Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Página 1 de 5 1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Ir em baixo

Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Abr 27, 2018 9:26 am

Na Seara Bendita
Zilda Gama

Victor Hugo (ESPÍRITO)

Prefácio de Francisco Klõrs Werneck

Procedente de uma das maiores, melhores e ilustres famílias do Brasil, que teve origem no então tenente de Cavalaria Leonel da Gama, Bellens, natural, de Campo Maior, província do Alentejo, Portugal, que, em 3-5-1690, casou com D. Maria Josefa Correia, na antiga povoação portuguesa de Colónia do Sacramento, depois território da República Oriental do Uruguai, com grande geração principalmente no Estado de Minas Gerais, como os Almeida da Gama, ramo de que saiu José Basílio da Gama, autor de ‘'Uruguai', o poema mais notável do Brasil-colónia; os Nogueira da Gama, descendentes do visconde de Baependi; e os da Gama Cerqueira, que deu um presidente ao Estado mineiro, nasceu Zilda Gama, em 11-3-1878, em Três Ilhas, município de Juiz de Fora, filha do legítimo matrimónio de Augusto Cristino da Gama, nascido em Oliveira, Estado de Minas, de pais mineiros, e de sua prima Elisa Emília Klors, nascida em Vassouras, Estado do Rio, de pai alemão e de mãe mineira de São João del-Rei, lado este pelo qual seus pais eram parentes.
Coube ao feliz Estado de Minas Gerais a sublime glória de ser o berço dos três maiores médiuns brasileiros:
Zilda Gama, de Juiz de Fora; Francisco Cândido Xavier, de Pedro Leopoldo, e Yvonne Amaral Pereira, de Lavras, pela ordem em que se projectaram no cenário espírita com as suas lindas produções literárias em prosa e verso.
E Zilda Gama foi, incontestavelmente a precursora e aos seus romances mediúnicos se deve apreciável adesão ao Espiritismo.
Sua vida familiar foi, na verdade, um drama.
Em 1901, ano em que faleceu a sua irmã mais velha, Maria Antonieta Gama, a poetisa conhecida pelo pseudónimo de Marieta, assumiu Zilda Gama a progenitura e chefia da família por morte de seus pais, ocorrida no ano seguinte com o espaço de apenas quatro meses.
Tendo somente estudado com a sua progenitora, matriculou-se na Escola Normal de são João del-Rei e um ano e quatro meses após diplomava-se e começava a exercer o magistério público no município do Além-Paraíba, no mesmo Estado natal, época em que se verificou o falecimento daqueles entes queridos.
Depois de ter obtido duas promoções por inegável merecimento, assumiu a direcção dos grupos escolares além-paraibanos “Castelo Branco” e “Sales Marques”, por diversas vezes.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Abr 27, 2018 9:26 am

PREFÁCIO
O Destino, porém, lhe reservara duas provas para lhe dar maior merecimento na vida espiritual, provas que ela soube vencer com galhardia e conquistar, como conquistou, a admiração e o louvor unânime de todos com os quais convivia.
Uma, quando seu noivo, prestes a consorciar-se com ela, depois de um noivado demorado, apaixonou-se e casou-se com outra, para ser infeliz, e outra, quando faleceu a sua querida irmã Adélia Maria, enchendo o seu modesto lar com cinco criancinhas sequiosas de carinhos e de amor e que se tornaram o principal alvo de sua vida de muitas lutas e sofrimentos.
Como os adversários do Espiritismo costumam dizer o pior dos médiuns, cumpridores de vontades divinas, e Zilda nunca buscou a mediunidade, veremos pouco mais adiante, chegando a ser rudemente atacada por um sacerdote que se esqueceu do “Amai-vos uns aos outros”, menciono Que, cm 1929, tendo a Secretaria de Educação do Estado de Minas Gerais promovido um concurso intitulado “Aulas-Modelo”, sendo seu dirigente o Dr. Francisco Luís da Silva Campos, ex-ministro da Justiça e Negócios Interiores, obteve Zilda Gama o 1.° lugar na classificação oficial e foi inscrita na Escola de Aperfeiçoamento de Belo Horizonte, onde concluiu o curso em 6-12-1929.
Posteriormente voltou a exercer o magistério primário no Grupo Escolar “Afonso Pena”, da capital mineira, até o ano de 1938, quando foi jubilada.
Vamos ouvi-la agora contar como se deu o surto de sua mediunidade, tal como está narrado no Prelúdio do “Diário dos Invisíveis”, colectânea de mensagens mediúnicas publicada pela Empresa Editora “O Pensamento”, de São Paulo, e me relatou pessoalmente em nossa antiga residência em Niterói, minha cidade natal.
Quando ainda se considerava adepta do Catolicismo, embora já tivesse ouvido falar em Espiritismo, teve ocasião de ser apresentada, em uma obscura vila mineira, ao Dr. Cunha Sales (Roberto Sénior), que era médico e músico, com menção apenas do nome de seu progenitor.
Achava-se ela perto do piano que o Dr. Cunha Sales tocava com maestria, quando este lhe perguntou se era espírita, respondendo negativamente.
Ele deu um riso algo irónico e, encarando-a demoradamente, lhe disse assim:
“A Sra. não só é espírita, como, mais tarde, será uma grande propagandista da Doutrina, pois publicará livros que justificarão esta profecia”, profecia que Zilda Gama guardou de memória, embora a considerasse um tanto impossível.
Mais tarde, em Além-Paraíba, recebia ela, em 27-12- 1912, a primeira mensagem que lhe foi ditada pelo espírito de Allan Kardec, que lhe disse assim:
“Sobre a tua fronte está suspenso um raio luminoso que te guiará através de todas as dificuldades, de todos os obstáculos, e será a tua glória ou a tua condenação, conforme o desempenho que deres aos teus encargos psíquicos.
Cinge-te de coragem, fé, benevolência, cumpre, sem desfalecimentos e sem deslizes, todos os teus deveres sociais e divinos e conseguirás ser triunfante!”
Os livros que iria publicar, ou melhor, os romances que escreveria mediunicamente e mais tarde a Federação Espírita Brasileira, a única editora espírita da época, publicaria, em várias edições, aí estão, ao alcance do público ledor:
— Na Sombra e na Luz
— Do Calvário ao Infinito
— Redenção
— Dor Suprema
— Almas Crucificadas e mais este, em 2.ª edição, da Livraria Allan Kardec Editora:
— No solar de Apoio além de:
— Diário dos Invisíveis
— Elegias Douradas (poesia)
Como se poderá dizer que, sendo Zilda Gama uma professora, os seus romances mediúnicos seriam produtos de seu cérebro, observo, desde já, que exercendo o magistério público e particular, das 7 às 20 horas, e ainda cuidando, primeiramente, de suas irmãs e, mais tarde, de cinco filhos órfãos de uma delas, pouco ou nenhum tempo lhe restaria para arquitectar enredos e lançá-los no papel.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Abr 27, 2018 9:26 am

E ainda acrescento isto:
quem atendia à enorme correspondência que lhe era dirigida, diariamente, por tanta gente procurando conforto para os seus males físicos, morais e espirituais?
E acrescento mais ainda. Zilda Gama o fazia com enorme sacrifício, sacrificando as poucas horas que tinha para descansar de suas fainas domésticas, escolares e mediúnicas.
E coisa que pouca gente sabe, mas eu, como seu primo-irmão materno e primo ainda duas vezes mais, posso mencionar:
Zilda Gama tirava do seu parco ordenado de professora primária, dinheiro que lhe faltava para muitas coisinhas de casa e o gastava em papel, envelope e selos, para atender a pedidos de toda a sorte.
E muitas vezes contemplava, aflita, a correspondência de resposta, que se avolumava, sem poder postá-la, até que um ser caridoso fazia um pedido e lhe enviava vários selos, e assim seguia a correspondência encalhada...
Zilda Gama, e muitos a conheceram assim em Belo Horizonte, foi e é um padrão de honra e honestidade para a mulher espírita, e eu não preciso dizer que o Espiritismo de Minas Gerais, o grande Estado central que ela grandemente amou e enalteceu, está a lhe dever algo que lhe perpetue o nome, embora ela nem pense nisto.
Dever cumprido!!!
Agora duas palavras sobre este romance e o porquê da demora em ser publicado.
Zilda Gama, alma carinhosa por excelência, ofereceu a um confrade de São Paulo, que queria editar um romance mediúnico seu, os originais de “Na Seara Bendita”, mas quando o livro já se achava em composição, o referido confrade faleceu e originais e provas permaneceram na tipografia até que, por certa circunstância, foram achados e entregues a um irmão meu, residente na capital paulista.
Ele foi acabado de receber a 27-12-1951, isto é, há 13 anos e meio, quando Zilda Gama já estava com 73 anos de idade e era uma médium já cansada e que já sintonizava com dificuldade.
Estava-se em 1951, repito.
Antes de terminar, quero pedir a benévola atenção de meu paciente leitor para este trecho do capítulo V da Parte I do livro:
“A criatura humana, mais tarde, fará estudos profundos sobre o que ocorre no Espaço, terá aparelhos maravilhosos que encurtarão as distâncias, transmitirão as imagens e sons através do Espaço e haverá possibilidade de haver relações fraternas entre os habitantes da Terra com os de diversos orbes siderais.”
Ora, este vaticínio foi feito há 14 anos atrás e parece-me que, em 1951, ainda não tínhamos aparelhos maravilhosos que encurtariam as distâncias (os aviões a jacto e supersónicos), os aparelhos maravilhosos que transmitiriam as imagens e os sons através do Espaço (os satélites artificiais) e a possibilidade de relações entre a Terra e os outros mundos, o que se tenta agora por meio de naves espaciais.
E no capítulo II da II Parte:
“... Conjecturo que este planeta, em que nos achamos presentemente, seja uma habitação mista de diversas raças que demonstram as diferenças existentes em outros orbes esparsos pelo universo.
Há neste vasto globo terrestre, evidentemente, várias raças que demonstram a diversidade dos mundos de onde provieram.
É, pois, a Terra um núcleo de povos de diferentes procedências planetárias, manifestando os conhecimentos adquiridos nos orbes de onde foram exiladas para cá.
Quem sabe, meu amigo, não seja a Terra eternamente um planeta misto onde as raças se congregam para a futura fraternidade, mas, como julgo que jamais cessará o nascimento de seres humanos em número infinito de mundos esparsos pelo universo, este planeta seja, por todos os séculos, assim dividido por diferentes raças, com grande diversidade de progresso material e espiritual e, assim desse modo, nunca haverá uma só raça e todos os seres pensantes com o mesmo grau de conhecimentos, intelectuais ou espirituais.”
Talvez que o personagem deste romance, que assim fala, tenha plena razão.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Abr 27, 2018 9:26 am

Em nosso grande entusiasmo doutrinário, parece que não consideramos todos os povos da Terra isoladamente.
Há ainda nele povos na mais baixa escala de evolução humana e mesmo na ultra-civilizada Espanha há gerações e mais gerações que vivem em cavernas cavadas nas rochas.
Quem viu recentemente o filme documentário intitulado “Mundo-Cão” verificará que tal é verdade.
Infelizmente parece que somos ainda bem poucos a nos beneficiarmos das luzes espirituais, levando-se em conta que o Espiritismo veio provar a sobrevivência da alma, cientificamente, e é combatido justamente pelas religiões ditas espiritualistas.
Leve-se em conta os que continuam “a vencer na vida” são os materialistas, os falsos religiosos, os desonestos, os vaidosos, os egoístas, etc., ao passo que os honestos, os modestos, os humildes, etc. vivem em constantes lutas e sofrimentos.
Quase tudo que há na Terra de grande e nobre é obra principalmente dos pequenos e pobres, mas grandes e ricos na Fé.
E que dizer das obras espíritas de beneficência, todas elas produtos de enorme força de vontade, nascida do desejo apreciável de servir o próximo?
As melhores provas delas estão nas estatísticas oficiais:
apesar de ser ainda pequena a percentagem dos espíritas brasileiros, em certos sectores da assistência social apresentam regular vantagem sobre as obras sociais de outras religiões.
E acerca do imortal Victor Hugo, preciso dizer alguma coisa?
Penso que não, porque todos sabem quem foi o autor de “Os Miseráveis” e outras jóias da literatura francesa, este homem rico e nobre, que, ao desencarnar em 22-5-1885, determinava em seu testamento:
“Deixo 50.000 francos aos pobres.
Desejo que me levem ao cemitério na carreta dos pobres.
Recuso as orações de todas as igrejas. Creio em Deus.”
Zilda Gama completou há dias 87 anos de idade e o Destino marcou dois seres para zelar pelos seus últimos dias de peregrinação terrena, ambos com nomes bem significativos:
sua irmã Maria Dolores Gama e seu sobrinho e filho de criação Mário Ângelo de Pinho, ambos dedicados e incansáveis.

Rio de Janeiro, 28-3-1965
Francisco Klórs Werneck
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Abr 27, 2018 9:27 am

I PARTE - AS LUTAS PLANETÁRIAS

1 DIANA

O pensamento humano, divino propulsor da alma às paragens siderais antes desta desprender-se do envoltório material, vai, mais uma vez ressuscitar o que ocorreu, há mais de um século, em um castelo feudal no solo da magnânima França.
Em um remanso de paz externa, às vezes turbada por lutas fratricidas, vivia um casal de elevada estirpe com uma encantadora filha.
Eram eles Rogério Benoit, conde de Debret, sua esposa Genoveva e Diana, a filha, cujo belo nome dera à principesca residência o título de Solar de Diana.
Na época a que nos reportamos, os senhores da sumptuosa mansão estavam em notável prosperidade.
Edificada no cimo de elevada colina, fora construída não muito distante do estreito de Calais, ora em plena paz, ora em agitação bélica.
Quando a heróica França se achava em tranquilidade, a vida transcorria ali em harmonia, sem incidentes lamentáveis, excepto os decorrentes dos impulsos violentos do titular que a dominava.
Genoveva, a esposa do arbitrário conde, era de origem belga, boa e bonita, demonstrando sempre esmerada educação moral e intelectual e fazendo ingentes esforços para suportar as violências que cometia o seu famoso companheiro de existência terrena.
Transcorria então o ano de 1860 e a França era ainda agitada por questões partidárias, surgindo por vezes lamentáveis perturbações de ordem pública que afectavam os próprios lares afastados da convivência social.
O conde de Debret e a sua família, que residiam no solar de Diana, passavam parte em Boulogne e, por vezes, tiveram de buscar outro refúgio por motivo de agitações políticas.
Estava-se então em paz, e a família pode permanecer alguns anos no solar, não longe da cidade de Lille.
A jovem filha dos condes estava sendo educada, no próprio lar, pelos sr. e sra. Delavigne, que lhe ensinavam diversas matérias, bem como música, dança, desenho, modelagem e trabalhos manuais, sendo que o prof. Delavigne já havia leccionado em vários e conhecidos institutos de ensino secundário.
Raramente os eméritos educadores e seu filho Leonel afastavam-se do solar de Diana, pois a jovem se sentia isolada e triste porque seu progenitor era insociável e violento e sua mãe vivia reclusa em algum aposento do formoso castelo que lhe pertencia por lei social, mas do qual se sentia por vezes, julgando-se ínfima serviçal.
Várias vezes, durante o ano que transcorria morosamente, passava alguns dias no Solar o único filho do casal Delavigne, Leonel, que, apesar de já estar cursando um estabelecimento de ensino secundário, ficava enlevado com a aluna de seus pais, possuidora que era de notável inteligência.
Os dois moços que, por muitas vezes, assistiam às proveitosas lições de seus educadores, tiveram oportunidade de transmitir seus pensamentos, mutuamente, entre seus corações.
Quando o conde percebeu a recíproca afeição que brotara na alma de sua filha e na do jovem académico, sentiu-se revoltado, pois não consentiria em uma provável aliança entre ambos pela desigualdade de fortuna existente nas duas famílias.
Chamou ele a filha, em seu gabinete de potentado, ao entardecer de um dia primaveril e, com voz alterada pela cólera, disse à jovem:
— Desejo conversar contigo, seriamente!
— Que é que tendes a transmitir-me, meu pai? — perguntou-lhe a filha, com brandura.
— Trata-se de uma questão de magna importância para todos nós, os donos deste castelo.
Tens de concordar comigo para que se restabeleça a paz em nossa família!
— Estou atenta às vossas observações! — exclamou Diana, empalidecendo.
— Eu já notei, Diana, que ultimamente tens estado inclinada para o filho de teus professores e isto me tem preocupado muito, pois, de modo algum, poderei consentir em um casamento tão desigual!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Abr 27, 2018 9:27 am

Sou um nobre e não é possível que a minha única descendente se alie a um ser humano desprovido de fortuna, de títulos nobiliárquicos e que seja de família tão humilde.
— Será a humildade um crime previsto pelas leis sociais? — interpelou-o Diana, sorrindo, mas com os olhos marejados de lágrimas.
Não é melhor ser pobre e honrado do que nobre e rico por meio de rapinagem ou de extorsão de ouro alheio?
— Diana! Diana!
Quem é que te sugeriu os pensamentos que ora externas?
— vociferou o castelão.
— Ninguém, meu pais, pois já tenho 18 anos de idade.
Reflicto sobre os problemas humanos e sociais e tenho observado muitas vezes injustiças neste planeta que habitamos.
Eu, de acordo com a minha consciência, só diferencio as criaturas humanas pelo carácter, pelos sentimentos bons ou maus, pelo cultivo da inteligência... e não pelos tesouros acumulados!
Que cabedais possuía Jesus, o Enviado Divino, bem como Cristóvão Colombo, Pedro Alvares Cabral e outras celebridades, desprovidas completamente de ouro a não ser o da alma e da inteligência?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Abr 27, 2018 9:27 am

2 DESIGUALDADES
Por momentos conservaram-se em silêncio o conde e sua filha, a qual, após segundos, prosseguiu em sua íntima confidência:
Imaginastes, querido pai, que, tendo eu apenas 18 anos de idade, ainda não houvesse feito reparo nas injustiças da vida humana?
Quereis despedir os meus adorados mestres, competentes e dedicados, só porque manifesto alguma amizade a seu filho Leonel, que deseja cursar uma Academia em Paris e que, se ainda não o fez, foi por causa das reduzidas posses de seus pais?
Em vez de prestardes vosso amistoso concurso pecuniário para que este jovem realize seu belo ideal, já premeditastes dispensar os que lhe deram o ser?
Como ficaremos, aqui neste sumptuosos mas isolado castelo, eu e a minha triste mãe, quando tiverdes de sair por diversos motivos?
A criatura humana, meu pai, não vive somente feliz rodeada de conforto material, mas espiritual!
Quem vive em uma choupana, tendo ao lado pais desvelados ou um consorte afectuoso, mais ditoso é do que um rei prisioneiro em um castelo maravilhoso, sem parentes, sem amigos, cercado apenas de criados indiferentes à sua sorte, à sua vida, talvez desejosos de sua morte para se apropriarem de bens que sustentarão entes queridos que não vivem em alguma gaiola dourada!
Que é que tendes contra um companheiro dos primeiros anos de juventude, como considero o filho de meus dignos professores?
— Há uma diferença social de suma gravidade.
És descendente de um milionário e ele nada possui de valor monetário.
Tem apenas inteligência, mas esta não tem mérito nas casas bancarias, não vale sequer um franco. Faço questão que me respondas, com verdadeira sensatez, à pergunta que te fiz?
— Sim, meu pai.
Far-me-ei compreender por vosso sagaz espírito: o ouro tem incalculável valor quando adquirido com labor e esforço, durante decénios de sacrifícios, mas, quando não é aplicado utilmente ou quando é conquistado arbitrariamente, por meio de fraude ou violência, mormente em guerras devastadoras, vale menos do que um seixo atirado à praia por uma onda violenta e muitas vezes serve de corruptor de almas, levando seus possuidores ao desvario, às injustiças, às vilanias!
— Então querias, por acaso, que eu relegasse a herança de meus ancestrais e vivesse, qual um mísero operário, a trabalhar do amanhecer à noite, passar, às vezes, privações de pão e roupas no lar, desprovido de tudo?
Que vale a honestidade em comum com a miséria?
— Tudo, afirmo eu, pai!
Às vezes no lar que descrevestes há o fulgor da virtude que, para Deus, vale incomparavelmente mais do que cofres repletos de ouro conquistado com violência e roubo!
— Já soubestes por acaso que a opulência que os antepassados fruíram teve origem ilegal ou fraudulenta, Diana? — interpelou a jovem o enfurecido conde de Debret.
— Não, pai! Falo em tese e não desejo ofender-vos.
Até a presente hora ninguém ousou fazer referências desairosas à fortuna que possuís!
— Não creio em tua afirmativa, Diana, pois tua mãe por vezes tem relatado episódios desconhecidos sobre os que me precederam na posse deste castelo.
Deves estar industriada por Genoveva para que me fales do modo desrespeitoso como acabas de fazer.
— Perdão, meu pai. Não quero de modo algum vos ofender, pois sempre fui uma filha obediente e respeitosa.
Pela primeira vez tenho ocasião de manifestar-vos meus pensamentos e desejo fazê-lo com toda sinceridade.
Nunca minha boa mãe me relatou qualquer coisa sobre o passado de vossos ancestrais.
Sei apenas que ela é de origem nobre, mas sem fortuna.
Vós a escolhestes como esposa, atraído por sua beleza física e moral, mas parece-me que vive humilhada e nenhum parente ainda nos visitou desde que comecei a compreender a vida.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Abr 27, 2018 9:27 am

— Quando se realizou nosso casamento, era tua mãe muito jovem, da idade que tens actualmente e de uma formosura peregrina, mas seus pais morreram em uma viagem de carro para Boulogne, deixando sua única filha na companhia de alguns parentes afastados, sendo ela já então noiva de um primo que é hoje médico e que não me deve tolerar.
É ele o dr. Januário Closet que, anos depois da prima ter-se tornado condessa de Debret, obteve o diploma de médico.
— Já veio ele alguma vez visitar-nos neste solar, pai? perguntou, com manifesto interesse, a formosa Diana.
— Não! Que viria aqui fazer sabendo que a prima, esmagada pela miséria, teve quem a amparasse?
Eu, que todos julgam com crueldade e injustiça! — falou o titular, manifestando todo o rancor que existia em seu coração contra os que censuravam seu proceder áspero para com a esposa.
— Bem, meu pai, folgo em saber de uma acção nobre praticada por vós amparando legalmente a jovem infeliz que perdeu seus pais de modo tão trágico, mas o que ora percebo é que minha mãe se sentiu ofendida por não possuir igual opulência à vossa e até hoje considera-se humilhada neste castelo e daí, por certo, provém sua melancolia.
— Talvez seja verdade o que disseste, minha filha, mas levo para outro rumo a tristeza de Genoveva.
Casou-se comigo levada pelos seus parentes para evitar despesas e responsabilidades com sua acolhida, e sua tristeza deve ter origem no querido noivo que perdeu, vendo destruído seu belo sonho de amor.
Sua vida desde então é uma incessante recordação do passado e quem poderá dizer-nos a verdade?
Está arrependida por haver unido seu destino ao meu...
— Perdão, pai, e vou ser sincera convosco.
Desde que comecei a compreender a sociedade humana, percebi que a desigualdade dos seres racionais consiste apenas na falta ou posse de cabedais, como vós os tendes.
Vi minha mãe em lágrimas quando expulsastes um servo digno de vossa compaixão, casado e com dois filhinhos, só por ter faltado ao trabalho determinado por vós porque seu caçula, o meigo e encantador Luisinho estava enfermo e passando mal.
Como poderia seu pai vir trabalhar, deixando, em seu mísero lar, um ente adorado arriscado a morrer?
Vós, no entanto, não aceitastes desculpas e já o despedistes.
Ele tem procurado, de manhã à noite, nova moradia e serviço, sem achar.
Eu e minha mãe muito temos padecido por causa desse servo, Flávio Sigaud, que anda meio enlouquecido pelo desespero e pela dor.
Vós, que sempre possuístes saúde e fortuna acumulada durante séculos talvez, porque não tendes compaixão de uma desventurada família?
Qual a diferença que há, entre ela e a nossa, senão a miséria de uma e a opulência de outra?
Desde que vos contemplei, erecto e arrogante, ordenando a expulsão dessa infortunada família, houve um retraimento em minh’alma, reprovando um ato injusto que me faz desditosa, bem como à minha cara mãezinha, inclusive os que trabalham neste solar, que bem poderiam viver em paz e sem graves preocupações.
— Diana — falou o conde com arrebatamento.
Sou o dono deste castelo e não posso tolerar que alguém queira intervir nas ordens que expeço, para que sejam rigorosamente cumpridas!
Sou eu que despendo uma quantia colossal com a manutenção de seus habitantes, só eu, portanto, tenho o direito de dar ordens que devem ser rigorosamente satisfeitas.
Ninguém aqui possui o direito de revoltar-se contra as minhas determinações!
Ouviste bem?
— Sim, pai. Sois realmente o dono de tudo quanto existe, pois o destino muito vos favoreceu nesta vida para que tivésseis oportunidade de praticar o bem sem sacrifícios.
Podeis, no entanto, fazer todas as exigências com voz mais branda ou menos áspera, com autoridade, mas não com violência em excesso.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Abr 27, 2018 9:27 am

Que diríeis se minha mãe desse todas suas ordens com voz autoritária, violenta ou despótica?
— Eu a expulsaria de minha presença por não suportar aqui alguém com o direito de mandar em minha vontade, que deve ser absoluta para todos os que nos cercam.
— Então, pai, somente vós tendes o direito de agir porque possuis ouro em profusão, do qual eu e minha mãe teremos algum direito futuramente...
—Estás desejando minha morte, filha ingrata?
Estás sugestionada por tua mãe!
— Não desejamos vossa morte, meu pai, mas vossa justiça, o direito de podermos agir, com serenidade e respeito, sustando as arbitrariedades que aqui ocorrem com lastimável frequência...
Os servos, meu pais, são seres humanos como nós, possuindo as mesmas faculdades físicas, morais e espirituais, mas se sentem humilhados e revoltados contra as injustiças que lhes são feitas e, no entanto, podem ser verdadeiros amigos se tratados com piedade, com fraternidade, pois, segundo as leis divinas, só existe um Pai — Deus — e, portanto, todos os seres humanos são irmãos uns dos outros, quer sejam alvos ou louros, pretos africanos ou índios selvagens!
— Fraternidade é o que disseste, Diana?
Então eu, que já servi à Pátria com heroísmo, descendente de verdadeiros e destemidos servidores da França, possuidores de brasões inesquecíveis, hei-de olvidar as glórias conquistadas e tratar, como se fossem meus irmãos, míseros e obscuros servos, sem nenhum outro mérito a não ser o de poderem trabalhar para o sustento da família? Quem são os obscuros servidores deste principesco solar?
Onde está a igualdade entre nós e os que são nosso subalternos?
Quem concebeu a ideia de fraternidade neste mísero planeta, habitado que é por infinito número de raças diferentes no aspecto na inteligência, no proceder, não passava de um louco!
Se existe, realmente, um Juiz Supremo, como me tens dito várias vezes, já que ele me concedeu regalias sociais, fortuna, inteligência, devo tudo relegar para os que são meus inferiores, tornando-me igual aos ignorantes, aos imbecis, que não possuem senão migalhas aqui na Terra?
— Ouvi, meu pai, o que ora tenho a vos expor.
Basta que mediteis sobre as regalias sociais, às vezes destruídas violentamente, acabando muitos soberanos na guilhotina, para que compreendais que, neste planeta, nada possuímos que não possa ser esmagado, salvo a honra, a virtude, as acções meritórias!
Estas, pois, as que desejo conquistar para que possa transpor os umbrais da Eternidade, com a alma imaculada, lúcida, sem ter que resgatar algum delito condenável!
Não tem havido seres humanos, nascidos na obscuridade, na pobreza e que mais tarde sentam-se em um trono, como sucedeu com Napoleão Bonaparte e outros, ao passo que os que viram a luz da vida em palácios acabam seus últimos instantes em um calabouço ou em um instrumento de suplício?
Quem haveria de pensar que Napoleão I, depois de dominar quase toda a Europa, terminasse seus dias na Ilha de Santa Helena, recordando o passado e sofrendo os amargores da derrota!
— Lembrai-vos, meu pai, que alguém que não perseverou na injustiça e amparou os que sofrem terá ao menos uma parcela de conforto para amenizar lhe todas as amarguras e assim deve ter sucedido com o meigo Jesus de Nazaré no ápice da cruz do martírio.
Nós, meu pai, somos míseros exilados e, neste ou em outros planetas de remissão, atingindo lentamente a glória da redenção, conseguiremos a culminância espiritual, a completa isenção de trabalhos penosos depois de cumpridas todas as sentenças divinas!
— Que ideias absurdas são as tuas, Diana!
Parece-me que os teus professores estão imbuídos de novas concepções religiosas, intoxicando tua alma com ideais irrealizáveis!
— Não, meu pai!
Juro que eles só me orientam sobre as matérias que estou aprendendo, com a máxima ponderação e lealdade.
O que expus, há poucos instantes, eu li em um livro que me foi emprestado por uma colega quando frequentava o Colégio do Coração de Jesus, onde estive durante o tempo em que estudava o curso primário, pois, quando o concluí, não quisestes que me ausentasse deste castelo, encarregando de minha educação intelectual os dignos professores Sérgio Delavigne e sua ilustre consorte.
— Ficaste com o referido livro ou o entregaste à aluna do colégio em que estiveste matriculada?
— Eu o li às ocultas, pois as irmãs eram evidentemente contrárias às ideias expendidas no mesmo, já desprovido das primeiras páginas para evitar-se alguma indagação sobre o seu autor, pois julgo que ele expõe um novo credo cristão chamado Espiritismo!
— E adoptaste tu o que lá estava exposto, Diana?
— Concordei plenamente com o que li, pois foi uma confirmação do que já existia em minh’alma!
— Não consinto que relates o que me dissestes à tua mãe! — gritou o violento titular.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sex Abr 27, 2018 9:28 am

3 DESERDADOS DA SORTE
Após alguns instantes de penoso silêncio, a filha do conde de Debret disse ao pai com a voz alterada por violenta comoção:
— Não sou contrária ao Catolicismo, meu pai.
Respeito os templos, os padres e as irmãs de caridade, mas, em meu íntimo, algo me adverte que, sendo Deus a Suprema Piedade, não condenará eternamente os seus próprios filhos por uma falta qualquer quando, pelo sofrimento, pelo trabalho, pelos sacrifícios, todos os delitos poderão ser remidos.
Só o pensar nas punições eternas, no encarceramento no inferno — um antro ou cárcere de punições infindas — causa-me pavor e não posso conceber a ideia de que o Omnipotente, sendo Pai e Juiz compassivo, possa manter uma instituição tão torturante e cruel.
Os pensamentos que acabei de expor-vos, meu pai, são meus. Tiveram origem no íntimo de meu espírito e jamais se vão extinguir, mesmo que me condenem às maiores torturas patibulares!
Que culpa tenho eu por pensar assim?
Nasci para ser justa, honesta e compassiva, portanto, meu querido pai, é que neste momento me insurjo contra as vossas atitudes, pois temo que possais, mesmo na actual existência, ainda sofrer provas dolorosas para resgate do que tendes feito a criados e mesmo à vossa companheira de existência!
— Receio, minha, que estejas enlouquecendo! — exclamou o conde com arrebatamento.
— Até este momento, não, querido pai!
Estou conversando convosco com toda calma e lucidez.
— Mas eu estou surpreso, filha, pelo que me tens exposto. Hás-de dizer a verdade.
Quem te tem sugerido os pensamentos filosóficos que revelas conhecer?
Não posso crer que os teus professores sejam alheios à modificação de pensar que fizeste.
Já sabes aconselhar-me com se fosses mãe e não filha.
— Não, meu pai!
Não sejais injusto para com os bondosos e ilustres professores que constituem o único e verdadeiro conforto para meu coração.
— Projecto dispensá-lo nas férias que já se aproximam!
— Não! — exclamou a jovem, apavorada.
São eles que suavizam as horas transcorridas neste solar, horas iguais do princípio ao fim dos anos.
Vós ides muitas vezes, no transcurso de um ano, a Paris, à Bélgica, à Holanda e as outros lugares... e eu e minha mãe ficamos reclusas neste castelo, sem outra diversão a não ser a da convivência com os meus queridos mestres, que me tem transmitido belas páginas de ciência, arte e conforto espiritual.
Não queirais aumentar nossa solidão, pai!
— Pois tens a ousadia de dizer-me que vives desterrada em um solar confortável como este?
Tens a petulância de crer em seres invisíveis que só povoam as mentes de loucos e ébrios?
Queres velar a realidade, mas esta vai surgir, com luminosidade, em minha mente.
— Se continuais a considerar-me desprovida de senso, podeis encerar-me em um manicómio, bem como aquela que me deu o ser, minha desditosa mãe!
— Quereis abandonar-me, Diana, e continuar a considerar-me um ser perverso?
— Não, meu pai.
Apenas injusto.
Quereis ser considerado nobre, culto e justo... e desprezais os outros seres humanos como se fossem inferiores, misérrimos, incultos e indignos de piedade, como se todos não tivessem uma alma imortal, de origem divina!
— Que é que te faz crer na alma, que ninguém pressente nem pode provar sua existência?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 28, 2018 10:34 am

— Escutai-me, pai, com atenção, pois há muito desejava revelar-vos o que me ocorreu quando morreram meus avós paternos e estava eu com apenas sete anos de idade.
Naquela época, vós me parecíeis calmo e bondoso para com todos os servos, sendo o contrário de meu avô, que era autoritário e impiedoso, como, após seu falecimento, vós ficastes!
Na ocasião em que ele e a esposa morreram, parecendo ceifados por um só golpe da Parca, eu os vi à beira de meu leito.
Ela me fitava com ternura e piedade e ele com as órbitas faiscantes, tentando espancar-me na cama, no que foi impedido por minha avó e por outros seres de belíssima aparência, que então surgiram como um bando de aves luminosas!
— Por que nunca me revelaste o que acabas de relatar-me?
— Porque... é a primeira vez que conversamos, meu pai. Tinha receio de aproximar-me de vós e ser repelida!
— Quero que continues, Diana. Que é que percebeste na noite a que te referes?
— Temo ofender-vos, pai, revelando o que observei naquela noite inolvidável!
Eu estava adormecida quando senti um impulso no braço esquerdo, que ficava mais à beira do leito.
Quando dei acordo de mim, vi, nitidamente, vossa mãe, entristecida, um pouca afastada de meu avô e vosso pai, com aparência de desagrado e, como um segredo ciciante, ouvi o que ele me disse:
— Eu não te consagro afeição alguma, pois és filha de uma dama desprovida de fortuna e que não devia ter ousado unir seu destino ao de um nobre como meu filho, o conde de Debret.
Ouviste bem o que te revelei?
Hei-de vingar-me de Genoveva!
Hei-de vingar-me dela!
Tanta ousadia deverá ser punida!
— Perdoai à mamãe, meu avô!
— Não quero que me chames de avô!
— Vós não acreditais em Deus?
— Já aqui estou há três anos e ainda não o vi!
São uns imbecis os que acreditam em fantasias abomináveis! vou ausentar-me deste querido castelo, mas verás o que pretendo fazer assim que for possível!
Sentei-me na cama, e chorei convulsivamente, quando os dois seres saíram com precipitação de meu dormitório, dominados por entidades de aparência angelical.
No dia seguinte tudo relatei à minha entristecida mãezinha.
— Acredito que tudo isto tenha sido um sonho que tiveste.
Um desses sonhos absurdos que a gente costuma ter, repletos de incoerências.
— Não, meu pai.
O que vos relato foi uma realidade absoluta, pois estava bem acordada.
— E tua mãe?
Que te disse e qual a sua opinião a respeito?
— Ela disse-me que orássemos pelo vosso pai, rogando a Deus que o iluminasse para ele libertar-se de tamanho orgulho!
— Não prossigas, Diana!
O que tu chamas de orgulho é ter consciência do seu próprio valor.
É a supremacia natural do nobre em relação à plebe!
— Que dissestes, pai?
Então eu pertenço à plebe, pois a família de minha mãe não dispõe de brasões nem de riqueza material, mas é honesta e virtuosa ao extremo.
E, para mim, estes bens são incomparavelmente de muito mais valor do que os pergaminhos da raça e do que o ouro e o poder!
— Queres humilhar-me? — rugiu o conde de Debret.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 28, 2018 10:34 am

— Não, meu pai.
Se vos sentis ofendido, perdoai-me, mas porque escolhestes uma jovem humilde para ser vossa esposa?
— Fui iludido pelos sentidos.
Achei-a bela e supus que ela se ajustasse ao meu critério, pois não poderia calcular que, uma vez dentro deste solar, desprestigiasse a minha autoridade, ficando ao lado dos servos quando os castigo por não cumprirem fielmente as ordens do conde de Debret.
— Não é para magoar-vos que ela procede assim, mas por piedade, pois é bondosa, tolerante e compassiva, especialmente para com os deserdados da sorte.
— Mas eu preferia que ela estivesse de acordo com todos os meus actos, pois não quero que os meus subalternos percebam que discorda de meu critério.
Terminou bruscamente a palestra do conde de Debret com a sua filha.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 28, 2018 10:35 am

4 O DR. CLOSET
À noite, quando Diana se recolheu ao seu aposento, antes de deitar-se, ela orou com o seu fervor habitual e lágrimas ardentes lhe brotaram dos belos olhos.
Depois, mal havia adormecido, foi tomada por um sonho singular.
Uma voz suave e carinhosa se fizera ouvir.
Era o espírito de sua avó paterna a dizer-lhe estas palavras compassivas.
— “Minha querida Diana, eu continuo a velar por todos os que residem neste solar, que já me pertenceu e onde também curti longos anos de sofrimento devido ao génio impulsivo de teu avô, o déspota com o qual me casei e que, apesar de desencarnado, ainda impera neste castelo, assediando teu pai, cujo espírito, por sua vez, dá abrigo às suas intuições malévolas devido a alimentar os mesmos recalques’’.
— Mas não poderá ele ser afastado daqui a fim de que haja paz entre todos os que moram neste castelo?
— É o que acontecerá daqui a algum tempo, porém é preciso antes que o látego da dor fustigue algumas almas e corações.
Não tarda que um acontecimento trágico venha impressionar os que aqui residem e são vítimas do despotismo agressivo de teu pai.
Muito amarga vai ser a provação a que ele será submetido, pois os actos, bons ou maus, que praticamos, estão submetidos ao determinismo da lei moral de causa e efeito.
E cada um tem de colher o fruto do que houver plantado.
Sê, pois, minha filha, a lâmpada do amor neste lar, consolando os que sofrem as injustiças agressivas do teu progenitor e meu desditoso filho o conde de Debret.
Mantenha firme a tua fé, resignação e coragem ante o que vai acontecer em um futuro que está próximo.
No dia seguinte Diana foi ao encontro de sua mãe e relatou-lhe o sonho que tivera.
Genoveva escutou-a com atenção e depois lhe disse:
— Também eu prevejo acontecimentos tristes neste solar.
Subitamente a porta da câmara de Genoveva foi aberta com violência.
Era o conde de Debret, que, vendo a esposa e a filha, isoladas, em conversa, interrompeu-as, dizendo à filha:
— Vem comigo até ao meu gabinete.
Chegados lá, Diana perguntou a seu pai:
— Que desejais de mim?
— Que estavas confidenciando à tua mãe?
— Estávamos conversando sobre a possibilidade de haver outros planetas habitados.
— É uma loucura isso que imaginas, Diana!
Em que te baseias para concluíres que há outros mundos habitados?
— Meu pai, não é preciso ser sábio para admitir essa realidade.
É uma questão de bom senso, pois não é crível que o Omnipotente, Criador do Universo, só haja concebido um planeta habitável.
E, então, os incontáveis biliões de outros que existem no Infinito, Ele os teria criado exclusivamente para regalo dos nossos olhos, ou seja, sem qualquer objectivo superior?
Deus não faz, não cria coisa alguma que não se destine a uma finalidade útil.
Tudo que existe obedece às suas leis de sabedoria e amor infinitos!
Por que todos os fenómenos da Natureza ocorrem independentemente da intervenção do homem?
Vede a Terra.
São periódicas as suas estações climáticas.
Sem as águas das chuvas, sem a água salgada dos mares e oceanos, sem a luz do sol que nos dá o dia, sem a luz nocturna projectada pela lua, a vida em nosso planeta não seria possível.
Em tudo que nos rodeia há um determinismo vital, de equilíbrio e coerência, cuja decifração escapa à capacidade da ciência humana.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 28, 2018 10:35 am

Até nos fenómenos de aparência vulgar se nota equilíbrio da sabedoria divina, pois no ventre vegetal de uma simples bolota está vivo o gérmen energético de uma floresta de carvalhos gigantescos!
— Diana, estou vendo que a tua mente está sendo ocupada por estudos ou ideias muito diferentes dos que constituem a educação intelectual de nossa época e por isto me certifico, cada vez mais, ser absolutamente necessário despedir os teus professores.
— Não, meu pai.
Se praticardes este acto injusto, além de nos causardes um imenso desgosto, praticareis um acto desumano e ingrato, e, se na Terra ninguém vos pedirá contas de tal procedimento, tereis de prestar contas no tribunal da Justiça Divina!
— Estou surpreso, Diana, com a ousadia de tuas advertências!
— Sim, meu pai.
O bem ou mal que praticamos em uma existência será premiado ou punido em outra.
Redenção ou castigo, eis a lei.
Não observastes ainda como são diversas as condições sociais, as provas das criaturas e que não há nunca um destino igual de outrem!
Por que esta diversidade entre os seres humanos?
— Diana, estou absolutamente convencido de que todas estas teorias são frutos de convicções que os teus professores ceifam e ensinam com certa reserva.
Eles vêem que és inteligente, que estás em condições de assimilares ideias fantasiosas, mas que, na verdade, não passam de utopias.
Estão, pois, enchendo a tua mente...
— Escuta, meu pai.
Nenhuma culpa cabe ao digno casal Delavigne pelo que sinto em minha alma, pois jamais conversei com eles a respeito de minhas ideias íntimas.
E lembrai-vos, ao menos, que, para atenderem à função de me educarem e instruírem, dispensaram todos os alunos que tinham em Lille.
— Eles sabem que não ficarão aqui indefinidamente, portanto já devem ter pensado nas providências que lhes cumpre quando forem embora.
— Estais espantado com as minhas ideias?
É natural. E se eu vos afirmar que tenho certeza de já ter vivido outras existências?
E certamente no passado não atendi, como devia, ao cumprimento da lei divina que nos manda amar o próximo como a nós mesmos, razão por que, agora, para reparar essa minha falta, defendo os pobres, os infelizes e também os que são vítimas de injustiças levadas a efeitos pelos que, nada lhes faltando, são insensíveis aos sofrimentos dos menos favorecidos da sorte.
O conde de Debret fitou a filha e, com voz repreensiva, disse-lhe:
— Não quero que manifeste estas tuas ideias insensatas sobre fantásticas vidas anteriores e futuras.
Ouviste, Diana?
Estamos neste planeta cumprindo determinações do Destino.
Sou um fidalgo, de elevada estirpe, e pertenço a mais nobre linhagem da França.
Cometi, pois, uma loucura unindo o meu destino ao de tua mãe, pertencente a família digna, mas desprovida de fortuna, sem precedentes aristocráticos e, desde o nosso casamento, noto a diversidade de nossos sentimentos.
Tenho grande pesar por não haver escolhido uma jovem de linhagem igual à dos meus ancestrais.
— Tenho sabido por diversas pessoas que conheceram vosso pai que ele não desejava que unísseis o vosso destino ao de minha amada mãe.
Sei que o meu avô paterno morreu em um dos seus acessos de fúria, que lhe eram frequentes.
E vós seguis os seus exemplos de violência.
— Pelo que dizes, concluo que tens conversado com os servos do tempo de meu querido pai, mas na primeira oportunidade expulsarei todos.
— Peço-vos que os perdoeis, meu pai.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 28, 2018 10:35 am

Eles muito sofreram e deveis compadecer-vos de todos os que aqui se encontram, inclusive a minha pobre mãe e... eu.
— Estás também contra mim, filha desnaturada? — vociferou o titular.
— Perdão, meu pai.
Ouvi-me ainda por alguns momentos.
— Que mais pretendes, Diana?
— Ser internada em um claustro, com o vosso consentimento.
— Jamais! Enquanto eu for vivo, não!
Não quero que sejas hipócrita para te afastares de teu pai!
— Aqui, meu pai, as lágrimas substituem o pão.
Quando, neste solar, testemunhamos as vossas injustiças contra desditosos servos, abstenho-me de qualquer alimento e igual proceder tem a minha mãe.
Bem avalio o sofrimento dos que expulsais daqui.
— Farei sempre o que desejar, sem submeter-me à influência de quem quer que seja!
— É o que vos parece, meu pai, e somente o futuro vos responderá.
— Vamos para a sala de refeições, pois um criado já me avisou que vai ser servido o almoço.
Lá chegados, o conde de Debret, notando a ausência de sua esposa, indagou o motivo.
— Creio que está enferma, sr. conde, informou um dos serviçais.
— E qual a razão por que não manda comunicar o que se passa com ela?
— Irei vê-la, meu pai, e certificar-me-ei do motivo exacto de sua ausência, que só pode ser devida a súbita enfermidade.
— Não consinto que te retires da mesa, pois já viemos com atraso e o sr. Delavigne e esposa vão iniciar hoje o teu novo programa — exclamou o conde com ironia.
— Desculpai-nos, sr. conde — falou o professor.
Não omitiremos uma só lição por motivo de horário.
— Vou verificar se a minha mãe ainda não deixou o leito — tornou a dizer Diana.
— Não — exclamou, com violência, o conde.
Não consinto que me desobedeças principalmente na presença de teus educadores!
— O meu amor filial está acima dos meus deveres escolares — replicou Diana.
A jovem sentou-se novamente, mas dos seus olhos fluíam lágrimas de amargura e a sua dor aumentou convertida em soluços reprimidos.
— Diana — falou Estela Delavigne, com doçura.
Assim que terminar a refeição, o sr. conde permitirá que nós todos vamos ao dormitório da sra. condessa.
— Sim, sra. Estela — murmurou o conde.
Diana, calada, tomou apenas uma xícara de leite e, pouco depois, em companhia da mesma, foi ao encontro de sua progenitora.
— Estais doente, querida mãezinha? — perguntou Diana.
— Sim, minha filha.
Sinto-me abatida, física e moralmente, e não posso continuar a viver com tantos dissabores.
— Que vos sucedeu, mãezinha?
Estou impressionada com a vossa palidez.
— Minha querida filha!
Há muito que desejo fazer-te uma confidência, mas a evitei até este momento, e vou fazê-la na presença da sra. Estela, que considero uma verdadeira amiga.
Ouve-me, pois.
Temo ir para o túmulo levando em meu íntimo o que tenho padecido.
Sou filha de modestos camponeses, honrados e possuidores de alguma instrução.
Fui bem criada, sendo filha única do casal, e pude realizar alguns estudos, já que pretendia exercer o magistério.
Residindo meus pais longe da cidade de Lille, fiquei na residência de meus tios paternos que viviam com modéstia, mas que me acolheram com generosidade e afecto.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 28, 2018 10:35 am

Com ele residia um seu filho de nome Januário Closet, mais velho do que eu cinco anos apenas.
Vivemos em perfeita harmonia durante dez anos, os mais ditosos de minha vida, pois nunca houve sequer uma dissidência naquele lar humilde, mas de moral irrepreensível.
Fui para a casa dos meus tios com 8 anos e, quando me tornei moça, estabeleceu-se afinidade de meu coração com o de Januário.
Ele já havia completado o curso ginasial, quando, certa vez, indo eu à missa, no dia de Natal, na matriz de Lille, o conde de Debret me conheceu e se apaixonou por mim.
Retraí-me tanto quanto foi possível, mas, indagando de meus progenitores, foi à presença deles, solicitou-me em casamento.
Eu e Januário, quando soubemos do sucedido, ficamos desalentados.
Fui à presença de meus pais e confessei-lhes que amava o meu primo, mas eles objectaram que já haviam dado resposta afirmativa ao conde de Debret, que os honrara com invulgar distinção, que o meu casamento seria realizado no começo do próximo ano e que continuasse a considerar o meu primo apenas como um irmão de criação.
Januário, sem poder desfazer o pedido do conde de Debret, seguiu para Paris, onde foi trabalhar e estudar, conseguindo, há poucos meses, formar-se em Medicina.
Quando regressou a Lille, tomou informes a meu respeito e, por intermédio de um dos servos deste solar, soube da realidade:
que o conde de Debret é áspero no trato da família, que vive quase separado de mim e que me trata com violência.
Até aqui nada há de mais, porém o que está me oprimindo a alma é que ele mandou dizer-me por um servo indiscreto que virá breve a este castelo para certificar-se da verdade.
Teu pai, Diana, sabia que eu amava meu primo e tudo quanto tenho aqui sofrido tem origem neste facto.
Tenho receio de que ele provoque Januário e o desafie para um duelo ou, antes, que mande alguém matá-lo.
Deves compreender bem o meu intenso sofrimento!
— Sra. condessa — disse a professora — quereis que meu marido vá em busca do dr. Januário Closet e lhe exponha a situação em que vos encontrais?
— Não, minha amiga.
Se o conde souber da interferência do sr. Delavigne seria capaz de verdadeiros desatinos.
Agradeço muito vosso interesse pelo meu caso, que só Deus poderá resolver, pois já tenho um plano concebido.
— Qual, querida mãezinha? — indagou Diana com a voz quase embargada de soluços.
— Hoje não te posso revelar, minha filha, mas o farei nos próximos dias.
Quando Genoveva terminou estas palavras, o conde de Debret entrou bruscamente no dormitório de sua esposa e, fitando-a, falou com arrogância e ironia:
— Que tens?
Queres que mande chamar o... dr. Januário Closet?
Com certeza bastará a presença dele para que recuperes a saúde, pois duvido bem desta tua doença.
— Por que falais assim, meu pai?
A mãezinha está realmente enferma.
— Já estás formada em Medicina, Diana? — replicou o conde, com desdém.
— Não, meu pai, mas basta o seu aspecto para nos mostrar a verdade — exclamou a jovem, aflita.
— Bem, sra. Estela, e tu, Diana, retirai-vos, pois tenho que conversar com a sra. condessa.
Preciso dar-lhe alguns conselhos oportunos.
— Deixai-me ficar convosco, meu pai — rogou a moça, ajoelhando-se perante o déspota do castelo.
Este a ergueu de um só impulso, dizendo-lhe:
— Não gosto de pieguices.
Acompanhe a tua professora!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 28, 2018 10:36 am

— Achais que eu esteja vos desrespeitando, pai?
— Não discutamos mais, Diana — tomou o conde, impelindo a filha para que esta se ausentasse e fazendo com que Genoveva empalidecesse até à lividez de aspecto mortuário.
— Mãezinha, mãezinha! — exclamou Diana, cheia de angústia.
O conde deixou bruscamente o dormitório da esposa e, momentos após, retomou com o professor Sérgio Delavigne que tinha o curso médico quase completo e que, depois de examiná-la, declarou que houvera início de um colapso cardíaco.
Diana soluçava sem poder subjugar a emoção que lhe tomara o coração, ao passo que seu pai fitava, com indiferença, o corpo inerte da esposa.
O prof. Delavigne medicou a sra. condessa que, instantes após, abrindo os olhos, fitou os presentes e, com voz débil, disse:
— Por que não me deixaram morrer?
— Que dizeis, minha senhora? — falou o sr. Delavigne.
Não tendes mais confiança em Jesus e em seus desígnios?
Não vos lembrais de que o vosso esposo e a vossa filha ainda precisam dos vossos cuidados?
— Minha mãe! — Jamais serei feliz sem vós!
— Deixemos de lamúrias — exclamou, com arrebatamento, o conde de Debret.
Os srs. Delavigne já podem ir-se.
Eu ficarei com a enferma.
— Permiti-me, ao menos, que eu chame Margarida, a serva dedicada, para ajudar à mãezinha — murmurou Diana.
— Não preciso do auxílio de gente ignorante — respondeu o conde.
O prof. Delavigne, para pôr fim à questão, disse, em voz baixa, ao conde, que qualquer emoção poderia ser fatal à condessa, e, em companhia de sua esposa e de Diana, abandonou o aposento.
— Que me vale residir neste palácio sem haver tranquilidade para o meu coração? — disse Diana, ao sair, para os seus educadores.
— Resigna-te com a vontade divina — aconselhou-lhe o sr. Delavigne.
— Que vale a opulência estando com o espírito amargurado, prevendo, a todos os instantes, cenas lamentáveis?
Como hei de ter calma para estudar?
Pouco depois, Diana, a sós com os seus mestres, disse-lhes que estava muito aflita e os convidou a fazer juntos uma prece, suplicando a Deus e a Jesus que salvassem a sua progenitora.
Cerrada a porta do quarto de estudos, sentados ao redor de uma pequena mesa, todos fecharam os olhos, em estado de meditação.
Em seguida, o professor Delavigne proferiu sentida prece rogando ao Pai celestial pelo pronto restabelecimento da saúde da mãe de Diana.
Logo após, porém, de modo imprevisto, a sra. Estela empalideceu, velou os olhos com as mãos e, num timbre de voz compassada, mas firme, assim falou:
— Que Deus vos abençoe, Tende bom ânimo, pois prevejo acontecimentos graves neste castelo.
A descrença e o génio despótico deste que foi meu filho resultarão em consequências dolorosas.
Adeus, Diana, adeus, bons irmãos.
E continuai, todos, zelando pela infeliz Genoveva.
Diana, voltando-se para o seu mestre, indagou:
— Sr. Delavigne, que dizeis a isto?
— Tivemos uma prova inesperada do que está afirmado nessas obras publicadas a respeito de tal fenómeno.
Não há dúvida.
As almas dos chamados mortos falam aos que estão vivos por intermédio dos que têm a faculdade especial de captarem e transmitirem as palavras dos espíritos do além.
Após a morte do corpo, o espírito passa para o plano astral até que volte novamente à Terra ou vai para outro planeta onde possa continuar lutando pela sua evolução moral e espiritual.
— Aceito, sem restrições, o que acabais de dizer-me.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 28, 2018 10:36 am

E agora já posso desabafar-me convosco, dizendo que, ao tempo em que eu frequentava o Colégio Coração de Jesus, tive ocasião de ler um livro que tratava justamente desses fenómenos e confesso que tal revelação não me surpreendeu.
Concedei-me, agora, permissão para voltar ao quarto de minha mãe.
— Vá, sim, Diana, e ficamos esperando que nos informe se ela está melhor.
Diana dirigiu-se para o aposento de sua mãe e, lá chegando, verificou que tinha os olhos inundados de lágrimas.
Então, carinhosa e aflita, falou-lhe assim:
— Querida mãezinha, esquecei as ingratidões deste mundo e volvei a vossa alma para Deus e para Jesus, pois que assim o vosso sofrimento e as vossas angústias serão aliviadas.
— Querida filha, não é mais possível continuarmos a viver neste ambiente cruel e tirânico!
— Que vos disse meu pai quando ficou sozinho aqui convosco?
— Pôs em dúvida a gravidade de minha doença e disse-me algumas palavras ásperas.
Depois, retirou-se.
— Calemo-nos, mãezinha, pois já estou ouvindo os passos agitados de meu pai.
Efectivamente ele não tardou em invadir o aposento e, vendo a filha, interpelou-a porque se ausentara da sala de estudos.
— Vim saber como a mãezinha está passando, mas já vou retornar.
Pai, desejo pedir-vos para que, logo que a mãezinha esteja restabelecida, eu seja internada em um colégio, porque...
— Retira-te já de minha presença — interrompeu-a o conde com um gesto de repulsa.
Diana, retirando-se, isolou-se em seu dormitório e lá, tomada de forte emoção, volveu os olhos para o céu e, em silêncio, a sua alma proferiu esta sentida prece:
— Jesus, vós, que tanto beneficiastes a humanidade que retribuiu os vossos sacrifícios com a morte na cruz, tende compaixão de minha pobre mãe!
Se há mais de uma vida e, em passada peregrinação terrena, fomos cruéis para com os que nos rodeavam, inspirai-me o que devo fazer para vencer as lutas desta existência!
Perdão! Perdão para mim e a minha desventurada mãe!
Compadecei-vos dos nossos sofrimentos!
Dai-nos coragem e paciência até o último alento!
Alguns servos, que faziam os preparativos para a próxima refeição, fitaram-na com surpresa, pois perceberam que o seu tórax era abalado por um soluço incessante.
Um dos dedicados serviçais foi em busca de Estela Delavigne que, atendendo à sugestão do mesmo, dirigiu-se ao refeitório e, passando o braço direito sobre os ombros de sua querida discípula, disse-lhe com voz suave e quase imperceptível para os fâmulos:
— Diana, minha filha.
Evita o mais possível qualquer divergência com teu pai, que não tarda a aparecer.
Ele odeia as preces e os santos.
Eu também ouvi a vibração da Ave-Maria e, em segredo, fiz as irradiações habituais, mas, pelo que vejo, já aconteceu alguma contrariedade contigo.
Concentra os pensamentos e à noite externaremos os nossos sentimentos.
Havemos de orar com intenso fervor!
A moça, apoiada ao braço esquerdo de sua educadora, dirigiu-se à mesa central do sumptuoso salão e sentou-se pouco distante da ilustre dama que a levara afectuosamente para lá.
Dentro em poucos minutos apareceram os comensais, que não eram muitos, estando presente o unigénito do professor, Leonel Delavigne, que chegara, ao romper da alvorada, do Ginásio de Lille, onde concluíra o curso preparatório.
Havia um silêncio incomodativo na sala e os que se achavam ao redor da ampla mesa dir-se-ia que haviam adormecido subitamente.
O prof. Delavigne, prevendo algum acontecimento desagradável, quebrou o silêncio, dizendo ao conde de Debret:
— Sr. conde. Meu filho esteve com o ilustre dr. Januário Closet, recentemente chegado de Paris, e ele deseja fazer uma visita amistosa aos que considera como parentes.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 28, 2018 10:36 am

— Se houver possibilidade — respondeu o conde com arrebatamento, vosso filho lhe dirá que, estando a minha esposa enferma, assim que começarem as férias de minha filha, iremos ausentar-nos deste solar.
Que ele deixe a visita para a nossa volta.
As conversas foram rápidas e Diana, sempre entristecida, deixara o prato com os alimentos quase intactos.
— Queres morrer de fome? — interpelou-a o pai, com violência.
— Não, meu pai. Hoje não tenho fome, mas talvez amanhã já possa alimentar-me melhor.
Não ficarei tranquila enquanto a minha mãe estiver enferma!
— Então, se ela morrer, irás também para o túmulo?
— Depende tudo... de Vontade Suprema!
— Não quero que façais mais referências a seres inexistentes! Ouviste?
— Sim, meu pai — respondeu Diana, tendo lágrimas aljofrando-lhe os olhos celestialmente azuis.
Terminando o jantar, todos os participantes da refeição retiraram-se em silêncio para seus aposentos, depois das aulas dadas pelo sr. Delavigne e sua esposa.
Subitamente aproximou-se do ilustre professor um servo e comunicou-lhe que havia um visitante que desejava falar-lhe com urgência.
O mestre foi ao encalço do que o aguardava na sala de espera e, ao vê-lo, falou com emoção:
— Dr. Closet!
Como estais passando de saúde?
— Estamos aqui sem testemunhas prejudiciais? — interpelou o recém-chegado ao abraçar o preceptor.
— Não! A pouca distância está o gabinete do sr. conde de Debert, que, julgo eu, não é muito vosso amigo — respondeu o mestre em segredo.
— Sei que ele me odeia.
Vim aqui, porém, porque soube que minha idolatrada prima e ex-noiva, Genoveva, está gravemente enferma.
Mal pronunciara estas palavras, houve um brusco ranger da porta do gabinete do conde e este penetrou no local onde se achavam conversando os dois amigos, o dr. Closet e o prof. Delavigne.
— Bom dia, sr. conde! — murmurou o médico com brandura.
— Bom dia! — repetiu o conde e, logo após, assim falou ao médico.
— Eu ainda não havia permitido vossa presença neste solar.
Por que aqui viestes sem a minha autorização?
— Porque soube que vossa esposa, que é para mim quase uma irmã, está doente e, como tenho de partir ao alvorecer, para Paris, onde resido, fiquei com o receio de não revê-la mais e vim despedir-me... talvez para sempre!
— Bem. Neste caso estais justificado.
Vou chamar alguém para consultar minha esposa se pode ou não receber-vos.
— Eu irei em busca de minha esposa que irá à presença da sra. condessa e trará sua resposta — falou o prof. Delavigne, que se dirigiu às pressas para onde se achava Estela.
A condessa, informada da presença de Januário no solar de Diana, estremeceu e, emocionada, falou à bondosa dama que lhe transmitira o recado:
— Dizei ao dr. Januário, como sou forçada a chamá-lo, que poderei recebê-lo, com gratidão, por alguns minutos apenas, pois não consigo erguer-me do leito.
Esteia Delavigne transmitiu ao esposo o recado que lhe dera a infeliz condessa, cujos olhos inundaram-se de lágrimas ao saber que seu adorado primo fora visitá-la, e ele se dirigiu ao local desejado, encontrando os dois personagens emudecidos.
— A sra. condessa vai admiti-lo em sua presença por alguns minutos apenas, pois continua enferma e abatida, se houver licença do sr. conde.
— Conforme a decisão de Genoveva, o dr. Januário permanecerá apenas alguns minutos no aposento.
— Não concordais, sr. conde, que eu, como médico e parente, examine vossa esposa, interessando-me pela recuperação de sua saúde?
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Sab Abr 28, 2018 10:36 am

— Ela está recebendo o tratamento de que necessita.
Agradeço o vosso bondoso interesse...
Encaminharam-se os três para a câmara da infeliz titular que, muito pálida, estendeu a destra descarnada àquele que continuava a dominar-lhe o coração.
Dirigiram-se, mutuamente, algumas expressões de extrema sensibilidade e, ao despedir-se da enferma, o médico reteve sua destra entre suas mãos, fitou-a longamente e ela retribuiu a prova de incontido afecto que, então, só podia ser fraternal.
— Que é que desejava dizer-lhe o primo?
— Quanto és infeliz neste encantador castelo.
Antes vivesses a meu lado, em um lar humilde, mas onde existisse o verdadeiro afecto, que é a mais integral ventura dos corações sinceros.
Quando assim conjecturava o bondoso médico, surgiu Diana junto do leito materno e o visitante teve um impulso de emoção:
— Não é preciso perguntar quem és, formosa jovem.
És certamente filha de Genoveva!
— Sim, sou e desejava tratar-vos com a máxima distinção, mas infelizmente meu pai já se aproxima... depois de ter saído por momentos... e eu receio que ele não vos trate como o mereceis!
— Estou armado, linda jovem, e ele que não me insulte, que saberei defender a minha dignidade!
Mal soaram estas palavras e o conde entrou no dormitório de sua esposa, falando com autoridade senhoril:
— Já vistes a vossa prima, doutor, e, para que ela não se fatigue em demasia, podeis retirar-vos, que eu vos farei acompanhar até a porta...
O dr. Closet aproximou-se do leito, fitando a desditosa enferma com emoção e, por momentos, esteve novamente com sua destra entre as mãos dele, enchendo os olhos da condessa de sentidas lágrimas.
Despediu-se o médico da linda jovem que, por momentos, lhe seguiu os passos até a porta para voltar junto de sua mãe, mas teve um aviso secreto e o acompanhou, de modo que só o professor Delavigne ouviu o que foi dito ao retirante pelo senhor do solar de Diana:
— Dr. Closet, aqui não voltareis até que eu vos comunique uma séria resolução.
— Adeus — sr. conde — respondeu Januário com ironia, retirando-se apenas com um cumprimento de frente.
O conde viu-o retirar-se e logo após, com o rosto transformado pela cólera, dirigiu-se ao aposento ocupado pela sua consorte, que, ao vê-lo, estremeceu, estando isolada, pois a filha e seus professores já tinham ido para a sala de estudos.
O conde penetrou no dormitório, abrindo-lhe a porta central com arrebatamento e, aproximando-se do leito, fitou inquisitorialmente a enferma e, observando que os seus olhos estavam húmidos de pranto, teve um selvagem ímpeto de revolta e deu-lhe uma bofetada em cada face.
— Mata-me de uma vez, perverso! — exclamou a enferma, com justa indignação.
— Quero que ainda vivas alguns dias para poder torturar-te como bem o mereces!
— Que fiz eu para te ofender, maldito?
— Conservas o mesmo afecto... àquele plebeu... que também pagará caro a sua ousadia em vir ao meu lar para saber se ainda o amas... e tu, desgraçada, confirmaste tudo... com estas malditas lágrimas!
Saiu o conde com violência do cómodo onde estava a sua infortunada esposa, que, trémula de emoção, ergueu-se do leito, dirigiu-se para um pequeno armário e de uma de suas gavetas retirou um vidro de pequenas dimensões cujo conteúdo vazou em meio copo d’água e, mal sorveu o líquido, começou a gemer dolorosamente.
A jovem Diana, ouvindo os gemidos maternos, correu ao local onde se encontrava a sua mãe que assim lhe falou com palavras entrecortadas de soluços:
— Não posso mais viver... Diana!
Vê como estão... as minhas faces!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 29, 2018 10:56 am

Diana... minha pobre filha!
Hei-de fazer-te... feliz!
- Mãe! Que fizestes!
Preferia que me tirassem a vida!
— Não era... possível... aparecer com as faces assim... perante os criados... e seus professores!
— Vou chamar o professor Delavigne, mãe!
— Não há remédio... que me salve da morte!
Diana saiu em carreira vertiginosa, ora chamando pelo professor, ora pelo seu pai.
Quem lhe atendeu em primeiro lugar o aflitivo apelo foi a encarregada de sua instrução a quem disse:
— Sou uma desgraçada!
Minha mãezinha já deve estar morta!
— Que disseste, Diana? — perguntou a sra. Esteia Delavigne que logo chamou o esposo e, seguindo a infortunada discípula, dirigiram-se para o quarto de Genoveva, que, inteiriçada em seu leito, já havia exalado o derradeiro alento.
Estava morta!
Diana caiu prosternada, gritando pela progenitora e, dentro de poucos instantes, surgiu o conde, falando exasperado:
— Já devia ter morrido há mais dias!
— Matai-me também, meu pai!
Não poderei viver sem minha adorada mãezinha!
— Acaso fui eu quem tirou a vida a esta louca? — interpelou-a o pai, com raiva.
— Não, mas foi porque não tivestes pena de seu sofrimento.
— O culpado de tudo foi ter aparecido aqui esse maldito do dr. Closet, que vai pagar bem caro o seu ousado gesto! — rugiu o conde, fitando a filha com os olhos chamejantes de ódio.
Todo o mal que pratiquei foi o de ter unido meu destino, eu, fidalgo, opulento e instruído, ao de uma insignificante filha de plebeus!
— Que vale o que dissestes para o Magistrado Supremo? — falou Diana.
O conde, aproximando-se da filha, ameaçou-a de esbofeteá-la também, mas o prof. Delavigne, com extrema delicadeza, falou-lhe:
— Compadecei-vos de vossa digna filha, sr. conde, pois ela será capaz de proceder como a sua infeliz mãe!
— Tenho que tomar uma resolução de sumo alcance, sr. Delavigne, o mais breve possível!
— É o que deveis fazer, sr. conde!
— Vou deserdar esta ousada para que fique igual a seus parentes.
— Se consentirdes, sr. conde, eu a levarei para meu humilde lar.
— Dar-vos-ei a resposta conveniente após o enterro desta desgraçada, que quis ferir meu coração, mas não conseguiu.
Dispersaram-se os que ali se achavam e a sra. Estela abraçou-se a Diana, levando-a para junto de seu filho Leonel, que, ao ter conhecimento do que acontecera, mostrou-se emocionado e revoltado com a crueldade do dono do solar de Diana.
Com uma lentidão assustadora, decorreram algumas horas na faustosa moradia do conde de Debret, sendo tomadas todas as providências sobre o caixão de Genoveva, o qual o conde proibiu que fosse aberto em Lille para que não fossem observadas as manchas denegridas nas faces da inditosa condessa, mas não pôde impedir que certo servo, que odiava o cruel titular, tudo relatasse ao dr. Closet.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 29, 2018 10:57 am

5 EXÍLIO MERECIDO
A notícia do trágico acontecimento ressoou dolorosamente por todos os recantos de Lille.
O dr. Closet foi ao templo para onde fora levado o caixão de Genoveva e, antes que fosse levado para o principesco jazigo da família Debret, mandou um emissário ao solar de Diana que assim falou ao titular:
— O dr. Closet ordenou-me que viesse dizer-vos que suspeita de um crime a morte da sra. condessa e que já sabe qual foi vosso proceder e ainda que ele não consente que o corpo seja sepultado sem que tenhais partido, por mais de um ano, para longínqua região, africana ou asiática.
Caso contrário, irá fazer autópsia no cadáver e sereis processado inevitavelmente e talvez condenado à morte!
— O dr. Closet enlouqueceu? — arguiu o conde, quase desfalecendo.
— Não. Ele descerrou o ataúde e observou que as faces da morta estão denegridas e vai verificar a sua origem.
Se o sr. conde não concordar, será responsabilizado amanhã.
O conde, empalidecendo, quase perdeu os sentidos.
Nesse ínterim, lívida e desfigurada, penetrou no aposento onde fora recebido o emissário do dr. Closet, a jovem Diana, que fitou ambos com surpresa, exclamando:
— Que vos aconteceu, meu pai?
O conde pô-la ao corrente do sucedido e ela lhe disse com incontida amargura:
— Evitai outra infelicidade, pelo amor de Deus!
A desgraça bateu à nossa porta, pai.
Convém que vos ausenteis deste solar por algum tempo para normalizar a nossa situação.
O conde, mudo, ainda não dera a decisão definitiva, quando ouviu a moça murmurar:
— Senhor, diga ao sr. Closet que, até amanhã, meu pai vai ausentar-se deste castelo.
Pode ele ficar tranquilo, pois, em caso contrário, farei como minha mãe:
terminarei com esta vida de sofrimentos!
— Que disseste, Diana? — falou o conde, levantando-se bruscamente e aproximando-se da filha, que soluçava.
— Preciso retirar-me levando a vossa resposta definitiva — disse o emissário de Januário.
O conde de Debret, após rápida meditação, respondeu:
— Dizei ao dr. Closet que, ao amanhecer, partirei para lugar desconhecido do qual provavelmente jamais voltarei.
O emissário, fazendo larga curvatura, logo afastou-se do castelo.
— Uma desgraça nunca vem só! — exclamou a jovem.
— Tua mãe, se não houvesse terminado sua inútil existência, acabaria por ser morta por mim no primeiro atrito, pois vi que ela se conservava enamorada deste maldito do qual hei-de tirar a vida, sem me importar que seja preso e condenado.
— Minha mãe era honesta e virtuosa, pai.
Estimava apenas o primo como um irmão muito querido.
Seria incapaz de trair seus deveres de esposa! — defendeu Diana.
O conde fitou a filha, surpreso, e disse-lhe em tom grave:
— Eu já te proibi de intervires em minhas decisões, mas há momentos em que penso que possuis um critério de pessoa centenária.
Bem, é provável que, de agora para o futuro, poucas vezes possamos trocar ideias.
Quem sabe se jamais regressarei a este solar que se tornou, para mim, indesejável!
— Pai querido, não sondemos, nestes momentos acerbos, o futuro, sempre misterioso e impenetrável.
Uma coisa, porém, eu vos quero implorar: abrandai os impulsos de vosso génio, mormente agora que ides para longínquas regiões.
Tende compaixão de mim, que, afastada de vossa presença, continuarei neste castelo sob os cuidado de meus bondosos mestres, que tiveram um gesto nobre ao permitir que vos acompanhe ao degredo, para evitar novas amarguras, seu filho único, tão digno de nossa estima!
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 29, 2018 10:57 am

— Neste momento decisivo, Diana, eu te prometo que, se regressar a este castelo, com Leonel Delavigne e João Vermont, um servo sempre dedicado e honesto, hei-de dar-lhe digna recompensa.
— Que Deus escute as vossas palavras, meu pai!
— Estás duvidando de minha lealdade, Diana? — interpelou-a o conde, já com a voz alterada pela cólera.
— Perdão, meu pai! Perdão!
Não duvido de vossa sinceridade, mas, como o futuro é sempre indecifrável para os seres humanos, eu desejo que vossas promessas, ora tão generosos, sejam amparados pelo meigo Nazareno para, que se realizem elas em sua íntegra.
— Senhor conde — falou um servo, chegando subitamente onde o fidalgo palestrava com a filha — acaba de chegar um outro emissário do dr. Closet para indagar se já partistes daqui.
— Dê-lhe a seguinte resposta:
em menos de uma hora... estarei longe deste castelo e, se não cumprir a minha palavra, ele... poderá agir como bem quiser!
A moça, soluçante, abraçou-se ao progenitor que, pela primeira vez, emocionou-se e osculou-lhe a fronte.
Tudo foi aprestado para a partida em uma confortável carruagem na qual entraram três ocupantes, além do seu dirigente.
Os professores de Diana, servos e camponeses, aproximaram-se dos que iam partir, fazendo votos de paz e de uma viagem sem acidentes.
Explosões de intenso sentimento foram então manifestadas naquela hora de grande sofrimento.
— Não parecia estar tão próximo o limite da vida da senhora condessa, sempre tão resignada e compassiva. Era-lhe impossível, depois da violência do conde, continuar a sofrer acerbas humilhações! — falou a professora.
— Sim, tens razão — respondeu-lhe o esposo — e não desaprovo o ato de violência do dr. Januário que tudo deve ter percebido... no suicídio de sua digna prima.
Os verdadeiros culpados foram os pais da condessa ao desfazer o noivado com o primo que era pobre, mas possuía nobres aspirações... que se realizariam e então poderiam ter sido muito venturosos!
— O destino humano não depende muitas vezes do esforço próprio, pois há provas invencíveis que se realizam de acordo com as leis divinas! — exclamou Estela.
Depois, mudando de entonação, disse ao esposo:
— Vou em busca de Diana.
Tenho receio... que imite ela... o gesto de sua infortunada mãe!
A professora saiu e procurou-a em diversos compartimentos, indo encontrar a moça deitada em decúbito dorsal, no leito que fora de sua desditosa progenitora, parecendo desmaiada, inerte, e, então, angustiada, Esteia curvou-se a fim de verificar se o seu coração estava funcionando normalmente.
Observou o ritmo cardíaco pouco agitado e então falou com incontida angústia:
— Diana! Diana! Estás enferma?
A jovem descerrou os olhos azuis, fitou-a e fez um gesto com a destra, que a deixasse assim por mais alguns instantes.
A dedicada mestra sentou-se pouco distante do leito, observando a moça.
Assim esteve por mais de trinta minutos, sempre em observação e finalmente viu Diana despertar, dizendo-lhe com voz suave e entristecida:
— Não sei como hei-de resistir ao dissabor por que passei...
Nunca mais poderei ser ditosa, pois não é possível olvidar o sofrimento de minha bondosa e desventurada mãe...
Ouvi, porém, o que ocorreu comigo... na hora da partida de meu infeliz pai.
Senti uma dor indescritível. .. Lembrei-me de agir... como fez minha mãe, quando subitamente fui manietada, minhas forças orgânicas foram alquebradas... e tive a impressão de estar cindindo o Espaço, amparada por braços tutelares.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 29, 2018 10:57 am

Pude observar a Terra, separada dos outros planetas por um oceano de névoas transparentes, em contínuo movimento.
Ouvi uma voz tutelar que assim me falou:
— Diana, não queiras tentar contra a tua vida, pois serás considerada auto homicida... com a agravante de não haver agora motivo para esse ato de violência, pois vais ficar ao lado de seres amigos sem outra preocupação a não ser a ausência de teu pai... que, dentro de pouco tempo, vai despertar para a vida eterna — a espiritual.
Ainda saberás qual a origem de todas as maldades cometidas pelo conde de Debret... que vai ser perdoado... pelo que vai ainda sofrer nesta vida.
Diana, a formosa Genoveva, em anterior existência, foi casada com o que, nesta actual encarnação, foi teu avô paterno.
Ela, porém, como sucedeu à tua mãe, não amava o seu companheiro de existência... porque se apaixonara por outro jovem... com o qual abandonou o lar e que, actualmente, é o dr. Januário Closet.
Eis, minha filha, o motivo da odiosidade que havia no espírito de teu avô paterno que não concordou com a união de teu pai com a jovem que o traíra em existência passada e começou a actuar sobre o filho... para torná-la desgraçada, o que conseguiu inteiramente.
O dr. Closet, porém, tem tido vida de abnegação, auxiliando os que sofrem e, por mais de uma vez, tem sido médico dos infelizes enfermos.
Sua missão, no plano terreno, será inolvidável no Solar de Diana...
Julgas, minha irmã, que ele foi cruel impondo a ausência do conde de Debret aqui... de seu próprio lar, mas todos se iludem com isso.
Ele praticou um ato nobilíssimo, pois o conde, há muito está assediado pelo espírito perverso de seu progenitor, em findo avatar, o qual foi consorciado com a que, há pouco, se suicidou, mas que não o amava, e sim ao primo, cuja vida tem sido ligada à sua, e que, nesta actual existência... vai ser qual se fora o de um filho bem-amado...
Se o conde de Debret continuasse a viver no solar de Diana, sempre exasperado, vingativo e cruel, — pela possessão do espírito perverso do que foi seu progenitor, praticaria outras violências, mas as provas acerbas que seu filho vai sofrer... deixarão um sulco de fogo em seu espírito!
Não desejo revelar, na íntegra, o teu porvir, mas quero que observes a sublimidade do Universo, as maravilhas que contém, e, se te suicidares, serás afastada para os planos inferiores do Cosmos.
Tudo farás para nobilitar o teu espírito, o único responsável perante o Juiz Supremo!
Hoje, quando despertares deste letargo, farás uma prece fervorosa a Jesus e a seus dignos Mensageiros.
Desta data para o porvir, sondarás as tristezas que ocorrem neste sumptuoso solar e, com dedicação cristã, a todos tens que proporcionar um auxílio benéfico, uma palavra de conforto, um amparo precioso.
Vais sobretudo proteger e tomar venturosa uma família, cujo dirigente, por motivo injusto, foi expulso deste castelo.
A criança, pela qual vais te desvelar, já foi ligada, intimamente, à tua vida de anterior existência.
Vais ter um digno esposo para a prática do Bem, cujo nome não devo revelar hoje, mas que será reconhecido em menos de um ano.
Agora, filha querida, vamos cindir o Espaço constelado!
Vais compreender a sublimidade do Poder Divino, de sua bondade, de seu prestígio incomparável.
Vê, filha, como giram os planetas ao redor do Astro-Rei — o Sol — como verdadeiros bailarinos celestiais, com uma precisão absoluta, todos sustendo maravilhas e abismos.
A criatura humana, mais tarde, fará estudos profundos sobre o que ocorre no Espaço, terá aparelhos maravilhosos que encurtarão as distâncias, transmitirão as imagens e o som através do Espaço e haverá possibilidade de haver relações fraternas entre os habitantes da Terra com os de diversos orbes siderais.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Ave sem Ninho em Dom Abr 29, 2018 10:57 am

Não te espantes, minha filha, pois a verdade será desvendada em menos de dois séculos.
Não queiras, pois, filha, sustar a marcha progressiva de teu espírito, decepando o liame vital, pois o sofrimento, quanto mais intenso for, mais tornará ditoso o espírito, que poderá se transformar em águia celeste, de voo incomparável na Terra.
Abençoa tudo quanto tens sofrido, pois estás, desse modo, alijando as faltas mais graves, resgatando delitos pungentes e conquistando vitórias eternas.
Não lamentes o sofrimento por mais angustioso que seja, pois, com resignação e coragem, a pena será resgatada, dando jus à condigna recompensa ao delinquente!
— Amigo de Jesus, murmurei, então por que não me levais para mais longínquas regiões a fim de que eu possa aquilatar melhor o Poder Divino?
— Ainda tens necessidade de outras demonstrações, que estão patentes a nossos olhos, do que o que estamos contemplando?
— Não! Mas eu desejava... que vos afastásseis bastante da Terra... para que não houvesse mais necessidade... de regressar ao solar paterno.
— Compreendo o que premeditaste, Diana, e vais pedir perdão ao Pai celestial por haver concebido um pensamento que justificava a ideia de suicídio.
Não é verdade?
— Perdão, meu bom amigo.
Pensei que, se tal sucedesse, não me caberia nenhuma responsabilidade de minha morte material... e não teria ensejo de regressar à Terra.
— Combate esse pensamento ofensivo ao Juiz Supremo e a mim, que sou teu principal Mentor há muitos séculos, tendo seguido teus passos através do plano material e observado as quedas e a evolução que já adquiriste.
Não mantenhas mais a ideia de suicídio, pois, no caso afirmativo, vais fazer jus a vidas excessivamente penosas, de dores e fracassos, e, ao contrário, se reagires agora, terás uma vida abençoada por Deus e por teus Guias e Mentores espirituais.
Vou dar-te agora uma elucidação proveitosa:
os seres humanos, enquanto estiverem no plano material, quando se alçam ao Espaço, como sucede contigo neste momento, ainda tem atracção centrípeta, isto é, para o centro do planeta em que nascerem, e, por mais que o queiram, não podem afastar-se do ambiente terreno, pois, apesar de ser o corpo intangível que se alça ao Espaço, como acontece contigo neste instante, ainda há liames, poderosos a prenderem a alma ao planeta.
Se eu atendesse ao teu pedido, cometeria uma falta gravíssima que me acarretaria punições prolongadas.
Seu corpo, tombado na cama, não cessa de respirar e, se o espírito atingisse o vácuo, onde não há mais atmosfera, acarretaria uma súbita paralisação do coração da pessoa na situação em que te encontras.
Vamos regressar neste momento, pois teu corpo já começa a ficar em letargia.
Vê, porém, com enlevo, o que nos cerca e, assim que pousarmos novamente no plano material, teu primeiro pensamento vai ser dirigido ao Factor do Universo para que jamais concebas pensamentos de revolta, de falta de resignação, desejando morrer para finalizar os tormentos da vida, o que não sucederá enquanto não forem ultimadas tuas derradeiras provas planetárias.
Escutaste o que te revelei?
— Sim, meu bom amigo.
Haveis de auxiliar-me a fazer uma irradiação espiritual consagrada ao Criador do Universo, neste lugar maravilhoso!
— Sim, no transcurso de alguns segundos, faremos uma prece vibrante.
Antes, porém, desejo dar-te mais algumas elucidações que ficarão eternamente gravadas em teu espírito.
Não é permitido pelo Divino Pai que algum ser humano possa alar-se do planeta Terra para o Universo prodigioso, nem pesquisar o que existe no lado posterior dos planetas.
avatar
Ave sem Ninho

Mensagens : 79717
Data de inscrição : 07/11/2010
Idade : 62
Localização : Porto - Portugal

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Na Seara Bendita - Victor Hugo / Zilda Gama

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 5 1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum