Apenas Começando / Elisa Masselli

Página 3 de 11 Anterior  1, 2, 3, 4 ... 9, 10, 11  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 19, 2017 7:20 pm

Depois de tudo certo, voltei à loja.
Como sempre, ele me recebeu com aquele sorriso maravilhoso:
— Veio comprar outro par de sapatos?
— Hoje não.
Vim convidar você para uma festa na minha casa, vai ser no próximo sábado.
— Ele, surpreso, disse:
— Gostaria muito, mas não posso ir.
Preciso trabalhar.
— A festa vai começar às nove horas da noite e você trabalha só ate às seis, vai ter muito tempo.
Não posso aceitar não como resposta.
Vou ficar esperando por você.
— Desculpe-me, senhorita, mas preciso trabalhar.
— Já disse que não vou aceitar desculpas.
— Ele olhou para mim, Sueli e, depois de algum tempo, disse:
— Não sei, vou tentar, mas vai ser difícil.
— Já disse que não vou aceitar desculpas.
Aqui está o meu endereço.
Estarei esperando por você.
— Ele ficou calado, eu me afastei feliz.
Tinha certeza de que ele não iria resistir.
Afinal, as festas na minha casa eram concorridas.
Eu sabia que algumas pessoas fariam qualquer coisa para serem convidadas.
Com ele, não seria diferente.
Igual o que aconteceu com todos os outros, não conseguiria resistir nem que fosse apenas por curiosidade.
— Ele foi, Rosana?
— Calma. Vou contar tudo, Sueli.
Passei o resto da semana preparando a festa.
Como ela fora planeada de última hora, eu tinha muito que fazer.
Naquele mesmo dia, contratei várias pessoas que já estavam acostumadas a preparar as festas lá de casa.
Sabiam tudo de que eu gostava.
Continuei indo à loja de sapatos para reforçar o convite, mas ele sempre dizia não poder ir.
Eu achava que ele estava se fazendo de difícil.
Comprei um vestido novo e sapatos, é claro.
Quantos pares de sapato você tem, Rosana?
Rosana riu:
— Hoje não tenho muitos, mas, naquele tempo, eram muitos, nem sei dizer quantos.
Alguns dos sapatos, só usei na loja, quando experimentei antes de comprar.
Para mim, o dinheiro não tinha valor algum.
Ele vinha fácil e eu sabia que com ele, poderia comprar tudo o que quisesse.
— Como eu queria ter todo esse dinheiro, Rosana.
Comigo sempre foi diferente.
Embora nunca tenha morado mal ou tenha me faltado comida, nunca tive muitas roupas ou sapatos.
— O dinheiro é bom, sim, Sueli, mas não se pode transformar em uma arma de crime.
Ele deve servir somente para nos trazer felicidade, para termos aquilo que queremos, não para tentarmos comprar pessoas.
— Comprar pessoas?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 19, 2017 7:20 pm

— Sim. Comprar pessoas.
O dinheiro torna tudo mais fácil e as pessoas se deixam iludir e fazem de tudo para conseguir sempre mais.
Todos têm um preço.
— Não consigo imaginar o que você está falando.
Nunca tive dinheiro para comprar algumas coisas que queria, imagine comprar uma pessoa.
Mas, continue.
O que aconteceu depois, ele foi à sua festa?
— No sábado, antes da hora marcada, já estava tudo pronto.
Eu andei pela casa toda olhando a decoração, provando os doces, os salgados e vendo se a quantidade de bebida estava certa.
Quando os convidados começaram a chegar, eu os recebi com sorriso, abraços e beijos, mas não conseguia tirar os olhos da porta de entrada.
Estava ansiosa para vê-lo chegar.
O interessante é que eu nem sabia qual era o seu nome.
Nunca perguntei e ele nunca falou.
As pessoas iam chegando.
Algumas eu conhecia, outras não, mas não me importava com quem estava ali, só queria ele, que não chegou.
— Ele não foi?
— Não, Sueli.
Fiquei esperando até quando o último convidado saiu.
Assim que todos saíram, olhei para a sala que era enorme.
Pode imaginar como ela estava.
Copos, garrafas e pratos com resto de comida, espalhados por todo lado.
Olhei tudo e muito nervosa, fui para o meu quarto.
Lá chorei de ódio pelo atrevimento dele em não ter atendido a um convite meu.
Como ele ousara fazer aquilo? Como?
Fiquei no quarto durante todo o domingo.
Luzia, que, embora fosse nossa empregada, cuidava de mim desde pequena, ela era mais do que uma mãe, vendo que eu não saía do quarto, foi até lá e bateu, de leve na porta e entrou trazendo em suas mãos, uma bandeja com alguns sanduíches, que ela sabia que eu gostava muito, um copo e uma jarra com suco de uva.
— O que está acontecendo com você, Rosana?
Por que não sai do quarto nem para se alimentar?
— Nada está acontecendo, Luzia!
Estou cansada.
— Nunca vi você assim, principalmente após uma festa.
Tem alguma coisa acontecendo.
O que é, Rosana?
— Já disse que estou bem!
Por favor, me deixe sozinha!
Preciso pensar!
— Vendo que eu estava de uma maneira como ela nunca tinha me visto, deixou a bandeja sobre uma mesinha e saiu.
— Eu estava realmente muito nervosa.
Não conseguia admitir o que ele fez.
Como alguém se atrevia a me contrariar?
Depois de muito pensar, decidi:
Agora, trata-se de uma questão de honra, vou ter aquele homem de qualquer maneira!
— Passei o resto do dia pensando no que faria na segunda feira. Pensei muito.
À noite, depois de decidir o que fazer, adormeci.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 19, 2017 7:20 pm

Na segunda feira, assim que a loja abriu, eu já estava lá.
Quando me viu, ele, sorrindo, como sempre se aproximou:
— Bom-dia, senhorita!
— Não está um bom dia!
Por que você não foi à minha festa?
— Você fez isso, Rosana?
— Parece mentira, Sueli, mas eu fiz.
Estava possessa.
— O que ele respondeu?
— Nada, Sueli.
— Como nada?
— Ele simplesmente me mostrou a mão esquerda e nela, vi uma aliança enorme.
— Ele era casado?
— Era. Não havia um espelho ali, mas eu não precisava de um.
Sabia que estava branca como cera, pois senti que todo meu sangue parou.
— O que você fez?
— Depois de respirar fundo, perguntei:
— Por que não me disse que era casado?
— Não havia motivo para isso.
Sou apenas um vendedor de sapatos.
Agora, acho que chegou a hora de esclarecermos algumas coisas.
Sou casado, tenho duas crianças pequenas e, também, sou muito feliz no meu casamento.
— Fiquei sem saber o que falar ou fazer.
Simplesmente, tentei sorrir e, humilhada, saí dali.
Andei pela praça até chegar ao meu carro.
Entrei, sentei e comecei a chorar sem conseguir parar.
Não podia aceitar aquela situação.
Não sabia se realmente gostava dele, só sentia que um desejo meu não estava se realizando.
Não conseguia aceitar que um simples vendedor de sapatos havia me humilhado daquela maneira.
Fui para casa e chorei o resto do dia.
Não queria falar com ninguém, nem comer.
Somente queria pensar.
Luzia tentou conversar comigo, mas me recusei.
— Imagino como você se sentiu, Rosana...
— Acho que, por mais que você imagine não conseguirá chegar nem perto, Sueli.
Foi um dia muito difícil.
Hoje sei que perdi um tempo enorme sofrendo e imaginando o que fazer em seguida.
Sofri muito à toa.
— Como à toa, Rosana?
Você estava apaixonada por ele...
— Não, Sueli.
Hoje sei que não estava apaixonada.
Eu estava era humilhada.
Por ter tido sempre meus desejos realizados, por saber que o poder estava com aquele que tem dinheiro, não podia aceitar aquela negativa.
Não podia mesmo e, por isso, precisava fazer alguma coisa.
— O que você fez?
— A tarde saí de casa.
Resolvi que iria até a cidade.
Meus planos eram andar, ver vitrines para me distrair.
Precisava espairecer.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 19, 2017 7:21 pm

Caminhei por uma rua onde havia muitas lojas.
Olhei as vitrines, mas nada chamava a minha atenção.
Eu tinha tudo, não precisava de nada.
Ao passar por uma relojoaria, parei e fiquei olhando.
Vi um relógio de homem.
Olhei por algum tempo.
Ele era realmente lindo.
Devia ser caro, mas isso não preocupava.
Entrei, pedi para que o vendedor me mostrasse.
Ao segurá-lo nas mãos, constatei que era lindo mesmo.
Perguntei o preço.
O vendedor disse.
Para algumas pessoas poderia ser caro, mas para mim, o valor nada significava.
Comprei. Com ele nas mãos, voltei à loja de sapatos.
Assim que ele me viu, veio ao meu encontro.
Desta vez, não estava sorrindo.
Aproximou-se e, antes que ele dissesse qualquer coisa, peguei a caixinha com o relógio, abri e mostrei a ele.
Vibrei, quando vi o brilho em seus olhos.
Sabia que ele nunca tinha visto um relógio como aquele.
Ele, surpreso, perguntou:
— O relógio é lindo, mas não entendo, por que está me mostrando?
O que significa isso?
— Significa que ele pode ser seu.
— Como? O que está dizendo?
— Isso mesmo que ouviu.
Ele pode ser seu.
Basta que, quando sair daqui, vá comigo até a um restaurante e, enquanto jantamos, darei o relógio para você.
— Ele ficou me olhando com os olhos arregalados, Sueli.
Pareceu que não sabia o que dizer.
Eu esperava uma resposta, mas o dono da loja, do caixa, onde estava, chamou:
— Joel. Preciso que venha até aqui.
É só por um minuto.
— Ele, parecendo voltar de muito longe, disse:
— Desculpe-me, senhorita, mas preciso atender ao meu patrão.
— Rapidamente, saiu e foi conversar com o dono da loja.
Eu sorri e saí dali, Sueli, com a certeza de que ele não conseguiria resistir.
— Como tinha essa certeza, Rosana?
— A isso se dá o nome de poder.
Eu conhecia o poder do dinheiro e o poder da ganância do ser humano.
Nunca estamos satisfeitos com o que temos.
Podemos conquistar tudo o que sonhamos, mas sempre queremos mais.
A melhor coisa, o melhor carro e as melhores roupas, sem nos preocuparmos se tudo isso é necessário ou não.
Apenas queremos que os outros saibam o quanto somos poderosos.
— Você está sendo muito radical, Rosana!
Sonhar é bom e conseguir, melhor ainda.
O que seria do ser humano se não sonhasse?
— Nisso você tem razão, Sueli, se o ser humano não sonhasse, ainda estaríamos na idade da pedra, mas não é sobre isso que estou falando.
Estou falando da ganância, e, principalmente do poder.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 19, 2017 7:21 pm

— Não estou entendendo...
— O sonhar é muito bom.
Perseguir um sonho é melhor ainda, mas nunca podemos nos esquecer de que tudo o que conseguimos aqui na Terra, vai ficar aqui mesmo.
Por isso, não podemos, para conseguirmos atingir algum sonho, prejudicar ou magoar outra pessoa.
O mesmo acontece com o poder.
Ele está em toda parte.
Não só com aqueles ditos poderosos.
Está nas mãos, por exemplo, daquele funcionário público que atende mal a alguém que precisa dos seus serviços.
Nas mãos do funcionário de um banco, nas mãos da dona de casa, quando trata com algum empregado.
O poder está em todo lugar.
Basta a pessoa ter um pequeno poder sobre o outro que saberá como usá-lo.
O poder e o dinheiro corrompem.
Fazem, com que alguns, se sintam como se fossem deuses.
Júlia, que ouvia Sueli contando a história de Rosana, interrompeu-a:
— Nossa, Sueli, como ela estava amarga!
— Também, achei isso, Júlia e perguntei:
— Por que está dizendo isso, Rosana?
Você me parece muito amarga e triste!
— Para minha surpresa, Rosana começou a rir e respondeu:
— Não, Sueli.
Hoje não estou triste nem amarga.
Hoje sei que o dinheiro nos ajuda a ajudar outras pessoas e que o poder pode ser usado para o bem.
Aprendi isso após muito sofrimento.
— Não acho que você tenha sido má, Rosana.
Gostava dele e usou das armas que tinha.
O que aconteceu depois?
Ele aceitou o relógio?
— Fiquei em frente à loja até um pouco mais das seis horas, quando a loja foi fechada e ele saiu.
Assim que me viu ali parada, se aproximou e perguntou:
— Ainda está aqui?
— Sim, estou esperando a sua resposta.
— Já dei minha resposta.
Sou casado e muito feliz.
Não quero ter envolvimento algum com a senhorita ou com outra moça qualquer.
— Quem disse que quero me casar com você?
Quero apenas jantar e lhe dar um presente.
— Obrigado, mas não posso aceitar o seu relógio e muito menos o seu convite.
Agora, me desculpe, mas preciso ir pata casa.
Minha mulher está me esperando.
— Ele disse isso, Rosana?
— Disse e eu fiquei com muito ódio.
Não podia aceitar que ele estava me ignorando.
Afinal, nunca tinha acontecido alguma coisa parecida em toda minha vida.
— Imagino o que sentiu.
Deve ter sido frustrante...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 19, 2017 7:21 pm

— Tem razão, Sueli.
Fiquei frustrada e com muita raiva, mas ele não se preocupou com isso.
Passou por mim e se afastou.
Indignada, fiquei seguindo-o com os olhos.
Vi que ele parou em frente a um ponto de ônibus.
Fui até o meu carro e fiquei esperando.
Depois de quase meia hora, ele subiu em um ônibus que saiu em seguida e eu o segui.
O ônibus foi parando em todos os pontos onde pessoas desciam e subiam.
A medida que o ônibus se afastava da cidade, começaram a surgir lugares que eu jamais havia visto e nem imaginava que existissem.
A pobreza era evidente.
Casas construídas em madeira.
Ruas sem iluminação.
Agua suja escorria pelo meio fio.
O mau cheiro invadiu o carro o que fez com que eu fechasse as janelas.
Eu prestava atenção para ver se ele descia.
Depois de quase uma hora, finalmente ele desceu e caminhou em direcção a uma rua, também sem iluminação.
Andou por mais de quinze minutos e eu o segui a uma certa distância para que não me visse.
Depois que ele entrou em uma casa, esperei um pouco e passei por ela.
Na parte da frente, havia um terreno grande e nos fundos desse terreno, uma pequena casa.
Pequena mesmo, Sueli.
Estava escuro, mas, mesmo assim, pude ver que não devia ter mais de um quarto.
Aquilo me surpreendeu, pois na minha casa havia quatro quartos e era dez vezes maior do que aquela.
Passei pela casa e fui embora, pensando:
Como ele, morando em lugar como este, pôde recusar um relógio como o que eu lhe ofereci?
Recusar o meu amor?
— Vi uma sombra passar por seus olhos, Júlia, como se ela ao se lembrar do que havia passado, voltasse a sofrer.
Por isso, perguntei:
— O que fez em seguida, Rosana?
Entendeu que ele não queria saber de você?
Afastou-se dele?
— Deveria ter feito isso, mas não fiz.
Estava humilhada e não poderia aceitar que alguém me contrariasse, ainda mais uma pessoa como ele, pobre e ignorante.
Daquele dia em diante, passei a persegui-lo.
Todos os dias, ficava diante da loja até que ele chegava para trabalhar, na hora do almoço e na hora da saída, sempre com algum presente caro, mas ele não me dava atenção e não aceitava o presente.
Eu não me conformava e ficava cada vez mais irritada.
Eu sabia que aquilo que estava fazendo não era certo, mas, mesmo assim, continuei por mais de um mês, até que uma tarde, quando ele saiu da loja, estranhei, pois vi que ele caminhava na minha direcção, coisa que nunca havia feito antes quando se aproximou.
Com o rosto sereno, sorrindo, disse:
— Está bem, você venceu.
Vamos até aquele banco, ali na praça.
Precisamos conversar.
— Eu, sem acreditar no que estava acontecendo, me encaminhei para um dos bancos da praça.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 19, 2017 7:21 pm

Assim que chegamos, me sentei e ele, em seguida, também se sentou e disse:
— A senhorita sabe que sou casado e que sou muito feliz com meu casamento e que não pretendo ter outra mulher não importando qual seja.
A senhorita é uma moça linda, parece que com muito dinheiro, qualquer homem se sentiria feliz em ter sua atenção.
Precisa se afastar de mim.
Sua presença está me constrangendo diante das pessoas que me conhecem.
Por favor, retorne para sua vida.
Arrume outro brinquedo.
— Nossa! Ele disse isso, Rosana?
— Disse com todas as letras, Sueli.
— O que você fez?
Levantou-se e foi embora?
— Para minha surpresa, Júlia, Rosana começou a rir:
Depois respondeu:
— Não, Sueli, aquilo havia se tornado uma doença.
Durante muito tempo eu vivi em função dele e não sabia como viveria sem aquilo.
Comecei a chorar e, entre soluços, disse:
— Eu não quero estragar sua vida nem seu casamento, somente quero e preciso que me dê alguma atenção.
Deixe que eu o ame.
— Ele sorriu e, passando o braço sobre meus ombros, disse:
— Sabe que não existe futuro para nós dois.
Amo minha mulher e nunca vou deixá-la.
— Ao sentir seus braços sobre meus ombros, estremeci.
Abracei-me a ele e, ainda chorando, disse:
— Sei disso e não me importo.
Somente quero passar algumas horas ao seu lado, nada, além disso.
Ele se afastou, segurou meu rosto com as duas mãos e, olhando dentro dos meus olhos, falou:
— Está bem. Sei que na realidade não gosta de mim, quer apenas conseguir algo que está sendo difícil.
Vamos nos encontrar em um lugar íntimo e depois vamos ver o que acontece.
— Embora até ali, eu não tivesse tido homem algum em minha vida, não me importei de que ele fosse o primeiro e nem da maneira como seria.
Estava feliz, pois eu queria aquele homem e ele seria meu.
Era só isso que me importava.
Ainda, com lágrimas correndo pelo meu rosto, disse:
— Faço tudo o que você quiser.
— Eu fiquei olhando para ela, Júlia, sem acreditar no que estava ouvindo e, embora soubesse que, quando estamos apaixonados, fazemos coisas difíceis de explicar.
Eu mesma havia feito coisas inconfessáveis para ficar com Nilson.
Perdi todos os meus escrúpulos, me humilhei e só desisti quando ele me abandonou.
Quando podemos julgar, é fácil nos esquecermos de nossos próprios erros.
Sem conseguir acreditar, naquele momento, esquecendo-me do que eu própria havia feito, perguntei:
— Como você pôde se humilhar tanto, Rosana?
— Ela olhou em meus olhos, Júlia, e sorrindo, respondeu:
— Não sei, Sueli.
Meu único pensamento era de que poderia ficar ao lado dele nem que fosse por algumas horas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 19, 2017 7:21 pm

Ele, passando a mão sobre meu rosto, disse:
— Hoje, sou todo seu.
Para onde vamos?
— O quê?
— Por que essa reacção?
Você não disse que faria qualquer coisa para ficar comigo?
— Disse...
— Então, a primeira coisa que vamos fazer é ficarmos juntos por algumas horas. Vamos?
— Vamos para onde?
— Podemos ir para um hotel, mas como já sabe, eu não tenho dinheiro, portanto, você é quem tem que escolher o hotel e pagar.
Já que você é a dona do dinheiro, é quem decide.
— Pensei por um tempo, Sueli.
No íntimo, eu estava humilhada com a proposta e da maneira como ele falou, mas a minha paixão foi maior e disse:
— Está bem, vamos para um hotel.
— Fomos a um hotel.
Tudo aconteceu muito rápido.
Parecia que ele estava com muita pressa.
Não houve carinho ou atenção.
Quando tudo terminou, eu me senti muito mal.
Por ser a primeira vez, coisa que ele nunca comentou, achei que seria diferente, mas não foi.
Ele se levantou, vestiu sua roupa e, parecendo demonstrar ódio, disse:
— Agora, que conseguiu o seu brinquedo, está na hora de termos uma conversa decisiva.
— Que conversa?
— Finalmente você conseguiu o que queria.
Estamos aqui e poderemos nos ver uma ou duas vezes por semana.
— Está falando sério?
— Sim, desde que faça algo para mim.
— O que?
— Você sempre soube que eu sou casado e que sou feliz no meu casamento.
Mesmo assim, por ter muito dinheiro, achou que poderia comprar qualquer um e qualquer coisa.
Nisso você tem razão.
Demorei um pouco, mas, agora, devo admitir que você está certa.
Eu tenho um preço.
— Que preço?
— Sabe que moro longe e que perco muito tempo no ônibus.
Minha casa é pequena e, agora, que vai chegar outra criança, preciso de uma maior.
— Não estou entendendo...
— Está, sim! Você é inteligente.
Portanto, se quiser continuar se encontrando comigo, aqui ou em outro lugar que preferir, vai me comprar um carro, para que eu demore menos para chegar a minha casa e dinheiro para que eu possa me mudar com minha esposa e esperarmos a nossa criança.
— O que?
— Isso que ouviu e não vou repetir.
Não vou querer uma resposta agora.
Você tem até quatro dias para decidir.
Se concordar, vá até a loja e saberei que aceitou.
Então marcaremos um encontro em qualquer dia da semana.
Se não concordar, nunca mais volte à loja.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 19, 2017 7:22 pm

Quero viver em paz!
— Nossa! Ele disse isso, Rosana?
— Disse. Quando terminou de falar, saiu sem se despedir.
— O quer você fez?
— Fiquei sentada sobre a cama, olhando para a porta, por onde ele havia saído.
Sentindo-me envergonhada, humilhada e sem saber o que fazer, fiquei ali por um bom tempo.
Não conseguia pensar, somente chorei, sem conseguir parar, sem conseguir esquecer o que ele havia falado.
Depois, saí e fui para casa.
Calada, entrei em casa e, sem falar com ninguém, fui para o meu quarto.
Recostada sobre minha cama, chorei não só pelo o que ele tinha dito, mas por entender que tinha razão.
Por minha família ter muito dinheiro, fui criada com tudo.
Mimada e orgulhosa.
Realmente, sempre achei que o dinheiro podia comprar tudo e qualquer um.
Fiquei ali chorando sem parar, até adormecer.
— Deve ter sido muito difícil, Rosana.
— Foi, sim, Sueli, mas também serviu para abrir meus olhos.
No dia seguinte, quando acordei, voltei a me lembrar de tudo o que havia acontecido.
Como ele disse, eu havia conseguido o meu brinquedo, mas teria valido a pena?
Depois de muito pensar, precisava decidir o quer faria.
— Você aceitou as condições dele?
— Pela manhã, ainda não sabia o quer fazer.
Não sai do quarto nem para tomar café e, para o almoço, coisa que sempre fazia.
Como sempre acontecia, meus pais não estavam em casa.
Estavam viajando pela Europa.
Por isso, não haveria cobrança.
Não sentia fome, só conseguia chorar, pensar no que ele disse e em como havia sido a minha vida.
No meio da tarde, a porta do meu quarto abriu e, por ela, entrou Luzia.
Ela trazia em suas mãos roupas passadas.
Ao me ver no quarto, parou junto à porta e disse:
— Desculpe-me, Rosana, não sabia que você estava em casa.
Posso entrar para guardar estas roupas?
— Claro que sim, Luzia. Entre.
— Ela entrou e, enquanto colocava as roupas nas gavetas, perguntou:
— Você está chorando, Rosana?
— Estou.
— Por que? Você é linda, e pode ter tudo o que quiser!
O que aconteceu?
— Demorei um pouco para responder, depois, contei tudo o que havia acontecido e terminei dizendo:
— Está tudo terminado, Luzia.
Minha vida tem sido uma mentira.
Não sei o que fazer.
Queria morrer...
— Ela largou as roupas sobre um banquinho e sentou-se ao meu lado, sobre a cama.
Olhou bem em meus olhos e disse:
— Nada é como parece, Rosana.
Na maioria das vezes, quando pensamos que tudo terminou, na realidade, está apenas começando.
Com tudo o que aconteceu você tem a oportunidade de rever sua vida, de recomeçar.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Out 19, 2017 7:22 pm

— Como recomeçar? Não há um recomeço.
Não sei viver de uma maneira diferente daquela que sempre vivi.
— Pode e vai!
Quando nascemos trazemos um caminho para seguir, uma missão para cumprir.
Quando nos desviamos do caminho, a vida se encarrega de colocar tudo no lugar.
— Ao ouvir aquilo, não pude deixar de rir.
— De onde tirou essa ideia, Luzia?
— Ela, séria, respondeu:
— Sigo uma Doutrina que ensina isso.
— Que Doutrina?
Por favor, não venha com religião!
— Eu não estou falando em religião, mas em uma Doutrina de vida que nos ensina a viver bem aqui e depois da nossa morte.
— Eu não acreditava que estava ouvindo aquilo, Sueli, perguntei:
— Do que você está falando, Luzia?
— De uma Doutrina que ensina que todos nós temos livre-arbítrio e que, por isso, somos responsáveis pelas nossas acções.
Que tudo o que fazemos de bom e de ruim sempre tem um retorno na mesma proporção.
Ensina que precisamos valorizar a vida em toda sua dimensão.
— O que isso tem a ver com o que está acontecendo comigo?
— Tem tudo a ver, Rosana.
Você nasceu rica e bonita.
Condições que muitas pessoas queriam ter.
Com essas qualidades, poderia ajudar muitas pessoas.
— Está dizendo que preciso dar todo o dinheiro que tenho para os pobres?
— Não! Nem de longe, estou dizendo isso.
Estou dizendo que poderia ajudar, sim, com algum dinheiro, mas que poderia ajudar com palavras e conforto.
Porém, ao contrário, usou esse dinheiro para humilhar e usar as pessoas.
Com tristeza, tenho acompanhado tudo o que fez.
— O que eu fiz?
— Você sabe.
Durante toda sua vida achou que o dinheiro podia comprar tudo e a todos.
Hoje, está vendo que não é bem assim.
Que existem pessoas que, embora queiram e lutem pelo dinheiro, têm seus próprios princípios.
Esse moço mostrou isso a você.
Ele é casado e ama sua esposa.
Você não respeitou isso e achou que com dinheiro poderia fazer com que ele mudasse de ideia e deu no que deu.
— Está me criticando, Luzia?
— Estou. Conheço você desde que era criança e sabia que esse dia ia chegar.
— Acha que mereci o que me aconteceu?
— Não. Não sou ninguém para julgar.
Não sou a dona da verdade e como todas as pessoas, tenho meus erros e acertos.
Só estou dizendo que, por estar em um caminho perigoso para seu espírito, a vida se encarregou de fazer com que parasse e pensasse em tudo o que fez até aqui.
— Nisso, você tem razão.
Desde ontem, pensei muito sobre minha vida.
— Chegou a alguma conclusão?
— Não. Não sei o que fazer...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:10 pm

— Durante nossa vida, sempre temos dois caminhos para seguir.
Portanto, você tem dois caminhos.
Aceitar o que ele disse e continuar sendo humilhada e pagar por uma felicidade que não existe ou continuar sua vida de uma maneira diferente.
Usar seu tempo para algo produtivo e esperar até que a felicidade chegue através de um amor sincero e desinteressado.
Está na hora de escolher o que quer para sua vida.
— Como vou fazer essa escolha, Luzia?
— Para isso todos nós temos o livre-arbítrio.
Qualquer caminho que escolha, será o seu caminho e eu estarei aqui para apoiar você.
Agora, vou terminar de guardar estas roupas.
Se precisar de mim, estarei no quarto de seus pais.
Vou arrumar o armário.
— Dizendo isso, ela saiu, Sueli, e me deixou sozinha sem saber o que fazer.
Recostei-me sobre o travesseiro e, deitada de costas, fiquei olhando para o tecto relembrando tudo o que ela havia dito e em como havia sido a minha vida até ali.
Lembrei-me de como era mimada, egoísta e de como eu ficava feliz ao dar um vestido ou sapatos para uma amiga que não tinha.
Ficava feliz não por dar, mas por me sentir superior.
Lembrei-me de como tratava os empregados de casa e de outros lugares que eu frequentava.
Para mim, eles não tinham valor algum e estavam ali para me servir, somente isso.
Depois de muito pensar, cheguei à conclusão de que tudo o que Joel havia dito assim como Luzia, estava certo.
Chorei, chorei muito.
Fiquei ali, na mesma posição por muito tempo.
Para mim, era muito difícil tomar uma decisão, pois, durante toda minha vida, eu nunca precisei tomar decisão sobre qualquer assunto.
Tudo o que sempre quis, eu consegui.
No final, sem saber muito bem o que ia fazer, levantei-me e fui procurar Luzia.
Fui para o quarto dos meus pais.
Abri a porta e o quarto estava em ordem, mas vazio.
Ela não estava lá.
Sorri, pois enquanto pensava, não vi o tempo passar.
Saí do quarto e fui procurar Luzia pela casa toda.
Encontrei-a no jardim, regando as plantas.
Aproximei-me:
— Luzia, preciso conversar com você.
— Ela se voltou, olhou para mim, sorriu e disse:
— Vai precisar esperar até eu terminar de regar as plantas ou, se preferir, pode me ajudar, molhando daquele lado.
Ali, tem outra mangueira.
— Fiquei indignada, Sueli, mas conhecia Luzia e sabia que ela me conhecia e queria que eu entendesse que ela não era diferente de mim.
Era uma empregada doméstica, mas também, um ser humano.
Se ela tivesse feito isso em outra ocasião nem sei o que faria, mas, naquele dia, eu havia pensado muito em como fora minha vida e ela também sabia disso.
Caminhei para o outro lado e peguei a mangueira.
Abri a torneira e comecei a regar as plantas, coisa que só Luzia fazia.
Ela adorava aquele jardim.
Mesmo não olhando para o lado em que ela estava, eu sentia que estava me olhando e sorrindo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:10 pm

Quando terminamos de regar todas as plantas, ela sentou-se em um pequeno banco que havia ali e, enquanto me aproximava, ela perguntou:
— O que quer conversar comigo, Rosana?
— Também me sentei, Sueli:
— Em tudo o que você falou.
Tem razão, eu sou uma pessoa muito má, Luzia.
Achei que era superior a todos, mas entendi que não é nada disso.
— Eu não disse que você é má, disse?
— Não falou claramente, mas deu a entender.
— Não foi isso que falei.
Disse que você estava desviada de seu rumo e que, quando isso acontece, a vida se encarrega de colocar tudo no lugar.
Disse que você sempre teve tudo o que quis, por isso, nunca passou por sua cabeça que poderia ser contrariada.
— Estive pensando muito.
Tentei encontrar desculpas para os meus actos.
Tentei culpar meus pais por nunca terem dito um não e por deixarem que eu crescesse egoísta e presunçosa, mas não consegui.
Meus pais me deram tudo, fui eu quem não soube aproveitar.
Eles me criaram e ao Edu da mesma maneira e meu irmão é completamente diferente de mim.
Não é orgulhoso, não liga para roupas caras, ao contrário, ele detesta fazer compras.
Não gosta de frequentar a sociedade nem festas.
Ele tem muitos amigos de classe diferente da nossa, coisa que sempre critiquei.
Por que isso acontece, Luzia?
— Porque somos espíritos livres e com livre-arbítrio.
Claro que a educação familiar é importante.
É na família que aprendemos, na infância, os valores da sociedade, o que é certo e errado, mas à medida que vamos crescendo, vamos fortalecendo esses valores ou modificando-os.
Vamos fazendo nossas escolhas, pois cada um pode e deve escolher a vida que quer viver.
Realmente, o Edu é diferente de você.
Ele tem outros valores, mas isso não quer dizer que seja melhor ou pior.
A maioria das pessoas passa por momentos difíceis de escolha.
Muitas vezes, nos desviamos do nosso caminho, mas sempre é tempo de retornar.
Como só cabe a nós escolher a vida que queremos viver aqui na Terra, essa escolha acontece antes de nascermos.
Somos nós quem escrevemos a nossa história.
— O que você está falando, Luzia?
Nós escolhemos como viver?
Que loucura é essa?
— Ela começou a rir e eu fiquei olhando sem entender.
Ela continuou:
— Você, à medida que foi crescendo, deixou-se envolver pelo dinheiro e pelo poder que ele proporciona.
Com isso, se afastou muito do caminho que escolheu antes de nascer.
Sei que é muito difícil entender o que estou dizendo, mas foi isso que aconteceu.
Nunca quis saber de religião nem de Deus.
Nunca se importou com as outras pessoas que não tinham tanto dinheiro como você.
Ser rica, também foi escolha sua.
Isso, sempre acontece porque depois da morte, ao saber o que fizemos de ruim, aqui na Terra, na última encarnação, quase sempre culpamos a vida que tivemos e pedimos uma nova oportunidade e uma nova encarnação com uma vida diferente da anterior.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:10 pm

Não sei o que você fez na última encarnação, mas sei que pediu para ser rica e poder usar esse dinheiro para seu crescimento espiritual.
Porém, aqui na Terra com um corpo humano, esqueceu-se do que havia prometido e usou esse dinheiro parra humilhar e comprar as pessoas.
Desviando-se, assim, do seu caminho.
Sempre que esse desvio acontece, espíritos amigos se encarregam de nos trazer de volta ao caminho.
Esse rapaz foi colocado no seu caminho para que você reflectisse em tudo o que fez e escolhesse o caminho que quer seguir.
Nunca estamos sós, Rosana e sempre temos uma nova chance.
— Quanto mais ela falava, menos eu entendia.
Sueli, parecia que estava falando em um idioma diferente do meu.
Parecia que ela entendia o que eu estava pensando e continuou:
— Sei que não está entendendo o que estou dizendo, não se preocupe, pois, tudo tem seu tempo.
Agora, o importante é que diga o que, depois de pensar tanto, decidiu.
— Decidi que quero mudar.
Quero ver as pessoas como são, não me importando com a cor da pele, a profissão ou quanto dinheiro têm.
Não vou mais procurar o Joel.
Quero saber mais sobre essa Doutrina de que você falou.
Quero mudar mesmo!
— Estou feliz com sua decisão e agradeço a Deus e aos espíritos amigos que a ajudaram a mudar de atitude.
— Por mais que eu queira mudar, sei que não vai ser fácil.
Vou precisar da sua ajuda, Luzia.
Nem sei por onde começar.
— Pode começar, usando seu dinheiro para ir para aquela cidade que tanto gosta.
Fique lá sozinha por algum tempo e pense em tudo o que pode fazer com seu dinheiro.
Sobre a Doutrina, por mais que eu fale, vai ser muito difícil que entenda.
Por isso, vou dar a você alguns livros para que leia.
Com eles, vai aprender muito mais.
Comece a ler.
Porém, se não quiser ou não gostar, não precisa continuar lendo.
Pode me devolver.
Eu não vou ficar brava, não.
— Acho uma óptima ideia, Luzia.
Vou, sim, tirar alguns dias de férias e vou pensar muito na minha vida e em como posso fazer para mudar.
Vou ler, também!
— Ela sorriu.
Levantamos e entramos em casa, fui para meu quarto e comecei a arrumar minhas malas.
Foi assim que vim para cá.
Trouxe alguns livros que ela me deu e li muito.
Através desses livros, aprendi coisas nunca antes pensadas.
Quando terminei de ler os livros, comprei outros.
Sentia que minha alma precisava de conhecimento.
Procurei uma casa espírita e comecei a frequentar e entendi muita coisa que havia acontecido em minha vida.
Depois, convenci meu pai a investir aqui nesta cidade tão acolhedora.
Ele aceitou e começou a construir o hotel e a pousada.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:10 pm

Eu, que vim para cá, pretendendo ficar por apenas alguns dias, estou até hoje e não pretendo voltar para minha casa, para aquela vida.
Quando você, naquele dia, apareceu, eu a vi como uma moça lutadora com uma imensa vontade de estudar e aprender.
Sabia que precisava de ajuda e eu podia ajudar.
Não me arrependi disso, Sueli.
Afinal, estou comendo muito bem.
Você é uma óptima cozinheira.
Sueli parou de falar por algum tempo, depois continuou:
— Continuamos morando juntas por mais seis meses, Júlia.
Rosana me falou sobre a Doutrina que seguia e me deu alguns livros para ler.
Quando terminei de ler, entendi algumas coisas pelas quais eu havia passado.
Não sabia qual fora o motivo de Nilson aparecer em minha vida, mas sabia que, durante o tempo em que estivemos juntos, aprendi muito, sobre amor, confiança e desilusão, mas aprendi também que minha vida estava apenas começando e que tinha muito ainda para viver e aprender.
Aprendi que algumas coisas podem ser mudadas, mas que outras, não.
Quando aquilo que nos acontece não pode ser mudado, precisamos acreditar em Deus e seguirmos em frente.
Aprendi que nossa vida é feita de bons e maus momentos, mas que não passam de momentos.
O mais importante que aprendi é que nunca estamos sós.
Que temos, ao nosso lado, espíritos amigos.
Aprendi que estão prontos para nos ajudar naquilo que for permitido.
Depois desse dia, minha amizade por Rosana aumentou muito.
Continuamos morando juntas.
Ela conheceu Paulo, o filho de um rico fazendeiro, começou a namorar e, em pouco tempo, se casaram e são muito felizes.
Claro que fui convidada para seu casamento e foi lá que conheci o Eduardo.
— O que, Sueli?
O seu Eduardo é o irmão da Rosana?
Sueli começou a rir e respondeu:
— É, sim, Júlia.
Nós nos conhecemos no casamento e estamos juntos até hoje e, como sabe, logo vamos nos casar.
Atendendo a um pedido da Rosana, seu pai construiu o restaurante e me deu sociedade para que eu cozinhasse e administrasse.
Depois de casada, Rosana foi para a Capital com Paulo.
Ele tem negócios ali e Eduardo veio para cá tomar conta do hotel e da pousada.
Como pode ver, apesar de tudo o que passei, no final, tudo deu certo.
Estou me lembrando agora de algo que Rosana disse, quando soube que eu e Eduardo estávamos namorando:
— Você viu quanta coisa teve de acontecer para que você encontrasse o meu irmão e eu ao Paulo?
Deus não é mesmo maravilhoso?
— Só pude sorrir e concordar, Júlia.
Ela tinha razão.
Eu havia chegado a esta cidade, triste, desesperada e achando que tudo havia terminado, mas não sabia que, na realidade, estava apenas começando.
— É verdade, Sueli.
Depois de tudo que me contou, só posso concordar.
— Quanto ao emprego, ainda está preocupada em voltar, Júlia?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:11 pm

— Depois de tudo o que aconteceu, acha que posso voltar ao trabalho?
— Por que, não?
Você gosta do que faz e o salário é muito bom.
Dificilmente encontrará outro trabalho igual.
— Você não ouviu o que eu disse, Sueli?
— Claro que ouvi, mas ainda não entendo por que você não pode voltar ao trabalho.
— Tudo o que contei, aconteceu na hora do almoço e no restaurante onde quase todos os meus colegas de trabalho estavam almoçando e os que não estavam, a esta hora, já devem estar sabendo.
Todos estão rindo de mim!
Como posso voltar?
— Voltando como se nada tivesse acontecido.
Depois de tudo que contei ainda acha que é a única mulher que fez a burrice de namorar um homem casado?
Garanto que não é.
Muitas já fizeram isso e outras tantas farão.
— Não posso encará-los...
— Claro que pode.
Amanhã, vá trabalhar e, quando chegar, cumprimente todos, dê um sorriso como se nada tivesse acontecido.
Garanto que, mesmo que estejam pensando algo, não terão como falar com você.
— Mesmo que não falem comigo, com certeza, estarão pensando.
— E daí?
Lá, você é apenas uma funcionária, ninguém tem nada a ver com sua vida particular.
Agora, preciso ir embora.
Tenho muito trabalho.
Fique tranquila, procure ficar calma.
Entregue sua vida nas mãos de Deus.
Aprendi que, na hora de desespero, essa é a única coisa que podemos fazer.
Até mais, Júlia.
A Júlia sorriu e respondeu ao aceno de mão de Sueli, que, sorrindo saiu pela porta.
Júlia ficou olhando, depois, foi para seu quarto, deitou-se e ficou pensando em tudo que Sueli havia contado.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:11 pm

A vida recomeça
Sueli esperou e entrou no elevador.
Quando chegou ao térreo e a porta se abriu, encontrou Anselmo que estava esperando o elevador.
Assim que o viu, disse:
— Anselmo, você por aqui?
— Olá, Sueli.
Preciso conversar com a Júlia, ela está em casa?
— Está sim.
Acabei de deixá-la.
— Ela está bem?
Sueli sorriu:
— Parece que sim, mas vá até lá e confirme.
— É isso que vim fazer aqui.
Preciso falar com ela, urgente.
Ele entrou no elevador.
Já na rua, Sueli, pensou:
Nossa vida é mesmo estranha.
O que será que ele quer aqui?
Júlia estava deitada quando ouviu a campainha.
Pensou:
Quem será?
Não pode ser Sueli, ela tem chaves.
Levantou-se, foi para a sala, abriu a porta e, ao ver Anselmo, se assustou:
— Anselmo!
O que está fazendo aqui?
— Precisamos conversar.
— Não temos o que conversar!
Depois da vergonha que passei hoje, não há conversa alguma que possa me fazer esquecer tudo que me fez.
Você sempre disse que me amava que queria que eu ficasse ao seu lado, mesmo que não fosse para nos casar, mas, na hora em que sua mulher apareceu, você ficou parado e não me defendeu!
— Sei que está nervosa e tem razão, mas estou aqui para conversar e não pode ser no corredor.
Deixe-me entrar.
Quero pedir perdão e fazer uma proposta muito séria para você.
Júlia olhou e só agora se deu conta de que estava falando alto e que algum vizinho poderia ouvir.
Afastou-se e deixou que ele entrasse.
Ele entrou e ela mostrou o sofá para que ele se sentasse.
Ele, antes de sentar-se, tentou abraçá-la, mas ela se afastou, dizendo:
— Não quero abraço algum.
O que passei hoje, nunca, em minha vida vou conseguir esquecer!
— Você tem razão, Júlia.
Confesso que, quando Suzana apareceu, fiquei sem saber o que fazer.
Sabe que, embora não ame mais minha mulher, nunca pensei em abandoná-la, por causa do meu filho.
Porém, as coisas mudaram.
Hoje, depois de tudo o que aconteceu, cheguei à conclusão de que é a você quem amo e com quem quero ficar.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:11 pm

Ela olhou desconfiada, perguntou:
— O que você está dizendo, Anselmo?
— O que ouviu.
Eu cheguei à conclusão de que você é a mulher com quero ficar para o resto da minha vida.
— Quando foi que chegou a essa conclusão?
— Quando vi a maneira como você ficou depois que Suzana a humilhou no meio de todas aquelas pessoas.
Suzana não me ama, só pensa no seu trabalho e na sua promoção.
Passa o tempo todo me humilhando.
Não suporto mais isso.
Amo meu filho e queria ficar ao seu lado até que se tornasse um homem, mas, infelizmente, isso não vai ser possível.
Quero ser feliz e essa felicidade, só vou encontrar ao seu lado, Júlia.
— Está dizendo a verdade, Anselmo?
— Claro que estou!
Quero ficar com você, Júlia!
Vou providenciar o meu divórcio, depois, vamos nos casar!
— Ela, sem acreditar no que estava ouvindo, começou a chorar.
Ele, que estava sentado ao seu lado, abraçou-a:
— Não sei por que está chorando, espero que seja de felicidade.
— Claro que é de felicidade, Anselmo!
Achei que havia perdido você para sempre.
— Não me perdeu, Júlia.
Tem mais uma coisa.
Recebi uma proposta de promoção e de aumento de salário.
— O que?
— É verdade, mas, para isso, preciso ir para Recife e quero que você vá comigo.
Sei que o trabalho não vai ser fácil, mas sei também que, com você ao meu lado, tudo vai dar certo.
Você vai comigo?
— Não sei se consigo acreditar nisso que está acontecendo.
É maravilhoso!
Quando começamos o nosso namoro, você sempre disse que nunca abandonaria sua mulher e seu filho.
Por gostar muito de você eu aceitei e me conformei.
Nunca imaginei que um dia, estaria ouvindo o que está me dizendo agora.
Tem certeza de que está falando a verdade, Anselmo?
Quer mesmo se casar comigo?
— É o que mais desejo!
Sei que vamos ser muito felizes!
— Já conversou com sua mulher, depois daquilo que aconteceu no restaurante?
— Não, vou fazer isso hoje à noite quando for para casa.
— Se ela não aceitar o divórcio?
— Ela vai aceitar.
Ela sabe que o nosso casamento terminou há muito tempo, Júlia!
Beijaram-se com carinho e muito amor.
Júlia, ao mesmo tempo em que estava feliz, também estava preocupada.
— Para ir com você, Anselmo, vou ter que abandonar meu emprego.
Vou ficar sem trabalho.
— Não se preocupe com isso.
O meu salário será suficiente para termos uma boa vida.
Você não precisa trabalhar nunca mais.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:11 pm

— Eu não queria mais voltar ao escritório.
Estou com muita vergonha do que aconteceu.
— Não precisa ter vergonha.
Volte apenas para pedir demissão.
Arrume suas coisas que, a semana que vem, vamos embora.
— Tem certeza disso, Anselmo?
Eu não posso ficar desempregada.
Sou sozinha e preciso me manter.
— Claro que tenho.
Faça o que digo.
Não pense em nada mais a não ser em que eu escolhi você.
Júlia, eufórica, disse:
— Vou agora mesmo pedir minha demissão.
— Agora não!
Hoje quero ficar, o resto da tarde, com você para nos amarmos como nunca fizemos antes.
Vá amanhã bem cedo.
Abraçados, foram para o quarto.
Eram quase oito horas, quando Anselmo saiu do apartamento de Júlia.
Ela foi com ele até o elevador.
Antes de entrar, ele disse:
— Amanhã, bem cedo, vá ao escritório, peça sua demissão e espere até eu voltar.
Talvez eu não possa vir antes de quatro ou cinco dias.
Preciso me preparar para a mudança.
Com certeza vou ter de participar de muitas reuniões para chegar ao Nordeste com tudo bem planeado.
Não se esqueça, nunca, de que amo você e de que começamos uma nova vida só de felicidade.
— Está bem, vou fazer como você falou.
O elevador chegou, beijaram-se e ele entrou.
Júlia, feliz, entrou no apartamento e foi para o seu quarto.
Deitou-se e ficou relembrando tudo o que havia acontecido naquela tarde.
As horas foram passando, mas ela não conseguia dormir.
Ficou esperando que Sueli chegasse para poder contar tudo o que havia acontecido.
Quando Sueli chegou era mais de meia noite e estranhou ao ver a luz do quarto de Júlia acesa.
Pensou:
Ela deve ter dormido sem apagar a luz.
Vou apagar.
Estava indo em direcção ao quarto, quando Júlia apareceu na porta.
— Sueli, ainda bem que chegou!
— O que aconteceu, Júlia?
Por que está acordada até esta hora?
— Não consegui dormir, preciso contar a você tudo o que aconteceu, hoje, depois que você saiu para o trabalho.
Sueli sorriu:
— Acho que tudo tem a ver com Anselmo.
Eu o encontrei quando saía do elevador.
— Está certa, Sueli.
Ele esteve aqui!
Vou contar tudo o que aconteceu.
— Estou curiosa para saber, mas, se você não se incomodar, gostaria de tomar um banho.
Você já conhece o cheiro que chego depois de ter passado muito tempo junto ao fogão do restaurante.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:11 pm

— Claro que não me incomodo, mas não demore muito.
Sueli foi para o quarto, depois entrou no banheiro.
Júlia, enquanto isso foi preparar um chá para que tomassem juntas.
Atendendo ao pedido de Júlia, Sueli tomou um banho rápido e, ainda enrolada na toalha, sentou-se e, enquanto Júlia servia o chá, ela disse:
— Pronto, Júlia, pode começar a contar.
Júlia contou em detalhes tudo o que havia acontecido e terminou dizendo:
— Você acredita que tudo isso aconteceu?
Que vou me casar e mudar para Recife?
— Acredito e espero que seja muito feliz, Júlia.
Eu não disse que tudo o que nos acontece tem um motivo?
E que no final sempre está certo?
— Disse, mas, na hora, confesso que não acreditei muito.
Agora, tenho certeza disso.
— Preciso fazer só uma pergunta:
a mulher dele vai aceitar a separação?
— Ele disse que sim, pois o casamento dele já terminou há muito tempo.
— Espero que seja verdade, Júlia e que você realmente, seja muito feliz.
Agora, vamos dormir?
Amanhã você precisa ir pedir demissão no seu trabalho.
Tem certeza de que quer fazer isso mesmo?
— Nossa, Sueli, parece que você não acredita em tudo que Anselmo falou.
— Juro que quero acreditar, mas sabe como é:
gato escaldado foge de água fria, não é?
Não quero que você sofra.
— Desta vez, não precisa ficar preocupada.
Não vou sofrer!
Anselmo disse a verdade, vi isso em seus olhos.
— Está bem. Agora, preciso dormir.
Estou muito cansada.
Hoje, lá no restaurante, não foi fácil.
Boa-noite.
— Boa-noite, Sueli.
Sueli sorriu e foi para seu quarto.
Já deitada em sua cama, pensou:
Meu Deus! Sei o quanto sofri por acreditar em um homem.
Por favor, não permita que Júlia sofra da mesma maneira...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:12 pm

Situação inesperada
Anselmo estava perto de sua casa e pensava:
Preciso me preparar.
Suzana deve estar muito nervosa.
Ela jamais vai me perdoar.
Eu sabia que algum dia isso ia acontecer, mas, mesmo que não acontecesse, nosso casamento estava desfeito há muito tempo.
Há alguns anos não conversamos, sem brigar.
Em parte foi bom ter acontecido daquela maneira.
Eu estava em uma encruzilhada.
Quero muito crescer profissionalmente e essa proposta encurta o caminho.
Porém, se Suzana não concordasse em me acompanhar e isso, sei que não aconteceria ou acontecerá, eu, talvez não tivesse forças para abandonar meu filho.
Provavelmente, recusaria a oferta e continuaria minha vida, da maneira como está, infeliz e frustrado.
Com o fim do meu casamento, vou assumir Júlia.
Ela é uma boa moça e gosta, realmente, de mim.
Sinto que minha vida está mudando, preciso acompanhar.
Olhou para o relógio, no painel do carro:
São quase nove horas, Suzana ainda não chegou.
Ela só chega depois das dez.
Chega sempre cansada e nervosa.
Como ela não está, vou jantar e, como sempre faço, vou ficar assistindo televisão.
Talvez ela exija que eu vá embora, ainda hoje.
Vou para um hotel, até que os preparativos da minha transferência estejam completos.
Quando tudo estiver pronto, eu e Júlia começaremos uma nova vida, espero que de muita felicidade.
Entrou na garagem e estranhou:
O carro de Suzana está aqui?
Ela já chegou?
Deve estar nervosa mesmo.
Preciso me preparar para enfrentar a fera.
Sorriu, desceu do carro e foi para o elevador.
Temeroso, mas preparado, colocou a chave na porta e abriu.
Assim que a porta abriu, ele entrou e olhou por tudo.
Parecia que estava em paz.
Caminhou em direcção à sala de jantar.
Assim que chegou à sala, parou e ficou perplexo.
Todas as noites, só quando ele chegava era que a empregada preparava a mesa para que ele jantasse.
Ela fazia isso, pois, como ele sempre jantava sozinho, algumas vezes não se sentava à mesa.
Pegava um prato e ia para frente da televisão e enquanto jantava assistia ao seu programa preferido.
Mas naquela noite, algo estava acontecendo.
A mesa não só estava preparada, como com flores e velas acesas.
O que está acontecendo?
Por que Edite preparou a mesa e dessa maneira?
Estava parado, olhando, quando Suzana entrou na sala.
Caminhou em sua direcção e abraçando-se a ele, disse:
— Demorou muito para chegar, Anselmo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:12 pm

Ele, perplexo com aquela recepção, perguntou:
— O que está acontecendo aqui, Suzana?
— O que tem demais?
Apenas mandei que fosse preparada a comida que você mais gosta.
Vamos jantar juntos.
Ele, sem entender o que estava acontecendo e sem saber o que fazer, desenvencilhou-se do abraço e caminhou para o quarto.
Ela, seguindo-o com os olhos, disse:
— Enquanto você toma banho vou pedir a Edite que coloque o jantar.
Quando você voltar, tudo estará pronto.
Ele entrou no quarto.
Tirou o paletó e jogou-o sobre a cama.
Entrou no banheiro e, enquanto molhava o rosto que sentia muito quente, pensou:
O que está acontecendo aqui?
Que atitude é essa da Suzana?
Que reacção é essa?
Ligou o chuveiro e começou a tomar banho.
Estava ali, quando Suzana entrou no banheiro e perguntou:
— Posso tomar banho com você?
Ele abriu a porta do boxe e colocou a cabeça para fora, desconfiado, perguntou:
— O que você falou?
— Quero tomar banho com você.
Não entendo a surpresa, no início do nosso casamento, fazíamos muito isso.
— Esse tempo está muito distante, Suzana.
Há muito tempo quase não nos encontramos, estamos mais distantes e nos comportamos como se fôssemos apenas amigos.
Não entendo por que, justamente hoje, você está se comportando assim.
— Justamente hoje, por ter percebido que posso perder você para sempre e não quero isso.
Antes que ele falasse qualquer coisa, ela tirou a roupa e entrou no chuveiro.
Tomaram banho da mesma maneira que faziam no início.
Anselmo não estava entendendo, mas não pensou muito sobre isso.
Ele gostava daquilo e, agora, entendeu que gostava muito de Suzana.
Terminaram de tomar banho, em silêncio vestiram-se e foram para a sala de jantar.
Enquanto jantava, Anselmo ainda confuso, perguntou:
— O que está acontecendo aqui, Suzana?
Por que, você, depois de tudo o que aconteceu está tendo essa reacção, confesso que para mim, muito estranha.
— Você tem razão em estar confuso.
Hoje, quando vi você com aquela moça, fiquei muito nervosa e fiz aquela coisa louca.
Aquele papelão, mas depois que saí dali e, enquanto voltava para casa, pensei muito.
Entendi que, se você procurou e encontrou outra mulher, foi culpa minha.
Durante todo esse tempo, eu me preocupei somente com o meu trabalho e deixei você de lado.
Só queria mais dinheiro e receber promoções.
Para isso, não pensei em você e no que estava sentindo.
Hoje relembrei das vezes em que o humilhei, não só aqui em casa, mas. algumas vezes na frente de nossos amigos.
Entendi que sem você nada disso tem valor.
Estamos casados, temos um filho e não quero que meu lar seja destruído nem que meu filho cresça sem pai.
Portanto, quero pedir perdão.
Vamos nos esquecer de tudo o que aconteceu até aqui e vamos recomeçar a nossa vida.
Prometo que vou ser a esposa que você sempre desejou.
Anselmo, atónito com o que ouvia, ficou olhando calado.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:12 pm

Ela, assim que terminou de falar, levantou-se e, rodeando a mesa, aproximou-se dele e beijou-o calorosamente.
Assim que ela se afastou, ele disse:
— Não pode ser assim, Suzana.
Muita coisa aconteceu e precisamos conversar.
— Não importa o que aconteceu.
Sei que você pensa naquela moça, mas vou fazer com se esqueça dela.
Eu amo você, Anselmo.
— Não se trata dela, Suzana.
Não podemos recomeçar nem continuar porque eu vou me mudar.
Vou para Recife.
— O que você está dizendo, Anselmo?
— Recebi uma proposta muito boa e não posso deixar passar.
Tenho chance de progredir muito.
Está tudo certo e dentro de alguns dias, vou para o Recife.
— Eu vou com você.
Ele se levantou e quase gritando, perguntou:
— O que? Você vai largar o seu trabalho para me acompanhar?
— Vou, Anselmo.
Já disse que gosto de você, que não quero destruir meu lar nem que nosso filho cresça sem pai.
Por tudo isso, vou para onde você for.
— Não consigo acreditar no que você está dizendo, Suzana.
Hoje você conseguiu chegar ao lugar que sempre sonhou.
Mesmo assim, está disposta a largar tudo para me seguir?
Suzana ia contar que havia sido despedida, mas resolveu omitir.
Respondeu:
— Eu falei que vou para onde você for.
Estou falando sério Anselmo.
Deixei que o meu trabalho fosse mais importante do que a nossa vida.
Não quero mais fazer isso.
Hoje, depois do que aconteceu no restaurante e agora que você está me dizendo que precisa ir para o Recife, amanhã bem cedo vou até a empresa e vou pedir demissão.
— Espere! Você não pode fazer isso, Suzana!
Vou ter um aumento de salário, mas, mesmo assim não vai dar para manter o estilo de vida que temos.
Não vou conseguir pagar este apartamento nem o seu carro!
— Isso não me importa mais, Anselmo.
Vamos devolver o apartamento e o carro.
Em Recife, posso encontrar um novo emprego que não tome tanto o meu tempo.
Podemos viver em um lugar menor e ter um carro não tão caro.
O que não quero nem vou admitir é ficar longe de você.
Vamos viver bem.
Tenho certeza disso.
— Não pode ser dessa maneira, Suzana!
Você não está raciocinando!
Espere eu ir e ver se vai dar certo.
Depois, quando tudo estiver estabilizado, poderemos voltar a este assunto.
— Não tem o que pensar. Já decidi.
Seja o que for que aconteça com você, vamos continuar juntos.
No início do nosso casamento, nada tínhamos e, juntos, conseguimos chegar até aqui.
Sei que, se permanecermos unidos, vamos conseguir novamente.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:12 pm

Anselmo estava meio tonto com tudo aquilo.
Parecia estar sonhando.
Voltou a rever a Suzana que havia conhecido e por quem se apaixonara.
Durante os anos de casados tudo havia mudado.
Ela se tornara fria e egoísta.
Passou a pensar só em si mesma.
Com o olhar perdido, pensou:
O que terá acontecido para que ela mudasse tanto.
Será que é verdade que ficou com medo de me perder?
Não sei, mas custo a acreditar que seja isso.
Suzana, sem imaginar o que ele estava pensando, disse:
— Agora vamos nos deitar.
Amanhã será outro dia.
Foram para o quarto e, após se amarem, Suzana adormeceu.
Anselmo ficou pensando:
Ainda estou tonto com tudo que aconteceu.
Jamais imaginei que Suzana teria uma reacção como essa.
O que vou dizer á Júlia?
Meu Deus, Júlia!
Ela vai amanhã cedo pedir demissão no emprego!
Ela não pode fazer isso, mas, hoje não tenho como falar com ela!
Não posso telefonar aqui de casa!
Preciso acordar bem cedo e conversar, por telefone, antes que vá para o trabalho.
Preciso contar o que aconteceu.
Sei que ela vai sofrer, mas não há outro caminho.
Suzana tem razão, temos uma família, um filho e, na realidade, eu, apesar de tudo, ainda gosto muito dela.
Levantou-se foi até o banheiro, molhou o rosto, olhando no espelho e voltou a pensar:
Nunca me vi em uma situação como essa...
Voltou para a cama e, depois de algum tempo, adormeceu.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:13 pm

Tomando conhecimento
Júlia acordou e olhou para o relógio que estava em seu criado mudo.
Ainda é muito cedo.
Estou tão ansiosa que não consegui dormir direito e acordei várias vezes.
Agora, sinto que não vou conseguir dormir novamente.
Estou tão feliz!
Minha vida vai mudar e vai acontecer algo que eu nunca havia imaginado que aconteceria.
Gosto muito do Anselmo, mas ele sempre deixou claro que nunca abandonaria sua casa e seu filho.
Agora, tudo mudou.
Levantou-se foi para o banheiro.
Ligou o chuveiro, olhou para o relógio e continuou pensando:
Preciso chegar cedo, recolher minhas coisas e deixar meu trabalho em ordem.
Vou pedir demissão e me preparar para a viagem.
Sinto que vou ser feliz ao lado de Anselmo, embora esteja indo para um lugar distante e com costumes diferentes dos meus, mas vou me adaptar.
O importante é que vou estar ao lado dele!
Tomou banho, voltou para o quarto e olhou novamente para o relógio.
Ainda é muito cedo.
Por que a hora não passa?
Não posso ficar aqui em casa fazendo barulho.
Sueli está dormindo.
Acho que vou até a padaria tomar um café, ir até a praça e caminhar um pouco.
Acho que, andando, vou relaxar.
Depois volto e se precisar, tomo outro banho.
O que será que aconteceu na casa do Anselmo?
O que a mulher dele fez?
Será que o expulsou de casa?
Será que ele está dormindo em um hotel?
Ele sabe que não pode telefonar aqui para casa, à noite, porque a Sueli chega tarde e precisa dormir.
Bem, não adianta querer adivinhar o que aconteceu.
Ele vai me contar.
Vestiu uma roupa confortável e saiu.
Chegou à praça e viu algumas pessoas caminhando.
Sempre que ia para o trabalho via aquilo acontecer, mas nunca teve tempo para caminhar.
Muitas vezes, sentiu inveja e, naquele dia, poderia realizar seu desejo sem se preocupar com o horário.
Como as pessoas faziam, começou a andar e a pensar em tudo o que estava acontecendo.
Foi cumprimentada e cumprimentou as pessoas que também caminhavam.
Sorriu e recebeu sorrisos.
Depois de andar por mais de meia hora, resolveu voltar para casa.
Entrou em silêncio.
Olhou para a porta do quarto de Sueli que ainda estava fechado.
Entrou em seu quarto, tomou outro banho e se vestiu com a roupa de trabalho.
Depois de pronta, pegou sua bolsa e saiu.
Antes de sair, olhou para um espelho que havia na sala, sorriu e pensou:
Depois do que aconteceu ontem no restaurante, pensei que não teria coragem de voltar ao trabalho, mas, hoje, vou voltar e encarar todos sem me preocupar com o que estão pensando.
Afinal, vai ser o último dia que vou até lá e que vou ver aquelas pessoas.
Daqui para frente, vai ser só felicidade.
Desceu do ônibus que a levou até o trabalho.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Out 20, 2017 8:13 pm

Ele parava bem em frente.
Olhou para o lugar em que Anselmo sempre estava esperando por ela.
Ele não estava. Não se preocupou.
Ele disse que, por alguns dias não nos encontraríamos.
Depois de pedir demissão vou voltar para casa e esperar que ele telefone ou apareça.
Entrou no escritório.
Sorrindo, cumprimentou a todos.
Não quis prestar atenção aos olhares.
Sabia o que estavam pensando, mas aquilo, agora, não a preocupava mais.
Olhou para a porta da sala de seu chefe.
Ela estava aberta, o que significava que ele já estava ali.
Foi até ela, e bateu de leve.
Ele estava sentado, olhando alguns papéis, levantou os olhos.
— Bom-dia.
Preciso conversar com o senhor.
— Bom-dia, Júlia. Entre.
Ela entrou e sentou-se.
Ele olhou para ela e, com a voz firme, perguntou:
— O que quer conversar, Júlia?
— Estou aqui para pedir demissão.
Ele se admirou:
— O que está dizendo, Júlia?
Pedindo demissão, por quê?
Não vá dizer que é por aquilo que aconteceu no restaurante!
— O senhor soube?
— Eu estava lá, Júlia.
Não digo que aprovo, mas não é motivo para que peça demissão.
Sua vida particular não tem nada a ver com seu trabalho.
Você é uma óptima funcionária.
— Não é esse o motivo.
Estou me mudando para Recife.
— Para Recife?
O que vai fazer lá?
— Vou recomeçar minha vida.
Não tenho mais condições de continuar vivendo aqui. — Disse sorrindo.
— Por que não?
O que você sabe sobre Recife?
— Muito pouco.
Aliás, aquilo que a maioria das pessoas sabe.
Nunca estive lá.
Por isso, acho que vai ser uma boa oportunidade para conhecer seu povo e seus costumes.
— Você não deve estar raciocinando bem, Júlia.
Não tome uma atitude precipitada.
Sabe que, embora eu goste muito do seu trabalho, é política da empresa não recontratar empregados.
Portanto, se não der certo o que está desejando, mesmo que volte, eu não poderei contratá-la outra vez.
— Sei disso, senhor, mas não se preocupe.
Vai dar certo e não voltarei.
Minha vida está mudando e eu com ela. — Voltou a sorrir.
— Precisa me dar algum tempo para que eu coloque alguém no seu lugar.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 74981
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 61
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Apenas Começando / Elisa Masselli

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 3 de 11 Anterior  1, 2, 3, 4 ... 9, 10, 11  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum