Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Página 1 de 4 1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Fev 24, 2017 8:22 pm

Na Fronteira
Wera Krijanowskaia

Espírito: Rochester

PREFÁCIO

CAPÍTULO 1
CAPÍTULO 2
CAPÍTULO 3
CAPÍTULO 4
CAPÍTULO 5
CAPÍTULO 6
CAPÍTULO 7
CAPÍTULO 8
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Fev 24, 2017 8:23 pm

PREFÁCIO

Era uma tarde do dia 21 de Julho de 1982, quando entramos na Biblioteca Pública de Leningrado, após percorrer as casas de livros antigos da Avenida Nevsky sem sucesso.
O objectivo era localizar as obras mediúnicas da escritora russa Wera Ivanova Krijanowskaia, médium do espírito Rochester e obter informações que pudessem clarear a história dessa fenomenal médium de escrita automática.
Após consultar o catálogo geral e nada encontrar, solicitamos ajuda à bibliotecária que se empenhou em buscar outro fichário de referência que daí a instantes estava às nossas vistas contendo citações de várias obras inéditas.
Em seguida, fomos a Moscovo onde realizamos um trabalho de pesquisa bibliográfica e conseguimos localizar a maioria das obras existentes no idioma russo, além das referências de obras, infelizmente, desaparecidas ou talvez nunca publicadas.
Quanto à médium escritora não obtivemos nenhuma informação sobre a existência de parentes ou amigos.
Temos, portanto, escassas informações acerca da vida de Wera Krijanowskaia ou Krijanowski, como ficou conhecida no idioma francês.
O tradutor de "A Vingança do Judeu" para o idioma português, relata no prefácio da obra, que o espírito John Wilmot, Conde de Rochester (1647-1680) escolheu e preparou a médium desde a infância, afim de cumprir a tarefa de propagação das verdades espirituais que o Espiritismo divulga e esclarece, e que sua mediunidade, segundo pôde saber por revistas europeias, consistia, principalmente, da escrita mecânica, cujo automatismo lhe era tão peculiar que sua mão traçava as palavras com uma rapidez vertiginosa e uma inconsciência completa das ideias, narrando acontecimentos históricos desde épocas bastante remotas, com rara minúcia, beleza e autenticidade.
Relata também que Wera era uma jovem, filha de família russa muito distinta e que não obstante ter recebido uma sólida instrução no Instituto Imperial de São Petersburgo, não se aprofundou em nenhum ramo de conhecimentos.
Os editores da Livraria Espírita Boa Nova, o casal Ibsen, receberam há muitos anos, a visita de um senhor polonês, que conheceu pessoalmente Wera Krijanowskaia, tanto na opulência como na miséria.
Relatou que Wera foi rica e tinha até secretária.
Encontrou-a, certa manhã, a recolher imensa quantidade de folhas de papel, ajudada pela secretária, inclusive caindo pelas escadas, repletas de palavras em péssima caligrafia que ela havia escrito durante a noite toda em completo estado de inconsciência ou sono profundo.
Wera não se lembrava de nada e colocava as folhas em ordem, decifrando o que estava escrito.
Ocorriam, também, fenómenos físicos em sua casa e que muito impressionavam os amigos.
Havia um espírito que se materializava na presença dela e prometia destruir sua vida, caso não parasse de publicar seus romances.
Às vezes ocorriam explosões e objectos despencavam ao solo sem causa aparente.
Esse mesmo senhor viu Wera na miséria percorrendo as ruas e perguntando às pessoas se conheciam seus livros, tentando reeditá-los.
Seu intento fracassou e sua filha faleceu de tuberculose, sob o rigoroso inverno eslavo.
Não devemos nos esquecer de que aqueles eram tempos de fome e revolução.
A Sociedade Científica de Espiritismo de Paris publicou uma mensagem mediúnica de Rochester no prefácio da obra "Episódio da Vida de Tibério", em francês, onde ele afirma que muitas narrativas completariam sua obra mediúnica e que a última a aparecer seria "Memórias de um Espírito Errante" onde encontraríamos a descrição da última encarnação dos autores do drama secular de suas obras e que estariam encarnados na terra neste período.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Fev 24, 2017 8:23 pm

O tradutor da versão brasileira de "A Vingança do Judeu" (FEB 1920) cita uma relação de obras sem referir a fonte de informação, na qual aparecem os seguintes títulos em francês:
1) O Festim de Balthazar
2) Saul, O Primeiro Rei dos Judeus
3) O Sacerdote de Baal
4) Um Grego Vingativo
5) As Fraquezas de um Grande Herói
6) O Barão Ralph de Derblay
7) Diana de Saurmont (A Noite de São Bartolomeu)
8) Dolores
9) O Judas Moderno
10) Memórias de um Espírito (Errante), esta, em diversos volumes.
Infelizmente, conseguimos localizar apenas "Diana de Saurmont" com o título de "A Noite de São Bartolomeu", na edição russa de 1896.
Todas as outras não constam das principais bibliotecas da Europa.
Antes de finalizar com a relação das obras e citações de títulos pesquisados, daremos algumas explicações acerca delas. No idioma russo foram encontradas as obras, que na relação aparecem com os números: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19c, 19e, 19f, 19g, 20,21, 22, 23, 24, 25, 26, 27, 28 e 29.
No idioma francês, foram localizadas as obras de números: 1, 3, 6, 7, 8, 9, 12, 17, 18, 19a, 19b, 19c, 19d, 19e, 19f, 20, 23, 26 e 29. As de números 19a/19g estão todas reunidas sob o título "Narrativas Ocultas" (1902), sendo que a de número 19g (Em Moscovo) não pertence originalmente a esta obra, tendo sido acrescentada pelo editor da edição em português.
Em língua portuguesa, existem as edições que aparecem com os números:
1, 3, 6, 7, 8, 9, 12, 17, 18, 19, 20, 23, 26, 27 e 29.
A obra de número 27, cujo título no idioma russo é "Sob o Poder do Passado" e que não foi encontrada, sugere ser o original da edição brasileira de "A Lenda do Castelo de Montinhoso", nome este de autoria do tradutor brasileiro a partir de uma obra estrangeira intitulada "Nas Garras do Passado".
A citação de número 49, de título Os Servos do Inferno", anunciada pelo editor francês de "Sinal da Vitória" pode tratar-se da obra russa de número 44, "No Reino das Trevas", mas ambas não foram localizadas e por isso foram colocadas na relação como obras distintas, até novas pesquisas.
Gostaríamos de agradecer à Senhora I. C. Grigorieva, da Biblioteca Pública Estatal, M. C. Salty cov-Schedrin de Leningrado e B. P. Kanevsky da Biblioteca Pública Estatal V. I. Lenine, de Moscou, U.R.S.S., que colaboraram connosco no envio das obras existentes no acervo soviético, em regime de intercâmbio cultural, recebendo em troca obras de literatura contemporânea brasileira e arte nacional.
J. R.Martinez Campinas, 5, 1988
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Fev 24, 2017 8:23 pm

CAPÍTULO 1

Era um maravilhoso dia de junho do ano de 1.500.
Por volta das seis horas da tarde, pelo rio Narov, ia uma pequena embarcação impulsionada por dois remos.
Nela viajavam quatro pessoas adultas e uma criança.
Em um dos bancos, estava sentada uma jovem e formosa mulher de mediana estatura, suave, delgada e graciosa; mais parecia uma jovem entre dezasseis ou dezassete anos que a mãe daquele menino forte, sentado ao seu lado.
Embora seus traços não ressaltassem uma beleza clássica, seu encantador sorriso, sua boca levemente desenhada, mostrando uma fileira de dentes brancos como pérolas, sobressaíam pela luz suave que o sol despejava em seu rosto.
Os olhos castanhos, grandes e profundos denotavam uma tristeza tranquila, porém imensa.
O vestido de lã branca ajustava-se bem ao talhe esbelto.
O decote quadrangular no peito era ornado por uma fita azul aveludada.
Na cintura, caía uma corrente de ouro com uma bolsa azul.
Sua cabeça estava adornada com um pequeno gorro negro de veludo, sob o qual apareciam formosos cabelos dourados caindo até abaixo dos joelhos.
O menino, forte e grande para sua idade, era moreno, com traços marcantes e os cabelos negros como as asas de um corvo; no todo, não se parecia nada com a mãe.
Somente os olhos grandes, escuros e pensativos lembravam os olhos da jovem mulher.
Frente a eles, ia sentada uma anciã vestida de escuro, com um alto gorro negro.
Seu rosto enrugado mostrava bondade. Os olhos pequenos de cor verde-cinza, reflectiam esperteza e energia.
Conversava a meia voz com o menino.
Na embarcação, iam também, um velho escudeiro e um armeiro.
Levavam grandes espadas e punhais e, no fundo da embarcação, aos seus pés, jaziam arbaletas1.
A jovem mulher seguia calada.
Olhava pensativamente, à medida que se acercavam da margem do rio, junto a Narva, ora para a alta torre da igreja, cujo campanário se tornava dourado devido aos raios do sol, ora para a fortaleza, que se elevava orgulhosamente, em frente da qual, por estar muito próxima, os guerreiros podiam atirar flechas de um lado a outro.
Enquanto os olhos da jovem mulher observavam as torres circulares e grandes da sombria e ameaçadora vizinha Narva, um leve suspiro, quase imperceptível, saiu de seu peito.
Seis anos atrás, o grande príncipe Ivan III construiu, justamente em frente à fortificação dos cavaleiros livónios, a fortaleza de fronteira, denominada por ele de Ivangorod.
A fortificação era perigosa para a Ordem e vista como uma ameaça constante e como um desafio.
As terras de triste memória da Estónia e Livónia, estavam envolvidas em sangue.
Suecos, dinamarqueses, Ordem teutônica2 e russos disputavam-nas entre si e as hostes inimigas, uma após outra, alastravam-se sobre elas como uma corrente avassaladora.
A construção de Ivangorod não agradou a nenhum cavaleiro.
Cinco anos atrás, precisamente no ano de 1495, os suecos caíram desesperadamente sobre a fortaleza, tomando-a, matando grande parte de seus defensores e reduzindo-a à metade.
Sem perder a esperança de poder conservar os frutos daquela vitória, não obstante a distância, os suecos propuseram ao grão mestre da Ordem tomar, sob seu domínio, Ivangorod, o que foi negado, pois os cavaleiros haviam firmado com Moscou um tratado de paz, que por diversas razões, não queriam que fosse revogado naquele momento.
Então, os suecos, em seus barcos, abandonaram a fortaleza, carregando seus tesouros e partindo para a Escandinávia.
Os russos, com denodo a reconstruíram, aumentando e fortalecendo as fortificações e enviando para lá, o dobro das forças armadas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Fev 24, 2017 8:24 pm

Não seria este o passado tormentoso, que ressuscitava na mente da jovem mulher ao olhar para as duas cidades vizinhas?
Apesar de sua juventude, muitas cenas tristes passaram diante de seus olhos, muito sangue foi derramado, muitos gritos desesperados de morte ela ouviu.
Nesse momento, um ruído de remos e algumas vozes a tiraram de seus pensamentos.
Na direcção deles, vinha outra embarcação, aparentemente de Ivangorod.
Na pequena embarcação de dois remos, estavam duas pessoas, que pelas vestes, deduzir-se-ia serem russos, "moscovitas", como, com ódio, os denominavam em Narva.
O traje rico, feito com peles caras, as botas amarelas de couro e a arma com incrustações de pedras preciosas de um deles, mostravam sua origem boiarda3.
Era uma pessoa jovem, bonita e delgada.
Sua poderosa figura aparentava força e seus grandes olhos cinzentos denotavam valentia e doçura.
Frente a ele, sentado, ia um jovem de constituição hercúlea, levando um falcão na mão.
Um sorriso sarcástico apareceu em seu rosto ao ver os alemães, que o observavam com desconfiança.
O jovem boiardo inspirava paz, e realmente assombrado, olhava para o rosto da bela mulher, que, com timidez, baixou os olhos.
— Que jovem formosa! Gostaria de saber quem é ela — disse ele, dirigindo-se ao companheiro e dando uma volta, para acompanhar com o olhar os alemães em sua embarcação.
— Feliz boiardo, posso atender-te.
Se não me engano, aquela deve ser a esposa do cavaleiro Barenkhaupt.
Pelo menos, o menino é a cara dele!
— Quer dizer que o menino se parece com ele? — perguntou o boiardo, com um leve sorriso.
— E aquele que está junto ao leme é um cão velho alemão que conheço.
Trabalha como escudeiro de Barenkhaupt.
— Sim? De onde o conheces?
— Sabes, da última vez, quando quiseste ir a Moscou, os nossos rapazes brincavam praticando tiros, e, sem querer o jovem deu uma piscada e sorriu zombeteiramente, foram parar na cidade.
Mataram um, feriram outro e, para completar todos os pecados, acertaram a cabeça de um terceiro*.
Por esse facto, se fez um grande barulho e os cidadãos mandaram uma comitiva para Ivangorod.
Entre eles, estavam o cavaleiro Barenkhaupt e seus escudeiros.
— Imagino que não vieram lamentar o espancamento de pessoas inocentes — observou o boiardo.
Mas, continua Nikita!
— Enquanto os cavaleiros escolhidos foram ao encontro do voievoda4, permaneci no pátio com os criados e começamos a conversar, fazendo muitas perguntas.
Lá eu soube, que aquele velho tonto se chamava Khristofor e trabalhava como escudeiro para o cavaleiro Barenkhaupt.
Os nossos, a princípio, estavam gentis, mas como a canalhada alemã tencionava "erguer a crista”, olhando torto para nós, reagimos dirigindo-lhes diversos palavrões.
Eu mesmo, passei uma rasteira em Khristofor, que caiu esborrachando, o nariz, que se empapou de sangue.
Por pouco não morreram de ódio, por não poderem dizer nada — terminou Nikita todo satisfeito.
Nesse instante a barca atracou e Nikita acompanhado do boiardo saiu para a margem.
O interesse despertado pela instrução do jovem falcão, por algum tempo, fê-los esquecer o encontro e a conversa no rio.
Na embarcação alemã, o encontro com os moscovitas provocou uma desagradável impressão.
Os homens franziram o cenho o rosto de Khristofor inflamou-se.
Com um olhar indignado inclinou-se, pegou a arma e fez pontaria.
Teria atingido o jovem Nikita, não fosse a intervenção da esposa do cavaleiro Barenkhaupt.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Fev 24, 2017 8:24 pm

— Khristofor! Perdeste o juízo?
Queres iniciar uma briga quando me conduzes? — deteve ela.
O velho escudeiro reconsiderou abaixando a arma.
— Seria um cão moscovita a menos e pronto! — resmungou.
E logo estaríamos seguros na fortaleza, antes mesmo que eles adivinhassem de onde partiu a flecha.
— Não importa!
Proíbo-te provocações durante a ausência de meu marido.
O escudeiro nada respondeu.
A jovem mulher não deu atenção aos seus resmungos entre os dentes:
— Chegará o tempo em que lhes devolverei todas as ofensas e desonras lançadas sobre mim.
É preciso somente esperar e ter paciência.
Estou certo, um dia conseguirei.
O barco atracou e a jovem mulher, a criada, a criança e ambos os soldados subiram por um caminho abrupto, que conduzia aos portões estreitos, abertos na muralha da cidade.
No tempo em relato, Narva era constituída de duas partes bastante distintas entre si:
a cidade propriamente dita e, separado dela por um fosso profundo, o castelo, onde residia o delegado da ordem com os cavaleiros.
Rosalinda e sua comitiva passaram por várias ruas e, finalmente, entraram numa casa situada perto da administração da cidade.
A casa era uma grande construção de madeira com uma pequena torre pontiaguda em um dos lados.
Sobre a porta, havia o escudo do cavaleiro, representado por uma cabeça de urso sobre um fundo azulado.
A jovem mulher subiu a escada de madeira e entrou num grande cómodo ao lado da torre e da sala de serviços, que era, ao mesmo tempo, seu quarto de trabalho e dormitório do menino.
A decoração era um misto de exuberância com um toque de simplicidade rústica.
A mobília era simples, de madeira sem quaisquer adornos.
Somente na poltrona da dona da casa, com um alto espaldar, e na arca comprida entalhada, que servia também de divã, existiam almofadas de seda verde.
Numa pequena sala redonda, na torre, havia uma segunda poltrona com almofadas, adornada com marfim, uma roca, um bastidor e uma mesinha, na qual estavam alguns livros de conteúdo espiritual.
Ao término do jantar, quando o menino já dormia, Rosalinda ordenou à sua velha criada, Irina, que tirasse a mesa e saiu para a torre, onde, depois de sentar-se junto à janela aberta, se entregou a seus sonhos.
Meditava sobre sua vida passada e as lembranças apagadas, parcialmente, pelo tempo, subitamente ressurgidas, face ao encontro com o jovem boiardo, reavivando sua memória.
A vestimenta do boiardo e algumas frases ouvidas fizeram-na sentir o coração bater mais forte.
Nunca abandonara o amor pela pátria, da qual, fora ela afastada para sempre.
Rosalinda, por origem, era russa e somente o capricho da guerra a fez tornar-se esposa do cavaleiro alemão.
Em 1483, no mesmo ano do acordo de paz entre russos e livónios, os alemães realizaram uma incursão nos limites de Novogorod, pilhando e incendiando tudo o que estivesse em seu caminho.
Durante essa incursão, saquearam e capturaram, entre outros, um comboio constituído de algumas telegas5, carregadas com objectos diversos e, entre elas, uma carreta, que lembrava uma carruagem, utilizada naqueles tempos para viagens das mulheres da alta nobreza.
Após desesperada resistência, a numerosa e bem armada escolta do comboio foi exterminada.
Tal destino, provavelmente ocorreria também às mulheres, se uma das prisioneiras, inesperadamente, não houvesse conquistado o coração do chefe do bando.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Fev 24, 2017 8:24 pm

O comboio foi capturado pelo cavaleiro Konrad Levental, um homem ainda jovem, mas, devido ao espírito da época, severo e sanguinário; sua natureza ardente não era dominada, inclusive, pelas normas da ordem.
Enquanto atacavam o comboio e as pessoas eram mortas, o cavaleiro se aproximou da carruagem, na qual estavam apavoradas, uma jovem mulher, de surpreendente beleza, duas servas e uma menina pequena, de aproximadamente seis anos.
Logo na primeira olhada para a jovem mulher, cujos grandes olhos negros miravam-no com ódio e horror, Konrad Levental ficou derrotado por sua beleza.
Entretanto, acostumado a dominar-se, com aparente indiferença, iniciou o interrogatório.
A jovem senhora comunicou orgulhosamente que era Anna Mikhailovna Lody gina, esposa do boiardo de Novogorod, que a criança era Olga, filha deles e uma das servas, de nome Irina, tinha sido ama de leite da menina.
Ela fora visitar o pai, gravemente enfermo e agora, estava retornando ao marido, que se soubesse sobre sua captura e da filha, pagaria rapidamente o resgate exigido.
O cavaleiro respondeu que entraria em negociações sobre o resgate, assim que retomassem a Livónia e colocassem "as queridas polaquinhas" no devido lugar.
Depois, o destacamento em marcha acelerada, dirigiu-se para a Livónia.
No caminho para lá, encarcerou Anna Mikhailovna com a filha e as servas num castelo fortificado, situado nas cercanias de Haspal.
Konrad Levental simulou que mandara avisar ao boiardo Andrei Lody gin sobre a captura de sua esposa e filha, no mesmo dia em que isto acontecera.
O cavaleiro se apaixonara loucamente por sua prisioneira e não tinha nenhuma intenção de devolvê-la ao marido.
Apesar do desespero terrível e da total resistência da jovem mulher, ela tornou-se sua amante.
Anna se considerava morta e caíra numa profunda apatia.
Entretanto, apesar do desregramento dos costumes daquele tempo, a um membro da ordem era proibido manter abertamente para si, uma mulher prisioneira.
Konrad Levental instalou-a então, na casa da irmã, viúva do cavaleiro Barenkhaupt, cegamente fiel ao irmão e possuidora de uma moral bastante complacente.
Após dois anos de cativeiro, Anna morreu, mas antes, fez Konrad prometer que devolveria Olga ao pai e que nunca a separaria de sua ama de leite.
Apesar da promessa, a pobre Olga não foi enviada a Novogorod.
O cavaleiro Levental a endeusou como a forma viva da mulher pela qual se apaixonara loucamente e resolveu que não podia, de forma alguma, separar-se da menina.
Desejando prender ainda mais Olga para si e romper, definitivamente, com seu passado, ele a obrigou converter-se ao catolicismo, dando-lhe o nome de Rosalinda.
A viúva Barenkhaupt, irmã do cavaleiro Levental, era uma beata fanática e por todos os meios auxiliava e amparava a intenção do irmão.
Olga, com apenas dez anos, era muito pequena e medrosa para lhes fazer oposição.
Mas, se Levental não cumpriu a primeira parte da promessa, a segunda ele manteve rigorosamente, não permitindo separar Irina de sua pupila, não obstante todas as tentativas de sua irmã em persuadi-lo.
Instintivamente, Matilde, sua irmã, sentia ser indispensável afastar a mulher, inimiga mortal deles, pois, caso contrário, todos os esforços de transformar Olga numa autêntica alemã, seriam infrutíferos, assim como seu catolicismo e educação germânica seriam falsos envoltórios que, ao mínimo esforço, esvair-se-iam como fumaça.
Irina era uma mulher sábia, enérgica, corajosa e extremamente patriótica.
Com todas as forças de sua alma, odiava os alemães, começando pelo cavaleiro e sua irmã.
Porventura, não foi este "cão sórdido", como do fundo de sua alma ela denominava Levental, a razão de estar separada do filho e marido, da infelicidade e morte de sua jovem senhora?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Fev 24, 2017 8:24 pm

E agora, ele, além de envenenar com sua arrogância a alma de sua querida pupila, privando-a de seu nome, sua fé e inclusive da lembrança de seu pobre pai, quer fazê-la inimiga da santa Rússia!
Mas ela atrapalhará seus planos infames, e, enquanto for viva, Olga permanecerá russa e ortodoxa.
Para a efectivação de seus intentos, Irina tomou as seguintes medidas:
graças à capacidade peculiar dos povos eslavos de conquistar linguagens alheias, ela aprendeu o alemão e, aparentemente, falava com prazer nessa língua.
Além disso, conseguiu fazer óptimas relações com toda a criadagem e, pouco a pouco, com seus zelos e lealdades aos novos senhores, granjeou a simpatia, não só do cavaleiro, como também de sua irmã desconfiada.
Quando baptizaram Olga, mudando seu nome para Rosalinda, Irina não expressou nenhum descontentamento, ou mesmo uma pequena mágoa; ao contrário, falou que se a criança tivesse que lá viver, seria indispensável acostumar-se aos hábitos e religião da sua nova pátria.
Porém, no silêncio da noite, diante de um pequeno ícone de Nossa Senhora, Irina, todos os dias, religiosamente, reverenciava a Rainha do Céu, e com lágrimas, suplicava para que sua pupila não fosse castigada pela renegação compulsória da fé.
A corajosa mulher alcançou o objectivo almejado.
Todas as desconfianças esmaeceram; ninguém suspeitava de que a Irina alegre, bondosa, prestativa e aparentemente contente com seu destino, era o inimigo inclemente, que reduzia a nada os esforços de germanizar Olga e apenas esperava a ocasião propícia para fugir com sua menina.
Sob pretexto de melhor cuidar da criança, Irina dormia sempre no mesmo quarto com ela.
Quando todos em casa dormiam, a ama por horas inteiras, falava baixinho com a menina em sua língua natal, descrevia-lhe o passado, reavivando na criança a lembrança dos irmãos e do pai bom, bonito e amoroso.
Contava sobre as cerimónias solenes e maravilhosas de sua igreja e fazia Olga compreender, que no fundo de sua alma, deveria ser ortodoxa e odiar aqueles que retiraram dela seu Deus, pais, nome e pátria.
Além disso, advertia a menina para que nunca revelasse suas conversas secretas, pois se o fizesse as duas seriam separadas rapidamente.
Esta ameaça era o suficiente para desenvolver na menina a dissimulação.
Ela amava muitíssimo sua ama e aquelas conversas eram seu entretenimento favorito.
A menina esperava impacientemente as noites e as horas matutinas, quando com devoção oravam perante uma pequena cruz de ouro, com a qual sua mãe a abençoara e usara até a morte.
Ela crivava a ama de perguntas a respeito do pai, irmãos, parentes e indagava sobre a bonita casa paterna com grandes jardins.
Na medida em que Olga crescia, as conversas mudavam de tema.
Irina, sem pena, desvendava o papel abominável desempenhado, em suas vidas, pelo cavaleiro Levental, que ao invés de honrosamente devolver, pelo bom resgate, as prisioneiras, que acidentalmente caíram em suas mãos, conduziu até a morte sua mãe querida, que não pudera suportar o opróbrio e a separação do marido, por ela intensamente amado.
Graças a esta influência, no coração de Olga nasceu um ódio abafado, mas profundo.
Externamente calma, dócil, uma verdadeira alemã pelo idioma e maneiras, intimamente odiava todos os teutões, inclusive a religião imposta, cujas cerimónias cumpria aparentemente, sem esquecer de que era filha da igreja greco-ortodoxa.
Como Irina, também desejava ardentemente fugir e retornar a Novogorod; mas os anos se passaram e o intento desejado não se realizou.
Olga não saía para lugar algum sem acompanhantes, não porque desconfiassem dela, mas porque assim exigiam aqueles tempos conturbados.
Viagens distantes, de forma alguma eram feitas, e deixar o castelo furtivamente era inconcebível, uma vez que todas as saídas estavam cuidadosamente protegidas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Fev 24, 2017 8:25 pm

Olga ou Rosalinda, entrara já nos 16 anos, quando, no castelo a chegada inesperada do filho único de Matilde, Henry Barenkhaupt, mudou de imediato seu destino.
O rapaz havia aprendido artes militares na casa de um parente em Riga, onde vivera alguns anos.
Por ocasião das breves visitas que fazia à mãe, ele dava pouca atenção à menina magra e calada, sua educanda.
Desta vez, viu uma jovem maravilhosa como uma flor a desabrochar-se e por ela enamorou-se perdidamente.
Apesar da frieza e discrição de Olga, o jovem cavaleiro decidiu casar-se com ela.
A princípio, Matilde foi radicalmente contrária à intenção do filho, pois sonhava para ele uma pretendente mais brilhante; porém Henry, inesperadamente, encontrou em seu tio um aliado.
A influência de Levental na irmã fazia com que cada oposição da parte dela fosse vencida e, finalmente, o casamento foi permitido.
A Rosalinda ninguém pediu opinião; Matilde foi persuadida, de tal forma, que considerava o casamento de seu filho uma bênção para a órfã, pela qual ela, por toda a vida, deveria ser grata a Deus.
A mínima dúvida com relação a isto era tomada como uma ofensa pessoal.
Até mesmo os pequenos protestos da jovem eram considerados como uma simples expressão de recato da donzela.
Mas Henry, cego de paixão, pensava unicamente em apressar o casamento.
Plenamente consciente de sua impotência e indignada até o fundo da alma, Olga teve que ceder.
Exigiu somente do noivo o juramento de que ele nunca a separaria de Irina, o que Henry cumpriu.
Sete anos se passaram após o casamento.
O matrimónio, também, não lhe trouxera felicidades.
Henry Barenkhaupt era um jovem irritável e de carácter duro; sua grosseria e aspereza com relação às pessoas e animais que o rodeavam, indignavam e incomodavam a jovem mulher.
Ela começou a temer o marido; sem contradizê-lo, obedecia, mas não o amava e sentia-se bem somente quando Henry, procurador de aventuras por natureza, saía para incursões afastadas, de onde retornava sempre, carregado de aquisições que oferecia à jovem esposa, contando de maneira franca cada passo das histórias ocorridas durante suas aventuras.
Mais ou menos quatro anos depois do casamento de Henry, aconteceu uma revolta de camponeses.
As agitações, na verdade, tinham sítios definidos, mas não obstante, muitos castelos sofreram ataques inesperados, foram saqueados e seus proprietários exterminados.
Também o castelo dos Barenkhaupt foi sitiado.
Somente o retorno do cavaleiro o salvou da ruína.
Rosalinda com o filho e os criados salvaram-se por pouco, graças à intervenção de Khristofor e uma passagem subterrânea secreta; porém, esta fuga custou a vida de Matilde.
Depois desse acontecimento, por conselho do tio Konrad, Henry transferiu a família para Narva.
Lá, sob a defesa de uma fortaleza, ela estaria bastante segura.
Além disso, ele tinha amigos entre os irmãos da Ordem e fortes laços na cidade.
Rosalinda viu a mudança com indiferença.
Ela já não pensava mais em fugir; não amando o marido, fez do quotidiano sua ocupação e abrandou seu ódio.
Ela adorava o filho; toda a ternura e amor que transbordavam em seu coração foram transferidos para a criança.
Irina, ao contrário, estava fora de si de felicidade.
Afinal, iria ficar próxima dos seus e, com o coração palpitante, olhava para as torres volumosas de Ivangorod, atrás das quais começava a Santa Rússia.
Daqui, possivelmente, encontraria um meio de entrar em contacto com os russos e fugir com Olga e a criança.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Fev 24, 2017 8:25 pm

Mas o destino parecia não favorecer seus planos.
Nesse mesmo ano da mudança para Narva, Ivangorod foi capturada e pilhada pelos suecos.
Depois, durante a restauração da fortaleza, de ambos os lados, se observava tal perigo que Irina, de modo algum, conseguia levar adiante a realização de seus sonhos secretos:
dar notícias suas à pátria ao lado.
Mas ela não era dessas mulheres que param diante de tais ninharias.
Tendo esperado, impacientemente, por doze anos, não custava aguardar ainda um pouco mais, e, finalmente, sua perseverança foi coroada de êxitos:
ela encontrou um intermediário.
A noite caiu.
A lua com sua luz prateada e sonolenta iluminou o dormitório, o vestido e os cabelos loiros da jovem mulher sentada junto à janela aberta.
Irina entrou.
Ela estava descalça e sua cabeça grisalha coberta com um xale listrado, de algodão.
Aproximando-se, em silêncio, ela tirou Rosalinda de sua meditação.
— Vieste avisar-me de que já é tarde e é hora de dormir? — perguntou com um sorriso, levantando-se da poltrona.
Mas Irina, negativamente, balançou a cabeça e sentando-se no banco junto às suas pernas, murmurou:
— Não, minha querida!
Vim para comunicar-te uma notícia muito importante.
Teu pai está vivo!
— De onde soubeste isto? — impacientemente, interrompeu Olga pálida.
Será que ele sabe que vivo aqui? — acrescentou ainda, num tom de voz mais baixo.
Até agora, não sabe de nada.
Vim para que juntas, discutamos como avisar-lhe sobre nós e pedir para que nos liberte deste infortúnio.
Agora, escuta como a Santa Virgem atendeu minhas súplicas e mostrou-me a salvação.
Conheces Salomão, o judeu, que negocia com tecidos, pedras preciosas e especiarias estrangeiras?
— Conheço! Henry comprou dele aquele brocado rosa com listras prateadas, que me deu de presente na última Páscoa.
— Exactamente.
Dele sempre compro também pães e frutas cristalizadas para ti e Otton, teu filhinho.
Salomão vive numa viela, perto da murada, onde tem sua venda.
Três meses atrás, fui até lá para fazer umas compras e encontrei Rebeca, mulher de Salomão, em lágrimas.
Perguntei-lhe o que a amargurava tanto e Rebeca disse-me que seu filho único, o pequeno Davi, caiu doente de febre rubra; o médico alertou-lhe que, caso a doença atingisse a cabeça, a criança morreria.
No momento, pensei:
nada mal, será um judeu intragável a menos sobre a face da terra; mas, no mesmo instante, creio eu, a própria Mãe de Deus, colocou-me no coração, pena de Rebeca.
Como sabes, conheço simpatias para a tal febre; disse, então, à judia que poderia libertar o menino da morte cruel, mas, para isso, teria que orar ao nosso Salvador, Jesus Cristo.
— Suplica... reza para quem quiseres... desde que Davi fique vivo.
Não foi um Deus único que nos criou?! — retrucou ela.
Fiz promessas e o menino sarou!
Desde aquele dia, os judeus, simplesmente, não sabiam como me agradecer.
— Ontem, eu comprava para ti uma guloseima, quando Rebeca me levou ao quartinho dos fundos, onde Salomão e Davi me presentearam com um maravilhoso xale de lã, tão colorido, que de longe se notava.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 25, 2017 8:04 pm

Agradeci pelo presente e, conversa vai, conversa vem, nossas línguas se soltaram.
Soube, então, que Salomão vai a Novogorod regularmente.
Tu mesma podes imaginar como estremeci ao ouvir isto!
Comecei a fazer perguntas e ele revelou-me que teu querido pai vive, mora na antiga casa e não faz muito tempo, Salomão lhe vendeu uma peça de feltro e tecidos importados.
Convenci Salomão comunicar a Andrei Semenovitch que estás viva e, depois, nos trazer uma resposta; disse-lhe que vosso paizinho é um boiardo, que o recompensaria generosamente pela alegre notícia.
Salomão concordou e combinamos que, na próxima semana, eu levaria uma carta tua e alguma lembrança para teu paizinho.
Penso que melhor seria dar o anel de rubi de tua falecida mãezinha.
Durante a narração de Irina, Olga ora empalidecia, ora corava.
— Para que tudo isso? — murmurou baixinho.
Meu pai me queria de volta, mas Henry nunca concordou e nem mesmo nos permitiu avistar-nos.
— Oh! Nós nos arranjamos sem a permissão dele.
— O que estás falando, Irina?
Estou casada e não concordarei nunca em abandonar o Otton.
— Por que abandonar?
Levaremos a criança e educá-la-emos na fé ortodoxa.
Permite-me somente cuidar dele e tudo sairá bem!
Irina, com entusiasmo, começou a convencer Olga, refutou suas objecções, ressuscitou na alma da jovem mulher, todas as recordações da infância, despertando-lhe o rancor oculto, que sentia pelo marido.
No final das contas, quando as duas se entenderam, Irina levou consigo e trancou no cofre, um bilhete de Olga para o pai e o anel de sua falecida mãe.

1) Arbaleta: Régua para medir altura.
Provavelmente a usavam para medir a profundidade do rio, a fim de não encalhar a embarcação.
2) Ordem teutónica: Ordem religiosa e militar fundada pelos cruzados em 1198 em Jerusalém, mas que exerceu influência principalmente na Alemanha, onde recrutava seus integrantes, incorporando em 1237 os cavaleiros da Prússia.
Seu poderio foi rompido pelos poloneses na batalha de Grunwald (1410) e no Tratado de Torum.
Os domínios da Ordem ficaram então reduzidos à Prússia Oriental lsob suserania polonesa.
A conversão do Grão-Mestre Alberto de Brandenburgo ao luteranismo marcou o processo de decadência da Ordem, que ainda hoje subsiste na Áustria.
3) Boiardo: Nome que se dava na Rússia e na Transilvania aos grandes senhores feudais do Tzar.
A influência dos boiardos diminuiu no século 17 com o regime absolutista de Pedro, o Grande.
Burgomestre Johann Maning (N. do Autor)
4) Voievoda: Homem extremamente rico que tinha seu exército particular, sendo ele o chefe.
Actualmente ainda é usada a palavra na Polónia e Iugoslávia para designar um chefe de distrito (voivodia).
5) Telega: Carroça de 4 rodas usadas na Rússia para transportar mercadorias.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 25, 2017 8:04 pm

CAPÍTULO 2

Passados alguns dias, Henry Barenkhaupt retornou a Narva.
Olga, como sempre, estava sentada junto à janela e seu coração batia melancolicamente, quando o cavalo murzelo6 parou na entrada; o marido, descendo dele, fez uma saudação com a mão.
Após um minuto, Henry apertou num abraço a jovem esposa e tomando pela mão o pequeno Otton, levantou-o até o tecto, sorridente de alegria.
Pálida de aflição, Olga, sem forças, deixou-se cair na poltrona.
Henry era um homem alto e magro.
Musculoso, queimado pelo sol, com um nariz aquilino, seu rosto inspirava vontade firme e severa.
Nos olhos negros, cintilantes, brilhava algo de demoníaco.
As maçãs do rosto salientes e uma boca larga com dentes brancos e agudos denotavam uma paixão rude e grande teimosia.
No geral, era um homem de ferro, tanto no sentido físico como moral, ardente, brusco e vingativo; de natureza extremamente activa, era absolutamente incapaz para uma existência calma e vivia eternamente a procura de aventuras, perigos e sensações novas.
Henry amava loucamente a mulher e idolatrava o filho, mas esses sentimentos traziam em si, o estigma da austeridade habitual e congénita do carácter.
Com a chegada do amo, todo o esquema de vida na casa mudava totalmente.
Banquetes e bebedeiras se alternavam, pois Henry gostava de beber e comer bem e os outros cavaleiros, tanto os leigos como os irmãos da Ordem, também, de bom grado, compartilhavam seu gosto.
Durante essas semanas, Olga ficava com o espírito desassossegado.
Ora se atormentava pela traição ao marido, ora se ofendia por alguma palavra severa ou pelo procedimento rude com a criança, e assim, com impaciência, aguardava uma resposta do pai, almejando retornar à pátria.
Presenciando, na qualidade de senhora da casa, os banquetes oferecidos pelo marido, Olga era constrangida a ouvir toda a sorte de ofensas, que espalhavam sobre seus compatriotas, uma vez que, nas conversas, o assunto principal era os moscovitas, Ivangorod, tidos pelos livónios como "casca de ferida".
Os cavaleiros reclamavam do atrevimento dos inimigos, que ousaram instalar-se a dois passos de Narva e não perdiam ocasião de zombar ou causar aborrecimentos aos alemães.
Inclusive as damas se queixavam dos russos, culpando-os pelo aumento dos preços dos géneros alimentícios.
Às vezes, era mesmo difícil conseguir os produtos de primeira necessidade, pois os camponeses dos arredores preferiam levar sua produção para Ivangorod, confiando que os russos pagavam mais, pechinchavam menos e, de um modo geral, eram compradores mais agradáveis que os cavaleiros e cidadãos de Narva.
As reclamações sobre esta situação dirigidas ao grão-mestre da Ordem resultaram em decretos que obrigavam a população circunvizinha a levar e vender seus produtos exclusivamente em Narva, para os alemães, e proibiam, sob ameaça de castigo severo, qualquer relação com Ivangorod.
É sabido que tais medidas nunca alcançam seus objectivos, e os camponeses livónios, continuaram a fornecer provisões à fortaleza russa, em detrimento ao grande descontentamento dos senhores de Narva.
As queixas dos homens alvejavam, principalmente, o jovem boiardo russo, com quem, há um ano atrás, na casa do velho voievoda de Ivangorod, haviam-se reunido.
Seu atrevimento, sua atitude desdenhosa dispensada aos odiosos vizinhos exasperavam os alemães até a ira.
Pela descrição, Olga reconheceu nele a pessoa que viu com o falcoeiro no caminho de volta da peregrinação à pequena capela, situada a duas horas de viagem de Narva.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 25, 2017 8:04 pm

A lembrança do belo boiardo e da maneira encantadora como a miravam seus grandes olhos brilhantes e bons, fazia Olga estremecer, e todos os insultos a ele dirigidos, pareciam-lhe ofensa contra ela mesma.
Uma noite, quando Henry banqueteava-se com os cavaleiros no castelo e, como de costume, não deveria retornar antes da aurora, Irina foi ao quarto de Olga e, ajoelhando-se, sussurrou-lhe ao ouvido que Salomão voltara de Ivangorod.
Com a voz entrecortada pela emoção, contou que a princípio, a notícia inesperada sobre a filha estarrecera o velho voievoda.
Depois, voltando a si do torpor, ele longamente, interrogou o judeu e ao saber do destino, da própria esposa, morta prematuramente, enfureceu-se terrivelmente.
Porém limitou-se dizer a Salomão:
— Transmite a minha filha que encontrarei um meio de avistar-me com ela e arrancá-la-ei do cativeiro infame.
— Salomão comunicou que o teu paizinho o recompensou regiamente, dando-lhe um saco cheio de ouro.
Não é assim, disse-me ele, que procedem os desprezíveis cavaleiros, que compram fiado nossas mercadorias e depois, pagam-nas com pontapés.
— Também meu velho Andrei está vivo e ainda como antes, continua a serviço do boiardo.
Meu filho Piotr tornou-se um bravo guerreiro.
Ambos mandaram-me lembranças, terminou Irina, em lágrimas.
Olga corou ouvindo a ama.
Seu coração estremeceu e a figura do pai surgiu com clareza em sua mente; a ideia de que o veria de novo e que toda a sua vida, talvez, se desenrolasse de outra forma, fez com que a perturbação e o medo do futuro se apoderassem dela.
Toda a noite ela não pode cerrar os olhos e ficou bastante satisfeita ao ver que o marido, ao voltar para casa, estava um pouco embriagado e nem notou sua inquietude.
Algumas semanas se passaram, notícias da Rússia não chegavam, de modo que as dúvidas começaram a afligir Olga e Irina.
Eis que, inesperadamente, Irina encontra Salomão, que lhe fala que, dali a dois dias, exactamente no dia da feira, se ela, juntamente com sua patroa, viessem fazer compras em sua tenda, lá ficariam sabendo de algo muito importante.
Irina voltou para casa como que inebriada; o tempo, parecendo-lhe uma eternidade, se arrastava até o momento que poderia falar com Olga a sós, sem testemunhas.
Olga, a princípio, assustara-se com a ideia de ir à casa do hebreu, mas não ir, talvez significasse perder para sempre a oportunidade de entrar em contacto com o pai.
E, além do mais, as circunstâncias eram-lhe extraordinariamente favoráveis.
O marido partiria no dia seguinte, levando consigo Khristofor, a única pessoa em quem ela não podia confiar.
Por isso, depois de pensar bem, resolveu tentar a sorte.
No dia proposto, Olga com Irina, primeiramente se dirigiu a Igreja e, de lá, não chamando atenção, mas também não se ocultando, se dirigiu à venda do hebreu.
No pátio da casinha, onde vivia Salomão, havia uma telega desatrelada com legumes e verduras.
Feitas as compras, o hebreu informou que, há pouco tempo, havia recebido do exterior muitos tecidos raros e convidou sua nobre compradora a examiná-los no quarto ao lado.
Olga concordou e o amável negociante a conduziu com Irina ao quarto vizinho, onde estavam à mostra várias peças de fazenda.
Nem bem a porta se fechara atrás deles, apareceram dois homens com roupas de camponeses livónios.
Um deles se aproximou rapidamente de Olga e, durante um minuto, a observou com curiosidade; depois, a abraçou cobrindo-a de beijos.
— Minha querida criança!
Quantos anos me afligi, lamentando tua morte, e eis que Deus, por um milagre, devolve minha filhinha.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 25, 2017 8:04 pm

Apesar do disfarce, da mudança e da aparência externa do pai, Olga o reconheceu e o abraçou fortemente.
O companheiro do boiardo, interrompendo as manifestações afectuosas, devolveu ao momento seu importante carácter de urgência.
Começou, então, uma conversação curta, na qual Andrei Semionovith declarou à filha que resolveu, irrevogavelmente, trazê-la de volta à casa paterna, juntamente com seu filho, e esperava vingar-se severamente dos afoitos sequestradores de mulheres e crianças, que as despojavam de sua honra e fé.
Além disso, recomendou-lhe aguardar com calma os acontecimentos.
No caso de quaisquer novas orientações, ele comunicá-las-ia através de Salomão.
Depois de agradecer a fidelidade e dizer ainda algumas palavras carinhosas a Irina, que beijava suas mãos, o velho boiardo apressadamente despediu-se da filha.
Olga sentia-se como num sonho.
Reconhecera no companheiro do pai o jovem boiardo, que vira no barco, e agora sob seu olhar ardente e encantador, percebia que em seu coração, batia um sentimento misteriosamente indefinido, nunca antes experimentado.
Retornou para casa sem obstáculos, não despertando suspeitas a ninguém sobre o encontro secreto, nem sobre a presença corajosa dos russos em Narva.
Quando, depois de três semanas, Barenkhaupt voltou para casa com os frutos de sua viagem, Olga já se continha inteiramente, mas, em sua alma agora, um novo mundo se formava, que mais ainda a separava do marido.
Ela desprezava cada ato, cada palavra de Henry, que se lhe havia tornado abominável.
Notava, com susceptibilidade doentia, fatos para os quais antes não dava nenhuma atenção.
Involuntariamente, comparava o marido com o jovem voievoda acompanhante de seu pai, cujo nome, agora ela sabia:
Ivan Andreievitch Koly tchev-Tchorny, e a comparação era desfavorável a Barenkhaupt.
Não podia recordar sem uma profunda emoção, o olhar claro e bom do jovem boiardo, seu sorriso franco e sua voz sonora.
Naqueles instantes, a voz rude do marido, seu olhar severo e sombrio, inspiravam nela uma verdadeira repulsa.
Cada vez mais impaciente, Olga esperava sua libertação, mas sua impaciência era submetida a provações:
muitos meses se passaram e nem de seu pai, nem de Ivan Andreievitch chegara qualquer notícia que indicasse medidas para sua libertação.
No outono do ano de 1501, inesperadamente, correram rumores de que os regimentos russos invadiriam a Livónia, tomando de assalto e saqueando vários castelos.
Tentariam ocupar Derpt, para depois se infiltrarem nos limites de Narva.
Ivangorod também aderiu ao movimento; então, as desavenças foram retomadas e os desafios insolentes começaram a incomodar os habitantes de Narva.
Por sua vez, a Ordem e a cavalaria livonianas, tanto a secular como a monástica, se puseram, activamente, a preparar o rechaço da invasão.
Henry Barenkhaupt participou ardentemente de todas as batalhas.
Considerando que a família estava em segurança, protegida pelas muralhas da cidade, ele acompanhou tio Konrad a uma incursão distante.
Porém, ao saber que os russos concentravam, aparentemente, suas forças em volta de Narva, foi obrigado a retornar a cidade.
Uma vez, passados alguns dias após a volta de Henry, numa noite de novembro, ruídos fortes e sons de cornetas anunciaram que algo de anormal acontecia na cidade.
Eram os russos, que de todos os lados, chegavam a Narva.
Na cidade, crescia o tumulto.
Todos que estavam em condições de empunhar armas, se lançavam para as muralhas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 25, 2017 8:05 pm

A batalha seguia desesperadamente:
os defensores da cidade debatiam-se junto às muralhas, estraçalhavam-se pelos becos estreitos, mas era impossível resistir ao furioso ataque dos inimigos.
Os defensores de Narva tremiam e fugiam largando as armas e os russos os perseguiam pelos calcanhares, abatendo-os impiedosamente.
Os cavaleiros, que a princípio, não cediam um palmo de terra sem combate, começaram a se afastar para o castelo; mas, depois, acuados pela frente e pela retaguarda, em desordem, correram para fora da cidade, abandonando os infelizes habitantes e seus bens à sanha dos invasores.
Na batalha encarniçada com o inimigo sanguinário, era difícil ter piedade.
Inclementemente, era abatido qualquer um que caísse em suas mãos.
Além disso, na cidade, irrompia um incêndio, cujo fogo acelerado pelo vento, rapidamente se espalhou, envolvendo grande parte da cidade.
A chama vermelha das casas ardentes, com sua luz sinistra, iluminava o horrível espectáculo pirotécnico.
Henry se debatia como um louco.
Ouvindo o toque de retirada, não se juntou aos cavaleiros que fugiam, mas reuniu seu pessoal, prendeu alguns guerreiros e cidadãos armados e correu para casa, a fim de salvar a esposa e a criança, ou morrer junto deles.
As ruelas estreitas estavam cheias de adversários.
De todos os lados ouviam-se lamentos e gemidos desesperados de mulheres, crianças e combatentes feridos, em alternância com os gritos vitoriosos dos soldados invasores, carregados de pilhagens.
Quando, ainda de longe, Barenkhaupt viu sua casa também envolta em chamas, seu coração apertou-se melancolicamente.
Com a espada, abriu caminho e logo encontrou-se com seu destacamento em frente á casa, cujo telhado chamejava.
De dentro, ouviam-se gritos e tinidos de armas.
Khristofor, evidentemente, em desespero, se defendia dos russos, que invadiram a casa e, em ataque maciço, escalavam todas as janelas.
Sem considerar, que seu capacete fora quebrado por um golpe de machado, e ele mesmo estava ferido, Barenkhaupt, intrepidamente, se lançou em socorro da esposa.
Com a espada, abriu atrás de si um caminho de sangue e, em alguns saltos, encontrou-se no topo da escada, já enegrecida pela fumaça, irrompendo no quarto de Olga.
O quarto estava cheio de gente e nele reinava um barulho incrível.
Os seguranças da casa se debatiam pelos cantos, defendendo Rosalinda, que parada junto à parede, apertava contra si o filho.
Ela estava pálida como um linho; os cabelos desfeitos pela desordem, a cobriam como se fosse uma capa dourada.
No minuto em que Henry irrompeu no quarto, Khristofor caiu gravemente ferido e o soldado russo que o golpeara se lançou em direcção a Olga, erguendo-a nos braços e gritando:
— Minha presa!
Nisto, um grito selvagem escapou da boca de Henry, que como um tigre, se lançou levantando a espada para o raptor e, certamente o golpearia de morte, seIvan Andreievitch Koly tchev — era ele o guerreiro, não desse um salto para trás, soltando dos braços a jovem mulher, que com um gemido, caiu ao solo.
Entre Koly tchev e o cavaleiro, travou-se uma luta sangrenta e impiedosa.
Olga, ajoelhada, apertando os braços contra o peito, com os olhos arregalados de terror, observava os combatentes.
Coberto de sangue, enegrecido pela fumaça e o calor, desfigurado pelo ódio e rancor diabólico, o rosto de Henry estava simplesmente terrível; Koly tchev, à sua frente, lutava com calma e sangue frio, que lhe davam uma grande vantagem sobre o adversário.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 25, 2017 8:05 pm

Eles continuavam a lutar, não obstante o ruído do incêndio e o ruído das telhas que caíam e a fumaça densa e acre que enchia o quarto.
Com desespero na alma, Henry sentia que fraquejava.
Mais de duas horas lutara infatigavelmente, perdendo muito sangue.
Pela primeira vez na vida, a armadura lhe pareceu pesada, o braço, a cada minuto, se recusava a sustentar a espada.
Somente uma incitação misteriosa, ainda o mantinha de pé.
Os ouvidos zumbiam e a cada momento, uma névoa negra nublava seus olhos.
Koly tchev utilizava habilmente sua superioridade sobre o inimigo.
Compreendendo que as forças de seu adversário se exauriam, ele somente o cansava.
Depois, percebendo o instante adequado, aplicou, no ombro do cavaleiro ferido, um golpe tão intenso que Henry largou a espada estatelando-se no solo.
No pensamento que se extinguia, ainda vivia uma ideia:
se morresse, o vencedor se apossaria de Rosalinda; então, um ciúme selvagem fez com que, em um átimo, seus sentidos se reavivassem, devolvendo-lhe forças e energia.
Levantou-se e viu, claramente, que o boiardo arrastava sua esposa para a janela na qual, pelo lado de fora, estava encostada uma escada.
Henry, reunindo toda a força que lhe restava, arrancou rapidamente um punhal do cinturão e, correndo em direcção a ela, o cravou em seu flanco.
Olga, desfalecendo, virou-se de costas e Barenkhaupt, depois de receber um tremendo golpe na cabeça, desabou no chão.
Já não viu mais como Ivan Andreievitch, levantando o corpo imóvel de Olga, desapareceu com ela pela janela.
Pouco depois, alguns soldados do cavaleiro, aproveitando que os russos, inesperadamente se retiraram, correram para o quarto e, sem considerar que a escada se incendiava, retiraram Henry e Khristofor.
Mal conseguiram dar cem passos, quando o telhado desabou, espalhando, ao longe, carvão fumegante e uma chuva de centelhas.
A casa de Barenkhaupt ardia como uma fogueira colossal.
Quando Olga abriu os olhos, notou que estava num quarto abobadado, desconhecido para ela.
Sentia uma fraqueza terrível e uma dor aguda no flanco.
Cada lembrança sobre os trágicos acontecimentos ocorridos apagavam-se por completo em sua memória.
Com um olhar cansado, examinou o ambiente; no canto, estavam dependuradas grandes imagens com adornos prateados e dourados; a luz suave da lâmpada brincava sobre as pedras preciosas que enfeitavam as coroas, emoldurando os rostos clássicos de Cristo e Sua Divina Mãe.
De repente, viu Irina sentada ao lado da cama e um sentimento de doce tranquilidade invadiu sua alma.
Fechou os olhos e adormeceu imediatamente.
Ruídos de vozes despertaram Olga.
Ela já se sentia mais animada e logo reconheceu o pai que se inclinava em sua direcção.
Ele tinha a cabeça enfaixada e um braço na tipóia.
Sua expressão transbordava contentamento e felicidade.
Ela abriu os olhos.
— Médico!
Veja o ferimento que o cão raivoso fez nela. - disse o boiardo, beijando a filha.
Depois, afastando-se, cedeu lugar a um velho magro e enrugado, vestido de negro à moda alemã.
As palavras do pai imediatamente reavivaram a memória de Olga.
— Otton!... Onde está Otton? — perguntou baixinho.
— Tem calma, minha querida criança.
Teu filho está aqui, vivo e saudável.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 25, 2017 8:05 pm

Enquanto Ivan Andreievitch se debatia com aqueles bandidos, o marido de Irina o trouxe.
Meu netinho é um bom menino.
Passa o dia inteiro brincando com o velho Andrei; tornaram-se amigos.
Agora, está no pátio e diverte-se brincando de arqueiro.
O médico não o permite passar por aqui para não perturbá-la; tu precisas de calma e silêncio.
Agora, vamos ao curativo, Olenka; e, depois, dorme um pouco.
Ao terminar o curativo, o velho boiardo e o médico saíram. Olga, cansada, porém feliz, dormiu um sono profundo e alentador.
O golpe, infligido à esposa, teria sido mortal, se Henry fosse senhor absoluto de suas forças; mas, felizmente, seu braço não foi pesado e a ferida, embora séria, possibilitava a esperança de recuperação.
Olga convalescia mais rápido do que se esperava:
Sentia reanimar-se física e moralmente, afastando da memória os últimos acontecimentos e a figura rude do cavaleiro Barenkhaupt.
Somente agora tudo se lhe aclarava e entendia o quanto o odiava.
Ela, ainda não vira Ivan Andreievitch e embora não tivesse coragem de perguntar ao pai sobre seu paradeiro, pensava muito nele.
Finalmente, ficando a sós com Irina, decidiu indagar se o boiardo estava ferido e se, ainda, estava em Ivangorod.
A velha, com um sorriso malicioso, olhou para o rosto corado de Olga e respondeu:
— Foi ferido, mas agora, graças a Deus, se recupera.
Como vamos partir, minha querida pombinha, logo poderás vê-lo.
Depois, Irina contou como o voievoda queria avisá-las, através de Salomão, para que saíssem da casa, assim que o ataque dos russos começasse.
Um destacamento de guerreiros as esperaria num local indicado e rapidamente as conduziria a Ivangorod.
Mas, esse plano foi de impossível realização, pois, com a aproximação dos russos e a possibilidade de cerco, os cidadãos de Narva exigiram a expulsão dos judeus, nos quais não confiavam.
Além disso, o portão da cidade era tão vigilantemente guardado, que não havia nenhuma possibilidade de penetrá-la, o que forçou a libertação delas, ceder à vontade do destino.
Alguns dias se passaram.
Fortemente emocionada, Irina comunicou a Olga que tinha visto Salomão, que acabara de chegar de Narva.
O hebreu noticiou-lhe a provável morte de Barenkhaupt e a transformação da casa dele em escombros, devido ao incêndio que a queimara inteiramente, até os alicerces.
A notícia trazida por Irina afligiu Olga e ela rezou fervorosamente pelo descanso da alma do finado marido.
Mas, depois de passada a aflição, ela começou a enxergar aquela morte, como uma felicidade e libertação, que lhe abririam a possibilidade de iniciar uma nova vida.
Ela se encontrou com Ivan Andreievitch e ficou sabendo de um detalhe de sua vida.
O jovem boiardo era viúvo e tinha, do primeiro casamento, um filho de três anos e meio e uma filha, cujo nascimento, custou a vida da mãe.
Olga leu nos olhos de Ivan Andreievitch que eles se apreciavam mutuamente.
Quem sabe, o que o futuro estaria preparando para eles, já que ela estaria livre agora?!
Com grande alegria da filha e do neto, Andrei Semionovitch resolveu levá-los para Novogorod, sua terra, Olga ansiava ver a casa paterna, onde passou os primeiros dias de sua infância e viveu com sua mãe.
Com referência a Otton, este também se sentia agora como se estivesse no paraíso, pois mais temia o pai do que o amava.
Todos, começando pelo avó o mimavam extremamente e o menino fazia tudo que queria.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 25, 2017 8:05 pm

Além disso, o velho pai Andrei, sempre contente e pronto para correr com ele, era um companheiro muito mais agradável do que o sombrio e taciturno Khristofor.
Despedindo-se de Ivan Andreievitch, Olga, por ela e pelo pai, agradeceu o auxílio prestado, que a livrou da morte eterna.
O jovem boiardo retrucou sorrindo:
— Salvando uma conterrânea, apenas cumpri com meu dever.
Depois, acrescentou, que dentro de três ou quatro meses, estaria em Novogorod para saber de sua saúde, e o olhar que acompanhou as palavras de Koly tchev deu a entender a Olga que a visita teria também, outro objectivo.
Andrei Semienovitch odiava tudo que lembrasse a vida de Olga com os alemães.
Por isso, assim que chegou em Ivangorod, tomou rapidamente todas as medidas para reintroduzir a filha e o neto no seio da igreja ortodoxa.
Três semanas se passaram, a cerimónia de conversão ao ortodoxismo foi realizada, tendo o pequeno Otton recebido o nome de Boris.
Além disso, para que nunca mais se ouvisse o odioso nome "Barenkhaupt", o velho boiardo resolveu dar ao menino o sobrenome Lody gin.
De acordo com sua promessa, dentro de quatro meses Koly tchev chegou, trazendo notícias sobre a funesta batalha com os alemães, junto às muralhas de Ivangorod, cujos arrabaldes e cercanias foram pilhados e queimados.
Nesta batalha, morreu seu tio, o voievoda Loban-Koly tchev.
A segunda notícia, comunicada somente a Andrei Semienovitch, era a respeito de Barenkhaupt, que não morrera, como todos pensavam.
Koly tchevo tinha visto por ocasião do último combate.
Ele lutava nas primeiras fileiras, destacava-se pela fúria extraordinária, não poupava ninguém e espancava, inclusive, os feridos.
Porém, para o maior assombro do boiardo, o cavaleiro vestia a capa da Ordem.
A conselho de Andrei Semienovitch, Koly tchev resolveu omitir esse facto para Olga, a fim de não perturbar a felicidade e tranquilidade da jovem mulher; além disso, Ivan Andreievitch tinha pedido a Lody gin a filha em casamento, o que foi consentido com alegria; desta forma, o jovem boiardo queria aproveitar sua estada em Novogorod para festejar os esponsais.
A notícia sobre o marido podia perturbar Olga, embora a admissão do cavaleiro na Ordem fosse equivalente ao divórcio.
No dia seguinte, Ivan Andreievitch, aproveitando o momento oportuno, quando estava a sós com Olga, sentou-se ao seu lado, pegou suas mãos e disse:
— Durante esses meses em que estivemos separados, lembraste de mim, Olga Andreievna, mesmo que fosse uma vez ou outra?
— Todos os dias eu rezava por ti, pedindo ao Senhor e a Santa Virgem para te poupar de todas as desgraças e infelicidades. - respondeu, baixando os olhos.
Koly tchev apertou fortemente a mão dela.
— Tuas orações foram ouvidas.
De todas as batalhas sai são e salvo.
Mas desejo, Olga Andreievna, receber de ti não apenas orações.
Comecei a te amar com todo o coração e pergunto francamente: tu me amas o bastante para tornar-te minha esposa e mãe de meus filhos?
Olga, com embaraço, levantou os olhos para ele e, deparando-se com o olhar amável e bondoso de Ivan Andreievitch, inclinou a cabeça sobre seu peito.
— Sim, também comecei a te amar e ficarei feliz em ser tua esposa.
Juro que Natacha e teu filho serão para mim como meus próprios filhos!
E, de tua parte, promete-me que amarás meu Boris, esquecendo ser ele um rebento, em parte, inimigo.
— Ele é teu filho, Olga, e isto é o suficiente para que ele me seja querido.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 25, 2017 8:06 pm

Educá-lo-emos de tal forma, que ele será uma verdadeira alma russa.
Um beijo ardente selou aquela explicação.
Quando o velho voievoda soube que tudo se arranjara bem, sua alegria se tornou uma realidade forte e sincera.
— Agora, na realidade, eu tenho de volta minha querida filha e o passado, maldito seja, definitivamente cancelado e esquecido! — exclamou, beijando os noivos.
Depois de seis semanas, as bodas se realizaram.
Apesar de ser uma época sombria e incerta; apesar de haver guerras e constantes invasões inimigas, que devastavam o país, o voievoda decidiu festejar brilhantemente o casamento da filha.
Trajando um vestido de brocado e tendo na cabeça um adorno alto, coberto de pedras preciosas, Olga estava maravilhosa como um dia de primavera.
A alegria, que brilhava em seus grandes olhos castanhos e o constante sorriso de felicidade em seus lábios, embelezavam-na ainda mais.
O sacramento majestoso do casamento ortodoxo, sem querer, fez reviver, em sua memória, a capela pequena e semi-escura do castelo de Barenkhaupt, onde, um dia, pálida e desconcertada, ajoelhou-se ao lado do rude Henry, cujo olhar devorador a fazia estremecer.
Naquela ocasião, era uma coitada, indefesa, inteiramente dependente do pai adoptivo, que, além de levar sua mãe à sepultura, ainda a obrigou pagar severamente pela sua protecção, forçando a união com um homem que não amava.
Ivan Andreievitch partiu de Novgorod, deixando, por algum tempo, a mulher e as crianças na casa do sogro.
Ele não queria expor a família aos imprevistos da guerra.

6. Murzelo: Mouro, cavalo árabe.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 25, 2017 8:06 pm

CAPÍTULO 3

Os soldados de Barenkhaupt retiraram Henry e Khristofor da casa envolta em chamas, notando neles ainda um sinal de vida e levaram-nos para um acampamento alemão.
A mágoa sofrida o golpeou terrivelmente.
Barenkhaupt não duvidava da morte da esposa; conhecendo a precisão de sua mão, considerava que um golpe assentado por ela, sem dúvida, seria mortal.
Mas o que teria acontecido a Otton?
Os inimigos o teriam aprisionado?
Teria ele morrido sob os escombros da casa?
Ou, talvez, faminto e sozinho, estaria vagando pelos arredores, ou mesmo pela cidade devastada?
Entre os destacamentos livónios, que corriam de todos os lados em socorro a Narva, já evacuada pelos russos, chegou também o destacamento chefiado por Konrad Levental, que de imediato, tomou para si a responsabilidade de cuidar do sobrinho, enviando-o, na primeira oportunidade, ao seu castelo para curar-se.
Uma mudança profunda transformou Henry.
Seu carácter tempestuoso se tornou calmo; pálido e sombrio, por dias inteiros, permanecia calado na cama, ou ficava pensativo, sentado na poltrona junto à janela.
Sobretudo este último pensamento o atormentava mais.
Logo que Henry convalesceu o bastante para montar a cavalo, foi para Narva e ordenou escavar os escombros da casa.
Sob as ruínas, entre os muitos corpos carbonizados, foram encontrados dois cadáveres de mulheres e um esqueleto de criança.
Um deles, devido às incorrecções da mão, foi reconhecido como pertencente à criada de Rosalinda.
Porém Henry não sabia que uma pobre cidadã, para salvar-se dos russos, escondera-se com o filho no saguão de sua casa, e por isso, não duvidou que houvesse encontrado os restos mortais da esposa e do filho.
O corpo da pobre e simples cidadã foi sepultado com todas as honrarias, como eram devidas à esposa do cavaleiro Barenkhaupt.
Não obstante a nostalgia e o vazio da alma, a natureza tempestuosa se sobrepôs, e novamente, à medida que se restabelecia, renasceu no corpo forte de Barenkhaupt a necessidade própria de agir.
O ódio contra os russos transbordante de sua alma, procurava uma vazão.
Tendo adquirido aversão à vida mundana, Henry resolveu ingressar na Ordem e tirar vingança.
Devido a influência do tio Konrad, a vontade de Barenkhaupt se cumpriu imediatamente e quando Koly tchev o viu sob as muralhas de Ivangorod, Henry já usava as vestes da Ordem.
Passados alguns meses após a batalha de Ivangorod, Barenkhaupt foi a Haspal a serviço da Ordem e lá ouviu uma notícia que o fulminou como um raio.
Uma vez, de visita a um amigo, veio a negócios um rico comerciante de peles e couro.
Na hora da refeição, iniciou-se um diálogo e o negociante, entre outras coisas, mencionou que estivera em Ivangorod, onde vendera maravilhosamente.
Um amigo dele, que por motivo de doença, não pudera ir pessoalmente, pedira-lhe para levar uma remessa de seda, tecido holandês e mais algumas outras coisas.
Ele concordou e seu trabalho teve êxitos inesperados; em pouco tempo, conseguiu vender toda a mercadoria e uma grande parte foi comprada pelo senhor Lody gin, rico boiardo novgorodense, que casara sua única filha.
— A história dessa mulher é espantosa! — acrescentou o negociante.
Ainda, quando criança, ela e sua mãe foram capturadas por um destacamento de soldados alemães.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 26, 2017 8:19 pm

O porque delas não terem sido resgatadas, não sei; só sei que ela viveu aqui e dizem, inclusive, que se casou.
Por ocasião do último ataque dos russos e arrasamento de todas as cidades e castelos de Narva até Revel, já não me lembro onde, mas parece que foi em Narva, Lody gin encontrou a filha e a levou consigo.
Assim que a jovem mulher recuperou-se de um grave
ferimento, ocorrido acidentalmente durante a luta, ele a deu em casamento ao seu amigo, o jovem voievoda de Ivangorod.
Tive oportunidade de ver os jovens, quando saíam da igreja, depois do casamento:
uma moça bonita, loira com olhos maravilhosos e o boiardo, um rapaz também muito bonito.
Pareciam estar completamente apaixonados...
Durante a narração do comerciante, ninguém prestou atenção na palidez mortal de Barenkhaupt.
O ruído da queda de um corpo forçou a todos se voltarem e só então é que viram Henry, sem sentidos, estendido no chão.
— Deus supremo!
Será que era a mulher dele? Como não desconfiei disso antes! — falou o anfitrião, levantando Barenkhaupt com a ajuda de todos.
Enquanto faziam Henry recobrar os sentidos, o senhor do castelo contou ao negociante tudo que lhe era conhecido sobre Rosalinda e sua morte precoce.
Voltando a si, Barenkhaupt, com a voz rouca e entrecortada, começou a crivar o mercador de perguntas, porém este, nada mais sabia.
Contudo, sua história, a descrição da figura da noiva, não deixaram nenhuma dúvida em relação à identificação de Rosalinda.
Nada mais perguntando, Henry, pálido como a morte, despediu-se rapidamente e voltou para casa.
Impossível descrever o que se passou em sua alma.
Então a esposa estava viva e pertencia a outro; precisamente, ao bandido que a raptou, perante seus olhos!
Ah! Imbecil, insensato!
Ele mesmo revogou a si o direito a Rosalinda, ao tomar o hábito da Ordem, que naquele momento, mais o atormentava.
Durante alguns dias, Henry achava que ia enlouquecer. Um terrível ciúme atormentava sua alma indócil, a tal ponto que ele batia a cabeça contra as paredes e de seus lábios ressoavam gritos selvagens de desespero e raiva impotente.
A excitação louca de Barenkhaupt tranquilizou-se mais rápido do que se esperava.
Ele ficou sombrio e seu estado, aparentemente, era calmo.
Henry envelheceu de repente, devido o ar desalentado e o olhar lúgubre, que inspiravam aos amigos infelicidade e medo.
Não obstante todos os conselhos, Barenkhaupt retornou a Narva, onde passou o tempo todo a sós, evitando a convivência social, dominado por acessos de apatia fúnebre ou ira desenfreada.
Dias inteiros não se afastou da janela, da qual se viam as torres cinzentas e pesadas da cidade inimiga.
Além daquelas muralhas, vivia Rosalinda, adúltera, desonrada, traidora de todas as leis de Deus e dos homens, que tendo um marido vivo, ousou tornar-se mulher de outro.
Oh! Se ele pudesse agarrá-los agora, embriagados de amor, enquanto ele, aqui, sofria um suplício infernal, então lhes daria tal castigo, que assustaria os próprios demónios!
E mil planos dos mais ousados brotaram em sua imaginação excitada.
No castelo de Narva, todos lamentavam sobre o destino do infeliz cavaleiro, mas não havia ninguém que partilhasse de seu ódio e sede de vingança, tão clara e sinceramente, quanto seus dois fiéis escudeiros, Khristofor e Arnulf; além da fidelidade a Barenkhaupt, ambos tinham ainda razoes pessoais para odiar os russos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 26, 2017 8:20 pm

O sombrio, orgulhoso e vingativo Khristofor não podia perdoar e nem esquecer aquelas zombarias e ataques ofensivos suportados em Ivangorod.
Arnulf, durante a última matança em Narva, perdeu a esposa, irmã e dois filhos, de forma que em sua alma, encerrava-se uma sede insaciável de vingança tal qual na de Barenkhaupt.
Os dois escudeiros discutiam frequentemente com o "viúvo" e, uma vez, quando Henry, como de hábito, estava à janela devorando com os olhos as muralhas inacessíveis da desagradável fortaleza, Khristofor aproximou-se e perguntou em voz baixa, apontando para Ivangorod:
— Cavaleiro! O senhor desejaria penetrar o ninho dos bandidos?
— Dez anos de minha vida eu daria para ir até lá, observar o que fazem e cravar meu punhal no coração daqueles traidores, sibilou entre os dentes Henry.
Khristofor sorriu e, inclinando-se para ele, cochichou-lhe algo no ouvido; Henry escutou com atenção, brincando nervosamente com o cabo do punhal.
— Teu plano é bom, pensarei nele, — disse quando Khristofor acabou.
Ainda conversaremos sobre isto.
Depois desse dia, Henry ficou, aparentemente, mais calmo.
Por horas inteiras, conversava com os dois escudeiros, que todas as noites, saíam para algum lugar, carregando, escondidos sob as capas, embrulhos misteriosos bastante volumosos.
Naquele tempo, o grão-mestre da Ordem, Walter Von Plettenburg, esteve em Narva de passagem.
Henry foi ao seu encontro e implorou para ser ouvido.
— Fale, meu irmão!
No que depender de mim de bom grado, serás atendido, pois estou sabendo que uma grande desgraça ocorreu contigo, — respondeu Plettenburg, olhando com interesse para o rosto pálido e esgotado de Henry e para seus olhos sombrios e funestos.
— A amargura que me visita é o castigo justo pelos meus pecados e crimes, — surdamente respondeu Barenkhaupt.
Para abrandar a ira divina e acalmar a própria consciência, resolvi submeter-me à provação dos eremitas por todo o tempo que o Senhor me indicar.
Vim pedir-te permissão para executar minha promessa.
— Deus me guarde de obstruir, de alguma forma, os trabalhos para a salvação de tua alma; mas meu dever me obriga a fazer algumas considerações, — disse o grão mestre.
Primeiro, pensaste em todos os sofrimentos expiatórios, que estás querendo impor sobre ti?
A clausura numa cova é funesta para a saúde; o homem não pode viver sem ar e luz.
Tornar-te-ás incapaz.
Poderias servir a Deus de outra maneira, não menos verdadeira e útil, ou seja, golpear, em teu nome, os inimigos da igreja.
— Reflecti sobre tudo isso e minha decisão é irrevogável.
Está dependendo apenas de tua autorização o cumprimento de minha promessa.
Com oração e penitência, quero descer ao abismo, denominado "sepulcro", que fica perto das muralhas do castelo.
Dois servos antigos e fiéis desejaram dividir comigo minha expiação voluntária.
Um guarda, devidamente instruído, todos os dias baixará os alimentos.
Quando sentir na alma, que Deus me perdoou, tocarei um sino, pendurado no abismo e de lá será descida uma corda.
Então, de novo, sairemos para a luz do dia.
— Percebo, meu irmão, que pensaste e examinaste tudo muito bem.
Que seja cumprido teu desejo!
Quando pensas mesmo iniciar tua provação?
— Gostaria de iniciar antes de tua partida e do bispo.
Mas, antes quero me preparar para a grande provação, durante três dias, com orações e jejum.
— Portanto, isto será na próxima sexta-feira, concluiu o grão-mestre, absolvendo o cavaleiro.
A notícia sobre a penitência incomum à qual se submeteria Barenkhaupt, surpreendeu a todos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 26, 2017 8:20 pm

Uns se indagavam qual o crime que ele poderia ter cometido, para exigir de si mesmo, uma promessa tão extraordinária; outros simplesmente o tinham como louco.
Todavia o que mais assombrou a todos foi o facto de ele ter encontrado dois companheiros, para segui-lo em tal proeza.
O lugar denominado "sepulcro" não era mais que um abismo profundo, situado atrás das muralhas do castelo à margem do rio.
Era possível alcançar o abismo pelo interior da fortaleza, através de uma passagem aberta nas muralhas.
O caminho terminava em uma porta, pela qual eram lançados ou baixados no abismo os condenados, dependendo de a sentença os julgar à morte rápida ou por fome.
Há muitos anos não se realizava uma execução desse género; porém, sobre a porta, era mantida uma roldana em ordem, na qual estava pendurada, por correntes de ferro, uma pequena plataforma de madeira, que servia para baixar ao encontro de uma das mortes mais terríveis, os infelizes condenados pelas leis bárbaras daquele tempo.
Três dias e três noites, Henry passou em orações e jejum.
Na manhã do dia em que deveria, por tempo indeterminado ou para sempre, abandonar o mundo dos vivos, ele e os dois acompanhantes foram à catedral, receberam a comunhão das próprias mãos do bispo e, depois, os três permaneceram no templo até altas horas da noite.
Toda a população de Narva estava acordada, aglomerando-se pelas ruas, desejando ver a procissão fúnebre, iluminada por archotes, que marchava da catedral em direcção ao castelo.
Na frente, entoando salmos, arrastava-se uma longa fila de monges, portando velas acesas; atrás deles, com paramentos fúnebres, os padres e o bispo; a seguir, com a cabeça baixa, vinha Barenkhaupt.
Vestia uma armadura negra, na cabeça, um capacete sem plumas com a viseira erguida e por cima da armadura, cobria-se com a batina monástica.
Khristofor e Arnulf, seguiam Henry, usando também a mesma batina.
Encerrando a procissão, vinham os cavaleiros seculares livónicos.
O cortejo provocou impressões penosas indescritíveis na multidão, que lotava as ruas e se benzia com veneração.
Os homens descobriam as cabeças e as mulheres ajoelhavam-se chorando.
Aquele homem jovem, orgulhoso, rico, cercado de todos os bens materiais, que se enterrava vivo, impressionava a todos, causando pena e horror.
Na entrada para o corredor estreito, onde não era permitido passar, a procissão parou e os cavaleiros, em fila, começaram a se despedir de Henry, abraçando-o ou trocando com ele apertos de mão.
Depois, o bispo, o grão-mestre, Henry e seus companheiros, juntamente com dois sacerdotes e alguns cavaleiros com archotes nas mãos, entraram na passagem estreita da muralha.
Na frente deles, havia uma porta pequena, revestida de ferro. Henry ajoelhou-se perante o bispo e este, mais uma vez, dirigiu-lhe um sermão de despedida.
Lembrou a Barenkhaupt, que ainda era tempo de mudar de opinião; aos dois acompanhantes, ressaltou que deveriam manifestar-se, caso não estivessem seguindo-o voluntariamente.
Mas os três responderam que a decisão deles era inabalável e seu cumprimento se devia unicamente por vontade pessoal.
Então, o bispo os abençoou, dando-lhes o crucifixo para beijar e ordenou a abertura da porta.
— Que Deus vos ajude, meus filhos, amparando-vos nesta pesada provação e que salve vossas almas! — com devoção, terminou o velho monge.
A porta se abriu com dificuldade, apareceu um pequeno cadafalso suspenso por correntes e Henry com os escudeiros se instalaram nele.
Quando a corrente com um rangido sinistro começou a desenrolar-se, Barenkhaupt entoou um hino sacro.
Fortemente deprimidas, pelas impressões tristes e penosas, as testemunhas desta cena emocionante se calaram junto à porta aberta, ouvindo a voz de Barenkhaupt que desaparecia pouco a pouco.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 26, 2017 8:20 pm

O abalo leve das correntes, anunciaram finalmente, que a plataforma atingira o fundo do abismo.
O canto cessou.
— Meus irmãos!
Antes de fecharmos a porta, rezemos pela paz das almas destes enterrados vivos, disse com emoção, o bispo.
No final do canto fúnebre, todos se dispersaram em silêncio.
À medida que a plataforma descia para o fundo do abismo, o cheiro de decomposição e podridão se tornava mais forte, dificultando a respiração.
Agora, uma noite escura e indevassável encobria os três ousados, que silenciosos, estreitavam-se um contra o outro.
Teriam eles, alguma vez, pensado que a prova seria assim tão pesada?
Aliás, nenhum deles nada revelou sobre tal suposição.
Quando a plataforma roçou levemente o fundo do abismo, Khristofor acendeu uma vela.
Com a luz fraca e cintilante, puderam, ao menos, enxergar um pouco.
Eles se encontravam em um lugar horrível, semelhante a uma enorme fenda, que se limitava, por um dos lados, com as fundações resistentes da fortaleza.
Em volta, havia esqueletos e corpos semidecompostos dos infelizes que, na agonia extrema, arrastaram-se para lá, onde, apesar dos pesares, chegava até eles um raio fraco de luz.
Henry começou a sentir-se mal.
Apoiou-se na parede e fechou os olhos.
Antes, lá em cima, à luz do dia, a vingança lhe parecia leve, porém no momento, todo o gigantismo de seu ousado empreendimento aparecia e suas forças fraquejavam perante a incumbência.
Ele voltou a si ao ser tocado por Khristofor, que perguntou:
— O que há, senhor?
Henry reanimou-se.
— Bobagens! O cheiro dos cadáveres me embaralhou a cabeça, mas já passou.
Tira-me a armadura e desenvencilhem-se das vossas.
É preciso por em ordem esse lugar.
Depois que as armaduras foram retiradas e arrumadas em uma cavidade da rocha, eles começaram a desembalar os embrulhos anteriormente baixados ao abismo por Khristofor e Arnulf.
Em um deles, havia malho, pinças, pregos, alavancas, picaretas, pás e outros instrumentos para trabalhos de escavação; nos outros, cobertores grossos, artigos de pele, roupas diversas e roupas brancas.
Além disso, havia também alguns pequenos barris de vinho para restabelecer os ânimos e uma reserva de archotes e velas.
Acenderam alguns archotes e os três começaram a trabalhar.
Abriram um fosso para enterrar os cadáveres semidecompostos, que poluíam o ar e colocaram os ossos em um canto para não cavar em vão.
Findo o trabalho preliminar, ambos os escudeiros se enrolaram em cobertores e dormiram profundamente, esquecendo o terrível clima que os cercava.
Só Henry não dormiu.
Uma excitação estranha lhe tirava o sono.
A amargura e o desespero destes últimos meses, que enegreceram sua alma, rebentavam, agora, como uma autêntica tempestade.
Pensava em Rosalinda.
Nele ardia um ódio selvagem da mulher traidora, razão de todas as infelicidades e, graças a ela, encontrava-se agora ali, naquele subterrâneo, ao invés de seguir sua vida de guerreiro à frente de ataques intrépidos.
Seus pensamentos foram interrompidos por um estranho crepitar, acompanhado por rajadas de vento frio, que lhe golpearam directo no rosto.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 26, 2017 8:20 pm

Endireitou-se e abriu os olhos.
A princípio com espanto e depois com horror, viu uma luz esverdeada que surgia do local onde os ossos foram depositados.
A luz crescia expandindo-se e, em pouco tempo, iluminou toda a caverna.
Do fosso recém-aberto reluziam fagulhas, saltitavam bolhas azuis como safira, formando um vapor denso, que se juntava em nuvens.
Nesse instante, Henry viu, a dois passos dele, sentado na saliência da parede, um homem pálido, de rosto desfigurado, falando claramente sobre seus insuportáveis sofrimentos.
Os olhos dele, ardentes como dois carvões, estavam fixos em Henry.
Por trás deste fantasma horrível, ressuscitou outro cadáver, cujo corpo enegrecido e semi-putrefacto desprendia-se dos ossos.
Em direcção a ele, de todos os lados, corriam esqueletos com os crânios descobertos, tendo de vivo apenas os olhos, que luziam como fogo fosfórico no fundo das órbitas.
As bocas sem lábios, com dentes enegrecidos, formavam um sorriso sinistro.
Essa turba asquerosa juntou-se em volta de Henry, mirando-o com curiosidade e raiva demoníaca.
Vozes roucas e sibilantes soavam como se viessem de longe.
— Por que tu, sendo vivo, vieste para cá, ao mundo dos mortos?
Oh! O que já sofremos!
Como estamos sofrendo ainda agora!
Nossos corpos se arrastam sem sepultura, nossa memória é desprezada e maldita.
Nenhum ser vivente ora pela paz de nossas almas e pelo alívio de nossos suplícios.— gritaram todos eles.
Prantos, maldições, blasfémias e lamentações contra sofrimentos horríveis, tudo se misturava em um vozerio inimaginável.
Cada vez mais a turba se aproximava de Barenkhaupt; os rostos desfigurados exprimindo maldade se inclinavam para ele; os dedos frios e descarnados agarravam-no e o hálito fétido lhe batia no rosto.
Com a visita das horríveis criaturas do além, que se aglomeravam em volta dele. tocando-o, ao mesmo tempo que gemiam e gritavam, Henry ficou paralisado pelo terror e, durante alguns minutos, pensou que ia perder a razão.
Mas, era um homem intrépido, um cristão profundamente fervoroso, apesar de todos os seus defeitos.
Reprimindo energicamente seu medo, agarrou um crucifixo de ouro, que tinha pendurado no pescoço e, levantando-o com as mãos trémulas, exclamou:
— Orai, para que Deus vos conceda a calma, pobres sofredores!
Se esquecestes as palavras sagradas, orai comigo!
Eu mesmo, todos os dias, rezarei por vós.
Com voz fraca, mas nítida, começou a rezar:
— Pai nosso, que estais no céu...
A medida que eram pronunciadas as palavras da oração que atendia às necessidades da alma e a todos os seus arrebatamentos a Deus, as almas penadas começaram a afastar-se.
Os gemidos, as lamentações e maldições se calaram e o ódio que ardia em seus olhares foram desaparecendo.
A nuvem azulada e brilhante começou a abandonar as muralhas do abismo, onde tantas vidas infelizes e criminosas se extinguiram e encobriu, como uma cortina, a nudez assustadora dos esqueletos.
A visão empanou-se rapidamente e desapareceu e a luz esverdeada extinguiu-se, dissipando-se na nuvem azulada.
No fosso, novamente, estabeleceram-se, as trevas e o silêncio.
Entretanto, o desassossego provocado por esta visão, somado às agitações dos dias anteriores, foi muito forte até mesmo para uma pessoa de nervos de aço como o cavaleiro Barenkhaupt.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71996
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Conde J. W. Rochester - Na Fronteira / Wera Ivanovna Krijanovskaia

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 4 1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum