Construindo um caminho - Schellida / Eliana Machado Coelho

Página 14 de 14 Anterior  1 ... 8 ... 12, 13, 14

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Construindo um caminho - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 23, 2017 11:26 am

- Está óptima. Linda como sempre!
- Quando trabalhou lá na loja, ela me pareceu uma pessoa bem esperta.
Gostei muito dela.
- E é muito esperta!
Deu muito apoio ao Wagner.
Assim que a Cristiane nasceu, a Dri morou com a gente lá em Peruíbe nos primeiros meses - Hilda contou.
- Eu lembro. Você me falou.
- Depois, quando a Cristiane fez cinco meses, ela veio para São Paulo, arrumou um emprego muito bom e colocou a menina em uma escolinha.
Ela se virou sozinha!
E cuidou da menina sozinha também por cerca de três meses!
Tinha de ver. Adriana se mostrou forte.
Tomou as rédeas da situação e passou a resolver tudo sozinha.
O Wagner ficou contrariado.
Arrumou as coisas dele e veio pra cá do jeito que estava.
Acho que ele deu mais trabalho para a esposa do que a filha - riu gostoso.
- Ele é teimoso!
- É sim. Continuou com os tratamentos até tirar aqueles fixadores externos horríveis...
Ui! Aquilo me dava calafrios.
Eram arames e parafusos furando a carne e aparafusados no osso.
Que horror! - fez uma expressão de agonia.
Para cuidar dele era tão difícil.
Coitado. Eu tinha tanta dó.
Sempre achava que o estava machucando.
- A Adriana é bem dinâmica.
- Ela o levou para frequentar a casa espírita.
Fizeram e fazem cursos.
Tem que ver! A Adriana faz palestras óptimas!
Ela amadureceu tanto!
- Estou muito feliz por ela.
É óptimo ver alguém progredir - disse Lídia.
Ela me contou sobre o equívoco que cometeu...
Sua história foi tão triste.
Ainda bem que superou.
Precisou de muita coragem para assumir e corrigir seus erros.
- Não importa o que fazemos, para Deus, o maior valor está em como harmonizamos e resgatamos nossos equívocos.
- Concordo com você.
Breve pausa e perguntou:
- E o ex--marido dela?
- Sumiu. Nunca mais deu notícias.
Contaram pra mãe dela que o Nicolas foi para Pernambuco.
Ele tinha sido mandado embora por justa causa.
Não sabem o que ele aprontou.
Depois viajou e sumiu.
- Hilda, e o Agenor? - tornou curiosa.
A amiga ergueu as sobrancelhas e respirou fundo ao fechar o sorriso e envergar a boca.
Depois que relaxou o semblante, contou:
- Vendemos a casa e dividimos tudo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Construindo um caminho - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 23, 2017 11:26 am

Você sabe.
Eu fui administrar a casa do Hernâni, cuidar do Wagner e tocar minha vida.
- Sim! Sei!
Riu de um jeito engraçado e brincou:
- E acabou casando com o homem que te contratou!
- Mas isso não estava nos meus planos! - riu junto.
Eu não queria saber de homem na minha vida!
- Sei!... - riu gostoso.
- Verdade. Mas, se não acredita... - balançou os ombros em sinal de tanto faz.
- Vai, Hilda, conta! - interessou-se Lídia ainda achando graça.
- Então... Fui pra lá.
Minhas coisas ficaram na edícula.
Eu tinha um quarto na casa e...
- Tinha. Hoje não tem mais, pobrezinha!
Ficou sem quarto! - a amiga brincava e ria.
E, por causa disso, tá dormindo no quarto do patrão!
- Pare com isso! - riu e brincou também, dando-lhe um tapa leve no braço.
Mais séria, Hilda continuou:
- Eu e o Hernâni começamos a namorar.
Logo ele quis assumir o romance e avisar os filhos.
Então nos casamos. Para nossos filhos não houve surpresa.
Só o Rogério ficou meio assim... - fez um jeito engraçado, meneando a cabeça.
Mas, depois, ele se acostumou com a ideia.
Poucos meses se passaram e a Celine morreu, coitada - fechou o sorriso.
- Aquela menina era terrível, Hilda.
Pelo amor de Deus - foi sincera.
- Não diga isso...
Senti muito a morte dela - falou séria.
Foi bem triste.
Sofri muito. O Hernâni...
Coitado. Não merecia isso.
Foi difícil para nós dois.
Ele só começou a melhorar depois que a Cristiane nasceu e a Adriana foi morar lá uns meses.
- Ah... Desculpe-me por falar assim - lamentou.
No instante seguinte, quis saber:
- Mas me conta!
E o Agenor? - insistiu a amiga.
- Ah é! Tinha até me esquecido - riu de si mesma.
Você está me deixando doida! - gargalhou.
- Não. É sua idade!
É o Alzheimer - gargalhou junto.
- Pára com isso!
Hilda se recompôs do riso e prosseguiu.
- Então... Dividi tudo com o Agenor.
Ele já tinha torrado ou sumido com o dinheiro da venda da casa da praia.
- Eu lembro.
- Daí que, depois que pegou a parte da casa, o Agenor desapareceu.
Não deu notícias nem para os filhos.
Então, ano passado ele procurou o Rogério e a Fátima.
Eles me contaram que o pai estava um bagaço! - enfatizou, falando baixinho.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Construindo um caminho - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 23, 2017 11:26 am

Velho, magro, feio, mal arrumado, problemas visíveis nos dentes...
Minha filha não se conformou.
- E o que ele queria?
- Disse que precisava falar comigo! - exclamou sussurrando.
- E você?! - Lídia perguntou curiosa, no mesmo tom.
- Relutei.
Conversei com o Hernâni e ele achou por bem eu ir falar com o Agenor, mas...
Com ele junto.
- Sério?!
- Seríssimo! E fomos.
Marcamos na casa da Fátima. Chegamos.
O Hernâni ficou na cozinha e eu fui pra a sala conversar com o Agenor, que não sabia que meu marido estava na cozinha.
Aliás, nem sabia que eu tinha me casado de novo.
- Nossa! E daí?
- O Agenor estava pior do que eu imaginava.
Horroroso! - enfatizou.
Então ele falou, falou, falou...
Disse que havia se enganado.
Estava arrependido por tudo o que havia feito.
Que somente agora se deu conta de todos os erros que cometeu.
As mulheres que arrumou só tiraram todo o dinheiro dele.
Hilda deu um suspiro e disse:
- Enfim!... O Agenor está na miséria.
Vivendo, num quartinho, no fundo de quintal e ainda tem que dividir com outros inquilinos o banheiro, que é comunitário.
Paga o aluguel com a mísera aposentadoria e mal sobra para comer. Coitado...
- Coitado nada!
Lembre-se do que ele fez com você! - protestou a amiga.
- Juro que fiquei com dó dele.
Breve pausa em que pareceu se lembrar da cena e continuou:
- Então perguntei o que ele queria.
Para meu espanto, o Agenor disse que queria voltar comigo.
- Hein?!!!
- Isso mesmo que você ouviu.
- E você?!!! - exclamou Lídia.
- Disse que minha vida era outra.
Que estava casada com um homem muito bom para mim.
Respeitoso e fiel. Ai, menina... - fez tom de lamento.
Eu disse mais coisa e acabei com ele...
- Por quê?! O que você disse?!
- Que meu marido não se importava com a minha idade nem se eu havia perdido a juventude.
Sabia valorizar quem eu era e reconhecia minhas qualidades.
Ai, Lídia... Falei tanto...
Tudo o que tinha ficado engasgado na minha garganta desde aquele dia que ele foi embora de casa.
- Bem-feito! coisa boa! E ele?
- Coitado. Ficou uma fera.
Disse que ia mover uma acção na justiça para eu pagar pensão a ele.
- Não acredito!!! Que absurdo! Canalha!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Construindo um caminho - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 23, 2017 11:26 am

Somente um homem cafajeste é capaz de pedir pensão para a ex-mulher.
Nojento! E você?
- Coitado. Eu disse que sou tão aposentada quanto ele.
O Hernâni é quem me sustenta. Não tenho bens.
Que ele, em vez disso, se movimentasse em procurar um trabalho para ter o mínimo de dignidade na vida.
Homem que requer pensão de ex-esposa não tem carácter, valor ou dignidade.
Se ele estava naquela situação, foi por imprudência.
Foi por ter ido atrás de bonitinhas, jovenzinhas, lindinhas e de corpinho bonito.
Deveria ter pensado antes.
Um instante e comentou:
- Deveria ter visto a cara dele.
Depois, levantei, pedi licença e fui embora com o Hernâni.
- O Agenor viu seu marido?
- Viu. Fui até a cozinha, chamei o Hernâni e passei pela sala para ir embora.
Antes, cumprimentamos a Fátima.
E ele assistindo a tudo.
- Nossa! O Hernâni, com aquele jeitão bonito... Todo bem arrumado!...
- Eu ouvi isso! - brincou fazendo de conta estar enciumada.
- É verdade! - brincou a amiga.
- Sabe Lídia, fiquei com dó dele, mas estou consciente de que o Agenor colheu o que plantou.
- E o Hernâni? O que ele disse?
Hilda gargalhou gostoso e contou:
- Depois ele me disse que ficou com uma pontinha de medo.
Achou que eu poderia querer cuidar dele.
- Não te deu essa vontade?
- Não! De jeito nenhum!
O Agenor fez sua escolha.
Eu dei oportunidade, mas...
Você sabe. Acompanhou tudo.
Ele acabou com a nossa vida, com a nossa família, acabou comigo.
Demorei para me recuperar da traição que sofri.
Mesmo após ter casado com o Hernâni, tudo aquilo doía.
O Agenor escolheu o próprio caminho e se encontra onde suas atitudes o levaram.
Não posso e não vou estragar minha vida por causa dele.
Mesmo que o Hernâni não estivesse comigo, não aceitaria meu ex de volta.
Perdoei. Dei chance, mas ele não aproveitou.
- Você está certa.
No seu caso, não tem como ser diferente.
Tudo tem limite.
- Agora eu e o Hernâni estamos planeando uma viagem pela Europa.
Tipo... Ficar uns três meses fora.
Voltar... Viajar de novo...
- Maravilha! Vocês vão amar!
Eu e o Márcio fizemos isso ano passado.
Aproveite mesmo. Vocês merecem.
Continuaram conversando.
No apartamento do irmão, Adriana conversava com a cunhada, sentada no sofá ao seu lado.
- Vocês deveriam arrumar logo um nené!
- Não. Agora não! Ficou louca?! - leda riu.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Construindo um caminho - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Jul 23, 2017 11:26 am

Nossa ideia é juntar uma boa grana e comprar uma casa.
Esse apartamento é pequeno demais para criar filhos.
Não estou acostumada. Prefiro casa.
- Isso é verdade - concordou.
- Nós estivemos olhando dois sobrados recentemente construídos.
Grandes e ensolarados.
O Daniel disse que ia falar com o Wagner.
Acho que estão demorando porque devem ter passado lá.
Seria interessante vocês comprarem um e nós o outro.
- Nossa! Já pensou?! - Adriana sorriu.
Vizinhas?!
- No quintal dos fundos, até dá para abrirmos um portão no muro para passarmos uma para a casa da outra sem termos de sair na rua.
O rosto da cunhada se iluminou.
Gostou da ideia.
- É muito caro?
- Se venderem o apartamento que vocês têm, talvez não precisem de muito - leda sugeriu.
- Temos uma economia.
Talvez nem precisemos financiar.
- Foi o que eu e o Daniel fizemos.
Uma economia e tanto.
Se fecharmos negócio com o sobrado, acho que não teremos dívidas.
Lógico que precisaremos mobiliar.
Depois dá até para pensar em um nené - riu.
Depois! - ressaltou alegre.
- E a Núbia? Teve notícias dela?
- Está doente, você sabe.
Contraiu HIV.
Vou até lá, levo uma cesta básica e, quando posso, deixo algumas roupas.
Ela reclama. Acha que sou ingrata.
Não dou dinheiro. Quando ela tem alguma receita médica, compro os remédios e deixo lá.
Minha irmã não tem jeito.
Não consegui mudá-la, enquanto morávamos juntas.
Ela é resistente. Gente assim sofre para aprender.
É uma pena.
- Algumas pessoas conseguem se erguer. Veja meu pai.
- Nossa! É mesmo!
Outro dia eu cheguei lá e eles estavam arrumados para irem ao cinema! - leda sorriu e se jogou para cima da outra.
Tinha de ver que bonitinhos!
Você já os viu, lá no centro, como é.
Um ao lado do outro...
Prestam uma atenção!...
- Ele mudou muito.
Minha mãe também - comentou, sorrindo satisfeita.
- O que eu não esperava era o senhor Jaime voltar a estudar.
Nem acreditei!
- E minha mãe ensinando! Viu só? - Adriana perguntou alegre.
- Vi! Vi sim - achou graça.
- Pois é, menina. Eles estão tão bem.
Graças a Deus.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Construindo um caminho - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 24, 2017 8:32 am

- Sabia que seu pai tem o maior orgulho de você por fazer palestras?
- Sério?!
- E como! Ele me disse.
- Não imaginava que iria conseguir.
Lembro que eu estava em casa dando banho na Cristiane e a dirigente do centro ligou e disse que estava desesperada, pois o palestrante avisou que iria faltar.
Perguntei por que ela não fazia a palestra no lugar dele.
Ela deu uma desculpa que nem me lembro mais. Fiquei nervosa.
Aí lembrei de uma matéria que tinha estudado no curso e resolvi falar sobre aquilo.
Quando cheguei lá na frente, estava tremendo...
Depois fiquei tão à vontade.
Hoje já estou um pouco mais acostumada, mesmo assim...
Sabe, tem assuntos que falo e me incomodam.
Dói em mim por causa do tema.
- O tema aborto, ainda te incomoda?
- Muito. Parece que não vou me curar dessa ferida nunca.
Embora esteja mais leve.
Aprendi da pior maneira possível.
Hoje, pelo menos, não choro mais.
Ergo a cabeça e coloco um sorriso no rosto como se tudo estivesse perfeito e vou cumprir minha tarefa.
Fazer exposições me ajudam muito.
Sinto que estou esclarecendo outras pessoas a reflectirem mais.
- Me perdoa?... - riu gostoso e se jogou novamente para o lado da cunhada.
- Por quê?
- Fui eu!... - leda se espremeu no canto do sofá, fingindo estar com medo.
- Como?
- Fui eu que disse para a dirigente do centro te chamar para fazer a palestra aquele dia.
Eu sabia que você estava pronta.
Vivia e vive estudando.
Tinha chegado a hora de colocar para fora tudo o que entrou nessa cabeça.
Adriana deu alguns tapas leves em leda, que se encolheu, e riram.
- Lembro os olhinhos do meu pai quando ficou me olhando lá na frente... - emocionou-se.
É tão gratificante ter uma família unida.
- Eu sei. Sei o que é ter uma família dilacerada... - disse leda em tom triste.
Por isso valorizo muito minha nova vida ao lado do Daniel, de seus pais, ao seu lado...
- Você sempre fez parte da nossa família.
- Mas agora é diferente.
Mudando de assunto, lembrou:
- E os convites de outras casas espíritas, para que faça palestra, estão chegando?!
- Ai, leda! Nem me fala! Tenho que limitar.
Só uma palestra por semana.
A Cristiane ainda é pequena.
Tem dia que chego tarde do serviço.
- Você sabe se expor tão bem, Adriana!
Envolve tanto as pessoas quando fala!...
- Eu só falo da mesma forma que gostaria que falassem comigo. Nada mais.
Falo querendo que meu filho escute e me perdoe.
Acho que, se eu tiver o perdão dele, será mais fácil me perdoar.
Naquele instante, na espiritualidade, Dione, mentora de Adriana, Ifigénia, Maria que foi avó de Wagner, junto com outros espíritos, estavam reunidos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Construindo um caminho - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 24, 2017 8:33 am

Haviam trazido lago, espírito abortado por Adriana, para vê-la novamente.
Eles acompanhavam bem de perto todo o trabalho que ela realizava.
- Veja sua mãe - disse Dione.
Como está evoluindo e se harmonizando.
Com sua tarefa, na casa espírita, ela alivia corações, leva esperança, orientação, compreensão...
Ensina perdão e amor.
- Inúmeras vezes ela foi te visitar - lembrou Ifigénia.
Falou o quanto estava arrependida.
Mas não ficou só nas palavras.
Está activamente divulgando a valorização da vida e, amorosamente, orientando sobre o problema do aborto.
Usa o próprio sofrimento para exemplificar e ensinar, mesmo nunca mencionando o que fez.
Muitos encarnados estão se melhorando graças a ela.
- E nós te trouxemos aqui, mais uma vez, para que a observe - tornou Dione.
- O aborto é um sofrimento muito grande - lago comentou.
A dor, o desespero, a angústia...
É muito sofrimento. Muito trauma...
- Jesus sofreu muito mais, meu filho - disse Maria, sempre de um jeito animado.
E perdoou todo o mundo!
Deixe de ser tonto!
- Mamãe! - moderada, Ifigénia falou como se a repreendesse.
- É isso mesmo!
Foram as orações, as preces, as vibrações de Adriana que ajudaram você a se recompor e a se recuperar.
Oração é vida! É amor!
Você está assim graças a ela.
Adriana errou? Lógico que errou.
Mas seu desespero e sua ignorância na época contam.
Assim que entendeu o que tinha feito procurou de tudo, de todos os meios e informações, para se redimir.
Você teve sorte.
Outros espíritos que passaram o mesmo não receberam de suas mãezinhas o bálsamo de amor que você recebeu.
- Ainda sinto certa tristeza, certa mágoa.
O que faço para tirar esse sentimento do meu coração?
- Vai lá e dá um abraço nela! - orientou o espírito Maria.
Ao vê-lo pensativo, insistiu:
- Vai logo! - e o empurrou.
lago, com aparência de um belo rapaz, aproximou-se de Adriana e a abraçou.
Dione, que estava bem perto, junto com outros amigos, dispensaram bênçãos sublimes que os envolveram.
Abraçado à Adriana, lago começou a chorar.
Ela, sem perceber, ficou quieta. Calou-se.
Perdeu o olhar em um canto da sala e a amiga percebeu.
- O que foi? - leda perguntou ao vê-la tão introspectiva.
- Não sei... - murmurou, tentou sorrir e começou a chorar.
- Hei!... - sussurrou a amiga, afagando seu braço.
Não fique assim.
Abaixando a cabeça, Adriana chorou e lago chorou junto.
As lágrimas são palavras que o coração não consegue dizer.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Construindo um caminho - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 24, 2017 8:33 am

- Às vezes, assistimos a palestrantes, médiuns, tarefeiros e expositores, lá na casa espírita, e não imaginamos o tamanho nem o peso das dificuldades que carregam.
Estão, ali, representando seus trabalhos em nome de Jesus.
É divino!
Isso é evolução! - comentou Maria, emocionada com a cena.
- Muitas pessoas são valorosas assim.
Carregam o peso triste de seus problemas e dificuldades em silêncio e sorriem para o mundo porque não querem magoar ou ferir por saber como é triste sentir dor - comentou Ifigénia, abraçando-se a ela.
Após alguns instantes, lago disse, como se pudesse ser ouvido por Adriana:
- Desculpe-me por não ter compreendido...
Por ter me magoado.
Só agora eu soube entender.
Perdoe-me por não ter querido te ver no começo...
Adriana começou a chorar compulsivamente e leda a abraçou, ficando em silêncio.
- Mãe... - lago tentou dizer, mas a emoção não o deixou prosseguir.
- Se meu filho me perdoasse, talvez, eu vivesse melhor.
Mas... Como saber? - Adriana murmurou no abraço.
- Você vai sentir o perdão dele.
De alguma forma, vai sentir esse perdão, minha amiga.
Eu acredito nisso.
Algo vai acontecer e vai saber que foi perdoada.
A ferida vai se curar e não vai restar qualquer cicatriz dessa dor - consolou leda.
lago se afastou e abraçou Dione por um momento até se recompor da forte emoção.
Adriana se acalmou e se afastou da amiga.
Respirou fundo e secou o rosto com a mão.
Ao encarar leda, contou:
- Se meu filho me perdoar, vou ficar grávida.
Foi o que eu disse para mim mesma.
- Não está tomando nada nem evitando a gravidez?
- Não. Desde que casamos.
Falamos sobre isso e, até agora, nada.
Fui ao médico e ele disse que está tudo normal comigo.
Cada dia que me lembro disso, tenho certeza de que ele não me perdoou.
- Tem mulheres que cometeram o mesmo equívoco que você e, por não poderem ter mais filhos, partem para o caminho da adoçam - comentou leda.
- Já pensei nisso, mas resolvi esperar um pouco mais.
- Você não tem que pensar no perdão dele para se perdoar.
Está fazendo tudo certo agora.
Está construindo um caminho harmonioso, reparando os erros ao ajudar outras pessoas com as palavras que leva até elas.
- Se você estivesse no meu lugar, se tivesse feito um aborto, para se redimir, o que faria?
leda pensou por um momento e respondeu:
- Certamente, não seria palestrante porque não tenho o menor dom para falar.
Talvez...
Eu trabalhasse como voluntária em uma instituição que cuida de crianças ou adoptasse uma.
Existem várias maneiras de se harmonizar.
Mas não pode ficar preocupada com o perdão de seu filho.
Ele é quem precisa evoluir e entender que qualquer um está sujeito a errar.
Só os nobres começam a corrigir seus erros construindo novos caminhos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Construindo um caminho - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 24, 2017 8:33 am

Faça o que você precisa fazer para se sentir bem com a própria consciência e deixe o resto acontecer.
Naquele momento, Daniel e Wagner, com a filha Cristiane no colo, chegaram.
O assunto foi interrompido quando leda se levantou.
- Vai com a mamãe! - disse ao colocar a menininha no chão.
- Mamãaaaaaae... - falou com a voz doce e deu um gritinho, uma corridinha e se jogou nos braços de Adriana.
A garotinha tinha cabelos aloirados e lindamente cacheados, que balançavam graciosamente.
- Seu pai chegou!
Não vai lá dar um abraço nele? - o espírito Maria perguntou para lago.
O espírito lago esperou que Wagner se acomodasse ao lado de Adriana.
Foi até ele e o abraçou.
Ele, que estava com o braço sobre os ombros da esposa, sentiu-se emocionado sem saber o motivo.
Percebendo que ela havia chorado, perguntou baixinho:
- O que foi?
- Nada - sorriu com delicadeza e falou num sussurro:
- Depois conversamos.
Ele a beijou na cabeça e abraçou-a junto com a filha.
Apertou-as por longos segundos, fazendo a garotinha rir com os chacoalhões que dava.
lago os envolveu e, novamente, emocionou-se.
Inspirada, leda puxou Daniel para a cozinha e pediu ao chegar lá:
- Me ajuda a levar algumas coisas lá pra sala.
Pegue aqueles copos...
- Comprei aquele pão doce que você gosta!
- Huuummmm... Você é um amor! - beijou-o com carinho e o marido correspondeu.
Na sala, afastando-se de Wagner e Adriana, lago olhou para a pequena Cristiane, que se distraia com um bichinho de pelúcia, e disse:
- Era para eu ser seu gémeo.
Sabia? - sorriu.
Acho que iríamos nos dar muito bem.
- Ainda pode se dar muito bem com ela!
Por que não? - indagou Maria, com jeito travesso.
- O que a senhora quer dizer? - ele perguntou.
- Que você será muito amado lago, se aceitar reencarnar junto deles - respondeu Dione na vez da outra.
- Não sei... - sorriu.
Sinto uma ansiedade crescendo em mim, quando penso nisso - ele sorriu.
- Isso é medo! - exclamou Maria.
- Mamãe!... - repreendeu Ifigénia.
- É mesmo! Isso é puro medo.
Quando ele ia reencarnar, só aceitou porque a Cristiane ia junto.
Se não... O medo o tinha derrotado - riu.
Novamente, com jeito travesso, insinuou:
- Mas...
- O quê? - desconfiada, Ifigénia quis saber e lago ficou interessado.
- Se ele tiver companhia novamente... - tornou Maria.
- O que a senhora está querendo dizer com isso, mamãe?
- Estou animadíssima para voltar! - confessou com jeitinho engraçado e sorrindo.
- Mamãe?!...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Construindo um caminho - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jul 24, 2017 8:33 am

O jeito das duas era hilário.
Dione riu e lago também.
- Voltaria comigo? - ele perguntou ao espírito Maria.
- Claro! Adoro meu neto e a Adriana também.
Não vejo por que estamos esperando tanto!
Assim que se mudaram para os sobrados, que acabaram comprando, Daniel e Wagner quebraram o muro que os separavam e colocaram um portão para facilitar a passagem de uma casa para outra.
O pedreiro havia terminado a obra e eles faziam a limpeza dos quintais.
Eram muito amigos e se davam bem.
Alguns meses depois, estavam felizes com a gravidez de leda e não paravam de falar nisso.
Adriana sentiu, também, a necessidade de procurar um médico.
- Gémeos?!!! - assustou-se.
- Sim, dona Adriana.
Estou vendo aqui que são gémeos.
Veja. São dois corações pulsando - disse o médico sorridente, que conhecia sua história.
Wagner, ao seu lado, beijou-a e, abraçando-a com carinho, sussurrou:
- Você conseguiu!...
- Nós conseguimos.
- Eu te amo!
- Eu também.

Fim

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Construindo um caminho - Schellida / Eliana Machado Coelho

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 14 de 14 Anterior  1 ... 8 ... 12, 13, 14

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum