DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Página 1 de 13 1, 2, 3 ... 11, 12, 13  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:19 am

DESPERTAR PARA A VIDA
Eliana Machado Coelho

Pelo Espírito Schellida

ÍNDICE

1 - JONAS, ALIMENTADO PELA VINGANÇA
2 - A CONVALESCENÇA DE MÁRCIA
3 - REORGANIZANDO A VIDA
4 - INICIANDO OS MOMENTOS DE TENSÃO
5 - A VISÃO DE MÁRCIA
6 - MÁRCIA É PROMOVIDA
7 - ÉRAMOS UNIDOS, FELIZES
8 - UM AMIGO PARA OUVIR
9 - APRENDENDO A CAMINHAR
10 - CONFLITO SENTIMENTAL
11 - AMOR E SUICÍDIO
12 - O BRILHO DA VERDADE
13 - ENCARCERADOS E LIBERTOS
14 - A MEDIUNIDADE DE FÁBIO
15 - A PERSISTÊNCIA DE UM OBSESSOR
16 - ESCLARECIMENTOS OPORTUNOS
17 - O EXEMPLO DE BETE
18 - MUDANÇAS REPENTINAS
19 - ABALOS, TRANSTORNOS E DESESPERO
20 - MÁRCIA ENTRE O DESESPERO E A DETERMINAÇÃO
21 - ENQUANTO HÁ VIDA, HÁ ESPERANÇA
22 - ROBERTO ESCONDE GRAVES ACONTECIMENTOS
23 - A FORMOSURA DE UMA ROSA
24 - VIDAS EM PERIGO
25 - DISCUSSÕES ACALORADAS
26 - UNIDOS POR AMOR
27 - TENTANDO SEPARAR OS QUE SE AMAM
28 - SOB TERRÍVEIS SEDUÇÕES
29 - RECONCILIAÇÕES
30 - RECOMPENSA DIVINA
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:19 am

1 - JONAS, ALIMENTADO PELA VINGANÇA

Márcia conduzia tranquilamente seu veículo por uma auto-estrada.
Tinha ficado a serviço por duas semanas na cidade do Rio de Janeiro.
E estava feliz, ansiosa por retornar a São Paulo, queria rever sua família e retomar suas actividades.
Trabalhava em uma multinacional que, às vezes, a mandava para outras cidades por consequência de serviços.
Era um lindo dia de sol e a Rodovia Presidente Dutra, com destino a São Paulo, estava com pouco movimento.
Por ser hora do almoço, Márcia resolveu parar em um restaurante da estrada, pois deveria ter pela frente mais de uma hora e meia de viagem.
Como sabia que aquele era um bom lugar para se fazer refeição, preferiu dispor-se naquela hora.
Após estacionar o carro, entrou no restaurante, dirigiu-se a uma mesa, sentou-se e pediu um prato "leve".
Ao terminar, aceitou o café oferecido, pagou a conta e seguiu viagem.
Já passavam das treze horas e o calor era intenso.
Em vez de ligar o ar condicionado, preferiu abrir os vidros e quebrar o vento para dentro do carro.
Ela gostava de sentir os seus cabelos esvoaçando.
Ligou o som e colocou a música de sua preferência.
Isso a fez pensar no namoro que havia terminado recentemente com Arnaldo e, entretida com as ideias, questionava-se:
"Como será que ele está?
Não acredito que sinta qualquer mágoa.
Eu nem mesmo estou triste.
Afinal, depois de um ano de namoro nós já estávamos desgastados, significando que não havia mais amor.
Não sentíamos mais aquele entusiasmo em nossos encontros e, às vezes, quando não nos víamos, por qualquer motivo, não sentíamos mais aquela saudade.
As coisas estavam muito frias e... na verdade só gosto dele, só isso.
Não quero mais envolvimento ou compromisso".
Interrompendo a sequência de seus pensamentos sem perceber, entusiasmada, iniciou outro como quem muda de assunto repentinamente:
"Farei uma surpresa para minha mãe!
Quando chegar, não vou telefonar e amanhã bem cedinho, vou visitá-la e...".
Nesse momento, subitamente, Márcia ouviu um estouro e um forte barulho de ferragens batendo.
Tudo girou e ela não viu ou ouviu mais nada.
Horas depois escutava vozes a seu lado sem entender direito o que estava acontecendo.
Tentava abrir os olhos, mas suas pálpebras estavam pesadas e teimavam em se fechar.
Mesmo atordoada, reconheceu a voz de seu pai que estava a alguns metros de seu leito.
- O que há com ela, doutor?
Já era para minha filha ter acordado!
- Acalme-se, senhor Jovino - aconselhou o médico com tranquilidade.
Essa reacção é normal depois de um acidente, além do que, sua filha está sob efeito de medicamentos.
"Acidente?!", pensava Márcia.
"Não me lembro de nenhum acidente!".
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:20 am

E, com muito esforço, balbuciou:
- Pai...
O senhor Jovino correu para perto de Márcia e, quase em desespero, com a voz embargada, perguntou comovido:
- Filha, você está bem?!
Está me ouvindo?!
Remexendo-se um pouco no leito, Márcia tornou a dizer em voz baixa e fraca:
- Pai... estou com dores por todo o corpo... - sussurrou lentamente.
- Não se esforce - interveio o médico com voz firme.
- Você sofreu um acidente.
Não está com nenhuma fractura, somente alguns hematomas.
Após o choque, desmaiou, e é normal que se sinta assim.
Agora, Márcia, você tem que repousar e ficará em observação pelas próximas 48 horas.
- Meu filho é médico, doutor - interferiu o senhor Jovino sem demora.
Já liguei e pedi que ele viesse para cá, pois quero transferi-la para o hospital onde ele trabalha lá em São Paulo.
Voltando-se para Márcia continuou:
- Vou tirá-la daqui, filha.
- Fique tranquilo, senhor Jovino, como médico eu garanto que ela está bem.
Deixe seu filho vir para que, juntos, cheguemos a um único parecer clínico.
gora, o importante é que a Márcia descanse.
- E o meu carro? - perguntou Márcia desorientada e alheia ao assunto.
- Seu carro está como todos após um acidente.
Ele não é tão importante, pode esperar muito tempo para ser socorrido, você não. - disse o médico com um leve sorriso no rosto e um tom de brincadeira na voz.
Virando-se para o senhor Jovino, concluiu:
- Vamos à recepção, pois seu filho pode não encontrá-lo ao chegar e Márcia precisa descansar.
Colocando o braço no ombro do senhor, conduziu-o lentamente para fora do quarto.
Mil coisas passavam pelos pensamentos de Márcia:
"Como foi acontecer aquilo?
Não lembro de nada.
Será que dormi ao volante?
Não! Impossível!", acreditava.
Além do corpo todo dolorido, a moça sentia forte dor de cabeça que passou a aumentar a cada segundo.
O quarto, agora, parecia girar, sentia náuseas e intenso mal-estar.
Nem Márcia, nem ninguém ali presente, pôde ver, mas na cabeceira do leito da jovem havia um rapaz magro, alto, as roupas sujas com alguns rasgos, barba por fazer e cabelos com aspecto grudento e desalinhado.
Seu rosto estava pálido e sua feição era de quem sofria muito.
Possuía escoriações por toda a face, um machucado na cabeça que ainda sangrava.1
Seu braço direito mexia, mas nele havia um grande ferimento exposto.
Quase não se aguentava em pé, pois vez ou outra sentia fortes dores abdominais, cólicas intestinais tão fortes que ele se contorcia involuntariamente.
Trazia consigo uma mágoa, um rancor incontrolável e, apesar de tudo o que sofria, conseguia forças para alimentar um ódio que parecia exalar em sua aura turva.
Aproximando-se um pouco mais de Márcia, como que apertando com as duas mãos a cabeça da moça, como se fosse coroá-la, dizia-lhe palavras de baixo calão demonstrando-se enfurecido, pois suas vibrações eram extremamente fortes.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:20 am

Com os dentes cerrados e a voz rouca, repetia com muito ódio:
- Você vai sofrer!
Sofrer! Sofrer muito!!!
Vai sentir muita dor, sua desgraçada!
No mesmo instante, Márcia começou a remexer-se no leito. Uma dor insuportável, muito aguda, parecia perfurar sua cabeça.
Seu desespero era tamanho que começou a gritar.
Levantando os braços, ela abraçou a própria cabeça, agitando-se de um lado para outro como se quisesse, de algum modo, livrar-se da dor, de todo aquele sofrimento, de toda aquela angústia.
Rapidamente aproximou-se uma enfermeira e logo atrás o médico.
Seus gritos podiam ser ouvidos ao longe.
Márcia, já sentada na cama e ainda abraçando a cabeça, girava o corpo de um lado para outro, exibindo um descontrole sem igual.
A enfermeira e o médico a seguravam, enquanto ele perguntava repetidas vezes o que sentia, mas Márcia não conseguia explicar e só gritava:
- Que dor! Ai, que dor!
Eu não aguento mais!!! - enquanto as lágrimas rolavam em sua face pálida.
Gritando a uma outra enfermeira que chegava, o médico pediu que preparasse um sedativo ditando-lhe os componentes e a dosagem em rápidas palavras.
Foi quando Márcia, em meio a tanto sofrimento, gritou desesperada:
- Deus! Por favor, ajude-me!
Como quem levasse um súbito choque, num pulo o rapaz a largou e foi atirado longe, no outro canto do quarto.
A dor foi suavizando como por milagre.
Márcia jogou-se para trás deixando-se cair como se desfalecesse.
Pausadamente e com a voz fraca sussurrou enquanto lágrimas corriam-lhe ainda pela face:
- Foi muito forte... não quero sentir isso novamente.
Pelo amor de Deus...
- Acalme-se, Márcia.
Sou eu, o doutor Jarbas.
Vamos cuidar de você, mantenha-se calma, o sedativo já vai fazer efeito.
A custo, o senhor Jovino era mantido, pelos enfermeiros, do lado de fora do quarto.
Levantando-se do chão, o rapaz, ainda um pouco atordoado, atravessou a porta fechada.
Sua raiva era tamanha que conseguiu forças para dizer ao senhor Jovino, com vibração sarcástica, influenciando-o:
- Ela vai sofrer!
Você vai chorar muito por ela, pode crer!
Sua queridinha já começou a sofrer, seu velho safado.
O senhor Jovino não ouviu nada, mas pôde captar aqueles desejos, aquela energia que o envolveu com vibrações angustiantes fazendo-o cair num pranto compulsivo ao pedir, melancólico:
- Por favor, ajudem minha filha!
Minutos se fizeram e a situação foi controlada.
Quando Ciro chegou, o filho do senhor Jovino que era médico, ficou ciente de tudo e cuidou da transferência de sua irmã para um hospital em São Paulo, pois, devido ao quadro clínico apresentado, acreditou que seria melhor realizar, o quanto antes, uma tomografia do cérebro, recurso que não existia naquele hospital.
E assim foi feito.
Ninguém pôde ver, mas no momento em que Márcia rogou por ajuda usando de todo seu desejo e fé, acreditando com todas as forças no Criador, um socorrista do plano espiritual, que estava naquele hospital, fez-se presente.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:20 am

Sem muito esforço e sem ser visto, até mesmo pelo espírito Jonas, colocou suas mãos sobre os ombros do rapaz para evitar que continuasse a torturar Márcia.
O socorrista, que naquele momento estava apresentando o hospital e o trabalho ali realizado para um Grupo de Estudo que viera de uma colónia espiritual do interior de São Paulo, emanou verdadeiros desejos de amor, carinho e protecção o que causou um choque com as vibrações energéticas daquele espírito, neutralizando o que Márcia sentia.
Observando a cena, o instrutor do grupo, Renato, passou a explicar a situação do espírito que torturou Márcia e que se chamava Jonas.
Infeliz por não aceitar orientação espiritual e tratamento, permanecendo na ignorância e em estado de perturbação por buscar vingança do que lhe aconteceu no passado, Jonas nunca reflectiu ou questionou a verdadeira culpa por tudo o que sofreu e sofria.
Mesmo desencarnado, ele ainda experimenta todo reflexo de sua ira e nunca alcançou a paz, sofrendo em demasia e, como que alucinado a todo instante, sentia cada parte de seu corpo doer como no momento de sua morte.
- Jonas é alimentado pelos sentimentos de sua mãe e de sua irmã, ainda encarnadas que não se conformavam, como ele, com seu desencarne - explicou Renato com poucos detalhes.
- Renato, como pode ser isso? - perguntou uma das alunas.
- Bem, Jonas sempre foi superprotegido e mimado, desde sua infância.
Filho caçula e somente com uma irmã dez anos mais velha que ele, sempre foi o destaque da família.
Tudo o que fazia era considerado certo e até engraçadinho pelos seus pais, mesmo quando suas peraltices de infância ultrapassavam todos os limites, deixando de ser arte de criança, ele era "aplaudido".
Jonas possuía tudo o que desejava, mas sempre se revoltava, ficava insatisfeito, querendo mais ou exigindo que seus desejos fossem realizados rapidamente.
Sua mãe sempre contornava as situações extremas que ele provocava e nunca o advertia com seriedade, punindo-o ou deixando que o punissem pelo que fizesse de errado.
- A punição excessiva ou drástica é prejudicial, certo? - perguntou uma das alunas.
- Sem dúvida. O excesso, tanto na rigidez da educação quanto no abandono da mesma, ou na protecção exagerada, sempre será prejudicial - continuou Renato com dedicada orientação.
Mas a punição na hora certa, de maneira ponderada, sem excessivas agressões físicas ou morais, com orientação sensata e instrutiva, guiam a pessoa ao caminho correto.
No caso de Jonas, seus pais não ofereceram qualquer orientação filosófica, religiosa ou espiritual, não lhe ensinaram nenhum princípio básico para uma boa formação moral, nunca lhe impuseram limites, tudo o que ele queria fazer era permitido.
Só que Jonas foi crescendo e nunca acreditou nem mesmo em Deus, pois lhe faltou muita base na formação de carácter.
Já com mais idade, suas obrigações foram aumentando, só que ele não queria assumir nenhuma responsabilidade, preferia ser imprudente e negligente.
Desde a escola ele dizia que a culpa era de seus colegas por tudo o que lhe acontecia de errado, os professores nunca estavam certos, ou eram muito exigentes, na opinião dele.
E seus pais sempre o apoiaram, dando-lhe todo o crédito.
Até que começou a se revoltar contra os próprios pais, passou a beber e usar drogas.
Os pais julgavam que os amigos eram os únicos culpados e responsáveis pelo mau caminho que Jonas seguia.
- Digamos que era cómodo para os pais culparem os outros por seus erros, por eles não ensinarem moral e carácter ao filho - observou outra aluna.
- Sim. É sempre cómodo, para qualquer um, culpar o outro por suas falhas em vez de tentar corrigi-las - confirmou o instrutor, ponderado.
Os pais sufocavam Jonas com excesso de protecção e ele sabia disso.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:21 am

Entretanto, Jonas nunca se deixou responsabilizar pelos próprios erros.
Ele não queria encarar a vida nem a seus pais, revelando e contando a verdade sobre seus actos inconsequentes ou reivindicando aos pais o seu direito de aprender, de se libertar dos laços de superprotecção, desejando amadurecer, progredir com as oportunidades da vida.
Jonas sempre foi um covarde na luta por seus direitos de crescer, de evoluir seu carácter, sempre foi um fraco por não lutar pelos seus objectivos, nunca quis ser produtivo e independente.
Todos ouviram com muita atenção o esclarecimento de Renato, até que Ivo, outro membro do grupo, indagou curioso:
- Alguém no plano espiritual já alertou Jonas de tudo isso?
- Sim, claro, inúmeras vezes, mas agora a condição dele é tão inferior que não consegue sequer nos ouvir.
Contudo, podemos enviar-lhe boas vibrações, como elevadas preces de amor e paz, desejo no bem, para aliviá-lo de tudo o que experimenta, rogando misericórdia ao Pai da Vida.
Encarnados e desencarnados podem fazer isso para auxiliar espíritos que, como Jonas, sofrem desorientados ou com as ideias fixas de vingança, ou por seguirem caminhos tortuosos.
- Renato, você disse a princípio, que a mãe e a irmã de Jonas nutrem todo esse ódio que ele sente e o faz ter aquela aparência, experimentando constantemente tanto sofrimento e dor.
Então elas são as culpadas por Jonas estar nessa condição espiritual tão inferior?
Como é isso?
- Não - esclareceu Renato, corrigindo-a -, o único culpado é o próprio Jonas.
A mãe e a irmã estão erradas, sim! - salientou com ênfase.
Elas são responsáveis pelas condições em que ele se encontra, mas é culpa dele não querer melhorar, uma vez que já lhe foi oferecido tratamento e orientação.
- Se ele é o culpado pelo próprio sofrimento, como elas podem estar erradas e serem as responsáveis pelo que Jonas está passando actualmente?
Elas são culpadas também, não são?
- O caso é o seguinte:
elas não se conformam com o desencarne dele.
Julgam os envolvidos com Jonas, durante sua vida terrena, os únicos culpados pela desventura que o levou à morte prematura.
Esse tipo de sentimento e pensamento alimenta o ódio e o rancor que Jonas sente.
Elas rogam pragas aos seus desafectos e desejam todo tipo de mal possível a eles.
Essa disposição afectiva, em relação à ordem moral ou intelectual das coisas, libera energias que nutrem todo sentimento ruim que Jonas possa ter, dando-lhe muita força para desejar vingar-se.
Só que com isso, Jonas continua no erro, no sofrimento, na ignorância e na mediocridade espiritual, sem paz, sem elevação, com sofrimentos, dores, angústias, muitos tormentos e um estado de perturbação inenarrável.
- Elas deveriam orar para que Jonas elevasse seus pensamentos a Deus, rogasse por paz, orientação, socorro e que Ele o envolvesse com amor e perdão.
A justiça pertence a Deus - complementou o socorrista que também ouvia a conversa.
- O que essas pessoas fizeram a Jonas?
Pelo que entendi é dessa moça Márcia e de seu pai que ele quer se vingar.
Senti que eles são pessoas de bem, o que aconteceu?
- Ah! Essa é uma longa história que vou ficar devendo para outro dia, Ivo.
Precisamos prosseguir na visita de estudo.
Só quero ressaltar uma coisa: você percebeu ou sentiu que são pessoas de bem, acertou.
Jonas, sua mãe e sua irmã julgam que eles e outros são culpados.
Aí está um grande erro: o julgamento.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:21 am

Julgar é algo delicado que não nos pertence.
Podemos cometer erros difíceis de serem reparados.
Por isso, ao sentir qualquer injustiça, perdoar é o melhor a se fazer.
Deixe que a Divina Natureza haja.
A Natureza é a actuação de Deus.
Se não sabemos o que merecemos, como podemos saber o que os outros merecem?
- Só mais uma coisa, Renato.
- Sim, diga.
- Essa história, pelo visto, não acaba por aqui, não é?
- Eu creio que não.
Todos os envolvidos têm muito que aprender e o sofrimento é útil para alguns aprendizados.
E todos seguiram Renato que decidiu continuar com a visita de estudo.

1 - Em O Livro dos Médiuns - Capítulo VII - entendemos que todas as propriedades manifestas no invólucro semi-material do espírito, o perispírito, dependem de suas práticas e pensamentos quando encarnado.
Em O Livro dos Espíritos - Capítulo VI - questões de 254 a 256 - explica-nos que a inferioridade de um espírito o faz provar a fadiga, o frio, o calor, os sofrimentos, de modo tão penoso como a própria realidade.
Quanto maior a inferioridade do espírito, maiores as impressões, as angústias e dores.
Por essa razão eles se vêem, após o desencarne, experimentando o mesmo que sofreram durante a vida até que se socorram verdadeiramente em Deus.
Em O Livro dos Espíritos, questões: 287 e 289, deixam claro que os espíritos justos são recebidos como um irmão bem amado e os maus como um ser que se despreza.
Enquanto os que estão manchados ficam no isolamento ou cercados somente de espíritos semelhantes a eles. (Nota do Autor Espiritual)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:21 am

[b]2 - A CONVALESCENÇA DE MÁRCIA[b/]

Quatro dias se passaram após o acidente.
Márcia já estava bem e recuperava-se na casa de seus pais.
Abrindo a porta do quarto suavemente e com a voz bem baixa, quase sussurrando, dona Mariana entrou dizendo:
- Vim trazer um chá, filha.
- Oh, Mãe! Não precisava... a senhora está se incomodando muito comigo.
Eu já ia levantar para ir até a copa.
A senhora está me acostumando mal, não posso ter tanta mordomia assim - respondeu Márcia com voz meiga, sorrindo para a mãe.
Márcia era a caçula dos quatro filhos do senhor Jovino com dona Mariana.
Sempre foi bem querida por todos da família e protegida desde pequena.
Nitidamente, Márcia era a pupila, filha mais querida do senhor Jovino.
Havia três anos, Márcia resolveu sair de casa para morar mais perto do serviço, uma vez que atravessava a cidade para ir trabalhar e perdia muito tempo no trajecto.
Indo de carro ou utilizando o transporte colectivo, sempre era um transtorno chegar ao serviço.
Apesar dos mimos, ela não era uma pessoa dependente.
Esforçada, dinâmica e cheia de vida, amante da arte e da música, queria ser independente, e era.
Sempre prática, de personalidade forte, marcante e lógica, quase não se apegava as minúcias da vida corriqueira; entretanto era muito amorosa.
Para o senhor Jovino, era um absurdo uma filha dele sair de casa para morar sozinha.
Apesar da evolução dos tempos e da idade de Márcia, ele não concordava muito, pois era preso a antigos costumes, mas usando sua perspicácia, Márcia, contando também com o apoio dos irmãos, conseguiu seu objectivo: arrumou um apartamento na área central da cidade, pois assim seriam bem mais práticas e rápidas suas idas e vindas ao trabalho.
Não necessitaria usar tanto o carro, uma vez que o metrô lhe serviria bem.
O apartamento não era grande, mas possuía tudo de que precisava para viver confortavelmente.
A decoração, sem ostentação nem luxo, porém de muito bom gosto, assim como a organização, impecável!
Márcia ocupava o cargo de analista de sistemas no departamento de Informática em uma grande empresa.
Ela dominava bem sua área de trabalho.
Desde quando terminou a universidade, graduando-se em Análise de Sistemas, realizava todos os cursos possíveis, ocupando totalmente o seu tempo disponível em aprender e se aperfeiçoar.
Por ser perseverante, não foi difícil a competição com os outros candidatos para a vaga disponível naquela grande empresa tão conceituada.
Isso a fazia se sentir estabilizada e muito confiante, até porque tinha consciência de sua capacidade.
Desde que saiu da casa de seus pais, foi a primeira vez que precisou da ajuda deles.
Visitava-os aos fins de semana e telefonava diariamente, duas ou três vezes, entretanto nunca necessitou do amparo deles como agora.
Porém, depois do acidente e devido ao susto, sentia-se carente, apesar de não admitir.
Em seu olhar podia se observar um pedido de auxílio e carinho, apesar de todos a rodearem com ternura e atenção.
Assim como sua mãe, principalmente, fazia:
- Filha, não se levante.
Você precisa se recuperar bem.
Olha o que o médico falou!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:22 am

- Mãe! A senhora exagera, assim como meu irmão, digo meu médico - respondeu Márcia com ar irónico.
Depois continuou:
- Foi só um susto, algumas dores pelo corpo e... eu já estou me sentindo bem.
Pior foi o meu carro.
Falando nisso, o Roberto já chegou com alguma notícia?
- Não, ele disse que sairia da gráfica mais cedo para pegar o laudo da perícia e o boletim de ocorrência para preparar a documentação exigida pela seguradora do carro.
Só que ainda não chegou, liga pro celular dele, filha!
- Não, ele deve chegar logo.
E ajeitando-se na cama, Márcia passou a desabafar:
- Sabe mãe, eu já voltei mentalmente à cena do acidente várias vezes, em pensamento, entende?
E não consigo lembrar de qualquer coisa que eu tenha feito para provocar tudo aquilo.
Só me recordo de um barulho forte e tudo girando, não entendo o que aconteceu.
- É filha, você precisa rezar!
Isso é inveja, você ganha bem, é bonita...
Márcia, com generosidade, a interrompeu argumentando:
- Ora mãe, que inveja que nada!
Isso foi alguma falha mecânica no carro, apesar de meu carro ser novo.
- Filha, isso é inveja sim, veja só... - a senhora foi interrompida pelo som insistente da campainha.
Espere aí! - pediu dona Mariana.
Eu já vou atender!
Era a entrega de uma cesta com flores para Márcia, com um enorme envelope branco.
Dona Mariana recebeu e foi correndo ao quarto levar à filha.
- Veja, Márcia, é para você! - disse entusiasmada.
Que flores lindas!!!
Márcia sentou-se na cama e com um largo sorriso estendeu os braços para recebê-las.
Ajeitando o cesto no colo, pegou o envelope, abrindo-o enquanto questionava:
- De quem será, hein, mãe?
Será que é do Arnaldo?
- liih! Eu acho que ele nem está sabendo que você se acidentou, Má.
- É do meu serviço! Puxa!
Exibindo felicidade, Márcia leu o que dizia o enorme cartão, que finalizava:
- "Com votos de uma óptima saúde e rápida recuperação, contamos com a sua volta em breve. Sentimos muito sua falta, assinado..."
Todos da minha seção assinam, a começar pela Ana, a minha chefe, aqui em baixo diz:
"PS. Não aguentamos mais dividir e fazer o seu serviço, ele é muito chato e estamos nos sobrecarregando, vê se volta logo, Má, não seja má connosco!!!"
Márcia caiu na gargalhada ao ver a piada feita com seu apelido e, entregando as flores para sua mãe, comentou:
- Como esse pessoal é bacana, né, mãe?
Mandaram essas flores lindas, um belo e gigantesco cartão, fizeram piadinha...
Tenho sorte por trabalhar com gente assim! - desfechou empolgada.
- Cheguei!!! - gritou Roberto que acabava de entrar no quarto.
- Ai! Roberto! Que susto!!!
- Você está se assustando à toa Márcia - disse Roberto debochando.
- Filho, sua irmã está se recuperando, não faça isso.
- Desculpe-me maninha.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:22 am

Sentando-se ao lado de Márcia, beijou-a na testa dizendo:
- Eu me esqueci de que você está se refazendo, está dodói... - desfechou com modos marotos e rindo, mas com carinho.
- Como foi lá? - perguntou Márcia, ansiosa para saber sobre seu carro.
- Bem, tudo indica que o pneu estourou - respondeu Roberto resumidamente.
- Como assim? - tornou ela.
- Talvez algum defeito de fabricação, não se sabe ao certo.
Mas para provocar aquelas capotagens, tudo indica que o pneu do carro estourou.
Segundo as testemunhas, seu carro, ou melhor, seu antigo carro, capotou três vezes antes de sair da rodovia.
O homem que a socorreu vinha logo atrás e é uma das testemunhas.
Ele disse não ter visto nada de estranho, só as capotagens, sem mais nem menos.
O seu carro teve perda total.
O difícil é explicar para os outros que você sobreviveu e sem fracturas...!
Por isso eu digo:
"vaso ruim não quebra mesmo!", nem quando o atiramos ao chão.
Nesse momento, dona Mariana deu um tapa na cabeça de Roberto e zangando-se o repreendeu:
- Deixe de falar besteiras, menino!
Não diga mais isso!
Roberto encolheu-se e somente riu.
- Puxa vida!
Eu não bati em nada nem machuquei alguém? - perguntou Márcia.
- Não, claro que não. O homem que a socorreu garantiu isso.
- Vão conseguir provar que foi defeito de fabricação do pneu?
Afinal o carro é novo e não havia nenhum problema com ele.
- Não dá para provar que foi o pneu, ele está em mil pedacinhos espalhados pela rodovia, não há como verificar.
Estão se baseando no que as testemunhas viram e no estouro que elas ouviram, uma vez que os mecânicos não encontraram defeito algum no carro ou nas sobras dele.
- Foi rapidinho esse laudo, não foi?
- Aaah! - gabou-se Roberto.
Eu tenho meus conhecidos e meus meios para acelerar as coisas.
O importante é que tudo já está esclarecido.
Não foi você quem bateu ou cometeu alguma imprudência; ninguém bateu em você e o seguro cobrirá tudo.
Dentro de alguns dias você terá um outro carro novinho.
- Bem... dos males o menor.
Eu não gostava muito daquela cor - riu com gosto.
- Marcinha, deixe-me tomar um banho porque tenho que sair.
Afinal, hoje é sexta-feira!
- Encontro especial?!!! - brincou a irmã.
- Talvez... talvez... - respondeu, sorrindo de modo travesso.
Roberto se levantou e ia saindo quando dona Mariana começou a falar:
- Filho, filho!
Olha por onde anda e com quem anda.
Hoje em dia é preciso tomar muito cuidado.
Tem muita moça por aí que não tem nada a perder, que não tem família para dar satisfação, que pode acusá-lo de um monte de coisa... que tem um monte de doença... que...
- Está vendo, Marcinha, o que você me arrumou com essa pergunta?!
O belo sermão de sempre!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:22 am

Roberto saiu, mas dona Mariana continuou:
- Está vendo?!
Vocês nunca ligam para o que uma mãe fala, mas elas sempre têm razão.
O mundo hoje em dia está ficando louco.
Você devia é arrumar uma moça de família e se casar, Roberto.
- Deixe ele, mãe - interferiu Márcia em favor do irmão.
- O Roberto tem direito a passear, a se distrair.
Ele fica naquela gráfica a semana inteira!
Além do mais, como quer que ele conheça uma moça para se casar se não quer que ele saia de casa?
Socado aqui, como conhecerá alguém?
- Nos lugares aonde ele vai, não encontrará uma moça direita - retrucou dona Mariana.
- Como a senhora sabe que não é um bom lugar, ou que ele não vai encontrar moças direitas lá?
- Olha, Márcia, não vou dizer mais nada porque está se recuperando.
Eu disse isso para o bem dele.
Veja o Ciro, tá com seus trinta e oito anos, é médico, está casado e bem casado com a Rose.
Deram-me duas lindas netinhas! - emocionou-se, sorrindo orgulhosa ao falar das netas.
A Rose é uma boa moça, tem formação, é dentista.
Se bem que ela nem precisava trabalhar, mas quer, por isso tem que por a Clara para cuidar da casa e das duas meninas.
Mesmo assim, a Rose é uma excelente dona de casa, esposa e mãe, além de boa nora.
Não posso me queixar dela.
A Paula fez um bom casamento com o João Vítor, que é um bom marido e óptimo pai para Bárbara.
Ele dá muito carinho e atenção para a menina desde pequena, sempre foi muito amigo da filha.
Tanto é que não se vê a Bárbara com essas crises de adolescente rebelde como a gente vê em alguns jovens por aí hoje em dia.
Alguns pensam que são donos do mundo, são malcriados e não respeitam a ninguém.
Márcia interrompeu sua mãe e perguntou de forma lamentável:
- A senhora não está se esquecendo da Melissa, não é?
O João Vítor e a Paula davam carinho e atenção às duas filhas, ou até mais para a Melissa!
No entanto deu no que deu. De nada adiantou.
Dona Mariana fez um breve silêncio, pois repentinamente lembrou-se de sua neta mais velha, Melissa, que morrera de forma triste e lamentável.
Mas, sem demora, dona Mariana continuou a conversa como se Márcia não tivesse comentado sobre aquele assunto:
- A Paula trabalha o dia inteiro na escola para ajudar o João Vítor, eles se dão muito bem.
Mas agora o Roberto, já está ficando velho e precisa casar logo.
- Mãe, o Roberto só tem vinte e nove anos!
- Com essa idade seu pai já era casado e tinha dois filhos.
E você, Márcia?
- Eu?! Eu, o quê?!!!
- É, filha!
Você está solteira, com vinte e sete anos, quando é que vai arrumar um bom rapaz e se casar, também?
- Sabia que iria sobrar para mim - resmungou Márcia franzindo o semblante.
E, acomodando-se na cama, a moça fez uma expressão de pouco caso, pois sabia que quando sua mãe implicava com alguma coisa, falava muito e não se dava por vencida.
- Está na hora de se casar, Márcia!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:22 am

No meu tempo uma moça da sua idade já era considerada solteirona.
Daqui a pouco não encontrará rapaz que a queira por causa da idade.
Veja lá, hein! Abra o olho para não ser usada pelos aproveitadores.
Sei que me entende bem!
Não quero que filha minha fique falada, muito menos... você sabe!
Não vai sair por aí e...
Daqui a pouco ninguém vai querer uma velha!
- Ah, mãe! A senhora está exagerando.
O que é isso? Velha, eu?!
- Claro que está! - insistiu dona Mariana.
- Mãe, antigamente as mulheres não eram tão produtivas nem tão requisitadas no mercado de trabalho, principalmente as casadas.
Elas não tinham condições de competir com os homens, não havia muito espaço para elas.
Então, o que elas podiam fazer era se casar e ficar em casa criando filhos, no máximo, trabalhavam só até o casamento.
Era difícil uma mulher casada trabalhar.
O mercado de trabalho só oferecia às mulheres os cargos que não interessavam aos homens, era raríssimo ver uma mulher ocupar um lugar de destaque numa empresa e ganhar tão bem quanto um homem.
Hoje em dia é diferente, a mulher estuda tanto quanto um homem e tem as mesmas condições de disputar com eles as vagas para os melhores cargos e salários no mercado de trabalho.
Com raras excepções de empresas medíocres, que ainda são machistas, e ficam atentas ao sexo e não à capacidade pessoal e intelectual do candidato.
Daí que as mulheres têm mais coisas para se preocuparem do que casamento e filhos.
- A mulher deixou de ser "Amélia"! - disse Ciro, irmão de Márcia, que entrava no quarto naquele momento.
Desculpe-me, mas não deu para deixar de ouvir a última parte da conversa.
E sorrindo, perguntou:
- Interrompo algo importante?
- Ciro, por favor...! - gritou Márcia encenando um drama.
- Socorra-me!
A mãe está querendo me convencer a casar!
O assunto é sério! E já está longo demais.
Ciro, depois de rir com gosto, aproximou-se de sua mãe e após beijá-la, sentou-se na cama de Márcia, abraçou-a com carinho e brincou ao dizer:
- Não, não. Não vou salvá-la de nada, Má.
Eu já ouvi muito desses sermões e sei que a Paula também.
Agora é a sua vez e a do Roberto de ouvirem a mãe.
- O Roberto já ouviu só que caiu fora!
Fugiu para o banho, e eu, pobre de mim, presa a esta cama não tenho como escapar.
- Você não acha que eu tenho razão, Ciro, meu filho?
A Márcia já era para ter se casado!
A Paula está com quarenta e dois anos, ela teve a Bárbara aos vinte e sete e a Márcia com essa idade ainda está solteira.
- Ah! Se a senhora quer um netinho ou netinha de minha parte, isso é fácil!
Posso providenciar sem ter que me casar - disse Márcia caindo na gargalhada acompanhada por Ciro.
- Você nem brinca Márcia! - zangou-se dona Mariana que, mesmo sabendo ser brincadeira, começou a se irritar com a história.
Lembre da moral que te demos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:23 am

Você jamais faria isso!
Só se tiver ficando louca!
Só se quisesse matar a mim e a seu pai! - e saiu do quarto ruminando seus pensamentos sobre a brincadeira de Márcia.
Ficando a sós com Ciro, Márcia perguntou:
- E daí?
Quando é que vou sair daqui e retomar minha vida normal?
Estou exausta desta cama, não aguento mais!
Sentado a seu lado, Ciro pegou as mãos de Márcia, afastou seu tronco para trás a fim de vê-la melhor, observou alguns detalhes e com um sorriso irónico comentou:
- Estou vendo que hoje já está penteada, arrumadinha, de batom, huuuum!...
Fez escova nos cabelos?
- Para Ciro!
Fala logo! - pediu, sorrindo encabulada.
- Está esperando a visita de alguém?
Porque no dia após o acidente, você estava um horror!
E hoje, vejam só...!
- A Bárbara esteve aqui logo cedo.
Eu havia acabado de sair do banho e ela deu um trato nos meus cabelos.
No hospital tudo é horrível e meus cabelos não são fáceis de arrumar, você sabe.
- Formam cachos largos e lindos Márcia.
Você é quem quer mudar a natureza desnecessariamente.
- Os outros podem gostar, eu não.
Preferiria que fossem lisos iguais aos seus e aos do Roberto.
Mas, vamos lá, não me enrola, não são dos meus cabelos que estamos falando.
Vai! Diga logo!
Estou desesperada para retomar a minha vida normal.
- Os resultados dos exames estão óptimos.
Você não ficou com nenhuma sequela.
Do jeito que ficou seu carro, pode-se dizer que você nasceu novamente.
- É, mas olha quantos roxos e hematomas ainda têm em minhas pernas e meus braços.
- Não lamente, você teve muita sorte.
Vendo como está seu carro, ninguém diria que alguém sobreviveu, e inteiro, ali dentro.
- Ficou tão ruim assim?! - assustou-se a jovem.
- Nossa! E como!
Acho que nem o ferro velho vai aceitar.
- Não exagera! Mas... e aí?
Não estou sentindo mais nada.
Estou de alta?
- Não está sentindo nada mesmo? - perguntou desconfiado.
- Só um pouco de dor muscular.
Porém, acredito que a cama está me fazendo mais mal do que o acidente.
A mãe só me deixa levantar para ir ao banheiro, até o telefone ela traz aqui.
Sem falar da água que está aí na cabeceira, olha só.
Esse tipo de tratamento faz mal, me deixa entrevada.
- Não aconselho que saia, pelo menos até segunda-feira.
Poderá sentir tonturas e mal-estar, considerados normais pelo facto de ter ficado deitada todos esses dias e pela medicação que você tomou.
Caminhe pela casa, pelo quintal... tome um solzinho...
- Posso voltar para meu apartamento, não é?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:23 am

- Você não está sentindo medo?
Não está tendo sonhos ou assustada com o acidente?
Quer mesmo voltar para sua casa e ficar sozinha?
- Não estou com medo.
Só quero voltar para minha casa.
A única coisa que ainda me incomoda é lembrar da rapidez de como tudo aconteceu!
Num instante eu estava bem, no outro um estouro e...
Tudo foi tão rápido que não deu tempo nem de lamentar do que eu não pude fazer na vida, ou o que deixei de realizar por ter adiado.
Agora penso, e se eu não tivesse sobrevivido?
Deixaria vocês, minhas coisas...
O que teria valido a pena?
Aí, eu sinto uma coisa no peito, parece uma dor e tenho vontade de abraçar vocês e amarrá-los junto a mim - Márcia sorriu e fez uma breve pausa.
Depois desfechou:
- Deve ser o susto.
Acho que quando se morre não se tem tempo para pensar em tudo isso.
- Será que não temos, mesmo? - perguntou Ciro com olhar expressivo.
- Você é médico, Ciro, e ainda duvida?
Eu creio que, quando se morre, tudo acaba.
Nunca vi ninguém voltar.
- Eu tenho minhas dúvidas, Márcia - concluiu Ciro pensativo e com o olhar perdido.
- Ciro, você é médico!
Conhece a carne e a matéria humana melhor do que eu. Como pode pensar assim?!
- É que, ao contrário de alguns colegas de profissão, procuro observar algo que possa existir além da matéria que vejo.
Eu penso no "algo" que animava aquela matéria que, repentina ou lentamente, torna-se inanimada.
Para onde foi, ou onde está aquele "algo", aquela energia que animava tudo aquilo?
- Como assim? - perguntou Márcia curiosa, sentando-se melhor para prestar atenção na conversa.
- Vou dizer algo bem simples para que você possa entender e acompanhar minhas reflexões - argumentou Ciro, pacientemente, falando com voz cordial.
Muitos colegas já me disseram que não há vida até o terceiro mês de gestação, outros, entretanto e infelizmente, vão mais além, eles afirmam não haver vida no óvulo fecundado, que é o embrião, nem no feto, que é quando começam a aparecer os traços humanos, formação de órgãos e tecidos.
Talvez digam isso para justificarem suas práticas.
Mas para mim estão cometendo um grande erro.
Na minha opinião, ali, há muito mais vida do que pensamos, há muito mais energia naquelas células se multiplicando do que depois, quando o corpo assume todas as suas funções sem dependência.
- Como assim? Não entendi.
- Não estou falando no sentido biológico, estou dizendo que naquela única célula que, depois de fecundada, passa a se dividir, há muito mais energia, muito mais força para viver.
É como se a energia que se manifesta não fosse somente da célula.
Ninguém nasce pronto. Existe algo mais dando vida para aquela vida.
Observando o processo com o coração e não com os olhos, vê-se que é muito rápido, objectivo, perfeito e mesmo eu entendendo o funcionamento, me pergunto:
Como uma célula pôde se transformar em um ser vivo?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Maio 29, 2017 10:23 am

Como muitos ainda podem acreditar que um óvulo fecundado não tem vida nos primeiros dias, ou meses?
É um absurdo pensar assim.
Se acaso um óvulo fecundado não fosse sustentado por uma Omnipotência que desconhecemos, caso aquelas células, que se multiplicam para a formação de um ser não tivessem uma vida própria que já existisse antes daquela matéria começar a se formar, aquilo tudo não se transformaria em um ser humano.
Olha só a perfeição e a harmonia do ser humano! - afirmou como que maravilhado.
Logo, perguntou:
- Má, você já observou a sua mão?
Márcia ouvia atentamente e Ciro, fugindo das questões biológicas e materiais, empolgava-se na explicação e prosseguia sem deixá-la responder.
- Olhe bem, um simples movimento de sua mão supera toda a perfeição de qualquer máquina inventada pelo homem.
- Mas eu já vi, na televisão, uma mão mecânica que realizava cirurgias perfeitas.
- Ah! Sim. Aquela máquina faz somente aquilo, certo?
Diga aos seus inventores para fazerem, aquela mesma mão mecânica, digitar um documento, esfregar um chão, lavar uma louça ou simplesmente fazer um carinho.
Ciro, levando levemente sua mão ao rosto da irmã, acariciou-a com suavidade, depois continuou:
- A mão humana é insubstituível.
Qual mão mecânica poderia fazer-lhe um afago suave?
A mão humana é complexa e simples.
Indo mais além, eu diria que o corpo humano é maravilhoso.
Já viu uma mulher amamentando?
Márcia pendeu a cabeça positivamente e Ciro continuou:
- É a coisa mais linda, mais singela! - enfatizou o irmão.
Os braços e as mãos envolvem o bebé com doce carinho.
Ele, por sua vez, aconchega-se em seu peito e simplesmente mama, suga o leite.
Quem o ensinou a mamar? Instinto?
Mas de onde veio esse instinto?
E o leite então, não é maravilhosa a produção do leite?
O sangue generoso se transformando na brancura do leite...
Alguma "Inteligência Maior" rege tudo isso, Márcia.
Eu poderia ficar aqui, durante horas, falando de inúmeras coisas de minhas experiências diárias como médico, mas ao redor de qualquer pessoa há exemplos de uma vida fora da matéria.
Por exemplo:
a inteligência humana, de onde vem?
Como o homem a desenvolveu e por que, se nenhum outro animal conseguiu fazê-lo.
Ciro fez breve pausa e Márcia ficou pensativa.
Depois ele prosseguiu:
- Algo que sempre me questiono é sobre a existência de problemas mentais.
Por que será que uns nascem com problemas, deficiências físicas ou síndromes mentais enquanto outros as desenvolvem com o passar do tempo e há aqueles que gozam de perfeita e harmoniosa saúde por toda a vida?
Márcia ficou séria e pensativa, Ciro a olhava fixamente, esperava por uma pergunta ou reacção, que não aconteceu.
Então ele prosseguiu:
- Alguma inteligência, razão e vida há no ser humano mesmo antes dele nascer, mesmo antes da concepção.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Maio 30, 2017 10:09 am

Para que ele já se forme com todas as características necessárias para sua experiência humana, dentro do ventre de sua mãe.
- Você está indo longe demais, Ciro.
- Não estou, não, Márcia.
Há sim uma vida ou inteligência no ser antes da concepção, pois nada mais justifica uma pessoa nascer de um jeito e a outra ter forma tão diferente.
- Você não vai entrar nessa de espíritos, vai?
- Eu nunca fui ligado nessas coisas.
Mas se a ciência está estudando e a parapsicologia tenta explicar, por que vou fugir e ignorar as minhas dúvidas?
Tenho que filosofar.
Pensar e repensar!
Porque é isso o que faz a criatura humana evoluir.
Tenho que me incentivar pela crença, mesmo quando ninguém mais acredita, pois ficar acomodado atrofia a mente e o corpo.
A energia mental é o que motiva a saúde, a sabedoria e a inteligência.
Subitamente o celular de Ciro tocou.
O telefonema o chamou para uma emergência.
Márcia parou estarrecida diante das reflexões de seu irmão.
Ela o admirava muito.
Acreditava que Ciro fosse uma pessoa lógica, objectiva e sem crendices.
Nunca o ouviu falar sobre esses assuntos.
Ciro interrompeu os pensamentos de sua irmã avisando:
- Tenho que ir. O dever me chama.
Beijando-a na testa, afastou-se caminhando lentamente.
Já de costas e perto da porta, virou-se, aproximou-se novamente, olhou fixamente em seus olhos e abraçou-a com meiguice.
Por fim disse:
- Fiz você pensar, não foi?
Sem esperar por uma resposta, completou:
- Amanhã eu venho aqui novamente ver como você está.
Ah! Já ia me esquecendo... a Rose, as meninas e a dona Clara mandaram beijos.
Elas vêm comigo amanhã. Tchau!
Ciro saiu, enquanto Márcia, sem dizer nada, acomodou-se entre os travesseiros que a apoiavam, passou as mãos pelos cabelos e deu um longo suspiro.
Intrigada com tudo o que ouviu não conseguia parar de pensar nas questões que Ciro apresentou.
Quinze dias após o acidente, Márcia foi ao seu serviço levar algumas documentações e relatórios que trouxera do Rio de Janeiro e que foram encontrados, só agora, em meio às ferragens de seu carro.
Márcia era dona de muito bom gosto.
Elegante e vaidosa tinha a natureza a seu favor, porque contava com uma beleza discreta, porém bem marcante e sensual.
Trajava-se sempre de forma executiva, impecável e seus procedimentos correspondiam à sua aparência.
Sabia comportar-se muitíssimo bem em qualquer ocasião.
Era bem discreta.
Naquela manhã, estava nitidamente disposta e animada, ansiosa por encontrar seus colegas.
Já no andar em que trabalhava, quase não conseguiu chegar à sua secção, pois muitos, que se importavam com ela, questionavam-na sobre o acidente e sua recuperação.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Maio 30, 2017 10:10 am

Ao entrar na secção, uma grande sala que dividia com mais oito funcionários, ficou surpresa com a recepção, todos interromperam seus afazeres para abraçá-la, oferecendo-lhe calorosa simpatia.
- Márcia! Seja bem-vinda! - exclamou Ana, coordenadora da seção.
- Quando você volta, Má? - indagou Zé, um dos colegas.
- Ela nem se recuperou ainda, cara.
Dá um tempo! - defendeu outro amigo.
- Eu tenho que passar pela avaliação médica da empresa amanhã - explicou Márcia.
- Mas já? - admirou-se Ana, sua encarregada.
- Sim. Já se passaram quinze dias e eu me sinto bem.
Tenho que voltar logo antes que não sintam mais a minha falta.
- O que é isso? Não fale assim.
Você é muito útil, eficiente, qualidades essenciais e indispensáveis a qualquer profissional hoje em dia, além disso, como pessoa, você é muito especial - tornou Ana.
- Nossa!!! Desse jeito o ego da Márcia vai estourar - interveio Fábio, um outro amigo, brincando.
Colocando seu braço no ombro de Márcia, balançando-a com carinho, continuou:
- Todos nós devemos reconhecer que as palavras de Ana são verdadeiras.
Naquele momento, Márcia corou encabulada, nunca se vira em situação semelhante, afinal, Ana era ponderada e não costumava exprimir elogios ou comentários.
Às vezes, no máximo, dizia:
"Muito bom trabalho!", sem tantos adjectivos para complementar suas manifestações.
Olhando, somente agora para sua mesa, Márcia deparou-se com lindas flores, entre as quais havia um pequeno cartão.
- Que lindas! - exclamou surpresa.
Puxa gente! Como vocês são...
Nem tenho palavras.
Abraçando as flores, inclinou-se para sentir o aroma agradável que exalava, apanhou o cartão onde leu silenciosamente:
"Bem-vinda. Você é tão especial como essas flores".
Emocionada, precisou conter-se para não chorar e somente agradeceu com a voz embargada.
Aos poucos os colegas voltaram aos seus afazeres, ficando Fábio que, quase sentado sobre a mesa, acomodou-se, enquanto Márcia sentada em uma cadeira giratória, pôs-se a rodar, vagarosamente, de um lado para outro, ao mesmo tempo em que desabafava com o amigo:
- Sabe, Fábio, enquanto eu estava no hospital, pensei e se eu não voltasse mais?
E se eu tivesse morrido?
Tudo o que eu venho fazendo até hoje estaria perdido.
Tanto tempo gasto com estudo, o dinheiro investido, tanta coisa para quê?
Essas perguntas não saem de minha mente.
- Você acredita na morte, Márcia? - indagou Fábio.
- Bem, pelo que eu vejo ninguém fica aqui eternamente, não é? - respondeu Márcia estampando um sorriso, sem querer ofendê-lo.
- Não seja insolente! - retrucou Fábio, brincando.
Não é por que esteve doentinha que vou bajular você.
u quero saber o que você entende por morte e se acredita na vida após a morte.
- Você está igual ao meu irmão, acreditando em vida sem corpo.
- Você não respondeu a minha pergunta, Má - insistiu Fábio com seriedade.
- Eu acredito que, quando morremos, tudo se acaba.
- Você é uma pessoa inteligente, por isso vou deixá-la com algumas perguntas, mas não precisa me responder agora, ta!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Maio 30, 2017 10:10 am

Márcia, ouça atentamente:
Será que Deus é tão cruel a ponto de nos "fabricar" e depois nos jogar fora, fazendo com que tudo termine repentinamente?
Ele cria-nos, deixa-nos viver por anos e anos, e, durante esse tempo todo, nós estudamos, trabalhamos, vivemos, nos envolvemos com várias pessoas, gostando de umas e odiando outras, daí então, Ele faz com que tudo isso termine com a morte?
Nascemos, lutamos feito condenados para melhorarmos qualquer coisa à nossa volta e depois Ele, simplesmente, faz com que tudo isso acabe?
Sem qualquer propósito?
Nós e o que fizemos somos jogados fora?
Acabamos ao morrer?
Márcia olhou para Fábio, intrigada.
Primeiro seu irmão viera com aquela conversa, agora Fábio.
Ela ficou calada e deixou-o continuar:
- Na minha filosofia de vida, Márcia, eu acredito que nada é por acaso.
Se esse acidente aconteceu sem te causar nenhum arranhão foi por que você tem muito a fazer aqui.
Muitos precisam de sua presença e você de mais experiências de vida.
Se ficou pensativa e preocupada com sua ausência aqui, pense no motivo de sua existência e no que ainda há para fazer, conquistar.
Por que será que está diante dessa experiência?
Fábio fez uma pequena pausa, e Márcia não se manifestou.
Depois ele prosseguiu:
- O facto de seu irmão conversar com você sobre a existência de "algo" além desta vida que vemos só com os olhos do físico, talvez seja para estimulá-la, ou razão para levá-la à busca de respostas para suas dúvidas sobre a existência humana e as diversas experiências individuais, principalmente as suas.
Cabendo lembrar tratar-se de um assunto que eu nem mesmo sabia e se assemelha com o que falamos agora.
Márcia sacudiu a cabeça negativamente, dizendo:
- Volta Fábio, volta tudo.
Você me confundiu.
Eu não entendi nada.
Não falei nada sobre meu irmão e nem mesmo contei qual o assunto que conversei com ele.
Você é adivinho?
Fábio simplesmente sorriu com generosidade e passou a explicar de forma diferente:
- Você, Márcia, é bem sucedida, não é rica, mas também não é nenhuma miserável que mereça a compaixão de alguém.
Leva uma vida boa, resultado de muita perseverança, estudo e esforço.
Em sua vida surgem oportunidades e você está sempre preparada para elas, pois estudou, actualiza-se sempre que pode etc.
Aí, um dia, você para e pensa:
O que é que estou fazendo aqui?
Por que não sou a rainha da Inglaterra?
Aconteceu um acidente e você sai inteira, então, pergunta novamente:
Por que não morri?
Por que estou aqui?
Por que estou pensando tudo isso somente agora?
E eis que surge um cara, começa a falar que a vida não é somente isso, mas depende de tudo isso e vai além do que podemos ver.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Maio 30, 2017 10:11 am

Depois você ainda se questiona:
Por que essas perguntas só me ocorreram neste momento?
Márcia manifestou-se imediata:
- E por que esse "cara" só chegou agora para me falar de tudo isso?
Por que meu irmão veio com o mesmo assunto?
Por que pensei nisso somente neste instante?
Afinal, não me considero desprovida de inteligência.
- Isso!!! - vibrou Fábio.
Eram essas as perguntas que eu queria ouvir!
Esse cara só apareceu com esse assunto, assim como seu irmão, simplesmente porque, somente a partir desta fase de sua vida, você está preparada para entender tudo isso, ou seja:
a Lei da Vida, as Leis de Deus.
Nada é por acaso, Márcia.
Costumamos ter essas dúvidas quando o espírito está, vamos dizer, maduro, pronto e apto para compreender, aceitar, evoluir e passar adiante, certo?
Parado, olhou-a fixamente a espera de uma argumentação.
- Tudo isso é confuso, Fábio, principalmente para mim.
Vim de uma família rigorosamente católica e apesar de ter vivido todos esses anos sob ensinamentos Cristãos, não estou, hoje em dia, de acordo com alguns conceitos do tipo:
terra prometida, céu, purgatório ou inferno; ninguém nunca provou nada a respeito.
Como meu irmão disse:
a ciência está buscando provas e a parapsicologia procura explicar.
Portanto eu ainda fico "em cima do muro".
- Mas você não está curiosa a respeito da sua própria vida, da sua existência e o porquê de todas essas dúvidas?
- Sim, Fábio.
Mas acredito que seja um factor psicológico.
Estive à beira de um acidente fatal; é natural que sinta medo por quase ter perdido a vida.
Talvez por isso nunca ter acontecido antes, é que eu tenha me questionado sobre esse assunto agora.
- Acredita em Deus? - indagou afável.
- Sim. - Márcia respondeu tão friamente que ela própria incomodou-se e decidiu justificar:
- Bem, eu acredito que Alguém ou Algo criou tudo isso e continua criando, cuidando e preservando.
A esse Alguém, a esse Criador dá-se o nome de Deus, eu aceito e acredito nesse Criador.
- Já é um bom começo - argumentou compreensivo.
- Mas daí para acreditar que há vida após a morte, espíritos nos rodeando o tempo todo, almas penadas, ou até mesmo que nada é por acaso e eu tenho ou estou preparada, madura espiritualmente para aprender sobre esses assuntos, eu tenho cá minhas dúvidas.
- Você já viu a nossa secção tão quieta assim? - questionou com meticulosidade.
- Como?!
Márcia surpreendeu-se com aquela questão que parecia fora de propósito, pois o assunto vigente não era aquele.
Entretanto, Fábio insistiu:
- Você já viu a nossa secção tão tranquila a ponto de dois funcionários ficarem conversando tanto tempo como nós estamos agora?
Será que isso é por acaso, ou esse "Alguém" está dando a você a oportunidade de ganhar orientação e parar de acreditar que Deus nos joga fora depois desta vida?
- O que é isso Fábio?
Você não está querendo dizer o que eu estou pensando?
Ou você está ficando louco?
Acho que este assunto está indo longe demais.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Maio 30, 2017 10:11 am

- Márcia - insistiu -, quase nunca conseguimos um tempo para assuntos de trabalho ou para discutirmos algum relatório ou memorando e estamos aqui, sem sermos interrompidos, falando de assuntos espirituais.
Você não acha isso interessante?
Esse lugar é uma loucura e, de repente, quando você necessita de explicações ou orientações sobre suas dúvidas, foi aqui que encontramos tempo para conversar.
Márcia balançou a cabeça negativamente, dizendo:
- Não, não, Fábio.
Pra mim chega!
Não quero me envolver com isso.
É muito complexo, inseguro e... sei lá... talvez não seja o momento para mim.
Fábio pendeu a cabeça levemente, lamentando a decisão da amiga.
Por alguns segundos lastimou muito, pois sabia, sentia que Márcia necessitaria de instrução e muito amparo espiritual.
Com aquela conversa pôde observar que ela não tinha qualquer conhecimento sobre o assunto e que infelizmente ainda não estava interessada em aprender.
Depois de um longo suspiro ele sorriu, concluindo com generosidade:
- Má, me desculpe.
Eu não quis, de forma alguma, mudar seus procedimentos ou sua filosofia de vida.
Mas sei que a fiz entender sobre o que eu acredito.
O conhecimento que eu tenho sobre minha filosofia de vida estará sempre à sua disposição, certo?
Márcia fitou-o longamente.
Em seu olhar podia se notar uma insatisfação com seus próprios conceitos e questões sem respostas.
O que Fábio lhe apresentou também não a satisfez, mesmo assim sorriu e agradeceu por educação:
- Sou grata, Fábio, vou me lembrar de você, se eu precisar.
Mudando de assunto ela continuou, avisando em um tom alegre:
- Vou indo, tenho que ver algumas coisas em meu apartamento que deve estar um horror.
- Você não foi lá ainda? - perguntou curioso.
- Não. Minha mãe não me larga! - enfatizou rindo.
Já faz uma semana que quero ir embora para minha casa e ela não me deixa, aí eu acabo ficando na casa dela por pena.
Você sabe como é, fico só mais um dia, e só mais um dia...
- Falta uma hora para encerrar o expediente, se quiser eu te dou uma carona, aceita? - propôs Fábio.
- Claro que sim! - animou-se de pronto.
Vou dar mais uma volta por aí depois passo aqui para irmos.
- Vou dar uma ligada para a Bete e avisar que vou demorar, porque deixarei você em seu apartamento.
Márcia, espirituosa, ainda brincou:
- Não quero encrencas com sua noiva!
Você só vai me deixar em casa e não vai demorar.
Não me use como desculpa para seu atraso!
Vê lá, hein!
Vou marcar os minutos e avisar a Bete para que ela o controle.
Ambos riram e Fábio, aceitando a brincadeira, completou:
- Puxa, Márcia! Não faça isso!
Não vai me entregar, não é?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Maio 30, 2017 10:12 am

Márcia sorria ao sair e prometeu retornar, mas dissimulava, sentia algo errado consigo.
Como se indefinível dor se fixasse no centro de seu peito, mas vinha de seus pensamentos.
Cada vez que lembrava de suas dúvidas, o peito parecia apertar mais.
"Seria uma premonição?", pensava.
"Não. Não acredito nisso!
Essas coisas não existem.
Tudo é besteira".
Ela afastou rapidamente essa possibilidade de suas ideias, queria fugir da realidade e dos sentimentos que experimentava.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Maio 30, 2017 10:12 am

3 - REORGANIZANDO A VIDA

Mais tarde, chegando frente ao prédio onde morava, Márcia convidou Fábio para subir e ver o microcomputador que tinha comprado havia pouco tempo.
Fábio ficou indeciso, não queria deixar sua noiva esperando-o por muito tempo, mas decidiu aceitar o convite diante da empolgação da colega para mostrar o equipamento.
Antes de abrir a porta do apartamento, Márcia avisou:
- Não repare, estou há mais de trinta dias sem vir aqui, desde que fui para o Rio.
Nem sei como está lá dentro.
Minha irmã Paula e minha sobrinha Bárbara vieram aqui para pegar algumas coisas pra mim.
- Está bem, eu juro que fecho os olhos - tornou Fábio, brincalhão.
Márcia abriu a porta e ligou o interruptor, só que a luz não acendeu.
- Caramba! O que aconteceu? - perguntou Márcia intrigada.
- Deve ser lâmpada queimada - opinou o amigo.
- Será que há energia no prédio?
- Claro, Márcia!
Subimos de elevador.
- É mesmo! Que bobeira que me deu. Vou chamar o zelador.
- Vamos primeiro ver o que é? - sugeriu Fábio.
Acenda a lâmpada de outro cómodo.
Indo até a cozinha, conjugada com a sala que só se separava por um balcão, ela ligou o interruptor anunciando alegre:
- Acendeu!!!
- Legal! Você tem outra lâmpada? - perguntou Fábio.
- Deixe-me ver... Sim, está aqui.
Enquanto trocava a lâmpada, Fábio começou a sentir-se mal.
Mas não comentou nada.
Márcia pôde perceber que algo estava errado, ele empalidecia.
- Pronto. Acende aí - pediu ele.
- Jóia! - exclamou Márcia ao ver a lâmpada acesa.
Descendo rapidamente do banco, Fábio sentou-se no sofá, pois acreditou que pudesse desmaiar.
- O que foi? Está se sentindo mal? - perguntou Márcia surpresa ao olhá-lo.
O rapaz não respondeu.
Estava gelado e suava frio, empalidecendo rapidamente.
- Fábio? Fala comigo - insistiu Márcia que começou a se desesperar.
- Espera um pouco que já passa - ele forçou-se a responder com a voz fraca, segurando a cabeça com as mãos no rosto e os cotovelos apoiados nos joelhos.
Fábio sentia fortes calafrios.
Em silêncio passou a fazer uma oração, solicitando o socorro do plano espiritual.
Era um rapaz visivelmente saudável, de porte atlético.
Márcia nunca o viu abalado por qualquer problema de saúde.
- Quer que eu chame um médico ou alguém para ajudá-lo? - perguntou, abaixada ao lado dele sem saber o que fazer.
- Já estou melhorando, não precisa, não.
- Vou fazer um chá - decidiu Márcia atordoada.
Indo até a cozinha, não tirava os olhos do amigo que se desfigurou.
Após alguns minutos em silêncio, depois de fazer uma prece, Fábio começou a sentir-se melhor.
Respirou fundo, e passou a girar o pescoço de um lado para outro.
Friccionou as mãos no rosto e pediu um pouco de água.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Maio 30, 2017 10:12 am

- Tome. Você está melhor? - perguntou a amiga solícita, entregando-lhe o copo.
- Sim. Por favor, posso usar o seu banheiro para lavar o rosto?
- Claro! Venha.
Segurando-o pelo braço, Márcia o levou até a porta e voltou para ver o chá que quase fervia.
Quando retornou, Fábio sentia-se melhor.
- Toma um pouco, é chá de camomila, vai te fazer bem.
Pegando a xícara, meio encabulado, ele pediu:
- Desculpe-me.
Isso nunca me aconteceu antes.
Deve ter sido queda de pressão.
- Você está com algum problema de saúde?
- Não. Nenhum que eu saiba.
Embora Fábio soubesse que não se tratava de qualquer problema físico, preferiu dizer aquilo devido à descrença de Márcia.
Tinha a certeza de sentir a presença de algum espírito vingativo que não o queria ali.
Provavelmente por causa dos esclarecimentos que ofereceu à sua colega.
Ele tinha razão, era o mesmo desencarnado que estava no hospital, Jonas.
Enfurecido pela presença de Fábio, passou a atacá-lo provocando-lhe aquele mal-estar súbito.
Mas Fábio era um médium educado, com experiência nesse tipo de acontecimento, dono de grande auto-controle e fé, por esses atributos, durante a sua prece, recebeu imediatamente da espiritualidade que o assistia as energias revigorantes que o auxiliou muito, fazendo-o melhorar rapidamente.
Um amigo espiritual de Fábio, que se chamava Octávio, ficou ao seu lado observando Jonas que se encolheu num canto da sala.
Jonas estava irritado, principalmente agora com a presença de Octávio que se fez visível a ele.
O espírito Octávio apresentava-se como um senhor de uns sessenta e cinco anos, estatura pequena e um pouco gordinho.
Mas a luz de sua aura era grande e magnificamente radiosa, ofuscando a visão de Jonas que chegou a ponto de esconder seu rosto no canto da parede para não encará-lo.
- Filho, para que insistir nesse sofrimento? - disse Octávio ao espírito Jonas com voz suave emanando-lhe carinho.
- Saia daqui!
Você é igual aos outros!
Suma eu não quero a ajuda de ninguém! - aos gritos, respondeu Jonas a Octávio, irritado pela sua aproximação.
- Só quero seu bem - tornou Octávio amável.
Estou oferecendo a oportunidade de melhorar, de sair dessas condições e desse sofrimento.
- Eles me deixaram nessas condições, eu não merecia ter morrido, a culpa é toda dela, do pai e do irmão também! - esbravejava Jonas, enfurecido e descontrolado, cuspinhando enquanto gritava.
O pai e o irmão vão sofrer através dela, e ela vai vê-los sofrerem tudo o que eu sofri e muito mais.
Todos a quem eles amam vão sofrer muito!
Sem olhar para Octávio, Jonas ruminava uma vingança sórdida sem igual.
- Acalme-se - dizia Octávio estendendo a mão direita na direcção de Jonas emanando-lhe energias calmantes.
Acalme-se e pense, meu filho.
- Eu não sou seu filho!
- Está bem, mas acalme-se e lembre-se do Criador, é a Ele que pertence toda a justiça e não a nós.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Maio 30, 2017 10:13 am

Entregue a Deus suas dores e seus pesares e terá paz, harmonia e...
Jonas estupidamente interrompeu-o:
- Pro inferno você e seus papos furados.
Eu faço o que eu quero e o que achar melhor.
Ninguém vai me prender em canto algum.
Não sou prisioneiro de ninguém.
Quase entrei nesse papo antes, agora já estou escaldado.
Jonas levantou-se e atravessou a porta indo embora.
Octávio abaixou o olhar, lamentando.
Márcia olhava para Fábio sem pestanejar.
Nunca o viu passar mal ou reclamar de qualquer problema.
Há três anos o conhecia e nunca presenciou Fábio tão sério como agora.
Ele sempre foi alegre e de um bom humor nítido, nunca demonstrava preocupação, entretanto apresentava muita responsabilidade com tudo o que fazia.
- Você tá legal, Fábio?
- Bem melhor!
Não sei o que me deu.
Levantando-se, Fábio mudou de assunto:
- Seu apartamento é muito bonito, de um incrível bom gosto.
- Obrigada!
Você gostou mesmo?! - perguntou vaidosa e sorridente.
- Nossa! Ele é óptimo!
É de um como esse que eu e a Bete precisamos.
- Vocês vão casar logo?
- Ela tem que terminar a faculdade primeiro.
Depois que se casa, os gastos sempre são maiores, aparecem inúmeros imprevistos e necessidades.
Eu acredito que quando se é solteiro, fica mais fácil estudar, tanto pelo factor financeiro como pelo emocional.
As preocupações são menores.
- É verdade.
Para a mulher casada, que trabalha e estuda, sobram também as necessidades da casa e as tarefas do dia-a-dia que se acumulam.
- Sem dúvida! - concordou Fábio convicto.
Mas enquanto a Bete não termina a faculdade, nós estamos juntando algum dinheiro, comprando móveis e utensílios.
- Antes que apareça outro governante para prender o nosso dinheiro novamente - enfatizou Márcia.
- Puxa! Nem me fale! - exclamou Fábio levando as mãos à cabeça para exagerar na expressão.
Quando olhou para o canto observou:
- Ah! Esse é o micro que você comprou?
- Sim, é esse!
É um dos mais modernos - exibiu-se Márcia.
- A impressora também.
- A Bete iria adorar!
Ela estava pensando em comprar um, mas agora...
Já estamos com muitas dívidas.
Mesmo apreciando tudo, Fábio decidiu apressar-se:
- Preciso ir, se não a Bete vai ficar preocupada.
Você precisa de alguma coisa que eu ou a Bete possamos ajudar, Márcia?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Maio 30, 2017 10:13 am

- Agradeço a oferta, mas não.
Obrigada por me ajudar com a lâmpada.
Observando-o melhor, perguntou:
- Tem certeza de que está bem, Fábio?
- Estou óptimo.
E você, vai ficar bem, aqui sozinha?
- Já estou acostumada.
Ligarei para minha mãe e avisando-a que estou aqui.
Vou comer algo e dormir.
Amanhã tenho que levantar cedo.
- Eu também, e ainda tenho que passar na casa da Bete.
Obrigado pelo chá. Fica com Deus.
Apertando a mão da colega disse com ar de brincadeira, pois não queria ser muito directo para não estragar a amizade que tinham:
- Vê se reza, tá?
- Pode deixar, rezo sim.
Dá um beijão na Bete por mim.
- Muito mais que um.
Tchau! - Despediu-se sorridente.
Ao fechar a porta, Márcia passou a sentir uma enorme onda de tristeza, um vazio inexplicável.
Olhou para o apartamento, que começou parecer sem graça, como se perdesse o brilho, agora.
Pensou no amigo que se foi e aconselhou o mesmo que sua mãe: "reza".
Sem saber o que fazer, foi até a geladeira que se encontrava quase vazia, pois sua irmã havia tirado todos os alimentos perecíveis.
Pegando uma latinha de refrigerante, sentou-se na banqueta próxima ao balcão da cozinha e ligou para seus pais avisando que já estava em casa.
Depois tomou um longo banho e deitou-se.
Ela não conseguia dormir, sentia-se inquieta, angustiada.
Rolou na cama de um lado para outro e aquela dor no peito novamente voltou, junto com mil coisas que passavam em sua mente.
Experimentava uma perturbação sem igual, mesmo assim, insistiu e começou a mudar os pensamentos fazendo planos optimistas para o dia seguinte, depois disso, adormeceu.
Jonas, que voltou ao apartamento, parou à porta do quarto e observou quando ela se deitou.
Ele começou a vibrar sórdidas intenções de vingança, imaginando tudo de ruim para perturbá-la.
Márcia não podia vê-lo, mas sentia-se incomodada pelas vibrações depressivas de Jonas.
Porém, agora, o maior incómodo para Jonas seria Fábio, que se aproximou de Márcia com esclarecimentos que poderiam ser perigosos para seus planos, se Márcia o ouvisse.
Ficou pensando em como afastá-los, porque Fábio tornava-se um empecilho com seus conhecimentos; seria difícil envolvê-lo por seu carácter, sua firmeza e equilíbrio espiritual, além da protecção ofertada por Octávio.
Na manhã seguinte, Márcia acordou com muito sono, queria ficar na cama, mas precisava comparecer ao médico, tinha horário agendado.
Levantou-se contrariada e entrou no chuveiro.
Após um banho rápido, escolheu uma roupa, deu um jeito nos cabelos, maquilhou-se, foi até a cozinha e bebeu só leite, pois havia somente algumas caixinhas de leite em embalagens "longa vida".
- Puxa, se não fosse esse leite teria que sair em jejum!
Olha só, não tenho nada para comer!- falava consigo mesma.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 70224
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 13 1, 2, 3 ... 11, 12, 13  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum