MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Página 1 de 15 1, 2, 3 ... 8 ... 15  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:56 am

MINHA IMAGEM
Eliana Machado Coelho

Pelo Espírito Schellida

Convite para ser feliz

Hoje vou ter esperança de um mundo melhor.
Hoje não vou ficar irritado no trânsito, entendendo que os outros têm problemas piores do que os meus.
Hoje vou cumprimentar e sorrir com generosidade para o meu vizinho.
Vou ouvir, em silêncio e sem dar palpites, aquela pessoa queixosa, da qual sempre fujo.
Vou fazer uma caridade.
Vou dar preferência ao pedestre, mesmo se eu estiver com pressa.
Vou ouvir meu som em volume baixo, pois sei que o barulho alheio incomoda os outros e os deixam irritados, e ninguém precisa ficar mais irritado do que já está.
Vou dar lugar à pessoa de idade ou à pessoa mais necessitada do que eu, mesmo que ela não aparente isso... ...talvez esteja precisando.
Hoje vou sorrir de modo simples, ao pedir licença, quando precisar de passagem.
Vou dizer obrigado, com satisfação, todas as vezes em que me vir favorecido em alguma situação, mesmo que seja para um desconhecido.
Não vou perder a paciência quando as coisas não saírem como eu quero, porque, às vezes, quando dá errado... é o mais certo.
Vou apertar, com firmeza a mão das pessoas ao cumprimentá-las e olhar em suas almas através de seus olhos.
Hoje vou fazer de tudo para chegar mais cedo em minha casa e conversar, por pelo menos uma hora, prazerosamente, com alguém com quem divido o mesmo tecto.
Ah! Se eu morar sozinho, vou ligar para um familiar ou amigo e conversar, se ele quiser.
Hoje vou tomar um banho bem gostos, e cantar no chuveiro, e rir de mim mesmo, se eu nunca tiver feito isso antes, e depois vou dormir.
Vou relaxar, ouvir uma música bem suave, procurar não pensar em nada e... quando um pensamento inconveniente surgir insistente não vou lutar com ele, vou lembrar de uma imagem bonita da praia, de um pôr do sol, de uma montanha, do céu ou de uma flor.
Hoje vou pensar em Deus, agradecer pela vida, por eu ter consciência, por ler essa página, por ser capaz.
Hoje vou pensar no perdão daquela pessoa e, se possível, perdoar.
Hoje vou me perdoar por aquela atitude, por não ter sido perfeito...
...e entender que estou em processo evolutivo, como muitos outros.
Vou me entender, entender aquela pessoa.
Hoje vou desejar muito o bem de alguém e, por que não, desejar muito o bem a muitos!
Hoje vou querer o melhor da vida...
Vou dar o melhor da vida...
Vou dar o melhor de mim para a vida!
Vou cuidar da saúde, beber muita água, andar descalço...
Hoje vou me amar,
...amar o mundo.
...amar a Deus.

Pelo espírito Erick Bernstein
Mensagem psicografada por Eliana Machado Coelho
Primavera de 2012.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:57 am

Capítulo 1 - Do interior para a cidade grande

Era uma manhã fria.
O sol ainda não conseguia dissipar a névoa que deixava lindamente esmaecida a visão de uma vegetação gotejada de orvalho.
Vanessa, de pijama azul-claro, com florzinhas do mesmo tom na blusa branca, vestindo, como sobretudo, uma blusa de lã de cor creme, com meias de lã e cachecol da mesma cor, tecidos a mão por sua querida avó, olhava através do vidro da janela, enquanto sentava com as pernas cruzadas e, com a mão gélida, passava, atrás da orelha, uma mecha de cabelo que teimava ficar na frente do olho.
Seus pensamentos estavam vagando sem se fixarem exactamente em algo.
Não tinha planeado nada diferente para aquele dia e, após longo suspiro, puxou novamente a mantilha que teimava escorregar do sofá e voltou a pegar os livros de historinhas infantis separados para ler naquela tarde.
Aos dezanove anos, Vanessa era uma linda jovem de cabelos castanho-claros e lisos, pele alva, traços finos e delicados.
Seus olhos castanhos traziam um brilho especial, uma doçura que transmitia generosidade.
Corpo esguio e bem torneado, cerca de um metro e setenta de altura.
Uma moça chamativa, que atraía olhares dos rapazes.
Porém, o que mais cativava as pessoas era sua educação, seus modos e sua atenção compreensiva.
Ela nasceu e viveu, até os três anos de idade, na cidade de São José dos Campos.
Depois, passou a ser criada pelos avós maternos em uma pequena cidade onde todos se conheciam e cuidavam amigavelmente da vida uns dos outros.
Não viajou muito nem conheceu muitos lugares.
Tinha dois irmãos mais velhos que gostavam muito dela, mas residiam longe desde a faculdade, morando em outra cidade.
Como verdadeira paixão, Vanessa muito o Dia da Leitura, assim era conhecido o trabalho que realizava voluntariamente no centro espírita, toda quarta-feira à tarde.
Nesse dia, por cerca de uma hora, as crianças que participavam da evangelização infantil se reuniam em uma sala atapetada onde, sentadas no chão e no centro, normalmente rodeada pelos pequenos barulhentos de várias idades, lia um livro infantil e, enquanto enfatizava a história, dramatizando-a em tons diversos com sua bela voz, fazendo os olhos arregalados e alguns barulhos, cujos sons davam vida aos acontecimentos e personagens, chegava a se deitar ou rolar no chão, arrancando “ohs!...” e “ahs!...”, inclusive risos gostosos, gargalhadas.
Isso auxiliava os pequeninos a aprender boas lições morais desde cedo, além de se distraírem e tomarem gosto pela leitura.
Seu trabalho era tão bom e elogiado que crianças de outras religiões, cujos pais não seguia a filosofia Espírita, também iam até aquela casa participarem daquele encontro tão especial e alegre.
Vanessa não se importava com as crianças que corriam para os cantos, atraídas por brinquedos, e lá ficavam sem atentar para sua leitura.
A jovem queria que elas se divertissem.
Sabia que, ao longo do tempo, com o costume de ouvir as histórias, mesmo enquanto brincavam, em determinado momento, iriam descobrir o prazer mais atentamente e, no futuro, o prazer de ler.
Foi assim com ela e com todos aqueles que adquiriram o prazer de ler.
Primeiro era preciso ouvir as histórias.
Depois, querer lê-las por si mesmo.
Para ela, o quanto uma criança demorasse a ter esse prazer, não importava.
Desde que continuasse a vir no Dia da Leitura.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:57 am

Por isso aquela sala era toda especial.
Só para as crianças.
Ela mesma decorava com enfeites, cartazes e brinquedos.
Tudo muito colorido e divertido.
Tão bonitos que até os adultos gostavam de parar e ficar ali como que aproveitando as energias boas do lugar.
Alguns dos directores daquela casa de oração, que por hora não haviam evoluído ainda, por vezes, rabugentos e ranzinzas reclamavam da felicidade, ou melhor, do barulho que crianças saudáveis e alegres fazem quando juntas.
Mas isso não incomodava a jovem que tinha o dom especial do amor e da compreensão para com todos.
Vanessa, às vezes, repreendida por esses companheiros, que pareciam se considerar donos da casa de oração, ouvia-os e dizia educadamente.
- Vou procurar fazer com que eles fiquem mais silenciosos da próxima vez.
Apesar de saber que isso era algo impossível de conseguir, até porque ela era a primeira a gritar:
“Boa tarde, turma feliz!!!”, assim que se sentava no chão, antes de começar as actividades com as crianças, que gritavam, no volume máximo, para responderem:
“Boa tarrrdeeee!!!”.
Só depois disso, todos se achavam prontos para começar, inclusive ela.
Quando não estava atrás de um bom livro infantil ou de alguma actividade para as crianças, a jovem ajudava seus avós nas tarefas da fazenda, agora um hotel, cujos chalés eram bem acolhedores.
Todos com lareiras de pedras, tectos de madeira envernizada, bem como os adornos e camas antigas. Tapetes grossos e macios.
Cortinas graciosas presas com laços nas laterais das largas janelas de vidro que davam para uma linda vista do lago onde, nas manhãs mais frias, podia ser visto encoberto pelo vapor esbranquiçado como uma fumaça subindo lentamente acima da água plácida e bem gelada.
Mesmo tendo crescido ali, ela adorava apreciar aquela visão magnífica, quanto podia.
Tudo ali parecia lindo e adoravelmente mágico.
A fazenda agora uma pousada ou hotel fazenda, era muito especial. Localizava-se em um vale abraçado por uma cadeia de montanhas gigantescas e imponentes que limitavam a região das típicas cidadezinhas do interior, entre o sul do estado de Minas Gerais e o estado de São Paulo.
Embora ficasse no estado de São Paulo, na cidade de São Bento do Sapucaí, a pousada invadia a cidade de Gonçalves, sul de Minas.
Apesar de turística, como muitas outras ao arredor, era comum encontrar os aventureiros apaixonados por trilhas, escaladas, caminhadas e bicicletas apreciando a indescritível beleza do lugar e tirando fotos. Aliás, pedalar na região valia muito a pena, além de ser uma delícia.
Era possível transitar de carro por praticamente todos os lugares sem asfalto em dias secos, mas, na temporada de chuva, os passeios reduziam-se a veículos com tração nas quatro rodas ou outros conhecidos como gaiolas e quadriciclos, o que consistia em outro tipo de aventura, maravilhosa, para outros tipos de aventureiros.
Os caminhos longos e sinuosos das rodovias de asfalto liso, serpenteavam entre as araucárias, os pinheiros imponentes e a abundante vegetação que ladeavam a estrada e ajudavam a fechar a floresta que levava às montanhas alterosas, belas, encantadoras.
Um simples passeio por essas estradas tinha o poder de lavar e saciar de paz uma alma.
Ao chegar ao vale que dava acesso à fazenda, o asfalto terminava e a estrada era toda cascalhada, o que produzia um ruído típico quando se andava por ela, fosse de carro, a pé ou a cavalo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:57 am

O céu, de um azul puro, tinha uma luz límpida e especial na maior parte do ano.
O ar puro, às vezes frio, era bem agradável e salutar, sempre trazendo aromas de pinho, relva molhada ou simplesmente de terra, o que era uma delícia.
A temperatura amena deixava um clima gostoso e extremamente convidativo ao sossego e ao relaxamento sob adorável melodia de pássaros silvestres.
Os casais românticos apreciavam muito o lugar que parecia ter um toque de Deus para deixá-los cada vez mais unidos, juntos e apaixonados, pois o friozinho gostoso os atraía para um aconchegante abraço que, geralmente, resultava em um beijo de amor.
A fazenda estava muito bem localizada e isso oferecia diversas atracções para quem se hospedasse ali.
Embora fosse possível nadar nos belos lagos, por causa da baixa temperatura as pessoas gostavam mais de pegar o barco a remo e passear, deslizando nas águas límpidas que sempre espelhavam o céu.
Fora isso, a tirolesa, as cavalgadas com cavalos manga-larga, os passeios com charretes e quadriciclos também eram muito requisitados.
Mesmo sabendo serem muito bem recomendados os diversos restaurantes típicos espalhados pela região, dona Henriette, avó de Vanessa, fazia questão de servir bem seus hóspedes com os melhores atractivos culinários em que muitas das receitas pertenciam a sua avó, passadas à sua mãe através de um caderno antigo, bem trabalhado artesanalmente.
Dava trabalho cuidar de tudo.
Às vezes, Henriette e o marido Dionísio sentiam vontade de não lidar mais com aquilo.
Mas como viver e sobreviver os dois mais a neta com o baixo valor das aposentadorias?
Fazia só poucos anos que os dois netos mais velhos, irmãos de Vanessa, estavam trabalhando e se sustentando sozinhos.
Os estudos dos rapazes e da neta sempre foram pagos com os lucros da fazenda.
Agora, após completar dezanove anos, a jovem também queria fazer um curso superior. De onde tirar dinheiro senão dali, daquele hotel?
Nas temporadas de férias escolares, Henriette e o marido contratavam mais funcionários, porém, quando não e, porventura, tinham um número de hóspedes acima do previsto, eles mesmos se desdobravam para cuidar da limpeza dos chalés, das rouparias, das refeições e de tudo o mais.
O serviço não era pouco e era bastante exaustivo.
Muitas vezes sentia pena da neta.
Tão jovem, varria, lavava, passava a ferro e ajudava na cozinha, além de servir como guia aos visitantes.
Henriette queria, de verdade, que Vanessa fizesse uma boa faculdade a fim de aquela pousada ser para ela somente um lugar para passear e descansar, como os hospedes que ali ficaram.
Se a jovem quisesse continuar com aquele tipo de negócio que fosse tão somente para administrá-lo e não para transformá-la em uma empregada, como naquele momento o era.
Ao erguer o olhar, que trazia um brilho singelo e um tanto opaco, Vanessa deparou com a avó, em outro ponto da sala que, enquanto secava utensílios de cozinha, parecia olhar para ela havia longos minutos.
Seu rosto angelical iluminou-se com um sorriso e, nesse momento, perguntou:
- Faz tempo que a senhora está aí?
- Faz. Onde é que estavam seus pensamentos?
- No vestibular. Estou tão ansiosa, vovó.
Quando penso...
Sinto um bolo no estômago, um frio na barriga... -– riu, um riso simples e gosto de ser ouvido.
Será que vou conseguir?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:57 am

- Claro, minha filha.
Só acho que...
A avó calou-se e baixou o olhar para o canto, pensando cuidadosamente no que falar.
- O quê vovó?
Está triste porque vou ter que morar longe enquanto estudar?
Sem esperar por uma resposta, disse:
- Virei para cá todo fim de semana. Prometo!
- Seus irmãos prometeram a mesma coisa.
Mas, com o tempo, não puderam cumprir.
O Luís, assim que começou a fazer a faculdade, arrumou um emprego e depois precisou dos fins de semana para estudar.
Com o Vítor não foi diferente.
Só que eles são homens e...
Henriette deixou o vasilhame e o pano de prato sobre a mesa central, aproximou-se da neta, que lhe sorriu com doçura, e falou com a voz embargada ao afagar-lhe suavemente os cabelos.
- ...mas você é minha menina.
Ela curvou-se, beijou a cabeça da jovem e ainda disse:
- Não consigo me ver longe de você, minha filha.
Tenho medo que o mundo lá fora seja rude e a maltrate.
Não quero que se machuque.
Nas cidades grandes as pessoas quase não se importam umas com as outras.
Elas são frias. Tudo é muito diferente daqui.
As pessoas não sabem como os seus vizinhos se chamam.
Não fazem um caldo ou uma sopa para levar ao amigo quando ele está doente e, muito menos, emprestam dinheiro sabia? -– sorriu para disfarçar a angústia.
A jovem pegou suas mãos enrugadas, calejadas pelo trabalho difícil, juntou-as, beijou-as e colocou entre as suas.
Encarando com suave e lindo sorriso, disse em tom agradável e confiante:
- Vovó sou crescida. Sou esperta.
Não vou me machucar por causa desse tipo de gente fria que a senhora está falando.
Quero me concentrar nos meus estudos e...
Prometo ligar sempre que me sentir sozinha ou quando tiver qualquer dúvida sobre a vida.
Os doces olhos cansados de Henriette pareciam reflectir a sombra de um pressentimento indefinido.
Algo apertava seu coração amoroso.
Não sabia o que era.
Talvez por ter criado a neta tão pequena na falta da filha e do genro, sentia-se na obrigação de nunca falhar com ela.
Henriette suspirou fundo.
Abraçou a cabeça da jovem de modo forte contra o próprio peito e a beijo novamente.
Depois se afastou um pouco, forçou-se a um sorriso e perguntou:
- E então? Vai ficar de pijama o dia inteiro?
- Só são oito horas ainda! -– sorriu ao enfatizar.
Tá gostoso assim.
- Já escolheu a historinha de hoje?
- Já, sim. Tenho certeza de que as crianças vão adorar.
Continuaram conversando amistosamente.
No tempo que se seguiu, como há muito já vinha fazendo, Vanessa se preparava rigorosamente para o tão temido vestibular.
Horas e horas de estudo e dedicação chegavam a roubar-lhe o sono.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:58 am

Quantas vezes adormeceu em cima de livros, cadernos e apostilas.
Tudo isso a fim de sentir-se bem preparada e conseguir a melhor colocação possível.
Havia escolhido uma universidade pública.
A mais renomada. Longe de casa, por isso não queria falhar.
Sabia, que mesmo não tendo de pagar, eram seus avós que iriam custear suas despesas, em todos os sentidos, até que se formasse.
Se tivesse de pagar para estudar em um curso superior, seria ainda pior, bem mais caro.
Um belo dia, bem cedinho, o telefone tocou.
Henriette se assustou, mas riu ao olhar a neta dar um pulo do sofá para correr e pegar o aparelho que ficava no canto ao lado da janela.
Quando Vanessa atendeu o telefone e ficou ouvindo em silêncio, avó só conseguiu ver, em volta da neta, um brilho dourado do sol que atravessa as vidraças.
Um grito...
- Passei!!! Eu passei!!!
– Olhando para a avó, rindo e chorando, gritou de felicidade, como se a senhora não tivesse ouvido:
- Vovó, eu passei!!!
Vou fazer Farmácia!!! Passei!!!
Largando o aparelho, ela foi na direcção da senhora e a abraçou, beijou, apertou-a em meio a risos e lágrimas.
Havia valido a pena tanto esforço, tanto estudo, tantas horas de dedicação, tantas noites em claro.
No momento seguinte, ela parou e se deu conta:
- E agora, vovó? O que é que eu preciso fazer? O Luís não falou...
- Você não terminou de conversar com ele, terminou?
A jovem correu para o telefone, mas o irmão já havia desligado.
- E agora?
O que eu faço?
- Liga para ele, filha!
Aquele era o início de uma grande movimentação na vida de Vanessa e ela, como todos os jovens, não desejava perder nada, nenhuma chance, nenhuma oportunidade, nenhuma emoção.
Queria viver na cidade grande sentir-se, pela primeira vez, independente.
Sem estar sob a observação dos avós, ou pior, dos conhecidos da pequena cidade que sabiam muito mais relatar por onde havia andado do que ela mesma.
Queria sentir o sabor da liberdade, fazer amigos novos, ficar acordada até tarde, conhecer lugares novos, passear...
E foi com a ajuda de Luís, seu irmão mais velho, que morava na capital, que Vanessa alugou um apartamento com outras três jovens que, como ela, eram do interior e precisavam encontrar um lugar simples, que não custasse tanto e perto da Cidade Universitária.
Não poderia ficar com o irmão, pois, apesar de ele residir na cidade de São Paulo, por ser uma cidade muito grande, era longe de onde ela estudaria, ficava em outra região.
Muita coisa nova, muita emoção, muita descarga de adrenalina na corrente sanguínea a cada novidade repentina na nova vida.
No pequeno apartamento de dois quartos, Vanessa e Leda dividiriam um, enquanto Cleia e Maria ficariam com o outro.
O imóvel era mobiliado e, embora conservados, os móveis sempre tinham alguma imperfeição, mas dava para serem usados perfeitamente.
O locador estava acostumado a alugá-lo para alunos universitários, pois tinha uma óptima localização para os estudantes.
Enquanto se instalavam, arrumando as coisas e fazendo regras a fim de terem uma boa convivência, as jovens se apresentavam e comentavam um pouco de sua vida e suas expectativas na cidade grande.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:58 am

Leda descobriu que morava em cidade próxima a de Vanessa ou, pelo menos, na mesma região: Pindamonhangaba.
Já, Cleia era da cidade de Bauru e Maria, de Araraquara.
Após o combinado em dividir as despesas, as tarefas e criação das primeiras regras, as jovens decidiram sair para passear, pois não conheciam a grande metrópole de São Paulo.
Andaram de metrô pela primeira vez, e por isso os outros usuários do transporte não entenderam o motivo de vê-las rir até gargalhar ao saírem do trem rapidamente, imaginando que se não descessem tão depressa as portas fechariam com elas lá dentro ou com a possibilidade de as prensarem.
Na Avenida Paulista, caminharam encantadas com os modernos e imponentes edifícios que reflectiam as luzes de iluminação pública.
- Eu só havia passado aqui de carro com meu irmão – disse Vanessa, olhando para cima.
- Eu também. Só de carro e uma vez... -– confessou Leda, também olhando para o alto.
- Gente! Tô com medo da gente se perder e não conseguir mais voltar para casa -– comentou Cleia receosa.
- Que nada! Pelo menos daqui eu sei voltar -– disse Maria confiante.
- Bem... Eu trouxe o endereço de onde moramos, um pequeno mapa e algumas dicas como as linhas de ônibus, metrô...
Meu irmão que fez -– anunciou Vanessa.
- Olha ali. Que tal irmos àquele barzinho!
Podemos tomar uns refris pra comemorarmos nossa nova vida e as aulas que começam amanhã -– propôs Leda.
- Vamos!
- Vamos sim!
Todas concordaram.
- Mas só refrigerante.
Se eu tomar qualquer coisa que tenha álcool minha avó me mata -– riu Vanessa.
Ela recomendou tanto.
- Isso mesmo. Nada de bebida alcoólica -– concordou Maria.
Enquanto Cleia fez um olhar de reprovação, mas não disse nada.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:58 am

Capítulo 2 - A vida universitária de Vanessa

No dia seguinte, bem cedo, ao deparar com a imensidão da Cidade Universitária, observando-a melhor, Vanessa estancou.
Ficou parada por alguns instantes, diante do prédio da Prefeitura da Cidade Universitária, percebendo como o lugar era gigante.
Parecia bem maior do que quando esteve ali dias antes.
O vaivém de alunos, professores e funcionários foi algo que a impressionou:
Sentiu-se perdida.
Não sabia para onde ir.
- O bloco da Farmácia fica daquele lado.
Vamos! -– intimou Leda com pressa, referindo-se ao prédio aonde iriam estudar, ao ver a colega paralisada.
- Nossa! Não pensei que fosse assim.
Acho que tudo está maior do que a primeira vez em que vim aqui! -– admirou-se a outra.
- Ainda bem que estamos juntas.
Quero dizer, no mesmo curso.
Tá me dando um frio na barriga -– riu Leda ao fazer o comentário.
Apesar de tanta gente, tô me sentindo sozinha.
- Minha avó me falou sobre isso.
- Sobre o quê?
- Sobre as pessoas da cidade grande serem muito frias e não se preocuparem umas com as outras.
- É... Acho que a gente vai ter de se acostumar com isso.
Breve instante e chamou novamente.
- Vamos logo. Tamo em cima da hora.
Caminharam pelo campus universitário até alcançarem o outro lado e, após driblarem vários alunos, chegaram à sala de aula.
Muita conversa, muita movimentação.
Vários alunos se apresentando um ao outro.
Os rapazes, carecas ou com cabelos cortados bem rentes, devido ao trote já aplicado.
As moças, alegres e simpáticas, procuravam se enturmar o quanto antes.
Com olhos grandes passaram por toda a sala de aula, Vanessa e Leda sentaram.
Leda virou-se para trás e riu ao comentar baixinho:
- Meu coração vai sair pela boca.
A outra somente devolveu o riso, achando engraçada a ansiedade da amiga.
Pensou que só ela estivesse daquele jeito.
Com os dias, todos se conheciam um pouco melhor.
Vanessa ficava bem atenta à aulas e era muito dedicada aos estudos.
Nunca acumulava as tarefas.
Às vezes achava-se um pouco retraída, caipira, como ela dizia.
Não era capaz de ser tão atirada como as outras garotas.
Não sabia se vestir como as colegas nem falar da mesma forma.
O jeito das amigas chamava a atenção dos rapazes, o dela não. Era como pensava.
Em todo caso, entendia que não estava ali para isso e sim para estudar.
O que não percebia é que também atraía olhares.
Não demorou muito e um rapaz de nome Diogo pediu para fazer parte de seu grupo de trabalhos.
- Olha... Estou sobrando.
Vocês não querem me adoptar? -– sorriu lindamente, lançando um olhar intenso.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:58 am

- Bem... Nosso grupo sou eu e a Leda. Mais ninguém e...
Nesse momento, a amiga fez Vanessa perder as palavras, quando, discretamente, beliscou-a, depois interrompeu, completando:
- ...e, por ser um grupo tão pequeno, estamos procurando mais gente, lógico!
Vanessa a olhou de modo surpreso, em seguida se virou para o rapaz e sorriu sem graça.
- Então... Está certo. Estamos juntos e...
Posso trazer mais um amigo? – pediu ele com jeito simpático.
- Sim, claro – tornou Leda. – Quanto mais gente, melhor para dividirmos as tarefas, não é mesmo?
- Lógico. Vou falar com o Fabiano e já volto.
Ao vê-lo virar as costas, Vanessa se voltou para a amiga e reclamou:
- Não combinamos de ficar só nós duas porque percebemos que muitos aqui só querem encostar e estudar, que é bom, nada?
- Não tem como não adoptar um gato desses! Se ele bobear vou levá-lo pra minha casa – riu gostoso após sussurrar.
- Ora, Leda!...
- Falando sério, pelo que tenho visto no Diogo, ele é estudioso.
Até pensei que fosse se bandear pra turma daquelas ali -– apontou ao erguer as sobrancelhas, com um inclinar rápido da cabeça, para um grupo de moças que estavam sentadas sobre a mesa do outro lado da sala.
Se ele procurou a gente é porque não tá a fim de fazer hora, certo?
Além do que, é bom nós duas nos enturmamos mais.
Não sei até quando os trabalhos poderão ser feitos só por duas no grupo.
- Verdade. Assim também não fica tão pesado.
Podemos dividir as tarefas.
- Mas que ele é lindo!..
Ah! Isso ele é!
Vanessa olhou-o ao longe novamente, admitindo:
- Lindo mesmo!
A partir de então, por conta de trabalhos, estudos e outras actividades, Vanessa e Diogo começara a ficar bem próximos.
Fosse as aulas nos laboratórios ou mesmo nos intervalos para o almoço ou lanche, Diogo sentia-se atraído e sempre procurava pela jovem alta e esguia, de cabelos castanhos cujos reflexos naturais dourados brilhavam à luz do sol.
Ela era uma jovem simples.
Vestia-se com modéstia sempre usando calças jeans nada apertadas, como a moda exigia.
Na maioria das vezes, uma camiseta básica bastava e, em dias mais frios, uma blusa de lã simples.
Sempre o mesmo ténis, assim como o mesmo corte de cabelo, que, para dizer a verdade, caía-lhe muito bem.
Naquele dia, ao mesmo tempo em que lia um panfleto sobre uma palestra a ser realizada no Centro Académico de Farmácia e Bioquímica, abraçada a alguns livro, Vanessa caminha distraída e comia um pedaço de chocolate.
Diogo, furtivamente, andou atrás dela pela larga calçada do Bloco 13 e, num segundo, puxou-lhe a bolsa do braço, gritando:
- Peguei!!!
Um grito horrorizado0 e ela deixou tudo o que segurava cair ao chão, para segurar firme a bolsa que estava sendo puxada.
Ao ver quem era e que, de verdade, não corria nenhum risco, ficou brava e mais indignada ainda pela gargalhada do rapaz.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:58 am

Não economizou forças nos tapas que deu em Diogo que, por ser alto e forte, virou de costas, como quem oferece os ombros largos para apanhar, fazendo enrijecer o braço musculosa para que ela batesse.
- Ai! Não seja cruel comigo!- – exclamou rindo gostoso.
- Idiota! – reclamou irritada, falando de boca cheia.
Seu imbecil! Tomei um susto!
Quase me engasguei!
Vendo-a se deter e ficar à sua frente com a respiração alterada, ele parou e, com largo sorriso no belo rosto, pediu, sem sinal de arrependimento, erguendo as mãos num gesto de rendição:
- Desculpa. Só quis brincar.
- Essas brincadeiras não são engraçadas -– falou séria.
Algo raro de se ver.
Pensei que estivesse sendo assaltada, furtada...
Ouvi tantas histórias sobre esse tipo de coisa aqui dentro.
- É lamentável, mas isso pode acontecer, não só aqui dentro, mas também em outros lugares.
Ele se abaixou e a ajudou a pegar o material.
- Para onde você está indo? -– o rapaz quis saber.
- Fiquei de encontrar com a Cleia, a menina com quem divido o apartamento, lá na Praça do Relógio.
Depois de se erguer e entregar-lhe os livros, o rapaz a olhou e disse:
- Estou matando o tempo e vou para aqueles lados.
Ajeitando novamente o seu material, ela não se importou e começou a caminhar.
Não demorou muito e quis saber curiosa:
- Nunca perguntei de onde você é, Diogo.
- Sou daqui, da capital mesmo. E você?
- De São Bento do Sapucaí.
- Nunca ouvi falar.
Essa cidade fica em São Paulo?
- Sim. Fica próximo a Campos do Jordão, divisa com o sul de Minas.
- Sei. Já me localizei.
Não é muito distante, mas...
É necessário se mudar para dentro da universidade.
Não daria para ir e voltar todo dia. -– argumentou o rapaz, olhando-a com o canto dos olhos.
- Ir e voltar todos os dias, não.
De jeito nenhum. São Bento é uma cidade pequena, todo mundo conhece todo mundo.
São Paulo é grande e muito diferente.
Não conheci nada aqui ainda.
Sempre me sinto perdida.
Se eu bobear, me perco até aqui dentro do campus -– riu gostoso, de modo melodioso.
- O campus da USP é um complexo situado em uma área de antiga fazenda, sabia?
- Ouvi dizer.
- Já foi ao Museu da Farmácia?
- Não.
- Ah... Deve conhecer.
O que acha de irmos lá?
- Pode ser.
- Pode ser não é resposta, Vanessa.
- Quero dizer que aceito o convite, mas não sei quando poderei ir.
Nem vou pra minha cidade no próximo fim de semana de tão sobrecarregada que estou.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:59 am

- Eu também estou com muita coisa para fazer e... -– comentou ele em tom de lamentação.
Fiquei preocupado com as horas de crédito.
Será que vai dar para cumprir?
- Tem que dar. Você ouviu que o Clóvis disse, né? -– perguntou referindo-se ao professor.
- Se não vai para o interior, você vai ficar aqui e...
Não vai ficar debruçada em livro no fim de semana, vai? -– o rapaz quis saber com outras intenções.
- Pretendo.
- É pena. Eu ia te convidar para um lanche ou uma balada... quem sabe.
Sempre aparece uma.
- Nunca fui à balada.
- O quê?!!! Tá brincando?!!!
Ela olhou-o com canto dos olhos e não respondeu.
Pensou que Diogo estivesse zombando por ela ser do interior.
E ele prosseguiu:
- Pois então quero ser o primeiro a te levar a uma.
- Não. Obrigada.
- Por quê? Você é crente? -– riu quase irónico.
- Não. Sou Espírita. -– respondeu com simplicidade, sem entender a ironia do rapaz.
- Sei -– disse, continuando a caminhar ao seu lado, enquanto pensava em um jeito de fazê-la aceitar o convite.
Poderia ir à balada só pra saber como é.
Se não gostar, eu a levo de volta para casa.
- Não. Obrigada.
- Pode levar suas amigas.
Sempre vou a lugares legais. Garanto.
- Obrigada, mas não estou interessada.
- Por quê? A mamãe não deixa? -– perguntou novamente em tom irónico, porém modesto, só para desafiá-la.
- Minha mãe já faleceu.
Eu era tão pequena que posso dizer que não me lembro dela.
Nem dela nem do meu pai.
As imagens dele parecem um vulto para mim.
As muitos fotos e algumas filmagens são tudo o que tenho deles para saber como eram.
O rapaz parou e, quando não o percebeu ao lado, Vanessa parou também e se virou.
Dando um passo à frente, Diogo tocou em seu braço, afagando-o e pediu sério, com um tom solene na voz:
- Desculpe-me. Não quis magoar você.
Desculpe mesmo. Eu não sabia.
- Posso entender.
Não tem problema.
- Então me perdoa? -– sorriu de modo meigo e simpático.
- Perdoo -– disse, devolvendo o sorriso que iluminou seu belo rosto.
- Então, pra mostrar que me perdoa, vai a uma festa comigo.
- Você está me pressionando.
- Sim, estou.
- Não quero ir à festa alguma.
- Por quê?
Se der uma explicação justa, posso entender.
- Serei bem sincera.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:59 am

É que recebia tantas, mas tantas recomendações da minha avó para tomar cuidado com festas, principalmente por causa de drogas, álcool e sexo que...
Estou traumatizada sem nunca ter ido a uma.
- Posso entender a preocupação da sua avó.
Mesmo assim eu diria que drogas, álcool e sexo você vai encontrar fácil, fácil em muitos lugares, não só na balada.
Tudo depende de você ceder ou não à tentação.
- Prefiro não ir. É mais garantido.
- Certo. Está bem -– disse ele, mas não estava satisfeito por dentro.
Continuaram caminhando quando Diogo perguntou:
- Bom... Pelo menos você pode aceitar comer uma pizza comigo no sábado à noite, não é?
Antes que ela respondesse, ele prometeu de um jeito engraçado:
- Eu juro! Eu juro que vou levá-la a um lugar grande, com ambiente familiar...
Sou um bom menino e vou me comportar bem.
A jovem parou, olhou-o longamente e reparou o quanto Diogo era bonito.
Já havia notado isso antes, mas agora, com o cabelo aloirado mais crescido e a barba bem feita, seu rosto era lindo.
Um rapaz bem alto, embora tivesse uma estrutura física forte, ele ainda tinha músculos, resultado de muitos exercícios na academia, provavelmente.
Seus olhos verdes e chamativos ficavam ainda mais realçados pelas sobrancelhas loiras.
Quando sorria, em seu rosto, só do lado direito, uma covinha graciosa chamava a atenção.
Os dentes alvos e perfeitos exibiam fino trato.
Vanessa, parada, remexeu-se, colocando o peso de uma perna na outra.
Olhou para os lados, depois o encarou, dizendo com a linda voz suave:
- Em uma pizzaria?
- Sim. Vamos comer pizza e tomar refrigerante!
Só! -– exclamou em tom de promessa.
E... se você quiser, lógico, somente se você quiser, podemos tomar um sorvete depois.
Eu adoro sorvetes -– falou de um jeito cativante para ela rir.
A jovem deu longa piscada, apertando os dois olhos, enquanto virou graciosamente o rosto sorridente e, num gesto rápido, ao encará-lo, argumentou:
- Você, hein!...
Está certo. Eu vou.
- Sábado, às nove horas passo onde você mora e...
Interrompendo-o reclamou de imediato:
- Às nove é muito tarde.
Às sete horas.
E não quero voltar depois das onze.
- Como assim? Menina!
Nós estamos em Sampa!
Esta cidade não dorme e não para nunca!
Aqui não existe muito tarde.
Vamos aproveitar e...
- Diogo, é a primeira vez que saio com alguém e...
Se quiser será do meu jeito. Se não...
- Tudo bem! Tudo bem!...
Às sete horas e antes das onze eu te levo de volta.
Colocando a mão direita aberta no peito, ficou erecto e disse, tentando parecer sério.
-– Eu juro! Palavra de escoteiro!
A jovem riu alto e se virou para continuar andando.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:59 am

- Vanessa! -– chamou. Ao vê-la virar.
Diogo aproximou dois passos e explicou.
-– Vou pro outro lado pegar meu carro.
Vejo você amanhã.
- Tudo bem. Até amanhã.
Ao trocar beijinhos, Diogo segurou levemente seu rosto delicado, beijando-o demoradamente.
Em seguida, bem próximo ainda, olhando-a nos olhos, falou baixinho, entonando a voz de modo romântico:
- Tchau... Te vejo amanhã.
Por um momento, ele ficou parado, com os lábios entreabertos a poucos centímetros dela.
Vanessa se afastou lentamente ao sentir o coração bater forte.
Quase nervosa, suspirou fundo, remexeu-se um pouco ao responder num sussurro:
- Até amanhã.
Apertando os livros junto ao peito, virou-se e se foi, sentindo o olhar dele nas suas costas, apesar de não ter se virado para conferir.
Diogo sorriu ao observar seu jeito tímido e simples.
Ficou contemplando-a por longo tempo, até vê-la sumir na calçada, cujo raio dava para a Praça do Relógio.
Definitivamente tratava-se de uma jovem bem diferente das que ele conhecia.
Sua simplicidade e seu jeito natural de ser chamavam a atenção.
Possuía graça e beleza cativante.
Sem exageros, ela podia rir alto e gostoso, melodicamente, onde quer que estivesse, contagiando aqueles à sua volta.
Nunca ninguém a notou preocupada com a moda ou criticando a maneira dos outros se vestirem, como ele via outras colegas fazerem.
Vanessa era daquelas pessoas raras que aceitava os desafios com animação, sem perder o humor e se empenhava para resolvê-los enquanto muitos, em seu lugar, só reclamariam.
Uma ponta de preocupação apertou o coração de Diogo ao começar a perceber que não tinha ideia do que poderia acontecer com seus sentimentos em relação a ela.
Mas essa preocupação sumiu tão rápido quanto surgiu, e ele se foi.
Enquanto isso, a jovem se sentia estranhamente nervosa.
Nunca, nenhum rapaz a deixou daquele jeito, com aquela ansiedade inquietante que a fazia estremecer por dentro.
Inevitavelmente, lembrou-se das recomendações de sua avó para não se deixar levar por rapazes conquistadores e aventureiros que, provavelmente, só a queriam para uma aventura.
Mas sua avó era uma pessoa que, apesar de acompanhar os tempos modernos, vivia à moda antiga.
Era um princípio de noite quente, bem agradável.
Tudo o que todos desejam para um sábado.
Vestindo um ténis de boa marca, uma calça de jeans lavado e camisa tipo pólo de cor azul-claro, exalando o aroma gostoso de uma colónia pós-barba, Diogo pareceu sem fôlego ao bater à porta do apartamento onde Vanessa e as amigas moravam.
- Oi! É você? -– disse Leda, que abriu a porta e o cumprimentou com um beijinho no rosto.
- É... Acho que cheguei um pouco cedo.
A Vanessa está?
- Entra. Ela está no quarto. Vou chamar.
Já na sala, o rapaz correu os olhos por todo o ambiente e cumprimentou a distância, Cleia e Maria, que estavam sentadas num canto sobre algumas almofadas.
As jovens se levantaram, abaixaram o volume do som, que tocava uma música de sucesso e foram para perto de Diogo, repetindo o gesto de Leda ao beijá-lo no rosto.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 10:59 am

- Então você é o Diogo? – perguntou Cleia.
- Parece que sim – brincou e sorriu ele sem jeito.
- Senta aí. A Vanessa já vem -– disse Maria de modo simples.
Aproximando-se do sofá, que contornou o rapaz se sentou sentindo-se apreensivo, quase nervoso.
Para disfarçar, procurou conversar um pouco.
- Então vocês dividem esse AP, né?
- Foi o jeito.
No começo ninguém se importou por não ter elevador, mas agora...
Descobrimos que essas escadas nos matam -– comentou Maria de modo simpático.
- Devemos pensar que exercícios fazem bem a saúde -– ele contrapôs.
Nesse instante, Vanessa chegou a sala usando o ténis de sempre, calça jeans comum e uma camiseta branca de malha, os cabelos compridos soltos.
As colegas a olharam de cima a baixo, enquanto o rapaz sorriu, fixando-se em seu olhar brilhante e alegre.
- Oi Diogo. Tudo bem? –- disse ao beijar-lhe a face, sentindo o coração forte e a respiração alterada.
- Tudo. E você?
- Estou bem.
- E então?... Vamos?
- Ah... -– murmurou Leda que, de imediato interrompeu:
Vanessa... Eu queria te pedir uma coisa e...
- O quê? -– quis saber a amiga com simplicidade.
- Pode ir comigo lá dentro um instantinho? -– pediu, seguindo a outra em direcção ao corredor.
A outra foi atrás depois de pedir ao rapaz que a esperasse por um minuto.
Cleia e Maria se entreolharam e a primeira segurou o riso e abaixou a cabeça, contorcendo o rosto.
Já no quarto...
- Você vai sair desse jeito?! -– perguntou Leda quase irritada.
- O que tem? -– respondeu a amiga encostando o queixo no próprio peito para se ver melhor.
- Parece que está arrumada para ir à feira ou... Sei lá!
Você não tem numa calça mais justa, uma blusa ou camiseta mais apertadinha, tipo... baby look?
Um sapato ou sapatilha...
Pode prender os cabelos nas laterais...
Isso deixa o rosto mais comprido e...
Um pouco de maquiagem e uma colónia cairá bem também.
- Você quer dizer que eu estou mal-vestida?
- Eu diria que está simples demais.
Puxa, Van!... O cara é bonitão.
Está bem-arrumado, cheiroso...
Acho que você tem que acompanhar o nível dele.
- Não vou forçar uma coisa que não sou...
- Não se trata disso, Van.
É questão de bom senso.
- Sinto muito. Minhas roupas são estas.
Não tenho camiseta ou blusas diferentes e não tenho sapatilhas.
Leda foi até a sapateira no canto, pegou sua sapatilha preta e ofereceu:
- Toma. Vê se serve.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Nov 15, 2016 11:00 am

Enquanto a amiga tirava o ténis para calçar as sapatilhas, ela foi até o armário, procurou por uma camisa regata bem bonita, com detalhes em rendas brancas na frente e deu para a outra, dizendo:
- Acho que vai ficar bem em você.
Quanto à calça...
Acho que nenhuma das minhas vai te servir.
Você é mais alta, mas...
Revirando os cabides, encontrou:
- Esta saia vai ficar óptima.
É longa e o tecido mole e pesado deixa o corpo óptimo.
Em mim ela arrasta no chão.
Eu ia até mandar fazer barra, mas para você ficará ideal.
A colega vestiu.
Foi para a frente do espelho e se viu mais bonita, de facto.
- Agora... Vem cá. Senta aí.
Assim que Vanessa se sentou na cama, Leda pegou sua bolsinha de maquiagem e maquiou-a levemente, realçando seus olhos, principalmente.
Depois, escovou-lhe os cabelos e prendeu um dos lados na lateral da cabeça, com delicada presilha.
-– Olha lá. Veja como ficou diferente.
Frente ao espelho, Vanessa se surpreendeu.
- De facto eu... -– deteve as palavras.
Mas... Você não acha que estou muito diferente?
Normalmente eu não sou assim.
- Você está diferente.
Está mais bonita e... pra completar, use um pouquinho desta colónia aqui.
Depois de passar um pouco do perfume atrás das orelhas da colega, Leda disse sorrindo:
- Agora está perfeito, amiga!
Vai lá! Você vai arrasar!
- Estou me sentindo diferente.
- Você está óptima!
Vai logo. Ele está te esperando.
Ah! Quando chegar lá na sala, diga com simplicidade:
“Agora estou pronta.
Desculpe a demora”. Entendeu?
Vanessa sorriu, sinalizou positivamente com a cabeça e a amiga ainda lembrou:
- Toma. Leva essa bolsinha pra dar um charme.
Ao ver a amiga com o acessório na mão, completou:
- Põe aí dentro este batom, este pente, este lápis...
Não esquece de levar um documento.
- Ei! Não vou viajar não.
Nem vou pra tão longe.
- Só que vai ter de continuar bonita.
Depois da pizza, dá uma passada no banheiro e retoca tudo, tá?
Vanessa concordou e ofereceu um sorriso angelical ao se ver com uma apresentação melhor.
Alçando a bolsa no ombro, respirou fundo e sorriu novamente ao se sentir pronta.
Chegando à sala, percebeu que Diogo a olhou de cima a baixo antes de encontrar e sorrir ao vê-la arrumada.
- Desculpe pela demora -– ela pediu.
Embora simples, Vanessa estava linda.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Nov 16, 2016 10:01 am

- Vamos então, né? –- ele propôs.
Virando-se para as outras, despediu-se de forma geral, com um aceno de mão.
-– Tchau! Até mais, meninas.
Todas responderam.
Após vê-los sair, Cleia virou-se e comentou:
- Você fez milagre com ela, Leda.
- Não fiz milagre não.
Só dei umas dicas nas roupas.
Ela é muito simples e não liga para essas coisas.
Mas não foi a roupa que deixou a Van bonita.
Ela é naturalmente daquele jeito, só não tem coisa boa para usar.
- Não sei o que um cara como esse viu nela. -– sorriu Cleia.
Se ela não mudar e não se tocar que o nível do Diogo é outro...
- Não tem nada a ver.
Talvez ele goste de alguém simples -– opinou Maria.
- Ser simples é uma coisa, ser sem graça é outra -– contrapôs Cleia.
Depois que a Leda deu um tapa no visual dela a beleza apareceu.
Ficou bem diferente do jeito brega de antes.
Mas... Até quando vai ser assim?
A Vanessa não se toca.
O carinha tava todo alinhado, usando roupa de grife, é bonitão...
Tem até carro! E ela...
- Devemos parar de criticar e ajudar a nossa amiga, não acha? -– disse Leda, em tom firme.
Eu vi a sua cara quando a Van entrou aqui na sala e acho que o Diogo também percebeu.
Isso não ficou bem. Você sabe.
- A Leda tem razão.
Devemos ser amigas de verdade e dar uns toques para as outras -– concordou Maria.
Cleia nada disse e foi para perto do som, aumentar um pouco mais o volume.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Nov 16, 2016 10:01 am

Capítulo 3 - O romance com Diogo

Enquanto dirigia, Diogo sustentava o esboço de um sorriso agradável.
Parecia satisfeito por ter Vanessa ao seu lado.
Ela, por sua vez, estava um tanto retraída, embora transmitisse a impressão de serenidade.
Chegaram a um charmoso restaurante, cuja decoração em madeira envernizada combinava perfeitamente com as luzes fracas vindas das arandelas suspensas nas laterais das paredes.
As toalhas, vermelho-vinho, sobrepostas nas brancas, davam um toque todo especial com o arranjo de flores naturais, brancas, que ficavam no centro.
O lugar era aconchegante e romântico, com suave música muito agradável.
O garçom cumprimentou Diogo como se o conhecesse e indicou a melhor mesa, em um canto discreto por causa da divisória clássica de um lado, ao mesmo tempo em que do outro podia-se contemplar a larga vidraça com floreiras altas, com plantas elegantes e floridas pela estação do ano.
Bem cavalheiro, sabendo como se portar, o rapaz acomodou Vanessa em uma cadeira, ajeitando-a antes de ir para o outro lado e se sentar à sua frente.
O garçom, atencioso, postando-se quase ao lado do rapaz, aguardava os pedidos das bebidas.
Diogo sobrepondo sua mão à mão alva da jovem, perguntou:
- O que você quer beber?
- Um guaraná. Gelado, por favor.
- Com rodelas de laranja e gelo? – indagou o garçom que fazia anotação.
- Sim. Obrigada -– confirmou ela.
- Pra mim... O de sempre, Osvaldo.
Obrigado -– pediu Diogo e agradeceu.
Ao vê-lo se afastar, a moça perguntou:
- Costuma vir sempre aqui?
- Digamos que sim -– sorriu de modo agradável.
Um instante e disse:
- Não sei muito sobre você.
O que pode me dizer a seu respeito? -– inquiriu como se brincasse.
- Tenho dezanove anos.
Nasci e morei, até os três anos de idade, em São José dos Campos.
Tenho dois irmãos:
o Luís, de vinte e sete anos e o Vítor, de vinte e cinco.
O Luís mora aqui em São Paulo.
O Vítor já é casado.
Trabalha e mora em São José dos Campos.
- O Luís o mais velho, não é casado?
- Não.
- Então por que não mora com ele?
- Meu irmão mora na zona leste da capital.
Se eu morasse com ele, seria difícil ir e voltar todos os dias da universidade.
- Sei. trânsito, condução...
É longe mesmo. Em dias de chuva, a cidade pára.
- Verdade. Estou descobrindo isso -– disse a jovem em tom simpático.
Diogo penetrou em seus olhos e se encantou novamente com jeito gracioso.
Percebeu que Vanessa tinha uma expressão suave, doce, inocente.
Um momento e ele respirou fundo, depois perguntou:
- Você foi criada por seus avós?
- Sim. Meus avós, pais de minha mãe.
Foram eles quem nos criaram.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Nov 16, 2016 10:02 am

Eles tinham uma fazenda linda, com vista privilegiada.
Um lugar divinamente maravilhoso, onde queriam descansar pelo resto da vida.
Meu avô adora aquele lugar.
Mas, depois que meus pais morreram, precisaram transformar aquilo em pousada para melhorar a renda, pois três crianças pequenas dão muitas despesas.
Então, em vez de lugar de descanso, a fazenda virou lugar de trabalho.
Foi graças a isso que eu e meus irmãos estudamos.
Breve pausa e contou:
- Bem, a história é assim:
depois de casados os meus pais foram morar em São José dos Campos.
Minha mãe abriu um bazar de materiais escolares, perto de uma escola pública e o negócio ia bem.
Meu pai era mecânico de automóveis.
Vivíamos bem.
Apesar de simples, tínhamos casa própria, mas...
Eles não contribuíam para a Previdência Social ou qualquer tipo de aposentadoria ou seguro de vida.
Por isso, depois que se foram, eu e meus irmãos não tivemos qualquer pensão.
Meus avós venderam as coisas da oficina e do bazar e entregaram os pontos.
Ficamos com a casa, mas ela gerava imposto predial todos os anos, o que se tornou mais uma despesa para os meus avós.
Diante do intervalo que ela fez, o rapaz perguntou:
- Como eles morreram?
Foi acidente?
- Sim, foi. Eram férias escolares.
Meus irmãos decidiram passar uns dias lá com meus avós.
O Luís estava com onze, o Vítor com nove anos. minha avó conta que eu era bem pequena, tinha três anos e por isso minha mãe não me deixou ficar lá com eles.
Meus irmãos adoravam brincar, correr, nadar nos lagos...
E tinham outros garotos para fazer companhia para brincar.
Eles gostavam muito de lá.
Breve pausa e prosseguiu:
- Depois de dez dias sem os filhos, meus pais foram para São Bento do Sapucaí buscar meus irmãos.
Era fim de semana.
No caminho, sofreram um acidente na Rodovia Presidente Dutra.
Um caminhão fez uma manobra perigosa e tirou o carro do meu pai da estrada.
Uma sombra de tristeza anuviou o semblante de Vanessa que silenciou.
Surpreso e admirado, Diogo perguntou:
- Você estava junto com eles?
- Eu estava, sim.
Estava sentada em uma cadeirinha de bebé no banco de trás.
O carro do meu pai capotou várias vezes e eles morreram na hora.
Ninguém sabe explicar como eu sobrevivi e sem qualquer arranhão.
Vanessa parou de falar e deixou seu olhar perdido em um canto.
Em seguida, piscou com ambos os olhos mais demoradamente, ergueu o rosto, encarou-o e sorriu.
- Você se lembra do acidente?
- Não. Não me lembro de absolutamente nada.
O garçom chegou e os serviu.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Nov 16, 2016 10:02 am

O silêncio imperou por longos minutos.
Até que o rapaz quis saber.
- Não sente falta dos seus pais?
- É difícil explicar isso.
Muitos já me fizeram essa pergunta.
Eu não tenho uma recordação viva deles.
Sei como eram por causa das fotos e algumas filmagens.
Um momento e explicou melhor.
-– Embora meus avós sempre foram atenciosos, carinhosos, eu sinto falta de ter pais.
Quando era pequena, via as outras crianças com suas mães, de mãos dadas com os pais...
Apresentando suas mães onde quer que estivessem, e eu nunca tive essa chance.
Comigo era tudo diferente.
Nunca tinha mãe ou pai para apresentar.
Era triste, mas... suportei bem -– sorriu levemente, com simplicidade.
- Você chama ou chamou sua avó de mãe?
- Não. Nunca.
Sempre soube que ela era minha avó.
Talvez por causa dos meus irmãos que são mais velhos e só a chamavam de vovó.
Ela também nunca me incentivou a isso.
- Acho que ela fez o certo.
- Também acho -– ela concordou com suavidade na voz e nas expressões.
Diogo chamou o garçom novamente.
Fizeram o pedido e, ao ver o homem se afastar, ele perguntou:
- Você se dá bem com seus irmãos?
- Sim. Nós nos damos muito bem.
Apesar de que, depois que se mudaram e saíram de São Bento, a distância nos têm afastado um pouco.
No momento seguinte, sorriu largamente e quis saber.
-– E você? Não sei muito sobre você.
Remexendo-se lentamente na cadeira, Diogo se ajeitou um pouco e contou:
- Tenho vinte e cinco anos.
Moro com meus pais.
Tenho uma irmã mais velha, a Cláudia.
Ela é noiva e está deixando todo mundo maluco por causa do casamento que se aproxima -– riu ao contar de um jeito engraçado.
Em seguida, seu sorriso se fechou.
Ficou sério e pensativo por um instante, depois continuou.
Tenho mais um irmão, o Felipe. Ele foi para a Europa.
Está morando na Inglaterra e... e... -– titubeou como se um incómodo o fizesse perder as palavras e não soubesse o que contar.
Disfarçou bem e prosseguiu:
- E tem a Priscila, minha irmã mais nova.
Ela também está fazendo faculdade.
Aliás, não sei se você sabe, essa é minha segunda faculdade.
- Sério?! -– admirou-se.
Mas não o deixou responder e perguntou:
- O que fez antes?
- Eu e meu irmão fizemos Administração de Empresa no Mackenzie -– referiu-se a uma das universidades particulares mais conceituadas nessa graduação.
Meu pai tem sociedade com meus tios em concessionárias de veículos e achei que fazendo ADM eu iria me dar bem.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Nov 16, 2016 10:02 am

Então, junto com meu irmão, mesmo antes do término do curso, começamos a trabalhar com nosso pai.
- Nenhum dos dois está com ele hoje?
- Não. Hoje não dá mais.
O curso de Farmácia é período integral e o Felipe...
- ...foi para a Inglaterra – completou ela.
- Isso mesmo -– confirmou, abaixando o olhar.
- Nossa, Diogo, você decidiu por um novo curso bem diferente do primeiro, não acha?
- É verdade.
- Por quê?
O que ou quem o influenciou a fazer Farmácia?
Diogo sentiu-se confuso.
Não sabia como responder.
Foi salvo pelo garçom que chegou para servi-los.
Em seguida, o assunto foi esquecido e começaram a conversar sobre algumas coisas da universidade.
Junto a isso, apreciaram a comida.
Riram, distraíram-se bastante e tiveram uma noite bem agradável.
Conforme as exigências de Vanessa, Diogo a deixou em casa onze horas da noite.
Encantada com o rapaz, ao chegar, ela contou tudo para a melhor amiga.
Entusiasmada, Leda ouvia com atenção, empolgando-se também.
- Pensei que fossemos a uma pizzaria, mas não.
Ele me levou a um restaurante tão bonito, fino...
Assim que saímos daqui, ele mudou de ideia no meio do caminho.
Perguntou se eu não me importava e,...
Ai! Foi uma noite tão... Tão!... -– não completou, olhando para cima e estampando um sorriso no rosto, parecendo sonhar ainda.
- E aí? Conta! – interessou-se Leda.
- Aí... Quando ele me deixou aqui na porta, rolou um beijo!
Aquele beijo!... -– suspirou ao contar.
- Um beijo?!
- Só um, não... -– riu, jogando-se para trás sobre a cama onde estava sentada.
- E aí?! -– tornou a amiga curiosa.
- Aí... Foi isso.
A gente se beijou.
Ele não queria ir embora.
Eu não queria que ele fosse... -– falou de modo gracioso.
Ele é tão... carinhoso... cavalheiro...
- Já vi que está apaixonada – opinou Leda sorrindo.
- Será?! Será que isso é uma paixão? -– perguntou Vanessa ao mesmo tempo em que respirou profundamente.
- Se isso não for paixão, não sei o que é.
- Ah!... Amanhã, no fim da tarde, ele disse que vai passar aqui para gente dar uma volta, passear um pouco.
Ele quer me levar para conhecer outros lugares da cidade.
- Uauh! Ele também está apaixonado!
- Será, Leda?
Será que ele gosta de mim?
- Parece que sim.
Alguns minutos, em que observou a amiga, Leda falou:
- Van... Não me leve a mal, mas...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Nov 16, 2016 10:02 am

- O quê? -– interessou-se se sentando novamente e ficando frente a outra.
- Sou sua amiga, por isso me sinto no dever de te falar.
- Então fala logo.
Não gosto de suspense. O que é?
- Dá para perceber que Diogo é de família que tem grana.
- Como assim?
- É de família rica.
O cara é burguesinho.
Tem carro, anda bem vestido, frequenta lugares chiques.
- E o que tem isso? -– perguntou Vanessa, mesmo entendendo o que a outra queria dizer.
- Acho que você deveria andar mais na moda, mais bem vestida. Entende? -– perguntou com jeitinho.
Vanessa pareceu se entristecer.
Baixou o olhar e fechou o sorriso estampado no rosto alvo, com leve sombra de preocupação.
Logo continuou:
- Se eu tivesse dinheiro para comprar umas roupas legais, maquilhagem, sapatos, compraria, mas... não tenho grana, Leda.
O que meus avós me dão, não dá para isso.
Não posso pedir mais nada. Coitadinhos!
Sei que a situação não está nada fácil pra eles.
Preciso me virar com as roupas que tenho.
- É que você... Bem...
Você é bonita. Tem um corpo óptimo.
Um cabelo invejável, uma pele...
Mas o jeito como se veste, não é tão legal.
Parece que essas roupas nem são suas.
O tamanho...
- E não são mesmo -– revelou interrompendo-a.
- Como assim?
- Quero dizer...
As roupas são minhas porque minha avó comprou.
Só que ela comprou em um bazar beneficente.
São mais baratas por serem usadas.
Por isso não têm as minhas medidas e...
Sabe, onde moramos não temos que nos preocupar com isso.
No campo, lá na fazenda, trabalhamos com serviço pesado.
Mexemos com carros atolados, tractor, gado, galinha, porcos, tudo quanto é tipo de criação.
Ainda tem a plantação, a jardinagem...
Fogão a lenha, a lareira...
As roupas geralmente, estragam muito, desfiam nos arames farpados, sujam de barro.
Fora isso, tem o serviço na pousada.
Carregamos lenha, varremos, limpamos, lavamos, passamos...
Não paramos nunca.
Quando estamos trabalhando nos chalés, usamos um avental e...
Não precisamos nem podemos usar roupas bonitas e caras.
Sem contar que minha avó não entende muito de moda.
Não tem ideia do que é usado aqui na capital.
Quando sobra algum dinheiro, ele é usado para investir na fazenda, para termos um retorno melhor.
Não gastamos com roupas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Nov 16, 2016 10:02 am

A amiga se surpreendeu.
Era difícil encontrar alguém tão jovem, na flor da idade que aceitasse tamanha simplicidade.
Leda não criticou, sabia entender e disse:
- Tudo bem que as roupas são de bazar e já foram usadas, só acho que era você quem deveria ir lá escolher e experimentar. Não acha?
- É que... Quando eu vejo, minha avó já trouxe para mim e...
Não quero parecer rude ou ingrata.
Vai ser essa a impressão que vou dar se reclamar.
Ela faz tudo com boa vontade.
Minha avó sempre foi tão boa pra mim!
- Entendo.
Num impulso, Vanessa falou:
- Olha! Se o Diogo gostar de mim, terá de me aceitar do jeito que sou.
Não posso mudar de uma hora para outra sem ter condições.
Não é mesmo?
- Tudo bem.
Um minuto e Vanessa quis saber:
- Mudando o assunto... Onde estão aquelas duas?
- A Maria está morrendo de dor de cabeça, tomou um comprimido e foi deitar cedo.
A Cleia saiu com a turma dela -– respondeu Leda, parecendo insatisfeita com a última.
- Você não acha que a Cleia está um pouco estranha?
- Acho. E não gosto disso.
Ela está fumando, bebendo, chegando tarde...
Tá com um comportamento tão diferente.
Fala alto. Usa muita gíria, muito palavrão...
Não tenho nada com isso, mas... O jeito dela me incomoda.
Tomara que não se meta em encrenca nem dê trabalho para a gente.
- Bom... Vamos deixar como está por enquanto.
Se piorar, conversamos com ela.
Certo? -– sem esperar a outra responder, Vanessa concluiu:
- Agora vou tomar um banho e dormir.
Tenho de levantar cedo para preparar aquela apresentação de Bioquímica pra segunda-feira...
- ...porque, de tarde, vou passear com o Diogo – interrompeu Leda, completando de um jeito engraçado, arremedando-a.
Vanessa jogou-lhe um travesseiro e riu gostoso, levantando-se em seguida.
A mudança brusca do clima obrigou Diogo a retornar para sua casa após ter pego Vanessa.
Apenas alguns minutos com a jovem em seu carro e decidiu:
- Vou ter de dar uma passadinha em casa para pegar uma jaqueta.
- É... O tempo virou mesmo.
Ontem aquele calor infernal e hoje... -– disse ela.
- Acho que a temperatura caiu uns dez graus desde que saí de casa e fui te pegar.
- Acho que sim.
Não demorou muito e o rapaz estacionou o carro em frente a uma linda residência:
Os muros altos com colunas salientes, bem pintados de branco, eram embelezados por estreito jardim com arbustos graciosos formando cerca viva onde luzes reflectoras, colocadas no chão, ofereciam uma beleza e um toque todo especial.
Os portões deixavam a grande casa alva como cenário de fundo, depois do largo jardim interno.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Nov 16, 2016 10:04 am

Reflectores também iluminavam a residência e Diogo observou:
- Acho que vai cair uma tempestade.
Escureceu tanto que as luzes já se acenderam.
Ela nada disse.
Parecia surpresa com tanto luxo.
E ele prosseguiu:
- Vou lá dentro e volto em um minuto.
Você se importa em esperar aqui?
- Não. Pode ir.
Vou ficar bem.
O rapaz sorriu, desceu do carro e entrou.
Vanessa aproveitou aqueles minutos para olhar melhor a imponente residência.
Não imaginava que ele pudesse morar em um lugar como aquele.
Leda, sua amiga tinha razão.
Ela precisava se arrumar melhor, ser mais elegante.
Afinal, não gostaria que o rapaz se sentisse constrangido para levá-la a algum lugar ou apresentá-la a alguém.
Esses pensamentos passaram a preocupá-la.
Não era certo ficar usando roupas de sua amiga.
Aquela era a segunda vez que isso acontecia.
Mas como arrumar dinheiro?
Não gostava da ideia de pedir mais aos seus avós e não se sentia à vontade para comentar isso com seus irmãos que, aliás, pareciam meio distantes dela.
Nesse momento, sentiu-se diminuída, envergonhada e sem saber o que fazer.
Não demorou muito e Diogo retornou sorridente, vestindo uma bela jaqueta de grife.
Ao entrar no carro, ele deu-lhe um beijinho rápido e perguntou:
- Demorei?
- Não. De jeito nenhum -– sorriu ao responder.
- Então, vamos.
- Onde?
- Surpresa! -– riu gostoso ao levantar as sobrancelhas para exclamar.
Com os dias corridos, o romance entre Vanessa e Diogo não era mais segredo na universidade.
Os dois viviam juntos.
Fosse estudando, nos intervalos para almoço ou lanche, passeando...
Até nas baladas ele começou a levá-la.
Vanessa só não esperava pela reclamação da amiga:
- Ai, Van... Tudo bem de você pegar uma roupa minha uma vez outra, mas...
- Eu sei. já estou abusando muito, não é?
Leda, sincera e insatisfeita, respondeu antes de sair:
- Pensa em alguma coisa. Sei lá...
Pede uma grana para o seu irmão.
Dizendo isso, a amiga saiu, fechando a porta atrás de si.
- Tá precisando de grana? -– perguntou Cleia que chegava à sala.
- Tô -– respondeu Vanessa com ar de desânimo.
- Para mim, grana não é problema.
- Seus pais devem estar bem de vida.
Não é meu caso.
- Que nada. Se eu for depender das migalhas que vêm deles...
Eu tava perdida!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Nov 16, 2016 10:04 am

- Então... Como você se veste tão bem?
Cleia a olhou de cima a baixo, observando-a bem.
Sorriu de um jeito malicioso, com o canto da boca, antes de dizer:
- Você é bem bonitinha, Vanessa.
Se tiver a fim de ganhar uma grana...
Posso indicar um trabalho.
- Trabalho?! -– falou de modo ingénuo ao perguntar.
Que trabalho?
Não sei fazer muita coisa e estudo o dia todo, esqueceu?
- Uma ou duas horinhas por dia...
No dia em que você quiser...
Isso dá uma graminha legal, sabia?
E você, praticamente, não precisa fazer nada.
- Que trabalho é esse? -– quis saber, agora desconfiada.
- Garota de programa.
Se tiver a fim, posso te indicar.
- Cleia!... Você está brincando, não está?!
- Acha que estou brincando? Mesmo? -– riu e sentou-se no sofá ao lado, pegando o controle remoto da TV.
Vanessa sentiu-se atordoada.
Incrédula, perguntou franzindo o rosto, parecendo repugnar a ideia:
- Você está fazendo isso?
- Quando preciso de dinheiro, faço sim!
Graças a esse trabalho, tenho roupas, ando na moda...
Sempre tenho grana.
Se quiser, posso te apresentar.
- Como?! Como assim?! -– tornou assustada, experimentando um sentimento ruim.
- Trabalho em uma casa de programas.
Os clientes chegam, ficam numa sala.
Nós passamos por essa sala e nos apresentamos.
O cara chega e diz o que quer.
Se topamos, vamos pra um quarto e ficamos lá por uma hora.
Às vezes, alguns caras querem mais, entende?
Então você cobra mais.
Outros, podem querer a gente como companhia, chamam para almoçar, sair viajar...
Claro você precisa ser esperta e pedir pagamento antecipado além de tomar cuidado para não dar mole pra algum psicopata.
Vanessa se levantou, juntou as mãos como se estivesse em prece e levou-as unidas junto à boca.
Seus olhos arregalados exibiam o tamanho de seu assombro.
- Cleia... Pelo amor de Deus!
Você está se prostituindo!
Correndo o risco de se contaminar com doenças incuráveis e...
Não só isso.
Existe todo um lado espiritual extremamente inferior que não conseguimos enxergar, mas que vai se manifestar negativamente em sua vida em algum momento.
- Não vou fazer isso pelo resto da vida.
O que você pensa?
Vou ficar nessa só enquanto estiver precisando de dinheiro.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Nov 16, 2016 10:04 am

- E sua consciência?
Duvido que consiga dormir calmamente, em paz, depois de... Cleia!
Sentando-se junto à colega, tocou-lhe o braço para lhe chamar a atenção e fazê-la olhar.
As dificuldades que enfrentamos com dignidade, com respeito a nós mesmos, nos fazem evoluir, nos fazem fortes.
Não pense que o dinheiro ganho através desse jeito é honesto, porque não é!
Você está traindo a si mesma porque está desrespeitando a sua natureza, a sua consciência.
- Pára, Vanessa! Não me venha com sermões, tá?!
Estou convencida.
Não vou fazer isso pelo resto da vida e...
Ai! Qual é?! -– levantou-se abruptamente.
É o seguinte, se precisar de grana, posso te levar lá.
Até ganho um se te aceitarem -– riu.
– Mas se não quiser, fica de bico fechado.
Se uma delas souber, eu te estouro. Entendeu?!
Virando-se, Cleia a deixou só e foi para o quarto.
Ainda sob o efeito do choque, Vanessa ficou ali sentada, pensando em tudo aquilo que ouviu.
Ela sabia que a colega atraía, inevitavelmente, severo sofrimento, impiedoso e cruel, além de intensa culpa à consciência perturbada.
Também sabia que espíritos trevosos de práticas hediondas, agora, permaneciam como companheiros de erros e amarguras, levando Cleia a tenebroso oceano de infelicidade.
Enquanto Cleia tentava convencer Vanessa sobre aquele tipo de meio para conseguir dinheiro, espíritos desequilibrados, que a acompanhavam, aproximaram-se da colega para inspirá-la, convencê-la à prostituição.
Insuflavam pensamentos de que aquela vida desregrada não lhe causaria qualquer problema e que tudo aquilo poderia ser visto como diversão, brincadeira, experiência e histórias para contar.
Mas não era bem assim.
Vanessa estava preparada. Desde cedo recebeu orientação e base fundamentada em bons princípios morais e cristãos que naquele momento, direccionavam-na, não a deixavam inclinar-se, sequer, a qualquer ideia de desequilíbrio.
A queda nas práticas levianas não encontra apoio ou piso de sustentação em mente sustentável.
Aqueles que não estão preparados e que não se desviam delas, esses sim, encontram, mais cedo ou mais tarde, os mais terríveis transtornos e o mais profundo desespero psicológico, espiritual, difícil de ser trabalhado novamente no bem, mas possível.
Com a alma totalmente entregue à inevitável obsessão espiritual, principalmente, e ao sentimento imperdoável de culpa, a criatura que adultera ou faz do sexo um meio de comércio, uma prática promíscua, irresponsável, procura fuga da realidade em que vive, não admitindo as próprias falhas.
Distancia-se do equilíbrio, da harmonia e de Deus.
O mal-estar que é gerado na criatura com práticas levianas advém da própria intuição.
O inconsciente informa, de modo não claro, por meio do mal-estar, por exemplo, que tais acções não são corretas, uma vez que o perispírito, corpo fluídico do espírito, molda-se e se assimila aos pensamentos da alma ou do espírito.
A plasticidade perispiritual permite a moldagem ou a construção de acordo com as ideias, as práticas, os pensamentos e desejos particulares de cada um.
Por essa razão, na espiritualidade, encontramos criaturas deformadas, alteradas, criaturas que se apresentam de acordo com seus actos perniciosos e seus desejos mais secretos.
E é a custa de duras penas que pessoas com essas práticas vão aprender.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: MINHA IMAGEM - SCHELLIDA / ELIANA MACHADO COELHO

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 15 1, 2, 3 ... 8 ... 15  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum