O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Página 1 de 5 1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Ir em baixo

O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 24, 2018 12:15 pm

O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA
JACOB MELO

O PASSE ESPÍRITA: A SUBLIME DOAÇÃO
"E disse Pedro:
Não tenho prata nem ouro;
mas o que tenho isto te dou.
Em nome de Jesus-Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda”.

(Actos, 3:6)

À porta do templo, chamada Formosa, o apóstolo Pedro e o deficiente físico.
Entre ambos um momento de expectativa.
Da alma cansada e sofrida - que espera.
Da alma plena de fé e estuante de amor - que doa.
Não há indagações nem hesitações.
Apenas a sublime doação.
Eis aí o significado profundamente belo e sublimado do passe: a doação de alma para alma.
* * *
Nosso amigo, Jacob Luiz de Melo, apresenta, nestas páginas que se vai ler, todo o processo dessa doação (em cuja passagem acima citada alcança a culminância) que denominamos, em nosso meio espírita - passes.
As técnicas, a cura, os fluidos, o doador, o paciente, as diversas escolas, os efeitos, tudo, enfim, que é necessário para aprimoramento desse trabalho de verdadeira caridade, em nossas Casas Espíritas.
Para tanto, Jacob Melo se empenhou em pesquisar, estudar e meditar o passe.
E mais ainda:
apresenta a sua própria vivência, numa interacção entre o conhecimento e a prática, especialmente porque tem ele, desde cedo, uma constante familiaridade com o ambiente espírita.
Há muito, as nossas letras se ressentiam de uma obra deste porte, que abordasse o tema em suas angulações e peculiaridades;
que atendesse à necessidade de cunho científico e aquelas da praticidade;
que avaliasse, numa análise sensata e clara o que está sendo feito nesse campo de atendimento aos que chegam às instituições em busca de alívio e consolo.
Para isso faz o autor uma leitura bastante actualizada e lúcida do nosso Movimento Espírita no tocante a essa área de actividade, tirando ilações e apresentando sugestões que possibilitem uma reciclagem e mudanças para que os objectivos superiores que norteiam essa tarefa sejam alcançados plenamente.
Vale ressaltar, de forma preponderante, que Jacob de Melo consegue transmitir tudo isto com distinção e arte, encontrando sempre a palavra adequada, o conceito bem colocado, a crítica sóbria e elevada que nos permitem entrever a sua própria nobreza íntima e o acendrado amor com que revestiu todo este trabalho, desde a sua ideação até o ponto final.

* * *
"O que tenho isto te dou" - diz Pedro.

Jacob Luiz de Melo, guardadas as devidas proporções, também faz a sua doação.
Suely Caldas Schubert

Juiz de Fora (MG), outubro de 1991


Última edição por Ave sem Ninho em Qui Mar 01, 2018 9:55 am, editado 1 vez(es)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 24, 2018 12:15 pm

À GUISA DE EXPLICAÇÃO
“Aquele, porém, que a pratique (uma religião) por interesse e por ambição se torna desprezível aos olhos de Deus e dos homens.
A Deus não podem agradar os que fingem humilhar-se diante dele tão-somente para granjear o aplauso dos homens”.

Espírito da Verdade1

A despeito de quanto se tenha dito ou falado da validade ou não do passe na Casa Espírita, facto insofismável é que sua importância ali tem sido, e será sempre, muito grande.
É difícil imaginarmos uma Instituição Espírita sem possuir trabalhos de assistência espiritual através desse dispositivo terapêutico.
Seu uso é tão comum e suas técnicas, em geral, são tão simples que nos perguntamos por que tanta confusão, por que tanto impasse quando se quer entender o passe ou abordar-lhe os princípios?!
Nos ensina a lógica que, quando um assunto afecta a tantos e comporta exames, análises, comparações, comprovações e experiências, imediatamente surgem os pesquisadores e divulgadores sérios - apesar dos "mistificadores" de todos os tempos —, fazendo brotar boas obras e importantes referências, em número proporcional ao uso e ao interesse.
Entretanto, estranha e contrariamente a isso, o passe, mesmo com seu milenar conhecimento e sua eficácia ecumenicamente propalada, tem sido muito pouco pesquisado, notadamente por quem mais lhe difunde o valor em nossas "bandas ocidentais": os espíritas.
Se recorrermos à bibliografia Espírita, que em inúmeras áreas é de uma fartura impressionante, nos espantaremos com o reduzido número de obras que tratam do assunto, mormente se de forma especializada.
E se formos exigentes quanto à qualidade, como, inclusive, deveremos ser, tal número não caberá na contagem dos dedos de uma única mão.
É, deveras, de espantar tão estranho comportamento pois, bem o sabemos, não apenas este assunto interessa muito (e a muitos), como ainda não temos sobre ele uma abordagem mais consentânea com a universalidade dos ensinos pertinentes - tal como se faz requerida e como bem sugeriu Allan Kardec, através de seu exemplo, pelo comportamento pessoal dado ao trato da Codificação.
Mesmo sem precipitar julgamentos, o que se nos afigura como justificativa para esse comportamento é uma certa e generalizada acomodação.
Ao que vimos sentindo, todos queremos aprender, fazer certo, entender, mas, situações como:
"fulano disse que é assim que se aplica passe" ou "não preciso estudar técnicas e teorias porque Jesus apenas impunha as mãos e curava", têm servido de desculpas para um genérico "cruzar os braços", em vez de "pormos mãos à obra".
De outra maneira, como é comum se querer aprender a aplicar passe "rapidinho", quase sempre se busca, apenas, "breves estudos", simplórios "manuais"...
Nessa "pressa", costumamos assimilar certas orientações equivocadas e, muitas vezes, nelas nos cristalizamos, adoptando técnicas e posturas nem sempre coerentes.
Em consequência, com o passar do tempo, tentamos justificar nosso procedimento com frases tipo:
"já aplico passes há "tantos" anos e tenho obtido excelentes resultados", ou usamos da cómoda transferência de deveres:
"deixo aos Espíritos a responsabilidade pois a técnica é deles mesmos e eles podem usar meus fluidos como quiserem que não atrapalho".
Antes de prosseguirmos, analisemos as situações apresentadas já que, por serem muito comuns, justificam aproveitemos o ensejo.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 24, 2018 12:15 pm

1. "Foi fulano que me ensinou assim"; esta é a típica desculpa da pessoa que se sente (ou se diz) sempre "indisposta" e que, portanto, "não tem tempo para estudar".
Perguntamos: será que só falta tempo mesmo para o estudo?
E nosso propósito de servir ao próximo não merece de nós mesmos um pouco mais de esforço e dedicação?
Será que nós gostaríamos de sermos atendidos, por exemplo, por um médico que nunca tem tempo para estudar?
E será que a pessoa (ou a obra, Instituição, curso, etc.) que nos ensinou, ensinou "tudo" mesmo e, se ensinou, o fez correcto?
Como saber reconhecer sem estudar?
Bem se vê que só o estudo pode fornecer a segurança devida e nos coloca racionalmente ante nossos compromissos para com os irmãos que buscam nossa ajuda.

2. “Jesus só impunha as mãos e curava, portanto (...)"; aqui já não se trata de simples falta de estudo, mas, de desconhecimento até d'O Novo Testamento.
Ao longo do livro, teremos oportunidade de apresentar várias situações envolvendo a acção fluídico-magnética do Cristo e veremos que não era só por imposição de mãos que Ele agia.
Fica, desde já, a recomendação de que façamos uma leitura daquele livro, para conhecermos mais proximamente a figura de Jesus e seus exemplos morais e práticos de como actuar nas curas.

3. "Já faz tanto tempo que aplico assim e dá bons resultados"; de facto, nada nos impede de procedermos sempre de uma única maneira em nossas actividades e, ainda assim, nos sairmos bem;
contudo, isto jamais quererá dizer, devamos limitar nosso aprendizado - no que quer que seja - a apenas um método, a uma só acção, pois, nada há no mundo que seja ou deva ser tão restritamente especializado.
Além do estudo e da pesquisa, nos compete, igualmente, um pouco de empenho e criatividade (no bom sentido) a fim de favorecermos nosso progresso.
Afinal, o que "hoje" é considerado como resultado positivo não descarta a grande possibilidade de, em se melhorando o método ou as técnicas, obtê-lo mais excelente ainda "amanhã".

4. "Como a técnica é dos Espíritos, deixo que me utilizem e não atrapalho"; com toda franqueza, os que assim agem tomam uma postura, no mínimo, ridícula.
Se nós evoluímos tanto nos Planos Espirituais quanto na Terra, por que não começarmos nosso aprendizado aqui, para aprimorá-lo quando lá estivermos?
Por que não pensarmos, a despeito dos Espíritos serem os grandes detentores das técnicas, que nossos conhecimentos e estudos contribuirão eficazmente nos processos de atendimentos fluidoterápicos, pois, permitirão que o trabalho se realize de forma mais participativa?
E afinal, queremos ser médiuns passistas de fato ou simples marionetes nas mãos dos Espíritos?
E os Espíritos Superiores, por sua vez, estarão solicitando nossa participação como meros brinquedos liberadores de fluidos ou como companheiros efectivos nas actividades fraternas em favor das criaturas necessitadas?
Meditemos; meditemos bem, pois, assim como não nos cabe "atrapalhar" os trabalhos dos Espíritos amigos, compete-nos o dever de darmos e fazermos o melhor de nós mesmos, sempre!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 24, 2018 12:15 pm

Retomando nossa ideia inicial, quando nos propusemos escrever esta obra, com surpresa descobrimos que a bibliografia não Espírita sobre o assunto é muitas vezes mais volumosa e variada que a nossa, o que, de certo modo, nos deixou levemente desapontados.
Após "correr" as obras Espíritas sobre o passe e as "clássicas do Magnetismo" que conseguimos consultar, partimos para aquelas outras, nas quais encontramos:
fartas pesquisas, sérios aprofundamentos, hipóteses intrigantes e instigantes, e muitas novidades.
Infelizmente, porém, tudo de bom que lá se encontra quase sempre está misturado com muitas bobagens, montes de coisas sem qualquer fundamento, algumas (poucas, graças a Deus) afrontas à moral, a Medicina e aos princípios éticos do bom senso, e tantos absurdos destituídos de qualquer lógica ou respaldo.
Como resultado disso tudo, tivemos que nos "vestir" de "garimpeiros do passe" para conseguirmos extrair dali as "pérolas dos bons ensinamentos", procurando não confundi-las com as "argilas endurecidas e cristalizadas dos equívocos e despropósitos" tão virulentamente a elas agregadas.
Nessa "garimpagem", concluímos pelo que excedia em evidência:
grandes descobertas, graves estudos, profundas pesquisas e excelentes práticas podem e devem ser encetados nesta área pelos espíritas, pois, sem dúvida alguma, somos "garimpeiros" privilegiados.
Dispomos de uma "mina a céu aberto" (a Doutrina Espírita), o que nos livra de qualquer escuridão;
contamos com cinco "mapas" (o Pentateuco kardequiano) magnanimamente codificados; acompanham-nos "guias" (a Espiritualidade Superior) com profundos conhecimentos do terreno e das tarefas;
dispomos de "detalhes técnicos" (as obras subsidiárias de Espíritos como André Luiz, Emmanuel e Manoel Philomeno de Miranda) de riquíssima precisão; temos à mão informações "geológicas do solo" com perfis (as obras clássicas e modernas do Magnetismo) já devidamente testados;
não nos faltam "elementos" ("nossos" pacientes) para trabalharmos em nossa mineração;
possuímos "ferramentas" de primeira qualidade (nossa boa vontade e a disposição de servir);
e, como se não bastasse, o nosso senhor é o maior e o melhor de todos os amos (Nosso Senhor Jesus-Cristo, em nome de Deus).
Foi reflectindo assim que decidimos aprofundar um pouco mais o estudo sobre o passe, mesmo porque, aquilo que apresentamos como crítica generalizada logo no início desta "explicação", antes que em qualquer pessoa ou Instituição, ela foi aplicada sobre nós mesmos, com toda veemência e honestidade possível.
E por pensarmos que não seria justo fazermos todo um trabalho de pesquisa, análise e estudo, no qual encontramos verdadeiras "jóias raras", e não dividirmos as benesses daí advindas (tal como exemplificou Allan Kardec quando acabou de compor aquele que seria a primeira edição de "O Livro dos Espíritos"), aqui trazemos nossa modesta "garimpagem", no intuito de assim contribuirmos para um enriquecimento, um conhecimento e um estudo mais acurado sobre o passe, da parte de todos nós.
É preciso confessar, entretanto, que não garimpamos sozinhos; contamos com muitas ajudas, de todos os níveis e de todos os "planos".
Todas, sem excepção, foram valiosíssimas; mesmo aquelas que, de momento, não conseguimos entender, fossem por estarem além de nossa capacidade de tirocínio ou por extrapolarem os largos limites de nossa imperfeição.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 24, 2018 12:16 pm

Por isso mesmo, todos os méritos deste trabalho são dos Espíritos (encarnados e desencarnados) que - na pessoa dos vários autores consultados, dos amigos que sempre vibraram por nós outros, dos familiares e companheiros que aturaram nossa "teimosia por escrever um livro", dos críticos que escolhemos (e aqui queremos fazer uma ressalva especial para citar a estimada confreira Sarah Jane, pois, devemos a ela uma gratidão enorme, pelo seu empenho e destemor, inteligência e seriedade, estudo e atenção, sem o que esta obra estaria incompleta e com limitações) e dos que se escolheram, dos irmãos que apreciaram os rascunhos e os originais, orientando-nos, todos, com suas judiciosas ponderações, daqueles que tenham tentado nos deter ou atrapalhar nossa manifesta intenção de concluir tal trabalho, e dos que nos ajudaram directa e indirectamente, de forma reconhecida ou anonimamente - só contribuíram para a ocorrência de tudo de bom que aqui se encontre.
Entretanto, queremos registar, explicitamente, que é do autor, e só dele, de maneira indivisível e absoluta, todo e qualquer ónus que pese por quaisquer equívocos, indelicadezas, desvios ou colocações menos felizes que, porventura, sejam ou venham a ser localizadas nesta obra, pois, temos certeza plena de que se tal se der terá sido por exclusiva pequenez deste menor dos menores irmãos de Jesus, deste que se reconhece como um dos mais modestos dos discípulos de Kardec.

Jacob Luiz de Melo

Natal (RN), outubro de 1991.

1 KARDEC, Allan. Da lei de adoração. In “O Livro dos Espíritos”, Parte 3ª, cap.2, item Adoração exterior, questão 655.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 24, 2018 12:16 pm

CAPÍTULO I - O PASSE - DEFINIÇÕES
“A mediunidade é coisa santa, que deve ser praticada santamente, religiosamente.
Se há um género de mediunidade que requeira essa condição de modo ainda mais absoluto é a mediunidade curadora” - (Allan Kardec)2

É fora de dúvida que nenhuma Ciência pode ser bem entendida quando não se busca, antes, o conhecimento de sua base, de seus fundamentos.
Sendo o Espiritismo, de fato e por definição, uma Ciência e como tal estabelecida por seu insigne Codificador, compete-nos buscar-lhe os princípios para não vagarmos em raciocínios periféricos quando nosso propósito é o do conhecimento coerente.
Os conhecidos “factos espíritas”, hoje denominados “fenómenos mediúnicos”, ao lado da aplicação analisada e estudada do Magnetismo, foram os propiciadores da parte científica da Doutrina Espírita.
Allan Kardec, entretanto, não se limitou a observá-los e estudá-los com profundidade; a partir daí, ele compôs todo o arcabouço teórico e prático do Espiritismo.
Desde então tornou-se inconcebível estudar-se a mediunidade sem sedimentar alicerces nos registos kardequianos.
Tal tentativa equivaleria a se querer edificar uma construção de grande porte sem antes certificar-se das condições do solo nem cuidar da robustez de suas fundações.
Afinal, sem base sólida e robusta não há construção segura.
Decorrentemente, o presente estudo sobre o passe, o qual é uma das mais usuais derivações práticas da mediunidade e do magnetismo na Casa Espírita, para ser coerente e consentâneo com a Doutrina dos Espíritos, estará revestido de grande cuidado quanto a sua fundamentação doutrinária.
Não queremos fugir da figura evangélica que lembra ser prudente o homem que constrói sua casa sobre a rocha para assim suportar a chuva que cair, os rios que transbordarem e os ventos que sobre ela se abaterem3.
Daí iniciarmos por Allan Kardec e seu Pentateuco, símbolos maiores da sólida rocha doutrinária do Espiritismo, e com ele seguirmos até o fim da obra.
Na síntese em epígrafe, é inequívoca a seriedade com que Kardec se postou ante a “mediunidade curadora”.
Tanto assim que a ela se refere como uma “coisa santa”, claramente ressaltando a nobreza de carácter da qual deve se revestir todo aquele que se disponha a esse verdadeiro labor divino, a fim de agir, em todos os momentos, “santamente, religiosamente”.
Mas, carácter nobre é formatura adquirida nos modos e hábitos diários e não apenas em certos momentos, quase sempre vivenciados na esporadicidade de fundo imediatista, interesseiro ou comodista.
Conscientes dessa posição, podemos analisar inicialmente alguns aspectos que dizem respeito as definições e menções que adiante iremos apreciar.
Isso porque não foi normalmente sob o nome passe, mas, via de regra, como “dom de curar”, “mediunidade curadora”, “imposição de mãos”, que o Codificador se referiu ao assunto em estudo.
Além disso, em diversas ocasiões tratou deste tema nominando-o, genericamente, “magnetismo”, ainda que nessas oportunidades não deixasse dúvidas sobre que tipo de magnetismo4 se referia.
Na definição de mediunidade curadora dada por Kardec (é género de mediunidade que “consiste, principalmente, no dom que possuem certas pessoas de curar pelo simples toque, pelo olhar, mesmo por um gesto, sem o concurso de qualquer medicação”5), já se percebe a abrangência com que ele tratou a matéria.
Uma outra verificação bastante comum é que, se formos analisar enciclopédias e dicionários, notaremos que nem todas as referências existentes são em relação ao passe (no singular), que é a maneira usualmente empregada tanto no meio Espírita como na literatura espiritualista em geral, mas, preferencialmente, aos passes (no plural).
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 24, 2018 12:16 pm

Importa ainda considerar que o termo “passe” tem significados distintos. Inicialmente era o passe apenas o nome dado ao gesto (ou ao conjunto destes) com fins de se movimentar “eflúvios”.
Depois, entendido como actividade de cura, generalizou-se como a própria política da cura.
No entendimento Espírita, ora é evocado como um, ora como outro sentido.
Apesar disso, na maneira como venha a se empregar o termo, passe tanto pode ser entendido como uma terapia espírita, como uma parte do magnetismo, como uma técnica de cura ou ainda como o sentido genérico da “fluidoterapia”.
Isto posto, vamos às definições, menções e equívocos que envolvem nosso assunto, advertindo antecipadamente que limitaremos tais abordagens pois ao longo da obra surgirão muitas outras oportunidades para novas citações, das mais variadas fontes.

2 KARDEC, Allan. Daí gratuitamente o que gratuitamente recebestes.
In: “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, cap. 26, item 10.
3 Mateus, VII, vv. 24 e 25.
4 Trataremos do assunto com mais detalhes no capítulo VIII - As Técnicas.
5 KARDEC, Allan. Médiuns curadores. In “O Livro dos Médiuns”, cap. 14, item 175.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 24, 2018 12:16 pm

1. DEFINIÇÕES E MENÇÕES ESPÍRITAS
1.1 - De Allan Kardec
“É muito comum a faculdade de curar pela influência fluídica e pode desenvolver-se por meio do exercício;
mas, a de curar instantaneamente, pela imposição das mãos, essa é mais rara e o seu grau máximo se deve considerar excepcional”6.
“A mediunidade curadora (...) é, por si só, toda uma ciência, porque se liga ao magnetismo, e não só abarca as doenças propriamente ditas, mas todas as variedades (...) de obsessões”7.
E ainda acrescenta:
“(...) Aí nada queremos introduzir de pessoal e de hipotético, procedemos por via de experiência e de observação”.
“Pela prece sincera, que é uma magnetização espiritual, provoca-se a desagregação mais rápida do fluido perispiritual”8.
Diz ainda Kardec:
“O médium curador transmite o fluido salutar dos bons Espíritos (...)”9.
Quando, estudando os possíveis problemas que poderiam surgir entre a “mediunidade curadora” e a lei, Kardec abriu indagações que, por si sós, ratificam o que dissemos acerca de ele usar os termos do magnetismo para se referir ao passe:
“As pessoas não diplomadas que tratam os doentes pelo magnetismo;
pela água magnetizada, que não é senão uma dissolução do fluido magnético;
pela imposição das mãos, que é uma magnetização instantânea e poderosa;
pela prece, que é uma magnetização mental;
com o concurso dos Espíritos, o que é ainda uma variedade de magnetização, são passíveis da lei contra o exercício ilegal da medicina?”10.
Mesmo fazendo uso dos termos mais comuns a época, fica evidente que o passe foi considerado e estudado por Kardec com as mesmas seriedade e gravidade que se tornaram sua marca registada na condução do árduo trabalho da Codificação Espírita.
Quando fazemos a ligação entre as terminologias empregadas hoje com as do “ontem recente”, pretendemos convir, sempre e mais uma vez, com Kardec quando, nos primórdios do Espiritismo, já nos orientava sobre o proveito advindo com a Doutrina Espírita, a qual nos lança, de súbito, numa ordem de coisas tão nova quão grande, que só pode ser obtido “Com utilidade por homens sérios, perseverantes, livres de prevenções e animados de firme e sincera vontade de chegar a um resultado”11.
Daí a necessidade de sermos sérios e graves ante os assuntos do Espiritismo, em especial quando tratamos de temas pontilhados de personalismos, controvérsias e pouco estudo, como é o caso do passe.

6 KARDEC, Allan. Curas, In “A Génese”, cap.14, item 34.
7 Da Mediunidade curadora. “Revista Espírita”, set. 1865.
8 KARDEC, Allan. O passamento. In “O Céu e o Inferno”, 2ª Parte, cap. 1, item 15.
9 KARDEC, Allan. Daí gratuitamente o que gratuitamente recebestes. In “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, cap. 26, item 10.
10 A Lei e os médiuns. “Revista Espírita”, jul. 1867, p. 203.
11 KARDEC, Allan. Introdução. In “O Livro dos Espíritos”, item 8.

1.2 - Clássicas (Contemporâneos de Allan Kardec)
“(...) O magnetismo vem a ser a medicina dos humildes e dos crentes, (...) de quantos sabem verdadeiramente amar”12. Léon Denis.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 24, 2018 12:17 pm

Angel Aguarod assim se pronunciou:
“Deixemos as drogas e os tóxicos para os hipnotizadores e reservemos para os magnetizadores a medicina do espírito, pois na alma se concentra toda a sua força e todo o seu poder”13.
Albeít De Rochas já fazia menção ao termo “passes”, assim como à imposição de mãos”.
Observe-se, por exemplo, como o erudito escritor e engenheiro português, Dr. António Lobo Vilela, fala sobre ele no seu livro “O Destino Humano”:
“O processo experimental de De Rochas (utilizado para indução à regressão de memória) consiste no emprego de passes magnéticos longitudinais, combinados, por vezes, com a imposição da mão direita sobre a cabeça do passivo”. (Grifos originais)14.
Mas falar de De Rochas seria praticamente dispensável já que todos os estudiosos do magnetismo, sonambulismo e exteriorização da personalidade (desdobramento) não regateiam elogios e citações ao mesmo.
Apesar disso, lembraríamos que após estudar a “transplantação” das doenças - que se dava fazendo-se passar as doenças de uma pessoa para outra ou então para um animal - sugerida por um certo abade Vallemonte, no livro, “Physique Occulte”, escrito em 1693, e que ressurgiu em fins do século passado, rebaptizada por “traspasses” em plena Paris e implantada em alguns hospitais dali, concluiu ele pela ineficácia de ambos os métodos e, então, preferiu se utilizar dos passes nas suas sessões de estudo sobre os “eflúvios” e a “exteriorização da sensibilidade”15.
Para concluir este item, façamos um resumo histórico com Gabriel Delanne:
“A ciência magnética compreende certo número de divisões, conforme as diferentes categorias de fenómenos.
“(...) Os anais dos povos da antiguidade formigam em narrativas circunstanciadas, que mostram o profundo conhecimento que do magnetismo tinham os antigos sacerdotes.
“Os magos da Caldeia, os brâmanes da Índia curavam pelo olhar (...).
Ainda hoje, na Ásia, (...) os faquires cultivam com êxito as práticas magnéticas (...).
“Os egípcios (...) empregavam, no alívio dos sofrimentos, os passes e a aposição de mãos, como os executamos ainda em nossos dias.
“(...) Amóbio, Celso e Jâmblico ensinam em seus escritos que existia entre os egípcios, em todas as épocas, pessoas dotadas da faculdade de curar por meio da aposição das mãos e de insuflações (...)
“(...) Os romanos também tiveram templos onde se reconstituía a saúde por operações magnéticas.
Conta Celso que Asclepíades de Pruse adormecia, magneticamente, as pessoas atacadas de frenesi.
“(...) Quem obteve, porém, maior fama nessa matéria, foi Simão, “o mágico”, que, soprando nos epilépticos, destruía o mal de que estavam atacados.
“(...) Na Gália, os druidas e as druidesas possuíam em alto grau a faculdade de curar, como o atestam muitos historiadores;
sua medicina magnética tornou-se tão célebre que os vinham consultar de todas as partes do mundo.
(...) Na Idade Média, o magnetismo foi praticado, principalmente, pelos sábios.
“(...) Avincena, doutor famoso, que viveu de 980 a 1036, escreveu que a alma age não só sobre o corpo, senão ainda sobre corpos estranhos que pode influenciar, a distância.
“Arnaud de Villeneuve foi buscar nos autores árabes o conhecimento dos efeitos magnéticos (...).
“(...) Van Helmont dizia:
(...) O magnetismo só tem de novo o nome (...)
“(...) Em 1682, assinalaremos Greatrakes, na Inglaterra, que fez milagres, simplesmente com as mãos (...)”16, etc.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Fev 24, 2018 12:17 pm

12 DENIS, Léon. A força psíquica. Os fluidos. O magnetismo. In “No Invisível”, 2ª Parte, cap. XV, p. 182.
13 MICHAELUS. In “Magnetismo Espiritual”, cap. 7, p. 56.
14 FREIRE, António J. Experiências do coronel A. Rochas D’Aiglum. In “Da Alma Humana”, cap.5, p. 104.
15 ROCHAS, Albert de. Cura magnética das feridas e traspasse das doenças. In “Exteriorização da sensibilidade”, cap. 5, itens 1 e 2, pp. 115 a 121.
16 IMBASSAHY, Carlos. Histórico. In “O Espiritismo perante a Ciência”, 2ª Parte, cap. 1, pp. 75 a 78.

1.3 - Dos Espíritos
“O passe, como género de auxílio, invariavelmente aplicável sem qualquer contra-indicação, é sempre valioso no tratamento devido aos enfermos de toda classe (...)”17. André Luiz.
“(...) O passe é uma transfusão de energias psíquicas (...)”18. Emmanuel.
“(...) Ensinos espíritas que recomendam a terapia fluídica, através da transmissão das energias de que todos somos dotados, seja pela utilização do recurso do passe, seja pela magnetização da água, usando-se o contributo mental por processo de fixação telepática e transmissão de recursos optimistas, de energias salutares que refazem o metabolismo, contribuindo eficazmente para o restabelecimento da saúde mental, e, por extensão, da psicofísica (...)”19. Aristides Spínola.
“Penetrando nos factores causais - o Espírito, seu pretérito, seu futuro - a fluidoterapia e o esclarecimento Espírita conscientizam, elucidam, emulam e seguram o homem da queda abissal (...)”20 Carneiro de Campos.
“O passe é uma transfusão de energias, alterando o campo celular”21. André Luiz.
E, para encerrar, uma citação do Espírito Bezerra de Menezes que, de passagem, nos “actualiza” o termo:
“Visitando enfermos, socorrendo necessitados, aplicando passes, ou bioenergia, como se modernizou o labor, enfim, a caridade é um desporto da alma, pouco utilizado pelos candidatos à musculação moral e inteireza espiritual”22. (Grifo original)

17 XAVIER, Francisco Cândido e VIEIRA, Waldo. Passe e Oração. In “Mecanismos da Mediunidade”, cap. 12, p. 148.
18 XAVIER, Francisco Cândido. In “O Consolador”, cap. 5, p. 67.
19 FRANCO, Divaldo Pereira. Forças mentais. In “Terapêutica de Emergência”, cap. 10, pp. 45 e 46.
20 FRANCO, Divaldo Pereira. Doenças e terapêutica. In “Sementes de Vida Eterna”, cap. 8, p. 43.
21 XAVIER, Francisco Cândido. Serviço de passes. In “Nos Domínios da Mediunidade”, cap. 17, p. 169.
22 FRANCO, Divaldo Pereira. Expiação e reparação. In “Loucura e Obsessão”, cap. 23, p. 297.

1.4 - Dos Espíritas
Para contribuir como elo de ligação entre as citações de Kardec com as actuais, vejamos, de início, o que nos diz António Luiz Sayão quando comenta sobre as curas feitas por Jesus:
“Para imaginarmos o poder dos fluidos magnéticos de que dispunha Jesus, o mais puro de todos os Espíritos, e bem assim o poder que a sua vontade exercia sobre esses fluidos, regeneradores e fortificantes, cuja natureza, bem como combinações, efeitos e propriedades Ele conhecia de modo absoluto, basta atentemos nos efeitos que produz o magnetismo humano e nos que conseguem os médiuns curadores (...)”23.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 25, 2018 1:51 pm

Do eminente Carlos Imbassahy tomaremos alguns parágrafos, cuja obra, a seguir referenciada, merece ser lida por quem queira se aprofundar nos detalhes que envolvem “a mediunidade e a lei”:
“Não seria para desprezar as curas do imperador Vespasiano, o qual dava passes e punha bons os nervosos; as de Adriano, que curava os doentes com os dedos; as do rei Olavo, as de Eduardo, o confessor, as de Felipe I, as do imperador Justiniano (...)
“O dom coube em partilha a todos, assim aos grandes como aos pequenos;
vinha do palácio de imperadores e reis até a choupana dos pobres. Levret, um jardineiro, celebrizou-se com esses predicados.
“(...) Um dos maiores curadores espiritualistas da França, Charles Parlange, cujas espectaculares curas, oficialmente registadas, eram conseguidas tão-somente pela prece, estivesse o doente junto ou longe dele (...)”24.
“O passe é, antes de tudo, uma transfusão de amor25. Divaldo Pereira Franco.
“O passe é um acto de amor na sua expressão mais sublimada”26. Suely Caldas Schubert.
Por fim, Herculano Pires nos sintetiza o seguinte:
“O passe tornou-se popular por sua eficácia.
Mas é tão simples um passe que não se pode fazer mais do que dá-lo”27.

23 SAYÃO, António Luiz. In “Elucidações Evangélicas”, p. 129.
24 IMBASSAHY, Carlos. Curas mediúnicas. In “A Mediunidade e a Lei”, pp. 46 e 61.
25 FRANCO. Divaldo Pereira. O passe - propriedades e efeitos. In “Diálogo com dirigentes e trabalhadores espíritas”, p. 61.
26 SCHUBERT, Suely Caldas. A importância da fluidoterapia In “Obsessão/Desobsessão”, 2ª Parte, cap. 10, p. 116.
27 PIRES, J. Herculano. Mediunidade prática In “Mediunidade - Vida e Comunicação”, cap. 14, p. 127.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 25, 2018 1:51 pm

2 - DEFINIÇÕES E MENÇÕES NÃO ESPÍRITAS
2.1 - Dos Dicionários e Enciclopédias
“PASSES. Movimentos com as mãos, feitos pelos médiuns passistas, nos indivíduos com desequilíbrios psicossomáticos ou apenas desejosos de uma acção fluídica benéfica.
(...) Os passes espíritas são uma imitação dos passes hipnomagnéticos, com a única diferença de contarem com a assistência, invocada e sabida, dos protectores espirituais”28.
“PASSES (Pl. de passe) S. m. pl. Ato de passar as mãos repetidamente ante os olhos de uma pessoa para magnetizá-la, ou sobre uma parte doente de uma pessoa para curá-la”. Aurélio Buarque Holanda Ferreira29.
“PASSE, (...) acto de passar as mãos repetidas vezes por diante dos olhos de quem se quer magnetizar ou sobre a parte doente da pessoa que se pretende curar pela força mediúnica”. (Grifamos) Francisco da S. Bueno30.
(Esta definição, por sinal, é a mesma encontrada no dicionário da Academia Brasileira de Letras.)
“PASSE: acto de passar as mãos repetidas vezes por diante ou por cima de pessoa que se pretende curar pela força mediúnica”31. (Grifos nossos)

28 PAULA. João Teixeira de. In “Dicionário Enciclopédico Espiritismo Metapsiquica Parapsicologia”, Ilustrado, p. 192, Editora Bels S.A.
29 “Novo Dicionário da Língua Portuguesa”. Ed. Nova Fronteira.
30 “Dicionário Escolar da Língua Portuguesa”. MEC - Fename.
31 “Enciclopédia Mirador Internacional”. vol. II. “Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa”, p. 1289.

2.2 - Dos Magnetizadores Clássicos
Louis Alphonse Cahagnet, considerado por muitos como um dos precursores da Doutrina Espírita, haja vista sua notável obra, os “Arcanos”, além de inúmeras outras - 30 ao todo - sobre o magnetismo32, nos concede uma clara definição desta Ciência:
“É uma propriedade da alma;
o corpo é a máquina por intermédio do qual ele se filtra”33.
Deleuze faz ressaltar o ângulo mais religioso do magnetismo, quando nos assevera que “(...)
Sendo a faculdade de magnetizar, ou de fazer o bem aos seus semelhantes por influência de sua vontade, a mais bela e a mais preciosa que Deus deu ao homem, deve-se encarar o exercício do magnetismo como um ato religioso, que exige o maior recolhimento e a intenção mais pura (...)”34.
Chardel, um dos pioneiros do magnetismo, em 1818 apresentou uma curiosa obra a consideração da Academia de Berlim, na qual afirmava:
“O magnetismo é uma transfusão de vida espiritualizada do organismo do operador para o do paciente”35. (Grifamos)
Outras definições e menções, de Mesmer, de Du Potet, de Lafontaine, de Puységur e de tantos outros magnetizadores não menos famosos, serão vistas ao longo da obra, pelo que nos permitimos parar por aqui.

32 WANTUIL, Zeus e THIESEN, Francisco. In “Allan Kardec”, cap. 9, pp. 92 a 100, v. 2.
33 MICHAELUS. In “Magnetismo Espiritual”, cap. 3, p. 23.
34 MICHAELUS. In “Magnetismo Espiritual”, cap. 7, p. 54.
35 MICHAELUS. In “Magnetismo Espiritual”, cap. 1, p. 10.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 25, 2018 1:51 pm

2.3 - Dos Magnetizadores Contemporâneos
“Aquele (magnetizador) que se propõe a exercer o tratamento deve ter equilíbrio, tranquilidade espiritual e total consciência da importância das manipulações levadas a efeito”36. V. L. Saiunav - A personalidade que assina esta expressão é um russo que desenvolveu suas experiências de cura de uma forma autodidacta, mas, apesar do pouco acesso as literaturas estrangeiras, podem verificar, a posteriori, que suas conclusões são muito similares e, por vezes, melhores que as experiências do mundo ocidental.
Ele, inclusive, em seu livro, nos faz registos de autores cujas obras veio a conhecer depois, e que merecem destaquemos:
“Quem duvidar, hoje, da actuação do magnetismo, deve ser chamado de ignorante e não de céptico”. (Schoppenhauer)
“O magnetismo animal é, portanto, a mais poderosa de todas as forças físicas e químicas.
(...) A cura magnética processa-se por meio de passes magnéticos, pela aposição de mãos (...)” (Du Prell)37.
Ainda na Rússia temos um dos seus mais famosos curadores:
o Coronel Krivorotov, o qual foi submetido a uma larga bateria de testes.
Seu método de cura é o uso de passes a curta distância dos pacientes.
E ele afirma crer que “A energia vem de alguma fonte externa”38.
Isso sem falar na famosa Djuna que, entre outros, diz ter curado com “suas mãos” o ex-homem-forte da União Soviética, Leonid Brejniev e resolvido até casos de aids, apesar de sua reconhecida excentricidade; além de Barbara Ivanova39 que tem curado pessoas à distância, pelos mais variados meios, e que é reconhecida como uma das maiores autoridades soviéticas sobre reencarnação.
Para encerrar a lista, vejamos o que nos reserva o renomado e respeitado George W. Meek:
“O curador não cura as doenças.
Agindo de modo extraordinário, ele proporciona um ambiente no qual a cura pode realizar-se”40.

36 SAIUNAV, V. L. In “O fio de Ariadne”. cap. 2, p. 71.
37 SAIUNAV. V. L. In “O Fio de Ariadne”, pp. 50 e 51.
38 OSTRANDER, Sheila e SCHROEDER, Lynn. In “Experiências Psíquicas Além da Cortina de Ferro”, cap. 18, p. 242.
39 Durante o ano de 1990 ela passou vários meses aqui no Brasil proferindo palestras, seminários e cursos e, na oportunidade, publicou a versão do seu livro “O Cálice Dourado”, onde ensina suas técnicas de cura.
40 MEEK, George W. (Org.). In “As curas paranormais”, 1ª Parte, cap. 2, p. 19.

2.4 - De Outras Escolas Religiosas
De um pastor presbítero (Dudley Blades):
“A cura espiritual é a cura do Espírito pelo Espírito.
(...) Normalmente começo a cura repousando minhas mãos suavemente sobre a cabeça das pessoas (...)”41.
De um padre católico (Frei Hugolino Back):
“Analisando, detidamente, os textos, dá-nos a impressão de que essas ordens proferidas por Jesus vêm acompanhadas de gestos.
E gestos de movimentos rápidos e enérgicos.
Seriam formas de passes?
“- Que são passes?
“- São gestos rápidos e enérgicos que são feitos pela pessoa-que-cura ao lado e ao longo do corpo de pessoa-que-está-sendo-curada”42. (Grifo original)
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 25, 2018 1:51 pm

Uma prece católica de cura, apresentada pelo reverendo Robert DeGrandis, S. S. J.:
“Jesus, quando oramos pelos outros em Teu nome, nós te pedimos que uses nossas mãos para vires até nós e tocares aqueles pelos quais oramos, como se nossas mãos fossem tuas.
Deixa que Teu Espírito opere, hoje, através de nós, especialmente quando oramos pelos membros de nossa família ou de nossa comunidade.
Obrigado, Jesus, pelo Teu amor curador que está fluindo neste momento através de mim”43.
Do budismo tibetano:
“Quando se compreendem os processos tântricos, torna-se claro que eles não são nenhum “passe de mágica” religioso com o qual nos iludimos, a nós e aos outros.
São a manipulação destra de energias psicofísicas por seres que, mediante a prática do Dharma, em particular a meditação, aprimoram suas capacidades mentais (...)”44.

41 BLADES, Dudley. O que é a cura? In “A Energia Espiritual e seu Poder de Cura”, cap. 6, p. 52.
42 BACK, Hugolino e GRISA, Pedro A. As técnicas de Jesus. In “A Cura pela Imposição das Mãos”, p. 74.
43 DeGRANDIS, Robert. Os dez mandamentos da cura. In “Ministério de Cura para Leigos”, cap. 2, p. 36.
44 CLIFFORD, Terry. A medicina tântrica. In “A Arte de Curar no Budismo Tibetano”, cap. 5, p. 97.

3 - CITAÇÕES BÍBLICAS
3.1 - No Antigo Testamento
“Então Eliseu lhe mandou um mensageiro, dizendo:
Vai, lava-te sete vezes no Jordão, e a tua carne será restaurada, e ficarás limpo.
“Naamã, porém, muito se indignou, e se foi, dizendo:
Pensava eu que ele sairia a ter comigo, por-se-ia de pé, invocaria o nome do SENHOR seu Deus, moveria a mão sobre o lugar da lepra, e restauraria o leproso”45. (Grifamos)
“E, estendendo-se três vezes sobre o menino, clamou ao SENHOR, e disse:
Ó SENHOR meu Deus, rogo-te que faças a alma deste menino tornar a entrar nele.
“O SENHOR atendeu à voz de Elias; e a alma do menino tornou a entrar nele, e reviveu”46.
“Josué, filho de Num, estava cheio do espírito de sabedoria, porquanto Moisés havia posto sobre ele as suas mãos:
assim os filhos de Israel lhe deram ouvidos, e fizeram como o SENHOR ordenara a Moisés.
“(...) E no tocante a todas as obras de sua poderosa mão, e aos grandes e terríveis feitos que operou Moisés à vista de todo o Israel”47.
Nestes três exemplos, que colocamos em ordem reversa à cronológica dos factos, vimos como o magnetismo era utilizado desde a mais antiga história, sob os métodos mais diversos, inclusive pela imposição das mãos.

45 II Reis, V, vv. 10 e 11.
46 I Reis, XVII, vv. 21 e 22.
47 Deuteronómio, XXXIV, vv. 9 e 12.

3.2 - No Novo Testamento
“E Jesus, estendendo a mão, tocou-lhe, dizendo:
Quero, fica limpo!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 25, 2018 1:52 pm

E imediatamente ele ficou limpo de sua lepra”48.
“Então Ananias foi e, entrando na casa, impôs sobre ele as mãos dizendo:
Saulo, irmão, o SENHOR me enviou, a saber, o próprio Jesus que te apareceu no caminho por onde vinhas, para que recuperes a vista e fiques cheio do Espírito Santo”49.
“A manifestação do Espírito é concedida a cada um, visando um fim proveitoso.
“Porque a um é dada, mediante o Espírito, a palavra da sabedoria;
e a outro, segundo o mesmo Espírito, a palavra do conhecimento.
“A outro, no mesmo Espírito, fé;
e a outro, no mesmo Espírito, dons de curar (...)”50.
Encontramos igualmente, nestes exemplos, o passe já como prática habitual de cura ao tempo de Jesus e de seus seguidores da primeira hora, quando as mãos aparecem como um dos mais comuns veículos de técnica de cura fluídica, além da origem do termo “dom de curar” pelo apóstolo Paulo.

48 Mateus, VIII, v. 3.
49 Actos, IX, v. 17.
50 I Coríntios, XII, vv. 7 a 9.

4. DEFINIÇÕES EQUIVOCADAS
Antes de iniciarmos nossa análise sobre alguns dos mais comuns equívocos que se cometem quando se pretende comparar passes a outros métodos, gostaríamos de apresentar uma observação de Kardec:
“Magnetizador é o que pratica o magnetismo; magnetista é aquele que lhe adopta os princípios.
Pode-se, pois, ser magnetista sem ser magnetizador; mas não se pode ser magnetizador sem ser magnetista”51.
Por extensão, infere-se que o passista tanto pode ser um magnetizador quanto um simples magnetista; será ele magnetizador quando usar seus fluidos na magnetização e magnetista quando adoptar os princípios, as técnicas e os métodos do magnetismo.
Mas só será passista espírita quando suas técnicas forem consentâneas com a Doutrina Espírita e seu proceder moral se coadunar com os princípios desta.
No mesmo artigo52, Kardec nos afirma ainda que “O Magnetismo preparou o caminho do Espiritismo (...)”.
E prossegue mais adiante:
“Se tivermos que ficar fora da ciência do magnetismo, nosso quadro (espiritismo) ficará incompleto (...).
A ele nos referimos, pois, senão acessoriamente, mas suficientemente para mostrar as relações íntimas das duas ciências que, na verdade, não passam de uma”.

O leitor há de convir connosco que esta citação é por demais importante.
Entre outras, dela podemos tirar uma conclusão óbvia: pela maneira como foi considerado o magnetismo, a Ciência Espírita não pode ficar sem o contributo daquela outra, sob o risco de termos o Espiritismo de forma incompleta.
Entretanto, ressalta das palavras de Kardec que se trata de uma mesma ciência pelo facto de uma estar inserida na outra e não que sejam simetricamente iguais.
Analisemos agora os equívocos.
Para ficar mais didáctico, tratá-los-emos em subitens, na forma de perguntas e respostas, destacando os equívocos que pretendemos demonstrar.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 25, 2018 1:52 pm

1. Magnetismo e Espiritismo são a mesma coisa?
R - Já possuímos matéria suficiente para sustentarmos estar em equívoco aquele que afirmar sejam o magnetismo e o Espiritismo a mesma coisa, pois, da última colocação kardequiana se depreende que o primeiro, como ciência, participa da Ciência Espírita e não que esta esteja contida nos estreitos limites daquela outra.
Não são a mesma coisa, afirmamos; nem por definição, nem por meios, nem por objectivos; apenas o magnetismo, com suas técnicas e experiências, viabilizou, no meio científico da época, o reconhecimento da existência de outras forças, energias, fluidos, que desaguaram, via sonambulismo, nas provas da existência do Espírito.
Mas, para que não haja dúvidas, eis a primeira definição de Allan Kardec sobre o Espiritismo:
A doutrina espírita ou o Espiritismo tem por princípio as relações do mundo material com os Espíritos ou seres do mundo invisível.
Os adeptos do Espiritismo serão os espíritas, ou, se quiserem, os espiritistas”53 (grifos originais).
Vemos que dessa definição não há como igualar tal Ciência - que é também Filosofia e Religião - ao magnetismo, cujos seguidores são chamados de magnetizadores54.
Há, entretanto, estreitas ligações entre as duas ciências.
E quem faz uma notável ligação entre o Espiritismo e o Magnetismo é o Espírito E. Quinemant que, quando encarnado, segundo suas próprias palavras, ocupou-se com a prática do magnetismo material.
Assim se expressa ele:
“O Espiritismo não é, pois, senão o magnetismo espiritual, e o magnetismo não é outra coisa senão o Espiritismo humano.
(...) O magnetismo é, pois, um grau inferior do Espiritismo (...)”55.

2. E em relação ao passe propriamente dito, seriam ele e o magnetismo a mesma coisa?
R - A resposta continua negativa, pois, se para o magnetismo o passe é uma técnica de movimentação de mãos, para o passe (espírita) o magnetismo é uma fonte de técnicas de transferências fluídicas.
Atentemos, todavia, para o que nos diz Allan Kardec:
“O conhecimento dos processos magnéticos é útil em casos complicados, mas não indispensável”56;
isto nos sinaliza, inclusive, que nem sempre o passe se recorre do magnetismo como técnica.
Em síntese, todo passista (espírita) é, no fundo, um magnetizador mas nem todo magnetizador é um passista (espírita).

3. E a magnetização e o hipnotismo são iguais, são uma mesma ciência?
R - Trata-se de outro equívoco pensar-se assim.
Embora não estejamos estudando o hipnotismo, é da própria história dessa ciência que ela surgiu em decorrência das práticas magnéticas, como uma experimentação, poderíamos dizer, especializada, de partes daquela.
O hipnotismo, usando uma linguagem bem coloquial, é “filho” directo do magnetismo como o é o “sonambulismo provocado”
“O próprio Braíd (chamado o pai do hipnotismo) reconheceu em sua Neurhypnologie que os procedimentos hipnóticos não determinavam absolutamente todos os fenómenos produzidos pelos magnetizadores”57, evidenciando, assim, o carácter de menor eficiência destes, em termos gerais, que daquele outro.
Por ser derivação, confundi-los é o mesmo que se cambiar a obra pelo obreiro, o efeito pela causa.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 25, 2018 1:52 pm

4. Já que o magnetismo é usado no passe, isso implicará que devamos usar também o hipnotismo nos nossos passes?
R - De forma alguma.
O Espírito Emmanuel, introduzindo André Luiz no livro “Mecanismos da Mediunidade”, enfatiza que mesmo tendo aquele estudado o hipnotismo “Para fazer mais amplamente compreendidos os múltiplos fenómenos da conjugação de ondas mentais, além de com isso demonstrar que a força magnética é simples agente, sem ser a causa das ocorrências medianímicas, nascidas, invariavelmente, de espírito para Espírito”, não recomenda.
“De modo algum, a prática do hipnotismo em nossos templos Espíritas”58.
Completemos nossa resposta com Michaelus:
“Deixemos as drogas e os tóxicos para os hipnotizadores e reservemos para os magnetizadores a medicina do Espírito, pois na alma se concentra toda a sua força e todo o seu poder”59.

5. Mas, algumas pessoas advogam que durante ou após o passe, certos pacientes se sentem “diferentes”, como no hipnotismo.
R - Sem entrar nos aspectos espiríticos da questão, vejamos o que nos diz o renomado Dr. Jorge Andréa:
“Não pretendemos negar que a hipnose determina, realmente, inibição de centros nervosos, zonas e mesmo regiões” mas, esclarece ele, “isso é uma consequência natural do desenvolvimento de mecanismo hipnótico”60.
Não é correcto, portanto, que apressadamente se infira dos factos do hipnotismo, sua equivalência, por suas reacções (diversas, por sinal), com os passes.
Mero desconhecimento de causa que não justifica o equívoco.
Hermínio Correia de Miranda, quando liga o magnetismo ao hipnotismo, nos esclarece com sua síntese peculiar:
“Magnetismo, a nosso ver, é a técnica do desdobramento provocado por meio de passes e/ou toques, enquanto a hipnose ficaria adstrita aos métodos de sugestão (...)”61.

6. É o passe uma invenção do Espiritismo?
R - Garantimos que, em princípio, o Espiritismo nunca “inventou” nada nem tampouco “criou” coisas usualmente a ele atribuídas.
Pelas definições e menções apresentadas neste capítulo, fica evidente que o passe, suas técnicas e seu conhecimento remontam à mais longínqua antiguidade.
A Doutrina Espírita apenas estudou o magnetismo e suas aplicações, estuda e continuará estudando suas causas e efeitos, tendo chegado a grandes conclusões, notadamente no que diz respeito ao seu uso para o bem dos Espíritos, tanto encarnados quanto desencarnados, dando-lhes emprego sério e útil, e incentivando sua prática dentro dos princípios cristãos e nos limites da pureza doutrinaria espírita, lembrando aos seus praticantes, como o fez o Cristo:
“(...) De graça recebestes, de graça dai”62.

7. É o passe magia? Porquê?
R - Não. Porque o passe não se utiliza de fetichismos, não é dogmático, não compactua com Espíritos inferiores para obtenção de favores, quer materiais, quer espirituais, nem se compromete com ritualismos.
Não incita adoração a santos ou mitos nem requer pagamentos ou oferendas.
Se nos permitimos uma definição própria, o passe é um dos veículos de que se utilizam os Bons Espíritos para atender aos necessitados, de acordo com a vontade de Deus, e não para atender aos homens, segundo nossos, quase sempre, pueris caprichos e mesquinhas imposições.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 25, 2018 1:52 pm

8. Como o passe, muitas vezes, usa das técnicas do magnetismo e das colocações kardequianas, entendemos que tanto há fluidificação espiritual como animal (do homem) e mista, isso quer dizer que no passe tanto há mediunismo quanto animismo?
R - Estabeleçamos primeiro que animismo não é, necessariamente, sinónimo de mistificação;
animismo é a projecção ou a manifestação do Espírito do próprio médium por seu próprio corpo ou, ainda, o uso das energias fluídicas de si por si mesmo.
Por outro lado, mediunidade existe quando há relação entre homem encarnado e Espírito desencarnado.
Por isso podemos dizer, teoricamente, que o passe só é anímico quando o mesmo é aplicado por um magnetizador, com uso exclusivo de suas energias vitais, sem a interferência dos Espíritos (como se isso fosse possível).
Mas, pelo que nos asseveram os Espíritos, quando respondendo a Kardec, nos asseguram que eles influem em nossos actos e pensamentos “Muito mais do que imaginais (...) a tal ponto que, de ordinário, são eles que vos dirigem” 63, forçoso é concluirmos que não há magnetismo puro (quer dizer, sem intervenção espiritual), assim como também não há o animismo puro.
A própria definição de passe vista anteriormente no item “2.1 - Dos Dicionários e Enciclopédias”, sob a referência número 27, já nos sugere isso.
E, se não bastasse, sigamos Allan Kardec mais uma vez, quando ele pergunta aos Espíritos:
“Há, entretanto. bons magnetizadores que não crêem nos Espíritos?
“Pensas então que os Espíritos só actuam nos que crêem neles?
Os que magnetizam para o bem são auxiliados por bons Espíritos.
Todo homem que nutre o desejo do bem os chama, sem dar por isso, do mesmo modo que, pelo desejo do mal e pelas más intenções chama os maus”64.

9. Passistas e médiuns curadores são a mesma coisa?
R - Se bem possam, em determinadas situações, se confundirem, não são necessariamente a mesma coisa pois o passista nem sempre é um médium curador no sentido maior do termo, enquanto que todo curador, posto que sempre usa alguma técnica de passe, é passista, ressalvando-se, contudo, que aqui importa distinguir passista de passista Espírita.
Quando Allan Kardec definiu médiuns curadores, disse que esses são “Os que têm o poder de curar ou de aliviar o doente, pela só imposição das mãos, ou pela prece.
“Essa faculdade não é essencialmente mediúnica: possuem-na todos os verdadeiros crentes, sejam médiuns ou não.
As mais das vezes, é apenas uma exaltação do poder magnético, fortalecido, se necessário, pelo concurso de bons Espíritos”65.
Percebemos assim que, no primeiro parágrafo, ele parece se referir ao passista espírita, enquanto que no segundo se referencia ao magnetizador, ao médium curador.
De uma forma ou de outra, não faz grande diferença essa conceituação pois o que mais importa é a acção do passe, e Espírita, de preferência.

10. Magnetismo e magnetoterapia são a mesma ciência?
R - Não, não o são. Enquanto que o magnetismo lida com os fluidos animais (humanos), a magnetoterapia se utiliza dos ímãs ou materiais inorgânicos portadores de magnetismo.
Enquanto a primeira se baseia no homem como fonte, a segunda tem sua base nos metais; a primeira requer, mesmo no magnetismo puro, um bom posicionamento de moral e equilíbrio do aplicador, enquanto a segunda, nem sempre.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 25, 2018 1:52 pm

11. É o magnetismo humano (animal), o mesmo dos ímãs ou do resultante das correntes eléctricas?
R - Não. No magnetismo humano se percebe e se constata a existência de um componente anímico que não participa das outras modalidades de magnetismo.
Outrossim, no magnetismo dos ímãs e dos oriundos dos campos energizados por electricidade, obtêm-se padrões e quantidades invariável e fisicamente mensuráveis, abstracção feita as variações previstas e determinadas;
no magnetismo humano os valores são extremamente flexíveis e variáveis não apenas por condições físico-químicas e orgânicas mas igualmente por influências psíquicas e espirituais.

12. Existe diferença entre passes e imposição de mãos?
R - Em termos espíritas, passes tanto pode ser entendido como o conjunto de recursos de transferências fluídicas levadas a efeito com fins fluidoterápicos, como uma das maneiras pela qual se faz tais transferências.
No primeiro caso, a imposição de mãos seria um dos recursos; no segundo, uma das maneiras.
Assim sendo, de forma literal, passe e imposição de mãos não são a mesma coisa;
em termos de uso, contudo, tem-se a imposição de mãos como uma técnica de passe66.
Tanto que é comum se falar de um querendo-se dar a entender o outro.
De outra forma, observemos a ponderação de nossa contemporânea Dalva Silva Souza, em excelente artigo publicado em “Reformador”:
“A palavra (passe) é um deverbal de passar, verbo que, sem dúvida, transmite a ideia de MOVIMENTO”67.
Por outro lado, “imposição de mãos” já deixa bem induzido que se trata de atitude estática, sem movimento, posto que, derivado do verbo impor, imposição, nesse sentido, quer dizer: ato de fixar, estabelecer.
* * *
Outras dúvidas e equívocos, por certo, existirão.
Mas, se não temos a pretensão de esgotar o assunto, nos resta a certeza de que ao longo desta obra, muitas questões serão resolvidas e vários problemas ganharão solução.
Por outro lado, se novas dúvidas surgirem, como resultado da reflexão, do estudo, da análise e do raciocínio, é sinal de que teremos alcançado um bom “primeiro porto”, do qual, após o reabastecimento em novas pesquisas, partiremos buscando, juntos, novos e promissores horizontes, tudo em nome do Evangelho.

53 KARDEC, Allan. Introdução. In “O Livro dos Espíritos”, item 1.
54 Recomendamos sejam relidos os pontos principais do Espiritismo na Introdução de “O Livro dos Espíritos”, todos registados no seu item 6, onde se patenteiam as diferenças entre as duas ciências.
55 O Magnetismo e o Espiritismo comparados. “Revista Espírita”, jun. 1867, médium Sr. Desliens, pp. 190 a 192.
56 Da Mediunidade curadora “Revista Espírita”. set. 1865. p. 254.
57 JAGOT, Paul-Clement. Actualmente. In “Iniciação a Arte de Curar pelo Magnetismo Humano”, cap. 5, item 7, p. 53.
58 XAVIER, Francisco Cândido, VIEIRA. Waldo. Mediunidade. In “Mecanismos da Mediunidade”, pp. 15 e 16.
59 MICHAELUS. In “Magnetismo Espiritual”, cap. 7, p. 56.
60 58. ANDRÉA, Jorge. Fenómenos parapsicológicos. In “Nos Alicerces do Inconsciente”. cap. 4. item 2 - Hipnose, p. 116.
61 MIRANDA. Hermínio C. In “A Memória e o Tempo”. cap. 4, p. 78, v. 1.
62 Mateus, X, v. 8.
63 KARDEC, Allan. In “O Livro dos Espíritos”, cap. 9, questão 459.
64 KARDEC, Allan. Dos médiuns. In “O Livro dos Médiuns”, cap. 14, item 176, 3ª questão.
65 KARDEC, Allan. Dos médiuns especiais. In “O Livro dos Médiuns”, cap. 16, item 189.
66 Teceremos considerações no capítulo VI adiante.
67 SOUZA, Dalva Silva de. Considerações em torno do passe. In “Reformador”, jan, 1986, p. 16.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Fev 25, 2018 1:53 pm

CAPÍTULO II - OS OBJECTIVOS DO PASSE

“E insistentemente lhe suplica:
Minha filhinha está à morte;
vem, impõe as mãos sobre ela, para que seja salva, e viverá. Jesus foi com ele”
68.

Mesmo sendo o passe uma das circunstâncias mediúnicas mais comuns nas Instituições Espíritas, precisamos reconhecer, tanto pelo estudo quanto pela vivência, quais seus verdadeiros objectivos para, a pretexto de desconhecimento de causa, não virmos amanhã a desvirtuar-lhe os fins utilizando-nos de meios anti-doutrinários ou então, ainda que através dos meios mais correctos, desvalorizemos os fins, por impertinentes.
Afinal, se fazer é uma obrigação, saber fazer é um dever;
e fazê-lo correcto, no tempo, momento e lugar certo, é buscar a perfeição.
Não sendo outro o motivo de nosso estágio aqui na Terra senão o de buscarmos, pelos meios ao nosso alcance, o final feliz, que é a perfeição, reconhecemo-nos numa posição que, pelo nível, ainda nos solicitará muito esforço, trabalho, vidas, renúncias, estudos e sacrifícios, até atingirmos o grande desiderato.
Sendo o magnetismo um dos “meios” que utilizaremos seguidamente, tomá-lo-emos tendo em vista a manutenção do estudo do passe dentro dos limites atinentes às causas e aos efeitos fluídicos de cura e de alívio orgânico e psíquico, além de auxiliar nos tratamentos espirituais e desobsessivos.
Evitaremos o aprofundamento que nos levaria ao estudo da exteriorização da sensibilidade e da motricidade69, bem como aos efeitos hipnóticos, aos métodos de regressão de memória70 e às características atinentes ao sonambulismo.
Afinal, o que vamos estudar mesmo é o passe e não necessariamente o magnetismo, apesar de com isso não querermos dizer que desprezaremos suas bases e técnicas, experiências e conclusões;
muito pelo contrário, não só as utilizaremos como servirão de fundamental importância na sedimentação do entendimento, na efectivação de sua prática e para a explanação lógica de vários pontos comuns.
Comecemos, então, buscando a lucidez e a objectividade do Espírito André Luiz71, o qual nos faz meditar com grande proveito:
“O passe não é unicamente transfusão de energias anímicas72.
É o equilibrante ideal da mente, apoio eficaz de todos os tratamentos (...).
Se usamos o antibiótico por substância destinada a frustrar o desenvolvimento de microrganismos no campo físico, por que não adoptar o passe por agente capaz de impedir as alucinações depressivas, no campo da alma?
(...) Se atendemos à assepsia, no que se refere ao corpo, por que descurar dessa mesma assepsia no que tange ao espírito?”.
Aí encontramos André Luiz estendendo definições, com isso favorecendo-nos uma abertura para nosso estudo: o passe “é o equilibrante ideal da mente”, funcionando como coadjuvante em todos os tratamentos, não só físicos, mas igualmente da alma.
Por isso mesmo, os objectivos do passe ficam bem categorizados como elementos a serem alcançados em dois campos:
materiais e espirituais, a se reflectirem no paciente73, no passista e na Casa Espírita.
Corroborando com isso, encontramos Martins Peralva quando, estudando a mediunidade neste campo específico, nos lembra:
“O socorro, através de passes, aos que sofrem do corpo e da alma, é instituição de alcance fraternal que remonta aos mais recuados tempos”74.
Tendo este raciocínio como ponto de partida, componhamos uma análise um tanto quanto didáctica, distinguindo os objectivos do passe em três grupos:
1 - Em relação ao paciente;
2 - Em relação ao médium; e
3 - Em relação à Casa Espírita.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 26, 2018 11:02 am

1. EM RELAÇÃO AO PACIENTE
O passe Espírita objectiva o reequilíbrio orgânico (físico), psíquico75, perispiritual e espiritual do paciente.
Chega-se fácil a esta conclusão pela observação de que:
- quando um paciente procura o passe, ele busca, com certeza, melhora para seu comportamento orgânico, psíquico e/ou espiritual, o que já representa uma afirmativa desse objectivo;
- quando os médiuns sentem-se “doando energias” e, por vezes, se fatigam após as sessões de passes, deixam claros indícios de que houve “transferências fluídicas” em benefício do paciente;
- na comprovação das melhoras ou curas dos pacientes, novamente se confirma a tese;
- no estudo dos mais variados tratados e obras sobre o assunto, não há quem discorde desse objectivo;
- e tantas outras evidências existem que não sobra margem para tergiversações.
Não se deve, porém, confundir o objectivo do passe com o seu alcance.
Erroneamente é comum se deduzir do fato de alguém não ter sido curado num determinado tratamento fluidoterápico, este deixa de ter sua objectividade definida.
Tal raciocínio equivaleria a se condenar a Medicina tomando como base os casos que não tiveram solução possível, ou se acusar um médico pelo fato de um paciente não responder a certos medicamentos.
O passe, como os medicamentos, tem seus objectivos bem definidos, ainda que, por circunstâncias a serem vistas mais adiante, nem sempre sejam alcançados satisfatoriamente. Isso, entretanto, não os descaracterizam.
Angel Aguarod76 nos lembra que “O magnetismo, em certos estados de origem psíquica ou espiritual, basta e, para certos indivíduos, é o melhor agente curativo.
Tanto o magnetismo humano como o espiritual” (grifamos).
É bem verdade que esta citação não contemplou os problemas orgânicos em suas palavras mas isso não toma menos digna a nota.
Entrementes, quando o autor se refere ao “magnetismo humano e espiritual” deixa liminarmente claro que seu entendimento reconhece a acção do magnetizador comum e daquele que actua com o auxílio dos Espíritos, sem igualmente deixar de lado a acção fluídica apenas por parte dos Espíritos.
Não se trata de opinião isolada; o Espírito Emmanuel assim se pronuncia:
“Se necessitas de semelhante intervenção (do passe), recolhe-te à boa vontade, centraliza a tua expectativa nas fontes celestes do suprimento divino, humilha-te, conservando a receptividade edificante, inflama o teu coração na confiança positiva e, recordando que alguém vai arcar com o peso de tuas aflições, rectifica o teu caminho, considerando igualmente o sacrifício incessante de Jesus por nós todos, porque, de conformidade com as letras sagradas, Ele tomou sobre si as nossas enfermidades e levou as nossas doenças”77 (grifos originais).
Aqui encontramos toda uma definição de objectividade; um verdadeiro manual de orientação a quem vai se beneficiar das benesses de um passe.
É a parte moral e espiritual do passe em destaque, convidando o paciente a humildade com boa vontade, a fé com a responsabilidade de saber que alguém está agindo em seu favor, pelo que o respeito e a contrição são necessários.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 26, 2018 11:02 am

Para reforçar que os objectivos alcançam a área das influências Espirituais, eis a palavra de Kardec:
“Às vezes, o que falta ao obsediado é força fluídica suficiente; nesse caso, a acção magnética de um bom magnetizador lhe pode ser de grande proveito”78.
Fica definido, desta forma, que o primeiro objectivo do passe é, para a pessoa ou para o Espírito que carece e procura esse notável “agente de cura”, o socorro que lhe proporciona o reequilíbrio orgânico, psíquico, perispiritual e espiritual.


2. EM RELAÇÃO AO MÉDIUM
Numa importante mensagem do Abade Príncipe de Hohenlohe (Espírito), intitulada “Conselhos Sobre a Mediunidade Curadora”, encontramos farto material para a definição dos objectivos ora epigrafados:
“Em geral os que buscam a faculdade curadora têm como único desejo o restabelecimento da saúde material, de obter a sua liberdade de acção de tal órgão, impedido nas suas funções por uma causa material qualquer.
Mas, sabei-o bem, é o menor dos serviços que esta faculdade está chamada a prestar, e só a conheceis em suas primícias e de maneira inteiramente rudimentar, se lhe conferis este único papel.
(...) Não: a faculdade curadora tem missão mais nobre e mais extensa! (...)
Se pode dar aos corpos o vigor da saúde, também deve dar as almas toda a pureza de que são susceptíveis, e é somente neste caso que poderá ser chamada curativa, no sentido absoluto da palavra.
“(...) O aparente efeito material, o sofrimento, tem quase constantemente uma causa mórbida imaterial, residindo no estado moral do Espírito.
Se, pois, o médium curador se ataca ao corpo, só se ataca ao efeito, e a causa primeira do mal continuando, o efeito pode reproduzir-se, quer sob a forma primordial, quer sob qualquer outra aparência.
“(...) É necessário que o remédio espiritual ataque o mal em sua base, como o fluido material o destrói em seus efeitos; numa palavra, é preciso tratar, ao mesmo tempo, o corpo e a alma”79. (Grifos originais.)
Mediante tal ponderação que mais nos parece um verdadeiro corolário, percebemos que os objectivos do passe em relação ao médium têm estreita afinidade com os definidos aos pacientes.
Porém, podemos (e devemos) entender o serviço do passe como uma tarefa muito mais ampla que a limitada a uma simples cura material.
Se os pacientes, inadvertidamente, buscam tão-só as curas de suas mazelas orgânicas ou a solução de seus mal-estares, compreendamos e auxiliemo-los.
Afinal, muitos deles, e por que não dizer a maioria, quase sempre chegam ao tratamento fluidoterápico buscando “essas coisas” já em última instância, visto que, alegam, “fulano foi quem me recomendou” (e dizem isso fazendo feições de desdém).
Entretanto nós, os médiuns Espíritas, jamais deveremos entender nossa acção como sendo uma mera aventura no campo da matéria e dos fluidos, buscando soluções fantásticas e miraculosas pois, parafraseando Allan Kardec, é preciso aplicar e usar o passe como quem lida com uma “coisa santa”, tratando-o e recebendo-o de “maneira religiosa, sagrada”, a fim de seus reais objectivos, de cura material e, sobretudo, psico-espiritual, serem atingidos em sua plenitude, holisticamente.
Por outro lado, aqueles que não têm a visão Espírita e restringem os objectivos dos passes as curas materiais podem, ainda assim, favorecerem um caminho válido para comprovações presentes e futuras de seus benefícios, notadamente quando homens ditos de ciência se pronunciam a respeito pois, a partir do conhecimento e da verificação dos alcances das terapias chamadas “alternativas”, inevitavelmente um dia se chegará à conclusão da origem e da profundidade de muitas delas, resultando, por extensão, num entendimento e numa aceitação mais universal do passe espírita.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 26, 2018 11:03 am

Para reforço, num documentário sobre os curadores gregorianos, uma médica de Moscovo, Galina Shatalova, que pratica a imposição das mãos em muitos de seus pacientes, disse que “suas tentativas de transferir “energia biológica” frequentemente pareciam ajudar mais o paciente que o tratamento ortodoxo envolvendo medicina e drogas”.
E completou:
“A Organização Mundial da Saúde (OMS) tem-se empenhado num objectivo ambicioso - universalizar o tratamento de saúde até perto do final do século.
Para atingir esse objectivo, a OMS tinha decidido utilizar os serviços de curadores não ortodoxos”.
Então, “Halfdren Mahler (1977), como director geral da OMS, declarou que “o treinamento de auxiliares de saúde, parteiras tradicionais e curadores pode parecer desagradável a alguns fazedores de política, mas se a solução é correcta no sentido de ajudar pessoas, nós deveríamos ter a coragem de insistir que esta e a melhor política”80.
É deveras alvissareira essa abertura pois, mesmo pelo caminho estreito da matéria, com certeza aportaremos nas potencialidades do Espírito e, na conjugação das forças magnéticas orgânicas com as espirituais, o homem sairá do círculo estreito em que se encontra e o objectivo do tratamento fluídico (em nosso caso particular, do passe) alcançará uma dimensão mais consentânea consigo mesmo.
Continuando, lembramos Kardec quando nos informa que “A faculdade de curar pela imposição das mãos deriva evidentemente de uma força excepcional de expansão, mas diversas causas concorrem para aumentá-la. entre as quais são de colocar-se, na primeira linha: a pureza dos sentimentos, o desinteresse, a benevolência, o desejo ardente de proporcionar alívio, a prece fervorosa e a confiança em Deus;
numa palavra: todas as qualidades morais”81.
Ou seja: além de proporcionar a cura ou a melhora do paciente, deve o médium se esforçar por melhorar-se moralmente, no fito de cumprir sua tarefa dignamente e de melhor favorecer aos objectivos do passe.
Como médiuns, devemos ser conscientes de que temos no passe uma oportunidade sagrada de praticar a caridade sem mesclas, desde que imbuídos do verdadeiro Espírito cristão, sem falar na bênção de podermos estar em companhia de bons Espíritos que, com carinho, diligência, amor, compreensão e humildade se utilizam de nossas ainda limitadas potencialidades energéticas em benefício do próximo e de nós mesmos.
Ademais, não olvidemos que somos, em maioria, iniciantes na jornada da evolução, pelo que vale a advertência de Emmanuel nos recordando que “Seria audácia por parte dos discípulos novos a expectativa de resultados tão sublimes quanto os obtidos por Jesus junto aos paralíticos, perturbados e agonizantes.
O Mestre sabe, enquanto nós outros estamos aprendendo a conhecer.
É necessário, contudo, não desprezar-lhe a lição, continuando, por nossa vez, a obra de amor, através das mãos fraternas”82.
Pelo facto de ser simples, não se deve doar o passe a esmo, nem, tampouco, a fim de “dar aparências graves” aos mesmos, alimentar ideias erróneas que induzam ao misticismo ou que venham a criar mistérios a seu respeito.
Por isso mesmo nos convida André Luiz: “Espíritas e médiuns Espíritas, cultivemos o passe, no veículo da oração, com o respeito que se deve a um dos mais legítimos complementos da terapêutica usual”83, induzindo-nos, assim, a responsabilidade que devemos ter como médiuns passistas Espíritas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 26, 2018 11:03 am

3. EM RELAÇÃO À CASA ESPÍRITA
O “Movimento Espírita” brasileiro é, seguramente, o mais bem estruturado e o mais actuante de todos os movimentos espíritas graças, não obstante parcas e isoladas opiniões em contrário, ao trabalho da Federação Espírita Brasileira (FEB) e, em especial, do Conselho Federativo Nacional (CFN), órgão que congrega todas as unidades federativas espíritas do país além daquela.
E dessas duas células têm surgido os mais elaborados e profícuos trabalhos de orientação em todos os campos onde actuam ou podem actuar as Instituições Espíritas, de uma forma permanente e actualizada, sem, todavia, jamais descurar dos princípios básicos da Doutrina Espírita nem de sua pureza doutrinária.
Permita-nos o leitor fazer um breve parêntese:
infelizmente existem Espíritas que se rotulam de “modernos” e, da mesma maneira como encontraram este adjectivo para eles próprios, buscaram os de “conservadores e retrógrados” como sinónimos para aqueles que cuidam da doutrina com zelo e pureza doutrinária.
Pelo facto de Kardec ter vivido no século passado, esses “modernos” chamam seu Pentateuco de “clássico”, ensejando se tratar de “artigo de prateleira de museu”.
Embora tenhamos aprendido a respeitar as opiniões alheias, não podemos concordar nem aceitá-las todas.
E essa é uma das que discordamos; entendemos como pureza doutrinária a fidelidade que devemos ter ao Pentateuco kardequiano e o respeito a sua linha isenta de rituais, cismas e dogmas, buscando a actualidade das coisas mas não nos entusiasmando excessivamente pelas levas sucessivas de modismos que de tempos a tempos assola nosso meio, quase sempre destituídas de qualquer fundamentação lógica ou doutrinária.
Afinal, actualizar-se não quer dizer desprezar ou menosprezar as bases; ao contrário, significa justapor-lhe, à essência, os avanços comprovadamente coerentes e cabíveis.
Nisso tudo estamos integralmente com Ary Lex, quando diz:
“No movimento Espírita costuma haver uma certa condescendência para com as pequenas deturpações, condescendência essa rotulada como tolerância cristã.
Estão errados.
Tolerância deve haver para as falhas das pessoas, que devem ser esclarecidas e apoiadas, ajudando-as a saírem do ciclo erro-sofrimento.
Tolerância com as pessoas, sim, mas conivência com as deturpações, jamais”.
E conclui acertadamente mais adiante: “É urgente e fundamental que todos aqueles que tiveram a ventura de entender o Espiritismo lutem, dia a dia, pela manutenção da pureza doutrinária.
Que não se omitam.
(...) O que não se pode permitir é que, em nome do Espiritismo, se pratiquem actos totalmente condenados pela Doutrina”84. (Grifos originais.) Fecha parênteses.
Hoje possuímos um documento de rara oportunidade, resultante de uma série de reuniões, plenárias, encontros, estudos e análises sobre o “Movimento Espírita” brasileiro, promovidos pela FEB e com a participação de todas as unidades federativas espíritas do Brasil85, cuja conclusão culminou em meados do ano de 1980 - o que evidencia a actualidade do documento.
É ele impresso e distribuído pela própria FEB e tem o nome de “Orientação ao Centro Espírita - 1980”, ao qual, em mais recentes edições, foram incorporados outros mais recentes trabalhos da lavra do mesmo CFN.
Nele buscaremos algumas palavras a fim de nortear os objectivos aqui previstos.
Na apresentação do documento, item 5, observamos:
“Fraternidade, respeito ao semelhante, desinteresse utilitarista, trabalho idealista na vivência do 'amai-vos uns aos outros', tolerância e simplicidade de coração, humildade de Espírito, numa palavra, a prática das virtudes evangélicas, eis o que distingue o trabalho Espírita e caracteriza a instituição fundada e sustentada sob a inspiração do Espiritismo”86.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Fev 26, 2018 11:03 am

Pois bem, será dentro desses padrões que consideraremos a Casa Espírita para efeito deste livro, mesmo porque, se ela assim não se caracterizar, por si só perderá sua qualificação primordial, ainda que ostente o nome “Espírita” em sua fachada.
No mesmo documento87 temos:
“A liberdade, característica da Doutrina, reflecte-se na actuação do adepto.
Mas é preciso não confundir livre iniciativa individual lastreada no conhecimento adquirido, com licença para fazer o que bem se entenda.
O conhecimento da verdade revelada e o entendimento do Evangelho, em espírito, asseguram essa liberdade e lhe traçam os limites”.
Mesmo considerando esta assertiva em seu carácter genérico, não podemos deixar de ver suas consequências em referência aos trabalhos do passe.
Esse, inclusive, é mais um dos motivos por que estamos substanciando este livro no conhecimento já universalizado pelos Espíritos, tão bem balizado por Allan Kardec e condignamente ratificado pelos Espíritos André Luiz, Emmanuel, Bezerra de Menezes, Manoel Philomeno de Miranda e Alexandre, entre outros.
No capítulo V88, o Centro Espírita tem necessidade de promover reunião(ões) de assistência espiritual onde, entre outras providências, haja a “(...) aplicação de passe e fluidificação de água, objectivando a mobilização de recursos terapêuticos do plano espiritual as pessoas carentes deste auxílio”.
Ou seja, tem a Casa Espírita, no cumprimento de suas finalidades, a necessidade de manter um serviço de atendimento fluidoterápico, até mesmo para dar oportunidade aos médiuns a ela vinculados de servirem ao Senhor através do próximo, ao tempo em que propicia alento, orientação, reequilíbrio e esperança aos que lhe buscam os benefícios.
Não queremos, todavia, inferir que o serviço do passe seja a actividade mais importante da Casa Espírita.
Não, não o é.
Mas sua simplicidade aliada ao seu reconfortante alcance, principalmente quando utilizado de forma concomitante a doutrinação e a elucidação evangélico-doutrinária, é de tamanha envergadura que não se deveria deixar jamais de praticá-lo nas Instituições Espíritas.
Afinal, no Mundo Espiritual os Mentores que orientam essas mesmas instituições formam equipes especializadas para atendimento aos encarnados.
Senão ouçamos André Luiz:
“Em todas as reuniões do grupo (...) vários são os serviços que se desdobram sob a responsabilidade dos companheiros desencarnados.
(...) Um desses serviços era o de passes magnéticos, ministrados aos frequentadores da casa.
(...) Todas as pessoas, vindas ao recinto, recebiam-lhes o toque salutar e, depois de atenderem aos encarnados, ministravam socorro eficiente as entidades infelizes do nosso plano (...)”89.

No mesmo tom, anotemos o registo que Manoel Philomeno fez das palavras do Dr. Lustoza (Espírito):
“- Como existem Pronto-socorros para os males físicos e assistência imediata para os alienados mentais em crise, já é tempo que a caridade cristã, nas Instituições Espíritas, crie serviços de urgência fluidoterápica e de consolação para quantos se debatem nos sofrimentos do mundo, e não têm forças para esperar datas distantes ou dias exclusivos para o atendimento.
Espíritas esclarecidos, imbuídos do sentimento de caridade, poderiam unir-se neste mister, reservando algum tempo disponível e revezando-se num serviço de atendimento caridosamente programado, a fim de mais amplamente auxiliar-se o próximo, diminuindo a margem de aflições no mundo”.90. Meditemos sobre isso!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O PASSE: SEU ESTUDO, SUAS TÉCNICAS, SUA PRÁTICA / Jacob Melo

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 5 1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum