REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Página 1 de 5 1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 09, 2017 9:04 am

REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER

Pelo Espírito HUMBERTO DE CAMPOS

Índice
DO NOTICIARISTA DESENCARNADO
1 - AMARGURAS DE UM SANTO
2 - O IRMÃO SEVERIANO
3 - A VIDÊNCIA ESQUECIDA
4 - ESPÍRITOS PROTETORES
5 - O NATAL DIFERENTE
6 - O DRAMA DE ANDRÉ
7 - O TRANSPORTE REVELADOR
8 - O LIVRE-PENSADOR
9 - DESAPONTAMENTO DE UM SUICIDA
10 - O INVESTIGADOR INCONSCIENTE
11 - O APELO INESPERADO
12 - A CURA COMPLEXA
13 - O TRABALHADOR FRACASSADO
14 - INVOCAÇÕES DIRETAS
15 - A GRANDE SURPRESA
16 - CARIDADE E DESENVOLVIMENTO
17 - A EXPERIÊNCIA DE CATARINO
18 - NARRADOR APENAS
19 - QUANDO FELISBERTO VOLTOU
20 - O VALOR DO TRABALHO
21 - A MOLÉSTIA SALVADORA
22 - O REMÉDIO À PREGUIÇA
23 - A SOLUÇÃO CARIDOSA
24 - A ESTRANHA INDICAÇÃO
25 - TRAGÉDIA OCULTA
26 - ASSISTÊNCIA ESPIRITUAL
27 - DOIS COMPANHEIROS
28 - A QUEIXOSA
29 - O DIAGNÓSTICO
30 – MANIA DE ENFERMIDADE
31 - O DOUTRINADOR RIGORISTA
32 - A CRENTE INTERESSADA
33 - OBSESSÃO DESCONHECIDA
34 - A CONSELHEIRA INVIGILANTE
35 - PROSELITISMO DE ARRASTAMENTO
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 09, 2017 9:04 am

DO NOTICIARISTA DESENCARNADO
A sepultura não é a porta do céu, nem a passagem para o inferno.
É o bangaló subterrâneo das células cansadas - silencioso depósito do vestuário apodrecido.
O homem não encontrará na morte mais do que vida e, no misterioso umbral, a grande surpresa é o encontro si mesmo.
Falar, pois, de homens e de espíritos, como se fossem expoentes de duas raças antagónicas, vale por falsa concepção das realidades eternas.
As criaturas terrenas são, igualmente, Espíritos revestidos de expressões peculiares ao planeta.
Eis a verdade que o Cristianismo restaurado difundirá nos círculos da cultura religiosa.
Quanta gente aguarda a grande transição para regenerar costumes e renovar pensamentos?
Entretanto, adiar a realização do bem é, sempre, menosprezar patrimónios divinos, agravando dificuldades futuras.
O deslumbramento que invadiu as zonas de intercâmbio, entre as esferas visível e invisível, operou singulares atitudes nos aprendizes novos.
Em círculos diversos, companheiros nossos, pelo simples facto de haverem transposto os umbrais do sepulcro, são convertidos, pelos que ficaram na Terra, em oráculos supostamente infalíveis; alguns amigos, porque encontraram benfeitores na zona espiritual, esquecem os serviços que lhes competem no esforço comum; médiuns necessitados de esclarecimentos são transformados em semi-deuses.
A alegria da imortalidade embriagou a muitos estudiosos imprevidentes.
Dorme-se ao longo de trabalhas valiosos e urgentes, à espera de mundos celestiais, como se o orbe terrestre não integrasse a paisagem do Infinito.
É necessário, portanto, recordar que a existência humana é oportunidade preciosa no aprendizado para a vida eterna.
Ensina-se-nos, aqui, que Espíritos protectores e perturbados, nobres e mesquinhos, podem ser encontrados nos planos visíveis e invisíveis.
Cada criatura humana tem a sua cota de deveres e direitos, de compromissos e possibilidades.
Zonas felizes e desventuradas permanecem nas consciências, na multiplicidade de posições mentais dos Espíritos eternos.
Tanto na Terra como no Céu, a responsabilidade é lei.
Neste quadro de observações, o Consolador é a escola divina destinada ao levantamento das almas.
Urge, pois, que os discípulos se despreocupem do Espiritismo dos mortos, para colocar acima de todas as demonstrações verbalistas o Espiritismo dos vivos na eternidade.
Dentro de cada aprendiz há um mundo a desbravar.
A Terra é também a grande universidade.
Ninguém despreze a luta, o sofrimento, a dificuldade, o testemunho próprio.
A luz, o bem, a sabedoria e o amor, a compreensão e a fraternidade, o cérebro esclarecido e as mãos generosas dependem do esforço pessoal, antes de tudo.
O Sol ilumina o mundo, a chuva fecunda ti terra, a árvore frutifica, as águas suavizam a aridez do deserto; mas o homem deve caminhar por si mesmo.
As maravilhas e dádivas da Natureza superior não eximem a criatura da obrigação de seguir com o Cristo, para Deus.
Quando tantos companheiros dormem esquecendo o serviço, ou contendem por ninharias copiando impulsos infantis, trago-te, leitor amigo, estas reportagens despretensiosas lembrança humilde de humilde noticiarista desencarnado.
As experiências relacionadas, nestas páginas singelas, falam eloquentemente de nossas necessidades individuais.
Não devemos continuar na condição de meros beneficiários da Casa de Deus, reincidentes nas dívidas e falhas criminosas.
A Providência nos oferece tesouros imperecíveis.
O Pai repartiu a herança com magnanimidade e justiça.
Não há filhos esquecidos e todos somos seus filhos.
Trazendo-te, pois, meu esforço desvalioso, feito de coração para corações, termino afirmando que todas estas reportagens são reais e que, se os nomes das personagens obedecem à convenção da caridade fraternal, aqui não há ficções nem coincidências.
Cada história representa um caso individual, no imenso arquivo das experiências humanas, para compreensão da vida eterna.

Pedro Leopoldo, 8 de dezembro de 1942.
Humberto de Campos
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 09, 2017 9:04 am

1 - AMARGURAS DE UM SANTO
Falava-se numa roda espiritual da melhor maneira de cultivar a prece, quando um amigo sentenciou:
- Uma herança perigosa dos espiritistas é a de transformar a memória de um companheiro desencarnado numa espécie de culto de falsa santidade.
O bom trabalhador do Cristo não faz mais que cumprir um dever, e não é justo se lhe perturbe a serenidade espiritual com a repetição de cenas mundanas, perfeitamente idênticas, às cerimónias canónicas.
Não raro, a morte arrebata do convívio terrestre um irmão consciencioso, dedicado, e imediatamente os amigos da Doutrina o transformam num tabu de fictícia inexpugnabilidade.
É verdade; - exclamou um dos presentes - em todas as questões é justo perguntarmos qual foi o procedimento de Jesus; e, no caso da prece, não se vê, nos Evangelhos, um culto particular, a não ser a contínua comunhão entre o Cristo e o Pai que está nos Céus.
Um ex-padre católico, com o sorriso da bonança que sempre surge depois das grandes desilusões, acrescentou em tom amistoso:
- É razoável que os homens do mundo não interrompam as tradições afectuosas com aqueles que os precedem na jornada silenciosa do túmulo, conservando nas almas a mesma disposição de ternura e de agradecimento, na recordação dos que partiram.
Entretanto, no capítulo das rogativas, das solicitações, dos empenhos, convém que toda criatura se dirija a Deus, ciente de que a sua vontade soberana é sempre justa e de que a sua inesgotável bondade se manifestará, de um ou de outro modo, através dos mensageiros que julgue conveniente aos fins colimados.
Em minhas experiências nas esferas mais próximas do Planeta, sempre reconheci que os Espíritos mais homenageados na Terra são os que mais sofrem, em virtude da pouca prudência dos seus amigos.
Aliás, neste particular, temos o exemplo doloroso dos «santos».
Sabemos que raros homens canonizados pela igreja humana chegaram, de facto, à montanha alcantilada e luminosa da Virtude.
E essas pobres criaturas pagam caro, na Espiritualidade, o incenso perfumoso das gloríolas de um altar terrestre.
A palestra tomava um carácter dos mais interessantes, quando o mesmo amigo perguntou de repente, depois de uma pausa:
- Vocês conhecem a história de São Domingos Gonzalez?
E enquanto os presentes se entreolhavam mudos, em íntima interrogação, continuou:
- Domingos Gonzalez era um padre insinuante, dotado de poderosa e aguçada inteligência.
Sua carreira sacerdotal, dado o seu carácter flexível, foi um grande voo para as posições mais importantes e elevadas.
Dominava todos os companheiros pelo poder de sua palavra quente e persuasiva, cativava a atenção de todos os seus superiores pela:
humildade exterior de que dava testemunho, embora a sua vida íntima estivesse cheia de penosos deslizes.
A verdade é que, lá pelos fins do século XV, era ele o Inquisidor-Geral de Aragão; mas, tal foi o seu método condenável de acção no elevado cargo que lhe fora conferido, que, por volta de 1485, os israelitas o assassinaram na catedral de Zaragoza, em momento de sagradas celebrações.
O nosso biografado acordou, no além-túmulo, com as suas chagas dolorosas, dentro das terríveis realidades que lhe aguardavam o Espírito imprevidente; mas, os eclesiásticos concordaram em pleitear-lhe um lugar de destaque nos altares humanos e venceram a causa.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 09, 2017 9:05 am

Em breve tempo, a memória de Domingos transformava-se no culto de um santo.
Mas, aí, agravaram-se, no plano invisível, os tormentos daquela alma desventurada.
Envergonhado e oprimido, o ex-padre influente do mundo sentia-se qual mendigo faminto e coberto de pústulas..
Nós, porém, sabemos que as recordações pesadas do Planeta são como forças invencíveis que nos prendem à superfície da Terra, e o infeliz companheiro foi obrigado a comparecer, embora invisível aos olhos mortais, a todas as cerimónias religiosas que se verificaram na instituição de seu culto.
Domingos Gonzalez, assombrado com as acusações da própria consciência, assistiu a todas as solenidades da sua canonização, sentindo-se o mais desgraçado dos seres.
As pompas de acontecimento eram como espadas intangíveis que lhe atravessassem, de lado a lado, o coração vencido e sofredor.
Os cânticos de glorificação terrena ecoavam-lhe no íntimo como soluços da sombra e da amargura.
E, desde essa hora, intensificaram-se-lhe os padecimentos.
Sua angústia agravou-se, primeiramente em virtude da nova posição do círculo familiar.
Os que lhe eram afins pelo sangue entenderam que não mais deviam o tributo comum de trabalho e realização ao mundo.
Como parentes de um santo, não mais quiseram trabalhar.
E essa atitude se estendeu aos seus mais antigos companheiros de comunidade.
Os poucos valores da agremiação religiosa, a que pertencera, desapareceram.
Seus colegas de esforço estacionaram voluntariamente na preguiça criminosa e no hábito das homenagens sucessivas.
O grupo havia produzido um santo:
devia ser o bastante para garantia de uma posição definitiva no Céu.
O Espírito infeliz contemplava semelhante situação, banhado em lágrimas expiatórias.
E o seu martírio continuou.
Sabemos que um apelo da Terra é recebido em nosso meio, tão logo seja expedido por um coração que se debata nas lutas redentoras do mundo.
Se o serviço postal do orbe pode estar sujeito aos erros de administração, ou à má-vontade de um estafeta, desviando do seu destino uma mensagem, no plano espiritual não se verificam semelhantes perturbações.
A solicitação justa ou injusta dos homens vem ter connosco pelos fios do pensamento, na divina claridade do magnetismo universal.
E Domingos começou a receber os pedidos mais imprudentes dos seus numerosos devotos.
A alma desventurada ficou absolutamente presa à Terra e, de instante a instante, era obrigada a atender aos apelos mais extravagantes e mais absurdos.
Se um criminoso desejava fugir à acção da justiça no mundo, valia-se de Domingos, invocando-lhe a memória, entre receios e rogativas.
As mães desassisadas, que não cogitaram da educação dos filhos, em pequeninos, lhe rogavam de joelhos a correcção tardia desses filhos transviados em maus caminhos.
Os velhacos lhe faziam promessas, a fim de realizarem um bom negócio.
As moças casadouras lhe imploravam a aliança do noivo rebelde e arredio. Os sacerdotes pediam-lhe a atenção dos superiores.
E, finalmente, todos os sofredores sem consciência lhe suplicavam o afastamento da cruz de provações que lhes era indispensável.
Chumbado ao mundo, Domingos, durante mais de um século, perambulou pelas casas dos devotos, pelas estradas desertas, pelos círculos de negócios, pelos covis dos bandidos.
Seu aspecto fazia pena.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 09, 2017 9:05 am

Foi quando, então, dirigiu a Jesus a súplica mais fervorosa de sua vida espiritual, implorando que lhe permitisse voltar à Terra, a fim de esconder no esquecimento da carne as suas enormes desditas.
Queria fugir do plano invisível, detestava o título de santo, aborrecia todas as homenagens, atormentava-o o altar do mundo.
Suas lágrimas eram amargas e comovedoras, e o Senhor, como sempre, não lhe faltou com a bondade infinita.
Assim como um grupo de amigos influentes procura colocação para o homem desempregado e aflito no mundo, alguns companheiros dedicados vieram oferecer ao pobre Espírito sofredor uma reencarnação como escravo, no Brasil.
Domingos Gonzalez ficou radiante.
Chorou de júbilo, de agradecimento a Jesus e, em breve tempo, tomava a vestimenta escura dos cativos, sentindo-se ditoso e confortado, cheio de alegria e reconhecimento.
O nosso amigo fizera uma pausa na sua narrativa.
Estávamos, porém, altamente interessados e eu perguntei:
- E o santo está hoje nos planos mais elevados da Espiritualidade?
Seria extremamente curiosa a palavra directa de sua desilusão e de sua experiência valiosa...
- Não, ainda não - replicou o narrador, com ar discreto.
Domingos tem vivido sucessivamente no Brasil e ainda hoje, continua, aí, a. esforçar-se pela sua redenção espiritual, guardando instintivamente o mais terrível receio de chegar às esferas invisíveis com o título de santidade.
Mas, as obrigações comuns dispersaram o grupo em palestra e, dentro de pouco tempo, estava eu novamente só, com o meu trabalho e com a. minha meditação.
E nesse dia, impressionado com a história daquela amarga experiência, não pude retirar da imaginação aquele santo que trocara os incensos do altar pela atmosfera nauseante de uma senzala do cativeiro.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 09, 2017 9:05 am

2 - O IRMÃO SEVERIANO
Severiano Fagundes era dos melhores doutrinadores do Espiritismo numa das grandes capitais brasileiras.
Sua palavra vibrante era muito admirada nas tribunas doutrinárias; sua presença, um estímulo aos companheiros.
Temperamento expansivo, era portador de expressões alegres e vivas, óptimo organizador dos serviços de intercâmbio com o Invisível, tinha especial aptidão para convencer as entidades recalcitrantes, embora não as convencesse de todo, relativamente aos deveres espirituais.
Sabia elucidar os médiuns, formar as sessões práticas, transmitir verbalmente os ensinamentos recebidos.
Surgiam obsidiados? Lá estava o Severiano combatendo os agentes da discórdia, esclarecendo - obsessores infelizes.
Entretanto, o poderoso doutrinador, além de profundamente arbitrário em seus modos de agir, parecia comprazer-se em certas irregularidades da vida.
Se algum companheiro se aproximava, prudentemente, e lhe falava dos perigos que semelhante situação poderia acarretar, Severiano dava de ombros e interrogava:
-“Ora, mas que tem isso? São
futilidades da existência humana.
A verdade é que nunca me viram faltar aos deveres para com a Doutrina.
Compareço pontualmente às reuniões, não me furto ao trabalho de esclarecimento dos irmãos perturbados, nem me nego ao concurso fraternal nas actividades mais pesadas do nosso grupo”.
E a vida passava.
O nosso amigo tinha os seus casos tristes, suas situações escabrosas, mas continuava impávido no arrojo da pregação.
Não faltava às sessões, mas esquecia a família; doutrinava os Espíritos mais cruéis, entretanto, alegava não tolerar a esposa que Deus lhe havia confiado, porque não pudera compreender o Espiritismo à sua maneira; preparava bem os médiuns; contudo, não se interessava pelos filhos, como devia.
E era um companheiro valente o Severiano. Sabia animar, corrigir, resolver problemas difíceis, lançar incentivos eficazes.
Os anos passaram sobre o quadro, de seus serviços, o ardoroso doutrinador foi chamado à esfera espiritual.
Em virtude de seus conhecimentos, relativamente à Doutrina, Severiano percebeu que não mais pertencia ao número dos adormecidos na carne.
Estava plenamente convencido da transição fenoménica da morte do corpo.
No entanto, como no plano invisível cada criatura somente poderá ver através da luz que acendeu na própria alma, o grande propagandista dos princípios doutrinários, com imensa surpresa, não encontrou os amigos espirituais com que contava, não obstante o esforço de todos em seu favor.
Viu-se sem rumo, entre sombras e paisagens confusas.
Ao contrário de suas ilusões no período de actividades que lhe antecedera ao desprendimento do mundo, começou a reflectir mais seriamente na vida particular que a esponja do tempo havia absorvido.
Revia, agora, os mínimos detalhes das ocorrências pequeninas.
Ter-se-ia portado bem nessa ou naquela circunstância?
A consciência dizia-lhe que não, que ficaram muitas tarefas por fazer, em virtude da deficiência de seu esforço, sempre tão pronto para ensinar aos outros.
À medida que se escoavam os dias, observava a multiplicação dos remorsos e dores íntimas.
O pobre amigo não sabia como explicar o seu mal-estar, qual o motivo da paisagem escura que o cercava.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 09, 2017 9:05 am

Certo dia, Severiano chorou como criança, nas súplicas que procurou elevar a Deus.
Lembrou as reuniões em que ensinara austeras disciplinas, via-se à frente das entidades perturbadas que se comunicavam, e recordava as exortações que lhes dirigia corajosamente.
Severiano chorou.
É verdade que, como homem, havia errado muito, fugindo aos trabalhos próprios de sua vida; no entanto, devotara-se à doutrina dos Espíritos, espalhara consolações e conselhos.
Nesse instante, uma sincera compunção parecia arrebatá-lo a lugar diferente.
Viu-se numa paisagem mais leve, à frente de uma entidade de semblante divino, que o contemplava carinhosamente.
- Irmão querido - perguntou o ex-doutrinador, sensibilizado -, por que sofro tanto, em caminhos sem luz?
- Ê que acendeste muita claridade nos outros, mas esqueceste de ti mesmo - esclareceu a nobre entidade com amoroso sorriso.
Severiano começou a explicar-se:
lamentou a sua situação, falou longamente, mas o mensageiro de Jesus interrogou com solicitude fraternal:
- Irmão Severiano, serviste de facto ao Evangelho?
- Sim - replicou o mísero, hesitante -, disciplinei muitos Espíritos perturbadores, fazendo-lhes sentir os deveres que lhes competiam.
A generosa entidade tomou então de um grande volume e afirmou com bondade:
- Temos aqui o Evangelho, tal como o estudaste no mundo.
Observemos o que nos diz a lição de Jesus, com respeito à tua primeira alegação.
E o livro abriu-se, automaticamente, impulsionado por energias luminosas, apresentando o versículo 4 do capítulo 23, de Mateus:
“Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar e os põem aos ombros dos homens; eles, porém, nem com o dedo querem movê-los.”
Severiano Fagundes ficou muito pálido.
Recordou, instintivamente, tudo o que deixara de fazer no círculo de suas obrigações justas.
Como o generoso amigo espiritual o contemplava em silêncio, sorrindo com amor, o pobre irmão, que lembrava as lutas da Terra, murmurou:
- Sei que não cuidei de mim, como deveria; entretanto, tive muita fé.
Essas palavras foram proferidas com enorme desapontamento. Mas o emissário do Cristo voltou a dizer:
- Vejamos, então, o que nos diz o Evangelho, relativamente à tua segunda alegação.
E surgiu o vêrsículo17 do capítulo 2 da Epístola universal de Tiago, em caracteres - radiosos:
“Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma.”
Severiano baixou os olhos e começou a chorar amargamente, pois só agora reconhecia que ensinara muito Evangelho aos outros, lendo o com leviandade; todavia, não aplicara o código divino à própria vida.
Nada mais disse ao mentor carinhoso e justo quê, abraçando-o fraternalmente, murmurou com bondade infinita:
- Irmão Severiano, levanta os olhos para o Mestre e anima-te!
Voltarás à Terra para o serviço redentor; mas, não te esqueças de que, como encarnado, serás também Espírito em doutrinação.
É preciso escutar o dever, a luta e o sofrimento...
São mensageiros de Jesus os que ensinam o Evangelho na Terra.
Precisamos ser canal de verdade para os outros; mas não é só isso, porque é indispensável sejamos canais e reservatórios ao mesmo tempo, a fim de que, como discípulos de um Mestre tão rico de sabedoria e amor, não venhamos a sucumbir pela miséria própria.
A generosa entidade continuou a exaltar a beleza das obrigações cumpridas e, cheio de lágrimas e esperanças novas, Severiano Fagundes começou a preparar-se para recomeçar a lição na vida humana.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 09, 2017 9:06 am

3 - A VIDÊNCIA ESQUECIDA
Benício Fernandes era assíduo frequentador de um grupo espiritista, mas, nunca se furtara à enorme contrariedade por não participar da visão directa, dos quadros movimentados da esfera invisível.
Desejava, ardentemente, os dons mediúnicos mais avançados.
Fazia inúmeros exercícios para obtê-los.
Iniciavam-se os trabalhos habituais e lá estava o nosso amigo em profunda concentração, ansioso por surpreender as visões reveladoras.
Tudo, porém, em torno do seu mundo sensorial, era expectação e silêncio.
Terminada a reunião, ouvia, velando a própria mágoa, certas descrições de alguns companheiros.
Este observara a presença de Espíritos amigos, aquele contemplara maravilhoso quadro simbólico.
Falava- se de mensagens, de painéis, de luzes entre vistas.
Dentre os visitantes comuns, de passagem pelo grupo, surgiam preciosos casos de factos vividos.
Havia sempre alguém a comentar um acontecimento inesquecível, de sabor doutrinário, ocorrido no seio da família.
Benício não conseguia disfarçar a inveja e o desgosto e despedia-se, quase bruscamente, nervoso, fisionomia estranha e taciturna, para entregar-se em casa a pensamentos angustiosos.
Por que razão não conseguia perceber as manifestações do plano espiritual?
Seria justo acompanhar o esforço dos companheiros, quando, a seu ver, se sentia desatendido em suas necessidades?
A coisa ia assumindo carácter de terrível obsessão.
Nosso amigo não mais ocultava o mal-estar íntimo.
Se alguém, depois de uma prece, o interrogava sobre as observações próprias, esclarecia em tom desabrido:
“Nada vi, nada sinto.
Acredito que sou uma pedra!”
Aquelas atitudes revelavam profunda desesperação aos companheiros preocupados.
A situação agravava se cada vez mais, quando, uma noite, Benício sonhou que aportava ao mundo espiritual, convocado por um amigo desejoso de receber suas notícias directas.
Na paisagem de intraduzível beleza, o desvelado mentor abraçou-o e cogitou das suas amarguras.
O pobre homem estava deslumbrado com o que via, sem encontrar meio de expressar a sensação de gozo que lhe ia na alma; toda via, respondeu - sem hesitação:
- Meu grande benfeitor, não me posso queixar da minhas lutas terrenas, mas não devo ocultar minha grande_ mágoa.
A respeitável entidade fez um gesto interrogativo, enquanto Benício continuava:
-Desgraçadamente, para mim, embora participe dos esforços de uma nobre agremiação de estudos evangélicos, nunca vi os Espíritos!...
-Mas não estás com a luta temporária da cegueira!
Objectou o amigo venerando, afavelmente.
- Esqueces, acaso, que teu plano de trabalho está ,igualmente povoado de Espíritos em diversos graus da ascensão evolutiva?!
Crês, porventura, que, os habitantes da Terra sejam personalidades, estranhas à comunidade universal?
Benício Fernandes experimentou imenso choque.
Aquela interpretação inesperada lhe desnorteava os pensamentos.
Como desejasse rectificar o engano de suas cogitações, acentuou com algum desapontamento:
- Sinto ânsia ardente de contemplar os Espíritos protectores, beijar-lhes as mãos todos os dias, manifestando-lhes meu reconhecimento.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 09, 2017 9:06 am

- Esqueceste tua velha mãezinha? - perguntou o mentor solícito.
Há quanto tempo não te recordas de orar com ela, osculando-lhe as mãos carinhosas?
Acreditas, talvez, que os cabelos brancos dispensam os carinhos?
E teu tio; esgotado nos trabalhos mais grosseiros do mundo, por ajudar tua mãe, na viuvez?
Olvidaste, Benício, esses Espíritos protectores de tua vida?
O discípulo da Terra experimentou frio cortante na alma; no entanto, prosseguiu:
- Compreendo...
Mas não me posso furtar ao desejo de entrar em contacto com as nobres entidades que dirigem ali tarefas e conhecer-lhes os superiores desígnios.
- Não recordas teu chefe de trabalho diário? - interrogou o benfeitor venerável.
- Ele é um bom Espírito dirigente.
Supões que a tua oficina e a sua administração estivessem no mundo, a esmo?
Não desdenhes a possibilidade de integrares elevados programas de acção do teu director de trabalhos terrestres.
Auxilia-o com a boa-vontade sincera.
Antes de examinar-lhe as decisões com pruridos de crítica, -procura algum meio de contribuir com o teu esforço, honrando-lhe os propósitos.
E como o interlocutor estivesse, agora, profundamente emocionado, o amoroso mensageiro continuou:
- Olvidaste os directores da instituição doutrinária onde buscas benefícios?
Aqueles irmãos muitas vezes são caluniados e incompreendidos.
Considera-lhes os sacrifícios.
Quase sempre sofrem os ataques da malícia humana e necessitam de companheiros abnegados para a obra generosa de suas fundações fraternais.
É justo que não sejas apenas mero sócio contribuinte de despesas, materiais, e sim participante activo do trabalho evangélico, isto é, sincero sócio de Jesus-Cristo.
O aprendiz da Terra sentia-se extremamente envergonhado.
Suas ideias modificavam-se em ritmo vertiginoso.
Entretanto, na sua feição de homem do mundo, pouco inclinado a ceder das próprias opiniões, redarguiu em tom de mágoa:
- Sim, meu bondoso amigo, reconheço a justiça e a grandeza das vossas observações; entretanto, nas minhas actividades terrenas, queria ver, pelo menos, algum Espírito sofredor, alguma entidade necessitada, ou ignorante...
Valendo-se da pausa que se fizera espontânea com os derradeiros argumentos, o carinhoso emissário voltou a dizer:
- Almas desalentadas, entre feridas e angústias?
Seres necessitados de assistência e de luz?
Não te lembras mais dos filhinhos que o Céu te concedeu?
Penetras cegamente os portais da tua instituição, a ponto de não veres os enfermos e derrotados da sorte que ali procuram o socorro do Evangelho de Jesus-Cristo?
Nunca viste os que se aproximam da fonte das bênçãos, tomados de intenções mesquinhas e criminosas, terríveis obsessores dos operários fiéis?
Benício estava agora extático, demonstrando haver afinal compreendido.
- Andas assim tão esquecido da vidência preciosa que Deus te confiou? - prosseguia o mentor espiritual, solicitamente.
Se ainda não pudeste contemplar os Espíritos benfeitores, ou malfeitores, que te rodeiam na Terra, como queres conhecer e classificar as potências do Céu?
Volta para casa e procura ver!...
Nesse instante, Benício sentiu-se perturbado pela explosão de um ruído imenso.
Era o relógio que o despertava.
Acordou, esfregou os olhos e preparou-se para tomar o trem suburbano, dentro de alguns minutos.
Nessa manhã, Benício Fernandes levantou-se, tomou o café, abraçou mais afectuosamente a esposa e os filhinhos.
Cada coisa da sua modesta habitação apresentava, agora, aos seus olhos, uma expressão diferente e mais preciosa.
Antes de sair foi beijar as mãos de sua mãe paralítica, o que há muito não fazia; perguntou pelo velho tio que saíra mais cedo, e, engolfado em grandiosos pensamentos, dirigiu-se para o trabalho, meditando na Providência Divina que lhe havia permitido receber uma lição para o resto da vida.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Ago 09, 2017 9:07 am

4 - ESPÍRITOS PROTECTORES
Jehul, elevada entidade de uma das mais belas regiões da vida espiritual, foi chamado pelo caricioso apelo de um nobre mensageiro da Verdade e do Bem, que lhe falou nestes termos:
- Uma das almas a que te vens devotando particularmente, de há muitos séculos, vai agora ressurgir nas tarefas da reencarnação sobre a Terra.
Seus destinos foram agravados de muito em virtude das quedas a que se condenou pela ausência de qualquer vigilância, mas o Senhor da Vida concedeu-lhe nova oportunidade de resgate e elevação.
Jehul sorriu e exclamou, denunciando sublimes esperanças:
- É Laio?
- Sim - replicou o generoso mentor -, ele mesmo, que noutras eras te foi tão amado na Etrúria.
Atendendo às tuas rogativas, permite Jesus que lhe sejas o guardião desvelado, através de seus futuros caminhos.
Ouve, Jehul! - serás seu companheiro constante e invisível, poderás inspirar-lhe pensamentos rectificadores, cooperar em suas realizações proveitosas, auxiliando-o em nome de Deus; mas, não esqueças que tua tarefa é de guardar e proteger, nunca de arrebatar o coração do teu tutelado das experiências próprias, dentro do livre-arbítrio espiritual, a fim de que construa suas estradas para o Altíssimo com as próprias mãos.
Jehul agradeceu a dádiva, derramando lágrimas de reconhecimento.
Com que enlevo pensou nas possibilidades de conchegar ao seio aquele ser amado que, havia tanto tempo, se lhe perdera do caminho!... Laio lhe fora filho idolatrado na paisagem longínqua.
É certo que não lhe compreendera a afeição, na recuada experiência.
Desviara-se das sendas rectas, quando ele mais esperava de sua mocidade e inteligência; seu coração carinhoso, porém, preferira ver no fato um incidente que o tempo se encarregaria de eliminar.
Agora, tomá-lo-ia de novo nos braços fortes e o reconduziria à Casa de Deus. Suportaria, corajosamente, por ele, a pesada atmosfera dos fluidos materiais. Toleraria, de bom grado, os contrastes da Terra.
Todos os sofrimentos eventuais seriam poucos, pois acabava de alcançar a oportunidade de erguer, dentre as dores humanas, um irmão muito amado, que fora seu filho inesquecível.
O generoso amigo espiritual atravessou as paisagens maravilhosas que o separavam do ambiente terrestre. Ficaram para trás de seus passos os jardins suspensos, repletos de flores e de luz.
As melodias das regiões venturosas distanciavam-se-lhe dos ouvidos.
Esperançoso, desassombrado, o solícito emissário penetrou a atmosfera terrestre e achou-se diante de um leito confortável, onde se identificava um recém-nascido pelo seu brando choramingar.
Os Espíritos amigos, encarregados de velar pela transição daquele nascimento, entregaram-lhe o pequenino, que Jehul beijou, tomado de profunda emoção, apertando-o de encontro ao peito afectuoso.
E era de observar-se, daí em diante, o devotamento com que o guardião se empenhou na tarefa de amparar a débil criança.
Sustentou, de instante a instante, o espírito maternal, solucionando, de maneira indirecta, difíceis problemas orgânicos, para que não faltassem os recursos da paz aos primeiros tempos do inocentinho humano.
E Jehul ensinou-lhe a soletrar as primeiras palavras, reajustando-lhe as possibilidades de usar novamente a linguagem terrestre.
Velou-lhe os sonos, colocou-o a salvo das vibrações perniciosas do invisível, guiou-lhe os primeiros movimentos dos pés.
O generoso protector nada esqueceu, e foi com lágrimas de emoção que inspirou ao coração materno as necessidades da prece para a idolatrada criancinha.
Depois das mãos postas para pronunciar o nome de Deus, o amigo desvelado acompanhou-a a escola, a fim de restituir-lhe, sob as bênçãos do Cristo, a luz do raciocínio.
Jehul não cabia em si de contentamento e esperança, quando Laio se abeirou da mocidade.
Então, a perspectiva dos sentimentos transformou-se.
De alma aflita, observou que o tutelado regressava aos, mesmos erros de outros tempos, na, recapitulação das experiências necessárias.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 10, 2017 8:54 am

Subtraía-se, agora, à vigilância afectuosa dos pais, inventava pretextos desconcertantes e, por mais que ouvisse as advertências preciosas e doces do mentor espiritual, no santuário da consciência, entregava-se, vencido, aos conselheiros de rua, caindo miseravelmente nas estações do vício.
Se Jehul lhe apontava o trabalho como recurso de elevação, Laio queria facilidades criminosas; se alvitrava providências da virtude, o fraco rapaz desejava dinheiro com que se desvencilhasse dos esforços indispensáveis e justos.
Entre sacrifícios e dores ásperas, o prestimoso guardião viu-o gastar, em prazeres condenáveis, todas as economias do suor paternal, assistindo aos derradeiros instantes de sua mãe, que partia, da Terra, ferida pela ingratidão filial.
Laio relegara todos os deveres santos ao abandono, entregando-se à ociosidade destruidora.
Não obstante os cuidados do mentor carinhoso, procurou o álcool, o jogo e a sífilis, que lhe sitiaram ,a existência consagrada por ele ao desperdício.
O dedicado amigo, entretanto, não desanimava.
Após o esgotamento dos recursos paternos, Jehul cooperou junto de companheiros prestigiosos, para que o tutelado alcançasse trabalho.
Embora contrafeito e subtraindo-se, quanto possível, ao cumprimento das obrigações, Laio tornou-se auxiliar de urna empresa honesta, que, às ocultas, era objecto de suas críticas escarnecedoras.
Quem se habitua à ociosidade criminosa costuma caluniar os bens do espírito de serviço.
De nada valiam os conselhos do guardião, que lhe falava, solícito, nos quais profundos recessos do ser.
Daí a pouco tempo, menos por amor que por necessidade, Laio buscou uma companheira.
Casou-se. Mas, no desregramento que se entregava de muito tempo, não encontrou matrimónio senão sensações efémeras que terminavam em poucas semanas, como a potencialidade de um fósforo que se apaga em alguns segundos.
Jehul, no entanto, alimentou a esperança de que talvez a união conjugal lhe proporcionasse oportunidade para ser convenientemente ou não.
Isso, todavia, não aconteceu.
O tutelado não sabia tratar a esposa senão entre desconfianças e atitudes violentas.
Sua casa era uma seção do mundo inferior a que havia confiado seus ideais.
Recebendo três filhinhos para o jardim do lar, muito cedo lhes inoculava no coração as sementes do vício, segregando-os num egoísmo cruel.
Quando viu o infeliz envenenando outras almas que chegavam pela bondade infinita de Deus para a santa oportunidade de serviços novos, Jehul sentiu-se desolado e, reconhecendo que não poderia prosseguir sozinho naquela tarefa, solicitou o socorro dos Anjos das Necessidades.
Esses mensageiros de educação espiritual lhe atenderam atenciosamente aos rogos, começando por alijar o tutelado do emprego em que obtinha o pão cotidiano.
Entretanto, em lugar de melhorar-se com a experiência buscando meditar como convinha, Laio internou-se por uma rede de mentiras, fazendo-se de vítima para recorrer às leis humanas e ferir as mãos de antigos benfeitores.
Acusou pessoas inocentes, exigiu indemnizações descabidas, tornou-se odioso aos amigos de outros tempos.
Jehul foi então mais longe, pedindo providências aos Anjos que se incumbem do Serviço das Moléstias úteis, os quais o auxiliaram de pronto, conduzindo Laio ao aposento da enfermidade reparadora, a fim de que o mísero pudesse reflectir
na indigência da condição humana e na generosa paternidade do Altíssimo; aquele homem rebelde, contudo, pareceu piorar cem por cento.
Tornou-se irascível e insolente, abominava o nome de Deus, sujava a boca com inúmeras blasfémias.
Foram necessários verdadeiros prodígios de paciência para que Jehul lhe lavasse do cérebro esfogueado e caprichoso os propósitos de suicídio.
Foi aí que, desalentado quanto aos recursos postos em prática, o bondoso guardião implorou os bons ofícios dos Anjos que se encarregam dos Trabalhos da Velhice Prematura.
Os novos emissários rodearam Laio com atenção, amoleceram-lhe.
as células orgânicas, subtraíram-lhe do rosto a expressão de firmeza e resistência, alvejaram-lhe os cabelos e enrugaram-lhe o semblante.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 10, 2017 8:54 am

No entanto, o infeliz não cedeu.
Preferia ser criança ridícula nas aparências de um velho, a entrar em acordo com o programa da Sabedoria Divina, a favor de si mesmo.
Enquanto blasfemava, seu amigo orava e desdobrava esforços incessantes; enquanto praticava loucuras, o guardião duplicava sacrifícios e esperanças.
O tempo passava célere, mas, um dia, o Anjo da Morte veio espontaneamente ao grande duelo e falou com doçura:
- Jehul, chegou a ocasião da tua retirada!...
O generoso mentor abafou as lágrimas de angustiosa surpresa.
Fixou o mensageiro com olhos doridos e súplices; o outro, no entanto, continuou:
- Não intercedas por mais tempo!
Laio agora me pertence.
Conduzi-lo-ei aos meus domínios, mas podes rogar a Deus que o teu tutelado recomece, mais tarde, outra vez...
Terminara a grande partida.
A Morte decidira no feito, pelos seus poderes transformadores, enquanto o guardião recolhia, entre lágrimas, o tesouro de suas esperanças imortais.
E, grafando esta história, lembro-me que quase todos os Espíritos encarnados têm algum traço do Laio, ao passo que todos os Espíritos protectores têm consigo os desvelos e os sacrifícios de Jehul.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 10, 2017 8:55 am

5 - O NATAL DIFERENTE
Muito raro observar-se temperamento tão apaixonado, quanto o de Emiliano Jardim.
No fundo, criatura generosa e sincera, mas as noções materialistas estragavam-lhe os pensamentos.
Debalde cooperavam os amigos em renovar-lhe as ideias.
O rapaz reportava-se a umas tantas teorias de negação, e a moléstia espiritual prosseguia do mesmo jeito.
O casamento, realizado entre pompas familiares, em nada melhorara a situação; quando, porém, Emiliano experimentou a primeira dor da paternidade, ao ver o filho arrebatado pela morte, esse golpe profundo lhe abalou o espírito personalista.
Justamente por essa época, generoso padre meteu-lhe nas mãos um livro de consolação religiosa, à guisa de socorro.
Em semelhante fase do caminho, o contacto com os ensinamentos de Jesus lhe encheu a alma de serena doçura.
Estava deslumbrado.
Como não compreendera antes a beleza da fé?
Fez-se católico, sob aplausos gerais. Os afeiçoados se entreolhavam satisfeitos.
Emiliano, contudo, embora seduzido pelas verdades luminosas do Mestre, trazia a sua lição através da vida, como lhe acontecera ao tempo dos antigos postulados negativistas.
Acreditando servir ao ideal divino do Evangelho, terçava armas cruéis contra todos os que entendiam Jesus por prismas diferentes.
Acusava os protestantes, malsinava os espíritas.
Os anos, porém, correram na sabedoria silenciosa do tempo.
Ralado pelas desilusões de todo homem que procura a felicidade longe da redenção de si mesmo, o nosso amigo, certo dia, passou-se de armas e bagagens para o Protestantismo.
Entretanto, por mais que se esforçassem os companheiros, Emiliano não conseguia realizar a visão interna do Cristo, como Divino Amigo de cada instante, através de seus imperecíveis ensinamentos.
Tornou-se anticlerical violento e rude.
Esquecera todos os bens que a Igreja Católica lhe proporcionara, para recordar apenas suas deficiências, visíveis na imperfeição da criatura.
Alguns amigos menos vigilantes o felicitavam pelo desassombro; todavia, os mais experimentados reconheciam que o novo crente mudara a expressão religiosa exterior, mas não entregara o coração ao Cristo.
Depois de longa luta, Emiliano sente-se insatisfeito e ingressa nos arraiais espiritistas.
Emiliano, qual sucede à maioria dos crentes, admite a verdade, mas não dispensa os benefícios imediatos; dedica-se a Jesus, anseia por vê-lo nos outros homens, antes de senti-Lo em si próprio.
Sua actividade geral transtorna-se.
Enfrenta de armas na mão todos os companheiros antigos:
Supõe que deve levar a defesa da nova doutrina ao extremo.
A bondade dos guias espirituais, que se comunicam nas reuniões, ele a toma por elogio às suas atitudes.
Como, porém, a justiça esclarecida é sempre um credor generoso, que somente reclama pagamento depois de observar o devedor em condições de resgatar os antigos débitos, Emiliano, na posse de numerosos conhecimentos e bafejado de tantas exortações divinas, penetrou no caminho do resgate das velhas dívidas.
Tempos difíceis surgiram-lhe no horizonte individual.
Enquanto se esforçava para remover alguns obstáculos, outras montanhas de dificuldade apareciam, inesperadamente.
A moléstia, a escassez de recursos e a ironia dos ingratos visitaram-lhe a casa honesta.
A princípio resignado e forte, acabou desesperando-se.
Dizia-se abandonado pelos amigos espirituais e acusava os médiuns, cheios de obrigações sagradas, tão-só porque não podiam permanecer em longas concentrações, para solução dos seus casos pessoais.
Sentia-se perseguido por maus Espíritos, e, na sua inconformação, magoava companheiros respeitáveis.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 10, 2017 8:55 am

A dor, todavia, não interrompeu sua função purificadora.
Depois de penosa enfermidade, sua velha genitora partiu para a vida espiritual em condições amargas.
Não passou muito tempo e a esposa, perturbada nas faculdades mentais durante três anos, seguia o mesmo caminho.
Em seguida, os dois filhos que criara, com excessos de carinho, se voltaram contra o coração paternal, com injustas acusações.
Ao ensejo da calúnia, os últimos companheiros fugiram.
O nosso amigo, outrora tão discutidor e tão violento, experimentou desânimo invencível.
Nunca mais foi visto em rodas doutrinárias, nas tertúlias da inteligência; comumente era encontrado, como vagabundo vulgar, escondendo lágrimas furtivas.
Numa radiosa véspera de Natal, em que o ambiente festivo lhe falava da ventura destruída ao coração, Emiliano chorou mais que de costume e resolveu pôr termo à existência.
À noite, encaminhou-se para a praia, alimentando o sinistro desígnio.
Antes, porém, de consumar o erro extremo, pensou naquele Jesus que restituíra a vista aos cegos, que curara os leprosos, que amara os pobres e os desvalidos.
Tais lembranças lhe nevoaram os olhos de pranto doloroso, modificando-lhe as disposições mais íntimas.
Foi aí, nessa hora amargurada em que o mísero se dispunha a agravar as próprias angústias, que uma voz suave se fez ouvir no recôndito de seu espírito:
- Emiliano, há quanto tempo eu buscava encontrar-te; mas sempre me chamavas através dos outros, sem jamais procurar-me em ti mesmo!
Dá-me a tua dor, reclina a cabeça cansada sobre o meu coração!...
Muitas vezes, o meu poder opera na fraqueza humana.
Raramente meus discípulos gozam o encontro divino, fora das câmaras do sofrimento.
Quase sempre é necessário que percam tudo a fim de me acharem em si mesmos.
Tenho um santuário em cada coração da Terra; mas o homem enche esse templo divino de detritos, ou levanta muralhas de incompreensão entre o seu trabalho e a minha influência...
Nessas circunstâncias, em vão me procuram. . .
Emiliano estava inebriado.
Não ouvia propriamente uma voz idêntica à do mundo, mas experimentava o coração tomado por poderosa vibração, sentindo que as palavras lhe chegavam ao íntimo como aragem celestial.
Volta ao esforço diário e não esqueças que estarei com os meus discípulos sinceros até ao fim dos séculos!
Acaso poderias admitir que permaneço em beatitude inerte, quando meu amigos se dilaceram pela vitória de minha causa?
Não posso estacionar em vãs disputas, nem nas estéreis lamentações, porque necessitamos cuidar do amoroso esclarecimento das almas.
É por isso que estou, mais frequentemente, onde estejam os corações quebrantados e os que já tenham 'compreendido a grandeza do espírito de serviço.
Não te rebeles contra o sofrimento que purifica, aprende a deixar os bonecos a quantos ainda não puderam atravessar as fronteiras da infância.
Não analises nunca, sem amar.
Lembra-te de que, quando criticares teu irmão, também e sou criticado.
Ainda não terminei minha obra terrestre, Emiliano!
Ajuda-me, compreendendo a grandeza do seu objectivo e entendendo a fragilidade dos teus irmãos.
Dá o bem pelo mal, perdoa sempre!
Volta ao teu esforço!
Em qualquer posto de trabalho honesto poderás ouvir minha voz, desde que me procures no coração!...
Emiliano Jardim sentiu que as lágrimas agora eram de júbilo e reconhecimento.
Em breves instantes, experimentava radical transformação.
À sua frente via a imensidade do céu e a imensidade do oceano, sentindo-se como num mundo em que o Cristo houvera nascido.
Recordou que não tinha senão escórias de miséria para ofertar a Jesus, e que seus sentimentos rudes simbolizavam aqueles animais que foram as primeiras visitas da manjedoura singela.
Deslumbrado, endereçou um pensamento de paz a todos os companheiros do pretérito e começou a compreender que cada um permanecia em sua posição de trabalho, na tarefa que o Senhor lhe designara.
Poderosa vibração de amor ligava-o à Criação inteira.
Não se torturava em raciocínios.
Compreendia e chorava de júbilo.
Levantou-se, enxugou as lágrimas e retomou o caminho da cidade barulhenta.
O nosso amigo conhecia de longos anos o Salvador, mas só agora encontrara o Mestre.
Emiliano Jardim regressou, renovado, ao labor do Evangelho, depois do Natal diferente.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 10, 2017 8:55 am

6 - O DRAMA DE ANDRÉ
Falava-se, entre nós, dos problemas da educação com liberdade irrestrita, quando um dedicado servo do Evangelho observou com justiça:
- Crianças sem disciplina e jovens sem orientação sadia constituem o gérmen dos imensos desastres humanos.
A Civilização e o Estado podem apresentar os seus prejuízos, visto serem organizações perfectíveis nas mãos de homens imperfeitos ; contudo, sem a sua influência, reverteriam à animalidade anterior.
Assim ocorre, quanto ao lar e à educação doméstica.
A família tem o seu quadro de lutas ásperas; entretanto, se lhe retirarmos o aparelhamento, tudo voltará às tribos sanguinárias doa tempos primitivos.
- Todavia, há quem coloque esse problema em plano secundário - retrucou um amigo -, a educação com os instintos emancipados tem os seus adeptos fervorosos, mesmo nos círculos do Espiritismo...
- Menos na esfera do Espiritismo cristão - atalhou o mentor respeitável - nas actividades meramente fenoménicas, sem qualquer propósito religioso, encontram-se companheiros obcecados por essa ilusão.
Empolgados pela luz e pela liberalidade da doutrina consoladora, sem aderirem aos sentimentos de Jesus, costumam andar embriagados nos enganos brilhantes.
Não percebem os perigos amargos que lhes sitiam a vida.
Desinteressam-se da educação dos filhos mais tenros, com grave dano para o futuro do grupo familiar.
No entanto, bastariam ligeiras considerações para o reconhecimento do erro clamoroso.
Por que confiaria Deus determinados filhos a essas ou àquelas organizações paternas, se não fosse necessária semelhante cooperação no mecanismo da iluminação ou do resgate?
O Eterno proporciona o doce licor do esquecimento às almas culpadas ou oprimidas, e mandou que se criassem os períodos da infância e da juventude, na Terra, a fim de que os senhores do Lar se valham do ensejo para a divina semeadura da bondade e do amor, visando ao trabalho da consciência rectilínea do porvir.
Para que serviriam, de outro modo, os pais humanos, se abdicassem a posição de sentinelas, entregando os filhos às tendências inferiores de ontem? Não seria condenar o instituto doméstico a um reduto de prazer vicioso?!
Tais interrogações ficavam no ar.
Ninguém se atrevia a intervir no assunto, quando o nosso amigo tecia comentários tão fascinantes.
Observando as nossas disposições mais íntimas, o generoso instrutor continuou:
- Aludindo à cegueira de alguns dos nossos irmãos do mundo, tenho um caso doloroso em minhas relações pessoais.
A pequena assembleia colocou-se à escuta, evidenciando justificado interesse.
- No fim do século passado - prosseguiu o devotado servo do Cristo -, quando os ideais espiritistas se alastravam no país, em modesto vilarejo do norte, um negociante honesto foi dos primeiros a demonstrar simpatia pelos princípios novos. André fora rubro seguidor do
Positivismo, e, ainda sob a sua influenciação, penetrou os umbrais da Doutrina, intoxicado por fortes ilusões no terreno da Filosofia transcendente.
Bom discutidor, comentava sempre a vasta situação do mundo, tecendo referências encomiásticas à virtude, à fraternidade e à liberdade.
Sua inteligência não era um diamante lapidado nos bancos académicos ; entretanto, apresentava, em suas características, a espontaneidade e a subtileza que assinalam o caboclo brasileiro.
Não era rico, mas sua casa era farta e feliz.
As remunerações eventuais do comércio ofereciam-lhe vantagens suficientes.
Dois pequeninos enriqueciam-lhe o lar; no entanto, por mais que a esposa insistisse, a fim de que tivessem as necessidades espirituais atendidas, quanto ao problema religioso, André zombava, murmurando:
- Nada disso! meus filhos hão-de crescer sem tais prejuízos.
Quero vê-los distante dos preconceitos dogmáticos de todos os tempos.
Problemas religiosos cheiram a catecismo.
Acaso ignoras que esses enganos já foram relegados aos clérigos caducos?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 10, 2017 8:55 am

- Sim - explicava a companheira sem irritação -, compreendo teus escrúpulos, no sentido de preservar os meninos da exploração e do abuso do nome de Deus; todavia, não podemos eliminar as necessidades justas da alma.
Já que não permitiremos a influência dos padres junto dos nossos filhinhos, precisamos criar um ambiente de ensino doméstico, onde aprendam connosco a cultivar o respeito e a obediência ao Altíssimo.
André exibia um risinho vaidoso e asseverava:
- Esquece as velharias, mulher!
A razão resolverá isso.
A mentalidade de agora reclama independência.
Nossos filhos não serão escravos das disciplinas impiedosas que nos torturaram a infância.
- Mas - voltava a esposa, sensatamente - se Deus nos transformou em pais, neste mundo, é para que sejamos orientadores dedicados de nossos filhos.
Quando não vigiamos, André, a liberdade pode transformar-se em libertinagem.
O marido parecia impressionar-se, momentaneamente, com as respostas; contudo, dava de ombros, sem maior consideração.
E o tempo foi passando.
Na obediência ao regime paterno, os rapazelhos cresceram voluntariosos e rudes.
Somente abandonaram o curso primário após os quinze anos, em razão da ociosidade e indisciplina.
Empenhavam-se, comumente, em atritos ásperos, dos quais apenas se afastavam, em sangue, depois de longas súplicas maternais.
Odiavam os livros sérios, mas estavam sempre atentos às anedotas deprimentes.
Por essa época o progenitor começou a entender as dificuldades da situação, lamentando a leviandade de outros tempos, quando descurara a educação religiosa e moral dos filhos que Deus lhe havia confiado.
Era, porem, muito tarde.
Leo e Óscar, os dois rapazes, guardavam uma observação revoltante para cada conselho paternal.
O nosso amigo tentou a internação dos jovens rebeldes em estabelecimento disciplinar, mas foi em vão.
Procurou localizá-los em serviço honesto; entretanto, ambos eram admitidos para serem dispensados quase imediatamente.
Ninguém lhes tolerava os costumes e as palavras torpes.
Certa vez, quando o comerciante chegava ao lar, em noite sombria, percebeu acalorada discussão no interior doméstico.
Mais alguns passos e defrontou a cena humilhante.
Em atitude ingrata, os filhos espancavam a própria mãe.
Na sua indignação, André buscou expulsá-los, mas a esposa interveio com a ternura de sempre.
Decorridos alguns meses, ambos os rapazes foram apanhados em flagrante de furto.
Após a prisão vexatória, o genitor não conseguiu sofrear a revolta que lhe atormentava o coração e, não obstante as rogativas reiteradas da companheira, baniu os filhos do ninho familiar.
Alma esfacelada por desilusões tão amargas, providenciou a mudança de um Estado para outro.
Vendeu a pequena propriedade comercial, as terras, os rebanhos e partiu.
Entretanto, os cônjuges, apesar da união afectiva, em afinidades profundas, embora a modificação da paisagem, nunca mais se avistaram com a tranquilidade primitiva.
Ensaiavam o regresso à ventura de outros tempos, mas debalde.
A lembrança dos filhos ingratos apresentava-se com as imposições da velhice, multiplicando, porém, as preocupações e as saudades.
Numa noite tempestuosa, André despertou às primeiras horas da madrugada, ouvindo forte ruído no corredor.
Tomando da arma de fogo, levantou-se cautelosamente.
Encaminhou-se ao cofre de madeira localizado em aposento contíguo, notando-o arrombado.
Era um ladrão o visitante imprevisto.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 10, 2017 8:56 am

Como sombra no seio das sombras, André acompanha os passos do malfeitor e, antes que pudesse escapar, prostra-o com um tiro, quase à queima-roupa.
Ergueu-se a esposa, assustada.
Acendem a luz.
E quando o comerciante, muito trémulo, aproxima a lanterna do rosto da vítima que se esvaia em sangue, cruzam ambos o olhar.
- Meu pai!... meu pai!... - grita, em tom rouco, o malfeitor moribundo.
- Meu filho!... - exclamam, a um só tempo, marido e mulher, entre lágrimas de desesperação.
Era Óscar que, ignorando o novo sítio da habitação paterna, atacara a residência, nos seus velhos hábitos de pilhagem.
O narrador fez uma pausa mais longa, reconhecendo o efeito de suas palavras no ânimo geral e continuou:
- É fácil imaginar a tragédia que se seguiu.
O casal não teve coragem de revelar à Polícia a verdadeira condição da vítima, entregando-se André à acção judicial, quase imbecilizado na sua dor.
Sua causa, porém, era simpática.
A energia de que dera testemunho livrara o vilarejo de um bandido comum.
Enquanto o povo o aplaudia, o negociante chorava, angustiado.
E, antes de regressar do cárcere, aconteceu o que seria de esperar.
A pobre mãe, ralada pelo infortúnio extremo, entregou a alma a Deus, assistida pelas dedicações da vizinhança.
O nosso amigo estava, agora, sem ninguém.
Quanto maiores eram as esperanças de liberdade em futuro próximo, mais lastimava a própria dor.
Por fim saiu da cadeia pública, ovacionado pela simpatia popular como herói.
André, no entanto, permanecia inerte, derrotado.
Vendeu quanto possuía, a fim de pagar as custas da Justiça que o absolvera e tornou a partir, sem destino.
Velho, cansado, sozinho, não se sentiu bastante forte para recomeçar a luta.
Noites ao relento, dias de fome, roupa em frangalhos e lá se ia, de aldeia em aldeia, vivendo da caridade comum.
Parecia idiota, incapaz de qualquer reacção.
O tempo incumbiu-se de completar-lhe a feição de mendigo.
Larga bolsa de couro à cintura, rosto hirsuto, grosseiro cajado para os caminhos ásperos, prosseguia, sem pousada certa, recorrendo à generosidade popular.
Os anos rolavam para o seu coração, em amargoso silêncio, quando, num crepúsculo de borrasca forte, o mísero velhinho se aproximou de um rio transbordante.
O desventurado necessitava ganhar a outra margem, tentando o abrigo na localidade mais próxima.
Um homem corpulento, de traços rudes, convida-o com um gesto mudo a tomar a canoa frágil.
O pedinte aceita.
O barqueiro desconhecido não cessa de fixar a bolsa, onde André recolhe os vintena da piedade pública.
Enquanto isso, o desventurado ancião pousa os olhos nevoados pela velhice no seu benfeitor, que remava em silêncio.
A ternura paterna volve a pintar-se no semblante sulcado de rugas.
Se Leo ainda existisse, devia parecer-se com aquele homem.
Olvidando todas as preocupações para recordar o filho, o desventurado não percebe os movimentos subtis do barqueiro anónimo.
Distante da margem, o remador lança um último olhar aos matagais vizinhos, amortalhados na sombra do crepúsculo e, sentindo-se sem testemunhas, avança para o mendigo miserável, arrebata-lhe a bolsa e atira-lhe o corpo na corrente tranquila, murmurando com ironia :
- As águas não falam!...
Vamos, velho imundo, uma bolsa não te pode salvar a vida!
André compreendeu, afinal:
aquela voz era do filho desaparecido.
Não hesitou.
O sentimento de paternidade não o havia enganado.
- Leo!... Leo! meu filho!... - gritou angustiado.
Entretanto, era tarde. Ambos trocaram o supremo olhar, com estranha sensação de sofrimento e pavor, mergulhando o velhinho para sempre.
Como vêem - concluiu o narrador emocionado -, André foi indiferente à educação moral dos filhos, esquecendo-se de efectuar a semeadura da infância, a fim de construir-lhes o carácter na juventude.
A experiência resultou-lhe em frutos bem amargos.
Depois de eliminar, involuntariamente, um deles, acabou assassinado pelo outro.
Compreenderam, agora, o que significa educação com liberdade irrestrita?
A reduzida assembleia permanecia sob penosa comoção e ninguém ousou responder.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 10, 2017 8:56 am

7 - O TRANSPORTE REVELADOR
Jovelino Soares, na sua vida calma de interior, desde algum tempo andava todo entregue às primeiras experiências mediúnicas.
Não desprezava a pequena oficina de mecânica, onde, com a colaboração de alguns auxiliares, era, mais ou menos, o patrão de si mesmo.
Entretanto, não se furtava às prosas longas com os amigos.
Raro o cliente que, em trazendo máquinas a conserto, não lhe ouvisse extensas narrativas de casos pessoais.
Andava impressionado, sobretudo, com os fenómenos de desdobramento.
Coleccionava apreciável bagagem literária, nesse ramo dos conhecimentos espiritualistas, e lamentava que as suas faculdades incipientes lhe não proporcionassem os grandes voos.
No entanto, dia e noite, procurava efectuar o tentâmen.
Às vezes, enquanto os empregados iam e vinham, à cata de chaves ou parafusos, lá estava o Jovelino em concentrações reiteradas, no aposento íntimo.
Queria, a qualquer preço, realizar os transportes de grande envergadura.
À noite, esquivava- se ao serviço humilde do bem, porque não se contentava em confortar um doente, aplicando-lhe fluidos curadores ou reconfortantes, nem se conformava com o exame dos ensinamentos morais que as reuniões evangélicas ofereciam.
Dava preferência a tentativas mais vastas.
Não se haviam verificado importantes desdobramentos com sensitivos diversos?
Os livros científicos estavam repletos de relatórios, nesse particular.
Seus estudos e investigações prolongavam-se noite a dentro.
Por vezes, a esposa dedicada chamava-o a melhores raciocínios.
- Jovelino, não será mais razoável que te consagres ao trabalho profissional com assiduidade e devotamento?!
Chego a afligir-me por tua saúde.
Creio que é muito justa a tua aspiração de maiores edificações espirituais; contudo, suponho que deves metodizar os teus esforços nesse plano, sem descurar os deveres que condizem com a paz de nosso lar.
O marido, com expressão quase rude nos olhos frios, murmurava com tédio:
- Ora essa! que falta à nossa casa?
E concluía, resmungando:
- Como sempre acontece, não me podes compreender.
A companheira voltava, humilde, a novos argumentos, evidenciando enorme ternura:
- Não me refiro às tuas experiências, no sentido de condená-las.
Conheço o valor da Espiritualidade e não me internaria em considerações descabidas.
Não posso, porém, aprovar os excessos a que te vens entregando, desde algum tempo.
Não nos falta pão à mesa; todavia, escasseia a nossa tranquilidade doméstica.
Teus hábitos estão fundamente alterados pelas demasiadas concentrações, sem qualquer observação de tempo ou conveniência...
Jovelino, todavia, não a deixara terminar:
- Ignoras, acaso, meus propósitos? - perguntou irritado.
Desconhecer os poderes do homem que se torna senhor dos dons superiores da Natureza psíquica?
Espero obter os grandes transportes, em breves dias.
E, numa antevisão das experiências gloriosas, exclamava de olhos parados, fixos na imensidade azul que se podia divisar além da janela aberta:
- Desdobrar-me! ver os céus ilimitados... conhecer a intimidade dos outros seres!...
Oh! que ventura poderá ser igualada a essa?! como tudo será então mesquinho, neste mundo, aos meus olhos!...
A esposa afastava-se do visionário, procurando disfarçar as torturantes preocupações que lhe ralavam a alma sensível.
E, por muito tempo, Jovelino Soares prosseguiu em suas práticas exaustivas, indiferente aos prejuízos domésticos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 10, 2017 8:56 am

Mantinha-se nas atitudes de recolhimento, num esforço incessante.
Entregava-se às fórmulas verbais, multiplicava os jejuns, onde havia muitos compromissos palavrosos, mas nenhuma espontaneidade.
A situação permanecia nessa altura, quando, em noite de enorme esgotamento das energias físicas, o nosso amigo foi arrebatado a um sonho deslumbrante.
Sentia-se afinal em prodigioso desdobramento.
A região a que aportara, em voo célere, coroava-se de infinita beleza.
Palácios de neblina dourada fulgiam a seus olhos; extasiado, no cume de um monte adornado de luz, contemplava a cena, admirando a maravilha, em humilde genuflexão.
Leve ruído denunciou a presença de alguém que parecia procurá-lo com interesse.
O generoso benfeitor espiritual, que se adiantava, mostrou-lhe um sorriso bondoso e interrogou com doçura fraternal:
- Jovelino, a caridade augusta do Cristo permitiu que viesses até aqui e estou pronto a atender-te.
Que desejas do Senhor, com impulso tão forte?
Sentindo-se vitorioso, o interpelado redarguiu:
- Valoroso emissário, desejo receber os dons do desdobramento espiritual lá no mundo.
O mensageiro tomou uma atitude benevolente e esclareceu:
- Mas já fizeste as experiências que a Terra te oferece nesse sentido?
És um Espírito desdobrado nas obrigações diversas?
Podes ser pai, filho, irmão, amigo, servo ou mordomo ao mesmo tempo, sem inclinações prejudiciais, sabendo amar, corrigir, orientar, administrar, obedecer ou servir, simultaneamente?
Jovelino experimentou um choque intraduzível.
Entendeu, de relance, a complexidade dos deveres que lhe eram exigidos e obtemperou:
- Conheço, porém, pessoas que se desdobram sem tão grandes preocupações.
- Em geral - respondeu-lhe o emissário, com solicitude -, nem todos os frutos são colhidos na época adequada e, quase sempre, os frutos verdes são presa de crianças que os inutilizam desastradamente.
Ante a observação justa, que consubstanciava um feixe de ensinamentos felizes, o visitante da esfera espiritual voltou a dizer, tentando explicar-se:
- Talvez não tenha sido bastante claro.
O que desejo é a permissão para os transportes sublimes da alma!...
- Já efectuaste, porém, o aprendizado dessa natureza que o mundo te proporciona?
Encontras-te senhor de semelhante aquisição?
Como te transportas da alegria para a dor, da saúde para a enfermidade, da união para a separação, do conforto para as dificuldades?
Guardas, em tudo, o mesmo padrão de confiança em Deus, portando-te, em todas as circunstâncias, como em serviço de sua vontade e de seu amor?
O Espírito terrestre não conhecerá os transportes sublimes, sem essa preparação justa.
Jovelino Soares ficou atónito.
Francamente, não havia pensado nisso.
Embora se esforçasse, não encontrava recursos, a fim de responder.
O generoso mensageiro, percebendo-lhe a confusão natural, acariciou-lhe a fronte com inexcedível bondade e falou brandamente:
- Teus serviços, entretanto, não estão perdidos.
Fixa a atenção, porque te conduzirei, neste momento, à melhor região em que te podes manter com benefícios.
Mais tarde, poderás atravessar os vastos domínios de outros mundos, o sistema solar exporá aos teus olhos maravilhas indescritíveis; mas, a solução do problema é igual ao da escada ou da montanha.
- É preciso equilibrar-se ao subir.
O lugar a que serás agora conduzido não é tão luminoso e todavia possui a sua beleza peculiar.
É a zona compatível com a tua posição actual, mesmo porque, bem sabes que não se pode trair a classificação gradual da Natureza.
No entanto, se conseguires ver, como se torna necessário, encontrarás ai numerosas maneiras de enriqueceres as tuas faculdades.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Ago 10, 2017 8:56 am

Reconhecerás as diversas potências que permanecem a serviço de tua iluminação.
Jovelino exultava.
A seu ver, ia, enfim, descortinar os segredos do céu.
Não seria naturalmente arrebatado às constelações mais altas, contudo seria levado a regiões de sublime surpresa.
O bondoso mensageiro estendeu-lhe a mão e disse em voz firme:
- Vamos!
O mecânico experimentou indefinível sensação de deslocamento.
Guardava a impressão de que tombava sobre um abismo de luz.
Daí a momentos acordou violentamente, no leito.
Como interpretar a visão inesquecível?
Qual se fora auxiliado por benfeitores intangíveis, começou a fixar a atenção em si mesmo.
Contemplou os pés e meditou nos benefícios que deles poderia auferir, caminhando exclusivamente para a bondade; deteve-se no exame das mãos e reflectiu na imensidade de tarefas generosas que lhe era possível cumprir.
E os olhos?
Não conseguiria com eles realizar o trabalho de selecção perfeita da verdade e do modo a se afastar de todo o mal?
E os ouvidos?
Não seria justo convertê-los em arquivos de prudência e sabedoria?
Jovelino passou revista às faculdades comuns, identificando-lhes o valor que, até então, desconhecera.
Não seriam elas as potências preciosas concedidas por Deus para o bem de sua iluminação?
Extremamente reconhecido, parecia tocado de uma vibração nova.
Não conseguiu permanecer no leito por mais tempo.
Enquanto a esposa e os filhinhos repousavam, levantou-se e abriu uma janela.
Os sopros da madrugada penetraram a habitação em baforadas frescas.
As últimas estrelas tornavam-se mais pálidas.
O cântico repetido dos galos chamava os seres à actividade cotidiana e toda a Natureza figurou-se-lhe em marcha jubilosa.
O nosso amigo, experimentando intraduzível emotividade, sentiu estranha atracção para a vida e para o trabalho.
Seu coração descobrira uma revelação poderosa.
Compreendeu que a região divina, compatível com a sua posição espiritual, a que fora conduzido por um emissário do Cristo, era o seu próprio corpo terrestre.
Era aí mesmo que poderia descortinar belezas sem conta e infinitas possibilidades de iluminação.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 11, 2017 9:27 am

8 - O LIVRE-PENSADOR
Raimundo da Anunciação viera do materialismo para o conhecimento da doutrina dos Espíritos; entretanto, por maiores que fossem as advertências dos amigos sinceros, não se furtava ao vício das discussões sem propósito definido.
Desde cedo, transformara-se em polemista contumaz, rebelde a qualquer ideia de humildade, ou de compreensão das necessidades alheias.
Havia um ponto obscuro em alguma questão intrincada da vida?
Não encontrava dificuldade para completar os casos e esclarecer o assunto, a seu modo.
Essa mania de julgar precipitadamente e de terçar armas pela imposição de suas ideias, fora transportada às suas actividades espirituais, com enorme prejuízo para a sua edificação interior.
Parecia uma pilha humana em permanente irritação contra as demais confissões religiosas.
Funcionário com responsabilidade definida, levava à repartição suas polémicas intermináveis.
Enquanto o director despachava processos no gabinete, ele permanecia em trabalho activo, atendendo a papéis que lhe requisitavam esmerada atenção.
Contudo, logo que se afastava o chefe imediato, acendia um charuto distinto e tocava a explanar a situação do próximo ou dos companheiros.
- E você, Renato - dizia a um colega, em tom de zombaria - ainda não se decidiu pelo Espiritismo?
Em virtude de o rapaz revelar-se confuso, mastigando um monossílabo, à guisa de resposta, o valente polemista continuava:
- Ah! esses padres! você anda seduzido pelos latinórios, perdendo tempo.
É um absurdo entregar-se uma inteligência como a sua à exploração clerical; mas espero que, mais cedo ou mais tarde, toda essa organização detestável venha abaixo.
Era a início de longa perlenga.
O companheiro idoso, da frente, católico romano fervoroso, vinha em socorro do jovem tímido:
- Mas, Raimundo, que tem você com os padres?
Creio que a nossa Igreja é tão respeitável quanto as outras.
Além disso, não podemos ignorar que a maioria está connosco.
O interpelado enrubescia e, atalhando, de pronto, exclamava colérico:
- Alto lá! Deus nos livre da influência do clero!
Declaremos guerra aos traficantes do altar. O progresso humano há-de afugentá-los como a luz da manhã expulsa os morcegos sugadores!
Nada de transigência com os falsos sacerdotes.
Odeio essa gente de roupa negra, que anda em serviço do interesse mesquinho, abusando da ignorância popular.
Esses biltres hão-de ser derrubados mais cedo do que se julga!
E um rosário de injúrias era desfiado ali, ante os companheiros assombrados.
Quando se oferecia a pausa natural, o antagonista revidava:
- Desconheço com que autoridade pode você movimentar tamanhas acusações.
- Não sabe? - dizia Raimundo, neurasténico.
E depois de mastigar a ponta do charuto:
- Eu sou livre-pensador!
A discussão prosseguia acesa, até que um colega vinha pedir calma aos contendores, a fim de que o trabalho não fosse excessivamente perturbado.
Semelhantes características seriam facilmente compreensíveis, como índice de fanatismo individual, se fossem limitadas à análise das outras escolas religiosas; mas a situação era mais grave.
Raimundo da Anunciação vivia em controvérsias constantes com os irmãos de ideal.
Depois de algum tempo de frequência a esta ou àquela instituição espiritista, voltava-se contra os amigos da véspera, numa atoarda de alegações injustas.
Aludindo aos directores da casa, de cujas realizações havia participado, comentava, levianamente:
- São intolerantes e arbitrários, não lhes tolero o fingimento.
Referindo-se à assistência, rematava irónico:
- Jamais vi no mundo tamanha turma de ignorantes e basbaques.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 11, 2017 9:27 am

Um companheiro mais sensato chamava-lhe a atenção, com carinho:
- Mas, Raimundo, afinal de contas, ainda somos criaturas em aprendizado num mundo imperfeito.
Se tivéssemos as qualidades superiores, exigidas pela existência nas esferas elevadas, por certo que não permaneceríamos na Terra.
É razoável que os anjos não povoem os abismos da sombra.
Então, por que olvidar o dever da tolerância recíproca?
Nossos companheiros não são maus e sim Espíritos incompletos nas virtudes divinas, à maneira de nós outros.
Não acredita você que estejamos num processo de aproximação afectiva, em que os defeitos de todos vão desaparecendo pelo concurso amoroso de cada um?
O interlocutor não se dava ao esforço de maior exame e retrucava, intempestivamente:
- Detesto a hipocrisia!...
- Não se trata, porém, de hipocrisia - ponderava o irmão na fé - mas de compreender uma situação generalizada, de que não poderemos fugir, sem o testemunho individual, construindo a nossa parte.
- Não tolero confusões, nem subterfúgios - exclamava Raimundo, irado.
- Todavia, por que alimentar semelhante estado d’alma?
- Sou livre-pensador! - explicava, repetindo o velho estribilho.
Era assim que a rebeldia se lhe assenhoreava, integralmente, do espírito.
Antes de entregar à terra o corpo abatido, sua generosa progenitora chamou-o, um dia, preocupada :
- Raimundo, meu filho, sei que estou a me despedir do mundo; no entanto, desejaria que a morte me surpreendesse somente quando me fosse possível guardar a certeza de sua renovação.
E com um olhar amoroso e triste, continuava :
- Não discuta esterilmente.
Aprenda a reconhecer nos outros necessidades diferentes das nossas.
Nem todos os homens poderão partilhar de suas crenças.
Não vemos que a idade assinala as criaturas?
Entre a meninice, a mocidade e a decrepitude, há numerosos graus de posição física.
Não considera você que o mesmo ocorre quanto à situação espiritual das pessoas?
Abstenha-se da imposição.
A romagem terrestre é tão curta!...
Por que lutar, improficuamente, quando se pode semear simpatias para a colheita do amor?
Se Deus não tiraniza os seus filhos, que argumento justificaria nossa intransigência com os irmãos?
Modifique o seu temperamento, meu filho!
O tempo é um património sagrado que ninguém malbarata sem graves reparações...
O discutidor renitente estava comovido, mais pela humildade maternal, que pelas reflexões judiciosas.
- Agradeço-lhe, mamãe - disse ele, depois de um ósculo na destra encarquilhada da anciã - reconheço a delicadeza de suas preocupações; mas a senhora sabe que sou um homem sincero e que devo pensar livremente.
A velhinha enferma esboçou um olhar de desânimo e murmurou com ternura, desejosa de evitar as contendas habituais:
- Deus o abençoe sempre.
Foram inúteis todos os conselhos.
Raimundo da Anunciação chegou ao fim da experiência terrestre, discutindo irremediavelmente.
Cultivou antagonismos ferozes e procurou impor suas convicções pessoais, no próprio leito de morte espantando os que o visitavam por mera cortesia.
Novamente na esfera espiritual, o nosso amigo, após lutas enormes no círculo das surpresas que o esperavam, foi admitido ao local mais próximo, onde os recém-chegados do mundo recebiam solução de certos problemas de natureza imediata.
Conduzido à presença do iluminado director da instituição de esclarecimento aos desencarnados, Raimundo rogou, humilde, os informes necessários, com referência ao seu caso.
Queixou-se em tom amargo.
Sentia-se em abandono, sem ninguém.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 11, 2017 9:27 am

- Em geral - esclareceu o mentor com generosidade fraternal - os que permanecem aqui, neste estado, são os homens que não cogitaram de um esforço sério.
- Como assim? - perguntou, contrafeito - fui na Terra um batalhador das ideias novas.
O instrutor encaminhou-se a um móvel de vastas proporções, de contornos indescritíveis pelo lápis humano e, retirando de seu interior uma folha luminosa, exclamou com bondade:
- Tenho a cópia de suas notas, vejamos.
- Quê? - interrogou Raimundo, desapontado - as fichas individuais existem aqui?
- Por que não? - respondeu o interpelado serenamente.
Acaso terá esquecido que sua repartição fichava processos comuns, preservando-lhes a integridade?
Supõe que os Espíritos imortais sejam inferiores aos papéis terrenos?
O recém-chegado, observando a mudança da situação, entrou em profundo silêncio.
- Leiamos os dados informativos de sua última experiência no planeta terrestre - prosseguiu o director da casa espiritual, com generosidade.
Você esteve cinquenta e três anos e cinco dias na Terra, exceptuado o período da infância e da juventude, que constam de outras anotações, num total de quatrocentas e sessenta mil horas.
Um terço você gastou em repouso, sono e distracções, nos quais fixaremos a atenção para exames mais complexos, em seguida à análise desta ficha de tempo.
Restam trezentas e nove mil e seiscentas horas, das quais cinquenta e oito mil e cinquenta foram utilizadas em serviço mecânico de escritório, cinquenta e uma mil e quinhentas e cinquenta em actividades de alimentação do corpo, sobrando duzentas mil horas que você empregou em discussões improdutivas, mentais ou verbais, directas e indirectas.
Raimundo estava quase sufocado na atitude de doloroso assombro.
- Não fui um preguiçoso - protestou.
O mentor voltou a dizer, serenamente:
- Não se condena um homem que discute edificando.
O esclarecimento justo, a seu tempo, constitui coluna poderosa no edifício do Reino de Deus.
Entretanto, no seu caso, as circunstâncias são altamente desfavoráveis, porque o esmagador coeficiente de atritos apenas serviu para agravar as suas vaidades, sem nenhuma construção espiritual definitiva, em si mesmo, ou no Planeta, dignificando sua passagem.
O interlocutor hesitava, surpreendido.
Desapontado, quase em pranto, tentava esclarecer:
- Mas eu... eu...
- Já sei - murmurou o instrutor -, já sei que você vai referir-se à sua condição de livre-pensador.
Enquanto o recém-chegado se recolhia em penosa amargura, o benfeitor continuava:
- Quando se julgou livre no mundo, não passava você de servo das mesmas paixões que amesquinhavam os outros homens.
Em geral, na Terra, os livres-pensadores são livres dominadores.
Por que não se supôs, na experiência humana, um livre servidor do Cristo?
Com Jesus, toda independência é enriquecimento de responsabilidade salvadora.
Por que não se sentiu liberto do egoísmo inferior para auxiliar, em vez de atacar acerbamente?
Só podemos analisar uma obra, Raimundo, depois de a conhecermos intimamente.
Todos aqueles a quem você condenou em críticas gratuitas podem alegar que você não lhes conhecia o esforço individual.
Não sabe que só aquele que trabalhou tem direito a comentar a tarefa?
Além disso, quando consultarmos as demais anotações, há-de observar o número extenso de pessoas que se afastaram da verdade, adiando momentos de alegria divina, por influenciação de seus atritos inoportunos; conhecerá as faltas de omissão cometidas por seu espírito, no desprezo aos patrimónios do tempo e das alheias realizações.
Se você preferir, podemos examinar agora as demais fichas de sua passagem pela Terra.
- Se possível, desejaria esse conhecimento depois... - respondeu Raimundo, em lágrimas.
E o nosso amigo, por anos consecutivos, entrou em vastas meditações da verdade e da vida, auxiliado por generosos benfeitores espirituais.
Quando dois lustras haviam passado, voltou à presença do instrutor que o tornara à sua conta e suplicou uma nova experiência na Terra.
- Você já escolheu o género de trabalho? - perguntou ele bondosamente.
- Sim - explicou o antigo discutidor, hesitante -, desejo ser mudo entre os meus adversários de outros tempos.
- Muito bem - exclamou o mentor, abraçando-o -, é a tarefa compatível com as suas necessidades atuais.
Você renascerá mudo e com óptimos ouvidos, porque, segundo sua ficha de tempo, não lhe será possível entregar-se a qualquer realização mais elevada, enquanto não permanecer em silêncio por vinte e doía anos e alguns meses, escutando para aprender e impossibilitado de falar coisa alguma.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 11, 2017 9:28 am

9 - DESAPONTAMENTO DE UM SUICIDA
O generoso Rogério, excelente amigo do plano espiritual, que, desde muitos anos, vem consagrando as melhores energias ao serviço das entidades sofredoras, procurou-me para um convite.
- Queres acompanhar-me no trabalho de socorrer um desventurado suicida que sofre nas regiões inferiores, há trinta anos?
- Trinta anos? - interroguei, admirado.
- Outros existem, nos círculos de padecimentos atrozes, com mais dilatado tempo que esse - respondeu serenamente.
Por minha parte, não conseguia dissimular o assombro justo.
- Semelhantes angústias - retorqui - devem ser consequências de romance bem doloroso.
- Não tanto.
No presente caso, ao lado do infortúnio, não podemos esquecer a irreflexão e a rebeldia.
A observação de Rogério espicaça-me a curiosidade.
- Gostaria de acompanhar-te, mas não me posso furtar ao desejo de conhecer alguma coisa da história dessa personagem que iremos visitar.
- É interessante - replicou-me - entretanto, não é incomum.
Homens numerosos se encontram, actualmente, em suas antigas condições.
E, depois de tomar posição como narrador engraçado e optimista, começou atencioso:
- Há cerca de trinta anos, Tomasino Pereira era empregado de uma tipografia no Rio de Janeiro.
Temperamento singular e atrabiliário, jamais pudera evadir-se do círculo das lamentações estéreis.
Não se fazia ouvir senão para comover os interlocutores com queixas acerbas.
Lastimava-se incessantemente.
Acusava o mundo, o país, o trabalho, os amigos.
Em vão procuravam os companheiros injectar-lhe coragem e optimismo.
O mísero estava sempre excessivamente nervoso ou irremediavelmente desalentado.
A família numerosa, os deveres cotidianos, as contas mensais do armazém, açougueiro e padeiro, amedrontavam- lhe o espírito. Entretanto, a maior tragédia de Tomasino, na apreciação de si próprio, era o problema conjugal.
A esposa ignorante não o compreendia.
E em vez de melhorar-lhe as condições espirituais com carinho e paciência, levantando-lhe as concepções em busca dos horizontes superiores da vida, o infeliz gastava o tempo em promessas de pancada, ameaças de separação, gestos violentos e rudes.
A situação enchia os filhinhos do casal de espanto e amargura, pois o chefe da casa, em desespero, dava a impressão de um louco, sem esperança de cura.
Quando não esmurrava as mesas, em fúria doentia, mantinha-se em atitude de extrema desolação, apático, em prantos angustiosos.
No quadro de seus afeiçoados, estava o Óscar Fraga, amigo de infância e de luta diária, que se valia das fases de desânimo do amigo para mais aproximar-se, tentando arrancar-lhe a alma das tempestades da incompreensão.
O caso, porém, tornava-se mais complicado, dia a dia.
Tomasino andava possuído de ideia sinistra.
Alimentava o propósito de suicídio com preocupação crescente.
No íntimo, sempre considerara os que fogem às tormentas da vida humana como criaturas privilegiadas e corajosas.
Não era a melhor maneira de protestar contra o destino, retirar-se do mundo, em silêncio?
Não lhe parecia a existência terrestre enorme banquete, onde alguns se serviam dos manjares, reservando-se a outros as ervas amargosas?
Depor o fardo a meio do caminho, em seu modo de ver, constituía a atitude mais consentânea com a dignidade pessoal.
No fundo, acreditava na existência de Deus, mas a cegueira de espírito não lhe deixava entrever o menor vislumbre das verdades essenciais, que o induziriam à coragem indispensável no combate comum.
À medida que lhe crescia n'alma a intenção de escapar à luta, mais se sentia herói.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Ago 11, 2017 9:28 am

Percebendo-lhe tão perigosas disposições, o Fraga, que era espiritista convicto, aproximou- se com mais vigor, trazendo-lhe a cooperação fraternal de que dispunha.
Eram mensagens de suicidas desventurados, exortações evangélicas, páginas de consolação e reerguimento moral.
- Tudo isso é fumo de ilusão - exclamava Tomasino, desalentado - ninguém pode regressar da poeira do túmulo.
Creio em Deus e estou certo de que Ele, mais que ninguém, compreende minha dor.
Também eu - murmurava o companheiro, pacientemente - não ponho em dúvida o interesse amoroso do Altíssimo em nosso favor.
Naturalmente entenderá nossas mágoas, mas não poderá tolerar nossas rebeldias.
- É isso! - gritava mais fortemente o infeliz - estou abandonado, tudo para mim está perdido! a desgraça colheu minha sorte, é preciso morrer.
Tudo apodreceu, tudo caiu!...
E, enquanto o desventurado enxugava os olhos com o lenço, o companheiro retrucava com larga dose de bom humor:
- O nervosismo costuma também fugir à verdade.
Não estás sendo recto.
- E ainda me acusas? - perguntava Tomasino, desgrenhado.
- Nem todas as coisas permanecem derrubadas - esclarecia o Fraga, calmamente - pelo menos esta casa, que Deus transformou em ninho de teus filhos e onde encontramos refúgio para a conversação afectuosa, ainda está de pé.
A resposta parecia suavizar os abafamentos do interlocutor, pela nota de humorismo.
Depois de alguns minutos pesados de meditação, Tomasino voltava em desalento:
- Mas... e Olinda?! se minha mulher compreendesse as necessidades justas, talvez que a vida se equilibrasse...
- Por que não lhe auxilias a alma inculta, empenhando nisso as melhores forças do coração? - inquiria o companheiro sensatamente.
Olinda não é má.
Como sabes, a ignorância tem arestas que é necessário desgastar.
Além disso, nunca deverias esquecer que se trata da mãe de teus filhinhos.
Deus não vos teria unido sem razões fortes, na estrada da vida imortal.
Vejo, em tudo isso, a representação de teus débitos espirituais no passado e que se torna imprescindível resgatar.
Tomasino atalhava em tom irado :
- Não tens outro argumento senão esta história de reencarnações?
- Tenho, sim... - murmurava o Fraga, sem se perturbar. É enquanto o outro o contemplava espantado :
- E indispensável que cada um saiba carregar a sua cruz redentora.
- És sempre fecundo nos conselhos! - clamava o mísero, desesperado.
O amigo, porém, sem qualquer irritação, prosseguia de bom humor:
- Estás enganado.
Este conselho não é meu, é de Jesus - Cristo.
Não me sinto devidamente iluminado para orientar a quem quer que seja; no entanto, creio que concordarás comigo quanto à competência do Salvador.
A verdade, contudo, é que o Fraga sempre se retirava sem obter nenhum resultado satisfatório.
Irascível, teimoso, impermeável aos benefícios da fé religiosa, Tomasino Pereira manteve-se inacessível a todos os processos de socorro espiritual.
E na ideia orgulhosa de que poderia enfrentar o próprio Deus, a fim de inquirir o Criador, quanto aos enigmas do destino, uma noite tranquila, sem que ninguém esperasse, estourou os miolos irreflectidamente.
A, narração movimentada levou-me a recordar alguns companheiros das tarefas humanas, impressionando-me, vivamente.
- Esse é o Espírito que encontraremos daqui a alguns instantes - concluiu Rogério com um sorriso generoso.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REPORTAGENS DO ALÉM-TÚMULO - Humberto de Campos/Francisco Candido Xavier

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 5 1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum