes, uma conversa com um amigo, um terapeuta ou um orientador espiritual, ajuda você a ver o problema por um outro ângulo.
A oração é um recurso indispensável no processo de recuperação.
Através dela estabelecemos sintonia com a Espiritualidade Maior, facilitando o caminho para que nos inspirem e revigorem nossas energias.

Não nascemos para sofrer.
A vontade de Deus é a nossa alegria e a nossa felicidade.
Se sofrermos é por nossa causa. Os nossos problemas e nossas dificuldades devem ser interpretadas como instrumentos para nossa evolução.

Nunca devemos nos deprimir ou nos revoltar contra eles.
O melhor aprendizado, é aquele que tiramos de nossa própria vida.
Vocábulo “crise” em algumas línguas podem ter dois significados: a oportunidade ou perigo.
Oportunidade de crescimento ou perigo de queda.
O que importa é sabermos que os problemas , que deparamos na vida só surgem quando já temos condições de solucioná-los.

Como disse o Mestre Jesus:
”O Pai não coloca fardos pesados em ombros fracos”.
Deste modo, ficamos mais fortes ao saber que temos todas as condições interiores, para enfrentar as dificuldades que a vida nos apresenta.
Ter consciência, que acima de tudo, tem um Deus maior a zelar por nós e que nunca nos abandona.

Confiar em Jesus e seguir seu exemplo de vida:
“Eu sou o Bom Pastor; tende bom ânimo; não se turbe o vosso coração; vinde a mim vós que andais afatigados, cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei”.

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

VISÃO ESPÍRITA SOBRE O "COMA" E EXPERIÊNCIA DE QUASE MORTE - EQM

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 10, 2014 9:07 pm

Quando um paciente está em estado de COMA, é uma situação parecida com a do sono, em O Livro dos Espíritos, os Espíritos Superiores nos esclarecem que durante o sono a alma se liberta parcialmente do corpo.
Quando dorme, o homem se acha por algum tempo no estado em que ficará permanentemente depois que morre, mas nesse caso ainda ligado ao corpo pelos laços fluídicos ou energéticos, que pode se aplicar no caso do coma também, apenas o corpo está paralisado, o espírito se encontra parcialmente liberto ou seja o complexo Espírito e Perispírito (que é o laço de união entre o espírito e a matéria, também conhecido como corpo fluídico ou corpo espiritual) podem estar distantes do corpo físico, mas fica a ele ligado por um laço fluídico.

Muitos perguntam onde fica o espírito durante o COMA e o Espiritismo nos esclarece que sempre depende do grau evolutivo de cada um, se ele for apegado em demasia ao mundo material, ao seu corpo, aos seus bens, ele ficará jungido ao corpo, mas se for um espírito mais elevado, enquanto seu corpo é tratado, ele poderá se deslocar pelas dimensões espirituais(mundo astral) do espaço infinito, visitando lugares e espíritos afins, mas estará sempre ligado a seu corpo pelo cordão fluídico, enquanto seu corpo tiver vida orgânica.

Se familiares, amigos ou médicos conversarem com o paciente em estado de COMA, muitos terão a capacidade de ouvir e ver, sem contudo ter a capacidade de dar a resposta, mas em alguns casos quando é permitido pela Espiritualidade Superior, poderão estes espíritos comunicar-se através de um médium (pessoa que pode servir de intermediária entre os espíritos e os homens) em uma sessão mediúnica, no centro espírita e ali relatar tudo o que está sentindo neste estado de coma ou ainda comunicar-se via pensamento ou intuição com aqueles que estão ao seu redor e tem esta sensibilidade mediúnica, e transmitir assim seus recados.

A Experiência de quase morte (EQM) é mais uma oportunidade divina, é um chamamento de Deus para uma correcção de rota, ou seja uma chance oferecida para alguns, de reflexão sobre suas vidas, sobre o que realizaram ou deixaram de fazer.
As pessoas que passam por uma EQM, trazem na mente um novo sentido para a vida, reflectem de como melhor aplicar as potencialidades divinas.
Conforme as pesquisas 85% dos que passaram pela EQM, tem experiências positivas, isto é um grande aprendizado para o Espírito que a sofre, e dos familiares que vivenciam a possibilidade do desencarne (morte do corpo físico) deste familiar.

Seus relatos guardam entre si pontos em comum: sentem uma sensação
de paz e de calma, tem a percepção de uma luz brilhante, tem a sensação de estar fora do corpo, visão de um túnel, visão e contacto com os espíritos.

Na área das pesquisas, o Dr. Raymond A. Moody JR, conduziu um estudo envolvendo mais de uma centena de indivíduos que experimentaram a morte clínica e reviveram.
Os relatos de suas experiências são espantosamente semelhantes em seus detalhes e fornecem uma prova incontestável da sobrevivência do espírito humano depois da morte.

Em A Vida Depois da Vida – livro lançado nos Estados Unidos no ano de 1975, que já superou a casa dos treze milhões de exemplares – as pesquisas de Moody se complementam em considerações que se aprofundam, num fascinante estudo que amplia os horizontes da humanidade. Seu trabalho pioneiro foi marcante: hoje, inúmeras faculdades de medicina norte-americanas promovem cursos sobre os aspectos espirituais da morte.
Ele é Autoridade mundialmente reconhecida no estudo de experiências de quase morte.

Há muitos encontros médico espíritas sendo realizados em todo o Brasil e também no exterior, e cada vez mais a ciência vem buscando através de muitas pesquisas realizadas entender que o homem é um "ser espiritual" é um novo paradigma que propõe reconhecer o ser humano como espírito e matéria.

http://www.auxiliofraternidade.com.br/artigovw.php?cod=43

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Mediunidade

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jul 11, 2014 8:12 am

Mediunidade não é dom. Mediunidade é prova.
Todo transe mediúnico é também anímico, pois o espírito tem experiência e sabedoria ancestral.

Mediunidade não tem que ser desenvolvida, mediunidade tem que ser educada.
A mediunidade nasce com o médium, não há o que desenvolver.
Necessita apenas educar ou reeducar.
Embora a mediunidade seja algo físico e esteja ligada a glândula pineal é trazida pelo espírito.

Assim sendo, o corpo físico (antes de reencarnar - junto ao perispírito) é preparado para o trabalho e intercâmbio mediúnico.

Mediunidade desequilibrada provoca doença física.
Médiuns nascem médiuns.
Médiuns podem ser pessoas de bem-aventuranças ou NÃO.
Existem médiuns também assassinos, pedófilos, estupradores...

Mediunidade não está ligada ao carácter.
Jesus era médium. Hitler era médium.
Hitler mantinha intercâmbio mediúnico com os mentores das trevas.
O intercâmbio mediúnico de Jesus era com o Pai (Deus).

Orem e vigiem.
Cuidado com os falsos profetas.
Afinal, não se pode seguir a Deus e a Mamon.

Mediunidade não é missão.
Mediunidade é resgate.
Nunca, jamais deve ser meio ou fonte de renda.
Tudo ligado à mediunidade TEM que ser gratuito.
Não saiba a mão esquerda o que fez a direita.

O uso indevido, irresponsável e a mistificação compromete a faculdade mediúnica, a ponto de torná-la nula.
Entre a mediunidade e a loucura há uma linha ténue.
Para uma vivência mediúnica saudável não cabe o apego ao fenómeno ou à superficialidade e ao ego.

Para uma vida integrada com a natureza mediúnica e o seu meio, é de extrema importância reflectir com serenidade e paz, paz na consciência sensível às múltiplas faculdades que possibilitam o intercâmbio.

Essas são as exigências mínimas para uma vida mediúnica integra.

Estejam sempre atentos a uma máxima:
A mediunidade é um canal entre o médium e uma outra dimensão, pode ser uma dimensão de luz ou de sombras.

Não raro a sombra se disfarça de luz e consegue convencer, seduzir e conquistar uma legião de fiéis, que por carência e ou ingenuidade permitem o envolvimento.

Claudia Ribas

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

PARA REALIZAR NOSSOS DESEJOS PRECISAMOS RECONHECER NOSSAS NECESSIDADES

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jul 11, 2014 8:44 pm

:: Bel Cesar ::

Por que nossos desejos nos parecem tão inalcançáveis?
Porque não soubemos atender às nossas necessidades...
Quando não reconhecemos nossas necessidades, corremos o risco de não estabelecer os limites reais entre o que podemos e queremos oferecer.

Em geral, temos dificuldade para discernir a diferença entre necessidades e desejo.

Desejo é a motivação de manifestar algo, seja interno ou externo a nós, que nos proporciona prazer e satisfação.
Já as necessidades são todas as condições que precisamos adquirir e amadurecer para que nossa motivação possa se manifestar de modo estruturado.
Neste sentido, para conquistarmos o que quer que seja, interior ou exteriormente, temos antes que primeiro adquirir uma base sólida.

No entanto, na maioria das vezes, passamos por cima de nossas necessidades pois cremos que basta seguir nossos desejos para encontrar a felicidade.

O problema é que sem atender nossas necessidades não teremos condições reais para sustentar a manifestação de nossos desejos!

É como a construção de uma casa: primeiro, temos que analisar as condições do terreno, construir uma boa fundação, para depois ver a casa de nossos sonhos sendo construída...
Caso contrário, estaremos construindo um castelo de areia.

Muitas vezes, associamos o facto de reconhecermos aquilo que nos falta como um sinal de carência, fraqueza e vulnerabilidade.
Se tivermos uma auto-imagem baseada no condicionamento de que somos insuficientes para enfrentar as adversidades, iremos naturalmente evitar olhar de frente o que nos falta.

No entanto, isso é um erro de interpretação.
Perceber nossas necessidades é apenas o primeiro passo do processo de auto-realização.

O perigo de nos sentirmos envergonhados de nossas necessidades é que acostumamos a escondê-las de nós próprios e dos outros.
Desta forma, com frequência dizemos:
"Não se preocupe comigo" (o famoso "tudo bem").

Associamos à ideia de que nossas necessidades podem incomodar os outros.
Declaramos de que "não precisamos de nada" devido ao medo de nos tornamos um peso extra e sermos rejeitados.
Afinal, quem nunca "dá trabalho" não corre o risco de ser excluído...

No entanto, desta forma, o feitiço se volta contra o feiticeiro.
Poderemos não ser excluídos, mas seremos facilmente vítimas de abusados, pois nossas necessidades não serão reconhecidas e muito menos atendidas!

Nós mulheres, porque escutamos várias vezes o conto da Cinderela, aprendemos desde pequenas a associar a ideia de que precisamos primeiro sofrer para depois termos momentos de prazer.
Afinal, Cinderela só poderia ir ao baile depois que tivesse cumprido todas as ordens de suas irmãs.

Mas, se reconhecermos essas irmãs como um símbolo de nossas necessidades internas, a coisa muda de figura.
Atender às nossas necessidades é um dever que temos para connosco.
Ou seja, ao "escutar as ordens de nossas irmãs", estaremos simplesmente atendendo às exigências que surgem diante de um processo de realização.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ARTIGOS DIVERSOS

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jul 11, 2014 8:45 pm

Neste sentindo, cumprir nossas obrigações deixa de ser um fardo para se tornar parte do processo de amadurecimento das condições necessárias para manifestar nossos desejos.

Seguir nossos desejos sem ter revisto nossas necessidades é uma forma de autodestruição.
Pois, sem atender nossas necessidades, não somos capazes de sustentar nossos desejos.

Por exemplo, podemos ter o desejo de subir o Everest (substitua-o mesmo por algo que você queira muito), mas se ao começarmos a subir a montanha não nos dermos conta de que não temos os sapatos adequados, estaremos fadados ao fracasso.

Voltar para trás em busca de melhores condições não quer dizer desistir do desejo de subir a montanha, mas, simplesmente, compreender que nossas necessidades vêm em primeiro lugar!

Fazer esforço com perseverança faz parte de nossas conquistas, mas se passarmos por cima de nossas necessidades esse sofrimento se tornará inútil.

Precisamos aprender a considerar nossas necessidades como algo precioso e de grande valor ao invés de associá-las a uma condição de fraqueza ou insuficiência.

Nossas necessidades possuem um valor de moeda de troca importante em nossos relacionamentos. Afinal, para atender as necessidades alheias precisamos incluir também as nossas necessidades para ajudá-los!

Imagine a seguinte situação:
você está apaixonada e seu amor pede que o leve ao aeroporto às 5:30h da manhã, pois passará seis meses fora do país.

Sem hesitar, você diz que sim.
Em seguida, ele a convida para jantar fora no restaurante de que você mais gosta.
Imediatamente, você aceita.

Vocês voltam para casa tarde, depois de alguns copos de vinho e acordam cedo para ir ao aeroporto.
Depois, no caminho para o trabalho, você começa a sentir o cansaço tomando conta de seu corpo e sua mente.
Triste com a despedida e irritada com a falta de sono, passa o dia distorcendo a realidade devido ao seu mau humor.
As consequências desta empreitada mal elaborada virão à tona uma hora ou outra...

O facto é que desta forma você foi ao baile sem ter arrumado sua cozinha...
Ao seguir impulsivamente o desejo de agradar seu namorado, deixou de se auto-preservar.
O hábito de agradar ao outro a qualquer custo faz com que as suas necessidades não sejam vistas.

À medida que aprendemos a atender às nossas necessidades diante das necessidades alheias, passamos a ter relacionamentos mais saudáveis.
Pois, livres do fardo de corresponder às expectativas alheias como ordens inquestionáveis, passamos a nos sentir recompensados pelos benefícios de cuidarmos de nós mesmos.

* Bel Cesar é psicóloga, pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano desde 1990.
Dedica-se ao tratamento do stress traumático com os métodos de S.E.® - Somatic Experiencing (Experiência Somática) e de EMDR (Dessensibilização e Reprocessamento através de Movimentos Oculares).
Desde 1991, dedica-se ao acompanhamento daqueles que enfrentam a morte.
Autora dos livros Viagem Interior ao Tibete, Morrer não se improvisa, O livro das Emoções, Mania de sofrer e recentemente O subtil desequilíbrio do stress, todos pela editora Gaia. *

Leia mais: http://www.cacef.info/news/para-realizar-nossos-desejos-precisamos-reconhecer-nossas-necessidades/

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

PRECISAMOS APRENDER A AGIR, PENSAR E FALAR

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jul 12, 2014 8:02 am

* Não adianta procurarmos tratamentos espirituais para afastar as energias negativas de nossa vida se nós somos a própria energia negativa pulsando vinte e quatro horas por dia.

* Não adianta obtermos uma bênção espiritual se continuamos amaldiçoando a vida e as pessoas.

* Como querer que o passe nos cure se não deixamos passar a tristeza e a mágoa?

* Como pretender protecção para o lar contra as forças negativas se em casa impera o vício e a falta de respeito entre os familiares?

* De que forma posso desejar que meus caminhos se abram se meus pensamentos estão fechados na falta de confiança em mim e em Deus?

* De que nos adianta consultar os astros se não fazemos brilhar a estrela dos nossos talentos?

As companhias espirituais e as energias que nos circundam são atraídas pela nossa forma de agir, pensar e falar.

José Carlos De Lucca

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

OS ESPÍRITOS PODEM NOS FAZER MAL?

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jul 12, 2014 10:13 pm

De maneira directa, não. Mas, indirecta, sim.

Um Espírito obsessor, por exemplo, que deseja se vingar de nós, não poderá nos dar uma facada, mas poderá sugerir que alguém dê ou que nos esfaqueemos.

"Os espíritos não criam o mal.
Apenas exploram a tendência da pessoa. Imaginemos alguém à beira de um precipício.

Nenhum Espírito vai jogá-lo no abismo.
Mas poderá sugerir dizendo:

“Salte! Veja como é bom!
Você experimentará a sensação de voar!
Um prazer indescritível!”

Infelizmente, muitos, aceitando convites assim, de desencarnados e de encarnados, mergulham em paixões e viciações.
Experimentam, passageiramente, prazeres e alegrias, nos domínios das sensações.

Invariavelmente, entretanto, “esborracham-se” no fundo do abismo, comprometidos em renitentes perturbações e angústias que lhes amarguram a existência."


Richard Simonetti

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

OS BENS MATERIAIS

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 13, 2014 9:36 am

Meus irmãos meditemos a cerca dos bens materiais.

Quando nascemos o que está reservado a nós não nos pertence, todo bem material vem de nossos pais, dependendo da nossa origem, ricos e pobres, dependemos exclusivamente dos nossos pais, da sua sabedoria em nos prover.

Depois, ao tornarmos adultos vamos seguindo a rota que traçamos na vida espiritual.

Portanto, meus amigos, os bens materiais chegam até nós através do nosso merecimento, o perigo está no apego aos bens materiais e não no desejo de possuir uma casa melhor, um carro melhor, uma promoção para que nosso salário aumente um pouco, etc.

A Doutrina Espírita nos ensina que o interesse pessoal é o sinal mais característico de imperfeição e o apego as coisas materiais é sinal notório de inferioridade espiritual, ou seja ainda sem evolução.

O Espiritismo, meus irmãos, não condena a posse do dinheiro ou bens materiais, mas nos ensina a usar com equilíbrio, com consideração ao próximo e também em beneficio dele, sendo utilizados para caridade

Kardec escreve:
"Se o homem não fosse instigado ao uso dos bens da Terra, senão em vista de sua utilidade, sua indiferença poderia ter comprometido a harmonia do universo.

Deus lhe deu o atractivo do prazer que o solicita à realização dos desígnios da Providência.
Mas, por meio desse atractivo, Deus quis prová-lo também pela tentação que o arrasta no abuso, do qual sua razão deve livrá-lo"

Sócrates e Platão dizem que a riqueza é um grande perigo.
Todo homem que ama a riqueza não ama nem a si, nem o que está em si.

O apego aos bens materiais é perda da alma.
O Espiritismo diz que, a riqueza é uma prova mais difícil do que a pobreza, porque pode provocar o apego aos bens materiais, e dificultar o acesso aos bens espirituais.

Portanto, os bens materiais também é uma provação para quem os possuem, assim o homem é tentando em diversos seguimentos a exemplo do orgulho, cobiça, avareza, entre outros vícios que ainda fazem parte da nossa imperfeição e através do uso destes bens o homem também vai aprendendo a utilizá-los em beneficio do próximo, exercitando a prática do bem e do amor ao próximo.

Muita Paz

Fonte:Blog um sublime peregrino

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

NECESSIDADES TERRENAS

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 13, 2014 9:37 pm

Quando o espírito finalmente entende que a morte não é o fim de tudo, começa a descobrir como tocar sua vida do lado de lá.

Nessa fase, é comum perceber que muitas de suas necessidades terrenas ainda continuam bastante presentes.

“O alcoólatra tenderá a unir-se com outros alcoólatras e buscar lugares onde possam absorver essa energia, principalmente, em bares que frequentavam quando encarnados”, exemplifica Regina.

Isso acontece porque as impressões da vida terrena ainda estão marcadas no perispírito, o laço que une o espírito à matéria do corpo e que continua connosco no próximo plano.

Assim, existem espíritos com sede, com fome e com necessidade de sexo, por exemplo.

Em casos extremos, eles se ligam a pessoas vivas, como um obsessor, para poder receber as energias que lhe interessam.

Quando são bem orientados, aos poucos os espíritos vão se conscientizando de que não precisam mais de alimentos e bebidas para conseguir energia, por exemplo.

“Quando finalmente conseguem libertar-se das necessidades terrenas, os espíritos passam a se satisfazer com alimento fluídico, que é bem mais subtil e o sustenta plenamente”, esclarece Regina, lembrando que Gandhi, detentor de um grau superior de evolução espiritual, conseguia fazer greve de fome, tirando energia da própria respiração, pois sua mente já estava preparada para sustentá-lo.

Fonte: Site Tríada

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

BUSCA INCESSANTE

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 14, 2014 9:41 am

Uma das formas de ser feliz é buscar a Verdade sempre, não estacionando no já conseguido, e seguindo além.

Não tenhas, porém, a pretensão de obrigar os outros a aceitarem o que hajas conquistado.

As criaturas estacionam e progridem em faixas de valores diferentes, não podendo ser padronizadas mediante a mesma escala.

Além disso, a Verdade absoluta não será conseguida pelo homem finito.

Assim, ela se apresenta com matizes variados que atendem aos diversos graus da evolução humana, sem imposições constrangedoras.

Conquista sem humilhar; submete sem ferir; domina, libertando.

Quem a encontra, modifica-se inteiramente, alterando, para melhor, o padrão do comportamento.

Livre, com ela faz-se mais sábio e paciente, apaziguado e feliz.

Como não gostas que te cerceiem a faculdade de pensar e eleger o que te parece melhor, não te imponhas nem as tuas aquisições intelecto-morais a ninguém.

Através do exemplo lecciona a verdade, nunca revidando mal por mal, desculpando a ignorância e olvidando toda ofensa.

Com uma visão mais clara e perfeita da vida, entendes melhor os homens e suas debilidades, sendo paciente com eles e conquistando-os
para o clima de bem-estar que desfrutas.

O sábio não é aquele que conhece, mas quem aplica o conhecimento na vivência diária.

A verdade é manifestação de Deus, que a pouco e pouco o homem penetra.

Por isso, ensinou Jesus que todos buscássemos a verdade, pois que ela, expressando o amor em plenitude, liberta e torna feliz o ser.

Divaldo Franco - Espírito Joanna de Ângelis

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

OS ANIMAIS NO PLANO ESPIRITUAL

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 14, 2014 9:04 pm

Para aqueles que amam seus animais de estimação, um dos momentos mais difíceis é quando estes desencarnam (morte do corpo físico).

Esta tristeza pode durar dias, meses, anos ou, até mesmo, nunca passar, o que não é bom para ambos os lados: homem e animal.

Os espíritas são apontados muitas vezes como pessoas desapegadas em relação à morte de entes queridos (o que inclui seus animais de estimação). Isto não é verdade!

Os espíritas compreendem melhor a desencarnação, pois, como a própria palavra já descreve, acreditam na morte do corpo físico e na continuidade da vida, pelo Espírito! Todos são espíritos: homem e animal.
O Espiritismo é a união da ciência, filosofia e religião.
Concorda, em muitos pontos, com a Evolução das Espécies (Charles Darwin) e não acredita quando algumas religiões dizem que Deus criou o homem como ele é, e os animais como eles são por toda a eternidade.

Por que Deus, em sua infinita bondade, disponibilizaria a evolução apenas para o ser humano?
Quando se analisa mais profundamente a questão levantada, confirma-se que não seria lógico somente os homens possuírem alma e evoluírem moral e espiritualmente.

Não é mesmo?
A partir daqui, entende-se que a vida continua para os animais também!
E, desta maneira, entendendo que a morte do corpo físico é também o início da vida em um outro plano, e principalmente a continuação rumo a evolução espiritual, o espírita trabalha para desapegar-se de sentimentos que o consomem como a tristeza em demasia, a raiva etc e nutre aqueles que o ajudam: compreensão, fé no plano superior, fé em Deus.

Claro que a saudade permanece! Temos saudade daqueles que nos fizeram bem.
Desta forma, existem carinhos do plano espiritual.
Podendo um animal reencarnar em um novo filhote, vindo a ter contacto com a mesma família.
Porém, não se deve esperar que isto aconteça, pois apenas o plano espiritual sabe sobre os caminhos que aquele animal deve passar rumo à sua evolução.

Quando os animais desencarnam, aqueles donos que cuidaram da melhor maneira daqueles, devem ficar tranquilos e certos de que o plano espiritual se encarregará da melhor forma.
Jamais os animais, nem mesmo os menores, estarão desamparados.

Fonte:
Janela Espírita

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

O ESPELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 15, 2014 8:32 am

Uma história de Amor

Renato quase não viu a senhora, com o carro parado no acostamento.
Chovia forte e já era noite.
Mas percebeu que ela precisava de ajuda…
…Assim parou seu carro e se aproximou.
O carro dela cheirava a tinta, de tão novinho.
A senhora pensou que pudesse ser um bandido?
Ele não parecia seguro, parecia pobre e faminto…
…Renato percebeu que ela estava com muito medo e disse:
“Eu estou aqui para ajudar madame, não se preocupe.
Por que não espera no carro onde está quentinho?
A propósito, meu nome é Renato”…
…Bem, tudo que ela tinha era um pneu furado, mas para uma senhora de idade avançada era ruim o bastante.
Renato abaixou-se, colocou o macaco e levantou o carro.
Logo ele já estava trocando o pneu. Mas ficou um tanto sujo e ainda feriu uma das mãos…
…Enquanto apertava as porcas da roda ela abriu a janela e começou a conversar com ele.
Contou que era de São Paulo e que só estava de passagem por ali e que não sabia como agradecer pela preciosa ajuda.
Renato apenas sorriu enquanto se levantava…
…Ela perguntou quanto devia.
Já tinha imaginado todos as terríveis coisas que poderiam ter acontecido se Renato não tivesse parado e ajudado.
Renato não pensava em dinheiro, Gostava de ajudar as pessoas…
…Este era seu modo de viver.

E respondeu:
“Se realmente quiser me pagar, da próxima vez que encontrar alguém que precise de ajuda, dê para aquela pessoa a ajuda de que ela precisar e lembre-se de mim”…
…Alguns quilómetros depois a senhora em um pequeno restaurante simples, a garçonete veio até ela e trouxe-lhe uma toalha limpa para secar o cabelo molhado e lhe dirigiu um doce sorriso…
…A senhora notou que a garçonete estava com quase oito meses de gravidez, mas ela não deixou a tensão e as dores mudarem a sua atitude…
…A senhora ficou curiosa em saber como alguém que tinha tão pouco, podia tratar tão bem a um estranho.
Então se lembrou de Renato. Depois que terminou a sua refeição, e enquanto a garçonete buscava troco, a senhora se retirou…
…Quando a garçonete voltou queria saber onde a senhora poderia ter ido quando notou algo escrito no guardanapo, sob o qual tinha 4 notas de R$ 100,00…
…Correram lágrimas em seus olhos quando leu o que a senhora escreveu.

Dizia:
- Você não me deve nada, eu já tenho o bastante.
Alguém me ajudou hoje e da mesma forma estou lhe ajudando.
Se você realmente quiser me reembolsar por este dinheiro, não deixe este círculo de amor terminar com você, ajude alguém…

…Aquela noite, quando foi para casa cansada e deitou-se na cama, seu marido já estava dormindo e ela ficou pensando no dinheiro e no que a senhora deixou escrito…

…Como pôde aquela senhora saber o quanto ela e o marido precisavam disto?
Com o bebê que estava para nascer no próximo mês, como estava difícil…

…Ficou pensando na bênção que havia recebido, deu um grande sorriso…

…Agradeceu a Deus e virou-se para o preocupado marido que dormia ao lado, deu-lhe um beijo macio e sussurrou:
Tudo ficará bem; eu te amo…
…Renato!

Pense nisso, e se você quiser me pagar por este e-mail, retransmita-o aos seus amigos e não deixe o circulo do amor morrer com você….

A VIDA É ASSIM… UM ESPELHO..
TUDO QUE VOCÊ TRANSMITE VOLTA PRA VOCÊ!!

(Autor Desconhecido)

“Se você planta o bem, colherá bons frutos…”

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

A MORTE DÓI?

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 15, 2014 9:29 pm

Quando morre alguém, sentimo-nos todos tomados por um sentimento de perda e dor.
É natural, gostamos da pessoa e desejamos que continue vivendo connosco.

Mas, a morte é a única certeza da vida e está enquadrada nos acontecimentos normais da existência de todo mundo.
A todo instante, partem jovens e velhos, sadios e enfermos...

E muitos perguntam, talvez temerosos do momento em que também enfrentarão a circunstância e acerto de contas com D. Morte: ela dói?
O que ensinam os espíritos a respeito?

Em O Livro dos Espíritos, há um capítulo inteiro sobre o assunto: é o III, do livro segundo, com o título Retorno da vida corpórea à vida espiritual.
As questões 149 a 165 esclarecem o assunto.
Para não ficarmos em simples transcrição das respostas dadas pelos espíritos, fizemos breve resumo de forma didáctica para melhor entendimento do assunto.
Mas remetemos o leitor à pesquisa directa às questões citadas.

* No instante da morte, todo homem retorna ao mundo dos espíritos, pátria de origem;

* Uma vez no chamado outro mundo, conserva plenamente sua individualidade;

* A separação da alma e do corpo não é dolorosa.
O corpo sofre mais durante a vida que no momento da morte;

* A alma se liberta com o rompimento dos laços que a mantinham presa ao corpo;

* A sensação que se experimenta no momento em que se reconhece no mundo dos espíritos depende do que fizeram em vida.
Se foram bons, sentirão enorme alegria.
Se foram maus, sentirão vergonha;

* Normalmente reencontra aqueles que partiram antes, se já não reencarnaram;

* A consciência de si mesmo vem aos poucos.
Passa-se algum tempo de perturbação, convalescente, cujo tempo de duração depende da elevação de cada um.


Compreender antes o assunto exerce grande influência sobre o tempo de perturbação, mas o que realmente alivia a perturbação são a prática do bem e a pureza de consciência.

Indicamos ainda ao leitor, estudar o livro O Céu e o Inferno, também de Allan Kardec, onde há diversas descrições do momento da morte e do pós-morte, de espíritos nas mais variadas condições evolutivas.

O livro Depois da Morte, de Léon Denis e Obreiros da Vida Eterna, de André Luiz/Chico Xavier também trazem muitas explicações sobre o interessante tema.

Há, também, uma série enumerável de livros de mensagens enviadas por desencarnados aos entes queridos que ficaram.
Entre eles, o famoso Jovens no além, de 1975, recebido por Chico Xavier.
O filme Joelma 23º andar, baseado no incêndio ocorrido em São Paulo, mostra bem a questão da continuidade da vida.

Não tema a morte.
Ela faz parte do processo evolutivo.
Viva de maneira prudente, faça o bem que puder e quando soar seu momento, vá sem medo.

Mas nunca a busque ou a precipite.
Tudo tem seu momento na vida e todos temos algo a fazer num tempo programado.
Para aqueles que foram antes, guarde a convicção de breve reencontro e ore pela felicidade deles.
Eles receberão a mensagem de seu coração.

Orson Peter Carrara

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

ESTADOS DE ESPÍRITO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 16, 2014 8:57 am

No linguarejar popular usa-se muito a palavra astral: “alto astral”, baixo astral”, etc., indicando como estamos nos sentindo por dentro.

A maioria das pessoas não tem domínio sobre os próprios estados de espírito, deixando-se levar pela feição dos acontecimentos, pelo que ouve, pelo que vê e o que pensa.

Poucos já conseguem domínio pleno sobre si mesmos, comandando sua vida interior conforme melhor entendem.

Os estados de espírito se formam pela interacção dos pensamentos com as emoções e sentimentos, e podem transformar-se num circulo vicioso, que é importante desmanchar o mais depressa possível, sempre que o seu teor seja de ordem negativa.

PERGUNTA NATURAL

Que tipo de malefícios os estados de espírito negativos podem gerar naqueles que os nutrem?

A ciência ultimamente vem se ocupando bastante com pesquisas sobre estados de espírito, relacionados com a saúde.
Também algumas terapias complementares vêm desenvolvendo acções visando melhorar a vida e a saúde das pessoas, através de mudanças em seus estados de espírito.

Sabe-se, por exemplo, que as pessoas que cultivam o mau humor, a crítica negativa, as queixas e lamentações, que vêem a tudo e a todos com “maus olhos”, estão gerando energia psíquica de baixo teor, que tende a criar bloqueios na recepção e na circulação de energias de mais elevado teor em seus organismos, o que pode vir a causar inúmeras enfermidades e os mais variados tipos de mal-estar.

E lembramos a sabedoria de Jesus, quando disse que “se os nossos olhos forem maus, todo o nosso corpo estará em trevas”.

Fonte: Mundo Espiritual

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

USO DE DROGAS NA VISÃO ESPÍRITA

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 16, 2014 9:26 pm

O mundo físico e o mundo espiritual interagem o tempo todo, mesmo sem que consigamos perceber.
Semelhante a ondas de rádio, ondas de celular, ondas de tv que passam pelo nosso corpo todas ao mesmo tempo sem que consigamos ver, o mundo espiritual ou os espíritos melhor dizendo, estão ao nosso redor, nos influenciando e sendo influenciados por nós, e estão em outra dimensão, não visível a olho nú. Porém os médiuns conseguem ver tudo isto.

Quem é usuário de drogas, álcool ou cigarro, sempre tem ao seu redor vários espíritos de pessoas que eram viciadas antes de morrer.

Como no mundo espiritual não vendem cigarros, álcool e drogas, como eles fazem para sentir os prazeres que sentiam antes quando ainda eram vivos?
Ficam ao lado das pessoas viciadas "incentivando" elas a consumirem as substâncias que eles precisam.

Por isso para largar qualquer vício você tem que ser muito forte: tem que ter a força de 3 ou 4 pessoas, fora a sua, porque do seu lado ficam 3 ou 4 (ou mais) espíritos de viciados te influenciando a usar drogas.

Na maioria das vezes, somente sua força de vontade não é suficiente. Justamente por causa disto: é preciso ter a força de 3 ou 4 pessoas (que ninguém tem) para vencer as drogas.

Então é sempre, sempre, SEMPRE, necessário uma ajuda espiritual, para afastar os espíritos viciados.
Isto pode ser feito no local espiritual onde você se sinta melhor: numa igreja católica, numa igreja evangélica, num centro espírita kardecista, num centro espirita de umbanda, etc...

O importante é contar com ajuda externa, inclusive claro, de médicos, psicólogos, terapeutas, etc...

Quem é usuário de drogas prejudica e às vezes destrói não apenas o corpo físico, mas também o corpo espiritual, ou espírito.

No mundo espiritual irá ficar sofrendo com a necessidade de usar drogas, com dores pelo corpo, com a desfiguração do corpo espiritual, etc...

Muito provavelmente em sua futura vida física terá sequelas no corpo físico, nascendo com deficiências físicas, para aprender a valorizar um corpo perfeito, que já tinha e desperdiçou quando usava drogas.

Fonte: Site vida após a morte

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72053
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: ARTIGOS DIVERSOS

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 40 Anterior  1, 2, 3 ... 21 ... 40  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum