Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Página 1 de 7 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:41 pm

O FARAÓ MERNEPHTAH
Wera Krijanowskaia

CONDE J. W. ROCHESTER

VOLUMES I E II

PRÓLOGO DO ESPÍRITO AUTOR


Desejaria ardentemente obter uma narrativa completa do espírito de Thermutis, a filha do Faraó tão intimamente ligada à sorte do grande legislador hebreu e que a lenda chama de sua mãe adoptiva.
Mas a evocação é dolorosa ao seu espírito e muitos fatos lhe parecem sagrados para serem divulgados e talvez mesmo não fossem cridos:
finalmente, tudo o que se refere à personalidade de Moisés é-lhe sumamente caro, sendo que a ideia que dele faz Mernephtah — que não pode guardar boa recordação do libertador de Israel — muito a entristece, embora esse julgamento seja imparcial.
Os espíritas sabem que a individualidade, livre do corpo material, conserva seus pendores, opiniões, princípios e, principalmente, a vontade; e assim sendo, compreenderão que devo, pois, submeter-me às restrições desejadas por Thermutis, a qual somente em consideração ao meu pedido e dos meus guias, e para não prejudicar a obra que tenho empreendido, consentiu em ditar-me alguns episódios da sua vida, reportando-se, principalmente, ao homem que tão caro custou ao Egipto — episódios que ajudarão a esclarecer esse longínquo passado envolto no impenetrável véu dos séculos decorridos.

ROCHESTER
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:43 pm

NARRATIVA DO ESPÍRITO DE THERMUTIS

Sob impressão dolorosa, acedo ao desejo de Rochester e dos seus Guias em narrar alguns episódios dessa longínqua existência terrena, de forma a provar, uma vez mais, que o coração humano não muda e que uma elevada posição social não vos preserva, jamais, de sofrimentos morais comuns à humanidade.
Evocando dores e fraquezas que fazem esquecer a mulher oriunda de casta e preconceitos reais, confesso que minha repugnância provém, em parte, do temor desse preconceito, soberano senhor da sociedade, de que nos fazemos escravos.
Por isso, devo recordar aos espíritas que não existe entre os espíritos nem egípcios nem hebreus, e que somente virtudes ou vícios formam eleitos ou réprobos.
Na época em que se inicia esta narrativa e onde se desenrolou o episódio que decidiu meu futuro, a Corte egípcia possuía sua sede em Tanis, particularmente apreciada pelo meu irmão, o Faraó Ramsés II.
Eu era então moça e bela, alegre, despreocupada, indulgente, mas de carácter fraco.
Amada e bajulada, habituada a ver meu séquito submisso a todos os meus caprichos, vivia feliz, orgulhosa da minha beleza e condição real, persuadida de que me aguardava um róseo porvir.
Conservava livre o coração, porquanto não me agradava nenhum daqueles homens que me cortejavam com as suas homenagens.
Entre os que me admiravam obstinadamente, havia um jovem egípcio de família ilustre, chamado Chenefrés.
Belo moço de vinte e seis a vinte e sete anos, possuidor de imensa fortuna e simpático a Ramsés, junto ao qual desempenhava elevado cargo; sem embargo, não sei porque, me inspirava desagradável impressão.
Certa feita, numa festa, senti-me fatigada e, desejando estar só, retirei-me para o jardim, acompanhada de longe, unicamente, por uma das minhas damas, dirigindo-me rapidamente para um canteiro de acácias, próximo à ribeira, que era meu recanto favorito.
Ao aproximar-me percebi, com espanto, Chenefrés deitado num banco de pedra e aparentando profunda tristeza.
Vendo-me, saltou nos calcanhares e quis fugir.
Sua expressão desolada, entretanto, sensibilizou-me, e, dominando a íntima aversão que sentia, perguntei-lhe a causa daquela tristeza e se poderia ajudá-lo a descobrir o verme que parecia roer-lhe o coração.
Perturbado, lançou-se a meus pés, beijou-me a fímbria do vestido e confessou seu amor, suplicando lhe dissesse se poderia confiar na realização dos nossos esponsais.
Já disse que estava longe de o amar; suas palavras, ainda que muito humildes, me desagradaram e, firmando-me no orgulho real, declarei que jamais me havia inspirado outros sentimentos, além dos que uma filha de Faraó poderia experimentar por um funcionário e súbdito fiel.
Ele se levantou e, cruzando os braços, inclinou-se respeitoso, suplicando lhe perdoasse a ousada loucura.
Voltando-me, entretanto, pude notar que seus olhos negros 'demonstravam, um ódio implacável.
Ah! essa inimizade, que eu então desprezava, deveria desempenhar um papel considerável na minha vida.
Menciono esta cena, para compreensão dos acontecimentos que se seguiram.
Durante minha permanência em Tanis, observei que minha melhor amiga e companheira de jogos, Asnath, mostrava-se triste e pensativa.
Uma tarde, surpreendendo-a lacrimosa, levei-a ao terraço, fi-la sentar a meu lado e tomando-lhe as mãos, disse:
— Querida, desde muito tempo noto tua tristeza e isso me aflige; conta-me a causa e talvez possa ajudar-te.
Sem responder, ela se rojou a meus pés e com a cabeça em meus joelhos desfez-se em lágrimas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:43 pm

— Vamos, nada me ocultes — disse acariciando-lhe os cabelos — é impossível que não nos ocorra um remédio para teus pesares.
Beijou-me as mãos e respondeu em surdina:
— A ti somente, Thermutis, minha amiga é soberana, posso confessar:
amo e sou amada, mas é um amor nefasto, que os deuses não abençoarão; conheces meu pai e sabes como é orgulhoso, ríspido, e severo...
Jamais me entregará ao meu eleito.
— A quem amas, pois? — perguntei espantada.
Alguém de casta impura, algum miserável amú?
Mas, como poderia um tal homem ter-te agradado, a ti que podes escolher entre os mais distintos da Corte?
— Não, não! — exclamou Asnath — amo a um egípcio, um grande, bom e belo artista, o escultor Apopi.
Há tempos, ele trabalhou em Thebas, em casa do tio, que executa para meu pai importantes obras para o túmulo da família, e em nosso palácio; foi lá que o conheci e amei.
Agora, ele aqui reside no seu próprio atelier; já o encontrei duas ou três vezes, sendo-me, entretanto, impossível falar-lhe, ou mesmo vê-lo de perto.
Não posso inventar pretextos, porque temo suscitar suspeitas a meu pai, que seria capaz de eliminá-lo sem compaixão.
— Enxuga essas lágrimas — disse alegremente — amanhã verás o teu amado; eu mesma irei à casa do escultor, para fazer algumas encomendas.
De há muito desejo uma estátua de Hator, esculpida em pedra verde mafkat:
será Apopi o autor, assim como do busto da nossa saudosa companheira Senimuthís que, há algumas semanas apenas, Osíris chamou a si.
Providencia para que amanhã, antes do grande calor, estejam prontos a liteira e aqueles que devem acompanhar-me.
No dia seguinte, tomei a liteira e, assentando a trémula Asnath a meu lado, mandei seguir para a casa do escultor Apopi.
A manhã estava radiosa e o longo passeio me deliciou, porque saímos fora da cidade até um subúrbio onde pararam os condutores, defronte de uma casa de aparência modesta, circundada por copado jardim.
Avisado, sem dúvida, por meus batedores, o jovem artista, ruborizado pela emoção, mantinha-se no limiar da entrada.
Ao aproximar-me, ajoelhou-se, suplicando em alta voz aos deuses que abençoassem a sua casa com a chegada da irmã do seu soberano.
Desci e disse a Asnath, toda confusa:
— Toma cuidado, é muito bonito o teu preferido.
Em seguida, manifestei desejo de visitar o atelier do escultor, a fim de julgar sua técnica, pois queria confiar-lhe algumas encomendas.
Apopi, precedendo-me respeitoso, levou-me a um imenso alpendre, aberto nas duas extremidades, onde se encontravam montões de blocos de pedra de diferentes tamanhos bem como várias estátuas em vias de execução; no centro, junto a uma grande estátua de Osíris, estava um homem de pé sobre um cavalete de madeira, ocupado em polir a pedra.
De costas, inteiramente absorvido pelo trabalho, parecia nada ver nem ouvir.
— Ithamar! — exclamou Apopi, repreendendo-o — dar-se-á que os deuses te hajam enlouquecido?
A filha de Faraó honra nossa tenda humilde com a sua presença e ficas aí empoleirado, de costas para ela?
O homem assim apostrofado voltou-se rápido e saltou ao solo.
Depois de prostrar-se, permaneceu de pé, braços cruzados, imóvel qual a própria estátua de Osíris.
Fixei-o um instante, completamente fascinada; nunca vira criatura tão bela!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:43 pm

Alto, esbelto, de uma plástica ideal, Ithamar encarnava o tipo semítico; os cabelos negros, encaracolados, molduravam-lhe o rosto pálido, de traços regulares; o mais admirável, porém, eram os olhos negros e límpidos, reveladores de uma bondade e encantos que num instante me fizeram tudo esquecer.
Arrancando-me dessa contemplação, fiz que tudo me fosse mostrado.
Apopi, auxiliado por Ithamar, franqueara-me o atelier e acabei encomendando entre outros trabalhos de que falei a Asnath, o meu e o busto de minha amiga, esclarecendo que os modelos em gesso deveriam ser executados no palácio.
Ao retirar-me, procurei com os olhos o semita:
ele estava de pé, a poucos passos e, num instante, seu olhar escaldante e estranho mergulhou no meu, fazendo-me bater o coração violentamente; como em sonho, saí, retomando a liteira. Asnath, radiante, murmurava agradecimentos, que eu dificilmente percebia.
No dia seguinte veio Apopi, seguido de Ithamar e começaram a modelar os bustos encomendados.
Muitas vezes, nessa ocasião, Asnath trocava olhares e expressões de amor com Apopi.
A presença do jovem hebreu causava-me uma opressão; faltava-me o ar, e seu olhar queimava-me como fogo.
Um dia Apopi veio só, e bem quisera eu indagar o paradeiro do auxiliar, mas o orgulho e a vergonha de um interesse inconfessável fizeram-me calar.
No dia seguinte o escultor ainda compareceu sozinho, e a inquietação me devorava, a ponto de não saber como me comportar.
Foi então que Asnath, adivinhando meus pensamentos, perguntou por Ithamar.
— Está doente — respondeu Apopi.
— Tem família ou alguém que o trate? — indaguei aliviada.
— Mora com o cunhado Amram e tem os cuidados de sua irmã Jocabed; são pobres, porém bons e o estimam.
— Como te ligaste tão estreitamente a um amú? — perguntei.
— Eles são tantos em Tanis que não podemos desconhecê-los; de resto, Ithamar e eu nos conhecemos de longa data; sua grande vocação para a escultura e o excelente carácter cimentaram nossa amizade.
— Asnath — disse eu — providencia para que mandem a Apopi uma cesta de frutas e uma ânfora do melhor vinho, para a convalescença do seu amigo enfermo.
Desde esse dia não tive mais sossego, experimentando uma espécie de vácuo interior.
Faltava-me Ithamar, o timbre velado e melodioso da sua voz ressoava a meus ouvidos; em sonhos, o belo rosto e os olhos fascinantes me perseguiam; era em vão, que dizia a mim mesma:
ele é um miserável operário, filho de um povo desprezado.
Desde, porém, que a minha imaginação muito fiel me apresentava seu perfil e o sedutor sorriso, esquecia-lhe a origem e a vil condição e todo o preconceito se dissipava, substituído pelo desejo irreprimível de revê-lo a qualquer preço.
Por fim, não pude iludir-me por mais tempo sobre o meu estado:
estava insensatamente apaixonada por um réprobo, um impuro, de mim separado por um abismo; devoravam-me raiva e vergonha; tinha medo e horror de mim mesma: teria um espírito mau se apossado de mim?
Tornei-me grosseira e desconfiada para os que me rodeavam, porque receava pudessem ler no meu rosto o terrível segredo.
Inutilmente, para escapar a essa tortura, buscava distracções, visitava os templos realizando dádivas e sacrifícios, passando horas a fio mergulhada em preces ardentes, suplicando aos invisíveis me libertassem da obsessão, varrendo para longe a imagem do semita.
Muitas vezes, surpreendi o olhar de Asnath angustiosamente cravado em mim, sem ousar falar-me.
Uma tarde em que nos encontrávamos a sós no jardim, num pequeno terraço fronteiro ao Nilo, apoiando os cotovelos na balaustrada, contemplava o rio absorta em sombrios pensamentos; o sol desaparecia no horizonte, dourando com seus raios avermelhados a folhagem e a superfície cintilante das águas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:43 pm

Voltei-me para dizer qualquer coisa a Asnath, quando de novo percebi nos seus olhos estranha inquietação.
— Que hábito tomaste de me fitar como se quisesses analisar-me? — disse-lhe aborrecida.
Como única resposta ela tomou-me as mãos e cobriu-as de beijos e lágrimas:
— Thermutis, isto não pode continuar assim.
Alguma coisa de terrível se passa em teu íntimo; tu empalideces e definhas, o sono te abandona, teu rosto escalda, tens as mãos sempre geladas...
Sou indigna dá tua confiança, sei, mas amo-te tanto!
À custa da própria vida, gostaria de provar-te minha gratidão; sei muito mais do que pensas e não foi sem motivo que afastei tuas servas, velando sozinha o teu sono.
Quando dormes, teus lábios traem a tortura do teu coração, pois muitas vezes pronunciaste o nome de Ithamar.
Oh! Thermutis, aceita meu auxílio e minha estima, para que possas ser mais forte e assim ocultes esse nome no mais íntimo recesso do teu ser, a fim de que ele não se transforme em vergonha para ti e morte para o infeliz.
Eu estava aniquilada, sucumbida; tudo rodava diante dos meus olhos obscurecidos!
Em sonho havia revelado o seu nome!
Se outra, que não Asnath, houvesse percebido?
Oh! a morte, naquele momento, teria sido um benefício.
Com os braços cingi o pescoço da amiga de infância, encostando o meu rosto no seu; minhas lágrimas ardentes inundaram suas faces.
Eu sofria tormentos infernais e ninguém podia consolar-me, porque a origem do homem a quem amava era odiosa e desprezível, para a eternidade.
Deveria, pois, esquecê-lo, banir sua imagem ou menosprezar a mim mesma.
Passada a primeira emoção, conversamos.
Asnath jurou-me absoluto segredo, e, fosse como fosse, sentia-me amparada, contava com uma confidente com quem podia desabafar toda minha alma.
Decorreram vários dias de relativa calma; eu procurava todas as ocasiões para ficar só com Asnath.
Por isso, logo ao deitar-me, despedia as aias e conversávamos horas a fio.
Uma noite, assentamo-nos junto da janela aberta, aspirando o aroma do jardim.
No palácio todos dormiam e apenas o brado das sentinelas interrompia o profundo silêncio da noite quando de repente, ligeiro sussurro partiu de uma moita de roseiras, abaixo da janela.
Um seixo amarrado a um pedaço de pergaminho caiu nós joelhos de Asnath, que o segurou avidamente e procurou ler à luz do luar.
Uma mensagem de Apopi — disse corando.
Ithamar, já restabelecido, foi o portador e aguardará a resposta, aliás, urgente.
Vou utilizar tuas tabuinhas, se permites.
Respondi com um aceno de cabeça; o coração parecia-me estourar de tanto bater, pois ali, a alguns passos, estava Ithamar!
Quis falar-lhe, obter pormenores sobre seu estado de saúde; uma coisa tão inocente não poderia comprometer-me.
Quando Asnath voltou com as tabuinhas, manifestei-lhe esse desejo e ela não se opôs, mas, temendo, evidentemente, a presença de um homem próximo aos meus aposentos, inclinou-se e disse a Ithamar para que deslizasse até um caramanchão, que indicou; depois, oferecendo-me o braço, ajudou-me a descer do terraço.
Tremiam-me as pernas, embora não receasse ser descoberta, pois mesmo que uma sentinela me visse passeando acompanhada de minha aia, não se admiraria, porque muitas vezes assim gozávamos o frescor da noite, reservando as horas de calor diurno para repousar.
Já nos aproximávamos do canteiro de acácias, quando Asnath se lembrou que esquecera sobre a mesa um objecto que desejava enviar a Apopi, e, desculpando-se, retomou célere o caminho do palácio.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:43 pm

Pela primeira vez, vi-me sozinha junto de Ithamar, que, banhado pelo luar, se mantinha de pé a poucos passos, apoiado no banco de pedra.
Havia emagrecido e o seu belo rosto revelava tristeza e sofrimento.
Experimentei ardente desejo de o consolar, e, movida por essa ideia, avancei alguns passos, na direcção do banco:
— Ithamar, que te falta?
Já estás bom?
Teu aspecto denota tristeza e sofrimento; poderei auxiliar-te?
Ouvindo-me, ele estremeceu, fixou-me perplexo e ajoelhou-se a meus pés.
— O sol fulgura muito alto para que seus raios atinjam e dissipem as brumas que obscurecem a alma de um mísero e impuro semita!
Ilustre filha do Faraó, que os deuses te abençoem e protejam!
Que derramem sobre tua cabeça a felicidade, pelas palavras de terna compaixão que, do altíssimo trono, diriges a um homem mais ínfimo que o pó calcado por tuas sandálias.
Aproximou-se e, tomando a fímbria do meu vestido, beijou-a, sôfrego.
— Condena-me, agora, oh! rainha, pela minha ousadia.
De bom grado sacrificarei a vida pelo crime de haver tocado teu vestido.
Impossível descrever minha emoção.
Engana-se profundamente quem supuser que, na antiguidade, o amor como o compreendeis, não existisse; a humanidade era a mesma, e todos os sentimentos que fazem pulsar os vossos corações agitavam também os daquele tempo.
Repito: mal posso descrever o que sentia; aquela voz sussurrante, plena de paixão em recalque, embriagava-me; os olhos, fulgurantes de temor e exaltação, fascinavam-me.
Involuntariamente, coloquei a mão em sua cabeça e meus dedos desapareceram na espessa, sedosa e anelada cabeleira.
Estremeci nesse contacto, e, esquecendo prudência e preconceitos, olvidando que tinha diante de mim um ser impuro, disse com a voz entremeada de lágrimas:
— Não és o único a sofrer.
Que isso te seja um bálsamo!
Lamento que a tua origem cave um abismo entre ti e a filha do Faraó Mernephtah.
Por que haverias de nascer semita?
Ouvindo tal, Ithamar, de um salto pôs-se de pé; olhos brilhantes, tomou-me as mãos, e, inclinando-se, lia avidamente em meus olhos o que me não fora possível dissimular.
Aturdida, apoiei a cabeça no seu ombro.
Ele atraiu-me, estreitou-me nos braços, colou nos meus os lábios escaldantes, murmurando:
— Thermutis!
Quando, uma hora depois, voltei aos aposentos, sentia-me atordoada:
Asnath, pálida e trémula, ajudou-me a acomodar, mas não pude cerrar os olhos naquela noite memorável.
Sentia-me ébria de alegria e, não obstante, opressa e infeliz.
Que diriam Ramsés e os sacerdotes, se descobrissem a verdade?
Procurava repelir para bem longe essa ideia.
Porque não ser bem sucedida ocultando tudo?
Passaram-se algumas semanas.
Protegida pela fiel Asnath, mais de uma noite encontrei-me com Ithamar e tremia à só conjectura de não poder mais vê-lo.
Entretanto, a inevitável separação se aproximava, pois a Corte se preparava para retornar a Thebas.
Empolgada por cega paixão, imaginei empregar Ithamar entre os meus servos, para levá-lo comigo.
Na noite em que pretendia combinar com ele, definitivamente, os pormenores desse projecto, não compareceu, vindo Apopi em seu lugar.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:44 pm

— Sei de tudo, princesa — disse — e venho suplicar, de joelhos, que cortes toda e qualquer relação com o semita, porque estamos jogando nossas cabeças e creio que já somos espionados.
Opôs-se, formalmente à ideia de levar Ithamar, afirmando que ele próprio tinha razões bastantes para renunciar.
Tive de anuir impondo, porém, a condição de revê-lo ainda uma vez, em despedida.
Após minha áspera recusa, Chenefrés sempre se manteve a respeitosa distância.
Um dia, entretanto, numa festa, surpreendi-o fixando-me com expressão que me gelou o sangue nas veias: ódio, raiva, ironia misturavam-se naquele olhar, e o respeito de outrora desaparecera.
Onde e como teria podido saber? Impossível!
A consciência criminosa fazia-me lobrigar fantasmas negros em toda parte.
Na véspera da partida, tive uma última entrevista com Ithamar.
Sentindo a morte n’alma, desprendi-me de seus braços aos primeiros albores do dia clareando o horizonte.
Ainda uma vez, beijou-me a mão e desapareceu.
Triste, combalida, retornei a Thebas, mas, para afastar qualquer suspeita, fui forçada a retomar o curso de minha vida habitual.
Por outro lado eu fiz, nessa ocasião, uma descoberta que quase me enlouqueceu.
Dessa vez, porém, não ousei sequer confiar-me à fiel confidente.
Suor glacial cobriu meu corpo, a imaginar o que me aguardava.
Apenas um vago instinto me amparava para ganhar tempo; dissimulava, aparentando alegria, com esforço sobre-humano, sem descuidar a pintura das faces descoradas.
Uma tarde, despedindo os que me cercavam e ficando a sós com Asnath, sempre solícita em distrair-me com sua tagarelice, disse-me ela de chofre:
— Sabes? Meu irmão acaba de contar que hoje, durante a refeição, Ramsés falou a teu respeito.
Ele te supõe vítima de algum mau olhado, que te compromete a saúde, e por isso determinou ao grão-sacerdote do templo de Amon que enviasse amanhã um médico para te examinar; sem dúvida, o médico trará amuletos.
Para dizer-te a verdade, tua aparência é doentia; sei que teu amor pelo hebreu te atormenta, mas tu também sabes que é preciso esquecê-lo.
Nada respondi.
Faltava-me o ar, e supus que o coração opresso ia estalar.
No dia seguinte viria o sacerdote e médico, enviado por Faraó; seria descoberta toda a verdade, o incrível mistério que me tirava o sossego!
Sem dúvida minha fisionomia se transformou, porque Asnath deu um grito ao fixar-me:
— Thermutis? Sentes-te mal?
Como única resposta atraí-a a mim; o coração me transbordava, aproximei a boca do seu ouvido e tudo revelei.
Pálida como um cadáver, ela cobriu o rosto com as mãos:
— Estamos perdidas! — murmurou.
Que fizeste, Thermutis?
E Ithamar, o infame, como se atreveu?
— Deixa-o, a culpa é só minha, respondi tapando-lhe a boca com a mão.
Passamos uma noite horrível e somente pela madrugada, exausta, consegui conciliar pesado sono de algumas horas.
Despertada, preparei-me e fui para um pequeno terraço coberto e ornado de flores.
O ar estava fresco e agradável, mas o temor dava-me sensação de fogo devorador; mandei sair os circunstantes, excepto algumas aias para abanar-me e fiquei com os olhos pregados na porta por onde deveria entrar o esperado sacerdote.
Asnath, sentada a meu lado, manipulava um trabalho qualquer, mas o medo lhe selava igualmente os lábios e fazia tremer-lhe as mãos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:44 pm

A entrada do escudeiro avisando que Suanro, médico do templo de Amon, desejava falar-me, interrompeu-me o curso dos pensamentos e uma nuvem me turvou a vista quando ele se aproximou e sentou-se a meu lado.
Já o tinha visto mais de uma vez, sem lhe prestar maior atenção; agora, porém, naquele momento angustioso, seu perfil se me gravou na mente em sobressalto.
Jovem ainda, fisionomia bela e calma, denotava grande bondade; os olhos, todavia, profundos e severos, pareciam ler no coração humano como em livro aberto.
Sem desviar o olhar, interrogou-me, colocando em seguida a mão no meu peito; não sei o que respondi, vendo apenas franzir-se pouco á pouco o sobrolho do sábio...
Asnath parecia transformada em estátua.
Por fim, ele se ergueu, e cruzando os braços, disse com autoridade:
— Saiam todos, vou pronunciar um exorcismo contra os maus espíritos que prejudicam a saúde da princesa!
Senti-me aliviada e, contudo, nunca um desses homens de longas vestes brancas me parecera tão temível.
Quando ficamos sós, voltou-se e seu olhar profundo, argutíssimo, revelou melhor que palavras tudo haver descoberto.
— Desventurada filha de rei, confessa toda a verdade ao médico e ao sacerdote, em quem deves depositar toda a confiança, como intermediário entre ti e os deuses.
Aquela voz continuava a martelar meus ouvidos, qual juízes do Averno.
Involuntariamente, prosternei-me de mãos súplices, garganta cerrada e esforcei-me em balbuciar:
— Perdão!
Contemplou-me um instante e sua fisionomia como que se desassombrou:
— Pobre criança, que espécie de graça me pedes?
— O silêncio — respondi banhada em lágrimas.
Ergueu-me, reconduziu-me à cadeira e, sentando-se, disse:
— Exiges muito, mas, se me demonstrares uma confiança absoluta, talvez te atenda, pois essas lágrimas de profundo arrependimento me sensibilizaram.
Fala, pois, Thermutis; confessa sem reticências, porque preciso saber quem é o autor da tua desonra e tanto quanto sou verdadeiro servo do maior dos deuses, prometo guardar sigilo.
Ocultei o rosto nas mãos; minha confissão ia fazê-lo recuar, horrorizado; eu havia conspurcado todos os mandamentos da religião, maculando a honra, ao contacto de um impuro.
— Conta-me tudo, minha filha — disse, tomando-me a mão; — e nada temas; seja quem for, deves nomeá-lo.
Abafando soluços, atirei-me novamente de joelhos:
— Não posso pronunciar esse nome senão rojada ao pé e aos pés do representante da divindade.
Ele se inclinou compassivamente e, não sei como, dos lábios trémulos, num sussurro, escapou-me toda a confissão.
O sacerdote saltou nos calcanhares e pôs as mãos na cabeça.
— Sim — disse, fitando-me com amargura e pavor — os deuses te arrebataram sua graça e o espírito mau de ti se apossou, perturbando-te a razão.
A esse olhar, levantei-me e desesperada resolução apoderou-se de mim.
— Tens razão — disse, exaltada — foi o espírito imundo que me inspirou um amor cego por esse homem impuro, porquanto lutei, para esquecê-lo.
Orei em todos os templos oferecendo sacrifícios, mas os imortais não se compadeceram de mim, abandonando-me à paixão que me torturava e oprimia, como se tivesse uma pirâmide sobre o peito.
Sei que sou culpada, merecedora de todos os martírios, e que os quarenta e dois juízes do mundo subterrâneo condenarão minha alma a uma terrível expiação; diga-me, sacerdote de Amou, se a morte voluntária pode resgatar meu crime, que hoje mesmo darei fim a esta existência profana.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:44 pm

Vida perdida, coração despedaçado, tudo me é odioso...
Soluços convulsivos impediram-me de continuar.
O sacerdote fez-me sentar e colocando as mãos em minha cabeça orou, implorando aos deuses perdão e protecção para mim; depois, disse com bondade:
— Acalma-te, Thermutis, manterei minha promessa e farei o impossível para te salvar; jamais, porém, deverás revelar que eu soube a verdade; agora, vai repousar.
Volto para junto de Ramsés.
Mandar-te-ei um amuleto que te dará forças contra os espíritos das trevas, responsáveis pelo feitiço.
Com lágrimas de reconhecimento, procurei a mão do generoso médico, que levei aos lábios, beijando-a.
Ele voltou à tarde, informando-me que tudo estava arranjado:
o Faraó, ciente de que um espírito mau havia-se apoderado de mim, concordara com, todas as prescrições do sacerdote, isto é, que eu abandonasse Thebas, acompanhada apenas das pessoas íntimas, retirando-me para Tanis, até que os sacerdotes e o tratamento determinado me restabelecessem.
Suanro prometeu visitar-me e não me abandonar no momento decisivo, jurando-lhe eu, por minha vez, não rever Ithamar, a pretexto algum.
Parti, pois, levando comigo Asnath, a ama de leite (conhecedora do segredo) e mais alguns servos e servas fiéis, instalando-me em Tanis.
Desfrutava vida calma e completamente isolada.
Nunca mais revi Ithamar e era cheia de angústias que me recordava dele, como se fosse a encarnação do mal para me perder; o que mais me oprimia, porém, era o destino do nascituro.
Muitas vezes troquei ideias com Asnath, que, de uma feita, me disse:
— Avistei-me com Ithamar e Apopi, rogando-me aquele que te dissesse estar Jocabed, sua irmã, aguardando um filho mais ou menos na mesma época do teu, e disposta a dizer que o parto foi duplo, adoptando o que não podes conservar contigo.
Esse plano agradou-me extraordinariamente: pelo menos, o pobrezinho seria educado pelo pai, e, quanto à sua manutenção, eu poderia ajudar.
Devo ainda mencionar um facto, que só vim a saber mais tarde, mas aqui o consigno por parecer-me conveniente:
trata-se de uma profecia terrível, feita nessa ocasião por velho sacerdote de Heliópolis, célebre pelas suas revelações:
— “Dentro em breve — teria dito o profeta — nascerá de pai hebreu uma criança do sexo masculino, que, ao atingir a maioridade, cobrirá o país de desgraças; por sua culpa, o Nilo sagrado será empestado; as cidades e campos cobertos de cadáveres, a nação arruinada, todos os primogénitos do Egipto feridos de morte e o sarcófago do Faraó que suceder a Ramsés, ostentando a coroa do Alto e Baixo Egipto, permanecerá vazio para sempre, pois só haverá peixes no lugar em que o corpo do rei vai ser sepultado”.
Ramsés, sobremaneira impressionado, convocou um conselho secreto e discutiu os meios de conjurar tão horrorosas desgraças.
Deliberaram ocultar ao povo a predição, porque, tímido e supersticioso, poderia entregar-se a sanguinolentos excessos contra os semitas em geral.
Por outro lado, porém, pretextando que os hebreus eram muito prolíferos, resolveram eliminar, durante doze luas, todos os varões que lhes nascessem.
Repito: no meu retiro de Tanis, eu tudo ignorava, pois a ninguém encontrava, nem saía e apenas passeava nos jardins, ou, à noite, em barcos, pelo Nilo.
Aproximava-se o momento de dar à luz e aguardava de um momento para outro a chegada de Suanro, quando notei a estranha agitação de Asnath.
Interpelei-a.
A princípio, ela nada quis dizer, mas, ordenando-lhe formalmente, acabou, por confessar o seu temor de um inimigo desconhecido, que devia estar perto, porque, já duas vezes, milagrosamente, Ithamar escapara de ser assassinado.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:44 pm

Apopi e os parentes suplicaram-lhe que se escondesse, abandonando Tanis, mas ele a ninguém queria ouvir, alegando que não lhe interessava a vida e não abandonaria à cidade no momento em que deveria nascer a criança que se fosse do sexo masculino, corria grande perigo.
Foi nessa ocasião que Asnath me cientificou do sanguinário édito de Ramsés, já em plena execução.
Alarmei-me, naturalmente, pois não queria a morte de Ithamar.
Ele me havia enfeitiçado e eu o temia, mas, apesar de tudo, amava-o com todas as forças de minha alma.
Assim, enviei-lhe Asnath, ordenando-lhe que desaparecesse.
Não me atendeu.
— Diz a Thermutis que ficarei, e, se morrer por sua causa, julgar-me-ei imensamente feliz.
Meu coração bateu com violência. Então, considerei, só restava um meio:
eu mesma lhe falaria e seria obedecida!
Asnath em vão tentou dissuadir-me.
Custasse o que custasse, eu queria rever Ithamar.
Comuniquei à minha ama, cegamente devotada, e combinamos o plano da arriscada aventura.
Chegada a noite, manifestei desejo de realizar um passeio pelo Nilo, como fizera mais de uma vez.
Tomamos a barca, eu, a ama, e Asnath, dirigindo-nos para o quarteirão dos estrangeiros, conduzidos por quatro remadores de confiança.
A noite estava quente, embalsamada, magnífica.
A um sinal convencionado com Asnath, mandei atracar, para espairecer um pouco em terra.
A barca ficou amarrada sob copado bosque de sicómoros, enquanto nos dirigíamos apressadas para a casa de Jocabed, que Asnath conhecia.
Paramos à frente da miserável choupana circundada por uma cerca.
Batemos.
Nenhuma resposta, mas, do interior, escapavam gemidos.
Assaltada por triste pressentimento, eu mesma empurrei a cancela, que não estava trancada, e apressadamente transpus o terreiro.
Queria espreitar pela porta entreaberta...
A cena que se me deparou tirou-me interiormente a razão: no meio da sala miserável, fracamente iluminada jazia Ithamar numa poça de sangue, com um punhal enterrado ao peito, até o cabo.
Duas mulheres e um homem torciam as mãos e se lamentavam ao redor do cadáver.
Esquecendo tudo, arranquei o véu e caí de joelhos junto ao morto, rígido e frio.
Inclinei-me para ele, mas tudo rodava em torno de mim; vi, como através de um nevoeiro, mulheres judias me apontarem o dedo, e ouvi várias exclamações.
Depois, perdi os sentidos.
Quando despertei, ainda me encontrava na cabana do semita e instantes após dei à luz uma criança.
Minha ama e Asnath, pálidas e trémulas de pavor, apenas me deram tempo de beijar a fronte do recém-nascido.
Auxiliada pela ama, mulher vigorosa, abandonei o recinto, carregada em seus braços, e minutos mais tarde repousava na embarcação, esmagada de corpo e alma, enquanto os remadores retomavam o caminho do palácio.
Os raios da aurora iluminavam o horizonte, cintilando como rubis nas águas do rio.
— Poderosos deuses — murmurei — quanto tempo passamos lá?
— Cerca de três horas — respondeu Asnath, beijando-me as mãos — mas, acalma-te, Thermutis; agora tudo irá bem, ninguém suspeitará de teu parto e esta saída foi-te inspirada por Hator mesma.
— Matarão a criança como fizeram ao pai, murmurei constrangida.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:45 pm

Nesse instante despontou o sol inundando a terra com uma torrente de luz.
— Vê — disse Asnath erguendo os braços com entusiasmo para o astro luminoso — Ha abandona as trevas e com seus raios divinos ilumina a volta ao palácio.
É um feliz augúrio para ti e para o inocente que me prometeram ocultar com segurança.
Assim como o deus vencedor e remoçado, triunfante, abandona o reino das sombras, também nova vida de esplendor c calma vai começar para ti.
Meia hora depois, a barca atracava na escadaria de pedras, onde confina a aleia que leva aos meus aposentos.
No primeiro degrau, divisei um homem de pé, ostentando vestes sacerdotais de uma alvura incomparável; era o meu médico e salvador, vindo, como prometera, para auxiliar na dissimulação do terrível mistério.
Desceu ao meu encontro e apertou-me a mão; eu, porém, me sentia tão fraca, que as minhas auxiliares foram obrigada a transportar-me até o dormitório, onde Asnath e a ama, ajudadas pelo médico, me acomodaram, despertando-me inteiramente.
O médico me reconfortou maravilhosamente e, quando me viu um pouco mais forte, ordenou que nos deixassem a sós.
— Muito bem, minha filha, noto que o mais difícil foi vencido — disse, sentando-se junto do leito.
Mas, onde está a criança?
Quando concluí o relato de tudo, meneou a cabeça:
— Vejo que os deuses se compadeceram da tua infantilidade e te livraram milagrosamente de todo perigo; a criança está onde lhe convém e o perigoso homem que te enfeitiçou teve merecida morte, porque ousou, sabendo-se impuro, macular uma filha de Faraó.
Agora, será fácil restabeleceres-te; repousa e continua a tomar esse tónico, que te darás forças para ocultar a verdade, recebendo o pessoal de serviço, a fim de evitar qualquer suspeita.
Agradeci e, pedindo a Asnath que me passasse um cofre precioso, cheio de jóias, disse:
— Tens uma filha de dezoito anos, Suanro; que os deuses te recompensem por intermédio dela todo o bem que me fizeste; e quando um dia concederes sua mão a um homem digno dela, acrescenta este dote — lembrança da pobre Thermutis.
Logo que me vi só, adormeci; depois, reconfortada pelo sono e auxiliada por Asnath, preparei-me e fui postar-me no terraço, porque desejava ser vista por todos.
Mal me havia instalado, quando o mordomo anunciou Chenefrés, que, procedente de Thebas e portador de uma mensagem de Faraó, solicitava a honra de uma audiência.
Travou-se-me o coração dolorosamente; a presença de Chenefrés no momento era-me duplamente odiosa.
Ele vinha, porém, em nome de Ramsés e não podia deixar de recebê-lo.
Autorizei a entrada, e, após os cumprimentos do estilo, disse-me:
— Princesa, ordena que os circunstantes se retirem para não ouvirem o que te vou dizer da parte de Faraó, e que somente a ti deve ser transmitido.
Esforçando-me por aparentar indiferença, afastei com um gesto as pessoas que me rodeavam, mas o coração batia angustiado, não sei porquê.
Parecia-me que aquele homem, cujos olhos negros me fitavam atrevidamente, conhecia o meu segredo.
— Agora, dize o que tens a comunicar-me.
Aproximou-se e, olhando-me ironicamente, disse com voz soturna:
— Venho renovar um pedido que repeliste mui duramente; acredito que Chenefrés, dignatário egípcio, fosse indigno da filha de Faraó; mas será que ainda o consideram audacioso pretendendo para esposa a viúva do hebreu Ithamar?
Um grito abafado escapou-se-me do peito.
O infame tudo sabia; mas por quem?
Raiva e angústia embargavam-me a voz.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:45 pm

Instantaneamente, meu olhar desvairado notou que no seu cinto faltava o punhal de cabo cinzelado e várias manchas negras pontilhavam-lhe as vestes.
Como um raio, reavivou-se a lembrança do cadáver de Ithamar com o punhal cravado no coração.
A despeito de meu estado de fraqueza, ergui-me sobre as almofadas, palpitante de horror e cólera:
— Miserável! Foste o assassino! — disse com voz entrecortada.
Afasta-te, indigno, e nunca mais me apareças!
Antes a morte que pertencer-te!
Estava fora de mim.
Chenefrés não arredou pé. Fitando-me severa e orgulhosamente, retirou do cinto um papiro, que desenrolou, entregando-me.
Tudo passou a rodar diante de mim ao ler o escrito de Ramsés:
“Indigna filha de um grande rei, que não mais mereceria a honra de uma sepultura real e cujo nome deveria ser riscado e esquecido da posteridade, ordeno-te que recebas por marido o nobre Chenefrés, portador deste decreto, visto ser minha inabalável resolução, a fim de pôr termo à vergonha que introduziste na casa de Ramsés, e dignifiques, apesar da nódoa, o sangue divino que corre nas tuas veias”.
Ramsés tudo sabia!
Foi por sua ordem, pois, que se deu u morte de Ithamar!
Incapaz de raciocinar e agir, vendo tudo negro, diante dos olhos, deixei cair o papiro, que Chenefrés apanhou, inclinando-se e murmurando:
— Então, Thermutis, sim ou não?
Considerando a enormidade do crime que praticara, não ousei desobedecer à ordem de Ramsés.
— Sim — respondi vencida, baixando a cabeça; — desde que Faraó ordena, serei tua esposa.
Tomou-me a mão e disse:
— Esquece um passado indigno, dá-me teu coração e serei um marido indulgente.
Disse mais qualquer coisa que não pude compreender, presa que fui de um calafrio, a cabeça a rodar, vendo línguas de fogo que pareciam turbilhonar com surdo estertor diante do meu olhar desvairado.
Tive uma vaga impressão de que Chenefrés, ajoelhado junto da espreguiçadeira, me sustentava nos braços e que olhares apavorados me fitavam.
Depois, perdi os sentidos.
Quando os recobrei, já haviam decorrido algumas semanas, vindo a saber por Asnath que estivera entre a vida e a morte.
Ajoelhada junto da cama, a querida confidente ria e chorava de contentamento por ver-me em perfeito estado de lucidez.
Pouco a pouco, fui-me restabelecendo.
Asnath e Suanro, que me havia salvo, continuaram a desvelar-se por mim e aos poucos me punham ao corrente das novidades:
assim soube que a Corte já se encontrava novamente em Tanis; que, em certa ocasião, durante o delírio, Ramsés me visitara, e, após muda contemplação, saiu a suspirar.
Depois, não mais voltou, mas procurava informar-se do meu estado.
Chenefrés mantinha-se ausente, mas deveria regressar dentro em breve.
Meu restabelecimento foi mais rápido do que se poderia esperar.
Chenefrés voltara, e visitava-me diariamente, porém em atitude reservada sem mostrar severidade nem arrogância.
Sem ter-me avistado com Ramsés, eu tremia só ao pensar na severidade do seu olhar.
Um dia, finalmente, foi prevenida por um dos seus serviçais íntimos, que me preparasse para recebê-lo no dia imediato, pois desejava anunciar à Corte o meu noivado com Chenefrés.
Na manhã daquele dia tão penoso para mim, aprontei-me com esmero todo particular, pois queria apresentar-me ainda bela, diante de Ramsés, para conquistar-lhe as boas graças (de vez que o sabia sensível a isso).
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:45 pm

Com um vestido purpurino ricamente bordado, as mais preciosas jóias e o boné egípcio com as insígnias reais diante de um espelho de metal que me apresentou uma das aias, pude confessar-me dona de uma beleza invulgar.
A angústia interior que me ruborizava e dava a meus olhos febricitantes um brilho particular, ainda mais concorria para o bom aspecto.
Apenas concluía os aprestos, quando me anunciaram a chegada dos mensageiros de Chenefrés, desejosos de serem admitidos à minha presença.
Acedi, e um oficial de serviço introduziu o velho intendente de meu noivo e vários escravos, portadores de cestas e cofres repletos de sedas, jóias e outros objectos preciosos.
O velho intendente ajoelhou-se, rogando-me aceitar os mimos enviados pelo amo.
Determinei recompensassem generosamente os portadores e, como se aproximasse a hora marcada para a visita do rei, dirigi-me para a sala de recepção, assentando-me numa cadeira de marfim no estrado, junto do trono de ouro reservado a Ramsés, Recebida por Chenefrés, que me cumprimentou, encaminhei-me ao lugar designado e quase imediatamente apareceu o chefe do cerimonial anunciando que o Faraó, sentindo-se feliz pelo meu restabelecimento, que os sacerdotes declararam definitivo, enviava-me presentes e não tardaria a chegar.
Em seguida, começou o desfile de imponente cortejo de funcionários palacianos e escravos que conduziam os mais variados mimos; havia cestas cheias de tecidos preciosos e variados, cofres abertos, com perfumes e jóias, aparelhos completos de mesa, de prata e ouro; arbustos raros, cobertos de flores e pássaros exóticos de rica plumagem, presos por correntinhas de ouro a ramos floridos.
À vista de tão magníficos presentes, um raio de esperança alentou meu coração. Significaria que a cólera do rei devia ter cessado.
Terminado o desfile, depositadas ao lado do trono todas as oferendas, as fanfarras anunciaram a aproximação do Faraó e todos os olhares se voltaram para a porta de entrada e para a extensa galeria em colunatas que a precedia.
Meu coração parou de bater.
Como me trataria?
Talvez seu olhar exprimisse desgosto e desprezo, em vez da afeição que me testemunhava outrora.
Chenefrés, cujo olhar não se desviava de mim, percebeu, sem dúvida, a minha angústia, pois inclinando-se, murmurou:
— Creio que os deuses abrandaram o coração do Faraó Mernephtah e apaziguaram a sua cólera; confia, pois, na sua bondade sem limites, como a de Osíris.
Nesse instante ouviu-se um retinir de armas:
os oficiais da escolta real enfileiraram-se ao longo da galeria e distingui entre as colunas a alta figura de Ramsés a caminhar rapidamente, seguido de alguns sacerdotes, dos seus porta-abanicos, dos dignatários e do séquito imenso que o acompanhava por toda a parte.
Possuída de íntimo tremor, desci e fui ao seu encontro.
Fisionomia austera, os olhos brilhavam-lhe sombriamente sob as espessas sobrancelhas; quando se aproximou, quis dar-lhe as boas vindas, mas meus lábios tremiam nervosamente e se recusaram a obedecer-me:
então, ajoelhei-me e beijei a mão que ele me estendeu.
Os circunstantes supuseram que, assim, eu lhe expressava minha gratidão pelo valioso dote com que me distinguira; ele, porém, compreendeu a muda súplica de perdão; desanuviou o rosto, inclinou-se e me beijou a fronte.
Depois, erguendo-me, conduziu-me ao meu posto, sentando-se no trono.
Percebi que me observava, mas, corada de vergonha, não ousei erguer os olhos e senti grande alívio quando ele falou com bondade:
— Sinto-me feliz, Thermutis, por ver-te finalmente restabelecida da terrível enfermidade que, por tantos meses, nos privou da tua companhia:
procura, por dádivas e sacrifícios, demonstrar tua gratidão aos deuses imortais.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:45 pm

Os sacerdotes que vieram no séquito, entre os quais o meu salvador, aproximaram-se e, depois de abençoar-me, presentearam-me com preciosos amuletos, que deveriam preservar-me para sempre de mau olhado.
Ramsés proclamou então diante de todos, que, honrando a fidelidade de Chenefrés e em atenção aos serviços por ele prestados ao Estado e à sua pessoa, aquiescia em conceder-lhe a minha mão como esposa.
Mandou que Chenefrés se aproximasse, colocou minha mão na dele, presenteando-o com um anel que retirou do dedo, e com soberbo colar; a seguir recebemos os cumprimentos de toda a Corte.
Silencio sobre o meu casamento, porque essa cerimónia que, para tantas moças, constitui a consagração de entre-sonhada felicidade, foi para mim bem triste, visto que o coração vivia unicamente das recordações de Ithamar.
Chenefrés sentia que meu amor estava longe; perscrutava mesmo os meus pensamentos e, se diante de estranhos me demonstrava a deferência a que tinha direito a mulher de casta real, na intimidade o marido não se continha:
em termos ásperos e ferinos exprobava minha frieza e o amor vergonhoso por um impuro; às vezes, as cenas e os acessos de raivoso ciúme por um morto eram-me bem dolorosos, mas tudo suportava sem me queixar, porque me reconhecera culpada.
Dirigir-me a Ramsés?
Mas o Faraó tinha motivo de alegar minha falta e dizer que meu marido tinha todo o direito de me exigir amor e reconhecimento.
E assim correram os primeiros tempos de vida conjugal, desejaria, com um pouco mais de alegria e animação, contentar Chenefrés; mas, temores horríveis sobre a sorte de meu filho me amofinavam:
o massacre das crianças hebreias, provocado pela terrível predição, continuava; e a cada momento parecia-me chegar a notícia da morte do menino.
Meus temores não eram vãos, antes bem fundados.
Um dia, Asnath contou-me, sobressaltada, que havia recebido aviso de Jocabed comunicando não ser possível ocultar por mais tempo o pequeno, que só por milagre ainda não tinha sido descoberto.
Passei uma noite insone, e a angústia do coração materno sugeriu um plano que me pareceu viável: mandei dizer a Jocabed que depositasse a criança numa cesta de vime bem calafetada e a depusesse junto à caniçada, no lugar em que costumava banhar-me com as aias, de modo a fazer crer que o Nilo havia levado por acaso, até ali, a frágil embarcação, à qual desesperada mãe houvesse confiado seu tesouro.
Contava que uma aia visse a cesta e, encontrando nela uma criança, me mostrasse.
Ninguém, então, poderia impedir-me de usar o privilégio real de conceder graça de vida a um único dos pobres seres condenados pelo ódio real.
Claro que, na ocasião, não poderia tê-lo comigo, para não despeitar desconfiança de Chenefrés, que ocultamente se esforçava por conhecer o destino da criança, embora eu lhe houvesse assegurado, assim como Asnath e minha ama, que ela morrera ao nascer.
Assim, projectei confiá-lo a Jocabed, na qualidade de ama, até que pudesse protegê-lo abertamente.
De manhã, Asnath me disse que tudo seria feito de conformidade com os meus desejos, logo no dia seguinte, à hora habitual do banho.
A tarde e a noite desse dia me pareceram intermináveis; não consegui dormir e contei os minutos até o momento de agir.
O coração batia, e eu aspirava deliciosamente o ar embalsamado da manhã; breve iria contemplar o fruto do meu amor, que não revia desde o nascimento, porque Chenefrés vigiava todos os meus passos, e uma entrevista fortuita, ou sequer um passeio para os lados do quarteirão semita, poderia suscitar desconfianças.
Enfim, chegamos ao lugar ensombrado de palmeiras, onde costumava banhar-me.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Dez 25, 2016 10:46 pm

Enquanto as aias desciam correndo estendiam tapetes junto de pequena tenda raiada de branco e azul, eu me detinha no primeiro degrau da escada de pedra e, com olhos ávidos, perscrutava a caniçada e a superfície do Nilo cintilando ao sol como um espelho polido.
Fez-me palpitar o coração um suspiro de reconhecimento aos imortais que concediam essa calmaria: nenhuma aragem que pudesse ameaçar a frágil embarcação, berço do meu tesouro, com a formação de ondas no rio sagrado.
Nesse instante, uma das aias exclamou:
— Olhem, ali nas caniçadas uma cesta de vime enganchada, que alguém certamente perdeu!
As pernas me fraquejaram, mas Asnath desceu, fingindo curiosidade:
— É verdade, Zot, vai e traze a cesta; quero ver o que contém.
A moça atirou-se à água imediatamente e nadou para a cesta, segurando-a.
— Oh! Senhora — exclamou — que linda criança! Até parece um deus!
Nadou para a escada, que eu lentamente descia, e entregou a cesta a Asnath.
— Oh! que encanto! — exclamou esta.
Olha, Thermutis...
Mas quem teria assim enjeitado o coitadinho, confiando-o aos deuses e às ondas?
Olhos marejados de lágrimas, inclinei-me e vi, deitada no fundo da cesta, uma criança em panos de linho branco; seus olhos, grandes e negros, estavam abertos; lágrimas grossas como pérolas cobriam-lhe as faces.
— Será talvez uma criança hebreia...
Qualquer pobre mãe, desesperançada de a subtrair aos prepostos de Faraó, tê-la-ia deixado às águas do Nilo, preferindo que morresse longe de suas vistas, ou esperando que fosse recolhida por qualquer alma caridosa.
Pois bem: se os deuses a encaminharam a mim, eu a salvarei.
Aproximei-me e coloquei a mão no peito da criança, como sinal de protecção.
Ah! Mal poderia supor que o coraçãozinho que palpitava sob meus dedos seria, mais tarde, tomado de orgulho, ambição e ódio contra os Ramsessidas; que o destino inexorável me levaria a salvar aquele que um dia, desencadearia contra a minha pátria e a minha raça todas as calamidades preditas!
Felizmente para nós, mortais, o futuro permanece oculto, e, naquele instante, senti grande alegria e ternura; mandei que levassem o menino para a tenda, acrescentando:
— É preciso descobrir uma semita para amamentá-lo e cuidá-lo; providenciarei para que nada lhe aconteça.
Zot, avia-te e traz-me a primeira ama que encontrares.
A moça afastou-se rapidamente e, apenas começava a despir-me, voltou seguida de uma pequena de onze para doze anos, cujo encantador semblante me recordou Ithamar.
— Esta é Mariana, filha de Jocabed — sussurrou Asnath enquanto a pequena se ajoelhava.
— Levanta-te — disse com bondade — e diz-me:
conheces alguém que possa cuidar de uma criancinha que uma mulher da tua raça confiou às águas do Nilo e os deuses me permitiram encontrar para salvar?
Indemnizarei os cuidados que lhe dispensarem e o protegerei no futuro.
A menina prometeu trazer a própria mãe, que acabava de perder um filho de alguns meses e se consideraria muito feliz em poder servir-me.
— Vai-te, então, e trá-la aqui, antes que eu volte ao palácio.
Mariana saiu correndo e eu, depois de tomar o banho, deixei-me ficar na tenda, acalentando a criança que chorava.
Acariciei-a, abracei-a, consegui acalmá-la.
Pus-me, depois, a examiná-la atentamente:
era de facto um menino de invulgar beleza, o retrato fiel do pai, e não me cansava de o admirar, assim como as aias, que se amontoavam em torno e que nada suspeitavam do meu interesse pela sorte da criança, atribuindo-o, sem dúvida, à grande beleza do pobre enjeitadinho, senão à natural ternura do coração feminino.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Dez 26, 2016 8:42 pm

Ainda o tinha ao colo, quando chegou Jocabed pálida e trémula, ajoelhando-se a meus pés e beijando o solo.
Acenei-lhe para que se levantasse.
— Nada temas, boa mulher; só te desejo o bem.
No lugar em que costumo banhar-me, as aias encontraram na caniçada esta cesta e dentro dela uma criança, que suponho seja da tua raça; isso porém não importa!
Não foi à-toa que, trazida pelas águas sagradas do Nilo, ela veio implorar minha protecção:
eu a sustentarei e reconduzirei para junto dos pais, obrigados a abandoná-la.
Leva-a contigo e amamenta-a; gratificarei bem o teu benefício.
Tirei do pescoço um camafeu pendente de uma correntinha de ouro e coloquei-o no da criança; depois, envolvi-a num xale precioso que tinha à mão.
— Dou-lhe o nome de Mesu, filho das águas, disse, e abraçando-o e alçando-o para o sol, acrescentei:
— Rá, deus todo-poderoso que me enviaste este menino, guarda-o e protege-o!
Agora, toma-o e dá-me notícias frequentes, pois breve deixarei Tanis.
Se fores a Thebas, leva-o ao palácio e serás gratificada:
Jocabed beijou-me os pés e desapareceu com o menino, enquanto eu me quedava transbordante de alegria: meu peito parecia liberto de enorme peso; tinha assegurado a vida de meu filho e poderia protegê-lo no futuro; quando reencontrasse Ithamar no reino das sombras, onde, segundo me haviam ensinado os sacerdotes, todos os homens são iguais, não haveria de corar diante dele.
Entretanto, abstinha-me com afinco de exteriorizar meu contentamento; antes aparentava cansaço e tristeza, por não poder conservar em segredo aquele ato caridoso e temia que Chenefrés, sempre desconfiado de todos os meus passos e feitos, duvidasse dessa história.
Tudo se passou, entretanto, da melhor forma que se poderia esperar.
Chenefrés não demonstrou, de pronto, qualquer contrariedade pela minha adopção.
De vez em quando, alegrava-me com a visita do pequeno, trazido por Jocabed, que declarava abertamente ser seu próprio filho, que havia assim exposto.
Nenhuma suspeita, pois, poderia despertar o meu procedimento.
Quando Moisés completou quatro anos, tomei-o comigo para educá-lo.
Não sem uma angústia interior que o mostrei a Ramsés:
mas a extrema fidalguia da criança, seu espírito, muito acima da idade que contava, agradaram ao rei, que lhe testemunhou uma grande ternura, e que se divertia, constantemente, em fá-lo conversar, provocando réplicas sempre justas e, por vezes surpreendentes para tão tenra idade.
O nobre médico e sacerdote Suanro, que ficou meu amigo, aproveitou as boas disposições do Faraó para confiar-lhe, num momento favorável, toda a verdade, e sugeriu dar ao rapazinho educação e posição adequadas, porquanto em suas veias apesar de tudo, corria sangue dos Ramsessidas, e que era imprescindível afastá-lo do povo impuro; que Ithamar havia pago com a vida a sua audácia criminosa, mas a mãe de Moisés (e no Egipto a progenitora nobilita o filho) permanecia filha de Faraó.
Ramsés acolheu de boa vontade a revelação e protegeu abertamente Moisés, que deixou de ser um galante apaniguado do paço real, para colocar-se entre as crianças que integravam a comunidade privativa dos filhos do rei.
Depois, por sua ordem, ingressou na célebre Escola da Casa de Seti, onde se educavam os homens mais eminentes e destacados do Egipto.
Vaga desconfiança da verdade surgiu, pouco a pouco, no espírito de Chenefrés, provocada pelo meu carinho e extraordinária semelhança do menino com Ithamar, a quem ele fitava com mal sopitado ódio, porque lhe faltavam as provas e a protecção ostensiva do rei impedia qualquer hostilidade à criança.
Mais de uma dolorosa cena de nossa vida íntima, fez-me, porém, pagar caríssimo a dedicação materna.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Dez 26, 2016 8:42 pm

Decorreram anos e o menino tornou-se adolescente.
Os sacerdotes de Seti não regateavam elogios às suas raras qualidades:
era zeloso, hábil, corajoso e apenas o dom da palavra fácil lhe faltava, compensada, porém, pela pena — arma principal da sua eloquência.
Sua afeição e reconhecimento para comigo eram tocantes e todo amargor que me ensombrava a existência dissipava-se-me do coração, quando, assentado a meu lado, olhos brilhantes, rosto incendido, me relatava seus sucessos no estudo, trabalhos e todos os pequeninos episódios da vida escolar.
Às vezes, parecia-me ver Ithamar ressuscitado:
o porte, os traços, as atitudes do pai e do filho eram idênticos, mas a expressão era outra: o orgulho, à empáfia, as paixões fogosas que brilhavam nos olhos brilhantes de Moisés faltavam no olhar doce e meigo do pai.
Certa feita, contou-me orgulhoso e radiante que o velho sacerdote, que lhe ensinava a ciência dos astros, havia tirado o seu horóscopo, promissor de brilhante futuro.
— “Povoarás o deserto — teria dito o profeta — sob os raios causticantes de Rá, sacrificarás milhares de vítimas; morrerás tão alto que estarás sozinho, perto das nuvens”.
Feliz pelo glorioso destino de meu filho, acariciava-lhe a negra e sedosa cabeleira, agradecendo aos deuses a evidente protecção que lhe outorgavam; mas, ai de nós, cegos mortais, não compreendíamos a ironia e irrisão amarga dessa predição, que parecia tão gloriosa.
Sim, ele povoou o deserto, lá perambulando mais de quarenta anos; sacrificou vidas a Rá, sob seus raios escaldantes, mas foram as cabeças dos revoltados do seu próprio povo; e a montanha onde morreu sozinho, coração repleto de amarguras, era alta e bem alta.
Terminado o curso, Moisés foi agraciado pelo rei com elevado cargo na Corte, mas essa bela fortuna, advinda a um homem de origem obscura, despertou inveja e surda malquerença dos senhores egípcios, que avidamente buscavam toda a oportunidade para o desacreditar perante Ramsés, encontrando em Chenefrés um activo aliado.
Todas essas misérias íntimas azedaram pouco a pouco o ânimo de Moisés; o moço jovial e diligente tornou-se sombrio, tristonho e pouco comunicativo.
Meu sonho dourado era casá-lo com uma egípcia de alta linhagem, para apagar assim, com uma aliança nobre, os preconceitos que lhe prejudicassem o futuro.
Certo, o belo homem sábio e altamente colocado, meu protegido como filho, não encontraria qualquer recusa; mas, com grande desapontamento de minha parte, ele demonstrou aversão invencível a toda e qualquer ligação, suplicando-me abandonasse a ideia de casamento.
Em compensação, passou a demonstrar profundo interesse pelo infeliz povo de que descendia.
Sempre que se aludia à condição miserável e degradada, aos trabalhos que sobrecarregavam seus irmãos, sombria e sinistra chama lhe brilhava nos olhos e os punhos se lhe cerravam.
Visitava assiduamente os pretensos parentes Amram e Jocabed, trazendo para Thebas o filho deles, Aaron, que julgava seu irmão; passava horas à fio em conversa com esse homem astucioso e genial, instruindo-o e fazendo-o contar a história do seu povo, os pormenores dos sofrimentos e humilhações que os sobrecarregavam.
Há muito que minha saúde se vinha ressentindo e era extremamente delicada.
Sentia que meu fim se aproximava e incoercível desejo se apoderou de mim, qual o de morrer lá onde havia se desencadeado o drama da minha vida.
Antes de partir para Tanis, uma intriga palaciana ocasionou novamente a Moisés um profundo desgosto.
Supliquei, então, a Ramsés que lhe desse um comando no Exército, a fim de mantê-lo afastado por largo tempo e ensejando, assim, acalmar todas as susceptibilidades.
Fui atendida.
Aliás, a ocasião era favorável, pois aprestava-se nova guerra (penso que contra os Líbios).
Satisfeita e calma, cheguei a Tanis acompanhada de Chenefrés, que, desolado com a ideia de perder-me em breve, desfazia-se em cuidados.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Dez 26, 2016 8:42 pm

Ele amava-me a seu modo, mas, seu ciúme sobreviveu aos anos.
Uma tarde, semanas após nossa chegada a Tanis, encontrava-me deitada no terraço, onde descortinava os jardins e aspirando deliciosamente o ar puro e aromatizado; os raios do sol poente douravam a copa das palmeiras e projectavam reflexos avermelhados na sombria folhagem dos bosques, iluminando fantasticamente aquele jardim tão conhecido e pleno de recordações...
Absorvia-me nas minhas reminiscências:
lá estava a janela serpenteada de roseiras, por onde chegou a mensagem de Apopi ao regaço de Asnath, há muito falecida; lá, sob o zimbório copado do caramanchão, tinha revisto Ithamar e minha imaginação recompôs o quadro dessa noite:
via-o de pé, iluminado pela Lua, tão triste e tão belo!
O coração pulsou à lembrança daquela hora deliciosa, a melhor da minha vida, porque, dominada inteiramente pelo meu amor, havia esquecido as torturas que precederam e ignorava as que deviam sobrevir...
Fui interrompida nesse enlevo por uma das aias anunciando a chegada de Moisés, procedente de Thebas e solicitando o favor de admiti-lo à minha presença.
Consenti imediatamente, porque a companhia do filho querido sempre constituiu um bálsamo para o meu coração.
Com a sua chegada, afastei todos os presentes, desejosa de ficar a sós com ele, para saber se havia algum novo aborrecimento que o obrigava a procurar-me.
Quando assim estivemos, assentou-se na almofada junto do canapé, tomou-me as mãos e beijou-as.
— Não minha querida benfeitora — respondeu — nada me aconteceu, mas por estes dias devo seguir para o meu posto no Exército, e antes de o fazer, quis rever-te ainda uma vez.
Como te sentes?
Inclinou-se ternamente para mim:
— Tens aspecto de sofrimento, muito fraca, olheiras...
oh! querida mãe, será que não te encontrarei no meu regresso?
Se já não existires, ficarei só e abandonado; quem me estimará como tu?
Com os olhos molhados de lágrimas, encostou o rosto em minhas mãos.
Qual dos viventes de hoje, pensando no grande legislador Moisés, não o imaginará um velho de aspecto majestoso e severo, impassível e implacável executor da vontade do deus de Israel, lutando de igual para igual com o altivo Faraó, cobrindo a terra egípcia de misérias e de vítimas?
Passados os séculos apenas deixaram de pé o grande profeta, que, por meios muitas vezes cruéis, soube criar um povo e fundar uma religião; mas esses séculos apagaram a individualidade do Moisés que, moço, belo e amoroso, chorava amargamente a perda da velha protectora.
Passei carinhosamente a mão por sua cabeça inclinada; ele, aprumando-se e olhando-me desesperado, murmurou:
— Estranho mistério que te inspirou a ti, soberba filha de reis, tanta afeição ao filho de uma raça detestada; tu mesma não te admiras?
Muitas vezes tenho pensado nisso.
Nesse momento, seu olhar, habitualmente sombrio e duro, fixou-se em mim, enevoado pelas lágrimas e com aquela expressão doce e meiga dos olhos de Ithamar:
Sensibilizei-me, e atraindo-o a mim, sussurrei:
— Tudo saberás: antes de morrer, desejo desvendar o doloroso passado que nos une; antes, porém leva-me para junto da balaustrada, pois aqui falta-me o ar.
Ergueu-me nos braços vigorosos e colocou-me num monte de almofadas, à borda do terraço.
Tomada de grande abatimento, perdi a voz e só muito depois pude recuperá-la.
Moisés compreendeu meu gesto e a ninguém chamou.
Tudo já se iluminava com a Lua, quando pude murmurar:
— Olha este jardim, Moisés; lá, naquele bosque de acácias, percebes um banco de mármore?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Dez 26, 2016 8:43 pm

Há muitos anos — continuei — junto desse banco estava um homem alto e belo como tu, de olhos fixos neste palácio; ele sonhava com a mulher que ali dormia, quando, repentinamente, ela surgiu diante dele; atónito, rojou-se-lhe aos pés, beijando-lhe a fímbria do vestido.
Ela, tudo esquecendo, excepto o seu amor — porque o coração não reconhece casta nem nascimento — entregou-se-lhe inteiramente.
Esse homem era teu pai, o hebreu Ithamar; a mulher era eu, Thermutis, filha de Faraó!
Moisés tudo ouvira, ansioso e opresso; às últimas palavras deu um salto e, com surda exclamação, fitou-me espantado: depois, pondo-se de joelhos, estreitou-me apaixonadamente de encontro ao coração:
— Minha mãe, tu?
E não me abandonaste, como a um ser indigno, uma nódoa da tua nobreza?
Calou-se, ensimesmado.
— Onde está meu pai?
Tu, que não abandonaste o filho, não terás renegado o pai.
E observando-me, angustiado:
— Diz-me o que é feito dele.
Talvez tenha fugido e então irei buscá-lo, trazendo-o para junto do teu leito mortuário, a fim de que o vejas pela última vez.
Nada temas pelo teu segredo, eu saberei guardá-lo.
— Filho querido — respondi beijando-lhe a fronte — brevemente verei teu pai lá onde, segundo afirmam os sacerdotes, reina completa igualdade; onde todos são criados por Osíris, dos mesmos raios da sua graça e, sem pejo, poderei reencontrar o espírito de Ithamar, porque te amparei, amei e eduquei.
A ti, fruto do nosso amor, deixo-te rico e poderoso:
tudo que te pude dar, além do meu amor materno, já te dei; quanto a teu pai, morreu apunhalado por mão vingadora, que lavou no seu sangue a honra de um Faraó.
— Ah! — murmurou empalidecendo — é então verdade que um membro de nossa família, cujo nome ninguém jamais nomeia, pereceu de morte violenta e esse, cujo nome assim se oculta, é o meu pai?
Suplico-te, mãe benfeitora, neste momento decisivo, que me relates tudo.
Inclinou-se e, em surdina, tudo lhe contei.
— Foi assim, meu filho, que nasceste junto do cadáver de teu pai — disse em conclusão — mas, se me amas, não indagues jamais, quem o matou.
Basta que te diga que foi tudo obra da vontade real.
Eu não queria que ele matasse Chenefrés, se um acaso lhe deparasse a verdade, pois notei a exaltação febril com que ouvia.
Levantou-se arrebatado, olhos brilhantes, elevando as mãos crispadas:
— Oh! Eu te vingarei!
Ouve o que te digo, espírito de meu pai!
Vingar-te-ei, sim, não num homem, mas quebrando o jugo que pesa sobre o nosso desgraçado povo e que o faz miserável e desprezível.
Lutarei por ele, dar-lhe-ei a independência.
O suor não mais escorrerá da fronte dos meus irmãos, na terra da servidão; ninguém mais se envergonhará de apertar-nos a mão, e tempo virá em que todos se curvarão muito baixo diante desse povo desprezado, que há de governar o mundo.
Essa a minha vingança pelos sofrimentos que temos suportado.
Oh! pais infelizes!
E desse modo, cumprirei a profecia do meu destino: sim, povoarei o deserto fundando um grande povo, morrerei acima do comum dos mortais, no trono de Israel, donde governarei com sabedoria e clemência.
Calou-se como que sufocado.
A palavra, comumente lenta e difícil, vinha-lhe vibrante e rápida.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Dez 26, 2016 8:43 pm

Escutava-o perturbada e inquieta, quando um raio do sol despontou, iluminando com rósea auréola o semblante pálido de Moisés, que continuava de olhos postos no céu, em suprema exaltação.
Estremeci.
Rá, cujos raios dourados tinham saudado seu nascimento, tê-lo-ia ouvido e santificado as palavras?
Não tive tempo de raciocinar:
sacudida por tantas emoções, perdi os sentidos.
Ao voltar a mim, Chenefrés estava junto do meu leito e Moisés se inclinava para despedir-se.
Pela última vez2, beijou-me as mãos e saiu.
Meus olhos materiais não tornaram a vê-lo.
Depois desse dia, entrei a definhar; não mais me levantei, aguardando a morte a cada momento.
Finalmente, uma tarde em que de novo me encontrava deitada no terraço, a inquietação, que me afligia desde pela manhã, transformou-se em frio glacial, invadindo-me todos os membros; tudo turbilhonava em torno de mim, como iluminado pelas chamas de um incêndio; depois, um choque violento me aturdiu.
Ao recuperar a consciência, notei que flutuava num espaço azulado e transparente, revestida de uma túnica impalpável e nebulosa; extenso raio luminoso, como de sol poente, incidia sobre mim e, nessa trama de luz, alçava-me com espantosa rapidez.
Vou para Rá, pensei...
Depois, o coração se confrangeu.
É o julgamento, os irredutíveis juízes do reino das sombras vão pesar-me o coração e os actos.
Nesse instante de temor, surgiu um ser luminoso, cujo semblante calmo e majestoso exprimia mansidão:
— Thermutis — manifestou em pensamento — antes de compareceres a julgamento, vai reunir-te àquele que foi teu filho, protege-o, inspira-o, que teu amor o ampare nas tentações e o auxilie a vencer a si mesmo, porque grande é a sua prova.
Tal é, no momento, tua missão terrestre.
O espírito luminoso desapareceu e voltei para junto daquele a quem na Terra tanto amara.
Sombra fiel, acompanhei-o na guerra, que lhe foi desfavorável; reveses que a maledicência dos inimigos atribuiu, não a circunstâncias difíceis, porém à incapacidade do hebreu elevado a condição imerecida.
Ao patente descontentamento que lhe demonstrou o rei por ocasião do seu regresso, opôs uma fria indiferença.
Com tristeza, vi uma nuvem de amargura entristecer-lhe a alma; julgava-se apenas elemento exótico e afrontoso nessa Corte, onde acreditava dever brilhar em primeiro plano; e pouco a pouco, o ódio mal contido contra o Egipto e os Ramsessidas foi engrossado por desmedida ambição.
Não podendo apoderar-se da coroa do Faraó, resolveu fazer-se rei do povo desprezado, mas numeroso, ao qual pertenceu o pai; como seu chefe, imaginava escarnecer e punir os egípcios, esquecendo que o sangue destes últimos corria igualmente em suas próprias veias.
Aferrou-se a essa ideia devotando-lhe todas as forças do seu génio e todos os recursos do seu saber.
Estava, porém, sozinho; quanto mais os planos ocultos o colocavam em contacto com os hebreus que desejava libertar, mais os sentia indolentes, poltrões, falsos e pérfidos.
Fora outro, que não esse homem de vontade férrea, e teria desanimado.
Ele, porém, apenas se irritava.
Decidiu portanto que, pelo terror e implacável crueldade, disciplinaria aquela raça embrutecida, inoculando-lhe coragem.
Para ficar mais no centro das operações, retirou-se para Tanis, passando a viver numa propriedade que eu lhe legara.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Dez 26, 2016 8:43 pm

Chenefrés também residia na mesma cidade, desde que faleci.
Separados, entretanto, por invencível inimizade, raramente se avistavam.
Um dia, Moisés que gostava dos lugares onde eu vivera, quis dar um passeio solitário pelos jardins do palácio.
Para lá chegar, teve de atravessar um vinhedo que me havia pertencido e onde os trabalhadores hebreus estavam colhendo uvas sob as vistas dos guardas; de repente, num recanto afastado, viu um semita que se esforçava para erguer um pesado cesto, enquanto o guarda, impaciente com a lentidão do servo, lhe aplicava umas bastonadas.
Surpreendendo a cena, o sangue lhe subiu à cabeça já incandescida, e desferiu violenta bengalada na fronte do feitor, egípcio, que tombou morto.
Caindo em si e prevendo as consequências, arrastou o cadáver para uma vala cobrindo-o de terras e folhas secas.
Quando, justamente, se voltava para retomar seu caminho, surgiu Chenefrés.
Moisés estacou de braços cruzados e o trabalhador fez menção de suspender o cesto.
O velho aproximou-se e, notando a mancha de sangue no solo, perguntou com severidade:
— Que é isto, hebreu?
Onde está o feitor?
Aterrorizado pelo olhar do patrão, o judeu prostrou-se em terra e, apontando Moisés, exclamou angustiado:
— Quem o matou foi ele quando me castigava, mas eu bem mereci as pancadas e jamais ousaria erguer a mão para o meu bom e nobre vigilante; perdão! perdão! sou inocente e não sei por que aqui se meteu este desconhecido.
Moisés recuou como se houvesse recebido uma punhalada em pleno peito.
O povo que ele queria libertar era falso a ponto de trair seu defensor!...
Depois, com olhar inflamado, caminhou para Chenefrés:
— Sim — disse — fui eu o assassino!
— Some-te da minha vista, estúpido miserável! — contestou o egípcio ao servo com gesto de contrariedade.
E o hebreu se eclipsou qual sombra.
Uma vez a sós, os dois homens se mediram de alto a baixo com olhar odiento.
— Eis o povo que pretendes libertar para erguer um trono, no qual reinarás com sabedoria e clemência — disse Chenefrés com ironia; há muito que te observo e somente a memória daquela que me foi cara e que, na sua fraqueza, revelou tua origem, me impede denunciar ao Faraó o traidor que maquina revoltar-lhe os súbditos para fundar um reino, babes, também, como a lei pune um hebreu pela morte de um egípcio; vai-te, pois, carrega teus camelos de tudo quanto te convenha e ganha as fronteiras.
Que jamais teus pés palmilhem o solo egípcio, se tens amor à vida!
Olha — acrescentou com zombaria — há povos selvagens, que poderás vencer e disciplinar; não desanimes, pois, de cingir uma coroa.
Por enquanto, vai-te.
Que não te veja nunca mais.
Justificarei tua fuga pela morte do egípcio, para te furtar ao castigo.
O velho odioso calou-se, lançando um olhar de desprezo ao inimigo enfim suplantado, voltou-se e desapareceu.
Fremente de raiva, e com o cérebro convulsionado, Moisés retomou inesperadamente o caminho de casa.
Desta vez estava perdido; seus planos desmascarados, e seu último colóquio comigo surpreendido.
Sem perda de tempo, carregou alguns camelos com os seus tesouros mais valiosos e, mal anoitecera, abandonou Tanis, seguido apenas de alguns fâmulos.
A Lua iluminava a estrada por onde seguia a pequena caravana.
Montando um camelo, Moisés ia sombrio e silencioso.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Dez 26, 2016 8:43 pm

A certa altura, parou e ficou a contemplar a enorme cidade, que, com os seus palácios, jardins e templos grandiosos, estendia-se a perder de vista, cortada pelo Nilo, qual larga faixa de cristal, reflectindo nas águas prateadas os leques de palmeira despontados da massa os sicómoros marginais.
Sentindo dilacerar-lhe o peito, Moisés não podia desprender-se daquele quadro, como se o menor detalhe se lhe incrustasse no coração de proscrito e desterrado.
Cumpria-lhe abandonar o país natal, essa terra egípcia, desbordante de actividade e riqueza, de ciência e grandiosidade.
Oh! como esse instante lhe pareceu tão caro!
Dentes trincados recalcou a emoção e, fechando os punhos, murmurou:
— Voltarei...
E então, Egipto, tu e teu Faraó me pagareis este momento!
Nos primeiros dias de viagem o exilado, apesar dos sombrios pensamentos, devia cogitar do próprio destino, e de pronto o seu enérgico espírito traçou o plano a seguir.
Lembrou-se de um velho, que havia encontrado em Thebas e a quem albergara.
Esse homem lhe havia falado de um longínquo e fantástico país, como tendo sido o berço da ciência e das leis do Egipto; lá, aquele refugiado tinha sido sacerdote; mas, por causa de um crime e após longa viagem, aportara a Thebas.
Nesse rico país, de uma fertilidade desconhecida, templos mais antigos que os do Egipto guardam documentos velhos como o próprio mundo, ciência e segredos em face dos quais os mistérios em que fora iniciado empalideciam.
Para lá, para aquela índia distante, é que ele agora desejava ir; lá encontraria o saber e as armas que lhe possibilitaria combater vitoriosamente o Faraó e libertar e disciplinar os hebreus.
Não entrarei nos pormenores dessa viagem de contratempos e perigos; apenas direi que Moisés alcançou a Índia e encontrou num velho brâmane um amigo, um mestre e um conselheiro.
Invisível, mas fiel companheira do ser amigo, vi-o dedicar-se ao estudo com todo o ardor do seu carácter, ouvindo e anotando, cuidadosamente, tudo que o bondoso instrutor lhe traduzia dos antigos Vedas, sobre a divindade e a origem do mundo.
Na solidão do seu retiro rodeado por luxuriante vegetação, palestrava com o velho sábio e mentor.
Moisés tudo lhe confiou:
passado, vida, planos de vingança, e o indiano de barbas e cabelos brancos, cujo olhar entretanto conservava todo o fulgor da mocidade, o aconselhava e instruía, ministrando-lhe profundo saber e experiência.
Um dia em que Moisés se referiu mais longamente aos egípcios e hebreus o indiano lhe disse:
— Filho, queres fundar um reino, libertar teus irmãos oprimidos e reuni-los num povo que se subordine à tua vontade e obedeça às tuas ordens; para consegui-lo, deves dar-lhes leis adequadas, pois cada nação, como cada indivíduo, tem necessidade de um regime próprio à sua índole.
Os egípcios são sábios, fortes, disciplinados; os hebreus, indolentes e embrutecidos pelo cativeiro; mas, tanto uns quanto outros têm a cabeça aquecida pelo vosso sol causticante e temem o que não compreendem; assim, se souberes empregar as forças da natureza por eles ignoradas poderás pelo medo forçar os egípcios a consentirem na libertação do teu povo e este a te seguir, porque os hebreus sentir-se-ão fortes com o poder misterioso e terrível do seu chefe.
— Oh! - atalhou Moisés, de olhos brilhantes - ensina-me a empregar essas forças, inicia-me nos mistérios que ignoro, grande servidor de Brama!
— Fá-lo-ei, porque essa é a vontade dos invisíveis — respondeu simplesmente o velho sábio — mas agora ouve meus conselhos:
nas leis que destinares a teu povo, adapta às suas necessidades o que te ensinei dos Vedas; rejeita o supérfluo, simplifica o incompreensível, porque, para as massas ignorantes e embrutecidas por séculos de opressão, as leis devem ser concisas e de tal modo simples, que, desde o mais sábio ao mais inculto operário, possam compreendê-las e senti-las pelo coração.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Dez 26, 2016 8:44 pm

A mente não deve ser sobrecarregada de coisas supérfluas.
Reflecte, pois, para que na codificação das leis sociais e morais, que devem fundir teu povo num só homem, a submissão ao chefe não seja descurada; tudo deve tender para esse fim e, portanto, nada de rivalidades nem no céu, nem na Terra; uma divindade única, da qual procedem todas as forças da natureza; um Deus senhor do céu e da Terra, única fonte de autoridade, dispensadora de sabedoria, poder, perdão e castigos, diante do qual todos se dobrem.
A divindade deve ser temida e venerada; seu nome pronunciado na angústia e na necessidade, deve fazer tremer o coração dos mortais; portanto, a adoração dirigida a Deus não deve esquecer os deveres a que estão sujeitos os homens para sua própria subsistência; estabelece, pois, um dia consagrado à divindade, que será observado escrupulosamente, porque a carne gosta da moleza, o corpo do repouso e orar é mais fácil que trabalhar.
A velhice deve ser honrada e a mocidade sujeita à sua vontade e conselho; os pais amados e respeitados, devem receber, na velhice, a afeição e os cuidados que receberam na mocidade; este preceito é o fundamento da família e aquele que o praticar terá um destino feliz.
Repetiam-se essas conversações com frequência, e pouco a pouco amadurecia o gigantesco plano que deveria libertar o povo hebreu e ferir os egípcios.
Moisés aprendia a manejar as forças da natureza e foi iniciado num grau mais alto do que o conquistado no Egipto, sobre os fenómenos que vós, encarnados atuais, chamais de espíritas.
Quando, pela primeira vez, lhe apareceu uma visão verdadeiramente divina, prostrou-se e perguntou com fé e humildade se devia libertar seus irmãos, e a voz celeste daquele que não deseja reinar senão pela caridade e pelo amor, respondeu-lhe:
— “Vai, mas realiza o que pretendes pela bondade, nunca pela morte ou flagelos, nem para erguer um trono à tua ambição, mas para seres o amigo, o pai indulgente desse povo; e se for preciso, para sofrer com ele:
então, serás eleito e cumprirás dignamente tua missão”.
Dominado por essa bondade sobre-humana e sob a impressão do momento, Moisés conformou-se.
Cedo porém, sua alma violenta recuou; queria vingar-se, depois reinar, dominar e punir, caso não fosse obedecido.
Este desejo lhe dominou o espírito e assim foi que deixou a índia e viveu no deserto, amadurecendo e preparando o gigantesco plano que executou gloriosamente, arrancando seu povo da dominação egípcia, o que foi conseguido, porém com o sacrifício de milhares de vítimas.
Teve, de facto, um povo; mas, para firmar sua soberania, precisava dominar as almas e isso não podia obter senão à custa do terror extra-terrestre.
Tornou-se, pois, o intermediário directo entre Deus e o povo eleito de Jeová.
Por sua boca, o Eterno dispensava graças e punições; por suas mãos, dispunha das forças da natureza e, entretanto, apesar dessa força e da sua ciência, permanecia impotente diante das leis imutáveis da terra; o calor, as moléstias, as privações das massas humanas que, arrancadas do meio habitual, erravam extenuadas e desconfiadas sob os ardentes raios de um sol tropical; compreendia que precisava conquistar uma terra fértil e cómoda para fixar nela esse povo e elevar o próprio trono.
Se estivesse à frente de aguerrido e disciplinado exército, qual o egípcio, a empresa ser-lhe-ia fácil; mas, agora, comandava milhares de escravos preguiçosos, poltrões, sempre descontentes, e não soldados.
Enraivecido, compreendeu que o plano tão habilmente arquitectado nos templos da índia e na solidão do deserto, cuja execução lhe parecera tão fácil, arriscava-se a fracassar mediante a inépcia desse povo pérfido e ingrato, que, como todos os ignorantes, nada mais sabia fazer que murmurar e revoltar-se.
Resolveu, então, desbastar as fileiras compactas da velha geração e, por ordem de Jeová, tingiu de sangue as areias do deserto, como já havia semeado de cadáveres as terras do Egipto...
Foi com grande tristeza e pungente dor, que acompanhei o filho bem-amado, surdo à minha débil voz e ao qual buscava inspirar os sentimentos de caridade e perdão.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Dez 26, 2016 8:44 pm

Sombria noite baixou, pouco a pouco, sobre essa alma grande e generosa, mas toldada pelas fraquezas humanas.
Não obstante, criou ele o admirável código de leis morais e sociais que, com o tempo, forjou essa nacionalidade indestrutível e que, vencendo as vicissitudes de três mil anos, dispersada entre todos os povos da Terra, permanece de pé como um monumento do seu génio.
Ainda ninguém ao ler a história do povo de Israel, tentou aprofundar o estado d’alma desse homem extraordinário, que, sábio e espiritualizado entre todos, convivendo em palácios, habituado ao requinte social e aos prazeres intelectuais de uma sociedade culta e elegante, errava ano após ano, nas planícies áridas, no convívio de um povo selvagem, lutando contra perpétuas revoltas, cercado pela inveja e ingratidão até dos próprios parentes, forçado a aguardar que desaparecesse essa velha geração, substituída por outra educada em novos moldes, que produzisse bons frutos aos seus sucessores; a ele, entretanto, estava apenas reservado dominar pelo terror, punindo os desobedientes em nome de Jeová.
Essa perpétua mentira das suas relações directas com a divindade em cada um:
de seus actos constituiu, pouco a pouco, o suplício da sua vida, porque Moisés acreditava, realmente, no grande criador do universo, incompreensível à débil razão humana:
conhecia as relações com o mundo invisível e, para obter fenómenos mediúnicos, tomava as necessárias precauções para a realização das sessões.
Seus conselheiros eram, entretanto, espíritos ambiciosos e enganadores, e o temor da sua grande responsabilidade fazia-se cada vez mais pesado.
Esse grito de desfalecimento da sua alma de escol, conservou-se mesmo na antiga crónica dos hebreus, onde diz que o Eterno, em sua cólera pela desobediência do enviado, o condenava a ver a Terra Prometida, sem pisá-la.
(Sem dúvida, não podendo confessar o verdadeiro motivo da cólera celeste, deu-lhe esse fútil pretexto.)
O orgulho e ambição aumentavam-lhe o sofrimento.
Qual não seria a satisfação dos egípcios, sabendo que o insolente hebreu ainda vagava no deserto, sem asilo e sem pátria!?
A taça de ouro que o Faraó desesperado lhe atirara não se encheria mais de vinho, como dissera empertigado ao apanhá-la; a tumba húmida do pobre Mernephtah não lhe havia dado um reino, o trono tão ambicionado não encontrava onde erguer-se e se perdia na bruma longínqua.
Sacrificando energias, saúde, inteligência, ele regava com o suor do rosto a seara que um David, um Salomão, deveriam colher.
Eu tinha o coração dilacerado, acompanhando, como testemunha invisível e impotente, o pesado encargo espiritual do filho querido, que tanto sofria por sua própria culpa.
Durante aqueles longos anos de trabalho e lutas, o organismo se lhe esgotava, envelhecia a olhos vistos; a eternidade batia à porta do asilo terrestre e ele a desejava, em penhor de libertação.
Ao sentir aproximar-se o fim, reuniu o povo e dele se despediu.
Queria morrer isolado, cercar sua morte de uma auréola de mistério, mas mesmo isso não passava de última expressão de orgulho.
Propalou que Jeová o havia chamado e proibiu, a quem quer que fosse, acompanhá-lo.
Sozinho, então, subiu a montanha e, chegando ao cume, parou fatigado; braços cruzados sobre o largo peito, contemplou a imponente paisagem que sé descortinava a seus olhos, iluminada pelos raios do sol poente; com olhar colérico, fixou um instante os pontos negros que, na planície, localizavam o povo hebreu; apurou o ouvido aos variados ruídos do campo, que até ali chegavam em surdo murmúrio.
Com profundo suspiro, voltou as costas; a idade havia-lhe enrugado a fronte e encanecido a espessa cabeleira; não era mais aquele moço que, no terraço do palácio de Tanis, exaltado, dos olhos coruscantes, estendera os braços para o sol nascente e jurara libertar seu povo, elevando um trono.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Dez 26, 2016 8:44 pm

Triste sorriso descerrou-lhe os lábios:
— Astro que minha mãe adorava, tu não mentiste ao meu destino!
O homem cego é aquele que interpreta as profecias segundo o grau de sua ambição.
Foi claramente dito que eu povoaria o deserto, que o sangue das vítimas tingiria as areias da planície e que eu morreria só, muito alto, muito alto...
Esta montanha não será, acaso, um trono preparado pelo Todo-Poderoso?
Deitou-se, recostando-se numa pedra e fechou os olhos.
Então, diante da retina espiritual, passou-lhe como em sonho, a vida inteira, a radiosa infância no palácio da maravilhosa Thebas; descuidosa juventude na Escola da Casa de Seti, onde adquiria o saber que, mais tarde, haveria de ajudá-lo a praticar tanto mal.
Onde estariam agora os seus mestres, os companheiros de jogo e de estudos?
Oh! Mais de um havia perecido nas calamidades que assinalaram a saída do seu povo; e aquela mãe adoptiva, sempre tão indulgente, também havia desaparecido qual sombra e, com ela, o anjo tutelar.
Depois, reviu o exílio, a fuga clandestina de Tanis, a Índia, essa terra encantada onde pode repousar na ciência e no estudo, mas onde a ambição o escravizara; depois, o retorno, a luta com Mernephtah.
Com dolorosa emoção, pareceu-lhe assistir novamente à destruição do Faraó com seu exército e, em seguida, aos massacres intermináveis dos seus hebreus revoltados.
Apreensiva e amorosa, eu observava-o, tal como na época em que os raios do sol nascente lhe iluminavam o berço.
Então, ele entrava no, mundo material de provas e tentações; agora voltava para o dos espíritos e das responsabilidades efectivas.
Envolvendo em véu cinzento o cume da montanha, elevava-me a neblina da tarde.
Peito oprimido, Moisés respirava com dificuldade, com olhos desmesuradamente abertos.
Sua vista espiritual, aguçada pelo próximo desprendimento, lobrigava na bruma acinzentada seres transparentes, entre os quais eu figurava à frente.
Da planície, parecia-lhe subir uma enegrecida e tumultuosa massa.
Estremeceu... ajoelhou-se com dificuldade, elevando aos céus os braços outrora vigorosos; do coração brotou ardente e ansiada súplica:
— Infinitamente grande e poderoso criador e director do Universo, perdoa o me haver servido do teu nome e da tua vontade para satisfazer minha ambição pessoal; não te apartes de mim, ouve minha prece.
Mas, a massa turva se aproximava envolvendo-o nas suas vagas, qual as de um mar encapelado.
Entre os milhares de seres flutuantes que a compunham, ele reconheceu o Faraó Mernephtah e seus guerreiros cobertos de algas e espumas marinhas; um grupo, não menos numeroso, se constituía dos egípcios vitimados no massacre dos recém-nascidos e de seus pais.
— Restitui-me a vida destruída e o túmulo honrado, — sussurravam, os lábios pálidos de Mernephtah; mostra-me o Jeová que te enviou.
— Restitui-nos nossos filhos — murmuravam os outros.
E nova massa avançava, hedionda, encharcada de sangue:
— Foi para nos massacrar impunemente que nos iludiste e levaste para o deserto; onde está o Jeová que te ordenou?
As sombras vingadoras se agrupavam ao redor dele, inclinando os rostos crispados, decompostos, sufocando-o com o hálito fétido; a coroa mística do alto e baixo Egipto, que ornava a cabeça transparente de Mernephtah, oscilava, parecendo pender sobre ele, comprimindo-lhe o peito como se fora uma montanha.
Moisés deixou-se cair com surdo estertor e apoiou a cabeça numa pedra que se encontrava perto, última almofada do primeiro rei de Israel; um suor glacial banhava-lhe o corpo...
E estava só!
Mão alguma havia para enxugar-lhe a fronte; nem uma gota d’água para refrescar-lhe os lábios ressequidos.
— Oh! Jeová! — murmurou o moribundo — alivia-me e perdoa meus erros; sempre proclamei tua grandeza e sabedoria; em teu nome ensinei o bem e reprovei o mal; julga-me, pois, com clemência.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74020
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - O FARAÓ MERNEPHTAH / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 7 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum