Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Página 1 de 4 1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 24, 2016 6:59 pm

NAEMA, A BRUXA
(LENDA DE FEITIÇARIA DO SÉCULO XV)
Wera Ivanovna Krijanovskaia

J. W. Rochester

Qual o sentido das lendas fantásticas, segundo as quais certos indivíduos teriam vendido sua alma a Satanás em troca de favores?
- Todas as fábulas encerram um ensinamento e um sentido moral, e o vosso erro é tomá-las ao pé da letra.
Essa é uma alegoria que se pode explicar assim:
aquele que chama em seu auxílio os Espíritos, para deles obter os dons da fortuna ou qualquer outro favor, rebela-se contra a Providência, renuncia à missão que recebeu e às provas que deve sofrer neste mundo e sofrerá as consequências disso na vida futura.
Isso não quer dizer que sua alma esteja para sempre condenada ao sofrimento.
Mas, porque em vez de se desligar da matéria ele se afunda cada vez mais, o gozo que preferiu na Terra não o terá no mundo dos Espíritos, até que resgate a sua falta através de novas provas, talvez maiores e mais penosas.
Por seu amor aos gozos materiais coloca-se na dependência dos Espíritos impuros:
estabelece-se entre eles um pacto tácito, que o conduz à perdição, mas que sempre lhe será fácil romper com a assistência dos bons Espíritos, desde que o queira com firmeza.
(Questão 550 de "O Livro dos Espíritos")

ÍNDICE

I - O pacto
II - A evocação materializada
III - A estátua de cera
IV - Infortúnio de Raimundo
V - Julgamento e condenação
VI - Salvação com desonra
VII - Luta tenaz
VIII - Vitória contra o mal
IX - A luta dos monges
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 24, 2016 6:59 pm

I - O PACTO

Um bonito dia de julho do ano da graça de 1485 chegava ao seu termo; os últimos raios do sol poente brincavam nas torres e nas muralhas da cidadezinha de Friburgo, em Brisgau(1)
O sufocante calor tinha dado lugar a uma agradável fresquidão e das alturas circundantes uma brisa ligeira soprava perfumes balsâmicos e vivificantes.
Esta calma e serena beleza da natureza formava um lúgubre contraste com o interior de uma grande sala, sombria e abobadada, cujas paredes de pedra transudavam umidade: era a prisão da cidade.
Pelas estreitas seteiras gradeadas que lhe serviam de janela, nenhum raio de sol conseguia penetrar e somente uma penumbra descolorida iluminava fracamente os seres desventurados que ali estavam encarcerados.
Sobre um dos montes de palha atirados a esmo nos ladrilhos de pedra, estendia-se uma velha mulher, visivelmente agonizante; mechas de cabelos brancos emolduravam-lhe o rosto desfigurado pelo sofrimento e inundado de suor gelado; tiras de linho ensanguentadas enrolavam-lhe as pernas, evidentemente quebradas pela tortura, porque o menor movimento arrancava da desafortunada, um gemido que nada tinha de humano.
Ajoelhada a seus pés e recitando com voz entrecortada de soluços a prece dos moribundos, postava-se uma moça de beleza deslumbrante, ainda que alterada neste momento por uma expressão de intolerável sofrimento e de profundo desespero.
Alta e esbelta, ela podia ter dezassete ou dezoito anos; sua blusa de cambraia e saia curta de um tecido cinzento deixavam adivinhar suas formas admiráveis; os traços do semblante eram de grande delicadeza, duma regularidade clássica; e os cabelos de um louro dourado, que pendiam em desordem, envolviam-na como um véu, esparramando até pelos ladrilhos suas madeixas sedosas duma incrível opulência.
Ela também certamente fora submetida à tortura, porque suas pernas e seus braços nus estavam cobertos de manchas sanguinolentas e de queimaduras; apertando convulsivamente contra o peito suas pequenas mãos juntas, ela orava à meia-voz, inclinando-se ansiosamente sobre a moribunda, cada vez que esta fazia um movimento.
Subitamente a velha reabriu os olhos e seu olhar apagado se voltou para a moça com uma indefinível expressão de amor e de sofrimento.
- Oh! Lori, Lori, se você pudesse como eu morrer antes do amanhecer! - murmurou ela.
A estas palavras a moça estremeceu e com um surdo gemido enlaçou a pobre mulher; mas sob a dor atroz que lhe causou este brusco abraço, um grito lancinante escapou dos lábios da moribunda, um arrepio espasmódico sacudiu-lhe todo o corpo; depois, de repente, a cabeça pendeu inerte, os olhos desmesuradamente abertos tornaram-se vítreos, os membros se enrijeceram.
A morte, mais misericordiosa do que os homens, viera e com sua doce mão pusera fim aos sofrimentos da infortunada.
Lori se arrojara bruscamente para trás, ao grito desferido pela velha mulher; mas, vendo que não tinha diante de si mais do que um cadáver, tomou-se dum acesso de louco desespero.
Com gritos, imprecações, torrentes de lágrimas, ela se arrancava os cabelos, batia no peito, abraçava a morta, cobrindo-a de beijos, dando-lhe os nomes mais ternos; porém esta super excitação extinguiu-se tão pronto como veio.
Vencida pela dor moral e pelo insuportável sofrimento físico que seus movimentos desordenados ocasionavam a seu corpo torturado, prostrou-se na palha e ficou agachada, encostando-se à parede numa triste apatia.
Nesta imobilidade, com o rosto lívido e descomposto, os olhos fechados, acreditar-se-ia que a moça estava morta, ou pelo menos desmaiada.
Não era nada disso todavia; um torpor mudo e gélido imobilizava unicamente seus membros; o cérebro dolorido continuava a trabalhar e era a sua própria vida que a pobre Leonor revivia.
Ela se revia menina, descuidada e feliz, na casinha tão limpa e tão confortável de seu pai, o velho Klaus Lebeling, que ocupava na jurisdição dos mercadores o cargo modesto de escrevente.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 24, 2016 7:00 pm

Ela jamais conhecera sua mãe; mas a tia Brígida, irmã de seu pai, educara-a com os desvelos de mãe, estragando-a com mimos e cumulando-a de ternura.
E entre esta doce e pia criatura e o pai que a adorava, Lori crescera bela e inocente, como uma flor que se abre ao sol.
A tia lhe ensinara a arte do bordado que ela mesma exercia, contudo bem depressa a aluna excedeu a mestra.
Com a inspiração que somente um grande talento concede, os dedos de fada de Lori criavam verdadeiros quadros; nas bandeiras, faixas e adornos da igreja
que ela bordava, os fios de ouro e de seda pareciam animar-se sob sua mão e transformarem-se em flores vivas, ou em verdadeiras cabeças de querubins.
Assim a fama da jovem bordadeira espalhara-se rapidamente, as encomendas apareceram numerosas da cidade e dos arredores, transformando num bem-estar quase luxuoso a modesta abastança da família.
Klaus Lebeling orgulhava-se de sua filha, dos olhares de admiração que se fixavam nela, dos pretendentes que afluíam e entre os quais se achava até o filho de um rico negociante, que representava para a filha de um pobre e ínfimo escrevente, um partido tão brilhante quanto inesperado.
Mas o coração de Leonor permanecia frio e ela recusara francamente o pedido do rico pretendente que, ferido em seu orgulho, retirara-se cheio de cólera e rancor.
Depois, numa penosa claridade, surgia diante do olhar espiritual da moça, o dia feliz e funesto que lhe decidira o destino.
Era o dia de Natal.
Ela assistira à missa com Brígida e se preparava para deixar a velha catedral quando, junto à pia de água benta, percebeu um fidalgo ricamente vestido, cujos olhos se gravavam nela com admiração apaixonada.
Era um bonito jovem, alto e delgado, cujas vestes justas, da época, faziam ressaltar-lhe as formas elegantes.
De seu gorro de veludo, enfeitado com uma pena branca, escapavam-se espessos cabelos castanhos; e uma barba curta, ligeiramente frisada, enquadrava a parte inferior de seu rosto.
A corrente de ouro no pescoço e a espada ao lado demonstravam que era um rico patrício, ou algum nobre senhor dos arredores.
Com uma ligeira saudação ele ofereceu água benta à moça, que enrubesceu e baixou os olhos quando suas mãos se tocaram.
Mas ela vira o bastante e a lembrança do belo fidalgo a seguiu até em casa.
O seu coração bateu novamente quando, vários dias depois, o mesmo elegante senhor apareceu na modesta casa de Klaus Lebeling e encomendou uma toalha de altar de riqueza excepcional e com desenho bastante complicado. Nesta ocasião ela soube que o visitante era o nobre fidalgo Walter de Küssenberg; sua mãe morava em Friburgo e Leonor a conhecia de vista.
A senhora de Küssenberg era originária da cidade onde seu falecido pai ocupara um alto cargo na magistratura. Em seguida à morte do marido, sentindo-se só e isolada em seu castelo, seu filho único estava na corte do Imperador, dona Cunegundes viera fixar-se na bonita casa que possuía em Friburgo.
Depois desta primeira visita, Walter veio frequentemente à casa de Klaus Lebeling certificar-se de como ia sua encomenda; cada dia ele se demorava mais tempo e, de dia em dia, Leonor esperava com mais impaciência, sua chegada.
Com uma alegria eivada de temor, a boa Brígida via crescer o amor entre os dois jovens.
Ela conhecia o duro e intratável orgulho da senhora de Küssenberg; e o seu projecto de casar o filho com a rica Filipina, a filha de Conrado Schrammenstedt, o futuro burgomestre da cidade, era sabido de todos.
Portanto, quando Walter pediu honestamente a mão de Leonor a seu pai, declarando sua imutável resolução de desposá-la apesar de todos os obstáculos e da oposição de sua mãe, a boa mulher se tranquilizou, agradecendo a Deus a grande fortuna que Ele concedia à sua querida sobrinha.
A felicidade de Leonor desafiou toda descrição e foi como um raio que a horrível acusação de feitiçaria caiu sobre seu sonho de amor e o destruiu para sempre. Onde poderia ter surgido esta acusação que equivalia a uma sentença de morte, na época em que se passava os acontecimentos que narramos?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 24, 2016 7:00 pm

Uma loucura de destruição varria a Alemanha; o medo da magia, dos sortilégios, flutuava no ar como uma nuvem negra.
Por toda parte o povo perturbado pressentia bruxas e feiticeiros, filtros, encantamentos e malefícios.
Constantemente flamejavam as fogueiras, devorando as centenas as vítimas inocentes ou culpadas, que o iníquo processo do tempo entregava ao carrasco, abrindo à perversidade, aos ódios pessoais, um campo vasto e fecundo.
Inicialmente, um vaqueiro veio denunciar Brígida, acusando-a de lançar feitiços às vacas de seu rebanho, das quais ficaram doentes um número considerável, enquanto que as três vacas de Lebeling continuavam sãs.
De manhã, no momento em que o velho Lebeling se preparava para ir ao seu serviço no Magistério da Justiça Militar, toda a família foi presa e conduzida diante do juiz.
Já uma segunda acusação viera agravar a situação dos acusados:
uma criada, despedida por falta de probidade, depôs que Brígida e Leonor iam frequentemente ao sabá(1).
Vira-as cozer um unguento que exalava um odor estranho e nauseabundo; surpreendera a tia esfregando os braços e o estômago com a poção diabólica e sair "voando" pela janela.
Quanto à moça, fora vista colhendo ervas nos campos, mágicas, no dizer da velha criada, por meio das quais, as duas mulheres acusadas preparavam filtros de amor, de que tombaram vítimas primeiro o jovem Ruperto Schwarz, em seguida o fidalgo de Küssenberg.
Citado como testemunha, Ruperto Schwarz declarou que, verdadeiramente, tinha bebido leite e também uma infusão de ervas amargas em casa dos Lebeling e que seu amor imoderado por Leonor só passou depois de uma peregrinação à Santa Odila.
Semelhantes acusações, apoiadas por três testemunhas, eram mais do que suficientes para perder os infortunados Lebeling.
Um medalhão encontrado no pescoço de Leonor e contendo cabelos de Walter, foi julgado uma prova esmagadora da malvadeza da moça.
Debalde o fidalgo veio corajosamente declarar perante o tribunal que ele mesmo fizera presente do medalhão à sua noiva, e que a beleza e a virtude dela eram os únicos filtros que prenderam seu coração.
O juiz ouviu o moço com um sorriso de compaixão, com toda certeza o infeliz se achava ainda sob o poder do encantamento.
"O martelo das feiticeiras", terrível manual dos juízes, publicado pelo dominicano Sprenger, relatava factos semelhantes e descobria todas as artimanhas do demónio.
Leonor e Brígida foram submetidas à tortura; elas ousavam negar o crime apesar das provas tão flagrantes, mas, graças a Deus, não faltavam meios para fazer calar os mais teimosos.
Um arrepio de horror e de medo percorreu a epiderme da moça, quando ela relembrou as torturas sofridas em seu pudor virginal, abafadas contudo pelos sofrimentos sobre-humanos experimentados, enquanto a flagelavam, pinçavam-na com ferros rubros e submetiam-na ao suplício da estrapada(1)
Meio ensandecida, ela reentrou na prisão, cujo carcereiro lhe anunciou brutalmente que seu covarde pai, fugindo duma justa punição, enforcara-se de noite.
Perdida em seu delírio desesperado, Leonor não prestava atenção ao que se passava ao seu redor.
Toda sua alma se concentrava agora num único pensamento, cujo horror fazia eriçar-lhe os cabelos.
Ela fora condenada à fogueira; a sentença devia ser executada na manhã seguinte e, por antecipação, ela sentia a atrocidade desta morte lenta, que Sprenger recomendava que se infligisse às feiticeiras.
Leonor repetimos, nem notara que mais duas pessoas partilhavam sua prisão.
Uma delas, um velho pastor igualmente acusado de magia e que, horrivelmente mutilado pela tortura, urrava e gemia em seu leito de palha.
A segunda era uma velha mulher, tão magra, enrugada e curvada, que era impossível dar-lhe uma idade exacta.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 24, 2016 7:00 pm

Sessenta anos? Cem?
Seu corpo confirmava essa última suposição, mas seu olhar desmentia todas as anteriores, porque os olhos esverdeados, de uma expressão sinistra e cruel, cintilavam com o fogo e o brilho da juventude.
Ela também sofrera a tortura, porém com um estoicismo espantoso e quase desdenhoso.
Os juízes, como os carrascos, ficaram convencidos de que ela possuía o "feitiço" da taciturnidade, que tornava o corpo insensível ao sofrimento; mas como tinha sido impossível, apesar dos esforços, encontrar o talismã diabólico, a megera fora condenada a ser queimada viva em companhia de Leonor, de sua tia e do pastor.
A expectativa do suplício pouco parecia inquietar a estranha criatura; calma e indiferente, ela se encostava na parede; suas mãos ossudas e enrugadas se cruzavam em seus joelhos.
Somente por vezes ela reajustava na cabeça raspada um velho lenço listado, ou gritava ao pastor que ela parecia conhecer:
- Não urre como um danado, Sebastião, uma vez que estupidamente você se deixou desarmar; espera pacientemente o mestre; ele nos salvará.
Por vezes também seus olhares se fixavam em Leonor, sempre imóvel em seu canto.
Como que tomando uma brusca resolução, ela se arrastou sem ruído para a moça e tocou ligeiramente seu braço.
- Ouça, você quer escapar da fogueira, viver e vingar-se? - perguntou-lhe a velha em voz baixa.
- Se o quero! - exclamou Leonor com amargura.
De certo! Eu o quisera se fosse possível, mas sabes bem, mãe Gertrudes, que estou perdida; Deus me abandonou.
- Deus, sim; mas talvez um outro terá piedade de você e a salvará, a despeito dos monstros que nos encerram aqui e nos julgam impotentes.
Você quer que eu o chame?
Leonor fitou-a perturbada e incrédula.
Por inverosímil que fosse a salvação, a esperança provocada pelas estranhas palavras da velha despertaram na alma entristecida da moça, toda a energia, toda a aspiração à vida que palpitava em seu jovem e robusto organismo.
- Chama aquele que me pode salvar - murmurou ela com a sua voz alterada.
Sem responder, a velha se arrastou para seu monte de palha, remexeu-o, e tendo encontrado uma espécie de osso recurvado, ergueu-o fazendo-o girar acima de sua cabeça; depois, com uma força e uma agilidade incríveis, pulava sobre os pés.
Ganhando então o centro da prisão, entoou a meia-voz um canto esquisito e cadenciado, ao passo que girava sobre si mesma com uma rapidez sempre crescente.
Tomada de um terror supersticioso, Leonor se levantou e, dominando a horrível dor que lhe causava cada movimento, apoiou-se à parede procurando ver o que Gertrudes fazia.
A escuridão era quase completa agora e aumentava ainda mais o horror do lugar infecto.
Mas, a pouco e pouco um crepúsculo sem cor encheu a prisão e Leonor percebeu distintamente a velha que, com a boca espumante, os olhos fora das órbitas, continuava a girar.
Ela era horrenda de se ver: a saia curta descobria-lhe as pernas nuas, pretas e magras, enquanto que seu braço de esqueleto continuava a brandir acima de sua cabeça um objecto informe, mas do qual parecia desprender-se fosforescência que clareava a prisão.
De repente, o cárcere se encheu dum frio intenso; um vento glacial nele se engolfava sibilando.
Depois, barulhos estranhos se elevaram.
Bater de asas, rugidos longínquos de animais selvagens, entremeados dos balidos duma cabra.
Um furacão parecia sacudir as paredes do velho edifício enquanto que um cheiro acre, fétido e sufocante tirava a respiração de Leonor, que muda e como que paralisada, fitava o esqueleto vivo que girava como um pião.
Pouco a pouco, numa das paredes nuas, formou-se uma larga mancha fosforescente, da qual emergiu uma fumaça avermelhada que, por sua vez, se condensou e tomou a forma duma cortina ondulante, sulcada de clarões.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 24, 2016 7:01 pm

Enfunando-se como sob o efeito dum golpe de vento, esta cortina se fendeu bruscamente e ao olhar estarrecido de Leonor apareceu um homem de alto talhe, cujas calças negras colantes e um gibão de veludo da mesma cor desenhavam-lhe os membros finos e flexíveis.
O rosto duma palidez mate, emoldurado de cabelos pretos e ondulados, era impressionante em sua beleza sinistra e diabólica.
O nariz aquilino de narinas dilatadas denunciava paixões ardentes.
A boca se crispava num sorriso sardónico e cruel; e os grandes olhos esverdeados, sombrios e insondáveis como um abismo, dardejavam sobre Leonor um olhar terrificante.
Na mão erguida, o misterioso personagem segurava uma lanterna na qual chamejava, crepitando, uma luz esplendente que tomava sucessivamente todas as cores do arco-íris.
A feiticeira se arrojara ao solo com a aparição daquele que ela evocava.
Mas ao cabo dum instante ela se pôs a rastejar em sua direcção, repelindo com voz baixa e entrecortada:
- Mestre, mestre Leonardo, salva-nos, a ela e a mim!
Aquele que acabavam de chamar pelo nome temido de mestre Leonardo, não pareceu prestar a mínima atenção à abjecta criatura que se arrastava a seus pés; seus olhos não deixavam Leonor que, bela como uma estátua de alabastro, fitava-o igualmente.
- Escutei o chamado e vim.
Agora escolha, Leonor.
Você quer viver ou morrer? - perguntou-lhe o desconhecido com uma voz clara e metálica como o som de um sino.
Não obstante o terror que lhe fazia fremir cada fibra, Leonor estendeu suas mãos juntas para o estranho visitante que parecia dispor do direito de perdoar e com a voz entrecortada.
- Viver, eu quero viver - clamou ela.
Um sorriso de escarninho e cínico aflorou aos lábios do desconhecido.
- Você quer viver!...
Para um ser tão jovem, tão belo, o desejo é natural.
Mas, minha querida, neste mundo tudo se vende e se compra; e a vida é um bem muito precioso para ser concedido gratuitamente.
- Qual o preço que você exige de mim?
Não possuo nada - balbuciou Leonor tremendo.
- Oh! Você é muito modesta! Mas em resumo, eis a minha resposta.
Não se pode servir a dois senhores ao mesmo tempo; se quiser minha protecção, rompe com o passado.
Com um movimento rápido e brusco, ele descalçou seu pé esquerdo e, com horror, Leonor viu no fundo do sapato de ponta comprida uma cruz de marfim e uma hóstia.
- Esmague, renegue, pise estes símbolos que você adorou - continuou mestre Leonardo, atirando nos ladrilhos os símbolos sagrados, que um visco avermelhado parecia envolver.
Por um instante Leonor ficou petrificada de terror.
Renegar Deus e o misericordioso Jesus, cometer o sacrilégio de calcar aos pés a cruz?
Não! A morte era preferível.
- Vade retro, Satanás! - gritou a jovem fora de si; e fazendo o sinal da cruz, acrescentou:
- Antes que entregar minha alma à condenação eterna prefiro a fogueira.
Uma crispação desfigurou momentaneamente o semblante da misteriosa visita; depois, um ligeiro riso, mas no qual tilintava uma infernal ironia se fez ouvir.
- Contemple a recompensa que lhe reserva o céu, bem mais surdo do que eu, porque ele não respondeu ao seu apelo.
Estendeu a mão pálida como uma mão de cera. Dos longos dedos afilados jorrou um rastro de fogo.
As paredes como que pareceram dilatar-se e fundirem-se num longínquo brumoso.
Diante de Leonor desenrolava-se a grande praça da cidade, repleta duma multidão compacta.
No centro se alteava a fogueira, na qual o carrasco acabava de por fogo.
Entre as vítimas, cujas vestes as chamas já queimavam, Leonor se via a si própria.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 24, 2016 7:01 pm

A cena era tão real que se ouvia o murmúrio das vozes, o crepitar da madeira resinosa, os clamores desesperados dos padecentes misturados com os cantos dos padres, e o cheiro sufocante das carnes queimadas encheu a prisão. Os cabelos de Leonor se eriçaram; acreditava sentir as chamas morderem-lhe a carne.
Todas as agonias da morte a estrangulavam, inundando seu corpo de um suor gelado.
Neste momento mestre Leonardo se inclinou, seu hálito inflamado tocou a face de Leonor e sua voz estridente e metálica murmurou, enquanto que o olhar fulgurante parecia transpassar a jovem:
- Vê: aqui a morte odiosa, sem honra.
Lá, além dessa cruz, a vida, a liberdade, a riqueza, os prazeres e o amor.
Renegue, atravesse o obstáculo que a separa da felicidade e... da vingança.
Um estremecimento nervoso sacudia cada fibra da moça e insensivelmente uma amargura desesperada, um ódio selvagem contra a injustiça de que era vítima despertava em seu íntimo.
Era então verdade que o céu era surdo?
Nesta mesma prisão não se tinha ela prosternado, batendo nos ladrilhos com a fronte, implorando com lágrimas ardentes o socorro, a protecção de Deus?
E qual fora à resposta a esta ardente invocação?
Seu pai se suicidara, o cadáver mutilado de sua segunda mãe jazia a dois passos dela.
Ela própria abandonada, desonrada, ia morrer de morte medonha.
Mas onde estava este Deus de justiça que permitia semelhantes iniquidades e abandonava os inocentes? Seu corpo inteiro não era
mais do que uma ferida.
A seus ouvidos vibravam ainda os rugidos de dor de sua tia, da qual quebravam as pernas; e o céu ficara surdo e indiferente!
Com uma raiva desesperada, ela perguntou a si mesma se, verdadeiramente, Satanás não era mais misericordioso do que Deus.
Uma odienta blasfémia escapou de seus lábios e com um pé furioso ela esmagou o símbolo da redenção.
No mesmo instante ela se sentiu erguida pelo braço flexível do desconhecido, cujos lábios abrasantes se colaram aos seus. Leonor não protestou.
Ela estava no fim de suas forças, a cabeça girava e, aniquilada, caiu nos braços do homem terrível e misterioso.
- Mestre, mestre, não me esqueças! - gritou neste momento a velha com voz clemente.
Mestre Leonardo, pois tal era o nome do terrível desconhecido, tirou do bolso uma bola negra, que jogou à feiticeira.
- Amanhã escaparás - ele respondeu, mas sua voz parecia já ressoar ao longe.
* * *
Em um quarto do primeiro andar duma bonita e rica casa construída no canto da grande praça, mantinha-se um belo homem jovem, cujo semblante pálido e desfeito, os olhos vermelhos, demonstravam uma profunda dor.
Walter de Küssenberg, pois era ele, não tinha pregado os olhos toda à noite.
Mil projectos, mais aventureiros uns do que outros, se tinham entrechocado em seu cérebro e, por momentos, a convicção de sua impotência para salvar sua inocente noiva como que lhe tirava a razão.
Extenuado, acabou por se atirar numa poltrona e com a cabeça entre as mãos ensaiava orar.
Os rumores da multidão que se aglomeravam na praça para ver o suplício vieram ferir o coração do pobre Walter como um golpe de punhal.
Este suplício que atraía a brutal e cruel população, não ia causar a morte de sua Leonor adorada?
Dentro de algumas horas, daquele corpo gracioso e encantador, não haveria mais que restos informes de carnes calcinadas!
Se ao menos ele pudesse matá-la, para poupar-lhe esta morte dolorosa!
Soltando um surdo gemido, saltou de sua cadeira, correu para a alta janela gótica, de vitrais coloridos, e abriu-a com um movimento nervoso.
Uma última vez ele queria ver sua bem-amada e sustentá-la com um olhar de amor.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 24, 2016 7:01 pm

Neste instante a porta se abriu com estrondo e um jovem escudeiro, pálido e agitado, precipitou-se no quarto.
- Meu nobre senhor, aconteceu algo de inacreditável na prisão! - gritou ele, com voz ofegante -. Lori Lebeling desapareceu!
- Desapareceu?
Como é possível e de quem você teve tal notícia, Leberecht? - perguntou o fidalgo pálido de emoção.
- Tive-a do Sulpício, o ajudante do carcereiro.
Ele me contou que esta manhã, quando ele entrou na prisão para dar de comer aos condenados, encontrou a velha Brígida morta, bem como o pastor Sebastião, o qual tinha uma das faces toda preta.
Evidentemente o diabo lhe tinha torcido o pescoço.
A feiticeira Gertrudes tinha perdido os sentidos.
Ela estava sentada, os olhos arregalados e sem brilho, a boca aberta e os membros rígidos; quanto à Lori Lebeling, ela tinha desaparecido sem deixar vestígios.
Verificando uma tão visível intervenção do demónio, Sulpício aterrorizou-se e correu a avisar o carcereiro, o qual informou o juiz e o escrivão.
Os magistrados foram imediatamente à prisão, porém nada mais puderam descobrir; somente o juiz averiguou que a alma de Gertrudes fora ao sabá e não tinha ainda voltado ao corpo.
Ele então ordenou que queimassem a megera com os cadáveres dos outros dois infiéis; logo em seguida iam arrastá-los à fogueira!
Mudo de espanto, o fidalgo fitou o adolescente todo perturbado.
Ele também não compreendia nada do desaparecimento de Leonor, mas um suspiro de imenso alívio desafogou-lhe o peito.
Graças a Deus!
Ela escapara da fogueira!
- Olhe, olhe, senhor!
Eis lá a feiticeira e sua alma ainda não voltou - gritou Leberecht que olhava pela janela.
O fidalgo se aproximou também e, apoiando-se no rebordo, fixou os olhos na porta da prisão que acabava de se abrir, dando passagem a duas padiolas nas quais se estendiam os cadáveres.
Logo depois vinham o carrasco e um de seus ajudantes que arrastavam, sustentando-a sob os braços, a velha Gertrudes, a qual, na verdade, parecia idiotizada, não compreendendo nada do que se passava.
O eco dos acontecimentos sem dúvida já transpirara, porque uma febril emoção se apoderara da multidão.
Gritos, vaias e maldições se elevavam contra a feiticeira que, muda e indiferente, deixou-se içar à fogueira e amarrar ao poste.
Logo as flamas subiram de toda parte e espessas nuvens de fumaça ocultaram ao povo a condenada que não dava mais sinal de vida.
- Ela dorme o sono mágico - gritaram várias vozes.
Mas nesse instante uma ave nocturna apareceu fendendo o ar com um voo pesado soltou um grito estridente e, quase tocando a cabeça dos assistentes, desapareceu.
Como que respondendo a este chamado, surgiu das chamas outra ave que esvoaçou por um momento no alto da fogueira e soltando lúgubres grasnados, dirigiu seu voo para as montanhas da Floresta Negra, que se viam no horizonte.
Gritos de terror se elevaram de todos os lados.
Ninguém duvidava ter visto fugir a alma da feiticeira e que Satanás viera buscá-la e num piscar de olhos o povo se dispersou, correndo em todas as direcções.

(1) Entre a Floresta Negra e o Reno, na Alemanha (N. do T.).
(1) Assembleia de feiticeiros que, segundo a superstição popular, realizava-se às sextas-feiras à meia-noite. (N. do T.)
(1) Castigo que consistia em erguer a vítima pelas mãos amarradas nas costas e deixá-la cair violentamente no chão.
As mãos eram atadas numa corda pela qual a puxavam para erguê-la; esse suplício levado ao extremo acabava por desconjuntar os ossos das articulações.
(N. do T.)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 24, 2016 7:02 pm

II - A EVOCAÇÃO MATERIALIZADA

Quando Leonor reabriu os olhos, viu-se deitada num leito acortinado de pesados brocados, vestida com uma ampla veste de lã branca e sob uma leve coberta de seda púrpura.
A jovem não se lembrava dos acontecimentos passados e com um profundo espanto examinou o lugar desconhecido onde se achava.
Era um quarto de tamanho médio, luxuosamente mobiliado.
As mesas e as cadeiras eram de ébano esculpido.
Um grande espelho de Veneza pendia da parede e pesados reposteiros de veludo escondiam as portas bem como uma estreita janela gótica, através de cujos vitrais coloridos filtrava-se raios de sol.
Súbito a memória lhe voltou e arrepiando-se fechou os olhos.
Tinha sonhado?
Mas não, não era num sonho que ela sofrera a tortura, que a condenaram à fogueira e que em sua prisão o demónio lhe aparecera.
Sacudida por um calafrio de angústia, a jovem se ergueu e escorregou do leito.
Suas pernas vacilantes não a sustiveram e ela se deixou cair numa cadeira.
Contudo, não sentia nenhuma dor e um fugitivo exame lhe mostrou que todos os sinais das feridas e das queimaduras tinham desaparecido.
Somente se sentia fraca e esgotada.
Arrastada por uma curiosidade inquieta levantou-se, aproximou-se da janela e afastando a cortina debruçou-se para fora.
Não havia dúvida, ela se encontrava num castelo fortificado.
À direita e esquerda prolongavam-se as muralhas flanqueadas de torres da fortaleza, construída numa rocha a pique, dominando uma garganta profunda, no fundo da qual uma torrente bramia, espadanando nos blocos de pedra.
Descortinava-se desta altura uma paisagem admirável.
De todos os lados, montanhas cobertas de matas recortavam o horizonte e somente do outro lado da torrente, uma terra árida como deserto, cercada de rochas nuas, destoava por seu aspecto desolado do verde que se desdobrava por todas as partes.
Pensativa, Leonor voltou a sentar-se numa poltrona e meditou na estranha aventura da qual era a principal protagonista.
Onde estava?
E o homem misterioso que lhe aparecera na prisão?
Nada respondia a suas perguntas.
A sensação de fome violenta arrancou-a de suas reflexões.
Fez uma inspecção no quarto, mas nada encontrou de comer.
Sobre uma cadeira havia vestidos novos e elegantes e os trapos que ela usara na prisão tinham desaparecido.
Com uma satisfação íntima, Leonor se vestiu, calçou elegantes sapatos de brocado, pôs um vestido de seda azul bordado, preso na cintura por um cinto de prata, ornado de turquesas, do qual pendia uma escarcela de veludo.
Por fim colocou no pescoço uma corrente fina de ouro.
Depois olhou-se no espelho.
Estava pálida e magra, mas o rico e elegante vestido que parecia feito para ela, assentava-lhe maravilhosamente.
Quando terminou de se arrumar, acalmou-se e esperou.
A fome aumentava sempre, mas não vinha ninguém.
Então ela viu numa mesinha, uma campainha de prata.
Depois de um momento de hesitação tocou-a e, ansiosamente, aguçou o ouvido.
Seu apelo não foi em vão.
Ao cabo de um instante, ouviu passos no quarto contíguo e na soleira da porta apareceu um personagem que inspirou a Leonor terror e aversão.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Set 24, 2016 7:02 pm

Era um homem gordo e baixinho, mas apesar disso flexível e ligeiro.
Seus movimentos lembravam os de uma serpente.
O rosto magro e anguloso tinha uma expressão dissimulada e seu olhar vesgo brilhava de malvadez.
Espessos cabelos ruços e grossas sobrancelhas da mesma cor ardente, sobressaiam singularmente em sua pele bronzeada.
- Para servi-la, senhora.
Mestre Leonardo me pôs à disposição de sua bela noiva, - disse o estranho personagem saudando-a obsequiosamente.
E com sua comprida mão magra, de dedos aduncos, ergueu o reposteiro e acrescentou:
- Queira seguir-me.
As palavras do desconhecido provocaram em Leonor um calafrio de medo e de horror.
Ele a tinha chamado de noiva de mestre Leonardo?
De resto, que importava?
Ela não renegara Deus e Jesus e pelo mais odiento sacrilégio vendera sua alma a Satanás?
Um suor frio orvalhou a fronte de Leonor, mas quase imediatamente a angústia se fundiu numa indiferença fatigada.
Ela sentia apenas fome e sem pensar noutra coisa a não ser num bom repasto, seguiu seu condutor.
O serviçal a fez atravessar um quartinho de trabalho onde havia uma roca de marfim, um bastidor grande e cestinhas cheias de novelos de seda, ouro e prata.
Em seguida a introduziu numa sala redonda, de paredes, forradas de carvalho escuro.
Junto a uma mesa repleta de alimentos, havia duas cadeiras de altos espaldares esculpidos.
- Sirva-se, senhora, e depois distraia-se como puder.
A senhora pode fiar ou bordar, ou então visitar o castelo se isto a interessar.
Pode ir a todo lugar onde a passagem estiver aberta.
Mas onde encontrar portas fechadas, não tente penetrar ali, o que de resto seria em vão, - disse o auxiliar.
Saudou-a ligeiramente e desapareceu.
Impelida pela fome, Leonor tomou lugar à mesa e logo a refeição absorveu-a inteiramente.
Parecia-lhe que jamais comera manjares tão delicados ou bebido um vinho tão delicioso.
Quando saboreou tudo e comeu empadas e aves assadas, massas e doces em calda, sentiu-se estranhamente reconfortada.
A força e a elasticidade da juventude lhe voltavam e com elas a alegria de viver e a descuidada confiança da pouca idade.
O lúgubre passado, as torturas morais e físicas que ela padecera, apagavam-se.
O sol que brilhava lá fora, o ar quente e puro que entrava pela janela aberta, tentavam-na.
Aspirou o ar com delícia e resolveu aproveitar-se da permissão do estranho personagem e visitar o castelo.
Atravessou muitos quartos ricamente mobilados, depois três vastas salas, cuja serventia ela não saberia explicar, e no fim de um longo corredor descobriu uma escada por onde subiu e que a levou a uma das torres.
Lá havia um balcão do alto do qual pôde ver uma outra parte do interior e do exterior da fortaleza.
Verificou que de um lado, um largo fosso cheio d'água costeava as muralhas.
Uma ponte levadiça erguida e mais longe uma porta na muralha que dava para um caminho estreito.
Este caminho em ziguezague serpenteava entre as rochas, conduzindo ao fundo da garganta.
No interior do castelo, percebeu um pátio pavimentado, no centro do qual via-se um poço com a abertura de pedra e uma corrente para puxar água.
Mais longe, separadas do pátio por um muro, viam-se as árvores copadas dum jardim.
Leonor desceu orientando-se como pôde, acabou por descobrir o pátio e o poço que ela tinha visto do alto.
Num canto havia uma portinha meio aberta que dava para um jardim pequeno, mas cheio de luxuriante vegetação e flores magníficas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 25, 2016 7:25 pm

Sob uma gruta formada de rosas e de madressilvas, havia um banco de musgo.
Leonor sentou-se nele e pensou.
Com espanto notou que o castelo parecia vazio.
Em nenhuma parte, ela encontrara um ser vivo.
Apesar da ordem que reinava em tudo, o vasto edifício estava mudo e deserto como uma casa abandonada.
Um pungente sentimento de angústia e de solidão tomou conta da moça.
Ela estava então só no mundo?
Seu pai, sua tia estavam mortos.
Walter, perdido para sempre e pela força das circunstâncias, ela se achava à mercê do homem temível que chamavam de mestre Leonardo e que a ligara a si por um espantoso sacrilégio.
Lágrimas jorraram dos olhos de Leonor.
Amargura, desespero, sede de vingança, tudo lutava em seu íntimo.
Se ela pudesse saber quem inspirara a seus dois miseráveis denunciadores o pensamento de lançar contra sua inocente família, a infame e mentirosa acusação de feitiçaria que a perdera e a separara de Walter!
Súbito ela foi tomada de sonolência e da estranha indiferença que já experimentara.
Suas lágrimas secaram e suas pálpebras se fecharam.
Incapaz de se erguer, estendeu-se no banco de musgo; um agradável torpor a invadiu, seguindo-se um profundo sono.
Dormiu por muito tempo, sem dúvida, porque quando acordou, o crepúsculo caía e a brisa da tarde, fresca e perfumada; agitava a folhagem.
Leonor se ergueu e quase imediatamente percebeu o personagem que vira de manhã, o qual se aproximava rapidamente.
- Venha, senhora, mestre Leonardo a chama, - disse ele, com voz obsequiosa e desagradável.
Apesar do estremecimento nervoso que a sacudia toda, Leonor se levantou prontamente e de cabeça baixa seguiu seu condutor.
O que ia dizer o mestre terrível ao qual ela se entregara de corpo e alma?
Flexível e ligeiro como um gato, escorregando sem barulho pelos degraus da escada, o homenzinho conduziu a moça a uma parte do castelo que ela não visitara.
Fê-la atravessar muitos corredores iluminados por lampiões suspensos do tecto e enfim parou diante duma porta grande de madeira preta, na qual estavam esculpidos e pintados de vermelho sinais cabalísticos.
No centro, frente a frente um do outro, uma serpente e um dragão.
Antes mesmo que alguém a tocasse, a porta se abriu por si mesma sem ruído e os dois penetraram numa antecâmara clareada por duas janelas.
- Fique aqui e espere que o mestre a chame, - disse o serviçal em voz baixa.
Seja prudente e, sobretudo, obediente.
Ele, o poderoso que tudo pode, não suporta que se lhe resista.
Ficando só, Leonor sentou-se numa cadeira e esperou.
Seu coração batia rapidamente e um frio glacial invadia seus membros.
Os minutos que se escoavam, pareciam-lhe horas.
A obscuridade aumentava rapidamente e o crepúsculo dava um aspecto lúgubre a todos os objectos mergulhados na sombra.
As poltronas, as arcas, tudo tomava dimensões fantásticas.
Alguma coisa aterrorizante, como que flutuava no ar e o medo de Leonor atingiu seu apogeu quando, no quarto contíguo, uma voz sonora e metálica se pronunciou:
- Entre, Leonor, e não trema assim.
Eu apenas lhe desejo o bem.
Apesar do medo que lhe inspirava mestre Leonardo, o som de uma voz humana naquele terrificante silêncio, foi para a moça uma libertação.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 25, 2016 7:25 pm

Ela se levantou rapidamente e se dirigiu para uma porta que acabava de se abrir, através de cujas cortinas, filtrava-se um raio de intensa luz.
Leonor logo se achou numa sala vasta e comprida que, evidentemente, era um laboratório de alquimista.
As paredes, forradas de carvalho escurecido pelo tempo, sustentavam numerosas prateleiras carregadas de alfarrábios, de manuscritos, de pacotes de ervas secas e de caixas de todos os tamanhos.
Muitos armários estavam cheios de frascos, de ânforas, e de saquinhos multicores.
Nas mesas se amontoavam tubos, alambiques e instrumentos esquisitos para fins desconhecidos.
No fundo, havia um fogão grande e não longe dele, ao pé da parede, erguia-se uma espécie de tenda de estofo preto, cujos lados ocultavam o que ela continha.
No meio do quarto, num púlpito esculpido, havia um objecto redondo, espécie de espelho metálico cuja superfície irradiava todas as cores do arco-íris, meio coberto por uma cortina de pano escuro.
Os olhares curiosos de Leonor corriam por esses objectos estranhos e desconhecidos, mas ela não tinha tempo de se entregar a um exame atento, porque toda sua atenção se concentrava no senhor daquele lugar.
Era mesmo o misterioso visitante da prisão; somente que neste momento ele parecia menos espantoso.
Sentado numa poltrona de espaldar alto, diante duma mesa sobrecarregada de livros, ele se apoiava com os cotovelos.
Oito velas de cera fixadas em dois candelabros de ouro iluminavam fortemente suas vestes negras, simples, mas ricas e seu rosto pálido, característico, abria-se neste instante num sorriso benévolo.
- Aproxime-se, Leonor.
Por que você treme e abaixa os olhos?
Você tem medo de mim?
Todavia não lhe fiz mal nenhum e até salvei-a duma morte odiosa.
Sente-se lá, - e indicou-lhe um banco dobradiço, - bebe isto e sossega.
Você treme porque não compreende e julga ter caído no inferno.
Mas eu lhe asseguro que um inferno como o que você pensa não existe.
Ele tirou da mesa uma taça cheia de um líquido vermelho e a estendeu a Leonor que a esvaziou docilmente.
Um calor vivificante percorreu suas veias, sentiu-se mais calma e não vacilou quando os grandes olhos esverdeados de mestre Leonardo fitaram os seus com um olhar perscrutador.
Este sorriu e se levantou.
Neste instante, seu talhe alto e delgado, a sinistra beleza de seu rosto, agradaram a moça e o terror que ele lhe havia inspirado se dissipou.
- Agora escute atentamente o que lhe vou dizer; é seu futuro que você vai decidir.
E o que espero, você deve fazê-lo de sua plena vontade, - disse mestre Leonardo com um tom sério.
Você tem medo porque julga ter ofendido e renegado seu ideal, mas não tem razão, porque o seu Deus é inexorável e impotente contra o mal, que é o senhor do mundo.
Lance um olhar ao seu redor.
Por toda parte, o bem é esmagado, ridicularizado, desprezado, e sucumbe sem que o céu tome o partido do justo.
As preces e as súplicas são em vão, porque é o mal que reina, que distribui as riquezas e os gozos, que recompensa e eleva, que destrói e se vinga.
Você mesmo e os seus são uma prova da verdade de minhas palavras.
Vocês três eram inocentes e, no entanto, foram destruídos.
A justiça celeste não se comoveu, nada fez para ajudá-los, enquanto que aquela que os perdeu, a mãe de Walter, aquela que para se desfazer de você comprou os miseráveis que a denunciou, goza da estima geral e das honrarias.
A senhora Cunegundes e Filipina, sua cúmplice e protegida, assassinaram toda uma família.
Não importa.
Filipina desposará o noivo que ela arrancou de você e esses mesmos homens que condenaram você à fogueira, pedirão para ela as bênçãos do céu.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 25, 2016 7:26 pm

Sempre acontece o mesmo:
o ímpio, o viciado, o blasfemador, triunfam.
O louco que se agarra ao bem morre abandonado e miserável.
É a lei do equilíbrio, que o maior domine, e qualquer lado que ele se encontre.
O elemento mais fraco é absorvido pelo mais forte e no mundo que você habita, o mais forte é o mal.
É diante dele que se deve curvar quem não quer ser esmagado pela fatalidade.
Porque é infantil querer resistir às forças cósmicas que exigem a desordem, a desarmonia, o abuso e o sofrimento e afastam do seu caminho tudo o que lhes serve de obstáculo.
Leonardo parou diante da moça que escutava, pálida e fremente, e um sorriso demoníaco crispava seus lábios, quando continuou:
- Você compreende agora porque foi vencida?
Foi porque procurou o amor puro, desinteressado, ideal, que não dá a quem o pratica mais do que miséria e decepção.
Porque não é o amor puro que exigem as forças desordenadas, os elementos desencadeados que governam nosso mundo.
Se você tivesse amado seu noivo com uma paixão brutal e egoísta, você não recuaria diante de nada para tê-lo.
Você se desfaria de sua mãe, teria afastado Filipina, e os honrados magistrados que, para maior glória de Deus, arrancar-lhe-iam a carne em tiras, se curvariam até a terra, diante da bela senhora de Küssenberg.
E ainda, o que é você, ser ínfimo perdido na multidão?
Atingido pela mesma fatalidade, o génio morre de fome e quando ele morre de miséria, o coração amargurado e ralado de decepções, o povo estúpido e viciado que o ridiculariza e o renega, apodera-se de sua herança, enriquece-se com seus despojos e canta louvores àquele que não o pode mais aborrecer.
Todos os génios, os missionários, os grandes portadores da luz, são assim condenados pela lei do mal e morrem na cruz ou na fogueira, afogados ou sufocados, porque esse é o lema deste mundo.
Eis aí, pobre Leonor, a grande lei soberana.
Compreenda-a, se puder, mas infeliz de você se quiser servir duas forças ao mesmo tempo.
A boa não a defenderia e a má trituraria você.
E se não quiser perder seu último amparo, afaste de si a dúvida.
Ela a empurrará para abismos cuja existência não pode supor.
E agora escolha.
Quer voltar à virtude e ao bem?
Neste caso é preciso que você morra, porque está fora da lei, marcada com o título infamante de feiticeira e condenada à pena capital.
Um pouso honrado não achará mais.
Se você preferir tornar-se uma filha do mal, nenhum ultraje a esperará.
Não queimarão mais sua pele acetinada, seu corpo não servirá mais de espectáculo aos carrascos cínicos e escarnecedores.
E você não correrá o risco de que o verdugo a arraste pelos seus cabelos de ouro ao leito de algum inquisidor bastante misericordioso para convertê-la a portas fechadas e depois queimá-la.
Você é bela, Leonor, como raramente o é uma mulher.
Se consentir em ficar aqui como minha noiva, minha esposa, você sentirá todos os gozos do amor carnal.
Nestes domínios do mal e de trevas onde eu sou rei, você será rainha. Quer?
Como que fascinada Leonor ouvira o discurso insidioso e estranhamente persuasivo do representante do mal e os últimos protestos de sua consciência, a doce e harmoniosa voz de seu anjo da guarda, perderam-se no tumulto dos sentimentos novos que enchiam sua alma.
Seu olhar colava-se ao pálido rosto de mestre Leonardo, a seus olhos fulgurantes, e pareceu-lhe belo como um deus.
Tinha medo deste homem, tremia diante dele e, contudo, um ardente desejo de ser amada por ele a invadia e destruía seus últimos escrúpulos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 25, 2016 7:26 pm

Caindo de joelhos, ela estendeu as mãos para ele, gritando com uma voz entrecortada:
- Graças! Tenha piedade de mim, homem terrível ou espírito infernal.
Meu coração voa para você, mas o que será de minha alma?
Como comparecerei diante do tribunal daquele que derramou seu sangue por mim?
Diga-me, como renunciar à minha fé, à minha esperança numa vida futura?
Um tremor sacudiu o corpo flexível de mestre Leonardo e uma nuvem escureceu sua fronte.
Depois ele soltou um riso estridente e metálico:
- Cega, você espera ainda alguma coisa lá do alto, depois de todas as recompensas por sua virtude?
Aqueles a quem você quer adorar, prometerão a você as felicidades do céu, mas a deixarão morrer como um cão.
E agora escolhe, o tempo urge:
você quer voltar à prisão ou celebrar nosso casamento? Responda!
Sob o olhar ardente de mestre Leonardo, a palidez de Leonor se tornou um sombrio rubor.
Um amor cheio de paixão desordenada, bem diferente do doce e puro sentimento que Walter lhe tinha inspirado, começava a ferver nela.
Um sorriso cínico e galhofeiro passou pelos lábios do misterioso castelão.
Ele se inclinou e erguendo a moça em seus braços, atravessou com seu leve fardo o laboratório em toda sua extensão.
No fundo, por uma porta que Leonor não tinha visto, ele penetrou numa segunda sala menor e estranhamente mobiliada.
No centro, uma bacia de cristal muito funda estava cheia de uma água fosforescente, que se agitava e ondulava incessantemente como sob o sopro duma brisa.
Perto das bordas e formando um triângulo, havia três altos candelabros de prata, nos quais brilhavam, faiscando, grossas velas de cera negra.
De vários orifícios, desprendiam-se turbilhões de fumaça, enchendo o recinto de um aroma acre e atordoante.
Sentindo em sua face o hálito quente de seu portador, como que um torpor embriagante se apoderou de Leonor.
Ela não fez nenhuma resistência quando mestre Leonardo, tendo-a posto no chão, se pôs a despi-la rapidamente, nem mesmo observando que sob os dedos do estranho personagem, suas roupas pareciam fundir-se, destacar-se por si mesmas e escorregar para o chão.
Depois, como um raio, ele a apanhou e a jogou na bacia.
No mesmo instante Leonor soltou um grito estridente; seus vestidos, que jaziam por terra, inflamaram-se e num segundo se consumiram.
Quanto à moça, ela se debatia como louca na bacia, na borda da qual ela se agarrava convulsivamente.
Tinha a sensação de estar sendo queimada viva.
A água da bacia lhe parecia incandescente, mil flechas a atravessavam com suas picadas de agulha.
Cada nervo, cada fibra do seu corpo queimava-se, vibrava, contraía-se.
Seus cabelos se eriçavam como uma crina de ferro.
Depois, todo o líquido pareceu incendiar-se e aterrada pela espantosa dor que sentia, a moça se dobrou sobre os joelhos.
Sem dar-lhe atenção, mestre Leonardo ergueu os braços sobre a bacia, tendo numa das mãos uma varinha vermelha como metal em fusão.
Ele se pôs a cantar, num ritmo bizarro e cadenciado, palavras em língua desconhecida.
Logo, a luz das velas se embaciou e pareceu envolver-se num vapor espesso.
Um vento impetuoso assoprava fazendo ranger a folhagem e dobrar assobiando troncos de árvores invisíveis.
O trovão ribombava, o solo tremia e através dos rugidos da tempestade ouviam-se gritos discordantes de homens e de animais.
Uma auréola de relâmpago envolvia mestre Leonardo; verdadeiramente ele estava soberbo.
Seus olhos lançavam chamas e de todo seu ser emanava uma tão poderosa vontade que nada parecia poder resistir-lhe.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 25, 2016 7:26 pm

Sem querer, os olhos de Leonor se fixaram nele e ela pensou não ter jamais visto uma tão perfeita ainda que sinistra beleza.
Quando ele baixou a varinha, todos os ruídos se extinguiram e a sala retomou seu aspecto primitivo.
Alquebrada, Leonor abateu-se na borda a bacia, mas com um sorriso o feiticeiro a ergueu e a depôs no solo.
Como por encanto, sua fraqueza e toda sensação dolorosa desapareceram.
Ao contrário, um agradável calor percorria seus membros e jamais ela experimentara uma tal plenitude de vida e de força.
Com espanto, notou que nem seu corpo ou cabelos trazia qualquer traço de umidade.
E quando mestre Leonardo a puxou para diante de um grande espelho, ela ficou admirada de sua própria beleza.
Nunca ela tinha visto uma pele tão deslumbrante de brancura e da qual parecia irradiar-se um fulgor interno.
Os cabelos de ouro estavam fosforescentes e os grandes olhos sombrios lançavam chamas.
O que ela não notava era que sua beleza tinha mudado totalmente de carácter e adquirido um poder demoníaco.
Por um momento, mestre Leonardo contemplou-a com uma satisfação misturada de admiração.
Ele apanhou as madeixas sedosas de seu cabelo e beijou-as.
Depois apanhou uma leve túnica de fazenda prateada, talhada à grega, e prendeu-a com presilhas de diamantes.
Em seguida; colocou-a nos ombros de Leonor juntamente com uma manta de seda escarlate bordada a ouro; ornou-lhe a cintura com um cinto de pedrarias; pôs-lhe no pescoço um colar de pérolas e nos braços, pesados braceletes.
Por último, trouxe num cesto de vime uma grinalda de flores, colocando-a nos cabelos soltos de Leonor, que examinou maravilhada estas flores desconhecidas.
Suas pétalas transparentes pareciam rubis e de seus cálices saíam pistilos tão fosforescentes que pareciam minúsculas chamas.
- A noiva está pronta.
Vamos ver nossos convidados, - disse mestre Leonardo, oferecendo-lhe a mão.
Atravessaram dois pequenos aposentos e um corredor abobadado, cujas portas se abriam por si mesmas ao se aproximarem delas.
Em seguida, entraram em uma das vastas salas que Leonor tinha visto de manhã, sem saber explicar para que serviam.
Agora, a sala estava cheia de gente, mas Leonor muito se espantou de ver reunidas pessoas de todas as condições, damas nobres e camponesas, burgueses e plebeus.
Senhoras trajadas de veludo se misturavam amigavelmente com campónios de vestes grosseiras e faces endurecidas.
Toda a turba aclamou o castelão e sua dama freneticamente, quando ele a apresentou como sua noiva.
Em seguida passaram para a sala contígua, no meio da qual estava posta uma grande mesa em forma de ferradura, carregada de baixelas preciosas e manjares delicados.
Com o modo democrático que caracterizava a assembleia, os convivas tomaram lugar e o banquete começou.
O vinho corria abundante, os pálidos semblantes se coloriam e uma chama lúgubre brilhou nos olhos da multidão.
Mestre Leonardo era o mais amável dos anfitriões, velando para que as taças e os pratos estivessem sempre cheios pelos criados que circulavam atarefados ao redor da mesa.
Os servidores eram pequenos seres disformes e repugnantes, verdadeiros representantes de alguma estranha raça de anões.
Leonor vivia como que um sonho.
O coração batia descompassadamente e o sangue corria-lhe nas veias como uma torrente de fogo.
A garganta estava seca, ela esvaziava taça sobre taça e os vivas e os brindes em sua honra e à de seu noivo, aumentavam-lhe ainda mais a excitação.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 25, 2016 7:26 pm

Súbito ouviu-se ao longe o som vibrante de um sino. Os assistentes estremeceram - apesar do vinho abundante ninguém estava embriagado - e gritaram a uma só voz:
- O casamento!
Todos se ergueram impetuosamente.
Mestre Leonardo tomou a mão de sua noiva, a multidão os rodeou, dançando numa louca sarabanda e com clamores e cantos empurrou-os para uma porta oculta por uma cortina vermelha.
Dois dos pequeninos servidores, afastaram essa cortina e toda a sociedade penetrou numa comprida sala.
Lá, sobre um altar montado em vários degraus, entronizaram uma estátua de bronze escuro representando um bode de talhe semi-humano.
Entre os chifres recurvados ergueram uma tocha acesa.
Parecia que das órbitas dos olhos brilhavam chamas de um amarelo baço e poderosas asas negras saiam das espáduas.
O altar estava forrado de preto com duas velas de cera acesas, um livro de magia negra ao pé do ídolo, e uma taça cheia de um líquido vermelho.
Diante deste altar, paródia blasfema de um altar verdadeiro, os noivos param; um dos assistentes, velho de barba branca, sobe os degraus e depois de uma alocução cheia de um cinismo sacrílego, ele pega a taça e a apresenta a mestre Leonardo; este bebe e a passa a Leonor, que a esvazia docilmente.
O líquido, acre e abrasante, dá-lhe nos lábios e na garganta uma sensação de queimadura.
Em seguida o mesmo oficiante estendeu ao esposo um anel trazendo engastado um diamante negro, que ele colocou no dedo da moça.
Os assistentes entoaram um canto e se puseram a dançar em volta dos recém-casados.
Esta sarabanda desenfreada degenerou logo uma espantosa orgia; todos os demónios do inferno pareciam ter encontro marcado.
Mas é preferível estendermos uma cortina sobre essas torpezas.
É suficiente dizer que ao primeiro canto do galo, esta turba imunda se dispersou sem barulho, como um bando de pássaros nocturnos que a um golpe de vento se esparrama em todas as direcções.
Leonor acordou tarde e achando-se no quarto que ocupara na véspera, perguntou a si própria se não fora um horrível pesadelo que a atormentara durante o sono.
Mas não, não foram um sonho as horrendas lembranças que lhe voltavam confusamente; o diamante negro que brilhava em seu dedo lá estava para prová-lo.
Com medo e curiosidade, ela examinou o anel com a pedra preciosa que lançava brilhos multicores e trazia gravada no centro uma minúscula cabeça de bode.
Com um profundo suspiro, a jovem deixou cair a cabeça nos travesseiros.
Tudo estava consumado, ela pertencia ao inferno, trazia o anel de Satanás e estava marcada com o seu selo.
O que aconteceria agora?
Ao pensar que reuniões como as da véspera poderiam se renovar, um frémito de medo e horror percorreu-lhe a epiderme e malgrado a paixão que lhe inspirava seu misterioso e terrível esposo, houve um momento em que quase desejou a prisão e a fogueira.
Por longo tempo ficou deitada desejando chorar, mas parecia ter perdido o dom das lágrimas, e acabou por persuadir-se de que era infantil lamentar o irremediável.
Além disso, sentia fome.
Levantou-se, vestiu um roupão e desta vez ela mesma encontrou a sala das refeições onde estava servido um excelente almoço.
Leonor acabara de tomar um copo de leite e se dispunha a cortar uma ave assada, quando entrou mestre Leonardo.
Ele parecia alegre e seu semblante não trazia nenhum traço das torpezas inenarráveis da noite.
Abraçou ternamente sua jovem mulher e tão grande era a fascinação que ele exercia sobre Leonor, que ela esqueceu seus temores, seus remorsos, suas dúvidas e viu apenas aquele que cativava seus sentidos e seus pensamentos inteiramente.
O almoço decorreu alegre.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 25, 2016 7:27 pm

Mestre Leonardo era amável e galante, ele mesmo serviu sua esposa e com sua conversa espirituosa conseguiu dissipar completamente seus pensamentos sombrios.
Terminada a refeição propôs-lhe darem um passeio a cavalo.
- Certamente que eu quero - disse Leonor enrubescendo de prazer - mas eu não sei montar a cavalo.
- Ora! Não se inquiete por tão pouco, eu a ensinarei - disse rindo mestre Leonardo.
Vai, minha querida, vista-se, depois me encontre no pátio.
Em seu quarto, a esperava uma anãzinha, feia e corcunda de fazer medo, mas rápida e hábil arrumadeira, que a vestiu com um costume de veludo negro, um gorro com uma pluma da mesma cor, calçou-lhe as luvas e por fim colocou-lhe elegante gravata com laço de prata acompanhando um grosso diamante.
Impaciente e alegre, Leonor ganhou o pátio correndo.
Encontrou o castelão trajado de preto como sempre e segurando as rédeas de dois soberbos cavalos negros como a noite.
Ele ajudou Leonor a montar, mostrou-lhe como era preciso segurar as rédeas e depois de algumas voltas dadas no pátio, a jovem aprendeu mais ou menos a dirigir sua montaria que, de tão maravilhosamente ensinada, podia limitar-se apenas ao cuidado de não ser atirada fora da sela pela rapidez da carreira.
Satisfeito com o resultado desta primeira lição, mestre Leonardo esporeou seu fogoso ginete e eles deixaram o castelo por uma saída que Leonor não conhecia e que dava para um caminho, senão cómodo, pelo menos prático para os cavalos.
Ao alcançarem a aba da montanha, o castelão deu rédeas a seu cavalo e, rápido como o vento, os dois cavaleiros atravessaram campos e florestas.
Chegando ao alto de uma colina, mestre Leonardo parou seu cavalo e, inclinando-se para Leonor que aspirava a plenos pulmões o ar puro e vivificante, disse-lhe com um sorriso:
- E então Leonor!
A vida não é bela?
Não é melhor do que a prisão, a fogueira e a companhia do carrasco, mesmo que ela custe alguns pequenos sacrifícios?
Leonor não respondeu.
Nesse instante ela não se lamentava de nada, nem mesmo do sacrifício de sua alma.
A beleza da paisagem que a circundava, absorvia-a.
Realmente, a vista era magnífica.
Inundada pelos raios de sol, estendia-se a seus pés a planície sorridente do Reno, bordejada de um lado pela cadeia dos Vosges e do outro pelas montanhas da Floresta Negra.
Porém, subitamente ela estremeceu.
Aquela cidade que se erguia lá na planície com sua esplêndida catedral construída de pedras vermelhas, os canais que percorriam as ruas, era Friburgo, sua cidade natal, o berço e o túmulo de sua felicidade e de suas esperanças.
- Sim, sim, é Friburgo e lá iremos se você quiser - observou mestre Leonardo - ao passar, entraremos na loja de mestre Cristóvão Selve, para comprar algumas jóias e também fazendas.
Seu guarda-roupa está longe de ser completo.
- O que você diz? - falou Leonor com um arrepio de espanto.
Mestre Cristóvão me encomendou o estandarte que a confraria do artesão ofereceu à Virgem.
Se ele me reconhecer, ou mesmo algum transeunte, prender-me-ão e me arrastarão à prisão!
Ao nome da Virgem, uma súbita crispação desfigurou momentaneamente os traços do misterioso castelão.
- É desnecessário você me contar para quem bordou estandartes.
Sabes que não tenho nada a ver com aqueles lá de cima - disse ele duramente.
Quanto a seus receios de modo algum se justificam.
Na altiva e rica castelã, ninguém reconhecerá a pobre moça condenada à fogueira, mesmo que notem alguma semelhança.
Além disso, você se esquece de que se tornou a mulher de mestre Leonardo.
Não tem mais que temer a justiça dos homens, ao contrário, é a vez deles tremerem diante de você.
Sem esperar resposta, lançou seu cavalo para a frente e Leonor o seguiu.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 25, 2016 7:27 pm

Como por prazer, mestre Leonardo lhe fez dar uma volta por todas as ruas da cidade.
Numerosas pessoas o saudavam respeitosa ou amigavelmente.
Era evidente que o conheciam, mas de certo não sob sua verdadeira personalidade.
Leonor também encontrou muitos vizinhos e conhecidos:
olhavam-na com admiração, mas ninguém demonstrou reconhecê-la.
O próprio mestre Cristóvão examinou-a com um pouco de admiração curiosa, oferecendo-lhe amavelmente os mais belos artigos.
Deixando a cidade, o acaso quis que ela encontrasse o próprio Walter, porém o fidalgo caminhava de cabeça baixa e tão absorto em seus pensamentos que nem ao menos notou o cavaleiro e a dama que passavam perto dele.
O coração de Leonor bateu violentamente à vista de seu antigo noivo tão pálido e magro.
Todavia ela notou com tristeza e espanto que não sentia por ele o mesmo amor de outrora.
Durante todo o passeio pelas ruas de Friburgo e cada vez que o olhar de uma pessoa conhecida caía sobre ela, indiferente e curiosa, Leonor perguntava a si mesma se mudara de tal modo que ninguém suspeitava mesmo de sua verdadeira personalidade.
Logo que entraram, ela correu a seu quarto e diante do grande espelho de Veneza, examinou-se como se fosse uma estranha.
Notou então o que antes não notara.
A mudança total operada no próprio carácter de sua fisionomia.
Tinha perdido totalmente sua frescura rosada, seu rosto pálido de alabastro, parecia talhado em pedra, seus olhos tão doces e sonhadores, flamejavam agora como dois carbúnculos.
O olhar apaixonado perturbava e fascinava e a pequenina boca, de um sorriso ingénuo, adquirira uma prega dura e altaneira.
No seu rico costume de veludo e gorro preto nos cabelos dourados, ela representava tão bem uma orgulhosa e inabordável senhora, que era compreensível que nenhum dos pobres artesãos, seus vizinhos e amigos de outrora, reconhecessem nela a doce, tímida e cândida Lori Lebeling, tão amada de todos por sua bondade, simplicidade e virginal pureza, até o dia nefasto em que se abatera sobre ela a medonha acusação.
Tomada de súbita fraqueza, Leonor se deixou cair numa poltrona e continuou a fixar os olhos em sua imagem com dolorosa amargura.
Sim, ela estava mudada, mas não era natural?
Sua alma não tinha mudado mais do que seu exterior?
Ela não renegara seu Deus, sua fé, sua esperança numa vida futura, e isto por uma existência vil, manchada por todos os vícios, cheia de sacrilégios e de blasfémias, no fim da qual a esperavam a condenação e o fogo eterno?
Ocultou o rosto nas mãos e sentiu alguma coisa de pesado subir-lhe aos olhos, mas as lágrimas libertadoras não vieram.
A voz da anã que perguntava se ela não queria tirar a roupa de equitação, veio arrancar a jovem mulher de seus pensamentos.
Leonor sentia um cansaço extremo, seus membros estavam pesados como chumbo.
Ela aceitou então com prazer, mudar sua roupa de veludo por um vestido leve de seda branca.
Desmanchou as longas tranças que pesavam em sua cabeça dolorida e depois, foi sentar-se num balcão que descobrira no quarto junto ao seu.
Sentou-se numa poltrona e com o olhar fatigado contemplou a radiosa paisagem que se lhe estendia na frente.
As planícies verdejantes, as colinas cobertas de matas, a cintura de sombrias florestas que bordavam o horizonte, toda esta linda natureza, o céu azul tão puro, tudo respirava calma e quietude, mas o coração de Leonor estava vazio e triste e pouco a pouco uma apatia cheia de lassidão se apoderou dela.
Novamente, a anã tirou-a dessa fadiga sonolenta.
Ela puxou uma mesinha e serviu à sua patroa uma refeição de pão, queijo, manteiga e carne fria.
Leonor sentiu que tinha fome e passou manteiga numa fatia de pão.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 25, 2016 7:27 pm

Mas súbito ela se lembrou que servira a Walter uma refeição semelhante, quando ele vinha visitá-la em casa de seu pai.
Como ele comia com apetite as fatias de pão com manteiga que ela lhe preparava!
Eles riam e conversavam juntos!
E ela era ligeira e activa, não sentindo jamais a fadiga, achando sempre tempo para ajudar sua tia nos trabalhos domésticos, sem se descuidar de seu próprio trabalho!
Leonor passou as mãos pelos olhos, mas como nenhuma lágrima viesse, persuadiu-se que não valia a pena chorar um passado que se fora para sempre.
Esforçou-se por comer, bebeu uma taça de vinho e pôs-se a pensar no futuro.
Ele lhe pareceu indizivelmente triste, vazio e tedioso.
O castelo era deserto e ela não podia estar com seu marido senão à noite.
A menos que ele mesmo viesse durante o dia, ela não devia jamais procurá-lo, nem chamá-lo, dissera-lhe mestre Leonardo.
Quando o sol se foi e os vales profundos se desvaneceram na bruma, Leonor resolveu procurar seu marido e pedir-lhe uma ocupação qualquer para preencher o tempo durante as longas horas do dia.
Dirigiu-se então para o laboratório e parando diante da porta, perguntou:
- Posso entrar?
- Venha - respondeu a voz do castelão.
Mestre Leonardo estava sentado em frente à sua mesa de trabalho e quando Leonor se aproximou, viu que ele desenhava numa folha de pergaminho figuras cabalísticas.
Mas, abandonando sua ocupação, enlaçou a jovem mulher, puxou-a para si, e imprimiu-lhe nos lábios um beijo ardente.
- Você vem pedir-me alguma coisa, minha bela esposa? - perguntou ele enquanto que um relâmpago de paixão acendia seus grandes olhos esverdeados.
Sob este eflúvio de fogo, elevou-se de novo no coração de Leonor um sentimento antes desconhecido que abrasava todo seu ser.
De um ímpeto, ela abraçou seu marido e devolveu-lhe o beijo.
- Você adivinha sempre o meu desejo, antes que eu tenha tempo de dizê-lo - respondeu ela com admiração.
Sim, venho pedir-lhe alguma ocupação.
Aborreço-me quando você não está junto de mim.
Ensina-me a fazer conjurações.
A mulher de mestre Leonardo deve, assim me parece, ser também um pouco "feiticeira", disse ela apoiando a cabeça no ombro do marido.
Mestre Leonardo se pôs a rir com aquele som estridente e metálico que causava arrepios.
- Oh! minha querida, um pouco feiticeira você sempre foi.
Seus belos olhos e seus cabelos de ouro enfeitiçaram mais de um coração.
Quanto a lhe ensinar minha ciência, é difícil.
É muito perigoso conhecer dela apenas uns pedacinhos.
Mas diverti-la, eu o posso.
Você quer olhar no espelho mágico?
Verá nele o que fazem neste momento suas velhas comadres de Friburgo, ou o fidalgo de Küssenberg.
Você prefere almas do outro mundo?
Também posso mostrá-las.
- Almas do outro mundo! - repetiu Leonor pensativa.
Oh! se você me mostrasse minha tia e meu pai, como eu lhe seria grata!
- É bem fácil, sobretudo seu pai.
Quanto à sua tia, não lha posso mostrar.
Ela se meteu com toda uma sociedade de santos.
Lá, dizem preces e cantam meã culpa.
A visão desta mulher somente a perturbaria.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Set 25, 2016 7:27 pm

- Sim, minha pobre tia era piedosa e sua fé não fraquejou nem mesmo durante a tortura, mas meu pobre pai se enforcou de medo dos tormentos, - observou Leonor com um suspiro.
- Justamente por isso é que eu posso mostrá-lo.
Por sua grande "coragem" enviaram-no entre os nossos.
Mas venha, posso dar-lhe logo este pequeno divertimento.
Ele levou-a para uma salinha circular, escura e sem janelas, iluminada fracamente por uma lamparina na qual crepitava uma chama verdolenga.
Em frente da porta havia uma cadeira grande sobre vários degraus.
Mestre Leonardo sentou-se nela, puxou Leonor para seu lado e levando aos lábios uma corneta de metal, emitiu um som agudo.
Um instante e apareceu na soleira o homem ruço e antipático que Leonor já conhecia.
- Oxarat, minha mulher quer ver seu pai.
Ocupa-te disso imediatamente - disse mestre Leonardo com um sorriso ligeiro.
O homem inclinou-se respeitosamente, abriu um pequeno armário e dele retirou diversos objectos que depositou numa mesa.
Entre eles havia uma tigela cheia de uma substância que parecia fogo líquido, uma espada muito afiada e um instrumento semelhante a uma flauta.
Aproximando-se da parede, Oxarat começou por traçar nos ladrilhos um círculo duplo com giz.
Em seguida dispôs em triângulo, três trípodes nos quais acendeu carvões e derramou uma essência que se queimou, crepitando, com uma grande labareda exalando um cheiro acre e desagradável.
Pegando então a espada, mergulhou a ponta na tigela, como uma pena no tinteiro e escreveu na parede uma inscrição em letras misteriosas que chamejavam como caracteres de fogo.
Depois tomou uma flauta e se pôs a tocar, porém os sons do instrumento eram discordantes, agudos e dolorosos como o grito de uma alma angustiada.
Enquanto retinia essa música enervante, uma fumaça negra começou a brotar da parede, no centro do círculo que ele tinha traçado.
Uma nuvem se formou, sulcada de faíscas e de ziguezagues de fogo e, subitamente, acenderam-se nos trípodes, clarões verdolengos.
Da mesma nuvem fizeram-se ouvir gemidos estridentes, depois a massa brumosa se fendeu e, iluminado por um clarão embaciado, materializou-se um homem de porte alto, com uma corda no pescoço.
Suas roupas estavam rasgadas e seu rosto lívido, crispado por uma angústia sem nome.
Os olhos baços e arregalados.
- Pai, pai! - gritou Leonor fora de si e querendo lançar-se para ele, mas mestre Leonardo a reteve com mão de ferro.
O fantasma, ouvindo o chamado da filha quis precipitar-se para ela, mas Oxarat impediu o acto dirigindo-lhe a ponta da espada mágica, onde brilhava uma chama amarelada.
O espírito recuou imediatamente arrojando-se para o círculo e Leonor viu com espanto, o rosto de Oxarat transfigurar-se sob a expressão de uma vontade extraordinária.
Seus olhos faiscavam, e os lábios cerrados demonstravam toda sua vontade.
Ele governava o espírito evocado com a ponta de sua espada mágica, não deixando nem por um instante a figura da aparição.
- Salva-me, alivia-me, filha querida - gemeu o espírito estendendo para Leonor as mãos súplices.
Eu estou sufocado, sofro mil mortes!
Ah! Porque preferi a morte material e criminosa em vez da morte do mártir?
Leonor, roga por mim ao Crist...
Antes que ele terminasse de pronunciar o nome venerado, Oxarat lhe cortou a palavra.
Espetando lateralmente o espectro com a espada, fê-lo girar no ar.
Diante deste espectáculo, dos gritos agudos e desesperados que o espírito soltava, a vertigem do desespero se apossou de Leonor.
- Pai, pai! - gritou ela juntando as mãos - eu sou uma renegada, mas o senhor pode rogar.
Oh! Jesus, Senhor misericordioso, tenha...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Set 26, 2016 7:28 pm

No mesmo instante Oxarat vacilou e caiu por terra como que abatido por uma pancada.
O espírito do suicida desapareceu.
O rosto de mestre Leonardo se descompôs tomando uma expressão verdadeiramente infernal.
Sua boca retorcida mostrava dentes brancos e agudos como de um lobo.
Com seus dedos flexíveis e longos ele agarrou o pescoço de Leonor e revirou-a na cadeira.
A jovem tentou debater-se, mas a respiração lhe faltou, tudo ao seu redor girava e se tornava negro.
A cabeça parecia estourar e em instantes ela perdeu os sentidos.
Quando voltou a si, viu-se no laboratório, estendida na poltrona de mestre Leonardo que, debruçado sobre ela, enxugava-lhe o rosto com um pano de linho que exalava um forte cheiro de lírio.
Ele estava sombrio como uma nuvem de tempestade, as sobrancelhas franzidas e testemunhava a terrível comoção que acabara de passar.
Seu rosto estava lívido, lábios azulados, dedos violáceos e o corpo tremia e se arrepiava.
- O que você fez, insensata?
Se o galo não tivesse cantado, você estaria bem arranjada! - disse ele severamente.
Jamais, entendeu?
Jamais ouse, mesmo em pensamento pronunciar o nome daquele que você renegou.
Nada poderá salvá-la.
Você morrerá de uma morte em comparação da qual a fogueira seria uma delícia.
Os espíritos infernais rasgarão seu corpo em tiras e eu próprio serei forçado a tornar-me seu carrasco.
Tome cuidado em não desafiar forças que lhe são desconhecidas!
- Perdoe-me - murmurou Leonor, fitando medrosamente o rosto descomposto desse poderoso servidor do mal.
- Eu a perdoo porque você não sabia o que fazia.
Para o futuro seja mais prudente.
Lamentemos somente esse pobre Oxarat que foi quem mais sofreu.
Ele está com o corpo coberto de feridas.
Enfim, como tudo terminou de modo feliz, esqueçamos esta história e vamos cear.
Leonardo levou a jovem para a sala de refeições e com sua habitual indiferença bebeu, comeu, e foi amável para com ela, rindo e zombando do terror pelo qual passaram e do perigo que correram.
Em seguida conduziu Leonor a seu quarto e lhe fez companhia até que o galo cantou pela primeira vez depois da meia-noite.
Quando ele levantou e se despediu para se recolher a seus aposentos particulares, Leonor abraçou-lhe o pescoço e murmurou num tom suplicante:
- Oh! diga-me quem é você!
Homem estranho e terrível, grande é a sua ciência, imenso seu poder!
Você é feiticeiro ou espírito das trevas?
Ele ergueu seu alto corpo, esticou seus membros flexíveis com movimentos felinos e respondeu, piscando o olho:
- Rainhazinha do sabá, eu sou mestre Leonardo.
Amedrontada, Leonor recuou.
Ele, divertindo-se evidentemente com o medo dela, abraçou-a, puxando-a para si como a serpente à sua vítima.
E se pôs a rir com aquele som sinistro que arrepiava a pele.
E subitamente, tal riso pareceu continuar como se demónios o repetissem de eco em eco, abalando cada fibra do corpo da jovem.
Esta sentia o solo fugir-lhe dos pés.
A cabeça girava, ela não via mais do que os olhos esverdeados que dardejavam sobre ela um olhar paralisante.
Por uma segunda vez perdeu a consciência de si mesma.
Ao acordar de seu desfalecimento, era dia claro.
Por um instante julgou ter sido vítima de um pesadelo.
Porém quando se aproximou do espelho e viu no pescoço, as manchas violáceas dos dedos de mestre Leonardo, voltou-se estremecendo.
Como estivera perto da morte!
E o que teria acontecido se o galo não tivesse cantado a tempo?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Set 26, 2016 7:28 pm

III - A ESTÁTUA DE CERA

Depois do estranho desaparecimento de sua noiva, uma profunda melancolia se apoderara de Walter.
Frequentemente ele quebrava a cabeça para adivinhar como ela pudera fugir do cárcere.
Ele agradecia a Deus por tê-la subtraído à morte horrível que a esperava.
E, todavia, a convicção de que a perdera para sempre, roía seu coração como uma chaga.
Nesta disposição de espírito, as determinações de sua mãe de casá-lo com Filipina Schrammenstedt lhe eram odiosas e a tenacidade com a qual a moça visitava sua casa sob o pretexto de ver dona Cunegundes, inspirava-lhe aversão por ela.
Uma tarde em que a senhora de Küssemberg o atormentava ainda mais do que o costume, descrevendo-lhe todas a vantagens do casamento que ela desejava e elevando a beleza e as virtudes de Filipina, o fidalgo respondeu impaciente:
- Deixe-me em paz, mãe!
Jamais desposarei Filipina, porque amo Leonor.
Não amarei senão a ela - e não a esquecerei até a minha morte.
Eu sei que para mim ela está perdida, desonraram-na e destruíram-na.
Onde e como desapareceu, somente Deus o sabe.
Mas minha convicção de que ela era inocente, é inquebrantável.
Ela, Brígida e o pobre velho Klaus, são vítimas inocentes e possa a maldição de Deus abater-se sobre aqueles que lhes causaram tal infelicidade por odiosas mentiras!
Sem notar a súbita palidez da senhora Cunegundes, ele continuou:
- Em todo o caso é um péssimo serviço que a senhora quer prestar à sua protegida, tornando-a minha mulher.
Eu não tenho nem mesmo amizade por essa moça vaidosa e fútil e sua vida não seria alegre ao lado de um marido cujo coração está cheio de amor por outra.
Depois desta conversa, a senhora de Küssenberg calou-se e deixou Walter tranquilo durante várias semanas.
Porém, depois voltou mansamente à carga reiniciou seus lamentos sobre a velhice desolada que a esperava junto a um filho celibatário, em lugar de ter a alegria de embalar netinhos em seus joelhos.
Muitas pessoas de sua parentela que ela soube conquistar para sua causa, puseram-se igualmente a persuadir Walter e cansado, o moço começou a ceder.
Aproveitando este momento de indecisão, o pai de Filipina que desejava ardentemente este casamento, organizou uma reunião íntima, para a qual convidou o fidalgo e sua mãe, bem como todas as pessoas que favoreciam a união projectada.
Walter compareceu mais taciturno do que nunca, porque sabia que não perderiam a ocasião de torná-los noivos.
Há muitos dias que o catequizavam para isso.
Repugnava-lhe fortemente esta união.
Contudo estava esgotado e lhe era penoso entristecer sua mãe com mais recusas.
O jantar, composto de pratos particularmente delicados, foi não obstante, muito aborrecido, visto o sombrio mutismo do pretendente.
Depois da ceia todos foram para o terraço que dava para o jardim, mas Filipina, sob um falso pretexto, levou Walter a um pavilhão todo coberto de vinhas e mostrou-lhe um bordado que ela andava fazendo.
Em seguida, ofereceu-lhe frutas sobre uma mesa.
Walter, que compreendia muito bem a razão desta excursão a dois no fundo do jardim, resolveu pôr fim a esta situação enervante, explicando-se com a própria moça.
- Senhorita Filipina - disse ele sem preâmbulos - você sabe tanto quanto eu que nossos pais desejam ver-nos unidos.
Mas eu julgo de meu dever dizer-lhe que este casamento lhe trará pouca felicidade, porque meu coração está morto desde o desaparecimento da pobre Lori de Lebeling.
Não é segredo que eu a amei apaixonadamente.
Pois bem!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Set 26, 2016 7:28 pm

Eu a amo ainda e sua lembrança me será sagrada até a morte.
A você eu não posso oferecer mais do que uma amizade fraterna.
Contudo, se nestas condições você quiser aceitar-me por esposo e suportar a vida tal como tenciono vivê-la, não exigindo jamais meu amor, cederei ao desejo de nossas famílias, e anunciarei agora o nosso noivado. Reflicta bem, Filipina, antes de tomar uma decisão.
Jovem, amável e rica como você é, poderá casar-se com um homem que a ame unicamente e que lhe dará mais felicidade do que eu.
Durante este discurso pouco lisonjeiro, rubor e palidez alternaram-se nas faces de Filipina.
Certamente uma outra moça recusaria um pedido de casamento assim formulado.
Mas ela era de uma outra têmpera:
não somente Walter lhe agradava, como a perspectiva de entrar na nobreza, de acompanhar seu marido à corte do imperador, tentava sua vaidade.
Além do que, suas amigas lhe invejariam o brilhante casamento, o belo e aristocrático noivo e as bodas esplêndidas que seu pai queria preparar!
E por que, afinal de contas, ela não se faria amar pelo fidalgo?
Justos céus!
Ela valia bem mais que uma miserável artesã como Leonor, aquela maldita que lhe roubara o coração de Walter!
Jamais se consolaria de que ela tivesse escapado da fogueira!
Reflectindo bem, resolveu não deixar escapar esta ocasião única de agarrar o marido desejado e curvando a cabeça com fingida modéstia, respondeu-lhe em voz baixa:
- Suas palavras são cruéis, Walter, porque você sabe que eu o amo mais do que tudo e prefiro mesmo sua amizade, ao amor mais ardente que me oferecesse um outro homem.
O orgulho me impele a recusar seu pedido tão hostil, mas meu amor é mais forte do que meu orgulho.
Quero contentar-me em viver perto de você, velar por seu bem-estar, sem jamais me queixar.
Trabalharei por não desagradar-lhe e esperarei com paciência que você sinta por mim uma amizade mais viva.
Compreendo e desculpo a dor que você sente, porque eu mesma deploro do fundo de minha alma o triste fim da bela e doce Leonor, que eu não posso crer culpada, apesar de todas as provas que recaem contra ela.
Walter ergueu a cabeça espantado.
Jamais julgara ser tão vivamente amado.
Mas o insidioso discurso da astuta moça tocou seu ponto fraco: a generosidade.
Ele era profundamente correto e honesto para duvidar da sinceridade das palavras que acabava de ouvir.
Estendendo a mão à Filipina, ele lhe disse bondosamente:
- Se você não receia ligar sua vida à minha, torne-se minha companheira.
Eu me esforçarei honestamente para tornar-lhe a existência tão suportável quanto possível.
Quando Filipina pousou sua mão na dele, ele puxou-a para si e deu-lhe um beijo na testa, mas a moça sentiu toda a frieza da primeira carícia e a cólera ferveu-lhe o íntimo.
Todavia ela era muito senhora de si para nada deixar transparecer de seus sentimentos mais profundos e com aparente resignação, apoiou a cabeça no peito de Walter.
O noivado encheu de alegria a senhora Cunegundes e a família de Filipina e quando a novidade se espalhou pela cidade, todas as mães que tinham aspirado a ter Walter por genro e todas as moças que tinham sonhado com o rico e encantador fidalgo, experimentaram um pungente ciúme.
Sob este aspecto, Filipina pôde ficar amplamente satisfeita e ela não se furtou ao prazer de reunir frequentemente suas amigas para mostrar-lhes as finas fazendas, os brocados, as rendas, a baixela, e a prataria e os cristais destinados ao seu enxoval.
E, sobretudo, para exibir aos olhos ávidos das moças, que ainda não eram noivas, o esplêndido estofo de seda, bordado de pássaros e rosas de prata, e o colar de diamantes e pérolas, que lhe foram enviados por seu futuro esposo e que ela devia usar na cerimónia.
Cheias de inveja, as amigas se desforravam criticando as relações dos noivos, a indiferença do fidalgo, que preferia conversar com as velhas a falar de amor à Filipina.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Set 26, 2016 7:28 pm

Esta, muitas vezes em tais momentos, tinha o rosto em fogo, mas visivelmente não se atrevia a fazer cenas.
Jamais se falara tanto do amor de Walter por Lori Lebeling e se sentira tanta compaixão pelo seu triste fim.
O barulho, o movimento, os mil preparativos que enchiam as duas casas dos futuros cônjuges, pesavam indizivelmente ao fidalgo.
Para se livrar disto e se furtar ao mesmo tempo de seus deveres de noivo, declarou que iria passar as três últimas semanas antes de seu casamento num convento distante, onde um de seus tios era prior.
Ele desejava pedir a bênção do rígido e venerável ancião e se preparar pela prece e pela solidão para a cerimónia.
Esta resolução pareceu tão natural que ninguém se espantou e Filipina ficou satisfeita com a partida de seu noivo cuja reservada frieza e frouxa amizade a envergonhavam e a comprometiam somente.
Walter partiu sem alarde, feliz por se refugiar durante os últimos dias de sua liberdade na calma e no silêncio do claustro, a fim de aí chorar livremente sua felicidade perdida.
Depois de sua partida, os preparativos do casamento continuaram ainda com mais ardor.
Tudo devia estar pronto para a volta do noivo.
A senhora Cunegundes primeiro pensara em mudar-se para deixar aos jovens esposos o gozo de toda a casa, mas Filipina suplicou-lhe que ficasse.
Ela contava com a influência de sua sogra para forçar Walter a ser mais carinhoso para com ela.
Apesar de tudo, tinha medo do futuro, da vida com um marido que não a amava, que jamais a amaria.
A senhora Cunegundes deixou-se então persuadir por sua futura nora e consentiu em ocupar três bons aposentos do segundo andar, até aí destinados aos hóspedes.
Quanto às refeições, decidiram que seriam tomadas em comum.
Enquanto se passavam em Friburgo esses acontecimentos, Leonor continuava a viver no estranho castelo, do qual ela não conhecia nem o nome, nem o proprietário.
Mestre Leonardo a fazia tremer.
Em seus longos dias solitários, ela pensava nessa estranha situação, perguntando a si mesma se seu terrível amante ou esposo, a amava verdadeiramente ou a considerava somente como um brinquedo passageiro.
Quem era ele?
Em que se ocupava o dono do castelo durante todo o dia, em que ela não o via senão raramente?
De resto Leonor jamais via alguém, excepto a anã que a servia, e Oxarat, o qual, depois da evocação de seu pai, demonstrava-lhe um ódio mal disfarçado.
Nos compridos dias desta vida reclusa (ela não assistira mais a nenhuma reunião como a de seu casamento), Leonor recomeçou a pensar em Walter.
Ela se lembrava com amargura dos calmos momentos de amor passados com ele.
Nestas horas de devaneio solitário, a fascinação exercida sobre ela por mestre Leonardo enfraquecia-se e a imagem de Walter retomava seu império.
O que ele fazia agora?
Há mais de seis meses que ela desaparecera e não sabia nada dele.
E de revê-lo, mesmo de longe, ela não tivera mais ocasião.
Ainda que de tempos em tempos passeava a cavalo com o misterioso castelão, este não a levara mais à cidade.
Ela resolveu interrogar mestre Leonardo a respeito de seu antigo noivo, porém cada vez que a ocasião se apresentava, um vago temor lhe fechava a boca.
Por fim, uma tarde, à ceia, vendo o marido particularmente amável e de bom humor, decidiu-se e perguntou inopinadamente:
- Você não sabe que fim levou Walter?
Ele ainda está em Friburgo ou voltou a Viena, ou a seu castelo?
- Certamente que o sei.
O fidalgo de Küssenberg está em Friburgo e vai desposar a filha do conselheiro Schammenstedt.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Set 26, 2016 7:29 pm

Se, porventura, você quiser vingar-se deles, eu lhe darei as possibilidades.
Prometi e mantenho minha palavra, - afirmou ele com um olhar dissimulado e escarninho.
Leonor estremeceu e franziu as sobrancelhas.
- Sim, eu quero vingar-me não de Walter que certamente forçaram a este casamento, mas de Filipina e da miserável mãe dele que destruiu minha vida e me arrojou no abismo.
Pois bem! Já que sou uma renegada, quero ao menos saborear a vingança.
Desejo erguer-me entre Walter e essa moça detestável e tirar-lhe o gosto de possuí-la.
Mestre Leonardo que partia tranquilo uma asa de ave, sorriu descobrindo seus dentes brancos e agudos.
- Ingrata, salvei-lhe a vida, iniciei-a em todos os gozos do amor e você ainda se lamenta de ter perdido a alma!...
Em seu contacto diário com o estranho personagem, Leonor se tornara mais audaz e fixando-o com um olhar ardente, ela aduziu:
- A alma é um bem muito precioso para que se possa perdê-la sem sentir remorsos.
E eu, ai de mim!
Sei que sou uma maldita porque reneguei tudo o que outrora adorei.
Pertenço a um ser cujo nome tremo ao pronunciar e o qual nem sei se é um homem ou um espírito infernal.
Um relâmpago de indizível ironia brilhou nos olhos verdolengos de mestre Leonardo cravados na jovem, a qual se jogou bruscamente de costas vendo de repente aparecer entre os espessos cabelos negros e ondulados, pequenos inchaços.
Ao mesmo tempo, por uma causa desconhecida, um clarão de um vermelho intenso tingiu a cabeça de seu marido, seu rosto, o fundo da cadeira de espaldar alto na qual ele estava sentado e até a ponta de seus dedos finos que seguravam ainda o osso do frango, que ele acabava de deglutir.
Vendo Leonor cobrir o rosto com ambas as mãos, mestre Leonardo, que se divertia gostosamente com o susto da jovem, soltou uma estridente gargalhada e afastando-lhe as mãos, afirmou:
- Vejamos, acalme-se medrosa, e não se desespere.
Você vai vingar-se cruelmente de seus inimigos e a vingança satisfeita é um bálsamo para muitas chagas.
É verdade que se eu não a visse nunca, jamais me teria apoderado de você e não se tornaria uma sólida e entusiasta filha do mal.
Aquela víbora da Gertrudes, que sabe que tenho um fraco pelas belas criaturas, evocou-me para me tentar pelos seus cabelos de ouro e salvar-se a si mesma.
E ela o conseguiu.
Por causa de você, concedi-lhe sua miserável vida.
Sem isso eu a teria deixado arder na fogueira, sem misericórdia.
Mas conversamos muito para o momento.
Vamos ao laboratório.
Se eu quiser pôr em execução o projecto que envenenará o dia do casamento da senhorita Filipina, não temos tempo a perder.
Olhos baixos, Leonor tomou o braço que ele lhe oferecia e o seguiu ao laboratório, onde a fez sentar-se numa poltrona e chamou Oxarat.
Com a ajuda deste, amontoaram e queimaram nos trípodes, ervas que exalaram um aroma tão forte e perturbador que Leonor foi tomada de vertigem.
Em seguida acenderam o fogo, puseram nele um enorme caldeirão de cobre e derreteram cera branca, à qual mestre Leonardo juntou um pó avermelhado.
Quando a massa estava em ebulição, ele estendeu as mãos sobre o caldeirão e pronunciou conjurações numa língua desconhecida, modulando-as num ritmo bizarro, às vezes lenta, às vezes vivamente.
Leonor, que o observava curiosamente, sentiu um sopro gelado percorrer-lhe as veias e uma vaga sonolência a invadiu.
Seus membros estavam pesados como chumbo.
Incapaz de fazer um movimento, ela se abateu na poltrona.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 75754
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - NAEMA, A BRUXA / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 4 1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum