Apesar de Tudo - Leonel / Mónica de Castro

Página 12 de 12 Anterior  1, 2, 3 ... 10, 11, 12

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Apesar de Tudo - Leonel / Mónica de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Dez 11, 2015 12:08 pm

EPÍLOGO

O dia do casamento de Marcos e Raquel amanheceu envolto numa aura especial.
Os noivos receberam muitas visitas de amigos espirituais, que vieram até a Terra para derramar sobre eles energias de luz e amor.
Toda vez que um acontecimento dessa natureza ocorre no mundo físico, os espíritos se felicitam, porque a vibração de alegria dos encarnados reflecte também no invisível, que trabalha para espalhar as energias de felicidade por todo o planeta.
Quanto mais gente vibrando alegria, maior a carga energética lançada no ar e, consequentemente, mais próxima se encontra a vitória do bem, que necessita de bons sentimentos para se consolidar.
Um dia, quando todo o ódio, a depressão e a vingança forem tocados pela alegria genuína do ser consciente de seu papel no mundo, as guerras, a fome, a corrupção e a dor deixarão de existir, transformadas que estarão em novas partículas de uma luz sem sombras, que só há de reflectir o amor.
Mas não apenas os espíritos iluminados são tocados pela felicidade dos encarnados.
Há aqueles que, ainda apegados à ilusão do mal, deixam-se envenenar por sentimentos de inveja, despeito, ódio, e partem para um possível ataque espiritual, sendo contidos ou não por seres astrais encarregados da protecção espiritual dos noivos, dependendo de sua condição moral.
Não foi por outro motivo que as visitas de seres iluminados se sucederam na casa de Raquel e Marcos, parentes desencarnados e companheiros de outras vidas que acompanhavam ou se interessavam pelo progresso espiritual dos noivos.
A primeira visita de Marcos foi do pai biológico.
Anderson chegou em companhia daquela que fora sua avó em vida, e sentiu imensa alegria em ver que o filho estava conseguindo cumprir a sua tarefa, e muito mais ainda com a amizade que surgira entre ele e seus pais.
Como não podia deixar de ser, Margarete apareceu de braços dados com Félix, chorando de alegria.
Seu corpo fluídico, já quase inteiramente livre dos efeitos deletérios do álcool, não acusava mais perda de energia.
— E então? — indagou Laureano, que também havia comparecido.
Como se sentem?
— Com a satisfação do dever cumprido — afirmou Félix.
— É muito mais do que isso — acrescentou Margarete.
— Para mim, é a consolidação do amor.
— A intervenção de vocês foi decisiva para que tudo desse certo — disse Laureano. — Parabéns.
— Ninguém, mais do que eu, está feliz — assegurou Margarete.
Laureano segurou os dois pela mão e perguntou docemente:
— Prontos para partir? — Margarete olhou para Félix.
— Um merecido lugar de luz e descanso os aguarda.
— Estamos prontos — afirmou Félix.
— E você, Margarete?
— Estou pronta.
Sei que, de onde estiver, poderei acompanhar a vida de Marcos, sem prejudicá-lo nem interferir.
Aprendi a aproximar-me dele apenas com a oração.
— Muito bem. Agradeçamos a Deus e vamos.
De mãos dadas, partiram os três, deixando no ambiente uma cintilação luminosa, radiante, feliz.
Na casa de Raquel, seus muitos amigos espirituais revezavam-se nas felicitações.
O quarto da moça recebia uma constante chuva de luz, que se espraiava para além das paredes.
Eram tantas as vibrações que, inevitavelmente, acabaram penetrando no aposento vizinho, onde uma nuvem cinza de frustração e aborrecimento envolvia o corpo de Elói.
Desde que Raquel descobrira o que ele fizera, nunca mais falara com ele, deixando-o triste e sombrio.
E tudo para quê? Para nada.
Nem Nelson se interessava mais por ela.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73915
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apesar de Tudo - Leonel / Mónica de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Dez 11, 2015 12:09 pm

Soubera, por amigos, que ele se cansara e se envolvera com outra garota.
A entrada da luminosidade refrescante no quarto de Elói, embora não fosse suficiente para dissipar as energias densas do desânimo, serviu para diminuir um pouco seus efeitos, levando-o a chorar de mansinho.
Raquel nem o convidara para o casamento.
Mas também, ele não merecia ir.
O que faria lá, se não gostava de seu futuro cunhado?
Uma voz interior lhe dizia que tudo aquilo era ilusão.
Que a cor da pele não qualificava ninguém, que todas as criaturas eram iguais em essência.
Incentivava-o a deixar de lado o preconceito para abraçar a irmã e pedir-lhe perdão.
Elói nem percebia que havia um espírito amigo junto a ele, mas recebia suas palavras em pensamento.
Durante o dia todo, ficou oscilando entre a raiva e o desejo de falar com Raquel.
Próximo da hora de sair, ele ainda não havia se decidido a procurá-la.
Raquel não queria que ele fosse ao casamento, contudo, não o impedira propriamente.
Na verdade, não dissera nada.
Não o convidara nem o repelira.
Alguém bateu à porta, e ele foi abrir. Era o pai.
— Você não está pronto? — indagou, perplexo.
— Não. Eu não vou.
— Tem certeza?
Não faça isso.
— Não vou, pai.
Primeiro porque não concordo com esse casamento.
Segundo, porque Raquel não me quer lá.
Aliás, não tenho mesmo nada que fazer numa igreja de crentes.
— Deixe de bobagens, Elói — censurou Ricardo.
O que tem contra a religião do rapaz?
— Nada — respondeu de mau humor.
— Mas mesmo assim não vou.
— Você é quem sabe.
No mesmo momento, Ivone conversava com Raquel.
— Tem certeza de que não quer que seu irmão vá? — perguntou ela.
— Tenho, mãe.
O que Elói fez foi baixaria.
— Não é você mesma que diz que todo mundo merece uma segunda chance?
— É, mas ele é muito orgulhoso.
Por que não vem falar comigo e me pedir perdão?
— Por que você não vai até ele e diz que o perdoa?
— Eu o perdoo, mas ele é que tem que vir falar comigo.
Não fui eu que pisei na bola.
— Isso não é orgulho também?
Raquel não respondeu.
No fundo, a mãe tinha razão, mas lhe era difícil tomar a iniciativa para reparar uma situação desconfortável que não fora ela que criara.
Todavia, envolvida pela leveza de toda aquela vibração, intimamente alimentava o desejo de que uma chance surgisse para que ela e o irmão pudessem se falar.
Quando a vontade é grande, a realização acontece.
Assim que a maquiadora terminou seu trabalho, Raquel pôde finalmente olhar-se no espelho.
Estava muito bonita em seu vestido branco, de véu e grinalda.
Sorriu para si mesma e enxugou as lágrimas dos olhos da mãe com divertimento.
— Chorando antes da cerimónia? — brincou.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73915
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apesar de Tudo - Leonel / Mónica de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Dez 11, 2015 12:09 pm

Ivone deu um tapinha bem-humorado na mão de Raquel e observou:
— Você está linda!
A noiva mais linda que eu já vi.
— Aposto como toda mãe diz isso.
O pai entrou no quarto e parou embevecido, repetindo as mesmas palavras de Ivone:
— Minha filha, você é a noiva mais linda que eu já vi!
— Vocês são maravilhosos! — falou ela, abraçando-se aos dois.
Ricardo deu-lhe o braço, que ela segurou, saindo para o corredor com Ivone e a maquiadora, que tentava levantar o véu para que não se sujasse.
— Não acha melhor colocar o véu no carro? — perguntou ela.
— Não — objectou Raquel.
Quero sair de casa pronta.
Ao atravessarem o corredor, uma porta se abriu.
Elói se encostou no portal para admirá-la.
Raquel nunca estivera tão linda.
Precisava dizer-lhe isso, mas, e a coragem?
Agora, vendo-a tão bonita, tão feliz, já não sabia mais se acreditava em seu preconceito.
Queria poder partilhar com a irmã daquele momento de felicidade, porém, não conseguia desenvencilhar-se do orgulho e admitir que aceitar um negro na família não era nada de mais.
Não depois de tudo o que fizera.
Ao passar por ele, Raquel parou, atraída por seu olhar de admiração.
— Você está linda — elogiou ele, lutando para conter as lágrimas.
— Também vai dizer que sou a noiva mais linda que você já viu? — retrucou ela, tentando segurar a emoção.
— Não quero ser repetitivo, mas é verdade.
Nunca vi noiva mais bonita.
— Até parece que você já viu muitas noivas.
Nunca vai aos casamentos a que é convidado.
— Tem razão.
Não sou muito ligado nessas coisas.
— É por isso que não vai ao meu?
A pergunta saiu sem querer, embora resumisse bem o que Raquel queria dizer.
Ricardo e Ivone se entreolharam, torcendo pela reconciliação dos filhos, até que Elói respondeu:
— Não. O seu é diferente.
Torço para que vocês sejam felizes, mas não posso ir.
Tenho que ser fiel a mim mesmo.
— Fiel a si mesmo?
O que quer dizer isso?
Que precisa ser fiel a atitudes ruins?
— É complicado, Raquel.
Deixe isso para lá.
Não vamos estragar o seu casamento.
— Tudo bem, se é o que você quer.
Ele segurou a mão dela.
Olhando-a fixamente nos olhos, falou com voz trémula:
— Perdoe-me.
Raquel deu um breve sorriso e beijou-o na testa.
Saiu sem dizer nada, deixando o ar carregado de emoção.
Elói balançou a cabeça.
Tinha entendido o gesto sem palavras que revelava o perdão.
Quando o coro da igreja começou a tocar Agnus Dei20, Raquel fez sua entrada triunfal na igreja.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73915
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apesar de Tudo - Leonel / Mónica de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Dez 11, 2015 12:09 pm

No altar, Marcos andava de um lado a outro, contido por Arnaldo, seu padrinho.
Ela foi caminhando lentamente, sob o olhar admirado dos convidados, numa cerimónia religiosa que misturava evangélicos, católicos, espíritas e gente sem religião alguma.
O pai de Raquel entregou a noiva nas mãos de Marcos, que a recebeu com indescritível emoção.
Seguiram-se as comoventes palavras do pastor, alertando os jovens para as responsabilidades do casamento e a necessidade de cultivo constante do amor em família.
As alianças foram ungidas, os noivos prestaram o compromisso de amor e fidelidade perante Deus.
Encerrada a cerimónia, o casal seguiu para os cumprimentos no salão de um clube elegante, onde Graciliano e Bernadete ofereceriam um coquetel.
Tudo muito bonito e de extremo bom gosto.
Para agradar a todos, a orquestra alternava música popular, clássica, gospel, tornando o clima descontraído, de muita alegria.
Terminados os cumprimentos, Marcos abraçou Raquel, admirando a movimentação dos convidados.
— Feliz? — perguntou ele.
— Muito. Vivo agora um sonho.
Marcos tomou-a nos braços, rodopiando com ela na pista de dança colocada no meio do gramado.
Nada, naquele momento, poderia estragar tanta felicidade.
Todas as dificuldades que Marcos atravessara pareciam não ter mais importância.
A vida, que fora difícil no começo, mostrara-lhe que o esforço da alma na direcção do bem sempre traz recompensas, e o prémio de maior valor são as pessoas que se conquistam e com as quais se aprende que vale a pena viver.

20 Música de Michael W. Smith, cantor e compositor americano de música cristã contemporânea, do álbum Worship, 2001.

FIM

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73915
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apesar de Tudo - Leonel / Mónica de Castro

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 12 de 12 Anterior  1, 2, 3 ... 10, 11, 12

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum