Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Página 1 de 7 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:56 pm

OS LEGISLADORES
Wera Ivanovna Krijanovskaia

(ROCHESTER)

Capítulo I

O sol punha-se, coruscando os raios purpúreos sobre a vasta planície ladeada pelos paredões escuros da floresta e das montanhas arborescentes.
O denso e alto mato vicejava por toda a campina; aqui e ali, viam-se espalhados grupos de árvores de troncos enormes e folhagens exuberantes, que formavam no local uma copa praticamente impenetrável.
Animais de tamanho descomunal e aspecto estranho podiam ser vistos correndo ou esticados pachorrentos, aquecendo-se ao sol.
Seus corpos compridos e flexíveis findavam em cauda, como a de dragão; dois pares de pés curtos e grossos serviam-lhes de locomoção, e as enormes asas, tão possantes como as de uma águia, possibilitavam-lhes alçarem voo; as cabeças estreitas, com grandes olhos sugerindo inteligência, assemelhavam-se às de aquénios.
Eram animais totalmente negros, como as asas de um corvo, ou de um branco prateado, ou, ainda, de um vermelho-ruivo aurifulgente, com matiz esverdeado.
Não muito longe daquele incomum rebanho, embaixo da folhagem densa, estava reunido um grande grupo de homens, de estatura colossal.
Suas únicas vestimentas eram peles de animais que cobriam os quadris cúprico-avermelhados.
Os cabelos negros, rijos e desgrenhados, caíam sobre os ombros; seus rostos de feições grosseiras e maxilares salientes eram imberbes.
Estavam armados de paus grossos, nodosos, e machados curtos de pedra, enfiados atrás dos cintos; empunhavam uma corda comprida enrolada, e uma das pontas amarrada a uma pedra.
Ajeitados nos tocos das árvores ou no relvado, eles conversavam; suas vozes guturais podiam ser ouvidas de longe.
Eram, pelo visto, pastores.
Subitamente, um dos homens ergue-se e apontou para um grupo de mulheres, reconhecíveis por seus cabelos longos e seios avantajados; elas acabavam de sair da floresta e se aproximavam lépidas em direcção aos homens.
À semelhança deles, suas vestes resumiam-se a uma única peça: uma espécie de tanga de folhas trançadas, de cana de açúcar.
Dentro de suas cestas rústicas e toalhas de palha, elas levavam o almoço para os pastores.
Compunha-se este de vários tipos de frutas, raízes, e peixe cru; dentro de recipientes de casca de bétula, havia um líquido amarelado de odor aromático.
Após depositarem a comida aos pés dos homens, as mulheres prostraram-se em deferência diante deles, depois, levantaram-se rapidamente e começaram a contar rapidamente alguma coisa, provocando muita agitação entre os pastores.
- O homem da caverna está nos chamando!
Por que será? – surpreendeu-se um dos homens, visivelmente perturbado.
- E os outros também foram chamados? – interessou-se um deles.
- O mensageiro nos disse que alguns mensageiros partiram para os vales e florestas.
Mas a reunião, marcada no Vale da Pedra Salgada, é somente para os mais velhos e alguns convidados especiais – asseverou uma das mulheres.
Após comerem rapidamente, todos se puseram a caminho.
Depois de uma caminhada bastante longa, a multidão saiu numa ampla campina margeada de árvores colossais; seus troncos eram ocos por dentro e serviam de moradia aos aborígenes.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:56 pm

As singulares tocas eram atapetadas por dentro com peles de animais; ali mesmo, viam-se utensílios domésticos, feitos de cascas de árvores, e aprovisionamentos alimentares.
Enquanto as mulheres cuidavam da casa, as crianças, completamente nuas, corriam alegres ao ar livre.
Havia pelo menos uma centena daquelas casas arbóreas.
Entre os moradores a agitação era visível.
Reunidos em pequenos grupos, discutiam algo em voz alta; os recém-chegados participavam imediatamente da conversa.
Depois, da multidão adiantaram-se cerca de cinquenta homens e mulheres e dirigiram-se pela trilha em direcção à mata.
Após caminharem por um longo tempo, deram num amplo vale cercado nos flancos pela floresta e montanhas pontiagudas, sulcadas por uma infinidade de fissuras.
No centro do vale, sobre um montículo erguia-se uma colossal rocha cúbica, e, em cima dela, repousava outra pedra de formato cónico, lembrando um pequeno obelisco.
Ao redor daquele cone de basalto preto, polido e refulgente, amontoavam-se ramagens resinosas.
O local estava apinhado de gente.
Homens e mulheres, formando um bloco compacto, apertavam-se junto aos pés do montículo; a luz avermelhada e fumacenta dos archotes lançavam clarões purpúreos sobre aquela estranha reunião.
Subitamente a multidão se agitou e se apertou para formar uma passagem, ouvindo-se o rolar de um sussurro:
- O homem da caverna...!
O homem da caverna...!
Pela passagem formada entre a multidão, vinha chegando um homem de aspecto bastante estranho.
Era de uma estatura descomunal e magra feito um esqueleto.
O rosto oblongo e ossudo, lábios grossos, nariz chato e fronte baixa, era lívido e reverberava em tonalidade azul, como se o sangue que corria debaixo da pele fosse da mesma cor.
Seus olhos assentavam-se fundos nas orbitas e estavam incrivelmente esbugalhados; entretanto, o mais surpreendente nele era a existência de um terceiro olho, localizado na nuca, enquanto que a cabeça era praticamente desprovida de cabelo.
Vestia uma túnica de pele de animal; seus braços e pernas de tamanho desproporcional estavam desnudados.
Com a sua chegada, a multidão caiu genuflexa e começou a bater repetidamente a testa na terra.
Respondendo à saudação com uma leve inclinação da cabeça, o homem foi para o montículo, galgou os degraus, deu sete voltas ao redor da pedra, reverenciou-a, inclinando-se até o solo, e prostrou-se diante dela, recitando fórmulas mágicas em sua voz gutural.
A seguir, jogou sobre a folhagem ali preparada um líquido denso como alcatrão, tirou de um saquinho amarrado atrás da cintura duas pedras de formato chato, e começou a friccioná-las uma na outra, até que delas salpicassem faíscas, que acenderam as ramagens em volta da pedra cónica.
Ouviu-se nesse instante, um barulho estridente e uma fumaça densa subiu às alturas.
O homem de três olhos começou a urrar e a rodopiar com rapidez extraordinária, sendo imitado pela multidão.
Homens e mulheres dando-se as mãos formavam uma corrente em volta da rocha, rodopiando numa dança tresloucada em meio a urros selvagens – o que deveria, provavelmente, constituir uma espécie de canto, uma vez que as vozes soavam alto, ora baixo, sem nenhum ritmo, entretanto, ou melodia determinada.
A coluna de fumaça, nesse ínterim, foi-se densificando, espalhando-se e levantando-se, como uma cortina no ar sem vento.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:57 pm

Subitamente, entre as nuvens de fumaça surgiu uma labareda, alçando-se em coluna ígnea e tingindo-se de todas as cores do arco-íris, formando, ao final, uma esfinge de proporções colossais.
Tanto o homem da caverna como toda a multidão estacaram, puseram-se de joelhos e começaram a contemplar extasiados a visão.
Nisso o ser misterioso começou a falar.
A poderosa voz, que parecia vir de longe, alcançava até as últimas fileiras e soava como em megafone.
- Vim lhes dizer, habitantes dos vales, montanhas e florestas, que chegou a hora da descida dos deuses.
Sua vinda dispersará as trevas, pois que é de seu desejo misturar-se ao povo, ensinar-lhes os profundos mistérios, mostrar as riquezas do solo e fazê-lo descobrir as maravilhas do Céu.
Eles irão transformá-los e a geração de vocês será conhecida como a que teve a fortuna de ver sua descida das alturas, para aqui estabelecer morada.
Os deuses estão chegando!
Preparem-se, pois, habitantes dos vales, montanhas e florestas, para o grande dia:
nada comam ou bebam durante os próximos dois dias e, no terceiro, reúnam-se nos vales, junto aos pés das montanhas, para ver a descida de seus futuros senhores e mestres.
A hora chegou!
A voz silenciou-se, a visão tornou-se tosca e dissolveu-se no ar.
Ainda por alguns minutos, todos se mantiveram paralisados, atónitos pelo que acabavam de ouvir; depois, a multidão agitou-se feito um mar bravio.
Cercando o homem da caverna, os nativos cobriram-no de perguntas.
Ele explicou que a enigmática criatura, que eles acabavam de ver, fora enviada pelos deuses para enunciar-lhes a sua descida.
Em seguida, instruiu-os como deveriam jejuar e purificar-se com os banhos nos rios, e, finalizando, ordenou que colocassem vestes novas e limpas.
Após estas instruções, ele detalhou os locais em que todos deveriam reunir-se para assistirem ao grandioso e singular espectáculo:
a descida dos deuses das alturas – seres misteriosos em sua missão de transformarem o mundo.
A multidão dispersou-se apressada para transmitir a extraordinária notícia a outros.
Os dois seguintes àquela noite memorável se passaram em febril excitação.
No dia marcado, à tardezinha, toda a população estava de pé; o nervosismo crescia a cada hora, e a ansiedade pôr aquele extraordinário acontecimento parecia tomar conta não só de pessoas, mas de toda a natureza.
A impaciência da turba selvática crescia; alguns jovens dos mais corajosos e argutos, tendo já domesticado animais alados, anteriormente descritos, montaram-lhes o lombo e alçaram às alturas para assistirem, entre os primeiros, aos deuses aguardados.
Finalmente, pelo céu derramou-se uma luz rosada, reverberando ao amarelo dourado, e naquele fundo radioso começou a desenhar-se a frota enigmática, descendo à velocidade estonteante das alturas celestes.
De cada nave, feito sóis, dardejavam correntes de luz ofuscante; aos ouvidos de todos chegavam acordes de música inaudita.
Os sons harmónicos, suaves e ao mesmo tempo indescritivelmente poderosos, faziam estremecer cada fibra daqueles humanos, desde os mais rudes; calados, atónitos e trémulos, eles deslumbravam-se por aquele extraordinário espectáculo.
A música das esferas causou ainda outro fenómeno bem inesperado; das profundezas dos pântanos e rios, das montanhas e florestas, saíram as mais variadas espécies de animais e monstros, grandes e pequenos – todos que anteriormente provocavam grande medo nas pessoas, fazendo-as fugir apavoradas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:57 pm

Não obstante, as terríficas feras não tinham intenção, aparentemente, de causar algum mal aos humanos, enfeitiçadas que estavam, ouvindo a melodia mágica que parecia envolver todos os homens e animais, acalmando-os.
Entrementes, a frota espacial aproximou-se mais da terra.
As luzes que dela rutilavam tornaram-se multicoloridas, e os vales e as montanhas viram-se inundados alternadamente de azul safira, verde esmeralda e vermelho rubi; o ar saturou-se de fluídos aromáticos, maravilhosos.
Agora já se podia vislumbrar, nitidamente, na ponta de cada aeronave uma portinhola aberta, onde se perfilavam seres humanos, altos e esbeltos, trajando vestes brancas ou envoltos em véus que mais pareciam névoas prateadas.
Seus semblantes eram de beleza celestial e, de facto, aos rudes seres primitivos eles, pareciam divinos.
Com ar sereno e pensativo examinavam os adeptos aquela terra nova – seu futuro campo de batalha – e aquela massa humana, junto da qual foi convocados para reformar, fornecer luz espiritual e calor humano, ministrar os fundamentos da magnitude do Criador, os princípios da ordem e da orientação para o caminho da perfeição.
Silente como embalada pelas ondas melodiosas, passou a frota aérea por sobre os vales e as florestas, e, alçando voo para as alturas, desapareceu atrás das montanhas.
A turba primitiva parecia estar em letargia.
Apoderou-se dela um sentimento novo, um misto de encantamento, exaltação diante daquela beleza perfeita, e o reconhecimento de sua fealdade.
Não era um sentimento eivado de inveja, pois que, para eles, eram deuses aqueles seres de beleza extraterrestre.
Assim, exaltados, num estado jamais vivido, olhavam os selvagens impressionados em direcção à cordilheira, atrás da qual deveriam estar os deuses.
Um temor supersticioso dominou-os, quando, de repente, acima dos píncaros das montanhas começaram a surgir triângulos ígneos e depois se assomou a imagem colossal de uma criatura alada, empunhando espada flamejante.
E todos compreenderam que aqueles sítios se tornaram sagrados e que nenhum dos habitantes dos vales, montanhas e florestas poderia ousar aproximar-se daquela morada dos deuses.
Numa das montanhas a margear a área onde havia descido a frota dos adeptos, havia uma enorme gruta formada em parte pela própria natureza, e, em parte, pelas mãos humanas.
Ali se reuniram cerca de vinte pessoas.
Alguns dos paredões do salão subterrâneo estavam ornados por esculturas; uma esfera luminosa, acoplada à parede divisória, lançava sobre o ambiente uma luz suavemente azulada.
Numa depressão profunda, lembrando um nicho, via-se um enorme bloco de pedra rubra esculpido em forma de triângulo, que tinha ao cesso assegurado por alguns degraus.
O bloco, encimado por uma grande cruz em ouro maciço, refulgia em clarões fosfóricos; do tecto pendiam sobre a cruz sete lâmpadas de ouro, finamente trabalhadas, e, em cada uma, cintilava chama de cor diferente, correspondendo à tonalidade do arco-íris.
As luzes multicolores reverberavam pictoricamente sobre o ouro e o grande cálice de cristal, junto à base da cruz; de ambos os lados do cálice, repousavam enormes livros encadernados em metal.
Numa gruta contígua menor, também iluminada por uma esfera fixada à parede, havia uma mesa e alguns bancos de pedra.
Algumas pessoas ardorosas de pé diante do nicho.
Após se curvarem por três vezes ao solo, elas entoaram um hino em coro, imponente e melodioso, e passa para uma pequena gruta ao lado, onde uns se sentaram à mesa, outros ficaram caminhando de um lado para o outro.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:57 pm

Todos pareciam visivelmente perturbados e envoltos em pensamentos profundos.
Eram homens belos, no desabrochar da juventude, de feições variadas, ainda que magras e aparentando serem ascetas.
Em todos cintilava, invariavelmente, uma luz interna que parecia filtrar-se da pele, iluminando parcialmente seus rostos enérgicos; seus olhares denotavam muita inteligência e vontade férrea, ainda que dessem a impressão de estarem acometidos de uma profunda tristeza.
Trajavam o mesmo tipo de vestes longas, de couro escuro, cingidas por cordão, e calçavam sandálias de palha.
Finalmente, um homem aparentemente superior quebrou o silêncio.
- Irmãos, o nosso trabalhou acabou, assim como a nossa expiação, eu espero... – anunciou ele.
É chegada a hora de nos apresentarmos diante de nossos antigos mestres e juízes, para prestarmos conta da colossal missão a nós confiada.
Parece-me oportuno juntarmos os documentos que constituem os resultados de nossa obra para levá-los aos nossos mestres.
- O sino ainda não repicou, mas concordo com você.
É bom estarmos prontos! – Anuiu um dos homens erguendo-se.
Eles foram buscar uma quantidade enorme de pergaminhos e colocaram-nos sobre a mesa.
Estavam neles registradas as evoluções astronómicas, as posições das constelações e o movimento dos planetas desde os tempos imemoráveis; outros continham a história da evolução do planeta e das raças que o habitaram; outros, finalmente, continham um relato detalhado do trabalho de cada um e os resultados obtidos.
Mal eles acabaram de arrumar e amarrar os pacotes dos valiosíssimos documentos ouviu-se claramente três repiques sonoros de sino.
Todos estremeceram, alguns coraram de nervosismo.
- Vamos fazer uma última ablução e elevar uma oração purificadora antes de nos apresentarmos aos nossos juízes – tornou a falar o primeiro.
Calados, um após o outro, aproximaram-se da fonte que jorrava um jacto fino de água nas paredes da gruta, formando um tanque; lavaram em água limpa o rosto e as mãos, e, depois, retornaram para a gruta maior, onde pronunciaram uma oração e cantaram um hino.
O imponente cântico, executado em grande júbilo e fé ardorosa, louvava as forças do bem e a bem-aventurança da purificação; enquanto durou aquele grandioso louvor, o nicho inundou-se de maravilhosa luz rosada, o cálice coriscou em feixes radiosos e encheu-se pela metade de um líquido dourado.
Jubilosos e como que transfigurados, contemplavam os presentes aquele espectáculo mágico.
Depois um deles subiu os degraus, pegou o cálice, tomou dele e passou aos outros para que também bebessem do conteúdo enigmático.
Em seguida, aquele que parecia o superior, pegou o cálice nas mãos, outro ergueu a cruz, os restantes dividiram entre si os livros e os pergaminhos e, segurando cada um na mão uma carga e na outra uma vela de cera acesa, todos se dirigiram à escada esculpida na rocha e escondida atrás de uma saliência.
Saíram numa ampla área cercada por altas montanhas; ali, entre uma vegetação luxuriante, erguia-se um enorme prédio de arquitectura ímpar.
Uma grande escadaria levava a uma galeria com colunas em forma de troncos de árvores, onde em enormes taças esculpidas de pedra ardiam ervas aromáticas.
Foi ali que eles se postaram em suas vestes simples e escuras de trabalho.
Daquela altitude, diante deles se descortinava um panorama surpreendente.
Não longe da escada, descia uma trilha ladeada por arbustos floridos, que levava para uma campina larga, na qual estavam pousando os adventícios do planeta morto,
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:57 pm

Uma após a outra ancoravam as aeronaves, e delas desciam os seus passageiros, que depois se reuniam em grupos.
Um dos grupos constituía-se de pessoas totalmente cobertas por longos véus; por entre aquele tecido prateado filtrava-se uma luz intensa, como se vinda de metal incandescido, enquanto que ao redor de suas cabeças irisavam halos aurifulgentes.
Um pouco à frente, agrupavam-se os magos em suas vestes alvas e fachos na testa, denotando o seu grau, em insígnias, fulgindo nos peitos; mais adiante – feito visões radiosas – estavam as magas; os cavaleiros do Graal, lembrando colmeia prateada; os adeptos de patente inferior e, finalmente, um grande número de terráqueos, que mereceram se transferidos para o novo planeta.
Os últimos pareciam tontos, tremiam agrupados sob a guarda dos seguranças.
Os grandes servidores da luz, encabeçados pelos hierofantes, carregando cálices encimados por cruzes, dirigiram-se ao palácio, onde eram esperados pelos pioneiros do jovem planeta.
Estes se lhes prostraram aos pés e, levantando-se, juntaram-se a eles.
Entraram no enorme salão apenas os magos superiores, as magas, os cavaleiros do Graal, ficando em semicírculo no fundo.
No centro, diante dos magos superiores, cobertos por mantos, postou-se, então, o pequeno grupo de obreiros do novo mundo.
Estes imediatamente entregaram aos adeptos a cruz, o cálice e os livros encadernados em capas metálicas.
Ouviu-se então na sala, mergulhada em silêncio, a voz estentórea de um dos homens, cujo rosto estava coberto por um mato.
_ Gloria a vocês, meus filhos!
O trabalho árduo expiou seus pecados.
Que se rompam as correntes que os prendem ao passado!
Que retornem os ex-expurgados, já purificados, ao seio dos servidores da luz e que se celebre a sua ressurreição espiritual.
Clarões coruscantes dardejaram dos magos superiores, cobrindo com película ígnea os obreiros como se os calcinando.
E quando a névoa avermelhada se dissipou, viu-se que uma incrível transfiguração se havia dado.
Em vez das antigas vestes de couro, os obreiros do novo planeta estavam trajando vestes alvas; seus semblantes de incrível beleza agora estampavam uma alegria jubilosa e em suas frontes surgiu o primeiro facho da coroa dos magos.
Os recém-chegados da Terra cercaram, abraçaram e felicitaram-nos.
Entre eles havia velhos amigos e foi grande a alegria do reencontro.
Os transfigurados, entretanto, não se esqueceram de seu papel de anfitriões e trataram de acomodar as visitas no novo planeta.
Primeiramente, eles levaram os magos superiores para um lugar especialmente preparado, enquanto os outros viajantes eram convidados para um enorme salão, onde por eles aguardava uma grande mesa com repasto trivial: leite, mel, frutas e pão.
Ebramar também achou entre os expurgados um velho companheiro e o fez sentar-se junto de si à mesa.
- Estou realmente feliz que as suas provações tenham fim, Udea!
Ficamos muito gratos a você e a seus amigos por este maravilhoso palácio que nos prepararam como abrigo, e tão confortável – confessou Ebramar.
Udea, um jovem belo de feições sérias e grandes olhos negros e pensativos, suspirou.
- Tivemos bastante tempo para construí-lo.
E, mesmo assim, ele não é suficiente para acomodar todos, ainda que tenhamos adaptado muitas grutas, onde poderão ser instalados os magos inferiores.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:57 pm

Quanto ao conforto, este é o mínimo aceitável, do mesmo modo que o repasto.
Não temos recursos alimentícios e só pudemos oferecer-lhes do que dispúnhamos.
Cada bloco de pedra deste prédio foi para nós uma luz de esperança de que vocês viessem para cá e nós voltássemos ao convívio de nossos semelhantes; de que vocês nos trouxessem as relíquias do passado, lembranças vivas da Terra morta, outrora nosso berço.
Oh!, Ebramar!
Que terrível pesadelo tem sido esta vida desde o momento em que me vi neste planeta selvagem, povoado por seres inferiores incapazes de me entender.
Decerto, eu tinha amigos de infortúnio, mas o ambiente era insuportável.
E a consciência de que éramos nós mesmos os culpados por esta nossa dura sina...
Arrependimento e remorsos nos oprimiam a alma!
Pois, positivamente, ficamos privados de tudo; tínhamos tão somente os nossos conhecimentos, nosso único divertimento era o enorme trabalho que tínhamos pela frente.
Foi duro. Às vezes, eu achava que não ia aguentar, de tão difícil que era.
E, infelizmente eu era imortal...!
Sofrimentos vividos traduziam-se na voz de Udea; Ebramar apertou-lhe fortemente a mão.
- Espante as más lembranças, tanto mais que estas são inoportunas!
A grandiosidade do dever cumprido e o brilho da merecida recompensa farão com que você se esqueça das amarguras do passado.
O facho dourado em sua fronte, símbolo da imortal coroa de magos reconquistada, apagou todos os seus equívocos e sofrimentos.
Este lhe iluminará o futuro límpido e depois...
Caminharemos juntos.
Os olhos de Udea brilharam de amor e reconhecimento profundo.
- Você está certo, Ebramar!
Espero trilhar, sem mais sustos, o caminho da perfeição, sob a sua tutela e liderança.
Quero lhe agradecer, meu amigo, por tudo que fez por mim.
Você nunca me abandonou e, em momentos mais difíceis, vinha da Terra longínqua o emanar tépido de seu amor para consolar-me, apoiar e diminuir os sofrimentos do expurgado!
Ebramar sorriu e balançou a cabeça.
- Você não pode enaltecer o que foi para mim um prazer.
E agora, repito, expulse essas lembranças!
Teremos tempo de sobra para conversar.
Bem, o repasto acabou, venha, eu quero que conheça alguns amigos meus!
Eles aproximaram de um pequeno grupo que conversava junto da janela e Ebramar apresentou-lhe Nata e outros discípulos seus.
- Eis aqui dois valorosos obreiros da ciência:
Supramati e Dakhir.
Tive muita satisfação em orientá-los no caminho do desenvolvimento.
E este é Narayana, meu “filho pródigo”, que por fim retornou ao lar paterno.
É verdade, ele me causou enormes aborrecimentos, mas também me trouxe muitas alegrias.
Eu lhe apresento o mais alegre e humano dos magos, e tenho certeza de que nós ainda o veremos conquistando e fundando algum grande reino, com um nome lendário que permanecerá na memória popular infinitamente.
Todos desataram a rir e, após conversarem jovialmente, cada um foi cuidar de sua acomodação.
Para se ter uma ideia das circunstâncias que motivaram os factos anteriormente narrados, e explicar a presença no novo planeta dos membros da irmandade dos imortais, faz-se necessário certa explanação.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:58 pm

Apesar da disciplina rígida e trabalho árduo exigido dos membros da irmandade secreta, os adeptos continuam sendo homens comuns e, nenhum deles, apesar dos conhecimentos adquiridos, consegue dominar por completo as fraquezas que se espreitam no recôndito de suas almas.
Tais seres ficam sujeitos, por vezes, às paixões desenfreadas, em consequência das quais cometem actos indignos a um adepto que a sua expulsão da comunidade se torna inevitável.
Não obstante, a simples exclusão deles apresenta um perigo, pois possuem grandes poderes, cujo abuso pode trazer muitos males; além disso, por terem sido iniciados em grandes mistérios da ciência, eles podem influir no próprio curso dos acontecimentos, ao difundirem prematuramente seus conhecimentos entre uma turba bastante desenvolvida intelectualmente para aplicá-los, entretanto ainda muito ignorantes para abster-se de não usá-los para o mal.
Mas, como proceder para ficar livre destes sujeitos perigosos?
Tirar a vida daqueles que estão saturados com a matéria primeva não é uma tarefa fácil.
Por isso, aos transgressores oferecem-se duas opções: ou a morte voluntária, muito dolorosa, por meio da decomposição do corpo vivo, ou a ida, na qualidade de iluminador e, para outro planeta, local da futura permanência dos legisladores, onde o nível de progresso é bem incipiente.
Ali eles podem trabalhar com um prazo marcado pelos mestres, ou até que estes se dirijam para lá.
A expiação é dura, mas ela purifica o desterrado, repara seus antigos erros e, simultaneamente, serve-lhe de ascensão.
Os sentenciados que optam pela expiação através de trabalhos duros são deixados pelo Conselho Superior em estado letárgico, e os iluminados, então, levam-nos para um planeta distante:
campo do futuro trabalho dos grandes hierofantes dos mundos extintos.
Os expurgados equipam-se com o mais indispensável:
instrumentos mágicos, aprovisionamento para quaisquer eventualidades e uma biblioteca especialmente composta não só de obras científicas, mas também das que possam contribuir para um relaxamento mental.
A pedido dos amigos, os desterrados podem levar adicionalmente alguns objectos de luxo e, por fim, tudo o que for indispensável para a realização dos ofícios religiosos, a fim de atrair fluídos puros, necessários para a obtenção do equilíbrio das correntes atmosféricas e para o controle das forças caóticas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:58 pm

CAPÍTULO II

A partir daquele mesmo dia, no novo planeta iniciou-se uma actividade febril.
Enquanto alguns discípulos dos grandes magos se esforçavam para concluir a instalação dos laboratório de seus mestres, ajustar a aparelhagem de pesquisa, entre outras tarefas, outros supervisionavam o desempacotamento e a arrumação dos valiosíssimos manuscritos, contendo a história e as obras científicas do planeta extinto.
Todos aqueles tesouros do passado eram guardados em salas subterrâneas, especialmente preparadas pelos adeptos expurgados.
Os terráqueos estavam soturnos.
Segregados de seus lares, costumes e bens terrenos, pareciam uma manada tonta, apertando-se assustados uns aos outros; o aspecto inspirava pena.
Seus protectores perceberam a tempo a baixa moral dos espíritos fracos, e logo tomaram providências enérgicas para tirá-los do torpor e do desespero.
Cientes de que o melhor remédio, os magos dividiram-nos inicialmente em grupos e mandaram que cada um cuidasse de sua própria instalação, em grutas especialmente preparadas, ou que ajudassem os adeptos em tarefas menos complexas.
Os terráqueos mais activos e desenvolvidos intelectualmente logo se adaptaram e chegaram à conclusão de que a situação não estava tão ruim como parecia no começo.
O lugar era um verdadeiro paraíso terrestre pela impressionante beleza, riqueza indescritível da fauna exuberante, e clima agradável.
Assim, os terráqueos mais enérgicos conseguiram com sua animação influenciar os outros, menos activos e menos desenvolvidos mentalmente; logo, todo aquele pequeno exército iniciou febrilmente a construção de residências temporárias e a ordenação do enorme inventário, trazido pela frota espacial.
Nem bem passaram três semanas e os primeiros trabalhos já estavam concluídos.
Os laboratórios dos magos funcionavam em perfeita ordem; seus discípulos labutavam passando ordens dos mestres aos magos de nível imediatamente inferior.
Marcou-se, então, uma reunião para discutir e analisar algumas medidas especiais e secretas, que iriam definir o destino e a formação de futuras raças.
- Irmãos! O nosso compromisso maior é com as pessoas que trouxemos, as quais formarão o núcleo de novas raças e civilizações – declarou um dos hierofantes que presidia a reunião.
Por enquanto, elas apenas estão armadas de fé, pela qual foram salvas, mas isso é pouco em função do trabalho a ser feito.
Não será tarefa fácil estabelecer um relacionamento com os povos selvagens, iluminá-los para incutir-lhes as primeiras noções de artes e ofícios, desenvolver a mente vulgar e fixar novos princípios de freios de seus costumes cruéis e selvagens.
Mesmos os terráqueos, em face dos sofrimentos pelos quais passou a sua civilização, qua alcançou o apogeu, mas consignou ao túmulo as rígidas, porém justas leis de seus antepassados -, têm muito que aprender sobre a justiça e a bondade autênticas.
Para formarmos instrutores das raças embrionárias, a partir de seus próprios representantes, precisamos de escolas e de tempo.
Este último não nos falta.
Começaremos com a construção da cidade que irá abrigar as escolas de iniciação e, para a construção da cidade divina.
Foram distribuídas, com base nas habilidades de cada um, as suas respectivas tarefas, e a reunião foi encerrada.
O restrito grupo de nossos amigos, convergiu para o terraço.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:58 pm

Narayana convidou todos, inclusive Udea, para se dirigirem ao terraço, anexo à sala ocupada por ele; com Udea ele encontrou uma amizade sincera.
Durante toda a viagem ao novo planeta, Narayana tinha permanecido taciturno, fora-lhe por demais doloroso deixar a Terra; mas, naquele dia, voltou ao alegre mago o seu habitual bom humor.
Uma mesa repleta de pratos magnificamente preparados, a partir de frutas e legumes, esperava pelas visitas no terraço.
Estas não se fizeram de rogadas e renderam a devida honra ao repasto.
Ebramar perguntou sorrindo se não era o próprio Narayana responsável por aqueles manjares, obras de um grande chef de cuisine.
- Deus me livre sujar as mãos com isso! – Brincou Narayana, cheio de satisfação.
Eu trouxe um cozinheiro e um serviçal comigo e...
Como, podem ver, o resultado até que não é dos piores.
Diante da surpresa de Supramati e de outras visitas – excepto de Ebramar, que ria por trás da barba – este acrescentou com bonomia que Narayana não perdera suas aptidões administrativas.
Narayana, então, ajuntou em tom jovial:
- Ouçam, amigos, como isso aconteceu!
No último dia, quando a nossa velhota Terra gemia até não poder mais, eu estava prestes a embarcar na minha aeronave para ir ao local de encontro combinado.
Confesso que o meu humor estava tão negro quanto o ambiente em volta.
De repente, dois homens ensandecidos de pavor, jogaram-se aos meus pés, agarraram-me as vestes e imploraram que eu os safasse, jurando-me gratidão eterna.
Eu já ia dar um safanão naqueles chatos, quando, surpreso, reconheci neles os servos do ricaço Salomão, por mim apelidado de “novo Lucullus”.
Um deles, eu até conhecia:
era um cozinheiro sem par.
Logo atinei que, para onde íamos, um empregado assim seria indispensável.
Só de imaginar que teria de comer algum ragu de raízes, talvez preparado por um maçado ou um monstro qualquer, eu ficava arrepiado; a ideia de cozinhar, eu mesmo, não me animava.
Da mesma forma, ter por serviçal um sujeito com um ou três olhos...
Um serviçal assim ou viu coisas demais ou de menos...
O que também não me agradava.
Assim, aparecimento deles veio a calhar; quanto à carga...
Os coitados não pesavam muito.
- Vocês acreditam em Deus? – Inquiri em tom bravo.
- Como não crer em castigo de Deus diante dos terríveis efeitos de sua ira? – Espantaram-se eles, em pranto.
- E em Jesus Cristo, nosso Senhor, vocês acreditam? – Continuei indagando.
Eles se persignaram e, continuando a se agarrar feito carrapatos, juraram pela cruz que a única esperança deles era a misericórdia do Salvador.
Então tirei rapidamente do bolso o frasco com a essência primeva e fiz com que ambos tomassem um gole, acomodando-os previamente na aeronave.
- Como eles são rapazes espertos, logo se familiarizaram com o que existe por aqui e o cozinheiro me apresentou uma relação de produtos comestíveis, alguns dos quais vocês acabam de provar.
Quanto ao serviçal, ele é muito solícito e extremamente religioso.
Estou muito feliz, amigos, em poder oferecer-lhes algo comestível.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:58 pm

E agora, caro Udea, expresso aqui meus agradecimentos a você e seus amigos por terem arranjado um belo abrigo para os desafortunados navegadores espaciais.
Num ímpeto, ele estampou alguns beijos em Udea, sentado a seu lado, para o gáudio dos presentes e de seu novo amigo, que há muito tempo não ria tanto.
Até os outros magos, compenetrados e sérios em virtude dos acontecimentos vividos, se descontraiam e riram a valer.
Ao se levantarem da mesa, Ebramar colocou a mão no ombro de Narayana e disse-lhe afectuosamente:
- Meu “filho pródigo”, você é realmente o mais “terrestre” dos magos!
Apesar do tempo e da existência dos anos vividos, apesar do seu grau de conhecimento e perfeição, você conservou a juvenil alegria de viver.
Conserve esta dádiva celeste e passe-a a todos que o cercam, pois que a alegria serve de apoio no trabalho e torna menos árdua qualquer tarefa.
Os olhos negros de Narayana brilharam de satisfação e agradecimento.
- Obrigado, meu querido mestre, tentarei ser sempre assim, mesmo depois de ganhar meu sétimo facho, o que não será logo.
Agora tenho pela frente uma agradável tarefa, que me ocupará por muito tempo:
a construção do palácio.
Faço votos de que este seja um dos mais bonitos da cidade.
- Não me parece difícil o seu desejo de erguer um castelo encantado – observou Udea.
Todos os metais aqui no planeta ainda se encontram em estado semi-líquido ou, na pior das hipóteses, bem maleáveis.
Temos por perto cristais de tonalidades incríveis, que podem de um modo geral, satisfazer todos os gostos e exigências, e o seu faro decerto lhe será útil.
- Obrigado Udea.
Mais tarde você me mostrará a fonte desses recursos.
E você, Ebramar, quando é que iniciará a construção de sua casa?
Um empreendimento inadiável e tão prazeroso!
- Não nego que a construção do próprio lar é uma experiência muito gratificante, no entanto acredito que outras obras são mais urgentes – objectou o mago balançando a cabeça.
Não se esqueça de que estamos aqui não para diversão, mas para cumprirmos uma grandiosa missão:
benfeitorizar o planeta.
Dos que trouxemos connosco, formaremos reis, sacerdotes, colaboradores de futuros governos, artistas, trabalhadores comuns e especializados.
Não será fácil formar essa força de trabalho, de modo que cada um cumpra escrupulosamente, o seu papel de iluminador das tribos bárbaras e selvagens à nossa volta.
Assim, considero como prioridade maior a construção de escolas e templos de iniciação, e, só depois, dar início à constituição de nações.
Narayana coçou atrás da orelha.
- Você é a própria personificação do despreendimento, Ebramar!
Por um acaso não ficou hoje decidido que iríamos primeiro iniciar a construção da cidade?
Onde é que então vamos morar?
- Acalme-se, alma impaciente!
Você sempre se esquece de que a pressa é a inimiga da perfeição.
Tudo será feito a seu tempo, pois temos condições de simplificar os trabalhos ao mínimo.
Ou será que você se esqueceu de que dispomos de poderes e ferramentas que cortam granito, como cera, transforma em cinzas qualquer obstáculo, içam pesos equivalentes aos das pirâmides, com um fardo de palha?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:58 pm

Com estes poderes transportaremos blocos, e com eles ergueremos as paredes dos palácios e escolas, talharemos os templos subterrâneos nas montanhas, ornando-os com majestosas esculturas, escavaremos grutas e galerias.
E, nos longínquos séculos vindouros, homens-pigmeus vislumbrarão desconcertadas estas cidades subterrâneas e obras ciclópicas, perguntando-se intrigados “que mãos humanas, que gerações de gigantes puderam, em tempos imemoráveis, cavar, esculpir, recortar dos maciços rochosos tais maravilhas artísticas de proporções extra-humanas”?
A nossa pobrezinha Terra rota também possuía monumentos arquitectónicos semelhantes; mas os homens da ciência, em sua ignorância absurda, não sabiam a que época relacioná-los.
Sim, os monumentos foram erguidos por gigantes, mas gigantes do conhecimento nos primórdios da civilização!
- Claro mestre, como sempre você está certo! – Ajuntou Narayana.
Assim, o mais majestoso, o mais belo e o mais luxuosos dos reinos por nós fundados, será os eu, Ebramar.
Ebramar sorriu e olhou afectuosamente para Narayana.
- Agradeço-lhe pela sua exaltação impetuosa, ainda que não tenha a mínima vontade de reinar; servirei à nossa causa comum na qualidade de sacerdote, mestre e iluminador, no grande templo da nossa futura cidade: a “Cidade dos Deuses”, como está será lembrada na memória popular, lá, onde, desceram os visitantes celestes e que deram origem às gerações divinas que governaram os povos do “século de ouro”.
Lá, como rezarão as crenças populares, vagamente guardadas na memória, era o palácio terrestre, onde florescia a árvore do conhecimento do bem e do mal.
Nos dias que se seguiram, o trabalho continuou sem cessar.
Uma parte dos adeptos ocupou-se em dividir os terráqueos em equipas de trabalhadores, segundo as suas habilidades e conhecimentos, para a construção da cidade dos magos.
Ao mesmo tempo, os adeptos de grau superior montaram o projecto da cidade alta e o da subterrânea, onde ficariam os templos dos “sacramentos” misteriosos onde seriam guardados os documentos e os tesouros antigos, junto com os monumentos da Terra morta.
As magas, por sua vez, também distribuíram as mulheres em brigadas e lhes estabeleceram tarefas para a futura implantação de colónias e escolas.
Todas as obras eram restritas à região montanhosa, onde desceram os refugiados do planeta extinto; entre os habitantes das florestas e vales, a agitação prosseguia.
A notícia da vinda dos deuses continuava a correr solta e os que não participaram daquele extraordinário acontecimento se informavam, sôfregos, junto às testemunhas afortunadas.
Todos relancearam olhares curiosos em direcção às montanhas, atrás das quais desaparecera a frota aérea; ninguém, entretanto, ousou aproximar-se do local, por medo supersticioso.
Por vezes, os curiosos conseguiam vislumbrar sobre os picos certos sinais estranhos em meio a feixes ígneos, ou, de tempos em tempos, por ali aparecia um cavaleiro insólito montando um dragão alado, que logo sumia ao longe. Então, segredava-se:
“Olhe, um dos deuses saiu para dar o seu passeio diário”!
Um novo sentido de vida descortinava-se aos povos selvagens e apáticos; suas mentes pesadas e obtusas mão estavam em condições de compreender o motivo da chegada dos adventícios.
Quem era eles e de onde vieram?
Sem obterem uma resposta para as suas indagações, alguns dos mais vivazes iam procurar os homens de três olhos.
Este pouco tinha a acrescentar e limitava-se a repetir que os deuses chegaram para trazer novos conhecimentos e prodigalizar benefícios aos povos que habitavam as florestas e os vales.
Os homens de três olhos eram representantes do género quase extinto dos gigantes primitivos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:59 pm

Durante a lenta evolução da raça humana, o seu aspecto físico modificou-se: a gigantesca estatura diminuiu, o terceiro olho começou a enfraquecer e, por fim, desapareceu por completo, deixando como único vestígio de sua existência a glândula pineal, a qual até a ciência formal admite ser o resquício do olho desaparecido.
Entretanto, a natureza apaga tudo o que tenha sido gerado de forma lenta e gradual.
Indivíduos isolados da espécie dos gigantes de três olhos ainda existiam entre os povos em regeneração; no entanto, a própria raridade deles cercou-os de auréola mística, sendo eles considerados como seres superiores.
Entrementes, um acontecimento inesperado jamais antes vivido, abalou a população, afastando para segundo plano os demais interesses.
Numa das tribos que habitavam as árvores ocas, uma criança teve uma enfermidade na garganta, vindo a falecer, no dia seguinte, em dores horríveis; a mãe e alguns membros da família morreram em seguida da mesma doença, e o contágio espalhou-se com rapidez incrível, apanhando tribos e tribos, e fazendo numerosas vítimas.
Um pânico ensandecido apoderou-se daqueles seres simples e primitivos, que desconheciam qualquer método de acabar com a epidemia, cuja própria ignorância propiciava o aumento do contágio.
Em desespero, nada lhes restava, senão irem pedir auxílio e conselhos aos gigantes de três olhos, ou como eles os denominavam – “homens das cavernas”.
Um deles teve a seguinte ideia:
- Façamos como daquela vez, quando nos anunciaram a vinda dos deuses.
Lembram que os gigantes nos ajudaram?
Vamos chamá-los para que eles espantem a morte que os ronda.
À noite, uma enorme multidão reuniu-se junto da pedra cúbica, com cone basáltico no cimo.
Como da primeira vez, eles acenderam galhos resinosos, dançaram e puseram-se de joelhos; mas, como aquela visão de então não reaparecera, Ipaksa (o homem de três olhos) ordenou que todos gritassem, o mais alto que podiam, para que os deuses ouvissem os seus clamores.
Urros e gritos inumanos fizeram-se ouvir por todo o vale, feito um furacão esbracejante; subitamente – ó felicidade!
Sobre as montanhas, envoltas em escuridão nocturna, fulgiu um clarão, como que de relâmpago.
Significava que os deuses os ouviram!
Receios e esperanças agitavam a multidão dispersada; mas, mal o sol apontara no horizonte, sobre as casas do povoado – se é que assim podiam ser chamados aqueles buracos nas árvores – começou a descer um dragão alado, montado por uma mulher em vestes brancas.
Um véu prateado envolvia-a feito névoa; duas chamas aurifulgentes adornavam-lhe o diadema de ouro, a cingir-lhe os cabelos bastos.
Trazia na mão uma caixeta de forma estranha e adornos maravilhosos.
Uma aura azulada rodeava-lhe a cabeça, e das mãos e vestes irisava-se uma luz fosfórica.
Feito uma visão radiosa, foi ela visitando as moradias atingidas pela doença; as pessoas atemorizadas escondiam-se ou até fugiam dela; mas, vendo como a donzela clarifica se curvava meiga e humilde sobre os enfermos, tirava da caixeta frascos coloridos e brilhantes, untando em alguns a garganta e, em outros, o peito, enquanto aos moribundos gotejava um líquido na boca ou impunha as mãos sobre a cabeça, todos se acalmaram.
Assim, com sofreado interesse ela visitou todas as moradias e, em todas elas, os resultados da medicação eram miraculosos:
a rouquidão sumia, a respiração tornava-se desimpedida e as forças restabeleciam-se. Quando ela saiu da última casa e o dragão alado levou embora a benfeitora desconhecida, os aborígenes prostraram de joelhos na terra e, então, talvez pela primeira vez em suas almas primitivas agitou-se um sentimento de adoração.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:59 pm

A partir daquele dia, a epidemia começou a ceder rápida e, algum tempo depois, simplesmente deixou de existir; algumas chuvas torrenciais limparam o ar.
Aos poucos vieram notícia que a deusa benfeitora esteve em todas as regiões atingidas pelo contágio, e que ninguém, a quem ela tocara, morreu da doença.
Nos povoados, correram boatos dos mais estranhos.
Os curados pela deusa afirmavam serem suas mãozinhas como as de um bebé, parecidas com as pétalas de flores perfumadas; e que, por entre os seus dedos, derramava-se um calor vivifico; ainda, que ela andava sem tocar os pés no chão e que em seus frascos havia fogo.
Entre os terráqueos rapidamente adaptados ao novo planeta e que se esforçavam para serem úteis à comunidade, encontrava-se um jovem cientista, o astrónomo Andrei Kalitin, convertido por Dakhir em sua estada na Rússia e levado para o planeta novo.
Acostumado a trabalhos mentais sérios, ele soube reconhecer a incrível sorte que o salvaguardara da terrível catástrofe que aniquilou o mundo terrestre, por isso a sua gratidão ao seu salvador não tinha limites.
Assim como os outros, ele havia despertado ao chegar ao local do destino e, no início, o facto de estar num mundo estranho deixava-o oprimido; mas, passadas as primeiras impressões, ele manifestou a Dakhir, com lágrimas nos olhos, sua gratidão, implorando que este permanecesse seu protector e mestre e o aceitasse na qualidade de discípulo.
- Agora compreendo quão ignorante fui, mas varri da minha mente tudo o que havia concebido antes.
Anseio trabalhar sob sua orientação, e serei um aluno obediente e aplicado, acrescentou ele.
- Assim está decidido, meu jovem amigo! – Disse Dakhir sorrindo afectuosamente e apertando-lhe a mão.
A partir de hoje você é meu discípulo.
Não considero, entretanto, os seus conhecimentos anteriores como inúteis; apenas faremos uma reavaliação para separar o falso e o mal compreendido.
Neste mesmo dia Dakhir instalou o seu novo discípulo perto de sua casa e, mesmo assoberbado de trabalho, pois era o responsável pela análise e classificação dos documentos reunidos pelos ex-expurgados, sempre encontrou uma horinha para estudar com ele.
Dakhir apontava os equívocos de Kalitin ou dava uma interpretação mais correta das questões científicas.
Às vezes, ele o levava em suas viagens de trabalho, proporcionando-lhe uma oportunidade para conhecer melhor o seu novo lar.
A construção do primeiro templo fora confiada a Narayana; Supramati, em cuja alma despertou a paixão do antigo escultor, aceitou prontamente a tarefa de guarnecê-lo de ornamentos.
Em vista do desejo dos magos superiores de se concluir o mais rápido possível aquele primeiro santuário, os trabalhos contavam com o auxílio de um poder misterioso, que só os magos de nível superior sabiam controlar.
Certa vez, tendo um assunto para tratar com Supramati, Dakhir convidou Kalitin para acompanhá-lo à cidade em construção.
O caminho para o santuário cruzava as galerias engenhosamente ocultas atrás de adereços artísticos; uma luz suave e azulada iluminava as passagens ao enorme salão, de altura estonteante, onde trabalhavam os dois magos.
Vestido numa blusa de linho, Narayana trabalhava no fundo do recinto; Supramati – próximo da entrada.
Entretidos, eles não notaram a chegada de Dakhir com seu discípulo, que param em silêncio.
Dakhir que não queria atrapalhar os amigos, esperando que eles lhe notassem a presença, se pôs a examinar o ambiente, onde já estivera por inúmeras vezes.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Maio 14, 2016 7:59 pm

Katilin ficou observando boquiabertos os magos, sem entender o que estavam fazendo.
Na mão estendida para cima Supramati empunhava um bastão metálico, brilhante feito aço polido, que ele movimentava ora para baixo ora para cima, ora esticando-o ora encurtando-o; da ponta do bastão vertiam-se fagulhas que se projectavam para o alto e desapareciam no ar; cada movimento do bastão era acompanhado por uma leve vibração sonora de modulações incríveis.
Outro fenómeno intrigava ainda mais Kalitin; sem que houvesse o menor contacto com o paredão rochoso, dele ia-se recortando uma figura humana de dimensões colossais.
Parecia que o artista apenas retocava sua obra a distância, ora acentuando a profundidade ou a expressão do rosto, ora dando um acabamento nos detalhes do traje ou dos cabelos.
O trabalho de Narayana parecia ainda mais surpreendente.
Nada se via em suas mãos; somente, de tempos em tempos, por entre seus dedos cintilava uma luz metálica, derramando-se em correntes faiscantes.
Ao mesmo tempo, por uma força invisível, do paredão no fundo da gruta desprendiam-se enormes blocos de granito e, ao invés de caírem no chão, derretiam-se no ar sem deixar vestígios.
Kalitin ficou abismado de ver aquilo e soltou um grito surdo.
Os dois adeptos interromperam o trabalho.
- Desculpem se o meu discípulo os atrapalhou; é que ele está inteiramente estupefacto – explicou Dakhir, abraçando os amigos.
- Sim, realmente para alguém que não seja iniciado, o nosso trabalho é capaz de causar tal exclamação de assombro – observou Narayana rindo.
Ao notar o ávido interesse com que Kalitin olhava para sua mão.
Narayana estendeu- a ele e mostrou sobre a palma um estranho objecto.
Era um anel com ponteiros cintilante, porém, Kalitin não conseguia definir em meio a sua agitação.
Os pensamentos rodopiavam em turbilhões e ele parecia nada ouvir em volta; suma sonora risada de Narayana e um leve toque da mão de Dakhir fizeram-no retornar à realidade.
Sem jeito, ele desculpou-se, sem conseguir, entretanto, eximir-se de um pedido:
que lhe explicassem o funcionamento do aparelho.
- À noite, na hora de nossa palestra, eu lhe explicarei tudo o que você está vendo aqui; por enquanto tenha paciência, pois esta é a principal virtude dos que buscam o conhecimento – disse Dakhir, despedindo-se dos amigos e saindo da gruta.
Jamais Kalitin ficara aguardando a chegada de uma noite com tanta ansiedade.
Ele era bastante estudioso para entender que os adeptos se utilizam das poderosas forças da natureza, mas, o que eram aquelas forças?
Ele não conseguia discernir, tentando inutilmente compará-las a uma que conhecesse.
Entrando no gabinete de Dakhir, ele observou satisfeito que em cima da mesa do mago estavam dois instrumentos idênticos aos de Narayana e Supramati.
Dakhir iniciou a palestra explicando a composição da atmosfera e completou:
- A força estranha que o deixou tão curioso não é nada mais do que a força vibratória do éter; seu manejo encerra o sentido arcano de todas as forças físicas.
Conforme já lhe disse, o som é a mais terrífica das forças ocultas.
Som agrega e desagrega; o som, tal qual o aroma, na realidade é que uma substância incrivelmente ténue, tirado dos corpos com o auxilio de um empuxo ou batida.
Os sons, produzidos num determinado volume e combinação, de forma que possam gerar certos acordes etéreos, penetram em tudo que podem.
O mesmo princípio explica o poder da música, que tanto pode irritar como levar a um estado de êxtase, ou acalmar, isto é:
ela age sobre o estado espiritual, podendo fornecer a devida força às fórmulas mágicas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Maio 15, 2016 7:49 pm

As fórmulas, assim como a melodia, constituem-se de vibrações especiais, de acordo com os objectivos pretendidos.
Para que você tenha uma pequena ideia da tenuidade da corrente etérea, basta lhe dizer que a sua densidade, comparada com a da atmosfera, é tal qual a do hidrogénio em comparação com a da platina, ou a de um gás e o mais pesados dos metais.
Todos os corpos, animais, plantas, vegetais e minerais foram formados basicamente desse éter diluído; significa que toda a diversidade das espécies, nas quais se manifestam as forças da matéria, possuem uma origem comum e se encontram em dependência mútua, podendo transformar-se de uma em outra.
Aqueles que se utilizam da vibração etérea conseguem manipular qualquer matéria.
- Permita-me mestre, fazer mais uma pergunta – disse Kalitin, meio indeciso.
Pelo que entendi, a força vibratória, empregada por nossos amigos, possui a capacidade de decompor e agregar os átomos da matéria; no entanto, eu presenciei algo ainda mais fenomenal.
Parecia que não era uma corrente de alguma força, mas a mão de um artista esculpindo.
- No entanto, isso é muito simples, como uma acção de qualquer outra força natural.
O minério, assim como as demais matérias, é constituído de partículas isoladas que se encontram em contínuo movimento, as quais se submetem às forças actuantes.
O calor, pro exemplo, exerce um efeito dos mais rápidos e visíveis, mas a corrente de éter, controlada pela vontade consciente.
É ainda mais poderosa e subtil.
O movimento interno da massa rochosa ou metálica permite que ela se submeta à força mental do hábil artífice, a manipulá-la.
Quando esta manipulação é aliada à poderosa força da corrente etérea, a matéria submete-se à sua vontade, como que a uma simples força material visível.
Resumindo: a matéria é animada temporariamente pelo espírito que nela penetra, a subjugando à sua vontade.
- Agradeço-lhe a explicação.
Ainda não consigo entender o mecanismo pelo qual os blocos são destacados do paredão.
Acabei de ver um bloco imenso separar-se da rocha e desaparecer imediatamente, sem deixar vestígios.
- A força da corrente etérea, ao recortar da rocha um bloco necessário ao artífice.
Decompõe-lhe os átomos, dissolvendo as moléculas.
- Mas, então, por Deus, em que eles são transformados por essa força miraculosa?
- Em éter, um protoplasma comum a todos – respondeu Dakhir sorrindo. – devo dizer que a aplicação da força vibratória do éter são infinitamente variadas.
Ela tanto pode fulminar como um raio, como curar diversos tipos de moléstias, beneficiar um organismo físico, restabelecendo-lhe as forças exauridas, ou ainda, com a mesma facilidade, devolver a vida a uma pessoa morta, deque o seu corpo astral ainda não se tenha separado definitivamente, pois a vibração acústica combina elementos numa espécie de ozónio, impossível de ser produzido por química comum, que possui, entretanto, propriedades vivificadoras extraordinárias.
Agora eu lhe mostrarei alguns instrumentos com os quais temos trabalhado.
É óbvio que possuímos muitos outros, mas deles falaremos mais tarde.
Pegue o bastão!
Não tenha medo, ele não está activado!
Kalitin o pegou com reverência supersticiosa o bastão metálico e examinou-o.
Parecia oco por dentro, possuía um cabo com muitas travas, botões de controlo e molas, e estava provido de um mecanismo de movimento telescópico.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Maio 15, 2016 7:49 pm

Dakhir explicou que, manuseando os botões, era possível ajustar a potência ou a direcção da força, e, dependendo de como era usado, o instrumento servia de extractor.
Em seguida, Kalitin passou a examinar outro aparelho.
Como já se mencionou antes, este era uma espécie de aro oco.
Acoplado a um gancho; em seu interior havia dezoito ressonadores.
Em cima do aro, localizavam-se, em tamanho decrescente, diversas agulhetas ou hastes vibratórias, dispostas em círculos sobre três ressonadores externos, ligados entre si por filamentos metálicos.
No centro havia outro aro oco, uma espécie de tambor, com duas fileiras de tubinhos circulares, nem visíveis a olho nu, e dispostos como tubulação num órgão.
Bem no centro do segundo aro havia um disco giratório, e, na parte inferior do aparelho, estava afixada uma pequena esfera, oca por dentro, de onde saíam os condutores de força.
- Quando o aparelho está activado, o disco gira a uma velocidade espantosa; a potência deste motor é praticamente ilimitada.
Agora vou activá-lo e, para tanto, basta apertar com a unha este botão.
Assim! – Fez Dakhir.
Agora vou mostrar-lhe como ele funciona.
Está vendo ali aquele pequeno animal morto, na cadeira junto da porta?
Traga-o para mais perto, nós vamos decompô-lo em elementos ínfimos e invisíveis.
Kalitin tornou a examinar, à distância, o animal por ele colocado no meio da sala.
Subitamente, um feixe ígneo faiscou de dentro do aparelho e atingiu o bichinho, que foi literalmente projectado para cima, sumindo sem deixar qualquer vestígio, como se não tivesse existido.
Dakhir colocou três filamentos sobre a lâmina do microscópio e, quando Katilin observou curioso o objecto aumentado em milhares de vezes, o mago acrescentou:
- Você se lembra daquele aparelho com o auxílio do qual se podia enxergar o estado de decomposição da nossa desditosa Terra moribunda?
Pois é, ele também estava carregado com a força vibratória etérea.
Quisesse eu enrolar com o filamento energizado qualquer coisa, ainda que pesando toneladas, esta poderia ser suspensa no ar sem qualquer dificuldade, e ser transportada, por exemplo, para outra ponta do jardim. Mais ainda...
As naves espaciais que nos trouxeram para cá também eram equipadas com estes aparelhos.
Devidamente polarizadas, elas podem carregar pesos enormes, alcançar grandes altitudes e velocidades incríveis, em qualquer direcção.
- Meu Deus! Quanta coisa interessante!
Tenho a impressão de que vocês jamais me revelarão a forma de controlar esta força – queixou-se Kalitin.
- Tem razão, filho!
Não basta muito trabalho e estudo, você terá de disciplinar ainda a sua alma e dar provas de total controlo sobre si.
- Oh! Sobreviverei a tanto tempo? – Suspirou Kalitin.
Um sorriso maroto estampou-se no rosto de Dakhir.
- Quanto a isso, não se preocupe, você terá tempo de sobra!
Quero fazer-lhe uma confissão.
Em nosso primeiro encontro, eu lhe dei um líquido para tomar.
Você o tomou achando que era veneno e aguardou a morte, mas depois sobreviveu.
Aquilo era a essência primeva, o elixir da longa vida, e quem a tomasse na nossa malfadada Terra teriam uma longa vida planetária.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Maio 15, 2016 7:49 pm

Aqui, em nosso novo lar, tornamo-nos, assim como os que trouxemos connosco, novamente mortais.
Ainda que com as condições de sobrevivermos todos por mais alguns milénios.
A razão disso é simples:
devido à árdua missão que temos pela frente, uma existência curta não teria sentido.
Os adeptos que estamos educando serão os nossos sucessores e futuros guardiães de nossos mistérios.
Desta forma, como vê, você dispõe de muito tempo; nada, nenhum inimigo de mortais comuns, que seja a velhice ou o fraquejar das forças, poderá impedir a realização deste grandioso e bem-aventurado destino.
Lívido feito cadáver e tremendo como vara verde, ouvia-o Kalitin.
Sua mente recusava-se a compreender aquela nova e espantosa revelação; só depois de uma longa conversa com o seu protector, voltou a Kalitin a relativa serenidade.
Sua melancolia, porém, perdurou ainda por alguns dias.
Uma existência tão longa pela frente o assustava; aos poucos, no entanto, seu espírito forte dominou esta fraqueza e ele decidiu firmemente se tornar digno daquele extraordinário destino urdido pelo Pai Celeste.
Atendendo às determinações de Dakhir, ele comprometeu-se a não revelar nada a quem quer que fosse sobre o que viera a conhecer.
Após ter readquirido o equilíbrio espiritual, a força etérea, cujas propriedades intrigavam Kalitin, voltou a ser objecto de suas reflexões.
Certa noite, conversando com Dakhir, ele voltou a tocar no tema.
- Diga-me mestre, ao que tudo indica esta maravilhosa força sempre foi guardada sob véu de segredo pelos magos.
Na Terra jamais se suspeitou de sua existência, caso contrário eu teria ouvido falar dela e do que ela era capaz.
Imagino o tipo de avanços ela poderia proporcionar à indústria, ciências e artes!
- Você está certo!
Sua ideia era conhecida, pelo menos em parte.
Sabe você o suficiente sobre o passado do nosso antigo lar, a Terra?
Então deve ter ouvido sobre um continente chamado de Atlântida, sugado pelo oceano.
- Claro que ouvi, inclusive estudei a matéria.
- Pois bem!
Os Atlantes conheciam a força etérea e dela se utilizavam.
Temos um atlante entre nós, seu nome é Tlavat.
Ele era de uma escola de hierofantes egípcios; posso apresentá-lo depois a você.
Mas voltemos ao assunto!
Os atlantes chamavam essa força etérea de Mach-ma, e o seu terrível poder astral contribui em muito para a extinção do próprio continente.
Nos livros hindus fala-se também de uma força vibratória; assim, em Ashtar-Vidya, consta que uma máquina carregada com essa força.
Colocada numa “nave voadora” e orientada contra um exército, podia transformá-lo, com todos os seus elefantes, num monte de cinzas, feito um feixe de palha.
Num outro antigo livro hindu, Vishnu Purana, a mesma força etérea é mencionada de uma forma alegórica e compreensível para os profanos:
o “olhar de Kapila”, um sábio que transformou em cinzas os seiscentos mil filhos do rei Sagar, apenas com um olhar.
- Entendo que os conhecimentos dos atlantes pereceram junto com o seu continente; no entanto, houve sobreviventes da catástrofe.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Maio 15, 2016 7:50 pm

Como se poderia perder para sempre um segredo tão importante?
Dakhir meneou a cabeça.
- A experiência mostrou que a posse desse segredo poderia trazer catástrofes inenarráveis e tornou-se necessária uma cautela maior.
O uso desta perigosa força, envolta em tríplice véu de mistério, foi guardado em forma de símbolos indecifráveis e só era confiado aos iniciados superiores.
Entretanto, por mais estranho que possa parecer, na segunda metade do século XIX ela foi descoberta por um homem, que encontrou também um método, através de aparelhos engenhosos, de utilizar algumas de suas propriedades, mas isso não levou a nada.
- Quem era esse homem e quais foram às causas do fracasso que levaram ao esquecimento essa descoberta fenomenal? - Perguntou Kalitin excitado.
- O século XIX entrou para a história como uma época de elevada cultura e de grandes descobertas científicas, que prepararam o terreno para o grande progresso da humanidade – sustentou Kalitin.
- Você me formulou muitas perguntas, que tentarei responder na medida do possível.
O nome dele era John Worrel Kelly; sua vida cheia de sacrifícios constitui-se de uma sucessão de episódios dos mais trágicos de um génio. Tudo que a inveja, o rancor mesquinho, a calúnia, o desdém e o escárnio podem urdir, tudo foi interposto no caminho de Kelly.
Era um traço característico da época em que ele viveu; não houve nenhum “cientista” capaz de lhe entender a obra colossal e, no seio daquela sociedade, jamais se encontrou algum industrial, literato ou representante do clero, bastante iluminado e altruísta, capaz de ajudar materialmente o pobre inventor, que se viu no rastro de um dos maiores mistérios da natureza.
Tentaram envenená-lo, ele era perseguido, chamado de trapaceiro e charlatão; os vendilhões, ávidos em obter vantagens com suas descobertas, mas frustrados em suas intenções, ameaçavam-no com a cadeia.
Por fim, levado ao desespero, ele destruiu a maior parte de seus aparelhos e a sua descoberta foi por água abaixo.
- Mas isso é revoltante! – Indignou-se Kalitin.
- A questão não é tão simples como parece.
Ainda não se pode afirmar que a descoberta de Kelly pudesse trazer algum benefício à humanidade ao se tornar um património das massas.
Época ruim era aquela, o século XIX, que você qualifica como altamente culta!
Sem dúvida a ciência experimentou êxitos notáveis, houve muitas descobertas, incluindo a de Kelly, mas o período foi marcado pelo florescimento dos piores vícios humanos:
o egoísmo selvagem, a busca renhida e impiedosa pelos prazeres da e a rejeição da divindade, o que fez o mundo mergulhar num profundo materialismo, cuja consequência foi à paralisia de todos os sentimentos sublimes.
Foi justamente no século XIX que nasceu o paradoxo, o pior de todos que a humanidade poderia ter conhecido:
a tese pseudo-humanitária que justificava os crimes mais hediondos, acobertando-os sob o véu da loucura, neurose, degenerescência e assim por diante.
Praticava-se uma verdadeira incitação à crueldade, quer seja através de vivissecções, homicídios políticos, armas abjectas de extermínio, tais como balas explosivas etc.
Foi a partir do século XIX que o ateísmo ganhou impulso, iniciou-se o declínio moral, e o cinismo desmedido, que levou à desagregação da sociedade, gerou epidemias fluídicas de loucura, suicídios, homicídios estúpidos, evocando do caos as forças lúgubres, as quais levaram o planeta à destruição antecipada.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Maio 15, 2016 7:50 pm

Imagine então a descoberta de Kelly à disposição daqueles “indivíduos”; anarquistas, psicopatas violentos, e assim por diante, os “Caim” do género humano.
Pudessem eles dispor da força etérea, teriam aniquilado, em sua fantasia ávida de sangue, milhões de pessoas, pulverizando o continente em átomos e perpetuando inúmeras hecatombes.
Isso não poderia ser permitido.
Os Servidores Divinos, que vigiam os destinos do mundo, não podiam deixar que a humanidade maliciosa e pervertida tivesse à sua disposição uma força que, em suas mãos sujas, seria capaz de se tornar realmente diabólica.
A descoberta de Kelly deu-se há muitos milénios antes do seu tempo e por isso foi fadada ao esquecimento, devido, principalmente ao desconhecimento de que é no próprio homem que reside justamente o princípio controlador da força etérea vibratória.
Kelly nem sequer imagina ser uma daquelas pessoas raras, detentoras de habilidades psíquicas especiais; e não era capaz de transmitir a outros o que eram atributos de sua própria natureza.
Como prova disso, sabe-se que os instrumentos de Kelly não funcionavam quando operados por outros.
Só isso já era um entrave para que a sua descoberta vingasse.
Os iluminados sabem que por trás dos fenómenos visíveis da natureza estão os entes racionais, chamados por humanos de “forças” ou “leis”, que operam essas últimas, as quais, por sua vez, submetem-se aos entes de nível superior, tidos para os iluminados como a força e a lei.
Esta conversa impressionou Kalitin ainda mais que a anterior.
Sua mente começou a ter uma nova visão do Universo, de suas leis, do Ser Divino e Inescrutável, do Qual tudo emanava.
Toda vez que diante de sua mente se descortinava um horizonte novo, sua fé mais se acendia, e então ele orava fervoroso e singelo, agradecendo ao Ser Superior, o Pai misericordioso de todo o existente, pelas graças que Ele lhe concedia.
Por conta de diversos recursos e expedientes especiais disponíveis para a realização dos trabalhos, a construção do templo subterrâneo chegava ao fim e os magos preparavam-se para sagrá-lo com o primeiro ofício. Para a solenidade, reuniram-se no local os iniciados de todos os graus. Os terráqueos foram levados para uma sala contígua. Já que não conseguiriam suportar a atmosfera do santuário, saturado de fortes aromas.
Uma luz pálida e suavemente azulada derramava-se pelo interior do templo; os contornos irisantes dos sinais cabalísticos e hieróglifos salpicavam as paredes, como uma retícula fosfórica.
O templo findava em semicírculo, sete degraus levavam para uma plataforma, ainda vazia, que se destinava ao altar.
No fundo escuro da rocha, ardia um círculo de chamas multicolores; no centro dele, um disco de dois metros de diâmetro dardejava feixes cintilantes.
Em torno daquela espécie de estrela, estava gravado em hieróglifos ígneos o misterioso e terrífico título do Inefável e Inescrutável Ser, em derredor do qual se alicerça e gira o universo.
Concentrados e austeros postaram-se os iniciados em semicírculo diante do nicho; de um lado os magos, de outro os as magas – todos em vestes alvas de linho.
Primeiramente, eles ele levaram genuflexos, uma fervorosa e silenciosa oração; em seguida, ouviu-se um majestoso cântico que soou num crescendo.
A bela melodia, ora brusca, ora suave, foi-se avolumando até que a sua imponência parecia sacudir toda a montanha, até a sua base.
Rajadas de vento varreram o templo; ouviu-se, então, um estrondo surdo, como se o trovejar rolasse pelas salas e galerias subterrâneas; raios ígneos riscaram o ar em ziguezagues.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Maio 15, 2016 7:50 pm

Subitamente, aos silvos e estrondos, uma massa ígnea projectou-se das abóbadas e atingiu a plataforma elevada no fundo do templo.
Quando a chama se extinguiu, por trás da fumaça em dissipação, descortinou-se um bloco de pedra, o mesmo que havia servido de altar junto à última fonte da substância primeva na Terra.
Transferido pelos magos, o valiosíssimo símbolo – reminiscência sagrada do mundo destruído – novamente serviria de altar do primeiro santuário, edificado pelos refugiados da Terra no novo mundo.
Três dos hierofantes mais velhos, adereçados por coroas lucilantes de magos, depositaram sobre aquele altar místico um grande cálice de cristal com crucifixo no alto.
Dentro do cálice borbulhava flamejante a matéria primeva, colhida de uma das Nove fontes do novo mundo.
Da pira escavada na rocha, diante do cálice, uma chama que jamais se apagaria reverberou todas as cores do arco-íris.
Findo o primeiro ofício, os iniciados fizeram um juramento:
cumprir fielmente a tarefa confiada, doar todas as forças e o amor à nova terra, sua última morada.
No fim da cerimónia, foi cantado o hino de acção de graças, a multidão se dispersou lentamente e os sinais fosfóricos apagaram-se com excepção do círculo com o nome do Inefável.

Apenas para efeito de um maior conhecimento por parte do leitor, estou colocando no final do livro, um anexo, com informações colectadas sobre este personagem – JOHN KELLY. – Nota do digitador.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Maio 15, 2016 7:50 pm

CAPÍTULO III

A construção da cidade dos magos prosseguia rapidamente.
Os adeptos construtores eram de primeira linha, tanto mais que à sua disposição havia recursos incríveis, pois grande parte dos metais e dos outros materiais ainda se encontrava em estado maleável, o que simplificava significativamente a sua utilização em esculturas.
E a cidade de conto de fadas, a sede do legendário “paraíso terrestre” verificou-se ser de fato um milagre de beleza harmónica e arte refinada!
No meio de vastos jardins coloridos por uma infinidade de flores e avivados por chafarizes, erguiam-se os palácios dos magos – verdadeiras obras de arte, tanto interna como externamente.
Os nossos velhos amigos instalaram-se perto um do outro; seus palácios eram algo de extraordinário.
A residência de Ebramar ficava no centro e, ao redor, ligando-se para longas colunatas, num rectângulo perfeito, localizavam-se os palácios de Supramati, Dakhir e Narayana e Udea; todos eram de cores diferentes.
O palácio de Ebramar e as galerias contíguas, imitando quatro fachos, eram da brancura da neve.
O palácio de Supramati parecia executado em ouro; o de Dakhir – vermelho-rubi; o de Narayana – azul-celeste como safira e o de Udea – verde-esmeralda.
Porém aquelas edificações não se destinavam tão-só para atenderem às humildes necessidades dos magos; elas iriam fornecer abrigo a um grande número de discípulos e familiares tutelados pelos grandes adeptos. Tão logo a cidade fosse oficialmente inaugurada, promover-se-ia a organização de núcleos de famílias, o início de aulas nas escolas de iniciação e em estabelecimentos de ensino de ofícios, agricultura e arte de governar as hordas incultas de aborígenes.
Os terráqueos não viam a hora de se iniciarem as grandes festividades da inauguração da cidade; a liberação dos casamentos era motivo de grande ansiedade para muitos.
Nem todos aceitavam a castidade imposta durante os anos de construção.
O belo sexo, isolado do convívio com os homens, ficava sob vigilância especial das iniciadas, passando por uma educação preparatória para o papel de esposas e donas-de-casa, em condições bem distintas das que estavam acostumadas na Terra.
De um modo geral, a educação daquela massa diversificada de terráqueos era difícil e complexa, vistos é composta de pessoas de diferentes categorias, tanto em termos étnicos, como em termos de carácter, posição social e evolução intelectual.
Eram crentes em Deus e suficientemente bem intencionados, mas, a despeito dessas virtudes, era gente de sua época, eivada de ideais erróneos e cultura viciada, por demais
Refinada e pervertida.
Independentemente disso a essência ministrada produziu uma estranha e miraculosa cura em seus organismos; seus corpos sem viço, desnutridos, com nervos abalados, adquiriram vigor e a vida palpitava impetuosa, ou seja, eles tornaram-se artífices activos, aptos para construírem as futuras civilizações e serem ancestrais das raças mais civilizadas.
Numa bela tarde, depois do almoço, os nossos velhos amigos estavam reunidos num dos terraços do palácio de Ebramar, especialmente construído pelos expurgados para os refugiados da Terra.
Falou-se de diversas catástrofes e cataclismas que seriam utilizados no futuro como forma de aproximação com a população local.
Mais tarde, esta seria socorrida e, assim, se colocaria a primeira pedra no alicerce para o conhecimento de Deus e a realização de cultos religiosos, ainda que incipientes.
Aos poucos o tema da conversa tomou outro rumo.
Abordou-se o assunto das futuras festividades e, sobretudo o do matrimónio dos magos (somente os iniciados de grau superior permaneciam solteiros).
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Maio 15, 2016 7:50 pm

As cerimónias se realizariam no templo subterrâneo, onde se achava a misteriosa pedra cúbica, após o que os adeptos com as esposas se instalariam em suas novas casas.
A bênção do ato de união dos adeptos de graus inferiores tinha sido marcada para os dias seguintes.
Udea não estava participando da última parte da conversa.
Com o olhar triste e pensativo, recostou-se no corrimão, e pela expressão de seu rosto pálido e belo e de seus olhos sonhadores, parecia estar longe com os pensamentos.
Narayana que o observava, bateu-lhe fortemente com a mão no ombro e este, estremecendo, empertigou-se e ficou tão desconcertado, que todos os presentes riram.
- Em que está pensando, ermitão incorrigível?
O tema não lhe agrada?
Existe algo melhor no mundo que as mulheres?
Isso vale tanto para um mago como para um mortal comum.
Vejam vocês, ele fica contando os dedos e não dá a mínima para a conversa!
Acorde, meu amigo, e viva a vida!
O que lhe falta?
As provações terminaram, o passado foi riscado, diante de nós se descortina um futuro sem nuvens, e em sua fronte brilha o primeiro facho da coroa de mago.
É evidente que tudo isso é bonito, mas um lar com todo o conforto, uma linda dona-de-casa que o ame, mime e cuide para que você esteja bem alimentado, tudo isso é importante e é fácil de se conseguir.
Não se esqueça disso!
O discurso do incorrigível Narayana mostrou uma nova explosão de risos, desta vez acompanhada por Udea, que logo percebeu que tendo Narayana por amigo ele não corria perigo de esquecer o sentido real da vida.
Quando os risos cessaram, Ebramar disse em tom jovial:
- Apesar da sugestão pouco comum, devo admitir meu amigo, que Narayana está certo.
Será sensato de sua parte arrumar uma companheira de vida.
Você fica remoendo o passado, seus tempos difíceis de trabalho, desterrado neste planeta.
Você tem que sacudir a poeira; o amor reconforta e é o melhor bálsamo para uma alma enferma.
- Basta me ordenar... – suspirou Udea.
- Como posso ordenar coisas desse tipo?
- Por que não?
Você é meu melhor amigo, um protector incansável, que me conseguiu trazer para cá, a este planeta perdido.
Você me apoiou, minorou meus sofrimentos, consolou o banido em piores momentos de seu desterro.
Quem poderia aconselhar-me melhor?
Assim, torno a repetir; se você acha que isso se faz necessário, ele uma maga que queira ser minha esposa.
- Isso não será difícil!
Aposto que muitas suspiram em segredo por um partido assim como Udea.
Difícil vai ser escolher – intrometeu-se Narayana.
- Se você conhece tão bem os anseios íntimos de nossas moças, então o ajude nessa questão delicada – observou Ebramar zombeteiro.
Com sua permissão, Udea, posso apenas sugerir alguém que considero a mais digna; mas é você que dará a última palavra para eleger a companheira que lhe tratará as feridas do passado.
- Sabe mestre, se você tivesse uma filha, eu teria suspeitado de que você está querendo arrumar um casamento vantajoso com o nosso misterioso irmão de pouca conversa – gracejou Narayana, rindo e fitando maroto os olhos de Ebramar.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Maio 15, 2016 7:51 pm

- É mesmo uma pena Ebramar não ter uma filha; eu a teria desposado certo de que tudo que tem origem em nosso inigualável amigo traz muita sorte – redarguiu Udea.
-Têm razão!
Foi por isso que eu logo gostei de você.
Ao perceber seu apreço por Ebramar – exclamou num ímpeto Narayana.
E em seus grandes olhos negros brilhou o arrebatamento que lhe era característico.
– Vejam só! Todos que estão aqui reunidos são seus filhos espirituais, uma criação, que por assim dizer -, de um mestre que não têm paralelos.
Sua afeição, erudição, paciência incansável, fizeram o que somos agora.
Devemos então como uma família, cerrar fileiras em torno dele, unidos em amor e gratidão.
Com os olhos marejados, Narayana pegou a mão de Ebramar e a beijou.
Este a arrancou rapidamente.
- Pare com isso, seu pândego, e chega de cantarolar-me louvação imerecida!
Como podemos atribuir méritos a um pai que se esforça por seus filhos?
Este tipo de amor, um disfarce de egoísmo e vaidade, não mereceria qualquer elogio.
Mas eu já entendei, Narayana, aonde quer chegar com esse seu discurso subtil.
Você está curioso de conhecer a história de Udea, as circunstâncias que motivaram as duras provações por ele suportadas com tanto brilho.
Você lê meu coração como um livro aberto, oh, o melhor e mais perspicaz dos pais espirituais! – Riu Narayana.
A minha curiosidade não é leviana; ela é fruto da sincera
Afeição e da certeza de que ele necessita abrir-se com seus irmãos e amigos.
E para completar, meu amigo, eu juro, apesar da minha curiosidade, abster-me de ouvir qualquer coisa que lhe possa causar algum sofrimento, pois sei o quanto são dolorosas as lembranças, mesmo para o coração perfeito de um mago – ajuntou Narayana, apertando a mão de Udea.
Udea levantou-se e seus olhos escuros lançaram um olhar afectuoso para Narayana.
- Você tem razão, irmão, não tenho motivos para ocultar o passado!
Meu delito justifica a punição severa do banimento e, assim, a quem mais senão a vocês eu posso confiar à história da minha decadência e expiação?
Gloria ao Inefável, cuja sabedoria e misericórdia fizeram de um criminoso um ser útil, permitindo-lhe evoluir e beneficiar-se das dádivas do Pai celeste.
É verdade, os sacrifícios foram enormes, mas só assim é possível afluir às riquezas espirituais, ocultas nos recônditos do ser humano, desenvolver-lhe o intelecto míope e ignaro, provê-lo de força de vontade consciente e armá-lo de poderes sobre os elementos da natureza.
É justamente na fornalha das provações, na batalha alternada de derrotas e vitórias, que se forma um ser novo que começa a intuir o seu Criador, e venerar-lhe a imensurável sabedoria e a tentar cumprir judiciosamente a Sua vontade.
Antes de passar à narrativa de minhas vicissitudes, gostaria de dizer que a maior desgraça da humanidade, a pior provação para os homens, e que desencadeia neles os mais nocivos instintos, impele-os para o precipício e retarda-lhes por muito tempo o avanço para a perfeição é a injustiça.
- Concordo com você.
Entretanto, a primeira noção da justiça, inata ao homem, não se baseia em seu compromisso de justiça em relação a outros, mas o que ele acha uma prerrogativa passível de ser exigida de outros em relação à sua pessoa – sustentou suspirando Ebramar.
- Isso é uma consequência de sua fraqueza e imperfeição.
Todo ser, criado por Deus, carrega na alma uma noção clara do princípio imutável da Justiça Divina, e, se este princípio é desrespeitado, a vítima da injustiça se rebela e em seu coração começa a espumar a bílis da hostilidade, crueldade, desejo de vingança ou retaliação.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Maio 15, 2016 7:51 pm

Do âmago túrbido do homem afluem suas piores paixões, que o transformam em demónio.
É diferente para os seres evoluídos em esferas superiores, conscientes da Lei do Karma, que pode desabar-lhes em situações semelhantes; eles resistem em silêncio; mas o que dizer daqueles que estão nos degraus inferiores da ascensão?
Um ser humano simplório alimenta uma fé inabalável em seus direitos, sugerida pela voz incorruptível do instinto; o degradamento moral inicia-se a partir do momento da conscientização de que a lei da justiça não impede que o mais forte oprima o mais fraco.
A raiz de todas as revoluções e desatinos é a injustiça.
Ela é a origem da decadência dos povos, que leva inevitavelmente ao desencadeamento das leis, idênticas às que regem o Universo.
Basta violar as leis químicas ou cósmicas e logo surge a desagregação, o que é um desequilíbrio, uma desestruturação dos elementos, ou seja:
a ordem só é viável mediante um esforço obstinado.
Os elementos devem ficar em harmonia, o equilíbrio só é atingido se cada átomo executa a sua função, predeterminada.
A injustiça, pois, é um princípio dissonante, que quebra a harmonia, arruína nações inteiras e povoa o mundo com seres demoníacos.
Desculpem irmãos, por esta digressão, fruto de lembranças amargas.
Foi justamente a injustiça a razão dos meus delitos e sofrimentos – justificou-se Udea, mal contendo a emoção.
Eu nasci como herdeiro de um poderoso rei, chamado Pulástia.
A natureza fora generosa comigo, mas eu tinha um génio explosivo, era arrogante ao extremo, rebelde e por demais ambicioso.
Adorava minha mãe, uma mulher humilde e bela; a ela eu devo todos os gérmens do bem semeados em minha alma.
Ela não era feliz no casamento.
Irascível, pervertido e rude, beirando a crueldade, o rei não dava o devido valor à minha mãe, uma pessoa de moral irrepreensível, beleza encantadora e dona de uma inteligência rara.
Eu era seu filho único e, naturalmente, ela me amava com todas as forças da alma.
Com o pai, ao contrário, eu não tinha um relacionamento amistoso.
Ele não me amava e fazia questão de demonstrar isso.
Qualquer travessura era punida cruelmente; por vezes em seus momentos de mau humor, eu simplesmente acabava sendo um bode expiatório.
Tais injustiças e muitas outras coisas mais tarde deram lugar em minha alma a um sentimento maldoso, quase hostil em relação a ele.
Meu pai tinha um filho bastardo, mais jovem, fruto de uma relação com a criada do séquito da minha mãe.
Que feitios utilizara Suami, assim ele era chamado, para conquistar o coração de meu pai, eu não sei dizer, já que ele era horroroso, soturno, falso e de má índole.
A mim ele odiava, invejando-me a posição de sucessor do trono, e sempre conseguia engendrar uma série de vilanias, cujas consequências eram duros castigos a mim aplicados.
Além disso, se por um Aldo Suami me invejava a posição de príncipe sucessor, meu pai odiava a popularidade que eu tinha entre o povo, devido aos actos filantrópicos junto aos meus futuros súbditos menos afortunados, quando eu buscava minorar os males causados pelas injustiças e ilegalidades do rei, para quem não havia outra lei senão sua vontade ou caprichos.
Imbuído de valores de justiça.
Transmitidos por minha mãe desde a tenra idade.
Eu tentava ser o mais justo possível, pois achava que isso era a principal virtude de um rei.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70274
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Os Magos 5: OS LEGISLADORES / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 7 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum