CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Página 1 de 11 1, 2, 3 ... 9, 10, 11  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:27 pm

CORAÇÕES SEM DESTINO
ELIANA MACHADO COELHO

Pelo Espírito SCHELLIDA

RUBENS, HUMBERTO E LÍVIA, DEPOIS DE CUIDADOSO PLANEAMENTO DO PLANO ESPIRITUAL, REENCARNAM E SE REENCONTRAM PARA RESGATAREM OS DESAFECTOS DO PASSADO

Em uma vida passada, Rubens apaixona-se por Lívia, noiva de seu irmão Humberto.
Mesmo tendo uma vida desequilibrada pelo jogo, pela bebida e pela promiscuidade, Rubens alimenta o sonho de ter Lívia em seus braços.
Movido pela paixão incontrolável e pela inveja, decide matar seu irmão, empurrando-o sob as rodas de um trem.
Porém, o crime jamais foi descoberto.
Anos depois, na espiritualidade, o próprio Humberto irá se empenhar para socorrer o irmão nas zonas inferiores e um novo planeamento reencarnatório é elaborado para Humberto, Rubens e Lívia.
Mas, desta vez, é Humberto que não suportará ver Lívia ao lado de Rubens.
Além disso, outros dissabores, na nova encarnação, aborrecem-no: o alcoolismo do pai e seu namoro com Irene, que o engana de todas as formas, só para ficar com ele.
Humberto, sentindo-se derrotado e inútil diante de tanto desgosto, e inconformado com o que vive, é acometido por transtornos psicológicos, deixando-se abater e caindo em profunda depressão.
Contudo, contando com ajuda espiritual e apoio psicológico, o próprio Humberto entende que é ele mesmo o único capaz de libertar-se da depressão e da obsessão em que se encontra.
Mais uma vez, o espírito Schellida, com psicografia de Eliana Machado Coelho, traz actualíssimos ensinamentos em Corações sem Destino.
Um romance que aborda temas como depressão, síndrome do pânico e distúrbio de ansiedade.
Mostra-nos a importância de nos vigiarmos para que nossos sentimentos mais íntimos não se transformem em fonte de desequilíbrio e doença.
Afinal, o verdadeiro amor liberta, traz alegria e paz ao coração.
Eliana Machado Coelho nasceu em São Paulo, capital, em 9 de outubro.
Desde pequena, Eliana esteve em contacto com o Espiritismo.
Ainda menina, sempre via a presença de uma linda moça, delicada, sorriso doce e muito amorosa.
Era o espírito Schellida, que já trabalhava para fortalecer uma sólida parceria com Eliana Machado Coelho, prenunciando as tarefas espirituais que ambas deveriam desenvolver conforme o planeamento da espiritualidade.
Amparada por pais amorosos, avós, mais tarde pelo marido e filha, Eliana foi estudando a Doutrina Espírita e realizando muitos treinos de psicografia sob a orientação de sua mentora até que, em 1997, surge o primeiro livro, uma bela obra do espírito Schellida.
A tarefa começava a tomar forma e hoje a dupla Schellida e Eliana Machado Coelho encontra-se mais afinada do que nunca.
Trabalhos à parte, as curiosidades sobre Schellida e Eliana são inevitáveis.
Duas delas são: quem é Schellida e de onde surgiu esse nome?
A médium responde esclarecendo que esse nome vem de uma história vivida entre elas e, por ética, deixará a revelação dos factos por conta da própria mentora, já que Schellida avisou que escreverá um livro contando parte de sua vida terrena e sua ligação amorosa com Eliana.
Por essa estreita ligação com Eliana é que Schellida afirmou, certa vez, que se tivesse que escrever livros utilizando-se de outro médium, ela assinaria um nome diferente a fim de preservar a idoneidade do tarefeiro sem fazê-lo passar por questionamentos constrangedores que colocassem em dúvida o próprio trabalho.
Segundo Schellida, o que sempre deve prevalecer é o conteúdo moral e os ensinamentos transmitidos em cada livro.
Schellida mais uma vez reafirma que a tarefa é extensa e há um longo caminho a ser trilhado por ela e Eliana, que continuarão sempre juntas trazendo importantes orientações sobre o verdadeiro amor no plano espiritual, as consequências concretas da Lei de Acção e Reacção, a necessidade da harmonização e, sobretudo, a conquista da felicidade para cada um de nós, pois o bem sempre vence onde existe a fé.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:27 pm

ÍNDICE

1. No plano espiritual
2. Planeamento reencarnatório
3. Retornando para casa
4. Contrariado com o alcoolismo
5 Traição sem remorso
6. Confiando em um amigo
7. Revelando sentimentos
8. A gravidez de Irene
7. A firmeza de Lívia
10. Fugindo da felicidade
11. Consequência de uma traição
12. Vítima de si mesmo
13. Gotas de alívio
14. Orientações saudáveis
15. A palavra pode ser um remédio ou um veneno
16. O retorno de Rubens
17. As palavras dão ânimo
18. Conversando com doutor Edison
19. Viver um dia de cada vez
20. O reencontro com Irene
21. A insegurança de Lívia
22. Conhecendo Flávio
23. Nova maneira de viver
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:28 pm

1. NO PLANO ESPIRITUAL

Lívia havia acabado de deixar o grandioso edifício da biblioteca e, experimentando um sentimento de alegria indefinível, caminhava em direcção à bela alameda principal quando ouviu o seu nome.
Virando-se, avistou Humberto exibindo largo sorriso.
Acelerando os passos em sua direcção, ele a abraçou, com expressiva alegria, demonstrando saudade.
Afagando-lhe o rosto, com carinho, beijou-a e disse em seguida:
— Como estou feliz em vê-la!
— Eu também! Demorou tanto na crosta terrena dessa vez!
— Acabei de chegar. Fui até o Ministério do Auxílio, mas o Diogo não estava.
Resolvi alguns assuntos por lá, depois fui até em casa e minha irmã disse que você estava aqui.
Agora foi Lívia que o abraçou demoradamente e beijou-lhe a face com extrema ternura.
Em seguida, Humberto sobrepôs o braço em seus ombros e passaram a caminhar vagarosamente pela calçada ladeada de graciosa cerquinha branca que separava um lindo gramado verde, com belos canteiros floridos entre as árvores de magnífica beleza.
Ela, tal qual delicada estudante, segurava um livro apertado ao peito e sustentava agradável sorriso enquanto o ouvia com atenção.
Diante da breve pausa, perguntou:
— Como estão os amigos e parentes encarnados?
— Alguns com dificuldades para se manterem fiéis aos propósitos reencarnatórios.
Outros se esforçam para reagir às tentações, vencer os obstáculos ou desafios.
Para isso se lembram e se religam ao Criador através das preces.
Porém, quando estabilizados e com a vida mais calma, esquecem-se de Deus, dos ensinamentos de Jesus e acabam ligando-se novamente a mentes de espíritos doentes e desequilibrados pelas práticas, hábitos viciosos e, principalmente, pelos pensamentos infelizes.
— Eles não atendem às inspirações elevadas dos espíritos bons, não é?
— Mentores, amigos e tarefeiros espirituais de nível superior, em actividades específicas no campo de orientar através de inspirações, não os abandonam, mas nem sempre são ouvidos.
Os encarnados não dão atenção aos pensamentos subtis, simples e benéficos que lhes chegam.
Como sabe, alguns frequentam uma boa casa espírita.
Outros são assíduos católicos e isso é positivo para eles, pois a religiosidade e o período diário que dedicam às preces é o mesmo para a administração de fluidos benéficos que os livram de impregnações indesejáveis.
No entanto, de tempo em tempo, quando a vida fica mais calma, sem dificuldades, eles se esquecem das preces diárias, deixam de frequentar uma boa casa de oração e acabam atendendo a força mental inferior, ligando-se à vasta rede de entidades maléficas que querem se vingar, levá-los a amarguras, angústia ou vampirizá-los.
— Eu sei como é isso, Humberto.
Para muitos encarnados é difícil repelir ou se desligar das tentações que os levarão ao fracasso em todos os sentidos, pois essas tentações vêm disfarçadas de alegria, prazeres, comodidades ou diversões.
— E, eu sei — argumentou de modo triste.
Peço a Deus que me dê forças para que, na próxima encarnação, eu consiga vencer os meus desafios, com fé e amor, seguindo os ensinamentos de Jesus.
— Ah! E como está o senhor Leopoldo? — Ela perguntou alegremente.
— Correu tudo bem no reencarne de meu pai!
Ele foi recebido com muita alegria.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:28 pm

— Seu ex-pai! — brincou, sorrindo.
— E! Mas, uma vez pai, sempre pai.
Eu não consigo chamá-lo de senhor Leopoldo — riu.
Depois comentou:
—- Eu o acompanhei em tudo.
Foi bem emocionante.
Todos estavam felizes por ser um menino e...
Humberto continuou contando os detalhes com expressão satisfeita enquanto caminhavam a passos lentos até a casa onde residiam naquela colónia.
***
No aconchego do lar, após conversarem actualizando algumas novidades, Humberto apreciava um chá revigorante quando Lívia o olhou de modo sério e avisou:
— Preciso conversar com você.
Ele sentiu-se invadido por algo muito estranho.
Um pressentimento ruim pareceu amargurá-lo ao mesmo tempo em que seu peito apertava.
— O que aconteceu? -— perguntou calmo.
— Eu estive pensando e...
Bem, diante da dificuldade de todos aqueles que amamos...
Para auxiliá-los, acredito ser melhor eu reencarnar.
— Não... — murmurou como um lamento.
Não, meu amor, isso não é o melhor a fazer agora.
— Humberto, já falamos sobre isso antes e eu esperava que entendesse.
Não consigo mais ficar tranquila aqui sabendo das perturbações dos nossos queridos em outros sítios espirituais.
A Irene, por exemplo, necessita retornar à vida terrena, e eu poderia recebê-la, como também poderia receber a Neide, de quem você gosta tanto.
— Como assim?!
— Eu poderia recebê-las como filhas.
— Lívia...
— Uma angústia o invadiu detendo-lhe as palavras.
Passados alguns segundos, ele se forçou e prosseguiu:
— Meu bem, nós temos planos!
Temos uma história interrompida que pode ser linda e produtiva mesmo na Terra.
Você sabe que eu não tenho planos para reencarnar agora.
Não me sinto tão preparado.
Já falamos sobre isso.
Olhando-o de modo singular, ela murmurou sem trégua:
— Você fica. Eu vou.
Aquela sugestão chegou como um choque.
Amargurado, argumentou sussurrando:
— Não planeei isso.
Não vou suportar vê-la longe e...
— Eu tenho que harmonizar a minha consciência e posso aproveitar para ajudar a Irene, principalmente.
— Quem falou que ela quer, de verdade, ser ajudada?
Pense! A Irene já perdeu várias oportunidades de elevação que não deram certo, principalmente por culpa de sua luxúria, de sua vaidade e orgulho que a fazem manipular situações por causa de seus caprichos.
— Não é só por isso.
Preciso ser mais forte, mais independente e...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:28 pm

— Lívia, não tenho qualquer dificuldade para reencarnar, mas não gostaria que fosse agora.
Olhando-a firme, quis saber:
-— Quem pediu ou sugeriu tal ideia a você foi a Irene?
— Não... Quer dizer...
Eu fui visitá-la e...
Ela não pediu directamente.
Nós conversávamos e a ideia surgiu.
— Aproximando-se, afagou-lhe a face fazendo-o virar para que a encarasse:
— Humberto, a Irene foi uma filha querida e uma amiga de séculos.
Durante todo o seu tempo na espiritualidade, ela estuda e se empenha para trabalhar os seus vícios morais, não ser arrogante, vaidosa, imponente...
Ela vai conseguir.
Eu posso ajudá-la.
— Breve pausa e perguntou:
— Você tem alguma mágoa ou ressentimento dela por causa do passado?
— Não. Não tenho ressentimento, mas não quero me envolver em qualquer assunto que diga respeito à Irene e acredito que você não precise se sacrificar tanto.
Tudo pode ser diferente.
É muito amor, mas também muita renúncia de sua parte, você a conhece. —
Repentinamente, ele questionou:
— Lívia, se eu devo ficar, com quem pretende se unir para recebê-la?
— Com o Rubens — respondeu temerosa.
— Você sabe que tenho muito a harmonizar e existiram situações do passado que nos envolveram e que...
Humberto sentiu-se mal.
Levantando-se, caminhou vagarosamente pela sala enquanto Lívia o acompanhava com o olhar.
Ele esfregou o rosto com as mãos e apoiou-as, em seguida, em uma mesa.
Olhou para o alto e rogou baixinho:
— Senhor, dê-me forças!
— Humberto! -— exclamou, levantando-se rápido.
Abraçando-o pelas costas, Lívia apertou-o contra o peito e pediu:
— Por favor, não fique assim!
Virando-se, ele segurou delicadamente os seus braços e a olhou firme ao indagar:
— Como quer que eu me sinta?!
— Sem obter respostas, prosseguiu angustiado:
— O Rubens se debate em sofrimento no Umbral há cerca de meio século.
Você bem sabe o quanto eu venho tentando ajudar o meu irmão por todos esses anos.
Ele nunca ouviu os meus bons conselhos quando encarnado e agora não é diferente.
Das raras vezes em que tive êxito em inspirá-lo, só consegui fazer com que sentisse um grande arrependimento pela forma como ele viveu, pela vida promíscua, pela bebida, pelo jogo, por minha morte...
O Rubens não tem paz na consciência por ter me tirado a vida terrena sem que alguém, nunca, tivesse desconfiado.
Com isso, ele interrompeu a ordem de um grande planeamento reencarnatório, impedindo, inclusive, a nossa união.
Estávamos noivos, lembra?
— Como eu poderia esquecer?
— Foi para ficar com você que ele me matou.
Meu irmão acreditou que o tempo a levaria para os braços dele.
— Mas não foi isso o que aconteceu.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:28 pm

Eu errei. Sei que errei quando percebi os olhares conquistadores do seu irmão e simplesmente sorri em vez de reprová-lo.
Foi uma forma de incentivo ao Rubens.
Já me puni muito por isso. Você sabe!
— Sim, eu sei. Calma.
Não fique assim — pediu ao vê-la nervosa. —
Ele estava desequilibrado e sua atitude alimentou suas ideias e a fascinação por você.
— Humberto, eu sei que errei.
Não entendo por que não o repreendi na época.
Na verdade, eu era vaidosa, gostava de ser admirada e pensei que fosse, por parte dele, uma atracção passageira pela minha beleza e meu modo de ser.
Tenho certa responsabilidade pelo que ele fez a você e preciso harmonizar isso.
Minha consciência cobra.
— Mas não precisa ser dessa forma, Lívia.
Veja, meu desencarne foi difícil.
Eu era jovem, repleto de energia e com muitos planos.
Graças a Deus e a minha conduta de vida fiquei poucas horas em estado de perturbação.
Socorrido com presteza no plano espiritual, muito bem cuidado por amigos que, inclusive, eu ignorava ter, me equilibrei rapidamente.
Ao entender que ele me matou, eu não quis saber o motivo.
Fiquei confuso, lamentei muito e aceitei as novas condições.
Apesar da dor, da imensa dor da nossa brusca separação, apesar de todo o meu amor por você, eu procurei entender, pois tive esperança de um futuro melhor na próxima encarnação.
Para não me abalar, fiquei anos sem informações do lar terreno e de você.
Somente com a chegada de minha mãe no plano espiritual, eu tive notícias suas.
Soube o motivo pelo qual ele me matou e fui visitar a crosta terrena, acompanhando e me inteirando de tudo.
Não foi fácil, Lívia.
O Rubens alterou tanto o nosso destino que você, pela dor de me perder, por saudade, ficou debilitada emocionalmente e, apesar de sua luta para resistir a tamanho sofrimento, sua dor abalou o seu físico e você adoeceu.
Ficou vulnerável e a tuberculose foi mais forte, fazendo-a desencarnar ainda muito jovem e em meus braços, na espiritualidade...
Pois eu, espírito, acompanhei cada segundo de seu último ano na Terra. —
Breve pausa e falou sentido.
— Não era para ser assim.
— Eu sei. Foi você quem providenciou todo o socorro e sustentação para eu ser bem acolhida na espiritualidade, Humberto.
— Não! Foi você quem teve merecimento.
Sabe, precisei colocar à prova toda minha resignação diante de tudo.
Tem ideia do que é isso?!
Foi necessário eu me conformar com tudo o que aconteceu e eu não sei se, verdadeiramente, consegui perdoar ao meu irmão.
Tínhamos um planeamento reencarnatório lindo!
Uma tarefa promissora que ajudaria muitos!
Eu queria viver ao seu lado! —
Alguns segundos e prosseguiu:
-— Foi minha fé, foi por acreditar na justiça Divina que continuei em equilíbrio e aguardando o momento de retornarmos a reencarnar para cumprirmos o que planejamos.
Agora, mais de cem anos aqui na espiritualidade, nós estudamos, nos equilibramos, trabalhamos com uma finalidade, com um objectivo que não é esse que me propõe.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:29 pm

Lívia, não me peça, agora, para abrir mão da minha harmonia, pois eu não vou conseguir ficar tranquilo aqui, sabendo que você está encarnada com o propósito de se unir ao meu irmão.
Além do que, não se sabe se ele sairá das condições em que se encontra com brevidade.
— Nós chegamos a comentar sobre a possibilidade de Rubens renascer como nosso filho.
Você mesmo sugeriu isso para amá-lo incondicionalmente.
— Nessa possibilidade estaríamos juntos.
Um fortalecendo o outro para amá-lo, ampará-lo e ensiná-lo.
Mas pelo que vejo você quer ir sozinha para ficar à mercê dele, que é dependente de tantos vícios e imperfeições com inúmeros defeitos morais.
Ora, Lívia, não posso me conformar com essa ideia!
Casar-se com o Rubens e receber a Irene como filha, a Neide...
Quem mais você deseja unir nesse planeamento?!
O Luís?! A Cleide?!
Ela não respondeu.
— Você está se deixando levar pela sugestão da Irene!
— Não! Estou atendendo ao meu coração.
E pensei também no Luís e na Cleide.
Porque não?
— Ora, por favor! -— exclamou em tom moderado, mas contrariado.
— Humberto, o Rubens ao tirar a sua vida terrena, roubou-nos a felicidade no mundo.
Por todos esses anos ele se tortura por isso experimentando um sofrimento sem igual.
É agredido por outros espíritos ignorantes que o acusam de assassino!
Ele revê mentalmente o instante do desencarne do próprio irmão como se fosse ele que estivesse no seu lugar naquele momento.
Lentamente ele vê e sente o impacto do trem para o qual ele te empurrou.
Sente como se fosse dele o corpo a ser esfacelado, triturado!
Coisa que você não experimentou!
— Não porque eu não sou assassino!
O que você queria?!
— Que você entendesse a minha decisão.
Estou entrando com o pedido para isso.
— Então você já decidiu, Lívia?
Não está comentando comigo a sua ideia? -— perguntou perplexo, mas sem se alterar.
— Humberto!... — falou implorando sua compreensão e indo ao encontro dele.
— Espere — sussurrou, ao espalmar a mão, pedindo que parasse. —
Espere um pouco. Eu não estou bem.
Esse assunto está me abalando e...
Bem, eu preciso sair.
Não é bom continuarmos com essa conversa.
Depois falamos a respeito disso.
Ele afagou a face de Lívia, olhou-a por alguns segundos e a puxou para um abraço.
Em seguida, beijou-lhe a testa demoradamente e, ao se afastar, disse baixinho:
Lembre-se de uma coisa: eu te amo muito.
— Eu também te amo -— murmurou.
Virando-se, ele se foi.
Lívia, por sua vez, ficou inquieta e angustiada.
Retirando-se para seu quarto, deitou-se na cama e chorou muito.
***
Após horas de caminhada, cujo tempo foi usado para profunda reflexão, Humberto propositadamente deteve-se diante de charmosa residência na qual a frente era embelezada por um jardim colorido e gracioso pelas flores harmoniosas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:29 pm

Entrando na casa, logo foi recebido por sua mãe que sorriu ao vê-lo.
— Filho! Pensava em você!
Abraçaram-se e a senhora de cabelos grisalhos, com um coque preso na nuca, conduziu-o, vagarosamente, para que se sentasse.
Que notícias me traz, Humberto?!
Não o vejo desde que foi para a crosta acompanhar o nascimento de seu pai!
Sorrindo ele avisou:
— Sua bisneta Sara está bem.
Recebeu com imensa felicidade o filho que nasceu.
— Seu pai! Meu querido Leopoldo!
— Por que a senhora não quis acompanhar o retorno dele, mãe?
Teve permissão.
— Em pensar a que ele se propôs para não ter tanta cobrança na consciência que o deixava desesperado!
Ah, não! Já é muita emoção acompanhar tudo a distância.
Tenho pensado muito a respeito.
Preciso me preparar bastante, pois, cerca de três anos, será a minha vez de retornar para, daí a alguns anos, me encontrar com ele.
— Poucos anos antes de desencarnar, por consequência do meu repentino desencarne na última experiência terrena, o pai se entregou ao vício do álcool e não o venceu, antecipando o seu retorno ao plano espiritual pelas deficiências causadas em seu organismo pela bebida.
Quando se desencarna levam-se junto os vícios, os efeitos que eles causam e muito sofrimento, sendo necessária a experiência de vencê-los e encarar os seus resultados.
O silêncio reinou absoluto por longos minutos e, observando-o melhor, a senhora perguntou bondosa:
— Humberto, o que você tem filho?
— Alguns pensamentos inquietantes.
Não quero incomodá-la com isso, mãe.
— E quando foi que você me incomodou?!
Deve ser algo bem importante para deixá-lo assim.
Eu o conheço, Humberto.
Dando trégua ao silêncio, em minutos, ele lhe contou tudo o que o amargurava, pois confiava nos conselhos da senhora Aurora.
— Eu entendo, filho — murmurou preocupada.
— Mas não fique desgostoso. Pensamentos ansiosos e nervosos emanam substâncias fluídicas venenosas que não farão bem a você nem a ninguém.
Eu bem sei disso.
Como padeci com a angústia que eu mesma criei pela falta de fé.
Não se deixe abater. Ninguém está livre.
— Mãe — falou, olhando-a nos olhos—, antes de retornar à colónia, eu estive no Umbral e vi o Rubens.
Tentei alcançar o seu nível de consciência, mas ele está aterrorizado e revoltado com o que vive.
É bem possível que ele não creia em Deus como deveria.
O meu irmão experimenta muita rebeldia, mesmo com tamanha dificuldade.
Então, o seu reencarne, pode ser compulsório, sem muito tempo para aprender no plano espiritual.
Isso pode resultar uma pessoa difícil, tempestuosa, agitada e...
Mãe, ele não será um bom companheiro.
— Você diz isso baseado na maioria dos casos que vê.
Porém, pode ser diferente com ele.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:29 pm

— Mãe, lembre-se de todos os vícios e defeitos morais que ele tem.
O Rubens não será um bom companheiro para ninguém, muito menos para a Lívia.
A senhora Aurora puxou sua cadeira para mais perto do rapaz, que se debruçou na mesa, e afagou-lhe os cabelos com generosidade materna.
Alguns minutos se passaram e ela se manifestou novamente:
— Humberto, meu filho!
Levante essa cabeça!
Não se desequilibre!
Ele se ergueu e pôs-se a fitá-la com olhos brilhantes.
— O que eu posso fazer, mãe?
Ficar feliz com isso?!
— Foi você quem me ensinou a respeitar e aceitar a opinião de alguém. Disse que nós temos o livre-arbítrio, mas é Deus quem dirige o nosso destino.
— Estou contrariado, mãe.
—Nunca o vi assim, filho, e não estou gostando. Onde está a sua fé?
Onde está o seu respeito à opinião alheia? Por que não respeita e aceita o desejo da Lívia?
—É diferente!
—Não, não é! — falou firme.
Tocando-lhe o ombro para fazê-lo encará-la, dona Aurora argumentou:
Quando eu vivi na Terra, na última encarnação, e experimentei a provação de perder o meu filho mais novo num suposto acidente, pensei que eu fosse enlouquecer.
Na verdade, morri em vida.
Senti sua falta de uma forma impressionante.
Pensava ouvir os barulhos que fazia dentro de casa e acreditava que era você.
Sentia o seu cheiro nas roupas, o seu perfume, preparava o seu prato...
Como é difícil perder um filho!
Você estava noivo. Seu pai o ajudou a comprar uma boa casa e tinha muitos planos.
De repente, a notícia de sua morte:
atropelado por um trem.
O seu irmão, o Rubens, não imagina como eu sofri.
Ainda mais quando ele sugeriu que você se suicidou.
Oh, meu filho!... —
Lamentou com lágrimas nos olhos.
Como fiquei desesperada!
Quanta dor!
Vivi uma angústia e um desgosto pelo resto de meus dias terrenos.
Não atendi aos conselhos recebidos.
Não procurei ser activa.
Entreguei-me à tristeza e ao desespero.
Nada amenizava a minha dor.
Fui egoísta demais.
Só pensava na minha dor e não me importava nem com o seu pai, que se entregou à bebida porque sofria também.
Neguei-me até para os seus irmãos e me tornei um fardo para eles que se cansaram da minha depressão.
Eu só queria ter você de volta.
Cinco anos após o seu desencarne, eu vim para a pátria espiritual.
Permaneci em um estado semelhante ao de um sono profundo, por mais de um mês e fui assistida por nossos amigos.
Ao reencontrá-lo, quanta felicidade!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:30 pm

Meu filho querido estava bem!
Estava lindo como sempre!
Foi então que eu soube que o seu irmão o havia matado.
Breve pausa e continuou: —
Humberto, você me acompanhou e me socorreu por causa das minhas vibrações desesperadas que geravam fluidos pesarosos.
Por isso precisei permanecer, por mais de um ano, em pavilhões hospitalares.
Você e minha mãe, sua avó, me sustentaram o ânimo e me fizeram reconhecer que o desespero de nada serviria a não ser para o meu desequilíbrio, para a minha inutilidade e o risco de eu me atrair para grande sofrimento no Umbral.
O meu egoísmo foi o que me atirou na depressão e me deixou inútil diante da dor.
Eu sei que precisarei reparar isso.
O tempo foi passando e eu me recuperei.
Aprendi muito e me tornei operante.
Depois, novamente, fiquei abalada pelo seu pai, por ele vivenciar longa e dolorosa perturbação no Umbral e tudo por conta de seu vício no álcool, que lhe roubou a saúde física, encurtando os seus dias terrenos. Porém a culpa maior foi minha por não estar ao lado dele, por não ouvi-lo e por não dividirmos a mesma dor.
As condições deprimidas, das quais não me esforcei para sair, tiveram um grande peso para o seu pai.
Ele não aguentou e começou beber daquele jeito.
Por isso eu preciso ajudá-lo e acompanhá-lo na próxima encarnação.
—Foram suas insistentes vibrações e visitas ao meu pai que o fizeram sair de região de tamanha dor e o levaram a ser socorrido na colónia onde ele se recompôs, se equilibrou, se recuperou e aprendeu.
O seu amor e a sua vigília impulsionaram forças ao meu pai e o fizeram reagir e orar.
Mas o mesmo não aconteceu ao seu irmão.
Quando encarnado, meu pobre Rubens tirou a sua vida, tentou convencer Lívia a um romance com ele e só deixou a pobre moça em paz quando soube de sua grave doença.
Depois ele se casou, traiu a Neide com várias mulheres, infestou-se de energias doentias e, espiritualmente, nojosas, que vivem encrostadas em seu corpo espiritual até hoje.
Colaborou para o nascimento de cinco filhos.
Três com a própria esposa.
Os outros dois, pobrezinhos, tiveram uma vida ingrata por culpa do Rubens.
Além disso, ele é responsável, indirectamente, por cinco abortos, e esse é um crime muito grave, cujas mães mataram o próprio filho por saberem ou desconfiarem que ele, um homem casado, não lhes daria assistência.
—O Luís e a Cleide foram os filhos concebidos fora do casamento.
Estou sabendo -— disse Humberto.
—Sim. A Cleide, muito meiga e dócil, aceitou a vida infeliz proposta pelo pai que a abandonou à sorte ingrata do mundo.
Ainda mocinha, na ocasião da morte de sua mãezinha, procurou pelo Rubens, mas ele não a reconheceu nem a apoiou, deixando-a à mercê de um mundo cruel.
Quanto ao Luís, filho do Rubens ainda com outra mulher, nunca perdoou ao pai pelo abandono, pela vida desgraçada.
Eles vão precisar ter contacto em algumas encarnações, mas não poderão ser muito próximos.
Alguns instantes de silêncio e continuou:
— Humberto, meu filho, você foi capaz de entender e aceitar o seu irmão, mesmo não estando de acordo com o que ele fez, vem mostrando o seu amor através de tanta assistência e tentativa de socorro ao Rubens.
Agora, não consegue respeitar o desejo da Lívia!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:30 pm

— Não sei se amo o meu irmão como deveria, mãe.
Para comprovar isso, só o tendo muito próximo quando reencarnado sob a bênção do esquecimento.
A verdade é que eu tenho muito medo disso.
Com o esquecimento, será que eu posso ir contra todos os meus princípios e desejar o seu mal?
Sabe o que isso significaria?
Temo não suportar essa provação.
Sem ouvir qualquer resposta, prosseguiu:
— Quanto à Lívia...
Bem, com ela é muito diferente.
Até onde sei, eu e a Lívia sempre fomos almas afins.
Nós nos completamos.
Em muitas oportunidades de vida terrena, nós nos unimos como um casal, tivemos filhos...
Temos uma história!
Viemos nos ajudando na caminhada evolutiva.
Eu a amo muito!
De todo o meu coração!
De todo eu, espírito! Amo-a muito!
E como se ela fosse metade do meu ser!
Veja, se, por determinada razão evolutiva ou de harmonização, precisasse se unir a outro, é lógico que eu aceitaria, entenderia e a ajudaria, como já aconteceu.
Mas não sei se é o caso, pois esse outro é o Rubens.
Alguns instantes e comentou:
— Vivemos um sentimento puro, uma vida salutar e temos planos elevados com os quais auxiliaremos muitos!
No entanto, agora, ela quer se unir a ele e receber criaturas conhecidas e amigas dentro da nossa compreensão evolutiva, mas não deles e com as quais a Lívia não tem débitos ou obrigações.
— Num passado remoto a Irene já foi filha da Lívia.
—Sim, mãe, eu sei. Mas...
—Acho que sei por que a Lívia quer fazer isso.
—Por quê? Explique-me, por favor!
—Aqui, no plano espiritual, sabemos que não é tão difícil, quanto na vida terrena, trabalharmos algo que nos faça declinar.
Quando vocês estavam noivos e de casamento marcado, a Lívia, que sempre foi muito bonita e elegante, precisava se sentir mais confiante, mais segura, por isso aceitava os olhares, os elogios e os cortejos do Rubens.
Ela não sabia que, com essa atitude, incentivava-o a uma postura e comportamento errado.
Por causa disso, ele teve esperança de conquistar a noiva do irmão.
A Lívia deveria tê-lo colocado em seu devido lugar, adverti-lo e não ter se calado e trocado olhares e sorrisos.
Esse comportamento alimentou o desequilíbrio do Rubens que decidiu matá-lo para ficar com ela.
Ele tinha muita inveja de você e ninguém sabia disso.
Quando estamos encarnados, filho, acreditamos que nossos pensamentos, bem como as coisas mais sigilosas que fazemos, nunca serão descobertos por alguém.
Quanto engano!
Ao chegar ao plano espiritual, Lívia deparou-se com você que sabia exactamente de tudo.
Apesar de amá-lo, de adorá-lo, ela admitiu e, de certa forma, aceitou os cortejos do futuro cunhado, pensando que jamais seria descoberta, que seria algo inocente e sem consequências.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:30 pm

Estava enganada. Isso a atormenta desde quando você desencarnou.
Desde aquela época, o seu inconsciente a culpava e foi por isso que adoeceu.
Agora essa situação do passado a tortura a ponto de querer reparar, porque os seus actos custaram a interrupção de suas vidas terrenas.
—Era bem possível que o Rubens tentasse algo contra mim mesmo sem o incentivo de Lívia, pois trazia sentimentos do passado e era isso que ele precisava harmonizar e não o fez.
—Sim. Eu sei.
Em tempos remotos, também por inveja de você, o Rubens fez de sua vida um inferno.
Roubou-lhe a esposa e lhe tirou a paz.
Nessa época, você era casado com a Irene, que não resistiu às más tendências e o traiu, o abandonou jovem e com os dois filhinhos pequenos, o Flávio e a Neide, os netos que eu não quis te ajudar a cuidar naquela época, porque eu não fiz gosto ao seu casamento com a Irene.
—Vivi uma experiência extremamente difícil e infeliz.
Quantas vezes pensei em acabar com tudo.
Nossa!... —Só não o fez porque a Lívia, em espírito, esteve com você dia e noite.
Ininterruptamente sustentou-o com todo o seu amor, dando-lhe forças para resistir a tão dura provação.
—A possibilidade de ver Lívia vivendo ao lado do Rubens me atormenta.
—Não deixe que isso aconteça, Humberto. Sabe qual será o resultado.
—Estou pensando em ir falar com o Sérgio ou com o Diogo.
Eles sempre foram meus amigos e vão saber como me aconselhar.
—Faça isso, filho — incentivou animada.
Alguns segundos e Humberto ofereceu leve sorriso, segurou as mãos dela entre as suas e as beijou agradecido.
—Obrigado, mãe.
Como é valoroso ter quem nos ouça, oriente e estimule ao que é certo.
—Conte comigo, filho.
Faço tudo por você!
— Obrigado.
Levantando-se, decidiu:
Agora preciso ir.
Após abraçá-la, com ternura, beijou-a e se foi.
***
Retornando à sua casa, Humberto recolheu-se a um pequeno aposento cujas paredes eram literalmente forradas de livros.
Acomodando-se atrás da escrivaninha de aparência antiga, que, além dos objectos necessários ao estudo, era decorada por gracioso vaso com flores, apoiou os cotovelos, sustentou a fronte com as mãos e permaneceu ali, quieto e em prece, por longo tempo.
Suave batida à porta o chamou ao momento presente.
Erguendo o rosto, ajeitou-se e permitiu:
—Entre!
—Com licença, meu irmão? -— pediu uma mulher aparentando meia idade.
Cabelos levemente grisalhos emolduravam agradavelmente seu rosto simpático e sorridente.
Seu nome era Júlia.
Havia sido filha de dona Aurora e irmã de Humberto, na última encarnação.
Esboçando generoso sorriso, ele pediu:
— Entre, Júlia!
Por favor, minha irmã!
Eu queria mesmo conversar com você.
Delicadamente ela fechou a porta, garantindo privacidade.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:30 pm

Puxou uma cadeira, sentou-se frente a ele e perguntou:
— Não vai fazer a refeição connosco?
—Não -— respondeu com simplicidade.
Em seguida, considerou em tom brando para ensiná-la:
— Creio que já deve saber sobre a decisão de Lívia e, como não poderia ser diferente, estou abalado.
E, aqui, não se senta à mesa aquele cujas ondas vibratórias produzem fluidos pesarosos, o que é verdadeiro veneno se misturado aos fluidos salutares das substâncias alimentares.
Isso nos intoxica.
—Nesta colónia, sei da existência de residentes que, por não precisarem, se isentam, quase por completo, das substâncias alimentares, mas nunca totalmente e jamais das nutrições espirituais! -— sorriu.
Aprendi também que os tarefeiros do Ministério do Auxílio não podem, sobremaneira, dispensar a nutrição de concentrados fluídicos apresentados como caldos, frutas e sucos.
E você, Humberto, como considerável prestador de serviço no Auxílio, despende imensa quantidade de energia e necessita repô-las.
O amor é o verdadeiro alimento do espírito! -— sorriu generoso.
—Sem dúvida! Contudo você possui um perispírito e esse corpo espiritual precisa de forças compatíveis a esse plano.
Se não deve se unir aos demais para se alimentar, permita-me trazer a sua refeição aqui.
Sustentando sorriso agradável, ele disse:
—O conhecimento está deixando-a mais esperta, Júlia!
Tempos atrás você não era assim!
—Humberto —- falou com doçura - você chegou há pouco de tarefa árdua.
Alimente-se, para não esgotar as energias, ou eu vou contar para a nossa mãe.
Ele riu gostoso e respondeu:
—Depois com expressiva preocupação, que tentava disfarçar, o irmão comentou após alguns minutos:
— A Lívia deve ter comentado contigo sobre a decisão dela.
—Sim, - comentou.
—Júlia, estou inquieto, apreensivo, preocupado e com um mau pressentimento.
Não estou me sentindo bem.
Estou surpresa por vê-lo falar assim.
Sempre o admirei por sua força interior, seu bom ânimo, sua fé nos momentos mais instáveis, sua convicção no bem e nos pensamentos positivos.
Você sempre foi capaz de compreender as pessoas.
—Sempre, não. Eu não atiro a primeira pedra.
Somente quem nunca errou pode fazê-lo e eu, minha irmã, tive incontáveis experiências terrenas nas quais cometi vários erros e precisei harmonizar cada um deles.
Não estou julgando a Lívia.
E que meus planos eram outros no que diz respeito a ajudar o Rubens.
O caso é o seguinte:
aqui, na espiritualidade, quando olhamos para o número de erros que cometemos, ficamos tristes e nos arrependemos.
Depois queremos corrigir tudo de uma vez e nos achamos capacitados para superar todos os desafios.
No entanto, quando encarnados, vacilamos e não somos tão fortes para suportarmos as provações.
Acredito que esse é o caso de Lívia.
— Humberto, eu sei o quanto a actividade mental do encarnado muda quando os seus propósitos são dominados pela falta de perdão, pelos vícios morais e não pelos desejos evolutivos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:31 pm

Todos nós somos vítimas e herdeiros de nós mesmos.
Sempre pedimos a Deus que nos alivie das dores em vez de rogarmos por força para vencermos os desafios.
Quando estamos bem situados nas actividades terrenas, não nos lembramos de agradecer ao Pai, muito menos de ajudar um irmão.
Quase ninguém observa e entende a santificante bênção da oportunidade terrena.
O normal é ouvirmos somente súplicas e reclamações a respeito das provações vividas.
Eu falo isso por mim, principalmente.
Breve pausa e contou: —
Quando encarnada, época em que fomos irmãos, fui vaidosa ao extremo.
Só pensava em ver e ressaltar a beleza física, disputar tarefas empresariais mais apropriadas ao espírito masculino e dava pouca importância para o próximo mais próximo.
Sabe, senti sua falta quando desencarnou no suposto acidente de atropelamento de trem.
Contudo eu não ofereci aos nossos pais a atenção que deveria e de que eles precisavam, principalmente para a nossa mãe, tão desesperada, tão aflita e inconsolável.
Ao ficar intimamente insatisfeita por causa das reclamações dolorosas de nossa mãezinha, por causa da exibição de sua dor de forma angustiosa, eu demonstrava o meu pobre egoísmo, minha baixeza espiritual e minha pouca evolução moral quando não compreendia, quando achava que a mãe não pensava nos outros filhos vivos.
Eu sabia sorrir, ser atenciosa, compreender e consolar somente os conhecidos e amigos fora de casa.
Não queria entender ou admitir que minha caridade deveria ser com os mais próximos, pois esses são os que nos fazem renovar e aprender.
São para com esses que temos débitos urgentes ou eles não estariam tão próximos.
Somente hoje eu vejo que vivi uma vida egoísta e sem propósitos, sempre fugindo das responsabilidades morais.
Casei-me. Tive uma vida abastada e não deixei faltar qualquer provisão material para minha mãe.
Porém, eu mesma, nunca estava presente.
Não fui diferente com os meus filhos, que sempre deixei sob os cuidados dos melhores empregados.
Não tratei bem nem o meu marido.
Depois do falecimento de nossa mãe, gozei o resto da juventude e a chegada da maturidade com falsa alegria até meu marido acreditar que precisava ter ao lado uma mulher tão esperta e bela quanto eu havia sido.
Aos poucos fiquei limitada ao lar.
Os filhos também foram me esquecendo e eu não tinha qualquer atribuição que me satisfizesse.
Doenças foram me consumindo. Os melhores médicos e enfermeiros foram pagos para ficarem ao meu lado, mas pouco eu via meu marido e meus filhos.
Todo aquele tempo presa ao leito me fez reflectir muito.
Eu não desejo isso a ninguém.
Quanto arrependimento quando se está sobre uma cama sofrendo!
Eu desejava mudar tudo, mas não podia.
Desencarnei. Permaneci longos anos em estado de perturbação.
Esse Umbral da consciência é tão terrível que somente as preces ensinadas por nossa mãe me aliviavam a mente e eu encontrava a fé.
A fé de sair daquelas condições.
Depois de tanto orar, eu entrei em uma faixa vibratória onde consegui ver você, que muito ficou ao meu lado, utilizando as preces que a nossa mãezinha nos ensinou para me fazer elevar os pensamentos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Out 18, 2016 3:31 pm

— Lágrimas rolaram na face de Júlia e sua voz embargou ao dizer:
— Eu que nunca havia feito uma oração verdadeiramente sentida por você, nem em vida nem após a sua partida.
O que fiz a você foram preces decoradas, palavras repetidas sem a menor atenção, sem sentimento.
Você me trouxe para essa colónia e para junto de nossa mãe.
Depois de me recuperar, em pavilhões hospitalares e regeneradores, trouxe-me para a sua casa, sob os seus cuidados, os de nossa mãe e a atenção carinhosa de Lívia.
Eu estava triste, arrependida por tudo o que não fiz, pela oportunidade de vida desperdiçada.
Mesmo assim, recebi, por misericórdia, atenção e tratamento que não merecia.
Equilibrei-me, estudei, aprendi e, até onde sei, nem você nem a Lívia precisariam me dar assistência, porém o fazem com amor e há tanto tempo!
—Você era um espírito um tanto rebelde e que não dava atenção aos chamados do Alto.
Precisou vivenciar a dor e o sofrimento para começar a aprender.
Por vê-la disposta e verdadeiramente animada a reparar o que fez de errado, decidimos lhe oferecer a oportunidade do convívio para que aprendesse mais rápido.
—E por acaso, Humberto, não será essa oportunidade de convívio, para que aprenda mais rápido, que a Lívia quer dar ao Rubens?
Ele a fitou de modo indefinido, mas sem dizer nada.
Em seguida, fugiu-lhe ao olhar.
Júlia sorriu generosa. Levantou-se e avisou:
— Vou buscar a sua refeição.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 19, 2016 10:31 am

2 - PLANEAMENTO REENCARNATÓRIO

No dia seguinte, Humberto aguardava pacientemente pelo amigo de longas eras.
O gabinete de Diogo era invadido por luminosidade caridosa, levemente colorida e recortada alegremente pelos vitrais triangulares.
As janelas largas, em forma de arco, deixavam suave brisa perfumada penetrar no recinto, ao mesmo tempo que a vista de graciosas trepadeiras floridas meneavam nas laterais.
Repentinamente a porta foi aberta e ouviu-se a voz contente do amigo sorridente:
—Querido Humberto! Como está?! -— perguntou, abraçando-o e beijando-lhe o rosto ao estapear suas costas.
— Bem, Diogo! E você?
— Óptimo! Soube que chegou ontem.
Eu não estava aqui por causa de tarefas urgentes nos pavilhões hospitalares, justamente na Enfermaria dos Perturbados.
— Problemas sérios?! -— preocupou-se Humberto.
— Agora tudo está sob controlo. Você nos fez falta, hein! — sorriu.
— Quando retomar a chefia, de acordo com as condições dos internos, aconselho aliviar as medidas disciplinares rígidas que o Sérgio tomou com meu total apoio.
—O que aconteceu?
—Os recolhidos na Enfermaria dos Perturbados, por causa dos vícios terrenos não superados, se amotinaram com exigências absurdas e abomináveis às vibrações desta colónia.
O nosso velho conhecido Adamastor, cujos vícios de violência, de agressividade e referente ao sexo não vence, mesmo à custa de longo tratamento espiritual, liderou os demais e, juntos, chegaram a agredir enfermeiros e tarefeiros do pavilhão.
Fui chamado.
Diante das circunstâncias, apoiei as medidas drásticas que o Sérgio determinou.
Toda alimentação e qualquer tipo de recomposição fluídica foi suspensa.
A enfermaria foi fechada.
Ninguém saiu ou entrou lá por oito longos dias.
Os internos se transformaram em verdadeiros loucos, mas enfraqueceram.
Ao vê-los sem forças, adentramos e isolamos Adamastor, como também os mais ligados directamente a ele.
Os demais, amedrontados, ficaram mais respeitosos e foram separados de acordo com o grau de risco que representam aos trabalhadores.
—Assim que eu reassumir a chefia, vou solicitar o vigor de métodos de espiritualização desses enfermos.
Vejo essa necessidade há algum tempo e já deveria ter investido em medidas a respeito.
Os assistentes técnicos dessa enfermaria solicitaram o planeamento
reencarnatório de Adamastor pelo facto desse irmão não se regenerar e causar excessivo desgaste a todos nós.
—Como amigo, aconselho o planeamento reencarnatório de muitos outros ali, não só de Adamastor.
Esses espíritos rebeldes e teimosos dificilmente se regeneram aqui.
Eles causam problemas terríveis e atrapalham, inclusive, a recomposição dos demais.
Estão aqui porque, quando apresentam o desejo de melhorar, necessitam ser acolhidos para tratamento e outra colónia, com menos estrutura, não consegue suprir suas necessidades.
Somente uma colónia com o porte da nossa pode fazê-lo.
—Esse motim só reforça minha decisão a respeito do planeamento reencarnatório.
Olhando-o, esboçou suave sorriso no semblante preocupado e solicitou:
— Precisarei do seu apoio, Diogo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 19, 2016 10:31 am

—Conte comigo!
Tenho ideias novas para trabalhos de reajustamento que já apresentei à Governadoria.
Eles devem chegar para a sua apreciação na próxima semana.
— Óptimo!
—Mas me conta, Humberto, como foi a excursão terrena?
Quais as novidades?
—Acompanhei de perto o nascimento de meu pai, recebido com imensa alegria.
Ele sorriu ao lembrar:
— Em pensar que Sara recebe o bisavô como filho e ignora isso...
Após segundos, continuou:
— De resto, sem grandes novidades. Os encarnados continuam teimosos, vaidosos, orgulhosos e não admitem isso.
Como sabe, eles querem materializar o espírito e não espiritualizar a matéria.
Com isso, desequilibram-se, agridem o corpo físico e encurtam a encarnação.
—E triste ver o ser humano desejando viver mais, desejando viver bem, ser saudável e ao mesmo tempo não se importando nem admitindo que desencarna antecipadamente quando fuma, bebe, come sem necessidade, se droga, se irrita, sente raiva, fica contrariado e outras coisas mais.
Quando faz isso, a pessoa está se matando, se suicidando aos poucos.
E não me venha dizer, hoje, que isso é suicídio inconsciente, não!
Todo mundo já sabe que comer demais mata, fumar mata, ingerir bebida alcoólica mata, usar droga mata, ficar irritado, com raiva, contrariado... mata!
De alguma forma a criatura humana destrói células ou neurónios quando foge ou excede o ritmo natural da vida, seja esse ritmo de um processo físico ou emocional.
—Na Enfermaria dos Perturbados —- lembrou Humberto -— encontramos centenas e centenas de casos assim.
Aliás, todos ali se excederam nos vícios.
Irritar-se é um vício, a raiva é outro. Muitos ainda não admitem isso.
Tenho medo de, quando encarnado, me deixar levar pela contrariedade que gera irritação e raiva.
—Sentir raiva ou sentir irritação é o mesmo que beber um copo de veneno e esperar que o outro morra!
Humberto riu e ambos foram interrompidos por batidas à porta.
Ao olharem...
—Sérgio1, meu amigo! -— exclamou Humberto com expressiva satisfação.
Eles se abraçaram demoradamente e, ao se afastarem, Humberto perguntou:
— Como estão as coisas?! Foi difícil ficar no meu lugar?!
—Foi bem tranquilo! - brincou, rindo.
O Diogo te contou o que aconteceu?
Estávamos falando sobre isso.
Creio que os internos daquela enfermaria, ao perceberem a minha ausência, resolveram se rebelar acreditando que encontrariam facilidade na segurança e mais regalias.
— Chefiei esse departamento somente na sua ausência, Humberto, e por curto período, mas observei que alguns irmãos ali, talvez, sejam incompatíveis até para o nível desta colónia.
Quando eu assumi essa enfermaria, Sérgio, eles já se encontravam, lá.
Na esperança de se regenerarem, foram mantidos a pedidos especiais de parentes chegados.
Contudo eles não se recuperaram e insistem mentalmente nos vícios.
Eu estava justamente falando ao Diogo sobre os aconselhamentos que recebi de técnicos e assistentes com funções específicas, nessa enfermaria, a respeito do reencarne de Adamastor.
—Eu aconselho o planeamento reencarnatório de muitos outros ali, não só dele — disse Diogo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 19, 2016 10:32 am

—Não quer me auxiliar nisso, Sérgio? — pediu Humberto.
—Como não?! Gosto muito de funções relacionadas ao planeamento reencarnatório, sector onde trabalho com imensa satisfação desde quando me afastei das tarefas de socorrista no Vale dos Suicidas.
—Eu soube que não está mais na admirável equipe de socorro no vale.
Por que solicitou afastamento?
—Estou planeando o meu reencarne, por isso quero ficar mais presente na colónia, para aperfeiçoamento e estudo.
—Sério?! Vai reencarnar?!
Você me avisou sobre isso, mas eu não sabia que seria tão rápido!
—Em alguns anos, espero.
Talvez uns vinte! -— tornou Sérgio. —
Acredito que é a oportunidade ideal tanto para mim quanto para a Débora, que deve me acompanhar.
—Qual o tipo de tarefa pretende abraçar na vida terrena?
Psicólogo, como comentou?
—A princípio, não -— respondeu Sérgio.
Eu preciso ocupar uma posição de equilíbrio sentindo o que é ser superior e ao mesmo tempo subalterno.
Experimentar a pressão ostensiva de muita disciplina.
Além disso, pelo facto de eu ter desertado do Exército Imperial, quando fiz parte dele, na próxima encarnação, devo exercer função relacionada à segurança pública, provavelmente, policial militar.
Após o período necessário, nessa função, devo abraçar a minha paixão e me voltar para a área psicológica.
Sabe como é, quando a consciência cobra, só se tem paz corrigindo as faltas do passado.
Quero ampliar os conhecimentos na área psicológica e desenvolver auxílio nos mais diversos comportamentos da mente.
Minha intenção, no desenvolvimento intelectual, é, na espiritualidade, trabalhar com irmãos que não entendem o uso da psique ou dos pensamentos e utilizam a energia de criações mentais destrutivas, através da força do pensamento, sem saber.
Nesse instante, Diogo os interrompeu:
—Peço licença, mas tenho horário marcado para uma reunião na Governadoria.
Gostaria muito que os amigos continuassem o assunto.
—Diogo, não vamos incomodar se prosseguirmos com a conversa aqui em sua sala?
Eu gostaria muito de conversar com o Sérgio, pois esse assunto está me interessando.
—Fiquem à vontade! Por favor!
Dizendo isso, Diogo se retirou e Humberto mencionou:
— Sérgio, preciso falar com você sobre algo que me incomoda.
Percebo que você é a criatura ideal, não só por ser um grande amigo, mas pelas experiências que tem.
Sua orientação é muito importante para mim.
Sérgio sorriu e ficou bem à vontade, acomodado em um sofá, enquanto Humberto ocupava uma cadeira frente a ele.
—Além da Débora, quando estiver encarnado, quem mais estará perto de você? -— perguntou Humberto.
—O Tiago será meu irmão! -— informou alegre.
Mas logo Sérgio fechou o sorriso e comentou:
— A Lúcia será minha irmã e...
— A Lúcia?! — questionou Humberto, surpreso.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 19, 2016 10:32 am

—É. Quem sabe, como minha irmã, ela se torne menos rebelde, mais compreensiva.
—A Lúcia é uma criatura bem difícil e se compara à Irene.
Breve instante e se alegrou:
— Faz tempo que não vejo o Tiago!
Como ele está?!
—Óptimo! Como sempre!
Ninguém derruba o seu alto astral!
O Tiago está em excursão terrena, visitando nossos pais.
Não sei como não se encontraram.
—Por acaso o seu pai não será o senhor Edison, será? -— sorriu.
—Biologicamente, não. Ele já está encarnado, como sabe.
Vamos nos encontrar, pois ele faz questão de me ajudar, me dar a sustentação e a orientação que não pôde oferecer, em uma vida passada, como pai.
Eu o considero muito, você sabe!
Para mim, ele é um pai espiritual!
—Imagino! Também gosto muito dele.
E quanto ao seu mentor espiritual?
—Ah! -— sorriu. -— Não poderia deixar de ser o querido Wilson!
Como eu o respeito, o amo!
Nossa! Ele é a criatura que fará tudo por mim.
Peço a Deus para eu ter fé, bom ânimo e pensamentos elevados para sempre ser digno de estar em sintonia com o Wilson.
—Sérgio, eu o admiro e o considero muito.
Eu o amo a ponto de dizer que, se eu estivesse encarnado, gostaria que você fosse o meu mentor!
Sei que a minha particularidade deverá ser resolvida por mim.
Entretanto, você sabe o quanto é valioso o bom conselho vindo de irmão amigo como você, o Diogo...
É que eu estou precisando de uma luz na consciência para não me desequilibrar.
Para mim, o assunto é sério.
—O que está acontecendo? — perguntou o amigo preocupado.
—A Lívia se sente incomodada.
A consciência lhe cobra pelo comportamento inadequado no passado e ela quer reencarnar.
Em princípio os seus planos são unir-se ao Rubens.
—Ao Rubens?! — surpreendeu-se, por conhecer toda a história.
— Exactamente. É o seguinte...
Em alguns minutos, Humberto contou ao amigo os planos de Lívia e tudo o que o incomodava nos planos da companheira.
Ao final, o silêncio imperou por minutos e Sérgio quis saber:
—Você tem algum tempo livre agora?
—Sim, tenho.
Então vamos até o Ministério da Reencarnação, pois eu tive uma ideia.
Lá, munido de equipamento em que posso lhe mostrar melhor as suposições, você poderá entender muito bem algumas sugestões. Vamos?
— Claro! Vamos, sim! — animou-se.
Uma energia salutar envolveu Humberto que ficou bem disposto e ansioso pelo facto do amigo ter alternativas melhores para lhe sugerir.
Após horas reunido com Sérgio, Humberto estava pensativo, porém mais sereno.
— O que você acha? -— perguntou Sérgio.
—Precisamos conversar com a Lívia.
Quero a opinião dela.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 19, 2016 10:33 am

Contudo já posso afirmar que temo ficar tão perto de Rubens, vendo-o tão ligado à Lívia desse jeito.
—Veja, Humberto, nós só planeamos de uma forma visando a que tudo siga um curso harmonioso.
Entretanto, encarnado e com o poder do livre-arbítrio, nós podemos mudar tudo e alterar o curso de nossas vidas e da vida dos outros.
Aqueles que nos acompanham na encarnação terrena podem nos ajudar ou prejudicar.
Além do que, são somente planos reencarnatórios superficiais.
Lógico que nós nos aplicaremos por anos para ajustarmos toda essa situação.
— Eu gostaria muito que você me ajudasse nesses detalhes, Sérgio.
Confio no seu bom senso.
—Eu prometo que vou te ajudar.
Não só aqui, mas também no plano físico.
Ficaremos bem próximos.
—Será o meu mentor encarnado se eu vacilar? -— perguntou sério.
—Serei. Eu prometo.
Os amigos sorriram.
Trocaram rápido abraço e Sérgio propôs:
— Vamos contar para a Lívia?
— Lógico! Vamos até em casa agora!
Sem demora eles seguiram para a casa de Humberto.
***
Após longa conversa e explicações sobre propostas e possibilidades, Lívia perguntou:
—O planeamento reencarnatório é feito com muitos anos de antecedência.
Mas entendi que esses planos são para breve.
Daqui uns vinte ou vinte e cinco anos!
E os nossos pais?
—O senhor Leopoldo está encarnado.
Sei que não foi planeado que ele e dona Aurora recebessem Humberto e Rubens como filhos.
Duvido muito que a dona Aurora se negue a ser mãe dos dois e quanto ao senhor Leopoldo, com o decorrer dos anos, poderá ser trazido até aqui no estado de sono e questionado a respeito.
Pelos desejos evolutivos, certamente irá concordar.
—Não será arriscado o Humberto e o Rubens serem irmãos depois de tudo?
—Isso seria ideal!
O Humberto seria testado no seu perdão ao irmão e possessividade quanto a você, Lívia.
Pelo que entendi e senti, até agora, o Humberto precisa trabalhar a questão de admitir você perto do Rubens.
Para você, Lívia...
—Sérgio, o importante para mim seria ter um pai severo e exigente.
Fui muito mimada, dependente.
Vivi verdadeiramente como uma dondoca e recebi tudo nas mãos.
Isso me impediu de ser forte, de ter opinião e de crescer.
Seria muito importante para a minha evolução se eu precisasse lutar pelo meu ideal, por minhas conquistas e ter um pai que exigisse de mim uma boa conduta.
Os problemas e as dificuldades vão fazer com que minha mente não seja preenchida com futilidades.
Além disso, por me sentir tão culpada por tudo que provoquei ao Humberto, eu quero estar pronta para auxiliá-lo, orientá-lo e ampará-lo no que for preciso.
—O bom para você é não receber muito apoio familiar.
Isso a fará crescer, ser mais forte, evoluir...
Não se ligar à Irene com laços consanguíneos, seria o melhor.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 19, 2016 10:33 am

Fitando-a firme, reforçou a explicação:
— Veja, essas são só suposições e bem superficiais.
Um planeamento reencarnatório é algo para ser muito bem estudado e estruturado.
Todos os envolvidos, como nesse caso, precisarão chegar a um acordo, um consentimento para se harmonizarem, aliviarem as consciências e evoluírem. Esse é o objectivo!
—Quando estamos encarnados, Sérgio, tudo fica diferente.
Pensamos e agimos diferente.
Eu estava conversando isso com a Débora ontem, lá na biblioteca —- justificou-se Lívia.
— Por isso eu preciso de um pai severo e de uma mãe que não me apoie.
Será difícil, mas compreendo e aceito para eu não me desviar dos meus ideais.
No meu caso, eu não posso e não quero me deixar iludir pela beleza física, material e me inclinar para a vaidade, para o orgulho.
Sérgio ofereceu suave sorriso e explicou:
—O que é belo, o que é bonito deve ser agradável aos sentidos e não ser um instrumento de vaidade, arrogância ou inveja.
Acho que a beleza física deve ser interessante, no seu caso, você precisará saber lidar com ela.
O Rubens deverá se atrair por você e, novamente, essa atracção será pela beleza exterior.
—E difícil aprender a nos equilibrarmos com a beleza.
É uma prova tão difícil quanto a da fortuna!
Podemos nos tornar vaidosos, orgulhosos, arrogantes e imponentes.
— Exactamente!
A vaidade e o orgulho andam de braços dados enquanto a arrogância corre atrás dos dois.
Não dá para ter um sem ter o outro.
Encarnado, sob o véu do esquecimento, o nosso inconsciente se revela sutilmente e é por isso que atraímos para nós o que precisamos para nos corrigirmos.
Se você atraiu para si uma pessoa agressiva, que não te respeita nem te ama, é porque está faltando amor e carinho de você para com você mesma.
Esse é só um exemplo.
Enquanto você não se amar, não se respeitar, não procurar o melhor, os caminhos não vão se abrir para que encontre e se ligue a pessoas melhores.
Aproveitando a breve pausa, Humberto questionou:
—E quanto ao Rubens?
Será que conseguiremos tirá-lo daquela condição?
—Temos alguns anos pela frente e, enquanto eu não reencarnar, vou ajudá-lo no que for preciso para tirá-lo desse estado de consciência, o Umbral.
Sei que podemos contar com a colaboração do Tiago, especialista nesse assunto.
Será muito importante e proveitoso o Rubens desejar reencarnar para reparar os erros.
E mais importante ainda é se restabelecer o quanto antes para entender o que aconteceu a ele, por que aconteceu e também aprender e se preparar para a harmonização que precisa fazer.
—Quando socorrido, talvez, ele não tenha condições de vir para esta colónia, mas já sei onde poderá ser recebido -— disse Humberto mais animado.
—Óptimo! O sofrimento dele, nesse estado de perturbação, foi imenso.
Acredito que, quando se libertar desse estado, o mínimo de tempo de terapia espiritual já o ajudará a se recompor e equilibrar a mente, pois, pelo que conheço, o Rubens é inteligente e podemos tirar proveito benéfico disso.
Sérgio silenciou por alguns instantes observando o casal se entreolhar com expectativa e preocupação.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 19, 2016 10:33 am

Logo comentou:
— Pensem bem e falem com os envolvidos.
Depois será preciso vocês requererem, junto ao Ministério da Reencarnação, o pedido e a justificativa para o reencarne de ambos a fim de que tudo se dê no tempo certo.
—E o pedido para a reencarnação dos demais?
Alguns não estão nessa colónia.
—Veja, Lívia, cada colónia espiritual possui o seu sistema de organização.
Aqui nós temos um ministério especializado somente em planeamento reencarnatório.
No caso dos demais, a colónia onde estão é o Ministério do Auxílio que cuida disso no sector de planeamento reencarnatório.
Eles deverão fazer a solicitação por lá e, logo que o pedido de vocês for aceito, entraremos em contacto com a colónia onde eles estão para justificar a necessidade de os unirmos o máximo possível para esse reencarne.
Existe uma movimentação enorme para um trabalho como esse.
Porém, se isso é o que vai aliviar as consciências, se esses reencarnes contribuirão para a evolução e a elevação de muitos, sem dúvida, as governadorias irão aprovar e tudo será feito a tempo —- explicou Sérgio.
—Minha consciência me cobra muito. Sinto-me abalada.
Às vezes, quase doente por causa das recordações dos meus deslizes infantis e de tudo o que fiz indirectamente ao Humberto.
Eu acabei com um planeamento reencarnatório.
Destruí nossos sonhos e provoquei muito sofrimento a todos.
Eu amava o Humberto e jamais poderia imaginar que aquilo que eu estava permitindo ao Rubens o incentivava a um plano macabro para eliminar o irmão.
Como errei.
Não sei como o Humberto me perdoa pelo que fiz.
—Errar todos nós erramos.
E Deus é tão bom e justo que nos deixa corrigir.
Quanto a te perdoar, eu não te perdoo, Lívia, não tenho o que te perdoar.
Eu só compreendo, pois já agi assim e até pior.
O que sinto por você é muito forte, muito intenso, por isso estarei ao seu lado.
Vamos neutralizar todo esse peso de nossas consciências, aprender a entender e a perdoar de verdade.
Não será fácil.
Por outro lado, vou me empenhar para uma harmonização com a Irene.
Serei testado no limite das minhas forças e você também.
Serei testado para compreender e aceitar o meu irmão ao seu lado.
—Sinto medo. Podemos mudar de ideia quando encarnados pelo véu do esquecimento — tornou ela.
—Não mudamos de ideia quando o que sentimos é verdadeiro e o que estamos fazendo é muito necessário — afirmou Sérgio.
É preciso que pensem muito.
Reflictam bastante sobre a união na Terra.
Cada um de vocês será testado em sua fidelidade.
A vaidade, o ciúme, o orgulho e a inveja são vícios morais que o Rubens e a Irene não vencem à custa de experiências simples.
Pelo que sei e os conheço até agora, eles são capazes de prejudicar alguém só para serem os melhores, os vitoriosos.
Devemos questionar, entretanto, se esse período de sofrimento no Umbral serviu para o Rubens ser humilde ou não.
No que diz respeito ao livre-arbítrio, tudo pode acontecer quando alguém não vence os vícios morais.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 19, 2016 10:33 am

Os actos que cometemos e os vícios que adquirimos como o ciúme, a gula, o alcoolismo, o tabagismo entre outros são vícios frutos da vaidade, do orgulho, da inveja...
A criatura normalmente não se domina até perder completamente o controle de si mesma e, junto com esses desequilíbrios, não só prejudica a própria existência como também a vida daquele ou daqueles que estão mais próximos.
— Esse é o problema, Sérgio.
Eu confio em mim, na Lívia, mas tenho motivos para não crer no cumprimento das promessas e propostas que os demais vão fazer, principalmente o Rubens e a Irene.
Todos os envolvidos que mencionamos, aqui, nessa possibilidade de planeamento, vão concordar com o reencarne, sem dúvida!
Você, melhor do que eu, sabe como é!
Milhares de criaturas imploram, desesperadamente, por uma oportunidade de reencarnar para não continuarem sentindo imensa perturbação, o desequilíbrio e a inenarrável dor na consciência, que é viva, é real, sem ilusões e que não se esquece por um só segundo, aqui, no plano espiritual.
Essas criaturas querem se livrar dessas aflições e das angústias perturbadoras causadas pelas cobranças dos erros do passado.
Acreditam poder suportar qualquer dor e sofrimento na vida terrena, que são bem mais suaves do que as tempestuosas impressões pelos débitos impregnados no perispírito, na mente.
Ao voltarmos do plano físico endividados, aqui, a aflição é intensa, enlouquecedora e o arrependimento é desesperador.
É por isso que muitos encarnados têm medo da morte.
Assim que retornamos para a pátria espiritual, o arrependimento tardio de quase nada adianta, a não ser para mostrar um pouco de evolução adquirida, exibindo o reconhecimento dos nossos erros e a conscientização de saber que será preciso corrigi-los.
Porém, quando arrependido e desesperado, o espírito implora por uma oportunidade de corrigir o seus erros.
Mas, encarnado, não dá a menor atenção aos chamados de reparação.
A vaidade, o orgulho e a ambição o dominam e, ao conhecerem, a lei de causa e efeito, que é a necessidade de terem de harmonizar o que desarmonizaram, ele pensa:
"Ah! Não deu para eu corrigir nessa vida, vou deixar para corrigir na próxima!"
Irresponsável!
Não pensa que, com essa atitude, tiram de outra criatura a oportunidade nessa experiência terrena e prejudica muita gente.
Não leva em consideração o empenho e a dedicação de inúmeros amigos encarnados e desencarnados que se esforçaram para ajudá-lo.
Encarnada, a pessoa não tem respeito por todo árduo e dificultoso planeamento reencarnatório e põe tudo a perder.
Quando não, ainda culpa o próximo pelos seus erros, pela sua incompetência.
— Isso é verdade! -— concordou Sérgio.
A pessoa não imagina o quanto ela implora para viver a vida que vive com todos os desafios, dificuldades e limitações humanas.
Ignora como insistiu experimentar a experiência terrena tal qual como vive, pois, só após harmonizar os seus débitos, passará a ter paz espiritual.
No entanto, desperdiça a oportunidade, o tempo. Utiliza erroneamente os atributos que lhe foram confiados e acaba adquirindo mais débitos e muito sofrimento consciencial.
Um silêncio profundo dominou o recinto até Humberto concluir:
— Por isso devemos orar muito e nos conscientizarmos do que realmente queremos e somos capazes.
Orar para que, quando encarnado, não nos desviemos do que será de óptimo proveito para a nossa evolução, pois, muitas vezes, o acontecimento ruim é o remédio para o nosso mal. É o que nos faz crescer.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 19, 2016 10:34 am

—Com certeza! -— concordou o amigo.
Bem... Já é tarde e eu preciso ir.
A Débora está me esperando.
Pensem muito a respeito de tudo o que conversamos e lembrem-se de todas as possibilidades.
Depois me procurem.
Vão lá a minha casa para conversarmos.
Se tudo der certo, como supomos aqui, continuaremos com a nossa boa e velha amizade quando reencarnarmos -— riu.
Será muito bom!
Sempre nos demos muito bem!
—Sem dúvida, Sérgio!
Vamos orar para que saibamos a melhor decisão a tomar, depois conversaremos.
Muito obrigado pela sua atenção e ajuda! -— disse Humberto, grato.
— Fiquem com Deus!
Os amigos se despediram e Sérgio se foi.
Aquela noite foi longa para Humberto e Lívia, que conversaram muito a respeito de tudo.
***
O tempo foi passando.
Com os anos, Rubens foi socorrido e levado para uma colónia adequada ao seu estado consciencial.
O arrependimento corria-lhe à mente perturbada e sofrida.
Em uma das vezes em que foi visitá-lo, em um pavilhão hospitalar, Humberto dizia piedoso:
— Tudo já passou, Rubens.
Não fique assim.
— Você não faz ideia do que vivi, nem de como vivo agora.
É horrível ver e sentir o sofrimento que eu te provoquei.
Minha mente ficou confusa.
Nem acredito que fiquei todos esses anos naquele vale sombrio.
Eu não sabia quando era dia ou noite.
Sentia fome, frio, desespero...
Desejei morrer, mas isso não se pode.
Descobri que a morte não existe.
— Nunca me viu ou ouviu quando me aproximava de você?
—Não. Nunca.
Eu pensava em você e um arrependimento terrível me torturava.
Foi pouco antes de eu ser trazido para cá que intensa fé tomou conta de mim e comecei a rezar diferente.
Algo forte enchia o meu peito de esperança e de vontade e eu comecei a orar como nunca tinha feito antes.
Senti-me tonto, aliviado e uma coisa leve envolveu o meu corpo...
Daí eu te vi. Vi os outros.
O sofrimento, a dor e todo o peso do horror vivido diminuíram, mas ainda tenho crises que me assombram.
A consciência me dói.
Por favor, Humberto, não pense que estou me queixando, só estou comentando.
Sei que sofri por minha culpa, por minha leviandade...
—Foram muitos anos em estado de perturbação terrível, Rubens.
Mas, agora, vai se recompor.
—Estou tão arrependido por tudo...
Arrependido por ter vivido como vivi...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Out 19, 2016 10:34 am

—Sempre há um jeito de se corrigir o erro.
—Eu me iludi.
Fui arrogante, orgulhoso, prepotente...
Sempre tive inveja de você.
Quando você e a Lívia estavam juntos, eu... -— o choro o interrompeu.
—Não se torture, meu irmão!
—Você tinha tudo, Humberto!
Sempre teve! E merecia!
Mas eu...
Em vez de conquistar e batalhar pelo que eu queria, achei que seria mais fácil tirar de você.
Acreditei que, se você não estivesse no meu caminho, eu poderia ficar com a sua noiva.
Afinal, ela correspondia, com sorrisos enigmáticos, aos meus olhares, aos meus elogios e...
Bem, eu pensei que se não estivesse no meu caminho eu ficaria com ela, com a casa que o pai te ajudou a conseguir e... -— novamente chorou.
Após te matar, vivi dias amargos.
A Lívia não me quis e ficou doente.
Depois que ela morreu, fugi para a bebida...
Casei e fui leviano, traidor, agressivo...
Fiz tanta coisa errada!...
—Tudo tem como ser corrigido.
—Será?! Será que esse sofrimento tem fim?!
— Acredita que Deus te criou para vê-lo errar e deixá-lo sofrer eternamente?
Se assim fosse, você não estaria aqui, arrependido.
Sei que está sofrendo, mas sente-se mais aliviado.
O irmão ficou pensativo e Humberto prosseguiu:
— Bem, vamos falar de coisas boas!
A mãe virá visitá-lo amanhã! -— sorriu.
—Mas...
—E a Lívia também.
—Humberto!
Não sei como recebê-las!
Estou com vergonha de tudo o que fiz!
Meu Deus! Olha o meu estado!
—Esse é um momento que não pode ser mais adiado, Rubens.
A mãe está prestes a reencarnar e deseja muito vê-lo.
A Lívia também tem seus arrependimentos e quer se desculpar.
Além disso, agora que está mais consciente, preciso te contar e ao mesmo tempo te fazer uma proposta, pois falta somente você para concordar com tudo.
— Uma proposta?!
— Você se sente mesmo arrependido e quer corrigir os seus erros?
—Sim! Claro que sim! -— expressou-se emocionado.
—Então eu proponho a parar de pensar nos erros do passado e planear o futuro.
—Como assim?! -— perguntou curioso.
—Veja, Rubens, o único meio de aliviar a consciência é corrigindo os erros.
E o único jeito de corrigir os erros é reencarnando.
—Se eu pudesse...
Se eu tivesse a chance de reparar o passado...
Oh! Meu Deus!
Quero viver de novo e fazer tudo certo!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: CORAÇÕES SEM DESTINO - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 11 1, 2, 3 ... 9, 10, 11  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum