NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Página 1 de 3 1, 2, 3  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 25, 2017 8:26 am

LIVRO NA ERA DOS ESPÍRITOS
Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Espíritos Diversos

ANTE A ERA DO ESPÍRITO

Senhor Jesus!
Ante a Era do Espírito, clareia-nos a razão, a fim de compreendermos a tua palavra em dimensões mais altas.
Agora que os homens erguem o facho da indagação, além dos conhecimentos habituais, concede-nos os meios precisos para caminhar com eles ao encontro da verdade em luz de amor que lhes honorificará o futuro, segundo os teus destinos.
A inteligência terrestre fixa hoje elevada perspectivas na conquista da Consciência Cósmica.
A cultura científica abre novas áreas de trabalho e perquirição.
A Psiquiatria, a Psicologia e a Análise examinam a vida extra-somática.
A Física Nuclear apresenta recursos destinados à elucidação de muitas das ocorrências paranormais.
A Fotografia requinta processos de observação e consegue deter imagens do corpo espiritual.
O Motor encurta distâncias.
A Electrónica altera a experiência comunitária e aperfeiçoa o relacionamento entre os povos.
A Astronáutica cria engenhos que controlam a gravidade e partem na direcção de outros mundos.
Quando a era tecnológica exige consequentemente a Civilização do Espírito, ampara-nos o diálogo com os homens - nossos irmãos encarnados - de modo a nós todos - eles e nós - venhamos a responder construtivamente aos desafios dos tempos novos, sem que a pedra do exclusivismo, seja na Religião ou na Ciência, nos obstruam as sendas iluminadas à frente do progresso.
Livra-nos: da ignorância; do orgulho; do ilogismo; da divisão; do fanatismo; da vaidade; da intolerância; do ódio; do farisaísmo; da prepotência e consente, Senhor, que possamos humanizar-te as lições na Doutrina Espírita, a fim de que a imortalidade seja reconhecida na Terra, estabelecendo o teu reino de paz e amor nos homens, com os homens, pelos homens e para os homens, agora, hoje e sempre.
Assim seja.

Emmanuel

Uberaba, 21 de julho de 1973


Última edição por Ave sem Ninho em Qui Jul 27, 2017 8:33 am, editado 1 vez(es)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 25, 2017 8:27 am

HORIZONTES ESPIRITUAIS
Céu e Terra se encontram no horizonte.
Durante milénios os homens acreditaram na realidade desse contacto.
Na, Era Científica essa realidade transformou-se em simples ilusão de óptica.
Mas a partir da Era Psicológica, aberta com as pesquisas espíritas de Allan Kardec, tornou-se evidente para muitas criaturas a existência real de uma linha divisória entre o finito e infinito.
O horizonte seria, assim, um dos muitos signos naturais que Deus semeou na Terra para alertar os homens quanto à Realidade Maior que os nossos sentidos físicos não percebem.
Na Era do Espírito, que agora se inicia, com o desenvolvimento do Espiritismo arrastando a Psicologia além de si mesma, os horizontes espirituais se abrem em todas as direcções, desde o finito do átomo até o infinito das galáxias.
O mistério dos vírus desafia a pesquisa biológica, traçando o horizonte da vida entre a matéria orgânica e a inorgânica; a descoberta da antimatéria revela a fímbria invisível no seio do próprio átomo; a investigação psicossomática acentua as linhas de contacto entre espírito e corpo; a eclosão mediúnica torna palpável a linha vibratória entre duas humanidades, a visível e a invisível; a descoberta do corpo bioplástico está liquidando as últimas esperanças do materialismo soviético; as conquistas da Astronáutica deram-nos a imagem viva da Terra azul engastada no Infinito; e a vitória da Parapsicologia referendou, no ver edito das estatísticas, através do método quantitativo de pesquisas, as perspectivas abertas pelo Espiritismo em meados do século passado.
Diante dos múltiplos horizontes espirituais da actualidade, que os dedos de todos os tomés podem tocar na realidade positiva das Ciências, este novo livro mediúnico de Francisco Cândido Xavier aparece como a continuidade natural de um trabalho paciente.
Desde a publicação de O Livro dos Espíritos, em 1857, a bibliografia espírita vem se desenvolvendo na Terra com a naturalidade dos trigais.
Muito joio foi semeado na seara, mas o bom trigo continuou a germinar por todo o mundo.
Ervas e aves malignas tentaram destruí-la, pragas numerosas a atacaram, mas os bons lavradores continuaram a semear e a cultivar o bom trigo.
Chico Xavier tem sido um dos mais persistentes e este livro é mais uma prova disso.
De Pedro Leopoldo a Uberaba a sua rota é marcada por mais de cento e vinte obras psicografadas que atingiram um total de mais de três milhões de exemplares em nosso país, além das várias traduções na Europa e na América do Norte.
Mais de quinhentos autores espirituais assinam esses textos, muitos deles sendo figuras exponenciais das nossas letras.
Esses autores se identificam de maneira evidente pelo estilo e a temática, e em vários casos a identificação pôde ser comprovada também pela caligrafia e pela assinatura, além de particulares motivos de identificação em suas formas de apresentação ao médium, de episódios desconhecidos de suas vidas revelados em conversações mediúnicas com ele.
Neste volume há diversos casos dessa natureza que procuramos acentuar em nossos comentários.
Com mais de sessenta anos de idade e mais de quarenta anos de actividade psicográfica intensiva, contando-se por milhares as mensagens particulares que não figuram em livros, Chico Xavier vem cumprindo a sua missão com inexcedível paciência evangélica.
Os tempos mudaram nestes últimos vinte e cinco anos, e Chico Xavier é hoje uma personalidade mediúnica reconhecida e admirada no Brasil e no Mundo, consagrada por homenagens oficiais que lhe vêm sendo prestadas por casas legislativas de todo o país.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 25, 2017 8:27 am

Mas antes disso o seu trabalho se desenvolveu sob apupos e calúnias, ameaças e perseguições.
Num período e noutro o seu ânimo não se modificou, a sua paciência não se alterou, a sua firmeza não revelou jamais o menor abalo, a sua linha de conduta espírita não se quebrou.
Naturalidade no cumprimento dos deveres mediúnicos, paciência cristã na aceitação do martírio e da glória.
E tudo isso sob o signo do desinteresse, da abnegação perfeita, doando sistematicamente os direitos autorais de toda a sua obra a instituições espíritas beneficentes, sem delas auferir o menor proveito.
Chico Xavier é também, como homem, como vivência, como exemplo, um dos horizontes espirituais que marcam a Era do Espírito.
É o protótipo do homem novo, é o inter-exstente, como réplica viva ao conceito do existente criado pelas Filosofias da Existência, ou seja, pelo Existencialismo.
Existindo simultaneamente em dois mundos ele traga com a sua vida a linha divisória entre as fases anteriores da evolução humana e a Era do Espírito.
A nova humanidade terrena começa com Chico Xavier em terras brasileiras, confirmando a assertiva de que o Brasil é o coração do novo mundo que alvorece no planeta, a nova pátria do Evangelho em espírito e verdade.
Este volume, como o anterior – Chico Xavier Pede Licença – é formado com o material da secção dominical do médium publicada pelo Diário de São Paulo.
Como editor dessa secção conseguimos estruturá-la melhor durante o período correspondente ao material aqui reunido, que vai de 28 de maio de 1972 a 24 de dezembro de 1972.
Graças a isso o texto se apresenta- melhor organizado.
Cada mensagem psicográfica é antecedida pelas explicações do médium sobre a reunião em que ela foi obtida e os motivos que a determinaram.
Segue-se o nosso comentário, assinado com o pseudónimo de Irmão Saulo que há mais de vinte anos usamos para a crónica espírita do conhecido matutino paulistano.
Dessa maneira os leitores podem acompanhar, página a página, o processo de recepção das mensagens, segundo a sistemática seguida pelo médium.
E as mensagens adquirem uma nova dimensão, pois vemo-las insertadas no tempo, na espaço e na vivência humana das sessões em que foram recebidas.
Elas não aparecem de maneira gratuita, como ditadas pelos Espíritos numa elaboração mental abstracta, mas integradas no momento humano que as provocou.
Os casos particulares a que se referem são geralmente dolorosos e não raro temos a revelação de processos reencarnatórios que ilustram ao vivo e de maneira dramática os princípios fundamentais do Espiritismo.
A tríplice relação das mensagens com o ambiente da reunião, os casos objectivos a que se referem e os trechos citados dos livros básicos da doutrina, constitui elemento fecundo de observação e estudo para os leitores atentos.
Outros volumes ainda sairão certamente nesta série enriquecendo a nossa bibliografia doutrinária.
É a primeira vez que temos esta oportunidade de mostrar o relacionamento vivencial da psicografia com as dores, as angústias e as perplexidades da criatura humana, provando de maneira concreta a participação activa dos Espíritos na vida efémera dos encarnados.
Estes dois volumes:
Chico Xavier Pede Licença e Na Era do Espírito abrem uma nova dimensão dos estudos doutrinários em nossa terra, dando continuidade ao processo iniciado por Kardec na França para a investigação inter-ezistencial da natureza humana, do sentido e da significação da vida humana.
A importância desse fato para a Era do Espírito é indisfarçável.
E podemos dizê-la sem nenhuma pretensão, pois os nossos comentários, como Emmanuel já revelou no prefácio do primeiro destes volumes, não são apenas nossos, porque são inspirados.
Que Deus nos ajude para que a inspiração não nos falte na continuação do trabalho.

J. HERCULANO PIRES
São Paulo, 21 junho de 1973
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 25, 2017 8:27 am

1 - ESTRANHO PONTO DE VISTA
Chico Xavier
Chico Xavier nos escreve contando como recebeu a mensagem “Luz para todos”:
“Alguns amigos vindos de cidade distante, em consultas e comentários, antes dos encargos em pauta na sessão pública, haviam mostrado estranho ponto de vista.
Disseram-me que são contra a apresentação da Doutrina Espírita em programas de televisão e julgam que os doutrinadores e médiuns devem permanecer segregados nos templos espíritas para exemplificarem humildade cristã.
Acreditam que os espíritas precisam fugir de contactos com a vida comum, se quiserem ser modestos e eficientes.
Ouvi sem concordar com eles, porque os Benfeitores da Vida Maior ensinaram-me que o Espiritismo é uma bênção de Deus para todas as criaturas sem excisão e que não nos cabe desprezar a ninguém.
Abstive-me de qualquer discussão.
Mas, iniciadas as tarefas, o ponto de estudo em O Evangelizo Segundo o Espiritismo, aberto para as lições da noite, foi a página intitulada “O homem no mundo”, item 10 do capitulo XVII.
E o nosso Emmanuel produziu a página que lhe coloco nas mãos com a esperança de que lhe ofereça proveito justo em nossos estudos.”
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 25, 2017 8:27 am

LUZ PARA TODOS
Emmanuel
Estariam os princípios espíritas endereçados à segregação para uso exclusivo daqueles irmãos que carregam provas visíveis no plano material?
Encontramos, com frequência, na Terra, quem suponha deva ser a Nova Revelação limitada ao trabalho em favor dos que sofrem a penúria do corpo, sob pena de perder a própria simplicidade.
Entretanto, a fulguração solar será menos luz quando clareia o recôncavo de um vale e o topo de um arranha-céu ao mesmo tempo?
E, acaso, a fonte se diminuirá em grandeza por deixar-se canalizar em serviço à cidade grande, após haver saciado a sede aos lares do campo?
***
Decerto, a mensagem da Vida Maior tem significação mais imediata em auxílio a quantos se vejam no mundo em dificuldades abertas, seja no chão das exigências primárias da natureza ou na sombra das grandes tribulações em que a inconformidade os compele a se tornarem francamente infelizes.
Imperioso, porém, pensar naqueles outros companheiros da humanidade que a vida situou em outros sectores.
Não é a face externa da criatura que lhe determina o grau da necessidade espiritual.
Dói-nos ver as mãos que se nos estendem nas ruas, à cata de pão; no entanto, será justo, igualmente, compreender os obstáculos daqueles que se esfalfam em serviço para que haja pão, tanto quanto possível, à mesa de todos.
Aflige-nos registrar os empeços do amigo em profissão singela, cujo salário não lhe satisfaz a todos os requisitos da vida simples, mas não nos será lícito esquecer os óbices daqueles que se atormentam na orientação da oficina para que o trabalho não se perturbe ou escasseie.
Magoa-nos surpreender irmãos diversos, acomodados nos palheiros humildes que lhes servem de residência; contudo, não podemos desconhecer os impedimentos daqueles outros que encanecem nas administrações, construindo caminhos ao progresso e traçando horizontes ao reconforto geral.
Sensibiliza-nos o martírio das mães que vagueiam nas vias públicas à busca de socorro para filhinhos padecentes; entretanto, seria injusto desconsiderar o sofrimento daquelas outras que se aniquilam, pouco a pouco, dentro de casa, em posição de incessante sacrifício, para sustentarem os descendentes, de modo a que a dignidade humana possa honrosamente sobreviver.
Reflictamos no conjunto dos problemas humanos e a ninguém deserdemos da verdade e do amor, de vez que em qualquer situação pertencemos todos a Deus e, segundo as nossas necessidades, é natural que Deus nos atenda a cada um.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 25, 2017 8:28 am

O HOMEM NO MUNDO

Irmão Saulo
O Espiritismo é um processo de integração do homem no mundo e não de fuga.
Todas as formas de isolamento social e de segregação religiosa são condenadas pela Doutrina.
Os resíduos do sectarismo religioso, alimentados em várias encarnações, permanecem ainda bastante activos em alguns adeptos, fazendo-os sonhar com um isolacionismo sectário que atenta contra a própria essência dos ensinos espíritas.
É o fermento velho a que se referiu Jesus, como vemos no Evangelho.
O Cristianismo teve de enfrentar esse mesmo problema em seu desenvolvimento.
E, apesar da vitória das correntes cristãs mais activas, não foi possível evitar-se a criação de ordens e congregações dedicadas à vida contemplativa, empenhadas na fuga ao mundo para o encontro com Deus.
Essa tendência à fuga é característica das religiões orientais.
Basta comparar-mos a vida contemplativa e os ensinos disciplinares de Buda com a vida activa e os ensinos morais do Cristo, para vermos a diferença entre o espírito oriental e o espírito ocidental nas religiões.
Na mensagem intitulada "O homem no mundo", constante do capítulo XVII de O Evangelho Segundo o Espiritismo, encontramos o seguinte trecho:
"Não penseis que, ao vos exortar à prece e à evocação mental, queiramos levar-vos a viver uma vida mística que vos mantenha fora das leis da sociedade. Não.
Vivei com os homens do vosso tempo, como devem viver os homens.
Sacrificai-vos às necessidades e até mesmo às frivolidades de cada dia, mas fazei-o com o sentimento de pureza que as possa purificar".
E no capítulo "A Lei de Sociedade", de O Livro dos Espíritos, a afirmação é taxativa:
"Os homens são feitos para viver em sociedade".
Os médiuns e doutrinadores espíritas têm uma missão eminentemente social.
Para bem cumprir essa missão devem servir-se de todos os meios, os mais eficientes possíveis, de divulgação da doutrina.
E foi o próprio Jesus quem ensinou que não devemos esconder a lâmpada embaixo da cama, mas colocá-la no alto, para que elimine a todos.

Do livro “Na Era do Espírito”. Psicografia de Francisco C. Xavier e Herculano Pires.
Espíritos Diversos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 25, 2017 8:28 am

2 - RELACIONAMTO EM FAMILIA
Chico Xavier

Chico Xavier nos conta os antecedentes da recepção desta mensagem de Emmanuel.
Como se vê, cada mensagem tem uma história, é provocada pelos anseios e necessidades dos que vão visitá-lo.
Passemos ao seu relato:
“As tarefas da noite foram precedidas de várias indagações que pareciam concentradas num só assunto:
as dificuldades do relacionamento em família.
Os grupos de irmãos procedentes de vários lugares davam a ideia de haverem previamente combinado um encontro connosco para o debate do problema.
Esposos em desarmonia, filhos e pais em desacordo, parentes que se queixavam de familiares diversos, pessoas que se haviam amado no círculo doméstico e acabaram por separar-se urnas das outras sem abandonar a casa.
Nesse clima começamos a reunião e O Evangelho, o Segundo o Espiritismo ofereceu-nos o item 8 do capítulo XIV para estudo.
Depois dos comentários feitos por alguns dos nossos irmãos presentes, nosso Emmanuel escreveu a página que lhe envio e que amigos nossos, domiciliados em cidades distantes, solicitaram que fosse encaminhada às suas mãos.
Cumpro com prazer o que prometi.”
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 25, 2017 8:28 am

FAMILIARES PROBLEMAS
Emmanuel

Desposaste alguém que não mais te parece a criatura ideal que conheceste.
A convivência te arrancou aos olhos as cores diferentes com que o noivado te resguardava o futuro que hoje se fez presente.
Em torno, provações, encargos renascentes, familiares que te pedem apoio, obstáculos por vencer.
E sofres.
Entretanto, recorda que antes da união falavas de amor e te mostravas na firme disposição em que assumiste os deveres que te assinalam agora os dias, e não recues da frente de trabalho a que o mundo te conduziu.
Se a criatura que te compartilha transitoriamente o destino não é aquela que imaginaste e sim alguém que te impõe difícil tarefa a realizar, observa que a união de ambos não se efectuaria sem fins justos e dá de ti quanto possível para que essa mesma criatura venha a ser como desejas.
***
Diante de filhos ou parentes outros que se valem de títulos domésticos para menosprezar-te ou ferir-te, nem por isso deixes de amá-los.
São eles, presentemente na Terra, quais os fizemos em outras épocas, e os defeitos que mostrem não passam de resultados das lesões espirituais causadas por nós mesmos, em tempos outros, quando lhes orientávamos a existência nas trilhas da evolução.
É provável tenhamos dado um passo à frente.
Talvez o contacto deles agora nos desagrade pela tisna de sombra que já deixamos de ter ou de ser.
Isso, porém, é motivação para auxílio, não para fuga.
Atentos ao princípio de livre arbítrio que nos rege a vida espiritual, é claro que ninguém te impede de cortar laços, sustar realizações, agravar dívidas ou delongar compromissos.
Divórcio é medida perfeitamente compreensível e humana, toda vez que os cônjuges se confessam à beira da delinquência, conquanto se erija em moratória de débito para resgate em novo nível.
E o afastamento de certas ligações é recurso necessário em determinadas circunstâncias, a fim de que possamos voltar a elas, algum dia, com o proveito preciso.
Reflecte, porém, que a existência na Terra é um estágio educativo ou reeducativo e tão só pelo amor com que amamos, mas não pelo amor com que esperamos ser amados, ser-nos-á possível trabalhar para redimir e, por vezes, saber perder para realmente vencer.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 25, 2017 8:29 am

ASSIM OS FIZEMOS
Irmão Saulo

Os familiares desagradáveis são hoje o que deles fizemos ontem.
Nada acontece por acaso, sem razão, em nossas vidas.
Por isso diz Emmanuel:
"Talvez o contacto deles agora nos desagrade pela tisna de sombra que já deixamos de ter ou de ser.".
Nesta própria existência terrena isso acontece com frequência.
Ao nos tornarmos adultos não suportamos as peraltices das crianças, sem nos lembrarmos das que também já fizemos quando crianças.
Ao nos enriquecermos não toleramos os peditórios ou a incapacidade dos parentes pobres, esquecidos do que fazíamos quando necessitados.
Ao nos ilustrarmos não suportamos nos outros a ignorância em que ontem vivíamos.
Educamos mal os nossos filhos e muitas vezes os deseducamos a gritos e pancadas.
Mas quando eles crescem não suportamos o seu comportamento desrespeitoso, pelo qual somos responsáveis.
Não os corrigimos em criança nem os ajudamos na adolescência, mas os fizemos desorientados e depois não os toleramos.
Nas vidas sucessivas, através das reencarnações, procedemos também dessa maneira.
E quando eles voltam ao nosso convívio não queremos aceitar e muito menos corrigir os seus defeitos.
Na verdade, se não os aceitarmos hoje como são, teremos de aceitá-los amanhã, pois as leis da vida exigem, segundo ensinou Jesus, que nos entendamos com os companheiros "enquanto estivermos a caminho com eles".
A fuga aos deveres atuais será paga mais tarde com os juros devidos.
Usando o livre arbítrio podemos rejeitá-los hoje, mas a contabilidade divina anotará o nosso débito para depois, com os acréscimos legais.
O item 8 do Capítulo XIV de O Evangelho Segundo o Espiritismo trata do problema das famílias corporais e espirituais e o item 9 desse mesmo capítulo nos explica a mecânica dos pagamentos de dívidas morais através da reencarnação.
Os que desejarem aprofundar este problema devem ler com atenção os dois tópicos citados.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jul 25, 2017 8:29 am

3 - O APEGO AFECTIVO
Chico Xavier

Em carta, Chico Xavier explica-nos os antecedentes da mensagem referente ao apego afectivo no meio familial:
“Na noite anterior a uma de nossas reuniões públicas estivemos juntos, provavelmente umas cinquenta pessoas, num encontro amigo dedicado ao culto do Evangelho no lar.
É o assunto dessa reunião doméstica foi a dificuldade para nos separarmos dos laços de família quando os entes amados escolhem caminhos diversos dos nossos.
Como era natural, o tema foi ardentemente debatido.
E, na noite seguinte, antes da sessão pública, associando-se-nos irmãos de outras localidades, o assunto prosseguiu.
Iniciadas as nossas tarefas O Evangelho Segundo o Espiritismo nos ofereceu para estudo o item 9 do capítulo XIV, claramente colocado nas apreciações em foco.
E, ao fim da reunião, o nosso abnegado Emmanuel nos deu a página intitulada “Desvinculação”, que envio ao caro amigo no, esperança de que ela nos sirva aos estudos e reflexões habituais.”.

DESVINCULAÇÃO
Emmanuel

Para muitos companheiros na Terra a desvinculação no campo afectivo é prova difícil.
Desligamento do grupo familiar, distância da convivência.
Hora da diferenciação de alguém perante outro alguém.
***
Se te vês num momento assim, na posição de quem pode libertar associados de ideal e de afinidade, não hesites no bem por fazer.
Aqueles que anseiam por independência e mudança, depois de te compartilharem a vida, são pedintes de tranquilidade e renovação.
Não precisam tanto de teu ouro e assistência, nome e prestígio.
Rogam-te, acima de tudo, escoras de tolerância e bondade, a fim de que te possam deixar sem que o espinheiro da mágoa te nasça no coração.
***
Medita naqueles que, um dia, igualmente largaste para tomar embarcações outras, diferentes do navio em que se te localizava a área doméstica, de modo a te fazeres ao mar profundo e vasto da experiência terrestre.
Familiares que te amavam a presença e amigos que te disputavam a companhia se viram, de instante para outro, apartados de ti por efeito de tuas próprias deliberações.
Assim nos expressamos porque frequentemente a harmonia na desvinculação depende daqueles que já amadureceram na vida física, aos quais se pede amparo e segurança, auxílio e aprovação.
Se alguém ao teu lado te solicita o cancelamento de compromissos e deveres assumidos para contigo, concede a paz a quem necessita de paz a fim de atender a impositivos da vida em outros sectores de evolução.
***
Realmente desejas que os descendentes se garantam para a felicidade, não queres que os filhos bem-amados atravessem tribulações e enganos que te amarguram a infância ou a juventude; habituas-te a desaprovar as resoluções de amigos que se afastam para caminhos que já sabes estarem encharcados de lágrimas, nem concordas em que os entes queridos venham a transitar por estradas que já trilhaste entre pedras e aflições, entretanto, por mais no doa ao coração — muitos daqueles que mais amamos chegaram à Terra exactamente para isso.
Diante dos companheiros que se te distanciam da convivência ou que te dizem adeus para te reencontrarem mais tarde, em outros e novos níveis de espaço e tempo, não lastimes nem condenes.
Bendiz e auxilia sempre.
Os que partem ou se te separam da estrada, no dia-a-dia, esperam de ti, sobretudo, o patrocínio do amor e o refúgio da bênção.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 26, 2017 10:13 am

NO TREM DOS ESTUDANTES
Irmão Saulo

Emmanuel coloca o problema da desvinculação afectiva em dois planos: o do afastamento de pessoas queridas que se retiram do lar e o da partida para “outros e novos níveis de espaço e tempo”.
Em ambos os casos rompe-se o vínculo da convivência. Em ambos os casos há sofrimento moral de parte a parte.
O assunto é tratado no item 9 do capítulo ZIV de O Evangelho Segundo o Espiritismo, e ali encontra-mos o seguinte aviso aos que sofrem:
“As grandes provas são quase sempre o indício de um fim de sofrimento e de um aperfeiçoamento do Espírito, desde que sejam aceitas por amor a Deus”.
O desastre do Trem dos Estudantes, em 8 de junho de 1972, entre Suzano e Jundiapeba, inclui-se no capítulo das provas colectivas.
Além dos mortos e feridos estão sofrendo essa prova os familiares duramente atingidos, os amigos e colegas das vítimas.
A tragédia caiu sobre verdadeira multidão.
Estamos em face de um processo de desvinculação em massa.
Quantos lares enlutados pela perda de entes queridos, quantos corações dilacerados, quantos espíritos aturdidos pela brutalidade da ocorrência'.
O que mais impressiona é o número de jovens que tiveram sua vida bruscamente cortada, quando a caminho da escolas superiores que cursavam em Mogi das Cruzes.
Tudo isso parece aterrador, desnorteante, como se estivéssemos num mundo caótico, sem ordem, sem lei, sem Deus.
Não obstante, o Universo nos responde com a ordem absoluta das suas leis que tudo regem, desde a relva humilde na Terra até às constelações gigantescas no infinito.
Nada acontece por acaso.
Tudo resulta da lei de causa e efeito.
E todo efeito tem um sentido: o da evolução.
Todos somos espíritos faltosos e sofremos as provas que pedimos antes de encarnar.
Temos dívidas colectivas a resgatar.
Mas além do resgate espera-nos a liberdade, a paz, o progresso.
Os jovens que morreram foram poupados de sofrimentos futuros numa vida em que a doença, a velhice e a morte são o salário de todos nós.
Transferidos para a Vida Maior, que realmente corresponde às suas necessidade e à sua natureza, são todos eles seres espirituais e não materiais.
Agora precisam da compreensão dos pais, dos irmãos, dos amigos e colegas que deixaram na Terra.
Precisam de paz, de preces, de bons pensamentos, das vibrações de sincera amizade para se recuperarem em espírito.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 26, 2017 10:13 am

4 - FILIAÇÃO E REENCARNAÇÃO
Chico Xavier

Chico Xavier nos conta como surgiu o assunto, durante a peregrinação que faz semanalmente aos lares dos amigos menos afortunados do bairro em que reside, sempre acompanhado por visitantes de outras cidades:
“Enquanto realizávamos a nossa visita fraterna a companheiros de nosso bairro, estava connosco uma estudiosa caravana de irmãos das cidades de São José do Rio Freto, Mirassol, Votuporanga e Ribeirão Preto.
Durante todo o percurso a nossa conversação foi um debate amistoso sobre assuntos do lar.
Ao todo, com os amigos de outras cidades, éramos nada menos de oitenta pessoas.
As perguntas e respostas entre nós mostravam as nossas preocupações.
Como observar a família e a reencarnação?
De que modo os espíritos amigos consideram o casamento?
Porque tantas lutas entre parentes?
Estarão os espíritos luminares submetidos aos controles anticoncepcionais inventados pelos homens?
Porque sonham os noivos com tanta felicidade para o lar e porque tantas dificuldades enfrentam eles em muitos casos, depois que se instalam no casamento?
Perguntas como estas e muitas outras foram debatidas.
E quando nos reunimos para a concentração das tarefas da noite, diversos amigos espirituais, trovadores amigos, escreveram as ligeiras mensagens em versos que lhe envio para os nossos estudos.”
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 26, 2017 10:14 am

TROVAS DO LAR
Espíritos Diversos
Anotação clara e simples
Que nos obriga a pensar:
Surge o lar dentro do mundo
Sem que o mundo seja o lar.
Marcelo Gama

Os namorados são sonhos
Entre a verdade e a ilusão,
Se chegam ao matrimónio,
O lar revela o que são
Xavier de Castro

Para quem sofre no Além
Sob a culpa em choro inglório
O regresso ao lar terrestre
É a bênção do purgatório.
Óscar Leal

Família e reencarnação,
Deus as fez buscando a paz,
Não levam mágoas à frente
Nem deixam contas atrás.
Roberto de Alencar

Cartório faz união
E começa o lar a dois,
O amor constrói amizade,
Casamento vem depois.
António de Castro

De quaisquer trovas na Terra
A que mais amansa a gente:
Inimigo reencarnado
Sob a forma de parente.
Lulu Parola

Quando um sábio das Alturas
Necessita reencarnar
Ninguém consegue impedir
Nem adianta evitar.
Casimiro Cunha

Casamento é um laço em luz
Da Vida Superior,
Mas o lar desgovernado
É a sepultura do amor.
João Paiva

Toda civilização
Cresce em tudo sábia e bela
Tão-somente, em qualquer parte,
Porque o lar sofreu por ela.
Silveira de Carvalho

Não adianta fugir
Do débito que se atrasa,
Reencarnação chega logo
Cobrando dentro de casa.
Cornélio Pires

Todo lar que se levanta
Como for, seja onde for,
É sempre uma sementeira
Para a colheita do amor.
José Nava

Lar e Mãe - a dupla simples
Que a força da vida encerra,
Guardam consigo, ante Deus,
Toda a grandeza da Terra.
António Bezerra
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 26, 2017 10:14 am

A VERDADE SOBRE A MESA
Irmão Saulo

A, verdade é o pão do espírito. Sobre a mesa de Chico Xavier, cercada de amigos que vieram de longe para o banquete, os Trovadores do Além lançaram suas rodelas de pão.
Cada um deles foi poeta na Terra e continua a cantar depois da morte, porque a criatura de Deus não morre – apenas troca de roupa.
Fizeram um rodeio ele trovas e cada trova é uma síntese pessoal da visão colectiva da verdade.
Cada trova responde a determinadas perguntas dos homens.
Os temas se desenvolvem através das trovas.
O lar surge no mundo para humanizá-lo, graças ao sonho do namoro em que as almas procuram-se no anseio de amar.
A convivência vai revelar que elas não são o que sonhavam, mas o purgatório do lar é uma bênção para libertar do inferno do passado.
A família terrena permite o reajuste através da reencarnação, dissolvendo as mágoas e liquidando as contas.
O casamento não se faz no cartório, mas no lar, e nele é que o inimigo transformado em parente acaba por nos amansar.
Os Espíritos Superiores não estão sujeitos ao controle humano da natalidade – nascem quando querem, pois conhecem e dominam as leis naturais melhor do que os homens.
Um lar desgovernado, desprovido de orientação, vira sepultura do amor.
Entretanto, é o lar a fonte e a base de todas as civilizações, acertando as contas do passado dentro de casa e melhorando as criaturas.
Resulta daí a colheita do amor, graças a anão de duas forças simples, naturais, que se conjugam para construir a grandeza da Terra:
os laços familiais orientados pela ternura materna, pela presença da Mãe.
Pouco a pouco, através das trovas, a verdade se corporifica.
E os trovadores nos dão assim a lição da fraternidade e da colaboração.
Fizeram um mutirão para responder às perguntas dos homens.
Cada qual deu o seu pedaço e o pão da verdade apareceu sobre a mesa do médium para saciar a fome dos espíritos.
É esse o processo da Revelação.
Desde que o mundo é mundo a verdade flui para os homens através da mediunidade.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 26, 2017 10:14 am

5 - AUTÓGRAFOS NA BIENAL DO LIVRO
Chico Xavier

Francisco Cândido Xavier esteve no encerramento da II Bienal Internacional do Livro autografando livros por ele psicografados.
Entre essas obras figura um volume de poemas intitulado “Flores de 0utono”, de autoria de Jesus Gonçalves, poeta hanseniano que desencarnou no Sanatório de Pirapitingui, neste Estado.
O livro se divide em três partes:
1ª) poemas da fase em que o poeta era materialista;
2ª) poemas ela fase espírita do poeta;
3ª) poemas do após morte, psicografados por Chico Xavier.
A essa última parte pode agora ser acrescentado o soneto “Mensagem de Companheiro” que Chico nos conta como recebeu:
“Essa página foi produzida numa de nossas reuniões públicas recentes.
Tínhamos connosco vários visitantes ligados a entes queridos, actualmente na condição de hansenianos.
A nossa conversação, antecedendo as tarefas espirituais da noite, versava sobre companheiros transitoriamente separados do lar e da família.
Iniciada a reunião, O Evangelho Segundo o Espiritismo nos ofereceu para estudo o item 27 do capítulo V, intitulado “Dever-se-á pôr termo às provas do próximo?”, que nos deu oportunidade a muitas reflexões.
Ao fim das tarefas nosso amigo Jesus Gonçalves escreveu a poesia que passo às suas mãos amigas, na ideia de que ela tenha utilidade para os seus sempre valiosos comentários.”
Realizada de 17 a 25 de junho de 1972 no Pavilhão Armando Arruda Pereira, Ibirapuera, São Paulo – Capital.

MENSAGEM DE COMPANHEIRO
Jésus Gonçalves

A ti, meu irmão, que assumiste comigo pesados encargos da existência num sanatório de hansenianos, sem possibilidades de cura física; a ti, para quem a ciência da Terra não conseguiu trazer, tanto quanto a mim, o medicamento salvador; a ti, que não tiveste, qual me ocorreu, a consolação dos egressos; a ti, que sofres entre a fé viva e a dúvida inquietante, entre a tentação à revolta e a aceitação da prova, acreditando-te frequentemente esquecido pelas forças do Céu, ofereço a lembrança fraternal destes versos.
Não te admitas réu de afrontosa sentença,
Largado de hora em hora à sombra em que te esmagas,
Varando tanta vez humilhações e pragas
À feição de calhaus da humana indiferença.
Crueldade, paixão, injúria, crime, ofensa
Criaram-nos, um dia, a estampilha de chagas!...
No pretérito abriste o espinheiro em que vagas
E, embora a provação, trabalha, serve e pensa.
Ânsia, tribulação, abandono, amargura,
São recursos da lei com que a lei nos depura
O coração trancado em nódoas escondidas...
Bendize, amado irmão, as feridas que levas,
A dor extingue o mal e o pranto lava as trevas
Que trazemos em nós dos erros de outras vidas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 26, 2017 10:14 am

A ESTAMENHA DE CHAGAS
Irmão Saulo

Jesus Gonçalves utiliza em seus versos expressões como essas:
túnica de chagas e estamenha de chagas para figurar a condição em que viveu no final da sua última existência terrena.
A túnica de estamenha, grosseiro tecido de lã, era vestimenta comum na Judeia do tempo de Jesus.
Evidente o simbolismo poético dessas expressões.
Os judeus pobres vestiam-se de estamenha, enquanto os ricos usavam túnicas refulgentes dos mais finos tecidos.
Mas na vida espiritual essa situação se invertia, como vemos na parábola evangélica de Lázaro e o rico.
No soneto de Jesus Gonçalves vemos o mesmo processo.
A estamenha de chagas é tecida no passado da própria criatura pela sua crueldade e a sua arrogância.
No tear do destino os fios da loucura humana são tecidos pelas nossas acções.
E aquilo que tecemos é precisamente o que iremos vestir em próxima existência.
Ninguém, portanto, está sujeito na Terra a uma “afrontosa sentença”, mas apenas submetido às consequências de seu próprio comportamento em vida anterior.
A cada um segundo as suas obras, porque somente assim aprenderemos a vencer o mal, a superar nossas tendências inferiores, nosso egoísmo criminoso.
Os “recursos da lei” não representam condenação implacável, mas corrigenda necessária.
Por isso escrevia Leon Denis:
“A dor é uma lei de equilíbrio e educação”.
Mas nem por isso devemos pensar que os sofredores não devem ser socorridos.
A lei maior da caridade nos obriga a ajudar os que sofrem.
É o que ensina o item 27 do capítulo V de O Evangelho Segundo o Espiritismo.
É verdade que “a dor extingue o mal e o pranto lava as trevas”, mas a indiferença ante a dor e o pranto do próximo é também um mal que pode e deve ser extinto pela caridade.
Socorrendo os que sofrem estaremos tecendo, no tear do nosso destino, os fios da sensatez e da bondade que nos preparam uma túnica de luz para o futuro.
Do livro “Na Era do Espírito”. Psicografia de Francisco C. Xavier e Herculano Pires. Espíritos Diversos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 26, 2017 10:15 am

6 - DEFEITOS E DESCULPAS
Chico Xavier

Os antecedentes da mensagem ora estudada são relatados pelo médium Francisco Cândido Xavier em carta que nos enviou.
Vejamo-los:
“Visitavam-nos amigos diversos que solicitavam francamente alguma opinião do Mundo Espiritual sobre as tarefas a que vêm sendo convocados na Seara Espírita.
E perguntas como estas, foram repetidas por vários deles:
– Sei que não presto, como vou trabalhar na causa do Bem?
– Quem sou eu para poder ajudar, se conheço os meus defeitos?
– Que fazer com as imperfeições que carrego, se for servir à mediunidade?
– Como aceitar encargos espíritas, se conheço as falhas que trago?
Nesse ambiente, falávamos da grandeza espiritual da nossa doutrina de amor e luz que nos concede a todos trabalho e bênção, quando a reunião começou.
Aberto ao acaso O Evangelho Segundo o Espiritismo, a lição que caiu foi a do capítulo XX, item 2, que se refere aos trabalhadores da Ultima hora.
Ao término da reunião o nosso Emmanuel escreveu a página que lhe envio.”

CHAMADOS A SERVIR
Emmanuel

"Chamados para servir, quantos de nós temos alegado, até agora, insuficiência, falha, defeito ou incapacidade, tentando justificar a própria omissão?
Curioso pensar, porém, que o Evangelho do Senhor não nos convida para exercer o ministério dos anjos e sim nos solicita engajamento para desempenhar o papel de servidores.
Neste sentido importa recordar os elementos imperfeitos da própria Terra, convocados para a organização sócio planetária conquanto as deficiências com que se caracterizam.
Enumeremos alguns.
A pedra é agressiva e capaz de ferir, mas suportando corte e ajustamento é a base da moradia e da estrada nobre em que os homens edificam intercâmbio e segurança.
O solo em si é matéria primitiva concentrada, todavia, em se deixando tratar convenientemente, é celeiro de produção intensiva.
Certos fios metálicos atirados ao léu são resíduos para a sucata, no entanto, se ligados ao serviço eléctrico fazem-se de imediato condutores de luz e força.
Os bichos-da-seda não são agradáveis ao olhar, mas se atendem aos programas de trabalho do sericicultor dão origem a tecidos valiosos.
O ouro é a garantia simbólica das riquezas de cúpula da organização social, entretanto, o esterco é o agente que assegura a vitalidade e o perfume das rosas.
Chamados para servir! - eis a indicação do Mais Alto no rumo de quantos amadurecem nas experiências do mundo, buscando a compreensão do Bem.
Se escutaste semelhante convite, não alegues inutilidade ou imperfeição para cobrir a própria fuga.
O Senhor nos concede claramente a condição de Espíritos ainda incompletos, mas se nos dispusermos a lhe ouvir a palavra, disciplinando-nos para o valor da utilidade, estaremos logo no clima do progresso em plenitude, de melhoria e de elevação."
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 26, 2017 10:15 am

RUMO A ANGELITUDE
Irmão Saulo

Nos termos da Doutrina Espírita, do demónio nasce o homem e do homem nasce o anjo.
Estamos todos no rumo da angelitude.
Nossa humanidade (nossa natureza humana) caracteriza-se pela imperfeição, pelo predomínio dos instintos, pelos resíduos da animalidade ainda actuantes em nossa constituição psicossomática.
Mas esses resíduos vão sendo eliminados na lapidação das vidas sucessivas.
E como somos conscientes do processo de lapidação a que estamos sujeitos, podemos e devemos ajudar esse processo.
Basta um olhar atento ao nosso redor para verificarmos a realidade dessa concepção.
As criaturas humanas estão dispostas numa escala progressiva que vai do bandido ao santo.
O malfeitor de hoje será o cidadão honesto do futuro.
E este, por sua vez, será o santo de amanhã, dependendo esse amanhã, em grande parte, do esforço evolutivo do interessado.
Porque o ser consciente apressa ou retarda a sua própria evolução.
O chamado para o serviço do bem é a oportunidade que Deus oferece à criatura imperfeita para acelerar a sua caminhada rumo à perfeição.
Quem não aproveita a oportunidade divina, apegando-se por comodismo ou displicência aos seus defeitos, desculpando-se com as imperfeições naturais que ainda carrega, furta-se ao cumprimento do dever espiritual.
Mas as leis da evolução não o deixarão parado por muito tempo. Por isso ensinou Jesus:
"Quem se apegar à sua vida perdê-la-á, mas quem a perder por amor a mim salvá-la-á".
O comodista será sacudido e alijado do seu comodismo, mais hoje, mais amanhã, pela vergasta da dor.
O sofrimento é tão grande na Terra porque maior é o comodismo dos homens.
A seara continua imensa e os trabalhadores ainda são tão poucos!
Não somos anjos para ser perfeitos e puros, mas trazemos em nós as potencialidades da angelitude.
Se não acelerarmos a nossa lapidação pelo serviço, o lapidário oculto - e que está oculto em nós mesmos - agirá como convém para completar a sua obra.
Do livro “Na Era do Espírito”. Psicografia de Francisco C. Xavier e Herculano Pires. Espíritos Diversos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 26, 2017 10:15 am

7 - PREPARAÇÃO OU LIBERDADE?
Chico Xavier

Francisco Cândido Xavier conta os precedentes da mensagem “Criança e nós”, em carta que nos enviou:
“O público para as nossas tarefas espirituais da noite trazia diversas famílias que indagavam, sem o saberem, urnas das outras – já que vinham de procedências variadas – quanto aos problemas da infância.
Muitas perguntas como estas eram formuladas:
Devo largar meus pequenos à solta para não prejudicá-los?
– Será justo permitir que meu filho de tenra idade se transforme em pequena máquina de estimação dentro de casa, com a ideia de que somente assim será feliz no futuro?
– Como proteger as minhas crianças sem controlar-lhes os impulsos infelizes?
– Devo deixar os meus pequeninos em liberdade irrestrita, fazendo o que lhes venha à cabeça, a pretexto de garantir-lhes a saúde?
– Será natural deixar a criança crescer com a ilusão de que é plenamente livre, para depois encontrar, na posição de adulto, os constrangimentos da disciplina social, indispensável em qualquer parte, que lhe doerão ou pesarão muito mais pela ausência de treino ou preparação?
Iniciados os estudos, O Evangelho Segundo o Espiritismo nos ofereceu a página intitulada “Os órfãos”, no item 18 do capítulo XIII, dando oportunidade a esclarecedoras explicações de nossos comentaristas.
Ao término das tarefas o nosso Emmanuel escreveu a página que passo às suas mãos, na expectativa de que seja útil às nossas reflexões.”
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jul 26, 2017 10:16 am

CRIANÇAS E NÓS
Emmanuel

Muitos sectores das ciências psicológicas asseveram que é indispensável preservar a criança contra a mínima coacção, a fim de que venha se desenvolver sem traumas que lhe prejudicariam o futuro.
Isso, no entanto, não significa que deva crescer sem orientação.
Independência desregrada gera violência, tanto quanto violência gera independência desregrada.
Releguemos determinada obra arquitectónica ao descontrole e teremos para breve a caricatura do edifício que nos propúnhamos construir.
Abandonemos a sementeira a si própria e a colheita se nos fará desencanto.
Exigimos a instituição de um mundo melhor.
Solicitamos a concretização da felicidade comum.
Sonhamos com o levantamento da paz de todos.
Esperamos o reino da fraternidade.
Como atingir, porém, semelhantes conquistas sem a criança no esquema do trabalho a realizar?
Não mergulhará teus filhos nas ondas revoltas da ira quando a dificuldade sobrevenha, e sim não te omitirás no socorro preciso, sem deixá-lo à feição de barco desarvorado ao sabor do vento.
Não erguerás contra ele a palavra condenatória nos dias de desacerto, a insuflar-lhe, talvez, ódio e rebeldia nos recessos da alma, e sim procurarás sustentá-lo com a frase compreensiva e afectuosa que desejarias ter recebido em outro tempo, nas horas da infância, quando te identificavas nas sombras da indecisão.
Sabes conduzir a criança ao concurso da escola, à assistência do pediatra, ao auxílio do costureiro ou ao refazimento espiritual nos espectáculos recreativos.
Por isto mesmo não lhe sonegues apoio ao sentimento para que o sentimento se lhe faça correcto.
Concordamos todos em que a criança necessita de amor para crescer patenteando mente clara e o corpo sadio, entretanto, é impossível efectuar o trabalho do amor - realmente amor - sem bases na educação.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 27, 2017 8:29 am

EDUCAÇÃO MODERNA
Irmão Saulo

Uns condenam a educação moderna, saudosos dos tempos em que as crianças obedeciam aos pais pelo olhar e tremiam diante do mestre.
Outros aprovam a nova educação sem a conhecer e fazem do seu princípio de liberdade uma forma de abandono. Não há liberdade irrestrita, pois a liberdade só pode existir dentro das condições necessárias.
Um homem solto no espaço, livre até mesmo da gravitação, não pode fazer coisa alguma e perecerá na desolação.
Para que ele tenha liberdade é preciso que esteja condicionado pelo meio físico, pisando a terra e aspirando o ar, condicionado pelo corpo e pelo meio familiar e social, e assim por diante.
A educação antiga era uma forma de domesticação.
As crianças eram tratadas como animais.
A educação moderna, a partir de Rousseau, é uma forma de compreensão.
O seu princípio básico não é a liberdade, mas a compreensão da criança como um ser em desenvolvimento.
O seu objectivo não é o abandono da criança a si mesma e sim o cultivo paciente da criança, para que possa crescer sadia no corpo e no espírito.
Os maus juízos sobre a nova educação provêm do seu desconhecimento pelos pais e pelos mestres, muitos dos quais não possuem aptidão para educar.
Para os órfãos, o trecho citado de 0 Evangelho Segundo o Espiritismo prescreve-nos ajudá-los, livrá-los da fome e do frio, orientar suas almas para que não se percam no vicio.
Esse o programa da nova educação.
Seria um contra-senso convertermos os nossos filhos em órfãos, entregues a si mesmos, ao invés de vigiá-los, descobrir-lhes os maus pendores, corrigir-lhes as arestas morais e orientá-los para o futuro.
Os depositários de bens materiais cuidam deles para que não se deteriorem.
O lavrador cuida das suas plantações para que produzam.
Os pais, depositários de almas, têm responsabilidade muito maior e mais grave que a daqueles.
Precisam cuidar de seus filhos e ajudá-los para que sejam úteis no futuro.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 27, 2017 8:30 am

8 - OPINIÕES SOBRE A JUVENTUDE
Chico Xavier

“Em nossa reunião pública O Evangelizo Segundo o Espiritismo nos ofereceu para estudo o item 9 do capítulo XIV, referente ao problema da indiferença dos filhos para com os pais terrestres.
O Livro dos Espíritos nos deu a questão nº. 264 sobre a escolha de provas e rumos feita pelo Espírito antes da sua reencarnação.
Estabeleceu-se o diálogo entre vários pais e mães presentes à reunião, de permeio com as dissertações evangélicas pelos irmãos que se incumbem dessa tarefa.
A troca de pontos de vista foi pacifica, mas muito ardente.
As opiniões sobre a juventude foram as mais diversas.
Como de hábito, Emmanuel escreveu ao término do nosso encontro a página a que deu o título de “Jovens difíceis', que não só por mim, mas por instância de muitos dos amigos visitantes, envio-lhe para os seus comentários em favor de nossos estudos.”

JOVENS DIFÍCEIS
Emmanuel

Terás talvez contigo jovens difíceis para instalar convenientemente na vida.
Inquestionavelmente, é preciso apoiá-los quanto se nos faça possível.
Capacitemo-nos, porém, de que ampará-los não será traçar-lhes a obrigação
de copiar-nos os tipos de felicidade ou vivência.
Claro que não nos compete o direito de abandoná-los a si próprios quando ainda inexperientes.
Entretanto, isso não significa devamos destruir-lhes a vocação, furtando-lhes a autenticidade em que se lhes caracteriza a existência.
Sonharemos para nossos filhos, no Mundo, invejável destaque nas profissões liberais com primorosas titulações académicas, mas é possível hajam renascido connosco para os serviços da gleba, aspirando a adquirir duros calos nas mãos a fim de se realizarem na elevação que demandam.
De outras vezes ideamos para eles a formação do lar em que nos premiem o anseio de possuir respeitáveis descendentes.
No entanto, é possível estejam connosco para longas experiências em condições de celibato, carregando problemas e provas que lhes dizem respeito ao burilamento espiritual.
Às vezes, gritamos revoltados contra eles, exigindo nos adoptem o modo de ser.
Frequentemente, porém, se isso acontece, acabamos por perdê-los em mãos que lhes deslustram os sentimentos ou lhes estragam a vida, quando não os empurramos, inconscientemente, para a furna dos tóxicos ou para os despenhadeiros do desequilíbrio mental com que se matriculam nos manicómios.
Compadece-te dos filhos que pareçam diferentes de ti.
Aceita-os como são e auxilia a cada um deles na integração com o trabalho em que se façam dignos da vida que vieram viver.
Ampara-os sem imposição e sem violência.
Antes de te surgirem à frente por filhos de teu amor, são filhos de Deus, cujo Amor Infinito vela em nós e por nós.
Ainda mesmo quando evidenciem características inquietantes, abençoa-os e orienta-os, quanto possível, a fim de que se mantenham por esteios
vivos de rendimento do bem no Bem Comum.
E mesmo quando não te possam compartilhar do tecto e se te afastem da companhia, a pretexto de independência, abençoa-os mesmo assim, compreendendo que todos nós, desde que nos vinculemos à ordem e ao trabalho no dever que nos compete, sem prejudicar a ninguém, desfrutamos por Lei Divina o privilégio de descobrir qual é para nós o melhor caminho de agir e servir, viver e sobreviver.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 27, 2017 8:30 am

AMPARO DOS PAIS
Irmão Saulo

Todos os jovens precisam do amparo dos pais, embora na adolescência, em geral, a rebeldia dos filhos seja inevitável.
Uma tradição de severidade paterna, pautada pelo autoritarismo político e religioso, deu aos pais o conceito erróneo de que devem sujeitar os filhos - e particularmente os jovens - aos seus princípios e maneira de ser.
Mas os jovens trazem a sua própria personalidade e o seu próprio roteiro de vida, e justamente nessa face da adolescência estão firmando o seu eu diante do mundo.
É conhecido o problema da "crise da adolescência", sobre o qual Maurice Debesse escreveu um dos seus livros mais belos e profundos.
Mas é em René Hubert, no capítulo sobre a Psicologia da Juventude, de sua "Pedagogia Geral", que encontramos maior sintonia com os princípios espíritas.
Psicólogos e Pedagogos conhecem bem esse problema que responde pelo chamado "conflito de gerações".
Emmanuel nos dá a sua chave ao lembrar que cada espírito já traz para a Terra a sua prova e o seu roteiro de serviço, escolhidos livremente na vida espiritual segundo as suas necessidades de evolução e aprimoramento.
O amparo dos pais não pode ser dado por meio de imposição e autoritarismo, sob pena de deixar de ser amparo para se transformar em tirania.
Se o "conflito de gerações" sempre existiu no mundo, agora se mostra mais violento porque o tempo da tirania está no fim e porque a era de transição em que vivemos acentua nos jovens os anseios do futuro.
Os pais só poderão ampará-los se tiverem amor suficiente para compreendê-los e ajudá-los sem exigências.
Está é também uma hora de aprendizado para os pais.
E só o amor verdadeiro pelos filhos pode socorrê-los.
O jovem de hoje é o homem de amanhã.
Os tempos mudam e não podemos querer sujeitá-los ao nosso modelo.
Qualquer coacção paterna só poderá afastá-los de casa e da família, lançando-os a meios e companhias perigosos.
A verdadeira educação é o equilíbrio entre o amor e a compreensão.
A energia paterna e a disciplina filial brotam naturalmente entre essas duas margens, fluindo como as águas de uma fonte na paisagem da vida.

Do livro “Na Era do Espírito”. Psicografia de Francisco C. Xavier e Herculano Pires. Espíritos Diversos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 27, 2017 8:30 am

9- SEM MERECIMENTO
Chico Xavier

“Em nossa reunião falava-se a respeito das pessoas consideradas sem merecimento para a execução de tarefas espirituais e a nossa irmã de sempre, Maria Dolores, escreveu por nosso intermédio a mensagem que intitulou “Pai Sempre”.
O texto em estudo eram os itens 11 e 12 do capítulo XXIV de O Evangelho Segundo o Espiritismo que se ajustava ao assunto, dando motivo a edificantes comentários.”

PAI SEMPRE
Maria Dolores

Alguém te disse, alma querida e boa,
Que os Espíritos Nobres
Nunca se valem de pessoa
Claramente imperfeita
Em tarefas de amor à Humanidade...
Por isso mesmo o escrúpulo te invade
E, receando a própria imperfeição,
Foges do privilégio de servir
Em que o Senhor te pede trabalhar
A fim de conquistar
O Celeste Porvir...
Reflictamos, no entanto,
Entre simples lições da Natureza:
A semente germina em lauréis de esperança,
Muita vez sob a lama asco rosa e indefesa;
A fonte não seria exemplo de bondade
Em que a vida enxameia,
Se recusasse deslizar
Sobre tratos de terra e lâminas de areia...
Olha as flores do charco
Embalsamando campos e caminhos,
A rosa não desdenha florescer
Entre punhais de espinhos...
Pensa ainda connosco
Nas fraquezas e lágrimas que levas.
O Sol seria o Sol
Se fugisse das trevas?
Esquece pessimismo, acusação, censura,
Nada te desanime, ergue-te e vem...
Conquanto enferma e rude, mesmo assim,
Se te encontras na sombra, avança para a luz,
Sem desertar, porém, de servir com Jesus!
Vem cooperar no amor que devemos ao mundo
E entenderás, por fim,
Que só se vence o mal pelo serviço ao Bem
E que a bênção de Deus jamais nos desampara
Nem despreza a ninguém.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jul 27, 2017 8:31 am

O DOENTE E O REMÉDIO
Irmão Saulo

Quando os fariseus censuraram Jesus por sentar-se à mesa com publicanos e pecadores, Ele respondeu:
“O sãos não precisam de médico, mas sim os enfermos”.
Essa é a lição evangélica tratada nos itens 11 e 12 do capítulo XXIV de O Evangelho Segundo o Espiritismo.
Como vemos, os temas de estudo nas reuniões públicas com Chico Xavier sempre concordam com os problemas principais que os visitantes de várias cidades vão lá discutir.
Os livros são abertos ao acaso, de maneira que essa constância no acerto dos temas basta para provar a acção dos Espíritos no desenrolar dos trabalhos.
As actividades espíritas são o meio certo para a cura dos doentes da alma.
A terapêutica ocupacional, que é a cura por meio do trabalho, muito antes de ser descoberta pela Medicina era empregada no Cristianismo primitivo.
Todos os que lutaram pela implantação do Cristianismo encaminharam os fracos, os doentes, os viciosos à cura através da execução de tarefas na seara.
Há um princípio pedagógico segundo a qual só se aprende fazendo.
Como aprender as lições da elevação espiritual sem praticá-las?
A aptidão para o bem se adquire na prática do bem.
As pessoas consideradas sem merecimento para a execução de tarefas espirituais são as que mais necessitam de executá-las.
Porque o merecimento vem precisamente do esforço e da dedicação.
Comentando que a mediunidade e concedida sem distinção, sem escolha, Kardec lembra que ela é dada “aos virtuosos para os fortalecer no bem e aos viciosos para os corrigir”.
E acrescenta:
“Estes últimos são Os doentes Que precisam de médico”.
Maria Dolores, nas suas comparações poéticas, mostra-nos o mesmo princípio ao afirmar:
“... só se vence o mal pelo serviço ao bem”.
Se o serviço do bem é o remédio para o mal, como curar o doente que se recusa a tomar o remédio?
As pessoas que se sentem inúteis porque se reconhecem cheias de imperfeições e defeitos deviam lembrar-se de que Jesus não procurou anjos nem sábios para o serviço do Evangelho, mas homens rudes e imperfeitos que se aprimoraram na execução de tarefas do seu ministério.

Do livro “Na Era do Espírito”. Psicografia de Francisco C. Xavier e Herculano Pires. Espíritos Diversos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NA ERA DOS ESPÍRITOS - Diversos/Francisco C. Xavier e Herculano Pires

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 3 1, 2, 3  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum