O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Página 7 de 7 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7

Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:22 pm

Se as pessoas soubessem o quanto a violência íntima as prejudica lutariam para modificar suas más inclinações.
Mas no mar encapelado do mundo a maioria esquece-se de cultivar o bem, a espiritualidade.
Creia Marina, se Anita procurasse o bem verdadeiramente ninguém conseguiria assassiná-la.
Após esta reunião, Hilário os convidou para continuarem observando os factos, para ajudarem se fosse preciso.
Na mansão de Anita, tudo reinava na mais aparente tranquilidade.
Ela sentia-se aliviada, já que a filha estava modificada, mostrando-se benevolente e não falava mais no primo Fabrício.
Com isso, sem mais problemas para cuidar voltou à vida vazia de sempre.
Francisca continuava cuidando de tudo, porém ao perceber Maria Antónia ao telefone, ficou desconfiada.
Com quem ela estava conversando que quando a viu ficou tão assustada?
Ela sentia energias ruins no ambiente, mas não conseguia perceber de onde vinham.
Era noite de reunião espiritual na casa de Flávio.
Uma vez por semana ele reunia a família na grande sala de estar e orava em favor da humanidade, recebendo instruções psicofónicas, que eram gravadas por Francisca num aparelho de som, para serem estudadas depois.
Após a prece inicial, Anita com rosto compungido leu uma mensagem sobre a força do pensamento positivo e o livre-arbítrio.
Depois dos comentários de Francisca e Flávio, as luzes principais foram apagadas, ficando o ambiente em penumbra.
Concentrado, Flávio entrou em transe e começou a falar:
- Boa-noite irmãos, a mensagem de hoje será sobre a boa nova da paz.
O nosso Mestre Maior ensinou-nos o perdão das ofensas e o arrependimento.
Até quando vamos adiar a conquista destas virtudes?
Em nossa ilusão deixamos tudo para depois, ignoramos que a felicidade só pode ser vivenciada no hoje, nunca no passado ou futuro.
Iludidos projectamos para o futuro nossos sonhos e desejos, imaginando que só seremos felizes com eles.
Para realizá-los não titubeamos em ferir, magoar e interferir drasticamente na vida alheia, achando que assim alcançaremos a paz que tanto sonhamos.
Porém, o que começa errado jamais poderá dar certo, e na colheita de nossa semeadura receberemos a desilusão e a dor, forçando-nos a amadurecer e a reparar.
É o momento de descobrir que o amor e a felicidade verdadeira não podem esperar pelo dia de amanhã.
O Criador não espera o dia de amanhã para nos amar, porém nós cultivadores que somos de toda sorte de ilusões, esperamos o amanhã para amá-lo e praticar seus ensinamentos.
O nível de evolução de cada um conta sempre.
Hoje todos que habitam este lar estão tendo uma chance preciosa de parar para pensar no que vêm fazendo de suas vidas e onde estão colocando seus corações.
A partir de agora não podem mais utilizar a desculpa da ignorância para encobrir os erros, todos aqui já estão cientes do mal que não devem fazer e do bem que devem praticar.
Quem sabe mais tem o dobro de responsabilidade.
O Nazareno nos disse:
"Muito será pedido há quem muito foi dado".
E essa é a realidade.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:22 pm

Conservem a paz no coração, o optimismo e a conduta recta, marcada sempre pela ética e pelo verdadeiro bem.
Gostaria de dizer que ainda dá tempo de corrigir muitos erros e evitar o sofrimento, pelos descaminhos nunca se chega ao caminho, pela maldade nunca se chega à felicidade.
Quem comete o mal mergulha o subconsciente nas sombras da infelicidade, e como o subconsciente trabalha na materialização das nossas crenças, é a infelicidade que teremos em nosso caminho.
Só o amor liberta, só a prática do bem verdadeiro pode levar à prosperidade completa.
A mensagem foi encerrada e Flávio voltou ao normal.
Beijou a filha e a esposa, abraçou Francisca e alguns amigos que estavam com ele na sala.
Quando foram se recolher, já no quarto, Flávio comentou com a esposa o teor da mensagem:
- Alguém nesta casa está querendo fazer alguma espécie de mal.
Nunca me engano, sempre que Hilário dá mensagens deste tipo é porque alguém está na prática do mal.
Não me negue Anita, é você?
Ela, que estava deitada, levantou-se nervosa:
- Como você pode perguntar isso a mim?
Afinal, não me conhece depois de tantos anos de casamento?
Seria incapaz de fazer mal a uma mosca, você sabe.
- Não sei... Você mudou muito de alguns anos para cá.
Sinto que não é a mesma moça com a qual casei.
Ela corou, nunca quis que o marido tivesse queixas dela.
- As coisas podem mudar meu amor, isso não quer dizer que eu passe a cometer maldades.
Você diz que eu mudei, mas eu não vejo em que.
Afinal, não estou sempre amorosa com você?
Nossa vida íntima nunca mudou nesses anos todos, continuamos anos amar como sempre.
- Você diz isso porque analisa apenas o seu lado afectivo.
É claro que continuo amando-a como no primeiro dia, porém tem levado vida ociosa, briga demais com Maria Antónia, não tem gestos de carinho, é fria com as outras pessoas, só vejo-a sendo amorosa comigo.
Às vezes acho seu amor por mim um pouco obsessivo.
- Nunca pensei que um dia chegaríamos a ter essa conversa.
Achava que você nunca ia me cobrar por não ser religiosa.
Sempre achei que se um dia nosso casamento acabasse seria por causa de sua religião.
Afinal, não sou a mulher religiosa como você queria.
Ele enterneceu-se, amava Anita sinceramente apesar de todos os seus defeitos.
Não queria e nem gostava de brigas.
Resolveu contemporizar:
- Tudo bem meu amor, aceito-a como você é.
Vamos esquecer esse nosso papo e pedir a Deus que se alguém aqui deste lar estiver com a maldade no pensamento, possa se arrepender e voltar atrás.
Anita, vendo-o rezar, sentiu-se aliviada.
Aquela conversa estava seguindo um rumo que não estava lhe agradando.
Imagine se o marido descobrisse que ela utilizava ervas para não engravidar?
Temia perdê-lo para outro filho.
Jamais engravidaria de novo.
No silêncio da noite, Anita reflectiu sobre seu comportamento, mas influenciada por entidade das trevas concluiu que estava sempre certa e que não precisava mudar em nada.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:23 pm

Assim adormeceu.
Sonhou que estava numa praça arborizada e uma brisa suave banhava seu rosto, era noite e o céu estava estrelado.
De repente, uma figura de mulher surge-lhe a distância e ao aproximar-se lentamente provoca-lhe muito susto:
- Mamãe! Como pode?
A senhora não morreu com papai naquele desastre horrível?
É mentira, devo estar tendo alucinações.
Dizendo isso fugiu desesperada para o corpo físico, acordando banhada de suor.
No astral Alexandra dizia triste:
- É Alonso, minha filha nem mesmo conseguiu me ver, conversar comigo, tão mergulhada está nas ilusões do mundo.
Admito que devo ter errado muito na educação dela. - Começou a chorar.
Alonso, companheiro da comunidade onde viviam, confortou-a:
- Não pense assim amiga, lembre-se de que você também educou Laura e ela não é nem um pouco parecida com a irmã.
Neste caso não foi questão de simples educação doméstica, mas sim de nível de evolução espiritual.
Enquanto Laura mais evoluída conseguiu captar facilmente suas palavras e exemplos, Anita, mais primitiva, esqueceu-se e caiu nas malhas do pessimismo e da futilidade.
Não é à toa que vai atrair semelhante crime para a sua vida.
Alexandra, enxugando as lágrimas e sentada em um banco tosco, comentou triste:
- É difícil aceitar a morte.
Temo que Flávio não consiga reagir positivamente perante os factos.
Aqui Anita ficará comigo, mas lá ele ficará sozinho.
Alonso sorriu delicadamente ao dizer:
- Ninguém está sozinho.
Flávio já tem amadurecimento suficiente para vencer esta prova.
Confiemos em Deus.
Ela concordou e juntos foram para o pátio interno da operosa colónia.
Em seu quarto Maria Antónia agarrada ao travesseiro não conseguia dormir.
Será que aquela mensagem foi para ela?
Não, não podia ser.
O que ela iria fazer era um favor ao mundo retirando dele aquela criatura cruel e infeliz que era sua mãe.
Quando a viu lendo Tão linda mensagem teve ganas de agredi-la.
Mas o que poderia fazer?
Se quisesse ter vida boa e feliz ao lado do pai e de Fabrício teria que exterminá-la.
Levantou-se e sobre o toucador havia um porta-retratos dela bem pequena, com três anos talvez.
Sua mãe estava junto.
Naquela época tudo era feliz, por que as coisas tiveram que mudar?
Reconheceu que gostava de provocar a mãe, mas ela era também culpada.
Nunca havia tido gestos de carinho com ela.
As outras mães que ela conhecia eram amorosas com os filhos, cobriam-lhe de carinhos e beijos, faziam-lhes todas as vontades.
Porém sua mãe era distante, fria e egoísta.
Até tia Francisca que era solteirona e nunca havia tido filhos, tinha arroubos de carinho para com ela muito mais que sua própria Anita.
Olhou o relógio digital:
eram duas horas da manhã.
Pela manhã receberia de Janjão a informação da quantia necessária para o crime.
Não poderia desistir.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:23 pm

Olhou para os posters de seu pai na parede e pensou:
"Como um homem tão bonito pode ter gostado de uma pessoa como sua mãe?".
Em sua perigosa ilusão se via como a mulher ideal para Flávio, a única que ele realmente merecia.
Não, não poderia desistir.
Acertaria tudo com Janjão.
Ela não percebeu, porém Ester, sua antiga companheira quando na erraticidade, estava do seu lado insuflando-lhe ideias macabras:
- Isso mesmo Camila, não desista.
Onde está aquela jovem corajosa e voluntariosa que conheci?
Essa zinha que você chama de mãe é sua rival, roubou-lhe seu amor e vai lhe roubar a vida se você permitir.
Acabe com ela agora ou sofrerá muito no futuro!
Ela não registrava suas palavras, porém sentia o ódio por sua mãe aumentar:
- Não posso e não vou desistir.
O que quero fazer será o melhor para a minha vida.
Ela já me rouba a atenção de meu pai, agora quer me separar de Fabrício.
Isso não poderá acontecer, mostrarei para ela quem é mais forte".
Pensando assim foi para a cama e depois de horas rolando insone, conseguiu adormecer.
Maria Antónia, em seu egoísmo, esquecera-se completamente de tudo quanto aprendeu com o pai desde criança.
Flávio ministrava-lhe aulas de espiritualidade, pensamento positivo, mentalismo e metafísica.
Todavia, os sentimentos perversos prevaleceram e ela não se lembrava o quanto o assassinato é crime terrível perante o tribunal da própria consciência, muito pior se cometido contra um dos genitores.
A responsabilidade é dobrada.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:23 pm

25 - O DIA DO CRIME
- Alô!? Janjão? Tudo certo para hoje?
A quantia é aquela mesma?
- Sim, mas deve ser entregue às três horas como o combinado.
Se não estiver na hora marcada nada feito.
Sim, estarei lá!
- Como você arranjou esta quantia? É muito alta.
Você é espertinha, como conseguiu enganar o velho?
Ela irritou-se:
- Isto não é de sua conta.
Meu pai não é velho, é o homem mais jovem e bonito que existe!
Como ousa pronunciar o nome dele com sua boca suja?
- Olha garota, vamos terminar esse papo antes que eu me irrite com você.
Esteja lá às três.
Maria Antónia desligou o celular e continuou andando por uma avenida larga e movimentada.
De repente chegou a uma bela praça.
A fonte luminosa jorrava e alguns pássaros brincavam felizes redor dela.
Ela sentou sem perceber a beleza do lugar, só tinha olhos para seus problemas.
Uma senhora com aproximadamente 80 anos também chegou e sentou-se perto dela.
Que horas são, mocinha?
- Dez e meia.
- Você costuma sempre vir a este local?
- Não, estou aqui por acaso - respondeu já irritada.
A velhinha olhou-a profundamente e disse:
- Já observou como são belos e inocentes esses pássaros?
Brincam felizes sem se preocuparem com nada.
É uma beleza!
Sempre que estou com problemas venho aqui retirar deles preciosa lição.
- Era só o que faltava! - pensou Maria Antónia.
Lição de pássaros!
O que esses seres degradantes poderiam oferecer?
Lições sim eram aquelas que seu pai dava em seus cursos.
A senhora, parecendo ler seus pensamentos, disse:
- Vejo que você não entendeu o que eu disse e nem consegue enxergar a lição que eles podem nos dar.
A natureza é muito rica e com ela podemos aprender muitas coisas.
Porém os homens esquecem-se do belo, do natural, vivem como se fossem robôs, esquecem-se de que na natureza estão todas as lições que nós precisamos para viver melhor.
Às vezes penso que a única religião que existe no mundo é a natureza.
Já imaginou que beleza?
Ela deu de ombros:
- Pra mim religião é aquela que meu pai professa, ele é muito religioso e sábio, fique sabendo!
- Sei que seu pai é assim, mas vamos falar dos pássaros.
Deveríamos ser como eles.
Despreocupados, brincam, trabalham sempre confiantes de que o dia de amanhã lhes virá belo para suprir todas as suas necessidades.
Nós somos diferentes, desconfiamos da vida, vivemos sem fé, achando que o dia de amanhã será sempre de sofrimento e problemas.
Não confiamos na Fonte da Vida e nem sabemos sequer que ela é Deus em acção.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:23 pm

Maria Antónia contestou:
- É claro que os pássaros são despreocupados, são somente pássaros, seres sem nenhuma importância.
Nem sequer pensam nem sentem nada.
Há senhora muito viva respondeu:
- Engana-se, antes de serem animais eles são uma centelha divina neles reside o princípio inteligente que um dia tornar-se-á espírito.
Neles, por instinto, há a confiança num ser divino que tudo provê e comanda.
Nós, os seres humanos, somos a raça mais desenvolvida da Terra, porém a mais sofredora.
O pensamento, o raciocínio que nos foram dados como mérito, para nosso crescimento e progresso, estão sendo usados para a destruição e a derrota.
Creia querida, nunca colheremos flores se plantarmos sempre espinhos.
Maria Antónia ficou pensativa.
Parecia até que aquela velha lia seus pensamentos.
Resolveu terminar a conversa:
- Olha minha senhora, já ouvi falar de tudo isso no Centro de meu pai, não preciso saber de mais nada.
Vá cuidar de sua vida que eu cuido da minha.
Dizendo isso saiu apressada e não percebeu que a mulher desapareceu rapidamente indo buscar outros espíritos que estavam esperando por ela.
Ao vê-la chegar, Noel indagou:
- E então, Luiza, ela cedeu à nossa última tentativa?
Infelizmente não, querido.
Acha que sabe tudo e que não precisa de mais nada nem ninguém.
O egoísmo impera e só será vencido com o sofrimento.
Noel abraçou-a com carinho:
- Nem tudo que queremos podemos evitar, se aqui do plano espiritual pudéssemos interferir no livre-arbítrio das pessoas, muito sofrimento seria evitado.
Entretanto, só experimentando é que as pessoas teimosas vão aprender.
As pessoas inteligentes vão pelo caminho do amor, as insensatas vão pelo caminho da dor, há apenas estes dois caminhos para se evoluir...
Maria Antónia continuava andando sem parar.
Estava planejando esse crime há duas semanas e nada poderia falhar.
Armaria tudo para que parecesse um assalto, assim ninguém seria condenado ou preso, muito menos ela.
O pistoleiro viria de Goiás e assim que terminasse o serviço iria embora.
Havia conseguido com um amigo, poderoso sonífero que colocaria na bebida dos seguranças, fazendo-os adormecer.
Naquela noite haveria palestra e todos de sua casa sairiam, menos Anita que há meses não frequentava o Centro.
Teria que ficar atenta para que a mãe não inventasse nenhum programa e saísse de última hora.
De súbito decidiu ir para casa e ficar grudada ao telefone, assim se a Giulia ligasse ela daria uma desculpa e não a deixaria falar com a mãe.
Todos almoçaram normalmente naquele dia, menos Maria Antónia que estava muito nervosa, mas só Francisca percebeu.
Após ficar até o meio da tarde sem sair, lembrou-se do compromisso inadiável de levar o dinheiro a Janjão.
Assim foi, entregou o dinheiro, deu o mapa da casa e uma foto de sua mãe.
Às nove horas tudo ocorreria sem falhas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:23 pm

Às sete da noite todos se preparavam para sair.
Quando Flávio viu Maria Antónia pronta para seguir com ele e Francisca ficou admirado:
- Resolveu ir connosco, assim de repente?
Fico muito feliz!
- É que gostaria de ouvir sobre o tema de hoje.
Nem sei o que é, mas sei que tudo o que o senhor fala é lei!
Francisca interviu:
- Mas você raramente vai ao Centro com seu pai, o que deu em você, menina?
Ela mordeu os lábios:
- É que... É que não me sinto bem hoje, quem sabe uma boa palestra renovará meu ânimo!
- Bem que eu percebi que você estava muito nervosa, quase não almoçou nem jantou.
Até tremer você tremeu.
Conte à sua tia, algum problema?
Anita que ouviu tudo a distância se aproximou com fingido interesse:
- O que minha filha pode ter?
Afinal tem tudo aqui, nada lhe falta!
Eu não entendo esses jovens de hoje, têm o mundo nas mãos e ainda se queixam.
Maria Antónia queria dizer que o principal lhe faltou que era um amor real de mãe, porém queria demonstrar ao máximo que estava em paz com ela, apenas disse:
- Agradeço sua preocupação mamãe, mas não deve ser nada sério, apenas uma indisposição.
- Você precisa ver isso filha, depois da palestra você fará uma consulta com um dos nossos terapeutas para ver se essa indisposição está no corpo físico ou astral.
Agora vamos, que não posso chegar atrasado.
Eles saíram deixando Anita sozinha na sacada da mansão olhando-os de longe.
Quando o carro partiu ela sentiu uma tristeza infinita.
Não sabia definir de onde vinha.
Resolveu ligar para Giulia.
Discou e esperou:
- Giulia? Que tal vir aqui me fazer companhia?
Estou tão solitária, todos me abandonaram - disse ela em tom de brincadeira.
- Você está se sentindo sozinha?
Nunca a vimos assim, diga logo, está desconfiada do Flávio com outra?
Anita se horrorizou:
- Nem de brincadeira fale uma coisa desta, nestes longos anos de casamento tenho certeza de que ele nunca me traiu, é da natureza dele ser fiel.
Se ele tivesse me traído com alguém certamente eu teria eliminado da Terra essa rival.
Giulia assustou-se:
- Nossa, você às vezes tem uma crueldade que me espanta.
Seria mesmo capaz de um ato desses?
- Pelo meu marido eu até mataria se preciso fosse.
- Bom, estarei passando aí dentro em pouco, apenas vou dar uns retoques na maquiagem.
Ela desligou o telefone e foi esperar a amiga ouvindo música.
Nessas horas que a casa ficava vazia, gostava de colocar o som que mais lhe agradava.
Olhou no relógio e percebeu que passara um bom tempo distraindo-se com a música. E Giulia que não chegava?
De repente um homem encapuzado surge à sua frente, silencioso, apontando uma arma para ela:
- Silêncio madame, é melhor não gritar ou dou cabo de você agora mesmo!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:24 pm

Ela ficou desesperada:
- Por favor, o que quer de mim?
Meu marido é muito rico, pode lhe dar o dinheiro que você quiser, não me mate, tenho uma filha que precisa muito de mim.
A voz de Anita estava rouca e suas mãos trémulas, arrependeu-se amargamente de não ter saído de casa com o marido.
O que seria de sua vida?
Resolveu contemporizar:
- Eu sei que é um assalto, podem levar o que quiser, tem muitas peças valiosas aqui, mas por favor poupe-me a vida.
Outro homem chegou na sala com um capuz na cabeça, dando gargalhadas:
- Está reconhecendo esta foto?
Anita, nervosa, e com a arma na cabeça, reconheceu uma das suas fotos que estava no porta-retratos do quarto e que havia sumido misteriosamente.
O homem gargalhando muito disse:
- Isto aqui não é um assalto coisa nenhuma, é apenas o dia de sua morte.
Esta foto foi nos dada por uma linda mocinha chamada Maria Antónia, conhece?
Anita gelou ainda mais, aquilo não poderia ser realidade:
- Mentira, minha filha me adora e jamais faria uma coisa dessas comigo!
O homem continuava gargalhando:
- Pois foi ela sim.
Já percebeu que os seguranças de sua mansão estão todos dormindo?
Ela colocou sonífero na bebida deles para que adormecessem e facilitassem nossa missão.
Também pediu que lhe fosse revelado que a assassina era ela, ela é que foi a mandante.
Disse que jamais você poderia morrer sem saber quem foi à autora.
Ela quer que você saiba que a odeia e que a odiará para sempre.
Agora prepare-se para ir pro inferno.
Anita tão chocada estava que nem sequer suspirou, foi fulminada por três balas silenciosas e tombou ao chão.
Os homens saíram correndo e cerca de cinco minutos depois Giulia entra assustada:
- Anita, o que aconteceu com sua casa, está toda aberta, os seguranças dormindo...
De repente pálida, viu Anita no chão banhada de sangue.
Um grito de horror e Giulia saiu correndo em direcção à rua.
Tomou um táxi e foi em direcção ao Centro de Desenvolvimento Espiritual Luz no Caminho.
Flávio concentrado iniciava sua palestra sobre a paz:
- Ouvimos muito as pessoas dizerem:
"Desejo a paz".
Mas será que elas realmente sabem o que estão desejando?
Para vocês o que é ter paz?
- Paz é ficar parada sem fazer nada?
Muitos desempregados estão nessa mesma situação, será que eles têm paz?
- Paz é ficar quietinho num lugar sem que ninguém lhe perturbe?
As pessoas na UTI, estão nesta exacta situação, será que elas estão em paz?
- paz é ter muito dinheiro?
Muitas pessoas são milionárias, será que elas vivem em paz, com tranquilidade e alegria?
- Paz é ter muita saúde?
Pode até ser, mas muitas pessoas saudáveis aproveitam-se dessa dádiva para embrenhar-se em todas as formas de vícios.
Será que elas têm paz?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:24 pm

A paz verdadeira só acontece com a compreensão e aceitação da vida.
Se desejamos a paz devemos deixar de lado as preocupações, as culpas, as mágoas, o medo e o ódio.
Precisamos expulsar de nossa mente tudo o que nos desarmoniza, todo pensamento que nos causa sensações ruins.
O planeta Terra não está errado, nossa visão sobre ele é que está equivocada.
Muitos de nós com essa visão superficial e grosseira invadimos a privacidade dos outros, viramos justiceiros, pensando que para ter a paz é preciso fazer a guerra.
Esta atitude mesquinha e equivocada de buscar a paz tem nos arrastado durante séculos a reencarnações inferiores, onde agindo da mesma forma vamos receber os mesmos resultados.
O que precisamos mesmo é mudar de atitude mudando nossa forma de agir.
Temos que aprender a tomar conta da própria mente, educá-la, deixando de lado o pensamento velho que subjuga e considerar os próprios sentimentos.
Somos responsáveis por todos os nossos problemas, mas não somos os nossos problemas.
Se não somos os nossos problemas, podemos olhá-los de fora, dominá-los e vencê-los.
Só ouvindo a voz de nossa alma é que teremos a paz que tanto almejamos.
Flávio continuou discorrendo facilmente sobre o assunto até que em dado momento percebeu uma agitação na porta principal.
Algumas pessoas queriam impedir que uma mulher muito nervosa entrasse e atrapalhasse o trabalho.
Porém, ela venceu os seguranças e passou correndo esbaforida por entre as cadeiras.
Admirado, Flávio percebeu que era Giulia Aguiar, amiga de sua esposa.
Giulia se aproximou dele muito pálida e ofegante, não conseguia falar.
A esta altura ninguém mais prestava atenção em nada a não ser na figura daquela mulher.
Flávio fez ela sentar em uma poltrona, pois sua respiração impedia a pronúncia de qualquer palavra.
Quando se acalmou, ela olhando-o nos olhos, disse:
- Flávio, não sei como te dizer, não sei como aconteceu, mas...
Mas Anita foi assassinada e está estendida no tapete de sua sala banhada em sangue.
Ninguém ouviu o que ela disse além de Francisca.
Flávio, mudo, sentou-se no chão, depois deitou-se e com a cabeça entre as mãos, chorando muito, começou a fazer sentida prece a Deus.
Vendo o movimento Maria Antónia, que já sabia do que se tratava, aproximou-se com fingida comoção:
- O que houve aqui, tia Francisca?
Por que meu pai está chorando desse jeito?
Francisca abraçou-a de encontro ao peito e chorando respondeu:
- Não tenho outra maneira de te dizer, sua mãe foi assassinada friamente agora, e está lá estendida no chão.
Um desastre, uma tragédia horrível.
Abraçadas, as duas começaram a soluçar.
Maria Antónia fingia muito bem e agarrava-se a Flávio que deixava as lágrimas caírem em profusão pelo rosto.
As pessoas foram retiradas da plateia sem entender o que estava acontecendo.
Flávio foi para casa e quando chegou ainda pôde perceber o cenário do crime, a mulher que ele tanto amava estava lá estendida no chão vítima da maldade alheia.
Sobre o corpo da mãe, Maria Antónia fazia um verdadeiro escândalo.
A polícia chegou, afastou todos do local e levou o corpo.
A tragédia se abateu sobre aquela família.
Espíritos inferiores que tentaram atrapalhar o trabalho de Flávio tentaram se aproximar dele para lançar-lhe energias negativas, porém foram impedidos por uma capa azulada que o protegia.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:24 pm

Mesmo muito evoluído, Flávio sentia A dor do momento vendo sua esposa morrer de forma tão trágica.
Cristiano e Laura vieram para o enterro e decepcionados ouviram da polícia que a motivação do crime fora uma tentativa de assalto.
Os ladrões não conseguiram levar nada porque certamente perceberam a presença de Giulia que estava chegando.
Provavelmente Anita tentara se defender e fora atingida por tiros silenciosos, pois ninguém mais na vizinhança ouviu nada.
As pessoas começaram a duvidar do trabalho de Flávio, já que em seu próprio lar a violência fez morada.
Mas ninguém em momento algum desconfiou de Maria Antónia.
Ela representando uma terrível depressão conseguiu que Laura deixasse Fabrício no Brasil por um mês e assim eles voltaram a namorar.
Flávio, com o auxílio de Hilário, Félix, Noel e Carlota conseguiu superar o momento e seis meses depois já estava de volta aos cursos.
E assim o tempo foi passando...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:24 pm

26 - É O PERDÃO QUE LIBERTA
Um ano depois da tragédia, tudo continuava igual.
Maria Antónia namorando feliz com Fabrício nem sequer lembrava que um dia teve mãe e que a mesma foi morta por ela.
Flávio, muito sensitivo, passou a achar que havia algo de muito estranho naquela morte.
Conversando com os seus mentores espirituais, eles lhe diziam para esquecer o ocorrido, pois a morte era simples mudança de lugar e que Anita continuava bem na outra dimensão.
Apesar de saber que a mulher havia sido acolhida em um posto de socorro e que se recuperava lentamente, em seu íntimo algo lhe dizia que havia alguma coisa séria e errada por trás daquela morte.
Ele nunca mais foi o mesmo homem. Continuava com seus cursos, explicando como a vida agia e procurava se esforçar para ser feliz o máximo que podia.
Francisca tentava ajudar para que às vezes ele não entrasse em profunda depressão, mas nem sempre conseguia.
A sensação que uma grande barbaridade tinha vitimado sua querida Anita, ainda estava lhe amargando o peito.
Ele já não sofria pela morte dela, mas sim por aquela sensação esquisita que não o deixava em paz.
Maria Antónia não cabia em si de egoístico contentamento.
Agora o pai era só dela.
Em uma tarde de inverno todos tomavam o chá das cinco na elegante sala onde Anita veio a falecer.
Maria Antónia estava muito saudosa do namorado que havia retornado a Inglaterra para continuar os estudos.
De repente o telefone tocou e Francisca foi atender, era Laura preocupadíssima, e com voz trémula:
- Por favor, chame o Flávio com urgência, o assunto é sério.
Flávio atendeu:
- O que foi de tão grave?
Algo com o Cristiano?
- Não, com o Cristiano tudo bem, é com o Fabrício, ele está mal.
Teve um surto de loucura há dois dias e está internado.
Flávio ficou surpreso:
- Como isto foi acontecer?
Ele é um rapaz tão equilibrado!
- É isto que não sabemos, foi de repente, ele está tão mal que precisou ficar preso naquele hospício horrível!
Me ajude, Flávio, não sabemos o que fazer.
- Não se desespere, nestas horas o equilíbrio é fundamental.
Hoje no Centro tem uma reunião mediúnica e poderemos pedir informações sobre este caso.
Sabemos de antemão que muitos dos problemas psiquiátricos são, na realidade, obsessões gravíssimas, porém não sabemos se este é o caso.
Só a espiritualidade ê que pode dizer.
- Sinto-me confortada ao ouvir suas palavras.
Cristiano também está confiante e vai procurar aqui com dona Margareth o auxílio, porém eu confio muito no trabalho de vocês aí no Brasil.
Avise a Maria Antónia e peça-lhe que reze pelo namorado.
Quando Flávio anunciou a drástica notícia, Maria Antónia correu para o quarto.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:25 pm

Sozinha e abraçada ao travesseiro ficou assustada.
Na última vez que conversara com Fabrício, contara a ele toda a façanha que culminou com a morte da mãe.
Tinha toda confiança em Fabrício e juntos comemoraram o sucesso do plano.
Teria aquela notícia abalado os nervos do namorado?
No Centro, Flávio já em transe, recebeu a seguinte comunicação sobre o caso de Fabrício:
- O problema de seu sobrinho é simples.
Antes de renascer na Terra ele viveu no astral unido a espíritos inferiores e que praticavam o mal.
Ele era um espírito que foi vítima do preconceito racial, viveu como negro e foi muito discriminado.
Encontrando uma falange de justiceiros, resolveu pagar o mal com o mal e unindo-se a eles buscou no abismo, na sub-crosta terrestre, uma forma degenerada e colocou-a mediunicamente em quem julgava tê-lo prejudicado quando ainda no mundo.
Sua "vítima" enlouqueceu e até hoje encontra-se num hospício terreno sem qualquer chance de cura.
Ele reencarnou com uma grave lesão no cérebro perispiritual que passou a depender de sua nova conduta que iria se desenvolver ou não no corpo físico.
Foi aí que encontrou sua comparsa de vidas passadas e voltando às mesmas atitudes de outrora, desarticulou as forças do bem que o sustentavam.
Agora, através de uma psicose de difícil tratamento, aos poucos seu perispírito lesado vai reencontrar o equilíbrio.
Flávio quis saber:
- Ele irá se curar?
A entidade elevada respondeu:
- Só o tempo e a mudança interior é que vão dizer.
Ele não é um obsediado como pode parecer a princípio, ele tem realmente um distúrbio psiquiátrico causado pela lesão no cérebro, ocasionada pela sua conduta quando viveu no astral.
Se as pessoas soubessem o que podem receber quando fazem o mal jamais o fariam, muito pelo contrário lutariam para bani-lo do coração com toda a força de vontade.
Mas agora é o momento de ficarmos com Deus e aguardarmos sua divina misericórdia.
A fé e o pensamento positivo tudo conseguem, pois eles são dispositivos que interferem na lei de causa e efeito, mudando suas consequências.
Porém nada acontece sem a mudança verdadeira, é necessário entender que Deus vê o íntimo de cada um, não existe um bom sofrendo, pode ter certeza, quem sofre coloca pra fora todas as suas mazelas espirituais e seus pensamentos equivocados.
São as crenças no mal que provocam e atraem todo o sofrimento que grassa sobre a Terra.
Quem crê apenas no bem fica imune às doenças, acidentes, prejuízos, solidão, falta de amor e quaisquer fracassos.
A educação mental é a chave que falta para banir pra sempre o sofrimento da Terra, transformando-o no mundo de regeneração que tanto sonhamos.
O espírito Hilário se despediu e Flávio emocionado fez silenciosa prece de agradecimento a Deus.
Quando ele ligou para Laura dias depois, percebeu que a médium Margareth recebeu comunicação idêntica na Inglaterra, provando assim que era realmente verdadeira.
Sem o namorado, Maria Antónia foi ficando muito depressiva.
Ao visitá-lo na Inglaterra e ver seu estado penoso, uma sensação desagradável de culpa a acometeu.
Não sabia de onde vinha esse sentimento, porém não conseguia se desvencilhar dele.
À medida que foi passando o tempo ele foi ficando cada vez mais amargo e profundo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:25 pm

Flávio percebia, tentava ajudá-la levando-a ao Centro, mas não adiantou, a cada dia estava mais triste.
Uma noite sonhou que estava num terreno baldio e lamacento, as árvores tinham aspecto feio e pareciam estar mortas.
De repente, do meio da escuridão, um lobo grande e com dentes afiados lhe apareceu.
Os olhos estavam vermelhos como fogo e acesos como se fossem lâmpadas eléctricas.
Aterrorizada ela começou a correr sem parar, porém o lobo corria com mais velocidade e a agarrou fortemente.
Com a respiração ofegante Maria Antónia percebeu que a face do lobo transformou-se no rosto de sua mãe.
Tentou gritar, mas a voz não saía, estava presa nas patas daquela que parecia ser Anita.
O lobo abriu a boca e falou com voz rouca de ódio:
- Você vai pagar tudo o que me fez sua assassina!
Vai morrer louca e sozinha, sem ninguém para lhe ajudar - dizendo isso começou a apertar o pescoço de Maria Antónia que acordou sufocada, aos berros, e suando muito.
Francisca ouvindo os gritos de Maria Antónia, acordou também assustada, saindo em disparada batendo na porta de seu quarto:
- Abra menina, o que há com você?
Ela abriu rapidamente a porta e agarrou-se a Francisca:
- Tia, foi horrível, foi o pior pesadelo que tive na vida.
- Conte-me como foi, talvez não passe de sua cabecinha assustada com a sorte do seu primo Fabrício.
Ela chorava sem parar:
- Não foi não tenho certeza.
Era minha mãe que veio do inferno se vingar de mim.
- Não diga isso menina, sua mãe a amava e não teria motivo para se vingar.
O melhor a fazer é rezar e pedir a orientação dos amigos espirituais.
Em qualquer circunstância a prece é a força que nos liga a Deus e às forças superiores do Universo.
- Não posso rezar, tenho vergonha!
Francisca sorriu:
- Vergonha de rezar, onde já se viu isso?
Deus não nos condena por nada, por que nós teríamos vergonha Dele?
Maria Antónia soluçava:
- Tem razão, vou tentar - começou a fazer uma prece mecânica, mas mesmo assim se acalmou.
Minutos mais tarde, quando a tia saiu do quarto, já se sentia mais calma, porém lembrando da visão terrível não conseguiu mais dormir.
Do lado de sua cama estavam Anita, Hilário e Noel.
Anita falou:
- É incrível o que a consciência culpada pode fazer num ser humano.
Há muito que já a perdoei pelo mal que me fez.
Porém esta visão terrível ainda a acompanhará por muito tempo...
- É verdade. - concordou Hilário - Deus não nos condena por nada, porém a consciência de cada um é o próprio juiz que lhe pede a reparação sempre que se transviar.
Sua filha poderia evitar isso se confessasse o crime perante a justiça dos homens.
Esse seria apenas o começo de sua redenção.
Porém é certo que ainda voltará a reencarnar para modificar essa conduta errada que a levou ao crime.
Talvez venha a sofrer exactamente o que praticou.
Terá uma filha ruim que poderá com os desgostos e inconsequências tirar sua própria vida.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:25 pm

Anita perguntou:
- Não será uma injustiça?
Afinal, sei que ela me matou na última existência, porém eu que atraí esse crime na minha vida.
Desde que morri como Anete séculos atrás, desenvolvi grande vaidade.
Para me defender do mal que sofri ao ser morta por Helena, passei a ser arrogante e possessiva.
Quando cheguei aqui assassinada pela minha própria filha, me revoltei, chorei, blasfemei e quase voltei a Terra para cobrar meu tributo, se você não tivesse me mostrado como atraí tudo, talvez ainda estivesse interferindo na vida de todos.
Hilário explicou:
- É mesmo, você mudou muito desde que desencarnou, deixou de ser aquela mulher fútil de outrora.
Mas isso aconteceu porque você contribuiu, amadureceu com a dura experiência que passou.
O mal que ocorrerá a Maria Antónia é por causa da sua crença na violência, no mal e na vingança.
Talvez sofra muito para finalmente aprender que só Deus pode tirar a vida de um ser humano.
Anita o abraçou com carinho:
- Por que não te ouvi quando falava através de Flávio?
Na verdade achava tudo muito distante da realidade, nunca me envolvi de fato com a espiritualidade que batia à minha porta.
Talvez se tivesse me ligado mais a Deus ainda estivesse no mundo ao lado do meu marido.
- Não fique triste Anita, a morte é o agente da transformação, por onde ela passa tudo se modifica.
Seu marido agora poderá se dedicar a um projecto antigo.
Convido-a para ver o que irá acontecer.
Ela animou-se:
- Então irei, estar perto de meu amor sempre me dá alegria.
Os espíritos Noel, Carlota, Luiza e Anita passaram a transmitir a Maria Antónia à ideia de que ela precisava confessar o crime para livrar-se do remorso.
Os dias foram passando e os pesadelos aumentando.
Ela contava parcialmente ao pai, que lhe aplicava passes, conversava amorosamente, melhorava, porém no outro dia estava do mesmo jeito.
Já não frequentava mais o colégio, acabaram-se todas as poucas amizades.
Vendo-a tão depressiva, Flávio preocupado falava à tia:
- Não sei mais o que fazer para tirá-la da depressão.
Já nem quer mais sair do quarto.
- Ela lembra-me você quando ainda era jovem e foi morar em minha casa.
Foi um tempo muito ruim.
Érica, Ângelo e Marina morreram naquele acidente e você ficou praticamente órfão contando apenas com Cristiano.
Você teve muita força e venceu tudo, mas lembro que foi difícil.
Depois houve seu namoro com Camila que morreu também tragicamente.
Às vezes te acho um herói, hoje o olhando mais maduro e confiante percebo, que em nada mais lembra aquele jovem medroso e desconfiado, que não sabia que rumo dar à própria vida.
Ele sorriu meio melancólico:
- Passei realmente por muitas coisas, mas nessa vida ninguém é herói.
Esse mito que nós devemos sofrer heroicamente na Terra para alcançarmos um grau maior de evolução é balela.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Qui Jan 11, 2018 9:25 pm

Hoje sei que através do amor aprendi muito mais do que pela dor.
- É que você é modesto e não gosta de reconhecer.
Agora mesmo sofreu esse golpe fulminante da vida, perdeu a mulher amada e este aí conformado e confiante.
- É que a espiritualidade conforta e auxilia.
Saber que a vida não começa no berço e nem termina no túmulo, transforma a vida de qualquer um.
Mas falemos agora da senhora.
Há muito tempo mora comigo, está feliz assim?
Não desejaria voltar à sua antiga casa?
Saiba que tenho condições de comprá-la a hora que quiser.
Ela sorriu:
- Nem diga isso, aqui tenho toda a liberdade que tinha na minha casa, até meus gatos eu crio.
Você me dá tudo que desejo para ser feliz e ainda me paga por isso.
Aquela aventura minha com o comércio mostrou-me que ainda estava imatura para este tipo de serviço e apontou-me o caminho para ser sua governanta.
Veja como Deus é bom!
Flávio admitiu:
- Não sei o que seria de minha vida sem a senhora, tia.
Minha casa não seria a mesma sem sua ajuda.
Mas o que você falou sobre o comércio é uma grande realidade.
Quem se aventura numa coisa muito grandiosa como você fez deve ter estrutura financeira e psicológica para tanto.
A crença na facilidade das coisas é fundamental para quem lida com o comércio.
Pessoas que não confiam na força da vida, que não usam seus poderes mentais estão fadadas ao fracasso.
- Foi isso que aconteceu comigo.
Não tive o optimismo suficiente, logo estava cheia de dívidas.
Envergonhada, não quis lhe pedir ajuda e gastei tudo que tinha, hoje sei que se tivesse agido com mais prudência e optimismo, tudo seria diferente do que foi.
- O bom é que sempre se pode tirar vantagem mesmo de uma situação ruim.
Acredito que a senhora deve ter aprendido muito com o que aconteceu.
- Muito! Até hoje não consigo esquecer esta lição, sei que a vida usa nossos actos ruins para nos levar ao bem.
A vida é mágica, tudo o que nos acontece tem sempre uma razão de ser.
- Isso mesmo tia, hoje a senhora está mais evoluída do que antes.
Mas voltando a falar de minha filha, não sei o que acontece com ela, está muito estranha.
Às vezes penso que foi depois que o Fabrício adoeceu, mas sinto que tem algo muito estranho acontecendo com ela.
Não é normal esses pesadelos horríveis que vem tendo.
Agora mesmo está lá no quarto sobre a cama em profunda depressão.
- Acho melhor você ir vê-la, conversar com ela, sei que isso lhe fará bem.
- Tem razão tia, afinal hoje não tenho actividades no Centro e posso ficar em casa.
Dizendo isso Flávio subiu até o quarto da filha.
Chegando lá percebeu que ela soluçava.
Com compaixão ele sentou-se próximo dela e alisou-lhe os cabelos.
Ela, percebendo que era o pai, rompeu em mais soluços.
Anita estava ali com ela transmitindo-lhe energias revigorantes e ao mesmo tempo suplicando-lhe para que tivesse coragem e revelasse o crime.
- Filha, por que está assim?
Pensei que fosse por causa do Fabrício, mas vendo-a desse jeito sinto que tem algo mais que a atormenta muito.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jan 12, 2018 9:15 pm

Ela olhou para ele com o rosto e os olhos inchados pelo choro.
Como poderia revelar-lhe o que lhe ia na alma?
Por que esse remorso torturante a invadia?
Sentia que a única solução era confessar a barbaridade que cometeu, mas não tinha coragem para isso.
Como iria olhar novamente para o pai?
O deus, o ídolo que ela tanto cultivou desde a infância será que ia perdoá-la?
Se confessasse e Flávio a odiasse para sempre ela com certeza se mataria, não conseguiria jamais viver sabendo que o homem a quem ela amava como mulher a desprezava.
Agora , naquele instante, ela percebia que o que sentiu por Fabrício era só uma paixão boba e momentânea.
Que destino trágico e estranho era esse que a acompanhava desde a infância?
- Pai, estou morrendo por dentro, sei que só terei paz quando colocar para fora tudo o que está me atormentando, mas não tenho coragem, sei que me odiará pelo resto de sua vida!
Ele ficou surpreso:
- Por que, logo eu que sou seu pai a odiaria?
Não sabe que o amor de pai abre as portas para o amor incondicional?
Seja o que for que tenha feito com certeza eu a perdoarei.
Agora somos só nós, precisamos nos unir para não sentirmos a falta que sua mãe faz!
- Sei que o senhor é muito bom, mas tenho certeza de que quando souber o que fiz jamais olhará novamente em meus olhos, e sem você do meu lado sinto que morreria em pouco tempo.
- Não diga isso, você é jovem ainda e tem tudo pela frente, o que uma adolescente pode cometer de tão mal?
Diga-me e lhe mostrarei que o que você fez não é tão grave assim, apenas sua cabeça de menina é que está exagerando.
Ela levantou-se da cama e gritou colérica, com as faces desfiguradas:
- Será que você é tão ingénuo que nunca percebeu?
Dá pra parar de ser o santo por alguns segundos e me enxergar?
Quem está em sua frente não é uma meninazinha boa e ingénua, aqui está uma mulher que te ama mais do que tudo.
Nunca reparou como eu te olhava?
Nunca percebeu que em meu peito nunca existiu um amor de filha e sim de amante?
Ele corou e não conseguiu articular nenhuma palavra.
Ela continuou bradando muito alto:
- Isso mesmo Sr. Flávio, nunca o amei como filha, sempre o desejei.
Nunca suportei aquela mulher que se chamava Anita e que me roubava você, dia após dia.
Ela parecia sentir ou sabia dos meus sentimentos, pois disputava sua presença comigo, como se fôssemos duas rivais.
Mas você sempre com esse jeito sonso nunca percebeu o que acontecia em seu próprio lar.
Louca pela raiva e pelo ciúme não titubeei em matá-la para ter você só para mim.
Isso mesmo, eu que matei minha própria mãe.
Contratei assassinos de outro estado e eliminei aquela vida fútil e vazia que atormentava a minha existência!
Ela parecia fora de si e gritava muito.
Flávio começou a tremer qual folha sacudida pelo vento, parecia que estava vivendo uma situação familiar, parecia que aquele facto já havia acontecido com ele alguma vez na vida.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jan 12, 2018 9:15 pm

Agora entendia o porquê do estado de Maria Antónia.
Por mais que não quisesse acreditar, sentia que o que a filha, criada com tanto carinho e protecção, lhe dizia era a realidade.
Levantou-se da cama num acesso de loucura e deu-lhe vários tapas no rosto.
Naquela hora não se lembrava de nada do que pregava ou que havia aprendido, deixou seus instintos tomarem conta de seu ser.
Começou a sacudir violentamente a filha pelos cabelos enquanto ela gritava e chorava histérica.
- Assassina! Assassina, você verá qual é seu destino.
Começou a arrastá-la pela escadaria e jogou-a violentamente no chão da sala.
Francisca e os empregados correram e não acreditavam no que viam.
Aquele não era o Flávio de jeito nenhum.
Francisca começou a gritar:
- Pare, você vai matá-la deste jeito, ela já está sangrando.
- É isso o que ela merece depois de tantos anos de carinho e protecção que teve neste lar.
Saibam que esta criatura não passa de uma reles assassina, ela matou a própria mãe.
Aquilo não foi um assalto, foi um crime premeditado por ela e capangas não sei de onde.
O ciúme, os baixos sentimentos que ela nutre por mim a levaram a praticar semelhante ato, agora que apodreça na cadeia. Colérico e fora de si Flávio ligou para a polícia e fez a denúncia.
Francisca desmaiada, fora levada para o hospital, enquanto Maria Antónia na delegacia confessou tudo o que fez.
Deu os telefones dos pistoleiros e foi levada para um presídio de detenção máxima onde aguardaria julgamento.
A imprensa ficou agitada depois dessas revelações, em todos os telejornais só o que se ouvia era a notícia de que uma filha adolescente, por ciúme do pai, assassinara cruelmente sua própria mãe.
Até psiquiatras e psicólogos foram à TV dar entrevistas sobre o ocorrido, tecendo as mais descaridosas opiniões.
O Centro de Flávio foi fechado por tempo indeterminado.
As pessoas perderam um pouco da credibilidade devido aos factos trágicos que o acometeram.
Ele viajou para a Inglaterra e ficou lá com Laura e Cristiano durante quase um ano.
Sua fé não fora abalada, depois que pensou em tudo com frieza, percebeu que foi muito violento com a filha e não conseguia se perdoar por isto.
Apesar de tudo ele a amava.
Mesmo assim não conseguia voltar ao Brasil, à vergonha de ver novamente a filha e encará-la depois de tudo o que fez a ela era muita.
Apenas sabia notícias por Francisca que todos os domingos, de quinze em quinze dias ia visitá-la no presídio.
Ficou sabendo que Maria Antónia tentou o suicídio por duas vezes, achando que Flávio não a havia perdoado, só ficou melhor quando recebeu uma carta dele contando que a perdoava.
Ela jamais iria se esquecer do que ele havia escrito:
“Filha do coração, Naquele dia fatídico te disse que o amor paterno abre as portas para o amor incondicional.
Hoje sei que é verdade.
Mesmo sabendo tudo o que fez não consigo deixar de amá-la.
Em meu coração estarão gravadas para o som do seu primeiro chorinho, a imagem de seus olhinhos pequeninos me fitando com tanto amor pedindo-me protecção.
A partir daquele dia senti que a amaria para sempre, acontecesse o que acontecesse.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jan 12, 2018 9:15 pm

Lembro-me com emoção da sua primeira palavra 'papai', dos seus primeiros passinhos vindo na minha direcção, naquele dia que você andou pela primeira nem fui ao Centro tão empolgado fiquei.
Como não te amar para sempre?
Se dentro de mim venci a antiga paixão que nos unia sei que você não teve forças para tanto, não posso te condenar, nem te julgar por isso, muito menos pelo que fez com sua mãe.
Hoje sei que para Deus somos todos inocentes, para Ele somos apenas crianças aprendendo a viver, lutando para conseguir uma vida melhor.
Apesar de estarmos submetidos ao resultado das nossas atitudes, Deus não nos condena, afinal Ele é sumamente amor e sabedoria.
Só o que sinto por você é capaz de explicar um pouquinho o amor que Deus sente pela humanidade.
Hoje também percebi que não estava preparado para o perdão, não titubeei em te violentar esquecendo-me que o mal jamais se paga com o mal e sim com o bem.
Descobri que só o perdão liberta nossa alma.
Quem não perdoa vive sem alegria e sem paz no coração.
Aproveite para fazer de sua vida, a partir de agora, um hino de amor a Deus.
Sei que você será julgada e condenada, porém mesmo de onde você está, já pode ir caminhando para Deus, seguindo seus ensinamentos.
Do paizão que te ama, “Flávio de Menezes”.
Na solidão do presídio ela leu e releu aquela carta, dormindo com ela agarrada ao peito.
No domingo que se seguiu, durante a visita de Francisca ela pediu:
- Tia, eu quero ler, quero me instruir sobre a vida espiritual.
Sempre deixei-a de lado, achando que seguindo as regras do mundo seria mais feliz.
Hoje percebi que estava equivocada.
Quero procurar o amor divino, hoje sei que esse amor não espera pra me amar e quero retribuir um dia todo esse amor que Deus me dá gratuitamente.
- Que bom minha filha que você chegou a esta conclusão.
Logo hoje trouxe em minha bolsa um livro muito importante que gostaria de lhe emprestar, veja.
Maria Antónia olhou e leu:
O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec.
- Começarei a lê-lo ainda hoje.
Meu pai sempre me falava dele e nunca dei importância, quero vencer essa paixão horrível por ele que só tem me feito sofrer, e sei que com este livro terei esta força.
- É isso mesmo minha filha, essa paixão como todas as outras desenfreadas, nos fazem sofrer e nos levam ao abismo.
Seu pai é muito evoluído e por isso vocês nunca chegaram à aberração do incesto.
Imagine se você tivesse agora mais este terrível crime na consciência, como estaria?
- É mesmo, quero amá-lo como o pai querido que a vida me confiou, sei que conseguirei.
Foi com o coração renovado pelo êxito que Francisca saiu do presídio naquela tarde.
Tinha certeza de que aquele livro iria fazer um bem enorme à sobrinha, como tem feito a tantas pessoas mundo afora.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Jan 12, 2018 9:17 pm

EPÍLOGO
Era inverno e Flávio em sua grande sala de estar meditava profundamente.
Fazia três anos que descobrira que Maria Antónia era a assassina de Anita.
De lá para cá muita coisa havia mudado.
Com a ajuda dos espíritos superiores que sempre o assistiram, ele conseguiu reabrir o Centro e voltar a ter o mesmo sucesso de antes.
Durante a reunião mediúnica Anita se comunicou e narrou-lhe todo o passado.
Disse que ele já estava maduro para saber.
Foi um choque descobrir que Maria Antónia era Camila reencarnada e que Fabrício tinha sido Rafael seu antigo namorado.
Anita prometeu esperá-lo no futuro, quando sua missão na Terra terminasse e ambos pudessem desfrutar de uma vida mais harmoniosa.
Compreendeu por que tudo aconteceu daquela forma e pôde agradecer a Deus por toda a sua bondade.
Francisca desceu a escadaria e propôs:
- Vamos acender a lareira?
Está um frio daqueles, afinal moramos na terra da garoa.
Ele, com semblante distendido, pareceu estar viajando quando disse:
- Tia, tive a melhor ideia de minha vida!
Hoje descobri que preciso fazer uma coisa muito importante e que não pode mais ser adiada.
- O quê?
- Esta casa é muito grande para nós dois apenas, vou adoptar várias crianças e com seu auxílio e de empregados competentes sei que poderei criá-los.
Tenho muito dinheiro e sei que posso dar-lhes o melhor!
Francisca chorou de emoção ao ouvir as palavras do sobrinho.
Dias atrás, ela havia tido a mesma ideia.
- Nossa Flávio, que boa acção!
É claro que te ajudarei.
Sei que tenho pouco tempo sobre a Terra, já estou velha, mas sei que ainda posso ser útil.
- Você é a velhinha mais jovem que já conheci - disse Flávio rindo muito e abraçando-a.
Sei que será meu braço direito por muito, muito tempo.
Aceita mesmo me ajudar?
- É lógico, com todo prazer.
Agora me diga, quantas crianças pretende trazer para esta casa?
- O máximo que puder, sei que posso criá-las.
Assim, quando Maria Antónia sair da prisão também poderá nos auxiliar.
- Meu sobrinho, acho que você agora está sendo inspirado mais do que nunca, acho que devemos rezar e agradecer a Deus por mais esta bênção.
Ele concordou e com olhos fechados começou a orar:
"Pai de infinita bondade e sabedoria!”
"Como é grande a sua misericórdia e quanto é infinito o seu amor.”
"Sinto que não devo mais esperar para amar toda a humanidade como se fosse uma só.”
"Sei que posso e devo dar o melhor de mim por tudo e todos que estiverem à minha volta.
“Que o mundo possa sentir todo o seu amor, como sinto agora".
"Eu te agradeço Deus de amor, por tudo o que me destes.
Ajuda-me através de Jesus e dos espíritos superiores a cumprir com fidelidade a missão que me destes sem fraquejar, nem me abater".
"Sei que só a Tua força é capaz de remover todas as pedras do caminho e que sem ela nós não fazemos nada".
“Por tudo isso Senhor é que te agradeço".
Flávio chorava e Francisca também.
Lançando sobre eles energias coloridas estavam Hilário, Anita, Noel e Carlota.
Érica e Marina à distância observavam tudo em estado de oração.
No fundo elas sabiam que Deus a tudo provê e que Flávio mais uma vez conseguiria ser seu fiel discípulo.
Como foi bom tê-lo em sua família!
Era um anjo do bem que derramava luzes por onde passava.
Elas agora entendiam que tudo o que sofreram foi por falta de amor.
Na próxima existência elas saberiam usar esse fogo divino que não pode e nem deve esperar para acontecer.
Nessa hora de júbilo e felicidade sentiram leve brisa no rosto como que a dizer que desta vez elas conseguiriam.

§.§.§- Ave sem Ninho
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O AMOR NÃO PODE ESPERAR - Hermes / Maurício de Castro

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 7 de 7 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum