QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Página 2 de 12 Anterior  1, 2, 3, ... 10, 11, 12  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jul 01, 2017 7:25 pm

Isabel, conheço você desde que nasceu.
Aprendi a gostar de você como se fosse minha filha.
Sei que ama meu filho e que o fará feliz.
Proteja Rosa Maria.
Ela vai precisar muito de vocês, é ainda muito menina.
Que Deus abençoe vocês, meus filhos.
Depois de três dias, assim como os outros, partiu.
Rosa Maria entrou em desespero e chorava sem parar.
Isabel tentando conformá-la, disse:
- Sei que, como nós, você está sofrendo, Rosa Maria, mas, lá no hospital, muitas pessoas precisam de nossa ajuda.
Vamos voltar para lá?
Rosa Maria olhou para ela e percebeu que Isabel tinha razão.
Decidiu que o melhor a fazer era ir mesmo para o hospital.
Foi o que fez, entregou-se por inteiro na ajuda aos doentes.
Depois de vinte dias, aquela estranha febre foi embora.
Quarenta por cento da população foi dizimada.
Famílias inteiras morreram.
Apesar de terem ficado em contacto directo com os doentes, Rosa Maria, Isabel e José não ficaram doentes.
Naquele ano, não houve festa de Santo António.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jul 01, 2017 7:25 pm

PREVISÕES SE REALIZANDO
Somente quando tudo terminou, Rosa Maria percebeu que de toda sua família só restaram ela e José.
Os dois só se encontraram, quando ela voltou, exausta, do hospital.
Abraçaram-se e choraram muito.
Ela perguntou:
- O que vamos fazer meu irmão, agora sozinhos no mundo?
- Não sei e não entendo por que não pegamos a febre...
Não sei por que não morremos...
Só sei que precisamos continuar nossa vida.
Mamãe sempre dizia:
estamos sempre no lugar que devemos estar.
Sei que não vai ser fácil, mas temos que continuar.
Estamos juntos e estaremos sempre.
Temos este sítio e viveremos aqui.
Tenho certeza de que mamãe, papai e Tadeu estão agora no céu e olhando por nós.
Com certeza não iriam querer nos ver triste e desanimado.
Rosa Maria ouviu o irmão e, sem parar de chorar, disse:
- Sei que tudo o que está falando é verdade.
Sei também que papai e mamãe estariam falando a mesma coisa, mas não consigo me conformar.
Até poucos dias éramos uma família feliz.
Como tudo pôde mudar dessa forma e tão rápido?
- Gostaria de poder responder, mas não posso.
Não sei. Vamos ficar juntos e continuar vivendo.
José deu um beijo em seu rosto e saiu.
Não sabia o que fazer para consolar a irmã.
Ele também estava desolado, mas sabia que a vida continuava.
Tinha que tocar a vida.
Com o tempo, Rosa Maria também se conformaria.
Rosa Maria não conseguia acreditar em tudo que havia acontecido.
Por alguns dias, ficou andando dentro de casa, de um lado para outro, sem achar nada para fazer.
Depois, foi para o quarto dos pais.
Deitou-se e só chorou.
Não sairia de lá para nada.
José e Isabel fizeram de tudo para animá-la, mas foi inútil.
Ela só queria morrer para encontrar os pais e Tadeu.
Maria Luísa e sua mãe, que durante a febre estavam na casa de sua avó, ali permaneceram.
Depois de um mês que a febre havia ido embora, ela e sua mãe voltaram.
Ela estava ansiosa para rever as amigas.
Não sabia se estavam bem.
Não queria ter ficado na casa da avó, mas a mãe insistiu, ou melhor, ordenou.
Foi obrigada a obedecer.
Assim que chegaram, pediu à mãe que a deixasse ir até a casa de Rosa Maria.
Ela permitiu e Maria Luísa foi com Juvenal.
Quando chegou, estranhou o silêncio, que naquela casa não era comum.
Entrou chamando, mas ninguém respondeu.
Foi ao quarto de Rosa Maria, mas ela não estava.
Continuou procurando e sentindo um aperto no coração, com medo do que estava pensando.
Abriu a porta do quarto dos pais de Rosa Maria.
Sorriu, aliviada.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jul 01, 2017 7:26 pm

Entrou, falando:
- Graças a Deus, você está aí!
Fiquei com tanto medo quando não a encontrei...
Quando Rosa Maria ouviu a voz de Maria Luísa, sentou-se na cama.
Abriu os braços e começou a chorar.
Maria Luísa fez o mesmo e se abraçaram.
Maria Luísa perguntou:
- O que aconteceu aqui?
Por que está chorando? Onde estão todos?
Rosa Maria chorava com tanta emoção que não conseguia responder.
Maria Luísa afastou-se dela, dizendo:
- Pare de chorar!
Preciso saber o que está acontecendo!
Por favor, conte!
Rosa Maria passou as mãos pelos olhos e começou a falar.
Contou tudo, desde o dia em que Tadeu não voltou.
Maria Luísa ia escutando.
Seus olhos se encheram de lágrimas.
Quando Rosa Maria terminou de falar, estavam as duas chorando, uma nos braços da outra.
Maria Luísa, ainda chorando, disse:
- Eu não devia ter ido embora.
Mas fomos só visitar a vovó!
Devia ter voltado quando ouvi falar na febre, mas mamãe não deixou!
- Ainda bem que você teve que ir.
Senão, talvez estivesse morta também.
Choraram e conversaram por algum tempo.
Maria Luísa disse:
- Você sabe o quanto eu gostava de Tadeu e de seus pais, mas acho que José tem razão.
Não adianta você ficar assim.
Seus pais e Tadeu, com certeza, não iam querer ver você desse jeito.
Você está horrível!
Não adianta ficar assim.
Não vai conseguir trazê-los de volta nem morrer, se é o que está pensando.
Se tivesse que morrer, teria morrido na febre.
Se não morreu, algum motivo houve.
Por isso, vamos levantando dessa cama!
Vá tomar um banho.
Seus cabelos estão oleosos e sujos.
Depois que estiver limpa e cheirosa, nós duas vamos rezar por eles e por todos os outros que morreram e agradecer a Deus por ainda estarmos vivas.
José chegou.
Foi directo para o quarto dos pais ver como Rosa Maria estava.
Ao chegar perto da porta, percebeu que as duas estavam conversando.
Ficou do lado de fora escutando, sem entrar.
Quando Maria Luísa terminou de falar, entrou, batendo palmas e falando:
- Maria Luísa, você falou tudo o que estou tentando falar, mas não consegui.
Não encontrei as palavras certas.
Obrigado! Quem sabe, agora, ela entenda o que estou querendo dizer há tanto tempo.
Maria Luísa largou Rosa Maria e foi abraçar José, que começou a chorar também.
- José! Sinto muito por tudo que aconteceu, mas vocês têm que continuar vivendo, não é?
- Claro que sim.
Rosa Maria, quando me ouvia dizer isso, ficava brava, dizia que eu não estava ligando.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jul 01, 2017 7:26 pm

Eu estou ligando, mas não posso mudar a vontade de Deus.
- Pode deixar.
Agora ela vai ficar bem.
Começando por tomar um belo banho!
Enquanto eles conversavam, Rosa Maria levantou-se e abraçou-os, chorando.
- Vocês têm razão.
Nunca mais me verão chorando.
Sei que eles estão no céu.
Um dia, iremos também, não é?
Maria Luísa abraçou a amiga, que abraçou o irmão.
- Um dia iremos todos, mas não vai ser agora.
Temos, ainda, muito para viver.
Se conseguimos escapar dessa, creio que não vamos morrer nunca!
Os irmãos, sem perceber, depois de muito tempo, riram.
Após, se soltaram, com um sorriso nos lábios.
José saiu, foi avisar Isabel que Maria Luísa estava lá.
Rosa Maria foi tomar banho.
Maria Luísa deitou na cama e, chorando baixinho, pensou:
"Como tudo pôde mudar desse jeito?
Espero que estejam no céu. Eu os amava.
Estou sofrendo, mas não posso fraquejar.
Preciso estar perto de Rosa Maria, animando-a."
Levantou, enxugou as lágrimas, olhou no espelho, arrumou o cabelo e ficou esperando Rosa Maria voltar do banho.
Logo depois, José e Isabel chegaram.
As duas se abraçaram.
Isabel estava abatida, com olheiras bem marcadas.
Conversaram sobre vários assuntos.
Falaram levemente sobre o acontecido.
Rosa Maria chegou.
José já havia feito um lanche.
Foram para a cozinha.
- Rosa Maria, agora que estamos sozinhos neste mundo, resolvi que seria melhor me casar.
O que você acha? - José perguntou durante o lanche.
Rosa Maria, surpresa, olhou primeiro para o irmão, depois para Isabel, e falou:
- Até que enfim uma boa notícia!
Sei que vocês vão ser felizes.
Ainda bem que escolheu uma mulher que eu também amo.
Levantaram a xícara de chá que estavam tomando.
José falou:
- Vamos fazer um brinde e retomar nossa vida.
Rosa Maria ficou feliz.
Sabia que os dois se amavam.
Ela teria que retomar sua vida.
Ainda bem que eles estavam lá.
Poderia agora estar sozinha.
Maria Luísa falou:
- Estou tendo uma ideia.
Que tal, enquanto vocês preparam o casamento, Rosa Maria ir para minha casa?
Depois da lua-de-mel ela volta.
José quis protestar, mas Maria Luísa olhou para ele com um olhar que ele compreendeu.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Jul 01, 2017 7:26 pm

- Não sei.
O que acha Rosa Maria?
Antes que Rosa Maria respondesse, Maria Luísa falou:
- Rosa Maria, por favor!
Estou muito sozinha.
Com você lá em casa vou ter com quem conversar.
Preciso de você.
Rosa Maria entendeu o que Maria Luísa estava querendo fazer.
Olhou para ela, com cara de quem estava fazendo um favor.
- Está bem. Já que você precisa tanto de mim, eu vou, mas só até eles acabarem a lua-de-mel.
Isabel, rindo, falou:
- José, creio que será bom para ela.
José pensou um pouco e falou:
- Está bem.
Sendo assim, eu permito que você vá para a casa dela.
Maria Luísa pegou Rosa Maria pela mão e, juntas, foram para o quarto.
Foi pegando as roupas de Rosa Maria e colocando em um lençol, depois o amarrou.
Pegou outro lençol, colocou mais um pouco e amarrou também. Falou:
- Depois viremos buscar o resto.
Por enquanto, vamos levar só essas.
Rosa Maria se deixou levar.
Na sala, José abraçou a irmã, dizendo:
- Não se preocupe.
Procure se distrair e se recuperar.
Assim que tudo estiver pronto para o casamento, irei buscá-la.
Dona Matilde estranhou quando viu as duas chegando e carregando aquelas roupas.
Maria Luísa contou à mãe o que havia acontecido.
Dona Matilde ficou admirada e chocada. Tentou se desculpar:
- Fomos embora só para fazer uma visita a minha mãe.
Não voltei temendo a febre.
Devia ter mandado buscar todos vocês.
Mas nem pensei.
Nunca imaginei que isso pudesse acontecer.
Rosa Maria, abraçada a dona Matilde, disse:
- Por favor, não fique assim!
Já estou começando a aceitar que tudo tinha que acontecer e que ninguém poderia ter evitado.
- Está bem. Seja bem-vinda em minha casa.
Fique à vontade pelo tempo que quiser.
Conheço-a há pouco tempo, mas aprendi a gostar de você, como gostava dos seus.
Lembra-se do juramento que fizemos eu e sua mãe?
Pois bem, infelizmente chegou a hora de cumprir.
Naquele dia, quando fizemos, nenhuma de nós pensava que uma coisa dessas fosse acontecer, mas já que aconteceu, vou cumprir.
Tenho certeza de que, se fosse o contrário, sua mãe também o honraria. Você não acha?
Rosa Maria deu um sorriso triste e falou:
- Com certeza! Muito obrigada.
Um mês depois foi realizado o casamento de José, em uma cerimónia simples.
Isabel estava linda em seu vestido de noiva.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:46 pm

Sorrindo, feliz, abraçou Rosa Maria e disse:
- Tenho certeza de que nós três seremos felizes, Rosa Maria.
Juntos, voltaremos a ser uma família feliz.
Após o padre unir os dois com palavras bonitas em relação ao amor e à família que estava nascendo naquele momento, José e Isabel juraram amor eterno.
Embora simples, foi um casamento bonito.
Rosa Maria estava feliz.
Sabia que o irmão teria em Isabel uma companheira que o amava.
Isso deu a ela conforto e a certeza da felicidade do irmão.
Maria Luísa pegou o buque que Isabel jogou.
Com ele na mão, falou:
- Logo eu, que nem namorado tenho?
Isabel, rindo, disse:
- Logo terá, pode acreditar.
Quando menos esperar, estará amando.
Maria Luísa, com o buquê nas mãos, falou:
- Quem sabe?
Vamos esperar.
Enquanto falava, jogou-o para Rosa Maria, que o pegou.
Rosa Maria, Maria Luísa e sua mãe voltaram para casa.
Durante o tempo em que estava morando lá, a amizade entre as duas ficou ainda maior.
O tempo foi passando, e logo Rosa Maria se acostumou com a nova vida.
José, várias vezes, veio visitar a irmã.
Maria Luísa, sabendo que logo iria viajar para o Brasil, pedia a José que não a levasse.
Era difícil para José ou qualquer outra pessoa dizer não a Maria Luísa.
Por isso, Rosa Maria foi ficando.
Na realidade, não queria voltar para casa.
Lá, a saudade era maior.
Começou a ter aulas de pintura, piano e boas maneiras.
Maria Luísa não permitia que ficasse triste.
Chegou outra carta de Dom Carlos.
Nela ele dizia que a viagem para o Brasil seria adiada, porque a fazenda que comprou precisava de uma reforma.
Queria que elas só fossem quando tudo estivesse pronto.
Por seus cálculos, demoraria mais uns seis meses.
Rodolfo deveria chegar logo.
Quando Dona Matilde acabou de ler, Maria Luísa falou:
- Tenho vontade de ir para o Brasil.
Mas tenho um pouco de receio.
Não conheço ninguém.
Tenho medo de me sentir muito só.
Mamãe estive pensando...
E se Rosa Maria for também?
Juntas, tudo será mais fácil.
Dona Matilde pensou um pouco e falou:
- Por mim, está bem.
Tenho certeza de que é uma óptima ideia, mas você sabe que não posso resolver sozinha.
Existem aí três problemas.
Primeiro você não sabe se ela quer ir.
Segundo, precisa ver o que José pensa a respeito.
Terceiro preciso pedir autorização a seu pai.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:46 pm

- Como sempre, a senhora tem razão.
Esses problemas existem, mas podemos achar uma solução.
Primeiro, Rosa Maria, você quer ir?
Rosa Maria, que estava acompanhando atentamente a conversa das duas, respondeu:
- Não sei. Já havíamos falado sobre a possibilidade de eu ir para visitar vocês.
Confesso que gostaria, mas só para visitar, não para ficar.
Estou praticamente sozinha.
José está casado.
Tem agora sua família.
Ir para sempre me dá um pouco de medo.
O lugar mais longe a que fui até agora foi à casa de Roberta, que fica do outro lado do povoado.
- Quem disse que é para sempre?
Vou escrever para meu pai, perguntando se você pode ir por um tempo e se, quando quiser voltar, ele compra a passagem.
Dependendo da resposta, você vai e volta quando quiser.
Está bem assim?
Foi muito bom a viagem ter sido adiada.
Vou escrever hoje mesmo, assim dará tempo para ele responder.
Que acha?
Dona Matilde e Rosa Maria riram.
Quando Maria Luísa queria alguma coisa, não existia dificuldade.
Ela encontrava solução para tudo.
- Está bem.
Se seu pai concordar, eu vou.
Precisamos, antes, falar com José.
As cartas eram enviadas por navio, por isso demoravam de três a quatro meses para chegar a seu destino.
Por esse motivo Maria Luísa queria mandar logo.
Foram as duas falar com José e Isabel.
Quando chegou à sua casa, eles não estavam.
Rosa Maria sentiu um aperto no coração.
Pouco tempo atrás, os pais e Tadeu estavam lá.
Brincavam o tempo todo.
Formavam uma família feliz e unida.
Agora estava tudo tão diferente.
As ovelhas bem cuidadas.
O jardim, o pomar, tudo como antes.
José e Isabel cuidavam muito bem de tudo, mas havia uma tristeza no ar.
Sozinha no quintal, olhando tudo, começou a chorar com tristeza e saudade.
Maria Luísa se afastou.
Sabia que a amiga precisava, naquele momento, ficar sozinha.
José e Isabel chegaram um pouco depois.
Tinham ido à igreja.
Ao verem Rosa Maria, correram para ela.
Abraçaram-se com muito carinho.
- Que bom que voltou.
Estava morrendo de saudade.
Falei hoje para Isabel que ia buscar você.
Agora que voltou, vamos recomeçar e tornar nossa família feliz novamente?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:47 pm

Rosa Maria abraçou-o e disse:
- Estou contente por ver vocês unidos e felizes.
Vim até aqui para ver os dois, mas também para conversar.
Vocês estão casados.
Estão bem um com o outro, mas minha vida está mudada.
Os pais de Maria Luísa vão se mudar para o Brasil.
Maria Luísa quer que eu vá junto.
Viemos até aqui para saber o que vocês acham dessa ideia.
- Brasil? Você está louca?
Fica do outro lado do mundo!
Não! É muito longe!
- Sei disso, José, mas também terei a oportunidade de conhecer outro país, outra cultura.
Não será por muito tempo.
Se, por qualquer motivo, eu não me acostumar e quiser voltar, o pai de Maria Luísa providenciará minha volta.
José ficou pensativo.
Lembrou-se do adivinho que tinha dito tudo aquilo.
As previsões que fez estava acontecendo, até essa viagem para uma terra estranha, além mar.
Ia comentar com a irmã, quando Isabel falou:
- José, talvez deva permitir.
Será bom para ela.
Mesmo porque ela sabe que sua casa é aqui e que estaremos sempre de braços abertos para recebê-la.
Você não pode impedir que ela faça o que tem vontade.
José olhou para a irmã e pensou:
"Parece tão feliz.
Realmente, não tenho o direito de fazer o que quiser.
Se não se lembrou do vidente, também não a lembrarei".
Olhou com carinho para a irmã e disse:
- Se é isso mesmo que quer, só posso permitir e abençoá-la.
Rosa Maria abraçou e agradeceu ao irmão que tanto amava.
Agradeceu também a Isabel pela ajuda.
José sorriu tristemente, pensando:
"Ela é tão jovem e tão querida.
Quanto ao adivinho, nada poderei fazer como mamãe dizia, sempre estamos no lugar certo, na hora certa e com as pessoas certas.
Se o lugar for o Brasil, se as pessoas são Maria Luísa e sua família, que seja"!
Beijou as mãos de Rosa Maria, dizendo:
- Nunca esqueça minha irmã, que estaremos sempre aqui esperando por você.
Por favor, nunca sofra!
- Ela nunca sofrerá José!
Não permitirei!
Eu a amo como se fosse minha irmã.
Tudo farei para que seja feliz.
Pode ter certeza!
Fique tranquilo.
- É isso mesmo, José.
Nós somos como irmãs.
Sei que Maria Luísa estará sempre ao meu lado.
-Espero que Deus proteja ambas.
Vá com todo meu amor. Espero que tudo dê certo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:47 pm

Ao se despedir, Rosa Maria abraçou e beijou os dois com todo o carinho.
Chegando a casa, Maria Luísa entrou, dizendo:
- Pronto, mamãe, tudo resolvido.
José deu permissão.
Rosa Maria pode viajar connosco.
Agora só falta papai concordar.
Dona Matilde riu, dizendo:
- Como se você não soubesse a resposta.
Quando foi que seu pai lhe disse um não?
Ele sempre quer dizer, mas no final, eu sei, você sabe e ele também sabe, que sempre diz sim.
Maria Luísa, disse:
- Mamãe precisamos comprar roupas para a viagem.
Quando Rodolfo chegar, tudo deve estar pronto.
Ela estava feliz.
A viagem que até pouco tempo não sentia vontade de fazer, agora, com a ida de Rosa Maria deixou-a ansiosa.
Não via a hora que o dia chegasse.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:47 pm

UMA TERRA DISTANTE
Mais de três meses se passaram desde a última carta enviada por Dom Carlos.
Na casa de Maria Luísa, estavam tomando o chá da tarde, quando a porta se abriu e um belo jovem entrou.
Maria Luísa e a mãe deram um grito, ao mesmo tempo em que corriam para abraçá-lo.
- Meu filho! Não pensei que fosse chegar hoje!
Por que não avisou?
- Se tivesse avisado, não estaria sentindo a felicidade de ver em seu rosto esse ar de surpresa...
- Oh, meu irmão!
Que bom que chegou!
Estava morta de saudade e ansiosa para que conheça a minha amiga.
Esta é Rosa Maria. Rosa Maria, este é Rodolfo, meu irmão.
Rosa Maria, de pé, estava olhando tímida para ele.
Bonito, alto, moreno, olhos claros com um sorriso franco.
O oposto de Maria Luísa que era loura.
Ele, olhando nos olhos de Rosa Maria, disse:
- Então, você é a famosa Rosa Maria, o assunto principal das últimas cartas de Maria Luísa?
Enquanto falava, beijava a mão que Rosa Maria estendera.
- Minha mãe e Maria Luísa gostam muito de você.
Pelo que estou vendo, vou gostar também.
Rosa Maria, ao toque dos lábios dele em sua mão, sentiu um arrepio por todo o corpo.
Já tinha ouvido falar dele, já o tinha imaginado de várias maneiras, mas era diferente de tudo que havia pensado.
- Muito prazer, senhor.
- Que senhor é esse?
Alguém está vendo algum senhor aqui?
Maria Luísa e a mãe responderam juntas:
- Não!
A emoção era tanta que Rosa Maria não conseguia falar.
Dona Matilde disse:
- Sente-se, Rodolfo.
Tome chá connosco enquanto conta tudo sobre o Brasil e o tempo que esteve lá.
Rodolfo, atendendo ao pedido da mãe, sentou-se e começou a falar sem parar:
- O Brasil é uma terra maravilhosa!
O local onde está à fazenda é o lugar mais bonito que já vi.
Tenho certeza de que vão adorar.
Fica no meio de montanhas.
No sul das Minas Gerais.
Essas montanhas estão sempre verdes.
Na primavera, ficam cheias de flores de todas as cores.
A casa-grande é muito bonita.
Tem vários quartos e salas.
Com a reforma que papai fez, ficou parecendo um palácio.
O melhor de tudo é que ficaremos todos juntos novamente.
Antes que me esqueça, tenho algo importante para falar.
Não sei se vão gostar, mas preciso cumprir uma ordem de papai:
Rosa Maria pode ir connosco.
Maria Luísa pulou em cima de Rodolfo, quase fazendo com que ele caísse da cadeira em que estava sentado.
Rosa Maria escutava encantada o que ele contava.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:47 pm

Seus olhos, sua voz e seu sorriso.
Tudo nele era bonito.
Pensava:
"O que será isso que estou sentindo?
Por que não consigo olhar em seus olhos?"
Terminaram o chá. Foram para a sala de estar.
Maria Luísa começou a tocar uma linda melodia.
Rosa Maria olhava para Rodolfo disfarçadamente.
Ele a tratava como se fosse sua irmã.
Ria, brincava e puxava o cabelo ora de uma, ora de outra.
Era um rapaz alegre e descontraído.
Ele pediu licença e foi para seu quarto.
Estava cansado da viagem.
Tudo estava pronto para a partida.
A casa seria fechada, mas não vendida.
Os empregados foram despedidos por Rodolfo, que deu a cada um uma régia quantia em dinheiro, quantia esta com a qual poderiam viver até arrumarem um novo emprego.
Somente Juvenal e Joana ficariam na casa, para que ela não ficasse abandonada.
Os três saíam sempre.
Aos poucos, Rosa Maria perdeu aquela primeira impressão.
Percebeu que ele realmente a tratava como irmã.
Começou a falar e brincar normalmente.
Rodolfo, embora não sentisse por ela nada além de amizade, não pôde deixar de notar que era uma pessoa agradável, educada e inteligente.
Tinha sempre uma resposta na ponta da língua.
Ficou prestando atenção em tudo que ela fazia ou falava.
Aos poucos, foi entendendo por que a mãe e a irmã gostavam tanto dela.
Alguns dias antes da viagem, os três jovens foram visitar José e Isabel.
Rodolfo foi apresentado a ambos.
Tomaram um lanche.
Conversaram muito sobre várias coisas, principalmente sobre o Brasil, José e Isabel queriam saber tudo.
Após o lanche, José levou Rodolfo para conhecer a propriedade.
Elas foram até o riacho.
Sentaram-se e ficaram conversando por um bom tempo.
Rodolfo ficou encantado com tudo o que viu.
Parados no pomar, José falou:
- O senhor está me conhecendo agora.
Vai levar minha irmã.
Por favor, cuide bem dela.
Não deixe que nada de mau lhe aconteça.
É muito jovem e a única pessoa que restou de minha família.
Eu a amo muito.
- Pode ficar tranquilo.
Ela já era querida por minha mãe e minha irmã.
Agora o é por mim.
Gosto dela como de Maria Luísa.
Cuidarei dela como se fosse o senhor.
Ao despedirem-se, Rosa Maria disse:
- Vou embora dentro de alguns dias, mas levarei os dois em meu coração.
Escreverei sempre e espero receber muitas cartas suas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:48 pm

- Claro que escreveremos sempre.
Vou cuidar muito bem de seu irmão, Rosa Maria.
Cuide-se e não esqueça que sua família está aqui -disse Isabel.
Daí a quatro dias foram para Lisboa, onde embarcariam no navio que os levaria para o Brasil.
Chegaram a Lisboa à noite.
Foram para um hotel que Rodolfo deixara reservado.
Pela manhã, embarcaram. Não viram quase nada da cidade.
Rosa Maria ficou impressionada com o tamanho do navio.
Estava ansiosa.
Nunca saíra do povoado.
Nunca vira o mar, muito menos um navio.
Olhava tudo como se fosse uma criança diante de um presente novo.
Estava prestes a cruzar o mar, indo para um país estranho e distante.
Estavam no convés do navio olhando as pessoas que em terra acenavam.
José e Isabel lá estavam acenando com lágrimas nos olhos.
José não conseguia se esquecer do adivinho.
Ao mesmo tempo em que estava feliz por ver a irmã contente, temia por ela.
Com toda a agitação na preparação da viagem, Rosa Maria não se lembrou do vidente.
José comentou com Isabel, que o confortou:
- Graças a Deus que ela não se lembrou.
Assim, vai partir sem preocupação.
O navio apitou, avisando que iria partir.
Rosa Maria abanava a mão, mesmo não vendo mais os dois.
Ela via sua terra desaparecendo.
Aos poucos, só foram restando às ondas que o movimento do navio fazia.
Era só céu e mar. Tudo muito azul.
Ficou lá por muito tempo.
Estava distraída, olhando o mar, quando Maria Luísa chegou e disse:
- Vamos conhecer o resto do navio, Rosa Maria?
Ficaremos aqui por muitos dias.
É bom conhecermos as pessoas.
Saíram andando.
Maria Luísa ia conversando com todos e fazendo amizades.
Rosa Maria, a seu lado, como sempre, tímida.
Rodolfo se divertia com a timidez dela.
Passaram um dia tranquilo.
O mar estava calmo.
Começou a entardecer.
O sol ia se pondo.
O céu, de um azul infinito ia se tornando avermelhado.
Uma paisagem que Rosa Maria jamais esqueceria.
Ficou lá até que o sol sumisse definitivamente.
As duas foram para o camarote preparar-se para o jantar.
Rodolfo foi para o seu.
Elas se vestiram de uma maneira especial.
Por ser sua primeira noite, Rosa Maria colocou o vestido rosa, que era seu preferido.
Maria Luísa vestiu um verde-claro, que fazia sobressair seus olhos e cabelos.
Dona Matilde, embora discreta, estava elegante.
Rodolfo também se esmerou, chegando elegantemente vestido.
Jantaram alegremente.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:48 pm

Após o jantar, fez-se ouvir uma música suave.
Maria Luísa e Rodolfo conversavam com alguns jovens.
Rosa Maria pediu licença e voltou ao convés.
A noite estava linda.
Um céu muito estrelado.
A lua cheia, brilhante, reflectia no mar.
Parecia haver duas luas.
O mar estava claro, iluminado por pontos claros feitos pelas ondas reflectidas pela lua.
Estava mesmo uma noite maravilhosa.
Rosa Maria, encantada com tudo o que via, começou a se lembrar de seus pais e de seu irmão:
"Eles devem estar felizes por me verem aqui.
Por que tudo aquilo teve que acontecer?
Por que tiveram que morrer?
Por que me deixaram sozinha?
Meu Deus! Estou sozinha?
Estou indo para uma terra estranha. Além-mar?
Tudo que o adivinho falou está se realizando.
Quer dizer que tudo que previu estava certo?
Ele disse que eu sofreria muito, seria traída, seria enganada.
Oh, meu Deus!
Como fui esquecer?
Ele disse que eu voltei para resgatar e ajudar.
O que será que quis dizer?
O que estará sendo reservado para mim nessa terra para a qual estou indo?
Papai, mamãe, Tadeu... ajudem-me!"
Começou a tremer e chorar, sentindo muito medo.
Estava assim tremendo, chorando angustiada, quando ouviu uma voz vinda de perto.
- O que está acontecendo, Rosa Maria?
Por que está chorando?
Está arrependida da viagem?
Rodolfo estava a seu lado.
Ela olhou para ele e respondeu:
- Não sei. Estou com medo.
Acabei de me lembrar de algo terrível que me aconteceu.
- Do que uma menina tão bonita pode ter medo?
Ela contou tudo.
Ele colocou os braços em seu ombro e falou:
- Não se preocupe com isso.
Nada de ruim vai acontecer a você, aqui ou em qualquer lugar.
Eu estava esperando chegar ao Brasil para falar com você, mas sinto que talvez agora seja o momento.
Eu amo você! Quando a conheci, a princípio tentei tratá-la como uma amiga de minha irmã.
Depois, com a convivência, aprendi a amá-la.
Quero me casar com você.
Vai depender só de sua resposta.
Se disser que aceita, serei o homem mais feliz do mundo.
Rosa Maria estava atónita, porque ele nunca deixara transparecer nada.
Ele continuou:
- Se disser que sim, vamos namorar e, mais tarde, depois que falar com meu pai, nos casaremos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:48 pm

- Não sei. Não esperava por isso...
Você nunca fez nada para eu pensar que gostasse de mim.
Algumas vezes, cheguei até a pensar.
Mas tentei esquecer, por acreditar ser uma coisa impossível.
- Você está dizendo que também me ama?
- Não sei se é amor, mas a primeira vez que o vi senti algo estranho.
Meu corpo se arrepiou quando beijou minha mão.
Nunca, antes, tinha sentido algo parecido.
Será que é amor?
Rodolfo, sorrindo, segurou seu rosto e a beijou ardorosamente.
Ela correspondeu com todo o amor que estava escondido por muito tempo.
Rodolfo falou baixinho em seu ouvido:
- Estou feliz por nós.
Vamos enfrentar problemas, não vai ser fácil.
Papai é um homem íntegro, mas também dominador.
Vou falar com ele no momento certo.
Por isso, vamos deixar em segredo.
Não conte a ninguém, nem mesmo a Maria Luísa.
Quando chegar a hora, contaremos juntos.
- Não posso fazer isso.
Maria Luísa é minha amiga.
Não posso deixar de contar.
- Claro que vai contar...
Só tem que esperar um pouco...
- Está bem. Vou esperar.
Quando chegarmos ao Brasil, você promete falar com seu pai?
Posso contar para Maria Luísa?
- Prometo. Assim que chegarmos ao Brasil, esclareço tudo.
Está bem?
- Está. Vou esperar Rodolfo.
Como conversavam muito, Maria Luísa e sua mãe não desconfiaram de que algo estava acontecendo entre eles.
A viagem foi demorada, mas agradável, principalmente para Rosa Maria e Rodolfo, que fugiam dos demais para rápidos encontros.
O amor entre eles era cada vez maior.
Finalmente, avistaram de longe as terras do Rio de Janeiro.
Foi uma alegria geral no navio.
Ao se aproximarem da terra, Rosa Maria, Maria Luísa e Dona Matilde, ansiosas, esperavam o navio atracar.
Olhavam tudo. Estavam com pressa.
Queriam pisar em terra firme.
Elas se admiravam com a paisagem, o contorno do mar e as montanhas verdes.
O navio foi chegando ao porto.
O coração de Rosa Maria estava batendo forte.
Ainda no convés, pensou:
"Hoje é dia 22 de março de 1857, quase cinco horas da tarde.
O primeiro dia de minha nova vida aqui nesta terra.
Que Deus me abençoe.
Que eu seja feliz".
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:48 pm

COMPRA DE ESCRAVOS
Ao aportarem, Rodolfo pegou as bagagens de mão e as acompanhou dando a elas toda a segurança.
Quando desceram, Josué, um escravo conhecido de Rodolfo, estava esperando que eles chegassem.
Rodolfo deu a ele uns papéis para que fosse providenciar a retirada das bagagens.
Havia uma carruagem esperando por eles.
Foram para um hotel no centro do Rio.
Elas olhavam tudo pelo caminho.
Não notavam muita diferença, porque as construções eram parecidas com as de Portugal.
Três quartos foram reservados por Dom Carlos.
Josué disse para Rodolfo:
- U sinhó Dom Carlos num pôde vim.
Pediu pru sinhozinho mi acomodá.
Di noite ele vem jantá.
Vamo amanhã bem cedinho pra fazenda.
Maria Luísa, Rosa Maria e dona Matilde estranharam o modo como o negro falava.
- Por que ele fala assim?
Não entendi quase nada do que falou.
Rodolfo respondeu:
- Ao negro é proibido aprender a ler ou escrever, Maria Luísa.
Por isso, a maioria fala assim.
No começo, também tive dificuldade para entender, mas logo me acostumei.
Vocês também se acostumarão.
Rodolfo não se admirou com o recado de seu pai.
Estava acostumado com seus compromissos.
No hotel, se acomodaram.
Em um quarto ficaram Rosa Maria e Maria Luísa.
No outro, ficariam dona Matilde e Dom Carlos.
Rodolfo ficou sozinho.
Na hora do jantar, Dom Carlos não veio.
Josué chegou com um envelope e entregou para Rodolfo, que abriu, tirou o bilhete e leu:
“Sejam todos bem-vindos ao Brasil.
Meu filho, surgiu um problema e não pude ir esperá-los.
Acomode a todos.
Amanhã cedo nos veremos para o café.
Um abraço, Papai.”
Quando Rodolfo terminou de ler, olhou para elas, que escutavam o que ele lia.
Após terminar de ler, disse:
- O melhor que temos a fazer é ir dormir.
A fazenda fica longe.
A viagem será feita de carruagem, portanto será cansativa.
Viajaremos mais ou menos por três dias.
Por isso será bom estarmos descansados.
Elas concordaram.
Foram para seus quartos.
Estavam realmente cansadas.
Rosa Maria e Maria Luísa conversaram por pouco tempo e dormiram em seguida.
Na manhã seguinte, levantaram-se.
Maria Luísa perguntou:
- O que está achando daqui, Rosa Maria?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:49 pm

- Não sei. Ainda não vimos muita coisa.
Ontem estava tão cansada que não prestei muita atenção.
Hoje, vou prestar mais atenção em tudo.
- Eu também não vi muito.
Gostaria de conhecer o Rio de Janeiro, mas vamos partir agora de manhã.
Não veremos muita coisa.
Foram para o restaurante do hotel.
Rodolfo e dona Matilde já estavam esperando por elas.
Quando estavam todos sentados, dona Matilde falou:
- Dom Carlos, ontem à noite, disse que não poderemos viajar hoje.
Não conseguiu terminar o negócio que está fazendo.
Por isso, vamos passar o dia aqui.
Viajaremos amanhã.
Pediu a você, Rodolfo, que nos leve para passear, a fim de conhecermos a cidade.
Josué virá nos buscar com a carruagem.
Os olhos de Maria Luísa brilharam.
Falou:
- Que bom mamãe!
Ontem, na hora em que fomos dormir, eu e Rosa Maria conversávamos exactamente isso, sobre não termos conhecido o Rio de Janeiro.
Rodolfo se levantou, fez uma reverência para Maria Luísa e falou rindo:
- Não sei como você, irmãzinha, consegue tudo o que quer?
Pronto! Será feita sua vontade.
Senhora! Senhoritas!
Vamos passear?
Terminaram de tomar o café.
Foram até seus quartos para se prepararem para o passeio.
As meninas estavam entusiasmadas.
Quando todos saíram, Josué já os esperava.
Entraram na carruagem, que era grande e puxada por dois cavalos, preta por fora e vermelha por dentro.
Rodolfo e a mãe sentaram-se de um lado.
Rosa Maria e Maria Luísa do outro, o que facilitava os olhares apaixonados entre Rodolfo e Rosa Maria.
Andaram pela cidade.
Rosa Maria nunca tinha visto tanta gente junta.
Muitos negros carregando balaios nas costas.
Senhoras e senhoritas com vestidos, chapéus e sombrinhas coloridas, combinando entre si.
Sempre acompanhadas por negras.
Homens com capas e bengalas.
Carruagens de todos os tamanhos, charretes e cavaleiros solitários.
Para Rosa Maria, tudo era novidade.
Josué os levou a um ponto alto da cidade, de onde poderiam admirar melhor a paisagem.
A vista daquele local era espectacular.
O corte feito pela natureza no mar, as montanhas com um formato que sugeria coisas, como se fossem construídas à mão.
Andaram durante toda a manhã.
Ficaram com fome e foram a um restaurante.
Rosa Maria nunca tinha visto igual.
Ela estava vivendo uma vida luxuosa, diferente da que tinha vivido até aquele momento.
Depois do almoço, continuaram a passear.
Viram uma multidão.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:49 pm

Rodolfo perguntou a Josué:
- O que está acontecendo lá?
- Nesse lugá u iscravo é comprado e vindido.
Hoje deve di sê u dia.
No dia de comércio de negros, as pessoas aglomeravam-se para assistir.
Ricos fazendeiros e comerciantes vinham de longe.
Os negros eram oferecidos como se fossem animais ou mercadorias.
Para o povo, aquilo era uma festa.
Rosa Maria não entendia como as pessoas podiam gostar.
Havia uma espécie de palco.
Os negros ficavam em pé sobre eles.
Vestiam somente calças largas, brancas, amarradas na cintura.
As mulheres, saias e blusas brancas.
Eram apresentados em lotes. Homens e mulheres separados.
As pessoas e compradores ficavam na parte de baixo, como se aquilo fosse um espectáculo.
Em cima do palco, havia um homem que os ia apresentando e vendendo.
Rodolfo pediu a Josué que parasse a carruagem.
Desceram e se aproximaram.
A curiosidade era imensa.
Quando chegaram perto, o homem estava apresentando um lote de negros.
Assim que foram vendidos, veio outro lote de homens.
Chegaram a tempo de ouvir as últimas palavras do vendedor.
Rosa Maria não gostou do que estava ouvindo.
O outro lote era composto por seis negros de idade variada.
Entre eles havia um para o qual o vendedor apontou com as mãos dizendo:
- Olhem este negro!
Braços e corpo fortes e belos dentes.
Poderá trabalhar em qualquer lavoura.
Tem outra qualidade: é um óptimo cavalariço.
Conhece tudo sobre cavalo.
Olhem que belo espécime!
Rosa Maria olhou o negro e pensou:
"Realmente é um belo espécime, mas tem os olhos tão tristes...".
Alto, forte, com o peito nu, no qual se viam grandes músculos.
Todos se voltaram para ver aquele belo espécime.
Maria Luísa também.
Quando o viu, ficou parada.
Não conseguia desviar os olhos.
Nunca havia visto um homem como aquele.
Enquanto olhava, pensava:
"Realmente, é belo!"
Sentiu um enorme desejo de abraçá-lo, de estar com ele, como seja o conhecesse há muito tempo.
Enquanto o homem ia demonstrando suas qualidades, o escravo, com o olhar, percorria todas aquelas pessoas.
Ao ver Maria Luísa, parou.
Os dois ficaram se olhando, sem conseguirem desviar o olhar.
Maria Luísa sentiu um arrepio correr por todo o seu corpo.
Estava quase correndo para ele, quando ouviu uma voz:
- Fico com ele!
Todos se voltaram para ver quem iria comprar aquele negro espectacular.
Rodolfo também.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:49 pm

Ao mesmo tempo em que olhava o homem que estava comprando o viu e fez um sinal com as mãos para que esperasse.
Dirigiu-se ao dono do escravo e concretizou o negócio.
Enquanto isso, Maria Luísa perguntou:
- Quem é esse homem que está comprando o negro, Rodolfo?
Rodolfo respondeu:
- É Malaquias, feitor e capataz da fazenda.
Papai deve ter ordenado que comprasse alguns escravos.
Após Malaquias pagar, o escravo foi levado para outro lugar.
Maria Luísa ficou olhando até ele desaparecer.
Malaquias aproximou-se do grupo, dizendo:
- Senhor Rodolfo!
Que bom encontrar o senhor por aqui!
Está passeando ou veio comprar escravos?
- Estou passeando com minha mãe, minha irmã e esta nossa amiga.
Só viemos ver como é a venda de escravos.
De onde eles vêm?
- A maioria vem de fazendas.
Com a proibição dos navios negreiros, os escravos que restaram se tornaram um artigo valioso.
Quando há um problema financeiro, os primeiros a serem vendidos são eles.
Existem homens, como seu pai, que precisam de escravos e os compram.
Por isso, estou aqui: ele mandou que comprasse alguns escravos para a fazenda.
Acabei de comprar um, mas preciso de mais alguns.
O próximo lote será de mulheres.
Seu pai mandou comprar três escravas para fazer companhia a sua irmã, a sua mãe e a moça que viria junto.
Já que estão aqui, poderão escolher.
Enquanto falava, foram colocadas no palco pelo vendedor várias mulheres.
Entre elas, uma negra baixa, franzina, com mais ou menos cinquenta anos.
Rosa Maria olhou para ela e sentiu uma profunda simpatia.
- Qual das duas é sua irmã?
Malaquias perguntou a Rodolfo:
- Desculpe, esqueci de apresentar.
Esta é minha mãe.
Maria Luísa, minha irmã.
E esta é Rosa Maria.
Malaquias tirou o chapéu e fez uma pequena reverência com a cabeça, dizendo:
- Muito prazer.
Podem escolher suas escravas!
Olhou para Rosa Maria.
Ela não gostou dele, de seu jeito e do modo como falava a respeito dos negros.
Dona Matilde escolheu uma jovem bonita.
Rosa Maria, respondendo à pergunta de Rodolfo, falou apontando para a escrava de que tinha gostado:
- Gostaria de ficar com aquela.
Malaquias olhou para a escrava e perguntou, admirado:
- Aquela? Mas é muito velha!
Rosa Maria olhou para ele com raiva e disse:
- Não me importo se ela é velha!
Eu não queria, mas se tiver que ter alguma escrava, é ela que quero!
Rodolfo percebeu que ela estava nervosa.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:49 pm

Disse:
- Malaquias, não discuta com a senhorita!
Se ela quer essa escrava, compre.
É um presente que estamos dando, por isso ela tem todo o direito de escolher.
Olhou para Maria Luísa e perguntou:
- Maria Luísa, qual você quer?
Maria Luísa não respondeu.
Somente quando Rodolfo perguntou pela segunda vez foi que ela voltou à realidade.
Não prestou atenção à conversa.
Estava com os olhos voltados para o lugar aonde levaram o escravo.
Olhou para Rodolfo como se estivesse voltando de longe e disse:
- Qualquer uma. Mamãe, por favor, escolha para mim.
Na realidade, o que ela queria dizer era:
- Quero aquele negro!
Sabia que não podia dizer aquilo, por isso ficou calada, Malaquias saiu e foi comprar e pagar as negras.
Maria Luísa perguntou:
- Rodolfo, para onde Malaquias vai levar as escravas?
- Não sei. Hoje, ele deve ter um lugar para deixar as escravas e os outros que vai comprar e, depois, serão levados à fazenda.
Mas, agora, chega!
Vamos passear mais um pouco.
Temos que ir logo mais para o hotel.
Às oito horas, teremos que estar todos prontos para o jantar.
Papai estará lá e não gosta de atrasos.
Assim fizeram.
Passearam mais um pouco.
Rosa Maria continuava encantada com tudo o que via.
Pararam para ver algumas frutas coloridas que não conhecia.
Voltaram para o hotel.
No quarto, Rosa Maria, enquanto se vestia para o jantar, estava preocupada, pensando:
"Estou nervosa.
Preciso me acalmar.
Vou conhecer Dom Carlos.
Como ele será?
Se for igual ao resto da família, tudo bem.
Por tudo que falaram, embora sério, é um homem amoroso.
Ama e é amado por seus filhos.
Se eles o amam, é porque deve ser um homem bom."
Estava tão voltada para seus pensamentos que não notou que Maria Luísa estava calada.
Maria Luísa, também calada, pensava no negro.
Por mais que tentasse, não conseguia esquecer aqueles olhos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 02, 2017 7:50 pm

ENCONTRO INESPERADO
Às oito horas em ponto, Rosa Maria e Maria Luísa entraram no restaurante do hotel.
Rodolfo, dona Matilde e Dom Carlos estavam sentados.
Dom Carlos estava sentado de costas para elas.
Rosa Maria, receosa, parou.
Maria Luísa pegou sua mão e caminhou até a mesa.
Quando chegaram, os cavalheiros se levantaram para receberem as duas moças.
Dom Carlos beijou Maria Luísa, dizendo:
- Minha filha!
Seja bem-vinda ao Brasil!
Tenho certeza de que aqui será feliz.
- Também espero papai.
Esta aqui é Rosa Maria, minha amiga.
Está nervosa por conhecer o senhor.
Disse a ela para não se preocupar, porque o senhor é o melhor homem do mundo, o pai que todos gostariam de ter.
Dom Carlos se voltou para olhar Rosa Maria.
Assim que ela o viu, mesmo antes que ele olhasse para ela, começou a tremer.
Ele a olhou de cima a baixo.
Ficou calado, só olhando.
Depois disse:
- Então, é você aquela que conquistou toda a minha família?
Seja bem-vinda ao Brasil!
Espero que seja feliz aqui.
Não precisa tremer.
Não sou nenhum bicho.
Pegou a mão dela e a beijou.
Rosa Maria continuava a tremer.
Com dificuldade, disse:
- Muito prazer.
Obrigada por me receber aqui e em sua família.
Espero corresponder a tanta bondade.
- Se toda a minha família gosta de você, é porque deve ter alguma qualidade.
Agora, sentem-se. Vamos jantar.
Rosa Maria sentou-se na cadeira que Rodolfo afastou ao lado de Maria Luísa.
Começaram a comer.
Dom Carlos falando muito, perguntando como tinha sido a viagem, falava sobre a fazenda:
- Tenho certeza de que irão gostar.
Lá, é um paraíso aqui na terra.
A casa-grande foi toda reformada para receber vocês.
Rosa Maria olhava para ele, mas não prestava atenção.
Pensava: "Não pode ser!
Não acredito no que está acontecendo.
Será que ele não me reconheceu?
Talvez eu o tenha reconhecido, por ter dado tanta importância ao que aconteceu.
Não, não me reconheceu!
Se o tivesse feito, teria me colocado no navio de volta.
Naquele dia... do mendigo... do chicote... jamais poderia pensar que o encontraria novamente, principalmente nesta circunstância."
Realmente, sentado à sua frente estava o homem do mendigo, o homem do chicote, aquele mesmo que vinha a tanto tempo atormentando seus sonhos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 03, 2017 8:15 pm

Ficou o tempo todo calada até que Dom Carlos disse:
- Você é sempre calada assim, Rosa Maria?
Ou é por que está aqui em minha presença?
Maria Luísa foi quem respondeu:
- Ela não é calada assim, não, papai.
Deve ser mesmo por sua causa.
Não fique assim, Rosa Maria.
Meu pai é um homem maravilhoso!
Rosa Maria olhou para ela, que sorria ternamente e também sorriu, mas não conseguia falar.
O jantar terminou.
Após a sobremesa, Dom Carlos, parecendo feliz, disse:
- Agora, vamos todos dormir.
Amanhã bem cedo iremos para a fazenda.
A viagem vai ser longa e cansativa.
Por isso, devemos estar descansados.
Despediram-se e foram para seus quartos.
Rosa Maria quase não conversou com Maria Luísa.
Estava preocupada.
Maria Luísa, por sua vez, também não tinha vontade de conversar.
Deitou-se, pensando no negro:
"Meu Deus! O que está acontecendo comigo?
Por que não consigo esquecer aqueles olhos?
Ele é negro, um escravo!
Jamais pudera existir alguma coisa entre nós.
Preciso esquecer..."
Rosa Maria também se deitou e ficou pensando:
"O que vou fazer?
Será que ele não me reconheceu?
Não sei se conto para Rodolfo ou Maria Luísa.
Se ele não se lembrou, não é justo estragar a imagem que os filhos têm dele.
Mas se não contar e eles vierem, a saber, depois, vão achar que não confiei na amizade deles.
Não sei o que fazer... estava tudo indo tão bem!
O que vou fazer?
Distante de minha terra, longe de José e de Isabel.
Vim para o Brasil com tanto entusiasmo, e agora isso?"
Pensou por mais algum tempo.
Acabou adormecendo.
Estava novamente naquele lugar, com o vestido rosa, cabelos compridos até o chão, as pessoas trazendo para ela frutas e flores.
Cantavam em uma língua que ela não conhecia.
Olhou para o lado e lá estava ele, aquele belo rapaz saindo das águas.
Trazendo nas mãos um ramalhete de rosas coloridas, ele vinha sorrindo.
Ela se sentia feliz por vê-lo.
Ele foi se aproximando.
Estendeu os braços para lhe dar as rosas.
Ela estendeu os seus para recebê-las.
Dom Carlos chegou com o chicote e começou a chicotear todos.
Voltou o chicote para ela, que deu um pulo da pedra para se afastar.
Acordou. "Ainda bem que foi só um sonho!
Quem serão aquelas pessoas que estavam me dando flores e frutas?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 03, 2017 8:16 pm

E o rapaz, quem será ele?
Tão bonito... eu o conheço!
Queria me abraçar a ele, mas não sei quem é.
Dom Carlos... por que sempre aparece em meu sonho?
Por que este sonho sempre se repete?"
Levantou-se, tomou água e deitou-se novamente, queria continuar sonhando.
No dia seguinte, estavam todos preparados para a longa viagem rumo à fazenda.
Tomaram o café e foram até onde a carruagem estava esperando por eles.
Esta era maior, mais espaçosa e confortável, puxada por quatro cavalos.
Josué ia à frente com o cocheiro.
Atrás, ia uma carroça com a bagagem.
Maria Luísa perguntou:
- Papai, onde estão os escravos que Malaquias comprou?
- Malaquias partiu ontem, chegará antes de nós.
Assim, quando chegarmos, as mucamas estarão prontas para servir todas vocês.
Mas por que quer saber?
- Por nada.
É que Malaquias comprou uma escrava para mim.
Queria saber se ela já vai estar na fazenda quando eu chegar.
Maria Luísa sorriu.
Na verdade, queria saber do escravo, mas não podia falar.
A viagem foi longa.
Estradas de terra cercadas por árvores e carregadas de flores.
Era primavera.
Havia algumas pousadas toscas pelo caminho, onde comerciantes e fazendeiros se hospedavam.
Por rodar em uma estrada de terra, a carruagem ia devagar.
Os solavancos deixavam o corpo dolorido.
Durante a viagem, Dom Carlos conversava com todos, inclusive com Rosa Maria.
Mostrava as montanhas, as árvores, rios e cachoeiras.
Rosa Maria olhava tudo.
Enquanto ele falava, ela pensava:
"Realmente, não me reconheceu.
Ainda bem!
Se tivesse me reconhecido, teria dito alguma coisa."
Viajaram o dia todo.
O balanço da carruagem não os permitia sequer cochilar.
Quando começou a escurecer, chegaram a uma estalagem com quartos vagos.
Havia um quarto de banho com tinas, que eram cheias de água quente e trazidas por escravos.
Do lado de fora, havia um grande fogão a lenha em que a água era aquecida.
Maria Luísa e Rosa Maria ficaram juntas.
Depois do banho, que parecia um sonho, Rosa Maria perguntou:
- Você gosta muito de seu pai, não é, Maria Luísa?
- Muito! É o melhor pai do mundo!
Sempre fez tudo que eu e Rodolfo pedimos.
- Nunca soube nada de errado que ele tenha feito?
- Meu pai?! Fazer algo errado?
Nunca! Se descobrisse que ele não ó o que diz ser, eu morreria.
Por quê? Sabe alguma coisa contra ele?
Rosa Maria pensou:
"Não adianta eu contar o que aconteceu com o mendigo.
Ela não vai acreditar.
Melhor eu ficar calada ou mudar de assunto."
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 03, 2017 8:16 pm

- Eu não! Só o conheci agora.
Ele me trata muito bem, nem sei por que estou perguntando isso.
Aliás, sei.
Tenho um segredo para lhe contar, mas vai ter que me prometer não comentar com ninguém. Promete?
- Nossa, que seriedade!
Que segredo é esse?
Sou sua amiga. Pode confiar.
Claro que guardarei seu segredo.
Conte logo. Estou ficando curiosa!
- É sobre Rodolfo.
Vai falar com seu pai para podermos nos casar.
Ele pediu segredo até seu pai dar o consentimento.
Pediu para não falar nem com você.
Mas não aguentei.
Maria Luísa começou a rir, perguntando:
- Você e Rodolfo?
Não acredito!
Como não percebi?
Quando começou?
- Uma noite no convés do navio.
Eu estava chorando com saudade dos meus.
Ele me confessou seu amor.
O que você acha?
- Estou adorando!
Ninguém seria melhor cunhada para mim.
Rodolfo tem razão em querer segredo.
Vocês terão problemas com papai, mas o importante é que se amem.
Pode ficar tranquila, não vou comentar com ele.
Vou ficar é torcendo muito por vocês.
Seu problema é difícil, mas bem mais fácil do que o meu.
- O seu o quê?
Que problema você tem?
Não acredito que tenha algum.
Você deve estar brincando.
- Tomara fosse brincadeira.
Você viu aquele negro que Malaquias comprou?
Rosa Maria disse que sim, com a cabeça.
- Desde que o vi não consigo pensar em outra coisa que não seja ele.
Vejo seus olhos o tempo todo.
Grandes e brilhantes.
Creio que estou apaixonada.
Não pode imaginar a felicidade que senti quando Malaquias o comprou, porque assim vou poder vê-lo novamente.
- Maria Luísa, por favor, diga que não estou ouvindo isso!
Diga que estou sonhando!
Oh, meu Deus!
Você deve estar louca!
- Também creio que estou louca!
Não posso fazer nada.
Não tenho culpa, é mais forte que eu.
Estou pensando sem parar.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 03, 2017 8:16 pm

Já vi todos os problemas que terei, mas vou enfrentar.
Papai vai ficar bravo no começo.
Depois aceitará.
Vou precisar de sua ajuda.
Você vai me ajudar, não vai?
Rosa Maria estava lá, parada, olhando para a amiga sem saber o que falar.
O que se pode falar em uma hora dessas?
- Claro que vou ajudar.
Estarei sempre a seu lado, aconteça o que acontecer.
Só não sei como.
Só sei que é uma loucura...
Se para mim e Rodolfo já é difícil, imagine isso!
- Com você a meu lado, tudo será mais fácil.
Como vai me ajudar?
Não se preocupe, na hora saberá.
As duas se abraçaram.
Foram jantar.
Entraram rindo e brincando na pequena sala que servia de restaurante, como se não houvesse problema algum.
Os outros já estavam lá.
Dom Carlos estendeu a mão para receber as jovens, dizendo:
- Vejo que realmente se dão muito bem.
Estou feliz com sua presença, Rosa Maria.
Sei que Maria Luísa não se sentirá sozinha com você por perto.
- Tem razão, papai.
Eu adoro essa menina!
Dona Matilde falou:
- Todos a adoramos.
É uma óptima companhia, não só para Maria Luísa, mas para mim também.
Rodolfo ficou calado, embora por dentro, estivesse muito feliz.
Apenas concordou com a cabeça.
Durante o jantar, Dom Carlos falou entusiasmado:
- Amanhã será a parte mais difícil da viagem.
Temos que subir uma serra muito alta.
A estrada é ruim, mas, por outro lado, terão a oportunidade de ver um espectáculo sem igual da natureza.
Do alto da serra, tem-se uma visão de quilómetros de distância, formada por um imenso tapete verde.
O verde contém todas as tonalidades.
Tenho certeza de que ficarão encantadas.
A propósito, estou cultivando café e pretendo comprar algumas cabeças de gado.
Tenho alguns escravos que eram do proprietário anterior, mas vou precisar de mais.
Daqui a um mês, depois que vocês estiverem instaladas, voltarei ao Rio de Janeiro para comprar mais.
Após o jantar, foram para o quintal, onde havia uma grande mesa com cadeiras.
Sentaram-se em volta da mesa.
A iluminação vinha de uma grande fogueira.
No céu, muitas estrelas.
Parecia que iam bater umas nas outras.
No horizonte, escuridão imensa, só quebrada por vaga-lumes em uma dança deslumbrante.
Tudo encantava Rosa Maria.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 03, 2017 8:16 pm

Já no navio, quando viu as terras do Rio de Janeiro, ficou encantada com a natureza e com a paisagem vista à distância.
Olhando tudo aquilo, pensou:
"Creio que serei feliz nesta terra.
Desde que aqui cheguei, gostei de tudo.
Parece que já conheço estas paisagens."
Na manhã do outro dia, saíram.
Dom Carlos teve razão ao dizer que aquela era a parte mais difícil da viagem.
Por uma estrada estreita, a carruagem foi subindo a serra.
Na metade do caminho, encontraram outra pousada.
Tornaram a parar.
No dia seguinte pela manhã, continuaram a viagem, que agora parecia interminável.
Do alto da serra podia-se ver aquele imenso tapete verde que Dom Carlos havia mencionado.
Viajaram por quatro dias.
Eram três da tarde quando chegaram a uma grande porteira.
Maria Luísa deu um grito:
- Papai, o senhor colocou meu nome?
- Coloquei.
Você é a coisa mais preciosa de minha vida!
Em cima da porteira, havia uma placa com os dizeres:
Fazenda Maria Luísa.
Naquele tempo, havia uma distância entre homens e mulheres.
Os homens eram donos absolutos da família.
As mulheres eram dominadas pelos pais e, por isso, obedeciam cegamente.
Na falta deles, os irmãos, maridos e, por último, os filhos.
Na casa de Dom Carlos também era assim.
Dona Matilde falava pouco.
Não interferia nos negócios do marido.
Somente cumpria ordens.
Maria Luísa, por sua vez, sempre foi diferente.
Desde pequena, nunca soube esconder seus sentimentos.
Adorava o pai, sempre o abraçava e beijava.
A princípio, ele quis ficar bravo, mas não adiantava.
Quando ele chamava sua atenção, ela fazia de conta que aceitava, mas sempre fazia novamente.
Vendo que não adiantava, ele parou de brigar.
Por isso, quando ela o abraçou e beijou por causa da placa, ele sorriu e pensou:
"Sempre farei de tudo para que seja feliz."
Todos olhavam a casa que se via no alto.
Uma casa grande, toda branca e com as janelas azuis.
Da porteira até a casa havia uma estrada feita de pedras, ladeada por flores e folhagens.
Assim que a porteira foi aberta, um sino tocou.
Estava preso em um arco que ficava em volta dela.
Do sino saía um cordão que, com o movimento da porteira, fazia com que ele tocasse.
Maria Luísa voltou para a carruagem e esta começou a andar.
Assim que a porteira foi aberta, o sino começou a tocar.
Da casa, outro sino também começou a tocar.
Ela perguntou:
- Papai, que sino é esse que está tocando?
- Sempre que alguém abre a porteira, este sino que está sobre ela toca.
Assim que o sino toca, outro que está na varanda da casa toca também.
Um escravo da casa vem até aqui para ver quem está chegando.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 71077
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 12 Anterior  1, 2, 3, ... 10, 11, 12  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum