Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Página 8 de 10 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10  Seguinte

Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 18, 2018 9:15 pm

Ele deu uma risada:
- E por que deveria?
- Porque se não fizer as coisas como eu estou dizendo, você pode arrumar suas malas agora, e ir encontrar-se com seu pai no hotel.
Vou mandar encerrar a conta e vocês voltam hoje mesmo para São Paulo, e futuramente para uma comunidade.
Fabiano sentiu o rosto enrubescer.
Deu dois grandes goles na bebida, levantou-se pisando forte e falou com a voz entrecortada pela raiva:
- O que você quer de mim?
O que vou fazer no escritório?
Não entendo nada de moda.
Você não precisa de mim.
- De facto, eu não preciso de você.
Mas você terá de se ocupar de algum trabalho, e é isso que vamos providenciar amanhã.
- Eu? Trabalhar para você? Nunca!
- Deixe de fazer drama.
Está parecendo um menino mimado.
Você vai trabalhar no que eu achar que é mais conveniente e adequado.
E ponto final.
Não temos o que discutir.
Ele encheu novamente a taça e perguntou:
- Onde eu vou dormir?
Não espera que eu divida a cama com você posando de marido feliz, não é? - ele estava certo que ela pediria para que ele ficasse ao seu lado.
Ela riu:
- Você é um tolo.
Até seu pai vir para cá, você dorme no quarto de hóspedes, que tem duas camas de solteiro.
O outro, com a cama de casal, ficará para seu pai.
Mas assim que eles entrarem aqui, você se muda para o nosso quarto.
Afinal, se estamos casados dormiremos pelo menos no mesmo ambiente.
O que seu pai iria pensar?
Mas até lá, também não quero sua companhia.
Ele colocou de forma rude a taça na mesa e foi para o quarto, não aparecendo mais até o fim do dia.
De lá ligou para o pai:
- Alô, pai?
- Meu filho, como você está?
- Péssimo!
Eu não sei quem é essa Luciana que está aqui.
Não consigo ver nenhuma relação dela com aquela com quem cresci em nossa casa.
- Tenha calma, meu filho.
Muitos anos se passaram e não sabemos nada sobre ela nesse período.
Temos de ter paciência.
- Não vai dar, meu pai.
Não é possível!
Tem de ter alguma outra saída digna para que o senhor resolva nossa situação.
- Não tem. Nosso prejuízo foi total.
Não sei como pude ser tão ingénuo e acreditar em saídas milagrosas nos momentos de crise.
Eu, que sempre fui tão equilibrado e sensato nos negócios!
Mas, também, se sua mãe estivesse ao meu lado, com certeza nada disso teria acontecido.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 18, 2018 9:15 pm

Ela saberia me abrir os olhos e me fazer ver os erros que eu estava cometendo.
Ao contrário de Laís, que só se preocupou em gastar cada vez mais e manter as aparências.
- Por falar nisso, ela está aí?
Está ouvindo isso?
- Claro que não.
Ela por acaso iria ficar sossegada aqui no hotel enquanto penso quais passos darei a seguir?
Foi para a rua, provavelmente se entreter com algum tipo de futilidade.
Apesar que sem dinheiro fica mais difícil para ela.
- Pai, desculpe o que vou lhe falar, mas o senhor tem razão.
Desde que Laís entrou em nossa vida, tudo mudou, e para pior.
Ela não teve a menor consideração pelo senhor durante esse tempo em que as coisas começaram a ficar ruins.
Arthur deu um suspiro.
Do outro lado do quarto, sem que ele imaginasse, Olívia e Saulo observavam tudo.
Ela disse ao amigo:
- Você vê, Saulo, no que uma vida sem a estrutura do amor se transforma?
Arthur casou-se com Laís por carência física e psicológica, e ela casou-se com ele por status e dinheiro.
Fabiano a recebeu bem porque ela convinha aos interesses dele, a princípio.
Quando cada um começou a perder sua motivação, as relações começaram a se deteriorar rapidamente.
E é assim sempre que existe uma união movida por interesses materiais e físicos.
Por esse motivo, muitas paixões terminam em tristezas ou até tragédias.
É a falta do amor verdadeiro.
Isso é muito triste.
Arthur continuou:
- Meu filho, fiquei encantado com Laís desde que a vi pela primeira vez, mas com o tempo percebi que eu sentia uma imensa atracção física por ela.
Seus valores não correspondiam aos meus, nem tampouco seus objectivos.
Mas quando percebi tudo isso, achei que era tarde demais para mudar alguma coisa.
- Mas ainda está em tempo, pai.
Separe-se dela.
Vamos cuidar de nossa vida, sem Laís e sem Luciana.
- Não é momento de tomarmos nenhuma atitude drástica.
A hora certa vai chegar.
Foi uma lástima, mas na situação em que estamos, não nos resta alternativa.
- O senhor não está entendendo, Luciana está insuportável.
O senhor não vai aguentar conviver com ela.
- Fabiano, você não leu o contrato que assinou no cartório?
- Sei lá, acho que li.
- Meu Deus!
Eu li e achei que você estava ciente também.
- O que tem esse contrato?
Não era só o contrato normal de casamento?
- Você está mesmo muito perturbado.
Você assinou um contrato pré-nupcial.
- E o que isso significa?
O que dizia? Eu não li.
- Dizia que se você largar Luciana antes de completarem um ano de casados, não terá nenhum direito legal sobre os bens dela e que ainda terá de pagar-lhe uma indemnização por danos morais.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 18, 2018 9:16 pm

Depois de um ano, você pode sair do casamento sem problemas, mas com direito apenas a uma pensão por tempo determinado, se não tiver meios de se manter.
Fabiano levou a mão à cabeça desesperado:
- Eu assinei isso?
Como fui burro!
Por que não li antes o que estava assinando?
- Não adianta se lamentar, meu filho.
Não ia adiantar.
Mesmo que você tivesse o cuidado de ler, teria de fazer do jeito dela.
Ela está irredutível em sua posição.
- Sinto vontade de acabar com ela!
- O que é isso?
Não diga uma coisa dessas.
Você está exaltado e não consegue analisar a situação friamente.
Mas não repita nunca mais uma coisa assim.
No fim das contas, ela está nos ajudando e eu conseguirei me reerguer.
Além disso, Fabiano, ela o ama.
Fabiano deu uma sonora gargalhada do outro lado da linha:
- O senhor só pode estar brincando.
Vai ver quando estiver aqui.
Essa mulher não me ama.
Ela não fez outra coisa senão me humilhar desde que chegamos.
Ela quis esse casamento para demonstrar seu poder.
Ela não era ninguém, não tinha nada, era filha da empregada e conseguiu chegar aonde chegou.
Agora tem de destilar seu veneno e pisar nos outros para mostrar o quanto é poderosa.
Só isso.
- Não sei, meu filho.
Acho que devemos aguardar os acontecimentos.
Procure manter a calma.
Daqui a alguns dias estarei aí e conseguiremos superar esse momento.
Tenho de desligar.
Laís está chegando.
Fique calmo filho e, por favor, procure conter-se.
- Vou tentar, pai.
Farei isso por você.
Até amanhã.
Quando Laís entrou, Arthur estava colocando o telefone no gancho.
Ela perguntou curiosa:
- Com quem estava falando?
- Com Fabiano!
Ela disse se divertindo e carregada de ironia:
- Ele ligou em plena lua de mel?
As coisas não devem estar muito boas por lá.
Arthur franziu a sobrancelha e deu um murro na mesa:
- Chega de suas futilidades, Laís.
Não me aborreça porque tenho coisas sérias a decidir.
Ela se sobressaltou com a reacção do marido, mas não se deu por vencida:
- Isso é que dá se meter com gentinha.
Tanto que eu avisei sobre essa mulher.
O que adianta ter dinheiro?
Falta-lhe classe, cultura e elegância.
Falta-lhe berço.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 18, 2018 9:16 pm

Aposto que já começou a infernizar a vida de Fabiano.
Arthur virou-lhe as costas e trancou-se no banheiro sem sequer responder.
Ela sentou na cama e começou a rir sozinha, imaginando o que estaria acontecendo na casa de Luciana.
Lembrou-se do encontro no cartório e pensou:
"Como aquela empregadinha ousou falar comigo daquele jeito?
Em outros tempos eu a teria punido como merecia!
Mas agora, a situação é diferente.
Tenho de ter sangue-frio para não fazer besteira.
Ainda podemos arrancar um bom dinheiro dessa pobre coitada.
Ela pode estar rica, milionária, mas é a mesma burra de sempre.
Isso jamais vai mudar...
Eu estava com tanto ódio de ter de ir para aquela casa...
Mas, pensando melhor, pode ser divertido!
Além do que, continuarei perto de Fabiano.
Já que não posso tê-lo...
A vida dela ao lado dele será um inferno!
E eu darei minha humilde colaboração".
Assim, sentiu-se animada e leve com a perspectiva dos próximos dias.
Se antes ela queria morrer ao pensar em ter de morar com Luciana e ver o homem amado em seus braços, agora contava as horas para que esse dia chegasse logo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 18, 2018 9:16 pm

vinte e cinco - Intrigas
Luciana colocou Fabiano para trabalhar ao lado de Mário, como seu assistente, o que desagradou muito a seu funcionário de confiança e mais ainda ao marido.
Em uma conversa particular, ela orientou seu administrador a não passar nenhuma função importante para Fabiano.
Ela queria que ele se ocupasse e ficasse ao alcance de seus olhos, mas não confiava nele para atribuições de muita responsabilidade e não queria lhe passar nenhum tipo de poder.
Mário, como sempre, nem pensou em questioná-la, apenas faria o que ela ordenasse.
Ele e Suzanne haviam ido ao teatro e começaram a se aproximar mais um do outro.
A moça estava começando a sentir seus sentimentos pelo colega mudarem.
Mas ainda era cedo para que ela tivesse alguma perspectiva com relação aos dois.
Mário também se sentia cada vez mais próximo dela.
Durante o expediente sempre achavam um tempo para conversar um pouco.
- Suzanne, que situação essa na qual Luciana me colocou!
O marido da minha chefe é meu assistente e tenho de ficar de olho nele.
Acredita que ele mal me dirige a palavra?
Fica naquela mesa, no computador o dia todo, não sei fazendo o quê, também nem me envolvo.
Passo vez ou outra algum documento sem muita importância para ele organizar ou redigir, e só.
A situação é muito constrangedora!
- Eu imagino como você está se sentindo, mas acredito que isso será passageiro.
Luciana está passando por um momento muito delicado e devemos apoiá-la.
- Claro que sim, jamais pensei de outra forma.
Apenas não consigo entender por que ela está fazendo tudo isso.
Depois que casou vive tensa, e quando está com o marido, o clima é sempre estranho.
- Não nos cabe julgar as atitudes dela, que tem suas razões.
- Está certo.
Mas tenho lembrado muito das conversas que já tive com Júlia e ela sempre afirmou que qualquer comportamento norteado pelo rancor gera infelicidade e fere ainda mais a pessoa.
Sei que tudo o que está acontecendo hoje é reflexo do passado deles, mas é o que Júlia diz:
deve-se sempre buscar a reconciliação.
O perdão eleva o espírito.
Mas o perdão verdadeiro, dado de coração.
Quem vê Luciana casada com Fabiano pensa até que existe o perdão entre eles, mas você já reparou como ela o trata?
Eu, no lugar dele, não aguentaria.
- E Júlia diz também uma coisa que gosto muito:
"O perdão, quando dado de maneira grandiosa e nobre, conquista até os corações mais empedernidos".
Eles ainda poderiam ser felizes juntos se quisessem.
- Quem sabe isso não acontece um dia - disse Mário, descrente das próprias palavras.
O que eu sei é que é importante nos renovarmos e buscarmos viver em harmonia.
Às vezes, a felicidade chega sem que esperemos, como uma boa surpresa.
Suzanne sentiu-se corar diante do olhar profundo de Mário e ele percebeu naquele instante que algo muito maior estava de facto nascendo entre eles, o que o deixou muito feliz.
*
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 8:59 pm

Arthur e Laís já haviam se mudado para o apartamento de Luciana, e Fabiano ficou aliviado por estar com o pai ao seu lado.
Mas a presença de Laís também lhe desagradava, e quando ela estava presente o ambiente sempre ficava carregado.
Jantavam poucas vezes todos reunidos em casa, mas quando isso acontecia, invariavelmente surgia alguma situação de tensão.
Luciana procurava ser muito carinhosa com Fabiano, o que o deixava muito irritado, pois na intimidade dos dois não era assim que ela agia.
Mas fazia isso principalmente depois que percebeu o quanto aquilo irritava Laís, que, por sua vez, tentava ser gentil para impressionar Arthur e por achar que Luciana acreditaria nas suas boas intenções.
Mas Luciana sempre procurava alguma palavra, subtil ou não, que demonstrasse seus reais sentimentos para com ela.
Em um jantar, Arthur conversava com Luciana animado com algumas perspectivas que estavam começando a surgir, quando ela falou para Laís:
- Bem, acho que agora já passou da hora de você mostrar que é uma mulher de verdade e fazer algo para ajudar seu marido.
Mulheres de fibra agem assim.
Arthur, no íntimo, gostou do que ouviu, igualmente Fabiano.
Laís teve de se controlar.
- Eu tento ajudá-lo, mas no ramo dele não há nada que eu possa fazer.
Não entendo de seus negócios.
- Você é mais inteligente que isso, presumo - disse Luciana com sarcasmo.
Refiro-me a ajudá-lo mantendo as contas em ordem, não gastando dinheiro desnecessariamente, apoiando-o sempre que ele precisar e, principalmente, não lhe criando problemas.
- Acho uma indelicadeza de sua parte dirigir-se dessa forma a mim.
- E eu acho que você deveria procurar um emprego.
Posso providenciar isso rapidamente.
- Há anos não trabalho, deixe de bobagens.
Quem iria me querer profissionalmente após tantos anos?
- O mercado está aberto para quem não fizer corpo mole, mesmo para alguém da sua idade.
Laís fulminou Luciana com o olhar e, em seguida, olhou para Fabiano, que ignorou a madrasta, intimamente achando tudo aquilo muito divertido.
Luciana continuou:
- Amanhã mesmo vou cuidar disso.
Não vou garantir que consiga um cargo de projecção, mas já que você diz que está sem experiência pelos anos de inactividade, acho que até como recepcionista em alguma clínica possa ser satisfatório.
Laís virou-se buscando ajuda:
- Arthur, o que você acha?
É uma situação absurda essa que ela me propõe, não é?
- Não, Laís!
Acho que Luciana tem toda razão e meu apoio.
Laís calou-se resignada, mas tomada pelo ódio.
Nos dias que se seguiram, Luciana fez uma série de contactos e agendou várias entrevistas para Laís com a ajuda de Suzanne.
Em todas, o resultado não foi o esperado e tudo indicava que Laís sempre dava um jeito de ser recusada para qualquer vaga.
Luciana percebeu a artimanha da outra e um dia a chamou no escritório:
- Vejo que você está tendo realmente dificuldades em se colocar no mercado de trabalho.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:00 pm

Laís fez-se de desentendida e actuou como nunca:
- Pois é, Luciana.
Foi o que eu lhe disse!
Há anos não tenho prática em nenhum trabalho e as pessoas procuram profissionais mais experientes.
Luciana recostou-se na cadeira imponente e disse com calma:
- Você tem razão.
Eu não deveria ter insistido nisso marcando tantas entrevistas.
É melhor deixarmos essa ideia para lá.
Laís respirava triunfante quando Luciana prosseguiu:
- A partir de amanhã você começa a trabalhar aqui.
Você sempre me ensinou tantas coisas, lembra?
Como queria me ajudar a aprender a servir bem, organizar as tarefas domésticas.
Você lembra, Laís?
Laís sentiu o rancor nas palavras de Luciana e temeu pelo que viria:
- Realmente eu só queria ajudar.
- Eu sei - respondeu Luciana com ironia - é por esse motivo que sei também que você entende muito desse assunto, e vai ficar responsável pelos empregados daqui.
Todos são muito bons, mas é importante que aprendam sempre mais.
Vai ser uma espécie de chefe da governança ou algo assim.
Laís não conseguiu conter a irritação:
- Eu? Governanta?
Você deve estar brincando.
Isso está passando dos limites.
- Você pode deixar minha casa hoje mesmo sem problemas.
Eu não a estou forçando a nada.
Imagine se eu iria impor alguma coisa.
A escolha é sua, e você é livre para decidir.
A animosidade entre as duas não tinha mais razão para ser camuflada; estava declarada.
Laís levantou-se com muita raiva:
- Cansei desse joguinho!
Desde o início eu vi que suas intenções eram as piores enquanto fingia ser a boazinha querendo ajudar Arthur.
Não sei o que se passa na cabeça dele e de Fabiano para aguentarem isso, mas fique certa:
você vai me pagar.
O mundo dá voltas e você não vale nada!
- Ah, finalmente a Laís que sempre conheci!
Sabia que você não aguentaria segurar sua arrogância por muito tempo.
Mas você não percebeu que o mundo já deu sua volta, e hoje, sua opinião a meu respeito não me interessa de forma alguma.
E como você dizia antigamente, ou faz do jeito que eu digo, ou quem vai para a sarjeta desta vez será você.
Tem alguma dúvida quanto a isso?
Laís saiu batendo a porta e Luciana ficou se deliciando com o que acabara de acontecer.
Desse dia em diante, Laís passou a trabalhar na empresa de Luciana, que ainda por cima a obrigou a usar um uniforme, o que a deixou mais furiosa.
Laís procurava encontrar mil maneiras de fazer intrigas entre Luciana e Fabiano, entre os funcionários da empresa, mas tudo de forma subtil.
Muitas vezes entrou sorrateiramente na sala de Mário e desarrumou documentos que ficaram sob a responsabilidade de Fabiano.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:00 pm

Luciana sempre o chamava de irresponsável na frente de todos, acusando-o de ser desorganizado, o que ele rebatia dizendo que não tinha sido culpa dele, pois o que fazia era direito.
Mário se ofendia porque parecia que Fabiano tentava colocar a culpa nele, mas Luciana confiava em Mário e sabia que ele não era de cometer erros.
Em outras ocasiões, Laís procurava instigar Fabiano a sair à noite, o que deixava Luciana muito irritada, porque muitas vezes ele agia como na época de solteiro, saindo para beber e chegando muito tarde.
Ele sabia que Laís estava criando intrigas, mas vivia cansado de Luciana e da forma como o tratava, e acabava aceitando as ideias de Laís.
Um dia estavam no escritório quando Laís falou na frente de todos que voltavam do horário de almoço:
- Fabiano querido, ontem fui ao shopping depois que saí daqui e você nem imagina quem encontrei e perguntou por você.
- Não tenho a menor ideia - respondeu ele com desinteresse, mas Luciana ficou bastante atenta.
- Laura, a filha de Vera, lembra-se dela?
Está de férias aqui no Rio.
Separou-se do marido e ficou muito feliz em saber que você está bem.
Pediu que lhe dissesse que gostaria de vê-lo.
Afinal, foram amigos na adolescência.
Querendo atingir Luciana, Fabiano respondeu:
- Ah, Laura, uma boa amiga.
Quem sabe não consigo um tempinho para vê-la?
Luciana fez sinal para que ele a acompanhasse, entrou em sua sala e fechou a porta:
- Como você me desrespeita assim na frente de todos?
Eu não admito isso!
- Laura é apenas uma velha amiga.
Não lhe faltei com o respeito.
- Você não vai se atrever a encontrar essa mulher.
- Luciana, você conseguiu o que queria.
Manteve-me ao seu lado mesmo contra minha vontade.
Tem me humilhado sempre que pode, faz questão de se mostrar superior.
Mas você não vai me escravizar.
Se eu quiser ver Laura vou vê-la e você faça o que quiser!
Estou cansado!
Assim, ele saiu, deixando-a corroída pelo ciúme e pela audácia dele.
Laís, percebendo a briga entre os dois, ficou feliz por ter instigado a discórdia e ter alcançado seu intuito.
Quando os ânimos já estão alterados, alguém mal-intencionado sabe exactamente como atiçar a chama.
Uma vida cercada de desconfianças, de sentimentos negativos, de falta de amor é uma trilha aberta por onde passam facilmente pessoas prontas para desestabilizar ainda mais o que já é frágil.
Existem os que agem assim na Terra, e os que agem assim no mundo espiritual.
Quando estamos desatentos, desligados de uma vida espiritual equilibrada, caímos nas armadilhas, e o que poderia ser facilmente contornável, toma sempre dimensões muito maiores.
Laís sabia da fragilidade da relação de Luciana e Fabiano, e não estava difícil se aproveitar disso.
Por enquanto, ela estava levando uma pequena vantagem alcançada dia a dia por meio de suas intrigas.
Mas ela queria mais.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:00 pm

*
A situação na casa de Luciana estava ficando totalmente fora de controle e sua obsessão por vingança a estava transformando em uma pessoa cada vez mais amarga e sem limites.
Arthur e Suzanne eram os únicos que percebiam as alterações pelas quais ela passava, e estavam muito preocupados.
Em um encontro, Arthur demonstrou a Suzanne sua apreensão:
- Sei que você é a melhor amiga de Luciana, e gostaria que acreditasse em minhas boas intenções.
Recebi essa menina em minha casa ainda bebé, e a mãe dela foi quem cuidou de mim e de Fabiano durante muitos anos.
Preocupo-me verdadeiramente com ela.
- Eu sei, sr. Arthur.
Luciana me contou tudo sobre os anos que passou em sua casa.
Inclusive a forma como teve de sair de lá.
Ele a olhou intrigado:
- Sei que alguma circunstância estranha resultou nesse episódio da saída dela de minha casa.
Tudo foi repentino e sem sentido.
Mas na época eu estava enfrentando meus primeiros problemas na empresa e fui relapso com relação a tudo.
Mas acredite:
não faço ideia do que de facto causou a saída dela e de Rita daquela maneira.
Suzanne sentiu um impulso de lhe contar tudo, mas conteve-se.
Luciana não iria perdoá-la:
- É melhor deixar o passado no esquecimento.
Não convém remexer velhas feridas.
- Entendo que você não queira fazer nenhum comentário a respeito.
Mas Luciana está com muita raiva de Fabiano, casou-se com ele por capricho, está querendo descontar alguma coisa.
Eu não sabia que eram namorados naquela época.
Acredito que ela o ame, e embora ele esteja muito revoltado, acho que o sentimento dele por ela não acabou.
Precisamos ajudar esses dois.
- Realmente acho que Luciana precisa de ajuda, mas é melhor não nos envolvermos.
Ela não admitiria nenhuma interferência de nossa parte.
- Quanto a Laís nem falo nada.
Você vê, com certeza, as duas se odeiam.
E é nítido que Luciana também quer se vingar dela.
Isso não me importa.
Infelizmente, descobri que Laís não era o que eu pensava, e assim que minhas preocupações com os negócios passarem, vou tomar minhas providências e pôr um fim nesse casamento.
Mas temo mesmo por Luciana, por Fabiano.
Isso tudo está indo longe demais.
- Eu acredito na sua sinceridade e posso dizer-lhe apenas uma coisa:
no íntimo, Luciana o admira, tenha certeza disso.
E ela ama Fabiano, sim.
Acho que com o tempo eles vão acabar se acertando, mas primeiro ela precisa resolver as mágoas que traz no coração.
Mas, sr. Arthur, com Laís o problema é mais grave!
Não sei o que pode acontecer.
- Vamos ficar atentos, Suzanne.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:00 pm

Estou muito preocupado e conto com sua ajuda.
Selaram o pacto de confiança naquele momento, sem imaginarem que o futuro reservava problemas bem mais sérios.
Fabiano acabou cumprindo o que falara para Luciana e foi encontrar-se com Laura.
Sua ideia era apenas revê-la como amiga, e da parte de Laura também não havia nenhuma outra intenção.
Esse encontro foi monitorado por Laís, que procurou saber o dia e a hora marcados.
O ambiente onde Laura esperava por Fabiano era movimentado e alegre, e não foi difícil para Laís ocultar-se em meio aos clientes que transitavam animados de um lado a outro.
Quando viu Laura e Fabiano juntos, não desgrudou nem por um instante os olhos do casal e frustrou-se ao ver que o clima entre eles era de facto amigável, nada mais.
Mas não desistiu e, em determinado momento, Laura colocou carinhosamente as mãos no rosto de Fabiano, dando a oportunidade que Laís esperava.
Ela puxou rapidamente o celular da bolsa e começou a tirar várias fotos.
Sorrisos, um abraço, gestos que fora do contexto poderiam indicar algum envolvimento.
Quando Fabiano chegou a casa a madrugada já avançava e Luciana estava impaciente e acordada em seu quarto.
Laís, assim que conseguira fotos suficientes, foi embora sem que eles tivessem notado sua presença.
Não queria chegar tarde e ter de responder a um verdadeiro interrogatório de Arthur, que pouco se importava com ela, mas que ainda era sua mulher e tinha a obrigação de manter um comportamento correto e digno.
Quando Fabiano entrou no quarto e deparou com Luciana, demonstrou de imediato sua contrariedade:
- Era só o que me faltava!
Vai começar a controlar meus horários também?
Porque não está dormindo? - disse ele com a voz pastosa; não estava embriagado como das outras vezes, mas o álcool que consumira durante a noite o deixara com uma moleza característica dos efeitos da bebida.
Luciana respondeu quase de maneira rude:
- Não vou admitir que você continue com esse comportamento.
Ele deu de ombros e começou a se despir sem lhe dar atenção.
Luciana ficou mais irritada ainda:
- Você está ouvindo o que estou falando?
Somos casados e exijo respeito.
Onde você estava até uma hora dessas?
Ele deu um sorriso zombeteiro:
- Minha querida esposa, apenas fui encontrar com alguns amigos.
Qual o problema?
- O problema é que sou uma pessoa conhecida e não quero comentários sobre minha vida pessoal.
Os paparazzi estão por toda parte e você é um prato cheio para eles.
Pouco me importa o que você faz da sua vida, mas não me envolva em escândalos.
Ele deu uma gargalhada:
- Escândalo?
Nem com muito esforço eu conseguiria transformar essa sua vida vazia e sem emoção num escândalo.
Aquelas palavras doeram em Luciana:
- Você está embriagado!
Quem é você para falar da minha vida?
Você não sabe de nada!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:00 pm

Fabiano percebeu que atingiu em cheio a vaidade e o orgulho dela, e era a primeira vez que sentia que dominava a situação.
Sua raiva por tudo o que ela havia feito no passado, que ele acreditava ser verdade, e o que estava fazendo agora, motivaram-no a continuar:
- Eu não sei? - falou mais alto para que ela se calasse e diminuiu o tom da voz em seguida - claro que sei.
Sei que você é uma mulher amargurada, seca e fria.
O que você fez da sua vida não me interessa, mas seja lá o que tenha sido, transformou-a numa mulher de pedra, um tanque que só quer destruir o que vê pela frente.
Você não sorri, seus olhos são opacos e você carrega na alma um ranço visível a qualquer um.
Você não ama nem desperta o amor em ninguém; não me admira que tenha ficado sozinha.
Você não atrai nenhum homem, não é mulher, não é sensual, não é delicada.
Parece um robô, sem vida e sem emoção.
Você me dá pena!
Quando concluiu, Fabiano já estava preparado para o revide de Luciana, mas, para sua surpresa, ela sentou-se na cama e permaneceu calada e imóvel.
Ele estava irado com tudo o que acontecera desde que se reencontraram, mas sempre foi pessoa de boa índole, bem-educado por Arthur, e se arrependeu de ter falado daquela maneira.
Esperou um pouco para ver o que Luciana faria, e como ela permanecia do mesmo jeito, foi até o banheiro, tomou uma chuveirada rápida e voltou para o quarto, onde ela continuava do mesmo jeito.
Realmente, ele sentiu que havia passado dos limites.
Aproximou-se dela e disse:
- Desculpe! De verdade!
Não importa o que esteja acontecendo entre nós.
Nada me dá o direito de ser tão grosseiro.
Ela não olhava para ele.
Ele sentou-se ao seu lado na cama, e com suavidade puxou o rosto dela:
- O que nós fizemos da nossa vida?
Estamos nos consumindo em meio a tanto rancor.
Nossa vida está um inferno!
E pela primeira vez, desde que se reencontraram, Fabiano viu luz nos olhos de Luciana, e nesse brilho, reconheceu a namorada da adolescência, e também, em muito tempo, sentiu seu coração pulsar como da primeira vez que saíram juntos. Perguntou novamente com a voz embargada:
- Porquê Luciana?
Porque tudo isso?
- Eu tinha tantos planos para o futuro naquela época.
Tantas esperanças.
Você me roubou tudo.
Você e seu preconceito.
- Meu Deus, Luciana, eu já admiti que errei com relação a isso.
Fui imaturo e não segui o exemplo de meus pais, que sempre respeitaram a todos da mesma forma, independente da classe social.
Mas você poderia ter esperado, não precisava fazer o que fez, envolver-se com outro daquele jeito só para se vingar.
E ainda engravidar dele!
Como você queria que eu me sentisse?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:01 pm

Ela teve vontade de contar a ele todas as suas suspeitas sobre as armações de Laís, mas não tinha como comprovar nada do que diria e achou melhor se calar.
Quando ele mencionou a gravidez, lágrimas desceram pelo rosto de Luciana.
Não havia um único dia em que não pensasse na filha, na pequena Leila e na forma como teve de abandoná-la.
Rezava por ela diariamente, pedindo a Deus que a protegesse e lhe desse um bom futuro.
A lembrança da filha, a presença de Fabiano ali, tão honestamente desarmado, aqueceram seu coração até então congelado pela vingança.
- Não vamos falar do passado, agora.
Coisas horríveis aconteceram e para enfrentar e sobreviver a tudo, tive de ser forte e determinada.
- Luciana, você não se transformou numa mulher forte, mas sim em alguém que carrega muito ódio no coração.
- Você não sabe nada do que passei, não tem o direito de me julgar.
- E você não imagina o que sofri quando você partiu! - ele disse, abrindo seu coração como nunca imaginou fazer.
Sofri porque a amava de verdade; vivi anos com a dúvida se o filho que esperava era meu ou não; sofri quando me dei conta de quão estúpido fui, agindo de forma preconceituosa, deixando a mulher que eu queria ao meu lado sair da minha vida.
E sofri porque não tinha a menor ideia de onde você estava e jamais consegui encontrá-la para dizer tudo isso.
Luciana não conseguia controlar a emoção e ele prosseguiu:
- O que você pensa, Luciana?
Não imaginava nada disso, não é?
Pois foi por tudo isso que retomei meu estilo de vida, tendo muitas mulheres e passando as noites na farra com os amigos.
Nesses momentos, eu conseguia esquecer um pouco a dor que carregava na alma.
Pelo amor de Deus, Luciana, eu também sentia falta de Rita.
Ela foi como uma mãe para mim.
Você acha que não sofri durante todos esses anos?
Luciana estava confusa e queria dominar seus sentimentos naquele momento.
Não podia esmorecer, ela havia chegado até ali, tinha de ir até o fim e se vingar.
Sua respiração estava pesada e ela lutava para controlar a situação.
Fabiano tocou de leve em seus cabelos dizendo:
- Não precisa me dizer nada agora.
Mas nós dois fomos vítimas de nós mesmos, da nossa falta de equilíbrio emocional, da falta de valores como confiança, integridade e respeito ao outro.
Mas agora estamos mais maduros, e talvez ainda dê tempo para recomeçarmos.
Se não for possível fazermos isso como um casal, faremos de outra maneira.
Mas o sofrimento pelo qual passamos tem de servir de aprendizado, caso contrário, terá sido em vão.
O sofrimento deve ser usado como conhecimento para amadurecer e tornar a alma grande, e não como combustível para alimentar o ódio.
Lembro que meu pai sempre disse que minha mãe falava isso sempre.
Luciana estava sentindo o amor expandindo-se por todo seu corpo e alma!
Abraçou Fabiano, que retribuiu o carinho com um abraço intenso, seguido de um beijo com sabor de urgência, de desejo e de angústia.
Naquela noite, o corpo de ambos voltou a ser um.
Entrelaçaram-se rompendo o fio que teceu o manto que encobrira o amor do passado.
Rasgaram as cortinas do tempo e se amaram como dois jovens apaixonados, redescobrindo o prazer do toque, da palavra doce sussurrada ao ouvido, do êxtase compartilhado e do aconchego sereno e silencioso que os uniu até o amanhecer.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:01 pm

vinte e seis - Uma luz
O café da manhã estava servido e Laís e Arthur comiam no silêncio costumeiro.
Laís estava estranhando a demora de Luciana e Fabiano, que sempre eram os primeiros a chegar para o desjejum.
Mas não demorou e Fabiano apareceu desejando bom-dia de forma agradável e até bem-humorada, o que deixou a madrasta intrigada.
Pouco depois, Luciana também chegou com seus modos habituais, apenas um pouco mais calada.
Laís sentia que algo estranho estava no ar, e percebeu uma troca de olhares entre Fabiano e Luciana, que não conseguiu definir.
Mas o clima a estava incomodando e ficaria de olho nos dois.
Luciana bebeu apenas um copo de suco e falou:
- Fabiano, vou indo para o escritório.
Preciso chegar logo para analisar uns modelos para a próxima colecção e nessas ocasiões gosto de me fechar e trabalhar sem ser incomodada. Até a noite.
Fabiano apenas respondeu:
- Não tenho nada urgente, então seguirei mais tarde.
Ela assentiu com a cabeça, despediu-se de todos e retirou-se.
Arthur saiu em seguida, alertando Laís para que não se atrasasse para o trabalho.
Vendo-se sozinha com Fabiano, exultou pela rara ocasião e começou a provocar uma conversa:
- E então, Fabiano, como foi sua noite?
Encontrou-se com Laura?
- Sim, nós nos vimos e foi muito bom rever minha amiga de adolescência.
- Que óptimo!
O que achou dela?
Está muito bonita, tenho certeza de que você reparou.
Conte-me como foi a noite.
Fabiano se incomodou com o assunto e falou:
- Laís, sinceramente acho que esse assunto não lhe interessa.
E também não há nada para contar.
Foi apenas um encontro de velhos e bons amigos.
Agora, se me dá licença... - jogou o guardanapo em cima da mesa e foi para o quarto.
Laís ficou furiosa e imaginou onde ele colocaria aquela arrogância na hora que sentisse os efeitos da bomba que ela estava preparando.
Luciana estava muito confusa com tudo o que acontecera na noite anterior.
Seu amor por Fabiano permanecia intacto, estava até mais intenso, talvez devido aos anos de sofrimentos e afastamento.
Mas ela não esquecia a mágoa que ele lhe causara, e não se permitia perdoá-lo.
Quando Suzanne chegou, ambas conversaram muito, e ela deu sua sincera opinião:
- Não consigo ver as coisas como você.
Acho que devemos agir conforme nosso coração.
Você ama Fabiano, então viva esse amor.
Conte-lhe tudo o que aconteceu, suas suspeitas sobre Laís, fale sobre Leila e, acima de tudo, perdoe.
Luciana fazia que não com a cabeça seguidamente.
- Não posso, Suzanne.
Ele me feriu muito, destruiu todos os meus sonhos.
Como posso perdoá-lo?
Ele tem de sofrer o mesmo que eu sofri.
- Você está errada.
Seu coração já o perdoou há muitos anos.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:01 pm

Você está seguindo sua cabeça, que lhe incutiu essa ideia de vingança.
Será que não percebe que dessa forma está sofrendo com ele?
Será que não vê que está prolongando seu próprio sofrimento e que isso não vai levar a nada?
Dê uma chance de finalmente ser feliz.
Por que todos acham que é obrigatório revidar uma ofensa, devolver um mal causado por alguém?
Nesse momento bateram à porta e Júlia entrou:
- Desculpem entrar dessa forma, mas não havia ninguém lá fora.
Suzanne ficou feliz ao ver Júlia:
- Entre, querida; chegou em óptima hora.
Eu e Luciana estávamos tendo uma conversa bem interessante.
- Olá, Luciana.
Como você está?
E sobre o que falavam?
- Como vai, Júlia?
A Suzanne estava me dizendo que não se deve pagar o mal na mesma moeda, coisa da qual discordo, e você sabe disso.
Júlia sentou-se, olhou para as duas e entrou na conversa:
- Eu sei exactamente como você pensa, Luciana.
Mas tenho de concordar com Suzanne.
Se agimos como alguém que nos fez algum mal, estamos nos igualando a essa pessoa, não acha?
E como podemos criticar alguém que nos inspira a agir da mesma forma?
- Não é essa a questão.
Mas quem faz o mal não deve ficar impune.
Acho que qualquer vítima tem o direito de querer vingança - disse Luciana com convicção.
Júlia ajeitou-se na cadeira e Suzanne estava atenta.
- Não existem vítimas.
Se você olhar a vida como nós, espíritas, olhamos, com a compreensão do passado e as vistas do futuro, vai entender que todas as coisas pelas quais passamos resultam de nossas próprias atitudes ou até da ausência delas.
Se você revida o ódio e o rancor da mesma forma, não estará sendo tão desprezível quanto aquele que lhe causou o mal?
- Então é assim?
Temos de ser amigos de quem nos prejudicou?
- Não falo em amizade, mas em perdão sincero, o que torna aquele que perdoa infinitamente superior ao seu adversário.
Enquanto nos ocupamos de vinganças deixamos de crescer e construir nossa vida.
O perdão de facto engrandece as pessoas enquanto a vingança as rebaixa e traz sofrimento.
As três amigas ainda conversaram por um tempo até que Júlia decidiu ir embora.
Quando ela saiu, Suzanne disse para Luciana:
- E então?
Depois de ouvir Júlia, você não concorda que está na hora de desistir de tanto ódio?
Livre-se de Laís, tire-a de sua vida porque você não é obrigada a conviver com ela, mas desista de vingança e viva feliz ao lado do homem que ama.
- Na verdade, Suzanne, fiquei emocionada com a atitude de Fabiano ontem.
Talvez vocês estejam certas.
Estou cansada também e quem sabe não vale mesmo a pena esquecer?
Mas Laís vai receber o que merece.
E, apesar da noite passada, ainda não estou totalmente certa da sinceridade de Fabiano.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:01 pm

Preciso de um tempo.
Mas ele estava tão carinhoso, tão amável...
Foi tudo tão lindo!
Durante o dia, Luciana tentava focar sua atenção no trabalho.
Fabiano, quando chegou, passou na sala da esposa para ver como ela estava.
Ambos trocaram algumas palavras carinhosas, mas não tiveram nenhuma aproximação maior.
Ela realmente estava muito dividida e não tomaria nenhuma atitude precipitada.
Perto do fim da tarde, quando quase todos já haviam deixado o escritório, Suzanne avisou que um mensageiro gostaria de ver Luciana.
Ela, a princípio, negou-se a recebê-lo por não saber qual era o assunto, mas ele insistiu que precisava vê-la.
Tinha uma encomenda importante que só poderia ser entregue a ela.
Acabou fazendo-o entrar e recebeu das mãos do jovem rapaz um envelope amarelo sem nenhuma indicação de conteúdo e remetente.
Dispensou o mensageiro e abriu o envelope com curiosidade.
Teve uma vertigem quando viu as fotos de Laura e Fabiano.
Começou a tremer de raiva, pegou o interfone e ligou para a sala de Fabiano.
Quando ele atendeu, ela disse com uma voz severa:
- Venha à minha sala imediatamente!
Fabiano a atendeu prontamente, estranhando a forma como ela se dirigiu a ele.
Quando entrou na sala e fechou a porta, foi tomado de surpresa.
Luciana começou a falar:
- Como eu pude quase me deixar enganar novamente por você? - disse atirando as fotos em cima dele.
Fabiano as pegou e olhou tudo estupefacto:
- Mas o que significa isso?
O que você está pensando?
- Estou pensando que você não mudou nada.
Continua o mesmo com seus preconceitos e me enganando.
Então era com ela que você estava ontem a noite e não com seus amigos como me disse.
Não importa que eu tenha chegado aonde cheguei; pelo jeito, para você, eu continuo sendo a filha da empregada, de uma classe social inferior.
Sirvo para ir para a cama com você, mas para aparecer em público você procura alguém do seu nível como essa Laura, não é?
- Você não sabe o que está dizendo!
Será que esqueceu tudo o que conversamos ontem?
Eu errei mentindo sobre Laura, mas se o fiz foi porque não queria que você pensasse exactamente o que está pensando agora.
Fui vê-la, mas como amigo.
Não vou vê-la de novo e ela não me interessa.
Essas fotos estão passando uma imagem distorcida de nosso encontro.
- Ah! Certo!
Agora você quer me convencer de que não sei o que estou vendo?
- Não é isso!
Mas essas fotos foram tiradas com a intenção de passar a ideia de um encontro amoroso.
E não foi nada disso.
Você tem de acreditar em mim!
Luciana estava cega de raiva e quando ia continuar com seus ataques, Fabiano perguntou:
- Quem lhe entregou essas fotos?
- Foi um mensageiro.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:01 pm

Tome, veja, estavam neste envelope, sem remetente.
- E você não perguntou a ele quem mandou entregar?
- Não. Eu o dispensei antes de ver o conteúdo.
O que isso importa agora?
O que interessa é que quase caí na sua conversa, mas alguém me abriu os olhos a tempo de evitar que eu cometesse esse erro terrível!
De repente, Fabiano se deu conta:
- Onde está Laís? - disse isso abrindo a porta da sala e olhando para fora em busca da madrasta.
Luciana respondeu:
- Ela hoje pediu para sair mais cedo!
Mas não fuja do assunto.
O que interessa Laís agora?
Fez-se um breve silêncio.
Fabiano aproximou-se dela pegou sua bolsa e a entregou a ela; pegou sua mão e puxou-a para fora da sala.
- Venha comigo e não diga nada!
Vamos resolver isso agora e você vai ver que estou sendo sincero.
*
Luciana foi quase que arrastada por Fabiano para o carro dele, e todas as tentativas de questionar o que estava acontecendo foram infrutíferas.
Ele estava visivelmente transtornado e apenas repetia que agora toda a verdade viria à tona e que Luciana confiasse nele.
Chegaram ao prédio em que moravam e Luciana já estava atordoada com aquela correria e falta de explicação.
Ao entrarem no apartamento, a empregada chegou a se assustar com a abordagem de Fabiano:
- Onde está Laís? - disse ele, afobado e olhando para todos os lados.
- Senhor Fabiano, acho que ela está no quarto - disse a empregada assustada com o olhar interrogativo para Luciana.
Fabiano ainda a segurando pela mão, dirigiu-se ao quarto de Laís, abrindo a porta sem nem se fazer anunciar.
A madrasta, que estava sentada em uma poltrona lendo, ao vê-los entrar daquela maneira, sentiu-se ofendida:
- O que é isso?
Será que não posso ter um mínimo de privacidade?
Isso são modos, Fabiano?
- Laís! O que você pretende?
Ela se fez de desentendida e quando ia esboçar uma resposta, Luciana interveio:
- Alguém pode me explicar o que está acontecendo?
Fabiano pegou as fotos e as atirou em cima da cama.
Laís estremeceu em seu interior, mas manteve uma aparência controlada:
- Que fotos são essas?
Fabiano estava furioso e sentiu vontade de agarrá-la pelos braços diante de tamanho cinismo.
Mas, em vez disso, respirou fundo e falou com mais calma:
- Acabou, Laís!
Eu sei que foi você quem tirou essas fotos e as enviou para Luciana.
Luciana, então, percebeu que ele falava a verdade.
Como não havia pensado nisso antes?
Claro! Mais uma vez Laís!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:02 pm

Fabiano prosseguiu:
- Não sei com qual objectivo, mas agora tenho certeza de que você foi a responsável por tudo o que aconteceu entre mim e Luciana.
E você vai nos contar toda a verdade.
Não adianta mais querer esconder nada.
Luciana aproximou-se do marido e segurou carinhosamente em sua mão para afrontar Laís e mostrar a ela que eles estavam unidos.
Sua atitude provocou em Laís exactamente a reacção que ela esperava.
Sentindo-se acuada, Laís falou em tom agressivo:
- Você está ficando louco!
Não sabe o que está dizendo.
Luciana decidiu ficar calada e ver até onde as coisas iriam.
Agora ela veria até que ponto Fabiano fora sincero.
Foi ele quem continuou o diálogo:
- Não adianta, Laís; desista.
Até meu pai já sabe que você é uma dissimulada que sempre escondeu de nós seu verdadeiro carácter.
Você forçou meu encontro com Laura, ficou me sondando para saber quando seria, exactamente porque queria tirar essas fotos e entregá-las para Luciana, causando mais uma briga entre nós.
- E porque faria isso?
- É o que vou descobrir, mas agora começo a perceber que em outras situações você deve ter mexido seus pauzinhos para que brigássemos também.
Situações totalmente inexplicáveis que andaram acontecendo principalmente no escritório.
Ela deu uma gargalhada:
- Sei que sou sua madrasta, mas vocês já passaram e muito da idade de achar que estão vivendo um conto de fadas.
Era só o que me faltava.
Não suportando mais a atitude de Laís, Fabiano se aproximou e com muita firmeza afirmou:
- Você vai falar tudo agora!
Que tipo de intrigas você fez no passado, o que aconteceu para que Rita e Luciana deixassem minha casa naquela noite quase como fugitivas?
- Eu não vou dizer nada, simplesmente porque não tenho a menor ideia dos motivos que as levaram a fazer aquilo.
Luciana, que estava calada até então, apenas observando, não se conteve diante do que ouviu, pois jamais esqueceria aquela noite:
- Como você pode ser tão falsa? - gritou Luciana.
Dessa vez foi Fabiano quem se sobressaltou.
Luciana prosseguiu:
- Se sua memória está falhando, a minha sempre foi muito boa!
E jamais esqueci tudo o que aconteceu depois que você foi para a casa de Arthur.
Fabiano, que olhava para Luciana e para Laís, perguntou:
- De tudo o quê, Luciana?
- Pergunte para ela - respondeu apontando para Laís.
Pergunte a ela como tratava a mim e à minha mãe.
Essa mulher é um monstro.
Laís se apressou em se defender:
- Não é possível que você vai acreditar nela, Fabiano!
Numa empregadinha que só porque conseguiu, sabe-se lá como, subir na vida, acha que pode tudo.
Ela não tem berço, não tem carácter; sabe como é esse tipo de gente.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:02 pm

Mente para conseguir o que quer.
Você acha que uma empregadinha sem eira nem beira ia conseguir juntar tamanha fortuna?
De forma honesta não foi, isso eu posso lhe garantir!
Luciana não raciocinou.
Chegou perto de Laís e desferiu-lhe uma bofetada, que estalou no rosto da mulher, um troco que estava guardado havia muitos anos.
Totalmente surpreendida, Laís cambaleou e caiu no chão.
Fabiano estava atónito e segurou Luciana, tentando acalmá-la:
- Querida, não perca a razão.
Nós estamos com a verdade e ela não tem saída.
Levantando-se com dificuldade, Laís sentia seu corpo vibrar de ódio, mas não diria uma só palavra do que eles queriam ouvir.
Sua maior táctica era sempre humilhar Luciana lembrando-a de sua condição social, que considerava inferior, e assim prosseguiu:
- Eu não disse, Fabiano?
Qual pessoa de classe faria isso?
Acorde antes que seja tarde.
Temos de falar com seu pai para sairmos daqui.
- Não vamos falar nada com meu pai.
Ele já tem problemas demais para resolver, muitos agravados por você!
Luciana acrescentou:
- Você agora vai nos contar tudo ou não ficará nem mais um minuto nesta casa.
E tenho certeza de que Arthur não vai se opor a minha decisão.
- Luciana, o que você falou sobre aquela noite? - perguntou Fabiano.
- Essa mulher, Fabiano, colocou-nos, a mim e a minha mãe, para fora da sua casa.
- Como é?
Ela as colocou para fora?
- Fabiano, não posso crer que você ainda vai dar ouvidos a essa mentirosa - disse Laís querendo se mostrar indignada.
- Foi isso mesmo, querido!
Ela foi nos procurar, disse que você e seu pai não queriam mais nos ver, que tínhamos sido uma grande decepção para vocês e nos enxotou sem piedade.
Deu-nos apenas uma noite para arrumarmos tudo e irmos embora!
- Mas, porquê?
A que ponto chegou sua loucura, Laís?
O que você pretendia?
- Ela sempre nos odiou, mas nunca entendi por quê.
Você não imagina as coisas que ela me fez passar, as humilhações a que me submetia com atitudes camufladas de boas intenções.
Ela enganava você e seu pai.
Quando saíamos juntas, sempre dava um jeito de me expor ao ridículo perante suas amigas.
Eu sofri muito nas mãos dela, e por causa dela, de tanto sofrimento que nos causou, o coração de minha mãe não suportou.
Ela é a responsável por tudo, querido, inclusive pela morte de minha mãe.
Fabiano empurrou Laís para a cama e gritou:
- Porque você disse a elas que não queríamos mais vê-las?
Para mim você falou que Luciana estava apaixonada por outro e por isso haviam ido embora.
- Ela disse isso?
Apaixonada por quem? - questionou Luciana.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:02 pm

- Ela nos disse que você estava tendo um caso com um dos empregados da Hípica, que dormia com ele e que estava grávida!
Você havia me dito que o filho era meu; fiquei desnorteado, e quando você fugiu, acreditei que o que ela havia nos contado era verdade.
Laís sentiu que estava perdida.
Eles agora falariam tudo e ela seria desmascarada.
Com certeza, colocaram-na para fora da casa.
Mas se ela iria ser punida de alguma forma, não deixaria que eles vivessem felizes enquanto ela provavelmente sofreria uma série de privações.
Em sua volta, os vultos negros, que sempre a acompanhavam, vibravam e murmuravam em seus ouvidos.
Ela levantou-se rapidamente e correu para um armário próximo, pegando Fabiano e Luciana desprevenidos.
Antes que eles tomassem qualquer atitude, ela retornou e o que viram os deixou aterrorizados:
Laís tinha uma arma na mão e os encarava de forma ameaçadora.
Por uns instantes, o casal ficou sem saber como agir, até que Fabiano tentou ponderar:
- Laís, calma.
Você está descontrolada.
Todos estamos!
Podemos resolver isso tudo sem chegarmos a extremos.
- Já chegamos, meu adorado enteado.
Vocês se uniram contra mim e não vou deixar que arruínem minha vida.
Essa arma tem silencioso, e posso acabar com vocês dois e sumir antes que alguém consiga sair em meu encalço.
Impulsivamente, Luciana se atirou em direcção a Laís tentando arrancar a arma de suas mãos.
As duas se atracaram e Fabiano se lançou entre elas esperando conseguir apartá-las.
Luciana ainda conseguiu pegar a arma por um breve momento, mas logo Laís voltou a dominar a situação.
Tudo foi muito rápido, apenas alguns segundos, e então o som abafado da arma disparando foi percebido apenas pelos três envolvidos na luta.
Um silêncio lúgubre tomou conta do ambiente.
O líquido vermelho abundante começou a escorrer, e o corpo perdia sua força vital.
A mente já não distinguia o real do imaginário.
Não havia dor, apenas frio.
"Que sono é esse?...
Por que pareço flutuar...
Preciso me aquecer...
Está tão frio... nublado... ajudem-me..."
O corpo inerte desabou no chão em meio a uma poça de insanidade e fúria, e o sangue diluía qualquer esperança de paz e dias melhores.
Fabiano fora atingido.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 19, 2018 9:02 pm

vinte e sete - Trágicos acontecimentos
As duas mulheres se olharam apavoradas e Luciana estava quase em estado de choque, mas sua personalidade enérgica a fez reagir e pegar imediatamente o telefone.
Ligou para o serviço de emergência.
Laís, agachada ao lado de Fabiano, implorava para que ele abrisse os olhos e reagisse.
Depois de se certificar de que a ajuda estava a caminho, Luciana retomou seu equilíbrio e dirigiu-se a Laís:
- Viu o que fez? Assassina!
Desta vez, vai para a cadeia, que é seu lugar.
Assim que Fabiano estiver bem vou pessoalmente providenciar para que você desapareça definitivamente de nossa vida.
Vou acompanhar Fabiano ao hospital e depois vou imediatamente à delegacia.
Você não perde por esperar!
Laís levantou-se, mostrando-se muito segura:
- Você não me assusta.
Foi um acidente, eu jamais faria mal a Fabiano.
A polícia vai saber a verdade.
Não adianta me ameaçar.
- Não vou perder tempo com você.
A ambulância está chegando.
Mais tarde veremos.
E, pelo amor de Deus, faça algo útil:
ligue para Arthur e diga-lhe que me encontre no hospital.
- Vou pedir que venha me buscar e iremos para lá.
Luciana a fulminou com o olhar:
- Não se atreva a aparecer por lá.
Apenas faça o que mandei e avise Arthur.
Depois cuidarei de você!
Dizendo isso, Luciana se retirou para o quarto onde rapidamente foi trocar sua roupa, que estava encharcada de sangue.
Sozinha, ela permitiu que todo o seu desespero pela situação viesse à tona e se desmanchou em lágrimas:
"Meu Deus, por favor, eu lhe imploro, não permita que nada de pior aconteça com o meu amor!
Livre-o de todo o mal.
Ele precisa se recuperar para finalmente retomarmos nossa vida.
Proteja-o!".
O socorro chegou e Luciana seguiu a ambulância em seu carro.
Não sabia como conseguia manter o controle e dirigir, mas sabia que Fabiano precisava que ela se mantivesse lúcida para ajudá-lo.
Ao chegarem ao hospital, uma equipe já aguardava o paciente.
Levaram-no directo para a unidade de emergência, onde Luciana não poderia acompanhá-lo.
Só lhe restava ficar na sala de espera rezando por ele.
Aproximadamente uma hora depois, Arthur apareceu angustiado e encontrou Luciana sentada num sofá, solitária e abatida.
O efeito dos acontecimentos finalmente se faziam notar em seu semblante.
- Minha filha, vim o mais rápido que pude!
Que tragédia, meu Deus!
Como isso aconteceu?
- Foi ela, Arthur!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Fev 20, 2018 9:29 pm

Mais uma vez foi ela...
Arthur estava desnorteado e carregava o peso da culpa de ter colocado Laís na vida deles:
- A que ponto chegamos!
Mas agora temos de nos concentrar em Fabiano e reunir forças para ajudá-lo.
Depois, cuidaremos de Laís.
- Eu vou colocá-la na cadeia; ela vai pagar por tudo o que me fez! - completou Luciana com os olhos marejados.
- Não vamos falar disso agora.
Tomei a liberdade de avisar suas amigas Suzanne e Júlia, espero não ter feito mal.
Sei que elas sempre são um grande apoio para você.
Luciana esboçou um sorriso:
- Obrigada, Arthur; você fez muito bem.
Elas estão vindo?
- Sim, logo estarão aqui, acalme-se.
O tempo passava lentamente, e a única notícia que tiveram foi que Fabiano havia sido levado ao centro cirúrgico.
Suzanne e Júlia chegaram e procuravam consolar Luciana e Arthur, que, com o passar das horas, estavam cada vez mais aflitos.
O ambiente hospitalar estava deixando Luciana muito deprimida e quando passou uma senhora chorando copiosamente a morte do marido, foi a gota d'água para que ela expusesse toda sua dor:
- Eu não vou aguentar perder Fabiano.
Foram tantas mágoas, tanto sofrimento, e agora estávamos perto de resolver tudo, de ter a chance de um recomeço.
Não é justo!
Júlia se comoveu com o sofrimento da amiga e buscou serenar seu coração:
- Luciana, minha amiga querida, fique calma que tudo vai dar certo.
Você é muito forte e logo estará ao lado de Fabiano ajudando-o em sua recuperação.
- Mas e se ele não se recuperar?
Eu não vou suportar!
- Sei que tudo vai ficar bem.
A missão de Fabiano ainda não se cumpriu, sinto isso.
Você deve aproveitar essa situação e rever sua posição diante da vida.
Muitas vezes, seguimos por um caminho no qual tudo parece nos direccionar ao erro, mas mesmo assim persistimos nessa estrada.
Quando não estamos atentos às nossas atitudes e aos sinais que a vida nos envia, algo tem de ser feito.
E então o universo conspira em nosso favor e nos dá uma chance de reconsiderar e evoluir, colocando-nos em alguma situação em que obrigatoriamente temos de parar e reavaliar nossos passos.
Infelizmente, a maioria das pessoas tem de passar por isso, exactamente porque vive seus dias de forma displicente, sem atentar para sua postura diante dos factos.
E agora você está vivendo exactamente esse momento.
Acalme-se, reze por Fabiano, e pense no que lhe falei.
Vou buscar um café.
Júlia retirou-se deixando Luciana pensativa.
Suzanne falou:
- Como você está, minha amiga?
- Essas coisas que Júlia me falou tocaram fundo em minha alma.
Talvez esteja na hora de acabar com todo esse rancor, esse sentimento de vingança.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Fev 20, 2018 9:30 pm

- Fico aliviada em ouvi-la falar assim.
Olhe para Arthur, coitado, está sofrendo tanto!
Se ele e Fabiano cometeram erros, pode ter certeza de que já estão pagando um alto preço, você não acha?
Luciana olhou compadecida para o sogro e falou:
- É verdade!
A falência da empresa... a tentativa de suicídio de Fabiano... e agora isso!
Eles já sofreram e ainda sofrem muito.
Não cabe a mim querer fazer justiça.
Júlia tem razão:
todos nós já estamos vivendo situações bastante difíceis.
- E quanto a Laís?
O que vai fazer?
Luciana recobrou a postura fria e respondeu:
- Vou fazer o que deve ser feito de acordo com a lei.
O que ela fez hoje foi muito grave, e não pode ficar impune.
- E quanto ao resto?
- Você se refere a tudo o que ela fez no passado?
- Sim!
Luciana pensou por uns instantes:
- Suzanne, eu estou correndo o risco de perder para sempre o homem que amei durante toda minha vida.
Nada agora é mais importante para mim do que tê-lo de volta e recuperado em meus braços.
Acredito que ele me ame e que tudo o que aconteceu foi culpa dela.
Nós fomos vítimas da sua maldade.
Mas se Deus quiser, teremos o futuro pela frente, e ela vai acertar suas contas com a justiça.
Não vou mais trocar meus momentos felizes ao lado de Fabiano por essa obsessão por vingança.
Suzanne finalmente respirou aliviada.
- Você não imagina como fico feliz ouvindo-a falar assim.
Está mais do que na hora de você refazer sua vida e ser feliz.
Assim que Fabiano estiver bem, conte a ele sobre Leila, esclareçam tudo e lutem por sua felicidade.
- Contar a ele sobre Leila?
Não posso fazer isso.
- Está errada.
Você precisa contar.
Não se esqueça de que Laís o fez pensar que você estava grávida de outro homem.
Ele tem o direito de saber!
- Mas eu abandonei nossa filha; ele não vai me perdoar...
Não, não posso contar!
- Se ele a ama realmente, vai entender a situação e perdoá-la.
Você tomou uma atitude desesperada.
O que mais poderia fazer naquele momento?
Luciana passou as mãos nos cabelos tentando analisar as palavras de Suzanne:
- Não sei... tenho medo!
Se ele ficar bom, quero tentar viver nossa vida em paz.
Se eu contar, posso perdê-lo para sempre.
- Você agora não está em condições de analisar isso.
Deixe para resolver o que fazer quando Fabiano estiver recuperado.
Luciana assentiu.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Fev 20, 2018 9:30 pm

Júlia chegou com o café quentinho.
Arthur, Luciana, Suzanne e Júlia estavam juntos e em silêncio rezando por Fabiano.
Logo depois, chegaram Mário e Augusto, que se juntaram a eles numa sentida prece.
Mário e Suzanne estavam iniciando um relacionamento, e ela ficou muito feliz em poder tê-lo ao seu lado.
Pouco tempo depois, um senhor de aparência bastante séria aproximou-se deles:
- Quem é o responsável pelo paciente Fabiano Gouveia Brandão? - perguntou o médico.
Arthur e Luciana levantaram-se juntos e falaram apressados:
- Eu sou o pai dele!
- E eu a esposa.
- A cirurgia terminou e tudo aconteceu conforme o previsto.
- Mas como ele está, doutor? - perguntou Arthur aflito por mais detalhes.
- Não podemos adiantar muita coisa por enquanto.
Teremos de aguardar 48 horas para definir melhor o quadro de saúde dele.
Seu estado é grave, mas estável; conseguimos conter o sangramento e felizmente a bala não atingiu nenhum órgão vital.
Mesmo assim, ainda é cedo para darmos um prognóstico mais preciso.
Devido à anestesia ele vai dormir por muitas horas e ficará na UTI.
Talvez seja bom vocês irem para casa descansar.
Arthur e Luciana se entreolharam:
- Obrigado, doutor, mas gostaríamos de ficar, se não houver problema - disse Arthur com a anuência de Luciana.
- Podem ficar, claro.
Mas até amanhã não devem ter mais novidades.
- Tudo bem, ficaremos assim mesmo - concluiu Arthur de mãos dadas com a nora.
Todos estavam bem mais tranquilos e Luciana tentou organizar com Mário, Suzanne e Augusto os procedimentos a serem seguidos na empresa enquanto ela estivesse fora.
Arthur foi para o telefone reorganizar sua agenda; sua prioridade agora era o filho.
Muitas horas se passaram sem novidades.
Os amigos permaneciam com Luciana e ficariam ao lado dela o máximo possível.
Júlia e Suzanne saíram para providenciar um lanche para todos, pois ninguém se animou em ir comer na lanchonete.
Voltaram com sanduíches, sucos e frutas.
Depois do lanche, estavam conversando sobre amenidades quando viram um grupo de três homens entrarem na sala olhando em busca de alguma coisa.
Os três estavam de terno e pareciam bastante sóbrios.
Dirigiram o olhar para o grupo de amigos e foram em sua direcção.
- Por favor, entre vocês se encontra Luciana Sampaio Costa?
Todos se olharam surpresos.
Eles não pareciam médicos.
Luciana prontamente levantou-se:
- Pois não, senhores.
Luciana Sampaio Costa sou eu.
O homem que estava à frente dos outros dois puxou um papel do bolso interno do paletó preto e estendeu-o para Luciana:
- A senhora precisa nos acompanhar.
- Acompanhar? Para onde?
Quem são vocês?
- A senhora está detida para investigação.
Terá de vir connosco!
Todos ficaram imensamente chocados.
- Detida? Como assim?
Porquê? - inquiriu Luciana totalmente consternada com a situação.
- A senhora está sendo acusada de tentativa de homicídio.
Por favor, acompanhe-nos ou teremos de levá-la algemada.
A comoção foi geral, mas ninguém conseguiu impedir que ela saísse com aqueles estranhos.
Júlia, Augusto, Mário e Suzanne acompanham-na, seguindo o carro dos oficiais.
Arthur ficou no hospital.
Não queria deixar o filho e sabia que Luciana teria toda assistência.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Fev 20, 2018 9:30 pm

vinte e oito - Na delegacia
Luciana procurava manter a mente alerta e lúcida para administrar a situação.
Apesar de afrontada pelo ocorrido, estava relativamente calma.
Aquilo era um grande mal-entendido, que logo seria esclarecido.
Os amigos estavam muito preocupados.
Augusto, como seu advogado, foi o único que pôde entrar na sala do delegado.
Os outros tiveram de ficar na recepção.
Luciana aguardava em uma sala, onde seria interrogada.
O nervosismo tomava conta do ambiente quando Augusto apareceu.
Sua expressão era de total perplexidade e apreensão.
Ao aproximar-se dos outros foi interpelado com ansiedade:
- E então, Augusto?
Ela vai ser solta? - perguntou Suzanne.
- Foi algum engano, não foi? - acrescentou Júlia.
Augusto não sabia como lhes dizer a verdade.
Pigarreou antes de falar.
- A situação é grave!
Luciana está sendo acusada de tentar matar Fabiano.
- Mas isso é um absurdo! - interveio Mário.
- Ela foi denunciada - confirmou Augusto.
Todos o olharam de maneira inquiridora até que ele explicou:
- Ela foi denunciada por Laís, que se apresentou como única testemunha da acção de Luciana.
Os três sentiram-se atónitos e Suzanne foi a primeira a expressar sua revolta.
- Não pode ser. Essa mulher é louca.
Nós podemos depor falando tudo o que ela já fez e explicar ao delegado que ela quer prejudicar Luciana.
Augusto fez um gesto negativo com a cabeça.
- Suzanne, não é assim tão simples.
Não temos provas de nada contra Laís e não havia mais ninguém no local.
Eles vão chamar a empregada para depor.
Ela já deve estar chegando.
De acordo com o depoimento de Laís, a empregada estava no apartamento, mas não no quarto onde eles estavam.
Suzanne saiu de perto deles e foi se sentar em uma cadeira próxima.
Mário continuou com as perguntas:
- Mas o que Laís contou?
Você teve acesso a mais informações?
- Sim. Ela disse que estava em seu quarto quando ouviu uma discussão entre Fabiano e Luciana no corredor.
Eles gritavam muito, o que a deixou nervosa.
Quando viu que os ânimos estavam cada vez mais alterados, resolveu intervir e acalmá-los.
Foi até eles e tentou fazer com que conversassem sem agressões, convidando-os para irem até seu quarto, onde poderiam esfriar a cabeça.
Quando lá chegaram, Laís passou a falar sobre a relação dos dois, que deveriam resolver tudo de maneira civilizada, e quando achava que estava conseguindo manter os dois sob controle, Luciana voltou a agredir Fabiano, acusando-o de tê-la traído muitas vezes, de estar se aproveitando de seu dinheiro e de ser falso.
Ele se defendeu e voltaram a gritar.
De repente, Luciana tirou a arma da bolsa e em fracção de segundos desferiu o tiro certeiro.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Fev 20, 2018 9:30 pm

Laís disse que logo depois, Luciana teve uma crise de pânico e chamou a ambulância, enquanto ela, desesperada, agarrava-se a Fabiano tentando mantê-lo acordado.
E que foi dessa forma que sua roupa ficou suja de sangue.
Quando a ambulância chegou, Laís estava tentando contacto com Arthur e, por essa razão, foi Luciana que encaminhou tudo e seguiu para o hospital com ele. É isso!
- Mas é apenas a versão dela.
Não tem também como provar o que está falando.
Será a palavra dela contra a de Luciana, e com nossa ajuda não será difícil o delegado concluir quem está mentindo - disse Suzanne reaproximando-se deles.
Augusto teve então de cravar a pior verdade no coração de todos:
- As únicas digitais encontradas na arma do crime são as de Luciana! - concluiu com um grande peso em suas palavras.
O mundo pareceu desabar na cabeça dos três amigos, que nada mais disseram.
Augusto deixou-os novamente e foi conversar com Luciana antes que ela desse o depoimento.
Depois de relatar tudo o que conversara com o delegado, pediu para que ela contasse sua versão e por que as digitais dela, e só as dela, estavam na arma, coisa que Luciana não soube explicar.
Ele a informou que sua situação era muito delicada e que teriam de agir com muito cuidado.
Depois do depoimento, o delegado informou que o juiz havia expedido o mandado de prisão preventiva de Luciana e que ela ficaria detida naquele distrito policial.
Augusto sabia que no momento não havia nada a fazer.
Deu a notícia para Luciana, que a recebeu muito mal e sentiu-se arrasada por Laís novamente estar conseguindo atingi-la de forma tão brutal.
Toda sua estrutura psicológica começou a desabar.
Arthur chegou no limite de sua compreensão e paciência com Laís quando soube de tudo.
Ligou para casa e mandou que ela juntasse suas coisas e fosse embora.
Ela assim o fez, sem discutir, mas antes de deixar o apartamento, seleccionou vários objectos de valor que pudesse levar para render-lhe algum dinheiro.
Agora tudo estava perdido mesmo, então garantiria algum sustento por um tempo.
Com Luciana presa e Arthur no hospital com o filho, ninguém nem perceberia o que ela havia furtado.
O depoimento da empregada não ajudou muito Luciana, e sua situação parecia mesmo sem remédio.
Ela estava agora muito assustada, e só pensava o que seria da sua vida se fosse condenada.
Ainda se preocupava com Fabiano no hospital, e pedia aos amigos notícias diárias do marido.
Na casa de Júlia, Suzanne buscava forças para entender e aceitar o que estava acontecendo com sua melhor amiga.
Júlia dizia:
- Agora temos de ter fé e orar muito por ela.
Estão todos passando por uma provação muito grande, mas se ela souber aceitar a situação com coragem e entender que tudo isso é um grande aprendizado que a está fortalecendo e engrandecendo para o futuro, a dor passará e será o início da cura.
Os dias se passaram sem nenhuma novidade aparecesse para auxiliar Luciana.
No hospital, Fabiano se recuperava lentamente.
Arthur permanecia incansável ao lado do filho, que estava sempre sedado e ainda não tinha noção do que estava acontecendo com a esposa.
Mário, Suzanne e Augusto tentavam tocar os negócios da empresa, mas a falta de ânimo e a preocupação os fazia delegar poderes aos outros funcionários sempre que possível.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80432
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ninguém Domina o Coração - Saulo / Maurício de Castro

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 8 de 10 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum