REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Página 1 de 4 1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 20, 2017 10:15 am

REENCONTRO COM A VIDA
DIVALDO FRANCO

MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA

Sumário
1.ª Parte
Reencontro com a Vida
1 - Induções hipnóticas obsessivas
2 - Perturbações psicológicas
3 - Toxicodependência
4 - Exorcismo inútil
5 - Obsessão, idiotia e loucura
6 - Terapia desobsessiva
7 - Sintonia elevada
8 - Sintomas de mediunidade.
9 - Limpeza psíquica
10 - O purgatório
11 - O poder da oração
12 - Morrer e desencarnar
13 - O mundo espiritual
14 - Vida social do Além-túmulo
15 - O país dos sonhos
16 - Espairecimentos espirituais
17 - Actividades espirituais
18 - Sessões espíritas mediúnicas
19 - Esponsalício espiritual
20 - Programa reencarnatório
21 - Despertamento espiritual
22 - Despertar da consciência no Além-túmulo
23 - Sintonia espiritual
24 - Perversidade e suicídio
25 - Consciência de culpa
26 - Obsessão colectiva nas sessões mediúnicas

2.ª Parte
1 - Preparação para a morte
2 - Subtilezas da obsessão
3 - Auto-consciência e auto-obsessão
4 - Viagem equivocada
5 - Mundos e cárceres
6 - A cura das obsessões
7 - Armadilhas perigosas
8 - O despertar para a realidade
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 20, 2017 10:15 am

Reencontro com a Vida
A todo instante a morte ceifa multidões, que viajam na direcção do Mais Além desequipadas espiritualmente, para o grande encontro com a consciência.
Partem dos pequenos burgos, assim como das megalópoles famosas, após enfermidades degenerativas dolorosas ou, repentinamente, por intermédio de acidentes ou de fenómenos sísmicos, vitimadas pela violência urbana ou generalizada em guerras, revoluções, actos de terrorismo, suicídios vergonhosos, epidemias...
A morte a nada e a ninguém poupa, desde que se trate de ser senciente, trabalhando pela renovação do orbe e da sua humanidade, num mecanismo que parece aleatório, mas obedecendo a leis soberanas ligadas ao progresso e às transformações que se devem operar sem solução de continuidade.
O seu gume ceifa a vida na câmara uterina e na senectude humana, na infância rósea e na idade adulta, na juventude risonha e na quadra hibernal, muitas vezes conduzindo sadios e deixando enfermos, preferindo ricos e poderosos em detrimento de pobres e escravos, em aparente paradoxo, sem interrupção.
Detestada por uns e anelada por outros, realiza o seu mister, gerando sofrimentos e deixando um rastro de amargura depois que passa, ou atendendo aos apelos desesperados daqueles que se entregam às alucinações, sempre incorruptível, num incessante operar. Considerada como um dos mistérios da vida, silenciosamente faz que a mitológica barca de Caronte conduza os viajantes para o outro lado do Estiges da existência física.
Menosprezada por muitos indivíduos e não poucas vezes ridicularizada através de sátiras picantes e ofensivas, tanto quanto bem recebida pelos mártires, missionários e santos, é infatigável no ministério difícil que lhe foi concedido pela vida, mas graças a cuja função, liberta escravos de pesados grilhões, padecentes de terríveis constrições de dor e desalento, de expiações que parecem não ter fim, tornando-se benfeitora de incontáveis aflições terrestres...
Muitas vezes, anuncia a sua próxima visita, facultando que o viajor prepare-se para a inevitável jornada; aparece também inesperadamente, e sem maior consideração, desde que é de todos sabido que a condição única para morrer é viver na organização biológica.
Ninguém, portanto, que se possa surpreender com a sua presença e arrebatamento, porque todos quando nascem já estão condenados ao seu encontro, devendo estar preparados para o momento que chegará.
No seu afã de desincumbira-se do dever, inspira amor e compaixão, mas oferece também saudade e agonia, que fazem parte do processo humano existencial.
Nunca se entibia ou receia executar a tarefa que lhe foi confiada, comportando-se serenamente e despida de atavios e ilusões.
Aliás, é a grande mensageira da Realidade que vence as fantasias e as quimeras, convidando às reflexões profundas do pensamento e do sentimento.
Morrer, no entanto, não significa extinguir-se, senão transferir-se de uma situação vibratória para outra mais pujante e grandiosa.
Morte é vida em toda a sua plenitude.
Os aparatos com que a ilusão vestiu o imaginário das pessoas, dão-lhe um significado e apresentação irreais, que devem ser desmistificados, tornando-se um fenómeno natural em torno da organização biológica de todos os seres...
Em injustificáveis mecanismos de fuga em torno da imortalidade, os cultos religiosos criaram toda uma complexa ritualística para iludir os seus fiéis, organizando espectáculos injustificáveis para encobrir o fenómeno mediante comportamentos sociais, extravagantes uns e fúnebres outros, mantendo os equívocos em torno da sobrevivência do espírito.
Em face de tais condutas, assim como de outras originadas em doutrinas filosóficas e científicas firmadas no materialismo e no hedonismo, os membros dessas multidões avançam pelas sombras do Além-túmulo, sem encontrarem o amanhecer de esperanças, perdendo-se em conflitos prolongados ou não, de acordo com a lucidez mental e a conduta moral que os caracterizaram enquanto no trânsito pelo corpo físico.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 20, 2017 10:15 am

A morte é a grande desveladora dos conteúdos morais da criatura humana.
Enquanto se movimenta no castelo celular, o espírito consegue olvidar compromissos e deveres, mascarar-se com personificações ilusórias e mentirosas, conduzir-se distante dos valores legítimos, ludibriando os outros e a si mesmo, até o momento em que os factores degenerativos tomam-lhe o corpo, demonstrando-lhe a fragilidade, ou os insucessos inesperados convidam-no à reflexão, de certo modo preparando-o para o retorno ao Grande Lar...
Ninguém se detenha na defensiva enganosa em torno da realidade da vida após o túmulo, porquanto todos a enfrentarão sem qualquer disfarce.
Cada morte, por isso mesmo, é conforme cada existência.
Nenhum privilégio a benefício de uns em detrimento de outros.
Morre-se como se vive, despertando-se depois com os recursos próprios que foram armazenados.
Por isso mesmo, nem sempre morrer biologicamente é desencarnar, desembaraçando-se dos liames carnais e libertando-se da argamassa celular.
De igual maneira, como a encarnação e a reencarnação constituem processos demorados de fixação do espírito no envoltório orgânico, a desencarnação impõe muitos factores para a liberação desses equipamentos, especialmente de acordo com o uso que lhes foi dado durante o tempo de utilização.
É de bom alvitre, portanto, que todos, homens e mulheres, tenham em mente a presença da morte na sucessão dos dias como ocorrência natural que vem tendo o seu curso e que se completa no instante em que o tronco encefálico deixa de funcionar...
*
O presente livro foi elaborado de maneira muito especiais.
Utilizamo-nos das reuniões mediúnicas de atendimento aos espíritos em sofrimento, assim como os enlouquecidos pelo ódio em pugnas cruéis de obsessões, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador, Bahia, como em outras cidades onde o médium Divaldo Franco se encontrava em actividade doutrinária, para apresentarmos temas pertinentes ao reencontro com a vida, abordando, em forma de estudo breve, e até mesmo repetitivo, quais os melhores mecanismos para um despertar feliz no Mais Além e os dramas que têm lugar nas duas Esferas que se interpenetram: a espiritual e a material.
Dividimos o trabalho em duas partes:
na primeira, comentamos os temas que consideramos de relevância para o aprendizado do espiritista sincero, e, na segunda, além da página psicografada, convidamos alguns espíritos a que apresentassem os seus depoimentos pela psicofonia do médium, de forma a corroborar as teses discutidas.
Abnegados amigos espirituais cooperaram connosco, a fim de que pudéssemos contribuir com esta obra destituída de revelações esdrúxulas ou surpreendentes, de forma que, aqueles que a lerem, estejam alertas para o enfrentamento inevitável com a desencarnação.
Ao mesmo tempo, tivemos o cuidado de oferecer respostas aos conflitos humanos, aos transtornos obsessivos, aos dramas de consciência, inspirados pelas fulgurantes lições de Jesus, insertas nos Evangelhos que nos foram legados, e nas incomparáveis informações da Doutrina Espirita, conforme a recebemos do preclaro Codificador Allan Kardec, sem qualquer dúvida, o Apóstolo da Nova Era.
O labor prolongou-se por vários anos, conforme se pode observar nas datas que encimam as mensagens por nós ditadas, de acordo com as possibilidades que nos eram oferecidas nas circunstâncias apresentadas.
Alguns daqueles espíritos que apresentaram narração em torno da ocorrência do após morte, já se encontram reencarnados uns e outros estão em processos de reencarnação, retornando ao proscénio terrestre em que se equivocaram, para que o amor luarize as suas angústias e o trabalho dignifique as suas horas do futuro.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 20, 2017 10:15 am

A Misericórdia Divina jamais nega ao infractor a bênção do recomeço, a ensancha da reparação, a todos concedendo os mesmos recursos iluminativos e libertadores.
Cada espírito, porém, é convidado a realizar a sua autoconsciência, a liberar-se da culpa, a ascender, mediante o esforço pessoal, que é intransferível e inadiável.
Não existem milagres que violentem as leis naturais, facultando benefícios não merecidos.
Todos alcançam os patamares da evolução através da tenacidade e da luta, nada obstante o auxílio superior que nunca falta, especialmente àquele que se empenha pela auto-conquista.
Desse modo, ninguém avança a sós ou se encontra desamparado, mesmo que as circunstâncias aparentemente demonstrem-no ao contrário.
O amor de Deus está sempre presente em todo o Universo, e carinhosamente, como Pai Amantíssimo, sempre se encontra envolvendo-nos a todos nós sem excepção, mas também sem partidarismo.
A vinda de Jesus à Terra, não teve outra, senão a finalidade de viver o amor e ensinar-nos a experienciá-lo como forma única de libertação das más tendências, das heranças grosseiras do processo evolutivo, próprias dos diferentes períodos ora ultrapassados.
Agindo mais do que falando, a Sua é a incomparável mensagem do exemplo, de que ninguém se pode escusar, porque Ele desceu das estrelas para conviver connosco no charco das paixões, sem conspurcar-se, erguendo-nos e compreendendo-nos com inefável compaixão.
É o nosso modelo e guia, que nunca podemos olvidar, por constituir segurança e meio para que alcancemos as cumeadas da libertação.
*
Esperando que o nosso esforço encontre ressonância nas mentes e nos corações daqueles que nos honrarem com a sua leitura e atenção, rogamos escusas pela singeleza da obra, agradecendo ao Senhor dos Espíritos pela elevada honra de encontrar-nos a Seu serviço na Seara de luz.
Paramirim, Bahia, 14 de Julho de 2006.
Manoel Philomeno de Miranda
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 20, 2017 10:16 am

1ª Parte

1 - Induções hipnóticas obsessivas
No transcurso da reunião mediúnica da noite de 29 de Junho de 2000, enquanto entidades perversas e técnicas na obsessão eram atendidas, o Benfeitor espiritual grafou a mensagem que segue:
Induções hipnóticas obsessivas
Ante os processos psicopatológicos que aturdem o ser humano, de forma alguma se podem eliminar os preponderantes factores cerebrais, especialmente aqueles que afectam os neurotransmissores, facultando a instalação de distúrbios psíquicos de variada catalogação.
Concomitantemente, a terapia especializada que visa a regularizar a produção de moléculas neuroniais, não obstante consiga alcançar os resultados programados, é insuficiente para o completo restabelecimento da saúde mental, noológica e comportamental do indivíduo.
Isto porque, na psicogénese desses processos encontra-se o espírito, como ser imortal que é, em recuperação de delitos morais perpetrados em existências passadas, que ora lhe cumpre alcançar.
Herdeiro das atitudes desenvolvidas no curso das experiências carnais anteriores, o ser elabora a maquinaria orgânica de que necessita para o desenvolvimento dos compromissos da própria evolução.
Assim sendo, ao iniciar-se o processo da reencarnação, imprime, nos códigos genéticos, as deficiências defluentes da irresponsabilidade, que se apresentarão no futuro, em momento próprio, como descompensação nervosa, carência ou excesso de moléculas neurónicas (neuro peptídeos) responsáveis pelos correspondentes transtornos psicológicos ou de outra natureza.
Além deles, as vítimas espoliadas que a morte não consumiu e nem lhes tirou a individualidade, ao identificar aqueles que as infelicitaram, em razão da afinidade vibratória — campo de emoções dilaceradas — são atraídas, e a irradiação inferior do ódio ou do ressentimento, da ira ou da vingança permeia o perispírito do seu antigo algoz, produzindo-lhe inarmonia vibratória, que resulta em perturbação dos sistemas nervosos central e endocrínico, abrindo espaço para a consumação dos funestos planos de vindicta.
Simultaneamente, são direccionadas à mente do hospedeiro físico induções hipnóticas carregadas de pessimismo e de desconfiança, de inquietação e de mal-estar, que estabelecerão as matrizes de futuras graves obsessões.
Instalada a ideia perturbadora, e a hipnose contínua descarrega ondas mentais nefastas que se mesclam com as do paciente, confundindo-o, desestruturando-o, até o momento em que perde a própria identidade, terminando por ceder área mental ao invasor, que passa a dirigir-lhe o pensamento, a conduta, a existência.
Sob essa nefanda vibração monoideísta, as delicadas células neuroniais captam a energia magnética que as invade, alterando-lhes a produção das moléculas mantenedoras do equilíbrio.
Submetidos aos tratamentos especializados, mas não afastados os agentes para-físicos promotores da desordem vibratória, tendem a permanecer insanos, mesmo que temporariamente experimentem melhoras no quadro enfermiço, tornando-se crónico o distúrbio.
Somente quando haja uma alteração do comportamento mental e moral do enfermo, direccionado para o amor, para o bem, conseguindo sensibilizar aqueles que estejam na condição de perseguidores, é que ocorrerá a recuperação que os medicamentos auxiliam na reorganização dos equipamentos cerebrais.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 20, 2017 10:16 am

Porque se trate de esforço de alta magnitude, a maioria dos doentes, além de estar aturdida pela consciência de culpa, embora sem identificar a causa, raramente se dispõe a esse magno empenho que, por outro lado, atrairia a atenção e o concurso edificante dos bons espíritos que iriam trabalhar para que fossem neutralizadas e mesmo eliminadas as energias deletérias absorvidas do hóspede indesejado.
A reencarnação é oportunidade de incomparável significado para o espírito que delinquiu, que se evade da responsabilidade, que se anestesia no prazer ou se homizia na inutilidade.
O conhecimento dos objectivos existenciais do ponto de vista espiritual, constitui recurso valioso e educativo para o reequilíbrio e a identificação com a Consciência Cósmica libertadora.
Sucede, no entanto, que a indolência mental e a rebeldia moral, o pessimismo e o ressentimento, facilmente se instalam no pensamento e na conduta humanos, dificultando a aquisição real da saúde mental e física.
Por isso, a hipnose espiritual obsessiva arrasta multidões de pacientes voluntários aos porões da depressão, do distúrbio do pânico, da cleptomania, do exibicionismo, dos transtornos compulsivos, da esquizofrenia, ou produz mutilados emocionais, hebetados mentais, sonâmbulos espirituais em triste espectáculo no proscénio terrestre, que ascende com as conquistas da Ciência e da Tecnologia, mas se demora nos pauis das paixões morais asselvajadas e das alucinações do insensato e perverso comportamento humano.
É muito maior o número de hipnotizados espirituais do que se pode imaginar.
Deambulam de um para outro lado, transitam quase sem rumo entre esculápios e psicoterapeutas, na busca de soluções químicas ou mágicas, sem o esforço moral em favor de uma introspecção profunda, para se poderem auto-libertar ou serem liberados...
Aos bandos, homens e mulheres, vitimados por induções hipnóticas impiedosas, atiram-se nas loucuras das drogas químicas e degenerativas, nas frustrações excêntricas, na violência quase insuportável, desejando fugir, sem identificarem a força mental que os vilipendia, consumindo-os e asselvajando-os.
Jesus, para esses insensatos, prossegue sendo uma figura mítica, como inspirador de novas bacantes, que alguns desses telementalizados por diversas dessas modernas Fúrias, usam para atrair incautos, divertidos irresponsáveis e buscadores incessantes de novos prazeres...
A humildade, o amor, o perdão, a caridade tornam-se para tais aficionados da colectiva obsessão, expressões de impacto verbal e sem sentido para a acção real, não poucas vezes, levadas ao ridículo.
Torna-se urgente uma releitura do Evangelho de Jesus e a sua imediata aplicação como terapêutica valiosa para reverter a paisagem sofrida e triste da humanidade contemporânea.
Ao tentá-lo, uma outra forma de hipnose se apresentará: aquela fomentada pelos Mensageiros da Luz, induzindo as criaturas ao Bem, á paz, à felicidade.
Há permanente intercâmbio psíquico entre os seres humanos e os espíritos, cada qual, porém, sintonizando na faixa correspondente às aspirações cultivadas e aos sentimentos mantidos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 20, 2017 10:16 am

2 - Perturbações psicológicas
As actividades mediúnicas eram muito complexas na noite de 3 de Julho de 2000, em razão da terapia espiritual para portadores de transtornos psicológicos e obsessões, quando o Mentor dos trabalhos escreveu a seguinte mensagem:
Perturbações psicológicas
A sociedade contemporânea, rica de cultura e assinalada por tecnologia de ponta, apresenta-se pobre de sentimentos morais elevados e de conhecimentos espirituais libertadores.
Toda a conjuntura vigente e discurso comportamental apresentado, são estabelecidos pelos ditames do hedonismo feroz que derrapa, não poucas vezes, na crueldade alucinada.
Fosse diferente a situação e os crimes hediondos como a violência, a guerra, o aborto, o suicídio, a pena capital, os vazios existenciais e outros teriam cedido lugar à paz, à fraternidade, ao auxílio recíproco, à vida em todas as suas expressões, propiciando clima espiritual de entendimento e compreensão dos problemas humanos.
Sucede que o espiritualismo dogmático ancestral, sem possibilidades de iluminar as mentes e de dulcificar os corações com informações claras e lógicas sobre a realidade do ser e da vida fora da matéria, perdeu a vitalidade, mantendo-se como formalismos sociais e mecanismos de evasão, promovendo o personalismo de alguns indivíduos a prejuízo do esclarecimento indispensável das massas.
Não mais inspirando respeito pelo temor, em razão das aberturas e facilidades para o prazer, lentamente anui com as doutrinas políticas e económicas dominantes, conforme ocorreu no passado, distanciando-se dos objectivos que parecia perseguir.
A sede insaciável de gozo e os apelos desenfreados sugeridos pela mídia, exclusivamente para os apetites sensuais e as concessões permitidas pelo poder, desvairam, levando multidões ao desenfreio, para logo tombarem em perturbação, em letargia, em depressão...
Compunge acompanhar-se a marcha crescente da pobreza moral, expressando-se na miséria económica, social e espiritual, dizimando ideais de enobrecimento e pessoas desequipadas de harmonia interior, que lhe tombam nas malhas sem cessar.
A falência da fé religiosa é evidente ante a predominância dos interesses e arrastamentos mundanos, em uma torpe ilusão de perenidade do corpo e dos seus equipamentos.
Tornando a enfermidade, a morte, os insucessos e prejuízos, figuras remotas de aparecer no palco da existência física, excluiu-se a realidade do comportamento existencial com promessas de prazeres inexauríveis, que o tempo, no entanto, consome, cedendo lugar às provações rudes e às dores acerbas.
Esse tipo de cultura voltada para o corpo e para o gozo material, constitui cruel engodo que o pensamento utilitarista dissemina, para distrair as mentes e dominá-las, deixando-as vazias e perturbadas.
É natural que a ânsia advinda pelo terrível desejo de cada qual afirmar-se pela posse, pelo exterior, frustre e faça estertorar aqueles que se afadigam pelo conseguir, e ante a impossibilidade de o alcançarem, revoltam-se ou entregam-se ao desencanto, que igualmente assinala estes dias com solidão, desconfiança, ressentimento e amargura.
Instalam-se, então, distúrbios psicológicos que lentamente vencem a sociedade, que mergulha no uso de drogas químicas variadas, ora com finalidade terapêutica, momentos outros como fuga infeliz, gerando-se sonâmbulos telementalizados e conduzidos por outras mentes desvinculadas do corpo que pululam fora do mundo físico, na dimensão espiritual.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 20, 2017 10:16 am

Distúrbios psicológicos avolumam-se nos grupos sociais, decorrentes dos fenómenos endógenos e exógenos, favorecendo a instalação de obsessões, a princípio subtis, depois graves no seu conteúdo psíquico pernicioso.
É muito fácil, no entanto, reverter o quadro, mediante a mudança cultural e moral dos indivíduos, voltando-se para os valores do espírito e da sua imortalidade, sem qualquer prejuízo para a vida física, antes concedendo-lhe qualidade, meta e meios adequados para torná-la feliz.
Em todos os tempos, missionários do Bem e apóstolos do amor mergulharam na névoa carnal, convidando a sociedade à reflexão, ao equilíbrio, à morigeração dos costumes primitivos e à acção meritória por cuja dieta se tornaria factível a sintonia com a realidade, com a vida.
Esquecidos ou desconsiderados, ignorados ou perseguidos, conseguiram, não obstante, desincumbir-se da missão a que se afeiçoaram, mas os frutos que ofereceram não se fizeram expressivos, a ponto de sensibilizar aqueles aos quais foram doados.
Os apetites desenfreados vêm impulsionando os seres em detrimento das lúcidas conquistas da razão.
Entrementes, as comunicações mediúnicas fazem-se ostensivas neste momento e multiplicam-se em toda parte como estratagema do Mundo Espiritual, a fim de despertar aqueles que se encontram anestesiados, enfermos ou perturbados, para que se libertem desses transtornos psicológicos e dos desaires morais, conseguindo renovação interior e saúde para recomporem a existência ameaçada.
A hora é grave, estando a exigir decisões coerentes e seguras para a instalação do Reino de Deus nos corações, iluminando as consciências com as notícias da vida espiritual e sua causalidade.
Neste pandemónio de perturbações de toda ordem, que decorrem da psicológica, faz-se inadiável a mais ampla divulgação do Espiritismo e de suas libertadoras propostas de lógica para contrabalançar a força ciclópica do materialismo que domina a sociedade.
Ampliar as informações sobre a Espiritualidade e a Erraticidade, sobre a Lei de Causa e Efeito, é dever de todos aqueles que já despertaram para Jesus e a própria consciência, assim contribuindo em favor da humanidade e do seu próximo vencido pelas perturbações psicológicas ampliadas pelas obsessões.
Ninguém, que se possa escusar desse dever de solidariedade humana e de conscientização dos próprios deveres ante a vida e Deus. Em assim procedendo, estará desincumbindo-se do dever de consciência, auxiliando hoje, conforme foi auxiliado oportunamente, quando, de alguma forma se encontrava em situação semelhante.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 20, 2017 10:17 am

3 - Toxicodependência
Na noite de 23 de Abril de 2001, na cidade de Quarteira, Algarve, Portugal, realizávamos o Estudo do Evangelho no Lar, encontrando-se presente um casal cujo filho enveredara pela dependência química.
Durante os comentários esclarecedores em torno da página lida, o Benfeitor escreveu a seguinte mensagem:
Toxicodependência
Remanescendo dos hábitos primários com predominância em indivíduos de constituição emocional frágil, o uso de substâncias psico-activas vem conduzindo larga faixa da humanidade à toxicodependência.
Desfilam como fantasmas truanescos e atormentados os usuários do álcool, do tabaco e das drogas químicas que ameaçam o equilíbrio psicossocial dos grupos terrestres, devorados pela insensatez de traficantes perversos e criminosos que amealham fortunas ignóbeis através do arrebanhamento de multidões de enfermos da alma que lhes tombam nas armadilhas cruéis.
A desvalorização da vida, em face do hedonismo que viceja em quase todos os sectores dos grupamentos sociais com a exaltação do sexo aviltado, constitui estímulo para as fugas espectaculares da realidade na direcção do aniquilamento orgânico em vã expectativa de extinção do corpo.
As grandiosas contribuições do pensamento exteriorizado nas nobres realizações da Ciência e da Tecnologia, fomentaram também a corrida desenfreada pelo conforto excessivo e pelo poder irresponsável, na louca tentativa de possuir-se em abundância, para bem desfrutar-se com ganância.
Essa aspiração, que poderia ser valiosa se pautada em linhas de equilíbrio moral, normalmente empurra o ser para a competição alucinada, destruindo o sentido ético da existência humana pela volúpia do gozo da glória terrena.
Por consequência, o egoísmo solapa os ideais de fraternidade e de ventura colectiva, trabalhando em favor da individualização, ora muito bem vivenciada nas viagens, visitas e convivência virtuais, que vêm afastando as criaturas umas das outras mediante o relacionamento computadorizado, longe do calor das comunicações interpessoais, ricas de contacto sensorial vitalizador.
De outra forma, as famílias, mergulhadas no torvelinho dos interesses externos, desestruturam-se, e os filhos são entregues a babás humanas ou electrónicas, quando deveriam conviver com os pais e com eles haurir emoções de segurança propiciadas pelo amor, gerando responsabilidade e dever, que são essenciais para o respeito pela própria existência e a vida em todas as suas variadas expressões.
A ausência da ternura no lar e a permanência dos conflitos nos relacionamentos dos adultos oferecem à criança e ao jovem uma visão deformada da realidade, que passa a representar, no seu interior, um processo que deveria ser de segura formação psicológica, tornando-se um desafio que apavora e gera instabilidade, assim contribuindo para o favorecimento das fugas espectaculares para os vícios de toda natureza, quais a toxicodependência, o alcoolismo, o jogo de azar, conduzindo, não poucas vezes, ao suicídio e a outros comportamentos anti-sociais aberrantes e criminosos.
Não é, pois, de estranhar, quando crianças e jovens utilizam-se dos instrumentos de destruição para assassinarem colegas e mestres, ou quando adultos e adolescentes se armam para extermínios seriais, mais aumentando as estatísticas de pavor e de degradação humana.
A insegurança, portanto, que se deriva do abandono a que se vêem relegadas as gerações novas, o desinteresse com que são toleradas, a irritação que provocam nos adultos imaturos e egotistas, que experienciam momentos de emotividade piegas, tentando diminuir o impacto negativo dos seus comportamentos através de doações de coisas e caprichos, tornam difícil o amadurecimento psicológico dos mesmos que se sentem atirados ao sorvedouro da insensatez generalizada.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Ago 20, 2017 10:17 am

Concomitantemente, a má orientação escolar, pela falta de uma educação baseada em valores humanos e espirituais, apresentada por professores igualmente conflitivos e atormentados, torna-se porta de acesso ao desespero e à consequente queda no abismo da viciação.
É certo que existem incontáveis excepções, nas quais se apresentam pais e educadores, homens e mulheres nobres, mas sem uma conscientização geral que envolva autoridades, famílias e cidadãos na questão momentosa da prevenção das drogas, o problema visto pelo ângulo da repressão inconsequente, que somente pune os pequenos traficantes, ameaçando os usuários em desequilíbrio, sem alcançar os poderosos cartéis espalhados pelo mundo, de maneira alguma poderá modificar a gravidade do desafio, nem sequer diminuindo-lhe os excessos ou evitando-lhe a dominação.
Todos os indivíduos inseguros e conflituosos são vítimas em potencial do uso e do tráfico de drogas que se encontram ao alcance de quantos desejem usá-las.
Por outro lado, a facilidade com que se vendem produtos farmacêuticos geradores de dependência química e propiciadores de transes alucinogénios ou de sensações de aparente paz, de relaxamento, torna-se também estímulo poderoso para iniciações perigosas que terminam em abuso de substâncias destrutivas dos neurónios cerebrais e responsáveis por outros danos orgânicos irreparáveis e de alta essencialidade para a existência do ser.
Torna-se urgente uma política séria sobre as drogas químicas, a fim de ser corrigida e mesmo evitada a drogadição e criados centros reeducativos para seus dependentes, através dos quais haja seriedade no estudo, análise e aplicação dos esquemas de educação para a infância e a adolescência, ao lado de confiável compromisso familiar no que diz respeito à estruturação psicológica do educando.
A criança e o jovem, não obstante a aparência de fragilidade e a inocência ante as experiências atuais, são espíritos vividos e portadores de largo património de conquistas positivas e negativas que lhes exornam a personalidade, facilmente despertáveis de acordo com os estímulos externos que lhes sejam apresentados.
Eis por que os valores morais e éticos, quando cultivados, oferecem seguras directrizes para o equilíbrio e a existência saudável, tornando-se antídoto valioso para o enfrentamento do perigo das drogas.
Somando-se a esses factores externos os compromissos espirituais de cada criatura, não se pode negar a preponderância da interferência dos espíritos desencarnados na conduta dos homens terrestres.
Conforme as leis de afinidade e de sintonia, ocorrem as vinculações naturais, quando não de carácter recuperador em razão de antigos débitos para com aqueles que se sentem prejudicados ou que foram vitimados pela incúria e perversidade de quem os afligiu e infelicitou.
Nesse comenos, no período da iniciação ou mesmo antes dela, instalam-se as obsessões simples, que se convertem em problemas graves, derrapando para subjugações cruéis, nas quais, hóspede e hospedeiro interdependem-se na usança das drogas devastadoras.
Quase sempre, após instalada a obsessão desse porte, o espírito perturbador passa a experimentar o prazer gerador do vício, especialmente se antes da desencarnação esteve sob o jugo da infeliz conduta.
Havendo desencarnado, mas não sucumbindo ante o tacape da morte, busca desesperado dar prosseguimento ao hábito doentio, sintonizando com personalidades fragilizadas e inseguras, levando-as à degradante toxicodependência.
A oração, as leituras edificantes, as conversações saudáveis, ao lado da terapêutica especializada, devem ser movimentadas para a recuperação do paciente e a sua entrega a Deus mediante os bons pensamentos e as acções relevantes que constituem recurso precioso para a terapia preventiva, assim como para a curadora.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 21, 2017 9:07 am

4 - Exorcismo inútil
Após a conferência realizada na cidade de Milão, na Itália, na noite de 2 de Junho de 2001, a conversação se deteve na questão do exorcismo então em voga naquele país.
Logo depois, o Amigo espiritual grafou a página que segue:
04 Exorcismo inútil
O quase total desconhecimento da vida espiritual ou a ignorância a seu respeito, respondem pelas estranhas práticas do exorcismo desde recuadas épocas.
A presunção e vacuidade das pessoas que se acreditam credenciadas para impor a sua falsa autoridade sobre outrem, fazem que transfiram o mesmo sentimento para os espíritos sofredores ou perversos que investem contra aqueles a quem afligem com insistente crueldade.
A obsessão é resultado do intercâmbio psíquico, emocional ou físico entre dois seres que se amam ou que se detestam.
Na raiz do fenómeno turbulento, encontram-se os componentes da identificação vibratória que faculta o processo perturbador.
Aquele que se sentiu enganado ou traído, vitimado pelo seu opositor, busca retribuir o mal que lhe sofreu, impondo-lhe a crueldade da perseguição sem quartel procedente do mundo espiritual onde hoje se encontra.
Dispondo de maior campo de compreensão mental e de técnicas sofisticadas para impor a sua vontade sobre aquele a quem detesta e deseja martirizar, estabelece o intercâmbio nefasto, que culmina com a instalação dos distúrbios, que se convertem em sofrimento de breve ou longo curso, sempre, porém, afligentes.
Outras vezes, são vinculações amorosas de qualidade inferior, nas quais ambos os cômpares intercambiam sentimentos vulgares, que os levam a uma convivência mental de torpes satisfações ou de desejos inconfessáveis, que a morte de um deles não mais permite realizar-se.
A obsessão somente se instala porque há receptividade do paciente que lhe tomba nas malhas constritoras.
Qualquer tentativa de tratamento deverá iniciar-se pelo conhecimento das razões que desencadearam o acontecimento infeliz.
Como não há razão para alguém impor a sua vontade sobre a de outrem, particularmente no que diz respeito às ingratas obsessões, também a ninguém é facultado o direito de afligir o seu próximo sem incorrer em penalidade que a si mesmo se impõe, em face das soberanas leis que estabelecem o respeito à vida de todos.
A imprudência e as paixões que predominam em a natureza humana levam o ser a tresvariar no cumprimento dos seus deveres, transformando-se em insensato inimigo do seu companheiro de jornada, que então lhe sofre a crueza ou a perseguição sistemática, afligindo-o, gerando-lhe situações embaraçosas mediante as quais se sente feliz...
Essa conduta nefasta, que muitas vezes passa desconhecida pela vítima, após o decesso tumular, mediante processos de sintonia e afinidade, vincula-a ao seu algoz, que passa a entender o que lhe ocorrera e, não possuindo valores ético-morais satisfatórios para compreender e perdoar, toma a clava da justiça nas mãos e se acredita com o direito de desforçar-se naquele que o infelicitou.
Tivesse outro conhecimento da vida, das suas leis e da Justiça Divina que jamais se engana ou desvia, e se apoiaria no olvido do mal para tornar-se feliz, liberando-se mentalmente de quem o haja atormentado e sido responsável pela sua desdita.
A inferioridade moral da vítima, no entanto, qualidade essa peculiar à maioria dos temperamentos humanos, impõe a vingança como o melhor mecanismo para cobrar o mal que padeceu, tornando-se, por sua vez, o perseguidor, quando poderia continuar sendo credora de respeito pela sua situação de mérito.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 21, 2017 9:07 am

Assim sendo, a prática do exorcismo redunda inútil, particularmente no que tange aos chamados gestos sacramentais e às palavras cabalísticas, que produzem zombaria nos espíritos perseguidores, tanto quanto nos galhofeiros, que se comprazem acompanhando o ridículo daqueles que pretendem expulsá-los com comportamentos esdrúxulos, sem qualquer requisito moral que os credencie à terapêutica curativa.
Quando ocorrem resultados positivos no tratamento de obsessos por meio desse recurso, defrontam-se as qualidades espirituais do terapeuta e não os comportamentos estranhos que se permite, porquanto, somente as energias elevadas, que decorrem das condutas moral e mental podem afastar os espíritos infelizes daqueles que lhes padecem a injunção penosa.
Apesar disso, para que o processo curativo se dê correctamente, são indispensáveis a transformação ética do paciente, as suas actividades de beneficência e de fraternidade, o compromisso com o amor e a oração, a fim de revestir-se de valores elevados que lhe facultem a sintonia com outras faixas vibratórias, evitando a urdidura de novas perturbações.
Eis por que, no tratamento das obsessões, o diálogo com o enfermo espiritual se torna essencial, a fim de elucidá-lo quanto ao mal que executa, quando poderia ser feliz liberando o seu opositor e entregando-o à própria e à Consciência Divina.
Prosseguindo na obstinação de fazer o mal a quem o prejudicou, permanece sofrendo, desse modo, afligindo-se sem cessar, quando tem o direito a desfrutar de paz e de renovação, já que todos rumamos para a felicidade que nos está destinada.
O processo de iluminação interior é a meta fundamental de todas as ocorrências espirituais, por proporcionar direccionamento saudável e equilibrado a quem experimenta infortúnio, resvalando pelas rampas do ódio e das paixões mais primitivas.
Quando Jesus exortava os espíritos imundos e Legião a que abandonassem aqueles a quem atormentavam, havia no Mestre a energia libertadora que interrompe o fluxo da obsessão.
Ademais, sabia o Senhor quando se encerrava o débito do antigo algoz, liberando-o do prosseguimento na dor.
Por sua vez, as entidades infelizes, viam-nO aureolado de luz e tocavam-se ante a Sua irradiação, alterando a conduta e descobrindo a necessidade de mudança de comportamento.
Através dos tempos, alguns seguidores da doutrina cristã, enfrentando os espíritos doentes e vingativos, tentaram repetir as façanhas do Nazareno, muito distantes, porém, das qualidades vibratórias indispensáveis para o cometimento superior, fracassando de imediato nos objectivos.
E quando isso acontecia, sem possuírem resistências psíquicas próprias, irritavam-se, passando a exigências descabidas, quando não se entregavam a gritarias e pugnas verbais injustificáveis com os obsessores, que mais se fortaleciam nos combates estabelecidos.
Com o conhecimento do Espiritismo, graças às seguras informações fornecidas pelos próprios desencarnados, pôde se descobrir as saudáveis terapias para atendimento das obsessões e das suas vítimas, atendendo-se não apenas ao encarnado, mas também ao irmão que sofre além da cortina carnal, que lhe padeceu a injunção perversa e ainda continua experimentando dissabores e amarguras.
A criatura humana, sedenta sempre de novidades, sofrendo as consequências da conduta arbitrária, derrapa em profundos fossos de obsessões na actualidade, mas desejando receber ajuda sem maior esforço, adere aos processos de exorcismos, em cenas grotescas de debates entre os presunçosos terapeutas e os espíritos, provocando admiração e crescente fascínio.
Sucede que, em muitos casos, aqueles que aturdem os imprevidentes, a fim de retornarem à carga posteriormente, fingem-se de modificados e arrependidos do mal que estão praticando, e abandonam o seu parceiro espiritual, apenas por algum tempo, volvendo depois com maior soma de aflição e de rebeldia.
Em quaisquer situações de enfermidades espirituais as condutas terapêuticas a adoptar-se são a da compaixão e da caridade, do amor e do perdão em relação à vítima, assim como ao seu perseguidor, ambos incursos nos mesmos soberanos códigos da vida dos quais ninguém consegue fugir.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 21, 2017 9:08 am

5 - Obsessão, idiotia e loucura
A reunião mediúnica processava-se em clima de consolo aos desencarnados que ainda se mantinham sob os efeitos dos transtornos e distúrbios mentais e emocionais da existência terrestre, na noite de 8 de Junho de 2001, em Londres, Inglaterra. Enquanto eram orientados carinhosamente pelo dirigente, o nobre Benfeitor escreveu a mensagem que segue:
Obsessão, idiotia e loucura
Analisando-se com lógica e serenidade o extraordinário fenómeno da transfiguração de Jesus no monte Tabor diante dos Espíritos Moisés e Elias, constata-se haver sido esse momento incomum, o de uma reunião espírita de carácter mediúnico.
Diante dos três discípulos convidados para o cometimento superior, Pedro, Tiago e João, que serviram de suporte auxiliar para a exteriorização do ectoplasma, o Mestre se lhes apresentou na plenitude do espírito, fulgurante e puro, dialogando com o excelente legislador do povo hebreu e do Seu abnegado profeta que, até há pouco, estivera reencarnado como João Batista, o Precursor do Seu ministério, e que fora decapitado por ordem do governante Herodes Antipas.
Verdadeiro intercâmbio mediúnico de natureza superior ali se apresentou, quando Moisés, que tivera o cuidado em advertir os hebreus a respeito das comunicações espirituais, recomendando-lhes a não evocação dos mortos, conforme vinham fazendo, o mesmo em referência a consultas com adivinhos e feiticeiros, retornava, ele mesmo, da vida abundante para confirmar essa realidade do ser eterno, através da sua comunicação, que demonstra de maneira inequívoca a sobrevivência da vida à morte.
E Elias, igualmente, passada a rude prova da decapitação em que se recuperara da intolerância e dos terríveis crimes praticados contra os adoradores e sacerdotes do deus Baal, nas margens do rio Quisom, ressurgia esplendente em beleza e em luz, reverenciando o Messias de Israel e Guia de toda a Humanidade.
O santuário para o eloquente intercâmbio foi a Natureza em festa, no alto de um monte, longe do bulício e da perturbação das mentes em desalinho, a fim de que fosse repetido no futuro em homenagem ao Seu feito.
Entre o espanto e a admiração, os discípulos humildes deslumbraram-se com o acontecimento e o anotaram, transmitindo-o à posteridade sem mais amplos e profundos detalhes do que representava uma proposta importante para o futuro das criaturas, no que diz respeito às comunicações espirituais.
Um grande silêncio pairou até hoje em torno do diálogo havido entre o Mestre e os Seus visitantes desencarnados.
No entanto, o fato extraordinário assinalou em definitivo a ascendência de Jesus sobre todos os espíritos da Terra e o Seu poder em relação aos mesmos.
Ainda não terminara o encantamento, quando Ele convidou os companheiros a descerem à planície onde se encontravam as criaturas aturdidas e sofredoras.
Ao fazê-lo, ainda nimbado de mirífica luz, foi solicitado por um pai aflito, a fim de que curasse o seu filho, que um espírito o tomava, fazia-o convulsionar até babar sangue e ninguém conseguia curá-lo, de imediato acrescentando que nem mesmo os Seus discípulos o conseguiram, por faltar neles a autoridade moral indispensável em relação ao comunicante atormentado.
Sem delongas, porque ainda permanecia na vibração da actividade mediúnica, o Senhor expulsou com energia e misericórdia o perturbador inclemente, devolvendo o rapaz antes enfermo ao seu pai, agora perfeitamente saudável e jubiloso.
Todo esse episódio encaixa-se com perfeição nos moldes de uma actual sessão mediúnica de desobsessão, na qual o amoroso Psicoterapeuta advertiu o hóspede invisível e actuante, tomado de impiedade e insânia mental, que cedeu, abandonando os seus propósitos infelizes ante a Sua autoridade incomum referta de conhecimento e de amor.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 21, 2017 9:08 am

O jovem que convulsionava, como se fosse vitimado por transtorno epiléptico repetitivo, era vítima de rude obsessão espiritual, que a sabedoria e a misericórdia de Jesus reverteram à paz e à calma, à saúde e à observância dos deveres em relação à vida.
Guardadas as proporções, a mesma ocorrência tem lugar nas reuniões de desobsessão quando, após serem ouvidas as orientações dos Mentores espirituais, procedem-se às terapias liberativas de obsessores e de obsidiados, mediante a palavra repassada de bondade e conhecimentos do doutrinador, convocando o perseguidor ao perdão e à caridade, ao mesmo tempo ensejando-se recuperação e paz.
Esse distúrbio, o da obsessão, difere bastante daqueles de natureza orgânica, que produzem a idiotia e a loucura.
Em todos esses casos, porém, encontram-se espíritos enfermos, aqueles que estão reencarnados, endividados perante as Leis Cósmicas, em processos graves de provações dolorosas ou expiações reeducativas.
Na obsessão, encontra-se actuante um agente espiritual que se faz responsável pelo transtorno reversível; no entanto, nos casos em que o ser renasce sob o estigma da idiotia ou chancelado pelos factores que propiciam a loucura, os seus débitos e gravames são de tal natureza grave, que imprimiram no corpo o látego e o presídio necessários para a sua renovação moral.
Desde o momento da reencarnação, a consciência culpada e os sentimentos em desordem imprimiram nos equipamentos orgânicos e cerebrais as deficiências de que o endividado tem necessidade para reparar os males anteriormente praticados, desde quando, portador de inteligência e mesmo de genialidade, delas se utilizou para a alucinação no prazer exorbitante em prejuízo de grande número de pessoas outras que lhe experimentaram a crueldade, a intemperança, a indiferença...
Malbaratado o património superior que a vida lhe concedeu para multiplicar os talentos de que dispunha, volta agora ao orbe terrestre para expiar, passando pelos sítios tormentosos da falta de lucidez e com limitação mental, encarcerado em equipamentos que são incapazes de lhe permitir a comunicação com o mundo exterior.
Sitiado em si mesmo, sofre as consequências da hediondez que se permitiu, padecendo rudes aflições pela impossibilidade de agir com segurança e desenvoltura.
O corpo, atingido pelos factores endógenos — hereditariedade, sequelas de enfermidades infecto-contagiosas — de que se revestiu o espírito por sintonia vibratória no momento da reencarnação, é resultado da utilização de genes com características deformadas, não havendo possibilidade então de recomposição, de restauração da saúde mental, de equilíbrio psíquico.
No entanto, resgatando os males ainda preponderantes na sua economia moral, adquirirá a harmonia que lhe facultará futuros cometimentos felizes, mediante os quais contribuirá em favor da ordem e do desenvolvimento intelectual, moral e espiritual de si mesmo, assim como da sociedade.
Nada se perde ou se confunde na Contabilidade Divina, que estabelece os procedimentos espirituais futuros de acordo com os investimentos realizados por cada ser humano durante a sua vilegiatura carnal.
Quando as obsessões se fazem prolongadas e o paciente não se dispõe à recuperação ou não a consegue, a incidência continuada dos fluidos deletérios sobre os neurónios cerebrais termina por produzir afecções e distúrbios de grave porte que se tornam irrecuperáveis.
Desse modo, as obsessões podem conduzir à loucura, à idiotia, e essas, por sua vez, serão ampliadas por influências espirituais perniciosas, que são realizadas pelos adversários do enfermo, que se utilizam da sua incapacidade de autodefesa para os desforços infelizes, nos quais se comprometem, por sua vez, com a própria consciência.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 21, 2017 9:08 am

Jesus penetrou o mundo sombrio que envolvia o jovem obsesso e detectou o agente da enfermidade que o estigmatizava, conseguindo liberá-lo, para que pudesse dar curso à existência física com os equipamentos da lucidez e da consciência de maneira digna e produtiva, a fim de que lhe não viesse a acontecer nada pior, conforme assinalava sempre após as curas realizadas.
Isto porque, cada um é o responsável pelos seus actos, dos quais se derivam a saúde ou a enfermidade, o bem ou o mal-estar.
Obsidiados existem que, logo se recuperam da acção perniciosa que sofrem, voltam aos mesmos sítios de antes, atraídos pelo atavismo vicioso, não corrigindo as imperfeições morais que os assinalam, até que se tornam vítimas novamente, se não dos antigos adversários, mas de outros espíritos levianos e mesquinhos, que neles encontram campo apropriado para vampirizações mentais e despautérios de outras expressões degradantes.
Qualquer distúrbio na área do comportamento emocional, mental ou físico, tem o propósito de alertar o espírito, a fim de que análise os factores que são propiciatórios a esse desencadeamento, procurando, de imediato, corrigir a deficiência ou a malversação de valores, assim fruindo da oportunidade feliz de evitar gravames maiores.
Não obstante, reduzido é o número daqueles que se dão conta do processo em desenvolvimento, procurando justificar as ocorrências penosas no seu início com reflexões exclusivamente materialistas, distantes de uma atitude preventiva moral, que poderia interromper o fluxo do desequilíbrio em face da transformação que fosse operada, facultando a alteração do ritmo vibratório do perispírito, encarregado de conduzir a energia ao organismo em todas as células através da circulação do sangue que lhe serve de veículo material...
Desse modo, as obsessões, na sua fase inicial, antes da tragédia da subjugação, de mais difícil reequilíbrio, têm carácter provacional, enquanto que a idiotia e a loucura estão incursas nas expiações redentoras, através das quais o espírito calceta desperta para a compreensão dos valores da vida, enriquecendo-se de sabedoria para os futuros comportamentos.
Assim mesmo, nos casos dessa ordem, a contribuição psicoterapêutica do Espiritismo através da bioenergia, da água fluidificada, da doutrinação do paciente e dos espíritos que, possivelmente, estarão complicando-lhe o processo de desequilíbrio, a oração fraternal e intercessora são de inequívoco resultado saudável, proporcionando o bem-estar possível e a diminuição de sofrimento do paciente, a ambos encaminhando para a paz e a futura plenitude.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 21, 2017 9:09 am

6 - Terapia desobsessiva
Na noite de 13 de Junho de 2001, em Londres, na Inglaterra, após o atendimento a diversas pessoas com problemas de obsessão e transtornos psicológicos, o dedicado Guia espiritual escreveu a mensagem aqui inserta:
Terapia desobsessiva
A qualidade na terapia desobsessiva em diversas Instituições Espíritas deixa muito a desejar, em face da presunção e prepotência dos seus dirigentes, ainda aferrados a ideias que não correspondem aos princípios do Espiritismo.
Doutrina de lógica e discernimento, as suas directrizes assentam-se na Lei de amor que lhe constitui o princípio ético-moral e religioso, fundamento indispensável para a realização dos seus objectivos doutrinários.
Graças a essa conceituação, todas as suas propostas são portadoras de uma filosofia comportamental optimista e nobre, através da qual a existência humana se torna edificante e suas finalidades possíveis de ser conquistadas.
Não apenas abrangendo o mundo corporal, a Revelação Espírita desvelou o mundo extra-fisico e suas leis, a interferência dos espíritos na vida dos homens, e também o conúbio existente entre os encarnados e desencarnados que são atraídos pelos seus pensamentos, palavras e actos.
Desse intercâmbio, quando perturbador, são estabelecidas as obsessões de curso lamentável por teimosia ou pertinácia, perversidade ou ignorância de uns e de outros, que somente se resolvem mediante a mudança de atitude e conduta íntima transformadora para melhor direccionamento moral.
Em razão da sua constituição terapêutica, na condição de psicologia profunda que encontra os alicerces dos sofrimentos nas estruturas do próprio ser espiritual, os processos de que se utiliza para a reconstrução da saúde física, emocional e psíquica de ambos os indivíduos nos dois planos em que se movimentam, obedecem ao conhecimento das razões que motivam esses distúrbios e dos métodos de iluminação que devem ser aplicados para mudar a situação deplorável.
Como decorrência, no que diz respeito aos labores desobsessivos, somente a autoridade moral do psicoterapeuta espiritual e a sua habilidade intelecto-emocional conseguem o diálogo indispensável ao esclarecimento do perseguidor desencarnado e sua consequente alteração de comportamento em relação àquele que lhe padece a constrição psíquica.
Nunca será demasiado recordar que o denominado obsessor tornou-se o indigitado algoz, porque foi vítima de quem hoje lhe experimenta o trucidar dos sentimentos.
Não havendo conseguido compreender a circunstância infeliz no passado que lhe dilacerou a alma, mantém o primitivismo do ódio transformado em sede de vingança que pretende aplicar com as próprias mãos em arroubos de justiça arbitrária, de consequências ainda mais infelizes.
Por outro lado, não se havendo recuperado moralmente ante a vítima, aquele que hoje se sente perseguido, estabelece-se o confronto no campo das vibrações subtis, que necessita ser modificado através da renovação de um ou de outro, melhor ainda quando ambos se refazem e se dão as mãos em ajuda recíproca.
O objectivo da terapia desobsessiva não é o de afastar apenas o perseguidor, como se fosse possível expulsá-lo da área vibratória em que se encontram fixados ambos os contendores.
Qualquer tentativa nesse sentido sempre resulta inócua ou mais prejudicial por açular o ódio desse antagonista.
Às vezes, tem-se a impressão de que a arrogância com que se permitem alguns doutrinadores, exuberantes na sua pseudo autoridade moral, mais verbal que real, logra resultados positivos por afastar os obsessores.
Em realidade, não ocorre a liberação do enfermo porque não houve alteração de propósitos, nem da vítima nem do seu insano adversário, mas um afastamento técnico, ilusório, por parte do desencarnado, para retornar com mais ira na primeira oportunidade que se lhe apresente favorável.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 21, 2017 9:09 am

As pugnas espirituais exigem muito cuidado para serem resolvidas.
Não temem os espíritos altercações verbais, diatribes, atitudes gestuais, gritaria e ofensas, ordens destituídas de conteúdo espiritual, para que abandonem os seus propósitos.
Somente através da persuasão lógica e fraternal, rica de esclarecimento e de amor, é que se resolvem por buscar outros caminhos, especialmente se lhes são acenadas as ocasiões de conseguir a própria felicidade, deixando o seu inimigo com a própria consciência e a Justiça Divina que jamais falta.
Devidamente esclarecido, dando-se conta do tempo malbaratado na perseguição doentia, compreendendo que, terminada a guerra desaparecem os objectivos programados, entendendo que Deus pode interferir de um para outro momento alterando a situação infeliz, resolve-se o adversário desencarnado por encontrar a paz e prosseguir no seu curso de evolução sem as amarras inditosas da retaguarda.
Na terapia desobsessiva, ambos os litigantes são necessitados de amor e de auxílio, de iluminação e de caridade, porque, encontrando-se na mesma faixa de comportamento vibratório, estão vinculados profundamente por acções indevidas que os comprometeram perante as próprias como diante da Consciência Cósmica.
Despertar-lhes os sentimentos de dever e de respeito para com o outro, assim como para com todas as criaturas é um dos objectivos essenciais da doutrinação.
A cura ou recuperação do paciente é um efeito natural dessa conduta, porquanto é de relevante importância considerar que o desencarnado igualmente se encontra enfermo e merece despertar intimamente a fim de lograr a saúde desorganizada.
Se apenas tiver em mente o encarnado que sofre, o psicoterapeuta espiritual não se encontra equipado de valores para o mister, desde que a sua conduta parcial e individualista foge totalmente dos propósitos morais que estabelecem a construção do bem em todos os indivíduos onde quer que se encontrem.
O mundo espiritual é o legítimo, e aqueles que se encontram desvestidos de matéria são portadores de sentimentos, de aspirações, de conteúdos morais e intelectuais, encontrando-se na realidade causal.
Os métodos que têm por base a presunção dos encarnados que se acreditam em condições de impor os seus pensamentos e vontades aos espíritos são falhos.
Eles mesmos, embora se esforçando, nem sempre logram exigir-se com êxito a transformação moral para melhor, não lhes sendo lícito, dessa forma, tentarem encontrar nos sofredores do Além-túmulo obediência e submissão.
Jesus, em razão da Sua autoridade moral, ordenava aos espíritos imundos que abandonassem as suas vítimas, e o fazia por constatar que a prova do obsidiado já se encontrava terminada, ao tempo em que os Seus anjos, aqueles que O acompanhavam, se encarregavam de dar prosseguimento ao esclarecimento dos indigitados perseguidores, que mudavam de atitude desde o momento em que defrontavam o Mestre, deslumbrando-se com o Seu poder.
Eis por que, em circunstância alguma Ele deixou de ser obedecido.
Tentar-se fazer o mesmo, supondo imitar o Rabi, é descabida autoconfiança e exacerbada vaidade que merecem revisão de comportamento.
O amor irradia energias benéficas que alcançam os espíritos em perturbação e vingança, auxiliando-os a discernir o comportamento que se permitem e alterá-lo, de forma que se facultem o bem-estar e a liberação de quem lhe sofre a indução maléfica.
Desse modo, jamais se deve esquecer que o espírito odiento de hoje assim se encontra porque foi vítima daquele que ora inspira compaixão e misericórdia.
Qualquer atitude em favor de um e em detrimento do outro é equivocada.
Tomadas as providências para a psicoterapia espiritual desobsessiva de ambos os enfermos, e tendo-se em mente a necessidade de vivenciar-se o trabalho no bem e a transformação moral sempre para melhor, estão sendo movimentados os valores para o estabelecimento da saúde real e construção social dos sofredores de ambos os planos da vida, construindo-se um mundo verdadeiramente rico de paz e de felicidade.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 21, 2017 9:09 am

7 - Sintonia elevada
Nas actividades mediúnicas da noite de 5 de Julho de 2001, em Salvador, o número de entidades sofredoras atendidas pelos Benfeitores fora expressivo e todas saíram consoladas e confiantes.
Ao término da reunião, o Benfeitor escreveu a seguinte página:
Sintonia elevada
Toda e qualquer concentração mental emite vibrações equivalentes ao teor de que se reveste o pensamento em fixação.
Conforme o seu conteúdo, direcciona-se para campo semelhante com o qual sintoniza, passando a haurir energia correspondente que lhe aumenta a capacidade de irradiação.
Em face de tal resultado, o homem lúcido edifica-se mediante o cultivo de ideias elevadas, graças às quais afina-se com as fontes inexauríveis da vida.
Constituindo esse mundo causal uma realidade caracterizada pela energia pura, quando lhe chegam emissões mentais significativas, estabelece-se o contacto provedor de bênçãos que se derramam na direcção da antena psíquica emissora da onda.
Desse magnificente campo de superior organização promanam as admiráveis conquistas do pensamento humano, que se materializam nas diferentes áreas da ciência, da arte, da filosofia, da religião, dos empreendimentos grandiosos que promovem as criaturas e a humanidade.
Reflexos do Amor, essas Regiões felizes frequentemente são alcançadas por todos aqueles que aspiram ao bem, à harmonia, à felicidade...
No conceito do Mestre Jesus, quando se referindo às muitas moradas na Casa do Pai, constatam-se, não somente os mundos materiais que pululam no Cosmo, como também essas Esferas espirituais, eminentemente vibratórias que envolvem o planeta terrestre e outros, que sediam os espíritos ditosos, encarregados de promover o progresso moral dos Orbes.
Faz-se indispensável que as mentes humanas diluam as vinculações ancestrais com os círculos morais inferiores dos quais procedem e que predominam nos seus hábitos emocionais e interesses morais responsáveis, por sua vez, pelos vícios e desaires que se prolongam, transformando-se em enfermidades da alma.
O ser humano está destinado à glória espiritual, cabendo-lhe desenovelar-se dos terríveis anéis mentais constritores que o mantêm em tormento e frustração.
Para o êxito do cometimento, a selecção dos pensamentos a cultivar mediante o esforço da vontade para fixá-los, substituindo aqueles perniciosos a que está acostumado, gerará nova conduta psíquica de resultados saudáveis.
Nessa fase de mudança de hábitos mentais, a oração se torna elemento de valor inestimável, por lenir as dores morais e propiciar inspiração que procede desses núcleos de captação desse tipo de ondas, transformando-as em respostas portadoras de bem-estar, de alento e esperança, de beleza e harmonia.
À medida que se amplia o tempo de sintonia superior, alarga-se o campo de receptividade, proporcionando o registro já não exclusivo de pensamentos, mas também de percepção da vida em abundância em diferente expressão daquela material que é vivenciada.
Aspirando-se essa psicosfera que nutre interiormente, outros valores éticos e ambições emocionais passam a estabelecer directrizes para o comportamento, impulsionando o ser para a conquista do amor pleno e a paz que não sofre qualquer perturbação nos embates do dia-a-dia da evolução.
Experimentando essa inefável sintonia, o ser humano lata com melhores equipamentos para alterar o rumo das experiências e, ao mesmo tempo, para dilatar os sentimentos de fraternidade, que se solidariza com o próximo em aturdimento para o ajudar; com o amor, para expandi-lo e preencher os vazios existenciais em outrem; com a caridade, para tudo compreender, erguendo os combalidos físicos, morais, económicos e espirituais, em consequência experimentando a alegria de viver.
A sintonia superior é indispensável para a erradicação dos compromissos perturbadores, dos hábitos perniciosos, dos instintos primários, que se fazem substituídos pelas expressões de nobreza, de honestidade e de bem-estar que lhe são inabituais.
Quando alguém consegue abandonar o charco em que se encontra e alcança o planalto formoso, deslumbra-se com o horizonte visual infinito, com a beleza de luz e de cor, com a musicalidade da Natureza, enquanto aspira o oxigénio puro, que vitaliza e renova o ser.
A ascensão espiritual não é diferente, sendo compensadores os esforços e tentativas de sintonia elevada, considerando-se a destinação espiritual que está reservada a todos os homens e mulheres do mundo.
O pensamento é, portanto, o veículo vigoroso que conduz o espírito à sintonia com a faixa de que se constitui e ao campo vibratório de energia que o capta.
Enquanto luz a oportunidade no corpo ou fora dele, cumpre que a mente se edifique através de construções ideológicas salutares, a fim de se transformarem em acções dignificantes, graças à inspiração e aos impulsos vigorosos procedentes do mundo real de onde todos nos originamos e para onde retornamos, conforme o teor de qualidade psíquica e os conteúdos morais das acções praticadas.
Pensar bem para agir melhor, é o desafio do momento, que aguarda a decisão moral dos indivíduos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 21, 2017 9:10 am

8 - Sintomas de mediunidade
Durante os trabalhos de socorro aos irmãos desencarnados em sofrimento, através de médiuns iniciantes, no Centro Espírita na cidade de Paramirim, BA., no dia l0 de Julho de 2000, o Instrutor dirigiu-nos a seguinte mensagem:
Sintomas de mediunidade
A mediunidade é faculdade inerente a todos os seres humanos, que um dia se apresentará ostensiva mais do que ocorre no presente momento histórico.
À medida que se aprimoram os sentidos sensoriais, favorecendo com mais amplo cabedal de apreensão do mundo objectivo, amplia-se a embrionária percepção extrafísica, ensejando o surgimento natural da mediunidade.
Não poucas vezes, é detectada por características especiais que podem ser confundidas com síndromes de algumas psicopatologias que, no passado, eram utilizadas para combater a sua existência.
Não obstante, graças aos notáveis esforços e estudos de Allan Kardec, bem como de uma plêiade de investigadores dos fenómenos paranormais, a mediunidade vem podendo ser observada e perfeitamente aceita com respeito, em face dos abençoados contributos que faculta ao pensamento e ao comportamento moral, social e espiritual das criaturas.
Subtis ou vigorosos, alguns desses sintomas permanecem em determinadas ocasiões gerando mal-estar e dissabor, inquietação e transtorno depressivo, enquanto que, em outros momentos, surgem em forma de exaltação da personalidade, sensações desagradáveis no organismo, ou antipatias injustificáveis, animosidades mal-disfarçadas, decorrência da assistência espiritual de que se é objecto.
Muitas enfermidades de diagnose difícil, pela variedade da sintomatologia, têm suas raízes em distúrbios da mediunidade de prova, isto é, aquela que se manifesta com a finalidade de convidar o espírito a resgates aflitivos de comportamentos perversos ou doentios mantidos em existências passadas.
Por exemplo, na área física:
dores no corpo, sem causa orgânica; cefalalgia periódica, sem razão biológica; problemas do sono – insónia, pesadelos, pavores nocturnos com sudorese –; taquicardias, sem motivo justo; colapso periférico sem nenhuma disfunção circulatória, constituindo todos eles ou apenas alguns, perturbações defluentes de mediunidade em surgimento e com sintonia desequilibrada.
No comportamento psicológico, ainda apresentam-se: ansiedade, fobias variadas, perturbações emocionais, inquietação íntima, pessimismo, desconfianças generalizadas, sensações de presenças imateriais — sombras e vultos, vozes e toques — que surgem inesperadamente, tanto quanto desaparecem sem qualquer medicação, representando distúrbios mediúnicos inconscientes, que decorrem da captação de ondas mentais e vibrações que sincronizam com o perispírito do enfermo, procedentes de entidades sofredoras ou vingadoras, atraídas pela necessidade de refazimento dos conflitos em que ambos — encarnado e desencarnado — se viram envolvidos.
Esses sintomas, geralmente pertencentes ao capítulo das obsessões simples, revelam presença de faculdade mediúnica em desdobramento, requerendo os cuidados pertinentes à sua educação e prática.
Nem todos os indivíduos, no entanto, que se apresentam com sintomas de tal porte, necessitam de exercer a faculdade de que são portadores.
Após a conveniente terapia que é ensejada pelo estudo do Espiritismo e pela transformação moral do paciente, que se fazem indispensáveis ao equilíbrio pessoal, recuperam a harmonia física, emocional e psíquica, prosseguindo, no entanto, com outra visão da vida e diferente comportamento, para que não lhe aconteça nada pior, conforme elucidava Jesus após o atendimento e a recuperação daqueles que O buscavam e tinham o quadro de sofrimentos revertido.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Ago 21, 2017 9:10 am

Grande número, porém, de portadores de mediunidade, tem compromisso com a tarefa específica, que lhe exige conhecimento, exercício, abnegação, sentimento de amor e caridade, a fim de atrair os espíritos nobres, que se encarregam de auxiliar a cada um na desincumbência do mister iluminativo.
Trabalhadores da última hora, novos profetas, transformando-se nos modernos obreiros do Senhor, estão comprometidos com o programa espiritual da modificação pessoal, assim como da sociedade, com vistas à Era do Espírito imortal que já se encontra com os seus alicerces fincados na consciência terrestre.
Quando, porém, os distúrbios permanecerem durante o tratamento espiritual, convém que seja levada em conta a psicoterapia consciente, através de especialistas próprios, com o fim de auxiliar o paciente médium a realizar o auto-descobrimento, liberando-se de conflitos e complexos perturbadores, que são decorrentes das experiências infelizes de ontem como de hoje.
O esforço pelo aprimoramento interior aliado à prática do bem, abre os espaços mentais à renovação psíquica, que se enriquece de valores optimistas e positivos que se encontram no bojo do Espiritismo, favorecendo a criatura humana com alegria de viver e de servir, ao tempo que a mesma adquire segurança pessoal e confiança irrestrita em Deus, avançando sem qualquer impedimento no rumo da própria harmonia.
Naturalmente, enquanto se está encarnado, o processo de crescimento espiritual ocorre por meio dos factores que constituem a argamassa celular, sempre passível de enfermidades, de desconsertos, de problemas que fazem parte da psicosfera terrestre, em face da condição evolutiva de cada qual.
A mediunidade, porém, exercida nobremente, torna-se uma bandeira cristã e humanitária, conduzindo mentes e corações ao porto de segurança e de paz.
A mediunidade, portanto, não é um transtorno do organismo.
O seu desconhecimento, a falta de atendimento aos seus impositivos, geram distúrbios que podem ser evitados, ou quando se apresentam, receberem a conveniente orientação para que sejam corrigidos.
Tratando-se de uma faculdade que permite o intercâmbio entre os dois mundos — o físico e o espiritual — proporciona a captação de energias cujo teor vibratório corresponde à qualidade moral daqueles que as emitem, assim como daqueloutros que as captam e transformam em mensagens significativas.
Neste capítulo, não poucas enfermidades se originam desse intercâmbio, quando procedem as vibrações de entidades doentias ou perversas, que perturbam o sistema nervoso dos médiuns incipientes, produzindo distúrbios no sistema glandular e até mesmo afectando o imunológico, facultando campo para a instalação de bactérias e vírus destrutivos.
A correta educação das forças mediúnicas proporciona equilíbrio emocional e fisiológico, ensejando saúde integral ao seu portador.
É óbvio que não impedirá a manifestação dos fenómenos decorrentes da Lei de Causa e Efeito, de que necessita o espírito no seu processo evolutivo, mas facultará a tranquila condução dos mesmos sem danos para a existência, que prosseguirá em clima de harmonia e saudável, embora os acontecimentos impostos pela necessidade da evolução pessoal.
Cuidadosamente atendida, a mediunidade proporciona bem-estar físico e emocional, contribuindo para maior captação de energias revigorantes, que alçam a mente a regiões felizes e nobres, de onde se podem haurir conhecimentos e sentimentos inabituais, que aformoseiam o espírito e o enriquecem de beleza e de paz.
Superados, portanto, os sintomas de apresentação da mediunidade, surgem as responsabilidades diante dos novos deveres que irão constituir o clima psíquico ditoso do indivíduo que, compreendendo a magnitude da ocorrência, crescerá interiormente no rumo do Bem e de Deus.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 22, 2017 9:04 am

9 - Limpeza psíquica
Enquanto se desdobravam as actividades mediúnicas de atendimento a espíritos obsessores que perturbavam pessoas frequentadoras do Centro Espírita em Paramirim (BA), no dia 11 de Julho de 2000, o Benfeitor escreveu a mensagem oportuna que intitulou como:
Limpeza psíquica
No delicado e grave capítulo das obsessões espirituais, merecem estudos cuidadosos os motivos relevantes que as desencadeiam, e em cujo campo vibratório ocorrem as suas instalações.
Primeiramente, deve-se considerar a pessoa que sofre a injunção obsessiva, responsável, directa ou indirectamente, pela sua instalação.
Isto porque, se lhe encontram em germe na economia evolutiva as razões dos dramas não-solucionados a que deu lugar em existências passadas ou mesmo na actual.
Muitos delitos morais praticados no transcurso do processo de desenvolvimento dos valores espirituais, permanecem aguardando a necessária reparação, encontrando-se insculpidos no espírito comprometido, e que não se resolveu por mudança radical de atitude, alterando o quadro de responsabilidade em que se encontra incurso.
Por mais hábil seja a escamoteação de uma atitude infeliz, ela permanece no conhecimento do seu autor, bem como na consciência daquele que lhe experimentou o guante.
Estando vinculados psíquica e moralmente, responsável e vítima, ao primeiro ensejo que ocorra e os campos vibratórios facultem sintonia, volvem a encontrar-se, nascendo o intercâmbio nefasto que se transforma em transtorno obsessivo.
Estão, desse modo, profundamente fixadas as matrizes das futuras perturbações naqueles que viveram experiências desastrosas e não se resolveram por comportamento superior, qual o proposto pelo perdão — de quem sofreu a desonra, á ignomínia, o crime — ou em face da renovação interior do responsável pelo desmando — aquele que afligiu, quer consciente da acção ou levado por circunstância inevitável em que se viu envolvido.
Condutas extravagantes e impiedosas, vulgares e prejudiciais podem, não poucas vezes, passar sem o conhecimento de outras pessoas ou mesmo avaliação e imputação do estabelecido pelo código das leis.
Não obstante, aquele que infringe o estatuto legal estabelecido, permanece interiormente incurso no crime, que aguarda conveniente reparação.
Jesus propôs com sabedoria a necessidade que tem a pessoa de se reconciliar depressa com o seu adversário enquanto estiver no caminho com ele, evitando ser levada ao Juiz, e, naturalmente, após o julgamento, ver-se obrigada a resgatar o mal ou o prejuízo que lhe haja causado, sendo encarcerada na prisão.
Sem qualquer dúvida, o corpo físico é uma prisão de onde ninguém escapa, excepto quando terminada a prova ou a expiação a que se encontra submetido, assim resgatando o compromisso infeliz, que se negou a regularizar.
As atitudes, portanto, corretas, em qualquer situação prejudicial, são a tomada de consciência e posterior comportamento reparador, eliminando esse futuro foco de desequilíbrio.
Remanescem, portanto, nos refolhos do espírito, as suas conquistas e prejuízos que passam a constituir-lhe o clima psíquico, estabelecendo a faixa vibratória na qual se expressa, sintonizando com os bens imortais compatíveis, conforme a onda mental que seja exteriorizada.
Esse campo energético permanecerá sempre emitindo sinais característicos que facultarão a sintonia com outros da mesma natureza, incorporando forças ou perdendo-as, conforme a qualidade de emissão e captação.
Torna-se urgente, portanto, a necessidade de uma assepsia mental profunda praticada pelo ser humano, quando portador de conteúdos perturbadores — e quase todos os homens e mulheres terrestres encontram-se comprometidos com a retaguarda actual ou recuada — para que as suas exteriorizações sejam de qualidade salutar, não permitindo a hospedagem mental de adversários espirituais ou de trêfegos e ociosos que pululam na erraticidade inferior.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 22, 2017 9:05 am

Dinamizando as suas aspirações e tornando-as realidade, o indivíduo deve e pode alterar o seu mapa de compromissos morais, passando a cultivar programas de edificação íntima, através de leituras, de conversações nobres, de reflexões bem direccionadas, de acções benfazejas, passando a irradiar pensamentos bons que defenderão a usina mental de invasões de formas ideoplásticas exteriores, de incursões vingativas, de induções prejudiciais.
Assim procedendo, adquire valor para os enfrentamentos que decorrem das Leis da Vida, que são inevitáveis, porque fazem parte da estrutura do ser, convidando todos a se alinharem no equilíbrio, na valorização do espírito em detrimento das loucuras e paixões asselvajadas que, por enquanto, ainda predominam em a natureza animal.
A reencarnação é impositivo inevitável para a iluminação da criatura, facultando-lhe a oportunidade de desenvolver o psiquismo divino que nela jaz e aguarda os factores que lhe sejam propiciatórios ao crescimento interior.
Por isso mesmo, as conjunturas infelizes como as ditosas fazem parte da programática estabelecida para a depuração interna, embora, muitas vezes, por meio de conjunturas externas:
sociais, económicas, familiares, de raça, de credo, ou do binómio saúde-doença.
Dá-se, invariavelmente, quase o inverso.
Acostumado às viciações mentais e morais, o indivíduo, quanto lhe é possível, cultiva ideias extravagantes, perniciosas umas e vulgares outras, situando-se psiquicamente em paisagens extrafísicas tormentosas, alimentando-se de fluidos deletérios que o intoxicam mentalmente e passam a constituir-lhe dependência a que se entrega por prazer doentio.
Somente através de novos comportamentos mentais conseguirá desalojar o psiquismo desses recintos de perversão espiritual, vivenciando outras experiências edificantes, porquanto o direccionamento da onda mental leva-o à correspondente faixa na qual se expressa uma como outra contribuição.
A assepsia psíquica é indispensável à vida saudável, à alegria existencial, ao desempenho das tarefas que se fazem necessárias para o progresso, porque libera a mente da constrição das forças aprisionantes dos desejos inferiores e das condutas atormentadas.
Por outro lado, a terapia bioenergética contribui favoravelmente por meio do recebimento dos passes magnéticos como fluídicos, pelo admirável contributo que oferece de deslocar matrizes espirituais de captação negativa, que funcionam como antenas registadoras de ondas-pensamentos pessimistas, depressivas, obsessivas, sempre com teor negativo e doentio.
O intercâmbio inconsciente com outras mentes é muito maior do que se imagina na Terra, porquanto, todo campo vibratório sintoniza com outros equivalentes, emitindo e captando ondas do mesmo género.
Porque as criaturas se encontrem normalmente afadigadas pelos problemas e tarefas que lhes cumpre atender no corpo físico, assim como em consequência dos hábitos enfermiços ancestrais, mais facilmente se deixam conduzir pelas ideias perturbadoras do que ascender em vibração às faixas de enobrecimento da vida.
Imperioso, desse modo, que se estabeleça um compromisso pessoal com o próprio espírito, liberando-o de constrições ultrajantes e atitudes prejudiciais, que são facilmente identificáveis por qualquer um, alterando os comportamentos mentais e as aspirações emocionais, para que se robusteçam os dínamos geradores de andas superiores, favorecendo a execução dos pensamentos bons, transformados em acções relevantes e favoráveis ao progresso individual, assim como ao colectivo da sociedade.
Essa assepsia ou limpeza mental deve ter início quando se desperta do sono pela manhã, através da oração e de uma breve leitura edificante, que poderá constituir motivo para reflexão durante todo o dia, encerrando-se com recordações agradáveis ou novas leituras iluminativas, a fim de que, no momento do desprendimento parcial durante o sono, o espírito, enriquecido de vibrações nobres, se encontre com os seus Guias espirituais, junto aos quais pode haurir esperança e vitalidade, conhecimentos e inspiração para aplicação útil, quando do retorno à forma física.
Outrossim, vale a pena considerar que as conversações doentias entorpecem os sentimentos e coagulam os ideais mais belos, bem como a convivência com pessoas pervertidas e que se comprazem nessa opção, sempre deixa vínculos e intercâmbios, sequelas más, quando não contágios e influências perniciosas.
Preservar-se, pois, dos maus pensamentos, palavras e actos, estimando-se e respeitando-se, é método eficaz para uma oportuna e necessária assepsia psíquica, facilitadora de admiráveis sintonias espirituais.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 22, 2017 9:06 am

10 - 0 purgatório
Tratava-se de uma reunião de desobsessão.
Enquanto as comunicações psicofónicas tinham curso, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador (BA), o Mentor dissertava, emocionado, para expressivo número de desencarnados que se encontravam presentes e haviam sido retirados de Regiões espirituais dolorosas na Erraticidade inferior.
Posteriormente, por psicografia, o Instrutor ditou a mensagem em pauta:
O purgatório
As construções mentais de cada indivíduo constituem-lhe a psicosfera na qual se movimenta, alimentando-se das vibrações elaboradas e emitindo-as em todas as direcções.
Conforme o conteúdo de que se revestem essas exteriorizações psíquicas, formam-se campos de energia correspondente ao teor de que se constituem, propiciando bem ou mal-estar, felicidade ou desar interior.
A perseverança no hábito das elaborações perniciosas e vulgares produz emanações morbíficas que se condensam à sua volta, definindo a qualidade das suas aspirações íntimas e gerando sintonias com ondas e entidades correspondentes.
A sós, portanto, aquele que assim procede, gera o seu clima emocional e espiritual, que se torna parte da existência.
Ante a desencarnação, o despertar dá-se com as características que foram vivenciadas durante a vilegiatura carnal, imantando o espírito a campos de energia equivalentes, nos quais se debatem na amargura e no sofrimento outros seres portadores dos mesmos requisitos.
Reunidos numa mesma área de identificação vibratória, suas exteriorizações morbosas produzem uma psicosfera doentia, assinalada pela aflição e desespero.
À medida que se torna mais densa, em face da população que nessa região se movimenta, condensam-se os vapores psíquicos carregados de vibriões mentais e de formas-pensamento que adquirem vida, transformando-se em verdadeiro purgatório, no qual estertoram os invigilantes e ociosos mentais.
Invariavelmente, em lugares próprios do planeta — vales sombrios, cavernas escuras e húmidas, subterrâneos pavorosos e pântanos pestilentos — se homiziam esses aturdidos enganadores de si mesmos, dando surgimento a verdadeiras cidades de horror, onde passam a viver sob o domínio de algozes perversos, que se comprazem em explorá-los espiritualmente, nutrindo-se das suas escassas energias em deperecimento.
A contínua emissão de ondas mentais doentias mais condensa o clima psíquico com substâncias especiais que são exteriorizadas, dando forma e actividade ao que lhes vai no mundo íntimo, retornando como pesado fluido que os asfixia e leva aos estertores agónicos em que se debatem sem cessar.
A esse mundo de vibrações danosas, as tradições de algumas doutrinas espiritualistas ortodoxas
denominaram de Purgatório e Allan Kardec, com muita propriedade, definiu-o como Erraticidade inferior.
Vive-se em campos de sintonia, nos quais os semelhantes se atraem e se unem, proporcionando reciprocidade vibratória, que eleva ou retarda o avanço espiritual e moral do ser.
Não foram poucos os místicos que visitaram essas Regiões espirituais de sombra e de dor e as confundiram com o Inferno ou trouxeram indicação de Purgatório, que mesmo transitórios, constituem recintos de purgação e despertamento para a realidade da vida e a compreensão de que ninguém pode transgredir as Leis Soberanas sem sofrer as consequências dos seus actos ignóbeis.
A consciência regista todos os pensamentos, palavras e actos, oferecendo respostas equivalentes, que consubstanciam o ser no seu processo de crescimento espiritual.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 22, 2017 9:06 am

Mesmo na Terra, as afinidades reúnem os seus cômpares, que se vinculam pelos idênticos interesses a que se aferram.
Eis por que o Mestre Nazareno referiu-se com sabedoria que o Reino de Deus está dentro de nós...
O inverso também é verdadeiro.
Em razão da identidade vibratória dos grupos sociais desencarnados, os lugares que os recebem transformam-se em campos de pesadas energias onde se detêm até quando luz o amor de Deus que os arrebata desses recintos hediondos, ao se melhorarem interiormente, se arrependerem e aspirarem pela felicidade e pelo bem.
Outros muito mais infelizes e odientos existem nas diferentes faixas vibratórias que envolvem o planeta na sua estrutura física, como fora dela, que podem ser consideradas como verdadeiro Inferno, com a única diferença que, o teológico tem sabor de eternidade, o que violenta as Leis de amor, sendo, portanto, transitório, no entanto, caracterizado por inauditos padecimentos que a imaginação humana nem sequer pode avaliar...
Nesse purgatório, pois, onde bracejam na dor e no conflito os espíritos descuidados e viciosos, o sofrimento que nasce da consciência culpada e do despertar lento da razão, que os vergasta com acrimónias e exigências, transitam, também, periodicamente, os seres angélicos que os buscam em tentativas generosas de resgate, a fim de lhes lenirem as exulcerações da alma e os encaminharem a postos de renovação, de onde se dirigem à Terra em reencarnações expiatórias e provações redentoras abençoadas.
Antes de serem conduzidos aos Núcleos de recuperação, permanecem por algum tempo na atmosfera terrestre, beneficiando-se de esclarecimentos e recursos magnéticos que lhes são ministrados pelos abnegados Obreiros da Caridade, até se despirem, pelo menos, de parte dos densos envoltórios que os aprisionaram e foram construídos pelo pensamento do interior para o exterior, tornando-se vigorosos cárceres nos quais estorcegavam.
Despertando-lhes a consciência para as possibilidades infinitas da recuperação, comovem-se, predispõem-se a novos tentames e aceitam as possibilidades de recomeço tomados de esperança e de ansiedade.
Conseguida essa etapa, são conduzidos aos planos de refazimento e de renovação interna, educando-se e disciplinando-se para os futuros cometimentos da reencarnação.
O processo da evolução é lento e o despojamento do homem velho que deverá ensejar o homem novo constitui um grande desafio que não pode ser postergado, sob pena das injunções aflitivas que impulsionam à mudança de atitude diante da vida, experimentando o estridor dos sofrimentos, cuja linguagem é mais ouvida e aceita do que os nobres apelos do amor.
A anestesia da memória, quando por ocasião do processo reencarnacionista, as facilidades propiciadas pelo prazer exaustivo, as tendências inatas para a manutenção dos instintos agressivos ou primários constituem armadilhas que retêm incontável número de indivíduos ainda não despertos para a sua realidade de espíritos imortais, e que preferem ignorar o sacrifício, o equilíbrio e o dever, transitando na breve experiência da carne pelos torpes expedientes do gozo alucinado e do crime, no qual esperam os lucros da cobiça...
O Purgatório, portanto, é um estado de consciência culpada, insculpido no âmago do ser, como decorrência dos seus actos, que geram a psicosfera doentia e densa, cujo peso específico o situa em regiões afligentes e punitivas do mundo espiritual após as barreiras do corpo somático.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Ago 22, 2017 9:06 am

11 - 0 poder da oração
Durante a reunião de socorro aos desencarnados, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador (BA), as comunicações sucediam-se sem solução de continuidade.
Os doutrinadores atendiam aos irmãos infelizes com bondade e doçura, envolvendo-os em vibrações de paz através da oração, quando o Mentor espiritual escreveu a página que segue:
O poder da oração
O cérebro, este dínamo gerador de energia psíquica, é também fonte de exteriorização que se espraia, facultando a vitalização ou o desequilíbrio na área que focaliza.
Externando-se através do pensamento, este se lhe torna o veículo que a potencializa e direcciona.
Quanto maior for a intensidade mental da ideia, mais poderosa se apresenta a onda em que se movimenta.
Em face dessa realidade, o cultivo dos pensamentos edificantes, pela constituição vibratória de que se reveste, estimula os neurónios cerebrais a produzirem substâncias saudáveis e processamentos electroquímicos, que facilitam as sinapses e viajam pelo sistema circulatório, vitalizando as células e auxiliando-as no processo de mitose harmónica.
Quando estão carregados de pessimismo ou malquerença, de ressentimentos e ódios, produzem moléculas que são eliminadas pelos mesmos neurónios com alto poder destrutivo, que perturbam as comunicações e se alojam no sistema nervoso central e no endocrínico, afectando o de natureza imunológica, naquele indivíduo que prossegue na emissão das mensagens tóxicas e perturbadoras, às vezes atingindo a pessoa que está na mira da sua revolta.
O ato da oração é constituído pelo fixar dos pensamentos nobres e aspirações superiores, produzindo ondas carregadas de amor e de harmonia que mantêm em grande actividade os centros nervosos, que se alimentam de forças e, de imediato exteriorizam as vibrações que atraem os bons espíritos, que acorrem para ajudar, ao tempo em que as canalizam no rumo das Esferas superiores onde são captadas para análise imediata.
Em face do seu conteúdo especial, são potencializadas e retornam ao emissor, proporcionando-lhe vitalização e alegria.
Pode, dessa forma, a oração ser encaminhada aos Centros espirituais de captação para análise de conteúdo ou direccionar-se para os objectivos a que se destina.
Por isso, a oração pode ser de louvor, quando se expressa em hinos de alegria e de homenagem ao Criador, à vida, às ocorrências existenciais; de rogativa, quando revestida pela necessidade que pode ser socorrida pelo Divino Poder, não apenas por quem ora, assim como em favor daquele por quem se intercede, e de gratidão, transformada em júbilo pelo que se tem logrado ou ainda não se conseguiu...
A oração inunda de emoções superiores o ser que se lhe entrega ao ministério.
Quando é a favor do próximo, encarnado ou no plano espiritual, alcança-o como uma onda de paz, que favorece a reflexão, o despertar da consciência para a responsabilidade, o diminuir das aflições, ensejando o prosseguimento a partir desse momento com diferente disposição emocional e psíquica.
Mesmo quando o beneficiário ignora o recurso que lhe é direccionado, ainda assim é alcançado pela emissão vibratória e experimenta alteração para melhor no quadro do comportamento em que se encontra. Se conhecedor do benefício, gerando sintonia mental, mais se robustece de recursos valiosos, que se transformam em bem-estar, saúde e paz.
Enfermos terminais uns, portadores de doenças degenerativas outros, de distúrbios psicológicos ou psiquiátricos diversos, quando envolvidos pelas ondas benéficas da oração, experimentam sensações favoráveis que, se utilizadas de forma edificante, podem modificar a situação em que se encontram, reiniciando os processos de recuperação ou de diminuição dos seus sofrimentos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74808
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REENCONTRO COM A VIDA - MANOEL PHILOMENO DE MIRANDA/DIVALDO FRANCO

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 4 1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum