DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Página 11 de 13 Anterior  1, 2, 3 ... 10, 11, 12, 13  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jun 14, 2017 11:20 am

- Márcia, estou muito feliz por vocês.
Márcia a abraçou e disse emocionada:
- Obrigada, Bete.
Se não fosse por você, eu não sei o que teria sido de mim em meio a tantos problemas pelos quais passei.
A gravidez inesperada, o apoio que me deu diante de tudo aquilo que aconteceu... o acidente do Fábio...
Você me deu tanta força!
Se eu contar tudo o que aconteceu entre nós, ninguém vai acreditar, até o Roberto duvidou.
- Hoje ele não duvida mais - afirmou Bete.
Márcia ficou assustada.
Será que havia algo entre Bete e seu irmão?
Eles estavam muito juntos ultimamente.
Sem resistir à curiosidade, questionou:
- Bete, me desculpa perguntar, mas você e o Beto não...
- Nós somos dois grandes amigos.
Não vou negar que estou apaixonada por seu irmão e ele por mim.
Mas fique tranquila que não há nada entre nós, além de um grande sentimento que só nos deixa próximos um do outro.
Não há mais nada além disso.
Nós saímos, passeamos, vamos ao cinema, ele vai lá em casa e eu na casa de seu pai.
Porém não temos nenhuma intimidade, o próprio Roberto não se permite nem eu poderia, seria suicídio.
Eu só lamento não tê-lo conhecido antes e fico triste por ser seropositivo.
Eu adoro o seu irmão.
Depois de ouvir isso, Márcia a abraçou emocionada e grata pelo tratamento que Bete dispensava ao irmão que ela tanto amava.
- Ah! Deixa-me contar uma coisa - disse Bete empolgada.
- Estamos pensando em fazer uma viagem, um passeio para nos divertirmos mais.
- Só você e o Beto?!
- Sim. Claro.
- Pra onde?
- Para Minas Gerais.
Uniremos o útil ao agradável.
O Fábio precisa de alguém para ir buscar seu carro que ficou lá e nós adoramos aquele lugar.
Por isso iremos de ônibus e voltaremos com o carro do Fábio.
É claro que ficaremos lá uma semana, no mínimo, antes de voltarmos.
- Quando vocês vão?
- Daqui alguns dias.
Não marcamos a data ainda.
Preciso, primeiro, fazer a solicitação de minhas férias no serviço.
Márcia se surpreendeu com Bete.
Sabia que a amiga era uma pessoa incrível, mas jamais imaginaria que chegasse a esse ponto.
Em outra parte da casa, Fábio afastou-se de todos e foi em direcção ao seu quarto.
Roberto percebeu que ele não estava bem e o seguiu.
Quando Fábio ia entrando no quarto, caiu repentinamente.
Roberto correu, segurou-o ao perguntar preocupado:
- Fábio! O que foi?
Ele segurou a cabeça e começou a gemer.
Roberto o levou para a cama.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jun 14, 2017 11:20 am

Fábio gemia e rolava de um lado para outro.
A dor foi muito forte dessa vez, tanto que Fábio pediu suplicando:
- Roberto, pelo amor de Deus, me ajuda!
Preciso ir para o hospital.
Não aguento mais!
Depois disso, Fábio perdeu os sentidos, largando-se nos braços do cunhado.
Jonas estava no quarto ao lado de Fábio e o espírito Zul junto com ele.
Zul deu um sorriso macabro e desdenhou com o canto da boca.
Ele era alto e magro.
Usava uma capa marrom escura e um pequeno chapéu quebrado na testa.
Trazia seguro na boca algo que fazia lembrar um cigarro, mas não era.
Virando-se para Jonas, ainda falou:
- Viu como é fácil.
Como você diz que quer vê-lo sofrer antes, vamos nos divertir muito.
Roberto e Ciro socorreram Fábio para o hospital.
Márcia ficou atordoada.
Bete e o senhor Aristides levaram-na para o apartamento e ficaram lhe fazendo companhia até terem alguma notícia.
- Márcia, o Fábio se recuperou de um estado crítico há pouco tempo.
Talvez isso seja normal - explicava Bete tentando consolá-la.
- Eu não sei, Bete.
Isso não me parece normal.
Eu sinto que algo está errado, meu coração está me dizendo isso.
- Não será nada, minha filha.
Deus não iria nos devolver Fábio para tirá-lo - dizia o senhor Aristides entre lágrimas.
Paula, que já havia ido embora da pequena recepção, retornou.
Soube por Roberto o que aconteceu com Fábio, pois ele telefonou pedindo para que fosse até o apartamento de Márcia para vê-la.
Estava preocupado com seu estado.
- Márcia. Oh! Minha irmã.
Abraçando Márcia, Paula se sensibilizou ao comprovar sua aflição.
- O Roberto me ligou e contou sobre o Fábio.
- Não há explicação, Paula - contava entre os soluços.
- Já fizeram de tudo, mas ninguém descobre o que Fábio tem.
Ele se recuperou tanto.
Sua fala está normal, quase não há mais sinais de paralisia.
Não há explicação...
Paula, segurou o rosto de Márcia com suas mãos, olhou-a bem nos olhos e disse:
- Tem sim, minha irmã.
Para Deus sempre há uma explicação.
Olha, quando Fábio foi à minha casa pela primeira vez, eu mal o conhecia.
Eu o havia visto uma, talvez duas vezes.
Por isso me zanguei.
Na verdade Fábio me pareceu muito intrometido, interferindo em meus problemas particulares daquela forma sem ser convidado por mim.
Hoje, no entanto, eu devo tanto ao Fábio!
Devo tudo o que sei, tudo o que aprendi.
Tive que experimentar tanta amargura até aprender, você não imagina.
Se não fosse pelo Fábio, talvez Melissa estivesse em sofrimento até hoje.
Jamais poderá imaginar a estima que eu tenho por seu marido e por você.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jun 14, 2017 11:20 am

Estou disposta a qualquer coisa para ajudá-los.
- Mas não há o que fazer, Paula!
Você não entende.
Não se descobre o que o Fábio tem.
- Bem que se diz que, quando estamos envolvidos no problema, não conseguimos achar a solução.
Olhando fixamente para Márcia, Paula continuou:
- Não estou falando de cuidar do problema, minha irmã.
Estou querendo eliminar a causa.
- Que causa? - perguntou Márcia desconsolada.
- Nada é por acaso Márcia.
Eu e o João Vítor estávamos com muitos problemas e não víamos a causa.
Eu nunca acreditei em Espiritismo, precisei ver o nosso irmão Roberto incorporar o espírito Jonas para eu saber o que aconteceu com minha filha, saber onde e como ela estava, porque sempre me enganei vivendo na ilusão de que Melissa encontrava-se em um bom lugar.
Somente depois que vi e ouvi o que Jonas disse através de Roberto, foi que acreditei e procurei me evoluir para ajudar minha filha.
Agora é a sua vez.
Não pode se enganar com as aparências, Márcia.
Os sintomas que Fábio apresenta em seu corpo podem ser espirituais, pois não é encontrada a causa física.
Vocês se esqueceram disso?!
Márcia ficou olhando sem dizer nada.
Paula parecia estar certa.
- Além do mais - continuou Paula -, o Fábio vem nos ajudando muito desde quando nos conheceu.
Auxiliou Melissa que não estava em boas condições... mas aí eu pergunto: e Jonas?
Como é que Jonas está?
Será que não quer se vingar de Fábio, porque ele nos ajudou?
- Paula, você sabe o que está me dizendo?
- Sei sim, minha irmã.
Estou falando de obsessão.
Naquele momento, Roberto entrou com Fábio que estava abatido e sonolento devido aos medicamentos que tomou.
- Fábio! - quase gritou Márcia que correu ao seu encontro, abraçando-o.
Você melhorou?
Ele a beijou e, meio entorpecido, respondeu:
- Estou bem. Má, me desculpa.
Eu sinto muito ter estragado o dia do nosso casamento.
Fábio sentou-se no sofá e ficou à mercê das perguntas de todos e por fim falou:
- Gente, eu não sei o que é que eu tenho.
Pior ainda, nem os médicos sabem.
- Fábio - comentou Paula -, eu estava conversando com a Márcia pouco antes de você chegar e gostaria de propor o seguinte:
vamos começar a fazer orações aqui ou em sua casa todas as semanas, um Evangelho, como fizemos na minha?
Fábio pendeu a cabeça positivamente dizendo:
- Sim, Paula. Eu já sei o que você está pensando.
Ia propor isso, ou melhor, eu ia pedir que me ajudassem.
Principalmente pelo facto de eu não ter condições, digamos, de dirigir um Evangelho no Lar.
Alguém terá de fazê-lo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jun 14, 2017 11:20 am

- Podem contar comigo.
Faço questão de ajudar - ofereceu-se Bete.
- Esperem um pouco - pediu Roberto.
Eu ainda não sei onde vocês vão morar.
Já decidiram se vão morar na casa do Fábio ou aqui?
Seria bom fazerem as orações onde vocês fixassem residência, não acham?
- Você tem razão, Roberto - concordou Fábio.
Mas nós ainda não decidimos aonde vamos nos estabelecer.
Depois que fizermos isso avisamos vocês, certo?
Conversaram ainda mais um pouco, entretanto, após a partida de todos e enquanto Márcia tomava um banho, o senhor Aristides sugeria a Fábio:
- Filho, mora lá na casa, ela é grande tem três quartos espaçosos e dá até pra fazer mais, sala enorme, cozinha, então...!
Os banheiros são grandes!
Olha só o tamanho disso aqui!
Cabem mais de três desses só dentro de casa.
Eu construí aquela casa há mais de trinta e cinco anos, antes de você nascer.
É uma casa muito boa, tem um bom quintal pra criança e até gramado.
Vão pra lá. Eu já disse, a casa é sua!
- Pai, o senhor já viu o que tem nesse apartamento?
Os móveis, a decoração delicada, o capricho em cada detalhe e o orgulho que a Márcia tem por ter conseguido isso sozinha?
- Carrega tudo pra lá.
- Até que dá pai, mas não combina.
A casa é boa, mas eu não sei...
A casa está precisando de um trato, como trocar a pia, melhorar os banheiros, ela é simples por ser antiga.
Eu não quero tirar a Márcia desse conforto, de cada detalhe caprichoso que ela colocou aqui.
- Eu vou mandar reformar, trocar os pisos, as coisas dos banheiros, os azulejos, fazer aquela cozinha que se planeja, pintar tudinho e depois levaremos a Márcia para comprar alguns móveis novos.
Algo de que ela goste.
Eu tenho dinheiro pra isso.
- Pai, espere.
Primeiro vou falar com ela.
Sabe, a gente tem tanta coisa para resolver.
Pensar em arrumar aquela casa agora, será só mais um problema.
Estou mais preocupado com a chegada do bebé.
Precisamos deixar tudo arrumado para recebê-lo.
- Conversa com a Márcia, filho.
Deixaremos tudo arrumadinho, até o quarto do meu neto ficará da maneira que ela gostar.
Acho que não vai se importar em mudar pra lá.
A gente compra tudo novo e do jeito que ela quiser.
- Vou conversar com ela, pai.
Eu vou conversar - afirmou para contentá-lo.
Márcia saiu do banho e eles foram levar o senhor Aristides para a casa.
Na volta, Fábio propunha à Márcia que mudassem para a casa de seu pai.
- Além do que Márcia, seria uma boa economia.
Não teríamos despesas com o condomínio que pagamos hoje...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jun 14, 2017 11:21 am

- Por mim Fábio, tudo bem.
Está óptimo. Nem precisa gastar tanto com a reforma.
Arrume o que for mais necessário.
Eu não me importo, vamos morar lá sim.
- Não se importa mesmo?! - surpreendeu-se o marido.
- Mesmo. Já se foi o tempo em que me importava e me orgulhava com a aparência.
Antigamente, para mim, tudo tinha de ser bonito, perfeito, novo, modelo do ano e impecável.
Não digo que devemos estragar o que temos, ou não procurar ter coisa melhor.
Devemos conservar com carinho o que conseguimos, mas o importante é o nosso bem-estar e eu só quero ficar com você.
Fábio aproveitou a parada no farol e a beijou.
Ela realmente havia mudado.
Cresceu muito espiritualmente.
- Márcia, assim que mudarmos, voltarei a frequentar o centro que é lá perto da casa.
Você vem comigo?
- Claro, Fábio - sorriu com doçura.
Não vai se ver livre de mim. Acredite!
Sem demora, assim que soube da novidade, o senhor Aristides mandou pintar a casa, após algumas reformas.
Tudo foi bem rápido e o jovem casal mudou-se para lá.
O pai de Fábio tinha razão:
a casa era bem maior, mais arejada e com a nova decoração, sem ostentação luxuosa, ficou um lar bem aconchegante, agradável, moderno e confortável.
O senhor Aristides decidiu que ficaria morando com o filho até o nascimento de seu neto e só depois disso voltaria para Minas Gerais.
Márcia e Fábio sempre pediram para que ficasse, mas ele estava decidido.
Só queria ver o neto nascer.
Há tempos Fábio não comparecia ao centro espírita que frequentou por muito tempo.
Muitos sentiam sua falta.
Ao chegarem lá, foram recebidos com grande entusiasmo.
- Fábio! - exclamou o dirigente quando o viu entrando ao lado de Márcia.
Que prazer, Fabinho!
Como é bom tê-lo connosco!
Que falta você nos fez!
O homem estava realmente satisfeito ao vê-lo e, após o longo abraço apertado, com orgulho, Fábio apresentou:
- Senhor Miguel, essa é minha esposa, Márcia.
- Prazer! - cumprimentou estampando agradável sorriso.
- O prazer é todo nosso! - exclamou o senhor Miguel.
- Tenho uma surpresa para o senhor! - disse Fábio olhando para trás a procura de seu pai que parou para cumprimentar alguns velhos conhecidos.
- Tidinho!
Seu velho fujão! - gritou sorridente ao vê-lo.
- Miguel! - respondeu o senhor Aristides emocionado ao encontrar o amigo de tantos anos.
Os dois se abraçaram demoradamente e emocionados.
Havia muitos anos que não se encontravam.
Foi naquele centro e com aqueles companheiros que o senhor Aristides pôde encontrar a ajuda para os trabalhos de desobsessão de Fábio na adolescência.
Conversaram por muito tempo até que o senhor revelou:
- Soubemos da sua luta, Fabinho - afirmou o senhor Miguel agora mais sério.
Seguimos você com amor e carinho através das orações.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:38 am

Apesar de estarmos longe, nossos corações o envolviam e nos aproximavam.
- Obrigado - disse Fábio.
Eu sempre pude contar com vocês.
Quero pedir desculpas por não tê-los convidado para o meu casamento, que foi há duas semanas.
Sei que entenderão.
Foi só no civil, algo muito simples.
- Ora, Fabinho!
O mais importante foi você ter voltado e trazido sua esposa junto.
Virando-se para Márcia, comentou:
- Você é muito bonita, exactamente como o Fábio me falou tempos atrás.
Ele só falava em você.
- Obrigada, senhor Miguel - respondeu Márcia encabulada.
- Tenho mais uma novidade! - enfatizou Fábio radiante.
Meu herdeiro ou herdeira já está a caminho!
Márcia corou.
Fábio acabou de dizer que havia se casado há duas semanas.
Poderia ter esperado um pouco mais para anunciar que ela estava grávida.
Mas Fábio era assim mesmo.
Ele não se continha.
- Parabéns! Parabéns, Fábio! - cumprimentou, abraçando-o com prazer.
Parabéns, Tidinho!
Até que enfim será avô.
Após a breve euforia, Fábio pediu:
- Senhor Miguel, preciso conversar com o senhor.
- Já sei! Você quer retomar suas tarefas e voltar às actividades novamente?
- Quero. Eu quero muito.
Só que estou passando por alguns problemas que vão me impedir, temporariamente, de fazer isso.
Eu e a Márcia precisamos de um tratamento de assistência espiritual.
- Claro, filho.
Vocês terão todo o amparo que Deus nos oferecer.
Pode contar connosco.
A propósito, estão fazendo o Evangelho no Lar, não estão?
- Não correctamente.
Falhamos algumas vezes.
A Márcia esteve internada e eu passando por crises.
São dores insuportáveis que vêm me mantendo no hospital por algumas horas devido às pesquisas de diversos médicos e incontáveis exames clínicos.
- Qual a origem, Fabinho? - perguntou o senhor Miguel.
- Não sei não, senhor.
Os médicos não encontram nada que justifique o que eu sinto.
- Você virá na próxima quarta-feira? - perguntou o senhor Miguel.
- Sim. Sem dúvida.
Estou morando no mesmo lugar.
Fica mais perto agora. - avisou Fábio.
- Venha mais cedo para conversarmos um pouco.
- Venho sim.
- E quanto a você, moça bonita - disse o senhor Miguel sorrindo -, cuide bem desse herdeiro, sairá ao pai e valerá ouro!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:38 am

Márcia sorriu.
E Fábio perguntou:
- O senhor tem o meu telefone, não tem senhor Miguel?
- Tenho sim.
Se não mudou o número...
- Não. É o mesmo.
- Eu ligarei, caso seja preciso, mas não se esqueça de me telefonar também, caso precise, viu?
Depois que se despediram, já iam embora, porém o senhor Miguel lembrou-se que precisava entregar algo muito importante para Fábio.
Foi ao escritório do centro e rapidamente apanhou um envelope.
Em seguida correu para entregá-lo.
- Fábio! Fábio!
Ele se voltou e o homem disse:
- Puxa, Fábio, como eu pude me esquecer?
Com o envelope nas mãos, ele continuou:
- Isso é para você, filho.
Leia em sua casa.
Foi através dessa mensagem que soubemos o que aconteceu com vocês.
Fábio pegou o envelope e foi abri-lo quando o senhor Miguel insistiu:
- Leia em sua casa, Fábio.
Novas despedidas e Fábio, Márcia e o senhor Aristides voltaram para casa.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:38 am

27 - TENTANDO SEPARAR OS QUE SE AMAM

Fábio não via a hora de chegar para ler a mensagem que recebeu.
Estava ansioso e os outros também.
Jonas e Zul já haviam feito o tal pacto e aguardavam a chegada deles em casa.
- Viu só? - disse Jonas.
Eles voltaram do tal lugar que eu falei.
Cada vez que ele vai lá, parece que vem mais forte.
Recebe alguma ajuda e o pior que os caras que o ajudam não aparecem, a gente não consegue ver.
Ficará difícil influenciá-los.
Nós não vamos conseguir.
- Não diga, nós não vamos conseguir.
Está se baseando por você.
Já me viu agindo antes - avisou Zul.
Ao entrarem em casa, Fábio virou-se para seu pai e sua esposa, falando:
- Estou tão curioso para ler isso!
- Será que podemos ouvir? - perguntou Márcia.
- Ninguém disse o contrário - justificou Fábio que rápido se sentou a mesa da cozinha.
Márcia e o senhor Aristides sentaram-se um de cada lado, desejosos para saber do que se tratava.
Fábio pegou o envelope, virou-o na mão e, sem ter como saber, antes de abri-lo avisou com tranquilidade peculiar:
- E do Ney.
O senhor Aristides e Márcia se entreolharam, mas não disseram nada.
Fábio abriu o envelope, pegou a carta que havia dentro desdobrou-a cuidadosamente e começou a ler o seu conteúdo:
Queridos amigos e companheiros,
Eu não sei muito bem ainda como é que eu devo proceder para me comunicar, pois é a minha primeira vez.
Aqui é o Ney, o Sidney, irmão do Fabinho, filho do senhor Aristides, o senhor Tidinho.
Eu desencarnei há pouco tempo em um acidente ocorrido em Minas Gerais.
Eu e o meu irmão Fábio fomos atropelados.
É estranho falar, mas eu nada sofri, pois acredito ter sido desencarnado no momento em que percebi o Fábio me puxando pela camisa.
Não senti a pancada, nem mesmo vi o carro.
Só sei dizer que acordei aqui.
Fui recebido com muito carinho por amigos de meu pai e de vocês também que conheci aí no centro quando eu era pequeno e sei que há muito tempo eles desencarnaram.
Fiquei um pouco assustado quando despertei de facto.
Mas não senti nada.
Nenhuma dor, nenhuma angústia.
Logo eu soube que minha mãe Eulália também estava aqui e se recuperando.
Sei que hoje o meu irmão Fábio está lutando muito para reagir e continuar suas experiências junto a vocês.
O Fabinho necessita de muita ajuda.
O seu corpo sofre muito.
Ele ficou inerte e pode perceber tudo o que ocorreu em volta dele.
Mas o seu filho, que ainda está sendo preparado, é o seu maior motivo para continuar a vida aí.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:38 am

O Fábio sofre com resignação, e sei que, quando puder ler esta mensagem, estará muito bem.
Fábio, você nem imagina como é aqui e também não pode imaginar como você me ajudou com tudo o que veio me ensinando durante toda a minha vida aí.
Principalmente com aquele papo que tivemos no carro, enquanto viajávamos para Minas Gerais, lembra?
Puxa, cara! Foi o máximo!
Foi o maior barato mesmo!
Fábio deu uma parada.
Sua voz embargou.
Ele respirou fundo, sorriu para disfarçar sua emoção e disse:
- Eu implicava tanto com o Ney para que não usasse essas gírias.
Ele nunca conseguiu ficar muito tempo sem pronunciá-las.
Até achei que demorou muito para começar a se empolgar e falar, digo, escrever assim.
Nunca pensei que ficaria feliz em ouvi-las novamente.
Depois de controlar a emoção, Fábio continuou:
Meu! Você iria adorar ver e sentir como é desse lado.
Pelo menos onde eu estou, né!
Tudo o que se lê nos livros narrados por alguns espíritos é verdade, cara.
Lembra-se de que eu questionei isso com você durante a viagem?
Eu disse que você iria adorar, mas ainda terá muito que fazer por aí.
Vê se te cuida, cara.
Cuida também do meu sobrinho e da Márcia.
Diga a ela que eu a amo e que é para ela se cuidar bem, pois assim meu sobrinho estará óptimo.
Não sei quando é que essa mensagem lhe chegará às mãos.
Talvez vocês já saibam pelos exames.
Porém aqui nós já sabemos antes da concepção.
É homem! Vocês já podem escolher um lindo nome.
É homem! Cara! A mãe está feliz com isso.
Ainda se recupera, mas está lúcida, saudosa e feliz.
Ela já sabe que é avó.
Diga pro pai que estamos bem.
E que valeu! Eu o amo.
Agradeço tudo o que ele me ensinou.
Ele é um excelente pai.
Fabinho, vê se te cuida, ô meu.
Você é muito bom e precisa se manter assim.
Você tem muita fé e terá que se valer dela.
É a hora da verdade!
Estamos torcendo por vocês e orando muito.
Tenham fé. Não lamentem o meu desencarne.
Nada é por acaso.
Diga ao pai que, se não fosse lá em Minas, meu acidente seria em outro lugar e se você não estivesse ao lado, eu estaria sozinho, não foi culpa de ninguém, chegou a minha hora.
Quanto a você, Fábio, sabe que precisava passar por aquilo e, como eu disse, se não fosse ali seria em outro lugar.
Eu sei que sentiu a pancada, sentiu sua cabeça bater com força no chão, sentiu muita dor e ficou inconsciente só por pouco tempo e depois voltou a sentir tudo o que acontecia com o seu corpo.
Principalmente as dores, que eram muito fortes.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:38 am

Eu sinto muito por você Fábio, mas por outro lado sei que só passou pelo que tinha de passar, só sofreu as consequências de seus próprios actos cometidos num passado distante.
Você sabe do que eu estou falando.
Saiba que não ficaram rescaldos.
Agora tudo acabou.
Você teve paciência com o seu sofrimento, sofreu com resignação.
Não lamentou nada do que ocorreu.
Fábio, você nem imagina como isso é importante para a nossa evolução.
Por isso sempre tenha fé, por mais difícil que possa ser.
Não reclame, não lamente.
Confie em Deus. Nada é por acaso.
Seu irmão, Sidney.
Quando Fábio terminou, os três se abraçaram chorando.
Foi muita emoção.
Fábio não tinha palavras, porém o senhor Aristides falou:
- Graças a Deus o meu filho e minha mulher estão bem!
- Você viu, Fábio.
O Ney disse que é homem - lembrou Márcia emocionada.
Num canto da cozinha, Zul e Jonas aguardavam.
Zul debochava do que via e Jonas corroía-se de raiva.
Pela emoção que os três sentiam.
- Está em bom lugar! - dizia Jonas debochadamente.
Ele está rondando no inferno.
Se eu achar esse cara por aqui vou dar nele.
- Vamos lá! - disse Zul.
- Lá onde? - perguntou Jonas.
Zul aproximou-se de Fábio que, com o coração ainda repleto de emoção, levantou-se da cadeira avisando:
- Vou tomar um banho.
Quero dormir logo, amanhã vou levantar bem cedo.
Fábio sentiu-se tonto, mas insistiu no que se propôs a fazer.
Márcia e o senhor Aristides ficaram sentados à mesa da cozinha relendo a mensagem.
Fábio, normalmente, entrou no banheiro, ligou o chuveiro e de repente ouviram um barulho.
Márcia assustou-se anunciando:
- É o Fábio!
Ela correu para a porta do banheiro e o chamou:
- Fábio? Fábio?
Aconteceu alguma coisa?
Fábio não respondeu.
Tentou forçar a porta que não estava trancada, mas oferecia resistência.
O senhor Aristides chegou perto e ajudou-a a empurrar.
Fábio encontrava-se caído atrás da porta.
Ele se debatia como se sofresse um ataque.
- Fábio! - gritou Márcia apavorada.
Com muito custo, ela e o seu sogro arrastaram Fábio para o quarto.
Ele gemia e girava o corpo de um lado para o outro, reclamando de fortes dores.
Márcia correu ao telefone e chamou Ciro.
Quando Ciro chegou, Fábio começava a apresentar melhoras.
Ainda com dores, mas sentado na cama, ele contou tudo em detalhes:
- Entrei no banheiro, liguei o chuveiro pra esquentar a água, tirei só a camiseta, voltei até o box e coloquei a mão na água para ver se já estava morna, eu me lembro muito bem - afirmava Fábio preocupado.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:39 am

Eu tirei o cinto e em seguida olhei no espelho... foi quando eu passava as costas da mão para sentir como estava minha barba, se devia fazê-la ou não... eu vi nitidamente no espelho um homem atrás de mim.
- Um homem? - perguntou Márcia.
- É sim. Eu tenho certeza - disse convicto.
Eu me assustei, virei imediatamente e ele sumiu.
Fiquei tonto e senti aquela dor novamente.
Foi tão intensa que devo ter perdido os sentidos, não vi mais nada.
- Fábio - perguntou Ciro -, será que você não sentiu uma dor muito forte e depois viu o homem?
Veja bem, eu não sou descrente, só quero alertar que dores fortes podem provocar alucinações.
- Não Ciro. Eu sabia muito bem o que eu estava fazendo.
E sei o que eu vi.
A partir daquele dia, Fábio começou a sentir dores com mais frequência.
Não abandonou os recursos da medicina, mas passou a cuidar mais do lado espiritual, da vigilância e reforma íntima.
Semanalmente, em sua casa, todos se reuniam em oração, os irmãos de Márcia sempre estavam presentes.
Com o tempo, todos podiam perceber que, vagarosamente, a alegria de Fábio estava diminuindo.
Já não era tão extrovertido e brincalhão como antes, porém nunca desagradou ninguém, somente ficava quieto.
O senhor Aristides conversava muito com o filho e diante de tanta mudança na personalidade de Fábio, um dia decidiu avisar:
- Filho, estou preocupado com você!
- Com o quê, pai?
- Você está mais triste. Muito preocupado.
Você mudou muito, Fábio.
A Márcia também está percebendo.
Ela não fala nada, mas eu sei que essa menina está magoada com isso, lembre-se de seu estado.
- Pai, não sei o que está acontecendo.
Sinto uma tristeza indefinida, parece que estou sozinho nessa luta.
Vejo-os constantemente à minha volta me ajudando, mas nada adianta.
A cada dia eu pioro.
Estou muito preocupado com o meu serviço.
Essas crises com fortes dores, já aconteceram lá várias vezes.
Não sei o que podem pensar, ninguém quer um funcionário problemático, doente.
- Isso vai passar, Fábio.
Já enfrentou problemas piores em sua vida, meu filho.
Lembra-se de tudo o que sofreu quando tinha quinze anos?
Muita gente me disse que aquilo era doença, que deveríamos interná-lo num sanatório e que eu e sua mãe estávamos perdendo tempo.
Mas nós ficamos firmes, não abalamos nossa fé em nenhum minuto, e os amigos verdadeiros sempre apareceram para ajudar.
- Eu sei, pai.
Eu sou tão grato por isso.
Se não fosse por vocês...
- Então, filho, isso vai passar também. Não desanime.
- Vai passar, pai, mas o que eu sinto está sendo difícil de encarar.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:39 am

Sabe, eu não digo nada, principalmente por causa da Márcia, pelo estado dela, mas meus pensamentos estão...
Fábio se calou.
- Estão o quê, filho? - perguntou experiente e desconfiado.
- Estão cada dia pior.
- Como, Fábio? - insistiu o pai.
- É difícil falar, pai.
- Nada é difícil.
Diga filho, o que é?
- Pai, nem quando solteiro eu era mulherengo.
O senhor sabe, sempre fui calmo, nunca achei que para ser homem teria que ficar correndo atrás de mulheres.
Quando eu conheci a Márcia e comecei a gostar dela, fiz tudo do jeito que achei mais correto, mais honesto.
Primeiro acabei o meu noivado com a Bete, só depois que tive a certeza de que a Márcia gostava de mim me aproximei dela para um compromisso sério.
Eu adoro a Márcia, pai! - falou suplicando entendimento.
- Mas por que você está me falando isso?
- Porque a cada dia, aparecem diferentes mulheres na minha frente.
Recebo "cantadas", elas se insinuam, provocam.
Já teve até uma que me fez um convite para sairmos.
- E você, Fábio? - perguntou seu pai preocupado.
- Lógico que não aceitei, né pai?!
Eu amo minha mulher e meu filho que vai chegar.
Só que...
- Só que...?
- De uns tempos pra cá, isso começou a mexer comigo.
Sabe a moça que acabei de contar que me convidou para sair?
Eu fico ansioso para vê-la.
Quero ficar conversando com ela.
E quando isso acontece, eu me esqueço de tudo, dos meus problemas, da Márcia, do bebé...
- Filho, isso não se faz! - zangou-se o senhor Aristides.
A Márcia não merece isso.
Você tem que respeitá-la.
Onde está sua vigilância?
- Não aconteceu nada, pai.
Acredite em mim.
Eu não saí com ela, só ficamos conversando na hora do café, no almoço.
Não sei por que sinto isso.
Sei que ela sai com um e com outro.
O que eu estou questionando são os meus sentimentos.
- Fábio, isso não pode acontecer.
Esse tipo de pensamento é para desviá-lo do caminho correto.
Enquanto você pensa que se distrai e se diverte, esquecendo seus problemas, está se entregando à mercê de manipuladores inferiores do plano espiritual que não querem o seu bem.
Você sabe do que eu estou falando.
Fábio, você não pode dar vazão a esse tipo de pensamentos.
São eles que não o deixam reagir para melhorar e vencer os obstáculos como essa tristeza, esse desânimo quando está em casa.
Essas ideias e sentimentos tiram toda a sua força e toda energia de auxílio que recebe para se recuperar.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:39 am

- Pai, eu só estou desabafando com o senhor.
Já sei de tudo isso.
Não posso contar à Márcia o que se passa comigo, apesar dela ser minha amiga.
Além do mais, ela não merece e não entenderia.
Estou contando para o senhor saber por que estou triste.
É curioso, lá no serviço esse mau humor passa.
Não quero vir embora para casa...
- Eu não disse para você contar isso à Márcia.
Estou dizendo para você ter fé e se vigiar muito mais.
- Eu só não me deixei dominar por isso que sinto, pai, porque oro demais, pois esses sentimentos são muito fortes, o senhor nem imagina.
Cada dia que passava, Fábio sentia-se mais pressionado.
Tudo em que sempre acreditou, estava sendo colocado à prova.
Não conseguia ter paz nem mesmo para dormir.
A insónia começou a atacá-lo e o pouco que descansava era num sono turbulento.
Acordava sentindo-se perturbado e cansado.
Um dia, quando ele não se vigiou, surpreendeu-se passando dos limites.
- Fábio, vamos na casa da Paula? - pediu Márcia com jeitinho.
- Não. Não vamos não - resolveu absoluto.
- Ah! Vamos lá, vai?
Todo mundo tá lá, é o aniversário da Bárbara, não tem festa, mas a Rose fez um bolo para cantarmos parabéns - explicou com simplicidade sem perceber a intolerância do marido.
- Eu não quero ir, Márcia.
Vá você. Estou cansado, não vê?
- Eu não quero ir sozinha.
Vamos, vai? - pediu com mimo.
- Não! Chama o meu pai para ir com você - falava parecendo enfadado.
- Não é a mesma coisa.
Vamos lá, anime-se.
Você precisa se distrair - decidiu com largo sorriso animado, ignorando seu mau humor.
Fábio estava sentado no sofá com o corpo largado.
Márcia pegou em seu braço e começou a puxá-lo, brincando e rindo, pois sabia que não conseguiria levantá-lo.
Num movimento rápido e estúpido, Fábio puxou o braço, empurrando-a e fazendo-a largá-lo, ao mesmo tempo em que gritou com voz forte e de forma cruel:
- Vê se me esquece! Caramba!
Eu já disse que não vou!!!
Márcia se assustou com o grito, perdendo o fôlego.
Não esperava aquilo.
Afinal, só estava brincando como fez outras vezes, não poderia tê-lo ofendido.
Ela empalideceu e gelou, enquanto todo seu corpo tremia.
O senhor Aristides, que estava na cozinha, ouviu tudo e correu até a sala.
Márcia paralisou-se estarrecida.
Nunca viu Fábio levantar o volume da voz desde quando o conheceu.
Jamais o viu reagir com estupidez e modos rudes.
Agora o marido se revelava e justo com ela.
- Márcia, filha! - disse o senhor Aristides que a segurou pelo braço e com a outra mão em seu ombro a fez sentar no sofá, pois percebeu que a nora se desfigurava.
Fique calma, filha.
- Não se preocupe, pai - murmurou a nora com voz fraca.
Estou bem.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:39 am

Márcia esfriou e percebeu seu coração bater descompassado.
Sentiu que até o bebé remexeu-se em seu ventre de maneira brusca e incomum devido ao seu susto.
De lábios brancos e queixo trémulo, abaixou o olhar e segurou o ventre acariciando o filho com carinho.
Nem mesmo conseguia chorar.
Quando Fábio, arrependido, deu-se conta de tudo o que fez, já tinha acontecido.
Foi rápido demais.
Aproximando-se dele, o senhor Aristides o encarou sisudo, dizendo veemente, mas com um volume baixo na voz que denunciava sua indignação:
- Nunca mais faça isso novamente, Fábio!
Não foi esse o exemplo que viu entre mim e sua mãe.
Sua mulher não pediu para estar aqui nessas condições e nesse estado.
Você é responsável por tudo isso, goste ou não, pois não ficaria grávida sozinha.
E conhecendo agora melhor a moral que ela tem, coisa rara hoje em dia, vejo que precisou se esforçar muito para seduzi-la e engravidá-la porque você não é nenhum garoto ingénuo e ela é de boa família!
Isso eu percebi ao entrar naquela casa e conversar com aquele homem uma única vez.
Foi criada dentro de bons costumes e você não a respeitou como deveria.
Além do mais, Fábio, eu mesmo garanti ao pai dela que meu filho era um homem responsável e nunca iria maltratá-la.
Gostaria que honrasse meu nome e o seu.
Quero que seja homem o suficiente para honrar também a promessa que eu fiz ao senhor Jovino quando afirmei que cuidaríamos da filha e do nosso neto, entendeu?!
Fábio, atordoado, não disse uma única palavra.
Vendo-o parado e olhando fixamente para Márcia, o senhor Aristides virou as costas e saiu, largando-os a sós.
Fábio abaixou a cabeça, sem dizer nada.
Seu pai tinha toda razão.
E agora, como corrigir aquilo?
Ajoelhando-se ao lado do sofá onde Márcia estava sentada e ainda nitidamente assustada, ele a tocou com carinho e pediu implorando:
- Desculpe-me, Má.
Por favor, eu não sei o que me deu, me desculpa?
Quando Fábio abraçou-a e foi beijá-la, Márcia virou o rosto negando-se.
Mesmo assim ele a abraçou com carinho e acariciou seus cabelos, pois se arrependeu realmente do que fez.
Zul e Jonas observavam de um canto.
Jonas não acreditou.
- Puxa, Zul!
Eu sempre quis ver esse cara perder as estribeiras como fez agora.
Queria vê-lo impaciente e rancoroso e nunca consegui!
Parabéns Zul!
Você é bom mesmo!
- Isso é só o começo.
Vou ensinar uma coisa.
Gente como ele, você não consegue derrubar de uma vez.
Tem que balançá-lo muito antes.
O clima ficou difícil entre Fábio e Márcia que não deu uma única palavra a respeito do acontecido.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:40 am

Fábio se arrependeu incrivelmente.
Justo ele que era tão cauteloso, ponderado e calmo em meio a situações difíceis, sempre procurou soluções sem desespero.
Agora, abrupto, e, por um motivo insignificante, gritou com ela, puxou o braço que segurava e com muita estupidez empurrando-a!
Isso não poderia ter acontecido no estado em que Márcia se encontrava.
Sentando-se ao lado da esposa, falou com voz generosa tentando redimir-se:
- Desculpa, Má.
Vamos lá na casa da Paula, sim.
Eu sei que você não tem saído de casa, a não ser para trabalhar e que nós quase não temos nos divertido ou simplesmente passeado por aí.
Entendo que se sente presa e necessita se distrair.
Não entendo como isso foi acontecer.
Perdoe-me, por favor.
E... vamos lá, vamos.
Vamos nos arrumar?
Com voz baixa, muito calma, ela respondeu:
- Não, Fábio.
Eu não quero ir mais - afirmou levantando-se, indo para o quarto.
Fábio parou e começou a contemplá-la:
"Como a Márcia mudou!", admirou-a em pensamento.
"Está tão mais calma, diferente de antes.
Até fisicamente...
Como eu não percebi e deixei tudo isso passar assim?
Sua barriga está maior!
Minha mulher está linda ao perder a silhueta para agasalhar meu filho!
Sua aparência melhorou sensivelmente, está cada vez mais bonita!", surpreendia-se calado e maravilhado com o que reparava.
"Seus cabelos estão bem mais compridos agora, soltos e ondulados, caiam sobre os ombros, parecia um manto a cobrir suas costas.
Apesar de tudo o que passou, do sofrimento, das mudanças, minha mulher está mais doce e bem segura de si.
Trocou tudo o que tinha por minha causa!
E agora... Meu Deus!
O que eu fiz com o amor da minha vida?
Por que a maltratei?" Fábio torturava-se.
Definitivamente sua esposa não era mais a mesma.
Agora só se produzia para ir trabalhar.
Quando permanecia em casa, não usava nenhuma maquilhagem, porém nunca descuidou de sua aparência.
Sempre se apresentava limpa e arrumada.
Usava roupas mais leves e descontraídas.
Ficava à vontade e até andava descalça pelo quintal, coisa que antigamente ninguém via.
Em algumas horas vagas, ela cuidava dos seus vasos com plantas e do belo jardim que cultivou com carinho.
Márcia parecia mais tranquila e menos vaidosa.
Sua linda barriga já aparecia bem e não se importava em ver seu belo corpo perder a forma elegante, vagarosamente.
Depois de observar e admirá-la bem, Fábio foi à sua procura.
Márcia estava deitada na cama.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:40 am

Sentando-se ao seu lado, começou a acariciar-lhe a face gélida, os cabelos e a barriga, beijando-a como se pudesse beijar o filho que tanto desejava.
Mas, magoada, permaneceu indiferente, com olhar fixo no tecto do quarto.
A campainha tocou e Fábio saiu para atender. Era Roberto.
- E aí Fábio, tudo bem? - cumprimentou Roberto.
- Tudo. Vamos entrar.
- E a Márcia? - perguntou Roberto.
- Está lá no quarto.
Fábio não conseguia disfarçar e Roberto, percebendo que algo estava errado, perguntou:
- Algum problema, Fábio?
A Márcia está bem?
- Está sim - afirmou sério.
- E você, como se sente?
- Há dias que eu não sinto nada.
Tomara que continue assim.
Fábio sentia que precisava desabafar.
Precisava falar, sentia-se muito mal com tudo aquilo.
Sem titubear, contou tudo para o cunhado:
- Sabe Roberto, eu não sei o que me deu! - suplicava entendimento.
- E a Márcia, não disse nada?
- Pior que não.
Está lá no quarto sem dar uma palavra.
Se pelo menos me xingasse, gritasse, poderia até me bater, me agredir, eu mereço!
Mas não, ela não diz nada.
- Isso é difícil, hein!
Nunca vi a Márcia deixar de reagir.
Ela sempre foi explosiva com qualquer coisa - comentou Roberto surpreso.
- Eu sei disso.
Mas a Márcia parece ter mudado, e muito! - salientou Fábio arrependido consigo mesmo.
- Por um lado isso é bom.
Ela está aprendendo a se controlar.
Por outro, nós não sabemos o que está pensando - afirmou Roberto.
Tenho medo disso. Ela está grávida... vai saber o que pode fazer!
- Você vai falar com ela? - perguntou Fábio.
- Claro. Vou sim.
Fábio ficou na cozinha e Roberto foi até o quarto.
Márcia ficou feliz ao vê-lo e o abraçou com carinho sem exibir qualquer problema pelo ocorrido entre ela e o marido.
- Você está gordinha hein, Márcia!
- Você acha? - perguntou animada, olhando para a barriga, enquanto passava a mão contornando-a.
- Olha só! Não dá mais pra esconder esse barrigão!
E os enjoos?
- Sumiram completamente. Ainda bem.
- Márcia, o Fábio me contou que gritou com você e...
- Ele não só gritou.
Ele foi estúpido.
Nunca vi o Fábio assim.
- Isso acontece, Márcia.
Ele está arrependido.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:40 am

- Pois que fique.
Ele me magoou muito, Beto.
- Tenha um pouco de paciência.
O Fábio está passando por momentos difíceis, sofre com essas crises de dores na cabeça que não têm origem, está preocupado com o emprego, com você nesse estado e com o nené também.
Afinal, vocês dependem dele.
Apesar de você trabalhar, ele é o homem da casa.
- Mais paciência do que eu tenho, Beto?
Minha vida mudou completamente.
Não estou reclamando, estou só expondo o meu lado.
Eu era independente, não tinha satisfação pra dar a ninguém, chegava a minha casa na hora que eu bem queria, passeava, saía, divertia-me, tudo isso! E agora?!
- Você sabia que iria mudar.
Que depois de casada teria que assumir inúmeras responsabilidades.
- Eu sei. Não estou reclamando disso, nem das minhas responsabilidades - falava baixo, porém sentida.
Só que, por mais que eu faça, o Fábio parece que não reconhece.
Todo final de semana ficamos trancados aqui dentro de casa só porque ele está cansado.
Quando o chamo para sair, não quer, ou acorda tão tarde que não dá pra ir aonde planeei.
Nunca conseguimos nos acertar.
Tolero tudo isso por entender e querer ajudá-lo em suas dificuldades, mas está sendo impossível.
Agora, gritar comigo e ser estúpido sem qualquer razão, é inadmissível.
Desse jeito onde é que vamos parar?
E se eu resolver gritar também, como é que fica?
O Fábio mudou muito, Beto.
Eu esperava tudo, menos isso.
Não foi esse o homem por quem me apaixonei e com quem me casei.
- Dá um tempo pra ele, Má. Isso passa.
- Tomara que passe rápido, Beto. Tomara.
- Vamos lá na casa da Paula?
- Eu não quero mais, Beto.
- Vamos, vai.
O Fábio está esperando.
- Por favor, Beto. Não insista.
Roberto percebeu que não adiantaria, a irmã estava irredutível.
Depois de pensar um pouco decidiu contar.
- Sabe Má, aconteceu um negócio chato.
- O quê?
- Sabe a Júlia?
- O que tem ela? - perguntou simples.
- Passou para o outro lado.
- A Júlia morreu?! - espantou-se Márcia.
- Sim. Ela teve complicações respiratórias devido à falta de imunidade.
Márcia ficou estarrecida.
Não sabia o que dizer.
- Márcia - continuou Roberto -, o Ciro já sabe sobre mim.
- Como?! Quem contou e como ele reagiu?
- Ele já sabe faz tempo.
- Como? Você contou?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:40 am

- Não. Ele descobriu.
Lembra-se de quando ele pegou em sua bolsa os papéis de exames médicos, na ocasião em que você ficou internada?
- Sei, lembro.
- Ele ligou para aquele médico que a atendeu quando foi fazer o primeiro ultra-som e disse que era médico.
Falou que você não estava bem, corria risco, e ele, como seu médico, precisava de referências sobre o início de sua gravidez.
Daí o médico começou a falar sobre os exames já realizados, que faltavam só o de colesterol e glicemia, pois precisava estar em jejum, ainda ressaltou que você estava fraca, anémica.
Depois, para tranquilizar Ciro, ele avisou que seu exame de HIV tinha dado negativo, porque você falou, durante a consulta, que tinha um caso de seropositivo na família e que era um irmão com quem tinha muita ligação.
Ciro logo deduziu que só poderia ser eu.
Como se não bastasse, o homem passou, via Fax, todos os seus resultados de exames para o Ciro acompanhar, pois havia resultado de hepatite, rubéola e outras doenças viróticas.
Mas o que ressaltou e preocupou foi a sua anemia.
- E o Ciro, como reagiu com você?
- O Ciro não me disse nada.
Só conversamos sobre isso agora, depois que a Júlia morreu.
Ele me contou que, quando soube, não se conformou, ficou sem dormir umas três noites.
Ele não entendia como eu agia tão normalmente.
- Beto, eu contei para o Fábio - avisou temerosa.
- Como ele reagiu?
- Lamentou muito.
Você nem imagina como ele ficou chateado.
Disse que pode contar connosco para tudo e que só tocará no assunto com você caso o procure para desabafar.
Márcia se sentou na cama e o abraçou dizendo quase chorando:
- Eu também não entendo, Beto.
De onde vem toda essa tua força que não o faz se revoltar?
- De Deus, Márcia.
Só pode ser Dele.
Ele colocou pessoas maravilhosas no meu caminho que me dão muita força para eu suportar isso tudo, pois não é fácil.
Você não imagina, minha querida...
- Não tem outra explicação, Beto.
Essa sua força só pode vir Dele.
Afastando-a de si e passando a mão sobre a barriga da irmã, Roberto disse:
- Ei, Má!
Você está colocando um obstáculo entre a gente - brincou para afastar a melancolia.
Olha só que barrigão!
- Não está tão grande assim - reconheceu.
- Você é que não está vendo direito, Má!
Dizendo isso acariciou e beijou a barriga de Márcia que sorria esquecendo-se de tudo.
Nesse momento Fábio entrou no quarto e ficou feliz com a cena.
- Já está com cinco meses, entrando no sexto - avisou Fábio orgulhoso que se aproximou e começou acariciá-la também.
Márcia sentiu-se muito feliz com tanto mimo.
Jonas abalou-se quando soube da morte da irmã.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:41 am

Encostou-se na parede e sentiu-se muito abalado.
O espírito Zul aproximou-se dele e disse:
- Que é isso cara?!
Vai amarelar agora?
Será alguém a mais para ajudar.
Quanto maior o grupo, mais força teremos.
Jonas lembrou-se disso.
Júlia era forte e persistente.
Poderia contar com o apoio dela.
Foi ela quem mandou aqueles dois primeiros a lhe ajudar.
Com Júlia por perto, Fábio iria fraquejar e cair de uma vez.
Realmente Fábio estava enfraquecendo.
Cada dia que passava, ele sentia-se mais perturbado.
Mas não conversava sobre o assunto.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jun 15, 2017 9:41 am

28 - SOB TERRÍVEIS SEDUÇÕES

Fábio sofria assédios constantes.
Era terrível suportar calado e se conter às diversas situações que pareciam tentadoras.
Dono de um porte físico atraente, além de presença e comportamento marcante, ainda mais agora com a ajuda de Márcia capacitada de incrível bom gosto na escolha de suas roupas, ele se destacava demasiadamente, chamando muito a atenção.
Para tentar se livrar de convites indesejáveis, sempre que podia, falava com entusiasmo do filho que ia nascer, do quanto admirava sua mulher que estava cada vez mais bonita e o quão ansiosos aguardavam pelo bebé.
Mas isso parecia exercer mais a atracção de algumas mulheres que se empenhavam em provocá-lo a fim de instigá-lo para o adultério.
Em certa ocasião, Fábio comentou que no sábado iria com Márcia a um determinado magazine para fazerem as compras das últimas peças que faltavam para o enxoval do bebé.
No sábado, conforme planearam, ele e Márcia, bem alegres, escolhiam algumas coisas no "sector para bebés" quando apareceu Lu, a colega que Fábio havia comentado a respeito para seu pai.
Justamente ela a que mais se insinuava, chegando a propor encontros íntimos.
Fábio surpreendeu-se, não entendeu o que Lu fazia ali.
- Olá, Fábio? - cumprimentou sorridente.
- Como vai, Lu? - sobressaltou-se, ele.
Lu, que nunca o havia beijado, aproximou-se de Fábio e deu-lhe beijos no rosto.
Márcia enfureceu-se de imediato, porém continuou sorrindo e mantendo toda a classe.
Ele ficou sem jeito, aquilo nunca tinha acontecido.
Assim que pôde apresentou sua mulher:
- Lu, esta é a minha esposa, Márcia.
Sorrindo ao passar a mão na barriga de Márcia, avisou:
- E esse é o nosso bebé.
A moça nem a cumprimentou e, de imediato, foi exclamando a fim de humilhar com desprezo:
- Nossa! De quantos meses você está?!
- Na próxima semana eu completo seis - replicou Márcia sorrindo ao erguer-se com exuberância e medi-la com o olhar.
- Que horror menina!
No oitavo ou no nono você vai explodir!
Olha só como está gorda!
- Não é verdade que eu tenha engordado tanto assim.
Como você exagera!
Nunca me viu antes para fazer comparações.
Aumentei meu peso em somente oito quilos e eu sempre fui magra - defendeu-se Márcia sem trégua, ostentando orgulho.
Tenho acompanhamento médico adequado e sinto-me muito bem.
- Vai ver que o bebé é grande - argumentou Fábio que percebeu a agressão e tentou harmonizar o duelo de palavras que se iniciava.
Vai puxar ao pai.
- Vai ver que é - falou Lu, com desdém.
Toma cuidado, Márcia, para não ficar relaxada.
O Fábio não vai gostar.
Ele admira mulheres elegantes, não é, Fábio?
- Eu sei disso - afirmou Márcia ligeira para defrontá-la com seu raciocínio afiado, antes que o marido interferisse.
Sei que meu marido adora mulheres cultas, inteligentes, elegantes, educadas, descentes e íntegras, que não ficam se oferecendo facilmente como um objecto supérfluo e descartável.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jun 16, 2017 9:20 am

Foi por isso que se casou comigo!
Decidimos ter um filho para reforçar nosso amor e vivemos muito bem, obrigada!
Jamais me verá relaxada como diz.
Fábio sorriu constrangido e não comentou nada.
Mas de imediato, Márcia decidiu:
- Se nos dá licença, Lu, precisamos ir, estamos com pressa.
Até logo - disse Márcia com sorriso cínico estendendo a mão à Lu, pois queria livrar-se dela depois da afronta.
Sem alongar as despedidas, separaram-se, e Márcia, com sentimento interior de vitória, continuou com suas compras normalmente; sustentando, vez e outra, um sorriso silencioso, com sabor de triunfo, ao recordar de sua agilidade ao se deparar com aquela que tentou inferiorizá-la com críticas e opiniões humilhantes.
Bem mais tarde, já em casa, Fábio, que nada falou sobre o acontecimento até então, censurou:
- Sabe, Márcia, eu acho que não precisava ter sido tão grossa com a Lu.
- Tão grossa, Fábio?!
Você acha que eu fui mal educada?! - questionou a esposa perplexa.
- Eu acho - afirmou, agora, sisudo.
Apesar de sua classe ao falar, sustentou um sorriso cínico querendo rebaixá-la, deprimi-la, sei lá...
Afinal tratava-se de minha colega de trabalho.
Márcia, indignada, bateu com força sobre a mesa um pacote que segurava.
Virou-se para Fábio, dizendo irritada:
- Eu posso ser grossa, como você está dizendo, mas as pessoas só recebem de mim exactamente o que me oferecem.
Nunca critiquei uma pessoa por sua aparência, principalmente a esposa ou namorada de algum amigo, e na frente dele.
Não reparo se está gorda, magra, bem ou mal vestida, se não tem bom gosto ou coisa assim.
Quem tem esse tipo de atitude não passa de uma pessoa sem princípios, mal educada, muito baixa e que está a fim de se ressaltar para conquistar o homem da outra.
Não sou desprovida de inteligência, Fábio! - falou firme.
Observei muito bem o jeito que aquela Lu olhou para você e em seguida, sem me cumprimentar, tentou me humilhar pensando que eu fosse uma idiota qualquer para ficar submissa naquela situação.
Mesmo se eu estivesse gorda, enorme, por razões que ela desconhecesse, jamais deveria dizer alguma coisa!
Mas não é esse o caso.
Será que aquela cretina não viu que estou grávida?!
- Lu não é cretina - retrucou Fábio imediatamente.
- Ah, não! Defendendo sua amiguinha?! - revidou debochando.
- Ela é só uma conhecida.
Não confunde as coisas, Márcia.
- Em vez de dar razão para mim, que sou sua esposa, você fica defendendo qualquer uma?
Meus conhecidos não ficam me dando beijinhos no rosto e largando você de lado, sem cumprimentá-lo, muito menos o subjugando e criticando sua aparência.
- Mas e o Arnaldo?
Você saiu com ele duas vezes sem terem qualquer compromisso e, pelo que sei, beijaram-se na boca, não foi?! - perguntou ofendido alteando a voz.
- Você está querendo me confundir, Fábio!
Não é disso que estamos falando.
Você sabe muito bem que eu namorei o Arnaldo por um ano, depois desmanchei e...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jun 16, 2017 9:20 am

- E quando se viu sozinha - interrompeu-a impiedoso e irónico -, correu de volta pra ele!
- Não seja ignorante, Fábio - argumentou magoada, em baixo volume de voz, porém bem firme.
Você está me ofendendo, e me conhece muito bem para admitir que está errado.
Já trabalhou comigo e sabe como me comporto.
Nunca fui "uma qualquer" mesmo com todos os assédios que sofri.
Meus pais sempre me ensinaram a valorizar minha integridade, como lembrou o pai outro dia.
Ninguém tem nenhum motivo para falar assim comigo, principalmente você!
Aproximando-se, foi mais veemente:
- Não pode duvidar da minha moral, Fábio!
Eu não devo nada e você bem sabe!!!
Assumo que saí com o Arnaldo após terminar um namoro sério, mas foi antes de nós dois termos qualquer compromisso.
Você também era noivo antes de namorarmos.
Qual o problema nisso?!
Fábio sabia que não poderia pôr em dúvida a moral de Márcia, mas inexplicavelmente sentia vontade de agredi-la com palavras.
Ela, por sua vez, pôs-se à sua frente, encarou-o bem séria, não se intimidou e insistiu:
- Você tem alguma dúvida quanto à minha moral ou quanto ao meu comportamento, Fábio?!
Diante do silêncio Márcia continuou falando firme, mais alto e quase agressiva devido aos sentimentos de revolta por conta da ironia:
- Além dos meus irmãos, o primeiro homem a dormir na minha casa e na minha cama foi você!!!
Alguma dúvida, Fábio?!!!
Se eu fiquei grávida antes do casamento a culpa também é sua!
Eu não fiz esse filho sozinha!!!
O único homem com quem eu fui para a cama, até hoje, foi você!!!
Ou você quer questionar isso também?!!!
Tem alguma dúvida?!!!
- Não! Eu não disse isso!
Não seja ignorante! - retrucou Fábio.
- Eu, ignorante?! - admirou-se Márcia com deboche.
- É, sim! Está sendo ignorante, quadrada, antiquada.
Não estou falando nada disso.
Não era esse o assunto.
- Nisso concordamos.
O assunto não era esse, falávamos da sua amiguinha que tentou me humilhar, mas depois você reclamou que eu beijei o Arnaldo, que corri de volta pra ele quando estava sozinha...
Da forma como falou colocou em dúvida minha reputação, minha moral e integridade!
Em seguida, me chama de antiquada?
Chega, Fábio! Para!
Não estou reconhecendo o homem que conheci e com quem me casei.
- Não é isso, Márcia.
Talvez eu esteja sendo autêntico somente agora.
Márcia segurou-o pelo braço e tentou olhá-lo nos olhos.
Fábio não a encarou.
Tirou a mão dela de seu braço e a afastou para passar.
Márcia segurou-o novamente só que com força, tentando conversar:
- Fábio, espera. Eu...
Interrompendo-a abruptamente, gritou com voz grave, irritado:
- Larga meu braço, Márcia! Já chega!!!
Você está pensando que é dona da verdade?
Aonde quer chegar?!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jun 16, 2017 9:21 am

Márcia ficou incrédula.
Largou-o sozinho e foi para o quarto.
Magoou-se profundamente e não queria chorar perto dele.
Imediatamente o marido caiu em si e questionou murmurando:
- O que é que eu estou fazendo?
Rápido correu para alcançá-la, mas a esposa já havia entrado no quarto e trancado a porta.
Mais calmo, agora, e com voz branda, ele a chamou e pediu:
- Márcia? Márcia, abra a porta, por favor.
O senhor Aristides, que estava em seu quarto, pôde ouvir exactamente toda a discussão.
Em certo momento pensou em se envolver devido ao estado da nora, não queria que ficasse nervosa, mas o assunto lhe pareceu muito particular, íntimo demais, e a nora defendia-se bem, por isso ele permaneceu quieto como se não estivesse em casa.
- Márcia, abra a porta, por favor.
Vamos conversar? - pedia Fábio com certa generosidade.
Arrependeu-se de tudo o que falou.
Não era a primeira vez que fazia isso com Márcia.
Por que tudo tinha de ser assim?
Sua vida mudou muito.
Principalmente seu modo de pensar e agir.
Ele nunca foi agressivo com gestos ou palavras, agora estava sendo injusto com Márcia.
Começou a achar que talvez o seu acidente tivesse provocado algum problema de ordem psicológica.
Decidiu insistir.
Tinha que falar com ela.
Márcia não podia passar mais nervoso, ele sabia disso.
O início da gravidez já havia sido difícil demais, foi um milagre não perderem aquele filho.
- Márcia, abra a porta, por favor. Vamos conversar.
Fábio começou a escutar os soluços.
Ela estava chorando e chorando muito.
Começou a temer por seu estado de saúde e pelo bebé.
Então calmamente ameaçou, com voz afável, mas para o bem de sua mulher:
- Márcia, abra a porta.
Estou preocupado com você.
Se não abrir, eu terei de arrombar.
E não vou esperar muito não.
Abra a porta, por favor.
Diante da ameaça, após breves segundos, Márcia levantou-se e abriu a porta.
Imediatamente Fábio a abraçou dizendo:
- Não vou mais fazer isso, Má.
Perdoe minha estupidez.
Não deveria ter falado tudo aquilo, você não merece.
Entre os beijos que lhe dava no rosto e os carinhos que lhe fazia, afirmava amável e implorando:
- Eu sei que você não merece nada do que falei.
Você sempre foi minha... só minha.
Perdoe-me, por favor.
Nunca mais vou falar assim.
Márcia estava chorando.
Não retribuiu ao abraço nem aos carinhos, ainda se sentia ofendida, muito magoada.
Sem qualquer palavra, não olhava para o marido, mantendo a cabeça baixa e o olhar perdido no chão enquanto as lágrimas rolavam.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jun 16, 2017 9:21 am

Tinha certeza de que ele não cumpriria a promessa.
Fábio reconhecia suas falhas e sabia onde errava.
Só que uma força maior agia sobre ele.
Nos últimos tempos, diante de situações corriqueiras falava áspero e quando se dava conta, já havia respondido com modos grosseiros, agressivos.
Em muitas ocasiões por factos banais e irrelevantes, Fábio irritou-se em demasia.
Como na ocasião em que certo dia, combinou com Márcia que a levaria e a buscaria no serviço.
Ao vê-lo à sua espera Márcia entrou no carro toda sorridente e foi beijá-lo, quando o marido protestou:
- Você viu que horas são?!
- Dezoito e vinte - respondeu simplesmente.
- Você sai às dezoito, não é?
Por que não saiu no horário? Caramba!
Eu fiquei aqui plantado no carro feito tonto!
- Fábio, não é tanto tempo assim.
Além do mais nunca conseguimos sair no horário certo, você bem sabe!
Já trabalhou comigo - defendeu-se intimidada pela surpresa.
Mas Fábio, irritado, ficou sem dar uma palavra até que chegassem a sua casa.
Esse tipo de comportamento o deixava mal-humorado, contagiando todos à sua volta.
O espírito Jonas ficava cada vez mais animado quando percebia esse tipo de atitude.
Seu objectivo era perturbar a paz e a tranquilidade de Fábio ao máximo.
Depois de alguns dias, Jonas encontrou Júlia, que não estava em condições de auxiliá-lo no momento.
Mas, com o passar do tempo, Jonas a ajudou e ensinou inúmeras coisas, as quais aprendeu rapidamente.
Aos poucos, Júlia também passou a ajudá-lo com Fábio que, a cada dia, deixava-se envolver pelas influências sugeridas por aqueles espíritos sofredores e sem instrução.
Abraçada a Fábio, Júlia passava-lhe sentimentos de conquista, de sedução.
Realçava-lhe o orgulho dizendo que era um homem simpático, bonito, ganhava bem, que poderia fazer o que quisesse.
Deveria sair, passear e se ver livre daquelas encrencas de família que arrumou para si, afinal, todos só lhe traziam aborrecimentos.
Cada vez mais, Fábio era assediado por influência de Júlia e ele sentia-se demasiadamente vaidoso, agora, por ser objecto de desejo e admiração.
- Olá, Fábio?
- Bom dia, Lu! - respondeu animado.
Lu encostou-se em sua mesa quase sentando.
- Parece que seu final de semana não foi muito bom.
Você está com um ar de cansado.
- Foi como sempre - respondeu Fábio sorrindo.
- Fábio, você precisa sair com o pessoal daqui do serviço, sempre se nega.
Não sabe o quanto é óptimo nos reunirmos num grupo e irmos a algum barzinho para jogarmos conversa fora, arejarmos, vermos coisas diferentes.
Isso não é pecado.
Se sua mulher não quer acompanhá-lo ou não pode, vá sozinho, não fará mal algum.
- O que é isso, Lu.
Se eu for me divertir, tenho de levar a Márcia.
- Por quê?
Sabe, alguns casais, quando caem na rotina, têm que dar um tempo.
Um sai para um lado e o outro para outro.
Daí que, quando se encontram, estarão se sentindo melhor.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jun 16, 2017 9:21 am

- A Márcia está grávida.
Não posso deixá-la sair sozinha.
Não teria cabimento.
Além do mais, meu casamento não caiu na rotina ainda.
- Como não, Fábio?!
É só olhar para você, está estampado em sua testa.
Aposto que anda se irritando com a Márcia, discutem por besteiras, quase não saem de casa...
"Lu tem razão", pensava enquanto conversavam.
"Talvez eu precise sair e me distrair para não levar essas tensões para casa".
No momento em que oferecia, com fala mansa e generosa, diversas sugestões a Fábio, Lu se insinuava.
Sua roupa era curta e decotada; com movimentos sensuais e provocantes fazia questão de exibir suas pernas, colo e ressaltar a silhueta do belo corpo que possuía.
Os leves suspiros e olhar excitante eram constantes e provocativos.
Ninguém podia negar sua beleza e, de repente, Fábio flagrou-se admirado com o corpo de Lu.
A princípio se recriminou, mas desejos ardentes correram-lhe pela mente.
- E então Fábio, vamos qualquer dia tomar uma cerveja?
- Talvez, Lu.
Vamos ver - respondeu sem pensar.
- Não esqueço uma promessa.
Vou ficar esperando, ou até lembrando-o - afirmou ao sair sorrindo.
Fábio não sabia mais o que fazer.
Lu não o deixava em paz.
Mesmo com o tempo, por diversas vezes, deparou-se admirando a colega de trabalho.
Um conflito íntimo travava-se constantemente, pois sabia que amava Márcia.
Sua mulher também era muito bonita, sem dúvida!
Se houvesse uma comparação, sua esposa seria mais bonita do que Lu em sua opinião.
Até mesmo agora, durante a gravidez, Márcia ficou com uma beleza ainda mais generosa, subtil.
Fora isso, no sentido moral, jamais poderia comparar Márcia a qualquer outra mulher.
Mas Fábio tinha a impressão de que a vida de casado o estava cansando.
Todo dia a mesma coisa, isso o enjoava.
Quando era solteiro não tinha aventuras, também não saía com os colegas para beber, mas era diferente, não tinha tantos problemas, tantas preocupações.
Será que seu casamento foi um erro?
Seu pai o pressionou demais para assumir Márcia e o filho o quanto antes.
Se bem que ele também queria muito se casar.
Mas naquela época estava sensível devido ao seu acidente, à morte de seu irmão e de sua mãe.
Porém agora pensando melhor, sentia necessidade de conversar com Márcia a respeito disso.
Talvez até ela quisesse voltar à vida que tinha antigamente.
Ela gostava de morar sozinha.
Mas e o seu pai?
Ali, em sua casa, dando opiniões e sempre dizendo o que ele deveria fazer.
Se seu pai, pelo menos, voltasse para Minas Gerais, seria um alívio.
Por causa de seu pai, não tinha mais privacidade.
Os pensamentos de Fábio eram velozes.
Júlia e Jonas, a cada dia, o influenciavam mais.
Júlia não o largava e Fábio começou a ser fraco até em sua fé.
Começou acreditar que suas orações em nada estavam adiantando.
Agora não se sentia tão bem como antes, quando orava.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 72096
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: DESPERTAR PARA A VIDA - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 11 de 13 Anterior  1, 2, 3 ... 10, 11, 12, 13  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum