QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Página 4 de 12 Anterior  1, 2, 3, 4, 5 ... 10, 11, 12  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:01 pm

- Isso quem dicidiu foi Oxalá mais Xangô.
Nóis nego num sabe.
Nóis só sabe qui si eles feiz isso é pruque tão fazendo justiça.
Si nóis é nego iscravo hoje, é pruque nóis merece.
- Há muita coisa nessa vida que não entendo.
- Aos poco, vivendo, a sinhazinha vai intendendo.
Nóis num manda na nossa vida.
As coisa chega, cuntecê, sem nóis pude fazê nada pra num dexá cuntecê.
U nego aprende qui tá tudo iscrito.
A única coisa qui a genti podi fazê é iscoiê u bem ou u mal.
A gente as veiz é chamado pra prová qui pode vencê o mal.
Qui pode perduá.
A sinhazinha num percisa tê medo di nada.
É fia di Inhansã.
Pur isso tem muita força.
É guerrera!
- Ah ah ah!
Espero nunca ter que participar de uma guerra.
Sou covarde.
Quando perdi os meus, fiquei sem saber o que fazer, fui para a cama.
Maria Luísa, sim, é lutadora, valente e sabe o que quer.
Também seria difícil, pois quem guerreia é o homem.
Você está dizendo que a gente pode escolher entre o bem e o mal.
Eu só quero me casar, ter meus filhos e ser feliz.
Neste momento, o que queria era voltar para Portugal e levar Maria Luísa comigo.
Você diz que seu Deus está avisando que uma coisa ruim está para acontecer.
Se for verdade, só pode ser com Maria Luísa.
Queria poder ajudar e impedir, a única maneira é ir embora daqui.
- Xangô é qui sabe sinhazinha.
Xangô é qui sabe...
- Está bem, Serafina, agora preciso dormir. Até amanhã.
- Tá bom, sinhazinha Inté manhã.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:01 pm

MAIS FORTE QUE TUDO
Os dias passaram rapidamente para Rosa Maria, mas lentamente para Maria Luísa.
Durante todo o tempo em que esteve imobilizada, ficou pensando no que faria com a sua vida.
Por mais que pensasse, não conseguia achar uma solução.
O que queria mesmo era poder andar novamente e tornar a ver Tobias.
Estava com saudade do escravo, mas evitava falar nele, até mesmo com Rosa Maria.
Sabia que ela estava preocupada e não queria que ela se preocupasse ainda mais.
Finalmente, chegou o grande dia.
Serafina foi ao quarto de Maria Luísa.
Tirou as ataduras e os pedaços de bambu.
Maria Luísa se levantou, mas tornou a se deitar.
Sentiu uma dormência nas pernas, porém não sentia dor.
- Num percisa si preocupa, sinhazinha, é assim memo.
Vô fazê uns banhu cum umas erva i esfrega cum banha di carnero.
A sinhazinha vai ficá boa, logo vai tá currendu di novo.
- Não vejo a hora!
Não aguento mais ficar neste quarto!
Assim aconteceu.
Depois de alguns dias, ela estava completamente boa.
Em uma manhã, após o café, disse para a mãe:
- Mamãe, queria ir até o estábulo para ver Trovador.
Prometo que não vou cavalgar.
Só quero ver aquele lindo cavalo...
A princípio, dona Matilde quis proibir, mas quem conseguia dizer não a Maria Luísa?
- Está bem, desde que tome cuidado e não cavalgue.
Teve sorte de não ter morrido ou ficado aleijada.
- Fique tranquila, mamãe, não vou cavalgar.
Rosa Maria, apavorada, pensava:
"O que Maria Luísa está pretendendo?
Bem sei o que é, mas não posso acreditar!"
Um escravo trouxe a charrete.
Serafina e Rosa Maria, desconfiadas, montaram.
Maria Luísa, sorrindo, disse:
- Quero ir à frente com o cocheiro.
Quando estavam chegando, de longe, ela viu Tobias, que escovava Trovador.
Como da primeira vez, ao ouvir o barulho da charrete, ele se voltou e viu sua amada chegando.
Seus olhos brilharam, seu coração começou a bater com tanta força que parecia querer sair por sua boca.
Disse baixinho:
- Ai, meu Xangô.
Minha sinhazinha tá chegandu.
Tá si rindo pra mim.
Sua vontade era de correr e pegar sua sinhazinha nos braços.
Beijar e abraçar aquela mulher que tanto amava, mas sabia que não podia.
Ficou esperando a charrete chegar mais perto.
Assim que a charrete se aproximou, Maria Luísa, sorrindo, disse:
- Olá, Tobias, como está Trovador?
- Tá bom, sinhazinha.
Só tá isperando sua vorta e ta filiz pur vê a sinhazinha.
Ela sorriu, sabia que ele falava de si próprio.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:02 pm

Respondeu, mandando um recado:
- Também estou feliz por poder ver novamente o Trovador, Tobias.
Enquanto estive imóvel, também senti muita saudade dele.
Pensei nele o tempo todo.
Os dois sorriram.
Nada mais precisaram falar.
Os olhos se encontraram e disseram tudo que precisava ser dito.
Rosa Maria e Serafina, caladas, acompanhavam, preocupadas, o olhar e as palavras dos dois.
Desceram da charrete.
Maria Luísa foi até Trovador, começou a passar as mãos sobre o seu corpo, olhando para Tobias, que não conseguia tirar os olhos dela.
Maria Luísa se voltou para Rosa Maria e perguntou:
- Rosa Maria, você não vai cavalgar?
- Não. Você ainda não pode e eu não vou cavalgar sozinha.
- Ora, não se preocupe.
Você vai e Serafina segue você com a charrete.
Sei que você adora cavalgar...
Não é justo deixar de fazer o que gosta por minha causa.
Estarei bem com Tobias.
Voltou-se para Tobias e, com um sorriso maroto, perguntou:
- Você cuida de mim, não cuida, Tobias?
Enquanto perguntava para Tobias, piscou um olho para Rosa Maria, que entendeu preocupada, mas nada podia fazer.
Sabia que quando Maria Luísa colocava algo na cabeça, ninguém conseguia fazer com que mudasse de ideia.
Montou em seu cavalo, enquanto Serafina subia na charrete.
Saiu cavalgando devagar, Serafina acompanhando Rosa Maria.
As duas foram com os corações na mão.
Assim que as duas partiram, Tobias foi saindo devagar, pensando:
"Xangô, meu pai. Mi juda.
Num sei si vô cunsigui risisti.
Si ela fala di novo qui mi ama, num vô risisti...
Maria Luísa perguntou:
- Para onde está indo?
Não via a hora de ver você novamente.
Estou morrendo de saudade.
E você, não está também?
Tobias não conseguia responder.
Seu coração batia com tanta força que chegava a doer.
Suas pernas tremiam. Maria Luísa, percebendo o nervosismo dele, disse:
- Vamos lá dentro.
Quero ver os outros cavalos que estão nas cocheiras.
Ele olhou para ela e, suplicante, disse:
- Não, sinhazinha.
Vamo ficá aqui memo.
- Quero ir lá dentro para ver se você está cuidando bem dos cavalos.
Vai me levar?
Ele não resistia àquele olhar.
Estavam sozinhos.
Não havia mais ninguém por perto.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:02 pm

Trémulo, falou:
- Tá bão. A sinhazinha qui manda. Vamu.
Lá dentro, Maria Luísa ficou olhando as cocheiras.
Encontrou uma limpa, em que havia um monte de feno.
Entrou e se sentou no feno, olhou para Tobias e disse:
- Venha até aqui.
O escravo ficou olhando, sem saber o que fazer.
Ela abriu os braços e falou com a voz baixa:
- Venha, Tobias.
Nada de mal vai acontecer.
Eu amo você. Vou protegê-lo.
Ele não resistiu.
Caminhou em sua direcção e sentou ao lado dela, em instantes estavam se abraçando e beijando com todo o amor que sentiam há muito tempo.
Beijaram-se com muita paixão. Eram jovens.
O desejo tomou conta dos dois.
Ele, carinhosamente fez com que ela se deitasse sobre o feno.
Ela abriu os botões da blusa.
Seus seios brancos pularam para fora.
Ele os tomou nas mãos.
Acariciou e beijou.
Em poucos momentos, não suportando mais, as roupas foram sendo tiradas e se entregaram ao amor.
Amaram-se com carinho e muito ardor.
Rosa Maria estava preocupada, por isso voltou depressa.
Ao não encontrar Maria Luísa, entrou no estábulo.
Encontrou Serafina.
Ouviram uns murmúrios e foram até o local para ver o que estava acontecendo.
Maria Luísa e Tobias não perceberam a chegada delas.
Estavam deitados em pleno amor.
As duas ficaram apavoradas, mas nada disseram.
Saíram do estábulo.
Rosa Maria estava tão nervosa que não conseguia respirar.
As lágrimas corriam por seu rosto.
Serafina fechou os olhos e começou a rezar baixinho:
- Oh, meu pai Xangô.
Ta tudu perdidu.
Vai cuntecê uma disgraça...
Saiu andando sem rumo.
Rosa Maria sentou em um banco fora do estábulo.
Serafina foi até a casa de Pai Joaquim, que estava sentado em um banquinho e fumando seu charuto.
Ela se aproximou e disse:
- Num tem jeitu, não, pai.
Ta tudu pirdidu...
- Mia fia nóis num podi fazê nada.
Tudu tava iscritu nu céu.
Essis dois já tavam distinadu um pro outro.
Num tem jeitu, não...
- Num podi, pai! Num podi!
Us dois vão sufrê muitu.
Us nego, tumem.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:02 pm

Inté agora temo sidu tratadu bem, mais quandu u sinhó discubri essa disgraça tuda, vai si vinga im nois tudo!
- Num tem jeitu não, fia.
Só Xangô sabi du nossu distinu.
Eli já tinha mi avisadu que tempu ruim ia chega.
- Qui nóis vai fazê, pai?
- Nóis num podi fazê nada, fia.
Vorta pra lá e deixa nas mão de Xangô.
Hoje di noiti a genti vai dança e toca tambô pra ele.
Vamu tudu nóis pidi justiça i pruteção.
Oxalá vai prutegê us nego tudo.
Tudu vai sê cumu tem di sê.
Enquanto Serafina falava com Pai Joaquim, Rosa Maria montou no cavalo e saiu cavalgando sem saber o que fazer.
Cavalgou muito, foi até o riacho. Desmontou.
Foi até a água, sentou e ficou imaginando como seria dali para frente.
"Quanta coisa pode acontecer?
Maria Luísa não está medindo as consequências.
Dom Carlos nunca aceitará!
E Rodolfo, o que fará?
A única solução é irmos embora para Portugal até que essa loucura passe.
Eu teria de ficar longe de Rodolfo também, mas não tem importância.
Sei que sentirei saudade, mas salvarei Maria Luísa e Tobias.
Sim, porque mesmo que Dom Carlos aceite e perdoe Maria Luísa, por ser sua filha, Tobias não será perdoado.
Com certeza mandará que seja torturado e, em seguida, que o matem.
Meu Deus precisa me ajudar a convencer Maria Luísa!"
A água corria lentamente, pequenos peixes faziam uma dança suave.
Por um momento, Rosa Maria se distraiu olhando os peixinhos.
Olhou para o céu.
O sol estava alto.
Devia ser quase meio-dia.
Decidiu que, ao voltar para casa, tentaria convencer Maria Luísa a ir para Portugal.
Precisariam arrumar uma desculpa para Dom Carlos.
O que falariam?
Quando voltou, encontrou Maria Luísa no mesmo lugar que a deixara.
Notou que seu rosto estava vermelho, seus olhos brilhavam, parecia feliz.
Serafina estava agachada a seu lado, com o semblante triste.
Maria Luísa perguntou:
- Gostou do passeio, Rosa Maria?
- Sim. Cavalguei bastante, fui até o riacho.
É muito bom cavalgar.
- Ainda mais com um cavalo negro e bonito como o seu...
Enquanto falava, ria e piscava para Rosa Maria, que não entendia como a amiga podia estar tranquila com tudo aquilo acontecendo.
As três subiram na charrete e foram embora.
Maria Luísa deu um último olhar em Tobias, que não se mexia.
Enquanto a charrete ia andando, falou:
- Olha como o dia está lindo.
O sol, as flores e as montanhas.
Estou tão feliz por estar andando novamente.
A vida é maravilhosa.
Adoro viver.
Rosa Maria sorriu, pensando:
"Está completamente louca..."
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:02 pm

O RESULTADO DO AMOR
Naquela noite, os tambores soaram.
As vozes cantavam tristes e dolentes.
Na varanda, Maria Luísa, Rosa Maria e dona Matilde ouviam em silêncio.
Cada uma mergulhada em seus pensamentos.
Maria Luísa pensava:
"Ele está tocando para mim.
Oh, meu Deus. Eu amo tanto esse negro!
Permita que possamos ficar juntos.
Sei que seu poder é imenso."
Rosa Maria também pensava:
"Como diz Serafina, Xangô está agindo.
É um deus que não conheço, mas, por favor, ajude Maria Luísa e Tobias para que não sofram por toda essa loucura.
Sinto tanta falta de Rodolfo.
Nessa viagem, espero que consiga convencer Dom Carlos de nosso amor e, depois, o de Maria Luísa."
Dona Matilde olhava para Maria Luísa e pensava:
"Ela está tão estranha.
Não sei o que está acontecendo.
Ela mudou muito.
Tomara que Dom Carlos volte logo.
Ele sabe como conversar com a filha.
Descobrirá o que ela tem."
Ficaram lá até que os tambores pararam.
Quando estavam indo para os quartos, Maria Luísa disse:
- Rosa Maria, preciso conversar com você.
Não quer vir até meu quarto?
Rosa Maria aceitou com a cabeça.
Entraram no quarto.
Lá dentro, Maria Luísa abraçou a amiga, dizendo:
- Rosa Maria, não imagina o que aconteceu hoje!
- Acha que não sei, Maria Luísa?
Maria Luísa não ouviu o que ela disse e, rindo, contou:
- Hoje me tornei mulher.
Da maneira mais maravilhosa que pode existir.
Tobias me amou de uma maneira como nunca sonhei que poderia ser!
Ele me amou com tanto amor...
Tanto carinho...
- Maria Luísa, não entendo como pode estar tão tranquila assim!
Você não percebe a extensão desse seu ato?
- Claro que percebo.
Só não sei o que fazer.
Eu amo Tobias e sou amada por ele.
Hoje, estou feliz. Isso é o que importa.
- E seu pai, Maria Luísa?
- Não sei.
Só sei que vou ficar com Tobias.
- Ele é um escravo...
Seu pai nunca aceitará...
- É o homem que amo.
Não me importa sua situação.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:03 pm

Sei que tudo vai dar certo.
Pare de se preocupar, Rosa Maria.
Agora, vou lhe contar como tudo aconteceu!
Contou com detalhes tudo o que havia acontecido.
Rosa Maria, enquanto ouvia, ficava vermelha, ria e chorava tudo ao mesmo tempo.
Quando Maria Luísa terminou sua narrativa, Rosa Maria disse:
- Tenho que reconhecer: você é louca, mas muito esperta.
O amor de vocês é lindo.
Louco, mas lindo.
Só peço a Deus que ele não seja o motivo de uma desgraça.
Temo pela vida dos dois.
Principalmente, pela de Tobias.
Se um dia seu pai vier a descobrir, provavelmente, isso acontecerá...
- Não descobrirá nunca, Rosa Maria!
Se descobrir, darei um jeito para ele aceitar me dar Tobias; de presente.
Papai me ama, no fim faz tudo o que quero.
- Espero que esteja certa, Maria Luísa.
Farei tudo o que puder para ajudá-la.
Sempre estarei a seu lado, aconteça o que acontecer.
Sou muito covarde.
Jamais conseguiria ser forte e lutadora como você.
Se algum dia me sentir perdida, tenho certeza de que me entrego e morro na hora.
- Sei que vai ajudar-me sempre, por isso estou contando tudo a você.
O que vier depois de hoje não tem importância.
Estou feliz como nunca estive em minha vida.
O que aconteceu vale por tudo o que eu venha a sofrer.
Daí em diante, os dias foram sempre iguais.
Rosa Maria cavalgava sozinha, seguida por Serafina na charrete.
Maria Luísa encontrava-se e amava Tobias.
Rosa Maria e Serafina estavam cada vez mais apavoradas.
Mas nada podiam fazer.
Em uma tarde o sino tocou.
Dona Matilde, Rosa Maria e Maria Luísa foi até a varanda para ver quem estava chegando.
De longe, viram que o escravo conversava com o estranho.
Depois de alguns minutos, os dois seguiram juntos em direcção à casa grande.
Era um mensageiro de Dom Carlos.
Entregou um envelope para dona Matilde, que o abriu e leu.
Quando terminou, disse:
- Dom Carlos mandou avisar que ficarão mais tempo do que o esperado.
Talvez demorem ainda mais um mês.
Manda lembranças a todas nós.
Maria Luísa fez cara de triste, mas, por dentro, estava feliz, pois teria mais tempo para ficar com Tobias, sem medo.
Rosa Maria, por sua vez, ficou triste:
ficaria mais tempo sem ver Rodolfo, sem saber se ele havia conversado com o pai.
Dona Matilde, acostumada a receber esse tipo de bilhete, não estranhou.
Como sempre, só pôde aceitar.
Os dias continuaram sempre iguais.
Maria Luísa se encontrava com Tobias todos os dias.
Estavam, a cada dia, mais apaixonados e Rosa Maria, Serafina e Pai Joaquim mais preocupados.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:03 pm

Naquela manhã, Jerusa entrou desesperada no quarto de Rosa Maria, quase gritando:
- Sinhazinha, Serafina, oceis têm que vim nu quartu da sinhazinha Maria Luísa!
Ela ta duenti!
Rosa Maria que estava sentada enquanto Serafina escovava seus cabelos, levou um susto.
Levantou-se, perguntando:
- O que está acontecendo, Jerusa?
Pare de chorar e fale devagar!
- Num sei, é mió ôceis vim lá nu quartu!
As duas correram para lá.
Encontraram Maria Luísa deitada sobre a cama, muito branca, parecendo que não havia um pingo de sangue em seu corpo.
Serafina, ajudada por Rosa Maria, levantou Maria Luísa, e colocou sua cabeça entre suas pernas e forçou para baixo.
Aos poucos a cor foi voltando.
Maria Luísa logo estava bem.
Rosa Maria respirou aliviada e perguntou:
- Serafina, o que foi que aconteceu?
O que ela tem?
Serafina olhou para uma, depois para o a outra e falou:
- A sinhazinha num tá duente, não.
Antes fosse. Antes fosse...
Duença tem cura.
Isso num tem, não.
- Você está louca, Serafina?
O que está dizendo?
O que está querendo dizer?
Que tenho uma doença incurável?
Que vou morrer? Fale logo!
- A genti percisa pedi pra Xangô judá tudos nois.
A sinhazinha num vai murrê, não...
Mais a sinhazinha tá isperando fio.
- Filho? Como, filho?
Você está louca!
- Cumo faiz fio a gente sabe.
A nega num tá louca, não.
Antes tivesse mais num to, não.
- Não. Não pode ser Serafina!
Como você pode ter tanta certeza?
- A nega já viu muita muié tendo fio.
A nega já teve fio, sabe cumo é...
Enquanto Serafina e Rosa Maria conversavam, Maria Luísa permanecia calada, parecia que não era dela que estavam falando.
Jerusa, encostada no canto do quarto, acompanhava toda a conversa sem nada entender.
Vendo o desespero das duas, falou:
- Si a sinhazinha quisé, ieu trago umas erva, faço um chá.
Essa criança cai imbora i tudu si resorve.
Maria Luísa pulou da cama parecendo uma fera e gritou:
- Nunca! Nunca! Ouviram bem?
Não sei se estou esperando um filho, mas, se estiver, ele nascerá!
Jerusa, assustada com a reacção de Maria Luísa, ficou calada.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:03 pm

Serafina disse:
- Oxalá i Xangô tão muito cuntente cum u qui a sinhazinha tá falando.
Mais a sinhazinha sabe qui num vai sê face esse fio nasce.
U sinhó seu pai num vai dexá.
Ele vai manda mata a criança e vai si vinga em tudos nóis.
- Não me importa o que vai acontecer.
Talvez nada disso aconteça!
Só sei de uma coisa: meu filho vai nascer.
- Maria Luísa - disse Rosa Maria - não entendo nada disso.
Nem sei se está mesmo esperando um bebé.
Nunca conversei sobre isso com ninguém.
Só sei que vai ser quase impossível você ter esse filho.
Assim que seu pai descobrir, vai fazer com que tire essa criança...
- Ele não precisa saber por enquanto.
Quando souber, será tarde.
Meu filho nascerá!
- Não sei muito sobre isso, Maria Luísa, mas sei que a barriga cresce.
Como fará para esconder?
- Nossas roupas são largas e armadas, Rosa Maria, vai dar para esconder por muito tempo.
Enquanto isso pensarei em uma maneira de falar com ele.
Não é um monstro, como estão pensando.
É meu pai! Não vai querer me ver infeliz.
Vai aceitar deixar que meu filho nasça e o amará como seu neto.
Tenho certeza disso!
- Nunca me cansarei de dizer:
você é louca, mas corajosa, Maria Luísa.
Só posso dizer que estarei sempre a seu lado, aconteça o que acontecer.
- Sei disso, Rosa Maria, mas por enquanto não vamos nos preocupar.
Meu pai não está aqui.
Tenho muito tempo, até que ele volte, para imaginar uma solução.
Agora, vamos comer?
Estou com muita fome, preciso comer por dois, não é?
Ah ah ah!
- A sinhazinha é fia di Inhansã.
Num tem medo di nada memo...
Rosa Maria realmente admirava Maria Luísa.
Sempre a achou corajosa.
Não tinha mesmo medo de nada.
Enquanto se dirigiam à sala para tomar café, pensava:
"Ela é tão corajosa. Eu não.
Nunca fui, nem serei.
Tenho a impressão de que, se precisar enfrentar uma situação qualquer de perigo, não vou ter coragem... morrerei."
Após o café, foram para o estábulo.
Os olhos de Tobias, cada vez que via Maria Luísa, brilhavam.
Já estava com o cavalo de Rosa Maria selado.
Ela montou, saiu cavalgando seguida por Serafina.
Quando ficaram sozinhos, Tobias falou:
- A sinhazinha demorô hoje.
Fiquei cum medo qui num viesse.
- Aconteceu uma coisa importante para nós dois.
Não vamos entrar ainda, preciso falar com você.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:03 pm

Hoje, quando acordei, ao me levantar, fiquei tonta.
Quase sofri um desmaio.
- A sinhazinha tá duente?
- Não. A Serafina disse que estou esperando um filho.
Ele ficou olhando para ela, não querendo acreditar no que estava ouvindo.
Seus olhos encheram-se de água, uma lágrima começou a descer por seu rosto.
Ela, não entendendo aquela reação, perguntou:
- O que está acontecendo, Tobias?
Por que está chorando?
- Sinhazinha, cumo ieu queria sê branco agora.
Si ieu fosse branco, ieu pegava a sinhazinha nu colo, bejava e braçava muito.
Um fio é a coisa mais bunita qui pudia cuntecê pra nóis dois.
Um fio du nosso amô.
Sei qui a sinhazinha num vai pudê tê esse fio.
Pur isso qui to churando.
Nosso fio ia sê u menino mais bunito dessi mundo.
Maria Luísa, com as pontas dos dedos, enxugou as lágrimas dos olhos dele, beijou seu rosto, dizendo:
- Ele iria não.
Ele nascerá e será o menino ou menina mais lindo ou linda desse mundo!
Porque vai nascer!
- Cumo, sinhazinha?
U sinhó seu pai num vai dexá.
Ele vai mandá matá nosso minino dispois di matá nóis dois.
Ieu num mi importo di morrê.
Tuda felicidade du mundo já tive quando a sinhazinha mi amô, mais a sinhazinha num pode morrê.
- Se você não se importa de morrer, eu também não.
Só sei que nosso menino vai nascer e crescer!
Pode ter certeza disso!
Enquanto conversavam, Rosa Maria e Serafina estavam na margem do rio.
- Serafina, o que acha que vai acontecer?
- Num sei, não, sinhazinha.
Só sei qui num vai sê coisa boa, não.
- O que vamos fazer?
- Cumo falo Pai Joaquim, nóis num podi fazê nada.
Só quem podi é Xangô. E Oxalá.
Tá tudo nas mão delis.
Mais si esse minino tive qui nasce, ele nasce.
Nasce sim...
- Queria ter essa sua fé, Serafina.
Estou morrendo de medo.
- A sinhazinha Maria Luísa é muito teimosa.
Só faiz u qui quê.
Nóis tumém num podi fazê nada.
Só podi pidi pruteção pra Nosso Sinhô Jesuis Cristo e Xangô.
Só eles podi judá agora.
- Então, que meu Deus e todos os seus deuses nos ajudem.
Principalmente, Maria Luísa e Tobias.
Enquanto tudo isso acontecia na fazenda, no Rio de Janeiro, Dom Carlos e Rodolfo jantavam naquela noite.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:03 pm

No dia seguinte iriam começar os preparativos para voltar à fazenda.
Durante o jantar, conversaram sobre vários assuntos.
Com o término do trabalho de Dom Carlos, poderiam ficar mais tempo na fazenda.
Após o jantar, Rodolfo falou:
- Papai, tenho algo importante para lhe falar.
Preciso de seu consentimento.
De sua resposta depende minha vida.
- Por Deus, Rodolfo, o que pode ser tão importante?
- Estou apaixonado e quero me casar.
- Apaixonado? Casar?
Já sabe que tenho planos para você.
O coronel António José de Araújo e eu já combinamos seu casamento com a menina Amélia.
Assim que ela completar dezasseis anos, poderão se casar.
Que novidade é essa?
- Quero que me libere desse compromisso.
Estou apaixonado por outra e quero me casar com ela.
É uma moça de família simples, mas muito honesta.
Se não me casar com ela, serei o homem mais infeliz deste mundo.
- Quem é essa jovem?
Não o vi com ninguém aqui no Rio de Janeiro.
- Ela não é daqui.
Está na fazenda.
- Na fazenda?
Não me diga que é...
- Rosa Maria.
É ela mesma, papai!
Dom Carlos embranqueceu.
Colocou a mão sobre o coração.
Rodolfo percebeu e perguntou desesperado:
- O que foi papai?
O que está sentindo?
- Nada está acontecendo, foi só o susto...
Jamais poderia imaginar...
- Sei disso, papai, mas ela é maravilhosa.
Estou completamente apaixonado.
Quero me casar o mais breve possível.
Dom Carlos se recompôs, voltando ao seu normal, disse:
- Meu filho, você sabe que toda minha vida vivi em função de você, sua mãe e irmã.
Todo meu tempo foi sempre dedicado a minha família.
Meu pai também escolheu minha esposa, que é sua mãe.
Graças a Deus tivemos uma vida boa e tranquila.
Também eu já havia escolhido sua esposa, mas se acha que essa moça é a mulher da sua vida, não vou querer sua infelicidade.
Permito esse casamento.
Se ela foi aceite por toda família, algum valor deve ter.
Por isso, eu a aceito também.
Falarei com o coronel António José e desmancharemos o acordo feito.
Assim que chegarmos à fazenda, providenciaremos seu casamento.
Rodolfo nunca pensou que seria tão fácil e que ouviria aquilo.
Na realidade, foi mais fácil do que pensou.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:04 pm

Beijou as mãos do pai, dizendo:
- Obrigado, meu pai.
Sei que o senhor só quer minha felicidade.
E minha felicidade é Rosa Maria.
- Está tudo bem, meu filho.
Vá dormir.
Amanhã, acordaremos cedo para retornarmos à fazenda.
Lá tudo será arranjado.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:04 pm

UMA PORTA QUE SE ABRE
Os dias passaram.
Certa manhã, Serafina acordou.
Não estava bem, mas como de costume foi para o quarto de Rosa Maria.
Ela estava sentada em frente à penteadeira, escovando os cabelos.
- Bão dia, sinhazinha. Já tá cordada?
- Sim, Serafina, dormi bem, mas acordei com um sonho e não consegui dormir mais.
- Inda bem que a sinhazinha tá bem.
Ieu num to boa, não. Tô cum do di cabeça, tremedera e muitu quenti.
Rosa Maria levantou-se, pôs a mão na testa de Serafina e, preocupada, disse:
- Você está com muita febre.
Vou falar com dona Matilde, pedir a ela que deixe você descansar hoje.
Assim, pode se medicar com suas ervas.
- A sinhazinha é um anjo.
Nosso Sinhô Jesuis Cristo vai prutegê sempre a sinhazinha.
Rosa Maria foi até dona Matilde.
Pediu que deixasse Serafina descansar.
Ela concordou.
Enquanto conversavam, Maria Luísa chegou, dizendo:
- Bom dia para as duas.
Rosa Maria, já estou pronta para sairmos, mas antes vou tomar café, estou com muita fome.
Depois, sairemos.
- Acredito que hoje vocês não possam sair minha filha.
- Por que, mamãe?
- Serafina está doente, não vai poder ir com vocês.
- Jerusa pode ir connosco.
Nós só vamos cavalgar um pouco.
Não é, Rosa Maria?
Rosa Maria queria dizer que não, mas os olhos de Maria Luísa fizeram com que ela concordasse com a amiga:
- Tem razão, Jerusa pode ir connosco.
- Está bem, vocês podem ir com Jerusa.
- Sendo assim, vamos tomar o café.
Estou louca para cavalgar.
Maria Luísa disse, piscando para Rosa Maria, que foi obrigada a sorrir.
Tomaram café e saíram.
Jerusa já estava esperando na charrete.
Ao chegarem ao estábulo, Tobias já estava com o cavalo de Rosa Maria selado.
Rosa Maria montou, dizendo para Jerusa:
- Venha me seguindo com a charrete.
Saiu cavalgando.
Jerusa ia atrás com a charrete.
No meio do caminho, a escrava percebeu que o xale de Maria Luísa ficara na charrete.
Rosa Maria ia ao longe.
Jerusa resolveu levar o xale para Maria Luísa, pois estava frio.
Fez um sinal com a mão para Rosa Maria e voltou.
Rosa Maria não entendeu o sinal e continuou cavalgando.
Quando ficaram sozinhos, Tobias e Maria Luísa foram para a cocheira que estava bem limpa com um lençol branco estendido sobre o feno.
Tobias preparava do melhor modo possível seu ninho de amor.
- Num via à hora da sinhazinha chega. - disse, com os olhos brilhando de felicidade.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:04 pm

- Eu também.
Quase não vim, porque Serafina está doente.
Minha mãe não queria nos deixar vir sozinhas, mas eu a convenci, por isso Jerusa veio connosco.
Em poucos segundos, um estava nos braços do outro, beijando-se com paixão.
O amor entre os dois estava cada dia mais forte.
Naquele momento, nada temiam.
A única coisa que sentiam era aquele imenso amor.
Lá não existia escravo ou senhora, só duas pessoas que se amavam. Jerusa chegou ao estábulo.
Estranhou não encontrar ninguém.
Ficou preocupada.
"Dondi será qui a sinhazinha tá?"
Ao longe, via Rosa Maria cavalgando.
Esta, ao perceber que Jerusa retornou para o estábulo voltou rapidamente.
Jerusa, enquanto procurava por Maria Luísa e Tobias, pensava:
"Mais a sinhazinha i u Tubia, dondi será que tão?"
Entrou em silêncio, Estava desconfiada de alguma coisa.
Foi olhando cocheira por cocheira.
Ouviu murmúrios, se aproximou e viu os dois se amando com toda intensidade.
Saiu correndo, chorando, assustada.
Lá fora, encontrou Pai Joaquim.
- Qui cunteceu, mia fia?
Viu fantasma?
- Vi, pai... achu qui vi...
- Não, fia.
Ocê só viu cochera i cavalu, nada mais...
- Ieu vi pai, juru qui vi!
- Fia, é mió procê num vê nada...
Ela entendeu o que o velho queria dizer e disse:
- Tá bom, pai.
Ieu num vi nada.
- Vem cu nego, fia.
Vamu na chopana tumá um chá.
Os dois foram para a choupana onde ele morava.
Rosa Maria, de longe, viu que Pai Joaquim estava com Jerusa.
Entendeu que ela havia descoberto tudo.
Achou melhor deixar que os dois conversassem.
Voltou a cavalgar.
Jerusa tremia de susto e de raiva.
Raiva, sim.
Quando ela viu Tobias no Rio de Janeiro, como todas as pessoas, ficou encantada.
Desde que chegou à fazenda, não sabia onde ele estava.
Ela não podia sair da casa grande.
Muitas vezes, teve vontade de ir até a senzala só para poder ver o negro.
Por isso, sempre que as sinhazinhas iam passear pela fazenda, ela queria ir junto, mas elas nunca a levaram, sempre quem ia era Serafina.
Naquela manhã, quando soube que iria passear, ficou contente, pois teria a chance de ver Tobias.
Seu desejo foi realizado: ela o vira.
Mas daquela maneira?
Logo com a sinhazinha?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 05, 2017 8:04 pm

Enquanto tomava o chá que Pai Joaquim lhe dava, falava:
- Cumu odeiu elis, principarmenti ela, qui podi tudo, inté tê u nego que eu queria pra ieu!
Deus du céu num existi, pai.
Si ixistisse, num ia dexá tê escravo nem sinhó.
Tudos devia de ser iguar.
- Fia nóis nego num pode falá nada.
Só Nosso Sinhô Jesuis Cristo e Xangô é qui sabe das coisa.
Sei qui teu curação é dele, mai num dianta pruque u dele é da sinhazinha.
A mió coisa qui tem qui fazê agora é vortá pra casa-grande e fazê di conta qui num viu nada.
Cuntinua tratando bem di tua sinhazinha.
U qui ocê viu num é coisa boa, não.
Vai trazê muita disgraça pra nóis tudo.
- Pai, a criança qui ela tá isperando é deli?
- É, fia. Aí é qui vai cumeçá tuda disgracera.
- Tumara qui cunteça memo.
Ieu odeiu esses dois.
- Num fala ansim, pruque nóis tudo vai sufrê, fia...
Ela não respondeu, ficou só pensando.
Quando voltaram para frente do estábulo, Maria Luísa estava sentada, olhando ao longe Rosa Maria, que continuava cavalgando.
Tobias ficou dentro do estábulo.
Jerusa ficou com mais ódio ainda, porque Maria Luísa estava demonstrando com o rosto e com os olhos toda a felicidade que estava sentindo.
Rosa Maria viu que Maria Luísa estava sentada.
Sabia que já poderia voltar.
Tudo havia terminado.
Foi a seu encontro.
Queria voltar para casa para ver como Serafina estava.
Estava preocupada com sua saúde.
Gostava muito dela, embora fosse apenas sua escrava.
Voltaram para casa.
Rosa Maria não entendia como Maria Luísa podia estar tão tranquila com tudo aquilo que estava acontecendo.
Jerusa estava com raiva por ter perdido seu amor logo para Maria Luísa.
Não havia como lutar por Tobias.
Ela, além de ser branca e livre, era uma sinhazinha muito rica.
Ia pensando:
"Ieu fazia quarqué coisa pra sê livre e pude liberta ele tumém."
Ao chegar a casa, Rosa Maria foi ver Serafina, que dormia tranquilamente.
Colocou a mão em sua testa e percebeu que a febre havia baixado.
Sorriu aliviada.
Ela tinha muito medo de febre.
Almoçaram, foram para a sala de estar.
Maria Luísa foi para o piano e Rosa Maria começou a ler um livro.
O sino começou a badalar.
Correram para a varanda.
Olharam para a estrada e viram a carruagem de Dom Carlos aproximando-se.
A alegria foi geral.
O sino começou a badalar mais forte.
Os escravos da casa cantavam.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 06, 2017 7:23 pm

Os escravos gostavam de Dom Carlos porque, desde que comprara a fazenda, nunca havia castigado um negro sequer.
Eles sabiam que, se cada um fizesse seu dever, nada de mal aconteceria.
Sabiam, também, que se fizessem algo de errado, ele seria implacável.
As mulheres ficaram felizes com o retorno deles.
Rosa Maria estava com o coração apertado, pois não sabia se Rodolfo havia conversado com o pai.
Maria Luísa estava preocupada, pois com o pai em casa, seria difícil ver Tobias e esconder sua barriga quando começasse a aparecer.
Preocupada, pensava:
"Até quando conseguirei esconder?"
Dona Matilde também ficou feliz com a volta do marido e do filho.
Feliz, pensava:
"Minha família realmente é feliz.
Dom Carlos jamais fará algo que possa nos magoar.
Não sei o que faz para conseguir tanto dinheiro, mas sei que nunca deixará que nada nos falte.
Para nós, sempre foi e será o melhor."
A carruagem se aproximou da escadaria que levava até a entrada da casa.
Elas estavam esperando.
Os viajantes desceram.
Rodolfo subiu correndo os degraus, abraçou a mãe, depois Maria Luísa e olhou, sorrindo, para Rosa Maria que abraçou com carinho.
Ela ficou sem graça, mas ele disse baixinho em seu ouvido.
- Está tudo bem.
Papai já sabe e concordou com nosso casamento.
Dom Carlos se aproximou, recebeu e abraçou a esposa e a filha.
Olhou sério para Rosa Maria, sorrindo, e enquanto segurava sua mão, disse:
- Você foi aceite por minha família.
Agora essa situação será oficializada.
Com prazer, aceito você como esposa de meu filho e como minha filha.
Dona Matilde, que nada sabia, perguntou:
- O que está dizendo?
Rodolfo e Rosa Maria?
- Isso mesmo, minha mulher.
Rodolfo me pediu permissão para se casar com ela e eu dei.
- Eu nada sabia, mas fico feliz.
Não poderia existir melhor esposa para meu filho.
Abraçou e beijou Rosa Maria, que correspondeu feliz.
Maria Luísa também a abraçou.
Rodolfo sorria.
Dom Carlos disse:
- Vamos marcar o casamento.
Será uma grande festa!
Afinal, é o casamento do meu filho!
O casamento de vocês será comentado por muito tempo.
Quero que todos os negros tenham roupas novas.
Na festa, eles dançarão e cantarão.
Dom Carlos falava com uma emoção que contagiavam os outros.
Rosa Maria não conseguia acreditar que poderia existir tanta felicidade.
Durante tanto tempo, sentiu tanto medo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 06, 2017 7:23 pm

Agora sabia que Rodolfo e Maria Luísa tinham razão:
realmente, Dom Carlos era maravilhoso.
Pensou:
"Ele é tão bom que chego a crer que Maria Luísa tem razão.
Ele poderá até aceitar o amor dela por Tobias.
Deus assim o permita."
Dona Matilde ficou brava com Rosa Maria por ter escondido isso durante tanto tempo.
- Não foi culpa dela, mamãe. - disse Rodolfo.
Pedi que não contasse, porque não sabíamos qual seria a reação de papai.
Ela precisava viver aqui connosco.
Agora, sendo minha esposa, realmente fará á parte da família.
Ficaremos todos juntos e felizes.
Naquela noite, após o jantar na varanda, ouviam-se os negros tocando e cantando.
Dom Carlos disse:
- Dona Matilde, lembra-se do Sr. Cristóvão, aquele comerciante de nosso povoado lá em Portugal?
- Claro que me lembro.
O que tem ele?
- Está no Rio de Janeiro.
Trouxe duas cartas.
Uma para a senhora e outra para Rosa Maria.
Rodolfo vá até o escritório pegar as cartas.
Rodolfo foi até o escritório e voltou trazendo as cartas, entregou uma para a mãe e outra para Rosa Maria.
As duas, emocionadas, pegaram os envelopes.
Rosa Maria abriu sua carta e viu que era de José.

Querida irmã,
Estamos com muita saudade de você.
Estou escrevendo para contar-lhe algo grave que aconteceu.
No segundo mês de gravidez, Isabel teve um problema sério e perdeu o bebé.
O mais grave é que nunca mais poderá ter outro filho.
Fiquei muito triste, mas ao mesmo tempo feliz por ela estar viva.
Ela está muito abatida e triste.
Não sei como você está aí.
Se puder, volte para cá.
Estamos precisando muito de você, principalmente eu.
Isabel está ausente, quase não fala.
Se puder, querida irmã, volte.
Um abraço de seu irmão, saudoso, José

Rosa Maria, com lágrimas, entregou a carta a Maria Luísa.
- Terei que ir para Portugal, Maria Luísa.
Meu irmão precisa de mim.
Só temos um ao outro.
Dona Matilde, também chorando, falou:
- Parece que as notícias não foram boas para nós duas.
Esta carta é de minha irmã.
Minha mãe, já tão velhinha, também não está bem e quer me ver antes de morrer.
- Rosa Maria, você não pode ir agora.
E nosso casamento?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 06, 2017 7:23 pm

Dom Carlos pensou um pouco e falou:
- Ora, Rodolfo, o casamento pode esperar um pouco.
Tenho uma ideia, já que as duas estão infelizes e não nos darão paz.
O melhor que se tem a fazer é deixá-las ir para Portugal.
Visitam lá seus parentes, depois voltam.
Aí realizamos o casamento com todos em paz.
Ao ouvir aquilo, Maria Luísa se assustou.
Disse com um brilho nos olhos:
- Boa ideia, papai.
Vamos nós três, ficamos lá um tempo, depois voltaremos.
- Não estava pensando em você, Maria Luísa.
Só em sua mãe e Rosa Maria.
Rodolfo não pode ir, preciso dele aqui para ajudar-me.
Você nos fará companhia.
- Ah, papai, não faça isso.
Quero ver minha avó.
O senhor sabe como nos gostamos.
E Isabel também é minha amiga.
- Está bem.
As três aproveitarão a companhia do Sr. Cristóvão e irão para Portugal.
Que acham?
Rodolfo ia dizer que não.
Preferia se casar antes.
Mas Rosa Maria, para surpresa dele, disse:
- Ficaria muito agradecida, senhor.
Se Maria Luísa for também, estarei bem.
- Mas e nosso casamento, Rosa Maria?
Ela olhou para ele com lágrimas nos olhos, depois para Maria Luísa, que acenava e falava com os olhos, pedindo que ela concordasse.
Respondeu:
- Como seu pai disse, Rodolfo, quando voltarmos, nos casaremos.
Ele não entendeu por que ela estava falando aquilo.
Argumentou:
- Poderemos nos casar daqui a dois ou três meses.
Depois, iremos juntos.
Ela voltou a olhar para Maria Luísa e disse:
- Será muito tarde.
Isabel e meu irmão precisam de mim agora.
Vendo que seu filho insistia muito, Dom Carlos interveio:
- Ela tem razão, Rodolfo.
Será bom para os dois ficarem separados por um tempo antes do casamento.
Assim, poderão avaliar esse amor, que parece tão intenso.
Elas irão.
Quando voltarem, se ainda quiserem, poderão se casar.
Prometo que farei uma grande festa.
Embora não entendendo, Rodolfo falou:
- Está bem, Rosa Maria.
Se acha que assim será melhor, só posso aceitar.
Tenho certeza de meu amor.
Sei que quando você voltar, se voltar, estarei aqui esperando.
- Pode ter certeza de que voltarei e continuarei amando-o da mesma maneira.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 06, 2017 7:24 pm

Dom Carlos, que prestava atenção a tudo, falou rindo:
- Depois de toda essa declaração de amor, só nos resta preparar a viagem.
O Sr. Cristóvão disse que o navio parte daqui a vinte dias.
Mandarei Malaquias ir até o Rio comprar as passagens.
Rodolfo irá acompanhá-las até lá.
Assim fez.
Mandou chamar Malaquias e deu as ordens.
Maria Luísa foi para seu quarto, feliz e pensando:
"Obrigado, meu Deus.
Vou conseguir salvar meu filho."
Rosa Maria, também em seu quarto, pensava:
"Estou adiando só um pouco minha felicidade.
Mas não posso abandonar Maria Luísa, não neste momento.
Essa era a chance que esperávamos para que seu filho pudesse nascer e uma tragédia fosse evitada.
Obrigada, meu Deus."
No dia seguinte, após o café, Rodolfo disse:
- Estou ansioso para cavalgar.
Alguém quer ir comigo?
As duas sorriram, mas foi Maria Luísa quem respondeu:
- Só estávamos esperando seu convite.
Já estamos até vestidas adequadamente.
Quando chegaram ao estábulo, ao ver Tobias, Rodolfo perguntou:
- Como vai, Tobias?
Fiquei muito tempo longe, mas parece que você continuou cuidando muito bem de tudo por aqui.
- Sim, sinhozinho, tá tudo in orde.
- Muito bem.
Parece que os cavalos das sinhazinhas já estão prontos.
E o meu?
- Num sabia qui u sinhozinho vinha hoje.
Apronto num istante.
- Não precisa, Rodolfo - disse Maria Luísa.
Vá com Trovador.
Você e Rosa Maria devem ter muito para conversar.
Não estou me sentindo muito bem.
Ficarei aqui com Serafina esperando por vocês.
- O que está sentindo?
Está doente?
- Não.
Só estou querendo deixar vocês dois sozinhos.
Rodolfo riu, dizendo:
- Por isso que a amo, irmãzinha!
É a pessoa mais inteligente que conheço.
- Você nem imagina o quanto. - disse Maria Luísa, olhando e piscando um olho para Rosa Maria, que sorriu.
Ajudada por Rodolfo, montou no cavalo e saíram galopando.
Quando já estavam longe, Serafina disse para Maria Luísa:
- Inquanto us dois fica cunversando, sinhazinha, ieu vô fala cum u Pai Juaquim.
Possu, sinhazinha?
- Pode, sim, Serafina.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 06, 2017 7:24 pm

Tenho muita coisa para falar com Tobias.
Não se preocupe, hoje só vamos conversar.
Serafina riu e saiu andando em busca de Pai Joaquim, que estava sentado no banquinho na entrada de sua casa, fumando seu cachimbo.
Maria Luísa olhou para Tobias e disse:
- Não falei que nosso menino iria nascer Tobias?
Só que vou ter que ir para Portugal.
- Cumo vai nasce, sinhazinha?
Qui cunteceu?
A sinhazinha vai pra num vortá mais?
- Calma, contarei tudo.
Não lhe disse que nosso filho ia nascer?
Deus protege a quem se ama como nos amamos.
Por isso mandou uma solução.
Minha mãe e Rosa Maria estão com problemas de família lá em Portugal.
Precisam ir para lá e eu irei junto.
Nosso filho nascerá e eu voltarei.
- I u minino vai vortá tumém?
- Você não sabe se é menino, mas não importa.
O importante é que nascerá.
A cunhada de Rosa Maria perdeu um bebé e nunca mais poderá ter outro.
Pedirei a eles que cuidem de nossa criança até que eu possa voltar para buscá-la.
O importante é que ele possa nascer.
E essa é a única maneira.
- A sinhazinha vai demora muitu tempo pra vortá?
- O tempo necessário para o bebé nascer.
Você precisa ter certeza de que o tempo todo em que eu estiver longe estarei pensando em você.
Nunca esqueça que eu o amo e que o amarei para sempre, Tobias.
- Tá bão, sinhazinha.
Ieu num vô isquecê, não.
- Hoje não vou ficar com você.
Rodolfo está aqui e poderá voltar a qualquer momento.
Serafina aproximou-se da casa de Pai Joaquim.
- Bom dia Pai Juaquim, perciso fala cum u sinhó.
- Bom dia, mia fia.
Ocê pode fala, mais acho qui u nego já sabe.
Ocê vai mi dizê qui Xangô tá judando aqueles dois, num é?
- Isso memo, pai.
Mais cumo u sinhó sabe?
- U nego sabe pruque Xangô avisô ieu.
Sabe, fia, quando um fio di Deus tem qui nasce, nosso pai Oxalá dá tuda a upurtunidade pra isso cuntecê, inda mais quando ixiste um amô cumo u desses dois.
- Ieu to muito cuntente.
A minha sinhazinha é muito boa.
Ela gosta memo du Tubia.
Ela falô qui u fio dela ia nasce, qui num matava ele, não.
E cum as graça di Oxalá e Xangô, num vai matá memo.
Eta neguinho lutadô.
- Pur isso foi qui Oxalá judô ela e seu fio.
- Nóis tem qui gradecê pra ele, num é?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 06, 2017 7:24 pm

- E vamo. Hoje di noite, nóis vai toca e canta pra tudos nosso deus.
Enquanto isso, Rosa Maria e Rodolfo estavam sentados na pedra junto às águas do rio.
Ele falou:
- Não entendi por que você não quis esperar nosso casamento.
Poderíamos ir juntos para Portugal.
Ela olhou para ele, queria contar tudo sobre Maria Luísa, mas não sabia qual seria sua reação, apenas disse:
- Você sabe que sou a única família de José.
Ele precisa de mim agora.
Não se preocupe, vou amar você para sempre.
Assim que tudo estiver bem por lá, eu volto.
Só deve acreditar que nunca deixarei de amá-lo.
Só adiaremos por um tempo.
Ele a abraçou e beijou ternamente.
Ela se entregou àquele beijo e correspondeu com a mesma intensidade.
Ele começou a passar a mão por seu corpo com a intenção de possuí-la ali mesmo.
A princípio, ela se deixou envolver, mas se afastou rápido, dizendo:
- Não vamos estragar o que pode ser tão bonito, Rodolfo.
Quando eu voltar, nos casaremos.
Aí, sim, poderemos nos entregar ao amor sem sofrimentos ou culpas.
Eu o amo, quero que esse amor dure para sempre.
- Tem razão, Rosa Maria - disse ele.
Precisa me perdoar.
É que tenho tanto medo de perder você.
- Nunca me perderá.
Só serei sua, de mais ninguém.
- Acredito em você.
Esperarei, com a certeza de que voltará.
E melhor irmos embora.
Maria Luísa deve estar entediada nos esperando.
Rosa Maria sorriu, dizendo:
- Deve estar entediada mesmo.
Quando chegaram ao estábulo, Maria Luísa e Serafina conversavam sentadas em um banco.
Tobias estava no estábulo, cuidando dos cavalos.
- Já voltaram?
- Sim, achamos que você estaria entediada.
- Entediada, eu? Não!
Gosto de ficar aqui conversando com Serafina e apreciando essas montanhas tão lindas.
Rodolfo olhou para as montanhas que cercavam a fazenda e disse:
- São lindas mesmo, Maria Luísa.
Creio que não há outro lugar no mundo em que haja montanhas mais bonitas do que essas.
Voltaram para casa.
O almoço seria servido logo.
Sentaram nas cadeiras que havia na varanda.
Dom Carlos não estava.
Foi até a lavoura ver como andavam as coisas.
Maria Luísa estava feliz.
Um dia antes, embora não tivesse demonstrado, sentia-se perdida, sem saber o que fazer.
Queria seu filho.
Ele era o fruto de um amor sincero, mas sabia também que dificilmente poderia ter aquela criança, ou, mesmo que a tivesse, muita coisa ruim aconteceria, principalmente para Tobias.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 06, 2017 7:24 pm

E hoje um caminho surgiu, uma porta se abriu.
Agora sabia que seu filho nasceria e nada aconteceria a Tobias ou a ela.
Rosa Maria olhava as montanhas, verdes e floridas.
Pensava em Portugal, em seu irmão.
Queria rever o irmão e Isabel.
Voltaria para sua terra e seu povo.
Estava feliz no Brasil.
Embora tivesse encontrado pessoas adoráveis, como Serafina.
Encontrou o homem do chicote que tanto a apavorava em seus sonhos, mas que se mostrou ser bom e amável.
Principalmente, encontrou Rodolfo, que completava sua felicidade.
Teria que adiar seu casamento, mas não se importava.
Havia pedido tanto a Deus que ajudasse Maria Luísa e ele mostrou um caminho para ela seguir.
Depois que o filho de Maria Luísa nascesse ela voltaria para o Brasil e para Rodolfo, se casaria, realizaria seu sonho.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 06, 2017 7:24 pm

VIAGEM PARA PORTUGAL
O dia da viagem chegou.
Maria Luísa falou com Tobias só mais uma vez antes de partir.
Não queria que nada acontecesse para impedir a viagem, principalmente o nascimento de seu filho.
Pediu a Serafina que falasse com ele, dizendo que ela o amava e que voltaria logo.
Despediram-se de Dom Carlos e, acompanhadas por Rodolfo e Malaquias, foram para o Rio de Janeiro, onde pegariam o navio e voltariam para Portugal.
Rodolfo estava triste, pois teria que adiar seu casamento e sua felicidade.
Logo agora que seu pai aceitara com tanta facilidade, que tudo estava bem, por que teria que adiar?
Chegaram ao Rio um dia antes da viagem e foram para o hotel em que o senhor Cristóvão, avisado por Malaquias, estava esperando.
À noite, no restaurante do hotel, encontraram-se.
O senhor Cristóvão já estava conversando com Rodolfo quando elas chegaram.
- Boa noite, senhora, senhoritas.
Estava falando para o senhor Rodolfo que estou feliz por poder acompanhá-las e que ele não fique preocupado, pois um meu empregado estará nos esperando em Lisboa com uma carruagem que nos levará para o povoado e até suas casas.
- Obrigada, senhor - respondeu dona Matilde.
Sei que meu marido tem toda a confiança em sua pessoa, o que me dá tranquilidade e a certeza de que tudo correrá bem.
Jantaram. Depois, foram para seus quartos.
Pela manhã, estavam prontos para irem até o porto.
Despediram-se de Rodolfo, embarcaram.
O navio apitou.
Elas acenavam para ele, que, em terra, sentia o coração apertado.
Rosa Maria, com lágrimas nos olhos, acenava para o amor de sua vida, que estava deixando, não sabia por quanto tempo.
Esteve tão perto de conseguir sua felicidade, mas teve que adiar por força do destino.
O navio partiu. Mais uma vez o mar azul.
O céu e sol brilhantes, as ondas formadas pelo movimento do navio.
Mais uma vez a terra se distanciando.
Do convés do navio, Rosa Maria se lembrou do dia que pensou no adivinho e sentiu tanto medo.
Sorriu, pensando:
"Ele acertou quase tudo.
Fiquei sozinha, fui para uma terra distante, encontrei um amor, mas não fui traída nem sofri.
Ao contrário, fui e estou muito feliz."
A viagem transcorria calma e tranquila.
O senhor Cristóvão não se poupou para que elas tivessem tudo o que precisavam, não deixando que nada as incomodasse.
Dona Matilde, preocupada com Maria Luísa, pensava:
"Alguma coisa não está bem.
Maria Luísa foi sempre tão feliz sempre brincou muito.
Quando viemos para o Brasil, durante a viagem toda, brincou e conversou com as pessoas, desde a camareira até o comandante.
Agora, está sempre calada, como se tivesse o mundo em suas costas.
Não brinca mais, quase não fala.
O que estará acontecendo?"
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 06, 2017 7:25 pm

Em uma manhã, enquanto tomava sol no convés, dona Matilde perguntou:
- Minha filha, o que está acontecendo com você?
- Nada, mamãe.
Por que está fazendo essa pergunta?
- Não sei. Está estranha e calada, quase não fala.
Nem brinca mais com as pessoas, parece que só seu corpo está aqui.
Sua alma está em outro lugar.
Maria Luísa começou a chorar.
A mãe não entendeu o porquê daquele choro.
Rosa Maria se levantou e abraçou a amiga, dizendo:
- Você tem que confiar em sua mãe, Maria Luísa.
Não poderá esconder por muito tempo.
Chegou a hora.
Maria Luísa não conseguia parar de chorar.
Não sabia como falar.
Dona Matilde, muito preocupada, disse:
- Pare de chorar, Maria Luísa!
Preciso saber o que está acontecendo.
Sou sua mãe. Eu a amo.
Seja o que for, preciso e quero saber!
Rosa Maria, abraçada à amiga, perguntou:
- Quer que eu conte Maria Luísa?
Maria Luísa enxugou as lágrimas, olhou para as duas e respondeu:
- Não, eu tenho que falar Rosa Maria.
Mamãe, a senhora sempre nos ensinou que a única diferença que havia entre nós e os pobres era o dinheiro, não foi?
- Foi. Mas que importância tem isso agora?
- Precisará provar agora que isso é verdade, que para a senhora só importa a pessoa, independente de condição financeira ou social.
- Está bem, mas, por favor, fale logo.
O que está acontecendo?
- Mamãe, escute com atenção.
Procure ficar calma.
Estou esperando um filho já há quase três meses.
- Meu Deus! Um filho?
Como? De quem? -dona Matilde perguntou desesperada.
- De um homem que amo com todas as forças de meu coração.
Um escravo da fazenda.
Dona Matilde arregalou os olhos e disse quase gritando:
- Meu Deus! Você está brincando!
Não pode estar falando a verdade, Maria Luísa!
- Não estou brincando, mamãe. É a verdade.
Quando surgiu a oportunidade de virmos para Portugal, acreditei que fora Deus quem abrira uma porta.
Meu filho nascerá e será muito amado e feliz.
- Você sabe o que está me dizendo?
Seu pai a matará e ao escravo também.
- Já temi muito isso.
Agora não mais.
Meu filho nascerá em Portugal.
Papai não precisará saber.
Preciso de sua ajuda, mamãe...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 06, 2017 7:25 pm

- Não sei minha filha.
Sabe que devo obediência a seu pai.
Não posso esconder uma coisa dessas.
Se ele vier a descobrir?
- Mais importante que ser uma esposa, a senhora é mãe.
Precisa ajudar. Ele não precisa saber...
- Não sei. Estou nervosa, sem saber o que fazer.
Depois que nascer o que fará com ele?
Levará de volta ao Brasil?
- Não. Isabel acabou de perder um filho e não poderá ter outro.
Pedirei a ela e a José que fiquem com o meu até que possa voltar para buscá-lo.
- E se não aceitarem?
- Pensarei em outra coisa.
O importante é que essa criança nasça.
Preciso de sua ajuda, mamãe.
Ficará a meu lado?
Rosa Maria já está sacrificando seu casamento e sua felicidade.
- Então você sabia Rosa Maria?
- Sim, faz algum tempo.
- Por que não me contou?
- Não podia, era um segredo de Maria Luísa.
Eu prometi.
- Rodolfo sabe disso?
- Não. Não contei a ele.
Só quem pode contar é Maria Luísa.
Eu apenas sabia.
- Isso tudo é uma loucura!
Mas como aconteceu?
Maria Luísa contou tudo à mãe, desde o momento em que viu Tobias no Rio de Janeiro.
Dona Matilde ouviu tudo com atenção e com lágrimas.
Quando Maria Luísa terminou, ela a abraçou, dizendo:
- Minha filha, se seu pai descobrir uma coisa dessas, não quero nem imaginar o que poderá acontecer!
A única coisa que posso fazer, no momento, é ficar ao seu lado e rezar para que seu pai nunca descubra isso...
- Obrigada, mamãe, sabia que poderia contar com sua ajuda.
A viagem transcorreu cansativa e demorada.
Apesar disso, agora, Maria Luísa já brincava e conversava como antes.
Quando chegaram a Lisboa, um empregado do senhor Cristóvão esperava-os com uma bela carruagem que os levaria até o povoado.
Ao chegarem a casa, parecia que tudo estava em ordem.
Entraram.
Joana ouviu um barulho, pensou que fosse Juvenal.
- Juvenal, trouxe o mantimento que pedi?
- Espero que tenha encomendado muita coisa, pois o jantar terá que ser de gala.
- Senhorita Maria Luísa!
Dona Matilde! Rosa Maria!
Quanta felicidade em vê-las!
Por que não avisaram que iam chegar?
Teria feito um jantar de gala mesmo.
Abraçaram-se.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: QUANDO O PASSADO NÃO PASSA / Elisa Masselli

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 4 de 12 Anterior  1, 2, 3, 4, 5 ... 10, 11, 12  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum