Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Página 1 de 9 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:13 pm

Romance de Uma Rainha
(La reine Hatasou)
Wera Krijanowski

Pelo Espírito J. W. Rochester

ÍNDICE DO VOLUME PRIMEIRO

Primeira parte: Deir-el-Bahari
     I - A festa do Nilo
     II - O banido e sua irmã
     III - A múmia dada em penhor
     IV - Na pesquisa da verdade
     V - Neith no templo de Hator
     VI - O príncipe hiteno
     VII - Abracro
     VIII - Sargon no palácio da rainha
     IX - Núpcias e luto no Egipto
     X - Rainha e mãe
     XI - Novidades em casa de Tuaá
     XII - Em Bouto

Segunda parte: O bruxo de Mênfis
     I - A rosa vermelha
     II - As aventuras do colar encantado
     III - O palácio do enfeitiçador
     IV - Horemseb e o seu feiticeiro
     V - O beijo mortal
     VI - Os projectos de Neftis
     VII - Hatasu sob a acção do feitiço
     VIII - O enfeitiçador em Tebas
     IX - Frutos da estada de Horemseb em Tebas


Última edição por Ave sem Ninho em Seg Jan 30, 2017 11:41 pm, editado 1 vez(es)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:13 pm

Primeira Parte - Deir-El-Bahari

NOTA DO ORIGINAL FRANCÊS
- Deir-El-Bahari deve ser considerado na classe daqueles que, fora de Tebas, não se encontra em parte alguma e em qualquer época.
Se Hatasu nele não perpetuou tudo quanto fez durante o seu reinado, esse templo está para ela quanto Ramesseum está para Ramsés II (que erigiu notabilíssimos templos).
Tal monumento apresenta um conjunto único, sem similar exemplo no Egipto, construído que foi em forma de terraços superpostos, com uma aleia de esfinges precedendo-o.
Força é convir em que Deir-El-Bahari constitui bem estranho monumento e em nada se assemelha a um templo egípcio:
todas as hipóteses concordando em que a construção em terraços foi adoptada para utilizar a disposição natural do terreno e para economizar enormes trabalhos ficam comprovadamente anuladas, tendo-se em vista que outros templos, maiores ainda, foram erguidos em terrenos mais escarpados, e a rocha resolutamente aplainada para converter-se em plano horizontal.
O extraordinário conjunto de Deir-El-Bahari permanece um enigma.
Houve nele influência estrangeira?
A qual dos países, então conhecidos do Egipto, se tomou a ideia aplicada nele exclusivamente?
A época a que remontamos, com os Tutmés, torna quase impossível a resposta a tais perguntas, e só nos resta, aguardando a solução do problema, olhar o monumento no grau de excepção e acidente único em toda a vida arquitectónica do Egipto.
      (Extraído de Deir-El-BaJiari, por Mariette.)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:14 pm

I - A FESTA DO NILO
Qual um raio de sol, o homem surge na Terra para espalhar luz momentânea na sua enganosa superfície e desaparece, qual raio de sol, sem deixar vestígio.
ROCHESTER

Os reinados dos Faraós da 18ª dinastia representam uma das mais brilhantes épocas da História do Velho Egipto.
A expulsão dos Hyksos(1), a união das duas metades do reino sob um ceptro único e as campanhas vitoriosas desses empreendedores e cavalheirescos soberanos haviam dado novo surto às artes, às ciências e à indústria.
A Ásia, conquistada e constituída tributária dos Faraós, trazia tesouros desconhecidos até então, introduzindo com eles grandes refinamentos nos costumes e exorbitante luxo.
Releva notar que os historiadores eruditos não simplificaram para Hatasu o nome deste Faraó feminino, pois o verdadeiro é bem mais complicado:
Hatshopsuitu (Maspero) Ha’tcftepsut (Oncken), Hat-shepsut (Ad. Erman), etc. Cesar Cantu (tradução portuguesa) é quem regista a simplificação Hatasu.
Os Hyksos, no seu domínio, infligiram aos egípcios espantosos massacres, pilharam e destruíram quanto lhes foi possível, inclusive templos, impondo aos conquistados bárbaro regímen de opressões e violências.
No dia em que começa a nossa narrativa, a maior e alegre animação dominava nas ruas de Tebas.
A antiga Capital, ampliada e aformoseada por Tutmés I, pai dos soberanos de então, havia sido ornada com os seus mais belos enfeites; em todas as portas das casas, pintadas de vistosas cores, balouçavam guirlandas de verdes folhagens; flores engalanavam as balaustradas dos telhados planos e enroscavam em torno dos mastros fincados à frente dos palácios; por toda parte música e cantares; a multidão jubilosa, em trajes festivos, atravancava as ruas.
Festejava-se a festa do rio Nilo, do qual as águas fecundantes transbordavam, inundando os campos ressequidos, prometendo assim um ano fértil e de abundantes colheitas.
Às bordas do rio sagrado comprimia-se a mole humana mais compacta, adensando-se ainda mais, de minuto a minuto, pressionando-se para maior aproximação a uma larga escadaria de pedra, junto da qual estava amarrada grande barca, dourada e embandeirada, com enorme séquito de outras embarcações, também ricas e elegantes, ainda que, no momento, estivessem ocupadas unicamente pelos respectivos remadores.
Não distante desse centro de curiosidade e atenção havia uma segunda descida, privativa sem dúvida da nobreza e de outras personalidades distintas, por isso que, ao término dos degraus, se grupavam as embarcações mais belas e engalanadas.
Precisamente em tal momento, um amplo barco empavesado, ostentando à proa uma flor de lótus dourada, aproximava-se célere ao impulso de remeiros negros, vestindo túnicas brancas e bonés listrados.
Sobre um dos bancos, cobertos de valiosos tapetes, estava sentado um jovem de elevada estatura, esbelto e vigoroso, cujo rosto bronzeado era regular, mas em cujos lábios finos, olhos sombrios e profundos, se denunciavam tenacidade, dureza e paixões concentradas.
Ricamente vestido, um colar de ouro lhe fazia várias voltas em torno do pescoço, e, no cinto feniciano que lhe contornava o talhe, um punhal de cabo lavrado.
Quando o barco se avizinhou do desembarcadouro, ergueu-se o jovem e, punho apoiado no quadril, começou a examinar os que chegavam e se premiam na escada.
Nesse instante, de um carro que se detivera na margem do rio saltou jovem oficial que, atirando as rédeas ao condutor, desceu os degraus a correr.
— Bom dia, Hartatef — exclamou em voz clara e alegre —, podes dar-me um lugar no teu barco?
— Sem dúvida, com prazer; mas, eu te julgava de serviço -— respondeu Hartatef, com um aperto de mão ao recém-vindo.
— Libertei-me para estar contigo e espero que não se assinale a minha ausência no cortejo -— disse, rindo, o oficial.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:14 pm

— Estou de acordo.
Mas, e os teus parentes, Mena?
Já é mais do que tempo de tomar colocação.
Vês, Hatasu (que os deuses a protejam!) vai chegar, os batedores já desviam a turba para abrir passagem ao cortejo.
— Quando deixei a casa, Pair e os rapazes já estavam trajados, mas as senhoras pareciam intermináveis nos seus arranjos.
A esse respeito, são incorrigíveis.
— E Neith(2), está bem?
— Vicejante e bela qual uma rosa, o que poderás constatar, pois ei-la que chega, com Satati — respondeu Mena, apontando com a mão duas elegantes liteiras que se viam conduzidas quase em carreira.
Como que electrizado, Hartatef saltou do barco e correu ao encontro das liteiras, que então se detinham.
Da primeira delas, desceu lestamente um homem quarentão, seguido de dois rapazinhos, de 14 e 10 de idade; na segunda, estavam sentadas duas mulheres, sendo que uma aparentava 35 de idade e cujo insignificante rosto espelhava grande doçura, enquanto o fulgor sorrateiro e mau que por vezes se lhe irradiava dos olhos pardos, embaciados e à flor das órbitas, desmentia a aparente bondade.
Vestia-se com estudada simplicidade e apenas algumas jóias de alto preço denunciavam hierarquia social e riqueza.
A jovem a seu lado mostrava escassos 14 de idade.
Talhe franzino, membros delicados, tez ligeiramente brunida, de admirável brancura, seus grandes olhos negros chamejantes, dando realce ao rosto arredondado, atestavam que voluntariosa e apaixonada alma animava aquele corpo quase infantil.
Trajava totalmente de branco; largo diadema incrustado de esmeraldas sustentava a opulenta cabeleira negra, e um colar, cinto e braceletes, também de esmeraldas, completavam seus enfeites.
— Bom dia, Satati; bom dia, Neith —- disse Hartatef, ajudando ambas na descida, e simulando não perceber o ricto desdenhoso de Neith ao corresponder à saudação.
— Atrasamo-nos um pouco e te fizemos esperar-nos porque fomos forçadas a um desvio de caminho, dado o congestionamento do trânsito nas ruas — explicou Satati, subindo para o barco, onde sentou próxima do esposo, Pair.
Hartatef apressurou-se após ele e, sem pedir o consentimento de Neith, que a seguia imediata, ergueu esta nos braços e a depôs no banco onde ele devia sentar-se.
— Detesto que me prestem serviços não solicitados — disse a jovem, descontente e erguendo-se.
Vou sentar-me entre Assa e Beba.
— Não te entregues a caprichos agora, nem faças excursões que nos possam fazer virar a embarcação — repreendeu Pair.
Olha, a rainha vai chegar.
Hartatef parecia não ter ouvido; sentou-se ao lado de Neith e ordenou aos remadores:
— Vamos!
Nesse momento, houve tumulto. Todos os olhares se voltaram para a margem do rio e gritos estrepitosos abafaram quaisquer ruídos: sobre a escadaria apareceu o início do cortejo.
Sacerdotes, dignitários e oficiais desciam em perfeita ordem e instalavam-se nas embarcações, formando semicírculo em redor da que se destinava à soberana.
A seguir, cintilando ao Sol, surgiu uma liteira aberta, dourada e marchetada, como que emergindo de uma floresta de leques de plumas e estofos encimados em hastes douradas também.
Sobre esse trono, apoiado aos ombros de 12 homens, sentava-se Hatasu, a ousada filha de Tutmés I, aquela que, a mãos firmes, se havia apossado das rédeas do governo, concedendo a seu irmão, Tutmés II(3), apenas uma situação assaz subalterna.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:14 pm

A rainha, ainda jovem, era delgada e de compleição mediana; seu belo rosto, de tez morena, traços regulares, era severo e arrogante; a boca, de cantos contraídos, ajudava a exprimir desmesurado orgulho; mas, o carácter todo particular da sua fisionomia sintetizava-se nos grandes olhos negros, de um brilho magnético difícil de suportar.
Ora chamejante de energia e audácia, ora impenetrável e gélido, seu estranho olhar agia subjugante sobre quem fixava.
Trajando túnica branca, ricamente bordada, manto de púrpura preso às espáduas por presilhas de ouro, ostentava na cabeça a dupla coroa dos soberanos do Nilo, e na destra empunhava o ceptro e o látego, insígnias da autoridade suprema.
A liteira deteve-se próxima da escadaria.
A rainha, descendo-a, tomou lugar na embarcação, na cadeira que lhe era destinada, sob dossel, movimentando-se, em seguida, o cortejo pelo rio, em direcção ao templo de Amon.
Entre as barcas que tinham colocação no séquito real contava-se a de Hartatef, na qual reinava calma, por isso que a versátil Neith readquirira o bom humor e examinava, com interesse, os inumeráveis barcos que enxameavam o Nilo, permutando saudações a cada instante com as pessoas do seu conhecimento.
Meio afastada do vizinho de lugar, parecia não conceder a mínima atenção à palestra deste com Pair e Mena, embora, em verdade, não perdesse uma única palavra de tal conversação.
— Enquanto permanecerdes no templo, terei necessidade de vos deixar, meus amigos -— dizia Hartatef -—, porque, sabeis, foi trazida do mar uma parte dos navios que Hatasu fez construir, para longínqua expedição ao país do Poun(4) que ela projecta, o que também não ignorais.
Hoje, depois da cerimónia, deseja inspeccionar pessoalmente essa frota, e ali devo recebê-la.
— Forçoso é confessar que a nossa rainha (os deuses lhe conservem vida longa!) é bem extraordinária mulher.
Que planos idealiza!
Com que ousadia adopta as ideias novas, do que dá testemunho o túmulo que fez construir, obedecendo a traçado em absoluto diferente daqueles que os deuses e o uso consagraram — disse Pair, cuja fisionomia, de natural um tanto simplória, exteriorizava profunda admiração.
— Oh! Sim!
Eis um monumento que tem feito amargar aos nossos sacerdotes e arquitectos -— comentou Hartatef, com risada estridente e seca— - mas o Faraó Hatasu (os deuses lhe dêem glória e saúde) é dotado de uma vontade ante a qual é mister curvar-se ou sumir, e a construção avança de tal maneira, sob a direcção de Semnut, que estará em breve terminada.
— Diz-se que Tutmés II está muito mal, e sua morte não pode tardar muito -— replicou Pair —, e estou curioso de saber o que a rainha fará então: deixará no exílio de Bouto ou fará regressar o moço cujo direito ao trono é indiscutível?
Sim, porque ele é o filho do falecido rei.
— São questões, meu bom Pair, das quais não nos convém tratar; aos deuses e aos nossos soberanos, seus representantes, cabe decidir -— interpôs Satati, com adocicada voz.
Diz-me, Hartatef, é possível irmos, mais tarde, depois da rainha, ver os navios por ela inspeccionados?
Afirmam que são de dimensões e acabamento jamais vistos por nós.
— Sem dúvida; podeis.
Vossa hierarquia vos dá esse direito, e a benevolência que Hatasu dispensa sempre a Neith impõe a esta o dever de aguardar a passagem da rainha e saudá-la.
Um ligeiro choque o interrompeu e fez voltar a cabeça: uma grande barca, repleta de moços, esbarrara na sua, encostando-a de ponta a ponta.
Apertos de mão e saudações foram permutados de uma e outra parte.
— Salve a bela Neith — exclamou um jovem fardado.
E, pegando um braçado de lindas flores, de uma corbelha próxima, as arremessou aos pés da saudada.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:15 pm

— Agradecida, Keniamun, e recebe em troca de tua odorante homenagem — respondeu Neith, sorrindo benevolente.
E, destacando uma rosa de entre as que lhe ornavam a cintura, atirou-a ao militar.
Os supercílios de Hartatef franziram a esse gesto, e sombrio fulgor como que se irradiou dos seus olhos.
— Avançai mais depressa, ou perderemos a nossa colocação — gritou ele, imperiosamente.
Impulsionado pelos músculos vigorosos dos remadores, o barco saltou nas águas com tal impetuosidade que foi abalroar um outro, mais fracamente equipado, o qual, pretendendo mudar de direcção, fazia volta lentamente, apresentando flanco. Gritos femininos soaram, mas o alarme foi rápido, e logo se viu que no barco atingido havia duas mulheres excessivamente enfeitadas, sendo uma jovem, de formas opulentas, cujos olhos negros e cabelo de um ruivo cor de fogo lhe fixavam uma beleza mui picante; a outra, idosa, magra e fanada, porém impando de pretensões e rivalizando nos atavios com a moça companheira.
— Salve, e escusas, à nobre Tuaá e à sua filha, Nefert — disse Hartatef, saudando as duas mulheres, aliás muito conhecidas em Tebas, por isso que sua casa era centro de reunião da mocidade alegre do Egipto.
Pertencendo a uma nobre e dinheirosa estirpe, suas festas eram afamadas; mas, a conduta leviana de ambas, que haviam desde algum tempo desprezado preconceitos, isolaram-nas das senhoras que aparentam virtude, ciosas da alta sociedade.
— Só podemos considerar feliz o pequeno acidente que nos proporcionou o prazer deste encontro e a honra de saudar a ilustre Satati e a bela Neith.
Satati retribuiu a saudação da velha senhora e permutou com ela algumas expressões benevolentes.
A esposa de Pair era muito tolerante em relação a defeitos alheios.
Sem se arriscar, embora, à frequência ostensiva de pessoas que poderiam comprometê-la ante as amigas nobres, ela visitava, matinalmente, sem ostentação, de tempos a tempos, a casa de Tuaá, para inteirar-se dos mexericos escandalosos da corte e da cidade, dos quais mãe e filha eram sabedoras sem rival. Enquanto as duas falavam, Nefert trocara com Mena alguns “olhares assassinos”, e o moço oficial, evidentemente sensível aos encantos dessa beldade tifonista(5), reparou súbito que estava sentado em muito pouco espaço, e pediu licença para passar ao barco de Tuaá, o que lhe foi graciosamente concedido.
Com malicioso sorrir, Hartatef ordenou a manobra de encostar enquanto Neith, depois de dardejar furioso olhar ao irmão, voltou-se de costas e começou a conversar com Assa e Beba, os filhos de Satati.
Terminadas as cerimónias religiosas, Hatasu despediu parte do séquito e foi ter ao porto onde se achavam ancorados os navios que desejava visitar, e onde Hartatef já aguardava a soberana.
Entre as pessoas que se haviam agregado à comitiva real estavam Satati e Neith.
A esposa de Pair fruía benevolência toda particular da rainha, favor que datava de longo tempo.
Desde quando ainda vivo Tutmés I, Satati havia seguido Hatasu, que acompanhava o pai em expedição às regiões do Naharein (país próximo do Eufrates) e durante essa viagem a princesa, ainda solteira, por ela se interessara e a cobrira de favores e constante amparo.
Quando terminou a inspecção, a contento da rainha, esta, dispondo-se a reembarcar, avistou Neith e Satati postadas à sua passagem, de modo a serem percebidas.
Hatasu se deteve subitamente, fixando na jovem seu brilhante olhar, com indefinível expressão.
— Aproxima-te, Neith — convidou ela, em tom bondoso e estendendo-lhe a mão.
A jovem ajoelhou, ruborizada de júbilo, e beijou respeitosa a delicada mão morena da soberana.
Muitos olhares invejosos convergiram sobre Neith, ante o excepcional favor, mas somente Hartatef foi quem notou que o olhar da rainha se desviou da jovem pesaroso, e que, mesmo distanciando-se, esse olhar, pensativo e como que velado, obstinadamente buscava distinguir, ver ainda a jovem por entre a multidão.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:15 pm

Enquanto gritos e aclamações acompanhavam o séquito real de retomo ao palácio, e toda a Tebas se entregava ao prazer e à alegria, um pequeno batei que cruzava no rio desde o amanhecer seguia, à força de remos, para a extremidade oposta da cidade, onde se situava o bairro dos estrangeiros.
A pequena embarcação era impulsionada por dois vigorosos negros, enquanto uma terceira personagem, envolta em escuro manto, estava sentada à proa, absorta em pensamentos.
Chegados ao término, o desconhecido saltou para a terra e deu dois anéis de prata(6) aos remadores, recomendando que ali o viessem aguardar tão logo anoitecesse.
Em seguida, embuçando-se no manto, ingressou corajosamente no dédalo de ruelas estreitas e tortuosas habitadas por pelotiqueiros, músicos, dançarinas, alcoiceiras e outra população heterogénea, encurralada nesse recanto evitado pelas pessoas honestas.
Entretanto, esse local, habitualmente tão ruidoso e animado, estava nesse momento silencioso e deserto, pois os seus moradores espalhavam-se nas ruas e praças de Tebas, para tomar a sua parte proveitosa da festa.
Apenas, aqui e acolá, eram vistos pretos velhos ou alguma decrépita sentados à porta da casa, em sentinela à moradia dos ausentes.
O estrangeiro parecia perfeitamente familiarizado com a topografia local, porque, sem perguntar a ninguém quanto ao seu rumo, atravessou aquela confusão de construções arruinadas, e depois imergiu em extensa rua constituída de jardins murados, à direita e esquerda, diante de um dos quais, melhor cuidado que os demais, parou e fez soar repetidas vezes a campainha de chamada, posta em pequena porta embutida no muro.
Quase sem demora, a testa grisalha de um preto velho apareceu no postigo.
— Abre depressa, Ri; sou eu — disse o visitante.
Teve o homem uma exclamação de alegria e de surpresa.
— Tu aqui, senhor, que ventura! -— falou, abrindo a porta.
— Bom dia, velho; como está a senhora?
Está em casa?
— Sim senhor, deve encontrar-se no terraço.
— Muito bem, Ri.
Retorna ao teu posto; irei só até lá — concluiu o recém-vindo.
Em seguida, a passos precipitados, caminhou para uma casa espaçosa e elegante, cercada de árvores seculares, atravessou um vestíbulo, alguns aposentos, subiu por uma escada em espiral e deteve-se no ingresso de amplo terraço ornado de arbustos raros.
Num leito de repouso(7), costas voltadas para a entrada, estava uma senhora, que, embora visivelmente idosa, conservava vestígios da admirável beleza que possuíra na juventude.
Encanecida cabeleira, mas ainda espessa e anelada, emoldura-lhe o rosto bronzeado, de traços regulares e fortes; em seus olhos negros brilhavam inteligência e energia juvenil.
— Avó, eis-me aqui -— disse o recém-chegado, atirando ao chão o manto e o boné raiado.
Viu-se então que era um adolescente, de altura inferior à mediana, membros extremamente finos e ágeis, denotando, apesar disso, força muscular acima do comum.
Toda a sua personalidade porejava vigor e energia; dois olhos grandes, negros, cintilantes de orgulho e audácia, animavam um rosto regular, ao qual o sorriso do momento emprestava estranho e inesperado encanto.
Ao chamado dessa voz metálica, a velha senhora ergueu-se como que electrizada e estendeu os braços ao jovem.
— Enfim te revejo, meu bem-amado Tutmés -— redizia ela, prodigalizando-lhe carícias.
Não mais esperava tal felicidade nesta vida.
E, sabendo que te esperavam, tremi pela tua vinda.
— Sim, o Grande Sacerdote chamou-me, e tive de correr o perigo de deixar o meu exílio.
Além disso, desejava rever-te, avó, e também rever Tebas.
Não podes avaliar o terrível sentimento que oprime o coração de um banido — acrescentou, erguendo-se, faces incendidas e passando as mãos na cabeleira farta e anelada.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:15 pm

— Vai, Tanafi, e prepara uma refeição para o nosso jovem senhor; ele está exaurido pela viagem — ordenou a matrona a uma antiga escrava que, empunhando um abano, se achava acocorada junto do móvel.
Logo que a serva se ausentou, a anciã abraçou o neto, beijando-o na fronte.
— Crês que sofres sozinho? — perguntou.
— Não; sei que me amas; mas, podes compreender o tormento de quem, sentindo-se jovem, activo, destinado — por direito — a mandar, tenha de viver esquecido, em um deserto insalubre?
E Tutmés assestou violento murro sobre a mesa, virando uma caixeta cheia de garrafinhas de vidro, que rolaram para o solo.
— Acalma-te, meu filho -— recomendou, baixando a voz.
Ouve: o Sumo Sacerdote tirou o teu horóscopo, e as estrelas revelaram claramente que serás um grande Faraó, cuja glória eclipsará a de Hatasu e tornará teu nome imortal.
Por minha vez, fiz também experiências (sabes que sou hábil nesses mistérios) e todos te pressagiam grande futuro.
Por isso, há vinte e quatro meses, na noite sagrada em que o Nilo transbordou, e quando todas as forças da Natureza fundiram-se para fertilizar a terra, plantei duas árvores, da mesma altura, designando uma com o teu nome e a outra com o de Hatasu.
Cada dia, eu as reguei e rego, proferindo as palavras consagradas.
A princípio, cresceram iguais, porém a tua depois se avantajou, na medida da minha mão aberta, enquanto a outra enfraquece e se estiola, o que é indício certo da tua vitória.
Tem paciência, pois; teu irmão está irremediavelmente enfermo, e, se morrer, Hatasu deverá chamar-te a partilhar do trono, de vez que todo o clero está contigo.
Mas, eis aqui Tanafi que anuncia a refeição.
Vem refazer tuas forças, meu filho, das quais bem necessitas.
Ergueu-se, e Tutmés acompanhou-a silencioso a uma sala térrea, onde tomou assento junto de opípara mesa.
Após haver comido e bebido com óptimo apetite, o jovem apoiou os cotovelos à mesa, e deu asas a mudas quimeras.
— Onde e quando verei o Grande Sacerdote de Amon? — indagou subitamente.
— Tu verás aqui, esta noite, Ranseneb, ajudante e confidente do Sumo Sacerdote, que não pode vir, pessoalmente, temeroso de despertar atenção.
Hatasu desconfia dele, e faz vigiar todas as suas actividades.
Tu também... não é conveniente que te exponhas a ser Identificado, ou a encontros perigosos, visto haver eu recebido aviso do Sumo Sacerdote, recomendando aguardares aqui o seu enviado, e não te exibires nas ruas.
Irónico sorriso franziu os lábios de Tutmés.
— Creio que o bom servidor de Amon teme encontros perigosos, mais por ele do que por mim, por exemplo, com a minha ilustre irmã, de ar terrivelmente decidido, tanto quanto pude avaliar hoje, quando tomei parte, no desfile — acrescentou, com volubilidade.
— Como ousaste cometer semelhante imprudência? — exclamou a avó, assustada.
Que loucura, Tutmés! Se Hartatef te reconhecesse!...
— Não temas coisa alguma, avó; eu estava num barco de pescador, e vestido com a maior simplicidade.
Ninguém reparou em mim.
Agora, se me permites, vou dormir um pouco, pois necessito ter a cabeça descansada para conversar com Ranseneb.
A velha senhora imediatamente o guiou a aposento contíguo, onde Tutmés se instalou num leito e adormeceu logo, naquele despreocupado sono da mocidade.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:15 pm

(1) HYKSOS - ou reis pastores, chefes de tribos nómades de árabes ou fenícios, cananeus, migrantes que habitaram as margens do grande rio Eufrates, invadiram o Egipto, no ano 2310 antes do Cristo, e fundaram a 17ª dinastia. Satatis, primeiro dos soberanos Hyksos, estabeleceu-se em Mênfis, onde reinou cerca de dois decénios.
Seus sucessores mantiveram-se no poder por período além de dois séculos, mas foram afinal rechaçados pelos Faraós tebanos, no ano 2050 antes do Cristo, aproximadamente, que se apossaram de Pelúsio, a praça de armas dos expulsos.
Eram chamados impuros pelos egípcios (epíteto que se estendia aos hitenos, que, segundo a complicada História do velho Egipto, estiveram, entre a gente da Ásia Menor, estabelecidos no Eufrates, à época em que Tutmés I ali fez vitoriosas campanhas, em consequência das quais houve prisioneiros que influíram poderosamente em alguns dos importantes acontecimentos do reinado da rainha Hatasu).
(2) NE1TH - deusa egípcia, de intricada ligação e iconografia. Filha e mulher de Kneff e mãe de Fta, também comumente considerada mulher e mãe de Fré, e algumas vezes confundida com Bouto; pintavam-na ora com cabeça de leão e ovelha, ora humana, e outras vezes com asas, calcando aos pés a serpente Apof.
Tinham-na por deusa da sabedoria e protectora das artes.
Julga-se que da Neith dos egípcios os gregos fizeram a sua Minerva.
Era a deusa de Sais, Baixo-Egipto, onde tinha templo (e assim também em Bubastis e outros centros), e personificava o principio feminino da Natureza.
Inscrições davam-lhe a denominação de mãe.
Há muitas outras e várias apresentações dos típicos desta deusa.
Muitos dos nomes de que se serviu Rochester têm raízes históricas, religiosas ou não: Satatis, Sargon, Antef, Neftis, Horemseb (Hor em heb), e outros, usados pelo autor, foram nomes de reis, príncipes, deuses (de templos ou domésticos), etc.
Seria longo explicar a origem de cada um, por muito numerosos e entrelaçados com outros. (Ad. Erman, Ia.
Religion des'Eg;yptiens, ed. Payot, Paris, 1937, págs. 53 e passim.)
(3) TUTMES II - era irmão e esposo de Hatasu.
Na família dos reis era muito comum tal costume de casar irmãos, a fim de melhor conservar o "sangue divino” do soberano; e nas famílias também se admitia essa instituição, quase consuetudinária.
Na Civilisation Égyptienne, de Erman - Ranke, pode ler-se:
“O casamento entre irmão e irmã era, por assim dizer, a regra no Egipto dos Ptolomeus e dos romanos... e sob o imperador Commodus, dois terços dos cidadãos da cidade de Arsinoe estavam nesse caso.” (Ed. Payot, 1952, pág. 209.)
(4) PUNA ou PUANIT - A expedição foi levada a efeito, segundo refere Maspero, na História antiga dos povos do Oriento. (Ed. Hachette, 1917, pág. 232.)
(5) TYPHON - monstruoso deus egípcio, que, sendo considerado o principio do mal e da esterilidade, bem merecia ter a devoção das mulheres de viver disfarçadamente dissoluto, do tipo de Nefert.
(6) DOIS ANÉIS DE PRATA - dado o desconhecimento da significação de alguns vocábulos usados nas transacções, é difícil explicar o mecanismo dos pagamentos na desaparecida Tebas.
Não havia sistema, propriamente dito, monetário.
A aquisição de utilidades e o pagamento de serviços eram feitos com determinada quantidades de metal, mas também mediante permuta de objectos, comestíveis e coisas úteis.
Ao que parece, só as classes elevadas dispunham de ouro, prata e objectos preciosos, para remunerai p adquirir.
Para o povo, a unidade-base, fixadora do preço, era uma peca de cobre, chamada Deben, pesando 91 gramas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:16 pm

Uma rés valia 120 debens, um Jumento 40; mas, o pagamento desses 120 debens fazia-se, por exemplo, assim:
25 representados por um bastão com incrustações; 10 por outra bengala mais simples; 10 por 11 quartas (bilhas ou cântaros) de azeite, etc., inclusive papiros e outros pertences para escrever, calculados em debens. Uma pele, não trabalhada, 2 debens; curtida, para servir de escudo no peito, 5 debens.
Nas vendas em público (espécie feiras), havia o arbítrio das permutas: um bolo doce – pago com um colar e um par de sandálias; um vendedor de legumes aceitava por moeda dois colares; por uma porção de cebolas, que lhe serviria de refeição, um cliente oferecia um abano e pequeno cesto.
Ao que se presume, os anéis eram uma forma de fundir os metais em pequenas porções, constituindo um equivalente do que chamaríamos “moeda divisionária”~(Civilisation Êgyptienne, op. cit., pág. 662.)
(7) LEITO DE REPOUSO - Pequena cama, estreita, muito baixa, não servindo para dormir.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:16 pm

II - O BANIDO E SUA IRMÃ

Algumas horas mais tarde, noite plena, o som da campainha anunciou novo visitante, e, poucos minutos depois, Tanafi guiava ao aposento de sua senhora um homem de elevada estatura, envolto em manto, com capuz, de cor escura.
— Boa noite, Ísis; que os deuses te abençoem — disse à matrona, que o saudava respeitosa.
Vejo, com prazer, estares de boa saúde, e que a velhice não tem acção sobre ti.
Mas, onde se acha o nosso jovem abutre? Chegou?
— Sim. Dorme um pouco, repousando das fadigas da viagem, porém, virá aqui.
Enquanto o aguardas, senta-te, Ranseneb, e aceita este copo de vinho.
O sacerdote, desembaraçando-se do manto, sentou-se.
Era homem idoso, rosto magro e engelhado; o crânio, raspado, reluzia com o tom do marfim amarelado; a testa curta, lábios delgados, denotavam vontade tenaz; os olhos, claros e impassíveis, espelhavam a calma superioridade dos homens afeitos a ler nas almas e a dominá-las.
Não tivera tempo de esvaziar o copo, e já era aberta a porta para dar passagem a Tutmés, que se aproximou, saudando-o.
O sacerdote, erguendo-se, estendeu-lhe as duas mãos.
— Deixa que te admire e abençoe, filho de um grande rei, esperança e salvação do Egipto — disse ele, com respeitosa benevolência.
O jovem príncipe suportou, sem se perturbar, o olhar escrutador que o envolveu inteiramente, e por sua vez mergulhou o olhar ardente nos olhos do interlocutor.
— Sim — disse Ranseneb, após instantes de silêncio —, tu és pequeno de estatura, mas, leio nos teus olhos a virilidade da tua alma, e que Tutmés pode muito bem vir a ser Tutmés III, o “grande” Faraó.
E agora, príncipe, presta ouvido atento ao muito que tenho para te dizer, e a que os momentos são preciosos.
Sentaram-se os três, e o sacerdote expôs rapidamente o estado do País, as queixas dos poderosos e principalmente as do clero contra a rainha que, aparentando honrá-los, anulava em verdade a influência deles, e não admitia outro querer além do seu de soberana.
— Assim — prosseguiu — ela se obstina, apesar da opinião dos mais sábios e veneráveis padres, em construir, para ela e Tutmés II, um túmulo cujo traçado contraria todas as regras sagradas instituídas pelos deuses.
Ranseneb contraiu as mãos, e um relâmpago de rancor cintilou em seus olhos.
— Para modelo, ela escolheu construções de um povo impuro e vencido, e, não encontrando em nós ajudantes zelosos do seu plano ímpio, tirou do lodo um homem nulo, Semnut, e o elevou às culminâncias das honrarias e da sua confiança, e agora esse dócil Instrumento da sua acção dá ordens aos grandes do reino, funde somas loucas nessa gigantesca construção, e, malgrado todos os obstáculos, acelera o acabamento.
— Mas -— indagou Tutmés, que escutara atentamente —, que razão pode inspirar a Hatasu tal predilecção pela arquitectura e costumes desse povo vencido, do qual ela própria pôde apreciar a fraqueza e a indignidade?
Ela acompanhou nosso pai nessa campanha guerreira e assistiu ao desbarato dos reis do país de Naharein.
Como pode ela, tão orgulhosa e enérgica, prezar alguma coisa que venha dos vencidos?
O padre pigarreou e, olhos semi-fechados, pareceu absorvido, por alguns momentos, em profundas cogitações.
— Hum! — respondeu, enfim — essa predilecção é sem dúvida estranho mistério, dado o carácter da rainha, e mais estranho ainda é que o seu favor pelos hitenos(8) data precisamente de tal campanha guerreira.
Desde então, ela procura amenizar a sorte dos prisioneiros e coloca alguns na casa real, e, a partir da sua ascensão ao poder absoluto, começou a construção do seu “menou” (túmulo), onde deseja ser sepultada com Tutmés II, sarcófago que tem a oposição do clero de todo o Egipto e a inquietude do povo, que vê, com desconfiança, nesse sepulcro um monumento estrangeiro.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:16 pm

Todos os olhares se voltam para a tua pessoa, príncipe, tu és a esperança do país, por isso que o rei está gravemente enfermo.
Embora a rainha, que jamais viveu em boa harmonia com o seu esposo e irmão, pareça deplorar o fim provável desse homem fraco e inactivo, que ela domina inteiramente, apenas ela o assiste cuidadosamente, e afastou todos os médicos do templo de Amon, para dar ao doente remédios preparados pelo hiteno Tiglat.
Isto constitui uma nova e grave ofensa à nossa casta, e que nos põe em mãos possantes armas, pois podemos espalhar entre o povo que ela repele a assistência dos sábios, para que o rei morra mais depressa e possa ficar sozinha no trono.
Tutmés estrondou em riso, aumentado pelos semblantes pasmados do sacerdote e da avó.
Por fim, dominando-se, falou:
— A despeito de minhas queixas, devo convir em que Hatasu tem mais espírito do que os outros, pois está bem próxima da verdade, quando supõe que os padres desejariam desembaraçar-se de um homem que não lhes serve de arrimo, enquanto assegura a ela um reinado pacífico; que os remédios dos sacerdotes de Amon bem poderiam ajudar a vacância do lugar que me reservais junto dela.
Juraria que desses pressupostos se origina o insuperável rancor com que me persegue.
Talvez seu instinto lhe inspire a ideia de que, uma vez elevado ao trono, a ela caiba a vez de ceder, e eu não admita outra além da minha própria vontade.
— Excepto a dos deuses e daqueles servidores que te hajam colocado nesse trono — observou o sacerdote, com olhar acerado e significativo.
— Sem dúvida, não se trata desses — corrigiu Tutmés, baixando os olhos.
A Amon e aos seus servidores mostrarei sempre obediência.
— Permanece fiel a esses princípios, meu filho, e tu reinarás gloriosamente sobre o reino de teus progenitores.
Agora — concluiu Ranseneb —, é tempo de tornar ao momento da hora presente.
Baixando a voz, expôs o plano de acção que se propunha seguir, combinou com o príncipe os melhores meios de manter com ele comunicações consecutivas que o trouxessem ao corrente dos acontecimentos de Tebas, ficando por fim decidido que Tutmés regressaria a Bouto, ali permanecendo tranquilo, até que o Sumo Sacerdote o advertisse de haver chegado o momento de agir.
Terminada a grave conferência, os dois homens ergueram-se.
— É tempo de partir, avó.
Antes do amanhecer devo estar longe de Tebas -— disse Tutmés, ajeitando a capa e repondo na cabeça o grosseiro boné listrado, que lhe dava a aparência de um operário.
— Vai, meu filho querido, e que os deuses te protejam o trajecto — disse Ísis abraçando-o.
Vai e sê cauteloso; a agitação é tão grande hoje!
— Fica sossegada, avó; tenho um barco à minha espera que me conduzirá à necrópole; meus cavalos e o fiel escravo que me acompanha estão escondidos na casa do velho Sagarta, cujo pequeno posto de observação se encontra não distante das novas construções de Hatasu.
O lugar, assaz deserto, e a escuridão da noite bastam para que não temas qualquer encontro perigoso.
À porta da casa, Tutmés despediu-se do sacerdote e, a passos apressados, rumou para as bordas do Nilo.
O quarteirão dos estrangeiros havia retomado já um tanto do seu habitual aspecto, e, transitando perto de um dos alcoices situados não distantes do rio, escutou cantorias, acompanhadas musicalmente por um alaúde e o sapatear de dançadores.
Detendo-se, sobrecenhos franzidos, aumentou a atenção aos ruidosos ecos da alegria barulhenta.
— Que aborrecimento -— murmurou com despeito -—, não poder divertir-me um pouco, e ter obrigação de fugir, como se fosse um criminoso!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:16 pm

E, na tempestade de seus pensamentos, não se fixara em que, desde a saída da casa de Isis, dois vultos o seguiam silenciosamente, deslizando à sombra dos prédios.
Mais próximo do rio, procurou em vão o seu barco; apesar da animação que predominava ainda sobre o todo, essa parte das sagradas águas, sulcadas de barcos dotados de luminárias, estava totalmente deserta.
Um somente era visto, amarrado a um sicómoro, no fundo do qual estava estendido um homem, com inconfundíveis indícios de embriaguez, a roncar fortemente.
— Olá, marujo — gritou Tutmés, aplicando-lhe vigoroso pontapé —-, queres conduzir-me à margem oposta? Desembebeda-te, eu te darei cinco anéis de prata.
Erguendo-se e esfregando os olhos, o homem respondeu:
— Oh! De bom grado eu ganharia tal soma; não ouso, porém, deixar o local, porque meus patrões podem chegar de um momento para outro.
Exactamente nessa ocasião, dois vultos, encobertos pelas capas, aproximaram-se rápidos.
Um deles, pequeno e franzino, parecendo adolescente, subiu silenciosamente para o barco e sentou-se no banco do fundo; o segundo fixou um olhar escrutador em Tutmés e, em seguida, falou, polidamente:
— Vejo, estrangeiro, que não pudeste encontrar embarcação; talvez te possa ser útil.
Vamos atravessar o rio; mas, se o giro não é muito grande, eu te conduzirei de bom grado ao teu destino.
— Eu te agradeço, nobre desconhecido, a generosa oferta — respondeu Tutmés muito satisfeito — e aceito, e com tanto maior alegria porque o nosso trajecto é idêntico:
também vou para a outra margem, à cidade dos mortos.
Tapando o rosto com a capa, o príncipe tomou lugar ao lado do desconhecido, que parecia não muito comunicativo, pois, durante a travessia, não pronunciou palavra.
Bem depressa apareceram, iluminados pelos clarões da Lua que surgira, os gigantescos templos e outras construções da necrópole de Tebas.
— Onde queres que te deixe? — perguntou o que dirigia o barco.
Nós vamos até onde começa a aleia das esculturas que conduz ao novo túmulo em construção pela nossa ilustre Faraó Hatasu.
— Nesse caso descerei convosco — responde Tutmés.
Tão logo o barco se deteve e os três ocupantes desceram para a terra, o príncipe ia falar, para agradecer a condução, quando o menor dos dois incógnitos lhe pousou a mão sobre o braço, acrescentando:
— Desejava falar-te alguns instantes, sem testemunhas, estrangeiro.
Tranquiliza-te, porém, porque não te deterei muito tempo distanciado dos bons corcéis que te aguardam, sem dúvida para te conduzirem a outros lugares — terminou ele, em voz vibrante e metálica.
Tutmés estremeceu e, involuntariamente, sua mão apertou o cabo da machadinha presa ao cinto.
— Não compreendo que um desconhecido haja algo de grave a confiar-me — objectou o príncipe.
Mas, acabas de me prestar um favor, e eu não quero acreditar sejas meu inimigo, antes de te ouvir.
Agrada-te subir ao lado do monumento funerário de nossa soberana?
Ali, estaremos a sós.
O jovem incógnito inclinou a cabeça em sinal de assentimento e caminhou, à frente, no rumo da construção, que a Lua iluminava, dando fantásticos aspectos à original arquitectura de dimensões já gigantescas.
Chegado à aleia, atravancada de blocos e de esculturas em parte já postas sobre seus pedestais, o desconhecido parou.
— Não sei se minha presença será agradável, Tutmés, tendo em vista que não pertenço ao número dos teus amigos do templo de Amon — disse ele, com ligeira ironia, atirando para trás o capuz que lhe encobria as feições.
O príncipe emitiu um grito sufocado.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:16 pm

— Hatasu! Tu aqui! Tu me espionas então?
— Eu te vigio, como é do meu direito — respondeu orgulhosamente a rainha.
De resto, não és muito prudente, pois eu te reconheci hoje, durante o desfile.
Podia ter mandado prender-te, mas, preferi interrogar-te directamente:
Que vens fazer aqui?
Como ousaste deixar Bouto?
Quem tal te permitiu?
— Eu mesmo — respondeu Tutmés, recuando um passo e cruzando os braços.
Com que direito tu me exilas?
Eu sou filho de teu pai, tal qual tu és também, e sou um homem!
— Filho ilegítimo, nascido de obscura concubina — murmurou Hatasu, cujo olhar deslizou com glacial desdém sobre o rosto subitamente pálido do irmão.
Um estremecimento de raiva sacudiu o corpo de Tutmés.
— Quanto ao motivo da minha vinda aqui — disse com voz sofreada, reveladora de sentimento recalcado —, não me convém falar do assunto neste momento; mas, um dia a tua curiosidade será plenamente satisfeita, eu te prometo, e conhecerás então os intuitos da minha vinda.
— Não tenho necessidade de esperar, pois direi imediatamente esses fins — respondeu a rainha.
Foste chamado pelo Sumo Sacerdote de Amon, para conversar sobre os meios de te assegurar a vacância do trono, a meu lado, após a morte de Tutmés II; eu, porém, te juro (e ela ergueu a mão crispada):
é tão certo que esse monumento nos sobre existirá e dirá aos séculos futuros da minha glória e do meu poder, quanto é certo que terás de passar por cima do meu cadáver antes de subir os degraus do trono.
— Pois eu passarei por cima do teu cadáver, porque estou farto de exílio, e, enquanto viver, não renunciarei aos meus direitos — afirmou energicamente o jovem.
Os olhares dos dois irmãos se cruzaram qual duas chamas devoradoras, como que medindo as mútuas forças.
— Adivinhei, pois, com acerto:
foi para te abrir caminho ao trono que os padres atiraram sobre o rei um mortal malefício — disse Hatasu, falando com lentidão.
— Acusa abertamente os padres, e mata-me em seguida — respondeu Tutmés, em tom de desafio.
Mas, não ousarás nem uma nem outra coisa, porque o povo, que ama os servidores dos seus deuses, exigirá as provas da acusação; e contemporizarás para não atrair sobre tua cabeça a responsabilidade da suspeita de haveres assassinado teus dois irmãos para reinar sozinha.
Acalma-te, porém, porque, por agora, eu te obedeço e volto para o meu exílio.
Hatasu recolocou o capuz e disse, em tom sombrio:
— Não me provoques à prova do que possa ousar, porque o mando supremo ainda repousa unicamente em minha mão, e o povo do Egipto poderia bem preferir a filha legítima da rainha Aamés ao bastardo gerado do capricho de um Faraó.
Apenas em um ponto tens razão:
eu repilo a ideia de te matar, não por temer, e sim porque sou muito poderosa para necessitar recorrer a um assassínio.
E, sem aguardar qualquer resposta, voltou costas e rumou para a saída da aleia.
Tutmés permaneceu imóvel durante alguns momentos, mergulhado em seus pensamentos.
— Apesar de tudo, mulher orgulhosa, deverás partilhar o trono comigo — murmurou por fim.
E, então, eu erguerei monumentos que super passarão os teus, em grandeza e magnificência.
A rainha regressara ao barco.
Dois oficiais, que haviam vigilado ocultos à sombra das construções, seguiram-na, e, pegando os remos que jaziam nos bancos, moveram a embarcação para a margem oposta do rio.
Trinta minutos depois, atracaram junto de pequena escada, melo oculta por espessas folhagens dos jardins imensos, os quais, dessa face, envolviam a residência real.
Hatasu saltou lepidamente sobre os degraus e embrenhou-se em sombria aleia.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jan 21, 2017 9:17 pm

Um dos oficiais e o primeiro remador seguiram-na, enquanto o outro se retirava com a embarcação.
Chegando junto da porta que dava acesso a uma ala do palácio, a rainha, voltando-se, disse:
— Não necessito mais de ti, Semnut; podes retirar-te com Hui.
Sem prestar atenção às saudações dos dois homens, retirou do cinto uma chave, com a qual abriu pequena porta, e, a passos rápidos e leves, percorreu corredores e escadas, inteiramente desertos; abriu uma segunda porta, e, erguendo pesado reposteiro que a dissimulava, penetrou em ampla câmara debilmente iluminada por uma lâmpada.
Ao fundo do recinto, sobre um estrado, coberto de peles de leões, estava elevado um leito circundado de ricos panos e junto do qual dormitava velha escrava, com a testa apoiada no primeiro degrau.
Hatasu, depois de atirar o manto sobre uma cadeira, aproximando-se da adormecida, tocou com o pé a serva, a qual, erguendo-se sobressaltada, prosternou-se ao reconhecer a rainha.
— Depressa, Ama, ergue-te e vai buscar minhas roupas femininas.
Não chames ninguém; tu sozinha me vestirás.
Enquanto a escrava a ajudava silenciosamente a ajeitar a ampla e alva túnica, acolchetava o cinto e lhe colocava na cabeça de anelados cabelos larga faixa, subitamente Hatasu indagou:
— Minha ausência foi notada? O rei perguntou por mim?
— Não, real senhora, nada aconteceu durante tua ausência — respondeu a velha.
O rei (que os deuses o bendigam!) dormiu, creio eu, e o velho Tiglat, de acordo com as tuas ordens, não lhe abandonou a cabeceira.
Mas, não queres tu repousar um pouco, ou permitir que te sirva um copo de vinho?
Estás pálida, e pareces tão fatigada!...
— Não, minha fiel Ama, não estou fatigada, e quero ir ver o rei — respondeu, envolvendo-se em amplo véu transparente que a escrava lhe deu.
Atravessando muitas salas, repletas de mulheres, a rainha rumou por extensa galeria, na qual velavam sentinelas, aos aposentos do irmão.
Dois oficiais, imóveis, semelhando estátuas, ergueram pesado reposteiro de espesso tecido fenício, e ela entrou na câmara do rei, mobiliada com o maior fausto.
Sobre um leito de ouro maciço estava estendido um jovem, pálido e emagrecido, mergulhado em profundo sono.
À cabeceira, sentado, um velho de barbas brancas, que lestamente se ergueu, braços cruzados no peito, e curvou em reverência.
Hatasu, inclinando-se sobre Tutmés, examinou atentamente seus traços exauridos.
Após alguns instantes de tal contemplação, reergueu o busto, suspirando.
— Então, Tiglat, que dizes do estado do rei? — inquiriu ela, fazendo sinal ao velho para segui-la ao outro extremo do aposento.
— Por enquanto, o Faraó está melhor, e haure forças no sono; mas, não posso ocultar, ilustre rainha, que não deves crer num restabelecimento completo do rei.
Nem mesmo eu sei por quanto tempo os deuses permitirão que lhe conserve a vida.
Hatasu silenciou.
Despedido com um gesto, o velho retomou lugar à cabeceira do enfermo, enquanto ela se deixava cair numa cadeira, entregue a penosos e recônditos pensamentos.
O homem débil e inactivo que, nominalmente, com ela partilhava do trono ia morrer.
Mais de uma vez houvera desinteligências entre ambos, mas, ainda assim, ela o lamentava, porque, desaparecendo o rei, ficaria aberto um vasto campo às intrigas dos inimigos.
Sabia que, para manter vago o lugar deixado pelo morto, era mister sustentar encarniçada luta contra adversários, que ela desprezava por serem maleáveis de carácter e astutos, e que se tornavam mais temíveis, porque, despindo-se de qualquer escrúpulo, eles, os padres, arregimentariam sob suas leis a turba rude que lhes venerava a função de intermediários entre o povo e a divindade.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jan 22, 2017 9:19 pm

E o adversário que lhe opunham, esse jovem Tutmés, que ela desdenhosamente exilara (agora havia, em pessoa, verificado) era de têmpera bem diversa daquele que jazia sobre o leito, tornando-se assim a luta de igual para igual.
Agitada por nervosa impaciência, ergueu-se, sentindo que o ambiente daquele aposento lhe parecia pesado e sufocante.
Na sala contígua, uma escada em espiral conduzia a pequena torre, acima do nível do palácio.
Subiu-a celeremente e chegou a um terraço, no parapeito do qual apoiou os braços.
O ar puro e refrescante da noite refrigerou-lhe a abrasada fronte e desafogou o seio oprimido.
Da altura onde se achava, admirável paisagem se descortinava:
a seus pés estendia-se Tebas adormecida, com os seus palácios, templos e jardins; o Nilo, transbordado, rodeava qual toalha cintilante a imensa capital, e, lá, distante, na margem oposta do rio, alçava-se colossal monumento, apoiado nas rochas douradas que o circundavam: era o túmulo que havia construído, apesar de todos os obstáculos, a despeito da oposição estreita e rotineira de uma orgulhosa casta, inimiga de qualquer inovação.
O sentimento do orgulho satisfeito e a consciência do seu poderio inflamaram o coração daquela mulher ambiciosa e ávida de mando; a nuvem que lhe havia obscurecido a fronte dissipou-se, e indomável energia luziu nos seus olhos negros.
— País bendito dos deuses — murmurou ela —, enquanto eu viva for, jamais outra mão empunhará teu ceptro; teu trono vale uma batalha, mesmo pondo a vida em jogo.
Que os deuses decidam a quem darão a vitória.
A Tutmés ou a mim?

(8) HITENOS - Tutmés ou Tutmósis I, progenitor de Hatasu, excursionou guerreiramente ao longo do Eufrates e submeteu ao domínio muitos dos povos da Ásia Menor, ali estabelecidos, cuja identidade - minuciosa e exacta - os historiadores jamais conseguiram firmar.
Parece fora de dúvida, porém, que entre essa gente estavam os hitites (Khati Kheta), mescla de vários ramos semíticos, mais ou menos nómades (de Som, filho de Noé - “Génese", cap. X, 21-31).
Dai vieram prisioneiros Surgon, Tadar, Abracro e outras personagens do romance.
No seu depoimento, ante os juízes, Horemseb aponta a cidade de Gargamlsh, como tendo sido teatro da batalha final contra os hltenos.
Esta grande cidade era praticamente uma capital.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jan 22, 2017 9:19 pm

III - A MÚMIA DADA EM PENHOR

Em uma das mais belas ruas de Tebas havia elegante casa, pintada a cores vistosas.
Dois grandes mastros, ante a porta do prédio, comprovavam a hierarquia e a riqueza do seu proprietário, que era o nobre Pair, do qual fizemos conhecimento por ocasião da festa do Nilo.
Na parte posterior da casa, via-se um jardim de média extensão, muito cuidado e farto em flores.
Alguns dias depois dos acontecimentos narrados no capítulo precedente, reencontramos Pair, a esposa e sua bela pupila Neith reunidos em pequena sala contígua ao jardim, cuja verdura luxuriante se mostrava por entre as grades que serviam de apoio a um dos lados do muro deixado em aberto.
A conversação era tempestuosa, porque Pair deixara a cadeira onde estivera sentado e gritava, gesticulando com os braços:
— Tão certo é o Nilo transbordar cada ano, quanto é certo que serás esposa de Hartatef, que te adora e ao qual eu, teu tutor, e teu irmão, Mena, acolhemos favoravelmente o pedido de casamento contigo.
— Não! Jamais! Eu detesto Hartatef — exclamou Neith, olhos flamejantes.
É Keniamun que prefiro, e será com ele que me casarei!
Fora de si, bateu sobre a mesa com o leque de plumas que tinha na mão.
— A esse mendigo, que tem por únicos haveres a espada e o boné, desejas tu esposar! — exclamou Pair, erguendo os braços e os olhos para o alto.
E por ele repeles Hartatef, Imensamente rico e cuja aliança acrescentará tanto brilho à nossa casa?
Felizmente, estamos aqui para impedir as loucuras de uma criança que não quer compreender coisa alguma; e eu, teu tutor, declaro que desposarás Hartatef.
Hoje mesmo, durante o festim, eu os apresentarei um ao outro na qualidade de noivos; inútil é, pois, te irritares para resistir a resolução “irrevogavelmente” assentada.
E, passando a mão pelo rosto purpureado, voltou-se para Satati, que estava junto da mesa de trabalhos manuais femininos e tudo ouvira silenciosamente:
— Tenho de sair — disse —, encarrego-te, porém, de acalmar esta criança e de fazê-la ouvir a voz da razão.
Satati ergueu-se com presteza, e, com dulçoroso sorriso a emoldurar-lhe o rosto, aproximou-se da jovem, cujo talhe flexível abraçou ternamente.
— Neith, minha querida, calma-te e crê em nossa afeição, que visa apenas à tua felicidade.
Serás tão pouco razoável, para preferir um homem nulo e obscuro, como é Keniamun, ao rico Hartatef, que possui o mais belo palácio de Tebas, ocupa um posto elevado e frui a protecção de Hatasu?
Com ele brilhante porvir te aguarda, sem esquecer que é um belo homem, e te ama apaixonadamente.
— Deixa-me! — explodiu Neith, repelindo-a com raiva.
Detesto Hartatef, desdenho seu amor, e não posso compreender por que deva ser sua esposa.
Somos bastante ricos sem o seu ouro; e a protecção de Hatasu pode elevar Keniamun tão alto quanto Hartatef.
Irei ajoelhar-me ante a rainha, que é tão bondosa para mim, e ela saberá livrar-me de um casamento que me desperta horror!
Uma nuvem de inquietude sombreou por instantes a face hipócrita de Satati; mas, dominando-se, pegou amigavelmente a mão da jovem, para acrescentar:
— Minha cara Neith, asseguro-te que tal iniciativa, além de inconveniente, não modificará coisa alguma, porque não há que reconsiderar nesta decisão.
Agora, acalma-te, e trata de te vestir, pois é mais do que tempo de cuidares da tua “toilette”, e, se não te agrada o alindar-te para o teu noivo, procura ser bela para Keniamun, que também assistirá ao banquete.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jan 22, 2017 9:20 pm

— Decerto! Não quero absolutamente agradar a Hartatef, e se Pair ousar a prometida apresentação na qualidade de meu noivo, farei escândalo, declarando, à face de todos, que o recuso.
Depois, apelarei para a rainha, e só à sua decisão obedecerei.
Erguendo-se arrebatadamente, retirou com violência a mão que Satati lhe pegara e saiu, com tal ímpeto, que esbarrou a toda força com um homem que entrava.
E, sem mesmo voltar a cabeça, continuou andando para os seus aposentos.
— É a urgência de esposar Hartatef que dá um tão delicioso humor a Neith? — perguntou Mena, a rir.
— Justamente — respondeu Satati, acomodando-se num sofá.
Mena pegou uma cadeira, e, curvando-se para Satati, ciciou, fixando-lhe um olhar audaz e incendido:
— Como estás formosa, hoje. De algum tempo a esta parte, descubro em ti encantos sempre novos.
Devo dizer-te porquê?
Um sorriso pleno de doçura iluminou o semblante da jovem mulher.
— Vais acrescentar alguma loucura — disse ela, apoiando sua bem cuidada mão sobre os lábios de Mena.
Que diria Pair se te ouvisse?
— Ouse ele fazer-se ciumento e eu o obrigarei a calar bem depressa — exclamou o oficial.
Eu bem sei a quem ele dá ternos nomes e presenteia preciosas jóias.
Intenso rubor coloriu as faces de Satati.
— Tu dizes isso, Mena, mas, poderias dar-me provas da acusação?
— Não, não, isso está abaixo de ti; quis apenas dar-te a entender que pagarias uma dívida, concedendo-me teus carinhos.
Diz-me antes o que te tornou tão inquieta quando cheguei.
— Neith preocupa-me — disse Satati, contendo a custo a sua ciumenta curiosidade —, porque, completamente enraivecida, não quer ouvir falar em Hartatef, ameaça fazer escândalo e, caso a impeçam de desposar Keniamun, ir queixar-se à rainha.
— Ah! ah!
E tal ameaça pode desassossegar-te? — exclamou Mena.
Tranquiliza-te.
A rainha tem mais o que atender no momento do que prestar atenção a lamúrias de moça.
A doença de Tutmés e as intrigas dos padres a favor do exilado de Bouto dão-lhe bastantes nós a desatar.
— Tudo isso é verdade; apesar de tais razões, estou convencida de que Hatasu achará vagares para escutar Neith e prestará ouvido às suas queixas e desejos.
Não menosprezes um perigo cuja extensão não podes medir.
O olhar que secundou estas palavras teve o dom de convencer subitamente o oficial.
— Mas — obtemperou ele, tornando-se sério — que razão pode inspirar a Hatasu tal predilecção por minha irmã?
Desconfio, de há muito, que Neith está ligada a algum estranho mistério, do qual tu tens conhecimento, Satati.
Tem confiança em mim e diz-me a verdade.
Inclinou-se carinhoso para ela e premiu os lábios na espádua nua da jovem mulher.
— Não, não, tu te enganas, Mena.
Que mistério poderia estar ligado à tua irmã?
Nem imagines semelhantes coisas.
E agora deixa-me, porque preciso vestir-me para a recepção.
Mena ergueu-se imediatamente, despedindo-se:
— Até logo, então.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jan 22, 2017 9:20 pm

Enquanto isso, vou em busca de Neith, para acalmá-la, porque, na sua fúria, é capaz de ofender Hartatef de maneira irremediável, e nem ouso pensar no que poderia resultar de tal procedimento.
Após um aceno de assentimento de Satati, o jovem seguiu para os aposentos habitados pela irmã, e, quando um instante depois ergueu o tapiz que servia de porta e projectou o olhar para o interior, convenceu-se de que a chegada de um mediador era oportuníssima.
Ao centro do aposento, Neith, de pé, faces incendidas, olhos faiscantes, repelia obstinadamente as mãos das servas que tentavam vesti-la, e replicava raivosa às súplicas de uma velha aia que repetia, quase chorosa:
— Senhorazinha querida, sol dos meus olhos, permite que eu te vista; não desejas mais encantar todos os olhares?
Vê esta guirlanda, como ficará bem em teus negros cabelos!
— Não quero uma guirlanda que tenha de oferecer a esse monstro, e nem me vestirei! — gritou Neith, rejeitando as flores e arrancando um colar que lhe haviam acolchetado ao pescoço e cujas pérolas se espalharam no chão.
O leque partido, a túnica em pedaços e flores machucadas juncando o soalho, davam prova de que a caprichosa beldade não poupava seus atavios.
Sem qualquer demora, Mena caminhou para ela.
— Bom dia, Neith — exclamou alegremente, pegando-lhe ambas as mãos, que levou aos lábios, dando assim ensejo às serviçais de ajustarem o cinto e colocarem flores na cabeça da jovem.
Tu és encantadora assim — prosseguiu ele, retendo-lhe vigorosamente presas as mãos — e, sem contradita, a maior beleza de Tebas.
Vamos, aquieta-te, e conversemos um pouco.
— Deixa-me, Mena, és conivente com os meus inimigos e queres a minha desgraça — respondeu ela, tentando desprender as mãos.
Desditosa que sou; ninguém assume a minha defesa contra esse homem odioso, que, apesar do meu desprezo e da minha repulsa, me persegue com o seu amor, e soube converter todos a seu favor!
Se vens falar-me a seu respeito, vai-te! (Ela o empurrou, então).
Não quero ouvir mais nada, não quero enfeitar-me, não o saudarei na qualidade de noivo, e defender-me-ei, eu própria, contra esse ente detestável.
A chegada de Satati interrompeu as explosões de Neith.
Trazia precioso cofrezinho que depositou sobre uma das mesas, próximo da jovem.
— Olha, caprichosa, isso que te envia o teu noivo, entre os cestos cheios de estofos, perfumes e outros tesouros que ficaram na galeria — disse, abrindo o tampo do cofrezinho e fazendo faiscar aos olhos da jovem um admirável adereço de pérolas e safiras.
Sem embargo da fúria, Neith desceu o olhar sobre as jóias e examinou, com a segurança de conhecedora que era, o amplo diadema, os braceletes e colar tríplice, cujo valor devia ser enorme.
— Oh! É soberbo! — murmurou ela, involuntariamente.
— Essas jóias são dignas de uma rainha, e farão com que te invejem, quando as usares — acrescentou Satati, fazendo sinal a uma serva para que trouxesse o espelho.
Depois, pegou o colar e, apoiando-o no pescoço da jovem, disse:
— Olha quanto és bela!
Os olhos de Neith começaram a brilhar; deixou, sem resistência, que lhe acolchetassem o colar, enfiou ela mesma os braceletes e olhou tudo com satisfação.
— Confesso que estas jóias me ficam menos mal — disse, ajeitando coquetemente as voltas do colar —, mas, não é para Hartatef que me adorno, porque eu o abomino.
— Isso é lá contigo; em todo caso, porém, tu lhe deverás um sucesso, em homenagem ao qual tu lhe podes demonstrar hoje um pouco de polidez.
Depois, veremos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jan 22, 2017 9:20 pm

Vem, Mena, Pair te reclama para ajudá-lo em alguns arranjos, enquanto eu vou tratar de minha “toilette”.
— Como terminará tudo isso — ponderou Mena, com um trejeito, quando chegaram à galeria.
— Esperamos que termine bem.
As jóias produziram o efeito que eu delas esperei tirar — disse Satati, fazendo sinal às escravas para que levassem a Neith os grandes cestos cheios de panos bordados.
Uma hora depois, rica liteira, precedida de lacaios e portadores de abanos, parou ante a porta, ornada de flores, do palácio de Pair.
Hartatef desceu da liteira e, guiado pelo mordomo, rumou para uma sala de recepções, ao limiar da qual Satati e o marido o receberam com a maior e cordial satisfação.
— Meu bom Hartatef, como agradecer os soberbos presentes que me enviaste!
Vê, já estou usando o adereço — disse Satati.
— Considero-me feliz em contribuir de algum modo para realçar a formosura da amável mãe adoptiva de minha futura esposa, e és tu quem me honras aceitando as dádivas daquele que, a partir de hoje, eu o espero, será teu parente.
Mas, onde está Neith? — acrescentou o recém-vindo com indagador olhar.
— Neith está no terraço, arrufada, e nós não conseguimos trazê-la aqui — falou Pair, que, sob um olhar recriminativo da consorte, calou, cedendo-lhe a palavra.
— Tu sabes, meu caro Hartatef, que, na sua juvenil idade e inexperiência da vida, Neith não compreende a felicidade que lhe vem; ela obedece a caprichos e histórias extravagantes.
Mas, se tiveres um pouco de paciência, tudo isso passará, e, à medida que ela melhor te conhecer, apreciará devidamente o teu amor.
— Não tenho disso a menor dúvida, e saberei suportar um pouco de frieza — respondeu impassivelmente Hartatef.
Tendo assegurados o vosso consentimento e apoio, basta; minha sincera afeição fará o resto.
Agora, vou para junto de minha noiva, apresentar-lhe as devidas homenagens.
Com andar impaciente, atravessou várias salas, onde escravos, sob a direcção de Mena, davam os últimos retoques aos preparativos do festim, subiu a escada coberta de esteiras que conduzia ao terraço.
Sobre o último degrau parou, e seu apaixonado olhar pousou sobre Neith, que, apoiada no parapeito e absorta em seus pensamentos, não se apercebeu da chegada de Hartatef.
Para este, jamais a jovem parecera tão fascinante, malgrado a expressão irada, de desespero que lhe sombreava o semblante.
Alva túnica desenhava-lhe o talhe esbelto; no pescoço e braços brilhavam as jóias de safira.
Reconhecendo essas jóias, indefinível sorriso de ironia pairou nos lábios do jovem egípcio.
— O rochedo das mulheres — murmurou ele, falando a si próprio — adorna-se com as jóias dos seus mortais inimigos!
Depois, dominando-se imediatamente, aproximou-se, e disse, inclinando-se reverente:
— Teu humilde escravo te saúda, minha bela prometida, e espera que teus rosados lábios lhe concedam um sorriso e uma palavra de boa acolhida.
Ao som desta voz metálica, Neith voltou-se, estremecendo.
— Esperas muito, Hartatef.
Para o amigo eu poderia conceder um sorriso e uma boa palavra; para o noivo que, contra minha vontade, quer desposar-me, eu guardo apenas desprezo e aversão.
Tuas riquezas podem tentar meus parentes: a mim, não.
Renuncia-me, pois, Hartatef, e não me forces a repetir diante de todos o que te estou dizendo agora:
não quero ser tua esposa.
— Tu quererás, porque teu tio e tutor me prometeu a tua mão; tu lhe deves obediência, e eu não sou homem que suporte afrontas pacientemente.
Tenho a convicção de que me vais seguir, tranquila, à sala do festim e confirmar aos convidados que tu me escolhes para marido.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jan 22, 2017 9:20 pm

— Quem julgas tu que eu sou?
Acaso escrava de Pair, para que ele disponha de mim a seu talante? — exclamou Neith, olhos coruscantes.
Desçamos e eu te vou mostrar imediatamente que não temo a tua cólera, nem a do meu tio.
Ela procurou encaminhar-se para a escada, mas Hartatef, pegando-lhe um braço, fê-la deter-se.
— Antes de qualquer resolução, deixa que te pergunte: estás informada dos assuntos de tua família? — interrogou ele com a voz vibrante.
Sabes que Mena penhorou(9) o cadáver embalsamado (múmia) de teu pai, por dez “talentos de Babilónia?”(10)
A data do resgate aproxima-se e Mena está sem recursos para fazer a amortização; prometi, por isso, saldar a dívida, para resguardar a honra da família à qual vou pertencer.
Se mantiveres tua recusa, considerar-me-ei desligado do compromisso e de qualquer discrição sobre o assunto que, afinal, bem depressa estará no domínio público. Escolhe!
Como se fosse atingida por um raio, Neith cambaleou e caiu sentada sobre uma cadeira, com a sensação de que a cabeça lhe girava em reviravoltas.
Se a terrível notícia fosse verdadeira (e ela de tal não duvidava), toda a sua família estava ameaçada de opróbrio.
Na opinião dos egípcios, dar em penhor a múmia de um antepassado era muito pouco honroso, mas, não resgatar essa tão sagrada caução constituía Irremediável desonra.
Para ela, Neith, era mesmo impossível confiar sua aflição à rainha.
Poderia a soberana manter qualquer benevolência para com uma família tão pouco recomendável?
Oh! Hartatef havia calculado bem, em sua orgulhosa rigidez, que a jovem preferiria sacrificar a sua felicidade à honra.
— Então, Neith, queres dar-me tua mão e no festim considerar-me teu noivo? — perguntou ele, que, braços cruzados, se encostara no parapeito, e cujo olhar perquiridor havia observado todas as emoções que se exteriorizavam no rosto expressivo da jovem.
Com melancólico aspecto, Neith estendeu-lhe a mão, e deixou-se conduzir à grande sala onde os convidados já estavam reunidos e ante os quais a sua chegada causou sensação.
Dentro em pouco, todos tomavam lugar à mesa.
Mena ficou defronte da irmã, que evitava olhar para ele, cuja despreocupada alacridade lhe causava desgosto e revolta; e começava mesmo a aborrecer esse irmão perdulário, que não lhe havia sequer confessado a verdade, forçando-a a ouvi-la da boca do detestado Hartatef, e afinal a sujeitava a pagar, com o sacrifício de sua vida, vergonhosas loucuras.
Neith sabia que Mena era um boémio em cujas mãos o dinheiro escoava a jorro, que fazia dívidas; mas, sabendo-se muito rica, jamais supôs que o irmão tivesse necessidade de descer a tais expedientes.
A pobre jovem Ignorava que Pair, o irmão mais moço de seu genitor, era um perdulário tão desenfreado quanto Mena e seu fiel companheiro nas excursões nocturnas pelas casas das cortesãs de Tebas e pelas arapucas onde se cultivava esse jogo de azar que se perpetuou até nossos dias sob o nome de “mora”(11).
Desde muito, os dois homens tinham solapado as bases das suas grandes riquezas, e mais de uma vez haviam recorrido à bolsa de Hartatef, que, inacessível para todos, somente a eles dois nada negava.
Não distante de Mena estava localizado Keniamun, cujos negros olhos não se desfitavam do semblante pálido e abatido de Neith.
Que significava aquela emoção da jovem, e que pressagiava a sua vinda com Hartatef, cuja vizinhança de novo se lhe dava?
Desde muito tempo, o oficial fazia assídua corte à irmã de Mena e pensava desposá-la, supondo-a herdeira rica, pois o bom Keniamun gostava tanto de mulheres e vinho quanto o camarada Mena, embora não mais possuísse vestígio sequer de pequena herança legada por parentes seus.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jan 22, 2017 9:21 pm

As reflexões do oficial foram interrompidas por Pair, que, empunhando uma taça cheia, exclamou jubilosamente:
— Caros amigos e convivas, tenho a felicidade de vos anunciar que esta é uma festa de família:
celebramos o noivado de minha sobrinha querida.
E tu, Neith— ajuntou, voltando-se para ela, sorridente —, designa, por tua própria voz, aos nossos hóspedes, o preferido do teu coração.
Os olhares todos se concentraram em Neith, cujo palor e silêncio obstinado começaram a despertar atenção, ainda que ninguém suspeitasse fosse ela violentada em sua escolha.
Por instantes, permaneceu imóvel; um tom lívido cobriu-lhe as faces, mas, como que hipnotizada pelo ameaçador olhar de Hartatef, ergueu-se, desprendeu a guirlanda que lhe ornava os cabelos e a colocou, voltando-se, sobre a cabeça do noivo.
Depois, exaurida pelo sobre-humano esforço que fizera para dominar a raiva que lhe refervia no íntimo, caiu na cadeira.
Exclamações e cumprimentos estrugiram de todos os lados; os fâmulos, azafamados, apressavam-se a reencher as taças quando esvaziadas; a animação e a jovialidade dos convivas aumentavam de instante para instante, e atingiram o auge quando Hartatef se ergueu.
Depois de agradecer os bons votos que lhe haviam sido endereçados, convidou todos os presentes para oito dias de festas consecutivas com as quais pretendia solenizar seu matrimónio, tão logo terminassem os arranjos que estavam sendo realizados no palácio por ele recentemente construído no mais belo bairro de Tebas.
Somente Keniamun não tomava parte no contentamento geral.
Ao anúncio do noivado, pousara, subitamente pálido, o copo cheio, e fitara Neith com olhar povoado de espanto e de cólera.
A suspeita de algum misterioso constrangimento sobre a vontade da jovem ganhou maiores proporções, porque as suas assiduidades junto de Neith haviam sido sempre bem acolhidas por Satati e por Mena, e a própria Neith havia prometido desposá-lo.
Se de bom grado, agora, dera preferência ao ricaço Hartatef, por que aquela palidez, a penosa emoção, o silêncio obstinado?
Ela não havia encontrado uma única palavra de resposta para agradecer o coro de parabéns.
Mas, não estava sozinho o oficial naquelas reflexões, e se a polidez dos convivas não lhes permitia assinalar a estranha conduta da noiva, os olhares admirados e curiosos, sorrisos equívocos, e mesmo comentários em voz baixa eram permutados cada vez mais frequentes, pois a curiosidade indiscreta não é apanágio dos séculos modernos.
Esta florescia já bem desenvolvida na sociedade dos antigos egípcios, e é eternamente lamentável que Moisés não tenha acrescentado aos seus dez mandamentos um décimo primeiro, no qual, em nome de Jeová, proibisse a curiosidade indiscreta e bem assim os mexericos que a acompanham, e ameaçasse com a cólera do Eterno as bisbilhoteiras de todos os tempos, que consideram seu dever aprofundar o “porquê” de tudo que se faz.
As boas tebanas, reunidas em tomo da mesa de Pair, começavam a abrasar-se de impaciência para conhecer as razões que tornavam Neith assim tão taciturna e tão pouco satisfeita ante a perspectiva de desposar o áureo Hartatef, que a maior parte das solteiras presentes teria aceitado sem pestanejar, e das quais algumas haviam mesmo tentado fisgar esse brilhante partido.
Satati e Mena tinham observado, com inquietude sempre em aumento, esses indícios veementes de suspeitosa curiosidade; a maneira pela qual Neith se dobrava aos desejos dos seus estava longe de satisfazer a ambos; perguntavam a si próprios, com igual desassossego, por qual meio Hartatef havia tão rapidamente quebrado a revolta e a teimosia de Neith, ao mesmo tempo que lhe provocara o evidente desespero.
Foi para uma, e outro um verdadeiro alívio quando, enfim, todos deixaram a mesa.
Imediatamente, numeroso grupo de mulheres rodeou a noiva, inquirindo sobre a data do casamento, ao mesmo tempo que a cumulavam de reiteradas felicitações por desposar um homem tão belo, tão rico e tão altamente colocado.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jan 22, 2017 9:21 pm

Com a voz apenas inteligível, Neith alegava que o calor e a emoção lhe haviam esgotado as forças, e por isso imperioso lhe era retirar-se para repousar um pouco.
Satati, que a observava sobressaltada, previu, pela vermelhidão súbita do rosto e pelo tremor dos lábios, que Neith estava próxima de uma crise nervosa.
Por isso, aproximou-se rapidamente da jovem e, abraçando-lhe o busto, disse, com adocicado e fingido sorriso:
— A alegria e o desgosto são iguais para exaurir.
Recordo as múltiplas emoções que me agitaram, quando me fiz noiva, mas, sobre a nossa querida Neith, que é tão sensível, tudo atua duplamente.
Vem, querida, vem repousar um pouco.
E celeremente a conduziu ao terraço, deserto nesse momento, visto que os convidados estavam dispersos pelas salas, enquanto a juventude acorrera ao jardim, onde se distraía com vários jogos.
Logo que Neith chegou ao terraço, repeliu Satati e prorrompeu em amargo pranto.
A esposa de Pair compreendeu a inutilidade de quaisquer palavras de consolação, que só lhe poderiam acarretar uma repulsa pouco delicada.
Por isso, desceu sem perda de tempo, persuadida também de que a solitude era o melhor calmante para Neith, sem, entretanto, deixar de martelar o pensamento em busca das razões que poderiam ter transformado a pertinácia, revelada de manhã, naquela submissão desesperada.
Mas, eis que perpassou pela mente, qual relâmpago, a ideia de que Hartatef lhe houvesse falado da múmia dada em penhor.
A semelhante suspeita, empalideceu, pois considerava tal revelação uma grave imprudência, de vez que Neith devia ignorar por todo sempre tão escandalosa transacção.
Atravessando rapidamente uma sala onde não havia ninguém, avistou Keniamun, que, segundo lhe pareceu, se encaminhava para a saída.
Desejando evitar desagradável explicação com aquele a quem ela enchera de vãs esperanças a respeito de Neith, Satati tratou de atingir um gabinete onde numerosas mulheres conversavam ruidosamente.
Enganara-se, porém.
O oficial não cogitava de abandonar a festa, o que poderia chamar atenção; ninguém devia inteirar-se do quanto lhe ferira a perda de Neith, o pensamento de que ela o havia preterido pelas riquezas de Hartatef, que ele tanto detestava.
Em verdade, ele ia em busca de um recanto solitário onde pudesse coordenar as ideias e calmar a raiva que lhe estuava no peito.
Compreendia agora por que Mena o evitara nos últimos tempos; mas, da parte de Neith, jamais poderia supor semelhante perfídia.
E ela nunca lhe parecera tão bela, nem mais desejável, e era com raiva que confessava a si mesmo amar a criatura espiritual quase tanto quanto o soberbo dote que lhe atribuía.
Maquinalmente, por assim dizer, encaminhou seus passos para o eirado, que supunha deserto, e onde, com indizível espanto, viu Neith estendida sobre móvel de repouso, chorando amargamente.
Constatando o desgosto da mulher amada, seu ulcerado coração sentiu alívio.
— Neith! — exclamou ele — choras sobre a tua traição, ou já deploras o súbito amor que as riquezas de Hartatef em ti fizeram nascer?
A jovem, erguendo a cabeça, estendeu-lhe ambas as mãos, e disse com amargura:
— Se crês que o desposo pela fortuna, muito mal me conheces.
Keniamun, cruzando os braços à altura do peito, replicou, com irritação:
— E por que o aceitas, então?
Quem pode constranger-te a isso?
Mortos teus pais, o teu irmão não tem tal direito; choras, pareces desesperada e, no entanto, faltas à palavra dada a mim.
Se não é amor, foi a ambição que te levou a aceitar esse homem?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jan 22, 2017 9:21 pm

Responde, explica-te, Neith, ou eu te odiarei e desprezarei, porque por mera cupidez prendes-te a uma união que te repugna, e fazes do meu amor um brinquedo!
Ante esse libelo, cessaram imediatamente as lágrimas de Neith, e seus negros olhos passaram a brilhar.
— Eu te juro, Keniamun, que terrível circunstância me força a desposar esse homem que detesto.
Ainda esta manhã lutei, combati pela minha liberdade.
Por que cedi não me perguntes: não me é permitido dizê-lo.
Podes ter certeza, porém, de que nenhum dos motivos por ti suspeitados influiu na minha decisão.
— Não, não, isso não me basta.
Não se diz a um homem a quem se prometeu casamento:
“Eu vos atraiçoei por graves razões.
Não, ainda uma vez!
É necessário explicação, exigem-se provas.
Aquele a quem amas, e que te ama, tem direito á tua confiança; ele saberá calar, se tanto for preciso, mas, também poderá talvez encontrar uma solução, onde, no teu desgosto, julgas tudo perdido.
Impressionada pela justeza dos argumentos, Neith ia possivelmente revelar a verdade, quando Mena, escarlate de raiva, Irrompeu no terraço.
Informado por Satati da suspeita que tivera, Mena correu a Hartatef, este confirmou tudo, sem se incomodar de que somente a notícia do penhor da múmia tivesse tido o poder de quebrar a resistência da jovem.
Inquieto e preocupado, decidira falar imediatamente à Irmã; mas, ao subir a escada, reconhecera a voz de Keniamun e ouvira as últimas palavras deste.
O sangue congestionara-lhe a cabeça.
Se aquela chorosa louquinha fosse desvendar o segredo, quem poderia medir as consequências do uso que de tal fizesse Keniamun, pretendente recusado?
Keniamun era muito querido na sociedade, benquisto principalmente pelas mulheres, graças à sua galanteria e ao seu talento.
Senhor, pois, de tal arma, poderia arruinar a reputação dele, Mena, e vingar-se da afronta recebida.
Presa de temor e fervendo de raiva, precipitou-se para o terraço, e, colocando-se junto de Neith, como que para protegê-la, exclamou em tom arrogante:
— Por que atormentas minha irmã?
Já viste a quem ela deu preferência, e quanto às razões desta combinação de família, nenhum interesse podem ter para um estranho.
— Não sou um estranho para Neith — contestou Keniamun, também fremente de cólera.
E uma vez que ela silencia sobre as causas desta “combinação” de família, é a ti que eu interrogo, e tu me deves resposta, pois de ti obtive promessa da mão de tua irmã.
Recorda-te de que pedi tua palavra de não entravares meus projectos, e de que, a rir, tu me disseste:
“Eu o juro! E por que eu os embaraçaria!
Que me importa saber com quem Neith se casará?
Segundo parece, depois, o caso tornou-se menos indiferente, e eu te intimo a explicar sem demora por que preferiste Hartatef a mim, e em que deixo de ser um partido honroso.
O semblante de Mena tomara uma expressão de glacial impertinência.
— És louco, ao que parece — disse desdenhoso —, pedindo explicações sobre assunto que em absoluto não te diz respeito.
É muito simples compreender que, tratando-se de fixar a situação definitiva de uma jovem, não se cogite de criancices.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jan 22, 2017 9:21 pm

Hartatef é imensamente rico (olha este colar de safiras e pérolas, valendo uma fortuna, que hoje ele ofertou à mulher de sua escolha); ocupa um cargo tão acima do teu, que a própria Neith compreendeu não se poder recusar semelhante pretendente.
Contenta-te com esta explicação e acalma-te.
Neith acompanhara de olhos cintilantes a altercação entre os dois homens e, à derradeira tirada do irmão, o rosto enrubescera.
— Que ousas tu dizer, miserável mentiroso, para salvar a honra à qual me sacrifico?
Para te demonstrar o valor que dou aos presentes desse homem odioso, olha!
(E Neith arrancou o colar com tal violência, que os elos se romperam e espalharam no solo.)
Acredita-me, Keniamun — acrescentou, fremindo de indignação — eu me sacrifico, mas, não por dinheiro; despreza-me se quiseres, se não te posso dizer mais do que ouviste.
— Eu te acredito e te lamento.
Quanto a Mena, não o importunarei mais, e guardarei boa lembrança desta hora de explicação.
Voltou-se e saiu.
Ficando a sós, Mena falou raivoso à irmã:
— Insensata, tu nos perderás a todos; quem sabe as suspeitas que tuas extravagâncias inspiraram a esse intrigante?
Buscará incriminar minha conduta.
E, depois, este colar...
Pode-se assim destruir tão preciosa jóia?
Que dirá Hartatef?
— O que ele quiser dizer.
E tu, apanha os restos da jóia e junta-os ao preço que te pagaram pela múmia do nosso pai, filho desnaturado, desonra da nossa família — disse Neith com desprezo.
Mena havia recobrado o seu aprumo.
— Ouvindo-te, crer-se-ia que fui o único a penhorá-la — respondeu, cruzando os braços.
Pair conscientemente me ajudou.
Talvez não houvéssemos ido tão longe, sem o louco amor de Hartatef por ti; mas, para te obter, ele paga com alegria; resgatamos a múmia, sem despender um “anel de prata”, e tu te tornaste ao mesmo tempo uma das mulheres mais ricas e mais altamente colocadas de Tebas.
Eis, de facto, uma grande desgraça, e por uma negociação tão simples e vantajosa fazes escândalo sobre escândalo!
Toma sentido!
Todos poderão julgar que com esses gritos pretendes desculpar-te de preferir um ricaço a esse mendigo Keniamun, e o descrédito recairá sobre ti mesma.
Neith não deu resposta a tanto excesso de imprudência; uma pungente angústia, uma sensação de insulamento e de abandono constringia-lhe o peito como que a diluir-lhe o coração.
Bem conhecia a insensibilidade egoísta do irmão; ainda não lha revelara, porém, assim tão brutalmente.
Até então, ela, Neith, que se sentira uma órfã cujo futuro e ventura a ninguém interessavam; desavergonhadamente traficavam com ela, qual se faz com uma escrava, e, concluída a transacção, devia submeter-se ou desonrar-se juntamente com os seus.
Como que em sonho, dirigiu-se para a escada, enquanto Mena imediatamente se agachava para apanhar cuidadoso os pedaços do colar, até o menor dos elos.
Imersa nos pensamentos, caminhou para os seus aposentos, evitando as salas onde permaneciam os convidados; mas, ao entrar na galeria, encontrou Hartatef, que a buscava.
O jovem egípcio, com percuciente olhar, notou logo o desaparecimento do colar que horas antes ornava o pescoço da futura esposa.
— Aonde vais, minha bela noiva — indagou, curvando-se para a jovem.
Por que estás tão pálida e quebrantada, Neith?
E onde deixaste o adorno que trazias há pouco?
É acaso muito pesado?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 73959
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Romance de Uma Rainha I / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 9 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum