O que importa é o amor- Marco Aurélio / Marcelo Cezar

Página 10 de 10 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: O que importa é o amor- Marco Aurélio / Marcelo Cezar

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 20, 2016 8:25 pm

A enfermeira ajudou-a e colocou travesseiros atrás das costas.
Eduarda agradeceu e, recobrando-se do esforço, disse:
- Juliana, Erik esteve aqui, meses atrás.
Juliana sentiu um frio no estômago.
- O que meu marido veio fazer aqui? - perguntou, surpresa.
- Ele...
Juliana a cortou:
- Ele nunca me escondeu nada. Por que ele...
- Hello-o! Cale essa matraca!
A moribunda aqui é quem manda.
- Desculpe.
Eduarda suspirou e prosseguiu:
- O seu maridinho estava lhe fazendo uma surpresa - Eduarda fez sinal com a cabeça e Juliana acompanhou o movimento.
Voltou o rosto e Erik estava logo atrás, na soleira da porta.
- Meu amor! Você aqui?
- Não vim sozinho.
Erik afastou o corpo e Juliana viu Sofia, sorridente, no colo de Isabel.
Paulo e Bruna estavam mais atrás.
- O que significa tudo isso?
- Fui eu quem pediu para que viessem - sussurrou Eduarda.
Minha hora está chegando.
Juliana não conseguia entender.
Num esforço, Eduarda pronunciou:
- Olhe para o berço - apontou.
- Seu filho...
- Não, Juliana, de agora em diante, Dante passa a ser seu filho.
Não notou os papéis que assinou?
Você vai ser a verdadeira mãe de Dante.
Tenho certeza de que ele vai lhe trazer muitas alegrias e aporrinhações - sorriu.
Afinal, ele saiu de dentro de mim.
Juliana, surpresa e emocionada, olhos embaciados, pegou o bebé no colo e Dante, já por uma ligação espiritual profunda com Juliana, olhinhos semicerrados, tentou alcançar-lhe o mamilo para se alimentar.
Ela apertou a criança de encontro ao peito.
E, em um lance muito rápido, encostou o rostinho de Dante próximo dos lábios de Eduarda.
- Seu filho!
Beije seu filho.
Eduarda o beijou com dificuldade e, antes de dar o suspiro final, tornou, emocionada:
- Nosso filho.
Que Deus os abençoe!
Estas foram as últimas palavras de Eduarda.
Em seguida, o rosto pendeu para o lado, e uma lágrima escorreu pelo canto do olho.
Eduarda estava morta.
- Descanse em paz, querida - disse Paloma, em lágrimas, passando gentilmente a mão sobre os olhos da amiga, cerrando-os.
A enfermeira aproximou-se, tomou-lhe o pulso e constatou o óbito.
Em seguida, afastou-se e foi à sala, ligar para o médico e tomar providências.
Todos, consternados, fizeram sentida prece em favor de Eduarda.
O espírito de seu avô materno entrou no quarto, acompanhado por Tarsila.
Com delicadeza, ajeitou o perispírito da neta, adormecido e enfraquecido, nos braços.
- Obrigado, Tarsila. Por tudo.
- Não agradeça, Onório.
Você fez muito por nós.
Na Terra, este é um momento de tristeza e reflexão.
Para nós, aqui do outro lado, é com alegria que recebemos Eduarda.
Ela é muito inteligente e vai se recuperar com rapidez.
Logo estará readaptada ao mundo espiritual.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74080
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O que importa é o amor- Marco Aurélio / Marcelo Cezar

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 20, 2016 8:25 pm

- 42 -

Depois de um tempo.
Paloma modificou bastante a sua maneira de ser.
O convívio com Eduarda, a doença, o contacto com a morte, tudo a ajudou a reflectir muito sobre sua vida, analisando todos os aspectos, enaltecendo os pontos fortes e atenta aos pontos fracos, a fim de não ficar vulnerável a eles.
- Poderia estar no lugar dela - disse para si.
E morreria triste, porque nunca amei.
- Falando sozinha? - Isabel entrou no quarto.
- Sim, mamãe.
Estava pensando em Eduarda.
- Tenho certeza de que ela está bem.
- Como pode afirmar?
- Lena sonhou com ela dia desses.
Disse que está em tratamento no astral e se recupera bem.
- Será que já encontrou o pai?
- Não. Lena disse que viu o espírito de Octaviano enraivecido e com sede de vingança.
Está atormentando Javier e não vai sossegar por enquanto.
Cada um é responsável por si, aqui na Terra como no Céu.
- Nossa! Que profundo!
Isabel esboçou um sorriso.
- Eu não deixo de pensar em Octaviano e, sempre que possível, mando-lhe vibrações de equilíbrio e bem-estar.
Afinal de contas, ele é o avô de Dante.
- Glória esteve na casa de Juliana, semana passada.
- Soube. Veio se despedir.
- Não aventou a possibilidade de tomar Dante para si?
Isabel riu.
- Ela veio agradecer sua irmã de joelhos.
Ficou feliz da vida com o gesto de Eduarda.
Disse que a vida dela tomou outro rumo e não tem condições emocionais de cuidar de uma criança.
- Como se ela tivesse...
- Não devemos julgar.
Como disse, cada um é responsável por si.
Glória tem o jeito dela de encarar a vida e os factos.
- Não acho correcto.
- Não há certo nem errado.
Colhemos o que plantamos.
De que adianta apontar dedos acusadores no nariz de Glória?
Acusar revela arrogância e falta de confiança na vida.
- Ela nunca foi boa mãe. Jamais seria boa avó.
- Glória é o que é.
O importante é que Dante está em boas mãos.
- Tem razão, mamãe.
Juliana é uma mãe dedicada e amorosa.
Assim como você. Obrigada por tudo.
Paloma falou e beijou a mãe na testa.
Isabel sentiu um lampejo de emoção e abraçaram-se.
Depois, Paloma perguntou:
- Glória já partiu?
- Sim. Parece que reencontrou um antigo namorado.
Vão se casar e morar no Marrocos.
- É mesmo? Quem é ele?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74080
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O que importa é o amor- Marco Aurélio / Marcelo Cezar

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 20, 2016 8:25 pm

- Um tal de António não-sei-de-quê.
Um amor dos tempos da juventude.
Eu lembro que Glória era apaixonada por ele e...
Isabel falou sobre o passado, a juventude, sobre o seu namoro com Paulo e, por fim, asseverou:
- Paloma, não se esqueça:
você pode ter o mesmo amor que seus pais têm.
- O que foi que disse?
- Que eu e seu pai começamos a namorar...
Paloma a cortou:
- Não. Depois.
O que disse depois?
- Não entendi.
Paloma teve um flash.
Lembrou-se imediatamente do dia em que fora com Eduarda a uma tenda cigana, em Barcelona.
E, na sequência, veio a frase que lhe causou espanto:
Você pode ter o mesmo amor que seus pais têm...
Seu amor está do outro lado do Atlântico".
Isabel pronunciara a mesma frase.
- O que foi, filha?
- Nada. Lembrei-me de uma cena com Eduarda lá em Barcelona.
- Você precisa sair e se divertir um pouco.
Desde que chegou, dividiu seu tempo entre cuidar de Eduarda e do pequeno Dante.
Agora que Eduarda se foi e Dante ganhou uma linda família, você podia tomar um ar, sair...
- Lena me ligou.
Disse que preciso conhecer o bar do Fernando.
- Pois olhe que coisa boa! Vá se divertir.
Quem sabe não encontra um bom partido?
- Está querendo se ver livre de mim?
Mal cheguei.
- Não. De forma alguma.
Você merece ser feliz.
Pode ter o mesmo amor que seus pais têm.
Paloma sentiu um arrepio percorrer-lhe o corpo.
De novo Isabel repetia a frase da cigana.
- Repete, mãe.
- Hã? Que você precisa sair?
- Não, repita o que me disse agora.
- Vá se divertir.
Paloma mexeu a cabeça para os lados.
"Estou escutando demais", pensou.
Beijou Isabel, desceu, apanhou a bolsa e saiu.
Paloma estacionou na frente do bar e entregou a chave para o manobrista.
Ainda não havia muito movimento.
Era dia de semana, Lena a convidara para um drinque, um bate-papo.
Ela entrou e cumprimentou Lena e Alessandro.
Na outra ponta da mesa estavam, abraçadinhos, Bruna e Peixão.
- O que quer beber? - perguntou Alessandro.
- Um refrigerante.
- Que nada! - protestou Bruna. - Um chopinho. Só para descontrair.
- Está certo. Um chope.
A bebida chegou e brindaram.
- Ao amor - saudaram os casais.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74080
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O que importa é o amor- Marco Aurélio / Marcelo Cezar

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 20, 2016 8:25 pm

Paloma nada disse. Bebericou seu chope e palitou uma batatinha.
A conversa fluiu agradável e, perto de uma hora depois, Fernando entrou no bar.
Ao ver Paloma, a sua respiração tornou-se ofegante.
Peixão o viu, pediu licença e afastou-se discretamente do grupo.
Empurrou Fernando para o corredor lateral, onde não podiam ser vistos.
- Oxe! Que cara de abestalhado é essa?
- É ela, Peixão.
- A mulher da tua vida?
- É.
- Como tem certeza disso?
- Porque eu a amo - respondeu com firmeza.
- Então se assunte!
- Hã?
- Tome vergonha nessa cara, homem.
Endireite esse corpo e vá conversar com ela.
Fernando encheu-se de coragem, colocou um sorriso no rosto e juntou-se ao grupo.
Riram, divertiram-se, fizeram brincadeiras de adivinhação.
Formavam um grupo em perfeita sintonia, de amigos verdadeiros, cuja amizade perdia-se nos anais do tempo.
Em determinado momento, a mão de Fernando tocou a de Paloma.
Ela o encarou e sorriu.
- Não sabia que tinha a mão quente.
- Tia Gina diz que tenho mãos de cura.
- Deve ter.
Você sempre foi um bom amigo.
Fernando pigarreou e tornou, sério:
- Eu não quero ser seu amigo.
- Porquê?
- Porque eu gosto de você.
Não como amigo.
- Não acredito! - Paloma estava visivelmente surpresa.
- Desde quando?
- Desde o primeiro dia que a vi.
Mais ou menos uns trinta anos.
- Estou pasmada!
- É verdade.
- Por que nunca se declarou, Fernando?
- Porque você sempre estava namorando alguém.
Toda vez que eu me enchia de coragem e tomava a iniciativa para me declarar, você já estava com outro.
Fui me afastando, depois você viajou, mudou-se para Barcelona.
Praticamente perdi as esperanças.
Enquanto ele falava, Paloma lembrou-se novamente da velha Nadja:
Você pode ter o mesmo amor que seus pais têm...
Seu amor está do outro lado do Atlântico".
- Fernando!
- O que foi?
- O tempo todo estava na minha cara, na minha frente.
- O quê?
- Você! A possibilidade do amor verdadeiro!
- Sim - tornou ele.
A morte de Eduarda mexeu comigo.
Imaginei morrer, não que eu tenha medo de morrer, mas pensei com meus botões: eu morreria triste, porque nunca amei.
- Antes de sair de casa, estava pensando a mesma coisa!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74080
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O que importa é o amor- Marco Aurélio / Marcelo Cezar

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 20, 2016 8:26 pm

Ambos fitaram-se emocionados.
Fernando sentiu um brando calor tomar-lhe o corpo.
- E agora?
- Me beije, Fernando. Só isso.
Ele fechou os olhos e seus lábios aproximaram-se.
Um beijo saboroso, com gosto de amor para toda uma vida.
Magnólia estava sendo monitorada por profissionais competentes.
Como o sistema imunológico estava saudável, ela não precisava, por ora, tomar medicação anti-retro-viral, o famoso coquetel anti-Hiv.
Passou a frequentar um grupo de apoio, só para seropositivas.
O contacto com essas mulheres fez-lhe enorme bem.
O vitimismo foi-se esvaindo.
A vontade de lutar e preservar a vida emergiu forte.
Seu espírito aprendia, a duras penas, a aceitar-se incondicionalmente.
E ela não deixava de fazer a prece sugerida por Gina.
A palestrante da Reunião daquele dia, uma senhora aparentando pouco mais de sessenta anos, era portadora do vírus e o contraíra do marido, já morto pela doença, havia mais de vinte anos.
Eulália era a alegria em pessoa.
Falava com voz cadenciada e encontrara na espiritualidade o bálsamo que aquecia seu coração.
- E, por último, mas não menos importante, não podemos esquecer que a ligação entre as pessoas acontece tanto pelo amor quanto pelo ódio.
Pelo amor, porque há prazer, alegria e felicidade; pelo ódio, porque há insatisfação, mágoa e angústia.
Esta ligação desagradável persiste enquanto alimentarem este sentimento.
- E nunca termina? - indagou Magnólia, interessada e pensando em Jonas.
- Sim. Vai depender de quando um deles resolver perdoar e esquecer.
No entanto, só vai funcionar, de fato, se o perdão for sincero.
Quem se permite perdoar liberta-se do peso do mal.
Quanto ao outro, que não perdoou, será afastado de seu desafecto.
Mas como ainda cultiva o mal, atrairá pessoas maldosas e sofrerá com isso até que, não importa quando, decida também perdoar.
Eulália suspirou e prosseguiu:
- Desligue-se de quem a infectou, Magnólia, de uma vez por todas.
Cada um tem o que merece.
Cuide da sua vida, encha-a de pequenos prazeres.
Conforme for adquirindo o hábito de só ver o bem, o mal vai se afastar naturalmente, e Jonas não terá mais como aproximar-se, nem agora como espírito, nem em novas situações.
Porque você decidiu trilhar o caminho do bem.
Ele, por sua vez, insiste na maldade.
Actualmente, vocês percorrem estradas que jamais vão se cruzar.
Magnólia pensou, reflectiu por instantes.
Depois acrescentou:
- Nunca fiz mal aos outros.
- Basta ser negativa, pensar só em coisas tristes, viver coleccionando tragédias, deleitando-se com programas televisivos que só dão enfoque à maldade.
Você pode considerar-se muito boa, viver ajudando os outros e ser vitimada pelos espíritos perturbadores.
Quando você está de bem com a vida, está conectada com as energias positivas e, portanto, tem a Providência Divina protegendo-a ininterruptamente.
Quando, por algum motivo, fica pessimista, está negando Deus, negando a beleza da vida.
Assim, você baixa automaticamente o nível de sua vibração.
É nesse momento que uma pessoa que lhe deseja mal, encarnada ou não, poderá atingi-la energeticamente.
Essas energias alojam-se em seu corpo astral, desequilibrando-a.
Sua saúde fica abalada, e, quanto mais você permanece nessa onda negativa, mais o desequilíbrio aumenta.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74080
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O que importa é o amor- Marco Aurélio / Marcelo Cezar

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 20, 2016 8:26 pm

Houve um burburinho e Eulália prosseguiu:
- A doença surge quando você nega a sua natureza.
A sua natureza se mostra nesta negação por meio dos conflitos.
E os conflitos, fisicamente, são as doenças físicas, emocionais e mentais, que proporcionam uma vida sem riqueza e sem beleza, o que também não deixa de ser uma doença.
Ela fez uma pausa, porquanto percebera o quanto todas reflectiam sobre suas sábias palavras.
Continuou:
- Repetir padrões de pensamentos inadequados a seu grau de evolução gera doenças.
- De que forma mudá-los? - interrogou Magnólia.
- A vida quer que você faça o que já sabe.
Você precisa usar o que aprendeu.
Cresceu rodeada de pessoas que a estimularam a ser feliz.
Teve um tio rígido, mas que plantou em você as sementes da nobreza e da honestidade.
Teve amigos, como Isabel e Paulo, que lhe deram sustentação e apoio.
Atraiu uma companheira bondosa, inteligente e perspicaz, cheia de amor para dar.
Foi abençoada com um filho amoroso e lúcido, de carácter íntegro.
A vida colocou todas essas pessoas em seu caminho.
Magnólia emocionou-se.
- Quando você usa seu melhor - esclareceu Eulália -, a vida lhe dá mais ainda, protegendo-a das coisas desagradáveis.
Mas, se você tem atitudes abaixo de suas possibilidades, então ela não a protege e deixa que você colha os resultados.
- Estou colhendo...
- O corpo físico é o instrumento que sua alma usa para mandar mensagens ao seu eu consciente.
Quando você adoece, é porque está tendo atitudes inferiores a seu grau espiritual de evolução.
Elas são a causa das doenças.
Cada membro, cada órgão de seu corpo corresponde a um tipo de atitude.
Aprender esse significado e modificar essas atitudes é encontrar o caminho da saúde.
- De onde tirou esta conclusão? - indagou outra participante, interessada.
- A maturidade tem me mostrado que este é o caminho adequado.
E aprendi também com aquele livro - apontou para a estante.
"Você pode curar sua vida, de Louise Hay."
É um livro que deve ser lido por todas as pessoas, independentemente de crença ou fé religiosa.
É um manual eficaz para readquirir e manter uma vida saudável, equilibrada e mais feliz.
- Vou trocar os programas televisivos por esse tipo de leitura - contrapôs Magnólia.
- Exactamente. Comece fazendo isso.
Depois, dê atenção aos sinais do corpo.
Mudar a alimentação, praticar exercícios, entreter-se com leituras positivas e agradáveis, conviver com pessoas positivas e alegres.
Estes procedimentos saudáveis e sem contra-indicações fortalecem o nosso sistema imunológico.
Se um diabético não se cuidar, poderá morrer.
O mesmo ocorre com quem não cuida da pressão, do colesterol, dos pulmões, do coração.
Veja que todos têm, de alguma forma, algum tipo de doença.
Essa desarmonia orgânica faz parte da escalada rumo à perfeição.
- É? Interessante.
Explique melhor - incentivou Magnólia.
Eulália sorriu e tornou, modulação de voz serena:
- Pensemos em um lindo jardim florido, com muitas flores, coloridas e perfumadas.
Para que esse jardim se faça tão bonito aos nossos olhos, é necessário etapas de padecimento.
Uma semente é jogada na terra.
Depois precisa inchar e estourar para dar fruto, ou para se tornar uma flor e formar um lindo jardim.
O mesmo ocorre connosco.
Somos jogados nas experiências encarnatórias para inchar, estourar e nos tornar belos frutos, ou, se preferir, belas flores.
Como a flor de Magnólia.
- É que vivo com um bichinho letal dentro de mim.
Não sei o que poderá acontecer. Tenho medo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74080
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O que importa é o amor- Marco Aurélio / Marcelo Cezar

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 20, 2016 8:26 pm

- É natural o que sente - ponderou Eulália.
Mas não se pode manter a saúde nem a felicidade criando um ambiente negativo à sua volta.
Para obter saúde, bem-estar, precisa acreditar que é saudável, valorizar os momentos bons que tem.
O medo do futuro afasta você do presente, impede que aproveite as oportunidades de ser feliz.
O agora é o que vale.
O minuto presente é o que conta.
Felicidade agora, felicidade no futuro.
Infelicidade agora, bom, já sabe o que vai aparecer lá na frente. Certo?
- Sim - todas disseram em uníssono.
- Para desenvolver sua confiança na vida, todos os dias vamos, todas nós, fazer uma lista das coisas boas que possuímos, de tudo de bom que a vida nos deu.
- Para quê? - indagou outra senhora, que contraíra o vírus em uma transfusão de sangue.
- Para perceber como tem sido protegida, amada, valorizada.
Sempre que alguém disser algo negativo, ignore, não dê atenção.
Mude de assunto ou rebata com uma resposta positiva.
- Alimentar o mal faz mal.
É isso? - perguntou Magnólia.
- Exacto! Você aprendeu que o negativo gera desconforto.
Prefira o bem.
Pense em sua saúde e em sua felicidade, em seu pronto restabelecimento.
Fique do seu lado, aprenda a ser sua amiga, ou seja, não negue mais sua natureza.
Fazendo isso, a doença se estabiliza.
E, como você é dona do seu destino, poderá reverter o quadro de doença.
Estou ao seu lado para ajudá-la a perceber o quanto pode e deve ser feliz.
Magnólia sorriu, emocionada.
Eulália pediu:
- Agora vamos todas formar um círculo e nos dar as mãos.
Vamos mentalizar nosso corpo livre de doenças.
As mulheres levantaram-se, formaram a roda, deram-se as mãos e fecharam os olhos.
Eulália ligou o som e uma música suave encheu o ambiente.
Ela diminuiu a luz, fez uma prece de agradecimento e finalizou:
- Repitam comigo:
"Eu sou saudável. Amo meu corpo.
Tudo está bem em minha vida".
Desta noite em diante, Magnólia nunca mais teve pesadelos.
A conversa entre Paloma e Fernando rendeu frutos.
Muitos frutos.
Depois de alguns meses, ele a convidou para dividirem o mesmo teto.
- E seus amigos?
Tudo bem se eu me mudar?
Eles não voltarão?
- Apaixonados do jeito que estão? Duvido.
Paloma riu, aninhou a cabeça no peito do amado.
Fernando beijou seus cabelos e disse:
- Peixão mudou-se para a casa de Bruna.
Alessandro desceu um andar para morar com Lena.
Meu apartamento está vazio, triste, precisando de você!
- Ainda não arrumei emprego. Não tenho dinheiro, nada.
Quer dizer, tenho muito amor para dar.
- Então me encha, me sufoque desse amor - ele implorou, rindo.
Paloma levantou o rosto e beijaram-se longamente.
Tempos depois, uniram-se em uma cerimónia simples, com alguns amigos e parentes.
Sofia e o pequeno Dante, que mal aprendera a andar, carregaram as alianças até o altar.
- Juliana - confessou Paloma -, agora sei o que você sente por Erik. Demorei, mas encontrei meu amor.
Quero ter uma família tão maravilhosa quanto a sua.
Abraçaram-se emocionadas.
- Eu a amo.
Muito - Juliana mal continha as palavras, tamanha emoção.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74080
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O que importa é o amor- Marco Aurélio / Marcelo Cezar

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 20, 2016 8:26 pm

Epílogo

Depois da cerimónia, Magnólia e Gina chegaram em casa.
Magnólia tivera uma pequena recaída e voltara a ser como antes: reclamava do bufê, da sobremesa, da demora do manobrista...
Subiram para o quarto.
Gina jogou a bolsa de um lado e os sapatos de outro.
Sentou-se na cama, exaurida.
- Irritação constante, revolta, queixas, lamentações e mágoas agravam a infelicidade.
Além de fazer de você uma companhia desagradável.
Magnólia a cortou seca:
- Eu, desagradável?
Não sou obrigada a escutar isso depois de tantos anos.
- É obrigada, sim.
Não há pessoa no mundo que goste de estar com alguém que só se queixa.
O tom de Gina era firme, intimidador.
Magnólia arregalou os olhos, surpresa.
- Nunca me dei conta disso.
- Porque nunca parou para pensar e reflectir a respeito.
Ao longo dos anos, e talvez dos últimos séculos, você criou blocos, paredes energéticas limitantes ao redor de sua aura, atraindo naturalmente espíritos desencarnados irritados, inconformados e sofredores, cujas energias somam-se às suas, aumentando consideravelmente a sua insatisfação.
- Parece Eulália falando.
- Porque ela diz as coisas do espírito.
Acorde para a vida, Magnólia!
Antes que seja tarde.
- A tristeza ainda me persegue.
- A causa fundamental desse estado de infelicidade reside no teor de seus pensamentos.
É preciso modificá-los positivamente, tornando-os saudáveis.
Procure ideias optimistas.
Experimente coisas novas - tornou, séria.
- Juro que vou tentar.
- Quando fizer isso, logo perceberá, obviamente, a força da reacção contrária.
Algo dentro de você, como uma voz irritada e nervosa, vai protestar.
A cada pensamento positivo, você vai perceber outro negativo afirmando que isso não vai funcionar, que você não vai conseguir, que tudo é ilusão e não passa de mentira, porque a realidade é o sofrimento.
- O que faço nesta hora?
Oh, Gina, eu quero mudar.
De verdade.
Elas se abraçaram e Gina considerou:
- O grupo de apoio tem lhe feito enorme bem.
É visível a sua mudança.
Tem dormido melhor, acordado com alegria, seus exames estão sob controle.
Tudo está certo.
- Não gosto dessas recaídas.
- Não dê atenção às recaídas, aos pensamentos negativos que tentam voltar por força do hábito.
Persista pensando só no bem.
- Parece a Eulália falando, de novo...
- Porque Eulália fala a verdade.
É assim que funciona.
Seu subconsciente está programado com grande carga de ideias negativas e precisa de algum tempo para registar algo diferente.
Se você não ligar para os velhos pensamentos e continuar a buscar o que é bom, sentindo a luz divina dentro de você, grandes mudanças vão ocorrer em sua vida.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74080
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O que importa é o amor- Marco Aurélio / Marcelo Cezar

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 20, 2016 8:27 pm

- Estou cansada de errar.
- Quando você aprende como a vida funciona, fica fácil perceber e alcançar a própria felicidade.
Não tenha medo de errar para aprender.
É por meio do erro que aprendemos a nos fortalecer.
E não se esqueça de que estou ao seu lado.
- Sempre se preocupou comigo.
- É natural.
Eu a amo, Magnólia.
- Também a amo.
Abraçaram-se emocionadas.
Ficaram assim por um tempo, até que Magnólia afastou-se e disse, encarando-a:
- Tomei uma decisão.
- Diga.
- Lembra-se de quando nos conhecemos?
- Claro.
- Você me perguntou o que eu queria da vida, dali a vinte, trinta anos.
Gina sorriu.
- Parece que foi ontem.
- Estou decidida.
Vamos viver na fazenda.
- Em Populina?
- Sim. Você sempre sonhou envelhecer no meio do mato.
- Você não gosta de mato.
- Agora sonho em envelhecer ao seu lado.
Quero me tornar uma pessoa melhor.
Cansei de sofrer.
A vida é uma dádiva e eu quero me agarrar a ela.
Mas tudo isso só valerá a pena se você estiver comigo.
O mato é só um detalhe.
Gina abraçou-a comovida.
- Vou repetir até morrer:
Eu a amo, Magnólia.
- Você aceita?
- Sim. Adoro aquela fazenda.
Podemos adaptar um dos cómodos para convidarmos Eulália e o grupo, uma vez por mês.
Imagine todas essas mulheres em contacto com a natureza, fortalecendo o físico, o emocional e o espiritual.
- Faria isso por mim?
- Quem ama faz.
Adoro você, sua rabugenta.
- A rabugice está indo embora.
Mas ainda sinto medo.
- Jogue fora seus medos.
Estou ao seu lado. Me dê a mão.
Magnólia estendeu a mão e um brando calor tomou conta de seu corpo.
Sentiu-se segura, amada e protegida por Deus.
Em seguida, trocaram de roupa em silêncio, deitaram-se e adormeceram de mãos dadas.
Adelaide e Fabiano estavam nos pés da cama, olhos embaciados.
- Isso é amor - explicou Tarsila, enquanto dava voltas na cama e ministrava um passe no casal.
Só o amor é capaz de manter nosso espírito vivo e ligado à essência divina.
- Gina tem feito muito bem à nossa filha.
Não tenho como lhe agradecer - disse Fabiano, tomado por forte emoção.
- Ao menos - tornou Adelaide - agora entendo por que Magnólia precisou desse choque na vida para livrar-se das energias negativas que cultivara durante tantos anos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74080
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O que importa é o amor- Marco Aurélio / Marcelo Cezar

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 20, 2016 8:27 pm

- Séculos - corrigiu Fabiano.
Tarsila fez sim com a cabeça e explicou, de maneira didáctica:
- Esta doença nada mais é do que o acúmulo de grande quantidade de energia negativa colada em nosso corpo astral.
Um campo vibracional com negatividade produz matéria astral tóxica, transformando-se em vírus e bactérias.
Na Terra, essa matéria tóxica se alimenta de insatisfação, insegurança e infelicidade.
O encarnado, sem perceber, absorve grande cota dessa energia por meio de ressonância, ou seja, fenómeno em que um campo vibracional reverbera e cresce de acordo com as mentes próximas.
O negativo tem a força do comentário social.
Neutralizar essa energia é um exercício constante e diário.
O bem sempre é o valor perene que existe.
O segredo de compreender isso é a força do amor maior, do bem verdadeiro.
O amor promove a clareza, e o espírito enxerga a vida na Terra de outra forma, mais plena e com o raciocínio amplo, acalmando o coração das aflições, dos medos e dissabores.
- E quanto a Jonas?
O que será dele? - indagou Fabiano, curioso.
- Não vamos julgá-lo.
Vamos orar pelo seu espírito conspurcado e ainda preso nas ilusões do mundo, porquanto nós também nos enganamos muitas vezes em nossas escolhas, preferindo o mal em vez de cultivar o bem.
Nessa hora, só Deus tem o poder de nos conceder a paz.
Eu mudei, você e Adelaide mudaram.
Magnólia começa a mudar.
Um dia, Jonas também vai mudar.
Todos mudam para o melhor.
A evolução é fatal.
- Eu me preocupo.
Ainda sinto-me pai de Magnólia, embora me lembre de outras existências ao seu lado como irmão, primo, tutor...
- Afaste a preocupação.
Quem confia não sente medo.
O medo está sempre onde não existe fé.
Deus nos ama muito e vai por certo nos dar o melhor.
Por ora - tornou Tarsila - não falemos de coisas tristes.
Conseguimos este encontro graças à bondade de Deus e de alguns amigos, e também porque Magnólia já modificou o teor dos seus pensamentos.
Olhem a cor de sua aura.
Eles observaram e viram uma aura clara, com pouquíssimas manchas escuras.
- Magnólia tem muito trabalho mental pela frente.
Se persistir no bem, as manchas escuras desaparecerão.
- Estarei sempre vibrando por ela - garantiu Adelaide, voz embargada.
- Não se deixem envolver pela emoção - ponderou Tarsila.
Reconheçam como Magnólia tem amadurecido.
Isso é muito bom.
Ela está mudando e vai mudar mais.
Para melhor.
Seu subconsciente vai se auto programar para ligar-se sempre no bem, acreditando e confiando em Deus, porque todos os dias, sob todos os pontos de vista, Magnólia vai dar-se conta de que está crescendo e se tornando uma pessoa cada vez melhor.
Adelaide foi até a cabeceira, inclinou o corpo, aproximou-se da filha querida e afagou-lhe os cabelos com amor, beijando-a em seguida.
Fabiano fez o mesmo.
Como a perceber inconscientemente a amorosa presença dos três espíritos, Magnólia passou a mão sobre o lado do rosto que recebera o beijo.
Virou-se de lado, apertou delicadamente a mão de Gina e, esboçando leve sorriso, teve uma óptima noite de sono.
Seu espírito aprendeu, de uma vez por todas, que só o bem é real.
Magnólia entendeu essa verdade e descobriu que a coragem e o amor verdadeiro são essenciais para a conquista
da felicidade.

Fim

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74080
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O que importa é o amor- Marco Aurélio / Marcelo Cezar

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 10 de 10 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum