REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Página 1 de 7 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Ir em baixo

REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Abr 09, 2018 12:21 pm

REDENÇÃO
Zilda Gama

Victor Hugo (ESPIRITO)

LIVRO I - Anseios e visões

CAPITULO I

Não me posso eximir ao desejo de, por algumas horas, prender-vos a atenção, leitor amigo, com a narrativa de trágica odisseia ocorrida no início do século XIX, no departamento da Normandia ocidental.
Havia lã um castelo feudal, erigido pelos gauleses — que povoaram aquela região — à margem direita de sinuoso afluente do Sena, que lhe deslizava à retaguarda, formando um semi-círculo.
Por vezes, na época das chuvas torrenciais, as águas de ambos, avolumadas, davam-lhe a aparência de extenso e profundo lago, com escoadouro para a Mancha, que lhes não fica muito distante.
Nesse castelo residia um casal de nobre estirpe, os Condes d'Argemont, descendentes de bretões, com sua filha Heloísa, moça de peregrina beleza, que, na era a que me reporto, completara dezassete açucenais primaveras.
Os pais, austeros e virtuosos, educados numa época em que o orgulho, o despotismo e a vaidade eram apanágio dos brasonados, não se deixavam avassalar por preconceitos condenáveis.
A unigénita que o Senhor lhes concedera como dádiva celeste, reclusa num instituto religioso de Ruão, desde tenra idade, desconhecia por completo os festins mundanos, pois até àquela idade ainda não os havia presenciado.
Afeita às preces, aos retiros espirituais, a todos os preceitos católicos, sem descurar de nenhum deles, mas sem excessos devocionais, ficava às vezes imersa em pélago de íntimas dúvidas, oriundas de objecções antagónicas aos ensinamentos que lhe ministravam os clérigos.
Perspicaz, inteligente, submissa, era adorada pelos preceptores e pelo reitor do internato, Sr. de Bruzier, grave sacerdote, mui compenetrado dos seus deveres espirituais.
Uma surpreendente e lúcida percepção das coisas transcendentais flutuava-lhe na mente, tornando-a meditativa e apreensiva do porvir.
Um dia, já adolescente, estando algo febril, foi dispensada dos serviços matinais, quer escolares, quer espirituais.
Achava-se no vetusto jardim do colégio, seguida por uma de suas preceptoras.
Visível e intensa amargura, secreto augúrio de desditas, transparecia-lhe na bela fronte.
Sabendo-a enferma, o Sr. de Bruzier foi ao seu encontro.
Entre os dois havia estreita afinidade espiritual, apesar da diferença de idade — coisa assim como entre o crepúsculo e a alvorada, o término e o desabrochar de um dia.
Ele, sexagenário, alquebrado pelo rigor dos invernos terrenos e pelo bronze dos dogmas da religião de que se fizera modelar pastor; ela em pleno rosicler de uma nova existência, estimavam-se, contudo, profundamente.
O Sr. de Bruzier, depois de argui-la sobre a saúde, sentou-se à sua esquerda, e, sorrindo, perguntou:
— Em que andas a cismar desse jeito, Heloísa?
Ela relanceou o lindo e meigo olhar pelo vasto parque em plena eclosão estival, com os arbustos engrinaldados de flores, um ambiente de aromas suaves, e falou, melancólica.
— Porque, caro mestre, envolvida nesta formosa Natureza, convivendo com estremecidas professoras e condiscípulas, acarinhada por desvelados progenitores, quando tudo parece concorrer para minha felicidade — sinto-me sempre angustiada e pressagio um futuro de tormentos?
— E’ porque as almas angélicas, minha filha, quando pousam na Terra, às vezes por momentos, quais andorinhas celestes no cimo de um campanário, têm a nostalgia do Paraíso e não se habituam às trevas e invernias deste planeta...
— Que dizeis, mestre?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Abr 09, 2018 12:22 pm

Então me considerais um espirito angélico?
E se eu vos disser que me julgo uma alma delinquente e, por isso, me vêdes sempre apreensiva, pois que me preocupo muito com as penas irremissíveis?
— E’ porque és humilde e piedosa, Heloísa, apesar da situação de realce dos teus dignos pais.
Não enveredes, porém, por assuntos impróprios da tua idade e só compatíveis com os que, como eu, já se avizinham do túmulo...
A bela adolescente emudeceu por instantes, fixando, cismadora, o saibro que prateava as alamedas do jardim.
Visível o esforço que fazia por dominar a eclosão dos pensamentos que lhe vulcanizavam o cérebro.
Subitamente, faces purpureadas por indómita emoção e o olhar fulgurante fixo no sacerdote, falou com estranha eloquência:
— Perdoai-me se vos causar qualquer desgosto, mas não devo ocultar ao meu prezado confessor o que se passa em meu íntimo...
É-me impossível sofrear por mais tempo estas interrogações que, há muito, me atormentam:
Que é o que aguarda o pecador quando deixa este mundo?
O sofrimento eterno?
Como interpretar a Justiça divina que condena perpetuamente os criminosos?
Não desmentem as penas irremissíveis a misericórdia do Criador?
Como, sendo o Criador Pai amantíssimo, não se compadece dos réprobos encerrados em masmorras infernais, e fica impassível aos rugidos de dor, aos gemidos dos que lhe imploram o perdão durante milénios?...
Que digo eu ? Durante a incomensurável eternidade!...
— Estão cumprindo sentenças severas, mas justas, Heloísa — respondeu-lhe o sacerdote surpreso.
Não são eles transgressores das Leis sagradas e humanas?
Compadeciam-se do sofrer do nosso próximo?
— Mas, se o celerado é impiedoso, Deus é a suma clemência e não se devem aquilatar os sentimentos de um pelos de outro.
Aqui, em mundo de trevas no qual tudo é falível e imperfeito, da sentença lavrada por um magistrado humano pode haver recurso para um tribunal superior, em alguns países; noutros, apelo à magnanimidade de um monarca.
Pode haver esperança de ser comutada a pena por outra mais benigna, ter um limite, findo o qual a Uberdade é restituída ao réu...
Além, na Alçada suprema, presidida pelo mais íntegro e clemente dos juízes as penas não tum apelação, são infindas e inflexíveis...
— Tu te esqueces, Heloísa — disse o Sr. de Bruzier exaltando-se —, que há penas perpétuas para indivíduos que cometem crimes hediondos?
— Mas essas terminaram com a vida do galé.
Não há condenação que ultrapasse a existência humana.
A morte dá Uberdade ao réu.
Não há, na Terra, vida perpétua.
Raros são os calcetas que cumprem sentença por mais de meio século.
Mas, avaliai o que sofre um daqueles desventurados, durante o tempo que passa no presidio: segregado da sociedade que o teme e dos entes a quem mais ama; alimentando-se parcamente; coberto, às vezes, de farrapos; sem luz, sem conforto, sem uma palavra de consolação; tiritando de frio ou asfixiado em masmorra infecta; ultrajado, azorragado...
Será crível que, após tantas torturas, físicas e morais, ainda o aguarde o Inferno, o calabouço eterno?
Os magistrados são cruéis quando expedem sentenças que só terminam ao fim da atribulada existência que atinja avançada decrepitude, pois a dor redime todo o crime.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Abr 09, 2018 12:22 pm

Basta, às vezes, um decénio, um ano, um mês, uma hora de martírios, de remorsos, de lágrimas, para que seja reparado um delito praticado talvez em momento de insânia, de inconsciência ou de ódio incontido!
O homem peca porque é ignorante e impuro, sujeito a paixões violentas.
Deus é a suma perfeição, a bondade infinita.
Como não se compadece dos míseros delinquentes quando, arrependidos, contritos, supliciados lhe imploram misericórdia?
Porque fica inexorável perante os brados de dor eterna dos condenados por todo o sempre, por Ele próprio que os pode remir e perdoar?
— Porque afrontam eles os seus decretos sublimes?
— Porque os desconhecem, inúmeras vezes...
— Se não houvesse severidade e repressão, o crime haveria de proliferar com mais intensidade neste mundo, onde os maus excedem os bons...
— Não me refiro à punição merecida, mas à duração ilimitada da mesma, caro mestre.
Depois de alguns instantes de reflexão, sem haver recebido elucidações convincentes do encanecido sacerdote, fez-lhe nova e diversa pergunta.
— Quem ofende o Criador?
É o corpo ou a alma?
— A alma, filha.
Porque mo perguntas?
Tens alguma objecção a fazer?
— Sim. Porque, a meu ver, suponho que o nosso espirito pode planear um delito monstruoso, mas, sem a acção material dos braços, jamais o executará...
Penso, pois, que a alma é a responsável pela iniquidade concebida, mas o corpo é conivente e por isso é punido mediante deformidades ou moléstias dolorosíssimas.
Ela é motor; ele, efeito.
— O espírito é senhor; o corpo, escravo.
Este obedece àquele.
Seria ilícito puni-lo pelo crime que foi obrigado a cometer?
— Porque, então, os despojos dos suicidas e dos hereges são excluídos dos cemitérios católicos?
Porque se lhes recusam preces?
As almas atormentadas nas chamas infernais — se as houver — não têm maior necessidade de rogativas que as dos bons e justos?
Que culpa cabe ao escravo por haver obedecido ao seu tirano senhor?
— Para que muitas criaturas, atemorizadas do que as aguarda, evitem cometer o suicídio e a heresia condenados pela Igreja, sabendo que seus corpos serão inumados como irracionais, em lugares não sagrados pelos sacerdotes, ou por Deus...
— E que local, neste mundo, não é abençoado por Deus — se foi Ele quem elaborou todo o Universo?
O padre, perplexo e aturdido, calou-se.
— Ouça — prosseguiu Heloísa — tenho às vezes ideias esquisitas e singulares, que julgo não se originam do meu cérebro.
De onde provêm elas?
Quem mas inspira? E porque discordam do ensino que hei recebido desde a infância?
Quem me sugeriu estas que, h& muito, me preocupam, isto é, que não temos uma porém várias existências terrenas?
Porque conjecturo que os entes humanos são sujeitos a enfermidades, aleijões, dissabores, para que seus espíritos se depurem de todas as máculas e possam ascender às regiões de paz ou bem-aventurança?
Não serão os deformados, os mutilados, os desditosos — galés do Omnipotente, justiçados pelos tribunais celestes, que vêm aqui, onde pecaram, remir todas as monstruosidades que perpetraram, a fim de obter o alvará da liberdade eterna?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Abr 09, 2018 12:22 pm

Não será, pois, a Terra o apavorante Inferno, lugar de castigo e reparação?
Não nos faculta, assim, o Pai magnânimo, os meios de redenção, e, portanto, em vez de penas perpétuas, todas as iniquidades não serão remissíveis ?
— Cala-te, filha! — murmurou de Bruzier desorientado com os argumentos da jovem colegial, que ele considerava, até então, ingénua criança.
Onde foste haurir essas loucas interpretações teológicas?
— No meu próprio íntimo, em noites de vigília e meditação...
— Pois contas apenas pouco mais de três lustros,
és uma adolescente que mal desperta dos folguedos da infância e já tens vigílias e te preocupas com esses dogmas transcendentes, Heloísa!
Esses pensamentos não são teus, mas, certamente, sugeridos pelos agentes satânicos
— Porquê, Padre?
Que mal terei feito ao nosso próximo? Não me tendes ouvido em confissão?
Já me acusastes de alguma falta grave?
Não cumpro escrupulosamente todos os preceitos cristãos?
Que é que garante a salvação das almas, se Satã se apodera das que se abroquelam na Fé e na correcção do proceder?
Não recebo o sacramento da Eucaristia, que os sacerdotes afirmam ser o corpo, a alma e a divindade de Jesus?
Como não o teme o ousado Tentador?
Não oro pela manhã e à noite?
Então, todos esses actos são impotentes para evitar as ciladas de Belzebu?
— Ele fascina as almas mais cândidas e devotas para as arrebatar às Geenas, quando lhe escutam as insinuações perversas..!
— E porque o Altíssimo o consentiria?
Como é que o nosso anjo guardião não repele, não nos defende desses ardis e nos entrega, inermes, às insídias mefistofélicas?
Penoso silêncio interrompeu o diálogo veemente da jovem com o Sr., Bruzier.
Quebrou-o, após alguns momentos, o ancião, dizendo pausadamente, meneando a fronte encanecida:
— Quero livrar-te das garras do maldito, que tentou o próprio Jesus!
És boa, piedosa, humilde.
Estás de rumo ao céu... e ele cobiça a valiosa presa...
Conheço-lhe os embustes e astúcias.
Quem te inspira essas ideias subversivas, que, no entanto, reviam argúcia e raciocínio?
Não são reconhecíveis as sugestões diabólicas?
— Oh! Então, a Majestade Universal, o Sumo Poder e a Suprema Sapiência tem um rival prepotente e invencível, criado por Ele próprio.
— Pois não sabes, filha, que Lúcifer, Arcanjo de luz, inflado de orgulho e vaidade se rebelou contra o seu criador e Pai?
— E Deus, quando o criou, ignorava-lhe as faculdades e os defeitos?
Não previa o futuro até à consumação dos séculos?
Não sabia que Lúcifer teria de rebelar-se?
Como é que o fez com todos os atributos de uma Entidade superior e os atributos degeneraram em cavilações, perfídias e maldades satânicas?
Por que alquimia do Universo se transforma o ouro em chumbo e a luz em trevas?
Porque, sendo Ele a superlativa Justiça, não fez Lúsbel expiar a soberbia de modo compatível com o Direito, incorrupto, tirando-lhe todas as regalias angélicas e todos os poderes, em vez de conceder-lhe ampla liberdade e soberania, de que ostenta tão nefasto uso?
Porque o não puniu, encarcerou e humilhou e, ao invés, lhe outorgou poderio ilimitado, supremacia de Potentado e tirano do Reino dos suplícios e das chamas incombustíveis? Porque somos julgados e punidos com severidade, menor infracção das leis divinas, enquanto Satanás goza de todas as imunidades na Criação?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Abr 09, 2018 12:22 pm

Não é compreensível; pois, se assim fosse.
Deus, a magnanimidade e a integridade inigualáveis, seria parcial e estaria de acordo com a maldade suprema, qual entrega indefesas todas as almas, precitas ou santas!
— Filha, blasfemas!
Eu te desconheço, Heloísa!
Cala-te! Estou apavorado!
— Tirai-me desta tortura atroz, meu padre.
— Amanhã, ao alvorecer, serás ouvida em confissão e me revelarás as tuas dúvidas e receios.
Então, serenamente — pois agora tenho o espirito conturbado — dar-te-ei as explicações que necessitas.
Vai agora à capela — prosseguiu o clérigo com doçura, vendo a colegial em pranto, esquecendo-se de que ela se achava enferma — e, enquanto tuas colegas recebem a Sagrada Partícula, deves orar longamente implorando à compassiva Mãe de Jesus o seu patrocínio, para que não caias nas emboscadas do Tentador!
Heloísa d’Argemont retirou-se com os belos olhos nublados de lágrimas, para o santuário do internato, consagrado Máter Dolorosa.
Ficando a sós, o encanecido sacerdote deixou transparecer na fisionomia invencível desalento.
Depois, lentamente cerrando as pálpebras, alçou as pálidas mãos ao firmamento radioso, rogando-lhe luzes e argumentos que destruíssem os da querida discípula, que o deixaram aturdido, com a alma revolta e submersa em torrentes de amargura e perplexidade.
Pareceu-lhe, então, no silêncio absoluto do velho parque, estar ouvindo em maremoto violento o entrechocar fragoroso dos dogmas seculares da sua amada Igreja, tornados de vidro e feitos em estilhas por alviões colossais, descidos do Infinito, empunhados por titãs invisíveis. ..
E o agoniado ancião não percebeu que, para o seu espírito acrisolado na virtude, soara o instante bendito de ouvir, pelos lábios de uma criança, as verdades radiosas que, disseminadas pelos Arautos siderais, hão-de destruir os erros milenares que têm eclipsado a Justiça da Majestade Suprema!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Abr 09, 2018 12:22 pm

CAPITULO II
A filha dos Condes d’Argemont era esbelta e alva como as níveas camélias expostas ao luar, com um leve tom purpurino nas faces, que se incendiam à menor emoção.
Seus cabelos eram de um negror de ónix, ligeiramente ondulados.
Transparecia-lhe, da jasmínea fronte, formosa e ampla, aquela soberana nobreza, reflexo ou irradiação das almas evoluídas, prestes a desferirem o derradeiro surto dos mameis terrenos às regiões consteladas — como um prisma de cristal trespassado por um punhal de sol, forma os mais encantadores cambiantes.
Os olhos grandes e merencórios, velados por longos cílios veludosos, semelhavam lúcidos diamantes negros, ressumbrando sentimentos profundos e dignificadores.
Raramente sorria.
Suas palavras revelavam, sempre, critério e bondade.
Muitas vezes advertia as condiscípulas levianas quando proferiam algum gracejo menos sensato, e, então, lhes proporcionava conselhos inolvidáveis que calavam no âmago dos corações.
Por isso, era estimada de todos que com ela conviviam — servos, colegas, professores e eclesiásticos.
As arguições que, naquela manhã — um radioso sábado —, dirigira ao venerável, austero e perspicaz confessor, ferindo muitos dogmas preciosos do Catolicismo, alarmaram a quantos delas tiveram conhecimento.
Heloísa, obedecendo às determinações do Sr. de Bruzier, dirigiu-se à capela onde estavam as cândidas condiscípulas e prosternou-se junto de um confessionário.
Isolada, contrita e comovida, tentou, por meio de preces veementes, arrefecer os pensamentos que, na mente — aclarada de astral fulgor — lhe vibravam quais clarins encantados, a despertarem ideias extra-terrenas e desconhecidas.
— Será crível — imaginou consigo — que Belzebu possa danificar criaturas honestas e impolutas, sem que os anjos guardiães as defendam?
Qual, pois, nesses momentos gravíssimos, o proceder das sentinelas divinas, às quais somos confiados do berço à tumba?
Ficam impassíveis durante o assédio da Potestade do Mal?
Temem-no eles? Não sobrepuja ao dele o poderio de Deus?
Porque teme de Bruzier esteja eu sugestionada pelo demo?
Pratiquei algum ato injusto ou pecaminoso?
Deixei de orar com fervor?
Quem me insufla os pensamentos que externo, pois sinto que me infiltram e não se originam em meu cérebro? Não são eles, porém, contrários a Satã e favoráveis ao Criador?
Pode o Dragão inspirar réplicas contra ele próprio?
Contemplou, em pranto, a efígie da Máter Dolorosa e lhe rogou febrilmente:
— Mãe Santíssima, esclarecei-me!
Perdoai-me se cometi delito reprovável discordando dos ensinamentos recebidos desde a infância!
Não posso crer, porém, que o Eterno haja criado Satanás para nos atrair a seus antros chamejantes, arrastar-nos aos sorvedouros das iniquidades e nos desgarrar do Aprisco de Jesus, sem que Ele o castigue, o enjaule em qualquer fortim inexpugnável, até que se arrependa, humilhe, regenere e mude de proceder; pois basta que Deus o queira, para que Lúsbel fique subjugado, manietado, impotente, pulverizadas sua soberba e rebeldia, quais as descrevem os Livros Sagrados...
A nave regurgitava de meninas e donzelas de vestes imaculadas, qual silencioso bando de nevadas rolas, que, apenas por instantes, houvessem pousado no solo e estivessem prestes a partir, espaço em fora, em demanda dos fúlgidos campanários da catedral azul do infinito...
Suave melodia evolada do velho órgão enchia de sonoridades cristalinas o recinto branco, oloroso e florido do santuário.
Indomável emoção abalava o íntimo de Heloísa, que, por instantes, soluçou, compelida por insofreável melancolia, pressentindo algo doloroso e irremediável, que parecia aproximar-se qual procela rugidora.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Abr 09, 2018 12:23 pm

Com os olhos inundados de lágrimas contemplou a imagem de Maria de Nazaret, que lhe pareceu aureolada por cintilante halo, a fronte com aljôfares eterizados, de vários matizes, em gradações de gemas preciosas ou de minúsculas constelações de um céu tropical.
Vendo-se assim, através desse diáfano sendal de prantos, achou-se tão vivida que nunca se compenetrara tanto do seu suplício inaudito, nem lhe parecera tão grande o seu martírio, com o coração rubro — rosa mal desabrochada — à flor do peito alanceado por gládios coruscantes como raios de sol metalizados.
Nunca, até então, orou com tamanho fervor.
Observou uma luminosidade astral, de luar opalino, envolvendo-a, fazendo-a adquirir vida e colorido.
Pareceu-lhe que, lentamente, lhe estendia os braços de jaspe translúcido.
Um revérbero das revelações siderais iluminou-lhe a alma e ela compreendeu que as discordâncias teológicas, manifestadas ao confessor, não lhe haviam sido insufladas por Mefistófeles ou seus asseclas, mas, sim, por Entidades benfazejas.
Começou a conjecturar, sentindo em jactos as ideias afluírem-lhe ao cérebro.
— Porque — interrogou — iludem os sacerdotes as ovelhas do Senhor?
Quando hão-de transmitir às criaturas as verdades celestes compatíveis com a Justiça e a magnanimidade do Divino Legislador, em vez de quererem eternizar os erros que ofuscam as potências espirituais?
Fervorosamente, para desviar o fluxo das ideias, iniciou em surdina a saudação do Ângelus.
Bruscamente sofreou o pensamento em rápida fermata e ponderou, ao proferir a expressão — Santa Maria Mãe de Deus!
Pois o Soberano do Universo não é incriado?
— Que é que não foi elaborado por Ele?
Se o Omnipotente tivesse mãe, não seria esta a criadora do Cosmos? Céus!
Onde irei parar com estas conjecturas?
A dúvida me esmaga, oprime, atormenta, suplicia!
Como professar uma religião que me não sacia a curiosidade, que me não satisfaz o desejo irreprimível de ver esclarecidos os problemas transcendentais?
Súbito sentiu o esvaimento, ou a paralisação de todos os pensamentos, como se fosse m exauridos por suave vampiro.
Subtil fluido percorreu-lhe o corpo.
Teve uma branda turbação de sentidos, um alheamento completo do local em que se achava.
Deixou de ouvir a música e os cânticos sacros, para só perceber no imo d’alma:
— Não estás iludida, filha amada!
As inspirações que promanam das regiões etéreas, por influxo dos Legionários do Monarca Supremo, são percebidas pelos Espíritos, já acendrados nos torneios da Dor e da Virtude, qual o teu — e que aspiram à definitiva redenção.
A crença que professas não é senão a que foi instituída pelo Divino Pastor.
Ouve-me, filha dilecta:
não existe Satã, qual o afirmam os adeptos do Catolicismo e de suas seitas.
Esse cruel e irresistível sedutor não passa de um símbolo — o Mal — que a Humanidade toda tem de combater para adquirir méritos valiosos e aprimorar os sentimentos.
Se não existisse o Mal, as criaturas seriam uniformes, sem individualidade definida, indiferentes ao progresso psíquico, avessas à prática do bem, à conquista da perfeição.
Ele é o látego ardente que estimula todas as almas a marcharem para a felicidade eterna e para a isenção de dores.
E’ o déspota com que lutam todos os seres, mas, para saírem sempre triunfantes.
Não haveria penumbra, se não houvesse luz.
A treva só existe transitoriamente — é a ausência dos raios solares.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Abr 09, 2018 12:23 pm

A luz, pois, e não as trevas, é que tem existência própria.
Assim o Bem, irradiação astral, vencerá o Mal, que é sombra, apenas não existe nas paragens siderais.
Mas, como a escuridão oculta todos os corpos, menos os radiosos, as verdades divinas ficam apenas eclipsadas, enquanto o Sol da Virtude não penetrar os corações lapidados pelo Dever e pelo Sofrimento...
Tu, filha querida, és um Espírito milenário...
Estremeces?
Sim, esta é a realidade fulgurante que, no transcurso dos Evos, não será refutada por mais nenhum ser racional.
A criatura humana não tem uma, porém inúmeras existências ou avatares, solidárias entre si, tal como o eco é o produto ou a repercussão do som.
Representas hoje dezassete virginais primaveras, mas tens um passado muitas vezes secular.
Já cometeste delitos execráveis; já pertenceste a diversas castas sociais; já adquiriste muitos conhecimentos úteis, mas ainda não está esgotada a taça de amarguras, ou seja das expiações remissoras...
Tens ainda que ressarcir uma tremenda culpa de remota encarnação.
Mas, não te apavores, filha minha.
Serás norteada, protegida e amparada pelos dedicados Escudeiros divinos, que não vês mas percebes a teu lado, inúmeras vezes.
Foram eles que te sugeriram as ideias expendidas esta manhã ao teu confessor alarmado, que não te esclareceu o que anseias saber, supliciada pela solução dos enigmas transcendentes.
Venho, pois, como um dos mais obscuros propagadores das verdades excelsas, dos mais humildes servos da Alteza incomparável — samaritano do Espaço — trazer-te uma gota cristalina dos mananciais etéreos, para mitigar a ardência que devora tua alma, sedenta das elucidações divinas...
Estás na pista da realidade, filha dilecta; Satanás, se existisse, seria a negação cabal da Justiça e da benignidade do Omnipotente.
Este não podia enganar-se em suas concepções — criar Lúcifer.
Entidade de luz e pureza absoluta a se rebelar contra seu Pai e Soberano, cuja bondade, sapiência e superioridade saberia reconhecer e não invejar e cobiçar, procedendo qual sedicioso vassalo de algum déspota dissoluto, de cujo poderio desejasse assenhorear-se, tanto quanto de seus erários e regalias.
A perfeição, qual a neve, não tem estigmas quaisquer, é imaculada.
A Perfeição é incorruptível e resistente como o diamante e não se pulveriza ao camartelo das paixões malsãs, que para ela não existem.
Lúsbel, criado inteligente e cândido, seria humilde, bom e reconhecido a seu magnânimo Pai.
No seu espírito impoluto e resplandecente não haveria sentimento de perfídia, orgulho, ódio, inveja...
Esse anjo rebelde, porém, Heloísa, esse Lúcifer imperfeito e poluído pelos delitos... existe — é a nossa própria alma!
Ela, sim, filha minha, é que se revolta, vezes incontáveis, contra a clemente soberania do Universo, não se resignando nos momentos de adversidade, nas horas eternas de angústia, que lhe resgatariam séculos de ignomínia, se as suportasse cheia de nobre resignação!
Mas assim não sucede.
Onde há Dor, reina a impaciência, a lamentação, a rebeldia.
No entanto, Deus, sempre compassivo e generoso, não a desterra por todo o sempre de suas mansões de paz e radiosidade, não a precipita no Reino das Sombras e das chamas inextinguíveis — onde ela se converteria em perpétua adversária do seu criador, onde se tornaria, grilheta perene do sofrimento, em inútil imortalidade!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Abr 09, 2018 12:23 pm

Esse império apavorante, não eterno, mas transitório, nós o conhecemos — a Terra é um dos seus departamentos. ..
Aqui é onde o Sol se oculta todos os dias aos olhos materiais; onde há sempre um hemisfério mergulhado em sombra; onde há prantos, flagelos, calamidades, ranger de dentes, e as flamas dos padecimentos morais torturam, sem calcinar, os corações sensíveis.
Mas essas dores podem ser consumidas, todos os delitos remidos com a prática do Bem e do Dever, com o cinzelamento da alma.
Não há, pois, crimes irremissíveis, punições ilimitadas ou infindas.
Como este planeta — há outros mundos esparsos no Infinito, e todos destinados ao progresso e apuro da Humanidade.
As almas os percorrem em estágio incessante, qual se fosse uma cromática maravilhosa — a da Regeneração anímica.
Adquirem, em cada um, conhecimentos preciosos; retemperam os nobres sentimentos, mergulhados em paz e pureza, como barras de aço em forjas flamejantes, diluindo os instintos nocivos; conquistam as ciências, as artes, a felicidade interminável...
Estás, pois, em um dos mundos-escola, onde o sofrer predomina, mas onde
melhoram os delinquentes...
Lúsbel nunca existiu, tal como o descrevem os teólogos — apenas simboliza o Mal.
Todos temos sido, como afirmam que ele o é — anjos decaídos do Paraíso da Inocência, pecadores insubmissos, que nos esquecemos das dádivas do Pai misericordioso, de seus desvelos por nós.
Muitas vezes nos insurgimos contra seus desígnios redentores, blasfemamos, praticamos aviltamentos, perversidades deploráveis e indescritíveis.
Ele, então, desejoso de nossa remissão, nos degreda em lugares inferiores do Universo — “inferis” — que os sacerdotes supõem ser um antro de tormentos eternos...
Os rebelados padecem as consequências dos seus transvios às Leis divinas, mas nunca sob o domínio de Satã — o caudilho do Mal — porém dos prepostos do Senhor, que são as almas redimidas e acrisoladas no cadinho da Moral e dos labores profícuos.
Esses gendarmes divinos nos acompanham, aconselham, norteiam para a Virtude e nunca nos repelem ou supliciam inutilmente.
Quando nos vêem bordejar os torvelinhos da iniquidade e da ignomínia, estendem-nos mãos fraternas, segredam-nos palavras de brandura, de humildade, de submissão aos decretos supremos, alvitram-nos tudo quanto é digno e meritório.
Finda uma jornada terrena — se os calcetas foram dóceis e escutaram as doutas advertências — eles os levam através do Espaço estrelado, mostram-lhes as maravilhas siderais — que não podem fruir senão depois da aquisição do alvará de soltura, penosamente, heroicamente conquistado nos planetas de expiação.
Incutem- -lhes, desse modo, no íntimo, admiração pelo seu Criador e Soberano, desejo de evoluir, aspirações dignificadoras.
Somos, pois, filha amada, os inconfidentes da Majestade Suprema, os decaídos do Éden da pureza, os temerosos Satãs, que, pelas regiões de diversos orbes, semeamos a dor, a discórdia, o ódio, a vindicta...
Não somos, porém, perpétuos galés do pecado.
Podemos libertar-nos de todas as incorrecções, conseguir alforrias e venturas eternas trabalhando, padecendo cristãmente, resignando-nos nos momentos de ríspidas provas, orando, estudando, elevando-nos moralmente, expurgando do coração os detritos dos vidos e das maldades...
Escoam-se os séculos de acerbas expiações... mas as penas não são infindas — cessam um dia, e, então, os contritos e os redimidos conquistam a felicidade sem limites!
A ventura, pois, e não a dor, é que tem duração perpétua.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Seg Abr 09, 2018 12:23 pm

Não aguarda, porém, aos evoluídos, a beatitude ou a inacção, que tornaria enfadonha e improdutiva a imortalidade transcorrida em um só Paraíso, que poderia ser um portento, mas perderia todo o encanto; ficaria banalizado nos sorvedouros dos milénios, no mesmo ambiente, no mesmo horizonte, cumprindo os mesmos deveres, com os mesmos conhecimentos, gozando, às vezes, egoística ventura, sabendo que um ente idolatrado — pai, mãe, irmão, filho, consorte ou
amigo — está encerrado nas Geenas, atormentado pelas chamas implacáveis, sempre avivadas pelos tridentes diabólicos... por toda a Eternidade!
Os regenerados têm de completar seu tirocínio, apenas começado neste orbe, num horizonte mais vasto: o Infinito lhes é patenteado!
Eles percorrem todos os recantos do Universo, em miríades de decénios, de profícuas aprendizagens.
Adquirem conhecimentos valiosos sobre todas as artes e ciências, arquivam no íntimo tesouros de virtudes, servem e obedecem inteligentemente, como súbditos fieis, à incomparável Alteza da qual, às vezes, são emissários desvelados, prestando a seu turno auxílio benéfico aos que iniciam penosas jornadas em planetas inferiores, ondo a luz é esmola do Sol, onde as trevas imperam nos ares e nos espíritos...
Essa é a redenção do Lúcifer humano.
Eis, filha dilecta, respondidas as primeiras arguições da tua alma ávida de revelações superiores. Sacia-te delas, tal como os hebreus guiados por Moisés se desse- dentavam com o maná celeste...
Houve um interregno na elocução do Mentor invisível .
Heloísa, sem saber se estava imersa num sonho ou em plena realidade, sentiu invadir-lhe o cérebro suave turbação, qual se estivesse prestes a desmaiar.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Abr 10, 2018 10:24 am

CAPITULO III
— Respondo-te, agora, às últimas interrogações — prosseguiu a solícita Entidade, em surdina — Maria, a Virgem de Nazaret, não é a mãe de Deus, o Criador de todas as coisas, tangíveis e intangíveis.
Falseia a verdade quem assim não interpreta a História Divina.
Como poderia a impoluta Galileana ser mãe de quem a criou? Absurdo!
Pode a estátua produzir o escultor?
Deus é incriado.
Ele é o Sumo Poder, o Astro-Rei do Cosmos, cuja luz irradia por toda a amplidão imensurável.
Essa Potentade sublime, infinita em perfeição, poderio e atributos indescritíveis, não poderia ficar limitada um átomo de tempo sequer, num âmbito humano — o seio de Maria. Impossível encerrar todas as constelações dentro de uma noz...
Se tal sucedesse, em rápido segundo todo o Universo seria pulverizado, os astros e os planetas se entrechocariam loucos, desgovernados no vórtice do Infinito, por falta do Mecanismo Supremo, qual cronómetro sem pêndula, nau sem palinuro e sem bússola em oceano proceloso, ou em pleno maremoto!. ..
A luz inigualável do Cosmos, que se concretiza em estrelas e nebulosas fulgurantes — não podia ser circunscrita, limitada em um cenotáfio — o corpo humano; ninguém lhe poderia causar a morte — porque Deus é a essência da vida — e, se o conseguisse... jamais esta lhe seria restituída, porque só Ele a possui em turbilhão, para disseminá-la em átomos pela Criação ilimitada; tudo se eclipsaria,
se transformaria em pó, escuridão, algidez, Nada!
Maria, a imaculada Donzela da Palestina, não podia ser ao mesmo tempo filha e mãe do seu excelso Autor, e, se tal se desse, seria a inversão das leis naturais, um incesto divino...
Blasfémia! Insânia! Absurdo!
As religiões seculares, em vez de esclarecer os espíritos para os elevar ao Altíssimo, conturbam-se com esses dogmas inverídicos, obscuros, insolúveis, para ofuscarem a razão e dominar as consciências dos pusilânimes ou dos ignorantes!
Jesus não é Deus e, sim, o seu ministro plenipotenciário, o chefe de todo os países terrenos, o dirigente de todos os povos, o pegureiro de todas as almas desgarradas dos rebanhos divinos, acampadas neste minúsculo e umbroso planeta; porém, não é o factótum, o arquitecto do Ilimitado, o omnipotente e o soberano de todo o Universo, de todo o Infindo oceano etéreo, onde gravitam todos os corpos siderais, que nem a nossa visão ou o nosso pensamento podem atingir!
Nunca foi humano e mortal — porque sua natureza é divina e imortal.
Nunca envergou a libré da matéria putrescível, que nos cinge o espírito enquanto cumprimos as determinações do excelso Magistrado do Universo.
Se Jesus possui a divindade — todos nós a temos:
é a imortalidade, é a centelha de astro que nos anima, vitaliza, eterniza e alia, indissoluvelmente, ao Pai; ela é que perpetua as almas por toda a consumação dos evos...
A missão do preclaro Rabi não era a de Senhor, mas de Filho submisso aos desígnios do seu augusto Progenitor.
Ele o disse reiteradas vezes:
"Não vim satisfazer a minha, mas a vontade de meu Pai que está no Céu! Meu Pai e vosso Pai."
Como querem os exegetas ensinar o inverso do que proferiu o lúcido Zagal de todas as ovelhas terrenas?
A verdade é como a luz solar, que irradia em dezenas de mundos planetários — há-de vencer todas as penumbras e esclarecer todas as mentes!
Para que, a fim de valorizar a missão sublime do Arauto Celeste, querem seja Ele o próprio Criador?
Como poderia este ficar — um segundo sequer — cingido a um corpo perecível, sem que houvesse no Universo os mais estupendos e assombrosos cataclismos?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Abr 10, 2018 10:24 am

Se Deus morresse — incoerência pasmosa! — mesmo que fosse por um milésimo de segundo, quem lhe poderia conceder, após, a Vida inigualável, se com Ele se extinguiriam bruscamente, velozmente, rapidamente, todas as luzes astrais, todos os mundos, todos os seres vinculados ao Criador, qual archote destruído em galeria profunda, no centro do globo terrestre, um fanal em tempestuoso e intérmino oceano?
Não entrariam em trevas perenes todos os planetas e satélites que circundam o Sol, se este se apagasse pelo sopro divino?
Não, filha querida!
Ama sempre a cândida e piedosa Mãe de Jesus; venera seu boníssimo Filho, cujo amor nos dirige nos dédalos da existência, nos conforta em momentos de amargura, nos aponta com o radioso cajado de Armentário de almas
as cintilantes moradas do Império sideral, porém, ama com maior fervor e admiração ao Elaborador de todas as criaturas, ao Forjador de estrelas, flores, portentos mágicos disseminados na amplidão etérea onde adejam os teus pensamentos fascinados de luz!...
Sempre que tiveres uma hesitação sobre algum enigma transcendente, eu virei esclarecer-te como um dos teus Mentores invisíveis.
Auxiliar-te-ei a levar o pesado madeiro das provas ao Gólgota da Redenção.
Muito tens que sofrer e reparar, mas, se fores resignada, submissa aos decretos supremos, ficarás isenta, nesta existência, de todas as dores terrenas.
Vais, dentro em breve, conhecer a vida sob outros aspectos, outras modalidades.
Vais, enfim, entrar na plena batalha das expiações santificantes.
Tens de refrear sentimentos que irromperão do teu íntimo, quais lavas candentes de uma cratera, mas só darás incremento aos que forem justos, bons e nobilitantes.
Nós, miserandos e imperfeitos seres humanos, somos verdadeiros mundos em miniatura — contemos abismos de impurezas, caudais de sentimentos remissores, Etnas de paixões, e, às vezes, ocorrem em nosso próprio íntimo catástrofes pavorosas que só nós percebemos...
Há radiosidades e trevas, antros de sombras e céus venezianos em cada recôndito de alma.
Os báratros, porém, desses mundos microscópicos, podem transmudar-se em astros, em jorros de luz: deixam de gravitar na escuridão e cindem o Espaço como condores celestes; podem aspirar à glória de conhecer a Suma Potestade, de alcançar a culminância moral, de colaborar nos planos divinos para a consecução dos mais arrojados cometimentos!
Não te deixes impressionar pelo que hoje te revelo.
Ora, sê virtuosa, humilde na opulência, nunca te rebeles nas horas de ríspidas expiações e serás abroquelada por uma força invencível...
Perceberás, muitas vezes, mãos diáfanas amparando-te através dos sorvedouros da dor, de que andam eivados os silvedos das existências planetárias.
Heloísa, que até então ouvia em surdina todas as palavras que lhe segredava o desconhecido instrutor, foi acometida de um desmaio que a fez esquecer o local onde se achava.
Conduzida ao leito pelas condiscípulas alarmadas, adormeceu profundamente.
Pareceu-lhe, de súbito, haver sido despertada e transportada a longínquas regiões — algumas de beleza surpreendente, outras inóspitas, áridas, alcantiladas, de tristeza empolgante.
Singrava os ares suavemente, como se o fizesse em gôndola de veludo ou em braços tutelares de mãe carinhosa.
Chegou, enfim, a uma estranha urbe adornada de muralhas intransponíveis, banhada por um rio profundo e caudaloso, que a cortava de Norte a Sul.
Prédios sólidos, rectangulares alguns, outros quase cilíndricos como torres isoladas, erguidas no solo, formavam inúmeras vias por onde transitava compacta multidão, trajada à feição dos antigos asiáticos, com túnicas de todos os matizes, formando uma torrente policrómica.
Jardins esplêndidos ornavam praças extensas.
Palácios marmóreos e de alvenaria, todos de arquitectura requintada, davam-lhe um aspecto régio. Havia em toda a sumptuosa cidade uma azáfama festiva.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Abr 10, 2018 10:24 am

Escureceu bruscamente.
O cenário transmudou-se às súbitas.
Heloísa foi conduzida à mais faustosa de todas as habitações, que supôs já mergulhada no silêncio da meia-noite, apenas iluminada por suave e radioso crescente, qual se fora um alfange de diamante, visto através de opaco vitral.
Ela estremeceu ao penetrar naquela imponente morada ... que lhe pareceu familiar e cujas portas se abriam silenciosamente à sua aproximação, como por encanto.
Onde já a tinha visto?
Quando nela residira?
Guiada por um archote empunhado por braço intangível, atravessou celeremente extensas galerias, aposentos diversos, subiu escadas infindas sem que ninguém a detivesse, qual se fora imaterial.
Repentinamente, um clarão intenso, como projectado por semáforo gigantesco, iluminou-a por completo, e, então, pôde observar uma turba enorme de seres mudos, trajados com apuro principesco.
O veludo, o brocado, a seda, os ornamentos áureos e cintilantes pompeavam em corpos esculturais.
Ninguém lhe notara a presença, até então.
Ela temia que a percebessem, sentindo-se humilhada, confrontando seu modesto trajar com os vestuários maravilhosos que a rodeavam.
Conversavam todos soturnamente e pareciam desgostosos.
Inesperadamente, sem que pudesse compreender o insólito fenómeno, elo se tornou visível e sua roupagem, pela opulência, suplantou a de todos os circunstantes...
Um sumptuoso vestido de seda e escumilha prateada, branco e luminoso, artisticamente orlado de pérolas e diamantes, tornava-a fascinadora.
Longa e leve cauda roçagava pelas alfombras de púrpura e ouro, ladeada por graciosas crianças.
Longo e diafaníssimo véu de gaze, constelado de aljôfares, envolvia-a da cabeça aos pés.
E deslizava pelas alcatifas como impelida por força invencível, homenageada por toda a multidão que se curvava à sua passagem.
Penetrou num salão regiamente festonado de flores raras, de rosas rubras e níveas, iluminado por lampadários de bronze dourado, incrustados de gemas coruscantes, pendentes do tecto florido, como pomos de luz de algum solar encantado e portentoso, de um Aladino ou de um Monte-Cristo...,
Viu, então, à sua esquerda, seguindo-a passo a passo, de olhos fixos no seu vulto gracioso, o espectro de um jovem e formoso guerreiro, que, por vezes, lhe roçava os braços, como se desejasse deter-lhe o andar ou arrebatá-la a um potentado que dela se aproximava.
Era um indivíduo trajado de púrpura e ouro, de estatura
descomunal, tez bronzeada, nariz aquilino e proeminente, olhos negros e coruscantes, fronte alta, barbas espessas, cabeleira basta, representando quatro decénios de existência e revelando na fisionomia ferocidade, sentimentos impuros e violentos.
Vendo-a encaminhar-se para ele, apertou-lhe o braço direito.
O contacto dos seus dedos fê-la estremecer convulsionada, infundindo-lhe no íntimo secreto e inexplicável pavor e desagrado.
O espectro que a seguia, de uma beleza delicada, digna de ser imortalizada pelo cinzel mágico de Fídias — contrastando com a catadura patibular do que lhe apertava o braço, ajoelhou-se soluçando, estorcendo-se em espasmos de dor moral, colocando a destra sobre o seio, onde se destacava o coração fendido por acerado gume.
Ninguém o via senão ela, para seu suplício.
Porquê? Não sabia dizê-lo.
Sofria, vendo chorar.
Desejava que o retirassem da sua vista, para que não fosse atormentada com aquela atitude dolorosa, mas não conseguiu externar uma ideia:
Seus pensamentos estavam-lhe murados no cérebro, a voz era inarticulada ou inapercebida e ela compreendia que ambos, ele e ela, estavam ligados pelo tórax, por uma corrente de fogo, qual serpente de duas cabeças a punçar-lhes os corações. ..
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Abr 10, 2018 10:25 am

Depois, ela e o seu faustoso par prosternaram-se em alcatifa de brocado rubro.
Um sacerdote, de exóticas vestes, celebrou os esponsais, impondo-lhes à cabeça coroas faiscantes, retiradas de um relicário de prata.
Heloísa, desde aquele instante, sentiu na fronte um peso formidável, como se fora oprimida por uma avalanche resvalada dos píncaros do Himalaia, comprimindo-lhe a cabeça, aonde levou as mãos trémulas, tentando retirar dela o ensalmado diadema; mas em vão o fez, pois o sentiu soldado ao crânio, como se tivesse tentáculos ardentes, que lhe penetravam a carne, os ossos, todo o ser...
Sons de címbalos, de alaúdes, cânticos de menestréis invisíveis, mesclados de soluços e gemidos, vibraram no ambiente, onde choviam pétalas de flores trescalando essências inebriantes.
Um séquito de donzéis, de alabardeiros, lanças reluzentes, prestaram-lhe incessantes homenagens.
Ergueram-se todos, bruscamente; Heloísa não podia desfitar o espectro doloroso.
Sentia-se imantada nele por uma tração poderosa e invencível, da qual não se podia eximir.
Quis, então, aproximar-se para interrogar a causa dos seus padecimentos, mas, quando experimentou fazê-lo, ele se desfez qual subtil incenso, desaparecendo nos ares como por efeito de uma vara de condão, deixando-lhe n'alma um vácuo, uma dor irreprimível, uma compunção infinita...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Abr 10, 2018 10:25 am

CAPITULO IV
Pressentiu que decorrera algum tempo.
Achava-se Heloísa no mesmo palácio sumptuoso, agora deserto e lúgubre.
Tentou evadir-se, mas, no saguão, onde se enfileiravam colunas de mármore, perfilavam-se sentinelas silenciosas, de cataduras sinistras.
Viu-se num leito de proporções gigantescas, de aparência régia, abandonada pelo esposo, que ela execrava e sabia passar as noites em festins báquicos.
Era-lhe intolerável a existência em comum. Tomou, naquele momento, decisiva resolução — fugir de qualquer forma, ainda que sacrificasse a própria vida, que se lhe tornara supliciante.
Levantou-se do leito, desceu pequena e áurea escada, mas, quando transpôs a soleira do salão, viu lá postado, vedando-lhe a saída, o jovem militar que, desolado, assistira ao seu enlace.
— Que quereis ? — pôde balbuciar com intimo terror.
— Vingar-me! — respondeu ele num timbre soturno, pausadamente.
— Mas, que te fiz eu? Quem és tu?
— Ah! já te esqueceste de mim, Flávia?
Destacou-se das sombras, qual se houvesse sido iluminado repentinamente por uma chama interior, salientando-se-lhe do tórax, como em gaiola de ossos, um ninho de luz — o coração atravessado por fina lâmina, quase todo fendido da base ao ápice.
— Vês? — falou, apontando-o com entonação repreensiva e agoniada.
Eis patente o teu crime infando, pérfida; e saibas que o tens de resgatar com lágrimas e desesperos!
Também sentirás o coração apunhalado pelo perjúrio, pela traição, pelo abandono!
Como te não lembras mais de mim, mulher venal.
Não foste então, em nossa remota pátria, companheira de infância e noiva adorada na juventude?
Não te recordas, quando para aqui vieste, que me deixaste em peleja, defendendo a nossa terra natal, e que, em pranto fementido, me empenhaste a mão de esposa, se a sorte não me aniquilasse no campo de batalha?
Como pudeste esquecer-me tão depressa, entregando-te ao déspota que desgraça este pais, e revelando-lhe os nossos projectos?
Porque consentiste mandasse ele um dos seus cruéis asseclas rasgar-me o peito — onde fremia o coração leal e bondoso — com uma adaga acerada?
Ai! perjura!
Mais sofri, quando soube que me atraiçoaste vilmente com um bandido coroado, do que quando me retalharam o coração fascinado por teus encantos...
O gume de aço fere menos, perfurando um seio amoroso, do que o ludíbrio ou o desabar dos sonhos afagados...
Depois que me levaram ao sepulcro o corpo mutilado — lá onde minha extremosa e desolada mãe não cessa de prantear, e, banhada em lágrimas, clama aos Céus! — eu soube toda a extensão do meu infortúnio, toda a vastidão da tua baixeza...
Vendeste o nosso amor, tão profundo e casto, por um trono poluto, por tesouros usurpados às vítimas, que têm estertorado nos patíbulos e nas masmorras infectas!
Goza, se podes, tão grande ventura, depois de concorreres, para o meu homicídio e para dilaceramento de um coração de mãe carinhosa, para quem eu era a única felicidade terrena, seu conforto, sua glória, sua única esperança!
Sigo-te para vingar-me, para deliciar-me com tua ventam fictícia e asquerosa — mas, covarde que sou!
— ainda me apiado de ti e desejo repares nobremente o teu delito horripilante!...
Porque choras?
Não és ditosa quanto aspiravas?
Não vives num palácio imperial, não tens multidão de servos e vassalos curvados à tua passagem?
Não te vestes de púrpura, não ornas de pérolas e pedras custosas o teu corpo helénico e tão cobiçado por todos os devassos que te cercam?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Abr 10, 2018 10:25 am

Não és a rainha de Persépolis
— invejada e odiada pelas mulheres, como tu, vaidosas e mercenárias?
— Cala-te, por compaixão, Marcos! — murmurou Heloísa no auge da consternação.
Tu me avivaste o passado maldito, em pinceladas de fogo!
De tudo me recordo agora, para meu tormento!
Sou mais infortunada que tu, pois tenho o coração dilacerado de remorsos e vexames!
Estas vestes aparatosas que aqui vês, aquelas jóias fulgurantes como estrelas, em escrínios dourados, têm, para mim, o peso do Himalaia, que me verga o corpo, esmaga o peito, comprime a alma!
Transformaram-se em chamas vorazes, algumas vezes; outras, tornaram-se asquerosas como reptis e desprendem exalações de sentina.
A coroa real, que tanto me fascinava, constringe-me o cérebro, transforma-se em acúleos intoxicados e corrosivos, em víboras imortais... que me remordem e martirizam incessantemente!
Desgraçada que sou, Marcos!
E ainda te queres vingar de mim?...
Já o estás, desditoso!
O réu tem, dentro de si, o seu verdugo implacável — a consciência, o tribunal divino arvorado em todas as mentes humanas!
Só é feliz, na Terra, quem a possui imaculada como as cecéns dos valados, embora tenha o corpo coberto de farrapos e os pés chagados pelos seixos ou pelas silvas do roteiro.
O monstro a que me liguei, em hora execranda, causa-me asco...
Parece-me que o vejo sempre através de uma catarata de sangue e lodo pútridos!
Odeio-o! Abomino-o...
Seus beijos causam-me náuseas, conspurcam, poluem-me os lábios e o corpo.
Ele o percebe e vinga-se... passando as noites em bacanais, chegando ao palácio alta noite, ébrio, blasfemante!
Que mais desejas para roeu suplício?
Queres, também, esfacelar-me o coração? Aqui o tens.
Vou buscar o punhal oculto lá no leito, para terminar meu martírio ou arrancar a vida àquele sicário real.
Quando ele de mim se aproxima, julgo estar ouvindo estranho e clangoroso rumor de soluços e maldições.
Mata-me, Marcos! mas leva-me contigo!
Eu te perdoarei e bendirei.
Tira-me da fronte esta coroa maldita e execranda...
Da fronte? Que digo?
Não! da alma, a que se acha apegada, qual vampiro flamejante, torturando-a, sugando-a, triturando-a, maculando-a!...
— Não, infeliz, ainda não chegou o momento aprazado pelo Excelso Juiz, para nos reunirmos nesse mundo em que te encontras e onde tens de remir dolorosamente os teus crimes e perfídias...
Nossas existências, como dois tranquilos regatos, ia ligar-se por todo o sempre, vinculadas por sincera afeição... tu lhes desviaste o curso, fazendo-os despenhar-se em abismos de padecimentos inomináveis!
Agora, está lavrada a nossa separação por muito tempo... É mister que sofras muito, que te redimas, para que esta lâmina seja retirada do meu peito... e trespasse o teu!
Só então estarás perto da redenção...
— Mas, tem compaixão de mim: não me deixes isolada e com vida, que me é intolerável!
— Tu, Flávia, é que criaste esta penosa situação, enceguecida pela vaidade culminante, pela ânsia de aparato, de gozos efémeros, dominar, suplantar as outras mulheres... mercenárias, quais tu mesma!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Abr 10, 2018 10:25 am

É cedo para que teus desejos sejam satisfeitos, o calceta não tem livre arbítrio nem pode escolher a sentença que o fará ressarcir os próprios crimes... Adeus!
Desapareceu subitamente sem lhe haver confortado o coração exulcerado com uma palavra de piedade ou de esperança!
Heloísa viu-se a sós, genuflexa, desalentada, desditosa — tendo no íntimo um sorvedouro de mágoas, um vácuo impreenchível de desilusões e remorsos...
De toda aquela habitação luxuosa parecia evolarem-se emanações pútridas.
Gemidos prolongados, gritos, blasfémias, estertores mesclavam-se no ar, originando vibrações atroadoras ou tempestades dolorosas.
Estava apavorada, envilecida, acovardada.
Não sabia orar, erguer os pensamentos ao Absoluto.
Queria fugir aquele suplicio inominável, esquecido pelo genial Alighiéri no seu trágico Inferno, e estava como que manietada, peada, chumbada ao solo...
Quanto tempo assim esteve torturada moralmente por Torquemadas invisíveis, que se lhe emboscavam no próprio íntimo?
Não saberia dizê-lo nunca, se não recebesse uma revelação sideral...
Súbito, atroante rumor de armas entrechocadas reboou pelas abóbadas dos salões vastíssimos, abalados como por efeito de um terremoto universal, fazendo trepidar, bailar violentamente a régia morada, ao compasso de uma orquestra de loucos e duendes...
De repente, sentiu-se como sacudida por infernal furacão.
Alguém arrastou-a pelos cabelos por todos os pavimentos de infindos corredores e escaleiras mirabolantes.
Ela arquejava, sem voz para bradar socorro, não tendo sequer a quem implorar auxilio, abandonada e execrada por todos — por Deus e pela Humanidade...
Um sopro de harmatão afogueado empolgou todo o edifício vacilante, envolto em chamas ou coriscos vorazes e coruscantes.
Urros selvagens, ferozes, estrugiram nos ares e alguém — o mesmo ser que a arrastava — sacudiu-a diversas vezes, como se fora uma pluma num torvelinho insondável...
Teve a inexprimível sensação de ser arrojada do píncaro de uma cordilheira para fora da atmosfera terrestre, no Espaço ilimitado...
Caia... caía... indefinidamente, até que, podendo soltar um grito estridente, acordou convulsionada, atemorizando a enfermeira que velava.
Vendo-a, Heloísa reanimou-se e interrogou-a, ainda um tanto perturbada pelo sonho que tivera:
— Irmã, onde estive?
Quantos séculos se escoaram depois que orei na capela do Internato?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Abr 10, 2018 10:26 am

CAPÍTULO V
A congregada estremeceu, persignou-se.
Depois, falou-lhe com doçura:
— Que dizes, minha filha?
Tiveste um desfalecimento na capela, e, transportada a este leito, adormeceste há seis horas.
Como te sentes?
Branda claridade filtrava-se pelos vitrais do amplo dormitório, com as persianas cerradas.
Heloísa suspirou, aliviada por certificar-se que o presente era bem diverso do passado tenebroso, e compreendeu que seria inútil relatar o que se passara, pois se o fizesse passaria por louca e possessa de Satã...
Calou-se, pois, mas não deixou de comentar mentalmente o que ouvira e presenciara em sonho inolvidável:
— O que sucedeu não pode ter sido uma fantasia de Morfeu... — dizia.
Temos, pois, mais de uma existência e resgatamos em cada uma os erros praticados na antecedente ou nela própria...
Somos, pois, responsáveis por todos os nossos actos — bons ou maus; somos herdeiros de nós mesmos — de nossos crimes ou de nossas virtudes, e, por isso, punidos ou amerceados por Deus.
Há mais justiça e equidade nessa hipótese do que nas penas irremissíveis.
Quantas iniquidades já cometi, oh! Jesus?
Que abjecta perfídia pratiquei contra o mísero Marcos...
De que modo expiarei esse tremendo delito?
Vê-lo-ei nesta existência...
E o hediondo tirano que foi meu esposo? Horror! Horror!
Chorava, mas, subitamente, ouviu, qual se fora no recesso da própria alma, um como cicio de aragem...
— Ora, filha, tem fortaleza de ânimo e triunfarás de todas as tuas provas redentoras...
Cerrou então as pálpebras e rezou com profundo fervor e grande elevação de ideias e de sentimentos.
Reconfortada ao bálsamo das mais veementes rogativas, sentou-se na cama, porém a enfermeira impediu-a de levantar-se.
Percebeu, por lúcida intuição, que se operara no seu íntimo grande metamorfose.
Invencível tristeza, denunciadora de pensamentos dolorosos, pairava-lhe no belo semblante espiritualizando-o, aformoseando-o, angelizando-o mais que nunca.
Dentro de poucos dias, a directoria do Internato mandou-a chamar à sua presença.
Heloísa temeu que o Sr. de Bruzier lhe houvesse transmitido algo da conversação que tiveram no velho parque do colégio
O aspecto da venerável educadora era grave e enigmático.
Heloísa osculou-lhe as mãos, respeitosamente.
— Minha filha — disse a superiora do Instituto,
abraçando-a —, estou incumbida por teu ilustre pai de dar-te uma notícia que deverás receber com calma e resignação Tua mãe está seriamente enferma e deseja a tua companhia.
Prepara-te, pois, para regressares ao Castelo de Argemont.
Espera-te aí um emissário do Sr. Conde.
Confia na protecção celestial; talvez já encontres em condições lisonjeiras a querida enferma.
Vamos orar por ti e por ela.
Indizível emoção abalou a alma sensível da colegial, como se naqueles momentos se desencadeasse em seu imo violento vendaval, prenúncio de iminente procela.
Tornou-se de uma palidez de Carrara.
Soluçou por instantes, abraçada à velha mestra.
— Coragem, Heloísa — continuou a religiosa.
Não sabes que a vontade do Criador deve superar a nossa e ser acolhida com serenidade e humildade?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Abr 10, 2018 10:26 am

Heloísa, após alguns preparativos para a viagem, pediu-lhe permissão para orar — quiçá pela última vez — na capela consagrada à Senhora da Amargura.
Rezou, súplice, fitando lacrimosa a imagem daquela que, farpeada pelas iniquidades humanas, tivera o magnânimo coração dilacerado pelo gládio dos mais ríspido padecimentos.
Nunca lhe pareceu tão bela e merencória a Virgem de Nazaré, tão patente o seu pesar, com a nívea destra sobre o seio esfacelado e olhos piedosos alçados ao firmamento, ao qual consagrava as suas angústias, coração à mostra qual rubra rosa entreaberta, e trespassado pela adaga do sofrimento que macerou a mais terna e mais sensível de todas as Mães, a mais humilde das servas do Senhor dos Mundos...
Uma filigrana diamantina a ligava naquele instante à olorosa efígie, que, no cimo do altar, se tomara vivida, luminosa, como prestes a descer do trono florido para estreitá-la ao seio, aliando os corações e angústias num amplexo maternal.
Uma brusca antevisão de sucessos provindouros fê-la estremecer e conjecturar que, em futuro não remoto, tanto quanto aquela extremosa Genitora, haveria de sentir o íntimo prisioneiro golpeado pelo gume da Dor e da Saudade...
Pareceu-lhe que a piedosa Senhora também pranteava e lhe estendia amorosamente os braços.
— Mãe desvelada! — disse à surdina, comovida e fervorosa — não me desampareis, nunca, no pélago da vida terrena!
Inspirai sempre nobres sentimentos à serva imperfeita que vos quer imitar na resignação, na pureza e na bondade!
Protegei-me, Senhora, para que jamais transgrida os decretos divinos, para que seja submissa às determinações do Alto!
Permiti, Mãe compassiva, encontre minha mãe aliviada em seus sofrimentos e que possa continuar guiando-me os passos como o fizestes, na infância do vosso boníssimo e glorioso Filho!
Vós, no Céu; ela, na Terra — ambas estrelas fulgurantes de carinho e dedicação — haveis de espancar a treva das culpas e guiar-me às paragens azuis onde se incrustam os astros!
Um lenitivo dulcificante fluiu-lhe no agoniado peito, à semelhança de ondas balsâmicas baixadas na amplidão cerúlea, prodigalizando-lhe serenidade inefável.
Ergueu-se pacífica e foi aprestar-se para a partida.
Abraçou afectuosamente professores e condiscípulas, não se esquecendo dos fâmulos, com os quais repartiu diversas dádivas.
O Sr. Henrique de Bruzier, merencório e pálido estava presente e não pronunciou palavra até ao momento de lhe oscular a destra.
— Minha filha — disse então, sensibilizado, apertando-a nos braços, olhos turvos de lágrimas —, lembrar-me-ei de ti, sempre, nas minhas súplicas a Jesus.
Aconselho-te paternalmente a não profundares os mistérios da existência, nem os da religião que professamos... se não queres envelhecer na juventude, cobrir de neve a fronte e o coração!
— Mas — objectou ela com vivacidade — quem pode sustar o curso maravilhoso do pensamento?
Acaso podemos paralisar a torrente do Volga com um galho de roseira ou com a concha da mão? Impossível!
— Heloísa, disseste uma verdade — o pensamento é indomável, bem o sei.
Tens uma inteligência invulgar, mas, o que te aconselho é não cogitares de problemas
impróprios da tua idade.
Não os queiras perscrutar
para que te não atormentes em vão na quadra mais ridente da vida e não envenenes as alegrias mais puras que possas nela fruir...
Deus te abençoe e ilumine a consciência para nunca te transviares do caminho árido do Dever e da Virtude.
Adeus! Tens em mim, sempre, um amigo desvelado.
Lembra-te do velho amigo nos instantes de infortúnio, como os têm todos os que peregrinam neste miserando orbe...
— .. .e ninguém os terá tão acerbos quanto eu! — concluiu a jovem profeticamente, soluçando...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Ter Abr 10, 2018 10:26 am

CAPÍTULO VI
O retorno ao lar, sempre festivo, foi, então, para Heloísa, infinitamente penoso.
Lúgubres presságios a mortificavam e flagelavam.
Decorridos dois dias de jornada, chegou, à noite, ao solar de Argemont, de aspecto medieval, erecto no declive de uma colina.
Encontrou a estremecida genitora já em estado de coma.
A condessa fora inesperadamente acometida de gravíssima afecção cardíaca.
Não chegou a reconhecer a filha adorada e faleceu ao alvorecer de um dia nebuloso.
O pesar da moça orfanada foi, por muitos dias, intenso e inaudito.
Teve a impressão de que, até então, a vida não passara de sonho fagueiro, sem apreensões dolorosas, cheia de conforto e carinho e que, repentinamente, houvera em seu íntimo o despertar de faculdades desconhecidas, apurando-lhe e avivando-lhe a emotividade.
. Pareceu-lhe que deixara de ser infantil para avantajar-se na idade, chamada ao palco da existência para desempenhar o drama do seu destino.
Pouco a pouco, porém, o sofrimento moral foi decrescendo, abrandando, mas a fisionomia, em todo o transcurso da vida, tomara-se-lhe grave e merencória.
0 solar imerso em tumular silêncio, apavorava-a, como se estivesse vivendo em catacumba romana.
Rememorava os anos da primeira infância, as coisas maternais e experimentava remorsos de não haver sido mais expansiva nas suas demonstrações de ternura para com a extinta, lamentando o tempo que ficara longe dos seus afagos, só a revendo durante as passageiras férias.
Compreendeu, então, que maior teria sido o sacrifício da condessa, isolada no lar, esperando com ansiedade a conclusão dos seus estudos, que não chegara a ver, ferida pela invencível Átropos.
Teve desejos de retornar ao Internato, para fugir ao castelo sombrio, enlutado, onde se passara o primeiro ato fúnebre da sua existência.
O Conde de Argemont, mergulhado em mágoa inexprimível, só lhe aparecia nas horas da refeição e tratava-a com fria reserva.
Um dia, foi procurá-lo ao gabinete de leitura.
Era um fidalgo pálido e esguio, de traços fisionómicos bem delineados, revelando serenidade espiritual, austeridade, nobreza de sentimentos, profundos assim como os da filha.
Trajando vestes negras, era mais pronunciada a sua palidez de alabastro.
Quando Heloísa lhe expôs a sua pretensão, fitou-a longamente e respondeu com incontida amargura, surpresa e censura:
— Queres, então, deixar-me abandonado neste solar onde experimentei o mais tremendo golpe desta existência?
Não compreendes que, com o passamento da nossa adorada Cláudia, tens novos deveres a cumprir e não te deves ausentar de Argemont?
É assim que compartilhas do meu inconsolável infortúnio?
— Perdoai-me, querido pai, o ter concebido um projecto que vos magoa; não menosprezo a vossa dor, tão viva quanto a minha, mas esta casa silenciosa, sem as carícias de minha mãe, afigura-se-me um claustro, ou antes um cárcere...
As recordações da morta adorada torturam-me impiedosamente, abalam-me a saúde e tenho a Impressão de estar condenada a eterno degredo!
— Compreendo o que se passa contigo, Heloísa.
És criança e não te habituaste ainda, como os velhos, ao consolo da solidão e da sombra... onde se rememoram as perdidas venturas!
Crê, porém, que o meu pesar supera muito o teu, em veemência...
— Porque assim o julgas, meu pai?
— Porquê? Porque sofres pela vez primeira o golpe da adversidade, na quadra florida da existência, em que as lágrimas não deixam sulcos nas faces de rosa, tendo a dourar-te a alma todas as ilusões da juventude!...
Aos dezassete anos as desventuras não se aprofundam, não têm raízes inabaláveis no coração — duram tanto como os goivos e as saudades dos jardins primaveris...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Abr 11, 2018 10:46 am

Aos sessenta, depois de meio século de lutas, elas se alojam no âmago do peito, quais seixos arremessados ao fundo de uma cisterna insondável... e jamais dai se retiram!
Padeces no alvorecer, eu no crepúsculo de uma existência.
Nossas dores são, pois, bem diversas.
A tua se desvanecerá ao primeiro sorriso da Esperança, a minha me acompanhará ao túmulo. Vestes um luto momentâneo, eu, por todo o resto da vida.
Percebes, agora, a diversidade dos nossos dissabores?
— Tendes razão, pai — sussurrou comovida até às lágrimas.
Perdoai-me. Não sou egoísta.
Não vos devo abandonar em momentos tão angustiosos, pois, se o fizesse depois que me abristes o coração magoado, seria presa de infindo remorso!
Esquecei o que vos pedi, parecendo indiferente aos vossos padecimentos.
Não suponhais, porém, que eu sinta e raciocine como criança ingénua e inexperiente.
Não, querido pai. Com a alma abalada pelo primeiro, mas intenso pesar, julgo haver despertado de um sonho milenário e ultrapassado a vossa idade...
Sinto, no espírito, o peso dos séculos...
Tenho a sensação de que já vivi muito e que hei-de sofrer extraordinariamente no decurso desta romagem terrena.
Não me trateis, pois, doravante, como se eu fora uma donzela leviana e, sim, como desvelada consócia da vossa dor, que já estivesse com os cabelos encanecendo!
O venerável conde, com os olhos turvos de pranto, fitou-a surpreso:
era bem a descendente dos heróicos Argemont que lhe falava!
Havia no seu aspecto tanta dignidade, tanta convicção naquelas afirmativas, que ele desde logo fez outro conceito da filha amada.
Deixou de ser cândida e inesperta criança — apenas preocupada com os deveres escolares — para tornar-se a solícita companheira de suas amarguras, a confidente das suas apreensões, a confidente dos seus pensamentos e recordações da mocidade!
Houve, naquela hora, o conúbio sagrado, o encontro de duas almas nobres que, embora estivessem sob o mesmo tecto, se desconheciam quase, até então.
Uma afinidade ilimitada estreitou-lhes os espíritos por todo o sempre, confortando-os, suavizando-lhes os mais íntimos dissabores.
Tornaram-se quase inseparáveis.
Ficavam, desde o entardecer, no alpendre marmóreo do solar, permutando ideias, relembrando o passado e a bondade da querida morta.
O ancião admirou, por sua vez, maravilhado, o talento lúcido de Heloísa, que expendia argumentos irrespondíveis sobre a religião que professavam, e dissertava, com facilidade e eloquência, sobre artes e ciências.
Decorridos dois anos do passamento da condessa, o conde lhe disse certo dia:
— Heloísa, pretendo convidar alguns amigos e suas famílias para que sejas apresentada à nossa sociedade.
— Oh! meu pai — obtemperou surpresa —, essa inesperada resolução envolve qualquer projecto que me não quereis revelar...
— És muito perspicaz, Heloísa — volveu ele sorrindo —, e vejo que te não posso ocultar nenhum pensamento...
Vou desvendar o segredo paterno:
sinto-me enfermo e receio deixar-te enclausurada neste castelo, sem parentes próximos nem amigos desinteressados...
Desejo, pois, que traves conhecimento com os mais sensatos jovens para, se algum te agradar, aprazar-te o consórcio
— Agradeço-vos os ternos cuidados.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Abr 11, 2018 10:46 am

Não sei, porém, definir o que se passa em meu ser — estou convicta de que me hei-de casar, mas, para ser grandemente desventurada...
Temo, pois, aliar-me a alguém, sem conhecer Intimamente o carácter do meu companheiro de jornada terrena...
— Justíssimos receios, filha querida, mas confio no teu critério para não escolheres levianamente um marido, levada pelo físico ou pela opulência, unicamente...
Algum fidalgo pelo nascimento e valdevinos pelo proceder.
Possuímos sólida fortuna e poderás eleger qualquer rapaz de acordo com a tua inclinação espiritual, impulsionada por seus predicados morais e intelectuais, mesmo que não seja de alta estirpe.
Valorizo mais a nobreza da alma que a de casta. Para mim a moral supera o brasão...
— Obrigada, meu pai, pelo que vos acabo de ouvir.
Sois, na verdade, mais nobre do que eu supunha.
Nossas ideias se coadunam plenamente.
Só o orgulho e a bazófia podem cegar os que não têm recta e esclarecida consciência, para prestigiar mais a raça que o mérito individual.
Não é o berço que valoriza a criatura, mas a virtude, ou a inteligência aliada ao mérito individual.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Abr 11, 2018 10:46 am

CAPITULO VII
A reunião no solar de Argemont foi pouco ruidosa, mas selecta.
Congregaram-se em seus salões, artística e sobriamente ornamentados, famílias de fidalgos normandos, de diplomatas e intelectuais.
Havia, entre os convivas, um castelão de Arras, que, apresentado à filha do austero Conde de Argemont, logo lhe notara a formosura e talentos peregrinos.
Chamava-se Gastão Dusmenil.
Era de estatura mediana, fronte ampla, cabelos louro-castanhos.
Cursara uma das academias francesas.
Era versado em literatura e ciências exactas, já havia realizado longas viagens através do continente asiático.
Heloísa sentiu-se, desde que o viu, intensamente comovida.
Durante as horas de convívio, naquela noite inolvidável para ambos, ele palestrou sobre a índia, que havia percorrido recentemente.
Mostrava-se severo no julgamento da sociedade contemporânea, verberando a nulidade e a frivolidade da maioria das donzelas e dos jovens dos países mais cultos, que se não consagravam a uma arte, a uma profissão, sem alvo na vida que se tornava, por isso, enfadonha quanto inútil.
Poucos dias após a recepção do Solar de Argemont, Dusmenil apresentava-se novamente ao venerável conde.
Conversaram intimamente num dos varandins da pétrea habitação, na presença de Heloísa que, por vezes, fazia judiciosas ponderações.
— Sr. Conde de Argemont — falou Gastão no curso da palestra —, tenho peregrinado por quase todas as regiões europeias e asiáticas, pois só me falta conhecer a Sibéria e o Japão — e nunca me deixei fascinar por qualquer beldade feminina, porque, em geral, a mulher é frívola e banal.
Parece exclusivamente empenhada em conquistar marido ou amante, pelos encantos físicos, pela tafulice, pelos adornos excessivos, esquecendo-se de que a moral, a educação e o senso é que forjam os vínculos indestrutíveis e prendem suavemente os corações, talvez por todo o sempre!
As jovens de sentimentos elevados não devem querer imitar as mundanas e odaliscas, a conquistar adoradores apenas pela plástica helénica, pois, às vezes, inspiram paixões violentas, mas efémeras, porque arrefecem subitamente e não fazem a ventura dos lares honestos.
Os homens não devem aspirar a mães, consortes ou irmãs formosas e, sim, a puras e dignas, das quais possam oscular a fronte com santo orgulho, sem corarem quanto ao seu proceder...
— De acordo, Dr. Dusmenil — retrucou de Argemont —, e felicito-vos por assim pensardes, apesar da vossa pouca idade.
Conheci, na Terra, a ventura integral, neste particular, pois liguei meu destino a uma das mais dignas e belas criaturas que hei visto...
Esses exemplares, porém, não são comuns...
— Mas existem, felizmente! — tornou o castelão de Arras, fixando intencionalmente Heloísa, que se tornou rubra e disse:
— Não discordo do que expusestes, Dr. Dusmenil, pois revelais sentimentos nobilíssimos, mas haveis de convir que o homem, geralmente, é que valoriza mais a beleza física do que a virtude.
Tendo de escolher companheira para o transcurso de uma existência, entre uma Vénus frívola, contemporânea, e uma Cornélia sensata, mas, sem atractivos plásticos, preferirá a primeira.
Quantos homens há que renegam o lar honesto, onde ficam inconsoláveis esposa e filhinhos carinhosos, para buscarem os antros dourados onde doudejam as flores do vício, do mal, da sedução...
— Tendes razão, senhorita, e muito folgo por emitirdes ideias que revelam apreço à virtude e à justiça.
O crime moral a que vos referis devia ser punido pelas leis sociais e, certamente, os códigos futuros dele hão-de cuidar.
Quem sabe ainda conseguirei objectivar meu ideal, aliar meu destino ao de uma jovem que reúna a perfeição física e a espiritual?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Abr 11, 2018 10:47 am

Envidarei, então, todos os meus esforços por torná-la venturosa, mas exigirei não transgrida nenhum dos seus deveres morais.
Pretendo, ainda, prosseguir nas minhas excursões através do Novo Mundo e desejo que, na minha ausência, a esposa me seja absolutamente fiel, digna da consideração de meus amigos, servos e conhecidos.
Eu encontro atenuantes para muitos delitos humanos — menos para a perfídia.
E quase sempre a mulher bela e admirada é vaidosa, perjura, timbrando em ser amada por muitos homens, para causar inveja às amigas... das quais não relutam em roubar os maridos e a ventura, e em conspurcar o nome dos esposos e dos filhos...
Alguém pode apunhalar outrem — compelido pelo ciúme, pelo ódio, ou pela vindicta que turbam os sentidos; pode ser bandido, levado pela penúria ou pela impiedade humana, mas os traidores não têm dirimente:
ludibriam e pungem, sempre, a quem lhes consagra afecto às vezes profundo; esfacelam corações dedicados, com premeditação.
A perfídia, pois, para mim é o delito máximo, a superlativa afronta aos sentimentos dignificadores, o crime imperdoável.
O cônjuge infiel é o assassino moral que fere inocentes e fica impune perante os códigos penais, que só cogitam de fidelidade devida ao rei e à pátria, esquecendo a que deve ser tributada à família, que não merece menos a nossa veneração.
É o ladrão da alheia e da própria honra.
É o Iscariote abjecto, execrando, que não tem a precisa coragem para pôr termo à própria vida, com o baraço ao pescoço, continuando a vilipendiar a sociedade com a sua presença abominável.
É o destruidor da esperança, da ventura e da honra dos lares.
Não achais que penso bem, senhorita?
— Sim! — respondeu ela com veemência.
Não encontro justificativa para o ludíbrio praticado por noivos, casados ou amigos, que se tornam monstros sociais e deviam ser punidos severamente por magistrados Incorruptos!
Heloísa, assim dizendo, entristeceu-se bruscamente:
recordara-se do sonho retrospectivo em que se vira acusada de vil perfídia ao formoso Marcos, cujo coração vira lacerado de dor...
Pouco tempo depois desse amistoso colóquio, realizaram na capela do Solar de Argemont os auspiciosos esponsais de Heloísa e G as tão Dusmenil.
O conde, valetudinário e melancólico, não suportando a separação da filha adorada, solicitara ao casal a permanência no solar, pois temia que a morte o surpreendesse longe dos desvelos filiais.
Dois anos ali permaneceram, serenamente, enlevados e ditosos, Gastão e a bela consorte.
Já então lhes nascera um menino de formosura angélica mas de compleição delicadíssima, de saúde extremamente alterável.
Os jovens genitores viviam em constante inquietação.
René, assim se chamava o primogénito, era níveo e louro, de olhos de água-marinha parecendo translúcidos; traços de pureza que lembravam efígies de alabastro-róseo, plasmados por um Fídias celeste.
Certa feita, Dusmenil encontrou a esposa ajoelhada junto ao berço de René adormecido.
Ela sorriu, mas tinha os olhos nevoados de pranto.
— Que tens? — interrogou o marido com ternura.
— Não vês? Estou velando pelo meu Paraíso e meu Calvário...
— Quisera ser Rembrandt ou Murilo para pintar uma tela imortal — Esperança e temor — inspirada por ti, neste momento...
Porque me não fiz artista?
Quanto o sinto agora!
A enfermidade do Sr. de Argemont agravou-se subitamente no inverno daquele ano.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Qua Abr 11, 2018 10:47 am

Pressentindo a partida iminente, ele falou à lacrimosa e querida filha:
— Morro tranquilo, Heloísa, pois deixo-te casada com um perfeito cavalheiro, carácter irrepreensível, bondoso e solícito.
— Também o creio, meu pai — retrucou Heloísa —, posso, ao presente, considerar-me plenamente venturosa como esposa.
Ninguém sabe, porém, o que me sucederá no futuro...
Vossa afeição, santa e profunda, é-me sempre inestimável e imprescindível!
Por isso, se partirdes agora, como pensais, deixareis um vácuo infinito em minhalma!
Não sei que triste pressentimento me amargura a felicidade actual...
Cuido que, tempo virá, muito hei-de lamentar a ausência do meu incomparável Pai, meu insubstituível Amigo!
Se é que Deus vai levar-vos agora (com que dor o digo!), para as mansões ditosas onde encontrareis vossa digna companheira, não deixeis, nunca, de velar por mim!
— Desvanece esses lúgubres pensamentos, Heloísa!
Gastão adora-te e já tens um vínculo de luz a prendê-lo ao lar, que será de paz e ventura, como o mereceis...
— Deus vos ouça, querido pai!
Uma noite, suavemente desprendeu-se a alma do bondoso fidalgo — que o era nas virtudes e na magnanimidade — da matéria já impotente para prendê-lo à Terra, qual o casulo abandonado pela falena quando lhe nascem as asas de gaze cambiantes...
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 80450
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: REDENÇÃO - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 7 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum