NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Página 7 de 7 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7

Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:48 pm

Eudásia obedeceu e foi rezar na cozinha. Havia alguns dias tinha começado a frequentar o centro aonde Patrícia ia e havia aprendido que, quando tudo se agita, quando as dores aparecem, é hora de oração.
Aprendeu que a prece, quando sincera, nos deixa ligados aos espíritos do bem e a Deus.
Naquele momento ela fez uma sentida oração pedindo saúde para Humberto, paz para Isabela e felicidade para Fernando e Patrícia.
Ela não viu, mas seres radiosos estavam ali cobrindo-a de luzes coloridas.
Um deles se aproximou e disse-lhe ao ouvido:
— Confie em Deus, Ele não desampara ninguém.
Tudo será dado assim como pediu!
Uma brisa leve passou ao seu redor e Eudásia se sentiu muito bem.
Na sala, Fernando e Patrícia comemoravam.
Ele estava muito empolgado em ser pai e ela, muito feliz em poder estar ao lado do homem amado.
— Vamos oficializar nossa união assim que seu pai sair do hospital — comentou Fernando cheio de planos.
— Sim, é o que mais quero.
Mas nossa união será apenas civil.
Sou espiritualista e não gosto dessas cerimónias em igrejas.
Respeito à religião católica, mas não acredito que seja preciso um intermediário para que Deus nos abençoe.
Fernando tornou um pouco preocupado:
— Minha mãe é conservadora e, apesar de não ir muito à igreja, é católica e sempre sonhou comigo casando com a bênção de um padre em uma cerimónia bonita.
Ela sonha com isso para a minha vida.
Por favor, quero que entenda...
Patrícia não queria discutir aquilo naquele momento, mas sabia que acabaria cedendo.
— Tudo bem, vamos pensar nisso depois.
Agora vamos subir que estou morrendo de saudades.
Felizes, os dois foram para o quarto, onde se amaram com muita paixão.
No outro dia pela manhã, antes de ir ao hospital, Patrícia foi visitar a avó.
Sempre passava por lá para ver como ela estava.
As visitas de Sílvia haviam feito um bem enorme a dona Augusta, que já se levantava da cama e quase tinha voltado à vida normal.
Ao entrar na enorme sala encontrou a avó ainda no desjejum.
— Que boa visita a essa hora da manhã.
Venha tomar café comigo.
— Muito obrigada, vovó.
Termine sua refeição, pois hoje quero compartilhar uma alegria muito grande com a senhora.
Augusta ficou curiosa.
— Alegria? Bem que estou precisando...
— Não fale assim, vovó.
A senhora já melhorou tanto que está irreconhecível.
Achei que nunca mais iria se levantar daquela cama.
Não sabe o quanto fiquei desesperada, mas hoje as cores já voltaram ao seu rosto.
Vejo que voltou a arrumar o cabelo e já soube que foi visitar algumas amigas.
— Graças a sua amiga Sílvia foi que pude sair do buraco em que eu mesma me coloquei.
Com ela tenho aprendido muitas coisas, inclusive como atraí aqueles factos que me colocaram em depressão.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:48 pm

Patrícia retorquiu:
— Sei que houve um motivo muito sério para a sua depressão.
Por que não me conta?
Sei que a Sílvia já sabe.
Augusta sentiu que ainda não podia revelar a verdade.
Estava aprendendo que o perdão consistia em calar os defeitos alheios, e ela não queria falar mal de Isabela naquele momento.
Resolveu dar uma desculpa.
— Não estou preparada para lhe contar, mas fique certa de que um dia o farei.
Um dia você ficará sabendo o que me levou a querer desistir da vida.
Ela parou de comer e continuou falando.
— Descobri como estava errada em querer fugir do mundo e hoje sei que estava me tornando uma suicida.
Patrícia se admirou.
Será que Sílvia havia revelado sua forma de pensar à sua avó?
— Nossa, a senhora está falando como uma espírita! — respondeu a neta, surpresa.
— Muita coisa mudou em minha vida.
Sílvia me fez ver lados de minha personalidade que estavam esquecidos e acabou revelando ser espiritualista.
Sei que ela acredita em reencarnação e que trabalha num centro.
Fiquei chocada a princípio, mas não podia mais ficar sem sua amizade.
Nunca conheci uma pessoa tão sensata quanto ela.
Aos poucos fui me interessando pela vida espiritual.
Ela me emprestou alguns livros e fiquei deslumbrada.
Nunca poderia imaginar que o espiritismo fosse tão bonito e lógico em seus ensinamentos.
Ainda estou presa a algumas convenções de minha religião, mas confesso que não suporto mais aquelas reuniões de que participava, nas quais não havia profundidade de ensinamentos nem resposta às questões básicas de nossa vida.
Hoje quero ser feliz, descobrir de onde vim e para onde vou melhorar meu padrão mental.
Fiz muitas coisas erradas em minha vida, mas recebi a resposta e estou amadurecendo.
Patrícia abraçou a avó e beijou seu rosto várias vezes.
Quando terminou o café, já na sala de estar, Patrícia iniciou:
— Sei que esse não é um momento de muita felicidade.
Meu pai está doente e em estado grave, mas mesmo assim me sinto imensamente feliz.
Estou grávida!
Dona Augusta abriu a boca e fechou-a novamente, espantada.
— Que felicidade! — falou com alegria.
Parabéns, você merece essa dádiva da vida.
As duas se abraçaram mais uma vez e Augusta tornou:
— Confesso que não estou acostumada há esses tempos modernos.
Na minha época o sexo começava depois do casamento.
Hoje sei que começa junto com o namoro.
Ainda acho tudo muito moderno para a minha mente, mas Sílvia está tentando me actualizar.
Sei que você se casará e será muito feliz!
— Serei sim, vovó.
O Fernando me ama e estava disposto ao casamento muito antes de saber de minha gravidez.
Ele é o homem de minha vida, perfeito, íntegro, bom carácter, é tudo que sempre sonhei, além de lindo.
— Como estou feliz.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:48 pm

Lembro-me de quando Flaviana engravidou pela primeira vez.
Enjoava muito e tinha desejos difíceis de realizar.
Gostaria de acompanhar sua gravidez como acompanhei a de sua mãe, mas não será possível.
— É... Sei que a senhora não gosta de Isabela e julga que ela tomou o lugar de minha mãe, mas posso garantir que ela é uma mulher boa, está muito mal com a doença de papai.
A senhora está equivocada.
Faça as pazes com ela e volte a frequentar nossa casa.
Sentimos muito a sua falta.
Augusta não podia falar a verdade à neta e preferiu se calar.
— Deixe o tempo correr.
De qualquer forma, sei que é minha neta querida e nunca deixará de vir me ver; isso me dá um alívio muito grande.
Patrícia emocionou-se.
— É claro que amo a senhora mais que tudo.
Da próxima vez que vier aqui trarei Fernando para a senhora conhecer.
— Que tal um jantar especial?
— Não precisa tanto. Fernando é um homem muito simples.
— Faço questão.
Assim que Humberto sair do hospital, farei um jantar aqui e convidarei todos.
Assim mostrarei a você que posso não apreciar Isabela, mas posso conviver com ela normalmente.
Patrícia estava muito feliz.
Depois de conversar mais um tempo, tomou um táxi e foi para o hospital.
Já havia passado uma semana e Humberto não melhorava.
Todos estavam apreensivos e Patrícia, muito chorosa.
Naquela tarde Isabela, que havia planeado matar Humberto no quarto da UTI, estava se preparando para o plano.
Conseguira a custa de muito dinheiro subornar uma enfermeira que trocaria de lugar com ela sem que ninguém desconfiasse.
Ela, vestida com roupa de enfermeira, desligaria os tubos de oxigénio e Humberto teria uma parada cardíaca fulminante.
Depois ligaria os tubos novamente e ninguém imaginaria que ela estava por trás.
Pensara friamente e resolvera não arriscar o plano sem um disfarce, afinal Humberto poderia despertar a qualquer momento e se isso acontecesse, ela não teria salvação.
Alguém bateu na porta do quarto e ela foi atender.
Era Eudásia.
— Há uma pessoa ao telefone.
Diz que é de um hospital da periferia e quer lhe falar com urgência.
— Quem pode ser?
— É uma recepcionista.
Pelo tom de voz está muito ansiosa.
— Tudo bem, eu pego a ligação aqui do quarto mesmo.
Isabela atendeu e uma voz de mulher se fez ouvir:
— É a senhora Isabela Costa Aguiar?
— Sim, o que gostaria?
— Há uma paciente em nosso hospital em estado terminal que deseja urgentemente falar com você.
Chama-se Morgana.
Isabela não conseguia entender.
O que fizera Morgana adoecer tão gravemente?
— Diga-lhe para me esquecer, quero mesmo é que ela morra.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:48 pm

Certamente quer me pedir dinheiro para pagar a conta do hospital.
Se for apenas isso, não me incomode mais.
A mulher insistiu:
— Morgana disse que a senhora agiria assim, por isso pediu que lhe dissesse que tem uma revelação a lhe fazer sobre a morte de seu filho.
Disse que jamais poderá morrer sem lhe contar a verdade.
Isabela sentiu o coração acelerar.
O que Morgana sabia sobre a morte de Daniel?
O argumento foi forte e ela anotou o endereço do hospital e partiu para lá imediatamente.
Só iria colocar seu plano em prática à tardinha, quando Edwiges fosse dar seu plantão.
Até lá teria muito tempo.
O hospital era longe e ela demorou a chegar.
Na recepção, procurou se informar:
— O que aconteceu de tão grave para Morgana estar morrendo?
A enfermeira explicou:
— Chegou aqui com uma grave hemorragia interna.
Alguém a violentou com muita força e seu útero foi danificado.
Fizemos uma cirurgia, mas ela não se recupera; a hemorragia volta com intensidade.
O doutor Marcelo teme que ela não resista a uma nova cirurgia.
Isabela sabia muito bem do que se tratava, mas fingiu espanto:
— Meu Deus!
Mas ela contou quem fez isso?
— Nos momentos de lucidez ela apenas chama por seu nome.
Quando conseguimos seu telefone, resolvemos ligar.
Mas, se ela melhorar, terá de prestar queixa em uma delegacia para que o culpado seja punido.
Entretanto, infelizmente acreditamos que só um milagre poderá salvá-la.
Isabela foi conduzida a um quarto onde havia várias camas.
Ela foi procurando uma por uma, até que na última estava Morgana com um aspecto de quem há poucos instantes deixaria a vida.
Em quase nada lembrava a moça bonita e alegre de antes.
Isabela a sacudiu, pois percebeu que dormia.
Ao abrir os olhos, Morgana respirou fundo, ficou mais pálida do que já estava e começou a falar num fio de voz:
— Você veio...
Eu sabia que Deus não me deixaria morrer sem começar a reparar o mal que eu fiz.
Isabela sentia vontade de matá-la ali mesmo, tamanho o ódio que sentia, mas queria ouvir o que ela tinha a dizer sobre a morte do filho.
Por isso foi directa:
— Não quero saber dos seus remorsos; isso pouco me importa.
Quero que me diga o que sabe sobre a morte de meu filho que eu não sei.
Aliás, ficou tudo muito claro.
Daniel nasceu com problema no intestino e não resistiu.
Essa foi à versão do médico.
O que mais pode saber?
Morgana fazia um esforço enorme para falar e sua voz quase não era ouvida.
Ainda assim, ela falou:
— Os médicos não souberam a verdade, a terrível verdade.
Seu filho foi morto por envenenamento.
Isabela sentiu que ia desmaiar.
Procurou uma cadeira e sentou-se.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:49 pm

Quando se refez do susto, continuou a ouvir.
— Foi isso mesmo.
Ele, aquela criança inocente, sorridente e cheia de vida, morreu por minhas mãos.
A mando de madame Aurélia, todos os dias eu ministrava um veneno, que desconheço o nome, na comida que eu mesma dava para ele.
O veneno causava perturbações gástricas e nenhum médico iria desconfiar do que se tratava, pois geralmente nesses casos não existem suspeitas e eles não fazem exame.
O certo é que o intestino era corroído pouco a pouco e a morte era certa.
Fiz isso movida por uma vingança, mas minha consciência nunca mais me deixou em paz.
Agora sei que pagarei pelo meu crime.
Vejo vultos escuros, pessoas babando e sangrando à minha volta, esperando que eu morra para me levarem com elas.
Espero que esse gesto me ajude e que eu não sofra tanto nessa vida que me espera.
Isabela, num acesso de raiva, sacudiu violentamente Morgana, que agonizava.
A enfermeira que chegava correu a socorrer:
— O que é isso?
Ela está quase morrendo, saia!
Retirou Isabela, que estava em estado de loucura.
Do canto do quarto, Isabela bradava com muito ódio:
— Quero que morra e só tenha o inferno como morada.
Sairei daqui e vou à polícia denunciá-la.
Você e o monstro que armou toda essa trama infernal.
Não morra enquanto não servir de testemunha para que Aurélia apodreça na cadeia.
Isabela saiu correndo e a enfermeira aplicou um sedativo em Morgana, que estava muito fraca.
Na rua, Isabela rumou para a delegacia mais próxima.
O delegado a ouviu e, devido à urgência do caso, logo tomou as providências que terminariam por prender e condenar madame Aurélia.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:49 pm

20 - O BEM É MAIS FORTE
Isabela chegou em casa esbaforida e com muito ódio.
As emoções que tinha vivido inesperadamente naquela tarde a fizeram entrar em um processo de auto-destruição.
Nunca iria se perdoar por haver colocado uma assassina dentro de sua casa, que acabaria por matar seu próprio filho.
O depoimento que dera na delegacia havia tomado muito seu tempo, mas ainda teria de ir ao hospital pôr fim à vida de Humberto.
Tomou um banho rápido e saiu.
Já no hospital e no horário combinado, ela entrou pela saída de emergência e logo trocou de roupa com Edwiges.
No almoxarifado, enquanto se trocavam, Isabela perguntou um tanto apreensiva:
— Tem certeza de que ninguém da família está aí?
— Tenho sim. Marquei essa hora justamente por não haver visitas na UTI.
A filha dele esteve aqui rapidamente com um rapaz e saiu.
O caminho está livre.
— Explique-me direito.
Tenho medo de mexer no aparelho errado e o plano ir por água abaixo.
Edwiges procurou detalhar o aparelho no qual Isabela deveria mexer e ela ouviu com muita atenção.
Assim Isabela seguiu para o quarto.
Doutor Eduardo estava em sua sala lendo uma revista.
O dia havia sido cheio e ele aproveitava para relaxar.
De repente, um pensamento começou a tomar conta de sua mente.
Ele sentia que precisava ver o paciente Humberto.
Havia acabado de passar na UTI e sabia que ele estava na mesma condição.
O quadro havia se tornado estável e já não havia tanto o que temer; era só esperar ele acordar e fazer os exames para a comprovação de sequelas.
Procurou desviar o pensamento, mas ele não o deixou.
“Você precisa ver o senador Humberto”.
A frase se repetia insistentemente.
Então ele resolveu obedecer e levantou-se.
No quarto, Isabela sorria maquiavelicamente.
Olhou para Humberto e começou a dialogar como se ele pudesse ouvi-la:
— Não adiantou tanta soberba, você está em minhas mãos.
Um dia jurei que seria rica e humilharia a todos que encontrasse.
Você foi minha escada; consegui o que queria e jamais saberia viver na pobreza novamente.
Ou eu, ou você.
Chegou o seu fim, Humberto.
**********
No instante que Isabela iria mexer no oxigénio, doutor Eduardo entrou na sala.
Ela ficou nervosa enquanto ele perguntava:
— Quem é você?
— Edwiges... — falou ela fracamente.
Ele não deu tanta importância ao facto de ela estar de costas e começou a examinar mais uma vez o paciente.
Isabela, com receio de ser surpreendida saiu sem que o médico percebesse.
Rapidamente e de cabeça baixa, ela voltou ao local onde Edwiges a esperava.
— E então? Conseguiu?
— Não. Um médico entrou no momento em que eu ia mexer no aparelho.
Não foi desta vez, mas temos de tentar novamente.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:49 pm

Edwiges não estava gostando daquilo.
Poderia perder o emprego e ser presa como cúmplice.
Aceitara ajudar Isabela pelo dinheiro que ia receber, mas já estava arrependida.
Resolveu aconselhar:
— Por que não desiste de cometer esse crime?
O Humberto vai acordar e você vai poder conversar com ele e pedir perdão.
Estou achando isso muito arriscado.
Hoje é o doutor Eduardo; amanhã poderá ser outro.
Isabela irritou-se:
— Não foi paga para me dar conselhos, e sim para cumprir ordens.
Não gaste o dinheiro que lhe dei.
Caso algo dê errado e eu não consiga fazer o que pretendo, vou querer tudo de volta.
Edwiges resolveu se calar.
Percebeu que estava muito envolvida na trama e não poderia mais voltar atrás.
Isabela se trocou e saiu sorrateira pela mesma porta de emergência pela qual entrara.
Doutor Eduardo examinava Humberto quando, de repente, viu sua mão se mexer.
Continuou observando e notou que o paciente abria vagarosamente os olhos e os fechava de novo, até que acordou de vez.
Humberto, com voz fraca e desorientado, perguntou:
— Onde estou?
O médico feliz por ver seu paciente retornar do coma apenas uma semana depois de haver adoecido, tentou acalmá-lo:
— Não se preocupe com isso agora, Humberto.
O que importa é que você acordou e está bem.
Procure descansar.
Ele continuava confuso:
— Onde está minha filha?
Preciso vê-la.
— Ela não está no momento, mas vamos comunicá-la de que o senhor acordou e em breve ela poderá vê-lo.
Uma lágrima teimosa começou a cair no rosto de Humberto.
Ele sentia que havia feito uma grande viagem e que tinha renascido.
Muito cansado pelo estado que vinha mantendo, voltou a adormecer.
Doutor Eduardo comunicou a nova situação à equipe médica e todas as providências foram tomadas para que o paciente se restabelecesse e ficasse bem.
Isabela chegou em casa muito nervosa.
Passou rapidamente pela sala e foi para o seu quarto.
Aquele dia tinha sido muito intenso para ela.
Numa mesma tarde fora a dois hospitais e a uma delegacia.
Ficou feliz em saber que havia denunciado Aurélia e que em breve ela seria presa.
Precisava saber se havia dado tempo de a polícia tomar o depoimento de Morgana antes que ela morresse.
Sem esse depoimento, ela não teria provas e as coisas ficariam na mesma.
A esse pensamento, um acesso de ódio a acometeu.
Se Aurélia ficasse livre, ela mesma daria um jeito de matá-la com as próprias mãos.
Nunca iria perdoar esse crime contra seu filho.
Estava assim, largada na cama com esses pensamentos, quando a porta do quarto se abriu e Patrícia entrou sorrindo e contando:
— Isabela, um milagre aconteceu.
Acabo de falar com doutor Eduardo e ele me disse que papai saiu do coma.
Diz que está confuso e que perguntou por mim.
Que felicidade!
Isabela ficou branca feito cera.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:49 pm

Tentou não demonstrar o nervosismo que ia em seu peito.
— Quando foi isso?
— Agora há pouco.
Foi muito rápido, mas ele está bem.
A equipe médica vai fazer alguns exames.
Irei agora mesmo ao hospital.
Não deseja vir comigo?
Isabela se sentiu perdida.
Sua vida iria por água abaixo; certamente Humberto se lembraria de tudo e ela não poderia levar a vida de luxo que tanto sonhara.
Precisava pensar no que fazer; para isso deu uma desculpa:
— Não irei agora.
Apesar de estar muito feliz com o restabelecimento da saúde de seu pai, acho que esse primeiro momento deve ser entre você e ele.
Não se preocupe logo depois eu vou.
— Papai vai ficar ressentido sem sua presença...
— Vá primeiro.
Diga que irei em seguida.
Não estou me sentindo bem e quero estar óptima para o reencontro com Humberto.
— Está bem.
De qualquer forma, ele ainda permanece na UTI e não podemos nos demorar muito tempo.
Patrícia se retirou, deixando Isabela a sós com seus pensamentos.
O quarto começou a rodar sem parar.
Estava perdida.
O casamento havia lhe dado alguns direitos sobre os bens de Humberto, talvez o suficiente para levar uma vida boa por largo tempo, mas ela estava habituada a sonhar alto; desejava possuir tudo que era do marido e poder usufruir ao lado de Fernando.
Agora, com Humberto estabelecido, ela certamente seria expulsa da mansão, perderia sua posição e longe da casa ficaria praticamente impossível reconquistar Fernando.
Como amava aquele homem! Daria qualquer coisa para tê-lo somente para si.
Isabela continuou reflectindo até que chegou a uma solução:
— Vou me ajoelhar aos pés de Humberto pedindo perdão — dizia alto para si mesma.
Vou apelar para o lado sentimental que ele tem e tenho certeza de que serei perdoada.
Na frente da filha, ele não terá coragem de fazer nenhuma cena.
Quando estiver a sós, farei de tudo para que me perdoe.
Afinal, que mulher vai querer suportar um homem sequelado e impotente?
Com esse pensamento ficou mais calma.
Deitou e logo adormeceu profundamente.
Na UTI do hospital a emoção tomou conta de Patrícia, que abraçava e beijava o pai com muito carinho.
Lágrimas escorriam pelo rosto de Humberto.
Ele apenas conseguiu balbuciar:
— Eu a amo, minha filha.
Nunca se esqueça disso.
— Eu também o amo, papai.
Doutor Eduardo pediu que fosse encerrada a visita, pois o paciente não podia passar por emoções fortes.
Patrícia saiu do hospital feliz e nem percebeu que no quarto também estavam Flaviana, Diana, Alfredo e Marcos.
Quando Humberto adormeceu logo seu espírito se desprendeu e foi ter com os amigos.
— Quase morri de verdade; a Isabela por pouco não conseguiu.
— O bem sempre é mais forte.
Quando Deus não permite algo, não há nada que o faça acontecer.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:49 pm

Você não necessitava passar por essa experiência, então Deus, com suas leis perfeitas, o protegeu — respondeu Diana sorrindo.
— Tenho medo do que me pode acontecer de agora por diante.
Sinto que não posso perdoar Isabela pelo que me fez.
Não vou conseguir.
Flaviana interveio:
— Lembre-se de que você a atraiu pela sua forma de ser e a perdoe.
O mal só aparece em nossa vida quando damos abertura.
Agora que você aprendeu a lição pode perdoá-la.
Humberto disse com rancor:
— Jamais poderei conviver com ela novamente.
— Deus não obriga ninguém a conviver com quem não quer.
Era a voz de Diana.
— Você pode perdoá-la, mas não viverá a seu lado, ainda mais sabendo do mal que ela pode lhe causar.
Entretanto, não deve ser vingativo.
Dê a ela o que lhe é de direito e permita que siga sua vida.
Mostre que aprendeu a ser generoso e que realmente mereceu a nova chance que a vida lhe deu.
Alfredo abraçou o pai.
— Isso mesmo, pai.
É hora de recomeçar.
Ninguém pode viver em paz sem perdoar seus desafectos.
Além do mais, você sabe que a felicidade lhe está reservada ao lado de Sílvia e na hora exacta vocês se entenderão.
Liberte Isabela para que possa ser feliz.
— Tentarei, mas o Fernando...
Esse me paga!
Juro que não deixarei que ele destrua a vida de minha filha.
Diana olhou-o firmemente.
— Fernando não é uma pessoa completamente má, apenas está usando o que aprendeu com a educação equivocada que recebeu de Marília.
Mas ele é forte e vai melhorar.
Nossos irmãos maiores garantem que Fernando vai se voltar ao bem e que ama realmente a sua filha.
Não podemos esquecer que o amor faz milagres.
Quando se casar vai se tornar um marido fiel e compromissado com o lar que Deus lhe confiou.
Se tentar separá-los vai cortar uma programação do destino.
Patrícia tinha de se unir a Fernando na presente encarnação, não se esqueça disso.
Humberto cedeu um pouco a esse argumento e logo voltou a sentir sono.
Os amigos aplicaram passes em todo o seu corpo perispiritual e em pouco tempo Humberto estava novamente adormecido.
Com cuidado, eles o recolocaram no corpo físico.
Terminado o trabalho, Flaviana comentou:
— Fico feliz em vê-lo bem, apesar de saber que ainda terá de enfrentar muitos desafios para encontrar a felicidade.
Diana aquiesceu:
— Infelizmente o ódio que ele alimenta por Isabela ainda poderá lhe trazer muitos factos desagradáveis.
Mas Deus está atento e nada acontece sem sua permissão.
Vamos orar e confiar.
Marcos estava preocupado.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:50 pm

— As formas ovóides ainda estão instaladas em seu corpo físico.
Quando meu pai se livrará delas?
— Humberto se comprometeu muito quando usou o sexo de forma desregrada.
Mas o amor cura tudo.
Quando ele estiver com Sílvia e novamente sentir o amor pulsando em seu peito, ficará curado.
As obsessões são um santo remédio.
Cada um precisa tomar de seu próprio veneno para poder crescer e evoluir.
A força do amor é infinita e da próxima vez que ele se relacionar sexualmente com alguém por amor estará livre dos parasitas.
Flaviana corou; não estava acostumada a ouvir falar de sexo tão abertamente.
Diana percebeu.
— Não precisa se envergonhar, o sexo é uma energia natural que emana da Divindade para todos nós.
Ele foi criado para várias funções e o prazer, a troca magnética e a reencarnação são apenas algumas delas.
Na verdade, o sexo é um dos alimentos da alma.
Mas quem o pratica de forma ilícita, por machismo, por vício ou por comércio acabará por se conduzir ao vale da dor por meio de obsessões ou doenças físicas.
Infelizmente, muitos ainda não aprenderam a respeitar esse sagrado instituto.
Os outros concordaram.
Em seguida se retiraram do quarto deixando apenas dois enfermeiros espirituais velando por Humberto.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:50 pm

21 - DE VOLTA PARA CASA
Madame Aurélia foi presa logo após o depoimento de Morgana.
A polícia pressionou e ela acabou confessando o crime, o que tornou o processo mais fácil.
A Mansão de Higienópolis foi interditada, pois logo após a prisão da madame um telefonema misterioso informou que havia prostituição de menores, o que foi facilmente comprovado.
Sendo assim, madame Aurélia iria ser julgada por crime hediondo de infanticídio e exploração sexual de menores.
Os políticos que protegiam a casa, temerosos quanto ao escândalo, desapareceram, e muitos deles não conseguiam entender por que a casa que tanto prezava em só trabalhar com mulheres maiores de idade se envolvera numa situação daquelas.
Eles ignoravam que Luana havia dado a ideia à sua patroa.
Ela descobrira que o comércio da pedofilia estava dando mais dinheiro que o do sexo comum.
Depois de algum tempo de resistência, madame Aurélia acabou aceitando.
Juntas, ela e Luana foram às ruas à procura de garotas que estivessem saindo da infância e que se encontrassem em situação precária.
Por fim, acabavam conseguindo até a autorização dos próprios pais.
Rapidamente a casa triplicou em facturamento, até que a bomba do assassinato de Daniel estourou.
Sem lugar para morar, as moças acabaram indo para outras redes de prostituição, com excepção de Luana, que havia conseguido juntar algum dinheiro.
Passou a viver de aluguel e independente, voltou a fazer programas no sinal.
Se voltarmos no tempo alguns dias, vamos encontrar Isabela nervosa em seu quarto na mansão.
Era o dia que Humberto voltaria para casa.
Ela não havia ido ao hospital.
Patrícia perguntava e ela respondia com evasivas; por outro lado, Humberto apenas perguntava pela esposa para não levantar suspeitas.
Sentia-se traído, mas ao saber que Isabela havia retornado para casa não teve coragem de contar a verdade ao ver Patrícia bem e feliz.
Ainda teria de aturar Fernando, porém ele jurou para si mesmo que iria fazer de tudo para separá-lo da filha.
Doutor Eduardo e mais outros médicos o examinaram e felizmente as sequelas do AVC seriam poucas.
Humberto teria de andar com uma muleta, pois seu lado esquerdo estava levemente esquecido.
Todavia, com exercícios constantes e disciplinados ele poderia voltar a ter uma vida normal.
Humberto renasceu.
O facto de pensar que poderia estar paralítico ou morto fez com que uma mudança muito grande se estabelecesse na personalidade dele.
Já não pensava em se vingar de Isabela; sabia que poderia acusá-la de adultério e ela não levaria nada do casamento, mas para fazer isso ele teria de envolver
Fernando, e nada nesse mundo era mais importante do que a felicidade da filha.
Isabela desceu as escadas quando viu o movimento.
Humberto adentrou a sala apoiado por Fernando e Patrícia e, ao vê-lo, ela fez uma cena.
Correu a abraçá-lo e beijá-lo enquanto dizia chorando:
— Meu amor, que bom que retornou com saúde.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:50 pm

Esta casa não é nada sem sua presença.
Perdoe-me por não ter ido ao hospital.
Não queria vê-lo naquele sofrimento, em um quarto de hospital.
Preferia vê-lo como agora, firme e com saúde.
Humberto precisou ter muita força para aguentar tanto fingimento.
Retirou delicadamente as mãos da esposa de seu rosto e limitou-se a responder:
— O que importa é que estou com saúde e bem.
Gostaria que todos soubessem que sou grato pela preocupação que tiveram comigo.
Muitos amigos da política daqui a pouco estarão aqui, mas eu sei que a maioria deles virá aqui por fingimento.
Sei que só minha família realmente se preocupou comigo, principalmente a minha filha Patrícia.
Os familiares se enterneceram.
Patrícia, olhos cheios de água, disse:
— Não diga isso.
Apesar de tudo existem amigos políticos que não são tão interesseiros assim.
O Andrade e o Rodrigo, por exemplo, estavam preocupados de verdade.
Não deixaram de ligar um dia sequer para saber como o senhor estava.
Isabela interrompeu solícita:
— Acho que essa ocasião tão feliz merece um brinde. Humberto não pode beber ainda, mas podemos comemorar de outra forma.
Mandei a empregada fazer um lanche para quando vocês chegassem; vou pedir a Eudásia que traga aqui.
Antes de Isabela chamar, Eudásia já estava na sala anunciando que havia visita para o senador.
Todos se admiraram ao ver Sílvia chegar com um buquê de rosas vermelhas nas mãos.
Patrícia foi recebê-la com muita alegria.
— É um gosto tê-la aqui.
— Eu é que me sinto muito feliz em saber que Humberto já se restabeleceu e saiu sem muitas sequelas.
Virando-se para ele, explicou:
— Essas flores são para você.
Sei que os homens são um tanto machistas, mas não pude deixar de trazer com essas flores energias positivas para sua casa.
Aceite-as com carinho.
Os olhos de Humberto brilharam e nesse momento ele percebeu o quanto Sílvia era bonita e bem-educada.
Seu coração acelerou e sentiu um brando calor envolver-lhe o peito.
— Aceito, sim.
Sua visita só veio tornar meu dia ainda mais feliz.
Sabe o quanto lhe sou grato pelas nossas conversas no centro.
Ajudaram-me bastante.
— No centro sempre fazíamos vibrações positivas por você.
Deus lhe deu uma segunda chance; saiba aproveitá-la da melhor maneira possível.
Humberto estava sério ao tornar:
— Vou aproveitar sim.
De hoje em diante, muitas coisas vão mudar em minha vida.
Sei que essa minha doença foi um alerta.
A partir de agora, serei outra pessoa.
— É assim que se fala.
Se a cada problema parássemos para analisar o que a vida quer nos ensinar, logo estaríamos livres dele.
A presença de Sílvia alegrou o ambiente e eles ficaram muito à vontade.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:50 pm

Todavia, por um mínimo instante, Isabela percebeu que os olhos de Sílvia e Humberto se encontraram com amor e um grande ódio tomou conta de seu ser.
Durante o tempo inteiro procurou fingir estar alegre, mas cada vez que percebia a troca de olhares ficava enraivecida.
Ela pensava em reconquistar o marido e nada nem ninguém iria impedir.
O lanche terminou e o dia transcorreu com algumas visitas de amigos de Humberto.
À noite, quando todos se recolheram, ele puxou Isabela com violência e a fez sentar-se na cama.
— O que pensa que está fazendo ainda em minha casa?
Acha que esqueci de tudo?
Foi por sua causa que tive esse derrame e quase morri.
Quero você longe daqui.
Ela sentiu-se tremer, mas havia pensado bastante nesse instante e não podia perder o controlo.
Falou quase chorando:
— Humberto, sei que o que fiz foi muito grave.
Mas entenda que o Fernando me seduziu e eu, iludida, caí na tentação.
Porém, posso garantir que sempre o amei e estou arrependida.
Jamais farei isso de novo.
Deixe-me ficar; você foi o que me restou nessa vida. Eu o amo.
— Não vou cair mais nas suas armadilhas.
Você nunca me amou, amou apenas o meu dinheiro e a minha posição social.
Mas amanhã mesmo darei entrada em nossa separação.
Dê-se por feliz em não deixá-la sem nada.
O que é seu de direito você vai levar, mas não quero vê-la nem mais um dia na minha frente.
Aliás, amanhã terá uma festa aqui com meus amigos políticos, que Patrícia organizou.
Como não desejo estar sozinho, nem quero que eles saibam que é uma mulher venal e sem escrúpulos, quero que me acompanhe amanhã nessa recepção.
Mas, depois, quero que saia desta casa e, desta vez, para sempre.
Ela se ajoelhou a seus pés e implorou:
— Não faça isso comigo.
Não desejo sair do seu lado nem ser colocada à margem da sociedade.
Sei o que é a pobreza, sei o que é ser humilhada pelas pessoas e olhada de soslaio pelos ricos.
Não desejo, não posso nem quero mais viver assim.
Dê-me uma segunda chance.
Eu lhe imploro!
Humberto estava irredutível.
Sentia muita raiva daquela mulher falsa, que fora capaz de traí-lo com o namorado de sua filha.
— Não se humilhe tanto, pois de nada adiantará.
Já tomei minha decisão.
Isabela, com muito ódio bradou:
— Eu sei, eu sei que a Sílvia está por trás disso.
Pensa que não percebi seus olhares de amor para ela?
Mais saiba que onde estiver eu não deixarei que seja feliz com ela.
Você é meu e ninguém vai me tirar.
Juro que nunca o deixarei para ela, nem que para isso seja preciso matar!
Humberto, mesmo fraco, agarrou os pulsos de Isabela e falou em voz rouca de ódio:
— Tente fazer algo contra a Sílvia e eu mesmo darei um jeito de acabar com você.
Agora se retire e vá dormir no quarto de hóspedes.
Tenho nojo de você!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:50 pm

Isabela percebeu que não havia como reconquistar o marido e retirou-se em prantos.
No outro quarto, deitada na cama, ela não conseguia organizar os pensamentos.
Parecia que sua cabeça ia explodir a qualquer momento.
De repente, lembrou-se que Fernando estava dormindo na mansão.
Ao pensar nele, um sentimento violento de paixão se apoderou dela.
Sentia que se não conquistasse esse homem, sua vida não valeria mais a pena.
Insone, resolveu andar pela casa.
Passou pelas salas e admirou-se mais uma vez com o bom gosto com o qual a mansão era decorada.
Ao pensar que ia perder aquilo e passaria a viver longe e sem chances de ver Fernando, ela teve vontade de chorar.
A vida tinha lhe tirado tudo:
o filho, a riqueza, o status, e, o principal, o amor de Fernando.
Foi até o bar, encheu um copo e tomou de uma vez.
Quando já ia subir percebeu que Fernando ia descendo as escadas vestido com um roupão.
Aquela visão deixou Isabela completamente transtornada e fora de si.
Ela correu e o abraçou:
— Você é quem mais amo neste mundo.
Por favor, não me deixe!!
Ela soluçava e Fernando não sabia o que fazer.
Havia descido para tomar água e jamais imaginava encontrar Isabela àquela hora naquele estado.
— Não quero mais nada com você.
Se sabe disso, por que insiste?
— Perdi tudo.
Se eu perder o seu amor, não sei o que serei capaz de fazer.
— Faça o certo.
Vá embora daqui; sua presença é indesejável.
Com você vivendo nesta casa jamais poderia ser feliz com a mulher que eu realmente amo.
Vá embora e procure viver com o pouco que lhe restou.
Você é bonita, logo estará com outro amor.
Mas, por favor, me deixe em paz!
Ela chorava abraçada a ele, sem querer soltá-lo.
Fernando tinha uma índole violenta e sem conseguir conter a repulsa, arremessou-a com força.
Isabela caiu.
— Nunca mais se aproxime de mim.
Minha futura mulher não merece nem que eu olhe para você.
Sem mesmo tomar sua água, Fernando voltou para o quarto.
Constatou que Patrícia dormia tranquila e ficou aliviado.
Se Isabela continuasse daquela maneira, ele mesmo daria um jeito de sumir com ela para sempre.
Temia que, mesmo morando distante, ela fosse interferir e acabar com seu relacionamento.
Se isso acontecesse, ele não titubearia em matá-la.
Na sala, Isabela chorou muito.
Quando se acalmou e tomou consciência de que não poderia mais estar com Fernando nem reconquistar Humberto, tomou uma decisão.
A ideia foi tomando forma em sua mente e ela parecia estar serena ao ter resolvido a situação.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Dez 27, 2017 8:51 pm

Disse em voz alta:
— Amanhã na hora da festa saberei o que fazer.
Ninguém vai desconfiar de nada e sei onde Humberto guarda seu revólver.
Está tudo planejado. Essa é à saída de minha vida.
Os vultos deformados de Juvêncio, Romário e seus amigos rodopiavam ao redor dela e sorriam felizes.
Um falava em seu ouvido:
— Isso mesmo.
Essa é a melhor saída para você.
Não hesite, faça exactamente como pensa.
Após rodopiarem, eles pararam, e Juvêncio concluiu feliz:
— Deu trabalho, mas finalmente ela vai fazer o que tanto desejamos.
Amanhã será o grande dia.
Romário alertou:
— Mesmo assim temos de ficar vigilantes.
Sinto que os espíritos da luz estão nessa casa acompanhando Patrícia e a tonta da Eudásia.
Se não ficarmos atentos, eles podem colocar tudo a perder.
Juvêncio ria a valer.
— Não se preocupe, já magnetizamos Isabela o suficiente para que ela não desista da ideia.
Vê essas formas-pensamento que plantamos ao redor de sua cabeça?
Pois é, são elas que vão influenciá-la de agora por diante.
Romário estava mais confiante:
— Como é fácil dominar as pessoas da Terra e obrigá-las a fazer o que queremos.
É como tirar doce de criança.
Juvêncio tornou:
— Nem sempre.
Lembra aquele curso que tomamos de influenciação?
As pessoas positivas, que vêem tudo com bons olhos, que não cultivam pensamentos depressivos, que fazem o Evangelho no Lar e que cultivam a oração não são influenciadas por nós. Delas nem conseguimos nos aproximar.
Mas, felizmente, boa parte das pessoas adora falar sobre negatividades, crimes, vida alheia, criticar e julgar...
Com estes conseguimos tudo muito facilmente.
— É mesmo. Isabela é uma delas.
Pessoas assim são pratos cheios para nós.
Os espíritos riram bastante.
— Agora vamos continuar aqui.
Não desejo perder o espectáculo — falou Juvêncio.
Isabela, com muita dor de cabeça e com certa dificuldade subiu as escadas, foi para o quarto.
Quase não conseguiu dormir pensando na solução que havia tomado.
Só quando o dia clareou foi que ela conseguiu adormecer.
Na manhã do dia seguinte, a casa estava em animação.
Os preparativos estavam sendo concluídos com muito carinho para comemorar o retorno de Humberto à vida e à saúde.
Patrícia havia se esmerado e não queria que nada estivesse fora de ordem, desde a decoração até os petiscos que encomendara.
Isabela participou da organização com muito entusiasmo.
Quem a visse nem de longe imaginaria a terrível decisão que ela havia tomado no dia anterior.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Dez 28, 2017 9:13 pm

À tardinha, quando se arrumava no quarto, Humberto indagou:
— Estou achando você muito feliz em vista do que aconteceu ontem.
O que está tramando?
— Eu? Nada!
Apenas me conscientizei de que não posso mais viver aqui com você.
Uma vez que não tenho mais esse direito, não vou ficar me lamentando.
Desejo ser a esposa perfeita hoje.
É meu último dia nesta casa e não quero causar uma má impressão aos seus convidados.
Humberto achou estranho, mas nada comentou.
Depois de um tempo calado, tornou:
— Não sei se fiz bem em ter feito você ficar aqui hoje.
Nosso casamento se tornou uma farsa e, mais dia, menos dia, os meus companheiros vão saber que me separei.
Estou me sentindo meio ridículo.
— Não se preocupe, é melhor que eu fique hoje.
Depois, com o tempo, você dá a explicação que quiser para eles.
A impressa vai cobrir o acontecimento e não é bom você estar desacompanhado.
Ele cocou o bigode.
— Tem razão, porém amanhã quero você o mais longe possível de minha família.
Saiu e bateu a porta.
Isabela olhou-se no espelho e murmurou boca crispada:
— Não sabe o que o aguarda.
A noite estava bonita, contribuindo para deixar a festa mais agradável.
Logo a mansão ficou cheia de gente importante da sociedade paulistana.
Os amigos cumprimentavam Humberto e o felicitavam pelo seu restabelecimento.
Isabela também recebia os cumprimentos e sorria para todos.
A certa altura, Humberto parou a música e, emocionado, agradeceu aos companheiros, falando da importância de estar vivo e praticamente recuperado.
Teceu seus comentários políticos e até arrancou risadas dos presentes.
Em seguida, num gesto pouco usual, Isabela pediu a palavra.
— Gostaria de lhes contar uma história que poucos conhecem, mas que vão gostar de saber.
Peço que me deixem ir até o fim em meu discurso e que não me impeçam, aconteça o que acontecer.
Humberto começou a ficar nervoso.
O que será que ela iria dizer?
Isabela continuou:
— Sou de origem muito pobre.
Vivi vários anos de miséria em uma favela, fui estuprada e tive um filho.
Quando achava que não havia mais saída, convidaram-me a me prostituir em um famoso bordel:
a Mansão de Higienópolis.
Lá conheci o senador Humberto, que sempre quis dar uma de certinho, porém sempre gostou desse tipo de lugar.
Ele se apaixonou por mim, mesmo casado, e me trouxe para esta casa como enfermeira de sua mulher doente.
Nós nos amávamos no quarto ao lado de onde sua mulher estava enferma.
As pessoas começaram a falar baixinho umas com outras, mas logo se calaram ao ouvir a voz de Humberto:
— Alguém detenha essa mulher!
Ela gritou, tirando um revólver que estava sob sua roupa.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Dez 28, 2017 9:13 pm

— Ninguém se aproxime ou vai morrer.
Eu vou até o fim.
Apontou a arma para as pessoas.
Fotos começaram a ser tiradas e o repórter que estava cobrindo o evento se aproximou ávido pelo furo que iria conseguir.
Ela prosseguiu, transtornada:
— Quando vi que Flaviana iria demorar a morrer e meu sonho de ser rica seria adiado, resolvi me precipitar e a matei, sufocando-a com o travesseiro.
Estão surpresos?
Foi isso mesmo que ocorreu.
Matei Flaviana.
Fui eu que tirei aquela vida inútil e que me roubava à felicidade.
Casei-me com Humberto e realizei meu sonho de ter a vida com a qual sempre sonhei e que até então me fora negada.
Mas o destino me fez conhecer Fernando no dia em que me casei.
A partir daí, me apaixonei perdidamente, e ele correspondeu.
Vivemos uma louca história de amor, mesmo ele estando com Patrícia.
Virou-se para Patrícia e falou, rindo alto:
— Como pode ver, você foi enganada esse tempo todo.
Seu noivo é um pulha.
Estava comigo interessado em meu dinheiro, e está com você só porque é rica e pode oferecer o que ele nunca teve.
Humberto ficou impotente e está até hoje.
Não consegue mais manter relações sexuais com nenhuma mulher, o que para mim foi um alívio, pois não aguentava mais que me tocasse.
Agora que fiz o que pretendia, vou deixar essa festa inesquecível.
O facto se deu repentinamente.
Ela virou o revólver para sua cabeça e disparou um tiro, caindo morta no chão.
Patrícia desmaiou e Humberto passou mal.
Os convidados saíram um a um, estarrecidos com a situação.
A polícia foi informada e quando chegou ao local já não tinha muito que fazer.
Ficou claro o ato suicida, e o corpo foi removido para o IML.
Na mesma noite, em todos os noticiários, o assunto bombástico era a vida íntima de Humberto e a morte trágica de sua mulher...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Dez 28, 2017 9:14 pm

22 - RENÚNCIA
É isso mesmo que deseja?
Já pensou bem?
Era a voz de Diana questionando com firmeza sua interlocutora.
— É isso sim — respondeu Lourdes com segurança.
Sinto que devo seguir meu coração, e ele não me engana.
Partirei hoje mesmo para o Vale dos Suicidas.
Diana ponderou:
— Sabe que não vai poder auxiliá-la como gostaria e correrá sérios perigos.
Aqui está protegida e poderá auxiliá-la muito mais.
— Não irei sozinha.
Alfredo e Marcos também estarão comigo.
Estamos unidos pelos laços do amor verdadeiro.
Amamos Isabela e queremos a sua felicidade.
Infelizmente, não pudemos evitar o ato tresloucado do suicídio, mas vamos estar ao seu lado até que se arrependa e se redima.
Daniel, o único ser a quem ela realmente amou, se prepara para reencarnar e não poderá nos acompanhar nessa jornada.
Flaviana estava reunida com eles.
— Não saberia renunciar a um lugar como este para descer ao inferno.
Admiro seu acto de coragem, mas não tenho essa força.
Antes que Marcos e Alfredo falassem, Lourdes continuou:
— O dia que sentir a chama do amor incondicional em seu peito saberá que toda renúncia é válida e que os obstáculos são facilmente vencidos quando estamos munidos com esse sentimento.
Não tememos o que vamos encontrar naquele lugar, pois estamos sob a protecção do amor divino.
Então, Diana, podemos partir?
— Já avisamos que outros caminhos podem levar a resultados melhores.
Isabela está dementada e não consegue se livrar de seus algozes.
Raros são seus momentos de lucidez.
Aqui estará protegida e podemos auxiliar sempre que necessário.
Contudo, não podemos interferir no livre-arbítrio de vocês.
Quando a renúncia é de coração, o universo nos protege.
Podem partir; nossos maiores concederam permissão.
O momento foi de muita emoção.
Lourdes foi abraçada por Flaviana, que não deixou de perguntar:
— Você foi tão humilhada pela sua filha!
Como ainda consegue se sacrificar a tal ponto?
— O amor de mãe abre as portas para o amor incondicional.
Se fossem Marcos e Alfredo que estivessem lá, não faria o mesmo?
— Penso que sim.
Mas é difícil saber que meus filhos vão se distanciar de mim para ajudar uma mulher que foi sua mãe em uma vida longínqua.
Não consigo entender.
Marcos explicou:
— Aquela encarnação foi muito importante para nós.
Trazemos laços de amor que nos unem a Isabela.
Mais uma vez, ela fracassou e perdeu a oportunidade de ser feliz, mas no que depender de nós um dia ela vai conseguir.
Compreenda mãe, amamos a senhora tanto quanto amamos aquela que um dia também nos gerou.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Dez 28, 2017 9:14 pm

O verdadeiro amor não pode ser egoísta.
Aqueles a quem amamos de verdade nem o tempo consegue afastar.
Flaviana sentiu os olhos umedecer.
Beijou os filhos e desejou-lhes boa sorte.
Ela não conseguia entender o tamanho daquela renúncia.
Abandonar um lugar como aquela colónia maravilhosa para sofrer os tormentos do vale tenebroso.
Ainda bem que reencontrara Aurélio, um espírito amigo que a estava auxiliando bastante e, dessa maneira, não iria se sentir tão só enquanto os filhos estivessem distantes.
Após as bênçãos de outros amigos da colónia, eles partiram.
Em questão de segundos estavam em um lugar escuro, cheio de lama e névoa.
Pessoas gemiam e se contorciam, as árvores eram secas e não havia vegetação rasteira.
Lourdes começou a sentir dificuldades em respirar; Marcos e Alfredo também.
Então ela lembrou:
— Vamos orar mais uma vez e pedir protecção a Deus.
Assim como nós, muitos outros estão aqui para socorrer e ajudar.
Trouxemos todos os apetrechos que vamos utilizar para amenizar o sofrimento de Isabela, mas sabemos que não vai ser fácil.
Ela está em estado de loucura e não reconhece ninguém.
Eles fizeram uma sentida prece a Deus pedindo protecção.
Ao terminar, Marcos indagou:
— Será que todos os que se suicidam ficam assim?
Connosco aconteceu o mesmo.
— Pelo que pude estudar cada caso é um caso.
Existem suicidas que não vêm para esse vale; ficam presos ao local do crime durante anos revivendo a cena que os levou à morte.
Outros ficam presos no corpo e sentem o horror dos vermes destruindo seu envoltório físico; há também aqueles que mesmo aqui no vale logo recobram a lucidez e sofrem muito por descobrirem que continuam vivos e que os problemas estão maiores.
O suicídio sempre será a falta mais grave que o ser humano comete para com as leis divinas.
Isabela, em espírito, foi conduzida para esse vale inconscientemente pelos espíritos que a acompanhavam no dia-a-dia.
Ao acordar e se dar conta da situação, desesperou-se, gritou muito e desmaiou várias vezes.
Sempre que acordava, via Juvêncio, Morgana e outros espíritos que foram suas vítimas desde outras reencarnações.
Esses espíritos acabaram por enlouquecê-la e ela não sabe mais nem onde está nem quem é.
Alfredo estava preocupado:
— Começo a acreditar que erramos em ter vindo para cá.
Esses espíritos não vão permitir nossa aproximação e podem nos fazer mal.
— Não pense assim.
Estamos vibrando numa sintonia diferente e por isso eles não poderão nos ver.
Nossa tarefa principal é enviar pulsos magnéticos a seu perispírito para que ele não se deforme e vire uma massa disforme ou um ovóide.
Alfredo se lembrou:
— Ovóides são aqueles seres que estão presos ao meu pai?
— Sim. No tempo que aqui estou procurei aprender e entendi muitas coisas.
Ovóides são espíritos que perderam toda a forma humana devido a sentimentos negativos, e se transformaram em massas arredondadas portadoras de muitas energias destrutivas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Dez 28, 2017 9:14 pm

Não desejo que minha filha fique assim.
Agora vamos em frente que a tarefa nos espera.
Eles andaram sobre corpos dilacerados de pessoas que gritavam desesperadamente.
Depois de um tempo, encontraram Isabela sozinha deitada sobre uma poça de lama.
Aproximaram-se e começaram a aplicar passes em seu perispírito.
Aos poucos ela foi se acalmando.
Mas, em questão de segundos, o grupo de Juvêncio chegou e começou a rodopiar ao seu redor, rindo dela e a violentando como podiam.
Então ela voltava a chorar e a gritar.
Dez anos depois, Lourdes e o restante do grupo finalmente conseguiram sua libertação.
Ela passou por um breve tratamento, mas não conseguia recobrar a lucidez.
Os mentores se reuniram e perceberam que a única chance de ela melhorar seria uma nova reencarnação.
Lourdes participou activamente de tudo até o dia em que sua filha amada mais uma vez regressou ao palco da Terra.
**********
As revelações que Isabela fizera durante a festa, como era de esperar, tinham provocado muita revolta em Patrícia, que passou a odiar Fernando com todas as forças de seu coração.
Humberto também sentiu-se envergonhado porque suas intimidades foram ditas com requintes de crueldade, e passou a não sair mais de casa.
Seu estado de saúde voltou a piorar e ele não conseguia recuperar os movimentos perdidos.
Naquela tarde, a mansão se encontrava em estado sombrio.
Humberto estava na sala e Patrícia, em seu quarto, reclusa.
A campainha soou e Eudásia foi abrir. Era Sílvia.
Humberto só conseguia se sentir bem quando ela aparecia.
Quando ficaram a sós, ela explicou:
— Vim para conversar com a Patrícia.
Sei que ela não quer ver ninguém porque está se sentindo traída, mas não posso deixar que cometa a maior bobagem de sua vida por orgulho.
Posso subir?
— Pode, sim.
Mas quando vou ter sua companhia?
Sabe o quanto gosto de você e o quanto tem me ajudado.
Sílvia corou.
Havia muito tempo descobrira que amava Humberto, mas sentia receio de não ser correspondida.
Limitou-se a dizer:
— Não se preocupe, teremos muito tempo para conversar.
Subiu em direcção ao quarto, bateu levemente e entrou.
Patrícia chorava abraçada aos travesseiros.
Sua barriga estava grande, pois contava com seis meses de gestação.
Ao perceber de quem se tratava, limpou os olhos e sentou-se na cama.
Sílvia foi directo ao assunto:
— Vim porque sou sua amiga e não posso deixar que cometa um erro que vai fazê-la infeliz pelo resto da vida.
Sei que está assim por orgulho.
Sentiu-se enganada e a imagem perfeita que fez do Fernando desmoronou, mas é hora do perdão.
Só será feliz se perdoar.
Ela respondeu com revolta:
— Diz isso porque não está na minha pele.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Dez 28, 2017 9:14 pm

Fui enganada todo esse tempo.
O homem que imaginei perfeito para mim é leviano, infiel e interesseiro.
Não posso perdoar a quem me fez tanto mal.
— A desilusão dói, mas ela é melhor do que qualquer mentira.
Você descobriu que na Terra ninguém é perfeito, por mais que pareça ser.
A verdade foi dura, mas necessária.
Agora você sabe que Fernando é só um homem com defeitos e qualidades, e, mesmo que não queira, ainda ama esse homem.
Na vida há sempre caminhos para escolher, mas, feita a escolha, teremos de arcar com as consequências.
Você pode escolher perdoá-lo agora e viver feliz ou continuar mimada e orgulhosa, e ser infeliz para sempre.
A escolha é sua.
Patrícia falou com voz chorosa:
— Como posso perdoar alguém que me traía sem nenhum remorso?
Como posso querer perto de mim uma pessoa que está interessada apenas em meu património?
Já escolhi, vou viver sozinha e me dedicar só a este filho que está para nascer.
Sílvia não se deu por vencida:
— Você está escolhendo a infelicidade.
Fernando se modificou muito nesses seis meses que está longe de você.
Passou a frequentar o centro e tem desabafado comigo.
Ele se sente culpado pela morte de Isabela e sente-se infeliz por vê-la sofrer.
Acredite, ele a ama de verdade.
Pode ter se aproximado de você por interesse, mas está mudado e disposto a se regenerar.
Ademais, ninguém encontra ninguém pela primeira vez aqui na Terra.
Há entre vocês laços fortes de vidas passadas que não podem se romper por egoísmo.
Pense que seu filho precisa de um pai e de uma família para que cresça em segurança e se firme, mas antes de tudo pense em você mesma.
Se o ama, passe por cima do orgulho e volte para ele.
A vida só vale a pena quando vivida com felicidade.
Sílvia falava de maneira decidida e olhava dentro dos olhos de Patrícia.
— Confesso que estou melhor com sua presença.
No momento estou muito confusa para tomar uma decisão, mas me sinto muito infeliz desde que me separei do Fernando.
— Você foi radical e não deixou que ele se explicasse.
Não acha que chegou a hora?
— Penso que sim.
Não suporto mais ficar neste quarto chorando.
— Ninguém aguenta a infelicidade por muito tempo.
O estado natural do ser humano é a alegria; ser infeliz é lutar contra a natureza, que nos fez para o amor e a abundância.
Patrícia a abraçou fortemente.
Ao descer as escadas, já com um sorriso nos lábios, ouviu Humberto comentar:
— Realmente, Sílvia, você faz milagres.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Dez 28, 2017 9:15 pm

EPÍLOGO
Dez anos se passaram. Patrícia ainda demorou bastante para perdoar Fernando, o que aconteceu quando o primeiro filho deles veio ao mundo.
Ele chorou sentidamente, pediu perdão, ajoelhou-se aos seus pés e declarou seu amor.
Ela, auxiliada por Sílvia e por amigos espirituais, venceu o orgulho e admitiu que o amava profundamente.
Foram dias felizes para eles.
Planeando terminar sua faculdade de Psicologia, ela não teve mais filhos durante largo tempo.
Casou-se com Fernando no mesmo dia em que seu pai casava-se com Sílvia.
Foi uma cerimónia muito bonita, mas simples, totalmente diferente do luxo que Marília esperava.
Mas ela se sentia feliz.
Agora seu filho amado pertencia a mais alta sociedade.
Pressionado pelos seus sentimentos, Humberto se declarou a Sílvia e ela, apaixonada, também revelou que o amava desde que se encontraram pela primeira vez no centro espírita.
Quando se amaram pela primeira vez, Humberto livrou-se da impotência e sentiu-se um novo homem.
Pensou em abandonar a política.
Agora que havia conhecido a espiritualidade, percebeu a gravidade dos erros que havia cometido com as corrupções junto ao governo e as outras que o beneficiaram particularmente.
Acreditou que se afastando estaria imune às tentações, todavia Sílvia o fez pensar diferente, mostrando que agora ele poderia agir com honestidade, reparando assim seus antigos erros.
Disse-lhe que na política Deus une os homens em reajustes do passado longínquo e que quando cada homem amar seu semelhante como ama a si mesmo a corrupção deixará de existir.
Humberto sentiu-se seguro para continuar e dessa vez trilhou um caminho recto e pautado pela ética.
Sendo assim, deu um grande passo rumo à própria evolução.
A mansão voltou a ser um lar feliz com Fernando, Patrícia, o pequeno Lucas, Sílvia e Humberto.
Ninguém mais falava de Isabela.
Às vezes, Eudásia se lembrava de sua amiga e fazia-lhe preces.
Sílvia também, sempre que ia ao centro, enviava-lhe vibrações de amor.
Mas os outros ainda sentiam mágoa pelo que haviam passado e não conseguiam perdoar.
No entanto, a vida não deixa nenhuma situação inacabada e eis que depois de quase dez anos Patrícia novamente engravida.
oi uma alegria geral, mas que durou pouco tempo.
O obstetra percebeu que o feto estava com malformação no cérebro, e que a criança poderia nascer e viver com muitas limitações.
Foi um choque geral.
Augusta, agora já desencarnada e em equilíbrio, passou a ajudar a neta com energias positivas naqueles nove meses de gestação complicada.
O nascimento da criança, no entanto, provocou em todos um sentimento de compaixão, e cada um deles passou a amar a pequena Andressa com muita intensidade.
Os primeiros anos foram difíceis.
A criança não caminhava nem entendia o que as pessoas falavam, mas demonstrava estranho brilho no olhar sempre que Fernando se aproximava.
Às vezes se agitava e emitia pequenos sons, como há dizer que muito sofria, e só se acalmava quando o pai a acalentava ou a colocava no colo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Dez 28, 2017 9:15 pm

Um dia, um médium foi procurar a família.
Havia uma carta que havia sido psicografada no centro durante uma sessão íntima que se endereçava a eles.
A família se reuniu para ler e cada palavra que Humberto pronunciava causava muita emoção:
"Queridos amigos e familiares que deixei na Terra:
hoje, com a permissão de Deus e dos espíritos superiores, posso vir revelar alguns fatos que se ocultam por trás da matéria.
Quando parti deixando meu corpo de carne doente, não entendi o que se passava comigo e me revoltei.
Humberto, o homem que mais amei, havia me traído e me trocado por uma mulher que mais tarde viria a tirar minha vida.
Oh! Eu não sabia que Deus sempre faz tudo certo e resolvi cobrar a vingança.
Cedo descobri que esse caminho só me trouxe infelicidade e, com ajuda de amigos, consegui acabar com minhas ilusões e olhar a vida como ela é.
Como a aceitação nos faz bem!
Percebi que Humberto é apenas um ser humano e, como tal, errou e ainda vai errar outras vezes para crescer.
Aprendi que o erro é uma condição natural para a evolução e parei de me culpar pelo que fiz da minha própria vida.
Quando casei, enterrei minha juventude em nome dos papéis sociais, achando que assim seria feliz.
Coloquei toda a minha alegria em meu marido sem perceber que não são os outros que fazem nossa felicidade, que ela só pode vir de nós mesmos.
Resultado: atraí a rejeição e a doença.
Hoje sei que tudo que nos acontece vem de nossas próprias atitudes e estou disposta a mudar, ser feliz!
Quero dizer que todos vocês deram um passo muito grande na senda da evolução.
Mamãe venceu os preconceitos e aprendeu que ninguém é melhor que ninguém, que riqueza e poder só valem mesmo quando estamos caminhando com a verdade.
Humberto se tornou um novo homem e está no caminho da espiritualidade, preparando-se inconscientemente para uma grande tarefa que terá no futuro, que Deus o abençoe.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Dez 28, 2017 9:15 pm

Patrícia e Fernando se reencontraram após muitas vidas de desentendimentos, paixões e sofrimentos; agora podem finalmente encontrar a paz.
Principalmente porque venceram a prova importante do orgulho, souberam renunciar em nome do amor.
Andressa precisava dessa oportunidade.
Abençoada seja a maternidade, que conduziu até o seio dessa família um espírito muito ligado a vocês por laços que se perdem no tempo.
Aprendam a amá-la verdadeiramente.
Esse estágio de Andressa na Terra será curto, apenas para que se cure dos problemas que carrega e possa obter de todos vocês o perdão sincero e efectivo.
Ninguém pode seguir para Deus deixando em seu caminho resquícios de ódio, revolta, violências e crenças no mal.
Todos nós sofremos muito para entender que nada é para sempre, que a vida pode a qualquer momento modificar todas as situações ao nosso redor sem que possamos prever.
Finalizo pedindo a todos que continuem os estudos sobre a vida espiritual.
Sabemos aqui no plano astral que estão surgindo novas revelações da verdade; elas virão para implantar de vez a Nova Era nesse mundo ainda tão conturbado.
Aproveitem o que a espiritualidade pode oferecer praticando todos os seus ensinamentos, pois o conhecimento de nada adianta sem a prática.
As novas revelações vão desafiar alguns, confundir a outros, mexer com orgulhos e vaidades, mas quem estiver firme no bem vai se beneficiar e mais rápido encontrará a felicidade e a harmonia interior.
Que o Mestre de amor possa estar com todos vocês, abençoando-os sempre...”
Flaviana.
Humberto e a família leram e releram muitas vezes a carta, agradecendo a Deus a bênção maravilhosa da mediunidade e a chance que Ele dera a Flaviana de se manifestar.
Renovados por aquelas simples palavras, entenderam um pouco mais a infinita bondade do Criador e a sabedoria de suas leis.
No fundo do coração de cada um ficou a certeza de que no corpinho deformado de Andressa estava o espírito que um dia se chamou Isabela, e de que a reencarnação é a única porta que conduz ao amor incondicional.

FIM

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: NADA É PARA SEMPRE - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 7 de 7 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum