O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Página 1 de 6 1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte

Ir em baixo

O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jan 29, 2018 11:28 am

O Vale dos Espíritas
Sávio Mendonça

ATANAGILDO

Espíritos superiores não cessam de trabalhar, pois consideram o labor uma grande ventura.
Estão sempre em busca de parceiros empenhados na reforma íntima, e, quando encontram condições favoráveis, é por meio deles que passam a disseminar o resultado de suas obras.
É por essa via que Atanagildo retorna à literatura, convidando espíritas, espiritualistas, umbandistas e irmãos ligados a diversas correntes religiosas, a realizar uma profunda revisão de seus valores morais e de sua responsabilidade para com o trabalho espiritual.
O Vale dos Espíritas é resultado de longas pesquisas sobre a origem cármica de dramas vividos por irmãos ligados às paixões inferiores, narrados por vários personagens que, embora possuíssem conhecimento intelectual, oratória impecável, desenvoltura mediúnica e assiduidade na casa espírita, chegaram ao Astral em estado lastimável, por terem negligenciado o entendimento dos conceitos básicos da doutrina espírita, bem como a própria reforma de seus sentimentos e acções.
Para eles, o trabalho de auto-conhecimento valia apenas para os outros, irritando-se quando alguém lhes ressaltava isso.
Iludidos por suas convicções equivocadas, pelo apego ao orgulho, à vaidade, ao sexo, ao egocentrismo, e acima de tudo ao dinheiro, esperavam encontrar no Além as mesmas regalias adquiridas na Terra.
Quantos espíritas há que pregam belas lições em público, e até na mídia, e ao serem contrariados em seus interesses pessoais revelam a sua verdadeira face?!
Atanagildo vem expor todas as mazelas alimentadas na intimidade desses irmãos, alertando que não cabe mais protelar o trabalho de reforma íntima e a caridade desinteressada.
Especialista na análise de jornadas existenciais que visam a futuras encarnações rectificadoras, ele revela o triste percurso dos que levam sua carga mental-emocional deletéria para o Além, vagando pelo descampado do Vale ou servindo para terríveis obsessões.
Este livro é para todos, mas especialmente para aqueles que têm sob sua tutela o percurso de muitas almas.

Sávio Mendonça é espírita desde 1987, quando se ligou à Fraternidade do Triângulo, da Rosa e da Cruz, grupo orientado espiritualmente por Ramatís, ficando vinculado a ele até o ano de 1997.
Transitou pelo espiritismo, umbanda, teosofia e yoga.
É dirigente do Grupo Dharma, agrupamento espírita-universalista, sob a égide do Mestre Jesus, orientado pela Falange de Dharma, que tem como mentor-maior Ramatís.

Sumário!
Apresentação
Introdução


I. O sentido da vida
II. Mergulho nas Sombras
III. Enfrentando a própria consciência
IV. Exigências descabidas: "Eu era líder espírita"
V. Amortecimento da subida e drenagem psíquica
VI. Quando os caminhos são descaminhos
VII. Desviando o real sentido da caridade: o que de facto Kardec intencionou dizer
VIII. Uma falsa e fugaz luz guiada pela vaidade
IX. Fugindo de si próprio
X. Idas e vindas: repelindo as mesmas lições
XI. Conclusões finais: por que devemos buscar o auto-conhecimento e a reforma íntima


Última edição por Ave sem Ninho em Seg Jan 29, 2018 11:29 am, editado 1 vez(es)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jan 29, 2018 11:28 am

Apresentação

Caros irmãos:
Ao longo de muitos séculos temos acompanhado a experiencia de vários irmãos em suas jornadas existenciais, encarnando e desencarnando, errando e acertando, colaborando com as forças impulsionadoras do progresso espiritual, ou gerando pensamentos e acções que retardam a evolução individual e colectiva dos seres humanos da Terra.
Esse trabalho tem sido realizado por Atanagildo, espírito laborioso que há muito pesquisa a trajectória encarnatória e desencarnatória de irmãos extremamente ligados à carne, com o objectivo de investigar a origem cármica de alguns dramas vividos por eles.
Este amigo foi ajudado inúmeras vezes pela Espiritualidade quando estava encarnado na Terra, em ocasiões em que tropeçou e reincidiu em pensamentos e atitudes negativas, próprios de quem percorre as rodas da evolução, vindo a sofrer influência de entidades que se incomodavam com a ascensão espiritual daqueles que, no passado, haviam colaborado com grupos mal-intencionados.
E assim, retribuindo todo o amparo recebido, e desejoso de cooperar para a evolução desses irmãos, solicitou a permissão dos Maiorais do Espaço para participar deste projecto de extrema importância.
Há espíritos que fazem parte de falanges que colaboram com os Senhores do Carma, anjos de elevado discernimento, com capacidade de "leitura de almas", responsáveis pela direcção e coordenação dos processos cármicos das humanidades de planetas que ainda estão sob a influência directa da lei cármica, em razão do atraso espiritual em que se encontram.
Para acompanhar os irmãos que habitam os planos físico e astral da Terra, existem vários anjos responsáveis pelos carmas, supervisionados pelo Arcanjo Miguel, sob o comando maior de Jesus.
Há uma enorme hierarquia de espíritos alinhados com o raio da justiça que colaboram com esses anjos.
Um deles, em especial, tem assumido grandes responsabilidades em auxílio aos Anjos do Carma, nestes tempos de intensas transformações planetárias.
Trata-se do irmão Sebastião, nome que lhe foi dado numa encarnação em terras brasileiras, onde viveu como escravo.
Sua aura bondosa e a enorme humildade que lhe inundava a alma permitiram que ele passasse anonimamente pela Terra.
Irmão Atanagildo tem participado de um agrupamento supervisionado por Sebastião e prestado valiosa colaboração aos estudos e análises de carmas que visam a orientar futuras encarnações rectificadoras de muitos espíritos, de forma que eles sejam integrados às correntes do Cristo.
A questão cármica é complexa e exige profundos conhecimentos, experiência e sensibilidade quanto à psicologia dos seres humanos.
Assim como Atanagildo, existem outros colaboradores na Colónia do Grande Coração que a cada dia aprimoram mais o discernimento, a fim de melhor auxiliar Sebastião e seus supervisores que trabalham para os Anjos do Carma.
Do mesmo modo como tem ocorrido com outras falanges de trabalhadores do Cordeiro de Deus, que atuam em várias frentes evangelizadoras, os envolvidos com a questão cármica vêm se desdobrando intensamente neste momento de transição planetária.
Ainda que de forma indirecta, o trabalho deles está intimamente atrelado à escolha dos da "direita" e da "esquerda" do Cristo e, por conseguinte, à programação reencarnatória dos espíritos que participarão da construção da Terra de Regeneração, dentro do contexto mais favorável possível para uma melhor ventura evolutiva.
Por tudo isso, é com imensa gratidão e alegria que inspiro a Apresentação desta obra, ressaltando que não há intenção alguma de criticar o movimento espírita; muito pelo contrário.
Exactamente por nos sentirmos co-participes e co-responsáveis por essa força consoladora, iniciada por Kardec, é que resolvemos trazer à tona experiências de algumas almas envolvidas com o espiritismo, demonstrando a necessidade de reposicionamento de alguns grupos de irmãos ainda não sintonizados com as vibrações da Nova Era Aquariana, posto que já alcançaram certo grau evolutivo em que não lhes cabe mais protelar a reforma íntima.
Vale esclarecer ainda que o conteúdo deste livro foi estruturado a partir de obra escrita no plano astral pelo irmão Atanagildo e arquivada no Departamento de Estudos e Orientações do Carma, na Metrópole do Grande Coração. Posteriormente, foram feitos ajustes ou actualizações de textos sob nossa coordenação, e contando com a valiosa ajuda de vários abnegados irmãos dessa colónia, os quais nos ajudaram na composição do material transmitido ao médium.
Que a Luz crística clareie os vossos caminhos!

Ramatís
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jan 29, 2018 11:29 am

Introdução

Queridos irmãos espíritas:
Fazemos parte do mesmo movimento libertador de almas, e assim sinto-me impulsionado a colaborar firmemente com a revisão, não dos princípios e conceitos básicos que permeiam a doutrina espírita, mas de sua forma de compreensão.
Por compromissos assumidos com a Espiritualidade Maior, tenho trabalhado nos estudos e análises de processos cármicos, visando a dar subsídios aos responsáveis por orientar reencarnações de muitos irmãos, não somente de nossa Colónia do Grande Coração, no Astral terreno, mas de diversas outras paragens.
Assim, no nosso labor diário, temos nos deparado com muitos amigos, conhecidos, e outros que não conhecíamos, enfim, irmãos espíritas que teoricamente esperavam desencarnar em melhores condições, mas que acabaram chegando ao lado de cá em situação desastrosa.
O papel do Consolador trazido por Kardec era esclarecer e dar suporte ao novo movimento que se iniciava no século dezanove e que deveria expandir-se nas décadas e séculos posteriores, o que de facto tem ocorrido.
Evidentemente que não se esperava que grande parte dos espíritas trabalhasse apenas o conteúdo intelectual, mas, acima de tudo, que promovesse a educação dos pensamentos, dos actos e principalmente a reforma de seus sentimentos.
Não por acaso, o movimento migrou da França para o Brasil.
Como parte do Plano Maior de evolução da Terra, escolheu-se o local onde o sentimento cristão encontraria terreno mais fértil, exactamente para trabalhar-se a transformação íntima e a expansão da sensibilidade e do amor crístico.
Nesse contexto, precisamos considerar outro ponto crucial:
o uso adequado das palavras de Kardec, ao afirmar:
"Fora da caridade não há salvação".
Infelizmente, muitos espíritas restringem-se à interpretação dessa máxima "ao pé da letra", quando focam suas acções no auxílio ao próximo.
E se irritam ou se melindram, se alguém lhes ressalta isso, deixando claro que o orgulho ainda exerce forte controle sobre seus sentimentos.
É válido centrar a vida em ajudar o próximo, mas não se pode esquecer de ajudar a si próprio.
É preciso amar a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a si mesmo, conforme Jesus nos ensinou.
Com isso, verifica-se a necessidade do equilíbrio entre vivência e trabalho, ou seja, entre o ambiente interno e externo a cada um.
Observamos muitos irmãos espíritas que, acertadamente, incluem-se no processo da caridade, aplicando o conceito de caridade também para si, buscando amar-se (sem egoísmo, mas com equilíbrio e serenidade) e se esforçando para melhorar-se interiormente, além de ajudar a quem precisa.
Estes estão no caminho certo.
Há ainda os que, além disso, e pelo natural estágio de evolução em que se encontram, realizam a caridade ao próximo mobilizando seus sentimentos sinceros de serviço incondicional e compaixão, e não apenas com actos externos e disciplina mental, por saberem que é bom ajudar.
Contudo, existem outros em situação delicada, que ajudam pensando na troca, esperando ser ajudados por Deus, ou mesmo para mostrar aos outros que são cristãos.
É importante que o espírito encarnado esteja atento, a fim de que não fuja de si mesmo e do contacto com suas imperfeições no Campo do sentimento e dos impulsos primários.
Não se pode acreditar que, por mobilizar boa intenção em auxílio a quem necessita de apoio material, ou mesmo espiritual, já se tenha garantido um "lote ou terreno" em alguma colónia astral ligada ao amor crístico.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jan 29, 2018 11:29 am

É preciso que o ser humano, em especial o espírita (por deter mais conhecimento sobre o mundo astral e os princípios doutrinários), não se deixe iludir por atitudes íntimas desajustadas (às vezes escondidas nas profundezas do espírito), como as relacionadas à troca de interesses e favores entre os mundos físico e astral.
A Lei do Carma, em associação com os complexos processos de alquimia interior que fomentam a evolução individual e colectiva da humanidade, demanda igualmente complexas análises.
Acima de tudo, os irmãos comprometidos e sintonizados com a Espiritualidade Maior não fazem julgamento algum a quem quer que chegue ao mundo astral, procedente da vida carnal.
A alegoria do Deus julgador, de barbas brancas e semblante endurecido pela "lei" implacável, é mera criação humana.
Assim, os caminhos astrais trilhados pelos viajantes que partiram da carne são fruto unicamente do arcabouço mental-emocional desenvolvido pelo próprio desencarnante.
Ao deixar o mundo terreno, o ser humano se depara com a própria consciência.
Ainda que fuja dela, as forças subconscienciais e as formas-pensamento alimentadas por ele serão seus próprios perseguidores, os quais, não raras vezes, se sintonizam com espíritos sofredores ou cobradores de débitos passados, para ampliar o seu sofrimento.
Certamente, o orgulho, a vaidade e o egoísmo, bem como o aprisionamento aos impulsos inferiores, costumam ser a causa maior que favorece o desencarnante a ser tragado por forças negativas alimentadas por ele mesmo.
Os Mentores Maiores e orientadores das falanges cristãs no mundo astral, amadurecidos na compreensão da psicologia humana, sabem muito sobre os mecanismos e elementos que compõem as imperfeições humanas e têm ciência de que a evolução não dá saltos.
Portanto, repletos de atitude amorável, estão sempre de braços abertos e mobilizam falanges diversas de resgatadores de desencarnados que desejam realinhar-se ou encontrar o caminho do Cristo, o que terá como pressuposto básico a busca do autoconhecimento e da autotransformação, paralelamente ao serviço ao próximo.
Os Mentores Maiores sabem que todo filho de Deus deve ser resgatado ou recepcionado nos agrupamentos cristãos do mundo astral, e que muito será exigido a quem muito foi dado.
Essa exigência procederá do próprio íntimo de cada um. Cada qual sente, no fundo de sua alma, a auto-educação espiritual de que necessita, o que exige silenciar a mente e o coração, a fim de que seja possível auscultar-se no íntimo:
primeiro passo para a tomada de consciência de si próprio, pois com a mente agitada ninguém é capaz de perceber-se.
É preciso parar em algum instante do dia a dia para observar-se, ouvir a voz que vem da alma, dialogar amoravelmente consigo.
Nessa direcção, cabe a cada um avaliar:
se naquele determinado dia ou período da vida vivenciado, houve esforço na medida equilibrada rumo à auto-educação espiritual; se houve esforço excessivo ou se regateou esforço, ainda que tenha tido potencial para avanços (neste último caso, percebe-se o predomínio de forças tamásicas,1 advindas das energias primárias da Terra, que se associam a energias similares normalmente carregadas pelo ser humano, como comodismo, preguiça, apego a vícios ou formas-pensamento criadas por si mesmo nas várias vidas, e quase sempre retroalimentadas por desencarnados viciados nas baixas frequências vibratórias, por se comprazerem nelas e delas se alimentarem).
Entretanto, havia por parte dos mentores da Terra mais expectativa quanto aos agrupamentos espíritas.
Compreendemos que faz parte da caminhada evolutiva cultivar a paciência e a tolerância com aqueles que ainda não alcançaram a maturidade necessária para vencer a trilha com disciplina e firmeza de propósito, compatíveis com os conhecimentos e potencial interior que carregam.
Desse modo, e por amor ao serviço de construção da nova Terra, tomamos a iniciativa de relatar como determinadas escolhas de caminhos interiores podem levar uma criatura a retardar o encontro com a verdadeira felicidade.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jan 29, 2018 11:30 am

Longe de qualquer intenção de julgamento, esta obra busca o sincero propósito de auxiliar os espíritas e irmãos alinhados com as diversas correntes religiosas e filosóficas a atentar para aspectos da vida interior, muitas vezes tidos como meros detalhes, mas que na verdade são de suma importância para a própria evolução:
é a subtileza do "caminho das pedras".
Precisamos de trabalhadores prontos para o gigantesco serviço cristão nos planos físico e astral, volume de trabalho que deverá ampliar-se» a cada ano e década vindoura.
Contamos especialmente com trabalhadores que se agruparam ou que pelo menos se sintonizaram com o espiritismo,2 em razão da facilidade de compreensão, de propensão ao terreno fértil no campo do sentimento, da força de vontade direccionada para a reforma íntima e, evidentemente, por terem procurado aprimorar-se interiormente, o que favorecerá a maior efectividade no serviço ao próximo, ajudando e ensinando melhor àqueles que se esforçam em exemplificar e vivenciar no seu íntimo a auto-educação espiritual.
Nesta obra, foram adoptados cognomes no lugar dos nomes verdadeiros daqueles que viveram na carne as situações aqui expostas, a fim de evitarem-se problemas com seus familiares.
Acima de tudo, estas narrativas têm como objectivo servir de instrumento de reflexão, contribuindo de alguma maneira no processo de reforma íntima dos que se encontram encarnados na Terra e que adoptam como base filosófica e conceituai os mesmos parâmetros espíritas, nem sempre compreendidos ou vivenciados do modo mais eficiente.

Paz e amor!
Atanagildo

l - Este termo deriva de temas, uma das três gunas citadas pela literatura iogue.
Tamas é a energia da manutenção travestida de indolência, inércia, comodismo, apego, medo, depressão e tendência à estagnação.
A outra guna é a força rajásica, que vem de rajas, isto é, energia da dinâmica da criação travestida de estresse, nervosismo, indisciplina activa, violência.
A terceira é sattwa, que é o equilíbrio, em suas diversas formas de manifestação, expressa pela actividade construtiva, criativa e ao mesmo tempo serena. Gunas são energias que se manifestam no Universo por essas três formas, segundo acreditam as tradições hindu, ayurvédica e iogue; permeiam especialmente a natureza humana.
Seria injusto afirmar que não houve progresso espiritual da humanidade e dos que vêm encarnando em terras brasileiras.
Sem dúvida, a Terra hoje está melhor do que há duzentos anos.
Evidentemente ainda existem locais no plano físico e no Astral terreno em que a primariedade psíquica e material reina temporariamente irresolvida por questões cármicas e necessidade de burilamento espiritual das "pedras", ainda em estado muito bruto, que acabam por sofrer intensos atritos reparadores, através do salutar caminho do sofrimento.

2 - Espiritismo aqui está contemplando os movimentos kardecistas, umbandistas, os grupamentos universalistas com base espírita, e grupos similares, que atuam alicerçados por princípios cristãos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jan 29, 2018 11:30 am

I - O sentido da vida

Relato de Jonair

Já passava das sete e meia da manhã.
Eu tinha passado a noite inteira na UTI de um hospital.
O derrame que me abatera, havia dois dias, danificara parte de meu cérebro, que não enviava mais sinais aos demais sistemas do corpo.
Nessa manhã, os médicos anunciaram minha morte cerebral, aguardando somente o parecer de minha família para saber se podiam ou não desligar os aparelhos que ainda mantinham meus lentos fluxos cardiovasculares, os quais, a cada hora, se desvitalizavam mais, caminhando para o desfecho final do processo de vida.
Na verdade, eu me sentia como se estivesse anestesiado:
percebia, com algum discernimento, a movimentação dos médicos e de meus familiares no hospital; sentia-me ainda ligado ao corpo físico, mas não me dava conta de que apenas meu perispírito pairava sobre ele, sem nenhuma condição de me receber; percebia, evidentemente, que tanto os meus familiares como os enfermeiros estavam muito preocupados com meu estado de saúde, e que a situação inspirava cuidados redobrados.
Percebia também, com surpresa, uma certa postura de desesperança por parte dos dois médicos que me assistiam.
Somente mais tarde, pude compreender que se comportavam assim em decorrência de minha morte cerebral.
Na verdade, naquele momento, eu sentia era medo do desencarne.
O acidente vascular cerebral me pegara de surpresa, aos cinquenta e quatro anos, num estágio da vida em que eu era muito produtivo e imaginava que iria viver para lá dos oitenta.
Doze horas mais tarde, minha irmã Cyntia telefonava para mamãe:
- Mãe, acabo de receber uma ligação do hospital.
Doutor Valcyr avisou que Jonair acaba de falecer.
Ainda estou em estado de choque.
Ele disse que costuma avisar primeiro a esposa, mas, apesar de ter tentado ligar para Creuza, ninguém atendeu.
Talvez ela ainda esteja dormindo, por causa do cansaço de ontem.
Fique calma, mãe, sente-se um pouco e tome uma água com açúcar!...
Só fui me dar conta do meu desencarne quando vi os enfermeiros desligarem os aparelhos, por ordem do médico, e me cobrirem até a cabeça com um lençol branco.
Tentei entrar no meu corpo e não consegui.
Lembrei-me de que no dia anterior, à noite, tivera a tradicional revisão da minha vida, com visões rápidas dos principais factos que me ocorreram, desde que era criancinha até os dias atuais.
Então me dei conta de que esse é um dos principais sinais da morte física.
Senti certo desespero quando me vi coberto com aquele lençol, mas de súbito fui arrastado vibratoriamente para minha casa, onde encontrei meu filho Eduardo e minha esposa Creuza dormindo.
Com minha alma livre do envoltório da matéria física, e sujeito aos fortes reflexos do magnetismo astral, era natural que meus impulsos emocionais me conduzissem, por efeito de atracção, para aqueles com as quais estava sentimentalmente mais ligado e preocupado.
Creuza trabalhava, mas não tinha um bom salário.
Eduardo acabara de se formar e procurava emprego havia meses, sem sucesso, apesar de ter uma proposta em vista.
É evidente que eles poderiam usufruir da minha aposentadoria de funcionário público, mas ninguém sabia de outros compromissos meus.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jan 29, 2018 11:30 am

Durante anos, tinha me envolvido afectivamente com outra mulher, com quem mantinha uma relação extra-conjugal.
Por sua postura um tanto rebelde (ela me falava constantemente que não estava mais aguentando aquela situação e que eu teria de me decidir com quem ficaria definitivamente), com toda certeza Iolanda iria buscar os direitos de pensão do amante recém-falecido.
Como advogado, sabia das desastrosas consequências do que eu alimentara e, de certo, haveria processo judicial.
Mais do que isso:
como ficaria minha imagem na família, no centro espírita que eu frequentara e no trabalho, uma vez que todos me tinham como pessoa da mais ilibada conduta?
Na minha mente começava a instalar-se um verdadeiro turbilhão de pensamentos.
A dor na cabeça causada pelo derrame havia desaparecido assim que o pessoal do hospital me cobriu com o lençol.
Hoje sei que de facto não havia mais dor física; no entanto, eu a alimentara por efeito psicológico, achando que até então ainda estava vivo.
Mas, naquele momento, ela voltava ainda mais intensa.
Sentia-me confuso, envergonhado de mim mesmo.
Meu amor por Creuza era profundo, apesar de minha postura leviana, arrebatada pelos instintos descontrolados e pela paixão corriqueira, haja vista Iolanda possuir uma beleza física incomum.
Aos poucos, fui me desligando do meu lar, sentei-me na calçada da rua onde tinha morado por décadas e comecei a chorar compulsivamente, sentindo uma dor descomunal no coração.
Sentia-me sozinho e tinha vergonha de ter que encarar o julgamento dos prepostos de Deus.
Aquele quadro emocional naturalmente me levara para o Umbral.
O magnetismo no mundo astral é impressionante.
Basta você modificar o que pensa, especialmente desejos e sentimentos, e é atraído vibratoriamente para o ambiente condizente com aquele padrão de frequência:
é como um ímã que nos conduz involuntariamente.
No mundo físico temos uma barreira natural, que é o corpo físico, mas no Astral não existe mais essa contenção ou biombo energético.
Quando levantei a cabeça, me assustei porque estava sentado na calçada, quase em frente à minha casa, e de repente me deparava com um ambiente totalmente diferente:
sombrio, frio e com várias entidades vagando, chorando, gritando; outras andando com ar de desespero ou em estado mental desorientado.
Cena assustadora e incompreensível para mim, pois jamais pensei que um dia pudesse estar ali; além do mais, não sentira ninguém me levar para lá.
Imagino que ficara sentado com a cabeça abaixada, apoiada sobre os joelhos flexionados, por cerca de duas horas, enfrentando minhas emoções doloridas e minha mente atordoada por uma avalanche de pensamentos, preocupações, culpas e auto-condenações.
E foram exactamente essas emoções e esses pensamentos que me conduziram ao Umbral.
Percebi que não podia ficar ali sentado no meio do nada, cercado por entidades perdidas, desesperadas, e outras de aspecto horrendo.
Aquele ambiente sombrio e frio me dava medo.
Foi quando me dei conta de que não dava mais para lutar pelas coisas que tinham ficado no mundo físico e que eu precisava cuidar de mim.
Lembrei-me dos mentores da casa espírita que frequentava, mas, num primeiro momento, me senti constrangido em fazer uma prece e pedir a ajuda deles, face aos meus actos inadequados na vida terrena, especialmente em relação à minha dedicada esposa, o que me colocou naquele instante em um intenso estado de culpa.
Lembrei-me, então, de dois senhores que tinham desencarnado:
José Athayde, havia uns dois anos, e Alexandre, havia poucos meses, e que também frequentavam o mesmo centro espírita.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jan 29, 2018 11:31 am

Eu tinha uma boa relação com eles; conversávamos bastante; sentia-os como bons amigos:
um fora assistente dos trabalhos mediúnicos por mais de dez anos, mais ou menos o mesmo tempo que eu participava do grupo, quando então ele partiu para o plano espiritual, e o outro frequentava o centro havia anos e se integrava nas rotinas de estudos, trabalhos mediúnicos, contribuição assistencial a famílias carentes, incluindo ajuda financeira, além de participar das leituras, debates e palestras.
Como eu, ambos eram assíduos frequentadores e participantes dos diversos trabalhos enobrecedores da alma.
Lembrei-me, naquele momento, das muitas leituras espíritas e então pensei que não poderia estar passando por aquilo, porque conhecia muito a doutrina, inclusive tinha lido várias obras sobre a força e o domínio da mente, muito comuns nos meios espiritualistas.
Concluí:
"Puxa, quantas pessoas carentes ajudei, e quantas pessoas ajudamos no centro, nos nossos passes e orientações espirituais...?".
Então pensei firmemente em José Athayde e Alexandre.
Pedi a Deus que eles aparecessem para me ajudar a sair dali.
Depois de algumas horas, já cansado, com fome e sede, após ter caminhado bastante à deriva, eis que Alexandre veio ao meu encontro, junto com outros irmãos desencarnados.
- Jonair, companheiros da nossa cidade astral que estavam presentes ao seu desenlace carnal nos avisaram e, por isso, saímos à sua procura.
Imaginei que também estivesse na mesma região para a qual fui atraído no meu desencarne.
Venha se juntar aos nossos!
Então você partiu do plano físico!!!...
Claro, já imagino, passou pelo mesmo pesadelo que eu e estes dois amigos, ao desencarnar e dar de cara com o Umbral, após caros serviços prestados à doutrina...
É, meu amigo, tudo o que lemos e estudamos foi muito diferente do que encontramos.
Onde estava o pessoal do Nosso Lar para nos receber?
Enfim, a mesma sensação que eu tive, você está tendo agora:
de sentir-se enganado.
Mas não esquenta!
Venha connosco, você vai ver quanta gente passou pela mesma situação!
Estamos construindo um lugar para aqueles que vivenciaram o mesmo que nós.
Não é muito longe daqui.
Nelson e Sérgio conhecem bem o caminho e nos servirão de guias.
Apenas fique atento, porque vamos nos deparar com várias entidades perturbadas e encrenqueiras.
Não lhes dê atenção, siga em frente:
os cães ladram, mas a caravana passa.
Você vai se surpreender com a quantidade de irmãos espíritas que foram ludibriados, como nós.
E já que não achamos o Nosso Lar, tão apregoado por André Luiz, resolvemos construir o Nosso Lar do 'B'.
- Estou cansado e com fome - respondi.
E já com certa dificuldade de caminhar.
Vai demorar muito para chegarmos?
Nelson, o outro companheiro, esclareceu:
- É... percebi desde o início que você estava meio trôpego.
É normal. Perdeu muito ectoplasma, por conta do seu estado de saúde, desde a hora do desencarne.
Lá no hospital havia algumas entidades negativas sugando a sua vitalidade.
Estive presente com alguns amigos e não pudemos fazer nada, pois eram criaturas violentas, inteligentes e de muita força mental, e não queríamos arranjar encrenca.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jan 29, 2018 11:31 am

Quando a gente consegue se manter intacto, com nosso ectoplasma, ainda que fraco, dá para ter algum saldo de energia do corpo físico (as últimas correntes de sangue que levam energia vital ao duplo-etérico e daí ao corpo astral), o que nos ajuda a chegar aqui com mais força e consciência.
Mas tenha um pouco de paciência, e em mais alguns minutinhos chegaremos à Cidade dos Nobres.
Então Sérgio, o terceiro acompanhante, acrescentou:
- Estamos sabendo que alguns desencarnados andam apelidando a Cidade dos Nobres de Vale dos Espíritas.
Isso para nos insultar.
Dizem que foram outros desencarnados que passaram por aqui que começaram com esse papo, como se vivêssemos num vale de sofrimento.
Mas vale de sofrimento é o descampado onde eu, você e tantos outros estávamos, após o desencarne.
Aliás, alguns desses que têm passado por aqui vêm com ar de doutrinadores do bem, com cara de bonzinhos, mas sem cultura, com aspecto de quem viveu em periferia de cidade grande, ou em vila do interior do Brasil; tipo "papo para boi dormir".
Gente sem estudo, sabe como é; querendo orientar parceiros com elevada cultura, que foram conhecedores profundos da doutrina espírita quando encarnados.
Vez ou outra, até que chegam alguns com um pouco mais de inteligência, com jeito manso, mas querendo interferir demais no nosso modo de pensar.
No fundo, querem nos humilhar com argumentos e trejeitos de São Francisco.
Finalmente nos avizinhamos da cidade.
- Chegamos, pessoal! - avisou Alexandre.
Olhei ao redor e comentei:
- De facto é como um vale, Alexandre.
As construções da vila estão dentro de uma região baixa, cercada de morros, como num vale realmente.
Qual a população desta colónia?
- Primeiramente vamos deixar claro que aqui não usamos o termo colónia, como se via nos livros espíritas - apressou-se a dizer Sérgio.
Colónia é coisa do passado, expressão sem visão de modernidade, que é o que estamos implantando.
Além disso, já não somos mais uma vila; podemos dizer que alcançamos a categoria de cidade.
Mas, vamos lá, temos aqui mais ou menos quinze mil habitantes.
De tempos em tempos, vemos que muitos se afastam, outros chegam. Os que saem, resolvem migrar para outras colónias.
Há também aqueles que preferem ficar na crosta, dando uma de protector dos parentes que permanecem encarnados.
Mas, no geral, percebemos que a população vem aumentando.
- Nós, que vivemos aqui, somos um grande grupo social com muitos traços de semelhança comportamental, isto é, não somos acomodados, não baixamos a cabeça para os outros, principalmente para quem não possui intelecto avantajado e não traz uma grande bagagem de conhecimentos da crosta - acrescentou Alexandre.
Outra coisa, para cá vêm pessoas com grande força mental.
A gente bate no peito com orgulho por ter este lugar.
Enfim, depois de anos vivendo às soltas nesses descampados e no vale sombreado, nossos antecessores resolveram construir algo melhor para estarmos juntos.
É como um grande condomínio fechado.
Assim, nos protegemos de ataques de entidades perturbadas que estão por toda parte, fora dos nossos muros.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Jan 29, 2018 11:31 am

Aqui nos sentimos mais seguros, e, o que é melhor, com pessoas que partilham das mesmas ideias e das mesmas análises críticas sobre o espiritismo, que está cheio de equívocos.
Está na cara que Chico Xavier e outras criaturas especiais foram para lugares muito melhores, onde não precisam de tanto trabalho pesado, como aqui, que temos de levantar nossas moradias, estruturas de ruas, e por aí vai.
Eles foram directo para os paramos celestiais.
Na verdade, nós não estamos no melhor lugar não. Todos aqui estão esperando os seus direitos de trabalhadores do Cristo.
Merecíamos estar em cidades como Nosso Lar, onde há outro padrão de estrutura, muito mais moderno.
Se Jesus tratava seus discípulos e demais seguidores da mesma maneira, os mais simples deveriam ser tratados assim também.
Desse modo, haveria democracia verdadeira.
Aliás, há muitos que até duvidam que sair daqui seria o melhor.
Por isso resolvemos construir nossa própria cidade.
A próxima grande obra a ser realizada será uma barreira magnética contra entidades desorientadas e até contra assaltantes que tentam roubar condensadores de energia de plasma.
Nesse momento, tive de perguntar:
- O que é isso?
Condensadores de plasma?
- É a base da nossa protecção contra invasores - respondeu Alexandre.
A gente tem equipes que se revezam para buscar material energético na crosta.
Esses condensadores foram desenvolvidos por alguns cientistas que vivem na nossa cidade.
Eles servem também para iluminar as noites ou mesmo algumas horas do dia, quando os raríssimos raios de sol que chegam aqui não conseguem ultrapassar as densas nuvens de tempestades que caem de vez em quando.
Esse material é precioso; por isso muitas entidades negativas vêm tentar roubá-lo para usar com fins tenebrosos.
Sabe como é que é!
Sabe aquelas histórias de macumba, de gente que faz trabalhos com magia negra para matar algum inimigo ou fazer algum mal...
Enfim, as entidades do mal querem roubar esse material plásmico para usar com esses e outros fins negativos.
Nós aqui estamos num outro nível; não mexemos com macumbas ou baixarias como essas.
- Mas qual a origem desse plasma? - insisti.
Como vocês conseguem esse material?
-Tem várias origens - informou Nelson.
Tanto da natureza, quando captamos bioplasma de alguns vegetais ou árvores, como das energias subtis que pairam nas beiras de rios e mares, mas principalmente do sangue de animais.
Mas repare bem, não usamos isso para fazer macumba, não.
Tem também o ectoplasma de pessoas encarnadas.
Lembra dos trabalhos mediúnicos?
Há muitos trabalhos que são feitos sob orientação de amigos da nossa cidade.
Eles normalmente levam o equipamento aspirador de ectoplasma para captar essas energias dos médiuns, e trazem-na para cá.
O pessoal está sintonizado com a gente, e aí o canal fica aberto para captarmos plasma.
Esse material é como o "ouro" do plano astral.
Todos precisamos disso para os mais variados fins.
- Mas vocês nunca perceberam, viram ou constataram a presença de algum guia espiritual, daqueles que líamos nos livros ou que diziam estar presentes nos trabalhos mediúnicos? - perguntei curioso.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jan 30, 2018 9:49 am

- Jonair, sabemos que às vezes eles estão presentes, meio que espionando a gente - retrucou Alexandre.
Primeiro, não estamos fazendo mal a ninguém.
Até damos orientação em várias sessões mediúnicas.
E depois, se a turma que está acima de nós não vem nos buscar para o Nosso Lar ou outras paragens melhores, então temos de nos organizar e fazer a nossa parte.
Não dá para ficar esperando ninguém não, meu irmão!
Temos que nos virar e tocar nosso barco.
Aqui é cada um por si.
Tentamos nos unir em torno do que precisa melhorar a vida do conjunto; é como num condomínio lá na Terra.
Tudo que os tais bonzinhos do Cristo nos prometeram não aconteceu.
Não apareceu entidade superior nenhuma, nem anjo algum para nos resgatar para as zonas celestiais.
Então, se não temos o Nosso Lar, construímos a Cidade dos Nobres, com o nosso suor.
- Não sei como se processa aqui, no lado invisível, mas no mundo dos encarnados você sabe que esse lance de sintonia é um assunto muito delicado...
E como é que vocês a criam nos trabalhos mediúnicos, para facilitar a colecta do ectoplasma?
- Bem - disse Alexandre -, temos ido a vários trabalhos espirituais e incentivado o pessoal a expandir o atendimento aos outros.
Exactamente o que faziam com a gente:
"Sem caridade não há salvação".
Então o pessoal encarnado se dispõe a ajudar as entidades perturbadas.
Sabemos que entre nós até há algumas entidades superiores, que na verdade nem vemos.
Sabemos que as correntes dos médiuns oscilam muito, nem sempre ficam de todo energeticamente fechadas, pois sempre há gente desequilibrada demais, perturbada, e aí fica fácil penetrar nela e puxar um pouco de ectoplasma.
Portanto, sempre sobra algo para nós no processo das transfusões energéticas.
Alguns encarnados são mais duros.
Então tentamos influenciá-los com sopros no ouvido, mas não conseguimos que liberem o suficiente para injectar no condensador.
Percebemos que são pessoas metidas a certinhas demais ou com a mente muito forte...
Há outros mais parecidos connosco.
E aí sim, conseguimos captar ectoplasma.
A gente consegue captar também dos mais medrosos, dos cheios de culpa ou de vergonha dos seus guias espirituais, porque fizeram bobagens, e há aqueles cheios de vaidade, achando que são os bons da doutrinação, mas que no fundo estão ali por interesse de ganhar um pedacinho do Astral superior.
Dessa turma toda é fácil tirar ectoplasma.
É claro que de vez em quando alguém puxa uma prece forte, e então surge do nada um refluxo de energia que nos joga para longe.
Daí fica difícil penetrar de novo na corrente, mesmo sabendo que há os mais fraquinhos lá dentro.
Daí temos que começar tudo de novo, tentando jogar sugestão na cabeça desses fraquinhos para abrirem novamente o canal de entrada na corrente, e por aí vai.
É a nossa luta diária.
Ao ouvir tudo isso, não pude deixar de enfatizar:
- Mas, Alexandre, isso me parece roubo de ectoplasma...
- Qual é, Jonair! - retrucou Sérgio, de imediato.
Você acaba de chegar e não tem nem ideia do que é viver aqui.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jan 30, 2018 9:50 am

Se a gente não se virar, somos atropelados por entidades negativas.
Meu irmão, aqui é "salve-se quem puder". Ninguém veio lá de cima nos salvar.
Então, temos que criar maneiras inteligentes de nos proteger.
Ninguém está roubando ectoplasma, não.
Se captamos é porque esses encarnados estão em sintonia connosco.
Se um aparelho de rádio ou televisão consegue sintonizar um canal, é porque houve sintonia natural; não há roubo algum.
Assim como ocorreu com você, que nos forneceu muito ectoplasma, acontece o mesmo com outros.
Agora você será beneficiado; é a sua vez de usufruir desse bem.
Olha só, quem deu receberá de troca.
São Francisco não falava isso?
Aqui também tem comércio.
Lembro-me dos meus tempos de estudante de Economia, em que se falava das teorias liberais e neoliberais.
Elas valem não só no mundo material, como aqui também.
Em tudo prevalece a lei das trocas, e o mercado regula automaticamente essas relações.
Na verdade, como ocorre no mundo material, há aqueles que prometem e não cumprem, os que não são justos no comércio e por isso devem sofrer as penalizações da justiça e da polícia.
Aliás, tem gente lá de cima que não cumpriu o que prometeu.
Agora é a nossa desforra.
Vamos correr atrás da nossa justiça.
Entendeu, né?
-Você quer dizer que a turma lá de cima, que prometeu e não nos ajudou, falhou na troca....?
Dessa vez, foi Alexandre quem respondeu:
- É mais ou menos isso.
Na verdade, ninguém nos prometeu nada directamente:
a entidade tal, ou fulano ou sicrano, mas no sentido geral.
Ajudamos muita gente com coisas materiais, com passes e em trabalhos de desobsessão.
E cadê o retorno disso, quando chegamos aqui?
Tivemos mesmo é que construir o nosso espaço, as nossas coisas, e tocar a vida.
Nesse ponto da conversa, chegamos diante de uma casa diferente das demais, e Nelson nos avisou:
- Pessoal, chegamos à casa do Dr. Cardoso, nosso comandante maior.
Vamos apresentá-lo a ele, Jonair.
Depois então arranjamos uma casa para você ficar, até ter condições de construir a sua.
- Puxa, pensei que fosse encontrar aqui um mundo mais justo, mais igualitário!
A casa do chefão parece mais bacana do que a da maioria.
- É, meu caro, aqui é igualzinho.
Se você não batalhar, não recebe, e quem pode mais tem direito a mais.
Tudo como ocorre naturalmente na Terra - explicou-me Alexandre.
Entramos, e já estávamos diante do Dr. Cardoso, que logo se dirigiu a mim:
- Seja bem-vindo, meu caro Jonair.
Já relaxou, já caiu na real?
Até que você está bem, pelo tempo de desencarne.
Há muitos que chegam aqui sem consciência; outros caindo aos pedaços.
Pois é, como o pessoal deve ter lhe falado, temos que batalhar o nosso espaço; temos que construir aquilo que tanto esperávamos e que não aconteceu.
Tudo promessa vazia.
Aqui ninguém faz mal a ninguém, não.
Procuramos criar um ambiente de paz e solidariedade.
Só que tem horas que precisamos ser mais duros com alguns.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jan 30, 2018 9:50 am

Sabe como é, se faltar disciplina e ordem...
Temos que pôr autoridade e organização no lugar.
Você vai andar pela colónia e verificar que ainda há muita coisa por fazer.
Aqui o governo somos todos nós, e eu estou nessa gestão há mais de cinco anos tentando trazer o melhor bem-estar possível a todos.
Claro, sempre tem aqueles que contestam, que são da oposição, que tentam me minar para colocar o José Eduardo na administração.
Nossa democracia prevê sete anos de gestão; e ainda tenho dois anos de labuta, vou precisar de sua ajuda também.
Meu assessor, Francelino, vai lhe dar algumas orientações básicas sobre as normas da cidade e encaminhá-lo para uma casa de hospedagem.
Parabéns por aceitar numa boa vir para cá! Você não vai se arrepender.
A essa altura, eu pensava:
"Estou impressionado com a Cidade dos Nobres.
Na verdade, não há nada de nobre aqui, como cheguei a imaginar. Aliás, esse nome é intrigante.
Quem o teria dado a este lugar?
Qual será a intenção, pois de fato não vejo aqui nada de nobreza...
Mais parece uma pequena cidade do interior do Brasil:
algumas ruas pavimentadas, outras não, algumas casas bonitas, outras mais simples.
Há algo como bicicletas e uns veículos meio esdrúxulos, parecidos com os nossos automóveis, só que meio artesanais.
Parecem carros feitos em oficina de fundo de quintal.
Que estranho!".
Mais tarde, eu iria descobrir que usavam bioplasma como combustível, que era processado num pequeno aparelho colocado no motor, que o fazia mover.
Saímos, e quando indaguei sobre a energia que era utilizada na cidade, Sérgio esclareceu:
- É, Jonair, nossa energia eléctrica, nossos aparelhos, carros e outros equipamentos se utilizam de plasma sintetizado e homogeneizado a partir da captação de diversas fontes de bioplasma; para outros usos, mais nobres, temos ectoplasma.
Isso é tecnologia nossa, especialmente criada pelo cientista Dr. Wesley e sua equipe.
A essa altura, tive de dizer:
- Pessoal, mais do que qualquer outra coisa, preciso tomar um banho, comer algo e descansar. Estou um caco.
- Sim, meu amigo, você terá isso tudo logo que chegarmos à casa de hospedagem, que é bem pertinho, depois daquela esquina - assegurou Alexandre.
E olha... apesar dos esforços do prefeito para controlar as invasões, tentativas de roubo e violências, você precisa estar atento.
Ande sempre com a sua identificação, pois há muitas entidades chegando ou passando por aqui, que na verdade só estão de olho nos equipamentos de condensação de energia.
Às vezes, se fingem de amigos e querem se instalar na cidade; outras vezes conseguem entrar, depois de tumultuar as portas de entrada, ou pular os altos muros, utilizando-se de equipamentos projectores de corpos, como se fossem as velhas catapultas.
A intenção delas é tentar raptar aqueles que acabaram de desencarnar e que nos pediram ajuda ou foram indicados por algum dos nossos membros da comunidade, mas ainda estão muito debilitados e mal conseguem controlar suas próprias mentes, para transformá-los em ovóides, ou simplesmente os escravizarem mentalmente, por meio de hipnose ou lavagem cerebral.
Enfim, você deve ter observado a quantidade de seguranças.
O sistema económico e social aqui não difere muito da crosta.
Temos de nos virar para pagar esse pessoal de mais baixo escalão, que às vezes se revolta e quer mais regalias.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jan 30, 2018 9:50 am

A luta aqui é grande, companheiro, você vai ver.
Tem até sindicatos, como na Terra.
Surpreso, observei:
- Estou pasmo com isso tudo, pois pensei que ia encontrar algo como um Nosso Lar... com outros paradigmas de vida...
- Sim, meu amigo - disse Alexandre -, como lhe falei, nós aqui estamos construindo o "nosso lar", à nossa maneira, pois estamos entregues à própria sorte.
Como chegamos da crosta com nossas experiências profissionais, aqui buscamos colocá--las em prática.
Não pude deixar de indagar:
-Vocês fazem preces, sejam individuais ou colectivas?
- Para quê, meu caro? - tornou Sérgio.
Às vezes, algumas pessoas até tentam fazer, mas sabe o que acontece?
Pedem, pedem, e não acontece é nada.
Tem entidades que acabam vindo aqui e levando alguns dos nossos.
Conforme narramos, são espíritos que mais parecem com mendigos, com conversa de bonzinho, mas sem expressão intelectual.
Com certeza devem estar indo para alguma dessas colónias de repouso ou de trabalho, em locais que mais parecem feudos no meio do Umbral.
Aqui estamos construindo uma cidade moderna, que futuramente será uma grande metrópole, com gente inteligente, empregados para nos servir, num ambiente com segurança e alta tecnologia.
Queremos construir uma cidade como as de alto padrão que se pode ver na Europa.
Enfim, ainda vamos chegar lá...mas com nossos próprios esforços mentais. Tudo no Astral é possível ser plasmado.
Descobrimos que nossa mente é criadora, e quando nos reunimos colectivamente é para produzir muitas das coisas que você está vendo, inclusive fluidos de alimentos, que exigem trabalhos intensos de mobilização de energia da crosta.
Você vai provar nossa comida e vai gostar dos sabores que o Dr. Ernesto tem inventado, com fluidos a partir de química astral, um negócio complexo, mas eficiente.
Outra questão importante diz respeito ao ambiente, que exige muito cuidado para nos livrarmos de invasores constantes.
Mas vai aumentar o número de seguranças e melhorar o sistema de protecção, e então nossa vida vai melhorar.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jan 30, 2018 9:50 am

Informações de Atanagildo:
Mais tarde, Jonair foi resgatado por uma equipe de socorro, e hoje está bem.
Finalmente recuperou-se da enfermidade básica do espírito, à época enovelado pela vaidade e orgulho, que lhe impermeabilizavam a percepção mais subtil, livrando-se também das nuvens astrais escuras atreladas a desvios na área sexual.
Normalmente os espíritos ligados a falanges cristãs que atuam em "resgate de almas" e vão até o Vale dos Espíritas (a Cidade dos Nobres está dentro do próprio Vale) costumam adoptar uma aparência fluídica muito simplória, embora sejam repletos de amor.
Essa estratégia visa a despertar a percepção das criaturas para o real valor das coisas mais simples da vida, abrandando-lhes o coração, a fim de que enxerguem as pessoas além da aparência e do intelecto, que muitas vezes criam um ambiente em que prevalece a vaidade e o orgulho.
O Vale dos Espíritas, na verdade, é um local onde se aglutinam entidades que, embora tenham conhecido a doutrina espírita ou se dedicado a grupos ligados a ela, permaneceram intimamente carregadas de revolta, orgulho, vaidade, egocentrismo, mantendo-se submissas a baixos instintos, como os ligados ao sexo descontrolado, por resistirem à mudança.
Muitos dos que habitam aquela região são ex-frequentadores de centros espíritas na crosta que foram atraídos para lá por simples efeito de sintonia vibratória, pois não buscaram a reforma íntima, não se aprofundaram no autoconhecimento ou não se deram conta do quanto eram dominados pelos instintos, deixando de fazer esforço sistemático para educá-los.
Há ainda os espíritos recrutados no próprio Umbral, que para lá foram exercer actividades ligadas à segurança local, ou outras funções mais corriqueiras, e que não eram necessariamente espíritas quando encarnados, mas encontram-se no mesmo patamar de evolução espiritual.
Sabemos que a vaidade, o orgulho, o egoísmo e o apego a paixões inferiores ainda farão parte, por muito tempo, da quase totalidade dos habitantes dos planos físico e astral, em diferentes graus de intensidade.
Porém, quem propõe-se a melhorar, a aplicar a máxima de Jesus:
"Orai e vigiai", já está automaticamente capacitado a deixar penetrar as luzes do amor sublime em sua casa interior.
Na verdade, não precisamos de muito; basta um pouco de esforço e o apoio logo aparece.
Basta um vislumbre de humildade sincera do coração.
É só lembrar desta outra máxima:
"Um pouco de fermento leveda toda a massa".
Acontece que, em muitos casos, a criatura se acha tão acima de tudo e de todos, ou foge de si mesma, que torna-se difícil romper as barreiras energéticas criadas por ela.
O orgulho, a vaidade e o recalque alimentaram os ideadores da Cidade dos Nobres.
Somente alguns poucos dos seus dirigentes e das lideranças locais encarnaram na nobreza, à época da Antiguidade e da Idade Média, e não se conformaram com reencarnações posteriores como pessoas simples do povo.
A maioria dessas lideranças assumiu papéis de padre, bispo, pastor ou agregado da Igreja, e compactuou com os membros das cortes europeias ou do poder político das Américas, alimentando intimamente a inveja por não serem nobres.
Assim, esse recalque se projectou no nome dessa cidade do plano astral.
Muitos desses líderes foram inquisidores, e mais tarde se envolveram com os movimentos da Reforma Protestante; alguns reencarnaram nos séculos dezoito, dezanove e início do século vinte, como padres católicos, e foram árduos defensores do modelo tradicional da Igreja, tornando-se perseguidores e contestadores de movimentos espíritas e espiritualistas renovadores, por carregar em sua intimidade rancores, mágoas, culpas, tristezas, ódio, inveja, recalques, práticas da maledicência, apego a riquezas e status, enfim, mazelas filhas do orgulho, da vaidade e do egoísmo.
Quem muito recebeu em informação e conhecimento, muito será cobrado por sua própria consciência divina, que habita lá no fundo da alma.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jan 30, 2018 9:50 am

Quem se propôs a servir de coração à causa do bem, deve fazê-lo sem segundas intenções, sem remuneração, porque na lei que rege o mundo espiritual não existe comércio espiritual, mas serviço abnegado ao Cristo.
É evidente que há aqueles que foram arrebanhados dos desfiladeiros do Umbral e das zonas abissais (vivendo na carne ou fora dela) e que se esforçam por engajar-se nos movimentos espíritas e espiritualistas da crosta, principalmente por melhorar suas atitudes, dando início ao esforço de auto-burilamento.
Pela natureza da origem de suas almas, certamente o processo de renovação íntima lhes será mais lento e menos aprofundado, mas nem por isso menos importante.
É como aquela pessoa que passou a vida inteira roubando e, por desejo próprio, resolve sair dessa vida errática.
Ao propor-se a adoptar novo padrão de comportamento, é aconselhável viver num ambiente propício a novas atitudes, evitando exposição a ambientes que o estimulem à antiga prática, pois, quando a alma ainda não tem força suficiente para vencer a tentação, é melhor que a evite. Um dia, certamente, quando sentir-se mais segura, em outro patamar de confiança íntima para o novo padrão de vida, poderá passar por "testes" de validação do seu carácter.
No que concerne ao que chamamos de contacto natural com as mazelas interiores, é importante salientar que, apesar de ser já um processo natural de auto-conhecimento e auto-renovação (o que ocorre normalmente com espíritos que já optaram pelo caminho do bem, há várias vidas, ou mesmo antes da última encarnação), exigirá serenidade, autocontrole, firmeza de propósito e, acima de tudo, sentimento de auto-perdão pelo que fez e pelo que pode vir a fazer, face aos escorregões naturais de quem busca deixar para trás padrões antigos de comportamento.
No entanto, qualquer que seja a criatura engajada nos serviços cristãos e na busca da renovação íntima, deverá estar plenamente consciente do esforço íntimo que está de facto imprimindo na sua caminhada espiritual.
Há muitos espíritos que já optaram pelo caminho do bem, mas não conseguem despender esforços suficientes para se auto-conhecer e modificar-se intimamente, e costumam fugir de si mesmos.
Querem viver a plenitude de alegria dos paramos do Astral superior, mas não fazem por onde, não trabalham intimamente para tornar-se mais leves, capazes de ascender naturalmente (e sem ajuda artificial)1 para ambientes espirituais mais subtis.
Querem receber os benefícios superiores e ao mesmo tempo desejam, no íntimo, manter os vícios antigos dos prazeres menores, egocêntricos, apegados ao próprio orgulho e vaidade.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jan 30, 2018 9:51 am

1 - Há casos que, com o objectivo de educação espiritual, entidades superiores ajudam espíritos mais densos a visitar locais de paz, amor e harmonia no mundo astral, mas o fazem utilizando-se de artifícios energéticos, já que esses espíritos ainda não dispõem de elevação espiritual que os capacite naturalmente a chegar a esses ambientes.
Grande parte das mazelas íntimas se esconde no subconsciente humano.
Para contactá-las e trabalhá-las, é preciso acalmar a tempestade mental, fazendo chegar a calmaria interior, sem o que não se poderá detectar os sentimentos e pensamentos distorcidos e reincidentes que precisam ser burilados.
A maioria costuma empurrar a sujeira mental-emocional para debaixo do tapete subconsciencial, por preguiça mental e por medo de desapegar-se das coisas mundanas ou vícios emocionais do passado, retroalimentando as próprias emanações que gerou. Então, tende a reagir negativamente e com irritação quando o orgulho se deixa ferir por algum comentário alheio, quando lêem algo que mexe com essas mazelas, ou mesmo quando um guia espiritual lhes toca a intuição durante uma prece ou meditação.
Como nenhuma ovelha será abandonada pelo Bom Pastor, constantemente irmãos de falanges de resgatadores se dirigem ao Vale (tanto ao descampado, quanto à cidade que lá construíram) para sensibilizar e propor resgate a alguns desses espíritos.
As vezes obtêm êxito, mas na maioria delas não.
Se na Cidade dos Nobres chegam entidades simples na aparência e ricas em humildade, bondade e tolerância, são tratadas pelos habitantes como indigentes.
Se chegam espíritos com mais preparo intelectual, são tratadas como arrogantes que estão tentando humilhá-los.
Na verdade, sempre encontrarão uma desculpa para manter viva a forte tendência de vaidade e orgulho que alimentam há milénios.
Há criaturas, em variadas colónias astrais, com muito menos conhecimento que a maioria dos que habitam a Cidade dos Nobres, mas que são sinceras consigo mesmas.
Estão de corações abertos, querendo aprender mais e a melhorar-se intimamente.
Algumas até ajudam o próximo, pensando em ser recompensadas pelo Alto, mas ainda são espíritos carentes de conhecimento; ao contrário de muitos encarnados e desencarnados já esclarecidos que tentam enganar a si próprios, fazendo comércio mental no campo do consciente e empurrando para o subconsciente a culpa por estar fazendo algo errado.
Aqueles que têm humildade sincera para perceber que são cheios de imperfeições, estão dispostos a reparar seus erros diariamente.
Até podem tropeçar, mas estão sempre pedindo forças a Deus para se levantar e prosseguir no caminho do auto-conhecimento e da auto-renovação.
São vigilantes contínuos de suas mentes indisciplinadas ou deseducadas, e buscam corrigir-se internamente sempre que percebem algum sentimento em desacordo com os princípios contidos no Evangelho de Jesus.
Essa luta interior faz parte do processo; no início, é exaustiva para os neófitos na caminhada da auto-renovação, até que alcancem certo nível evolutivo básico e exerçam essa prática com naturalidade e equilíbrio, mas sempre avançando para o Alto, trabalhando intimamente com persistência, firmeza de propósito, fé em Deus, auto-confiança, gratidão e alegria.
Com o tempo, essa caminhada deixa de ser tão árdua e se torna gratificante e prazerosa.
O primeiro passo para galgar os degraus da evolução é vivenciar os primeiros sinais da humildade no fundo do coração, reconhecendo a necessidade de reeducação dos sentimentos.
Ao mesmo tempo, estar decidido a mudar para melhor, despendendo força de vontade em direcção à prática do amor ensinado por Jesus para consigo, para com o próximo, e sintonizando-se com o fluxo evolutivo advindo de nosso Pai Celestial, que compreende as limitações de cada ser; por isso coloca no caminho o peso que se pode carregar, sem necessidade de tornar-se um mártir da evolução, mas simplesmente seguindo o caminho da ascensão de forma serena, alegre e persistente.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jan 30, 2018 9:51 am

Relato de Jonair:
Depois de quase um ano na Cidade dos Nobres pude me certificar do quanto aquele lugar era inseguro, em termos vibratórios e em relação à invasão de entidades perturbadas, principalmente as mal-intencionadas.
A mesma insegurança que se sente em muitos lugares na Terra, pela falta de paz e amor verdadeiros, também se sente ali, o que exige fortes sistemas de segurança, conforme ocorre nos condomínios e em muitas cidades terrenas.
Mas até que, em se tratando do Umbral, o lugar não é dos piores.
Na verdade, é uma reprodução de uma pequena cidade brasileira, com todos os seus aspectos bons ou ruins, sem trabalho no campo espiritual elevado e baseada em propósitos materialistas e egoísticos.
"Orai e vigiai" é um hábito que simplesmente não existe entre os seus habitantes.
Quem anseia por paz, segurança, ambiente equilibrado, sem hipocrisia, vaidade e orgulho, esperaria por algo diferente, mais parecido com a colónia Nosso Lar, ou outras onde o amor crístico, a disciplina e a ética universal sejam as directrizes dos pensamentos, sentimentos e atitudes, mesmo em meio a tantas imperfeições nas criaturas.
Descobri que vários habitantes da própria comunidade fazem coisas pouco dignas às escondidas, a exemplo do apego a certos vícios e práticas de quem ainda está muito ligado aos baixos instintos e que não se mostra preocupado em mudar e começar um trabalho de auto-educação da mente.
Há membros da Cidade que chegam a buscar entidades fora dos muros, ainda muito viciadas em instintos sexuais (inclusive encarnados desdobrados do corpo físico, durante o sono), fazendo levianamente promessas a elas, como uma série de regalias e outras vantagens que nunca terão, somente para usufruir das práticas para satisfazer seus instintos mais grosseiros, do mesmo modo como ocorre rotineiramente nas relações na Terra.
Isso ocorre especialmente com os espíritos que costumam ir à crosta e voltam cheios de fluidos vampirizados em ambientes como motéis, boates ou lares de casais sem protecção.
Fiquei especialmente impressionado com tais vícios ou imperfeições da alma que, na crosta, ficam escondidos no fundo de cada um e, no Astral, acabam desabrochando com uma força quase incontrolável, por mais que se queira escondê-los.
O lugar me parecia destinado ao encontro de espíritos orgulhosos e egoístas que, hipocritamente, deixam escapar seus impulsos mais íntimos, sem controle, sem colocar em prática o princípio basilar do "Orai e vigiai", ou sem esforçar-se para melhorar na intimidade, com autocontrole da mente e das paixões mais grosseiras.
Era comum ocorrer extensas e infrutíferas discussões balizadas apenas pelo intelecto, sem a doçura da alma.
Mais parecia um grande condomínio que lutava para proteger-se das constantes invasões, ou tentativas de invasão, por parte de entidades empedernidas.
A vibração era sufocante, pois as influências vibratórias da região umbralina estavam muito presentes ali, ainda que se tentasse accionar um novo aparelho gigante que estava sendo testado com o objectivo de dispersar as energias densas que vinham como nuvens negras em direcção à Cidade.
Certo dia, concluí que não estava feliz naquele local, que desejava encontrar um lugar de paz, que aquela insegurança e hipocrisia do ambiente não me faziam bem, que eu não tinha de exigir mais nada de ninguém, especialmente de Deus. Estava cansado.
Aquele lugar não me supria mais.
As longas reuniões burocráticas e de base unicamente racional e vaidosa me saturavam a paciência, e a cada dia me davam indisposição no estômago.
Queria algo que ansiava no fundo do meu ser, nos fugazes momentos de minha vida terrena:
que no dia em que meu corpo descansasse, encontraria Nosso Lar, cheio de alegria, harmonia e paz.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jan 30, 2018 9:51 am

Foi quando, repentinamente, tive a sensação de me sentir despido de um véu que turvava a percepção de mim mesmo.
Começava então a perceber com mais clareza e discernimento onde me encontrava.
Pude ver minha avó, que subitamente surgira ao meu lado.
Ela fazia uma prece doce e profunda.
Senti-me tocado intimamente e pus-me a chorar, ao perceber que de facto eu não era nada, a não ser um pequeno grão de areia naquele imenso oceano de seres separados entre os que realmente desejavam melhorar e os que insistiam em permanecer enclausurados pelo orgulho, vaidade, egoísmo e vícios.
Naquela hora, pedi ajuda à minha avó e ela retrucou dizendo:
— Não peça ajuda a mim, meu filho, mas a Deus, nosso Pai, por intermédio das falanges do Cristo que estão aqui comigo para resgatá-lo e conduzi-lo a um ambiente em que o amor verdadeiro e a sinceridade são os lemas de vida.
E então fui envolto numa nuvem de luz azul-esverdeada, clara e suave, e senti um impulso leve, graças àqueles espíritos benevolentes e tolerantes para com minhas imperfeições.
Fui levado pelos membros da colónia espiritual onde iria iniciar minha afiliação para uma pequena comunidade, num local fronteiriço entre o Umbral e o Astral mediano.
O lugar se chamava Bem-Aventurados, em referência às palavras de Jesus no Sermão da Montanha, quando cita:
"Bem-Aventurados os mansos porque herdarão a Terra".
Um ponto em comum entre os desencarnados daquele local era a tranquilidade, a mansidão de espírito.
Guerra, discussão, violência estavam distantes dali.
O orgulho, a vaidade e os vícios do passado eram aspectos que deveriam ser constante e incessantemente vigiados por cada um.
A comunidade era cercada por colinas suaves.
O Sol penetrava docemente e com uma claridade pelo menos dez vezes superior ao acinzentado Vale dos Espíritas.
As vias de transeuntes eram limpas e bem-cuidadas, repletas de flores; sentia ali um perfume suave vindo de algumas delas.
Redescobri o sorriso sincero nas faces dos habitantes, o que não vira desde quando vivia na crosta.
Sentia-me seguro e em paz, mais leve, sem as dores de cabeça que me afligiam mesmo quando ainda vivia na Cidade dos Nobres.
Então, me levaram para um hospital e me deram um banho magnético de luzes vindas de um aparelho feito de algo como cristais e de onde saíam jactos de vento levemente húmido, com luzes brilhantes e um cheiro doce de jasmim.
Minha mente aos poucos ia relaxando.
Puseram-me numa cama confortabilíssima; eu me sentia quase flutuando no ar.
Ao deitar, tive um lampejo de consciência da minha adolescência, na última encarnação.
Eu tinha apenas trezes anos e não imaginava que, já naquela época, meu guia espiritual me intuía.
Era por volta das dezassete horas, no mormaço de Belém do Pará, e estava na igreja Nossa Senhora de Nazaré, sentado no banco, aguardando minha mãe, que se confessava.
Resolvi fazer a prece do Pai Nosso e em seguida me perguntei:
"Qual o sentido da vida?
O que estou fazendo aqui neste mundo?
O que deveria fazer para um dia chegar ao céu?
Seguir os dez mandamentos citados na Bíblia?
Puxa, vou me concentrar nos dez mandamentos para conseguir esse objectivo".
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Jan 30, 2018 9:51 am

E então, desde aquele momento, resolvi buscar um caminho espiritual, que começou no catolicismo e mais tarde voltou-se para o espiritismo.
Ainda que o ambiente familiar me favorecesse a expandir meus sentimentos, minha história pregressa estava estruturada sobre um ser muito focado no intelecto e nas coisas racionais e materiais da vida.
O convívio doce e amorável com minha mãe e meu pai, dois católicos fervorosos, não era por acaso; especialmente minha mãe, sempre repleta de muito carinho.
Eu encarnara numa cidade afeita aos impulsos da emoção e do corpo, situação que condenava, por achar que as pessoas precisavam ser mais racionais e equilibradas.
Sem dúvida, cabe à razão superior dar a direcção equilibrada ao coração excessivamente emotivo e aos impulsos desregrados.
Mas cada ser nasce no lugar ideal ao seu aprimoramento, ou para estimular certos aspectos ocultos na alma que necessitam ser trabalhados. Não se pode guardar nos esconderijos da alma o joio.
É preciso que o ser reconheça a sua imperfeição e acesse esse material a ser transformado, pois chega um tempo em que não dá mais para adiar o início da autotransformação.
E então, antes de adormecer, vi ao meu lado um senhor que aparentava uns sessenta e cinco anos, de aspecto sereno e meigo, com um leve sorriso no rosto, a me olhar fazendo-me lembrar da doce vibração que senti naquele dia na igreja:
— Querido filho, o verdadeiro sentido da vida é viver o amor do Cristo dentro da gente, e, se ainda não conseguimos vivenciá-lo naturalmente, que passemos a cultivá-lo pelo esforço da oração, pela auto-observação, pela percepção de nossas tendências inferiores, colocando a vontade na direcção da educação dessas tendências.
Que possamos fazer esse trabalho de transformação íntima sempre abrindo as portas do coração para o serviço fraterno.
Muitas vezes, o egoísmo nos impede de servir com um coração sincero, despojado de qualquer interesse, e aí a vaidade costuma alimentar o egoísmo, que por sua vez se enovela no orgulho de sentir-se maior do que os outros e necessitado de crescer em aparência, seja física ou intelectual.
Desde a encarnação em que fui seu pai, há mais de trezentos anos, me incumbi de orientá-lo, e, mesmo nos tempos em que não pude fazê-lo directamente, estive acompanhando-o e ajudando-o no seu processo de encontro com Jesus.
Somente o verdadeiro amor do Cristo, vivido na intimidade da alma, será capaz de realmente nos transformar e nos fazer encontrar a felicidade verdadeira.
Descanse agora, e quando acordar estará em melhores condições para dialogar.
Que Jesus lhe proteja!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jan 31, 2018 10:54 am

Depoimento de Atanagildo:
António tinha sido avô de Jonair, e desencarnou quando ele tinha três anos de idade.
Numa certa existência, na antiga Roma, foi comandante de uma legião de lutadores que eram preparados para as guerras fratricidas.
Um dia, descobriu um jovem no meio da plebe que chamou sua atenção, pelo porte físico atlético.
Trouxe então esse jovem para ser treinado como um guerreiro-modelo, que mais tarde se tornaria líder dentre seus pares.
E assim, conduziria inúmeras matanças, sob o comando de António, que na época se chamava Celius.
Tiveram outras encarnações juntos, em que o avô sempre o orientava pelo caminho do orgulho e da vaidade, a sentir-se o melhor.
Na Idade Média, ambos participaram do movimento das Cruzadas, em que foram ardorosos lutadores das hordas cristãs.
Aos poucos, António tomou consciência e amadureceu como espírito, compreendendo que a força ou impulso lutador que alimentava sua alma deveria ser direccionado para as lutas interiores da autotransformação.
Mas Jonair só começou a perceber que sua luta deveria ser redireccionada para propósitos superiores após o desencarne, na época da Revolução Francesa.
Em encarnações posteriores, seguiu o caminho do intelecto, tendo grandes avanços no campo das ciências biológicas, depois na mecânica e, na última encarnação, no campo do direito.
Sentimentos de vaidade e orgulho ainda eram-lhe muito fortes, bem como sua submissão aos instintos.
Ao longo da vida, seu guia espiritual tentou lhe enviar energias que o conduzissem aos caminhos da humildade, do amor e do autocontrole.
Os efeitos foram aquém do esperado, mas houve progresso, e sua estada na Cidade dos Nobres, cercada pelo Vale, foi crucial para que drenasse muitos miasmas, caísse em si e amadurecesse na auto-percepção e na percepção do mundo que o rodeava.
Era preciso que Jonair descobrisse o peso energético do Umbral e o incómodo que ele lhe causava.
Hoje, está engajado em falanges de socorro na crosta, especialmente resgatando irmãos que já estão preparados para migrar do Vale dos Espíritas e de outros locais similares para planos em que o amor e o discernimento vividos por Jesus sejam os parâmetros de vida.

Paz e amor!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jan 31, 2018 10:54 am

II - Mergulho nas Sombras

Relato de Atanagildo:
Passava alguns minutos das vinte e três horas quando, por determinação superior, iniciamos uma jornada pelo Umbral para resgatar alguns espíritos recém-desencarnados em um acidente, oportunidade em que aproveitaríamos para verificar a possibilidade de resgatar outros irmãos que já estavam preparados para vivenciar os primeiros sinais de humildade.
Assim, poderiam receber as vibrações advindas do Cristo Planetário, canalizadas por Jesus, das quais somos simples instrumentos, ainda que imperfeitos, sempre que convocados.
Na verdade, essa vibração de amor é constante e atinge todos os seres da Terra.
Mas infelizmente muitos encarnados e desencarnados acabam criando em torno de si uma couraça que os impermeabiliza para a recepção dessas energias superiores.
Como regra geral, o orgulho, a vaidade, o egoísmo, o apego cego aos impulsos inferiores e aos bens que "a traça corrói" são alguns dos elementos físico-químicos do Astral que impermeabilizam a sensibilidade dessas criaturas.
Traçando um paralelo geográfico, para efeito de localização, estávamos numa região do Astral próxima à Capital Federal, e ao entrar em Brasília (local onde estavam aprisionados alguns recém-chegados do plano físico que receberiam ajuda de nossa equipe) logo identificamos com clareza raios de luz violeta, com traços esverdeados, e por vezes jactos de luz amarelo-clara, entremeada com gotas rosas e azuis, que desciam de muito alto sobre a região onde, no plano físico, se localiza a Praça dos Três Poderes, sendo o Congresso Nacional o local que requisitava maior atenção.
Augusto, um dos nossos colaboradores mais activos, me questionava sobre a procedência daquelas luzes que faziam movimentos circulares e emitiam jactos intermitentes, mais fortes e mais fracos, como a realizar dois trabalhos simultâneos. Então, expliquei-lhe que procediam de naves extraterrenas localizadas numa dimensão mais subtil que o plano astral onde nos encontrávamos.
Eram naves a serviço de Jesus, a pedido de Ismael, o administrador espiritual do Brasil.
Aquele esforço de irmãos de outro orbe fazia parte dos movimentos da fraternidade universal.
Tal tipo de intervenção normalmente exige que haja no mundo espiritual grupos de entidades capazes de recepcionar essas energias e descodificá-las, direccionando-as também para o plano astral, o que estava sendo feito por diversos grupos, numa grande corrente vertical, desde planos mais subtis até os mais densos.
O objectivo desse procedimento era reciclar energias para amenizar a carga pesada do Congresso Nacional, e ao mesmo tempo envolver o ambiente em vibrações protectoras contra a horda de espíritos inteligentes e mal-intencionados que faziam intervenções pesadas e intensas sobre vários parlamentares e assessores.
A rigor, havia pelo menos seis vezes mais espíritos desencarnados do que encarnados perambulando pelo Congresso, e infelizmente a maior parte deles desorientados ou mal-intencionados, pois naquela semana estavam ocorrendo votações e decisões muito importantes para o Brasil.
Como Pátria do Evangelho, e considerando esses momentos cruciais para o destino do planeta Terra, em razão da missão que foi incumbida a este país, há uma constante vigilância sobre os caminhos legislativos da Nação, que precisam de bases mais firmes no campo da ética, do respeito ao ser humano e ao meio ambiente.
Não somente os dirigentes espirituais ligados ao Brasil estão atentos a tais decisões; os dirigentes planetários também monitoram essas influências e sabem que os magos negros estão atentos, trabalhando a serviço de forças negativas para direccionar o país e o planeta para os caminhos da perversão, ganância e libertinagem.
A velha luta do bem contra o mal é permanente e exige vigilância constante.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jan 31, 2018 10:54 am

Liguei-me energeticamente àquele local, com atenção focada, e passei a observar um ex-parlamentar já desencarnado que dialogava com um ex-líder espírita que havia ocupado importante cargo numa instituição nacional ligada ao espiritismo. Ambos estavam cercados de quatro entidades, como se fossem seus seguranças.
Pude auscultá-los e perceber que falavam sobre o assunto em pauta para votação no Congresso Nacional.
Identifiquei no irmão vindo do movimento espírita que ele não se desvinculara dos interesses mundanos e políticos.
Minutos depois da conversa, ele se desligava daquele ambiente e se movimentava em outra direcção.
Em seguida, aproximou-se dele uma entidade que lhe falou ao ouvido.
Parecia que ia ao encontro de alguém em outro local, mas eu não podia mais segui-lo porque tínhamos outra missão e não devíamos perder os minutos que nos restavam.
Pensei então que poderia deixar aquele assunto para outra oportunidade.
É interessante observar que há espíritos que não alcançaram as zonas do médio astral, ou seja, que estão basicamente ligadas ao Umbral ou ao Astral inferior, e no entanto sabem muito bem transitar por esses locais e também por regiões do plano físico.
São seres com certo grau de inteligência e que já dominam vários mecanismos no plano extrafísico, inclusive se utilizam de complexos mapas desses mundos.
Eles não sabem volitar, porque ainda estão energeticamente muito pesados, mas usam atalhos nos deslocamentos no mundo extrafísico.
Nossa missão previa chegar a uma determinada zona do Astral onde havia vários espíritos perdidos, atordoados pela passagem súbita do mundo físico para o espiritual, após um acidente de ônibus que ocorrera havia duas semanas.
Entre eles, encontravam-se irmãos que participaram de um grupo espírita.
E, para minha surpresa, alguns minutos depois, chegava ao local onde eu me encontrava com a equipe de resgate o ex-dirigente espírita que pouco antes estava no Congresso Nacional com seus seguranças e outras entidades de aspecto sisudo e preocupado.
Nossa equipe de resgate era coordenada por Raimundo.
Eu me engajara no grupo com o objectivo de avaliar algumas questões ligadas à história de vida física dos irmãos que haviam desencarnado.
Sabia que algumas surpresas me esperavam.
Agora então estava claro que a surpresa era a presença do ex-dirigente espírita desencarnado, e que eu seria induzido a compreender a trama que envolvia a todos.
Alguns dos irmãos acidentados foram automaticamente atraídos para as zonas infernais, um deles para uma colónia no Astral superior, três receberam ajuda de enfermeiros de uma colónia de socorro ligada a uma cidade do Astral médio e a maioria foi atraída para o Umbral.
No meio destes, havia um egresso de grupo espírita, além de outros dois que possuíam certo grau de parentesco com ele e que, sem grande assiduidade, também frequentavam o mesmo grupo espírita quando em vida carnal.
Para minha surpresa, o ex-dirigente espírita que eu tinha visto com os parlamentares no Congresso dirigiu-se ao local onde se encontravam entidades umbralinas e, sem que percebesse a nossa presença, aproximou-se do irmão recém-desencarnado e o convidou, junto com seus parentes, para uma conversa, como se fosse uma entidade de resgate enviada dos paramos celestiais.
Com indisfarçável vaidade, lhes dirigia a palavra:
- Bem-vindos ao mundo espiritual, meus irmãos!
Vim em nome de Deus recepcioná-los nesta nova vida e levá-los para um local seguro e de paz.
Meu caro Josué, sei que ainda está meio atordoado em razão da viagem da vida física para cá, o que causa desgaste e às vezes perda de memória momentânea.
Mas você está se lembrado de mim, meu velho parceiro de jornada?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jan 31, 2018 10:55 am

Lembra que lhe iniciei nos conhecimentos espíritas?
Certo dia, você visitava nosso trabalho espiritual e lhe recomendei alguns livros básicos da doutrina.
Lembra dos estudos de como aplicar passes, e de que sua primeira missão no grupo foi coordenar aquele seminário sobre as obras de Kardec?
Lembra que mais tarde você se tornou meu assistente e que, pelos destinos da vida, dois anos depois eu acabei mudando de cidade e você ficou no meu lugar, levando avante aquele pequeno grupo de estudos e passes?
Foram décadas sem que retomássemos o contacto.
Felizmente nos reencontramos, pena que já sem o corpo físico.
Mas vim aqui para salvá-lo; fazer o que não fizeram por mim, mesmo sendo um espírito abnegado como você.
Josué de facto ainda estava um tanto atordoado, cheio de preocupações e saudade intensa da família que deixara no plano físico.
Aliás, esse apego era reforçado pelas vibrações de tristeza dos filhos, irmãos e outros parentes que o forçavam magneticamente a ser atraído para a residência física onde se encontravam.
Contudo, no fundo de seu ser, ele sabia que não poderia deixar-se levar pelos apelos da saudade incontrolável e que deveria seguir seu caminho no mundo espiritual.
Ao mesmo tempo, se preocupava com o estado emocional da esposa e do cunhado, que desencarnaram com ele e se encontravam um tanto perdidos, sem discernir o que de fato lhes acontecera.
Josué sabia que não poderia deixá-los ali, à própria sorte, até porque amava a esposa e tinha profundo carinho pelo cunhado; sentia-se responsável por eles.
Aos poucos, entretanto, ia recobrando a memória e se lembrando do homem que lhe dirigia a palavra.
Então finalmente respondeu:
- Agenor... claro, agora estou me lembrando de você!!
Está diferente, mais envelhecido, o que não seria surpresa, pois imagino que são mais de trinta anos sem nos ver. Como você está?
- Meu caro, vim buscar você e seus parentes também, caso eles desejem vir connosco.
Sei que todos estão precisando de ajuda, já que ainda estão enfraquecidos, o que é normal depois dessa viagem pelo Astral.
Aqui temos de ter cuidado redobrado, pois vândalos é o que não falta e às vezes muitos deles levam os recém-chegados do mundo físico para o Astral inferior, especialmente quando se encontram fracos mentalmente.
Lá os escravizam, além de sugar-lhe os restos residuais de ectoplasma que às vezes sobram ou que acabam se agregando ao corpo astral.
A coisa por aqui é séria; temos de ser muito espertos e rápidos.
Vamos lá!
Aliviado, Josué observou:
- Que bom saber que você lidera um grupo de resgate de desencarnados e que foi enviado para nos ajudar.
Estou sentindo um tremendo torpor, um sono súbito, quase incontrolável, e estou me esforçando muito para ficar em pé.
Aliás, só mesmo a preocupação com meus entes queridos é que me faz ter forças ainda...
- Meu amigo - esclareceu Agenor - não fui mandado por ninguém não.
Minha liderança aqui vai além do que você pode imaginar.
Poderia ter mandado o pessoal vir apanhá-lo, mas fiz questão de estar aqui pessoalmente porque sei da sua importância como seguidor da doutrina.
Sei da sua força interior, inteligência e poder mental, e o quanto isso é importante no plano astral.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Jan 31, 2018 10:55 am

Esse seu torpor é natural, porque chegou faz pouquíssimo tempo.
O pessoal vai ajudar a levar vocês daqui e quem não aguentar andar sozinho será carregado pelos meus assistentes.
Nosso destino não está muito longe.
A missão de que nos tinham incumbido exigia acção rápida, pois percebi que Raimundo, um dos nossos experimentados missionários de resgate que deveria fazer a primeira abordagem a Josué, ficara algum tempo observando e estudando a situação local.
Nesse ínterim, chegara Agenor, que imediatamente se adiantara a nós no contacto com os recém-desencarnados.
Josué e seus parentes não deveriam segui-lo, e sim irem connosco para uma casa de repouso próxima à colónia espiritual Boa Esperança, que fica na região do Astral intermediário, geograficamente sobre Goiânia, capital de Goiás, e é muito similar a Nosso Lar.
Quando ainda encarnado, Josué fora um trabalhador sincero e justo, tanto no campo familiar quanto profissional, como também nas actividades espirituais.
Sempre se esforçara para dar o melhor de si, com boa vontade e disposição.
Tinha seus defeitos, como qualquer ser humano, e às vezes até se cobrava demais querendo, em muitas ocasiões, carregar o fardo dos outros, em especial dos mais ligados afectivamente a ele, como os filhos e a esposa.
O tempo urgia e naquele momento não podíamos vacilar.
Precisávamos resgatar Josué da influência de Agenor.
Sugeri a Raimundo que criássemos um campo magnético protector em torno de Josué, da esposa e do cunhado, ao mesmo tempo em que alguns dos membros de nossa equipe plasmariam um corredor magnético para a retirada deles e um fluxo de volitação entre todos nós, como um processo de carregamento energético dos três resgatados sob nossa influência magnética, acção que exigia concentração, força mental, vontade dirigida e profundo sentimento de amor-protecção.
Todos deveriam estar unidos naquele propósito, pois a operação exigia rapidez e foco, como um ato de surpresa.
Apesar de Agenor e nenhum dos seus companheiros nos verem ou sentirem nossa presença, poderiam criar resistência ou alguma dificuldade durante o resgate, caso percebessem nosso trabalho.
Depois de todos se sintonizarem, realizamos a operação com sucesso.
Chegamos em três minutos às portas de uma casa transitória de recuperação, onde deixamos os irmãos aos cuidados de Filomena, uma bem-humorada e disposta trabalhadora do Cristo que se encarregaria de cuidar de Josué, sua esposa e o cunhado.
Depois de três semanas, eles seriam levados à colónia Boa Esperança.
Somente após chegarem ao nosso destino é que Josué e os demais seriam esclarecidos sobre o que ocorrera e o que estavam fazendo lá.
Assim que Josué recobrasse a consciência, eu tornaria a encontrá-lo para dialogarmos e fazermos um trabalho de limpeza mental, retirando miasmas com ajuda de alguns aparelhos de higienização astral.
Iria estudar com ele o seu histórico reencarnatório e depois de um processo terapêutico psíquico-espiritual, o que poderia demorar meses ou até mais de um ano (a depender de sua resposta interior), o encaminharíamos para trabalhos no Departamento de Reencarnação.
Não que ele fosse reencarnar logo, mas para lidar com esse tema, pois trazia uma certa bagagem de conhecimento e habilidades, inclusive na recente encarnação, que o capacitavam a desempenhar futuras tarefas nesse sector.
Não existe mágica no processo evolutivo e nas oportunidades de servir ao Pai:
o trabalho, o estudo, o esforço e a dedicação em actividades úteis e construtivas da vida, seja no meio dos encarnados como no dos desencarnados, sempre será útil em qualquer lugar do Universo.
Após aquele dia de trabalho intenso, mantinha-me curioso e impelido a descobrir o que teria feito Agenor estar naquelas condições espirituais, trabalho que iniciaria logo após retornar à colónia do Grande Coração.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 78988
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O Vale dos Espíritas - Atanagildo / Sávio Mendonça

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 6 1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum