Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Página 1 de 9 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:34 pm

A IRA DIVINA
Wera Ivanovna Krijanovskaia

Espírito de J. W. ROCHESTER

"Desconhecem, não entendem, andam em trevas:
todos os alicerces da terra sacodem"...

Salmos LXXXI, 5

"E ouvi uma voz alta, vinda do templo, dizendo para os sete Anjos:
vão e despejem os sete cálices da ira Divina sobre a terra".

Apocalipse: XVI.I

PARTE I

Capítulo I


Os primeiros raios do sol nascente inundaram em ouro e luz purpúrea a neve eterna dos picos do Himalaia.
Depois, o astro vivifica iluminou o profundo vale ladeado de rochedos escarpados e pontiagudos que pareciam recortados por abismos insondáveis.
Por uma vereda íngreme e estreita, serpenteando as montanhas de difícil acesso até para os cabritos monteses, em passadas vagarosas, mas firmes, caminhavam três homens em trajes hindus.
Na frente ia um homem alto, magro, de tez brônzea.
Era uma pessoa de idade mediana; em seus enormes olhos negros fulgia uma vontade inflexível aliada a tal serena e poderosa força, que qualquer um que lhe cruzasse o caminho se imbuía involuntariamente de respeito e até de certo temor.
Seus dois acompanhantes eram homens jovens e belos, sérios e pensativos.
Quando a vereda entontecedora os trouxe a uma pequena plataforma, todos os três pararam para recuperar o fôlego e recostaram-se no rochedo.
- Em que está pensando? – perguntou sorrindo o homem moreno.
- Estou fascinado com esta paisagem agreste, incrivelmente grandiosa, com estas escarpas negras e estranhas e com aquele sombrio e estreito desfiladeiro que parece ser um precipício insondável.
Poder-se-ia imaginar que ali é uma das entradas para o inferno, narrado por Dante.
Até o lápis de Doré não teria conseguido transmitir algo mais fantástico que essa impressionante paisagem.
E por este diabólico caminho, uma verdadeira personificação da esterilidade e morte, está indo á frente da vida de nosso planeta?...
Falta muito para chegarmos lá, Ebramar?
- Oh! Temos ainda uma travessia bem difícil adiante – respondeu este.
Precisamos contornar aquela corcova, e, logo atrás, encontra-se uma fenda que serve de entrada ao mundo subterrâneo, objectivo de nossa viagem.
Então a caminho, amigos! Estou vendo que Dakhir arde de impaciência.
Aquele, para quem se dirigiam tais palavras, corou levemente, mas não protestou.
Com agilidade e firmeza próprias a cabritos monteses, eles contornaram a escarpa e adentraram uma estreita e escura greta do outro lado.
Estavam agora numa passagem apertada e sinuosa que, aos poucos, foi-se alargando.
Assim que tiveram condições de se moverem e ficarem de pé, acenderam as tochas que traziam penduradas na cintura, e, cheios de disposição, retomaram a caminhada.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:35 pm

Agora eles iam lépidos pela passagem arqueada que se ia ampliando e tornando-se mágica à luz das tochas.
Do alto pendiam estalactites insólitas; gotas graúdas solidificaram-se feitos brilhantes nas paredes e tudo, aos poucos, ia adquirindo uma tonalidade esverdeada.
Subitamente, atrás da curva, viram-se numa gruta de proporções médias, que, à luz dos archotes, fulgia a semelhança de uma gigantesca esmeralda.
Os companheiros de Ebramar soltaram uma exclamação de admiração.
- Meu Deus! Que espectáculo! Mil vezes mais bonita que a gruta azul de Capri! – Admirou-se Dakhir.
- Se este local é de agrado, podemos para descansar e recuperar as nossas energias – propôs Ebramar, cravando sua tocha numa fenda da rocha e sentando-se num bloco de pedra.
Os outros lhe seguiram o exemplo. Enquanto eles tiravam da sacola alguns pães redondos e garrafas com leite, Ebramar puxou detrás do cinto uma caixinha de cristal, apanhou uma pílula aromática cor de rosa e a engoliu.
- Estou curioso em saber como é que alguém descobriu esta passagem para a fonte do elixir da longa vida.
Chegar até ela já é difícil para um imortal, que diria para um simples mortal! – observou Supramati.
Se quiserem, enquanto descansamos eu lhes conto a lenda da descoberta da substância primeva – prontificou-se Ebramar.
Ao perceber o interesse vivaz que se estampou nos rostos dos discípulos, o mago principiou a narrativa.
- Numa época remota – da qual não se encontra nenhum tipo de registro na história -, numa certa cidade, onde hoje vicejam florestas seculares virgens, vivia Ugrazena, um sábio hindu.
Ele era um ancião santo de vida exemplar e conhecimentos profundos.
Apesar disso, ele não era muito apreciado em sua cidade natal, e muitos até nutriam um enorme ódio por ele, visto que este censurava, sem poupar ninguém e com demasiado vigor, os vícios de seus concidadãos, denunciando impiedosamente as suas faltas e defeitos.
Residia numa casinha humilde, perto de um grande templo, lugar que as pessoas evitavam cruzar, temendo as severas invectivas do sábio.
Somente uma bailarina jovenzinha, que trabalhava no templo, tinha por ele um apreço respeitoso.
Em suas visitas, ele lhe trazia comida, roupa limpa, prestando-lhe assistência da melhor forma possível, principalmente depois que Ugrazena sofreu a perda total da visão em consequência de uma prolongada doença ocular.
Os inimigos do santo ancião acharam então aquele momento dos mais oportunos para perpetrar uma vingança, decididos a expulsá-lo primeiro da cidade e, depois, matá-lo.
Casualmente a bailarina descobriu os intentos, preveniu o ancião e fugiu com ele, decidindo a dedicar a vida para servir à causa do sábio.
Ainda que o cego e a jovem se tivessem escondido nas montanhas, os inimigos, ao descobrirem a fuga, caíram em seu rastro e puseram-se em sua perseguição.
Quando os fugitivos conseguiram temporariamente se por a salvo num local de difícil acesso, o cego dirigiu glórias a Brahma e pediu-lhe ajuda.
Deus trouxe-os à greta de uma montanha, onde eles se esconderam vindo parar mais tarde neste mesmo caminho subterrâneo que estamos atravessando.
Caminhando na mais completa escuridão, eles não tinham a menor ideia de onde estavam.
O ancião permanecia calmo, a moça, entretanto, chorava tanto, que seus olhos incharam e ela ficou praticamente cega.
Se súbito, eles ouviram o ruído surdo de uma cascata e, quando a bailadeira estendeu a mão para frente, sentiu um líquido a correr-lhe pelos dedos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:35 pm

Uma vez que ambos estavam morrendo de sede, a bailadeira encheu uma caneca de barro com aquilo que julgava ser água, deu de beber ao ancião e saciou também a sua sede.
No mesmo instante, ela teve a sensação de ser atingida por um golpe na cabeça; seu corpo parecia ser devorado por fogo.
Ela imaginou estar morrendo e desfaleceu sobre a terra...
Quanto tempo se passou, ela não tinha condições de dizer.
Quando voltou a si, pensou estar vivenciando um sonho mágico.
Estava deitada junto a um riacho de fogo líquido e a alguns passos dela se divisava uma enorme gruta, inundada de luz, e ali, vertia-se do alto uma corrente do mesmo líquido ígneo.
Mal recuperada da surpresa, divisou um belo jovem desconhecido a inclinar-se sobre ela.
Soltando um grito, ela se pôs de pé muito assustada, mas o jovem disse-lhe:
- Eu sou Ugrazena, porém não consigo entender o meu rejuvenescimento.
No início ela teimou em não acreditar; mas ao reparar que ele vestia a mesma roupa que ela lhe havia costurado, e, depois de ouvir dele coisas das quais só ela tinha conhecimento, convenceu-se da verdade.
Ao adentrarem na gruta para ver mais de perto aquele espectáculo mágico, eles divisaram, numa depressão, um majestoso ancião que lhes indagou o que queriam.
Depois de relatarem toda a verdade, o guardião da fonte disse:
- Afortunados ou infelizes – não sei chamá-los -, vocês foram trazidos por obra de Brahma.
Tomaram da substância primeva – o elixir da longa vida – que os fez imortais e assim viverão por muito tempo, quase eternamente.
Encham a caneca com o líquido milagroso e dêem-no somente àqueles a quem amarem de todo o coração.
A bailadeira encheu a sua caneca; eles se retiraram e voltaram para o convívio das pessoas.
Ninguém reconheceu Ugrazena.
Pouco depois, ele e a sua companheira se mudaram para as montanhas, onde fundaram a Irmandade dos Imortais.
Ebramar calou-se e com tristeza contemplo os seus discípulos a ouvi-lo compenetrados.
- De fato, podemos nos considerar afortunados? – perguntou Supramati.
- Não! – concluiu Dakhir.
Já uma vida curta, de uns sessenta a setenta anos, consegue aborrecer e desiludir um homem mortal e fazê-lo ansiar pela morte.
Imagine o nosso sofrimento, condenados a arrastar uma existência infinita no meio de seres ignorantes, maliciosos, mesquinhos, falsos e devassos, sem termos, inclusive, nada em comum com a sociedade do seio da qual temos de conviver e assistir a sua destruição!
Charadas andantes vindas do além, ocultando na alma exausta as lembranças e as impressões de tantas civilizações passadas, seres solitários e estranhos no meio da humanidade pululante, à qual se sucedem as novas, somos triplamente felizes.
Em sua voz sentia-se uma indescritível amargura e aos olhos de Supramati afloraram lágrimas.
- Sá há uma coisa de que vocês se esquecem.
Para tornar mais atraente a sua vida duradoura, meus filhos, e imprimir-lhe um objectivo, foi-lhes concedido o conhecimento; um bem puro e grandioso que os eleva cima da humanidade ignara, que assim permanece em consequência de seus vícios.
A vocês descerra-se a possibilidade de compreenderem com maior nitidez e perfeição a Divindade, e descortina-se o mundo invisível, oculto a outros; e vocês, finalmente, têm acesso aos mais surpreendentes e grandiosos mistérios da natureza, como os que verão em breve.
A voz de Ebramar soava severa e ao mesmo tempo encorajadora.
Suas palavras produziram efeito imediato.
Os jovens se animaram e empertigaram-se.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:35 pm

- Perdoe-nos, mestre, pela fraqueza não condizente com os nossos conhecimentos – desculpou-se Supramati.
_ Assim como pela ingratidão, apesar de todas as benesses que nos proporcionou o destino – ajuntou Dakhir.
- Noto que a pusilanimidade, fortuita e passageira, foi por vocês dominada; aquilo que irão presenciar os fará se conciliarem com a sua condição de imortais.
A caminho, meus amigos! – conclamou Ebramar, com um sorriso afectuoso, e levantou-se.
Todos os três se puseram novamente a caminho.
A paisagem subterrânea ia se alargando; as abóbadas tornavam-se mais altas, a descida ficava menos íngreme, pelas laterais abriam-se corredores que se perdiam ao longe, e as tochas logo se tornaram desnecessárias com o surgimento de uma meia-luz de matiz indeterminado.
E, subitamente, diante deles se abriu um espectáculo mágico tão surpreendente, que Dakhir e Supramati emudeceram de admiração e estancaram, respirando com dificuldade.
No primeiro plano havia uma enorme arca, talhada na rocha pela própria natureza, à semelhança do portal de uma catedral gótica.
Atrás da entrada, estendia-se uma gigantesca gruta, cuja abóbada se perdia na atitude inacessível.
Tudo ao redor estava iluminado por uma luz quase ofuscante, mas, ao mesmo tempo, surpreendentemente suave, parecida com a luz eléctrica; as estalactites e as estalagmites cintilavam naquela misteriosa iluminação em luzes multicolores, como se as paredes estivessem salpicadas por brilhantes e pedras preciosas.
O piso da gruta ia se elevando em largos degraus inclinados, e atrás do patamar superior jorrava para o alto um imenso jacto de fogo líquido, de alguns metros de diâmetro, cujo vértice se perdia no topo invisível da abóbada.
Numa nuvem de respingos cintilantes caía o líquido misterioso, formando uma corrente ígnea com matizes dourados e púrpuros, cujas ondas borbulhantes rolavam pela escadaria para uma enorme reservatório natural; o excedente de inúmeras galerias laterais, umas altas e largas como corredores, outras baixas e estreitas como tocas.
Acima do reservatório, como também no cume e sobre toda a gruta, pairava um vapor dourado em forma de nuvem.
Supramati e Dakhir quedaram-se fascinados pela beleza feérica do quadro; seus olhares encantados admiravam ora a cascata ígnea, ora as insólitas rendas que cobriam as paredes, pendendo em grinaldas ou formando nichos ou colunetas.
E tudo aquilo brilhava, cintilava, reverberando tons multicolores: azul-escuro feito safira, vermelho feito rubi, verde feito esmeralda, ou violeta como ametistas.
- Ó, Deus, Todo-Poderoso!
Que maravilhas a Sua sabedoria criou, e a Sua bondade concedeu-nos a felicidade de admirá-las! – Sussurrou Supramati, apertando as mãos contra o peito.
- Sim, meus filhos, infinita é a graça do Criador, que nos deu a oportunidade de nos aproximarmos de um dos maiores mistérios da criação.
A emoção de vocês é bem natural, pois o que vêem diante de si é a fonte da vida, a ama de leite do planeta, foco de conservação e renovação das forças criadoras actuantes.
Antigamente, nove fontes semelhantes a esta, alimentavam a terra; agora, seis delas estão exauridas e as três restantes perderam um terço de sua energia.
Quando a última delas desaparecer, o frio e a morte tomarão conta do nosso planeta.
- E então, alarmou-se Supramati.
- Então nós abandonaremos a Terra, condenada à morte, e iremos buscar um porto seguro num outro mundo para lá cumprirmos a nossa última missão de iniciados e depositar, finalmente, o nosso fardo carnal, após o que retornaremos ao mundo do além túmulo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:35 pm

Entretanto, isso ainda irá demorar tanto, que não vale à pena nem pensar – acrescentou Ebramar ao notar que os seus companheiros estremeceram e ficaram lívidos.
- E agora, meus filhos, oremos!
Só então Dakhir e Supramati perceberam que diante do reservatório havia uma espécie de altar.
Era um bloco de pedra grande e transparente, de forma cúbica, e em cima, sobre um pedestal do mesmo material, divisava-se um cálice de cristal cheio da essência primeva, emitindo um vapor ígneo.
Acima do cálice pairava uma cruz diáfana e fulgurante.
Os três prostraram os joelhos e de suas almas verteram-se preces ardorosas ao Criador de tudo o que existe, ao Supremo e Inconcebível Ser, do Qual emana toda a misericórdia, toda a sabedoria e toda a força.
Ao oscularem o altar, Supramati e Dakhir levantaram-se.
- Agora, meus filhos, vocês viram o que os homens Em vão procuram a:
“pedra filosofal”, o “elixir da longa vida”, a “fonte da juventude eterna”.
Seus instintos e lembranças sugerem a existência deste tesouro, contudo não conseguem encontrar o caminho para ele.
- Esse altar e o cálice são obras de mãos humanas? – indagou Supramati.
- Sim, tudo foi construído por adeptos que aqui viveram em sucessivas épocas.
São eles que protegem a fonte e sua obrigação é vigiar-lhe a força e medir com exactidão o seu enfraquecimento, ainda que lento, porém constante.
Este trabalho é exaustivo exige tanto conhecimento como grande precisão; mas por outro lado, contribui imensamente na purificação da alma dos guardiões.
Assim, durante todo o tempo da permanência aqui, eles não precisam de alimento, visto as emanações da fonte suprirem as energias a contento.
E agora, a caminho!
Pela derradeira vez, os viajantes olharam cheios de veneração muda, para a fonte mágica de vida e seguiram Ebramar, entrando numa das passagens laterais da gruta.
O caminho subia íngreme e vez ou outra se via os degraus abertos na rocha.
A trilha perigosa era iluminada por luzes pendentes da abóbada ou instalada nas reentrâncias do rochedo.
Depois de algumas horas de caminhada, eles chegaram finalmente a uma enorme gruta irradiada de luz azul celeste.
Diante deles, estendeu-se a superfície espectacular de um lago subterrâneo.
Sobre um poste na margem do lago, pendia um sino metálico.
Ebramar deu três badaladas no sino e algum tempo depois apareceu um pequeno barco com um remador em trajes brancos.
Quando este encostou, os três viajantes embarcaram; Supramati e Dakhir tomaram os remos e o jovem que veio de barco assumiu o leme.
Era um moço esbelto de rosto melancólico e compenetrado; em seus olhos fulgia aquela expressão estranha com que se distinguiam os imortais.
O barco feito uma flecha, partiu deslizando pelo lago, depois pelos canais, ora estreitos, ora largos, serpenteando em ziguezagues esquisitos.
De repente, o canal subterrâneo fez uma curva fechada e Supramati soltou um ai de admiração.
Suavemente como uma gaivota o barco deslizou para uma fenda estreita, aberta na escarpa, e adentrou um lago inundado de raios solares.
O lago espalhava-se no meio de um vale profundo, fechado por todos os lados. Por onde a vista alcançava, divisavam-se, perdendo-se no alto, os cumes pontiagudos de montanhas escarpadas, branquejadas por neve eterna.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:35 pm

Somente beirando o lago, via-se uma faixa de terra, alternada por altos terraços cobertos de vegetação exuberante.
Num dos pontos, a faixa era proeminente e ali, sobre uma elevação, via-se encostado à montanha um palacete totalmente branco que se destacava, feito uma perola, no fundo verdejante que o envolvia.
Pouco depois, o barco atracou à base de uma escada de mármore, cujos degraus afundavam na água.
Dakhir e Supramati apertaram cordialmente a mão do timoneiro e, em seguida, todos os três se dirigiram ao palácio, que de perto era ainda mais bonito.
Construído de uma rocha estranha, mais branca que o mármore, ele tinha um estilo bem inusitado.
Delicados entalhes, finos como uma renda, decoravam suas paredes; altas colunas sustentavam a laje de amplo terraço e tecto de uma espaçosa sala, antecedida por saguão.
Conduzindo os discípulos através de algumas salas, Ebramar levou-os para o terraço instalado a céu aberto, diante do qual se estendia um jardim.
Sobre o prado verde esmeralda, vagavam, mordiscavam a grama, saltitavam ou estavam simplesmente deitados, tomando sol, os mais diversos tipos de animais:
um grande tigre, um leão e um urso, misturados às ovelhas, gazelas, cachorros, aves enormes, entre outros.
Supramati lançou um olhar surpreso para aquele ajuntamento; a proximidade dos terríveis predadores, a bem da verdade, provocava nele certo receio.
- Não tenha medo – observou Ebramar, respondendo aos seus pensamentos.
Estes animais ainda não conhecem o homem em seu papel de carrascos ou inimigo e só vêem nele um amigo.
Da mesma forma eles não se maltratam entre si; sua presença aqui é necessária e proposital.
Esta moradia, meus amigos, lhes servirá de preparação.
Aqui, inicialmente, vocês desfrutarão de majestosa tranquilidade; depois aprenderão a concentrar-se melhor, fazer com que os seus pensamentos e as vontades fiquem mais ágeis e flexíveis, como um instrumento aperfeiçoado.
Por fim, vocês aprenderão a língua das criaturas inferiores – o que é imprescindível -, para chegar a tanto, há necessidade de paz e harmonia absolutas.
Aqui, as suas almas se desvencilharão dos grilhões carnais e irão haurir forças espirituais.
Aqui eu os deixo, porque vocês precisam de descanso.
O dia foi cheio de emoções e exaustivo até para os seus corpos singulares.
Eu virei visitá-los para dar as devidas instruções em seus estudos, que irei orientar.
Mais uma coisa, na sala contígua ao terraço, vocês encontrarão diariamente um almoço pronto; na outra sala, adaptada para o banho, vocês irão banhar-se pela manhã e trocar de roupa, que ali ficará sempre pronta.
Agora me acompanhem; eu não quero segurar mais o remador.
Na margem do lago, Ebramar se despediu dos discípulos e pulou para dentro do barco que o aguardava.
Desta vez, foi ele a pegar no timão; o barquinho leve, com a rapidez de um pássaro, partiu deslizando pelo lago e desapareceu ao longe.
Retornando ao terraço, Supramati e Dakhir se debruçaram no corrimão e puseram-se a admirar pensativos o panorama mágico, envolto no silêncio profundo.
Nenhuma brisa agitava a superfície do lago, transparente e lisa como espelho.
Cisnes negros, brancos e azuis como safira, deslizavam silenciosa e soberbamente pelo espelho das águas, e somente o chilrear dos passarinhos, a esvoaçarem ao redor feito gemas preciosas vivas, quebrava o silêncio majestoso.
Interrompendo por fim os seus devaneios, os amigos deram uma volta pela nova moradia e examinaram-na detalhadamente.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:36 pm

O palácio era de proporções grandes; mas, por seus ornamentos, constituía-se numa obra de arte estranha e original, totalmente desconhecida e insólita.
A mobília sem luxo, mas valiosa, adequava-se ao estilo da casa; os tecidos grossos de seda que guarneciam as portas e as janelas e cobriam os sofás, parecia serem feitos para durarem séculos inteiros.
- Que raça desconhecida teria talhado na pedra essa renda, aqui, neste vale perdido e isolado? – interessou-se Supramati, examinando os nichos da janela.
- Quando estivermos em condições de penetrar nos reflexos do passado e pesquisar os arquivos do nosso planeta, então saberemos – assegurou sorrindo Dakhir.
Uma verdadeira satisfação foi-lhes proporcionada pela descoberta da biblioteca, abarrotada de rolos de papiros, manuscritos, tabulas, placas de barro, in-fólios antigos e até livros modernos.
- A colectâneas desta biblioteca parece que deve abranger obras desde a criação do mundo; o suficiente para satisfazer as necessidades intelectuais por muitos séculos – observou Dakhir.
- Graças a Deus, problemas de tempo nós não temos! – ironizou Supramati.
Agora – ajuntou ele – vamos amigo, procurar pelo almoço.
Estou com um apetite deveras indecente para a estética ambiente, mas a insolente carne não quer se adaptar ao alimento que se consiste unicamente de emanações astrais.
Ambos riram de gosto e dirigiram-se ao refeitório de que lhes falara Ebramar, onde encontraram uma mesa posta. Junto a cada talher havia um pedaço de pão, uma jarra com leite e um prato de arroz com manteigas e hortaliças em cima.
- Não é muito auspicioso – notou Supramati, torcendo o nariz.
Sem o querer, começo a sentir falta do meu cozinheiro parisiense e de seus almoços.
- E da mademoiselle Pierrete? – troçou Dakhir.
Mas acalme-se! Para a sobremesa, apanharemos algumas frutas no pomar.
Eu já descobri que aqui crescem árvores frutíferas de todo o mundo, até algumas que nunca vi antes, e todas elas se vergam ao peso das frutas.
- Confesso que de Pierrete é que menos lamento, mas a visão de um patê seria bem mais agradável; ainda que a sua ideia da sobremesa seja excelente – assegurou com bonomia Supramati, sentando-se à mesa.
Ao término daquele modesto almoço, Supramati notou junto ao bufê algumas cestas com pedaços de pão, arroz e diversos tipos de grãos.
- O que é isto? É difícil imaginar que isto seja para nós.
Não só dois discípulos do mago, mas até uma dúzia de operários vigorosos teria condições de dar cabo destas provisões – observou ele.
- Provavelmente os cestos se destinam aos animais.
Vamos levá-los ao terraço! O animais estiverem acostumados a serem alimentados pelos antigos moradores desta casa, eles irão se reunir assim que virem os cestos – arriscou Dakhir.
A sua suposição se confirmou.
Mal eles apareceram com a carga, todos os animais que aparentemente observavam o terraço, juntaram-se em frente dele; até o elefante branco resolveu sair de seu bosque.
Pelo visto eles viviam em completa harmonia, pois não abriam o caminho à força, nem disputavam a comida, aguardando pacientemente a vez de cada um.
A visão daquela confiança dos animais em relação a eles proporcionava a Supramati e Dakhir um excepcional aprazimento.
Os pássaros, sem demonstrarem qualquer medo, pousavam-lhe nos ombros ou se aproximavam ao alcance da mão; até nos olhos dos terríveis predadores – leão, urso ou tigre – não se lia uma mínima expressão de hostilidade ou de atitude selvagem.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:36 pm

O leão, vindo atrás de seu quinhão, recebeu de Supramati, encorajado com a docilidade do bicho, um afago em sua exuberante juba e retribuiu-lhe o carinho com uma lambida na mão.
Após a distribuição dos petiscos, os animais se espalharam em paz pelo jardim, deitando alguns a sombra de frondosas árvores.
- Os animais daqui parecem obedecer ao mesmo princípio de abstinência que o nosso; duvido que uns punhados de arroz e alguns pedaços de pão sejam suficientes para satisfazer o apetite do urso, leão ou elefante! – observou rindo Supramati.
- Com toda a certeza, o bondoso génio que cuida de nosso apetite alimenta também, não com tanta parcimónia, os nossos irmãos quadrúpedes; o que nós lhes demos, no máximo foi um petisco para ganhar a confiança – aventou Dakhir.
E agora – acrescentou ele – vamos atrás de nossa sobremesa.
Eles desceram ao viçoso pomar, copioso de magníficos e extraordinariamente saborosos frutos de todas as partes do mundo; algumas espécies lhes pareceram totalmente desconhecidas.
Ao saciarem-se, os amigos retornaram ao palácio para descansar.
Para dormirem, eles optaram por uma pequena sala com dois sofás estofados.
Em meio ao profundo e total silencio, somente se ouvia o murmurejar do chafariz na piscina de ónix.
Supramati e Dakhir se deitaram e logo estavam dormindo um sono profundo e restaurador.
Já era tarde quando acordaram, mas, lembrando as instruções de Ebramar, eles se banharam e vestiram os leves trajes de linho, já preparados.
Ao término de um frugal jantar, os amigos se sentaram no terraço com vista para o lago.
De início, conversaram entre si, mas, aos poucos, cada um foi entregando-se aos seus próprios devaneios.
Na memória de Supramati, despertaram com incrível nitidez as imagens do passado.
Ele se via como médico, pobre e tísico, em sua casinha londrina, onde foi encontrado por Narayana, que lhe fez uma estranha proposta.
Depois, diante dele, começaram a se desdobrar as circunstâncias daquela misteriosa existência, a qual ele se fez sentenciado.
Feito um caleidoscópio, iam se alternando em sua mente os diferentes quadros de vida em Paris, Veneza e Índia, ou se reavivando as imagens esquecidas de Pierrete, Lormeil e de outras pessoas que cruzaram em seu caminho.
Logo se seguiu a primeira iniciação e sobreveio à hora de sua separação de Nara, uma mulher incomum, encantadora, que foi sua esposa e agora era sua amiga, companheira fiel da longa existência e da difícil ascendência deles à perfeição. Como se fosse real ergueu-se diante dele a imagem da jovem mulher, e um sentimento de pungente saudade e solidão comprimiu-lhe o peito.
Nesse ínterim em seu rosto foi bafejado por uma fragrância; ele sentiu na testa o contacto meigo da mão acetinada, e uma voz querida e familiar sussurrou:
- Afaste de si as lembranças perturbadoras do passado.
Abra os olhos, admire, prostre-se e agradeça ao Ser Inescrutável pelas dádivas de ver as maravilhas criadas por Sua sabedoria.
Veja como as nossas almas continuam ligadas e o meu coração sente qualquer inquietação sua.
A voz extinguiu-se, mas Supramati voltou à habitual tranquilidade.
Ele passou a mão pela testa, aprumou-se e estremeceu. Seu olhar, como enfeitiçado, não conseguia se despregar do espectáculo feérico à sua frente.
Mergulhado nas lembranças do passado, ele perdeu a percepção do mundo exterior e não percebeu a aproximação da noite; a lua inundou tudo com sua luz suave e opaca.
Sob tal qual um disco prateado; através das folhagens escuras das árvores entreviam-se as colunatas brancas do palácio, os salpicos do chafariz dardejavam.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:36 pm

O silêncio profundo envolveu a natureza adormecida e, de repente, no meio daquela quietude, ouviu-se uma melodia indefinida e suave, como um som longínquo da harpa de Éolo.
Dakhir também se levantou, abraçou calado o amigo e ambos ficaram a admirar o firmamento, ouvindo atentos aquela estranha e maravilhoso música, jamais ouvida antes.
Paulatinamente, uma serenidade límpida dominou as suas almas.
A inquietação, a dúvida, a angústia – tudo se dissipou; obliterou-se até qualquer recordação do passado e cessou o medo diante do futuro.
Só o presente os extasiava. Como era maravilhoso, belo e grandiosamente tranquilo aquele lugar, longe de gente, da azáfama febril mundana, intrigas e egotismo selvagem!
Se aquela cega e ignara turba, ébria de paixões animalesca, manchada de vícios, corroída, pudessem nem que fosse por um instante, experimentar a bem aventurança que proporciona a paz espiritual, a contemplação da natureza, conhecer uma existência profícua e salutar, talvez ela tivesse acordado do horrível pesadelo, por ela chamado vida.
Naquela época, as metrópoles com as suas populações a fervilharem em meio de desavenças mesquinhas e miséria vergonhosa pareciam a Supramati simplesmente repartições do inferno, um local onde os homens foram condenados a viver com forma de punição. Ele recordou-se vivamente das palavras ditas certa vez por Nara, antes de sua iniciação:
“Você não pode imaginar ou entender o estado de deleite que experimenta aquele que alcança um determinado grau de purificação, porquanto as emanações das correntes caóticas e impuras ainda dominam você.
Quando abandonamos o templo da luz, onde reina a harmonia, tem-se a impressão de que as pessoas que nos cercam são uma manada de animais selvagens, dispostos a dilacerarem-se uns aos outros.
E nada pode deter a sua dança da morte.
Elas sabem que a morte as espreita a cada passo e que, a todo minuto, esta lhes subtrai um ente querido e próximo; mas, a despeito de tudo, isso não lhes desperta a consciência da fragilidade de tudo que é terreno.
De manhã elas choram alguém junto ao túmulo, e à noite – festejam, riem e dança.
São monstruosos e nojentos esses animais em forma humana, e o mago estaca impotente sem saber que artifício utilizar para tirá-las da embriaguez da carne que as arrasta para a morte”.
Agora Supramati compreendia Nara.
Ele se sentia aliviado de um peso nas costas como se a sua alma tivesse adquirido asas.
Um sentimento de repugnância dominou-o, quando ele se recordou do visconde de Lormeil, de Pierrete e de tantos outros insectos humanóides – presas fáceis da morte, já varridos pelo tempo para dar lugar a outras criaturas, da mesma forma efémeras e viciosas.
Oh! Como ele era feliz e abençoado pelo destino em comparação com os outros!
Ele sentiu a necessidade de orar, louvar e agradecer ao Grandioso Criador por todos os milagres, cuja contemplação foi a ele concedida.
Quase sem se darem conta, ele e Dakhir prostraram-se de joelhos.
Não era uma oração que pudesse ser descrita por palavras:
de todo o âmago de seus seres se extravasava um extasiado e apaixonado agradecimento.
Quando após aquele ímpeto ao Eterno, ele e Dakhir novamente se sentiram na terra, notaram que neles se operava uma mudança.
Sentiam-se mais leves e flexíveis; a visão e a audição adquiriram maior acuidade. Ou seja:
incapazes de explicar o que estava acontecendo, concluíram terem sofrido uma estranha reacção, o que se confirmou em seguida.
Ao lançar um olhar casual para o jardim, Supramati arrepiou-se:
ele viu o que jamais tinha enxergado antes.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:36 pm

De todas as plantas se desprendia um rosado vapor fulgurante e nos cálices das plantas, que entrelaçavam o corrimão e as colunas do terraço, tremeluziam luzes.
- Veja Dakhir – disse ele -, a luz emitida pelos cálices das flores.
É a alma da planta, a divina e indestrutível centelha que ascende do estado inconsciente em direcção à mesma perfeição que nós buscamos.
Dakhir suspendeu com cuidado da balaustrada uma grande flor branca e começou a examiná-la demoradamente.
- Talvez a alma de um futuro mago repouse neste cálice, sem se dar conta de seu grandioso papel no futuro – observou ele pensativo, recolocando a flor com cuidado.
Eles se sentaram de novo, sem forças para despregarem os olhos do magnífico espectáculo da noite mágica, e, subitamente, pareceu-lhes que no ar puro e cristalino da noite se moviam seres espectrais em longas vestes esvoaçantes.
Adejavam suavemente em toucar a terra, subiam até as alturas inacessíveis dos píncaros glaciários, desapareciam de vista como derretidos na névoa, esbranquiçada.
Seriam eles anjos ou magos de grau superior, cujos corpos alcançaram a leveza necessária para pairarem no espaço e só com força de sua vontade se dirigirem ao objectivo desejado?
Quando os primeiros raios despertaram a natureza adormecida, só então é que Supramati e Dakhir abandonaram o terraço.
- Meu Deus, como nós ainda somos ignorantes!
Quanta coisa ainda não entendemos!
E aqueles conhecimentos parcos, objecto do meu orgulho?
Eu nem sei até como empregá-los! – lastimou-se suspirando Supramati.
- Tudo tem seu tempo.
Não se esqueça de que a pressa é inimiga da perfeição – consolou sorrindo Dakhir.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:36 pm

Capítulo II

Muitas semanas se passaram desde a chegada de Dakhir e Supramati ao vale mágico, sem que tivessem visto Ebramar ou qualquer outra Alma viva.
Nada, porém lhes anuviou o límpido e sereno humor ou os deixou entediados.
O tempo foi dedicado a passeios, estudos interessantes da fauna e flora desconhecidas que os cercavam em profusão, e trabalhos na biblioteca, repleta de verdadeiros tesouros da ciência, ainda que contivesse inúmeras obras que lhe eram totalmente incompreensíveis.
Certo dia, depois de passar um longo tempo debruçado sobre um antigo manuscrito, sem conseguir compreender-lhe o teor.
Supramati exclamou impaciente:
- Isto é de dar nos nervos!
Fico sentado feito um bobo diante deste fóssil da antiguidade e nem ao menos consigo descobrir de que ele trata!
E, no entanto, a julgar pelos sinais cabalísticos, isto deve ser bem interessante.
Estou louco para trabalhar, mas Ebramar não dá o ar de sua graça, nem manda alguém em seu lugar para assumir a direcção de nossos estudos.
- Por que é que você não se contenta em estudar aquilo a que temos acesso? Graças a Deus, material é que não nos falta!
Ebramar, sem dúvida, não nos trouxe para ficarmos ociosos; no momento oportuno ele virá pessoalmente ou enviará alguém para orientar-nos.
Enquanto isso vivamos o presente!
Nada nos falta; mãos invisíveis satisfazem as nossas primeiras necessidades; os nossos amigos quadrúpedes, de tão apegados, vem saudar-nos de manhã.
Estou fascinado em estudar-lhes a variedade de temperamentos e habilidade.
Depois... Não terá você notado que, desde que viemos para cá, estamos passando por estranhos fenómenos?
Eu, pelo menos, consigo enxergar como de seu corpo se desprende uma espécie de vapor pretejado...
- Tem razão – interrompeu-o Supramati.
Eu pude notar esse tipo de evaporação em você; as túnicas que nós encontramos todas as manhãs no dormitório também estão diferentes.
Antes elas eram de linho, e agora – veja – são de um tecido que jamais vi, e ainda fosforescente.
De manhã, quando a visto, ela é prateada, e à noite, quando a tiro, ela está desbotada, amassada, cheia de manchas negras.
Da mesma forma, a água da piscina, transparente e azulada, torna-se turva e cinzenta depois de eu me banhar.
Ao que tudo indica os nossos corpos ainda estão impregnados por emanações impuras e não podemos começar a nova iniciação, enquanto não nos purificarmos.
- Quer dizer que devemos ser pacientes e vivem em harmonia no nosso paraíso – concluiu rindo Dakhir.
Finalmente, para grande alegria deles, chegou Ebramar.
-Apraz-me saber, amigos, que vocês me aguardam impacientes; isso é um bom indício para os nossos estudos – observou o mago sorrindo.
Estou com intenção de lhes dar uma tarefa difícil:
estudar o infinito a partir de uma visão utilitária.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:37 pm

Com o tempo teremos de saber utilizar as forças da natureza, para vir em socorro da humanidade, e ampará-la nos momentos de sofrimento que ela mesma prepara para si em sua insensata cegueira.
E serão bem mais importantes os nossos conhecimentos, quando desembarcarmos no novo planeta, onde a nossa função será a de iluministas e mentores.
Tudo que agora estamos colhendo, à semelhança de abelhas, todos os frutos de nossa obra.
Nós deveremos passar em benefício da humanidade nascitura.
Estabelecer a ordem, instituir as leis, doutrinar a humanidade para a realização judiciosa de suas necessidades tanto morais como espirituais, infundir nela os fundamentos de aperfeiçoamento e compreensão da Divindade – é uma tarefa grande e difícil.
- Não evoque diante de mim esse futuro, mestre.
Eu o imagino tão medonho que fraquejo, fico tonto e uma enorme angústia me comprime o coração! – murmurou Supramati em voz tremula.
Ebramar colocou a mão na cabeça curvada de Supramati e fitou com o olhar coruscante o rosto lívido do discípulo.
- Eu não teria evocado o quadro desalentador do porvir, se não estivesse convicto de que você e Dakhir tem forças suficientes para suportar o que os aguarda.
Habituem-se a encarar com coragem a predestinação, estimem toda a sua grandiosidade, assim ficarão livres do medo inútil e pusilânime.
Aliás, essa meta final da nossa existência ainda está muito longe; a nossa tarefa agora é bem mais modesta e – tenho certeza – irá absorvê-los totalmente.
Supramati se recompôs; seu semblante iluminou-se e nos belos e expressivos olhos reacendeu-se a força serena e a firmeza inabalável.
- Agradeço mestre, e peço perdoar-me a fraqueza imprópria.
O que eu posso temer, contando com a sua ajuda e orientação, e Deus me dando forças para cumprir a tarefa?
- É assim que gosto de você!
Tenha fé, seja activo, resignado, e você será forte.
E agora vou lhes passar uma lista de tarefas que devem ser realizadas até a minha próxima vinda.
Eles se sentaram.
Ebramar abriu uma gaveta na parede, tirou de lá alguns rolos de pergaminho e começou a desenrolá-los em cima da mesa.
Seus primeiros estudos serão dedicados ao aprendizado da língua dos animais.
Aqui vocês têm notas explicativas e chaves que lhes darão uma noção sobre o linguajar desses seres, posicionados abaixo de vocês.
Coisa importante para um mago, porque, caso contrário, vocês não terão condições de pesquisar:
todas as formas da origem da indestrutível centelha através dos três reinos inferiores, as corporações dos espíritos primários, seu trabalho, educação, preparação para seus propósitos futuros, assim como o papel que eles desempenham na economia da natureza.
Depois vocês irão desenvolver os seus sentidos para que cada um deles fique, por assim dizer, em sintonia com o reino da quarta dimensão, ou seja:
os seus olhos deverão enxergar com a mesma facilidade tanto o mundo material como o extraterreno; os seus ouvidos deverão aprender tanto o canto dos pássaros no jardim, como o movimento da seiva na haste da planta, ou a oscilação do ar com a passagem de um espírito.
Além das instruções que lhes vou passar, vocês encontrarão neste manuscrito todos os conselhos imprescindíveis.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:37 pm

- Finalmente, aqui – ele desembrulhou um antigo papiro, cheio de letras estranhas e sinais cabalísticos -, estão contidos todos os princípios da magia branca e as fórmulas que lhes darão o poder de ordenar sobre as moléculas do espaço; integrá-las ou dispensá-las de acordo com a sua necessidade.
Três dias passou Ebramar com os seus discípulos, ministrando-lhes os fundamentos e as primeiras noções do difícil mister.
Ao partir, ele ordenou que trabalhassem com afinco, porém sem precipitação, pois não teriam de se preocupar com o tempo para cumprir as tarefas.
Supramati e Dakhir iniciaram o trabalho com a energia que lhes era característica.
Não era fácil decifrar os textos intrincados dos antigos manuscritos, aprender a distinguir e utilizar os inúmeros sinais cabalísticos da magia branca; mas a aplicação e boa vontade ajudaram-nos a superar as dificuldades.
De tempos em tempos aparecia Ebramar para verificar os seus conhecimentos, dar conselhos ou instruções; estimulá-los ou vibrar com os seus êxitos.
Os progressos rápidos na área do estudo da língua das criaturas inferiores e o aprimoramento de seus sentidos eram para eles um motivo de satisfação.
Já conseguiam conversar com os seus amigos quadrúpedes, compreendiam o sentido do canto dos pássaros, do zunido dos insectos e do ruído imperceptível das formigas.
Era com um misto de surpresa e admiração que observavam e estudavam o novo mundo que se lhes descortinava, reconhecendo nele as bases solidamente alicerçadas do “homem do futuro”.
Ficavam fascinados com a grandiosidade da sapiência divina, que conduzia a indestrutível centelha, através do aperfeiçoamento planeado, desde o torpor sonolento de um mineral até o despertar da instintividade na planta e uma vida já consciente no reino animal.
E quanto mais eles aprendiam a entender as almas inferiores, tanto mais nelas descobriam as voragens estranhas, o ódio entre as raças, cuja raiz, provavelmente, perdia-se no reino vegeta, ou até, talvez, no mineral.
Bem diante dos próprios magos, arquitectavam-se confrontos em que as duas energias – o bem e o mal – já se enfrentavam entre si e parecia medirem forças.
Numa de suas visitas, após um minucioso exame do trabalho dos discípulos, Ebramar anunciou ter chegado a hora de incluir nos exercícios o estudo aprofundado do elixir da longa vida.
- Sigam-me ao laboratório!
Vivamente interessados, os discípulos seguiram o mago até uma galeria lateral, aberta na montanha e sustentada por colunas.
Ali, dentro de um nicho, havia um baixo relevo representado uma cabeça humana de olhos fechados.
Já por inúmeras vezes eles se haviam surpreendido com aquela obra, sem acharem nela qualquer destinação especial; e agora, observavam curiosos Ebramar colocando as mãos sobre os olhos do baixo relevo. Imediatamente as pálpebras de pedra se soergueram e por baixo delas dois olhos esmeraldinos sondaram os visitantes.
De pronto, a parede do fundo do nicho girou sobre os gonzos invisíveis, deixando antever uma escadaria.
Os três subiram a escada, depois a desceram, atravessaram um pequeno corredor abobado e, no fim dele, Ebramar levantou uma pesada cortina negra, deixando-os passar para uma pequena gruta.
Numa das laterais divisava-se um pequeno pátio, cercado por todos os lados por rochas e paredes.
No fundo da gruta, havia uma porta de ferro trabalhada – uma obra de grande valor artístico – que Ebramar abriu com uma chave de ouro.
Agora eles estavam no interior de uma gruta enorme, alta como uma catedral.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:37 pm

As paredes eram cobertas por estalactites verdes e a iluminação era tão intensa, que se podia ler uma carta em letras miúdas.
Numa depressão da fenda na parede, jorrava um filete cintilante de líquido dourado, caia num reservatório natural da cor do rubi, escoando em seguida para outra fenda, aberta na superfície da terra.
No centro da gruta estavam postas duas mesas e duas cadeiras de cristal; ao longo das paredes, perfilavam-se mais algumas mesas e estantes com aparelhos de forma inusitada e destinação desconhecida.
Entre outras coisas, ali havia lupas de diferentes tamanhos, uma espécie de lanterna mágica, uma grande tela e alguns instrumentos astronómicos, já conhecidos de ambos os discípulos.
- Aqui, meus amigos, vocês terão de passar algumas horas por dia – disse Ebramar – para estudar, especificamente, a matéria primeva, aquela substância divina e terrível – que, com a mesma força, tudo transforma, provê de vida, mas também destrói.
De início, vocês terão de estudá-la em sua forma bruta e depois aprender a decompô-la para extrair as partículas primárias, por assim dizer – os gérmens de minerais, plantas e animais. Primeiro devem ser separados, um por um, os elementos; depois, cada uma das espécies em separada; vocês terão de saber distingui-los e utilizá-los, unir e separar.
Confesso que é um trabalho demorado e difícil, mas ele será de muita utilidade no futuro.
- Mestre, você disse que a substância primeva tanto proporciona a vida como pode destruí-la.
Eu sempre achei que, devido à sua natureza, ele serviria exclusivamente para proporcionar a vida e a manter.
Não é isso? – indagou Supramati.
- Sem dúvida.
Estando espalhada por todo o organismo do planeta e em tudo que nele habita, a substância primeva mantém a vida onde quer que seja; mas ela poderá destruir qualquer organismo que entre em contacto directo com a força desmedida deste terrível elemento, ou seja, este organismo se pulverizará em seus átomos primitivos.
Além disso, o elixir da longa vida, cumprindo a sua destinação, pode matar ou destruir outras formas.
Vocês se lembram do caso da pobre Lorena, quando Narayana intentou um capricho criminoso de ressuscitá-la quase três séculos depois de sua morte natural.
Você lembra Supramati, com que rapidez fantástica foi animado e restabelecido o organismo, e atraído o espírito que antes habitava nele:
Mas para alcançar tal resultado, foi destruído o corpo que então nele habitava a alma de Lorena. Uma família inteira foi levada ao desespero, chorando aquela morte inexplicável.
O elixir da longa vida é uma faca de dois gumes; e ainda que ao mago, nos interesses da ciência, seja permitida a prática das mais variadas experiências, da mesma forma ele é obrigado a tomar todas as precauções para não abusar de seus conhecimentos e não se deixar entusiasmar por experimentos cruéis.
- Supramati me contou o caso e eu conheço o método que Narayana empregou; mas, apesar de minha curiosidade em assistir a uma ressurreição, eu teria me recusado a participar de uma “experiência” como essa – disse Dakhir.
_ Sua curiosidade é muito natural e o cuidado é um ponto de honra seu – disse Ebramar. – Venham comigo ao pátio e lhes mostrarei uma experiência nesse género.
Ao chegarem ao pátio, o mago abriu uma gaveta embutida na parede, e tirou de lá uma colmeia muito velha, a julgar pelo seu aspecto.
Suas aberturas estavam vedadas e, quando Ebramar as abriu, em seu interior havia corpos ressequidos de abelhas, que ali pereceram por não terem podido sair.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 16, 2016 7:37 pm

Ebramar ordenou que lhe trouxessem do laboratório, de um lugar indicado, o pulverizador e o vaso de porcelana com uma cinzenta substância gelatinosa.
Tirando detrás do cinto o frasco como elixir da longa vida, ele colocou algumas gotas no vaso e a substância gelatinosa tornou-se instantaneamente líquida, adquiriu um matiz rosado e começou a se fosforizar.
Então Ebramar transferiu uma parte do líquido para dentro do pulverizador, e borrifou com ele o interior da colmeia.
Crepitando, jorravam respingos ígneos e subiram nuvens de fumaça, recortados por ziguezagues flamejantes feitos raios.
Se perder o interesse, Dakhir e Supramati acompanhavam as extraordinárias imagens da transformação.
Alguns minutos depois, ouviu-se um zumbido surdo, a fumaça se dissipou e as abelhas, animadas e cheias de força, começaram a sair da colmeia; algumas voaram para trabalhar, outras pairavam e andavam pela sua habitação devastada, tentando, aparentemente, restabelecer a ordem.
- Agora eu lhes demonstrarei uma ressurreição semelhante no reino vegetal – prosseguiu Ebramar.
Estão vendo naquele canto uma árvore velha e ressequida; suas raízes mortas parecem com pernas de uma aranha gigante.
Vamos tirá-la para o centro do pátio.
Desta vez, Ebramar verteu algumas gotas da porção misteriosa directamente no tronco, onde começavam as raízes.
Imediatamente subiu em colunas uma densa fumaça negra e, crepitando e silvando, encobriu a árvore morta.
Após algum tempo, a fumaça negra tornou-se cinza e, depois, adquiriu uma tonalidade esverdeada.
O estranho silvo continuou, o ar agitou-se por bafejadas de vento, e em seguida ressoou um forte estalido e, e quando a fumaça se dissipou diante dos atónitos discípulos, ergue-se uma colossal árvore, cuja folhagem densa e exuberante lançava sombra no pátio, e poderosas raízes revolveram o piso de pedra, enterrando-se fundo no solo.
Que força miraculosa e ao mesmo tempo terrível!
Estes milagres fascinam, mas também me deixam assustado! – exclamou Supramati.
Dakhir cobriu os olhos com as mãos ofuscado.
- Sim, as manifestações desta substância enigmática são tão profusas e maravilhosas.
Ela age não apenas sobre uma matéria orgânica, mas também sobre as impressões deixadas por pessoas ou acontecimentos.
Voltemos à gruta e eu lhes mostrarei este fenómeno.
Eles retornaram ao laboratório; misturando uma gota da substância com as outras, o mago prosseguiu:
- Há muitos séculos atrás, um dos nossos trouxe para essa gruta um grupo de romeiros hindus.
Eles não tinham uma noção exacta do mistério, ao qual veneravam, e nem suspeitavam que tivessem o elixir da longa vida ao alcance de suas mãos.
Foram embora daqui e tempos depois morreram à semelhança de todos os mortais, ainda que até o fim de suas longas vidas jamais adoecessem.
Entretanto, as impressões de sua estada aqui ficaram gravadas e eu as mostrarei para vocês.
Ele acendeu na fornalha alguns pedaços de carvão, lançou nela uma substância preta de odor resinoso e, por cima, colocou um pouco de mistura preparada.
Novamente se levantou uma fumaça e, quando esta se dissipou, assistiu-se a um espectáculo incrível.
Cerca de dez pessoas em trajes de linho se apinhavam junto do reservatório:
alguns de joelhos, outros em pé, em fascinação muda e com os braços erguidos para o céu; todos os olhares se dirigiam para a fonte miraculosa.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 17, 2016 7:46 pm

O grupo parecia real; só que todos pareciam estar tingidos por cor amarelada, que lembrava terracota.
Minutos depois tudo embaciou e derreteu-se no ar.
- Nesse sentido, utilizando de artifícios, quando for o caso, é possível animar com a essência primeva as cinzas de um planeta extinto e fazer voltar à vida os povos extintos – continuou Ebramar.
Não muito longe daqui, soterrada durante uma catástrofe, jaz uma cidade morta, há muito tempo coberta por uma floresta impenetrável; no entanto, através de caminhos subterrâneos, que conheço, é possível chegar até lá.
Talvez uma hora eu a mostre para vocês.
Eu poderia se quisesse devolver a vida à população daquela pobre cidade.
Seria grandioso, mas para que praticar uma experiência tão cruenta?
É interessante notar que o elixir e seus poderes ficaram na memória até dos não iluminados.
Ora em forma da fonte da eterna juventude em contos de fada, ora no cálice do Santo Graal, supostamente enchido com o sangue de Cristo.
Por todos os lugares exaltaram e tentaram descobrir o princípio ignoto com o qual se poderia evitar a morte e transformar um metal rude em ouro.
Um cientista europeu – Paracelso, se não me engano – também tentou encontrar a substância primeva para, com apenas uma gota, criar um homem, sem a ajuda humana, simplesmente juntando as moléculas com a concentração de sua mente.
Ele imaginava que, através de um trabalho árduo, poderia substituir a “cega” força criadora – invisível e imperceptível – que gera a mais perfeita das criaturas; o ser humano. Será que uma criança, assim como o animal pequeno, não se constituem numa obra das mais artísticas do laboratório da natureza, de cujo desenvolvimento o homem nem sequer participa?
Mas Paracelso não tinha a chave para este mistério e seus sonhos permaneceram utópicos.
No dia seguinte, à tardinha, os três conversavam no terraço.
Sombras nocturnas já começavam a envolver a natureza e, olhando para o firmamento, Ebramar disse:
Assim que surgirem as estrelas, vocês irão tomar um banho, colocando na água o conteúdo deste frasco e, depois, nós faremos uma pequena excursão aérea.
Quero que vejam algumas das camadas que envolvem a terra e vou aproveitar a oportunidade para lhes mostrar as corporações de espíritos inferiores, como eles são educados e preparados para serem futuros povos.
Supramati e Dakhir levantaram-se imediatamente e dirigiram-se para cumprir a ordem do mestre.
No quarto de banhos, encontraram duas vestes em forma de malha sedosa, feitas de um tecido cinzento bem singular, muito fino e levemente fosfóreo.
O traje aderiu tão bem ao corpo, que parecia incorporar-se à pele, cobrindo inclusive a cabeça.
Ao voltarem junto de Ebramar, eles o viram vestido com um traje semelhante, só que mais claro e brilhante.
Diante deles, sobre a mesa, estavam dois cálices com líquido vermelho, de onde se desprendia um vapor. Ebramar ordenou que eles o tomassem.
Supramati sentiu tontura, mas tão logo essa sensação desagradável passou, ele teve a impressão de que seu corpo tivesse perdido peso, e sem qualquer dificuldade alçou-se para o ar atrás de Ebramar, que subia rapidamente para as alturas.
Supramati sentiu que seu corpo tomava obedientemente o rumo que ele queria lhe dar.
O espaço onde voavam agora estava iluminado por uma meia luz cinzenta e o ar estava saturado por eflúvios malcheirosos e putrescentes.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 17, 2016 7:47 pm

Ouviam-se ruídos desordenados e, de tempos em tempos, em diferentes locais, acendiam-se se extinguindo imediatamente clarões vermelho-sanguíneos, enquanto cintilações multicolores voejavam e pairavam em todas as direcções, ora subindo, ora descendo; Olhando atentamente, em torno de todas aquelas luzes, podiam-se enxergar as imagens de pessoas e animais.
Algumas vezes podiam ser vistos, flutuando no ar, separados ou em grupos, os contornos de plantas.
Em meio àquele caos, esguios e leves, feito colunas de vapor, deslizavam sombras claras com as cabeças nitidamente afiguradas, de enormes olhos fosforescentes e insígnias que definiam o seu grau na hierarquia espiritual; uns portavam a reprodução do fogo, outros, da cruz, estrela ou flores; aqueles eram os espíritos instrutores.
Por vezes se viam focos de luz dos quais se irradiavam feixes ofuscantes, perdendo-se em direcção a Terra.
E lá no meio daqueles focos de luz, podiam ser vistas imagens humanas translúcidas.
Estão vendo aquelas espécies de sóis, espalhados no espaço?
São os repositórios das forças do bem – explicou Ebramar.
Os seres que vocês vêem são os espíritos-protectores superiores de um determinando país.
Coma força de sua vontade e orações, eles concentram e enviam, para uma finalidade preestabelecida, a matéria renovadora, que mantém e fortalece a pobre humanidade tão mergulhada em vícios e sofrimentos.
Os homens os denominam de santos e pedem instintivamente por seu auxílio.
Amanhã eu os levarei a alguns templos para mostrar as correntes fluídicas lá existentes, assim como as impressões do fluido translúcido sobre as pessoas, objectos sacros, etc.
Continuando a conversar, eles prosseguiam em sua subida.
Aos pouco amainava o caos das vibrações que dilaceravam a alma, provocadas por sofrimentos do corpo; ia desaparecendo o vapor sanguíneo e as putrefacientes emanações de vícios; já não se viam mais as imagens satânicas e os espíritos das trevas; tudo, paulatinamente, turvava-se e ia ficando para traz. O espaço diante deles tornava azulado, diáfano e saturado de uma fragrância forte, mas vivifica.
De repente, ouviu-se um barulho estranho, como se provocado pelo bater de numerosas asas ou ruído de máquinas em funcionamento.
- Estamos nos aproximando de um lugar bem interessante – as escolas dos espíritos inferiores – observou sorrindo Ebramar.
Bastante curiosos, seguiam os discípulos o seu mestre num adejo rápido em direcção ao espaço límpido que parecia sem fim.
Surpreso, Supramati notava algures umas figuras cinzentas, envoltas em auras vermelhas, com cabeças bem delineadas, reflectindo inteligência e energia.
Em torno de cada um desses entes fervilhavam nuvens de centelhas fosfóreas, comandadas pelos primeiros, que ensinavam a imitar-lhes as formas fluídicas através de linhas ígneas que se desenhavam no ar, representando o processo constante do trabalho a ser feito.
- Vocês estão vendo aqui a população que se prepara para o trabalho na Terra: abelhas, formigas, aranhas, bichos da seda; e ali, mais adiante, estão as corporações de animais superiores.
Todos estudam sob a orientação de instrutores, aprendem os seus ofícios e adquirem os conhecimentos necessários para sua encarnação.
Agora os três adeptos se moviam devagar, por vezes conseguindo distinguir trabalhadores microscópicos.
Entre Supramati pode divisar, entre os mentores, formas escuras com olhos demoníacos; também ele não deixou de perceber que entre os alunos explodiam discórdias.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 17, 2016 7:47 pm

Nuvens de centelhas férvidas se lançavam contra outras, desprendendo colunas de fumaça negra, enquanto que entre os espíritos de animais superiores ocorriam verdadeiras brigas; os fluídos hostis, repletos de ódio, com que eles cobriam um ao outro, eram salpicados por ziguezagues sanguíneo-ígneos.
Supramati quis obter uma explicação para aquilo, mas Ebramar fez um sinal para voltar.
A descida processou-se com velocidade estonteante.
De volta ao terraço, os jovens discípulos mal abriram a boca para tentar obter explicações sobre alguns aspectos que os interessavam. Ebramar interrompeu-os:
- Tomem um banho e vão dormir, pois até seus corpos imortais necessitam de descanso, principalmente depois de uma viagem destas.
Amanhã conversaremos, já que ainda não vou embora.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 17, 2016 7:47 pm

Capítulo III

No dia seguinte, após os estudos, todos os três se acomodaram no terraço e Ebramar disse:
- Agora, meus filhos, perguntem o que vocês queriam saber ontem.
- Ah! Naquele novo mundo que nós vimos ontem há tanta coisa interessante, que não sei por onde começar – iniciou Supramati.
Estou muito agradecido por ter-nos mostrado as escolas astrais.
Nunca consegui explicar com a palavra “instinto” a habilidade de animais para o trabalho, positivamente artístico, ou tão produtivo e profícuo, que até um ser humano dele não declinaria.
- Sem dúvida! Que outro factor, além da racionalidade, conseguiria fazer tudo aquilo que faz um animal?! – exclamou Ebramar.
A palavra “instinto” foi inventada pela prepotência dos homens com o objectivo de proteger a sua própria superioridade.
Se as pessoas, pondo de lado sua vaidade, quisessem abrir os olhos e enxergar o óbvio, o trabalho dos animais lhes teria servido de prova da descendência deles a partir dos degraus mais baixos da criação.
Entre os próprios animais, o homem teria descoberto tudo aquilo que ele, desdenhosamente, considera como um indício de sua exclusiva origem divina.
Entre esses irmãos menores rejeitados, existem agricultores, construtores, tecelões, pescadores, nadadores, etc.
Resumindo: todas as artes e os ofícios têm os seus representantes.
A mesma coisa ocorre com a organização social e formas de governo: ali vocês encontrarão monarquias, repúblicas, sociedades trabalhadoras, reis e rainhas, haréns e gineceus; numa proporção menor, neles já se observam estágios de desenvolvimento pelos quais atravessam as civilizações humanas: casta, guerras e campanhas militares para a captura de prisioneiros.
Desta forma, a sociedade humana se reflecte integralmente no mundo animal.
- Você se esquece de discórdias e rivalidades – interrompeu-o Supramati.
Ontem eu assistia a batalhas entre aqueles escolares microscópicos, e a missão dos professores não deve ser uma das mais fáceis.
- Oh! Sem dúvida a missão deles é muito difícil.
Quanto mais baixa for à espécie, mais fácil influenciá-la e sugestionar-lhe a obediência; mas, à medida que os seres evoluem, neles começa a prosperar a insubmissão, a indolência e o rancor.
Esses minúsculos seres - indolentes insubordinados e egoístas – começam a achar que o seu mentor é um opressor, que os obriga a executar um trabalho a eles odioso.
E os elementos mais difíceis de serem disciplinados e dirigidos são os espíritos de animais, que, durante a sua encarnação, tiveram um contacto directo com o homem ou experimentou na pele a sua crueldade.
Eles partem para o mundo do além repletos de ódio e sede de vingança em relação aos homens.
São enormes os crimes do homem praticados contra os indefesos seres inferiores, dos quais ele se apropriou, autoritariamente, do direito da vida e da morte; ele os mata, extermina e tortura com crueldade inigualável.
Cego e impiedoso, o homem, em sua arrogância, não entende que cria para si inimigos ferozes.
O espírito do animal habitua-se a considerar o espírito do homem com o seu inimigo mais ferrenho e, à medida de suas forças, retribui-lhe o mal por sofrimentos causados.
Não é a toa que se diz: “O animal sente quem gosta Dele”; mas, normalmente, ele evita os seres humanos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 17, 2016 7:47 pm

Somente os espíritos excelsos, já purificados, tentam granjear as simpatias de seres inferiores, orientam-nos com amor, tentam não maltratá-los e fazem amigos em seu seio; aqueles que, entretanto, tratam com brutalidade os animais e os torturam, geram com isso uma população insubmissa, hostil e biliosa.
Pela imutável lei do aperfeiçoamento, de tempos em tempos, esses biliões de seres se encarnam e, ao desencarnarem, todas as suas qualidades negativas afloram.
Como eu já disse, é muito difícil dirigir essas massas.
- Eu entendo o ódio que os animais têm em relação ao homem; mas por que motivo eles lutam entre si, como nós pudemos verificar ontem? – Perguntou Dakhir.
- Muitos motivos pessoais e genéricos fazem com que eles invistam uns contra os outros – prosseguiu sorrindo Ebramar.
Entre essas espécies inferiores existem ódios raciais, tal qual acontece entre os seus irmãos superiores, ou seja, os homens; e além do mais, temos que considerar ainda outro factor importante.
As duas forças hostis – o bem e o mal -, que reinam no Universo, cada uma contestando-o para si, já se manifestam desde o início.
O outro mundo é dividido em duas facções: o translúcido exército celestial e as hostes do inferno, que planeiam tomar de assalto o céu e atravessar a muralha, atrás da qual se oculta o supremo mistério.
Cada lado em confronto tenta arregimentar para si o maior número de correligionários e criar novas armas de guerra; é por essa razão que vocês assistem, em todo o mundo animado, a actividade dos servidores do bem e do mal.
Já entre os minerais, existem alguns que contêm dentro de si venenos mortíferos; outros parece serem sempre ligados a algum tipo de desgraça.
No reino vegetal, há muitas plantas infernais, usadas especialmente nas sessões satânicas e cultos lúgubres da magia negra; estes malfadados vegetais sempre causam dano a um homem de bem, um animal útil, uma planta nutrimental. Outro exemplo são as plantas assassinas, que, enrolando-se numa árvore, acabam sufocando-a.
Entre os animais, a divisão entre as duas facções é ainda mais acentuada.
Há inúmeras espécies nocivas, de modo que você, às vezes, se pergunta – e com razão; para que elas servem?
Ainda que esses seres sejam inferiores, são dotados de uma maldade refinada; Matar – é o objectivo da vida deles; fazer mal a homens e animais da facção adversária – é a sua principal actividade.
Tomemos por exemplo, os sórdidos insectos, tais como pulgas, percevejos, piolhos, brocas; ou ratos e hienas – normalmente, todos irão se convencer de que todos os animais da espécie superior e úteis ao homem evitam, temem e detestam aquelas criaturas do inferno.
- Então os espíritos cinzentos com o olhar demoníaco são os instrutores do mal? – Indagou Dakhir.
- Justamente! As hostes satânicas se esforçam ao máximo para ampliarem seus campos de batalha; da mesma forma que os pioneiros da Liz incutem em seus alunos as noções do bem, da beleza e da utilidade, os servidores do mal ensinam aos seus pupilos a arte de fazer o mal, destruir e causar sofrimentos.
Eu já mencionei que, em consequência da sua extrema crueldade em relação aos animais, os homens acabam expulsando para o mundo invisível milhões de seres roídos de ódio, bílis e sede de vingança; estes se tornam presas fáceis dos espíritos maléficos.
Esquecendo os ensinamentos de seus instrutores da luz, esses seres se infiltram no meio pacífico de seus irmãos, corrompe-nos, infundem rebeldia e dificultam ainda mais o trabalho dos mentores.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 17, 2016 7:47 pm

Com o passar do tempo, esses espíritos baixos renascem em legiões de demónios – inimigos obstinados de tudo que é puro e límpido.
O homem cego não entende o que ocorre em torno do espaço que o cerca, o qual lhe parece vazio e transparente; ele não tem noção do inferno que ebule, crepita e tempestua em redor.
Em sua ignorância vulgar e leviana, zomba ele ao ler num livro de magia que este ou aquele demónio comanda um determinado número de legiões satânicas; para um iluminado, o significado daquilo é que esse espírito maléfico lidera as legiões de espíritos inferiores – os espíritos dos animais – e orienta as suas acções, segundo a sua vontade ou movido por um sentimento de vingança.
Ninguém ainda explicou “cientificamente” as causas da invasão repentina de milhões de ratos, vindos não se sabe de onde, a dizimarem os campos; ou nuvens de gafanhotos a devorarem as plantações.
Que sopro ignoto os dirige, assim como uma infinidade de outros inimigos, a devastarem e reduzirem a nada o trabalho humano?
O homem se vangloria de algumas fracções de seu conhecimento e, por certo, esta trilhando o caminho ao progresso, descobrindo com o trabalho árduo, inúmeras verdades úteis.
Um cientista digno deste nome reconhece a sua ignorância; não obstante, com o seu bisturi e cálculos, ele sai em busca do “infinito”.
Por outro lado, os pseudo-cientistas refutam em tom de zombaria a existência do mundo invisível.
No entanto, eles baseiam as suas observações exclusivamente nas causas derivadas deste mundo.
Quem, por exemplo, conhece a verdadeira razão das epidemias e doenças incuráveis, surtos de suicídios, demência, assassinatos, que, feito um furacão, atingem repentinamente a humanidade?
Qual é a origem de bilhões de micro organismos que contaminam o ar, causam enfermidades desconhecidas, infiltram-se no organismo humano e o destroem, devorando-lhe os tecidos, ou então cegam espiritualmente o homem e contaminam o seu espírito?
E por que então acontece frequentemente que essas doenças incuráveis, que não cedem à ciência médica, são curadas por milagres, orações, água benta?
Já não foi provado, de modo irrefutável, que algumas epidemias, estiagens e outras calamidades se interrompiam após as procissões religiosas e as orações conjuntas?
Na época, então, de degenerescência, quando diminui a fé e desintegra-se a família, quando a devassidão e os vícios subjugam a sociedade, é justamente quando enraivecem com maior força as piores epidemias. Assiste-se, Então, ao esmigalhamento das defesas, criadas por emanação dos fluídos puros e límpidos, e toda a espécie de abusos e desregramento gera micróbios letais de epidemias, físicas e espirituais, resultantes de actos criminosos.
E estes microorganismos, em nuvens incontáveis, voejam no espaço à procura de um meio favorável para o seu desenvolvimento; pois não existe contágio onde o vício não encontra para si o material apropriado.
Um homem devasso, à semelhança de um monte fumegante de estrume, atrai para si os bacilos nocivos, que de início penetram em sua aura, depois se infiltram em seu organismo, através dos poros, e invadem justamente aquela parte do corpo que se constitui no instrumento dominante de sua paixão.
Se o homem é havido e guloso, devasso e lascivo, o contacto então atinge os órgãos correspondentes.
Se o cérebro dissoluto gera apenas pensamentos criminosos, anseios impuros, imagens cínicas, então o bando destruidor se agarra a esse servo mais importante da inteligência, dominando, subjugando-o e gerando fluídos mortíferos do mal, até que a vítima resvale ao precipício da demência, suicídio ou assassínio.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 17, 2016 7:48 pm

E quando as armas de defesa corpórea ficarem despedaçadas, a exemplo de um vaso que explode sob a acção de uma forte pressão de vapor, então o bando de inimigos invisíveis lança-se sobre o cadáver em decomposição, devora-o e, por sua vez, morre também, para renascer no outro mundo e subir mais um degrau na hierarquia do mal.
Ah! Meus amigos!
Se fosse possível fazer com que os homens compreendessem o quanto é importante vigiar os seus pensamentos, gerar com o seu auxílio somente imagens boas, puras e belas, para que da fonte das reflexões irradiassem apenas correntes de luz que pudessem erguer em volta do homem uma espécie de muralha sagrada, intransponível para as criaturas medonhas do espaço! Se eles pudessem ouvir o nosso clamor:
“Mantenham a pureza do coração e vocês serão invulneráveis”.
Cristo tinha aquela chama e luz que curava os leprosos, devolvia a visão aos cegos ou expulsava os demónios.
Ele conhecia o segredo dos infortúnios humanos; Ele sabia que pela oração se podia diminuir ou até fazer cessar aquelas epidemias.
Quanto mais a população do planeta estiver invadida por criaturas do inferno, tanto mais rápido ela será atingida pela destruição e pelo cataclismo parcial ou total que vem se avizinhando.
O equilíbrio está quebrado, as emissões do mal, que se tornam predominantes, sobrecarregam a atmosfera, impedem a permutação correta de oxigénio e nitrogénio, provocam desordens atmosféricas.
A exploração desmedida – ou sendo mais incisivo -, a rapinagem de todas as riquezas terrestres exaure o solo; o clima se modifica, o frio, as secas ou o excesso de água acabam com a fertilidade do solo e levam à fome.
Os nutrientes vão se esgotando, levando a uma troca incorrecta das substâncias entre os diversos reinos da natureza; a vegetação depaupera-se e enfraquece; a população gera pessoas doentias, nervosas, que envelhecem antes do tempo, predispostas a vícios e enfermidades que a própria humanidade gerou.
Resumindo:
o planeta está morrendo e o inferno comemora a vitória, alegre por ver aniquilada a maravilhosa flor da criação divina.
Por esta razão, quando um novo planeta começa a viver, os legisladores – espíritos eleitos, conhecedores das leis básicas da criação – estabelecem normas severas para preservar o bem, instituem o culto à Divindade e cercam com auréola sagrada a agricultura e tudo que cresce e nasce na terra, para protegê-la, na medida do possível, contra a influência demoníaca.
O homem tem uma necessidade inata de orar, venerar o ser Supremo – forças desconhecidas e misteriosas que dirigem o seu destino -, para a veneração das quais ele reserva um lugar especial.
A criatura sente inconscientemente que a oração lhe serve de ligação com o seu Criador aquele ele de salvação que a une com o céu protege-a de inúmeros perigos e traz-lhe em auxílio protectores invisíveis.
O mesmo inabalável instinto popular infundia nas pessoas a necessidade de benzer os campos, os frutos, o gado e as moradias, para atrai-lhe as benfazejas correntes, os límpidos e puros fluidos que espantam os demónios.
É um grande equívoco enraizado imaginar que a humanidade presta um favor a Deus e a Seus enviados ao erguer os templos em sua homenagem, orando para eles. Nem o Supremo Ser Inefável, nem os executores de Sua vontade, necessitam disso. Os homens erguem os templos exclusivamente para si, para terem um lugar especial, uma muralha sagrada, um santuário contra a invasão dos espíritos do mal.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 17, 2016 7:48 pm

Ali, eles colocam um altar para que nele possa ser concentrada toda a bem-=aventurança, atraída pela oração, enquanto os cânticos sagrados, que enchem uma igreja, provocam as vibrações que mantêm o afluxo da chama sagrada, e colhem a fulgurante substância, não maculada por demónios, da qual os homens haurem forças físicas e espirituais.
A defumação em templos e cultos, que sempre acompanha as cerimónias, espalha os aromas que varrem e dispersam as emanações impuras trazidas pelas pessoas ao templo.
Tudo foi exaustivamente estudado na antiguidade e era empregado com pleno conhecimento de causa.
Moisés, por exemplo, enumerava detalhadamente todos os materiais necessários para a construção do santuário e fabrico dos objectos dos ofícios religiosos, tais como: ouro, prata, marfim, madeira de cedro e sândalo; para as defumações:
ambrósia e ládano, óleo de oliveira, ceda pura, esta fabricada tanto por abelhas como por insectos puros, que acompanhavam os ofícios com o canto em seu linguajar.
Os sacerdotes obedecendo às normas draconianas quanto ao asseio, deviam trajar unicamente vestes de linho; enquanto os diamantes, os rubis, as safiras e outras pedras preciosas, que adornavam o peitilho do sumo-sacerdote, todas tinham um significado mágico, místico e simbólico.
As pérolas que, por sua vez, eram muito apreciadas na época pela sociedade e custavam caro não faziam parte destas jóias apesar de sua beleza; eram consideradas impuras e de mau agouro.
Sob todos os pontos de vista, o homem necessita de Deus, de grandes protectores do planeta e daqueles que vocês chamam de santos.
Tal é a essência de todas as religiões autênticas, como um legado de grandes iluminados e enviados de Deus.
Todas essas crenças reconheciam os protectores invisíveis; uma criança recém-nascida, por exemplo, era consagrada a uma divindade ou um santo.
Tais crenças, ultrajadas e tidas como superstições hoje em dia, possuem seus fundamentos profundos e legítimos, enquanto a sua origem se perde na escuridão da remotíssima antiguidade e apresenta-se como um dos grandes mistérios da doutrina.
O nome une o homem ao espírito superior e a um verdadeiro grupo de espíritos, que o primeiro dirige e protege; a voz do povo o chama de anjo-protector, o anjo do nome da pessoa.
Exactamente igual é com as imagens dos santos, estátuas, despojos, até ídolos, que se constituem para uma pessoa perspicaz, d e fonte de luz; pois qualquer oração, qualquer pensamento beato, qualquer clamor ardente resulta na luz da matéria fulgurosa, que adere a esta imagem simbólica, penetra nela e, de certa forma, anima-a. Os locais consagrados à veneração divina – os templos e as igrejas – uma vez que estão repletos por representações da deidade, aromas benéficos, vibrações harmónicas, iluminados por lâmpadas inextinguíveis, constituem-se, no sentido lato da luz radiante, na solidão do homem.
Lá, diante de cada foco da luz radiante, na solidão com as misteriosas e poderosas forças, encontra-se o repositório de auxílio moral e físico, sempre pronto a ser prestado a quem é capaz de pedi-lo.
Quanto mais houver nas igrejas esses focos de luz e quanto mais poderosos eles forem, tanto mais pura e benigna será a luz por eles irradiada, tanto mais a oração do homem será eficaz, aliviando-o e purificando mais rápido.
Daí justamente desses fundamentos, é que ocorre a certeza da ajuda dos ícones e estátuas milagrosos, como por exemplo, a da Nossa senhora de Lourdes – um lugar sagrado, cujo poço e fonte possuem propriedades curativas inescrutáveis, que debelam doenças consideradas pela “ciência” de incuráveis e restabelecem a vitalidade do organismo.
Ebramar estava excitado em sua conversa.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 17, 2016 7:48 pm

Uma fé ardente e exaltada soava na voz do mago, e, na escuridão nocturna, as suas vestes alvas pareciam salpicadas por orvalhos de brilhantes.
Em torno de sua cabeça formou-se um largo disco translúcido, três fachos brilhantes de luz cintilavam acima da sua fronte em forma de estrelas e todo o seu corpo parecia irradiar uma fosforescente.
Ele aparentava ser todo de fogo e luz; até a voz soava incrivelmente suave e harmónica, e, nos olhos radiosos, reflectiam-se maravilhas de outro mundo, cujo direito de contemplação a ele foi concedido.
Um tremor de respeito reverencioso e temor apoderou-se de Dakhir e Supramati.
Quase inconscientemente, eles se prostraram de joelhos e reverenciaram o mentor divino que os orientava e, aos poucos, descortinava-lhes os divinos mistérios da criação.
Ebramar estremeceu e aprumou-se.
- O que estão fazendo, meus amigos?
Que reverência imerecida vocês me prestam!
Os admoestou, os erguendo de imediato.
– Como eu ainda sou insignificante em comparação com os grandiosos archotes do espaço celestial!
Entretanto, para ilustrar o que lhes falei, vou mostrar alguns locais consagrado à oração.
Primeiro iremos a um pagode, que fica aqui na índia, depois iremos a um país longínquo situado ao norte.
Lá, a fé permaneceu ainda mais forte do que alhures, mas, por outro lado, o exército satânico lançou-se enfurecido ao ataque, sufocando a consciência e semeando profusamente o mal, a criminalidade e a devassidão.
- Vamos então fazer uma viagem, mestre! – surpreendeu-se Supramati.
- Uma viagem astral, meu filho. Que míseros magos seriamos se para nos deslocarmos tivéssemos que ter tempo e carruagem! – replicou sorrindo Ebramar.
- Já que tocamos nos demónios, deixe-me completar uma coisa que me esqueci de dizer.
Uma das causas que facilita o acesso dos espíritos do mal ao corpo humano, e que contribui para a degenerescência dos povos, é a vacinação contra a varíola; poder-se-ia dizer que este estranho remédio, cuja função é eliminá-la, é pior que a própria doença.
No corpo sadio de um adulto ou criança é injectada uma substância em decomposição e, o que é pior; tirada de um putrescentes, mas junto com ela, fluídos e partículas de um animal, o que aos poucos vai transformando a espécie, tornando-a feia e rude, instalando instintos animais, conferindo às feições as expressões animalescas e, frequentemente, retardando o desenvolvimento mental devido à introdução de elementos inferiores.
De qualquer forma, isso tem um efeito negativo sobre o corpo físico e astral, constituindo-se fonte de diversas enfermidades, tanto corpóreas como espirituais.
Sem dúvida que esse invento bárbaro é o melhor caminho para fazer retornar o género humano ao seu estado animal e abre um amplo campo de acção para os carrapatos do inferno.
Mas, agora, meus filhos, voltemos à nossa viagem.
Tomem um banho, vistam a roupa que vocês usaram na noite passada e depois voltem aqui.
Quando os discípulos retornaram, Ebramar ordenou que eles se sentassem, fez neles alguns passes, em seguida pôs a mão em seus olhos e soprou neles com as palavras:
- Abro seus olhos carnais para as maravilhas celestiais. Agora, vamos!
Leves, feitos flocos de neve.
Eles subiram para o espaço e pouco tempo mais tarde desceram junto à entrada de um pagode antigo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 17, 2016 7:48 pm

Era ainda noite. Festejava-se uma solenidade religiosa e muitos fiéis estavam entrando no templo, sobre o qual pairava um amplo clarão dourado.
- Não temam, somos invisíveis para os olhos de mortais comuns – disse Ebramar, respondendo ao pensamento de Supramati.
Misturando-se no meio da multidão, eles entraram sob as abóbadas do pagode.
Bem no fundo do templo, onde se erguia uma estátua de Brahma, ardia feito uma fogueira, um foco de luz clara e ofuscante, difundindo calor.
Crepitando, dele voejavam centelhas multicores, iluminando por um instante um vulto humano quase imperceptível.
Bafejos de um aroma maravilhoso e inebriante partiam daquele confluência de luz, envolvendo todos que dele se aproximavam com fé e postavam-se de joelhos.
E, à medida que o arrebatamento da oração, em forma de maior ou menor radiação límpida ascendia-se do coração de um fiel, toda ela caía numa cascata de fagulhas e envolvia-se num vapor aromático prateado, causando uma transpiração abundante; então, as sombras negras que o rodeavam empalideciam, a respiração tornava-se mais fácil e todo o seu aspecto purificava-se e rejuvenescia.
Muitos dos que se destacavam por orarem com ardor mais intenso ficavam por longo tempo de joelhos gozando do deleite celestial que deles se apossava, que os tranquilizava e animava, renovando-lhes as forças físicas e espirituais.
- Vamos! Agora visitaremos outro foco de luz – disse Ebramar, fazendo um sinal com a mão para que seus discípulos o seguissem.
Eles se ergueram ao espaço como se arrastado por um turbilhão voaram com a velocidade do pensamento.
Logo diante deles, divisava-se um local montanhoso e uma meia-luz, incrivelmente azul e fosfórea, à semelhança de cúpula azulada, que se estendia abaixo sobre o vale.
- estamos em Lourdes, local de numerosíssimos milagres – explicou Ebramar, descendo sobre a terra.
Eles se juntaram à procissão que, entoando orações, se dirigia à gruta.
Ao chegarem à fonte, a multidão pôs-se de joelhos e as orações ardentes de tantos corações elevaram-se em ondas ao céu.
O quadro era fantástico.
Raios dourados e prateados fulgiam em todas as direcções; da fonte parecia sair um vapor límpido e a estátua da Virgem era envolta por feixes de chama, difundindo calor.
No ar ressoava uma extraordinária harmonia, ora suave e tranquila, ora poderosa feito um furação, mas sempre sem qualquer nota destoante.
Subitamente, do espaço, começaram a cair gotículas ígneas; em seguida, crepitando, desenrolou-se uma larga faixa ígnea dourada, caindo sobre uma mulher deitada em uma maca, aparentemente paralítica.
Ziguezagues ígneos percorreram todo o corpo da enferma; ele pareceu inflamar-se como se de seu organismo começassem a sair colunas de fumaças, e a mulher ergueu o corpo soltando um grito.
Um minuto depois ela já estava de pé, radiante de felicidade.
Caindo de joelhos, ela gritou alegre:
- Eu estou curada!
- Vocês acabaram de presenciar o lado oculto dessa cura maravilhosa; a descida do fogo sagrado, vindo graças à força de uma intensa oração conjunta – disse Ebramar.
Agora, adiante, meus amigos! Quero lhes mostrar mais dois lugares de bênção celestial, ambos muito interessantes.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74032
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 3: A IRA DIVINA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 9 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum